Invencível Uma história de sobrevivência, resistência e redenção vivida durante a II Guerra Mundial Laura Hillenbrand Tradução de Maria João Camacho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Invencível Uma história de sobrevivência, resistência e redenção vivida durante a II Guerra Mundial Laura Hillenbrand Tradução de Maria João Camacho"

Transcrição

1 Invencível Uma história de sobrevivência, resistência e redenção vivida durante a II Guerra Mundial Laura Hillenbrand Tradução de Maria João Camacho

2

3 O que ficou em ti mais vivo e mais intenso? Os pânicos estranhos, As batalhas mais disputadas ou os tremendos cercos, o que recordas mais intensamente? Walt Whitman, O Enfermeiro 1 1. Walt Whitman, As Folhas de Erva. Tradução de Maria de Lourdes Guimarães. Relógio d Água, 2002.

4

5

6 Índice Prefácio :: 13 Parte I 1. A Rebeldia Personificada :: Correr como um Louco :: O Tornado de Torrance :: Pilhando a Alemanha :: A Caminho da Guerra :: 63 Parte II 6. O Caixão Voador :: Chegou a Hora, Rapazes! :: Só a Minha Roupa Foi Testemunha do Meu Medo :: Quinhentos e Noventa e Quatro Buracos :: Os Seis Malditos :: Ninguém Vai Sobreviver a Isto :: 156 Parte III 12. À Deriva :: Perdidos no Mar :: Sede :: Entre Balas e Tubarões :: Cantando nas Nuvens :: Tufão :: 221 INVENCÍVEL :: LAURA HILLENBRAND 11

7 Parte IV 18. Um Cadáver Que Respira :: Duzentos Homens Silenciosos :: Flatos para Hirohito :: Fé :: Elaborando Planos :: Monstro :: Perseguido :: B -29 :: Insanidade :: Caindo :: Escravizados :: Duzentos e Vinte Murros :: Uma Cidade em Ebulição :: Homens Nus em Debandada :: Cascatas de Pêssegos Cor -de -rosa :: Dia da Mãe :: 406 Parte V 34. A Rapariga Incandescente :: Desmoronando :: O Corpo na Montanha :: Cordas Retorcidas :: Um Sinal de Esperança :: Amanhecer :: 475 Epílogo :: 479 Agradecimentos ::

8 Prefácio Para onde quer que olhasse, só via água. Corria o dia 23 de junho de Algures, na infindável extensão do Oceano Pacífico, o tripulante de um bombardeiro da Força Aérea norte -americana e atleta olímpico Louie Zamperini estava deitado num salva -vidas que se deslocava para ocidente. Tombado ao seu lado, encontrava -se um sargento, um dos artilheiros do avião. Numa outra balsa, amarrada à primeira, achava -se outro elemento da tripulação, que exibia um corte profundo e irregular que lhe cruzava a testa em zigue zague. Os seus corpos, tostados pelo sol e tingidos de amarelo pela tinta das balsas, estavam praticamente reduzidos a esqueletos. Tubarões deslizavam à sua volta, em círculos preguiçosos, fazendo roçar o dorso pelas balsas, aguardando. Os homens andavam à deriva havia vinte e sete dias. Arrastados por uma corrente equatorial, tinham percorrido cerca de mil milhas e penetrado nas águas controladas pelos japoneses. As balsas tinham começado a deteriorar -se numa massa gelatinosa que libertava um odor acre e intenso. Os corpos dos homens estavam marcados por queimaduras provocadas pelo sal e os seus lábios estavam tão intumescidos que lhes pressionavam o nariz e tombavam sobre o queixo. Passavam os dias de olhos fixos no céu, cantando White Christmas, balbuciando sobre comida. Já ninguém estaria a fazer esforços para encontrá -los. Achavam -se sozinhos no meio de 56 milhões de milhas marítimas quadradas de oceano. Um mês antes, Zamperini, de 26 anos, tinha -se revelado um dos maiores corredores de velocidade do mundo, aquele que muitos esperavam viesse a ser o primeiro a percorrer uma milha (1,6 km) em menos de quatro minutos, um dos recordes desportivos mais marcantes. Agora, o seu corpo atlético estava reduzido a menos de quarenta e cinco INVENCÍVEL :: LAURA HILLENBRAND 13

9 quilos e as suas famosas pernas já não conseguiam sustê -lo de pé. À exceção da família, quase todos o davam como morto. Naquela manhã do vigésimo sétimo dia, os homens começaram a ouvir uma espécie de tamborilar distante e profundo. Estando todos ligados à aviação, conheciam bem aquele som: pistões. Os seus olhos captaram um brilho no céu um avião, bem lá no alto. Zamperini acendeu dois foguetes de sinalização e espalhou tinta em pó na água, envolvendo as balsas num círculo cor de laranja forte. O avião manteve a sua rota, desaparecendo lentamente. Os homens deixaram -se cair para trás. Eis, porém, que o som voltou a fazer -se ouvir, e o avião surgiu de novo. A tripulação tinha -os detetado. Com braços mirrados, que pouco mais eram que osso e pele amarelada, os náufragos acenaram e gritaram numa voz debilitada pela sede. O avião desceu e passou ao lado das balsas. Zamperini viu o perfil dos tripulantes, recortado contra o azul intenso. Ouviu -se um rugir terrível. A água, e as próprias balsas, pareceram entrar em ebulição. Era fogo de metralhadora. Não se tratava de um avião de resgate norte -americano, mas de um bombardeiro japonês. Os homens lançaram -se à água e apertaram -se debaixo das balsas, estremecendo a cada bala que furava a borracha e cortava uma linha efervescente na água, junto à sua cara. O tiroteio continuou intenso, depois abrandou, quando o avião passou por cima deles. Os homens içaram- -se para dentro da única balsa que ainda se mantinha razoavelmente insuflada. O bombardeiro inclinou -se de lado, descreveu um círculo e lançou -se de novo na direção deles. Como não se elevou no ar, Zamperini conseguiu ver que as miras das metralhadoras estavam apontadas diretamente a eles. Zamperini olhou para os companheiros. Encontravam -se demasiado fracos para voltarem a mergulhar. Enquanto se deitavam no fundo da balsa, de mãos sobre a cabeça, Zamperini lançou -se borda fora, sozinho. Algures por baixo dele, os tubarões tinham -se cansado de esperar. Arquearam o corpo na água e começaram a nadar na direção do homem que se encontrava debaixo da balsa. 14

10 Parte I

11 16 Fotografia cedida por Louis Zamperini, feita a partir de uma imagem original de John Brodkin.

12 UM A Rebeldia Personificada Na escuridão que antecedeu a alvorada do dia 26 de agosto de 1929, no quarto das traseiras de uma pequena casa de Torrance, na Califórnia, um rapaz de doze anos estava sentado na cama, à escuta. Do exterior, chegava -lhe um som que estava a ficar cada vez mais intenso. Era um ímpeto que sugeria imensidão, uma força que cortava o ar. E a sua origem encontrava -se precisamente por cima da casa. O rapaz saltou da cama, desceu as escadas apressadamente, abriu a porta das traseiras e correu pelo relvado. O quintal parecia pertencer a outro mundo, envolto numa escuridão invulgar e estremecendo com o som. O rapaz ficou parado na relva, ao lado do irmão mais velho, a cabeça caída para trás, fascinado. O céu tinha desaparecido. Um objeto de que apenas conseguia distinguir a silhueta, e que se estendia ao longo de um imenso arco de espaço, estava suspenso no ar, sobranceiro à casa. Era mais extenso do que dois campos de futebol, tão alto como uma cidade e estava a ocultar as estrelas. Aquilo que o rapaz estava a presenciar era o dirigível Graf Zeppelin. Com perto de duzentos e quarenta metros de comprimento e cerca de trinta e três metros de altura, foi a maior máquina voadora alguma vez fabricada. Mais luxuoso do que o melhor dos aviões, deslizando sem esforço através de longas distâncias e construído a uma escala que deixava os espectadores boquiabertos, tinha sido, no verão de 1929, a maravilha do mundo. O dirigível estava a três dias de completar uma sensacional proeza aeronáutica: a circum -navegação do globo. A viagem tivera início no dia 7 de agosto, quando o Zeppelin largara as suas amarras em Lakehurst, Nova Jérsia, se elevara, com um longo e lento suspiro, e se encaminhara para Manhattan. Naquele verão, na 5.ª Avenida, a demolição do Hotel INVENCÍVEL :: LAURA HILLENBRAND 17

13 Waldorf -Astoria estava em vias de começar, abrindo espaço para um arranha -céus de proporções sem precedentes, o Empire State Building. No Yankee Stadium, no Bronx, os jogadores estavam a estrear equipamentos numerados: Lou Gehrig vestia o número 4; Babe Ruth, em vésperas de atingir o seu quingentésimo home run, envergava o número 3. Em Wall Street, os preços das ações estavam a disparar e a atingir os valores mais altos de todos os tempos. Depois de contornar lentamente a estátua da Liberdade, o Zeppelin apontou para norte, depois virou para o Atlântico. Passado algum tempo, a terra voltou a surgir lá em baixo: França, Suíça, Alemanha. A nave sobrevoou Nuremberga, onde um político insignificante Adolf Hitler, cujo partido nazi havia sido esmagadoramente derrotado nas eleições de 1928, tinha acabado de proferir um discurso de incitamento ao infanticídio seletivo. Em seguida, rumou para ocidente de Frankfurt, onde uma mulher judia de nome Edith Frank estava a tratar do seu bebé recém -nascido, uma menina chamada Anne. Navegando para nordeste, o Zeppelin sobrevoou a Rússia. Aldeões siberianos, tão isolados que nem mesmo um comboio haviam visto, caíram de joelhos perante aquela aparição. No dia 19 de agosto, o Zeppelin circulou sobre Tóquio e aterrou num aeródromo perante cerca de quatro milhões de japoneses que agitavam lenços e gritavam Banzai!. Quatro dias mais tarde, ao som dos hinos da Alemanha e do Japão, a nave elevou -se e foi engolida por um tufão que a empurrou, através do Pacífico e a uma velocidade vertiginosa, na direção dos Estados Unidos. Os passageiros, olhando fixamente pelas janelas, divisavam apenas a sombra do dirigível, seguindo -o ao longo das nuvens, como um tubarão gigante que nadasse ao seu lado. Quando as nuvens se abriam, os passageiros avistavam criaturas gigantes, deslocando -se no mar, que pareciam monstros. A 25 de agosto, o Zeppelin chegava a São Francisco. Depois de ter sido aplaudido ao longo da costa californiana, deslizou pelo crepúsculo, penetrou na escuridão e no silêncio e transpôs a meia -noite. Lento como uma brisa, sobrevoou Torrance, tendo apenas por testemunhas algumas almas dispersas e sonolentas, entre as quais o rapaz de pijama, no quintal da casa de Gramercy Avenue. 18

14 De pé, descalço na relva, sob o dirigível, o rapaz estava paralisado. Aquilo era, diria ele mais tarde, assustadoramente belo. Conseguia sentir o rugir dos motores da nave a revolverem o ar, mas não conseguia distinguir a sua pele prateada, as costelas arredondadas, a cauda em forma de barbatana. Apenas via a escuridão do espaço que ela ocupava. Não era uma grande presença, mas sim uma grande ausência, um oceano geométrico de escuridão que parecia engolir o próprio céu. ::::: O nome do rapaz era Louis Silvie Zamperini. Filho de imigrantes italianos, tinha vindo ao mundo em Olean, Nova Iorque, no dia 26 de janeiro de 1917, com cinco quilos e vinte gramas e uma cabeleira negra mais crespa que arame farpado. O pai, Anthony, tornara -se independente aos catorze anos, trabalhando, primeiro, como mineiro e pugilista, depois, na construção civil. A mãe, Louise, era uma mulher pequenina, de uma beleza cheia de vida, que casara aos dezasseis anos e tivera Louie aos dezoito. No apartamento em que viviam, e onde apenas se falava italiano, Louise e Anthony tratavam o filho por Toots 1. A partir do momento em que começou a andar, Louie deixou de suportar sentir -se limitado nos seus movimentos. Os irmãos recordavam- -se de o ver cirandar de um lado para o outro, saltando por cima de plantas, animais e mobília. Assim que Louise o sentava numa cadeira e lhe dizia que ficasse quieto, ele desaparecia. Se ela não mantinha o seu irrequieto filho bem seguro pela mão, era frequente não saber por onde ele andava. Em 1919, quando Louie, então com dois anos, ficou doente com uma pneumonia, trepou para a janela do quarto, desceu do primeiro andar e fugiu, rua abaixo, completamente nu, com um polícia no seu encalço e uma multidão a observar, incrédula. Pouco depois, e por aconselhamento de um pediatra, Louise e Anthony decidiram mudar -se com os filhos para o clima mais ameno da Califórnia. Assim que o comboio 1. Bebé ou queridinho. (N. da T.) INVENCÍVEL :: LAURA HILLENBRAND 19

15 em que viajavam saiu da Grand Central Station, Louie desatou a correr até ao fim do comboio e saltou da carruagem do guarda -freio. Quando o comboio rolava em marcha -atrás, à procura do rapazinho perdido, Pete, o irmão mais velho de Louie, que estava de pé, ao lado da ansiosa mãe, avistou o irmão a passear pelos carris numa total descontração. Quando a mãe o tomou nos braços, Louis sorriu. Sabia que virias atrás de mim, disse, em italiano. Na Califórnia, Anthony conseguiu arranjar emprego como eletricista ferroviário e comprou um terreno com cerca de dois mil metros quadrados no extremo de Torrance, uma cidade com 1800 habitantes. Anthony e Louise improvisaram uma cabana de uma só divisão, sem água corrente, com uma latrina exterior nas traseiras e um telhado que deixava entrar tanta água que tinham de colocar baldes em cima das camas. Tendo apenas trincos nas portas, à laia de fechaduras, Louise começou a sentar -se numa caixa de maçãs, encostada à porta da casa, com um rolo da massa na mão, disposta a esmagar o crânio a qualquer meliante que se atrevesse a ameaçar os seus filhos. Ali, e na casa de Gramercy Avenue, onde se instalaram um ano mais tarde, Louise manteve os gatunos longe de casa, mas não conseguiu manter Louie por perto. Participando numa corrida disputada através de uma movimentada autoestrada, por pouco não foi colhido por uma carrinha. Aos cinco anos, começou a fumar, apanhando beatas de cigarro que encontrava a caminho do jardim -escola. Certa noite, quando tinha oito anos, começou a beber: escondera -se debaixo da mesa de jantar, surripiando copos de vinho que bebeu a seco, depois cambaleara até ao exterior e caíra em cima de uma roseira. Um dia, Louise descobriu que Louie tinha espetado a perna numa cana de bambu; noutro dia, teve de pedir a um vizinho para coser o dedo de Louie que tinha sido quase arrancado. Quando Louie chegou a casa encharcado em petróleo, depois de ter estado a escalar uma torre de sondagem, ter mergulhado num poço de drenagem e de quase se ter afogado, foram necessários quatro litros de terebintina e muita esfregadela para que Anthony conseguisse reconhecer o filho. Fascinado pelo derrubar de fronteiras, Louie era indomável. À medida que foi crescendo e adquirindo uma inteligência invulgar, as 20

16 pequenas proezas audaciosas deixaram de o satisfazer. Nascia, em Torrance, a rebeldia personificada. ::::: Tudo o que era comestível, Louie roubava. Sorrateiro, percorria becos com um rolo de arame no bolso, para abrir fechaduras. Donas de casa que se ausentassem da cozinha, descobriam, ao regressar, que o seu jantar tinha desaparecido. Pessoas que acaso estivessem a espreitar por uma janela das traseiras, eram capazes de vislumbrar um rapaz de pernas compridas fugindo com um bolo inteiro nas mãos. Quando uma família da zona excluiu Louie da lista de convidados para um jantar, o rapaz forçou a entrada na casa, subornando o Grand Danois da família com um osso, e roubou tudo que encontrou no frigorífico. Numa outra festa, saiu às escondidas, levando um barril cheio de cerveja. Quando descobriu que as mesas de arrefecimento da Padaria Meinzer ficavam à distância de um braço, entrando pela porta das traseiras, começou a abrir a fechadura com o arame, a surripiar tartes, a comer até fartar e a reservar o resto para usar como munições em emboscadas. Quando ladrões rivais começaram a copiar o crime, ele suspendeu a atividade até os culpados serem apanhados e os donos da padaria baixarem as guardas. Nessa altura, deu indicações aos amigos para assaltarem, de novo, a Padaria Meinzer. Era certo e sabido que todas as histórias que Louie contava sobre a sua infância, acabavam invariavelmente com e, então, eu desatei a correr como um louco. Era frequente ser perseguido por pessoas a quem tinha roubado, tendo pelo menos duas delas ameaçado que disparariam sobre ele. Para reduzir o número de provas que a polícia pudesse encontrar na sua posse, quando, como era habitual, acabasse por encontrá- -lo, construiu esconderijos para albergarem o fruto dos seus saques em diferentes pontos da cidade, incluindo um buraco com três compartimentos, que escavou numa floresta das redondezas. Certa vez, Pete encontrou, sob as bancadas do campo de jogos do liceu de Torrance, um jarro de vinho roubado que Louie aí tinha escondido. Estava repleto de formigas embriagadas. INVENCÍVEL :: LAURA HILLENBRAND 21

João e o pé de feijão ESCOLOVAR

João e o pé de feijão ESCOLOVAR João e o pé de feijão ESCOLOVAR Era uma vez um rapaz chamado João que vivia com a sua mãe numa casa muito modesta. A mãe era desempregada e só tinha uma pequena horta onde cultivava todo o tipo de legumes.

Leia mais

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente De entre todas as coisas que podem entupir os canos lá em casa, um mamífero do Ártico com excesso de peso é provavelmente a pior. Isto porque, embora

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA Uma Aventura na Serra da Estrela Coleção UMA AVENTURA Atividades Propostas Leitura em voz alta de um ou dois capítulos por aula. Preenchimento das fichas na sequência

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo.

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo. I Uma vez, quando eu tinha seis anos, vi uma figura magnífica num livro sobre a floresta virgem, chamado Histórias vividas. Representava uma jiboia engolindo uma fera. Esta é a cópia do desenho. O livro

Leia mais

-Ui! -e o tatu saltou e correu.

-Ui! -e o tatu saltou e correu. Clara vive no Rio Negro, nas montanhas da Colômbia. Ela tralha no sítio de café da sua família e freqüenta a escola. Sua parte favorita da escola é quando Carolina e Hilma da Fundação Natura ensinam sua

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

A NUVEM. O Sétimo Anjo

A NUVEM. O Sétimo Anjo A NUVEM O Sétimo Anjo PARADO NA BRECHA 1963 - Jeffersonville - Indiana - E.U.A. - Tradução: GO 82 E agora, eu não sabia naquela época, que eles estavam tirando fotos daquilo, os cientistas que estavam

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se A VOZ DAS COISAS Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se Marta, naquela noite, a sós na cama. Há as línguas que as pessoas falam: francês, alemão, espanhol, chinês, italiano. Para indicar a mesma

Leia mais

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada?

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada? Levante-se o réu. 6 ...capítulo um Fiquei de pé. Por um momento vi Glória de novo, sentada no banco no píer. A bala acabara de atingir a sua cabeça, de lado, o sangue ainda nem tinha começado a escorrer.

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

Para Tom, Finn e Oliver Giles. o meu alegre bando de Pestinhas

Para Tom, Finn e Oliver Giles. o meu alegre bando de Pestinhas Para Tom, Finn e Oliver Giles o meu alegre bando de Pestinhas Rápido! Assim que olharem para esta página, e escondam se! o livro convosco!) corram Mas lembrem se de levar Estão prestes a ler algo verdadeiramente

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais

Departamento de Especulações.indd 11 03/07/15 16:43

Departamento de Especulações.indd 11 03/07/15 16:43 1 Os antílopes têm uma visão dez vezes melhor do que a nossa, disseste me. Foi no início ou quase. O que significa que numa noite clara eles conseguem ver os anéis de Saturno. Ainda passariam alguns meses

Leia mais

O AVIÃO QUE BATEU NO EMPIRE STATE Building EM 1945.

O AVIÃO QUE BATEU NO EMPIRE STATE Building EM 1945. O AVIÃO QUE BATEU NO EMPIRE STATE Building EM 1945. Inaugurado em Nova York em primeiro de maio de 1931, o Empire State Building, na esquina entre a Quinta Avenida e a Rua 34 Oeste, com 102 andares e 443

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA UMA AVENTURA NA CIDADE COLEÇÃO UMA AVENTURA ATIVIDADES PROPOSTAS Leitura integral na sala de aula, por capítulos, um ou dois por aula Compreensão da narrativa Distinção

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha.

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha. ESTRELAS DE NATAL David acordou. O pai tinha aberto a janela e estava a olhar para as estrelas. Suspirava. David aproximou-se. Ouviu novo suspiro. O que tens, pai? perguntou. O pai pôs-lhe as mãos nos

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

O homem que tinha uma árvore na cabeça

O homem que tinha uma árvore na cabeça O homem que tinha uma árvore na cabeça Era uma vez um homem que tinha uma árvore na cabeça. No princípio era apenas um arbusto com folhas esguias e acastanhadas. Depois os ramos começaram a engrossar e

Leia mais

O caso da cueca...73 Guiomar não existe mais...75 Dramas da evolução...79 A aranha...83 Quatro maridos de Xangri-lá...87 Dividida de bola na

O caso da cueca...73 Guiomar não existe mais...75 Dramas da evolução...79 A aranha...83 Quatro maridos de Xangri-lá...87 Dividida de bola na Sumário Eu não vi...11 A mãe, o menino, a bola e o mar...13 Sorte Grande...15 As velhinhas de Copacabana...19 Renato em Ipanema...23 Ele gosta de amarelo...27 Ruas do Rio...29 O piano de Copacabana...33

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke.

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Brincar às guerras Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Os amigos sentaram-se à sombra do salgueiro a decidir o que fazer. Tens mais balões de água? perguntou Danny.

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e

Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e 11 a caixa 2007 Como a casa dos Larsen estava abandonada desde o ano anterior, as folhas secas cobrindo o caminho até a porta, o que Tomás fez foi tirar uma tábua e passar pela janela quebrada, vendo então

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE RAUL PROENÇA COMPETÊNCIAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE RAUL PROENÇA COMPETÊNCIAS DE LÍNGUA PORTUGUESA 1. Caça ao intruso. Os textos têm palavras a mais. Encontra-as. Volta a escrever o texto corrigido. Foram umas duas férias maravilhosas horríveis! Conta a Sara girafa ao companheiro, corada de tristeza

Leia mais

Ex-escravos lembram rotina em fazenda nazista no interior de SP. Gibby Zobel BBC World Service, Campina do Monte Alegre (SP)

Ex-escravos lembram rotina em fazenda nazista no interior de SP. Gibby Zobel BBC World Service, Campina do Monte Alegre (SP) Ex-escravos lembram rotina em fazenda nazista no interior de SP Gibby Zobel BBC World Service, Campina do Monte Alegre (SP) Em uma fazenda no interior de São Paulo, 160 km a oeste da capital, um time de

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos

ÁREA DA AUTONOMIA. Objectivos ÁREA DA AUTONOMIA Ser autónomo ao nível da alimentação Preparar o seu lanche: barrar fatias de pão Descascar fruto: banana Esmagar a banana Comer o iogurte sem apoio ACTIVIDADE 1: Quais são os frutos iguais?

Leia mais

Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa

Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa 12 Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa 2 Jogo da corrida das ovelhas 11 1. Monta-se o presépio (8 de dezembro). 2. Faz-se um caminho para a manjedoura. 3. Cada elemento da família

Leia mais

4!! PARTE. Prosa de Ficção

4!! PARTE. Prosa de Ficção 4!! PARTE Prosa de Ficção O amigo Toma um fósforo. Acende o teu cigarro! Augusto dos Anjos José Murilo Martins Nunca esqueci o caso do senhor Ed North. Tinha estatura mediana, cabelos brancos, palidez

Leia mais

Uma estrela subiu ao céu

Uma estrela subiu ao céu Compaixão 1 Compaixão Não desprezes aqueles a quem a vida desfavoreceu, mas ajuda-os no que estiver ao teu alcance. Cada pessoa tem em si algo de bom que é preciso fazer desabrochar. Uma estrela subiu

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

Cartilha das Brincadeiras

Cartilha das Brincadeiras Cartilha das Brincadeiras Amarelinha (academia, escada, macaca, sapata) Primeiro desenhe no chão um diagrama como este aí ao lado. Quem for jogar fica no inferno e lança uma pedra, mirando no número 1.

Leia mais

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12 NA PIOR Moggle? sussurrou Aya. Você está acordada? Algo se moveu na escuridão. Uma pilha de uniformes de dormitório se mexeu como se houvesse um pequeno animal embaixo. Então uma silhueta saiu das dobras

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

"O que não está sendo divulgado na mídia"

O que não está sendo divulgado na mídia "O que não está sendo divulgado na mídia". Essa nova versão possui mais fotos e foi disponibilizada na internet por: Clélia Dahlem da Silva. Realmente não sabemos nada, ou muito pouco, sobre a transição

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas.

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas. SEQUÊNCIA 1 - EXTERIOR - DIA VILA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas.

Leia mais

JAPÃO DE MOCHILA ÀS COSTAS 2ª. PARTE

JAPÃO DE MOCHILA ÀS COSTAS 2ª. PARTE JAPÃO DE MOCHILA ÀS COSTAS 2ª. PARTE Abandonamos Kyoto sentindo já saudades dos dias aqui passados, que foram tão agradáveis e cheios de experiencias novas. Mais aventuras esperavam por nós em Tokyo, e

Leia mais

Relato de parto: Nascimento do Thomas

Relato de parto: Nascimento do Thomas Relato de parto: Nascimento do Thomas Dia 15 de dezembro de 2008, eu já estava com 40 semanas de gestação, e ansiosa para ter meu bebê nos braços, acordei as 7h com uma cólica fraca, dormi e não senti

Leia mais

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O Lista Cinemática 1) (FP) Um motorista pretende realizar uma viagem com velocidade média de 90 km/h. A primeira terça parte do percurso é realizada à 50km/h e os próximos 3/5 do restante é realizado à 80

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO

Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS. 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 INTRODUÇÃO 3ª feira, dia 26 de abril de 2016 Dar de comer a quem tem fome 1º E 2º CICLOS Bom dia a todos. Preparados para mais um dia de aulas?! Muito bem! Hoje vamos falar como é importante dar comida a quem não

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Fany Aktinol o tom da infância o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Eu me chamo Françoise e escrevo para não esquecer, para não deixar morrer, mas principalmente para lembrar e preencher

Leia mais

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na Prólogo O ritmo pulsante da música tomava seu corpo até os All Stars cor-de-rosa de cano alto. Ela queria usar as sandálias de salto alto que tinha comprado na última viagem a Atlanta, mas havia cometido

Leia mais

RIMAS PERFEITAS, IMPERFEITAS E MAIS-QUE-PERFEITAS JOGOS E ACTIVIDADES

RIMAS PERFEITAS, IMPERFEITAS E MAIS-QUE-PERFEITAS JOGOS E ACTIVIDADES RIMAS PERFEITAS, IMPERFEITAS E MAIS-QUE-PERFEITAS JOGOS E ACTIVIDADES Recorda! Verbos são palavras que refer acções ou processos praticados ou desenvolvidos por alguém. Os verbos distribu-se por vários

Leia mais

Os planetas gémeos ...fim

Os planetas gémeos ...fim Os planetas gémeos 21 Era uma vez um par de planetas gémeos que tinham uma forma de olho. Eram quase redondos como a Terra. Apesar da distância que os separava, mexiam-se sempre em simultâneo e faziam

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

O despertador ainda não havia tocado quando abri os

O despertador ainda não havia tocado quando abri os I O despertador ainda não havia tocado quando abri os olhos na manhã do dia cinco de abril de mil novecentos e noventa e nove. Abri os olhos por intuição e virei o rosto na direção do relógio que estava

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

Morte no Nilo. Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia.

Morte no Nilo. Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia. Morte no Nilo Vais ficar como uma Múmia Vais passar à História! Anda na diversão MAIS ASSUSTADORA da TerrorLândia. Foge da Terrorlândia Morte no Nilo Vais ficar como uma Múmia Vais passar à História! Anda

Leia mais

"INSOLÚVEL" SEGUNDO RASCUNHO. Escrito por: Luís Eduardo E. Ribeiro

INSOLÚVEL SEGUNDO RASCUNHO. Escrito por: Luís Eduardo E. Ribeiro "INSOLÚVEL" SEGUNDO RASCUNHO Escrito por: Luís Eduardo E. Ribeiro Rua Faustolo, 371 São Paulo SP CEP 05041-000 (11) 9272-4021 1 INSOLÚVEL FADE IN: INT. CASA DO MENINO MANHÃ MENINO de 12-13 anos acorda.

Leia mais

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Ciço ao Seminário da Prainha depois de uma viagem de mais de um mês, montado a cavalo, desde a região do Cariri até a capital, Fortaleza. Trazia uma

Leia mais

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo:

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: 1) Complete as frases abaixo com o pretérito perfeito dos seguintes

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A CRIAÇÃO DE DEUS 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A história que nós ouvimos frequentemente como a história da criação é realmente uma história da re-criação. Há muitos anos entre

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 HISTÓRIAS COM GENTE DENTRO REFUGIADOS À procura da paz Testemunho de Ibraim (nome fictício) O meu nome é Ibraim, sou natural de um país africano, tenho 25 anos, e estou alojado

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes

O Pedido. Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido Escrito e dirigido por João Nunes O Pedido FADE IN: INT. CASA DE BANHO - DIA Um homem fala para a câmara. É, 28 anos, magro e mortiço. Queres casar comigo? Não fica satisfeito com o resultado.

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Delicadesa. Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado.

Delicadesa. Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado. Delicadeza 1 Delicadesa Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado. As Janelas Douradas O menino trabalhava

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Viagem de lançamento do veleiro WEST - 6-9 junho 2015 Projeto A ponte entre a escola e a Ciência Azul Ricardo Estevens, ES 2/3 Anselmo de Andrade,

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

Uma menina chamada Celeste saiu das labaredas e voou pelos céus além.

Uma menina chamada Celeste saiu das labaredas e voou pelos céus além. FOI NO TEMPO DAS GUERRAS: A ÁFRICA ERA UM CORAÇÃO A ARDER NO OCEANO Uma menina chamada Celeste saiu das labaredas e voou pelos céus além. Partiu esta menina, Celeste, dentro dum dragão de prata que voava

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais