Informações Importantes e Condições

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informações Importantes e Condições"

Transcrição

1 Informações Importantes e Condições 32. Após a autorização do curso, a instituição compromete-se a observar, no mínimo, o padrão de qualidade e as condições em que se deu a autorização, as quais serão verificadas por ocasião do reconhecimento e das renovações de reconhecimento. 1o A instituição deverá afixar em local visível junto à Secretaria de alunos, as condições de oferta do curso, informando especificamente o seguinte: I. Ato autorizativo expedido pelo MEC, com a data de publicação no Diário Oficial da União; A Faculdade Dom Pedro II de Tecnologia, originalmente Faculdade da Bahia, credenciada pelo MEC mediante Portaria nº 660 de 06/07/2007, publicada no D.O.U. de 09/07/2007, sediada no Largo da Calçada, nº 01, Salvador/Ba, compõe o grupo de instituições mantidas pela INSTITUIÇÃO BAIANA DE ENSINO SUPERIOR LTDA II. Dirigentes da instituição e coordenador de curso efetivamente em exercício; DIRETORIA PROFESSOR LUIZ BRANDÃO DANTAS COSTA DIRETOR GERAL PROFESSOR NELSON PIHAUY VICE-DIRETOR GERAL PROFESSOR VALMIR MARTINS DIRETOR DESENVOLVIMENTO INSTITUCUIONAL PROFESSOR WADIH HABIB DIRETOR EXECUTIVO PROFESSORA SILVIA GONÇALVES DIRETORA ACADÊMICA PROFESSORA CRISTIANA BLOISI DIRETORA ADM. E FINANCEIRA CORDENAÇÃO DE CURSO Coordenadora: Prof Ilma Tosca GESTÃO COMERCIAL Formação: TECNÓLOGO EM GESTÃO COMERCIAL Campus: V Turno: manhã e noite

2 GESTÃO DE RH Formação: TECNÓLOGO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Duração: 2 anosturno: manhã e noite GESTÃO TI- REDES Formação: TECNÓLOGO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO / Redes Duração: 2 anos Turno: manhã e noite III. Relação dos professores que integram o corpo docente do curso, com a respectiva formação, titulação e regime de trabalho; (PROF VALMIR) IV. Matriz curricular do curso; (COORDENAÇÃO DO CURSO) V. Resultados obtidos nas últimas avaliações realizadas pelo Ministério da Educação, quando houver; (PROF VALMIR) VI. valor corrente dos encargos financeiros a serem assumidos pelos alunos, incluindo mensalidades, taxas de matrícula e respectivos reajustes e todos os ônus incidentes sobre a atividade educacional. 2o A instituição manterá em página eletrônica própria, e também na biblioteca, para consulta dos alunos ou interessados, registro oficial devidamente atualizado das informações referidas no 1o, além dos seguintes elementos: I. projeto pedagógico do curso e componentes curriculares, sua duração, requisitos e critérios de avaliação; II. conjunto de normas que regem a vida acadêmica, incluídos o Estatuto ou Regimento que instruíram os pedidos de ato autorizativo junto ao MEC; III. descrição da biblioteca quanto ao seu acervo de livros e periódicos, relacionada à área do curso, política de atualização e informatização, área física disponível e formas de acesso e utilização; IV. descrição da infra-estrutura física destinada ao curso, incluindo

3 laboratórios, equipamentos instalados, infra-estrutura de informática e redes de informação. 3o O edital de abertura do vestibular ou processo seletivo do curso, a ser publicado no mínimo 15 (quinze) dias antes da realização da seleção, deverá conter pelo menos as seguintes informações: I. denominação e habilitações de cada curso abrangido pelo processo seletivo; II. ato autorizativo de cada curso, informando a data de publicação no Diário Oficial da União, observado o regime da autonomia, quando for o caso;iii. Número de vagas autorizadas, por turno de funcionamento, de cada curso e habilitação, observado o regime da autonomia, quando for o caso; IV. Número de alunos por turma; V. Local de funcionamento de cada curso; VI. Normas de acesso; VII. Prazo de validade do processo seletivo. 4o A expedição do diploma considera-se incluída nos serviços educacionais prestados pela instituição, não ensejando a cobrança de qualquer valor, ressalvada a hipótese de apresentação decorativa, com a utilização de papel ou tratamento gráfico especiais, por opção do aluno.

4 FACULDADE DOM PEDRO II DE TECNOLOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SALVADOR BA 2012

5 HISTÓRICO DO GRUPO DOM PEDRO II O Grupo Dom Pedro II é mantido pela Instituição Baiana de Ensino Superior Ltda., CNPJ: / , Pessoa Jurídica de Direito Privado - Com fins lucrativos - Sociedade Mercantil ou Comercial, com seu ato de constituição devidamente arquivado na JUCEB sob nº em sessão de 15/08/2003. Atualmente o Grupo mantêm 03 (três) Instituições de Educação Superior (IES) e 02 (duas) Unidades Médico-Hospitalares. O Grupo Dom Pedro II está voltado para a formação e bem estar humano human, a fim de melhor contribuir para formação de um novo homem, preocupando-se com a sua cultura, conhecimento e saúde, assim como com o seu desenvolvimento tecnológico e equilíbrio com as dimensões humanísticas. Além de manter três Instituições de Educação Superior (IES), o Grupo vem ampliando a sua interação social, disponibilizando a sociedade baiana uma proposta educacional moderna, revestida de compromisso com as diversas demandas sociais, associado a investimentos também na área de saúde, com duas Unidades voltadas para o atendimento da população carente e campo de estágio para os seus alunos. A missão do Grupo DP II é proporcionar uma sólida formação acadêmica e humana do aluno, através da excelência do ensino, da iniciação à pesquisa e da extensão, associada às atividades socioeducativas e a assistência em saúde, estabelecendo uma sintonia com os dilemas do homem hodierno, estimulando uma reflexão crítica e sensível sobre os problemas do mundo contemporâneo, que impliquem em transformações que melhorem a qualidade de vida da comunidade global. Nossa visão é desenvolver um trabalho socioeducativo criativo, voltado para a interação com a iniciação à pesquisa e a extensão, valorizando, acima de tudo, a qualificação dos recursos humanos e sua adequação às necessidades atuais do mercado e da sociedade. Nossos Valores: Compromisso os interesses sociais e coletivos, principalmente educação e saúde; Respeito às individualidades inerentes a cada ser humano e a cada meio social, observando o sempre como único independente de cor, raça, sexo, religião, nacionalidade ou qualquer outra orientação pessoal;

6 Contribuição com o crescimento social através da formação e do bem estar do ser humano nos aspectos profissionais e humanísticos; Constante valorização dos profissionais de educação e de saúde, basilares na formação e no bem estar humano; Reconhecimento da importância do aluno como centro do processo inovado e inovador de ensino-aprendizagem; Busca constante de uma proposta educacional contemporânea, focada tanto na formação técnico-profissional sintonizada com o mercado de trabalho, quanto na formação e bem estar humano voltado para as demandas sociais. Nossas Metas: Permanente atualização dos Cursos, visando a excelência da gestão, a interdisciplinaridade e a integração do ensino, pesquisa e extensão através, inclusive, da socialização profissional, se valendo de campos de estágio próprio; Implantação e consolidação de programas de Extensão e Pós- graduação articuladas com o ensino de graduação, visando à qualificação humana mediante a formação continuada, como forma de garantir a qualidade e a renovação do conhecimento; Formação ética, humana e profissional de seres humanos para o mercado de trabalho; Incentivo à qualificação continuada do docente, mediante ao aprimoramento formação e ampliação do conhecimento, através de mestrado e doutorado, como forma de garantir a qualidade e a renovação do ensino e da iniciação à pesquisa; Disponibilização de unidades de saúde integradas a rede pública, que possam disponibilizar um atendimento condizente com as demandas da sociedade, além de disponibilizar campo de estágio para os alunos do grupo de todas as áreas de formação. Em Salvador, o Grupo Dom Pedro II foi estabelecido inicialmente num amplo prédio situado na Avenida Estados Unidos, bairro do Comércio, posteriormente foram incorporados mais quatro prédios no mesmo bairro, totalizando 05 sedes. Todos os prédios são históricos demandando grandes investimentos na reforma e preservação, tendo em vista o bairro do Comércio ser tombado no seu entorno. Segue abaixo os endereços das sedes educacionais do Grupo Dom II (sedes

7 próprias), todas cadastradas no Sistema e-mec: Sede 01: Av. Reitor Miguel Calmos, s/n, Comércio. Salvador/BA, CEP Sede 02: Av. Estados Unidos, Edf. Wildberger, 1º andar. nº 18/20 Comércio. CEP Salvador/BA. Sede 03: Av. Estados Unidos, nº 337, Comércio. Salvador/BA. CEP Sede 04: Rua da Grécia, s/n, Comércio. Salvador/BA. CEP (Curso de Direito). Sede 05: Praça da Inglaterra, nº 06, Edfº BIG, Bairro do Comércio, Salvador/BA. CEP Além do prédio próprio onde funciona a IES do interior, situada na cidade de Ribeira do Pombal, o Grupo dispõe ainda uma sede própria na Av. Suburbana, em Salvador, onde funcionam as Unidades de Saúde. Todos os nossos prédios atendem o que dispõem o Dec. n 5.296/2004, referente a condições de acesso para pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida. Todas as instalações também são climatizadas, inclusive as salas de aula, com dependências administrativas bem acomodadas, vários laboratórios de Informática e da área de Saúde, Biblioteca ampliada, áreas de convivência e refeitórios, auditório e um moderno Teatro a disposição da comunidade soteropolitana (único do entorno). Para todas as atividades práticas e sociais que contemplam o Grupo Dom Pedro II conforme oferta de graduações, dispomos também de vários laboratórios prática, tais como a Clínica Escola de Enfermagem e de Fisioterapia, a Empresa Júnior de Administração, Contábeis, Sistemas de Informação e dos Cursos Superiores de Tecnologia, o Núcleo de Prática de Serviço Social, a Sala de Prática de Ensino e a Brinquedoteca de Pedagogia e Letras, o Núcleo de Prática Jurídica e seis Balcões de Justiça e Cidadania, em parceria com o Tribunal de Justiça do Estado da Estado da Bahia, além de duas Unidades Médico-Hospitalares. Dispomos ainda de áreas especificas em um Shopping de Salvador para atividades socioeducativas diversas. Configurado como hospitais escola, as Unidades médicas dispõem no seu estatuto e Plano de Carreira a previsão de que todos os seus funcionários técnicos têm em sua Carga Horária de trabalho uma reserva para atuar como preceptores! Além de mais de 100 (cem) leitos hospitalares, o Grupo FDP II oferta a comunidade baiana 30 graduações dispostas em suas três IES. Dispõem de mais de 200 salas de aula, alunos, 200 funcionários técnico-administrativos, e 250 docentes (sendo 50 doutores, 110 Mestres e 90 especialistas).

8 No âmbito da Pós-Graduação Lato Sensu, o Grupo Dom Pedro II oferece em suas três IES quatorze cursos que contemplam todas as nossas áreas de graduação ofertadas: Especialização em Libras; Especialização em Metodologia e Docência do Ensino Superior; Especialização em Urgência, Emergência e UTI; Especialização em Educação Infantil; Especialização em Pedagogia Hospitalar; Especialização em Psicopedagogia Institucional; Especialização em Gestão da Segurança da Informação; MBA em Gestão de Logística; MBA em Gestão de Pessoas; MBA em Gestão Executiva e Liderança Estratégica - Master Leader; Especialização em Controladoria com ênfase em Finanças; Especialização em Planejamento e Gestão Tributária; Especialização em Serviço Social e Saúde; Especialização em Gestão Pública e 3º Setor. Todas as informações acadêmicas estão dispostas nos sites institucionais de cada IES e afixadas em local devido, conforme Portaria Normativa n 40 de 12/12/2007, alterada pela Portaria Normativa MEC N 23 de 01/12/2010, publicada em 29/12/2010, além do Jornal do Grupo com periodicidade semestral. UNIDADES DO GRUPO DOM PEDRO II FACULDADE DOM PEDRO II O Credenciamento de sua primeira IES se deu em 13 de Maio de 2005: a Faculdade Dom Pedro II (FDP II), conforme Portaria de 13/05/2005, em resposta ao acelerado desenvolvimento projetado para a Bahia neste século, em particular os investimentos para desenvolvimento da Região Metropolitana de Salvador (RMS), com a implantação de um parque de montagem automotiva, a

9 ampliação do parque petroquímico, a reativação e ampliação dos portos e sistema viário, a otimização do setor de serviços e do comércio, inclusive com a revitalização do Bairro do Comércio, onde se localiza a IES. Nesse sentido, a Faculdade Dom Pedro II assumiu o compromisso de contribuir de forma significativa na formação de profissionais capacitados para o exercício de atividades imprescindíveis que cooperem com o atendimento dos níveis desejados de crescimento e desenvolvimento social e econômico. A época iniciou com a oferta dos Cursos de Graduação em Administração e em Letras, contemplando no seu primeiro vestibular todas as vagas que foram Autorizadas pelo Ministério da Educação, com grande repercussão na sociedade soteropolitana, em particular na Cidade Baixa do Salvador onde está situada. Posteriormente, ampliou a sua oferta com os Cursos de Sistemas de Informação e Direito, vindo a ser a faculdade mais nova de Salvador a oferecer esse Curso. Ampliou a oferta de Licenciaturas com o Curso de Pedagogia e iniciou a oferta dos Cursos de Saúde com o Bacharelado em Enfermagem, em seguida vieram Fisioterapia, Farmácia. Foram Autorizados também os Cursos de Bacharelado em Ciências Contábeis e Serviço Social. Atualmente, a FDP II oferece dez cursos de graduação, sendo 08 já Reconhecidos: Administração (Reconhecido Conceito 4, Renovado Reconhecimento Conceito 4); Contabilidade (Reconhecido Conceito 4); Direito (Reconhecido Conceito 4); Sistemas de informação (Reconhecido Conceito 4); Enfermagem (Reconhecido Conceito 4); Serviço Social (Reconhecido Conceito 5) única Faculdade da Bahia com esse Conceito para Curso de Graduação; Letras Licenciatura (Reconhecido Conceito 4); Pedagogia Licenciatura (Reconhecido Conceito 4); Fisioterapia; Farmácia. FACULDADE DOM LUIZ DE ORLEANS E BRAGANÇA No final do ano de 2009, a Mantenedora incorporou a Faculdade Regional de Ribeira do Pombal com 100 alunos, situada no sertão da Bahia, que passou a se

10 denominar Faculdade Dom Luiz de Orleans e Bragança, neto de Dom Pedro II e filho da Princesa Isabel, herdeiro do trono brasileiro mesmo depois da Proclamação da República. Após plena revitalização acadêmica e física de sua sede que foi adquirida pelo Grupo, a IES tem crescido acentuadamente com a oferta dos Cursos antigos: Bacharelados em Administração e Ciências Contábeis, e as Licenciaturas em Pedagogia e Letras (todos já Reconhecidos depois de incorporados com Conceito 4); além de novos Cursos viabilizados pelo Grupo: Licenciatura em Biologia, Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores, e os Bacharelados em Serviço Social, Enfermagem, Engenharia Civil e Engenharia Agronômica, totalizando 10 Cursos com mais de alunos. FACULDADE DOM PEDRO II DE TECNOLOGIA (segue contextualização ao final) Em meados do ano de 2010, a Mantenedora incorporou a Faculdade da Bahia com 60 alunos, situada em Salvador, que passou a se denominar Faculdade Dom Pedro II de Tecnologia, com vistas a se especializar em Cursos Superiores de Tecnologia e de Engenharia, atendendo essa demanda tanto no Bairro do Comércio como, futuramente, em outros pontos estratégicos da cidade. Após plena revitalização física com a transferência da sede para um novo prédio no bairro do comércio, agregando-se as instalações do Grupo Dom Pedro II já existentes, foi adquirida uma nova sede própria recém-adquirida em área nobre de Salvador, com vistas a ampliação de novos cursos de engenharia e de tecnologia. Dessa forma, a IES tem crescido acentuadamente com a oferta dos 03 Cursos Superiores de Tecnologia que dispõe: Gestão Comercial, Gestão de Recursos Humanos e Gestão da Tecnologia da Informação, com mais de 500 alunos, dispõe ainda do Curso de Bacharelado em Administração desativado que será relançado. Em foram Autorizados seis novos cursos aserem lançados para início em : Engenharia Civil, Engenharia Elétrica e Engenharia Mecânica, e os Cursos Superiores de Tecnologia em Petróleo e Gás, Logística e Segurança do Trabalho, totalizando 10 Cursos Superiores.

11 UNIDADES MÉDICAS Foi implantada também em 2011 uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) numa moderna edificação no subúrbio de Salvador (sede própria), com 36 leitos disponíveis, destinada a atenção da comunidade circunvizinha, vinculada ao SUS e disponível a atuação dos nossos alunos em atividades de Estágio e de Prática de Profissional. Por conseguinte, foi inaugurado em 2012 o Hospital Universitário Alaíde Costa com 96 leitos, o que confirma a plena disposição do Grupo Dom Pedro II em atuar na área sócio educacional, como já vem sendo contemplado numa variada oferta de atividades práticas que aprimoram a formação dos alunos com a aproximação das diversas demandas sociais.

12 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (conforme Sistema e-mec) 1. Perfil do Curso: A Educação Tecnológica é regulamentada pelo Ministério da Educação através da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, do Decreto nº 5.154/2004, que regulamenta a educação profissional, pela Resolução CNE/CP nº 03/2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos Cursos Superiores de Tecnologia, e pelo Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia (Portaria Normativa nº 12/2006). A formação tecnológica é uma graduação de nível superior que habilita para o mercado de trabalho, para concursos, para a pós-graduação e para o empreendedorismo. Surgiu a partir da necessidade imposta pelo mercado de trabalho por cursos superiores mais rápidos, uma vez que a capacitação e o aprimoramento de todo profissional deve ser dinâmica e constante. O Tecnólogo é um profissional que tem como característica o foco nas habilidades e competências requeridas pelo mercado e no saber fazer, pensar e inovar, conquistando cada vez mais espaço no mundo empresarial. Portanto, a missão dos Cursos Tecnológicos é de suprir a alta demanda por profissionais capacitados ao atendimento de demandas específicas de mercado, compostas por clientes seletivos de produtos e serviços diferenciados, em especial para agregar valor percebido por clientes e consumidores de alta exigência por um atendimento profissional atualizado. O surgimento da informática e o desenvolvimento das tecnologias da informação e da comunicação contemplaram o ápice do crescimento tecnológico no século passado, se desdobrando na contemporaneidade como centro das relações sóciohistóricas, promovendo mudanças que chegam até os nossos dias. As relações pessoais, a gestão, a comunicação, a produção, o trabalho, a cultura e tanto outros substratos de nossa sociedade sofreram mudanças inexoráveis com esse novo paradigma tecnológico! Dentro desse contexto, a Informática surgiu e se consolidou frente às demandas de comunicação e de informação que revolucionam a sociedade moderna, estabelecendo novos campos de trabalho onde a tecnologia da informação é aplicada, seja no mundo organizacional e/ou pessoal, demandando profissionais

13 tecnicamente aptos para gerir e atuar nesse contexto. Nessa conjuntura emerge o Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação, previsto no Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia, com vistas às exigências de um profissional com competências e habilidades para gerir e atuar no âmbito das tecnologias da informação. O curso é realizado em no mínimo horas, durante 05 (cinco) semestres, ou seja, 02 (dois) anos e meio. O Curso está totalmente voltado ao desenvolvimento de ações que interessam ao mercado de trabalho a que se propõe a atender. Dessa forma, conforme o Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia, o egresso do Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação atua em um segmento da área de informática que desenvolve as seguintes atribuições: 1) Administrar os recursos de infraestrutura física e lógica dos ambientes informatizados, ou seja, em serviços de redes e de programas; 2) Define parâmetros de utilização de sistemas, tais como segurança, acessos, recursos, e procedimentos em redes e em programas; 3) Gerencia os recursos humanos envolvidos, efetuando a Gestão de RH; 4) Implanta e documenta rotinas, tais como métodos, planejamento e projetos através dos Conhecimentos de OSM (Organização, Sistemas e Métodos); 5) Controla os níveis de serviço de sistemas operacionais e banco de dados; 6) Gerencia os sistemas implantados em redes e em programas. Dentro dessa perspectiva, o PPC está coerente com as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos Cursos Superiores de Tecnologia (Resolução CNE/CP nº 3/2002). Sua denominação está adequada ao Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia (Portaria Normativa nº 12/2006). O curso, objeto de avaliação possui uma carga horária total de h, atendendo a Carga Horária mínima prevista (Portaria nº 1024/2006; Resolução CNE/CP nº 3 18/12/2002). A missão do Curso é formar profissionais capacitados a atuar no planejamento, análise, elaboração, implantação, gerenciamento e manutenção de recursos técnicos e humanos de infraestrutura física e lógica dos ambientes informatizados, desenvolvendo valores que fomentem a gestão de qualidade, a criatividade, o empreendedorismo, a iniciativa, a liberdade de expressão, a intuição e a inovação tecnológica. O objetivo do Curso é contribuir para a formação em gestão e em tecnológica

14 agregada a formação humana do egresso, preparando profissionais habilitados para atuar na gestão, elaboração, análise, levantamento, identificação, planejamento, execução de projeto, manutenção e gerenciamento de recursos humanos e técnicos de infraestrutura física e lógica dos ambientes informatizados. A justificativa do Curso é de atender de forma dinâmica e com foco no mercado de trabalho a demanda de profissionais com formação específica para interagir frente às necessidades de gestão e de tecnologia em Informática, com uma formação focada em habilidades e competências específicas requeridas pelo mercado e em sintonia como quanto proposto no Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia, capacitando para o saber fazer, pensar, inovar e empreender, com vista a formação de um egresso que cada vez mais possa conquistar espaço no mundo organizacional. O profissional egresso do Curso atuará em um segmento da área de informática que abrange a gestão dos recursos humanos e técnicos de infra-instrutora física e lógica dos ambientes informatizados, definindo parâmetros de utilização de sistemas, gerenciando recursos humanos envolvidos, implantando e documentando rotinas, sistemas e métodos, controlando os níveis de serviço de sistemas operacionais e banco de dados, gerenciando os sistemas implantados, dentre outras habilidades e competências que perpassam conhecimentos no âmbito (i) da gestão de pessoas no âmbito de organizações que disponham do segmento de informática, e (ii) da gestão técnica de recursos de informática (sistemas e, principalmente, redes de computadores). Para tanto, a proposta curricular do Curso de Gestão da Tecnologia da Informação perpassa conhecimentos tanto em (i) gestão, tais como fundamentos da administração, comunicação organizacional (+ Libras como opcional), planejamento estratégico, gestão de recursos humanos, desenvolvimento de projetos, Organização Sistemas e Métodos, empreendedorismo e legislação aplicada (opcional), dentre outros; quanto em (ii) Informática, tais como sistemas de informação, redes de computadores, programação, banco de dados, arquitetura de computadores, sistemas operacionais, gestão da informação e TI, roteadores, servidores, redes com telecomunicações, e inglês técnico, dentre outros. Tendo em vista a proposta de formação tecnológica se concentrar em um currículo focado na formação técnico-profissional, a formação humana proposta no PDI da Faculdade Dom Pedro II de Tecnologia no âmbito dos tecnológicos se realizada através das atividades sócio-educativas (extensão com a sociedade), cursos de

15 extensão e atividades complementares. O Projeto Integralizador segue proposta pedagógica própria alinhada com o PPC do Curso. Trata-se do momento de interface teórico-prática da formação dos alunos a cada semestre, portanto, deve se vincular a respectiva Certificação do módulo integrando todas as disciplinas constitutivas do mesmo. Deve ser por equipe, com interface prática através de visitas técnicas, observação e relatório final conforme ABNT. O resultado deve ser apresentado pela equipe no auditório na semana do Projeto Integrador, a ser realizada ao final de cada módulo. Deve ter nota final numa escala de 0,0 a 10,0 (zero a dez), com registro em Diário de Classe compondo a nota de cada disciplina. Dessa forma, o curso possibilita aos seus egressos uma amplitude de atuação no segmento industrial, agrícola, de serviços, instituições de ensino e pesquisa, órgãos governamentais e não-governamentais, nas áreas de administração, configuração, análise de desempenho, dimensionamento e integração de redes de dados, ou qualquer atividade e contexto profissional que se faça necessário a utilização das competências e habilidades do Gestor de TI.

16 2. Atividades do Curso: Projeto Integralizador e Atividades Complementares, conforme segue abaixo: I. Projeto Integralizador: O Projeto Integralizador segue proposta pedagógica própria alinhada com o PPC do Curso. Trata-se do momento de interface teóricoprática da formação dos alunos a cada semestre, portanto, deve se vincular a respectiva Certificação do módulo integrando todas as disciplinas constitutivas do mesmo. Deve ser por equipe, com interface prática através de visitas técnicas, observação e relatório final conforme ABNT. O resultado deve ser apresentado pela equipe no auditório na semana do Projeto Integrador, a ser realizada ao final de cada módulo. Deve ter nota final numa escala de 0,0 a 10,0 (zero a dez), com registro em Diário de Classe compondo a nota de cada disciplina. II. Atividades Complementares: As Atividades Complementares se inserem como componentes obrigatórios na formação do egresso previstas no PPC do Curso. Dessa forma, é preciso disponibilizar uma oferta diversificada dessas atividades no âmbito de cada Curso de Graduação da FACULDADE, bem como, definir os instrumentos de seu acompanhamento e avaliação para a sua plena realização. Em primeira instância, a Faculdade instituiu o Núcleo de Atividades Complementares, como órgão da estrutura organizacional que auxilia as Coordenações de Curso na Gestão das Atividades Complementares. Cabe ao mesmo, fomentar, acompanhar e registrar as Atividades Complementares no âmbito da INSTITUIÇÃO, com base nas Normas Gerais de Atividades Complementares que seguem abaixo: REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º As Atividades Complementares previstas nos respectivos Cursos de Graduação Tecnológica são obrigatórias e categorizam-se em três grupos: Grupo 1 - Atividades de Ensino; Grupo 2 - Atividades de Extensão; Grupo 3 - Atividades de Pesquisa. Parágrafo único Os alunos, obrigatoriamente, deverão distribuir a carga horária das atividades complementares em, pelo menos, dois dos grupos acima

17 indicados. Art. 2º As Atividades Complementares terão carga horária global prevista nos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação Tecnológica da Instituição, devendo ser cumpridas durante a integralização do curso. Art. 3º As Atividades de Ensino, que podem englobar até 50 % das horas previstas, com direito a registro no histórico escolar, compõem-se de: a) disciplinas e/ou cursos oferecidas pela própria Faculdade, mas não previstas no Currículo Pleno do Curso; b) cursos e/ou disciplinas realizados em outras instituições, desde que com anuência prévia da Coordenação do Curso; c) monitoria em disciplina vinculada a área do respectivo Curso. Art. 4º As Atividades de Extensão, que podem englobar até 50 % das horas previstas, com direito a registro no histórico escolar, dividem-se em: a) participação em seminários, palestras, congressos, conferências, encontros, cursos de atualização e similares; b) estágios extracurriculares; c) participação em ações de extensão patrocinada pela Instituição de Ensino; d) participações em audiências, limitados a 20 h. Art. 5º As Atividades de Pesquisa, que podem englobar até 50 % das horas previstas, com direito a registro no histórico escolar, incluem: a) iniciação científica; b) trabalhos publicados em periódicos, com tema vinculado a área do Curso, até 40 horas para cada um. Art. 6º As Atividades Complementares serão coordenadas pelas Coordenações de Curso, ou por órgão integrante das mesmas, ao qual caberá: a) estabelecer, com a anuência do Colegiado do Curso, e divulgar, o Plano de Atividades Complementares a ser desenvolvido anualmente pela Faculdade; b) exigir certificado de freqüência e participação, notas obtidas, carga horária cumprida, relatórios de desempenho, e outros documentos vinculados as Atividades Complementares; d) analisar o documento apresentado pelo aluno para comprovar a realização de cada Atividade Complementar e, se considerá-lo suficiente, rubricá-lo e encaminhá-lo a Secretaria Geral para registro na Ficha do Aluno. Parágrafo 1º Os documentos comprobatórios das atividades

18 Complementares depois de rubricados pelo Coordenador e encaminhados para registro na Ficha do Aluno, permanecerão na Pasta do Aluno para posterior expedição de Diploma. 2º A Coordenação abrirá prazo de um mês ao final de cada semestre letivo, para recebimento das solicitações de aproveitamento de Atividades Complementares, devendo publicar suas decisões na primeira semana do semestre subseqüente. Art. 7º Os casos omissos, assim como os recursos interpostos, serão apreciados pelo Colegiado do Curso, cabendo recuso ao Conselho Superior de Ensino da Instituição.

19 3. Perfil do Egresso: A formação tecnológica tem foco na aplicação prática de conhecimentos específicos, agregada a competências e habilidades que se somam no todo de uma formação que atenda as demandas de mercado, com ênfase, inclusive, na capacidade empreendedora. A sua organização curricular se consubstancia nos princípios de flexibilidade, interdisciplinaridade e contextualização. O Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação está situado dentro da área de conhecimento da Ciência da Computação, no campo do saber denominado de Informação e Comunicação (Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia), direcionado a formação de profissionais especializados e aptos para atender as demandas de mercado inerentes a esse segmento de trabalho. Para tanto, durante o Curso os alunos aprenderão técnicas que os capacitarão a gerir, analisar, planejar, empreender, sistematizar, projetar, instalar, identificar e solucionar problemas relacionados a recursos humanos e tecnológicos de infraestrutura física e lógica dos ambientes informatizados, além de implementar procedimentos e técnicas de segurança visando à proteção e integridades das informações coorporativas. O Curso proposto conduzirá a formação de um egresso apto a exercer atividades profissionais em organizações diversas, empreendendo, projetando, planejando e gerenciando pessoas e recursos informatizados, inovando e propondo e soluções tecnológicas, envolvendo definições de topologias, equipamentos, arquiteturas e protocolos de comunicação, observando as normas e padrões vigentes, elaborando e implantando projetos lógicos e físicos de redes locais de computadores e redes de comunicação de longa distância, gerenciando sistemas, diagnosticando e solucionando problemas relacionados à comunicação de dados, e gerenciando a infra-estrutura de redes de computadores. Portanto, o PERFIL DO EGRESSO proposto agrega as seguintes habilidades e competências: Administrar os recursos humanos e técnicos de infraestrutura física e lógica dos ambientes informatizados; Definir parâmetros de utilização de sistemas, tais como segurança, acessos, recursos, e procedimentos em redes e em programas; Gerenciar os recursos humanos envolvidos nos ambientes informatizados;

20 Implantar e documentar rotinas, tais como métodos, planejamento e projetos; Controlar os níveis de serviço de sistemas operacionais e banco de dados; Gerenciar os sistemas implantados; Instalar, configurar, integrar e administrar infra-estrutura de redes de computadores; Implantar soluções de segurança em sistemas e em redes de computadores; Elaborar projetos em sistemas e em rede de computadores; Empreender no âmbito da gestão e da informática.

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Informações Importantes e Condições

Informações Importantes e Condições Informações Importantes e Condições 32. Após a autorização do curso, a instituição compromete-se a observar, no mínimo, o padrão de qualidade e as condições em que se deu a autorização, as quais serão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIESP ARAÇATUBA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIESP ARAÇATUBA INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO - IESP 0 FAAR FACULDADE DE ARAÇATUBA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIESP ARAÇATUBA Elaboração: Profa. Isabel Cristina

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1º. O Instituto Federal de Educação,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

BEM-VINDO AO IZABELA HENDRIX

BEM-VINDO AO IZABELA HENDRIX BEM-VINDO AO IZABELA HENDRIX ESTAR NA VANGUARDA É ESTAR À FRENTE. É APONTAR OS CAMINHOS E SER REFERÊNCIA. O Izabela Hendrix representa a vanguarda na educação, com ações pioneiras que começaram há mais

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Direito: a) Coordenador do Curso de Graduação em Direito:

Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Direito: a) Coordenador do Curso de Graduação em Direito: 306 Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Direito: a) Coordenador do Curso de Graduação em Direito: 1. conhecer do Estatuto da Instituição e do Regimento do Curso; 2. apresentar, por escrito,

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO No. 001/2016

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO No. 001/2016 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO No. 001/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL DAS FACULDADES ALVES FARIA E DE MATRÍCULA DOS

Leia mais

FACULDADE DOM LUIZ DE ORLEANS E BRAGANÇA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA

FACULDADE DOM LUIZ DE ORLEANS E BRAGANÇA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA FACULDADE DOM LUIZ DE ORLEANS E BRAGANÇA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2014 1 PERFIL DO CURSO O processo de transformação decorrente da evolução tecnológica impõe à sociedade a necessidade

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 171/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 171/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 171/2015 Dispõe sobre as normas e fixa o calendário e o número de vagas para o Processo Seletivo Verão-2016, para os cursos de graduação presenciais da Universidade de Taubaté UNITAU.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR DE VERÃO 2010

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR DE VERÃO 2010 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR DE VERÃO 2010 EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÃO O Reitor do Centro Universitário Feevale, instituição de ensino superior recredenciada pela Portaria nº. 1.566, de 27 de maio

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS A Faculdade Católica Dom Orione, Araguaína TO, torna pública a abertura das inscrições para

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - MGCTI REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

VESTIBULAR IZABELA HENDRIX LORENA NEVES MATIAS ARQUITETURA E URBANISMO DIALOGUE ARGUMENTE CRITIQUE TOLERE APRENDA CRESÇA FAÇA

VESTIBULAR IZABELA HENDRIX LORENA NEVES MATIAS ARQUITETURA E URBANISMO DIALOGUE ARGUMENTE CRITIQUE TOLERE APRENDA CRESÇA FAÇA VESTIBULAR IZABELA HENDRIX LORENA NEVES MATIAS ARQUITETURA E URBANISMO DIALOGUE ARGUMENTE CRITIQUE TOLERE APRENDA CRESÇA FAÇA BEM-VINDO AO IZABELA HENDRIX ESTAR NA VANGUARDA É ESTAR À FRENTE. É APONTAR

Leia mais

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO - UNICID EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO - UNICID EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016 UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO - UNICID EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016 A Universidade Cidade de São Paulo, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover Processo Seletivo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015

CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015 CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015 O Centro Universitário Módulo, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover Processo Seletivo para ingresso no primeiro

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 101/2008

RESOLUÇÃO N.º 101/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 101/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, em SMS em Obras de Engenharia

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

LOCAL DE FUNCIONAMENTO: ENDEREÇO: BR 110 KM 07, Bairro Pombalzinho, Ribeira do Pombal/Bahia, CEP 48.400. 000. FONE: (75) 32761731.

LOCAL DE FUNCIONAMENTO: ENDEREÇO: BR 110 KM 07, Bairro Pombalzinho, Ribeira do Pombal/Bahia, CEP 48.400. 000. FONE: (75) 32761731. 1. A INSTITUIÇÃO A Faculdade Dom Luiz é uma instituição de ensino superior, autorizada a funcionar pela Portaria Normativa nº 40, de 12 de dezembro de 2007 e no Parecer nº 475/2011, do Ministério de Educação,

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE 2014 2 MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Normas e orientações gerais para o Estágio Supervisionado da Licenciatura em Letras 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UDF EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UDF EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL - UDF EDITAL PROCESSO SELETIVO 2016 O Centro Universitário do Distrito Federal - UDF, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

AVISO Nº 003/2014 RESOLUÇÃO Nº002/2013 CTP-ESMP/PE

AVISO Nº 003/2014 RESOLUÇÃO Nº002/2013 CTP-ESMP/PE AVISO Nº 003/2014 A Diretora da ESMP/PE, Dra. Deluse do Amaral Rolim Florentino, nos termos do Art.8º, VII, da Resolução RES-CSMP-001/00, de 31.03.2000, torna público o Regulamento da terceira turma do

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes 1 PROVA TRADICIONAL 1.1 Dos Períodos de Inscrição, Horários e Locais: O Processo Seletivo da Universidade Cidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH)

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão (PGPE) Coordenação Geral do Programa de Pós-Graduação Lato Sensu (CGPPGL) Edital do processo seletivo referente

Leia mais

RESOLUÇÃO N 003/2010

RESOLUÇÃO N 003/2010 RESOLUÇÃO N 003/2010 Institui regulamento para o cumprimento das atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia da FCH/ FUMEC. O PRESIDENTE DO COLEGIADO DE CURSOS NO USO DE SUAS

Leia mais

Turno de funcionamento. integral (noite/manhã)

Turno de funcionamento. integral (noite/manhã) CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES EDITAL DE 31 DE AGOSTO DE 2015 PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR PARA O ANO DE 2016 (Processo Seletivo Vestibular 2016, Processo Seletivo Vestibular Complementar 2016/A e Processo

Leia mais

MANUAL DISCENTE 2012

MANUAL DISCENTE 2012 MANUAL DISCENTE 2012 SUMARIO 1. Apresentação da Instituição 02 2. Organização Institucional 03 3. Missão, Visão, Princípios e Valores 04 4. Procedimentos Acadêmicos 05 5. Estágio Supervisionado e Trabalho

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL PRÓ-REITORIA PD Nº 01 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 CAPÍTULO I DOS CURSOS

EDITAL PRÓ-REITORIA PD Nº 01 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 CAPÍTULO I DOS CURSOS EDITAL PRÓ-REITORIA PD Nº 01 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 Re-ratifica as disposições do Edital do Processo Seletivo 2015 publicado em dia 28 de fevereiro de 2014. A Presidente da Comissão Permanente de Processos

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL TERMO ADITIVO PROCESSO SELETIVO 2º/2015- Vagas Remanescentes 1 PROVA TRADICIONAL 1.1 Dos Períodos de Inscrição, Horários e Locais: O Processo Seletivo do Centro

Leia mais

CONGREGAÇÃO DE SANTA DOROTÉIA DO BRASIL FACULDADE FRASSINETTI DO RECIFE - FAFIRE

CONGREGAÇÃO DE SANTA DOROTÉIA DO BRASIL FACULDADE FRASSINETTI DO RECIFE - FAFIRE CONGREGAÇÃO DE SANTA DOROTÉIA DO BRASIL FACULDADE FRASSINETTI DO RECIFE - FAFIRE EDITAL DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FAFIRE No 01/2014 A Diretora da FACULDADE FRASSINETTI DO RECIFE FAFIRE, no uso de suas

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CONCURSO VESTIBULAR 2016.1 EDITAL

CONCURSO VESTIBULAR 2016.1 EDITAL CONCURSO VESTIBULAR 2016.1 EDITAL A REITORA do Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ faz saber, pelo presente EDITAL, que estão sendo abertas durante o período, de 15 de setembro de 2015 a 11 de março

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

CURSO: REDES DE COMPUTADORES

CURSO: REDES DE COMPUTADORES CURSO: REDES DE COMPUTADORES Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base Legal da Mantenedora A Ata de Assembléia Geral para

Leia mais

PORTARIA Nº 05, de 12 de novembro de 2015

PORTARIA Nº 05, de 12 de novembro de 2015 MUNICÍPIO DE MARIANA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO rheducacaomariana@gmail.com Rua Bom Jesus, Nº 18 A, Centro, Mariana, Minas Gerais. CEP 35.420-000 ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº 05, de 12 de novembro

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CEAD

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CEAD VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CEAD EDITAL 02/2015 - PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROFESSORES TUTORES A Vice-Reitoria de Graduação e o Centro de Educação a Distância (CEAD/UCB),

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Departamento de Letras. Curso de Bacharelado em Tradução

Universidade Estadual de Maringá. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Departamento de Letras. Curso de Bacharelado em Tradução Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de Letras Curso de Bacharelado em Tradução Estágio Curricular Supervisionado MANUAL DE NORMAS DE PROCEDIMENTOS PARA

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5 152 de 2111011966 São Luís - Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5 152 de 2111011966 São Luís - Maranhão Fundação Instituída nos termos da Lei 5 152 de 2111011966 RESOLUÇÃO No 487-CONSEPE, de 29 de agosto de 2006. Regulamenta procedimentos e critérios do Processo Seletivo Vestibular Especial para ingresso

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL DO CURSO:

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL DO CURSO: EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização,

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais