RELATÓRIO AUDIÊNCIA PÚBLICA NA OAB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO AUDIÊNCIA PÚBLICA NA OAB"

Transcrição

1 RELATÓRIO AUDIÊNCIA PÚBLICA NA OAB A audiência pública realizada no dia 10 de setembro, as 14:00 no Auditório da Ordem dos Advogados da Bahia OAB, foi organizada pela Comissão de Esporte, Cultura e Lazer da Ordem e teve como objetivo esclarecer questões concernentes à constitucionalidade da lei nº 9696/98, que cria o Conselho Federal de Educação Física CONFEF e os respectivos Conselhos Regionais CREF s em relação a atuação dos profissionais que não são formados em Licenciatura Plena em Educação Física que ministram aulas de cultura física e corporal e arte e ofício e também debater a cerca do projeto de Lei nº 7370/02 (altera o artigo 2º da lei nº 9696/98 que confere o registro profissional aos portadores de diploma e/ou que estejam filiados ao sistema CREF/CONFEF). Foi um momento único e inédito, pois até o momento as discussões promovidas pelo CONFEF ou que envolviam esse sistema estavam limitadas a questões corporativas e legalistas. Raras eram as discussões no campo científico, jurídico, político, social e histórico. Juridicamente, apesar da vasta documentação organizada pelo Movimento Nacional Contra a Regulamentação do Profissional de Educação Física MNCR na internet (http://mncref.vilabol.uol.com.br/index.htm), que apresenta de forma transparente as arbitrariedades e abusos desse conselho, nunca havia ocorrido um debate da forma como este ocorreu. Todos os presentes assistiram os sólidos e consistentes argumentos que demonstram a fragilidade, arbitraiedade e até ilegalidade do Sistema CONFEF que ficou desmoralizado publicamente frente as argumentos apresentados pelos expositores. O professor Carlos Pimentel atual presidente do CREF- 13 que abrange os Estados da Bahia e Sergipe, não apresentou argumentos sustentáveis e nem documentos que pudessem contestar as colocações e documentações que ali foram apresentadas e que consubstanciaram incisiva, coerente e cientificamente os argumentos educacionais, políticos e jurídicos que demonstram as incoerências, inconsistências e até ilegalidades do CONFEF. O debate permitiu levantar a possibilidade de uma ação de inconstitucionalidade do Sistema. Fizeram-se presente no evento, capoeiristas renomados como Mestre Curió, Mestre Nenéu, Mestre Cafuné, Mestre Ministro, Mestre Dinho, Mestre Daltro, Mestre Ferreira, Mestre Tonho Matéria, Mestre Benivaldo, Mestre Macaco Branco, Mestre Gildo Alfinete, Mestre Faísca, Contramestre Caroço, Contramestre Risadinha, Contramestre Macarrão, Contramestre Coentro, Contramestre Rudson, Professor Foguete, Professor Boca, Professor Biriba, Professor Papa-Léguas, Professor Guerreiro e tantos outros mestres, professores, contramestres e alunos de capoeira que se fizeram presentes. A turma do Pilates, das Artes Marciais (Karatê e Kung Fú), da dança, da Yôga (Yoga), acadêmicos e professores de Educação Física da Universidade Federal da Bahia, da Universidade Católica da Bahia e Faculdade Social da Bahia; Movimento Nacional Contra a Regulamentação do Profissional de Educação Física MNCR; Frente Unida Pela Autonomia da Educação e das Tradições Culturais; Colégio Brasileiro das Ciências do Esporte CBCE; Movimento Liberdade Para a Cultura; Movimento Entre a Arte e o Ofício; Linha de

2 Estudo e Pesquisa em Educação Física, Esporte e Lazer LEPEL/FACED/UFBA; Secretaria da Reparação, Secretaria da Educação, Professores de Educação Física Escolar da Rede Pública e Privada, Fundação Palmares, Movimento Negro, Imprensa (Jornal A TARDE, TVE), dentre outras entidades. Após a abertura dos trabalhos pelo Presidente da Comissão de Esporte, Cultura e Lazer da OAB, Odilon Góes e da rápida introdução do senhor Dr. Calmon Teixeira, Presidente da Escola Superior de Advocacia, O Primeiro a fazer suas considerações sobre o assunto foi o respeitável intelectual e professor Edvaldo Boa Ventura, chefe redator do jornal A TARDE, que surpreendeu a todos abrindo a seção apoiando o relatório apresentado na Comissão de Educação da Câmara pela Deputada Alice Portugal (PcdoB Bahia) referente a PL 7370/02, reafirmando sua posição publica em defesa da cultura da Bahia, agora seriamente ameaçada pelas ações do SISTEMA CREF/CONFEF. Em seguida, o professor Carlos de Souza Pimentel, presidente do CREF-13 se pronunciou utilizando seus quinze minutos passando um vídeo, apresentando o sistema CONFEF/CREF, como se tivesse alguém ali presente que não soubesse o que esta ocorrendo. Apresentou a lei 9696/98, algumas resoluções e alguns pareceres favoráveis ao sistema. Seguiu-se o pronunciamento da Deputada Federal Alice Portugal, que demonstrou coerência quanto à questão ali tratada, não deixando dúvidas sobre a sua posição, expressa no Relatório sobre o PL 7370/02 do deputado Fleury. Em sua exposição, exemplificou, um a um, todos os dispositivos, através de fundamentações coerentes, justificando porque as manifestações culturais e corporais citadas na lei não deveriam ser regulamentadas e fiscalizadas pelo CONFEF. A deputada ainda citou que essas resoluções e pareceres apresentados durante o pronunciamento do representante do CONFEF, professor Pimental, não tinham valor de lei e eram altamente questionáveis. Após a explanação da Deputada Alice Portugal, foi cedida a palavra ao Delegado Regional do Trabalho Dr. Carlos Martins que iniciou seu pronunciamento falando em dubiedades e defendendo a existência de qualquer conselho; contudo, este em suas palavras disse ter detectado uma hipertrofia no que tange as atividades que devem ser regulamentadas e fiscalizadas pelo CONFEF, e ainda, citou as leis trabalhistas que em sua opinião estão em vigência e validas, por exemplo, para a Yôga e a dança, demonstrando irregularidades na atuação do CONFEF nessas áreas. Mencionou ainda que era um absurdo o CONFEF querer regulamentar e exigir diplomação dos capoeiristas. De forma bastante veemente, Dr Carlos Martins, publicamente reconheceu a capoeira como cultura da Bahia e manifestação do povo, lembrando que para uma grande parte da população o ensino da capoeira é a única fonte de renda e sobrevivência. Não se pode tirar isso da população! É um absurdo! (expressão na íntegra de suas palavras). Posteriormente foi cedida a palavra ao representante da Fundação Palmares, o reconhecido "Zulu" (como gosta de ser chamado, assim indicou em fala) que desempenha o papel de Secretário Executivo da referida Fundação e substitui o professor Ubiratan Castro Presidente da Fundação, que estava em viagem com o Ministro da Cultura. Zulu deu uma aula de cidadania, consciência cultural e baianidade negra. Citou o artigo 216 da Constituição Brasileira:

3 Art Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: I - as formas de expressão; II - os modos de criar, fazer e viver; III - as criações científicas, artísticas e tecnológicas; IV - as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; V - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico. 1.º O poder público, com a colaboração da comunidade, promoverá e protegerá o patrimônio cultural brasileiro, por meio de inventários, registros, vigilância, tombamento e desapropriação, e de outras formas de acautelamento e preservação. 2.º Cabem à administração pública, na forma da lei, a gestão da documentação governamental e as providências para franquear sua consulta a quantos dela necessitem. 3.º A lei estabelecerá incentivos para a produção e o conhecimento de bens e valores culturais. 4.º Os danos e ameaças ao patrimônio cultural serão punidos, na forma da lei. 5.º Ficam tombados todos os documentos e os sítios detentores de reminiscências históricas dos antigos quilombos. Após essa exposição "Zulu" cedeu espaço em sua fala para um artista e poeta popular, que estava na platéia, para que este pudesse recitar alguns versos que se faziam pertinentes, frente às circunstâncias de evidentes ataques a cultura baiana por parte do SISTEMA CREF/CONFEF. Finalmente, pronunciou-se o grande e atuante jurista, Procurador da República e Conselheiro da OAB-BA, Dr. Arx Tourinho, que iniciou dizendo que isso que estava acontecendo não era culpa do professor Pimentel e sim do CONFEF. Logo depois, falou que não é aceitável que as coisas no Brasil se imponham de cima para baixo e analisando em seguida a lei que regulamenta o profissional de Educação Física detectou que a mesma somente continha seis artigos, quer dizer cinco por que o 6º não conta (Art. 6º). Esta lei entra em vigor na data de sua publicação). Dr. Arx ficou abismado com a falta de objetividade da lei citando que foi muito mal elaborada, de perspectiva muito ampla, sem limitações para o campo de atuação do profissional. Na oportunidade, Dr. Arx leu um trecho de um documento que estava em suas mãos que falava sobre as especialidades do profissional de Educação Física.

4 "O Profissional de Educação Física é especialista em atividades físicas, nas suas diversas manifestações - ginásticas, exercícios físicos, desportos, jogos, lutas, capoeira, artes marciais, danças, atividades rítmicas, expressivas e acrobáticas, musculação, lazer, recreação, reabilitação, ergonomia, relaxamento corporal, ioga, exercícios compensatórios à atividade laboral e do cotidiano e outras práticas corporais, tendo como propósito prestar serviços que favoreçam o desenvolvimento da educação e da saúde, contribuindo para a capacitação e/ou restabelecimento de níveis adequados de desempenho e condicionamento fisiocorporal dos seus beneficiários, visando à consecução do bem-estar e da qualidade de vida, da consciência, da expressão e estética do movimento, da prevenção de doenças de acidentes, de problemas posturais, da compensação de distúrbios funcionais, contribuindo ainda, para a consecução da autonomia, da auto-estima, da cooperação, da solidariedade, da integração... (Calma que eu vou consegui! Dizia o Dr. Arx Tourinho aos prantos de risos, para o auditório)... da "Cidadania, das relações sociais e a preservação do meio ambiente, observados os preceitos de responsabilidade, segurança, qualidade técnica e ética no atendimento individual e coletivo." No final da leitura Dr. Arx Tourinho exclamou Eu nem sei o que é isso... isso não é norma jurídica, isso não é NADA! Na realidade o texto lido pelo Dr. Arx trata de uma resolução interna de número 46 de fevereiro de 2002 do CONFEF, que definiu internamente, arbitrariamente e de forma hipertrófica as competências do "profissional" de Educação Física em sua atuação profissional. O respeitável Dr. Arx Tourinho ainda destacou que A ordem jurídica não pode ser feita para deleite da alguns e que a lei 9696/98 foi mal construída, é inconstitucional e abusiva. Na segunda parte do evento, os expositores responderam as perguntas escritas da plenária, que por sinal foram muitas. O único posicionamento do professor Carlos Pimentel, na fase dos debates, foi se reportar à forma com que o Procurador da República tratou o assunto, denominandoa de piegas e desrespeitosa. Dr. Arx Tourinho, como foi citado, solicitou imediatamente o direito de resposta se referindo ao professor Pimentel dizendo que pieguice e falta de respeito era o que o CONFEF/CREF estava fazendo com a capoeira, a dança, as artes marciais, com os próprios professores de educação física, enfim com a sociedade em geral, quando expõe uma lei daquela natureza que destrói a cultura, as manifestações populares e os direitos das populações. Em seguida a deputada Alice Portugal respondeu a uma pergunta de um professor filiado ao CREF e que se fazia presente. A pergunta suscitou uma problemática que vem acontecendo no Estado da Bahia, que diz respeito ao CREF - 13, que através de seus fiscais vem coagindo, constrangendo e autuando estabelecimentos de capoeira, karatê, pilates, dentre outros. O referido professor, dirigindo-se ao publico presente perguntou quem ali estava sendo ou foi coagido pelo CONFEF/CREF a se filiar. Imediatamente ocorreram varias manifestações inclusive com provas documentais. Foram apresentadas por varias pessoas da plenária, algumas vítimas, provas dessa prática ilegal do conselho. O documento do CREF que autuava uma academia de Karatê (somente e especificamente de karatê) foi direto as mãos do Dr. Arx; este continha a seguinte autuação. O estabelecimento não possui CNPJ, não possui profissionais filiados ao CREF e não possui licença para funcionamento do CREF. As duas últimas autuações têm fundamento (não legalidade), o

5 professor de Karatê não possui a carteirinha do CREF e não possui nenhum documento do conselho para funcionar na sua academia. O professor autuado demonstrou publicamente que tinha CNPJ e estava em dias, e ainda esclareceu que o problema é que o fiscal do CREF, como não encontrou o responsável pela academia, e talvez para não perder a viagem, prontamente autuou o pedreiro que estava a fazer melhorias no estabelecimento! O pedreiro, que não tem conselho e que nem sabe o que é CNPJ, foi autuado pelo fiscal do CREF. Este e outros absurdos foram apresentados por presentes ao evento. Essa questão colocada na audiência pública piorou a situação do representante do CONFEF, o senhor Carlos Pimentel, que nessas circunstâncias não ousava a se posicionar mais. Dr. Arx indignado, comentou o ocorrido dizendo que Conselho não é poder legislativo e não tem poder de polícia que aquilo era motivo de uma provável ação de constrangimento e que cabia um pedido de danos morais e ainda mais, que aquele documento não tinha valor legal e que quem tivesse recebido documento parecido poderia destruí-lo. Em prosseguimento aos trabalhos, a Deputada Federal Alice, ainda falou sobre a Educação Física Escolar que também é alvo das investidas do CREF, obrigando e coagindo os professores a se filiarem. Esta de forma veemente argumentou: Professor é uma profissão antiga, que tem história... a classe de professores possui sindicatos, é regido por normas do Ministério da Educação MEC e possui Conselhos Nacional e Estadual. Nos outros conselhos se você exerce uma função no magistério a filiação não constitui uma obrigatoriedade. Nas considerações finais o professor Pimentel deixou escapar que aquela casa também fazia parte da sua história, pois também tem formação acadêmica em Direito. Surpreso Dr. Arx imediatamente cobrou dele, já que dominava o assunto, a reformulação daquelas normativas e resoluções internas tão incoerentes e descabidas. A deputada federal Alice Portugal também pediu em público o comprometimento da Comissão de Esporte, Cultura e Lazer referente às questões ali destacadas e discutidas, com o objetivo de proteger os professores dessas culturas corporais e de educação física escolar. O evento foi finalizado através de uma das formas de expressão do capoeirista - a música que se manifestou na voz do professor de capoeira Boca e do mestre Tonho Matéria que a meu pedido cantou uma de suas músicas mais belas e que traduzia o momento: Um movimento puro e ostensivo Palpita sobre os nossos corações Ô capoeira! Quem te olha mal Não sabe que a vida sua é uma união Movida sobre uma necessidade Concreta sempre Distingue a razão Se a luz da força a um corpo Velho ou Moço

6 É lindo! Eu digo então... A capoeria é linda! É a fonte do saber! A capoeira é nossa! Não pode deixar morrer! Vamos Capoeirar... Nada mais havendo a relatar encerro este relatório que tem como objetivo, apresentar de maneira sucinta elementos fundamentais e esclarecedores sobre a audiência pública organizada e realizada pela Comissão de Esporte, Cultura e Lazer da Ordem dos Advogados da Bahia, com apoio da Escola Superior de Advocacia Orlando Gomes e Caixa de Assistência dos Advogados da Bahia. Neuber Leite Costa Coord. de Ed. Física e Esporte Escolar

PROJETO DE LEI N.º 5.575, DE 2013 (Do Sr. Giovani Cherini)

PROJETO DE LEI N.º 5.575, DE 2013 (Do Sr. Giovani Cherini) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.575, DE 2013 (Do Sr. Giovani Cherini) Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Produtor Cultural, Esportivo e de Ações Sociais. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE:

Leia mais

Monitora: Luiza Jungstedt. Professor: Luíz Oliveira Castro Jungstedt

Monitora: Luiza Jungstedt. Professor: Luíz Oliveira Castro Jungstedt Turma e Ano: Flex B Matéria / Aula: Administrativo aula 10 Monitora: Luiza Jungstedt Professor: Luíz Oliveira Castro Jungstedt Hoje trabalharemos as formas de Intervenção Branda na Propriedade. Começaremos

Leia mais

A preservação dos documentos da Justiça do Trabalho 1

A preservação dos documentos da Justiça do Trabalho 1 A preservação dos documentos da Justiça do Trabalho 1 A globalização produziu um acentuado processo de perda de identidade individual e de comunidades. No final do século XX, o mundo assistiu a um acentuado

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Arthur Oliveira Maia) Altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993, para suprimir qualquer restrição ou preferência legal na contratação de treinador

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

1. Objetivo geral da política nacional do meio ambiente

1. Objetivo geral da política nacional do meio ambiente Romeu Thomé e Leonardo de Medeiros Garcia entes da federação é justificada pela sobreposição de interesses acerca do tema. Cabe, portanto, à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios implementar

Leia mais

Nota Técnica. 1- Referência:

Nota Técnica. 1- Referência: Nota Técnica 1- Referência: Ofício SEDE Central/SEC 007/2013, do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais SindUTE/MG, requerendo tornar sem efeito o artigo 4º da Resolução SEE nº 2.253

Leia mais

DIREITOS E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO 1 WILLIAN SHIRATA NPI - FAC SÃO ROQUE

DIREITOS E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO 1 WILLIAN SHIRATA NPI - FAC SÃO ROQUE DIREITOS E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO 1 WILLIAN SHIRATA NPI - FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para que haja maior entendimento do meio ambiente do trabalho é importante definir o que é o meio ambiente, pois, apesar

Leia mais

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional CAPITULO I Do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Art. 1º. Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis

Leia mais

LEI Nº 2.673, DE 24 DE AGOSTO DE 2010. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a

LEI Nº 2.673, DE 24 DE AGOSTO DE 2010. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a LEI Nº 2.673, DE 24 DE AGOSTO DE 2010 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Altera a Lei nº 2.396,

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 7370, DE 2002. Acrescenta parágrafo único ao art. 2º da Lei 9.696, de 1º de setembro de 1998. PARECER À EMENDA AO TEXTO DO SUBSTITUTIVO AUTOR: Deputado

Leia mais

10 anos de (in)formação

10 anos de (in)formação Revista EF: 10 anos de (in)formação Em dezembro de 2001, milhares de profissionais de Educação Física receberam uma surpresa pelo correio. Em capa dedicada à Capoeira, com 32 páginas de pura informação

Leia mais

2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Projeto Básico Ambiental PBA. 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e

2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Projeto Básico Ambiental PBA. 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e ÍNDICE 6.5.15 - Programa de Documentação e Preservação do Patrimônio Natural e Paisagístico... 1/11 6.5.15.1 - Justificativas... 1/11 6.5.15.2 - Objetivos... 3/11 6.5.15.2.1 - Objetivo Geral... 3/11 6.5.15.2.2

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 50, DE 2007

PROJETO DE LEI Nº 50, DE 2007 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 50, DE 2007 (Apensos o PL 2.858/08 e o PL 5.222/09) Regulamenta as atividades dos profissionais de artes marciais, capoeira, dança, surf, bodyboard, skate,

Leia mais

A JÁ REGULAMENTADA PROFISSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA E AS ARTES MARCIAIS 1

A JÁ REGULAMENTADA PROFISSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA E AS ARTES MARCIAIS 1 A JÁ REGULAMENTADA PROFISSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA E AS ARTES MARCIAIS 1 Luiz Gonçalves Junior 2 Alexandre Janota Drigo 3 Historicamente a Educação Física no Brasil sempre teve estreita ligação com o ambiente

Leia mais

A SAGA DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO

A SAGA DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO A SAGA DA SOCIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO Prof. Santo Conterato Diretor da APSERJ Vitória da Sociologia. Com este título o boletim da APSERJ Papo de Sociólogo, Ano I, Nº 0, de novembro de 1989, noticia a inclusão

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

Introdução à Educação Física

Introdução à Educação Física Introdução à Educação Física UNIDADE IV: O sistema CONFEF/CREF -A regulamentação da profissão de Educação Física -Os cursos de LICENCIATURA e BACHARELADO em Educação Física Professora Mestre: Maria Celeste

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis.

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis. Apresentação O Manifesto de Lima a Paris foi apresentado no encontro denominado Que Responsabilidades o mundo necessita frente às mudanças climáticas? Por uma nova governança ambiental. O evento foi realizado

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

É VENCER OU VENCER. Uma conquista de toda a categoria. Profissionais de Educação Física. Ginástica Laboral: Uma área de atuação dos

É VENCER OU VENCER. Uma conquista de toda a categoria. Profissionais de Educação Física. Ginástica Laboral: Uma área de atuação dos nº 1 - abril de 2010 Órgão Oficial do Conselho Regional de Educação Física - 1ª Região - RJ/ ES É VENCER OU VENCER É a hora dos profissionais de Educação Física do Espírito Santo se unirem e mostrarem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ENCAMINHADO PARA HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Centro Educacional Sorocabano Uirapuru Ltda. UF: SP ASSUNTO: Consulta sobre a aplicação das Diretrizes Curriculares

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FABIANO CONTARATO, brasileiro, solteiro, com 48 anos de idade, Delegado de Polícia Civil e Professor Universitário,

Leia mais

MENSAGEM Nº 110, DE 2007

MENSAGEM Nº 110, DE 2007 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 110, DE 2007 Submete à consideração do Congresso Nacional, o texto do Memorando de Entendimento sobre Cooperação Trilateral em Agricultura

Leia mais

5º Fórum Febraban de Segurança e Saúde no Trabalho do Sistema Financeiro. Programa Qualidade de Vida CAIXA. São Paulo - SP Outubro 2008

5º Fórum Febraban de Segurança e Saúde no Trabalho do Sistema Financeiro. Programa Qualidade de Vida CAIXA. São Paulo - SP Outubro 2008 5º Fórum Febraban de Segurança e Saúde no Trabalho do Sistema Financeiro Programa Qualidade de Vida CAIXA São Paulo - SP Outubro 2008 Sistema de Saúde e Segurança no Trabalho 1º NÍVEL 2º NÍVEL 3º NÍVEL

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 35, DE 1999

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 35, DE 1999 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO Autor: Deputado PAULO ROCHA : I - RELATÓRIO O presente projeto de lei, de autoria do Deputado Paulo Rocha, visa a obrigar hotéis e similares a disponibilizar

Leia mais

Entendimento jurídico aponta para livre atuação em Tai Chi Chuan, independente de formação acadêmica

Entendimento jurídico aponta para livre atuação em Tai Chi Chuan, independente de formação acadêmica Entendimento jurídico aponta para livre atuação em Tai Chi Chuan, independente de formação acadêmica O ensino e prática de Tai Chi Chuan, arte marcial milenar de origem chinesa, que trabalha os aspectos

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO - SMED

CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO - SMED CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO - SMED Formular políticas

Leia mais

www.procon.rs.gov.br Produzido em:06/09. Governo do Estado do Rio Grande do Sul CARTILHA DO CONSUMIDOR Trabalhando em prol da cidadania Apresentação O PROCON-RS através desta cartilha visa orientar de

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SERGIPE

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SERGIPE EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SERGIPE AÇÃO CIVIL PÚBLICA O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por seu Procurador da República, vem respeitosamente ante Vossa Excelência, com

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA O PODER DE POLÍCIA AMBIENTAL E SUA EXECUÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE CASTRO CASTRO

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006.

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n o 4.645, de 25 de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica UF: DF ASSUNTO: Consulta sobre profissionais de Educação Infantil que atuam em redes

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA

ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE DANÇA LICENCIATURA Código: 03 Matriz Curricular: DANÇA - Laranjeiras - Presencial - Noturno - Licenciatura Plena Período Letivo de Entrada em Vigor 2012-1 Carga Horária: Total

Leia mais

Consulta Pública sobre as Normas de Preservação do Sítio Histórico de Ouro Preto. Memória de Reuniões

Consulta Pública sobre as Normas de Preservação do Sítio Histórico de Ouro Preto. Memória de Reuniões Consulta Pública sobre as Normas de Preservação do Sítio Histórico de Ouro Preto Memória de Reuniões 1.0-Sobre as Normas de Preservação para o Conjunto Tombado de Ouro Preto O Departamento do Patrimônio

Leia mais

Estado da Paraíba PREFEITURA MUNICIPAL DE TAVARES GABINETE DO PREFEITO

Estado da Paraíba PREFEITURA MUNICIPAL DE TAVARES GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 704/2013 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL COMPIR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO CONSTITUCIONAL DO MUNICÍPIO DE TAVARES, Estado da Paraíba, usando

Leia mais

Considerações sobre o estágio na formação do Profissional de Educação Física

Considerações sobre o estágio na formação do Profissional de Educação Física Considerações sobre o estágio na formação do Profissional de Educação Física José Maria de Camargo Barros A formação do Profissional de Educação Física deve garantir o desenvolvimento de estágios curriculares,

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16.

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2008. (Do Sr. Geraldo Resende)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2008. (Do Sr. Geraldo Resende) 1 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2008. (Do Sr. Geraldo Resende) Requer informações ao Senhor Gilberto Passos Gil Moreira, Ministro de Estado da Cultura - MinC, sobre a Certificação de Auto-reconhecimento

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

Vara Regional da Infância e Juventude da 1ª Circunscrição Judiciária

Vara Regional da Infância e Juventude da 1ª Circunscrição Judiciária Vara Regional da Infância e Juventude da 1ª Circunscrição Judiciária PORTARIA Nº 06/2011 Diário de Justiça Eletrônico Disciplina o procedimento para a entrada e permanência de crianças e adolescentes em

Leia mais

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 2014 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 1 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Pergunta: A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Por Eduardo Varela Consultor da Factor9.com.br Março

Leia mais

MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO

MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO TEMÁTICA 11: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO Nº 46, DE 2002

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO Nº 46, DE 2002 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO Nº 46, DE 2002 Dispõe sobre a criação de curso de Especialização de Odontologia do Trabalho e dá outras providências. Autor:Federação Nacional dos Odontologistas

Leia mais

PARECER DECRETO CALL CENTER

PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO 6.523/2008 Elizabeth Costa de Oliveira Góes Trata-se de parecer com vistas a analisar a aplicabilidade do Decreto 6.523/2008, de 31 de julho de 2008, no que

Leia mais

FEFUC CURSO DE BACHAREL EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

FEFUC CURSO DE BACHAREL EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FEFUC CURSO DE BACHAREL EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA CAMPO DE ATUAÇÃO O profissional de educação física têm garantido sua atuação plena no

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 10 Ministério da Educação Nº 1722 - Quarta feira, 19 de fevereiro de 2014 PORTARIA Nº 117 E 127, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. SECRETARIA DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - Defere

Leia mais

Criação dos Conselhos Municipais de

Criação dos Conselhos Municipais de Criação dos Conselhos Municipais de Educação Ada Pimentel Gomes Fernandes Vieira Fortaleza 02.08.2009 Por que criar Conselhos de Educação? O Art. 1º da Constituição Federal/1988 traduz a nossa opção por

Leia mais

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista.

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009. (Do Sr. Dep. Paulo Pimenta e outros) Altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício

Leia mais

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais?

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Atividades Paralelas 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Sim. Nos limites da lei e desde que observadas as restrições

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida: Faculdades

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Produtor Cultural, Esportivo e de Ações Sociais. O Congresso Nacional Decreta:

PROJETO DE LEI Nº. Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Produtor Cultural, Esportivo e de Ações Sociais. O Congresso Nacional Decreta: PROJETO DE LEI Nº Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Produtor Cultural, Esportivo e de Ações Sociais. O Congresso Nacional Decreta: Art. 1º O Exercício da profissão de Produtor Cultural, Esportivo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal)

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) ATIVIDADES PARALELAS 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração

Leia mais

LEI Nº 4.963, DE 9 DE SETEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.963, DE 9 DE SETEMBRO DE 2003 PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 4.963, DE 9 DE SETEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a Política Social do Idoso, dá nova regulamentação ao Conselho Municipal do Idoso e revoga a Lei

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Felipe Bornier)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Felipe Bornier) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Felipe Bornier) Regulamenta o exercício do Profissional de Marketing, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 0 - Quem é o que faz o profissional

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais

SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais AUDIÊNCIA PÚBLICA REALIZADA NA COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS EM 28 DE JUNHO DE 2006 PARA INSTRUIR O PROJETO DE LEI DO SENADO Nº25, DE 2002, QUE DISPÕE SOBRE O

Leia mais

o Ministério Público Federal propôs a presente ação civil

o Ministério Público Federal propôs a presente ação civil 1 8 VARA FEDERAL SENTENÇA TIPO A Processo no 3859-49.2012.01.4200 Requerente: Ministério Público Federal Requeridos: Conselho Federal de Educação Física - CONFEF- e outro SENTENCA I - Relatório o Ministério

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador César Borges

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador César Borges PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei da Câmara nº 281, de 2009 (Projeto de Lei nº 5.245, de 2009, na origem), do Presidente da

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 Senhores Deputados, meu pronunciamento é em caráter excepcional. Eu tenho uma história de vida

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 2.947, DE 2008 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO SEVERIANO ALVES PDT

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 2.947, DE 2008 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO SEVERIANO ALVES PDT COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 2.947, DE 2008 Estende medidas de estímulo à inovação prevista na Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, às universidades comunitárias e confessionais.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 533, de 2013, do Senador Sérgio Souza, que estabelece a obrigatoriedade de as farmácias

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002/2014

RESOLUÇÃO Nº 002/2014 RESOLUÇÃO Nº 002/2014 Dispõe sobre o Estágio Profissional de Advocacia e disciplina o credenciamento de escritórios de advocacia e outras entidades interessadas, bem como os convênios celebrados pela OAB/BA

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 75, de 2014, do Deputado George Hilton, que dispõe sobre a regulamentação da profissão de instrumentador cirúrgico.

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor.

ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor. ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor. Introdução A cidade de Palmeiras de Goiás vem apresentando hodiernamente

Leia mais

DECISÃO (LIMINAR/ANTECIPAÇÃO DA TUTELA)

DECISÃO (LIMINAR/ANTECIPAÇÃO DA TUTELA) AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 5047880-71.2012.404.7100/RS SINDICATO DOS TREINADORES PROFISSIONAIS NO AUTOR : ESTADO DO RIO GGRANDE DO SUL ADVOGADO : CARLOS EDUARDO LICKS FLORES CONSELHO

Leia mais

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA ESTUDO POLUIÇÃO SONORA José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO DEZEMBRO/2005 Câmara

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD)/2012

PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD)/2012 PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD)/2012 Estabelecimento: CEEBJA: Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos Professora: KATIANE DOS SANTOS Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Ensino: MÉDIO ( X ) sede

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128 LEI N.º 10.128 Reproduz em novo texto a Lei 8.339, de 12 de junho de 2002 que trata do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos das Pessoas Com Deficiência de Uberaba COMDEFU. O Povo do Município de Uberaba,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 NOTA DESCRITIVA FEVEREIRO/2008 Nota Descritiva 2 2008 Câmara dos Deputados. Todos os direitos reservados. Este trabalho poderá ser reproduzido ou transmitido na íntegra,

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso na cerimónia de sanção

Leia mais

Atualizações Trabalhistas

Atualizações Trabalhistas Atualizações Trabalhistas Aviso-prévio não pode ser suprimido por norma coletiva, suplente de Conselho Fiscal tem estabilidade sindical e empregado pago para não trabalhar deve ser indenizado por assédio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 19, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta o uso de imagens de unidades de conservação federais, dos bens ambientais nestas incluídos e do seu patrimônio, bem como a elaboração de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO PAULISTA

PREFEITURA MUNICIPAL DO PAULISTA ANEXO I QUADRO DE VAGAS I - PARA A SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE EMPREGO / FORMAÇÃO TOTAL DE VAGAS VAGAS RESERVADA S P / PCD ANALISTA AMBIENTAL FORMAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL 01 - ANALISTA AMBIENTAL FORMAÇÃO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO 002/2011

RECOMENDAÇÃO 002/2011 RECOMENDAÇÃO 002/2011 OFÍCIO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO E SOCIAL O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições legais e constitucionais, com

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA SÚMULA DE RECOMENDAÇÕES AOS RELATORES Nº 1/2001 CEC

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA SÚMULA DE RECOMENDAÇÕES AOS RELATORES Nº 1/2001 CEC SÚMULA DE RECOMENDAÇÕES AOS RELATORES Nº 1/2001 CEC Revalidações: - 12/03/2005-25/04/2007 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A presente Súmula de Recomendações aos Deputados Membros e em especial aos Relatores da

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes Nos Estados Unidos o uso de nações indígenas serviu como uma espécie de senha para a tomada

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO CULTURA E DESPORTO PROJETO DE LEI N.º 4.829, DE 1998

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO CULTURA E DESPORTO PROJETO DE LEI N.º 4.829, DE 1998 : I - RELATÓRIO O Projeto de Lei apresentado pelo ilustre deputado Paulo Paim, dispõe sobre a regulamentação da profissão de ortoptista, a formação e as condições do exercício profissional, assim como

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP. PROJETO DE LEI Nº 39-A, DE 1999 (Do Sr. Paulo Rocha)

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP. PROJETO DE LEI Nº 39-A, DE 1999 (Do Sr. Paulo Rocha) COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP PROJETO DE LEI Nº 39-A, DE 1999 (Do Sr. Paulo Rocha) Dispõe sobre a Regulamentação da Profissão de Agente de Segurança Privada e dá outras

Leia mais