UNIVERSIDADE DO CONTESTADO PROGRAMA DE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL JAIME PEDRO FOLSTER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO CONTESTADO PROGRAMA DE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL JAIME PEDRO FOLSTER"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO CONTESTADO PROGRAMA DE MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL JAIME PEDRO FOLSTER MICROCRÉDITO PRODUTIVO E ORIENTADO COMO FERRAMENTA PARA FORMALIZAÇÃO DE EMPRESAS: ESTUDO DE CASO DO BANCO DO PLANALTO NORTE ENTRE 2000 A 2007 CANOINHAS 2010

2 JAIME PEDRO FOLSTER MICROCRÉDITO PRODUTIVO E ORIENTADO COMO FERRAMENTA PARA FORMALIZAÇÃO DE EMPRESAS: ESTUDO DE CASO DO BANCO DO PLANALTO NORTE ENTRE 2000 A 2007 Dissertação apresentada como exigência para obtenção do título de Mestre ao Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado, sob orientação do Prof. Doutor Walter Marcos Birkner Knaesel. CANOINHAS 2010

3

4 AGRADECIMENTOS Acima de tudo, agradeço a essa força incrível que existe dentro das pessoas e que está comigo todos os dias. Muitos a chamam por muitos nomes, e eu, simplesmente Deus. Aos meus pais, que me deram a vida, e somente agora, que sou pai, pude compreender o valor e importância que eles tiveram nessa passagem. Às minhas sete irmãs e aos meus amigos, que também foram os responsáveis por minha evolução e estabilidade na vida. E, como tinha de ser, a Ivânia, digo, a Mulher, que compartilha da minha vida e de nossos três filhos: Calil, Ian e Dara, e que agora são parte de mim. A todos do Banco do Planalto Norte que agora fazem parte da minha lista de amigos, em especial aos Agentes de Crédito: Berenice, Sandro, Toni, Viviane, e seu gerente, Nivaldo. Ao Badesc que patrocinou esta pesquisa e aos seus colaboradores, João José Wilson e Rodrigo Herval Moriguti e; ao Prof. Dr. Jacques Mich, que deram suas significativas contribuições. Aos professores Antônio Alfredo de Souza e Regina Carvalho que colaboraram com a revisão final e ao Mário Livramento, que mesmo mantendo-se em silêncio, foi minha fonte de inspiração sobre o tema. A todo o corpo docente do mestrado da UnC, que vem contribuindo para a evolução do conhecimento científico e que participaram dessa minha evolução - destaco as contribuições da Profª Drª Maria Luiza e do Prof. Dr. Walter Knaesel, meu orientador.

5 RESUMO FOLSTER, Jaime Pedro. Microcrédito produtivo e orientado como ferramenta para formalização de empresas: estudo de caso do banco do planalto norte entre 2000 a f. Dissertação (Mestrado). Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional. Universidade do Contestado, Campus de Canoinhas. Abordar os efeitos da política de microcrédito produtivo e orientado para a formalização de empresas dos tomadores de crédito do Banco do Planalto Norte, tem como reflexão principal deste estudo. Conceitua o tema microcrédito e o contextualiza na história. Identifica e define os clientes informais e formais. A análise dos dados demonstrou que os recursos concedidos aos clientes antes informais que se formalizaram, contribuíram para o crescimento das atividades e, por extensão, contribuíram para a própria formalização. Este não foi, porém, o fato principal que os conduziu à formalização: ela se deu pela própria exigência da lei, dos órgãos de fiscalização, pela necessidade da emissão da nota fiscal, e há que se considerar, também, o sentimento do empreendedor de estar na legalidade. Além dos dados sobre a formalização, faz uma reflexão do microcrédito como ferramenta de transformação do atual modelo capitalista. O microcrédito produtivo e orientado faz parte de uma política pública que, entre outros, objetiva a inserção de pobres na economia. Este integra três fatores essenciais na construção de um novo modelo: os governos; a sociedade civil organizada, por meio das ONGs e OSCIPs e; o setor produtivo privado. É pela participação e trabalho em conjunto dessas forças, e de todos que fazem parte do mercado, que esse novo modelo poderá ser construído. Palavras chaves: microfinanças; microcrédito produtivo e orientado; formalização de empresas; Banco do Planalto Norte.

6 ABSTRACT FOLSTER, Jaime Pedro. Productive and oriented microcredit as a tool for formalization of business: case study of the north bank of the plateau between 2000 to f. Thesis (Masters). Masters Program in Regional Development, University of Contestado Campus Canoinhas. Address the effects of policy-oriented and productive micro enterprise formalization of borrowers of the Bank of North Plateau, is the reflection of this study. It conceptualizes microcredit and gives a historical survey. It also identifies and defines the informal and formal customers. Data analysis demonstrates that the resources taken by informal customers who then legalized their business contributed to the commercial expansion and therefore to legalization itself. However, it was not the main reason for legalization. Other facts had impact such as law requirement, fiscal authorities, the need of issuing invoices and the entrepreneur s wish to be within the formal sector. Besides legalization data, it describes microcredit as a powerful tool to change capitalism as seen today. Productive and oriented microcredit is a public policy that aims to help poor people access formal economy. To build a new capitalism, there are three main factors that shall work together: governments, civil society and the private sector. Keys words: microfinances; productive and guided microcredit; formalização of companies; Banco do Planalto Norte.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Organograma do BPN...53 Gráfico 1 - Aplicação por finalidade no BPN em Gráfico 2 - Ramo de atividade dos empreendimentos...63 Gráfico 3 - Formação escolar do empreendedor...64 Gráfico 4 - Participação em organizações de classe...65 Gráfico 5 - Poder decisório e de gestão na empresa...65 Gráfico 6 - Expectativa de crescimento do empreendimento...66 Gráfico 7 - Local do empreendimento...66 Gráfico 8 - Mercado de atuação...67 Gráfico 9 - Controles de gestão: livro caixa, contas a receber e a pagar, receitas e despesas, controles de estoque...68 Gráfico 10 - Forma dos controles de gestão...68 Gráfico 11 - Conta corrente em bancos...69 Gráfico 12 - Obtenção de financiamentos, além do obtido no BPN...69 Gráfico 13 - Evolução do faturamento...70 Gráfico 14 - Número de empregos envolvidos...71 Gráfico 15 - Evolução operacional...71 Gráfico 16 - Importância do crédito recebido do BPN...72 Gráfico 17 - Intenção em registrar empresa antes de obter financiamento no BPN..73 Quadro 1 - Principais programas federais de emprego, trabalho e renda no Brasil..18 Quadro 2 - Linhas de crédito do Proger por setor de atividade...20 Quadro 3 - Linhas de crédito do Proger Urbano...20 Quadro 4 - Forma de distribuição do microcrédito...33 Quadro 5 - Distribuição das OSCIPs de microcrédito no Estado de SC...49 Quadro 6 - Organizações que compõem o Conselho do BPN...52 Quadro 7 - Síntese do perfil dos clientes pesquisados...63

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Instituições habilitadas para atuação com os microempreendedores...29 Tabela 2 - Aplicação do microcrédito em SC...50 Tabela 3 - Número de habitantes por município na área de atuação do BPN...51 Tabela 4 - Número de habitantes por posto de atendimento do BPN...51 Tabela 5 - Recursos aportados pelo BPN - por fonte...56 Tabela 6 - Aplicação do BPN até Tabela 7 - Empréstimos por tipo de cliente...56 Tabela 8 - Relação total de contratos do BPN...59 Tabela 9 - Relação total dos clientes formais e informais Resumo...60 Tabela 10 - Relação dos clientes formais e valores contratados...60 Tabela 11 - Relação dos clientes informais e valores contratados...61 Tabela 12 - Clientes informais que se formalizaram - identificados pelos agentes de crédito...62 Tabela 13 - Importância do crédito recebido do BPN...72

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS A AMPLANORTE Associação dos Municípios do Planalto Norte Catarinense B BACEN BADESC BB BNB BNDES BPN Banco Central do Brasil Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina Banco do Brasil Banco do Nordeste do Brasil Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco do Planalto Norte C CDL CEAPE CEF CNPJ CODEFAT COFINS CPF CSLL Câmara de Dirigentes Lojistas Centros de Apoio aos Pequenos Empreendimentos Caixa Econômica Federal Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cadastro de Pessoa Física Contribuição Social sobre o Lucro Líquido F FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador I IBGE ICMS INSS IPEA IPI IRPJ ISS Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços Instituto Nacional do Seguro Social Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Imposto sobre Produtos Industrializados Imposto de Renda Pessoa Jurídica Imposto Sobre Serviços M MEI MTE Microempreendedor Individual Ministério do Trabalho Emprego

10 N NIRE Número de Identificação do Registro de Empresa O OIT ONG OSCIP Organização Internacional do Trabalho Organização Não Governamental Organização da Sociedade Civil de Interesse Público P PCPP PDI PIS PNMPO PROEMPREGO PROGER PRONAF Programa de Crédito Produtivo Popular Programa de Desenvolvimento Institucional Contribuição para o Programa de Integração Social Programa Nacional de Microcrédito Produtivo e Orientado Programa de Expansão do Emprego e Melhoria da Qualidade de Vida do Trabalhador Programa de Geração de Emprego, Trabalho e Renda Programa Nacional da Agricultura Familiar S SCM SEBRAE SFN SPC Sociedade de Crédito ao Microempreendedor Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sistema Financeiro Nacional Serviço de Proteção ao Crédito U UNO União Nordestina de Assistência a Pequenas Organizações

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO POLÍTICA PÚBLICA Políticas públicas governamentais MICROFINANÇAS, MICROCRÉDITO E MICROCRÉDITO PRODUTIVO E ORIENTADO Os serviços financeiros As instituições financeiras O público alvo BREVE HISTÓRICO DO MICROCRÉDITO O MICROCRÉDITO NO BANCO DO PLANALTO NORTE APRESENTAÇÃO DA PESQUISA PERFIL DOS PESQUISADOS RESULTADO DA PESQUISA DE CAMPO ANÁLISE DOS DADOS CONCLUSÃO...89 REFERÊNCIAS...91 APÊNDICE A - Questionário...95

12 11 1 INTRODUÇÃO Abordar os efeitos da política de microcrédito produtivo e orientado para a formalização de empresas dos tomadores de crédito do Banco do Planalto Norte, tem como reflexão principal deste estudo. Nos últimos anos, as variáveis macroeconômicas têm sido favoráveis à economia brasileira, visto que a inflação está baixa, a dívida externa vem tendo quedas significativas e o Risco Brasil vem caindo, além da balança comercial ter apresentado sucessivos superávits, fazendo com que o país tenha credibilidade em captar recursos externos. O ponto negativo, porém, é o Custo Brasil 1, principalmente para as micro e pequenas empresas, fazendo com que poucos empresários invistam neste setor. Fatores como a burocracia excessiva, dificuldade para abrir e fechar empresas e falta de acesso ao crédito são motivos que afastam os investidores e deixam de fora do mercado formal muitos empreendedores. Com o objetivo de resolver esses entraves, governos e organizações vêm trabalhando em conjunto, resultando o microcrédito uma dessas iniciativas. O microcrédito teve maior repercussão após o economista Muhammad Yunus, Prêmio Nobel da Paz em 2006, iniciar um movimento para disponibilizar recursos financeiros aos pobres em Bangladesh, um dos países mais desfavorecidos da Ásia, com a criação do Banco Grameen. Voltado para atender os que, a primeira vista, não oferecem nenhuma garantia de recuperação dos empréstimos e, por isso, eram rejeitados pelas instituições financeiras tradicionais. No contexto brasileiro, também os pobres, e mesmo empreendedores de atividades não registradas, os que trabalham na informalidade, também possuem acesso restrito a crédito. Pela Lei de setembro de 2003 o governo federal vem incentivando o processo de inclusão de pessoas no sistema bancário. Foi, porém, pelo Programa de Microcrédito Produtivo e Orientado, instituído pela Lei , de abril de 2005 que se criou as bases de uma política pública para a 1 O Risco Brasil e o Custo Brasil são medidas hipotéticas de análise do Brasil, relacionadas, respectivamente, com o investimento financeiro e com o investimento produtivo, em comparação com o resto do mundo. Medidas comparativas do Brasil em relação a outros países, de forma a facilitar a decisão do investidor de trazer recursos para investir em ações ou títulos brasileiros ou na produção dentro do nosso País. Risco Brasil: leva em conta indicadores como o tamanho da dívida pública, a sua capacidade de pagamento, o tamanho do déficit público, a magnitude das taxas de juros e da taxa de câmbio e outros indicadores. É, em suma, a análise do grau de instabilidade econômica do país. Custo Brasil: é o custo de se produzir no Brasil. Fonte: 050/50cdominik.htm. Acessado em 24/03/2009.

13 12 disponibilidade de recursos aos empreendedores. O objetivo principal do programa é o de incentivar a geração de trabalho e renda entre os microempreendedores populares, criando condições para que estes tenham acesso ao crédito. O público alvo desse programa é, principalmente, o universo dos empreendedores que trabalham na informalidade, ou seja, que não possuem empresa registrada. Acredita-se que esta iniciativa é uma das saídas para que estes cresçam e formalizem suas empresas, tendo o governo maior controle sobre eles na economia. Neste sentido, parece oportuno constatar empiricamente essas informações no Banco do Planalto Norte (BPN), e com isso compreender melhor a eficiência do programa de microcrédito. O BPN é uma associação civil sem fins lucrativos, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP). Está em atividade desde abril de 2000 e tem como objetivo promover o desenvolvimento econômico e social e combater a pobreza, conceder crédito por modelo alternativo visando à criação, crescimento e consolidação de empreendimentos de micro e pequeno porte, formais e informais. Esta organização, que é o resultado de uma ação do governo catarinense iniciada em 1999, disponibiliza o microcrédito para pessoas físicas e jurídicas, ou seja, informais e formais. Para os fins deste estudo, o registro da atividade nos respectivos órgãos oficiais, gerando o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), será a demarcação para a atividade formal. De forma contrária, aos empreendedores que não possuem o Cartão CNPJ serão classificados como informais. Partindo dessas informações, traçamos como objetivo geral desta pesquisa analisar os efeitos dos recursos do microcrédito produtivo e orientado, tomados pelos clientes informais do Banco do Planalto Norte (BPN), sobre a formalização de empresas, entre 2000 e Nossa pretensão neste estudo não recai sobre a quantidade de clientes do banco que se formalizaram, mas sim, sobre a contribuição do crédito para esta formalização. Assim, traçamos três objetivos específicos: a) Identificar e quantificar o número total de clientes da organização objetivando separar os clientes formais dos clientes informais; b) Pesquisar na organização os clientes que formalizaram suas empresas após terem contraído empréstimo, para saber se há relação entre crescimento e formalização; c) Investigar junto os tomadores de crédito o

14 13 crescimento de seu negócio em relação ao aumento do faturamento; do número de empregados; de clientes; expansão do mercado de atuação; diferenciação na gestão da empresa, para poder avaliar os benefícios dos recursos tomados. A presente pesquisa visa, de um lado, fornecer dados e conclusões que ajudem na tomada de decisões dos agentes públicos e privados que operam com programas de microcrédito e, de outro, como fonte de informações para futuros pesquisadores na área do desenvolvimento regional, em função do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado. Inicialmente foi realizado estudo bibliográfico, com a intenção de alcançar o entendimento de conceitos nas áreas econômica e social sobre microfinanças, especificamente sobre microcrédito produtivo e orientado. Buscaram-se, em textos acadêmicos e estudos estatísticos setoriais. O referencial teórico encontra-se no capítulo 2, no qual se expõe o tema sobre políticas públicas, e as políticas públicas governamentais de geração de emprego e renda no Brasil. Em seguida, os conceitos de microfinanças, microcrédito e microcrédito produtivo e orientado. O tema se desenvolve com a explanação do próprio conceito de microfinanças, cujas abordagens se dão em torno dos serviços financeiros ofertados, das instituições que oferecem tais serviços e do público alvo. Nesse tópico aborda-se não só a diferenciação dos clientes informais e formais, como também o conceito que o trabalho adotou. Ainda neste capítulo, faz-se um breve histórico sobre o microcrédito chegando-se a organização pesquisada: o Banco do Planalto Norte (BPN). Para se verificar empiricamente os efeitos do microcrédito produtivo e orientado sobre a formalização de empresas dos clientes do BPN, a pesquisa foi dividida em duas etapas: a) análise dos relatórios junto à organização, para identificar o universo a ser pesquisado; b) aplicação de um questionário com perguntas objetivas, que está apresentado no capítulo 3 apresentação da pesquisa. Para finalizar, no capítulo 4, as conclusões deste estudo.

15 14 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 POLÍTICA PÚBLICA A política consiste no [...] conjunto de procedimentos formais e informais que expressam relações de poder e que se destinam à resolução pacífica dos conflitos quanto a bens públicos (RUA, 1998). O termo público é aqui caracterizado como sendo do coletivo; de todos. Vê-se a figura do Estado como sendo o principal responsável; se é do coletivo, porém, a esfera privada também deve ter participação. Embora as políticas públicas sejam de competência do Estado, não são decisões impositivas e injunções do governo para a sociedade, mas que envolvem relações de reciprocidade e antagonismo entre duas esferas. Portanto, mesmo considerando a primazia do Estado pela condução de políticas públicas, a participação ativa da sociedade civil nos processos de definição e controle da sua execução é fundamental para a consolidação da sua dimensão efetivamente pública (RAICHELIS; WANDERLEY, 2004, p.7) Ainda para definição do que é política pública e a diferença para com uma decisão política, Rua (1998) diz que: As políticas públicas (policies), por sua vez, são outputs, resultantes da atividade política (politics): compreendem o conjunto das decisões e ações relativas à alocação imperativa de valores. Nesse sentido é necessário distinguir entre política pública e decisão política. Uma política pública geralmente envolve mais do que uma decisão e requer diversas ações estrategicamente selecionadas para implementar as decisões tomadas. Já uma decisão política corresponde a uma escolha dentre um leque de alternativas, conforme a hierarquia das preferências dos atores envolvidos, expressando - em maior ou menor grau - uma certa adequação entre os fins pretendidos e os meios disponíveis. Assim, embora uma política pública implique decisão política, nem toda decisão política chega a constituir uma política pública. [...] Além disso, por mais óbvio que possa parecer, as políticas públicas são públicas - e não privadas ou apenas coletivas. A sua dimensão pública é dada não pelo tamanho do agregado social sobre o qual incidem, mas pelo seu caráter imperativo. Isto significa que uma das suas características centrais é o fato de que são decisões e ações revestidas da autoridade soberana do poder público. Faz-se essencial uma maneira diferente de conceber o que é público. É importante ultrapassar os interesses individuais para produzir transformações na

16 15 vida social. Não há mais como separar do Estado e do privado aquilo que é público: ambos têm responsabilidades distintas, mas são responsáveis ao mesmo tempo. Assim, as políticas públicas são formas de atuação dos governos e traduzemse em instrumentos reguladores do comportamento dos agentes econômicos. Elas são utilizadas pelo Estado para regular, mas também para intervir e incentivar, com vistas à construção de uma sociedade mais justa, mais humana, mais equilibrada e mais coesa. Silva (2007, p. 40) aborda a disseminação das políticas públicas, baseado em Dolowitz e Marsh (1996), propondo uma estrutura baseada em sete perguntas, conforme a sequência: a) por que há o engajamento na transferência de políticas?; b) o que é transferido?; c) quem está envolvido no processo de transferência de políticas?; d) de onde são obtidas as referências para a adoção de políticas?; e) há graus diferentes de transferências?; f) quais os fatores que constrangem a realização da transferência?; e ainda uma nova pergunta: g) como o processo de transferência pode levar ao sucesso ou fracasso da política? As seis primeiras perguntas [...] buscam identificar fatores que influenciaram a adoção ou não de determinadas políticas, arranjos institucionais, ferramentas, etc. de outras localidades ou tempo, fazendo do processo de transferência uma variável dependente de fatores a serem estudados. A nova pergunta considera o processo de transferência como variável independente e busca analisar seu efeito sobre o desempenho da política adotada. Os autores reconhecem que umas das principais dificuldades desse tipo de investigação está na definição sobre o que seria o sucesso ou fracasso de uma política, e propõem que seja perguntado aos gestores se a política alcançou os objetivos esperados (SILVA, 2007, p. 42). Face ao conjunto das condições e dos problemas identificados, as políticas públicas traduzem-se em preferências. Os governantes se defrontam com a necessidade de trabalhar a agenda institucional para produzir a agenda governamental. Dessa forma, a segunda questão com que se deparam é a seleção de um problema, de forma a produzir e implementar uma política ajustada aos objetivos, às limitações existentes e à respectiva dimensão temporal. Por tais fatos, a decisão daquela escolha depende, também, da sensibilidade pessoal e da filosofia política, assim como dos princípios de cada governante. Também definida por Silva (2000, p. 13), [...] a política pública é resultado de um demorado e intrincado processo que envolve interesses divergentes, confrontos

17 16 e negociações entre várias instâncias instituídas ou arenas e entre os atores que delas fazem parte. Em praticamente todas as definições de políticas públicas está presente a noção de publicidade, ou seja, políticas públicas são políticas que possuem como caráter central o fato de que as decisões tomadas e as ações implementadas são revestidas pela autoridade soberana do poder público. Não podem, assim, ser produzidas por atores privados, mas somente por atores públicos (parlamentares, gestores e técnicos do executivo) que detenham autoridade para tal (RUA, 1998). Os atores privados (ONGs, empresas, sindicatos, agências de financiamento) possuem capacidade de influir nas políticas públicas, embora não possam formulálas ou buscar implementá-las isoladamente, haja vista que, como citado anteriormente, esta é uma função específica do Estado. No entanto, pode-se dizer que atualmente atores políticos privados vêm desempenhando um papel maior na implementação de políticas públicas, por meio de parcerias firmadas com vários órgãos do Estado. Definido o que seja política pública, apresenta-se a seguir as principais políticas públicas governamentais que estão sendo implantadas no Brasil, notadamente na área de trabalho e renda Políticas públicas governamentais Historicamente as políticas públicas no Brasil foram mais caracterizadas pela ação do Estado em conceder benefícios do que inserir as pessoas para a permanência no mercado de trabalho. Nos últimos governos, iniciativas de ações objetivando tal inserção vêm se concretizando. Nesse contexto, a Constituição de 1988 surgiu como um marco na história da política social brasileira, ao ampliar legalmente a proteção social para além da vinculação com o emprego formal (IPEA, 2007, p. 8). O relatório do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) faz uma análise das principais políticas sociais do governo federal no período entre 1995 e 2005, nas áreas da: a) seguridade social; b) previdência social; c) assistência social e segurança alimentar; d) saúde; e) educação; f) trabalho e renda; g) igualdade

18 17 racial; h) direitos humanos, justiça e cidadania e; i) desenvolvimento rural (IPEA, 2007). No decorrer deste estudo, destacaremos as políticas e programas de geração de emprego, trabalho e renda, mais especificamente as ligadas às microfinanças. É importante dar destaque para pontos abordados no mencionado relatório, a começar pelo grau de informalidade na população ocupada. Parte da população ocupada do país não está registrada em postos de trabalhos, nem desempregada, mas no exercício de atividades produtivas. A partir dessa constatação, o estudo divide os trabalhadores em dois grupos: a) núcleo estruturado do mercado de trabalho, que seriam os trabalhadores com carteira assinada (trabalho formal); b) núcleo pouco estruturado do mercado de trabalho, abrangendo os trabalhadores ativos sem ocupação, trabalhadores sem carteira assinada, autônomos, sem remuneração e aqueles localizados na construção para próprio uso e na produção para autoconsumo. Conclui-se que, embora pequeno, há um crescimento positivo de quase dois pontos percentuais no nível geral de formalização, dentro do núcleo estruturado, passando de 39% em 1995 para 41% em 2006, ou seja, há certa estabilidade na formalização dos trabalhadores. (IPEA, 2007, p. 197). É frente a um mercado de trabalho marcado pelo desemprego elevado, alto patamar de informalidade e por uma renda média baixa e mal distribuída que as políticas de emprego, trabalho e renda se organizaram a partir de meados da década de 1990 (IPEA, 2007, p. 200). Até então, as políticas de trabalho e renda no Brasil estavam desconexas, não estavam organizadas de forma a constituir uma única política. A partir da década de 1990 é que se criam as bases materiais para a organização das políticas de trabalho e renda. Em outras palavras, pode-se afirmar que está em construção no país algo que se poderia chamar de um Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda (SPETR), isto é, um conjunto de programas de governo dirigidos ao mercado de trabalho nacional, tendo em vista os objetivos de: i) combater os efeitos do desemprego (por meio de transferências monetárias como as previstas no seguro-desemprego); ii) requalificar a mão-de-obra e reinseri-la no mercado (por meio dos programas de qualificação profissional e de intermediação de mão-de-obra); e iii) estimular ou induzir à geração de novos postos de trabalho por meio da concessão de crédito facilitado a empresas e/ou trabalhadores que busquem algum tipo de auto-ocupação ou ocupação associada/cooperativada (IPEA, 2007, p. 200).

19 18 Dentre as políticas de trabalho e renda, segundo relatório do IPEA, o governo do presidente Lula mantém sete programas, conforme demonstrado no quadro abaixo. Programa Descrição Ano de início Abono salarial Benefício no valor de um salário mínimo anual, assegurado aos empregados que percebem até dois salários mínimos de remuneração mensal, desde que cadastrados há 5 anos ou mais no PIS/Pasep e que tenham trabalhado pelo menos 30 dias em um emprego formal, no ano anterior. Segurodesemprego Intermediação de mão-deobra/sine Qualificação profissional Primeiro emprego para juventude Geração de emprego e renda Economia solidária Assistência financeira temporária ao trabalhador desempregado, em virtude da dispensa sem justa causa. Concedido em parcelas mensais, que variam de três a cinco, dependendo do número de meses trabalhados nos últimos 36 meses, para um período aquisitivo de 16 meses, ou seja: - três parcelas, se trabalhou pelo menos seis dos últimos 36 meses; - quatro parcelas, se trabalhou pelo menos 12 dos últimos 36 meses; e - cinco parcelas, se trabalhou pelo menos 24 dos últimos 36 meses. Captação de vagas nas empresas e encaminhamento de trabalhadores em busca de emprego. Oferta de cursos de qualificação profissional para trabalhadores desempregados ou em risco de desemprego e microempreendedores. Promoção do ingresso do jovem no mercado do trabalho por meio de qualificação profissional, estímulo financeiro às empresas contratantes, parcerias para contratação de aprendizes e apoio à constituição de empreendimentos coletivos pelos jovens. Concessão de crédito produtivo assistido a micro e pequenas empresas, cooperativas e trabalhadores autônomos. Apoio à formação e divulgação de redes de empreendimentos solidários, pelo fomento direto, mapeamento das experiências e constituição de 1989 (1970 para contas individuais). 1986: Trabalhador formal 1992: Pescador artesanal 2001: Trabalhador doméstico 2003: Trabalhador resgatado incubadoras. Quadro 1 - Principais programas federais de emprego, trabalho e renda no Brasil Fontes: MTE; IPEA (2007, p. 201) Uma das dificuldades para a expansão de programas voltados à geração de renda era a falta de recursos financeiros. A regulamentação para o uso de recursos públicos de microcrédito produtivo orientado surgiu com a aprovação das Resoluções: CODEFAT nº. 449 em 29 de agosto de 2005 que criou uma linha de depósito especial do FAT (200 milhões de reais); e a nº de 31 de agosto de 2005 do Conselho Monetário Nacional que determinou a destinação de 2% dos depósitos à vista dos bancos comerciais para a aplicação em operações de

20 19 microcrédito, entendendo-o como qualquer operação de crédito de pequeno valor com destinação para diferentes finalidades. Esta última também chamada de exigibilidade apresentou um saldo médio disponível de mais de R$ 2 bilhões dos quais R$216 milhões estavam aplicados em microempreendimentos e R$825 milhões em consumo (fev/07) (PEREIRA, 2007, p. 5). A partir de 1995, os programas de geração de renda passaram a ser operacionalizados, inicialmente pelo Banco do Brasil (BB) e Banco do Nordeste do Brasil (BNB), tendo como foco os setores que tinham acesso restrito a crédito. A implementação desses programas foi feita por meio da abertura de linhas especiais de crédito a setores com pouco ou nenhum acesso ao sistema financeiro convencional, como micro e pequenas empresas, cooperativas e formas associativas de produção, além de iniciativas de produção próprias da economia informal (IPEA, 2007, p. 213). O Programa de Geração de Emprego, Trabalho e Renda (PROGER) 2 foi criado em 1994 pelo Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (CODEFAT) para possibilitar o financiamento de setores geradores de emprego e renda e intensivos de mão-de-obra. O PROGER tem a finalidade de permitir o acesso ao crédito para a montagem, ampliação ou modernização de pequenos negócios, na cidade e no campo, prevendo ainda, a capacitação gerencial do beneficiário, acompanhamento e assistência técnica. A princípio estruturado com três programas: PROGER Urbano, PROGER Rural e o Programa Nacional da Agricultura Familiar (PRONAF) operava apenas quatro Linhas de Crédito. Ao longo dos anos, o Programa foi reestruturado, o número de linhas aumentou substancialmente e, em 2006, o PROGER já operava mais de 30 programas/linhas atendendo a diferentes segmentos sociais e diversos setores considerados prioritários pelo Governo. Com a nova estrutura dos Programas de Geração de Emprego e Renda, tornou-se difícil a visualização do direcionamento do conjunto dos programas/linhas para cada setor e, portanto, fez-se necessária uma divisão por setores de atividade, conforme demonstra o quadro abaixo. 2 Fontes: <http://www.mte.gov.br/codefat>; <http://www.bb.com.br; Acessado em: 09 jun

Inclusão Bancária. e Microcrédito

Inclusão Bancária. e Microcrédito Inclusão Bancária e Microcrédito 3. Inclusão Bancária e Microcrédito 116 INTRODUÇÃO Em 2003, no início do novo governo, a discussão sobre microfinanças e inclusão financeira no Brasil era restrita às operações

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

MICROCRÉDITO E MICROFINANÇAS NO GOVERNO LULA

MICROCRÉDITO E MICROFINANÇAS NO GOVERNO LULA MICROCRÉDITO E MICROFINANÇAS NO GOVERNO LULA Gilson Bittencourt Ministério da Fazenda GTI de Microcrédito e Microfinanças Fases Recentes do Microcrédito e das Microfinanças no Brasil Fase 1: de 1972 até

Leia mais

O Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e os Programas de Geração de Emprego e Renda (PROGER) Notas Técnicas

O Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e os Programas de Geração de Emprego e Renda (PROGER) Notas Técnicas Relatório, Fevereiro/2010 O Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e os Programas de Geração de Emprego e Renda (PROGER) Notas Técnicas SUMÁRIO Apresentação... 1 1. Breve Histórico do FAT e do PROGER...

Leia mais

BNB - Segmentação de Clientes

BNB - Segmentação de Clientes BNB - Segmentação de Clientes Grande Pirâmide dos Empreendedores (Formais ou Informais) FORMAL Médio Pequeno MICROEMPRESA INFORMAL EMPREENDEDOR URBANO EMPREENDEDOR RURAL SERVIÇO INDÚSTRIA COMÉRCIO ATIVIDADES

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda MICROCRÉDITO E MICROFINANÇAS NO GOVERNO LULA Gilson Bittencourt GTI de Microcrédito e Microfinanças Objetivos da política de microcrédito e microfinanças Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo Banco do Nordeste: o Maior Banco de Microfinanças da América do Sul Objetivos de atuação do

Leia mais

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO

Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado. O Caso CREDIAMIGO Os Bancos e o Microcrédito Experiência com departamento especializado O Caso CREDIAMIGO Conceitos Microfinanças: todos os serviços financeiros para populações de baixa renda, inclusive financiamento ao

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA AMÉRICA PAINEL: Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas (PMES). HENRIQUE Jorge

Leia mais

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com Estrutura da apresentação Problemas de Acesso ao Crédito Evolução

Leia mais

AS SOCIEDADES DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR ORIGEM, DESENVOLVIMENTO E FUTURO

AS SOCIEDADES DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR ORIGEM, DESENVOLVIMENTO E FUTURO AS SOCIEDADES DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR ORIGEM, DESENVOLVIMENTO E FUTURO (Versão Preliminar) Autores: Rubens de Andrade Neto Economista Diretor Presidente da ABSCM e da Socialcred SCM Edson Luiz

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda (SPETR) O SPETR deve estruturar e integrar as seguintes funções/ações básicas e complementares: seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, orientação profissional,

Leia mais

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia Caio Márcio Ferreira Greve 1 RESUMO O presente artigo faz uma rápida descrição da modalidade de crédito intitulada Microcrédito, e como ela se

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares 1. Introdução Por Larissa Yuri Ushizima Quem pode abrir uma conta bancária? Como pessoas de baixa renda podem ter acesso

Leia mais

Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito

Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito Banco Público Federal com Departamento Especializado em Microcrédito CREDIAMIGO - A experiência de Microfinanças do Banco do Nordeste II Encontro Internacional sobre regulação e supervisão em Microfinanças

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ASSOCIADOS, CLIENTES E COMUNIDADE: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

O QUE É MICROCRÉDITO?

O QUE É MICROCRÉDITO? O QUE É MICROCRÉDITO? Empréstimos de pequeno valor, concedido a pessoas de baixa renda ou em ramo de negócio com baixo volume de recurso, que usualmente não tem acesso ao crédito convencional. CRESCER

Leia mais

Inclusão Financeira de Empreendedores Individuais, Micro e Pequenas Empresas: a visão dos sistemas organizados

Inclusão Financeira de Empreendedores Individuais, Micro e Pequenas Empresas: a visão dos sistemas organizados Inclusão Financeira de Empreendedores Individuais, Micro e Pequenas Empresas: a visão dos sistemas organizados Sistema Financeiro: Propulsor do microcrédito; Adequação e atualização do sistema normativo

Leia mais

ME - Metodologia Creditícia

ME - Metodologia Creditícia EXPANSÃO DO SETOR DE MICROFINANÇAS NO BRASIL ME - Metodologia Creditícia A Cresol só empresta recursos para os próprios sócios 16. Inicialmente, o diretor liberado é que captava os créditos em cada cooperativa.

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças V Seminário Banco Central sobre Microfinanças - Depoimento sobre criação de SCM - Motivos que levaram a decisão de criar - Bases e Princípios que precisam ser levados em conta - O que a experiência tem

Leia mais

CONSOLIDADOS DAS AGÊNCIAS EMPRÉSTIMOS/FINANCIAMENTOS EFETIVAMENTE CONCEDIDOS - 2009 POR REGIÃO E PORTE DO TOMADOR

CONSOLIDADOS DAS AGÊNCIAS EMPRÉSTIMOS/FINANCIAMENTOS EFETIVAMENTE CONCEDIDOS - 2009 POR REGIÃO E PORTE DO TOMADOR 4.6 POLÍTICA DE APLICAÇÃO DE RECURSOS DAS AGÊNCIAS FINANCEIRAS OFICIAIS DE FOMENTO As aplicações previstas pelas agências financeiras oficiais de fomento foram definidas em consonância com as prioridades

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda Rogério Nagamine Costanzi* Desde a experiência do Grameen Bank em Bangladesh, o microcrédito passou a se disseminar

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

Microcrédito Produtivo Orientado Grandes números no mundo

Microcrédito Produtivo Orientado Grandes números no mundo Microcrédito Produtivo Orientado Grandes números no mundo Leste Europeu e Ásia Central Carteira Bruta (US$) 3,6 bilhões Ticket Médio (US$) 1.570,4 Quant. de Tomadores 2,3 milhões Leste Asiático e Pacífico

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 151 EMPREGO E RENDA

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 151 EMPREGO E RENDA EMPREGO E RENDA Instituição da linha de crédito especial Novo Empreendedor no âmbito do Programa de Geração de Emprego e Renda (Proger) A Resolução n o 275, aprovada em 21 de novembro de 2001 pelo Conselho

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO SEGURO-DESEMPREGO NO MUNICÍPIO DE CURITIBA 2008 E 1º BIMESTRE DE 2009 INTRODUÇÃO Este texto tem como objetivo apresentar um perfil do programa de Seguro-Desemprego no município de Curitiba no ano de 2008

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva**

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva** DISPERSÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DE REGISTROS ADMINISTRATIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Ernesto Pereira Galindo*

Leia mais

Quer tirar seu projeto do fundo do baú?

Quer tirar seu projeto do fundo do baú? Quer tirar seu projeto do fundo do baú? Sumário 1. PATROCÍNIO... 2. SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL... 3. INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO... 4. FUND. COORD. DE APERF. DE PESSOAL

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato

Concurso CEF/2012. Prof: Fernando Aprato Concurso CEF/2012 CETEC POA Prof: Fernando Aprato Programa Seguro- Desemprego Introdução O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º dos Direitos Sociais da

Leia mais

ORGANIZACIÓN Y FINANCIAMIENTO DE LAS PEQUEÑAS Y MEDIANAS EMPRESAS EXPERIENCIA COMPARADA EN CADA PAIS

ORGANIZACIÓN Y FINANCIAMIENTO DE LAS PEQUEÑAS Y MEDIANAS EMPRESAS EXPERIENCIA COMPARADA EN CADA PAIS SEMINARIO CILEA COLONIA DEL SACRAMENTO, 2000 ORGANIZACIÓN Y FINANCIAMIENTO DE LAS PEQUEÑAS Y MEDIANAS EMPRESAS EXPERIENCIA COMPARADA EN CADA PAIS Marcos Morais de Freitas Economista (Brasil) SUMÁRIO 1.0.

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades Rodrigo Santos Nogueira Diretor Setorial de Responsabilidade Social e Sustentabilidade FEBRABAN

Leia mais

Políticas de emprego e renda e Sistema público de emprego, trabalho e renda - SPETR

Políticas de emprego e renda e Sistema público de emprego, trabalho e renda - SPETR Políticas de emprego e renda e Sistema público de emprego, trabalho e renda - SPETR Políticas de emprego e renda Fonte: Pochmann Políticas de emprego e renda - Como gerar e sustentar ocupações? Produção

Leia mais

MICROCRÉDITO. Palavras-chave: microcrédito; crédito; financiamento; empreendedor.

MICROCRÉDITO. Palavras-chave: microcrédito; crédito; financiamento; empreendedor. MICROCRÉDITO Nubia Pacheco Cruvinel Instituto Número Um e Pontifícia Universidade Católica de Goiás nubiacruvinelmtv@hotmail.com Vagner Rosalém Mestre RESUMO: O Microcrédito é visto como um instrumento

Leia mais

A atuação do BNDES na promoção da Inclusão Social. Angela Regina Pires Macedo Departamento de Articulação Área de Planejamento

A atuação do BNDES na promoção da Inclusão Social. Angela Regina Pires Macedo Departamento de Articulação Área de Planejamento A atuação do BNDES na promoção da Inclusão Social Angela Regina Pires Macedo Departamento de Articulação Área de Planejamento julho/2009 Roteiro da Apresentação Breve apresentação da Instituição II. A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol

SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA. Presidente Nacional João Alberto Viol SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional João Alberto Viol Diretor Executivo Antonio Othon Pires Rolim Gerente Executivo Claudinei Florencio Consultor

Leia mais

Nordeste FEVEREIRO 2015

Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste do Brasil Visão Geral Banco Múltiplo com 62 anos de atuação para o desenvolvimento da região Nordeste, norte de MG e do ES. Ativos Totais R$ 71,0 bilhões

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS AÇÕES E PROGRAMAS DOS ORGÃOS E ENTIDADES EXERCÍCIO 2014 5703 - AGENCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A - GOIASFOMENTO

CONSOLIDAÇÃO DAS AÇÕES E PROGRAMAS DOS ORGÃOS E ENTIDADES EXERCÍCIO 2014 5703 - AGENCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A - GOIASFOMENTO INSTITUCIONAL 1. Gestor HUMBERTO TANNÚS JÚNIOR 2. Visão Institucional 2.1 Objetivo Institucional Ser um instrumento de execução de políticas públicas de desenvolvimento do Estado de Goiás e ter por objetivo

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

Microcrédito Produtivo Orientado

Microcrédito Produtivo Orientado Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado Avaliação, Perspectivas e Desafios Belo Horizonte, 30 de setembro de 2008 1 Objetivos do Programa Facilitar e ampliar o acesso ao microcrédito produtivo

Leia mais

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva Projeto de Pesquisa - Microcrédito Produtivo Orientado: Inovações de Tecnologia Social e Aperfeiçoamento de Política A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Comentários sobre a Avaliação da Situação Financeira do FAT, anexa ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2016 Elisangela Moreira da Silva

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social Decreto n o 2.173, de 5 de março de 1997 aprova o Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social. Decreto n

Leia mais

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO ,661Ã 1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 1~PHUR 1RYHPEURGH O sistema financeiro e o crédito rural Moyses Kessel ISSN 1519-7212 CGC 00 038 166/0001-05 Notas Técnicas do Brasília n 6 nov 2001 P 1-10 Banco

Leia mais

Área de Inclusão Social Departamento de Economia Solidária

Área de Inclusão Social Departamento de Economia Solidária Atuação no Microcrédito Produtivo Programas de Apoio ao Microcrédito Produtivo Programa de Crédito Produtivo Popular PCPP Programa de Microcrédito PM Programa de Microcrédito PMC 1996 1997 2003 2004 2005...

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVO PRINCIPAL. Oferecer microcrédito para população de baixa renda, atendendo pessoas que não tem perspectivas e nenhum crédito nas instituições financeiras tradicionais. Acreditamos que,

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Função Básica dos Bancos: financiar atividades Evolução do Crédito

Função Básica dos Bancos: financiar atividades Evolução do Crédito Função Básica dos Bancos: financiar atividades Evolução do Crédito Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com Estrutura da apresentação 2 Problemas de

Leia mais

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito Atualização: SEBRAE-SP - Unidade de Políticas Públicas e Relações Institucionais UPPRI - 13 maio 2013 Cartilha do 4 Microempreendedor Individual Microcrédito MICROCRÉDITO O QUE É? O microcrédito é a concessão

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) PASSIVO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

Inclusão Financeira no Brasil

Inclusão Financeira no Brasil São Paulo 18 de agosto de 2014 2 Inclusão Financeira no Brasil Parceria Nacional para Inclusão Financeira Elvira Cruvinel Ferreira Departamento de Educação Financeira Missão do BCB Assegurar a estabilidade

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nova estrutura de dados de crédito Nota Metodológica 1. Introdução Esta Nota tem por objetivo descrever os principais aprimoramentos incorporados

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >>

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> Para se candidatar a Vaga de Promotor(a) iremos dividir por etapas a apresentação e o treinamento: Primeira Etapa: 1. Apresentação da Empresa e seus Canais de Vendas 2. Apresentação

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei: Projeto de Lei- 978 de 13 novembro de 2007, Política Municipal de Fomento à Economia Popular Solidária e a criação do conselho municipal de fomento á economia solidária de Pedro II, com a sigla ( CMPES

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.019, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Institui o Fundo de Industrialização do Acre FIAC, e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

Programa de Microfinanças de Santa Catarina Isabel Baggio Associação das Organizações de Microcrédito e Microfinanças de Santa Catarina AMCRED-SC

Programa de Microfinanças de Santa Catarina Isabel Baggio Associação das Organizações de Microcrédito e Microfinanças de Santa Catarina AMCRED-SC Programa de Microfinanças de Santa Catarina Isabel Baggio Associação das Organizações de Microcrédito e Microfinanças de Santa Catarina AMCRED-SC Rodrigo H. Moriguti Agência de Fomento de Sta. Catarina

Leia mais