RETOMAR A CONFIANÇA EM RELAÇÃO AO FUTURO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RETOMAR A CONFIANÇA EM RELAÇÃO AO FUTURO"

Transcrição

1 nº 50 / MAIO / JUN. / JUL. / AGOSTO / 2014 Novos critérios para o despedimento por extinção de posto de trabalho e inadaptação pág 6 EDITORIAL RETOMAR A CONFIANÇA EM RELAÇÃO AO FUTURO p.2 EVENTOS p.3 PESSOAS MIGUEL NOGUEIRA p.4 PESSOAS VITOR FONSECA e RICARDO PINDELO p.8 REGIME FISCAL PARA RESIDENTES NÃO HABITUAIS p.9 CLIENTES EMDIIP - Equipa Móvel de Desenvolvimento Infantil e Intervenção Precoce RUPEAL / InvoiceXpress p.11 CLIENTES ESCOLHA O SOFTWARE DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO (ERP) GRUPO QUINTA DA MARINHA p.12 CALENDÁRIO FISCAL p.6 e 7 / ENTREVISTA MARIA JOSÉ MAYA Presidente dos 8 SÉCULOS DE LÍNGUA PORTUGUESA - - ASSOCIAÇÃO p.10 / PRONUCASE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL EM ANGOLA Cada vez se torna mais difícil às empresas fazerem grandes planos estratégicos de curto ou médio prazo, face às dinâmicas que vão sendo introduzidas com as constantes novas medidas, quer sejam de âmbito político, económico, fiscal ou social. O Orçamento do Estado para o ano de 2014, é uma prova disso. O chumbo de algumas das medidas do documento pelos Juízes do Tribunal Constitucional, veio trazer uma grande incerteza quanto ao impacto que vão ter, quer na vida das empresas, quer na vida das pessoas. Não adianta discutir de que lado está a razão, porque também aí não existe grande consenso; uns defendem que é a austeridade que mata a economia e o desenvolvimento, enquanto outros contrapõem que mais dinheiro aumenta o consumo e o desequilíbrio da balança comercial e, com isso, o aumento das nossas importações e da dívida, que é aliás o nosso grande desiderato. Como não somos políticos, não nos cabe fazer esses exercícios de prós e contras, nem outros juízos de valor. Temonos limitado a fazer a pedagogia do positivismo, mas, face aos últimos acontecimentos, confessamos que nos assolam muitas dúvidas e sobressaltos quanto ao futuro da nossa economia. Os indicadores macro económicos dos primeiros meses deste ano são positivos e revelam alguma melhoria, o que nos permitiu optar pela saída limpa do processo de ajustamento a que estivemos sujeitos durante os três últimos anos fortemente controlados pela Troika, e cujo saída se verificou em meados do mês de maio. Retomamos assim a esperança de conseguir ganhar a confiança e a credibilidade dos nossos credores e obter a nossa independência na gestão do nosso futuro. É por isso fundamental existir estabilidade e consenso político, para que sejam tomadas as medidas adequadas ao desenvolvimento sustentado da economia, do controlo orçamental, da boa gestão da dívida e da balança de pagamentos com o exterior. Por sua vez, estamos confiantes que os fundos do QREN, para o período de , serão uma garantia e um apoio ao desenvolvimento de muitas atividades. E como em Portugal já existe uma vasta experiência da aplicação destes fundos, oxalá eles sejam aplicados em projetos mobilizadores e que acrescentem valor às empresas aos cidadãos e ao país. A NUCASE, com o seu espírito de missão, cá estará para cooperar com aqueles que se aventurem em novos projetos, ajudando-os em todas as suas vertentes, desde o recrutamento, seleção e gestão administrativa de pessoal, à escolha das melhores soluções de informática, passando pela organização dos processos internos, à prestação e controlo dos serviços financeiros e de contabilidade, não apenas numa ótica fiscal, mas sobretudo de apoio à gestão empresarial, na certeza de que o seu contributo constitui uma mais valia permanente para os seus clientes. António Nunes administrador

2 Consulte no nosso site (www.nucase.pt) para informação mais detalhada sobre os nossos eventos e como pode inscrever-se.

3 MIGUEL NOGUEIRA A principal característica do Grupo NUCASE é o seu espírito de melhoria contínua Começou a trabalhar na NUCASE no final do ano de 2001, há cerca de 13 anos. O convite de vir trabalhar para a empresa surgiu na sequência de uma missão empresarial a Moçambique, organizada pela associação onde trabalhava, e onde tive oportunidade de conhecer o Sr. Nunes, explica Miguel Nogueira, Administrador Executivo do Grupo NUCASE. Pouco tempo depois, foi convidado para apoiar a administração da empresa no processo de profissionalização da gestão e na sua certificação no âmbito da ISO9001. Atualmente sou o responsável pela coordenação do Conselho Executivo, da qual fazem parte os Diretores de todas as áreas funcionais do Grupo NUCASE (Operacional, Recursos, Financeiro, Comercial, Sistemas de Informação e PRONUCASE) e que tem a função de gerir o Grupo no dia a dia, fazendo a articulação entre o Conselho de Administração e todos os colaboradores. Paralelamente tem a responsabilidade direta dos projetos de investigação&desenvolvimento, nomeadamente todos aqueles que envolvem a evolução do processo de trabalho e de organização do Grupo, com ou sem utilização de novas tecnologias, e também pelo Marketing e Comunicação Institucional do Grupo. Considera que os últimos 13 anos foram de grande mudança e maturação do Grupo, por todos os objetivos que foram atingidos, nomeadamente, a certificação da empresa, a busca diária de um modelo de gestão eficaz, a consolidação de diversas novas áreas de serviço para os nossos clientes, e acima de tudo, a inovação que conseguimos implementar nos processos e tecnologias de trabalho em todas áreas da organização, refere. O Grupo NUCASE gera e gere diariamente milhares de interações, entre colaboradores, clientes, parceiros e entidades das mais diversas naturezas em Portugal e Angola, pelo que as questões e desafios são uma constante. Quem tem a oportunidade de conhecer o Grupo NUCASE, e priva durante alguns dias com a nossa equipa, rapidamente se apercebe de uma forte cultura de rigor, organização e brio em fazer bem. É uma característica transversal a todas as áreas de serviço, com as suas especificidades e competências diferenciadas, que reúne na mesma equipa, TOC, gestores, psicólogos, engenheiros, entre outros, afirma Miguel Nogueira. A diversidade de dimensões e atividades dos clientes do Grupo nunca será um entrave para encontrar a solução que se adequa a cada um, através de um trabalho contínuo de comunicação e melhoria, diz-nos. Coloca-se ainda como um enorme desafio conseguir interpretar todas as mudanças em curso e saber antecipar as necessidades dos clientes, de forma ágil e em simultâneo, as exigências do Estado (enquanto regulador de uma parte significativa das nossas atividades), e a evolução tecnológica que disponibiliza diariamente novas soluções. Para o Administrador Executivo, o facto de o Grupo ter terminado recentemente uma reflexão profunda acerca do Plano Estratégico do Grupo, permite afirmar com confiança que a equipa está consciente dos desafios que tem pela frente, com ideias e energia para continuar a prestar os serviços que os clientes necessitam hoje e amanhã. Nesse sentido, faz o convite a potenciais clientes para que visitem a empresa e conheçam as soluções que a mesma disponibiliza. A principal característica deste grupo de pessoas chamado Grupo NUCASE é o seu espírito de melhoria contínua, de crítica construtiva constante, e a sua vontade inabalável de continuar a fazer melhor pelos nossos clientes e parceiros. Desafie-nos, refere.

4 PESSOAS VITOR FONSECA O Grupo Nucase tem um portfólio de serviços que abrange a maioria das necessidades de gestão de uma empresa RICARDO PINDELO Só com novos desafios conseguimos melhorar os serviços prestados

5 Foi publicado no dia 8 de maio, o Dec.Lei nº 27/2014, em vigor desde dia 01 de junho que estabelece novas regras de despedimento por extinção de posto de trabalho e despedimento por inadaptação, que devem ser observadas pelo empregador, de acordo com uma ordem de critérios relevantes e não discriminatórios. texto///antónio MESTRE RECURSOS HUMANOS

6

7

8 Apesar de o regime fiscal para os residentes não habituais ter sido aprovado (Decreto-Lei n.º 249/2009), só agora, após algumas alterações legislativas e ao Código do IRS, complementadas por circulares divulgadas pela Autoridade Tributária, parece existir uma decisão uniforme quanto à sua aplicação. REGIME FISCAL PARA RESIDENTES NÃO HABITUAIS texto///dra.maria MESTRA Este regime consiste num benefício fiscal de tributação (em IRS) para os residentes não habituais, o que poderá ir de uma situação de pagamento de uma taxa máxima de 20% de IRS até à isenção de pagamento durante um período de 10 anos. Pode obter-se o estatuto de residente não habitual - mantido em cada um dos 10 anos seguintes após a inscrição como residente - e de aqui passar a residir pelo menos 183 dias durante o ano. Este número de dias podem ser seguidos ou interpolados ou quem possua habitação própria e permanente em território português e que não possa ter sido considerado residente em território nacional nos últimos cinco anos. Este regime pode ser interrompido e reiniciado durante o número de anos remanescentes daquele período. QUEM PODE BENEFICIAR DESTE REGIME? Podem auferir deste regime os trabalhadores que aufiram rendimentos derivados de atividades que sejam exercidas na qualidade de investidores, administradores e gestores de empresas promotoras de investimento produtivo, ou quadros superiores de empresas e os trabalhadores que desenvolvam uma atividade de elevado valor acrescentado, com caráter cientifico,artístico ou técnico conforme lista das atividades em vigor (tabela da portaria n.º 12/2010), quer sejam trabalhadores dependentes ou independentes (médicos, professores universitários engenheiros, artistas, músicos, programação informática, serviços de informação, investigadores, entre outros). Estes rendimentos estão sujeitos a uma taxa de 20% e havendo lugar a retenção na fonte será esta a taxa a aplicar. Aos residentes não habituais que aufiram rendimentos de pensões (categoria H) aplica-se o método da isenção desde que: tributados noutro Estado contratante em conformidade com as convenções para eliminar as duplas tributações ou não sejam considerados como obtidos em território português, conforme as regras do IRS. Na prática, e de acordo com as convenções, na maioria dos países, os rendimentos pagos a não residentes não são aí tributados, passando essa tributação para o critério do Estado residente. Estes residentes não habituais que obtenham rendimentos provenientes do estrangeiro têm obrigatoriamente de os englobar para efeitos de determinação da taxa a aplicar mas, podem optar pelo método do crédito de imposto de acordo com o previsto nas convenções entre Portugal e o Estado onde esses rendimentos foram obtidos, de modo a eliminar a dupla tributação. Em resumo: Em IRS, os pensionistas estarão isentos de tributação pelos rendimentos desta categoria. Trabalhadores dependentes e independentes que exerçam atividades de elevado valor acrescentado estão sujeitos a uma taxa fixa de 20% à qual acresce 3,5% da sobretaxa. A Autoridade Tributária disponibilizou, no seu sítio na internet, um manual em português, inglês e francês que pode ser consultado em: Portal da Autoridade Tributária / Apoio ao contribuinte / Folhetosinformativos: IRS - Regime Fiscal para o residente não habitual, ou através da seguinte ligação: 35EFE35E8865/0/IRS_RNH_PT.pdf

9 EMDIIP - Equipa Móvel de Desenvolvimento Infantil e Intervenção Precoce Apoio individualizado a crianças e às suas famílias A EMDIIP foi criada em 2009 com o principal objetivo de apoiar famílias com crianças que apresentem alterações ao desenvolvimento. Esta Instituição Particular de Solidariedade Social apoia famílias com crianças entre os 0 e os 18 anos e presta apoio nos serviços de reabilitação psicomotora, fisioterapia, terapia da fala, psicologia clínica, apoio psicopedagógico, apoio a crianças com deficiência auditiva e atividade motora adaptada. Os terapeutas deslocam-se a casa e à escola da criança, privilegiando o contacto permanente com a família e educadores da criança acompanhada. Na EMDIIP, toda a equipa se envolve no acompanhamento de cada família, assegurando que todas as dificuldades são conhecidas e que todas as capacidades são utilizadas, refere André da Silva Rica, Presidente da Direção. Todas as famílias que pedem ajuda à EMDIIP têm um cuidado individualizado. As tabelas de custo de cada consulta são calculadas em função dos rendimentos do agregado familiar procurando ajustar o valor às necessidades da família. A EMDIIP não recebe qualquer apoio do Estado. Os apoios que tem são de empresas, Fundações; como é o caso da Fundação Luís Figo que suporta a Bolsa Social Fundação Luís Figo, permitindo a 21 famílias um acompanhamento isento de custos; e a Autarquia de Oeiras, pela Câmara Municipal de Oeiras, que apoia a Instituição nas suas atividades no concelho, acrescenta o responsável. A dificuldade diária da instituição é manter uma resposta universal a todas as famílias que necessitem de apoio, independentemente da sua capacidade financeira. Sem suporte do Estado fica mais difícil responder atempadamente a todas as famílias que nos procuram. Acompanhamos atualmente perto de 180 famílias, mas temos uma lista de espera na ordem das 100 que aguardam um lugar na bolsa social, diz-nos André da Silva Rica. A evolução da EMDIIP tem sido sustentada ao longo dos anos, muito possibilitada pelo número de técnicos, de projetos e até de parcerias que desenvolve. Através da recolha de apoios junto dos parceiros foi possível criar um sistema de prestação de cuidados a estas famílias, de forma sustentada, sem que as mesmas tenham de suportar qualquer custo. Os parceiros assumem essa responsabilidade de pagamento e a EMDIIP assume a qualidade na resposta terapêutica, reforça o Presidente da Direção. Para o próximo ano, a instituição pretende abrir um espaço de promoção da qualidade familiar, favorecendo o papel da família. Para além das crianças com alterações no seu desenvolvimento, ou com condição de deficiência, procuraremos apoiar as crianças em risco social e ambiental (crianças provenientes de famílias destruturadas ou em meios sociais mais desfavorecidos), diz-nos o responsável. Cliente da NUCASE desde junho de 2013, a relação de trabalho foi marcada desde o começo pela comunicação contínua, pelo suporte da empresa aos novos projetos e necessidades da EMDIIP. A resposta rápida às dúvidas da instituição e a facilidade de comunicação, transforma a NUCASE num parceiro de confiança e não apenas num prestador de serviços, conclui André Rica da Silva. RUPEAL / InvoiceXpress Sentimo-nos muito gratos por trabalhar com a equipa da NUCASE A RUPEAL foi criada em janeiro de 2007 tendo como missão simplificar as tecnologias de informação (TI). Criámos esta empresa porque queríamos imprimir uma atitude diferente no mercado das Tecnologias de Informação, explica Rui Pedro Alves, CEO da RUPEAL / InvoiceXpress. Os dois negócios principais da empresa são os seguintes: O Staffing (outsourcing e recrutamento & seleção), especializado em Tecnologias de Informação e o desenvolvimento de Produtos de software no modelo software as a service. O Staffing em TI conta com cerca de 60 consultores que estão estão permanentemente alocados em projetos de desenvolvimento de software em clientes de grande dimensão. Trabalhamos com tecnologias Microsoft, Java e Open Source sempre com foco em Engenharia de Software e damos apoio a clientes como a Portugal Telecom, a Coriant (antiga Nokia/Siemens), a SONAECOM, entre outros, acrescenta. A equipa Special Web Apps and Tactics (S.W.A.T) é especializada no desenvolvimento de produtos web e mobile e conta com 25 pessoas. O nosso principal produto é o InvoiceXpress (www.ix.com.pt), um software de faturação online criado a pensar nas necessidades de empresas de serviços. Trata-se da primeira solução exclusivamente sobre o modelo software as a service em Portugal e que surgiu de uma necessidade que a própria RUPEAL teve. Na realidade, a RUPEAL é a primeira de mais de três mil clientes do InvoiceXpress, sublinha Rui Pedro Alves. O investimento inicial desta empresa foi de 3 mil euros e a empresa fatura hoje 2,7 milhões de euros. A evolução foi bastante positiva e a aposta tem sido a de crescer de forma sustentada, apoiados em capitais libertados pelo próprio negócio e linhas de crédito de baixo custo (PME Invest). Para o próximo ano, a empresa pretende aumentar o ritmo de crescimento sustentável que tem tido nos últimos sete anos. Além disso, tem como objetivo lançar um produto com capacidade de atrair clientes internacionais, expandir a linha de produtos e acrescentar valor nas áreas em que aposta, como é o caso da gestão de recursos humanos, refere o CEO. Nos próximos 5 anos, a RUPEAL quer chegar aos 5 milhões de euros de faturação aumentando o EBITDA e o free cash-flow. A empresa mudou para a NUCASE em janeiro de Estamos bastante satisfeitos com o nível de serviço prestável. A Graça Fernandes, Ana Guerra e a Vanessa Figueiras, que são as pessoas com quem lidamos numa base mensal, são incansáveis em tirar as nossas dúvidas e a produzir os relatórios financeiros a tempo e horas. Sentimo-nos extremamente gratos por trabalhar com esta equipa, refere Rui Pedro Lopes. A InvoiceXpress e a NUCASE são parceiros na revenda do programa de faturação online ( da RUPEAL. Era preciso estarmos loucos para trabalhar com um concorrente. Na nossa gestão contabilística, temos sempre mapas de fluxo de caixas, balanços, demonstração de resultados e balancetes numa base mensal. Para além da produção destes relatórios, a NUCASE ainda processa salários às nossas 85 pessoas sem ter havido, até à data, qualquer falha, conclui o responsável.

10 SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL EM ANGOLA A área de serviços de organização de processos e certificação ambiental da PRONUCASE tem vindo a colaborar com o Ministério do Ambiente de Angola, tendo participado recentemente na 4ª Edição da Feira Internacional de Tecnologias Ambientais como orador da Conferência AmbienteAngola sob o tema Promover as Tecnologias Ambientais em Todos os Sectores da Vida Nacional. Neste evento, que se realizou no passado entre 5 e 8 de Junho, o Diretor Geral da PRONUCASE, Luciano Gomes, apresentou o tema Como obter a Certificação Ambiental através da adopção das melhores tecnologias ambientais. No âmbito desta colaboração com o Ministério do Ambiente de Angola, a PRONUCASE participou igualmente no II Congresso Internacional Africa Sustainable Waste Management, que decorreu de 22 a 24 de Abril, recebeu mais de 90 comunicações especializadas, e que teve em paralelo a realização de duas exposições de apresentação de empresas, tecnologias e serviços ligados ao sector dos resíduos e do ambiente, e também de artesãos e artistas angolanos. Neste certame a PRONUCASE foi responsável pela apresentação de duas comunicações sob os temas Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão de Qualidade, Ambiente e Segurança e A sensibilização ambiental no sector dos resíduos como ferramenta de suporte ao Desenvolvimento Sustentável. Já no ínicio do ano, no dia 3 de Fevereiro a PRONUCASE apoiou na organização do Seminário Novos Hábitos Sustentáveis organizado pelo Ministério do Ambiente de Angola em Luanda.

11 ESCOLHA O SOFTWARE DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO (ERP) QUE MELHOR SE ADAPTA À SUA ORGANIZAÇÃO Ao pensar em implementar um ERP existem variáveis que condicionam a sua escolha. Nesta edição, vamos falar de algumas delas e explicar-lhe quais as suas vantagens. texto///jorge ESTEVES Aspetos a considerar: > ÁREA FINANCEIRA Sendo na maioria dos casos o fator que condiciona a aquisição de um ERP, devemos sempre pensar o mesmo como um investimento, e ter em conta que nem sempre o mais caro é o melhor, assim como nem o mais barato se adequa às nossas necessidades. Terá que existir um ponto de equilíbrio e uma avaliação do que efetivamente queremos: se se trata de um sistema completo para cobrir todas as áreas da nossa organização ou apenas algo para dar resposta ao que são requisitos legais. Não se esqueça que grande parte dos ERP são soluções modulares que podem ser implementadas faseadamente. > DURABILIDADE A implementação de um software deverá ser pensada a médio prazo. Se possível, devemos pensar num software que dê resposta ao que será a nossa organização daqui a 5/10 anos. A durabilidade de um ERP, além de depender da sua capacidade de conseguir acompanhar a evolução tecnológica, deverá obrigatoriamente dar resposta a todas as imposições legais e nem todos os fabricantes de software têm essa capacidade. > USABILIDADE E FIABILIDADE Devemos garantir que todos os utilizadores do sistema se sintam confortáveis com a utilização do mesmo. O ERP deverá ser fácil de utilizar, quer no output, quer no input da informação. Um ERP, só por si pouco faz, o que mais importa é a informação que nele é inserida e gerada e quanta mais e melhor informação introduzida, mais e melhor informação é extraída. Para isso, os utilizadores devem ter confiança no mesmo, porque só assim será possível extrair informação fiável. Outro aspeto importante está relacionado com as equipas técnicas de manutenção e suporte ao ERP, pois serão essas que irão garantir-lhe o correto funcionamento do mesmo ao longo do tempo. > EXTENSIBILIDADE É a capacidade de um software conseguir dar respostas mais personalizadas às nossas necessidades. Os ERP s devem ter essa capacidade. No entanto, devemos verificar sempre se as funcionalidades standard da aplicação são suficientes para dar resposta ao que pretendemos. Numa fase inicial, arranque com a solução com as funcionalidades standard e, ao fim de seis meses, faça uma avaliação e verifique se as mesmas cobrem as suas necessidades. Desta forma poderá fazer uma avaliação mais correta, e não esqueça que a roda já foi inventada, e muitas vezes a implementação de uma simples funcionalidade que não está abrangida no ERP faz encarecer o seu investimento, quer na implementação, quer na sua manutenção. Veja sempre qual o custo / beneficio dessas alterações. Um cenário muito comum existe quando tentamos replicar processos antigos numa nova implementação, e quando se questiona o porquê, a resposta mais comum é porque sempre foi assim. Aproveite esta oportunidade para repensar processos. A escolha de um ERP tem que ser vista como uma decisão estratégica, assim como todo o processo de escolha e implementação deve ser acompanhado de perto e ter a participação das várias áreas da organização. GRUPO QUINTA DA MARINHA Fazer crescer a oferta turística nacional no mercado internacional de forma sustentada é um desafio para o futuro A Quinta da Marinha foi criada há 100 anos com o nome inicial de Sociedade Comercial Financeira Turmar, SARL. Desde sempre, o Grupo Quinta da Marinha posicionou-se para o Turismo de luxo, ao nível dos equipamentos e dos serviços. O golfe com o Oitavos Dunes, a hotelaria com o recente hotel de 5 estrelas The Oitavos, um centro hípico com capacidade para 250 cavalos, o Health & Racket Club da Quinta da Marinha com 5000 m2 de área coberta, a restauração e os vinhos com o Quinta do Cotto e o Paço Teixeiró no Douro são algumas das ofertas proporcionadas aos seus clientes. Como qualquer grupo de empresas, a credibilidade da informação de gestão e a sua tempestividade para suporte ao processo de decisão são algumas das oportunidades da empresa para o setor, refere Dinis Gonçalves, administrador do Grupo que considera que o mesmo está atualmente melhor preparado e modernizado do que há uns anos, com o cariz de grupo empresarial de gestão familiar como atualmente. Apesar de as empresas terem sempre pertencido à família Champalimaud, apenas no ano 2000 se deu o grande impulso para o nível de infraestruturas e serviços que hoje têm para oferecer, sublinha o responsável. Como principais desafios para o próximo ano, Dinis Gonçalves refere a consolidação da nossa operação hoteleira e fazer crescer a nossa oferta turística nacional no mercado internacional de forma sustentada. Clientes da NUCASE há cerca de 10 anos, a administração valoriza a dedicação dos recursos humanos e a capacidade de resolução dos pequenos e grandes problemas que tecnicamente assolam e paralisam as operações comerciais. O nosso relacionamento empresarial atual com a Pronucase tem-se revelado um relacionamento de parceria estratégica, com capacidade efetiva de resposta às solicitações numa abordagem lean thinking do qual sou adepto. É este o caminho a seguir, acrescenta Diniz Gonçalves.

12 CALENDÁRIO FISCAL /// JUNHO / JULHO / AGOSTO / 2014 JUNHO / MÊS 6 Até o dia 11 IVA - Envio da declaração periódica do mês de abril SEGURANÇA SOCIAL - Envio da Declaração Mensal de Remunerações IRS DMR - Envio da Declaração Mensal de Remunerações - AT Até o dia 15 SISTEMA INTRASTAT - Envio ao Instituto Nacional de Estatística Até o dia 16 CES - Pagamento da contribuição extraordinária de solidariedade Modelo 11 - Notários e entidades que desempenhem funções notariais Até o dia 20 Comunicação à CGA, IP dos montantes pagos nesse mês referentes a pensões SEGURANÇA SOCIAL - Pagamento das contribuições IVA - Envio da Declaração Recapitulativa IRS - Entrega das quantias retidas IRC - Entrega das importâncias retidas IMPOSTO DO SELO - Entrega do imposto cobrado FCT e FGCT - Entregas do mês anterior Até o dia 23 Banco de Portugal - COPE Até o dia 25 Comunicação das faturas e dos recibos emitidos a entidades do regime de IVA de caixa Até o dia 30 Modelo 30 - Entrega da declaração de abril IUC - Pagamento do Imposto Único de Circulação IVA - Pedido de restituição de IVA suportado noutro Estado Membro ou país terceiro IPSS Entre no sítio da segurança social das contas anuais referentes ao ano anterior SGPS Inventário das partes de capital Relatório Anual Entidades inscritas no registo de pessoas coletivas religiosas Modelo 19 Benefícios dados a trabalhadores ou membros de órgãos sociais JULHO / MÊS 7 Até o dia 10 IVA - Envio da declaração periódica do mês de maio SEGURANÇA SOCIAL - Envio da Declaração Mensal de Remunerações IRS - DMR - Envio da Declaração Mensal de Remunerações - AT Até o dia 15 SISTEMA INTRASTAT - Envio ao Instituto Nacional de Estatística CES - Pagamento da contribuição extraordinária de solidariedade Modelo 11 - Notários e entidades que desempenhem funções notariais IES - Informação Empresarial Simplificada Dossier Fiscal Dossier dos Preços de Transferência Até o dia 21 Comunicação à CGA, IP dos montantes pagos nesse mês referentes a pensões SEGURANÇA SOCIAL - Pagamento das contribuições IVA - Envio da Declaração Recapitulativa IRS - Entrega das quantias retidas IRC - Entrega das importâncias retidas IMPOSTO DO SELO - Entrega do imposto cobrado FCT e FGCT Entregas do mês anterior IRS Primeiro pagamento por conta dos independentes (Cat.B), relativo a 2014 Banco de Portugal - COPE Até o dia 25 Comunicação das faturas e dos recibos emitidos a entidades do regime de IVA de caixa Até o dia 31 IMI - Pagamento da 2ª prestação se o valor total for superior a 500,00 IS - Pagamento da 2ª prestação sobre prédios urbanos de VPT IRC - Primeiro pagamento por conta relativo a 2014 IRC - Primeiro pagamento adicional por conta da derrama estadual relativo a 2014 Modelo 30 - Entrega da declaração de maio IUC - Pagamento do Imposto Único de Circulação IVA - Pedido de restituição de IVA suportado noutro Estado Membro ou país terceiro Modelo 31 - Entrega da declaração por transmissão eletrónica de dados Modelo 33 - Entrega pelas entidades emitentes de valores mobiliários Modelo 34 - Entrega pelas entidades registadoras ou depositárias de valores mobiliários AGOSTO / MÊS 8 Até o dia 11 IVA - Envio da declaração periódica do mês de junho SEGURANÇA SOCIAL - Envio da Declaração Mensal de Remunerações IRS - DMR - Envio da Declaração Mensal de Remunerações - AT Até o dia 15 SISTEMA INTRASTAT - Envio ao Instituto Nacional de Estatística Até o dia 18 CES - Pagamento da contribuição extraordinária de solidariedade Modelo 11 - Notários e entidades que desempenhem funções notariais IVA - Envio da declaração periódica do 2.º trimestre Até o dia 20 IVA - Pequenos retalhistas - Declaração modelo P2 ou declaração modelo 1074 Comunicação à CGA, IP dos montantes pagos nesse mês referentes a pensões SEGURANÇA SOCIAL - Pagamento das contribuições IVA - Envio da Declaração Recapitulativa IRS - Entrega das quantias retidas IRC - Entrega das importâncias retidas IMPOSTO DO SELO Entrega do imposto cobrado FCT e FGCT - Entregas do mês anterior Até o dia 22 Banco de Portugal - COPE Até o dia 25 Comunicação das faturas e dos recibos emitidos a entidades do regime de IVA de caixa Até o dia 31 IUC - Pagamento do Imposto Único de Circulação Modelo 30 - Entrega da declaração de junho IVA - Pedido de restituição de IVA suportado noutro Estado Membro ou país terceiro Comunicação Semestral das Transações Imobiliárias Efetuadas Para mais informações úteis, visite o nosso novo site PUBLICAÇÃO INTERNA Coordenador >Miguel Nogueira / Editor >Cláudia Pinto Colaboradores >Maria Mestra / Maria Manuela Melo / Miguel Nogueira / António Mestre Design >nucase / Fotografia>Fernando Colaço / Impressão >Grafilinha Sede / CARCAVELOS Avª General Eduardo Galhardo, nº115 Edifício Nucase Carcavelos tel: fax:

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2014. www.moneris.pt

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2014. www.moneris.pt CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2014 www.moneris.pt O grupo Moneris Como já é habitual no início de cada ano fiscal, o grupo Moneris tem o prazer de lhe disponibilizar um completo Calendário Fiscal para

Leia mais

CONTABILIDADE E PROCESSAMENTO SALARIAL

CONTABILIDADE E PROCESSAMENTO SALARIAL Contabilidade e Processamento Salarial A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã disponibiliza às empresas alemãs com sucursal ou estabelecimento estável em Portugal, o serviço de contabilidade organizada

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Calendário fiscal 2015

Calendário fiscal 2015 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

Calendário fiscal 2014

Calendário fiscal 2014 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

Recibo-veRde eletrónico versus. uma ALteRAção meramente

Recibo-veRde eletrónico versus. uma ALteRAção meramente Recibo-veRde eletrónico versus fatura-recibo: breves notas SobRe uma ALteRAção meramente psicológica Pelo dr. João t. c. batista pereira( 1 ) sumário: 1. Regime aplicável aos devedores acessórios dos prestadores

Leia mais

Março 2016 139 - - - - - Visitas Portal AIRO Fevereiro www.airo.pt

Março 2016 139 - - - - - Visitas Portal AIRO Fevereiro www.airo.pt Março 2016 139 - Formação Ação PME - Editorial - Caldas Empreende - Cartão de Saúde AIRO - Missão Empresarial Multisectorial - Fiscalidade - Programa SOU MAIS - Formação em Gestão para a Agro-Indústria

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE OUTUBRO 2015 Dia 12: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de agosto 2015 e anexos. IVA: Pagamento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), a

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MARÇO 2015 Dia 2: IUC: Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação - IUC, relativo aos veículos cujo aniversário

Leia mais

Boletim Informativo AMI 10467

Boletim Informativo AMI 10467 , 28 de Janeiro de 2013. Informação Fiscal Residentes Fiscais não habituais Portugal. Em resultado do reconhecimento pelas autoridades fiscais portuguesas do estatuto de residente fiscal não habitual,

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

JANEIRO / 2015 IRS ATÉ AO DIA 12

JANEIRO / 2015 IRS ATÉ AO DIA 12 JANEIRO / 2015 IRS ATÉ AO DIA 12 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos do trabalho dependente sujeitos a IRS, ainda

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal Classificação: 0 0 0. 0 1. 0 9 Seg.: Pública Proc.: 2 0 1 2 / 5 9 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO Of.Circulado N.º: 20 156/2012 2012-02-02 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF):

Leia mais

PHC Faturação CS. Chegou o software de faturação para todos

PHC Faturação CS. Chegou o software de faturação para todos PHC Faturação CS Chegou o software de faturação para todos Simples e fácil de usar para pequenos negócios, PME e trabalhadores independentes. Tudo o que precisa para começar a faturar. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

PHC InterOp CS. O aumento da produtividade da área financeira

PHC InterOp CS. O aumento da produtividade da área financeira PHC InterOp CS O aumento da produtividade da área financeira A solução para o aumento significativo da produtividade da área financeira, através da execução simplificada e rápida de tarefas e operações

Leia mais

A Solução RCR GERIR disponibiliza os serviços e o apoio essencial para introduzir mais tranquilidade e segurança na gestão das empresas.

A Solução RCR GERIR disponibiliza os serviços e o apoio essencial para introduzir mais tranquilidade e segurança na gestão das empresas. Solução RCR GERIR Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR GERIR disponibiliza os serviços e o apoio essencial para introduzir mais tranquilidade e segurança na gestão

Leia mais

Guia de Abertura de um Restaurante em Portugal Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Restaurante em Portugal Zeta Advisors Guia de Abertura de um Restaurante em Portugal Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação...

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

Tire ainda mais partido das aplicações PHC CS. Obtenha acesso privilegiado a atualizações de software, formação online e conteúdos exclusivos.

Tire ainda mais partido das aplicações PHC CS. Obtenha acesso privilegiado a atualizações de software, formação online e conteúdos exclusivos. PHC On Tire ainda mais partido das aplicações PHC CS Obtenha acesso privilegiado a atualizações de software, formação online e conteúdos exclusivos. BUSINESS AT SPEED Visite www.phc.pt/phcon Destinatários

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

Certificação facturação

Certificação facturação NOVAS REGRAS DE FACTURAÇÃO Formador: Maria Mestra Carcavelos, Janeiro de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel. 214 585 700 fax. 214 585 799 www.nucase.pt

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes NEWSLETTER FISCAL Junho 2013 Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes 1. Introdução No dia 31 de Maio de 2013, foi submetida à Assembleia

Leia mais

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Porquê Portugal? Portugal é um país dinâmico, seguro, com uma taxa de criminalidade baixa, trabalhadores altamente

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO DESPACHO Para efeitos de apoio à implementação das medidas previstas na Lei do Orçamento do Estado para 2013, é aprovada a nota técnica em anexo, a qual deverá ser divulgada pela Direção Geral do Orçamento

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Guia de Abertura de um Lar de Idosos em Portugal Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Lar de Idosos em Portugal Zeta Advisors Guia de Abertura de um Lar de Idosos em Portugal Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação...

Leia mais

Janeiro 2013 v1.2/dbg

Janeiro 2013 v1.2/dbg DBGEP Alteraço es para 2013 Janeiro 2013 v1.2/dbg Introdução... 3 Faturação... 4 Alterações legislativas... 4 Alterações no software... 5 A Subsídios e Propinas... 5 F - Faturação... 7 Processamento de

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015 DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 02 IUC Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign.

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign. Design www.craveirodesign.com COMPETIR Formação e Serviços, S.A. www.competiracores.com CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO Quem Somos A Competir-Açores está integrada no Grupo COMPETIR e estamos

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2015. www.moneris.pt

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2015. www.moneris.pt CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 20 www.moneris.pt O grupo Moneris Como já é habitual, o grupo Moneris tem o prazer de lhe disponibilizar um completo Calendário Fiscal para o corrente ano, de fácil consulta,

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL Os regimes dos Golden Visa e dos Residentes Não Habituais Enquadramento legal António Raposo Subtil / João Ricardo Nóbrega (Managing Partners RSA) ENQUADRAMENTO

Leia mais

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente:

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente: Parceiro Certificado DEFIR RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório

Leia mais

JANEIRO / 2013 ATÉ AO DIA 2

JANEIRO / 2013 ATÉ AO DIA 2 JANEIRO / 2013 JANEIRO / 2013 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO E APOIO AO CONTRIBUINTE ATÉ AO DIA 2 Único de Circulação IUC, relativo a: - Veículos cujo aniversário da matrícula ocorra no mês anterior;

Leia mais

PHC Contabilidade CS

PHC Contabilidade CS PHC Contabilidade CS A execução e o controlo de todas as tarefas contabilísticas da sua empresa ou organização O controlo total das necessidades contabilísticas nas vertentes geral, analítica e orçamental.

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05)

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013 Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) Índice 1.Âmbito... 1 2.Opção pelo regime - permanência e saída por opção do mesmo... 1 2.1.Opção pelo regime em 2013... 1 2.2.

Leia mais

Rede NUCASE Apresentação

Rede NUCASE Apresentação Rede NUCASE Apresentação CONHECEMOS MÚLTIPLAS REALIDADES E DIMENSÕES DE EMPRESAS E EMPRESÁRIOS 1.500 CLIENTES 60 TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS QUEREMOS AJUDAR A AUMENTAR A MARGEM DO NEGÓCIO DOS TÉCNICOS

Leia mais

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Discurso do Secretário de Estado do Emprego Octávio Oliveira Dia Nacional do Mutualismo 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Muito boa tarde a todos! Pretendia começar por cumprimentar o Senhor Presidente

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

PHC Contabilidade CS

PHC Contabilidade CS PHC Contabilidade CS A execução e o controlo de todas as tarefas contabilísticas da sua empresa ou organização O controlo total das necessidades contabilísticas nas vertentes geral, analítica e orçamental.

Leia mais

Guia de Abertura de um Hostel em Portugal Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Hostel em Portugal Zeta Advisors Guia de Abertura de um Hostel em Portugal Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação... 3 3.

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

PHC InterOp CS. O aumento da produtividade da área financeira

PHC InterOp CS. O aumento da produtividade da área financeira PHC InterOp CS O aumento da produtividade da área financeira A solução para o aumento significativo da produtividade da área financeira, através da execução simplificada e rápida de tarefas e operações

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

Apresentação do Sistema de Pagamentos. Easypay Tel +351 21 261 79 30 Fax +351 21 361 79 29 correio@easypay.pt

Apresentação do Sistema de Pagamentos. Easypay Tel +351 21 261 79 30 Fax +351 21 361 79 29 correio@easypay.pt Apresentação do Sistema de Pagamentos 2012 ÍNDICE 01 05 PORQUÊ EASYPAY EASYAPPS 02 06 COMO FUNCIONA SOBRE EASYPAY 03 07 PARA QUEM PARCERIAS 08 CONTACTOS 2 01 PORQUÊ EASYPAY Aumente as suas vendas aceitando

Leia mais

Licenciamento comercial online chega a todo país Jornal Negócios 09-03-15 Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Licenciamento comercial online chega a todo país Jornal Negócios 09-03-15 Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Licenciamento comercial online chega a todo país Jornal Negócios 09-03-15 Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Contribuintes podem ir ao site do Fisco nos Espaços do Cidadão

Leia mais

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS PARA 2015 Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final de 2014. Não deixe de estar por dentro

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESAS DE CONTABILIDADE

GESTÃO DE EMPRESAS DE CONTABILIDADE GESTÃO DE EMPRESAS DE CONTABILIDADE AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE EMPRESAS DE CONTABILIDADE Pensada especificamente para as Empresas de Contabilidade, esta solução ARTSOFT permite-lhe o controlo

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo Tecnologias na Contabilidade 1 SUMÁRIO 1. Introdução Impacto das Novas 2. Impacto das Novas Tecnologias na Economia e na Sociedade a) A Empresa na Hora b) A Empresa On-line c) A informação Empresarial

Leia mais

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas Certificação de Software Impacto nas operações das empresas Perguntas e respostas sobre o impacto da nova legislação relativa à certificação de software Page 2 of 9 Introdução A Portaria nº 363/2010, de

Leia mais

Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors

Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors Guia de Abertura de um Café em Portugal Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Licenciamento e Legislação... 3 3. Nível

Leia mais

COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA

COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA Formador: Maria Mestra Carcavelos,3 de abril de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 20/2013. Entidades do Sector Não lucrativo ESNL Associações, Clubes Desportivos, IPSS (Oficio Circulado n.

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 20/2013. Entidades do Sector Não lucrativo ESNL Associações, Clubes Desportivos, IPSS (Oficio Circulado n. INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 20/2013 Entidades do Sector Não lucrativo ESNL Associações, Clubes Desportivos, IPSS (Oficio Circulado n.º 20167/2013) As exigências contabilísticas e fiscais para as entidades do

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª INTRODUZ UM MECANISMO DE SALVAGUARDA DA EQUIDADE FISCAL PARA TODOS OS CONTRIBUINTES E ELIMINA AS ISENÇÕES DE TRIBUTAÇÃO SOBRE MAIS-VALIAS OBTIDAS POR SGPS

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA UM NOVO PASSO Seminário 16 de abril de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas Certificação de Software Impacto nas operações das empresas Perguntas e respostas sobre o impacto da nova legislação relativa à certificação de software Page 2 of 10 Introdução A Portaria nº 363/2010,

Leia mais

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Classificação: 000.01.09 Seg.: P ú b l i c a Proc.: 1 6 / 2 0 1 2 GABINETE DO SUBDIRETOR-GERAL DA INSPEÇÃO TRIBUTÁRIA FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR (Em vigor após 1 de

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009. 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda

Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009. 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda Formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário 2009 28 e 29 de Outubro Hotel Trópico, Luanda Formação em Gestão de Fundos Imobiliários A formação em Gestão de Fundos de Investimento Imobiliário

Leia mais

Entrega da contribuição sobre o setor bancário. ES EP

Entrega da contribuição sobre o setor bancário. ES EP JANEIRO / 2015 ATÉ AO DIA 12 balcões dos serviços de finanças ou dos CTT ou ainda (para importâncias não superiores a 100 000,00), através do multibanco, correspondente ao imposto apurado na declaração

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

PARCEIROS Modelo de Negócio

PARCEIROS Modelo de Negócio PARCEIROS Modelo de Negócio YouBIZ Telecom O YouBIZ Telecom é um negócio da empresa YouBIZ, parceira da. Somos uma empresa líder no canal de Marketing de Rede, com uma quota de mercado superior a 85%.

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença 30 Novembro 2012 Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 5 Imposto do selo

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais