PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE, A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB-COMPONENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE, A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB-COMPONENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE, A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB-COMPONENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA Outubro-2005 Orientações Técnicas

2 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Saraiva Felipe Presidente da Fundação Nacional de Saúde Paulo de Tarso Lustosa da Costa Diretor Executivo Francisco Danilo Bastos Forte Chefe de Gabinete Leandro Viana do Amaral Diretora do Departamento de Engenharia de Saúde Pública José Raimundo Machado dos Santos Diretor do Departamento de Saúde Indígena José Maria de França Diretor do Departamento de Administração Wagner de Barros Campos Diretor do Departamento de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Otto Lamosa Berger Auditor Chefe Edgar Távora de Sousa Procurador Marco Aurélio Ventura Peixoto Assessor Parlamentar Jaime Domingos Casas Assessora de Comunicação e Educação em Saúde Luiza Emília Mello

3 MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS E PROJETOS TÉCNICOS DE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA EM SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO Brasília, 2005

4 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO PANORAMA DA FLUORETAÇÃO DA ÁGUA POR SISTEMA PÚBLICO POR REDE DE DISTRIBUIÇÃO Análise da Fluoretação da água segundo a esfera administrativa da prestação dos serviços de abastecimento público de água OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos PÚBLICO ALVO ORIGEM DOS RECURSOS QUEM PODE PLEITEAR OS RECURSOS CONTRAPARTIDA CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE CRITÉRIOS DE PRIORIDADE AÇOES APOIADAS PELO PROGRAMA Capacitação Curso de Fluoretação da água de abastecimento público Material técnico e educativo Ações financiáveis pelo Programa Financiamento de equipamentos Financiamento de Insumos ATRIBUIÇÕES DAS INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS E ESTRATÉGIAS Participantes e Atribuições Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS Ministério da Saúde Secretaria de Saúde Prestadores dos Serviços de Abastecimento Público de Água Estratégias de sensibilização para implantação e implementação do Subcomponente Fluoretação da Água METAS AVALIAÇÃO...16

5 14. ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS Habilitação técnica Carta de Intenção Aval do Conselho de Saúde Formulário Técnico Formulário de Hierarquização de Prioridades Documentação técnica Projeto Técnico de Engenharia Projeto de Ações de Educação em Saúde e Mobilização Social Termo de comprometimento de adoção de boas práticas Plano de Trabalho CRONOGRAMA CONTATOS EM CASO DE DÚVIDA...26 ANEXO e EXEMPLOS...27 Anexo I Lista de endereços das Coordenações Regionais da Funasa Exemplo 01 Carta de Intenção Exemplo 02 Formulário Técnico Exemplo 03 Formulário de Hierarquização de Prioridades Exemplo 04 Informações Técnicas e Financeiras Exemplo 05 Plano de Trabalho/Descrição do Projeto (Anexo IV) Exemplo 06 Cronograma de Execução e Plano de Aplicação (Anexo V) Exemplo 07 Cronograma de Desembolso (Anexo VI) Exemplo 08 Proposta de Aquisição de Equipamentos e Material Permanente por Ambiente e Unidade Móvel de Saúde (Anexo IX) Exemplo 09 Projeto Técnico de Educação em Saúde e Mobilização Social Exemplo 10 Planilha Orçamentária Exemplo 11 Termo de compromisso de sustentabilidade Exemplo 12 Termo de Comprometimento de Adoção de Boas Práticas

6 1. APRESENTAÇÃO O presente Manual apresenta as diretrizes e critérios adotados pela Fundação Nacional de Saúde Funasa no apoio técnico e financeiro aos Estados, Municípios, Distrito Federal e outras instituições para a Elaboração e Apresentação de Propostas e Projetos Técnico de Implantação da Fluoretação da Água em Sistema Público de Abastecimento de Água. Os critérios e diretrizes contidos no presente documento foram elaborados pela equipe técnica da Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS com o apoio e envolvimento das equipes técnicas da Secretaria de Vigilância em Saúde SVS/MS e da Coordenação de Saúde Bucal do Ministério da Saúde. A proposta de fluoretação da água é um dos sub-componentes do Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levada a sério. Na elaboração da presente proposta a equipe técnica da Funasa/MS levou em consideração, dentre outros, os aspectos e princípios do Sistema Único de Saúde SUS, a intersetorialidade que envolve o tema, e a realidade do quadro institucional dos prestadores dos serviços de abastecimento público de água. 2. PANORAMA DA FLUORETAÇÃO DA ÁGUA POR SISTEMA PÚBLICO POR REDE DE DISTRIBUIÇÃO No Brasil, a Fluoretação da Água em sistema público de abastecimento teve início em 1953 na cidade de Baixo Guandu ES por iniciativa da antiga Fundação SESP. Portanto, o Brasil conta com 05 (cinco) décadas de experiência com a fluoretação da água. No entanto, ainda existe um grande desafio a ser superado, pois somente 45,74 % dos municípios brasileiros adicionam flúor em seus sistemas de abastecimento público de água. Segundo dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB/IBGE 2000, no Brasil municípios contam com serviços de abastecimento público de água por rede de distribuição, o que representa 97,9 % do total dos municípios existentes por ocasião da pesquisa. Embora a maioria dos municípios brasileiros contam com serviços de abastecimento público de água por rede de distribuição, a fluoretação da água distribuída a população ainda representa um grande desafio. Somente 45,74 % do total de municípios com serviços de abastecimento público de água informaram realizar a fluoretação da água, conforme quadro 1. Além do baixo índice de fluoretação, em termos de média nacional, observa-se uma distribuição desigual no território nacional, em termos de regiões geográficas e unidades da 1

7 federação. A grande maioria dos municípios que contam com serviços de abastecimento público de água com fluoretação estão localizados nas regiões Sul e Sudeste, onde se observa um percentual de 70,0 %. A região Centro Oeste apresenta um percentual de 41,5 % e as Regiões Norte e Nordeste percentuais de 7,8 % e 16,5 %, respectivamente. Em termos de unidades da federação, Sergipe, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Santa Catarina são os únicos estados em que se observa um percentual de número de municípios com fluoretação no abastecimento público de água acima de 65 %. Portanto, a fluoretação da água ainda representa um grande desafio para os prestadores dos serviços de abastecimento público de água. 2.1 Análise da Fluoretação da Água segundo a Esfera Administrativa da Prestação dos Serviços de Abastecimento Público de Água. No Brasil a maioria dos municípios têm a prestação dos serviços de abastecimento público de água delegada para as empresas estaduais de saneamento mediante termo de concessão dos serviços. Segundo dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB/IBGE 2000, em 68,8 % dos municípios com rede de distribuição de água se observa a atuação das empresas estaduais de saneamento na prestação de serviços. Quanto a fluoretação, observa-se que do total de municípios objeto de atuação das companhias estaduais de saneamento, em 53,5 % ocorre a fluoretação da água distribuída a população. Por outro lado, os municípios brasileiros que prestam diretamente algum tipo de serviço de abastecimento público de água representam 45,5 % dos municípios brasileiros com rede de distribuição de água. Quanto a fluoretação, observa-se que do total desses municípios somente 20 % deles realizam a fluoretação da água. Portanto, a fluoretação tem maior abrangência nos municípios operados pelas companhias estaduais de saneamento. Quanto aos serviços de abastecimento público de água prestados por operadores privados, observa-se que tal modalidade de prestação ocorre em 8,4 % dos municípios brasileiros. Quanto a fluoretação, somente em 12,2 % do total dos municípios com tal modalidade de prestação realiza a mesma. 2

8 Quadro 1 Total de municípios brasileiros, municípios brasileiros com rede de distribuição de água, municípios brasileiros que adiciona flúor na rede de distribuição por região geográfica. Brasil 2000 UF/Região Total de municípios Total de municípios com rede de distribuição de água Total de municípios que adicionam flúor na água distribuída % de municípios que adicionam flúor na água distribuída NORTE ,82 NORDESTE ,55 SUDESTE ,05 SUL ,96 C. OESTE ,46 BRASIL ,74 Fonte: Pesquisa Nacional de Saneamento PNSB 2000/IBGE 3

9 3. OBJETIVOS O sub-componente Fluoretação da Água do Programa Brasil Sorridente - a saúde bucal levada a sério, apresenta um conjunto de objetivos os quais estão enumerados a seguir: 3.1 Objetivo Geral: Contribuir para redução da prevalência da cárie dental mediante a fluoretação da água de abastecimento público; 3.2 Objetivos Específicos: Elevar o número de serviços de abastecimento público de água com fluoretação em todo o território nacional; Promover a melhoria dos procedimentos operacionais de controle da qualidade da água para consumo humano, incluindo os aspectos relativos a fluoretação da água; Contribuir para o fortalecimento da vigilância da qualidade da água para consumo humano; Contribuir para o fortalecimento do Sistema de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Sisagua; Reduzir índice de prevalência de cárie dental na população de faixa etária de 7 a 14 anos. 4. PÚBLICO ALVO O Sub Componente Fluoretação da Água do Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levada a sério se destina aos serviços de abastecimento público de água que não contam com sistema de fluoretação implantado e cujos estudos apresentem viabilidade técnica para a implantação do processo de fluoretação. 5. ORIGEM DOS RECURSOS As ações serão financiadas com recursos consignados na Lei Orçamentária Anual 2005 (LOA/2005), mediante transferências voluntárias de recursos da União, por intermédio da 4

10 Funasa/MS, aos Governos Estaduais, do Distrito Federal e Municipais. Os recursos estão consignados na rubrica Apoio ao Controle da Qualidade da Água para Consumo Humano, integrante do orçamento da Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS. Os recursos são da modalidade não oneroso, fundo perdido. Vale lembrar ainda que os proponentes (Estados, Distrito Federal e Municípios) deverão aportar recursos próprios para compor a contrapartida conforme estabelecido na Lei de Diretrizes Orçamentárias vigente. 6. QUEM PODE PLEITEAR OS RECURSOS Os recursos poderão ser pleiteados pelo Chefe do Poder Executivo dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, ou ainda, pelo seu representante legal. As empresas prestadoras dos serviços públicos de abastecimento de água poderão atuar na qualidade de executoras. Quando se tratar de pleitos encaminhados pelo Chefe do Poder Executivo dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, os mesmos deverão contar com o aval dos operadores dos serviços de abastecimento de água e com as informações técnicas fornecidas por tais operadores. O instrumento de convênio será, em qualquer situação, celebrado entre a Funasa/MS e o Poder executivo (Chefe do Estado/Município) ou com o seu representante legal. 7. CONTRAPARTIDA A contrapartida é a aplicação de recursos próprios dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, em complemento aos recursos alocados pela União, com o objetivo de compor o valor do investimento necessário para a implantação das ações. A contrapartida será constituída por recursos financeiros ou bens e serviços, passíveis de compor o investimento necessário para a viabilização das ações, respeitado o cronograma físico-financeiro a ser estabelecido, em valor correspondente aos percentuais a seguir discriminados, incidentes sobre o valor do empreendimento. Ações executadas antes da assinatura do Convênio com a Funasa/MS não poderão ser aceitas como contrapartida, nem compor o valor do investimento. 5

11 A contrapartida, para o exercício de 2005, fica definida na forma disposta no art. 44 combinado com o art. 61 da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2005(LDO/2005) Lei Nº , de 11 de agosto de Os estados, o Distrito Federal e os municípios deverão comprovar que os recursos referentes à contrapartida estão devidamente assegurados e em conformidade com a LDO/2005, observados os seguintes percentuais, incidentes sobre o valor do conjunto das ações, conforme tabela abaixo: DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS SITUAÇÃO ESTADOS MÍNIMO MÁXIMO MÍNIMO MÁXIMO Até habitantes 3% 8% - - Das áreas da Adene, ADA e região Centro-Oeste. 5% 10% 10% 20% Os demais (*) 10% 40% 10% 40% (*) Reduzida por meio do Art. 61 da Lei nº /04 Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO/2005. Os limites mínimos acima poderão ser reduzidos, por ato do Presidente da Funasa, quando os recursos forem: a) destinados a municípios que se encontrem em situação de emergência ou estado de calamidade pública formalmente reconhecidos por ato do Governo Federal, durante o período em que essas situações subsistirem; b) beneficiar os municípios incluídos nos bolsões de pobreza, identificados como áreas prioritárias; c) oriundos de doações de organismos internacionais ou de governos estrangeiros, ou de programas de conversão da dívida externa doada para fins ambientais, sociais, culturais ou de segurança pública; 8. CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE Serão elegíveis para o Sub Componente Fluoretação da Água do Programa Brasil Sorridente - a saúde bucal levada a sério os serviços de abastecimento público de água que atendam as seguintes condições: 6

12 Serviços de abastecimento público de água que apresentem abastecimento contínuo de água distribuída à população, em caráter regular e sem interrupção (Portaria MS nº 635/75). Serviços de abastecimento público de água de localidades que não contam com sistema de fluoretação implantado e cujos estudos indiquem a necessidade de fluoretação da água; Não serão elegíveis para o Programa: Serviços de abastecimento público de água cujo responsável pela operação seja empresa em que o poder público não tenha maioria do capital social com direito a voto; Serviços de abastecimento público de água cujas características físicas e operacionais não apresentem viabilidade para a implantação de sistema de fluoretação da água. 9. CRITÉRIOS DE PRIORIDADE Visando garantir a sustentabilidade dos sistemas de fluoretação a serem implantados serão adotados critérios de prioridade que contemplem, inicialmente, os municípios que contam com alguns pré-requisitos básicos que indiquem uma maior probabilidade de êxito das ações, bem como sirva de indução para os municípios se estruturarem para pleitear os recursos do Programa. Na primeira etapa do Programa serão priorizados o desenvolvimento de ações em: Localidades ou municípios que tenham a prestação dos serviços de abastecimento público de água realizada por uma estrutura técnica e administrativa organizada e institucionalizada nos formatos de: companhias estaduais de saneamento, autarquias municipais de saneamento, empresas municipais de saneamento e etc.; Localidades ou municípios cujo serviços de abastecimento público de água esteja cadastrado no Sistema de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Sisagua e cujas informações sobre o controle da qualidade da água estejam atualizadas; 7

13 Localidades ou municípios cujos responsáveis pela prestação dos serviços de abastecimento público de água realizem controle rotineiro e sistemático da qualidade da água para consumo humano; Localidades ou municípios em que os serviços de abastecimento público de água tenha estação de tratamento de água ou unidades de aplicação tecnicamente adequada e devidamente assistida; Localidades ou municípios em que a Funasa/MS está financiando ações de implantação ou ampliação de serviços de abastecimento público de água; Localidade ou municípios com maior prevalência de cárie dental na população de faixa etária de 7 a 14 anos. 8

14 10. AÇOES APOIADAS PELO PROGRAMA 10.1 Capacitação A Funasa/MS fomentará, quando necessário, mediante a utilização de seu corpo técnico e por intermédio de parcerias, programa de capacitação voltado para os técnicos das Secretarias de Saúde e principalmente para os técnicos dos operadores de sistema público de abastecimento de água, o qual incluirá a realização de cursos sobre fluoretação da água e a disponibilização de material técnico sobre o assunto Curso de Fluoretação da água de abastecimento público O curso sobre a fluoretação da água destinado aos técnicos das Secretarias de Saúde e dos operadores de sistema de abastecimento de água visa à capacitação destes para a implantação dos sistemas de fluoretação, métodos de controle, monitoramento e avaliação. Serão abordados, entre outros, os seguintes tópicos: - O Programa Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente: componentes, objetivos e metas e etc.; - Aspectos legais da fluoretação e do controle de qualidade da água para consumo humano; - Prevalência da cárie dentária e fluorose; - Tecnologias empregadas no processo de fluoretação da água; - Métodos de controle da concentração de íon fluoreto na água; - Monitoramento e avaliação do processo de fluoretação; - Segurança no armazenamento e manuseio do agente fluoretante e descarte dos resíduos; - Método de procedimento de amostragem e determinação da concentração de flúor no agente fluoretante; - Educação em saúde e mobilização social. As ações relativas aos cursos de capacitação serão custeadas diretamente pela Funasa/MS, não devendo ser previstas nos recursos orçamentários e financeiros a serem pleiteados pelo proponente dentro do instrumento de repasse de recursos. 9

15 Material técnico e educativo Objetivando divulgar o sub-componente fluoretação da água do Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levada a sério e capacitar os técnicos e gestores para o planejamento e implementação das ações do Programa, a Funasa/MS disponibilizará um conjunto de publicações, destacando-se: Manual de Fluoretação da Água e Cartilha sobre Fluoretação da Água No Manual de Fluoretação da Água, o qual é voltado para os técnicos responsáveis pela operação dos serviços de abastecimento público de água e para os técnicos dos Municípios, Estados e do Distrito Federal responsáveis pelas ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano, são abordados os seguintes tópicos: - Histórico da Fluoretação; - Aspectos legais da Fluoretação; - Requisitos básicos para implantar a Fluoretação; - Tecnologias atualmente empregadas; - Métodos de análise e procedimento para determinação do íon fluoreto na água. - Método de procedimento de amostragem e determinação da concentração de flúor no agente fluoretante; - Segurança no armazenamento e manuseio do agente fluoretante e descarte dos resíduos. A outra publicação se refere a Cartilha sobre Fluoretação da Água e será direcionada para os gestores dos serviços de saúde e de saneamento, a qual abordará, entre outros, os seguintes itens: - Histórico da Fluoretação; - Aspectos legais da Fluoretação; - A importância da fluoretação da água em sistema público de abastecimento; - Custo de implantação da Fluoretação - Programa Nacional de Saúde Bucal: Brasil Sorridente, a saúde bucal levada a sério: componentes, objetivos e metas e etc; Além disso, outros materiais e estratégias poderão ser utilizadas para a sensibilização e informação de técnicos, gestores e comunidade beneficiária como folderes, cartilhas, informes em contas de água e mídia (rádio, tv, jornais), contemplando conteúdos de saúde e 10

16 de saneamento. Estas informações devem ser selecionadas e trabalhadas de acordo com o público as quais se destinam, sendo recomendável a abordagem dos seguintes tópicos: - Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levada a sério: componentes, objetivos e metas e etc; - A importância da fluoretação da água de sistema de abastecimento público; - As comunidades beneficiadas; - Mecanismos de ação do flúor no organismo; - Relação do custo / benefício para a população da implantação da Fluoretação; - O Decreto nº.5.440, de 4 de maio de 2005 que estabelece definições e procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de abastecimento e institui mecanismos e instrumentos para divulgação de informação ao consumidor sobre a qualidade da água para consumo humano Ações financiáveis pelo Programa Financiamento de equipamentos A Funasa/MS financiará a aquisição de equipamentos para dosagem de flúor e equipamentos para o controle e monitoramento da concentração do íon fluoreto na água após a implantação da fluoretação. Em condições excepcionais, a Funasa/MS financiará aos laboratórios (Secretaria de Saúde) a aquisição de equipamentos para a vigilância e monitoramento da concentração do íon fluoreto na água após a implantação da fluoretação. O operador do serviço público de abastecimento de água deverá utilizar produtos e tecnologia que ofereçam menores custos e menor complexidade em termos de operação e manutenção. Itens relacionados com o armazenamento do agente fluoretante também poderão ser objeto de financiamento. 11

17 Financiamento de Insumos Excepcionalmente, serão financiados, por um período de 12 (doze) meses, os agentes fluoretantes necessários para a fluoretação e insumos para determinação de concentração de íon fluoreto na água, de acordo com a metodologia adotada, para os sistemas localizados em municípios com população total inferior a habitantes, conforme Censo Demográfico do IBGE ATRIBUIÇÕES DAS INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS E ESTRATÉGIAS O Sub-componente Fluoretação da Água do Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levado a sério baseia-se numa relação cooperativa da União, por intermédio do Ministério da Saúde e da Funasa/MS, com os demais entes federativos no sentido de ampliar a fluoretação da água no território nacional de forma sustentável. O pleno sucesso do Programa somente será obtido se todos os atores envolvidos no processo assumirem as suas responsabilidades de forma articulada, bem como a execução das ações e suas obrigações. A implementação do Programa envolve um conjunto de ações e estratégias a serem desenvolvidas pelas diversas unidades do Ministério da Saúde (Coordenação Nacional de Saúde Bucal - Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS, Secretaria de Vigilância em Saúde SVS/MS), pelas Secretarias de Saúde(Estaduais, do Distrito Federal e Municipais) e pelos órgãos prestadores dos serviços públicos de abastecimento de água Participantes e Atribuições Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS - prestar orientação e apoio técnico aos estados e municípios, especialmente os operadores dos serviços público de abastecimento de água, na elaboração de projetos técnicos de fluoretação da água, de educação em saúde e mobilização social; - financiar equipamentos necessários para a implantação de sistema de fluoretação da água; - financiar equipamentos de controle e monitoramento do teor de flúor na água; 12

18 - financiar, quando necessário, por um período de 12 (doze) meses os insumos necessários para a fluoretação da água. Tal financiamento somente é aplicado para os sistemas de abastecimento de água existentes em municípios com população total inferior a habitantes, conforme Censo Demográfico do IBGE 2000; - promover, quando necessário, a capacitação dos técnicos responsáveis pela operação dos sistemas de abastecimento de água, visando o planejamento, a implantação, a operação, a manutenção, o controle e a avaliação de sistema de fluoretação da água; - promover, quando necessário, a capacitação dos técnicos das secretarias de saúde visando o monitoramento e avaliação dos sistemas de fluoretação implantados; - apoiar, quando necessário, a capacitação dos técnicos dos Estados, do Distrito Federal, especialmente os dos operadores dos serviços públicos de abastecimento de água para a implantação de ações de educação em saúde e mobilização social; - promover, de acordo com as necessidades, capacitação dos técnicos dos responsáveis pela operação dos sistemas de abastecimento público de água visando a melhoria dos procedimentos do controle da qualidade da água para consumo humano; - apoiar tecnicamente, quando necessário, as equipes de educação em saúde dos operadores dos serviços de abastecimento de água no planejamento, na execução e na avaliação das ações de educação em saúde e mobilização social; - acompanhar, avaliar e monitorar a implementação das iniciativas apoiadas; - apoiar, quando necessário, a produção de material técnico e educativo e estratégias de mobilização para sensibilização de gestores, gerentes, técnicos e comunidade; Ministério da Saúde - coordenar e acompanhar as ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano, incluindo a fluoretação da água, conforme o disposto na Portaria MS nº 518/2004 e Portaria MS nº 635/

19 - coordenar a realização de estudos epidemiológicos antes e durante o processo de fluoretação da água, de modo a avaliar os impactos advindos da implantação da fluoretação; - fornecer dados e informações epidemiológicos relacionados com a saúde bucal; - indicar municípios e áreas a serem priorizadas; As ações de responsabilidade do Ministério da Saúde serão executadas, no que couber, pela Secretaria de Vigilância em Saúde SVS e pela Coordenação Nacional de Saúde Bucal Secretaria de Saúde - promover a realização de estudos epidemiológicos antes e durante o processo de fluoretação da água, avaliando os impactos advindos da implantação da fluoretação; - fornecer dados e informações epidemiológicos relacionados com a saúde bucal; - viabilizar a apreciação e aprovação da proposta de fluoretação da água pelo respectivo Conselho de Saúde; - viabilizar o cadastramento do sistema de abastecimento de água no Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Sisagua e fornecer informações rotineiras sobre as ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano, incluindo informações sobre o teor de flúor na água distribuída a população e procedimentos utilizados pelo(s) operador(es) do sistema(s) relacionados a fluoretação da água; - manter profissionais devidamente habilitados para as ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano, especialmente quanto aos aspectos relacionados com a fluoretação da água; - solicitar ao(s) operador(es) do sistema de abastecimento de água a adoção de medidas cabíveis no sentido de sanar as não conformidades detectadas a qualquer tempo e em qualquer etapa do processo de fluoretação da água; 14

20 - solicitar a suspensão do processo de fluoretação da água quando verificado anormalidades que possam causar riscos à saúde e propor medidas de correção e de retomada do processo de fluoretação, se for o caso; - Acompanhar e avaliar a campanha de mobilização e educação em saúde, Prestadores dos Serviços de Abastecimento Público de Água - efetuar estudos sobre a viabilidade da implantação de sistema de fluoretação da água; - promover programas de educação em saúde e mobilização social voltados para a fluoretação da água; - manter a comunidade informada sobre a qualidade da água fuoretada cumprindo o disposto no Decreto nº 5.440, de 4 de maio de 2005; - elaborar, implantar e financiar, projeto técnico de Ações de Educação em Saúde e Mobilização Social na comunidade atendida, utilizando prioritariamente campanhas de divulgação como estratégia mobilizadora voltada para a compreensão, valorização da água fluoretada na prevenção da cárie dental e, para o exercício do controle social da qualidade e manutenção dos serviços oferecidos, garantindo informações claras; - executar e avaliar a campanha de mobilização e educação em saúde, - elaborar projeto técnico de engenharia voltados para a fluoretação da água; - promover as adequações necessárias nos serviços de abastecimento público de água para a implantação de sistema de fluoretação; - operar e manter os serviços e equipamentos financiados pela Funasa/MS; - promover a aquisição de insumos necessários para a manutenção contínua do processo de fluoretação da água. No caso dos sistemas com população inferior a habitantes, adquirir os insumos e manter o processo de fluoretação após o período de 12 meses; - manter profissionais devidamente habilitados para a operação e manutenção de sistema de fluoretação; 15

21 - promover rotineiramente a fluoretação da água em conformidade com a Portaria MS n 635/1975, - providenciar o cadastramento dos serviços de abastecimento público de água junto ao Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Sisagua; - operar e manter o sistema de abastecimento de água de acordo com as Normas da ABNT, e atender os dispositivos contidos na Portaria MS n 518/2004; - fornecer informações rotineiras sobre o controle da qualidade da água para consumo humano, incluindo dados de fluoretação, as quais deverão ser processadas no Sisagua; - utilizar produto químico com garantia de qualidade atendendo as normas e os padrões da ABNT; - observar os aspectos de bio-segurança Estratégias de sensibilização para implantação e implementação do Subcomponente Fluoretação da Água A implantação e implementação de um programa dessa natureza exige do Gestor Federal, mediante a utilização de seu corpo técnico e por intermédio de parcerias, ações diferenciadas em rede, envolvendo os Prestadores de Serviço de Saneamento e a própria comunidade beneficiária do serviço de fluoretação. Essas ações devem ter como objetivo sensibilizar a comunidade e por isso mesmo, precisam estar embasadas no esclarecimento e no convencimento do poder dessa ação na redução da prevalência da cárie dental pela fluoretação dos sistemas públicos de abastecimento d água, a baixos custos e elevada extensão de cobertura. Neste sentido, recomenda-se as seguintes estratégias, de modo a garantir uma maior probabilidade de êxito das ações: - realização de reuniões entre as Secretarias de Saúde e os Prestadores de Serviço de abastecimento de água visando sensibilizar os gestores e técnicos dos operadores dos serviços de abastecimento de água para a importância da Fluoretação da Água e os impactos na saúde pública; 16

PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB COMPONTENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA CARTILHA DO GESTOR

PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB COMPONTENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA CARTILHA DO GESTOR PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB COMPONTENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA CARTILHA DO GESTOR Brasília, 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Saraiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 01/2015/DESAM/FUNASA/MS

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 01/2015/DESAM/FUNASA/MS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 01/2015/DESAM/FUNASA/MS 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Fundação Nacional de Saúde Funasa, em conformidade com a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, Lei nº 8.142, de

Leia mais

Educação em Saúde Ambiental

Educação em Saúde Ambiental Educação em Saúde Ambiental ONIVALDO FERREIRA COUTINHO Departamento de Saúde Ambiental - Desam Coordenação de Educação em Saúde Ambiental - Coesa Constatações deste IV Seminário Engenharia de Saúde Pública:...aumento

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais de Interesse Social

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais de Interesse Social MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto

10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina. Unidade de Medida: % de execução física Especificação do Produto Programa 2067 - Resíduos Sólidos 10TT - Monitoramento da Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera de Santa Catarina Tipo: Projeto Número de Ações 10 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 18 - Gestão

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS.

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 1/2012/DESAM/FUNASA/MS. 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Fundação Nacional de Saúde FUNASA, observando as disposições da Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, Lei nº 8.142,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) PROGRAMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL DOS RISCOS DECORRENTES DOS DESASTRES NATURAIS Documento em discussão COORDENAÇÃO GERAL DE

Leia mais

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000 5. órgãos do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 02/2014/DESAM/FUNASA/MS.

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 02/2014/DESAM/FUNASA/MS. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N.º 02/2014/DESAM/FUNASA/MS. 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Fundação Nacional de Saúde FUNASA, observando as disposições da Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, Lei nº 8.142,

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica Programa 2031 - Educação Profissional e Tecnológica Número de Ações 200 Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional NOTA TÉCNICA 24 2012 Programa de Curso Técnico em Prótese Dentária a Nível Nacional Proposta da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde SGETS/MS para pactuação na CIT de 26/07/2012 Introdução:

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas.

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas. Programa 1448 Qualidade na Escola Numero de Ações 48 Ações Orçamentárias 009U Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Produto: Bolsa concedida Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 364

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE NOVEMBRO/09

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE NOVEMBRO/09 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE NOVEMBRO/09 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil apresentou variação de 0,33% em novembro O Índice

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 Redefine as regras e critérios

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação Endereços das Secretarias Estaduais de Educação ACRE MARIA CORRÊA DA SILVA Secretária de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907- Aeroporto Velho CEP: 69903-420 - Rio Branco - AC Fone: (68)

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Política Nacional de Saúde Bucal

Política Nacional de Saúde Bucal MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Política Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente, suas ações, abrangências e como as

Leia mais

ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA

ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA Visas Estaduais ACRE AC ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA Gerente Da Divisão De Vigilância Sanitária Estadual Rua Benjamim Constant, Nº 830, 4º Andar - Centro CEP: 69908-520 Rio Branco AC Tel.: (68) 3215-2774

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS DA CESE

EDITAL DE PROJETOS DA CESE Igreja Católica Apostólica Romana Igreja Episcopal Anglicana do Brasil Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Igreja Presbiteriana Independente do Brasil Igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Leia mais

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO ACRE Secretaria de Estado de Turismo e Lazer Endereço: Av. Chico Mendes, s/n - Arena da Floresta - Bairro Areal. CEP: 69.906-119 - Rio Branco - AC TEL: (68) 3901-3027/

Leia mais

Orientações para preenchimento do Plano de Trabalho específico para o PRONAF Infra-Estrutura e Serviços Municipais

Orientações para preenchimento do Plano de Trabalho específico para o PRONAF Infra-Estrutura e Serviços Municipais PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Orientações para preenchimento do Plano de Trabalho específico para o PRONAF Infra-Estrutura e Serviços Municipais Brasília, fevereiro de 2004

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

RELAÇÃO DAS VISAS ESTADUAIS ATUALIZADA EM 19 DE JUNHO DE 2012 ACRE AC

RELAÇÃO DAS VISAS ESTADUAIS ATUALIZADA EM 19 DE JUNHO DE 2012 ACRE AC RELAÇÃO DAS VISAS ESTADUAIS ATUALIZADA EM 19 DE JUNHO DE 2012 ACRE AC ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA Gerente Da Divisão De Vigilância Sanitária Estadual Rua Benjamim Constant, Nº 830, 4º Andar - Centro

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS

NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS NOTA TÉCNICA 50 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS Brasília, 18 de novembro de 2013 REGULAMENTAÇÃO DO INCENTIVO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro Assessoria Internacional

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro Assessoria Internacional COORDENADORES REGIONAIS ACRE Josenir de Araújo Calixto Coordenador do Ensino Médio Coordenação de Ensino Médio Secretaria de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907 Aeroporto Velho 69903-420

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A Fundação Interuniversitária de Estudos e Pesquisa sobre o Trabalho (UNITRABALHO), criada em 1996 com a missão de integrar universidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Denise Mafra Gonçalves; Maria Cristina Abreu Martins de Lima;

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM NOTA TÉCNICA 41 2013 POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM DISPÕE SOBRE O REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS DE CUSTEIO A MUNICIPIOS, ESTADOS E DISTRITO FEDERL PARA A EXECUÇÃO DE AÇÕES DE

Leia mais

PORTARIA N.º 03 DE 14 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA N.º 03 DE 14 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA N.º 03 DE 14 DE JANEIRO DE 2014 O Superintendente Estadual da Fundação Nacional de Saúde no Estado de Santa Catarina, nomeado pela Portaria n.º 637 de 21 de outubro de 2011, publicada no DOU n.º

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 2049 - Moradia Digna 00AF - Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento Residencial - FAR Número de Ações 13 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 28 - Encargos Especiais Subfunção: 845 -

Leia mais

Secretarias Municipais de Meio Ambiente Lista atualizada em 06/05/2005 por Fernando Tatagiba

Secretarias Municipais de Meio Ambiente Lista atualizada em 06/05/2005 por Fernando Tatagiba Secretarias Municipais de Meio Ambiente Lista atualizada em 06/05/2005 por Fernando Tatagiba ACRE Rio Branco SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO - SEMEIA Arthur César Pinheiro Leite Antônio da Rocha

Leia mais

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para o apoio financeiro às

Leia mais

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO A Cáritas Brasileira é um organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que possui a missão de Testemunhar

Leia mais

EDITAL Nº 06 SECAD/MEC, DE 1º DE ABRIL DE 2009

EDITAL Nº 06 SECAD/MEC, DE 1º DE ABRIL DE 2009 EDITAL Nº 06 SECAD/MEC, DE 1º DE ABRIL DE 2009 SELEÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PARA FOMENTO DA REDE DE EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE NO ÂMBITO DO SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB A União,

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 028/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA

COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 028/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA COTAÇÃO PRÉVIA DIVULGAÇÃO ELETRÔNICADE 028/2013 UNICAFES/DENACOOP-MAPA A UNIÃO NACIONAL DE COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA (Unicafes), inscrita no CNPJ sob o n. 07.738.836/0001-37

Leia mais

PORTARIA Nº 1.824/GM, em 02 de setembro de 2004.

PORTARIA Nº 1.824/GM, em 02 de setembro de 2004. PORTARIA Nº 1.824/GM, em 02 de setembro de 2004. Dispõe sobre as normas relativas aos recursos adicionais destinados a estados, ao Distrito Federal e a municípios, qualificados para o recebimento de incentivo

Leia mais

Avaliação da Vigilância da Qualidade da Água no Estado do Acre Ano base 2011

Avaliação da Vigilância da Qualidade da Água no Estado do Acre Ano base 2011 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Programa Nacional de Vigilância

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO)

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA SAF SUL Qd. 02, Bl. E/F, Ed. Premium Torre II Auditório Sala 10 Telefone: (61) 3315-5905 70070-600 Brasília/DF UF ACRE Endereços

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Lei Complementar 141/12 Regulamentação da EC 29/00 CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Regulamenta: 1. Regulamenta o 3º do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da Secretaria Nacional de Economia Solidária tem entre

Leia mais

ATA DA REUNIÃO IX DA REUNIÃO DO COLEGIADO TÉCNICO CONSULTIVO DO PNAGE

ATA DA REUNIÃO IX DA REUNIÃO DO COLEGIADO TÉCNICO CONSULTIVO DO PNAGE ATA DA REUNIÃO IX DA REUNIÃO DO COLEGIADO TÉCNICO CONSULTIVO DO PNAGE A IX reunião do Colegiado Técnico Consultivo do PNAGE foi realizada nos dias 10 e 11 de junho de 2008, na cidade de Palmas e contou

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO. EDITAL DE SELEÇÃO UAB nº. 01/2006-SEED/MEC/2006/2007

EDITAL DE SELEÇÃO. EDITAL DE SELEÇÃO UAB nº. 01/2006-SEED/MEC/2006/2007 EDITAL DE SELEÇÃO EDITAL DE SELEÇÃO UAB nº. 01/2006-SEED/MEC/2006/2007 Segunda Chamada Pública para Seleção de Pólos Municipais de Apoio Presencial e de Cursos Superiores de Instituições de Ensino Superior

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

GRUPO GESTOR INTERMINISTERIAL

GRUPO GESTOR INTERMINISTERIAL GRUPO GESTOR INTERMINISTERIAL Brasília-DF 2011 SUMÁRIO INTRODUÇÃO Breve Histórico do Programa BPC na Escola AÇÕES PREVISTAS PARA O BIÊNIO 2011/2012 Ações no âmbito da Educação Acesso aos Resultados dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

UNIDADES DESCENTRALIZADAS DA FUNASA NOS ESTADOS

UNIDADES DESCENTRALIZADAS DA FUNASA NOS ESTADOS UNIDADES DESCENTRALIZADAS DA FUNASA NOS ESTADOS Superintendência Estadual da Funasa no Acre (Suest/AC) Superintendente Estadual: Renata Silva e Souza E-mail: renata.souza@funasa.gov.br Substituto: Heliton

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Meta de Avaliação de Desempenho Institucional (ADI)

Meta de Avaliação de Desempenho Institucional (ADI) Meta de Avaliação de Desempenho Institucional (ADI) Plano de Ação Para Melhoria das Informações de VISA nos Sistemas Usados Para Monitoramento e Manutenção do Repasse de Recursos Financeiros - Julho/14

Leia mais

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REGIMENTO DA II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL, APROVADO EM 30 DE SETEMBRO DE 2003 PELO CONSELHO NACIONAL DE SEGURANÇA

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/ FINEP/ FNDCT PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS 04/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/ FINEP/ FNDCT PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS 04/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/ FINEP/ FNDCT PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS 04/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA NA ÁREA DE CIÊNCIAS SOCIAIS 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA

ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA Visas Estaduais ACRE AC ALBERTINA MARIA DE SOUZA COSTA Gerente Da Divisão De Vigilância Sanitária Estadual Rua Benjamim Constant, Nº 830, 4º Andar - Centro CEP: 69908-520 Rio Branco AC Tel.: (68) 3215-2774

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais