PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE, A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB-COMPONENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE, A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB-COMPONENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE, A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB-COMPONENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA Outubro-2005 Orientações Técnicas

2 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Saraiva Felipe Presidente da Fundação Nacional de Saúde Paulo de Tarso Lustosa da Costa Diretor Executivo Francisco Danilo Bastos Forte Chefe de Gabinete Leandro Viana do Amaral Diretora do Departamento de Engenharia de Saúde Pública José Raimundo Machado dos Santos Diretor do Departamento de Saúde Indígena José Maria de França Diretor do Departamento de Administração Wagner de Barros Campos Diretor do Departamento de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Otto Lamosa Berger Auditor Chefe Edgar Távora de Sousa Procurador Marco Aurélio Ventura Peixoto Assessor Parlamentar Jaime Domingos Casas Assessora de Comunicação e Educação em Saúde Luiza Emília Mello

3 MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS E PROJETOS TÉCNICOS DE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA EM SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO Brasília, 2005

4 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO PANORAMA DA FLUORETAÇÃO DA ÁGUA POR SISTEMA PÚBLICO POR REDE DE DISTRIBUIÇÃO Análise da Fluoretação da água segundo a esfera administrativa da prestação dos serviços de abastecimento público de água OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos PÚBLICO ALVO ORIGEM DOS RECURSOS QUEM PODE PLEITEAR OS RECURSOS CONTRAPARTIDA CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE CRITÉRIOS DE PRIORIDADE AÇOES APOIADAS PELO PROGRAMA Capacitação Curso de Fluoretação da água de abastecimento público Material técnico e educativo Ações financiáveis pelo Programa Financiamento de equipamentos Financiamento de Insumos ATRIBUIÇÕES DAS INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS E ESTRATÉGIAS Participantes e Atribuições Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS Ministério da Saúde Secretaria de Saúde Prestadores dos Serviços de Abastecimento Público de Água Estratégias de sensibilização para implantação e implementação do Subcomponente Fluoretação da Água METAS AVALIAÇÃO...16

5 14. ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS Habilitação técnica Carta de Intenção Aval do Conselho de Saúde Formulário Técnico Formulário de Hierarquização de Prioridades Documentação técnica Projeto Técnico de Engenharia Projeto de Ações de Educação em Saúde e Mobilização Social Termo de comprometimento de adoção de boas práticas Plano de Trabalho CRONOGRAMA CONTATOS EM CASO DE DÚVIDA...26 ANEXO e EXEMPLOS...27 Anexo I Lista de endereços das Coordenações Regionais da Funasa Exemplo 01 Carta de Intenção Exemplo 02 Formulário Técnico Exemplo 03 Formulário de Hierarquização de Prioridades Exemplo 04 Informações Técnicas e Financeiras Exemplo 05 Plano de Trabalho/Descrição do Projeto (Anexo IV) Exemplo 06 Cronograma de Execução e Plano de Aplicação (Anexo V) Exemplo 07 Cronograma de Desembolso (Anexo VI) Exemplo 08 Proposta de Aquisição de Equipamentos e Material Permanente por Ambiente e Unidade Móvel de Saúde (Anexo IX) Exemplo 09 Projeto Técnico de Educação em Saúde e Mobilização Social Exemplo 10 Planilha Orçamentária Exemplo 11 Termo de compromisso de sustentabilidade Exemplo 12 Termo de Comprometimento de Adoção de Boas Práticas

6 1. APRESENTAÇÃO O presente Manual apresenta as diretrizes e critérios adotados pela Fundação Nacional de Saúde Funasa no apoio técnico e financeiro aos Estados, Municípios, Distrito Federal e outras instituições para a Elaboração e Apresentação de Propostas e Projetos Técnico de Implantação da Fluoretação da Água em Sistema Público de Abastecimento de Água. Os critérios e diretrizes contidos no presente documento foram elaborados pela equipe técnica da Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS com o apoio e envolvimento das equipes técnicas da Secretaria de Vigilância em Saúde SVS/MS e da Coordenação de Saúde Bucal do Ministério da Saúde. A proposta de fluoretação da água é um dos sub-componentes do Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levada a sério. Na elaboração da presente proposta a equipe técnica da Funasa/MS levou em consideração, dentre outros, os aspectos e princípios do Sistema Único de Saúde SUS, a intersetorialidade que envolve o tema, e a realidade do quadro institucional dos prestadores dos serviços de abastecimento público de água. 2. PANORAMA DA FLUORETAÇÃO DA ÁGUA POR SISTEMA PÚBLICO POR REDE DE DISTRIBUIÇÃO No Brasil, a Fluoretação da Água em sistema público de abastecimento teve início em 1953 na cidade de Baixo Guandu ES por iniciativa da antiga Fundação SESP. Portanto, o Brasil conta com 05 (cinco) décadas de experiência com a fluoretação da água. No entanto, ainda existe um grande desafio a ser superado, pois somente 45,74 % dos municípios brasileiros adicionam flúor em seus sistemas de abastecimento público de água. Segundo dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB/IBGE 2000, no Brasil municípios contam com serviços de abastecimento público de água por rede de distribuição, o que representa 97,9 % do total dos municípios existentes por ocasião da pesquisa. Embora a maioria dos municípios brasileiros contam com serviços de abastecimento público de água por rede de distribuição, a fluoretação da água distribuída a população ainda representa um grande desafio. Somente 45,74 % do total de municípios com serviços de abastecimento público de água informaram realizar a fluoretação da água, conforme quadro 1. Além do baixo índice de fluoretação, em termos de média nacional, observa-se uma distribuição desigual no território nacional, em termos de regiões geográficas e unidades da 1

7 federação. A grande maioria dos municípios que contam com serviços de abastecimento público de água com fluoretação estão localizados nas regiões Sul e Sudeste, onde se observa um percentual de 70,0 %. A região Centro Oeste apresenta um percentual de 41,5 % e as Regiões Norte e Nordeste percentuais de 7,8 % e 16,5 %, respectivamente. Em termos de unidades da federação, Sergipe, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Santa Catarina são os únicos estados em que se observa um percentual de número de municípios com fluoretação no abastecimento público de água acima de 65 %. Portanto, a fluoretação da água ainda representa um grande desafio para os prestadores dos serviços de abastecimento público de água. 2.1 Análise da Fluoretação da Água segundo a Esfera Administrativa da Prestação dos Serviços de Abastecimento Público de Água. No Brasil a maioria dos municípios têm a prestação dos serviços de abastecimento público de água delegada para as empresas estaduais de saneamento mediante termo de concessão dos serviços. Segundo dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB/IBGE 2000, em 68,8 % dos municípios com rede de distribuição de água se observa a atuação das empresas estaduais de saneamento na prestação de serviços. Quanto a fluoretação, observa-se que do total de municípios objeto de atuação das companhias estaduais de saneamento, em 53,5 % ocorre a fluoretação da água distribuída a população. Por outro lado, os municípios brasileiros que prestam diretamente algum tipo de serviço de abastecimento público de água representam 45,5 % dos municípios brasileiros com rede de distribuição de água. Quanto a fluoretação, observa-se que do total desses municípios somente 20 % deles realizam a fluoretação da água. Portanto, a fluoretação tem maior abrangência nos municípios operados pelas companhias estaduais de saneamento. Quanto aos serviços de abastecimento público de água prestados por operadores privados, observa-se que tal modalidade de prestação ocorre em 8,4 % dos municípios brasileiros. Quanto a fluoretação, somente em 12,2 % do total dos municípios com tal modalidade de prestação realiza a mesma. 2

8 Quadro 1 Total de municípios brasileiros, municípios brasileiros com rede de distribuição de água, municípios brasileiros que adiciona flúor na rede de distribuição por região geográfica. Brasil 2000 UF/Região Total de municípios Total de municípios com rede de distribuição de água Total de municípios que adicionam flúor na água distribuída % de municípios que adicionam flúor na água distribuída NORTE ,82 NORDESTE ,55 SUDESTE ,05 SUL ,96 C. OESTE ,46 BRASIL ,74 Fonte: Pesquisa Nacional de Saneamento PNSB 2000/IBGE 3

9 3. OBJETIVOS O sub-componente Fluoretação da Água do Programa Brasil Sorridente - a saúde bucal levada a sério, apresenta um conjunto de objetivos os quais estão enumerados a seguir: 3.1 Objetivo Geral: Contribuir para redução da prevalência da cárie dental mediante a fluoretação da água de abastecimento público; 3.2 Objetivos Específicos: Elevar o número de serviços de abastecimento público de água com fluoretação em todo o território nacional; Promover a melhoria dos procedimentos operacionais de controle da qualidade da água para consumo humano, incluindo os aspectos relativos a fluoretação da água; Contribuir para o fortalecimento da vigilância da qualidade da água para consumo humano; Contribuir para o fortalecimento do Sistema de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Sisagua; Reduzir índice de prevalência de cárie dental na população de faixa etária de 7 a 14 anos. 4. PÚBLICO ALVO O Sub Componente Fluoretação da Água do Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levada a sério se destina aos serviços de abastecimento público de água que não contam com sistema de fluoretação implantado e cujos estudos apresentem viabilidade técnica para a implantação do processo de fluoretação. 5. ORIGEM DOS RECURSOS As ações serão financiadas com recursos consignados na Lei Orçamentária Anual 2005 (LOA/2005), mediante transferências voluntárias de recursos da União, por intermédio da 4

10 Funasa/MS, aos Governos Estaduais, do Distrito Federal e Municipais. Os recursos estão consignados na rubrica Apoio ao Controle da Qualidade da Água para Consumo Humano, integrante do orçamento da Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS. Os recursos são da modalidade não oneroso, fundo perdido. Vale lembrar ainda que os proponentes (Estados, Distrito Federal e Municípios) deverão aportar recursos próprios para compor a contrapartida conforme estabelecido na Lei de Diretrizes Orçamentárias vigente. 6. QUEM PODE PLEITEAR OS RECURSOS Os recursos poderão ser pleiteados pelo Chefe do Poder Executivo dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, ou ainda, pelo seu representante legal. As empresas prestadoras dos serviços públicos de abastecimento de água poderão atuar na qualidade de executoras. Quando se tratar de pleitos encaminhados pelo Chefe do Poder Executivo dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, os mesmos deverão contar com o aval dos operadores dos serviços de abastecimento de água e com as informações técnicas fornecidas por tais operadores. O instrumento de convênio será, em qualquer situação, celebrado entre a Funasa/MS e o Poder executivo (Chefe do Estado/Município) ou com o seu representante legal. 7. CONTRAPARTIDA A contrapartida é a aplicação de recursos próprios dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, em complemento aos recursos alocados pela União, com o objetivo de compor o valor do investimento necessário para a implantação das ações. A contrapartida será constituída por recursos financeiros ou bens e serviços, passíveis de compor o investimento necessário para a viabilização das ações, respeitado o cronograma físico-financeiro a ser estabelecido, em valor correspondente aos percentuais a seguir discriminados, incidentes sobre o valor do empreendimento. Ações executadas antes da assinatura do Convênio com a Funasa/MS não poderão ser aceitas como contrapartida, nem compor o valor do investimento. 5

11 A contrapartida, para o exercício de 2005, fica definida na forma disposta no art. 44 combinado com o art. 61 da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2005(LDO/2005) Lei Nº , de 11 de agosto de Os estados, o Distrito Federal e os municípios deverão comprovar que os recursos referentes à contrapartida estão devidamente assegurados e em conformidade com a LDO/2005, observados os seguintes percentuais, incidentes sobre o valor do conjunto das ações, conforme tabela abaixo: DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS SITUAÇÃO ESTADOS MÍNIMO MÁXIMO MÍNIMO MÁXIMO Até habitantes 3% 8% - - Das áreas da Adene, ADA e região Centro-Oeste. 5% 10% 10% 20% Os demais (*) 10% 40% 10% 40% (*) Reduzida por meio do Art. 61 da Lei nº /04 Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO/2005. Os limites mínimos acima poderão ser reduzidos, por ato do Presidente da Funasa, quando os recursos forem: a) destinados a municípios que se encontrem em situação de emergência ou estado de calamidade pública formalmente reconhecidos por ato do Governo Federal, durante o período em que essas situações subsistirem; b) beneficiar os municípios incluídos nos bolsões de pobreza, identificados como áreas prioritárias; c) oriundos de doações de organismos internacionais ou de governos estrangeiros, ou de programas de conversão da dívida externa doada para fins ambientais, sociais, culturais ou de segurança pública; 8. CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE Serão elegíveis para o Sub Componente Fluoretação da Água do Programa Brasil Sorridente - a saúde bucal levada a sério os serviços de abastecimento público de água que atendam as seguintes condições: 6

12 Serviços de abastecimento público de água que apresentem abastecimento contínuo de água distribuída à população, em caráter regular e sem interrupção (Portaria MS nº 635/75). Serviços de abastecimento público de água de localidades que não contam com sistema de fluoretação implantado e cujos estudos indiquem a necessidade de fluoretação da água; Não serão elegíveis para o Programa: Serviços de abastecimento público de água cujo responsável pela operação seja empresa em que o poder público não tenha maioria do capital social com direito a voto; Serviços de abastecimento público de água cujas características físicas e operacionais não apresentem viabilidade para a implantação de sistema de fluoretação da água. 9. CRITÉRIOS DE PRIORIDADE Visando garantir a sustentabilidade dos sistemas de fluoretação a serem implantados serão adotados critérios de prioridade que contemplem, inicialmente, os municípios que contam com alguns pré-requisitos básicos que indiquem uma maior probabilidade de êxito das ações, bem como sirva de indução para os municípios se estruturarem para pleitear os recursos do Programa. Na primeira etapa do Programa serão priorizados o desenvolvimento de ações em: Localidades ou municípios que tenham a prestação dos serviços de abastecimento público de água realizada por uma estrutura técnica e administrativa organizada e institucionalizada nos formatos de: companhias estaduais de saneamento, autarquias municipais de saneamento, empresas municipais de saneamento e etc.; Localidades ou municípios cujo serviços de abastecimento público de água esteja cadastrado no Sistema de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Sisagua e cujas informações sobre o controle da qualidade da água estejam atualizadas; 7

13 Localidades ou municípios cujos responsáveis pela prestação dos serviços de abastecimento público de água realizem controle rotineiro e sistemático da qualidade da água para consumo humano; Localidades ou municípios em que os serviços de abastecimento público de água tenha estação de tratamento de água ou unidades de aplicação tecnicamente adequada e devidamente assistida; Localidades ou municípios em que a Funasa/MS está financiando ações de implantação ou ampliação de serviços de abastecimento público de água; Localidade ou municípios com maior prevalência de cárie dental na população de faixa etária de 7 a 14 anos. 8

14 10. AÇOES APOIADAS PELO PROGRAMA 10.1 Capacitação A Funasa/MS fomentará, quando necessário, mediante a utilização de seu corpo técnico e por intermédio de parcerias, programa de capacitação voltado para os técnicos das Secretarias de Saúde e principalmente para os técnicos dos operadores de sistema público de abastecimento de água, o qual incluirá a realização de cursos sobre fluoretação da água e a disponibilização de material técnico sobre o assunto Curso de Fluoretação da água de abastecimento público O curso sobre a fluoretação da água destinado aos técnicos das Secretarias de Saúde e dos operadores de sistema de abastecimento de água visa à capacitação destes para a implantação dos sistemas de fluoretação, métodos de controle, monitoramento e avaliação. Serão abordados, entre outros, os seguintes tópicos: - O Programa Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente: componentes, objetivos e metas e etc.; - Aspectos legais da fluoretação e do controle de qualidade da água para consumo humano; - Prevalência da cárie dentária e fluorose; - Tecnologias empregadas no processo de fluoretação da água; - Métodos de controle da concentração de íon fluoreto na água; - Monitoramento e avaliação do processo de fluoretação; - Segurança no armazenamento e manuseio do agente fluoretante e descarte dos resíduos; - Método de procedimento de amostragem e determinação da concentração de flúor no agente fluoretante; - Educação em saúde e mobilização social. As ações relativas aos cursos de capacitação serão custeadas diretamente pela Funasa/MS, não devendo ser previstas nos recursos orçamentários e financeiros a serem pleiteados pelo proponente dentro do instrumento de repasse de recursos. 9

15 Material técnico e educativo Objetivando divulgar o sub-componente fluoretação da água do Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levada a sério e capacitar os técnicos e gestores para o planejamento e implementação das ações do Programa, a Funasa/MS disponibilizará um conjunto de publicações, destacando-se: Manual de Fluoretação da Água e Cartilha sobre Fluoretação da Água No Manual de Fluoretação da Água, o qual é voltado para os técnicos responsáveis pela operação dos serviços de abastecimento público de água e para os técnicos dos Municípios, Estados e do Distrito Federal responsáveis pelas ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano, são abordados os seguintes tópicos: - Histórico da Fluoretação; - Aspectos legais da Fluoretação; - Requisitos básicos para implantar a Fluoretação; - Tecnologias atualmente empregadas; - Métodos de análise e procedimento para determinação do íon fluoreto na água. - Método de procedimento de amostragem e determinação da concentração de flúor no agente fluoretante; - Segurança no armazenamento e manuseio do agente fluoretante e descarte dos resíduos. A outra publicação se refere a Cartilha sobre Fluoretação da Água e será direcionada para os gestores dos serviços de saúde e de saneamento, a qual abordará, entre outros, os seguintes itens: - Histórico da Fluoretação; - Aspectos legais da Fluoretação; - A importância da fluoretação da água em sistema público de abastecimento; - Custo de implantação da Fluoretação - Programa Nacional de Saúde Bucal: Brasil Sorridente, a saúde bucal levada a sério: componentes, objetivos e metas e etc; Além disso, outros materiais e estratégias poderão ser utilizadas para a sensibilização e informação de técnicos, gestores e comunidade beneficiária como folderes, cartilhas, informes em contas de água e mídia (rádio, tv, jornais), contemplando conteúdos de saúde e 10

16 de saneamento. Estas informações devem ser selecionadas e trabalhadas de acordo com o público as quais se destinam, sendo recomendável a abordagem dos seguintes tópicos: - Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levada a sério: componentes, objetivos e metas e etc; - A importância da fluoretação da água de sistema de abastecimento público; - As comunidades beneficiadas; - Mecanismos de ação do flúor no organismo; - Relação do custo / benefício para a população da implantação da Fluoretação; - O Decreto nº.5.440, de 4 de maio de 2005 que estabelece definições e procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de abastecimento e institui mecanismos e instrumentos para divulgação de informação ao consumidor sobre a qualidade da água para consumo humano Ações financiáveis pelo Programa Financiamento de equipamentos A Funasa/MS financiará a aquisição de equipamentos para dosagem de flúor e equipamentos para o controle e monitoramento da concentração do íon fluoreto na água após a implantação da fluoretação. Em condições excepcionais, a Funasa/MS financiará aos laboratórios (Secretaria de Saúde) a aquisição de equipamentos para a vigilância e monitoramento da concentração do íon fluoreto na água após a implantação da fluoretação. O operador do serviço público de abastecimento de água deverá utilizar produtos e tecnologia que ofereçam menores custos e menor complexidade em termos de operação e manutenção. Itens relacionados com o armazenamento do agente fluoretante também poderão ser objeto de financiamento. 11

17 Financiamento de Insumos Excepcionalmente, serão financiados, por um período de 12 (doze) meses, os agentes fluoretantes necessários para a fluoretação e insumos para determinação de concentração de íon fluoreto na água, de acordo com a metodologia adotada, para os sistemas localizados em municípios com população total inferior a habitantes, conforme Censo Demográfico do IBGE ATRIBUIÇÕES DAS INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS E ESTRATÉGIAS O Sub-componente Fluoretação da Água do Programa Brasil Sorridente a saúde bucal levado a sério baseia-se numa relação cooperativa da União, por intermédio do Ministério da Saúde e da Funasa/MS, com os demais entes federativos no sentido de ampliar a fluoretação da água no território nacional de forma sustentável. O pleno sucesso do Programa somente será obtido se todos os atores envolvidos no processo assumirem as suas responsabilidades de forma articulada, bem como a execução das ações e suas obrigações. A implementação do Programa envolve um conjunto de ações e estratégias a serem desenvolvidas pelas diversas unidades do Ministério da Saúde (Coordenação Nacional de Saúde Bucal - Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS, Secretaria de Vigilância em Saúde SVS/MS), pelas Secretarias de Saúde(Estaduais, do Distrito Federal e Municipais) e pelos órgãos prestadores dos serviços públicos de abastecimento de água Participantes e Atribuições Fundação Nacional de Saúde Funasa/MS - prestar orientação e apoio técnico aos estados e municípios, especialmente os operadores dos serviços público de abastecimento de água, na elaboração de projetos técnicos de fluoretação da água, de educação em saúde e mobilização social; - financiar equipamentos necessários para a implantação de sistema de fluoretação da água; - financiar equipamentos de controle e monitoramento do teor de flúor na água; 12

18 - financiar, quando necessário, por um período de 12 (doze) meses os insumos necessários para a fluoretação da água. Tal financiamento somente é aplicado para os sistemas de abastecimento de água existentes em municípios com população total inferior a habitantes, conforme Censo Demográfico do IBGE 2000; - promover, quando necessário, a capacitação dos técnicos responsáveis pela operação dos sistemas de abastecimento de água, visando o planejamento, a implantação, a operação, a manutenção, o controle e a avaliação de sistema de fluoretação da água; - promover, quando necessário, a capacitação dos técnicos das secretarias de saúde visando o monitoramento e avaliação dos sistemas de fluoretação implantados; - apoiar, quando necessário, a capacitação dos técnicos dos Estados, do Distrito Federal, especialmente os dos operadores dos serviços públicos de abastecimento de água para a implantação de ações de educação em saúde e mobilização social; - promover, de acordo com as necessidades, capacitação dos técnicos dos responsáveis pela operação dos sistemas de abastecimento público de água visando a melhoria dos procedimentos do controle da qualidade da água para consumo humano; - apoiar tecnicamente, quando necessário, as equipes de educação em saúde dos operadores dos serviços de abastecimento de água no planejamento, na execução e na avaliação das ações de educação em saúde e mobilização social; - acompanhar, avaliar e monitorar a implementação das iniciativas apoiadas; - apoiar, quando necessário, a produção de material técnico e educativo e estratégias de mobilização para sensibilização de gestores, gerentes, técnicos e comunidade; Ministério da Saúde - coordenar e acompanhar as ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano, incluindo a fluoretação da água, conforme o disposto na Portaria MS nº 518/2004 e Portaria MS nº 635/

19 - coordenar a realização de estudos epidemiológicos antes e durante o processo de fluoretação da água, de modo a avaliar os impactos advindos da implantação da fluoretação; - fornecer dados e informações epidemiológicos relacionados com a saúde bucal; - indicar municípios e áreas a serem priorizadas; As ações de responsabilidade do Ministério da Saúde serão executadas, no que couber, pela Secretaria de Vigilância em Saúde SVS e pela Coordenação Nacional de Saúde Bucal Secretaria de Saúde - promover a realização de estudos epidemiológicos antes e durante o processo de fluoretação da água, avaliando os impactos advindos da implantação da fluoretação; - fornecer dados e informações epidemiológicos relacionados com a saúde bucal; - viabilizar a apreciação e aprovação da proposta de fluoretação da água pelo respectivo Conselho de Saúde; - viabilizar o cadastramento do sistema de abastecimento de água no Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Sisagua e fornecer informações rotineiras sobre as ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano, incluindo informações sobre o teor de flúor na água distribuída a população e procedimentos utilizados pelo(s) operador(es) do sistema(s) relacionados a fluoretação da água; - manter profissionais devidamente habilitados para as ações de vigilância da qualidade da água para consumo humano, especialmente quanto aos aspectos relacionados com a fluoretação da água; - solicitar ao(s) operador(es) do sistema de abastecimento de água a adoção de medidas cabíveis no sentido de sanar as não conformidades detectadas a qualquer tempo e em qualquer etapa do processo de fluoretação da água; 14

20 - solicitar a suspensão do processo de fluoretação da água quando verificado anormalidades que possam causar riscos à saúde e propor medidas de correção e de retomada do processo de fluoretação, se for o caso; - Acompanhar e avaliar a campanha de mobilização e educação em saúde, Prestadores dos Serviços de Abastecimento Público de Água - efetuar estudos sobre a viabilidade da implantação de sistema de fluoretação da água; - promover programas de educação em saúde e mobilização social voltados para a fluoretação da água; - manter a comunidade informada sobre a qualidade da água fuoretada cumprindo o disposto no Decreto nº 5.440, de 4 de maio de 2005; - elaborar, implantar e financiar, projeto técnico de Ações de Educação em Saúde e Mobilização Social na comunidade atendida, utilizando prioritariamente campanhas de divulgação como estratégia mobilizadora voltada para a compreensão, valorização da água fluoretada na prevenção da cárie dental e, para o exercício do controle social da qualidade e manutenção dos serviços oferecidos, garantindo informações claras; - executar e avaliar a campanha de mobilização e educação em saúde, - elaborar projeto técnico de engenharia voltados para a fluoretação da água; - promover as adequações necessárias nos serviços de abastecimento público de água para a implantação de sistema de fluoretação; - operar e manter os serviços e equipamentos financiados pela Funasa/MS; - promover a aquisição de insumos necessários para a manutenção contínua do processo de fluoretação da água. No caso dos sistemas com população inferior a habitantes, adquirir os insumos e manter o processo de fluoretação após o período de 12 meses; - manter profissionais devidamente habilitados para a operação e manutenção de sistema de fluoretação; 15

21 - promover rotineiramente a fluoretação da água em conformidade com a Portaria MS n 635/1975, - providenciar o cadastramento dos serviços de abastecimento público de água junto ao Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Sisagua; - operar e manter o sistema de abastecimento de água de acordo com as Normas da ABNT, e atender os dispositivos contidos na Portaria MS n 518/2004; - fornecer informações rotineiras sobre o controle da qualidade da água para consumo humano, incluindo dados de fluoretação, as quais deverão ser processadas no Sisagua; - utilizar produto químico com garantia de qualidade atendendo as normas e os padrões da ABNT; - observar os aspectos de bio-segurança Estratégias de sensibilização para implantação e implementação do Subcomponente Fluoretação da Água A implantação e implementação de um programa dessa natureza exige do Gestor Federal, mediante a utilização de seu corpo técnico e por intermédio de parcerias, ações diferenciadas em rede, envolvendo os Prestadores de Serviço de Saneamento e a própria comunidade beneficiária do serviço de fluoretação. Essas ações devem ter como objetivo sensibilizar a comunidade e por isso mesmo, precisam estar embasadas no esclarecimento e no convencimento do poder dessa ação na redução da prevalência da cárie dental pela fluoretação dos sistemas públicos de abastecimento d água, a baixos custos e elevada extensão de cobertura. Neste sentido, recomenda-se as seguintes estratégias, de modo a garantir uma maior probabilidade de êxito das ações: - realização de reuniões entre as Secretarias de Saúde e os Prestadores de Serviço de abastecimento de água visando sensibilizar os gestores e técnicos dos operadores dos serviços de abastecimento de água para a importância da Fluoretação da Água e os impactos na saúde pública; 16

PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB COMPONTENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA CARTILHA DO GESTOR

PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB COMPONTENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA CARTILHA DO GESTOR PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE A SAÚDE BUCAL LEVADA A SÉRIO SUB COMPONTENTE FLUORETAÇÃO DA ÁGUA CARTILHA DO GESTOR Brasília, 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Saraiva

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS DA CESE

EDITAL DE PROJETOS DA CESE Igreja Católica Apostólica Romana Igreja Episcopal Anglicana do Brasil Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Igreja Presbiteriana Independente do Brasil Igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

Educação em Saúde Ambiental

Educação em Saúde Ambiental Educação em Saúde Ambiental ONIVALDO FERREIRA COUTINHO Departamento de Saúde Ambiental - Desam Coordenação de Educação em Saúde Ambiental - Coesa Constatações deste IV Seminário Engenharia de Saúde Pública:...aumento

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA PROGRAMA DE CONSOLIDAÇÃO DAS LICENCIATURAS MEC/SESu/DEPEM 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu EDITAL Nº 05/2007 Brasília, 20 junho de 2007

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4

GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- CONECTADEL GUIA PARA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETOS COMPONENTE 4 1. Objetivo

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES - Edital Nº 32, de 24 de julho de 2014 - RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE ORIENTAÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO

DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO DOCUMENTO TÉCNICO DO PROJETO Este roteiro de elaboração do Documento Técnico do Projeto tem por objetivo subsidiar a apresentação de propostas para desenvolvimento do Programa Luta pela Cidadania, que

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE CURSISTAS

SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE CURSISTAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO PRÓ-CONSELHO CURSO DE EXTENSÃO A DISTANCIA FORMAÇÃO

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional NOTA TÉCNICA 24 2012 Programa de Curso Técnico em Prótese Dentária a Nível Nacional Proposta da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde SGETS/MS para pactuação na CIT de 26/07/2012 Introdução:

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1127/SETEC EDITAL Nº 03/2009 1. Perfil: ACOMPANHAMENTO DA GESTÃO EM PROJETOS - PERFIL I Ministério da Educação. Especialização na área de educação,

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA Funasa Programa de Cooperação Técnica Visa criar condições de sustentabilidade para o adequado atendimento populacional. Ênfase será conferida à qualificação dos investimentos

Leia mais

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica Programa 2031 - Educação Profissional e Tecnológica Número de Ações 200 Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. -0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Dispõe sobre os critérios e os procedimentos para promoção, organização e participação da ANAC em eventos internos e externos. A DIRETORIA DA AGÊNCIA

Leia mais

EDITAL UFRGS CT- INFRA 2013

EDITAL UFRGS CT- INFRA 2013 EDITAL UFRGS CT- INFRA 2013 A UFRGS lança este edital interno com vistas a receber propostas de financiamento no âmbito da Chamada Pública MCTI/FINEP/CT-INFRA 01/2013

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

PORTARIA N.º 03 DE 14 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA N.º 03 DE 14 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA N.º 03 DE 14 DE JANEIRO DE 2014 O Superintendente Estadual da Fundação Nacional de Saúde no Estado de Santa Catarina, nomeado pela Portaria n.º 637 de 21 de outubro de 2011, publicada no DOU n.º

Leia mais

Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União. Facilitador: Fernanda Lyra

Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União. Facilitador: Fernanda Lyra Bem-vindo a sala de aula do curso: Siconv Transferências voluntárias da União Facilitador: Fernanda Lyra Horário da Aula: 28 de janeiro - Segunda - das 18h às 20h SICONV TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007 Conteúdo: SEÇÃO 1...2 PORTARIA No- 2.831, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...2 PORTARIA No- 2.834, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...4 PORTARIA No- 2.835, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...5 PORTARIA Nº 600, DE 1o- DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº. /2011 CAPA Projeto Agência:

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para o apoio financeiro às

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos

APRESENTAÇÃO. O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos APRESENTAÇÃO O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos municípios no processo de seleção de demanda, na elaboração e na execução do Projeto de Trabalho Social - PTS junto

Leia mais

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais de Interesse Social

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais de Interesse Social MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

EDITAL ONU MULHERES 2011

EDITAL ONU MULHERES 2011 EDITAL ONU MULHERES 2011 O Escritório Sub-Regional da ONU Mulheres para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações da sociedade civil a apresentarem projetos

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação da criança e do adolescente, os dados de seu município, os resultados da

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa...

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa... ÍNDICE 30. PARA O CONSUMO HUMANO... 2 30.1. Introdução... 2 30.2. Justificativa... 3 30.3. Objetivos do Programa... 4 30.4. Metas... 4 30.5. Indicadores Ambientais... 4 30.6. Público-Alvo... 5 30.7. Metodologia

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

EDITAL 07/2015 DE CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS SOCIAIS - COMDICA

EDITAL 07/2015 DE CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS SOCIAIS - COMDICA EDITAL 07/2015 DE CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS SOCIAIS - COMDICA O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMDICA/Sapucaia do Sul, no uso das atribuições legais que lhe confere a

Leia mais

Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar! 7ª edição - 2013

Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar! 7ª edição - 2013 Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar! 7ª edição - 2013 Tema: Trabalho e Migração: formas de combate ao trabalho escravo e ao tráfico de pessoas Caros(as) participantes, O programa Escravo,

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO E DO PLANEJAMENTO DOS ESTADOS BRASILEIROS E DO DISTRITO FEDERAL - PNAGE Subexecutor: Secretaria do Estado do... Componente:

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros

Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Diagnóstico da institucionalização da Política Nacional de Educação Permanente do Sistema Único de Assistência Social nos estados brasileiros Denise Mafra Gonçalves; Maria Cristina Abreu Martins de Lima;

Leia mais

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA PREVENÇÃO

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA PREVENÇÃO RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA PREVENÇÃO Coordenadora Deputada Aline Corrêa Membros: Deputados Áureo e William Dib Propostas do grupo de trabalho sobre prevenção A partir dos trabalhos realizados

Leia mais