Mercados de Seguros: Solvência, Riscos e Eficácia Regulatória

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercados de Seguros: Solvência, Riscos e Eficácia Regulatória"

Transcrição

1 Mercados de Seguros: Solvência, Riscos e Eficácia Regulatória Nelson Victor Le Cocq d Oliveira Tese submetida ao Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Doutor em Economia. Orientador: Professor Fernando José Cardim Carvalho Agosto de

2 Mercados de Seguros: Solvência, Riscos e Eficácia Regulatória Aprovada por: Nelson Victor Le Cocq d Oliveira Tese submetida ao Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Doutor em Economia. Prof. Dr. Fernando José Cardim Carvalho (UFRJ Orientador) Prof. Dr. Antonio José Alves Júnior (UFRRJ) Prof. Dr. Ary Vieira Barradas (UFRJ) Prof. Dr. Fernando Carlos Greenhalgh de Cerqueira Lima (UFRJ) Prof. Dr. Rogério Sobreira Bezerra (EBAPE/FGV) Rio de Janeiro, agosto de

3 Le Cocq D Oliveira, Nelson Victor. Mercados de Seguros: Solvência, Riscos e Eficácia Regulatória. Orientador: Prof. Dr. Fernando José Cardim Carvalho. Rio de Janeiro: UFRJ/Instituto de Economia, 2005, tese de Doutorado. Palavras-chave: marco regulatório, mercado de seguros, investidores institucionais, mercados financeiros, apólices, consolidação financeira, avaliação de riscos, transferência de riscos, solvência. 3

4 4

5 A memória de: Nelson e Estella, meus pais, por tudo que herdei de afetos, valores e perseverança perante as alegrias e os percalços desta vida; José Eduardo, meu irmão, cuja curta vida foi plena de generosidade; Thereza Ferreira Velloso, pelo amor da juventude e por ter preparado em mim a horta, para que eu pudesse dar frutos para o mundo; Carlos André da Silva Santos, por ter me auxiliado a definir o rumo das minhas esperanças, me fazendo acreditar na possibilidade da mudança. 5

6 Agradecimentos A compreensão do papel que cumprem as decisões cruciais no desenrolar da trajetória das empresas é um atributo essencial da melhor teoria econômica. Talvez usando de licença poética, talvez refletindo a relativa experiência que os anos trouxeram, creio que também a vida dos indivíduos é marcada por decisões cruciais, as quais redefinem de forma substantiva as trajetórias profissionais. Um estímulo decisivo para minha passagem profissional pelo mercado de seguros foram os sucessivos diálogos com o professor Marco Aurélio Garcia, por quem tenho não só grande estima pessoal, mas principalmente a quem dedico profunda admiração intelectual. Assim, testemunho aqui meu agradecimento a Marco Aurélio Garcia, por ter apoiado e estimulado minha caminhada através de um terreno sem dúvida fascinante, mas até então cercado de enigmas teóricos e inéditos desafios profissionais. A consciência acerca do papel cumprido por uma Agência Reguladora na dinâmica e no ordenamento do mercado de seguros surgiu para mim durante o período em que fiz parte do quadro funcional da Superintendência de Seguros Privados Susep em O convívio profissional com Renê Garcia me permitiu vislumbrar os aspectos mais significativos da transição que ora acontece no âmago dos paradigmas regulatórios, transição esta abarcando o conjunto dos sistemas financeiros, mas que se reveste de forte singularidade no que se refere especificamente ao setor de seguros. A vasta erudição de Renê, e o profundo conhecimento quanto ao funcionamento dos mercados financeiros, se conjugam com a rara capacidade de pensar estrategicamente o papel das atividades de regulação e supervisão, e de conceber os procedimentos táticos adequados à implementação das mudanças consideradas desejáveis. Sou profundamente grato ao Renê pelo convívio intelectual e pelo contínuo estímulo a perseverar no desenvolvimento dos estudos sobre os mercados de seguros. 6

7 A minha decisão de atravessar o por vezes árduo percurso do curso de doutorado do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro esteve, desde o início, vinculado a expectativa de ter Fernando Cardim de Carvalho como professor e como orientador de tese de doutoramento. Fernando Cardim é um economista notável, por suas sucessivas e consideráveis contribuições à teoria econômica. Mostrou-se também um orientador absolutamente digno da palavra; não só orientou no sentido acadêmico estrito, como me proporcionou o apoio pessoal necessário ao enfrentamento das questões trabalhosas e complicadas, que o processo de elaboração teórica foi apresentando, no entremeio de atividades profissionais por vezes bastante turbulentas. Foi um privilégio ter sido orientado por Fernando Cardim de Carvalho, e ter compartilhado de seu saber, vivência acadêmica e paciência pessoal para com meus limites e percalços. Sou grato a Carlos Vinicius de O. Coutinho, pelo auxílio na pesquisa em meio eletrônico e pela elucidação de diversas dificuldades de interpretação de textos em línguas estrangeiras. Sou grato também a Ângela Teixeira por auxiliar na revisão do texto. A minha irmã Cláudia Beatriz, agradeço a permanente afeição e ao fraterno apoio prestado a esta empreitada, aspecto fundamental para que eu pudesse ter chegado a conclusão do trabalho. Às minhas filhas Laura, Beatriz e Valentina, declaro meu amor e minha dívida, pelas sucessivas noites e finais de semana em que estive ausente, dedicado a feitura da tese e falho na atenção paterna. A elas agradeço o carinho, o amor e a espera. A Elizabeth Jacob, minha companheira e meu amor, agradeço o apoio, o incentivo e o convívio amoroso, combustível fundamental para que a chama da coragem intelectual e da perseverança não se apagasse, perante as tantas e tantas páginas a serem lidas e as outras tantas a serem escritas. 7

8 8

9 ÍNDICE INTRODUÇÃO...9 CAPÍTULO I - Características dos Mercados de Seguros...14 I.1 - Introdução...14 I.2 - Características gerais da atividade seguradora...17 I.3 - Seguros de Vida...22 I Seguro de Vida Temporário...22 I Seguro de Vida Permanente...23 I.4 - Seguros de Ramos Elementares...28 I.5 - Resseguros...29 I Fatores que influenciam a utilização do resseguro...31 I Modalidades de operações de resseguro...32 I.6 - Administração dos riscos cobertos pelas seguradoras e o resseguro...33 I.7 - Conclusões...36 CAPITULO 2 - Atuação das Companhias Seguradoras nos Mercados Financeiros Internacionais...40 II.1 - Introdução...40 II.2 - Regras regulatórias e preservação da solvência: condicionantes da política de investimentos das companhias seguradoras...41 II.3 - Características dos diferentes contratos e estrutura dos ativos e passivos: influência sobre as políticas de investimento das seguradoras...44 II.4 - Ciclos de negócios e ciclos de conjuntura: influência nas estratégias de investimento das seguradoras

10 II.5 - Características dos mercados nacionais e diferenciação das estratégias de investimento das seguradoras...57 II.6 - Investimentos em derivativos de crédito e o papel das seguradoras monoline...64 II.7 Investimentos em Catastrophe Bonds...74 II.8 - Perfil de Investimentos das Companhias Resseguradoras...78 II.9 - Conclusões...83 CAPÍTULO 3 - Conglomerados Financeiros e Mercados de Seguros...86 III.1 - Introdução...86 III.2 - Fatores que impulsionam a consolidação financeira...87 III Globalização Produtiva e Consolidação Financeira...89 III Mudança Tecnológica e Consolidação Financeira...90 III Diversificação de Produtos, Securitização e Consolidação Financeira...90 III Mudanças no padrão regulatório e consolidação financeira...94 III.3 - Mudança regulatória e consolidação nos principais mercados internacionais...91 III Desregulação e consolidação financeira nos EUA...91 III Desregulação e Consolidação Financeira na Europa...95 III Desregulação e consolidação financeira no Japão...97 III.4 - Padrões e Mecanismos de Consolidação Financeira III.5 - Conglomerados Financeiros e Empresas de Seguros III Consolidação no Mercado de Resseguros III Modelos de integração entre bancos e seguradoras III.6 - Conclusões CAPÍTULO 4 - Riscos Incidentes sobre as Empresas de Seguros IV.1 - Introdução IV.2 - Evolução dos critérios para classificação dos riscos IV.3 - Riscos ao nível das empresas e riscos do mercado IV.4 - Riscos Sistêmicos: Conceitos fundamentais IV.5 - Companhias de seguros e geração de riscos sistêmicos IV.6 - Riscos sistêmicos e participação de seguradoras em conglomerados

11 IV.7 - Conclusões CAPÍTULO 5 - Mudança de Paradigma e Eficácia Regulatória Nos Mercados de Seguros V.1 - Introdução V.2 - Fundamentos e Objetivos da Regulação nos Mercados Financeiros e de Seguros V Assimetria de informações e legitimação regulatória nos mercados financeiros e de seguros V Externalidades e ação estruturante das agências de regulação e supervisão nos mercados financeiros e de seguros V.3 - Solvência e Controle de Riscos: a Nova Estratégia Regulatória para os Mercados de Seguros V A Transição para uma Nova Estratégia Regulatória V O Modelo de Requerimentos de Capital Baseados em Riscos V.4 - Interação entre Diferentes Riscos e Regulação Integrada V.5 - Assimetria de informações e integridade dos contratos: o papel das agencias de regulação na manutenção da confiança pública nos mercados de seguros V Aspectos relativos a disciplina de mercado e ao público consumidor V Atitude Regulatória e Riscos de Reputação V.6 - Conclusões CO NCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS

12 Introdução Os mercados de seguros têm demonstrado um notável crescimento no plano internacional ao longo do último vintênio. A dinâmica de desenvolvimento econômico contemporâneo, observada com ênfase nas características apresentadas pelos países de maior renda per capita, tem favorecido a disseminação das transações de coberturas de riscos mediante a aquisição de apólices de seguros. Este fenômeno reforça a concepção de que os serviços prestados pelas seguradoras se inserem na classificação de bens superiores, cujo crescimento reflete mais que proporcionalmente a melhoria dos padrões de renda. No caso de seguros de ramos elementares, destinados fundamentalmente à preservação do valor patrimonial dos bens em propriedade de empresas e famílias, alguns processos conjugados respondem pela ampliação das transações. O primeiro é a própria expansão tanto da quantidade como do valor unitário dos bens de capital e de consumo durável adquiridos nos principais mercados mundiais. A segunda causa é a desenvoltura assumida pelo comércio regional e internacional em períodos recentes, fortalecendo as operações de seguros vinculadas ao manuseio e deslocamento de cargas e a cobertura de riscos incidentes sobre meios de transportes (trens, navios e aviões), cujas dimensões se mostram em contínuo crescimento. Outro fator que pode ser assinalado é a conexão entre o crescimento das diferentes modalidades de financiamento e o papel subsidiário que os seguros de crédito cumprem na viabilização destas transações. Por fim, a demanda por seguros de responsabilidade civil espelha as decisões de tribunais, em particular nos Estados Unidos da América, ampliando a variedade de eventos sujeitos a indenizações por danos a terceiros, e aumentando significativamente os valores atribuídos a tais indenizações (Forbes, 2004). As circunstâncias listadas acima são apenas alguns dentre diversos fatores intervenientes no crescimento dos mercados seguradores. As companhias de seguros reúnem, em um só negócio, a atribuição - muitas vezes complexa - de avaliar riscos a serem 12

13 cobertos, estimar a probabilidade de ocorrência de perdas e danos, e ainda obter parcela significativa de sua receita total mediante a gestão de recursos de terceiros. Devido ao volume expressivo de recursos recolhidos, seguradoras de um modo geral, e seguradoras de vida em particular, são importantes atores nos mercados financeiros internacionais, ressaltando-se seu papel de investidores institucionais. Seja devido as fortes externalidades de que se revestem as operações de seguros, seja pelo papel assumido pelas companhias de seguros enquanto importante partícipe dos mercados financeiros, a questão regulatória se caracteriza como componente fundamental para a própria definição da dinâmica de expansão deste setor. A estrutura regulatória para o setor de seguros desenvolveu-se ao longo do século XX de forma aproximadamente similar nos diferentes países onde esta atividade assumiu maior relevo. Duas preocupações sobressaíram perante os responsáveis pela moldura legal na qual se abrigaram os negócios das companhias seguradoras: a manutenção da liquidez suficiente para que as companhias pudessem honrar as obrigações assumidas e a confiança pública quanto a esta capacidade (e ao ânimo de fazê-lo) por parte das empresas. Em relação às preocupações antes assinaladas, o ordenamento das normas regulatórias procurou garantir a capacidade de empresas do ramo de seguros honrarem seus compromissos, mediante a cobrança de tarifas consideradas adequadas por parte dos órgãos reguladores (Stewart, 2003, e Lima, 1999). Ainda dentro do objetivo de preservar a capacidade financeira das seguradoras, procuraram as agências de regulação impor uma permanência de ativos em montantes e modalidades de liquidez condizentes com as estimativas de desembolsos futuros. À falta de critérios mais apurados, tornou-se usual estipular requisitos mínimos de capital para ingressar no mercado, sendo exigidos ainda valores suplementares, determinados por um percentual dos prêmios auferidos pela venda de apólices em períodos imediatamente anteriores. Considerando as peculiaridades das operações de seguros, pode-se classificar a prática legal acima referida como uma estratégia regulatória focada em liquidez (Carvalho, 2004). A atuação das seguradoras, diferentemente dos bancos comerciais, não as torna sujeitas a corridas para saques por partes dos clientes. A liquidez mostra-se necessária conforme os saques decorrentes das indenizações pactuadas vão ocorrendo, o que significa que as disponibilidades de liquidez devem ser garantidas ex-ante, dado que os desembolsos 13

14 são, por suposição, distribuídos ao longo do tempo. O que não é sabido com certeza é a intensidade e o eventual acúmulo de indenizações que poderá ocorrer em um período determinado, isto é, durante um determinado mês, trimestre ou ano corridos. Daí a imposição de uma margem de liquidez, consubstanciada em ativos financeiros, por parte da autoridade reguladora. Outra questão que se constitui em perene objeto de atenção das autoridades reguladoras é a manutenção e reforço da confiança pública no cumprimento adequado dos termos pactuados nas apólices. A princípio, o esforço em assegurar a manutenção da solvência, perante os custos de indenizações estimados, foi o esteio das concepções de boa prática regulatória. Com o tempo, outros instrumentos foram incorporados, entre os quais assume maior importância o estabelecimento dos fundos garantidores (Yasui, 2001). De um modo geral, as autoridades de regulação e supervisão assumem, de forma implícita ou explícita, o fortalecimento da reputação dos mercados de seguros como uma de suas principais atribuições. O arranjo regulatório esboçado de forma muito concisa nos parágrafos anteriores tem sofrido uma reelaboração consistente e contínua em períodos recentes. Mudanças vivenciadas pelos mercados financeiros a partir da supressão de restrições regulatórias, acarretando possibilidades de atuação dos diferentes tipos de instituições em segmentos antes estanques, deram ênfase a inovações financeiras incorporadas tanto nos passivos como na carteira de ativos destes atores. A proliferação de produtos concorrentes e similares, oferecidos quer por bancos como por seguradoras e outros investidores institucionais, é um dos principais traços distintivos do ciclo de transformações que os mercados financeiros ostentam desde a década de Desregulação e interposição entre mercados antes compartimentados geraram novos instrumentos financeiros, entre os quais se destaca o processo de securitização. Este traduz, ao atestar a expansão da desintermediação financeira, uma redução do papel tradicional dos bancos comerciais na oferta de crédito a corporações não financeiras (Paula, 2002). Conforme as formas tradicionais de rentabilidade bancária diminuíram, foi desencadeado um processo de fusões e aquisições, capitaneado pelos bancos, mas envolvendo as várias modalidades de instituições financeiras. O que esteve e está em jogo é a obtenção de economias de escala e de escopo, tornadas possíveis pela flexibilização das restrições 14

15 regulatórias antes incidentes sobre estes mercados. No caso das companhias de seguros, isto têm significado um fortalecimento considerável do canal bancário como leito privilegiado de comercialização de apólices, e a ocorrência de fusões e aquisições envolvendo instituições bancárias e seguradoras ( Falautano e Marsiglia, 2003). Mercados de seguros respondem por operações singulares, no sentido de que não encontram similares significativos na atuação de outros tipos de instituições. Isto implica que o arcabouço regulatório específico destes mercados deve ser capaz de prever os riscos que lhes são intrínsecos, e prover normas e procedimentos que atenuem as possibilidades de insolvência das companhias de seguros. Ademais, seguradoras são importantes investidores institucionais, e desempenham um papel destacado nos mercados de títulos e de ações. Além disso, têm sido parte integrante do processo de consolidação financeira que está recompondo as estruturas corporativas dos participantes dos mercados financeiros internacionais. Neste contexto, o atual processo de mudança de paradigmas regulatórios que se desenvolve em relação as corporações financeiras, deve respeitar as peculiaridades da atividade seguradora. De fato, as mudanças regulatórias próprias ao setor devem partir da identificação dos riscos inerentes à atividade e adicionar ainda normas que previnam riscos incorridos por seguradoras, mas que são comuns também as demais instituições financeiras. A identificação das peculiaridades dos riscos sofridos por seguradoras, e a avaliação da eficácia do paradigma regulatório que vem sendo desenhado para o setor, constituem o tema desta tese de doutorado. O primeiro capítulo traça um sucinto panorama das características das companhias de seguros e do mercado segurador. O segundo capítulo expõe o desempenho das companhias de seguros enquanto investidores institucionais, analisando ainda o papel das seguradoras nos novos mercados de transferência de riscos de crédito, tema este que tem chamado a atenção de organizações multilaterais como a OCDE (2001), o FMI (2002 e 2004) e a IAIS (2003). O terceiro capítulo abrange o processo de consolidação dos mercados financeiros, seus fatores propulsores e a tipologia de que se revestem as diferentes modalidades de fusões e aquisições. Em um segundo movimento, são descritos e analisados os efeitos deste fenômeno sobre a estrutura e o desempenho dos mercados de seguros em diferentes regiões e países. 15

16 O quarto capítulo recupera os principais riscos incidentes sobre as companhias de seguros, e, a partir da literatura especializada, sistematiza estes riscos e avalia a contribuição das seguradoras perante as instabilidades a que estão sujeitos os mercados financeiros internacionais. Tomando em consideração as conclusões do capítulo quarto, o quinto capítulo irá analisar as razões para que se desenvolva a regulação prudencial nos mercados de seguros, e exercitará uma avaliação acerca da eficácia dos novos instrumentos regulatórios ora em implementação nos diferentes mercados de seguros, dentre os quais o Brasil. 16

17 Capítulo 1: Características dos Mercados de Seguros 1.1 Introdução Neste capítulo são apresentadas as características fundamentais da atividade seguradora. É explicitada sua subdivisão em dois grandes ramos, sendo um constituído pelos seguros de vida e outro englobando aqueles destinados à preservação patrimonial, conhecidos no Brasil como seguros de ramos elementares. É ainda descrito o papel relevante desempenhado pelo resseguro, para o funcionamento das operações de cobertura de riscos, em particular aqueles riscos de maior valor e sobre os quais as seguradoras isoladas, muitas vezes, não dispõem de um volume suficiente de informações para formação de preços adequados aos riscos incorridos. Seguros de vida reúnem tanto o objetivo de assegurar um valor monetário aos beneficiários, quando do falecimento do titular da apólice, como constituem um instrumento de poupança, a qual recebe juros e pode ser sacada a qualquer tempo pelo titular. Sob o ponto de vista de sua condição de instrumento de poupança, os seguros de vida se subordinam às condições gerais da função poupança estabelecida por Keynes, e seus montantes crescem como função da renda nacional (e internacional). Quanto aos ramos elementares, a evolução no estoque de riqueza patrimonial, e o valor de que se revestem produtos incorporando componentes tecnológicos crescentes, contribuem para sua expansão. O papel desempenhado pelos vários mecanismos de crédito também estimula a indústria de seguros, seja pelo decorrente aumento na demanda de seguros de crédito, seja porque garantias dadas a empréstimos são elas próprias compulsoriamente sujeitas a seguros de bens. O aumento do produto em âmbito internacional, e o próprio crescimento do comércio entre países favorecem ainda a evolução dos montantes assegurados, tanto pelos seguros vinculados a transportes e cargas, como pela expansão dos seguros de crédito à exportação. A próxima seção trata das principais características da atividade seguradora, incluindo os aspectos conceituais que embasam a lógica das operações de cobertura de 17

18 risco. A terceira e quarta seções descrevem as diferentes modalidades de seguros de vida e de ramos elementares. A quinta seção se dedica à introdução do resseguro como elemento fundamental da lógica de funcionamento dos mercados de seguros, sendo seguida da sexta seção, com tratamento complementar ao mesmo tema. 1.2 Características gerais da atividade seguradora A atividade seguradora apresentou um quadro de expansão significativa no último decênio, quando tomamos por base sua participação no produto agregado internacional. A evolução dos valores relativos a aquisição de apólices de seguros está exposto na tabela apresentada abaixo. O Brasil também assiste em anos recentes a uma mudança de patamar no valor das transações relativas a aquisições de apólices de seguros. Em 1994 a atividade de seguros correspondia a 1,5% do Produto Interno Bruto, atingindo uma participação de 3,9% em Evolução do volume mundial de prêmios de seguro no último decênio ANO Volume total (US$ milhões) Vida Não- Vida Fonte: Swiss Re, publicações. Sigma, varias edições. Tanto internamente como no panorama internacional, as atividades das empresas de seguros se expandem também quanto ao aspecto de diferenciação de seus produtos, no contexto do que vem sendo chamado de indústria de serviços financeiros. Na qualidade de investidores institucionais, operam fortemente nos mercados de capitais, e 1 Incluem-se aqui os prêmios referentes aos seguros de saúde e acidentes 18

19 isto é particularmente verdadeiro nos mercados anglo-saxões; contudo, as alterações proporcionadas pelo novo marco institucional europeu, em particular a adoção de uma moeda única, têm sinalizado que, na União Européia, as empresas de seguros tendem a trilhar um papel de crescente importância como fornecedoras de crédito via mercado de títulos, replicando o processo já observado nos Estados Unidos da América. Os produtos de seguros podem ser considerados bens superiores, pois sua aquisição cresce mais que proporcionalmente aos acréscimos na renda. Quanto aos seguros destinados à preservação patrimonial, naturalmente seus valores refletem os próprios valores dos bens e equipamentos segurados, cujo montante é proporcional à renda e ao produto dos diferentes países. Quanto aos seguros de vida, seu componente de instrumento de poupança funciona como seria previsível teoricamente, considerandose a propensão a poupar função do nível de renda nacional. A distribuição dos negócios de seguros entre os diferentes países e regiões do mundo atestam esta característica do produto, como pode ser verificado no gráfico e na tabela mostrados a seguir. Arrecadação de Prêmios -Valores em US$ milhões Região Total América do Norte Europa Ocidental Japão Sul e Leste Asiático Oceania América Latina Europa Central e Oriental África Oriente Médio Fonte: Swiss Re chart room

20 Volume de Prêmios por Região em 2003 (em US$ milhões) 16,3% 0,4% 1,1% 1,2% 1,4% 1,5% 6,6% 33,6% 37,9% América do Norte Europa Ocidental Japão Sul e Leste Asiático Oceania América Latina Europa Central e Oriental Africa Oriente Médio Não obstante o desenvolvimento observado no setor segurador no Brasil e no Mundo, as operações específicas deste mercado apresentam um tratamento teórico ainda bastante rarefeito no que tange à ciência econômica, o que nos leva a procurar desvendar, nos parágrafos subseqüentes, suas características singulares e tomar, como ponto de partida, os próprios fundamentos da atividade. Isto se faz particularmente necessário perante a idiossincrasia de que se reveste, quer a terminologia utilizada, quer as concepções que são subjacentes ao uso de certos conceitos, que assumem conotação particular quando aplicados na esfera securitária. 20

21 Segundo a história econômica do seguro, em seus primórdios, o caráter de tratamento dado aos riscos incorridos baseava-se em critérios especulativos, e foi considerado por autoridades eclesiásticas como um jogo e, portanto, proibido. As cidades-estado italianas de Gênova e Veneza, exercendo intensa atividade mercantil marítima no despontar do Renascimento, foram o berço do que ficou conhecido como contrato de dinheiro a risco marítimo, o qual consistia em um empréstimo de determinado valor feito a proprietários de navios que partiam a negócios. O empréstimo e mais um prêmio sobre o dinheiro emprestado 2 seria ressarcido parcial ou integralmente, caso o navio chegasse ao porto, e o fizesse em condições adequadas 3. No ano de 1230, o Papa Gregório IX promulgou uma decretal que proibia a cobrança de juros sobre os empréstimos. Apesar de ter acarretado em poucas mudanças imediatas nesses tipos de contrato, tal promulgação forçou a evolução de suas formas, dando margem ao aparecimento das primeiras idéias colaboradoras para a instituição do seguro marítimo moderno. A evolução do sistema fez com que em 1309, em Gênova, fosse firmada, através de um decreto, a idéia de contrato, como um contrato de seguro de caráter inominado. O primeiro contrato de seguro que se tem registro formal foi feito em Gênova no ano de 1347, um contrato de seguro marítimo, apesar de haver indícios de documentos anteriores que também poderiam ser interpretados como um contrato de seguro marítimo (Ferreira, 1985). Em épocas posteriores, padrões de contratos um pouco mais evoluídos de seguros marítimos foram o esteio do desenvolvimento da atividade na Inglaterra, e a legendária Casa de Café de Edward Lloyd abrigou o mais antigo documento preservado de seguro marítimo, datado de Lloyd era proprietário de uma taberna em Londres, onde se reuniam os agentes de seguros de navios da cidade. Após estudar os costumes dos seus fregueses e viagens feitas pelos barcos que ancoravam no porto de Londres, em 1696, começou a publicar o Lloyd News, e posteriormente, o Lloyd List, transformando sua taberna no centro da atividade seguradora marítima. O êxito foi tão grande que, em 1727, constituiu-se em sua taberna uma sociedade conhecida com o 2 Nas operações de seguros chama-se prêmio o valor (ou valores) pago à seguradora pelo segurado. 3 A analogia com a emissão, por parte de seguradoras e resseguradoras, de bônus CAT bônus cujo pagamento está condicionado a não ocorrência de eventos catastróficos é facilmente perceptível e merece ser aqui assinalada. Tais bônus serão descritos em outro capítulo deste texto. 21

22 nome de LLOYD`S. Posteriormente, a taberna passou a ser chamada de Lloyd s Coffe House, e a sociedade estabelecida tornou-se a maior organização mundial de seguros. O Lloyd`s foi, e continua a ser, a instituição de seguradores individuais mais tradicional do mundo. Ela sempre teve como singularidade a ausência quase que completa de legislação; o contrato de seguro baseava-se principalmente nas cláusulas da apólice. A base especulativa da avaliação de riscos nas operações de seguros foi gradualmente suprimida com a incorporação de novos instrumentos de cálculo matemático, que deram à atividade uma feição de tratamento probabilístico dos riscos assumidos. A lei dos grandes números e, em especial, o tratamento da probabilidade da ocorrência de um evento tomando como parâmetro as freqüências relativas observadas, irão constituir o fundamento da atual instituição de seguros. A incorporação do cálculo probabilístico irá condicionar o tratamento conceitual dos riscos, e sua segregação teórica, segundo os cânones atuariais, em riscos especulativos e riscos puros. Tecnicamente, o risco puro só admite duas possibilidades, a saber, a ocorrência e a não ocorrência de uma perda. Já o risco especulativo admite três alternativas, a perda, a não perda e o ganho. Por dedução podemos afirmar que o risco especulativo é inerente à atividade empresarial, estando presente em qualquer iniciativa, por parte dos agentes econômicos, que tenha a pretensão de auferir ganhos monetários. Os diferentes tipos de riscos que teoricamente definem a atividade da firma são riscos incorridos no intuito de obter lucros. Já os riscos que se encontram no âmbito da atividade seguradora devem estar referidos à preservação patrimonial, e apresentarem características de aleatoriedade que não apenas permitam o tratamento probabilístico, mas inclusive afastem eventuais riscos morais que possam induzir a ação dos beneficiários da proteção oferecida pelas empresas de seguros. A definição de contrato de seguros afirma que se trata de uma operação que não visa a geração de ganhos por parte do segurado, mas a preservação de seu patrimônio ou de sua renda perante eventos aleatórios que possam vir a ocorrer e gerar prejuízos. Para que um risco venha a ser considerado como segurável ele deverá guardar as seguintes condições: ser possível, ser futuro, ser incerto, independer da vontade das partes contratantes, resultar de sua ocorrência um prejuízo e ser mensurável 22

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank CONSIDERANDO QUE: i) A empresa para a qual o MUTUÁRIO trabalha ( EMPREGADOR ) celebrou com o MUTUANTE (BANCO CITIBANK S.A.) Convênio

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS ATUARIAIS A Abono Anual: Pagamento da 13ª (décima terceira) parcela anual do benefício de renda continuada. Abono de Natal: (v. Abono Anual). Administrador Especial: Pessoa

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Estas são as condições gerais do Empréstimo, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições gerais, que serão aplicáveis durante todo o período

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2009 Altera dispositivos do Decreto-lei nº 261, de 28 de fevereiro de 1967, que dispõe sobre as sociedades de capitalização, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

O ISS e as tarifas bancárias

O ISS e as tarifas bancárias O ISS e as tarifas bancárias No jargão bancário, tarifa é a contrapartida de uma prestação de serviço, é a receita decorrente do serviço prestado. Por conseguinte, sempre que o Banco registra uma receita

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

Contratos de seguro. Um novo mundo para os seguros. Junho de 2013. kpmg.com/ifrs

Contratos de seguro. Um novo mundo para os seguros. Junho de 2013. kpmg.com/ifrs Contratos de seguro Um novo mundo para os seguros Junho de 2013 kpmg.com/ifrs Grandes esforços foram feitos pelo IASB para melhorar as propostas, abordando as principais preocupações dos participantes

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

PLANOS DE POUPANÇA Reembolso do valor do plano de poupança Transferência do plano de poupança Gestão dos planos de poupança Glossário

PLANOS DE POUPANÇA Reembolso do valor do plano de poupança Transferência do plano de poupança Gestão dos planos de poupança Glossário PLANOS DE POUPANÇA 1 PLANOS DE POUPANÇA 2 Que tipo de planos de poupança existem? 2 Sob que forma podem existir os fundos de poupança? 2 Reembolso do valor do plano de poupança 2 Em que casos é possível

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM 1.00.00.00-3 CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.02.00.00-2 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM AUTOR: GABRIEL LOPES DOS SANTOS FILIAÇÃO: CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Letras D, E e F. 3. Data de Concessão do Benefício: É a data prevista para o recebimento de Benefício.

Letras D, E e F. 3. Data de Concessão do Benefício: É a data prevista para o recebimento de Benefício. Letras D, E e F 1. Dano Moral Trabalhista: Dano causado por constrangimento moral oriundo de relação que tem por base um contrato de trabalho. Pode afetar tanto o empregado quanto o empregador. 2. Data

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO,

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO BENEFICIÁRIOS: entidades que em virtude de obrigação legal ou contratual sejam beneficiárias de uma obrigação de caucionar ou de afiançar, em que seja devido, designadamente,

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

IV - Bens e direitos que devem ser declarados

IV - Bens e direitos que devem ser declarados IV - Bens e direitos que devem ser declarados Regra geral, devem ser relacionados nessa ficha da Declaração a totalidade dos bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituam, em 31 de dezembro

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO EMPRESA DE SEGUROS Barclays Investimento Fundo Autónomo: Rendimento Nome: CNP Barclays Vida y Pensiones, Compañia de Seguros, S.A. - Agência Geral em Portugal; Endereço da Sede Social: Plaza de Cólon,

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações 1. Aplicação 1- As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Condições Particulares Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 0 ÍNDICES CONDIÇÕES PARTICULARES 1. OBJETO DO SEGURO 2 2. ESTIPULANTE 2 3. GRUPO SEGURÁVEL 2 4. GRUPO SEGURADO

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar?

Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Na sociedade atual, a lógica do mutualismo garante a sustentabilidade do sistema de saúde suplementar? Página 1 Conceitos Risco É um evento incerto cuja ocorrência tem um efeito negativo. Esse evento pode

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia

Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia Como a indústria de seguros, previdência complementar aberta e capitalização beneficia a economia 1 Glossário de siglas: Susep: Superintendência de Seguros Privados, órgão regulador do mercado de seguros

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Resgatável Versão Mai./12

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Resgatável Versão Mai./12 2 VIP RESGATÁVEL MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A que protege a sua família, caso algum imprevisto

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE BRADESCO PRIME

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE BRADESCO PRIME Vigência a partir de Fevereiro/2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE BRADESCO PRIME 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. O Programa de Fidelidade Bradesco Prime, a seguir simplesmente designado Programa de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO ESTRATÉGIA AGRESSIVA AÇÕES

SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO ESTRATÉGIA AGRESSIVA AÇÕES Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais