Roteiro para acompanhamento das aulas práticas de Histologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro para acompanhamento das aulas práticas de Histologia"

Transcrição

1 Departamento de Morfologia do Instituto de Ciências Biológicas Disciplina de Histologia e Embriologia VI 1º período de Medicina Professor Lúcio Henrique de Oliveira Roteiro para acompanhamento das aulas práticas de Histologia Recomendações importantes: O uso do jaleco é obrigatório durante as aulas práticas, (de preferência com identificação/placa no bolso indicando o nome do (a) acadêmico (a)). Levar um Atlas de Histologia (ex. Di Fiore) para utilizar durante as aulas práticas. Em cada bancada com três microscópios, há uma caixa de lâminas contendo uma coleção completa de cortes histológicos As lâminas a serem estudadas nas aulas práticas são explicadas antecipadamente em Microprojeções. Lembre-se de estudar as lâminas e seus tecidos em menor, médio e maior aumento; sempre iniciar a focalização pela objetiva de menor aumento. Durante as aulas práticas, os monitores auxiliam a identificação microscópica das estruturas. Quando encerrar a aula prática, lembre-se de guardar as lâminas devidamente nas caixas e cobrir o microscópio após certificar-se de tê-lo desligado. Tecidos Epiteliais: Vale destacar que os epitélios são divididos em dois grandes grupos: de revestimento e glandulares. No primeiro, a nomenclatura se baseia na forma das células (pavimentoso, cúbico, cilíndrico e misto), no número de camadas celulares (simples, estratificado, pseudo-estratificado) e na presença de especializações na membrana apical celular (cílios, microvilos, estereocilios). Os tecidos epiteliais glandulares são divididos em glândulas endócrinas (estudadas no segundo período) e glândulas exócrinas. As glândulas exócrinas são classificadas como simples quando possuem apenas um conduto excetor, ou compostas quando possuem dois ou mais condutos excretores; Além disso, são também classificadas de acordo com a forma do adenômero em tubulosas, acinosas, túbulo-acinosas, túbulo-alveolares, alveolares ramificadas ou túbulo-enoveladas. Um bom indicador da forma das células epiteliais de revestimento é o formato do núcleo: o núcleo da célula pavimentosa é plano ou achatado, da célula cúbica é mais arredondado ou esférico, enquanto o da célula cilíndrica é mais alongado verticalmente. Nos epitélios estratificados, a classificação baseia-se na forma das células das camadas mais superficiais. Como o tecido epitelial não é vascularizado haverá sempre um tecido conjuntivo subjacente. 1 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

2 Tecido Epitelial de Revestimento Exemplos de Localização Pavimentoso simples Pavimentoso estratificado não queratinizado Pavimentoso estratificado queratinizado de pele delgada (pele pilosa) Pavimentoso estratificado queratinizado de pele grossa (pele não pilosa) Cúbico simples Cúbico Estratificado Cilíndrico simples Cilíndrico simples com microvilos Cilíndrico simples ciliado e pseudoestratificado cilíndrico ciliado Cilíndrico simples com estereocílios e pseudoestratificado cilíndrico com estereocilios Cilíndrico estratificado Misto ou Transicional Cápsula de Bowman (Rim), Endotélio dos vasos sanguíneos, Folículos Ovarianos primordiais Mucosa labial, Mucosa da língua, Mucosa do esôfago, Mucosa vaginal Todo o revestimento cutâneo do organismo, exceto a palma das mãos e a planta dos pés. Palma das mãos e a planta dos pés Túbulos renais, Revestimento externo do ovário, folículos ovarianos unilaminares, ductos excretores de glândulas salivares Folículos ovarianos multilaminares e folículos maduros Revestimento do estômago Revestimento do duodeno (de todo o intestino delgado e grosso), revestimento da vesícula biliar Revestimento da tuba uterina, revestimento da traquéia e brônquios Revestimento do epidídimo e do ducto deferente Uretra esponjosa, grandes ductos excretores de glândulas salivares Revestimento do ureter e da bexiga Tecido Epitelial Glandular Exemplos de Localização Glândula Tubulosa Simples Glândula Tubulosa Ramificada Simples Glândula Tubulosa Enovelada Simples Glândula Alveolar Ramificada Simples Glândula Tubulosa Ramificada Composta Glândula Acinosa Composta Glândula Túbulo-Acinosa Composta Glândula Túbulo-Alveolar Composta Endométrio (fase proliferativa), Intestinos (Delgado e Grosso) Endométrio (fase secretora), Estômago Glândula sudorípara (Pele) Glândula sebácea (Pele) Duodeno (submucosa) Pâncreas, Parótidas Salivares (Submandibulares) Glândulas Mamárias, Próstata 2 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

3 Tecidos Conjuntivos: A ampla variedade de tecidos conjuntivos reflete a variação na composição e na quantidade de seus três componentes: células, fibras e substância fundamental amorfa. Os tecidos conjuntivos classificados como propriamente dito podem ser frouxo (poucas fibras, mais celular, mais frágil, mais espaços de rotura na lâmina) ou denso (muitas fibras, mais compacto, mais resistente). O denso pode ser modelado (fibras colágenas paralelas) ou não modelado (fibras colágenas dispersas em planos variados). Nos tecidos conjuntivos especiais, há algum componente que predomina (Elástico fibras elásticas; Reticular fibras reticulares; Adiposo células adiposas; Mucoso substância fundamental amorfa). Os tecidos ósseo e cartilaginoso, também denominados tecidos conjuntivos de sustentação, apresentam matriz extracelular rígida. A matriz do tecido cartilaginoso é constituída exclusivamente de matéria orgânica, enquanto que a matriz do tecido ósseo é mista, ou seja, constituída de matéria orgânica e mineral. Tecidos Musculares São três variedades histológicas: Tecido Muscular Liso; Tecido Muscular Estriado Esquelético; Tecido Muscular Estriado Cardíaco. 3 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

4 Observar: - Presença ou ausência de estrias transversais Liso (ausentes), Cardíaco e Esquelético (presentes). - Forma e tamanho das fibras musculares: Esquelético (grandes e longas), Cardíaco (grandes e ramificadas), Liso (pequenas e fusiformes) - Número de núcleos por célula: Liso (um núcleo), Cardíaco (um ou dois núcleos), Esquelético (vários núcleos) - Forma e localização dos núcleos: Liso e Cardíaco (centrais), Esquelético (periféricos) Tecido Nervoso Será estudado no segundo período Observações: O objetivo do aprendizado nas aulas práticas de Histologia no primeiro período, é o reconhecimento e a descrição CORRETA E COMPLETA dos TECIDOS e não ainda da anatomia microscópica dos órgãos. A partir do segundo período, as disciplinas de Histologia enfocam a anatomia microscópica dos órgãos e parte do princípio que todos os alunos já conhecem detalhadamente a estruturas dos tecidos constituintes. 4 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

5 Microprojeção 1 Relação de cortes histológicos a serem estudados: Lâminas 1 e 2 Lábio Lâmina 5 Esôfago Lâmina 7 e 8 Estômago e Duodeno Lâmina 9 Íleo Lâmina 14 Reto Lâmina 22 Traquéia Lâmina 48 Glândula Salivar Submandibular Lâmina 72 Polpa Digital Lâminas 1 e 2 - Lábio 1) Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado não queratinizado 2) Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado queratinizado de pele delgada 3) Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo e denso não modelado 4) Glândulas alveolares ramificadas simples (sebáceas) 5) Folículos pilosos 6) Tecido Muscular Estriado Esquelético Sobre a Lâmina: Contém corte transversal do lábio. O lábio apresenta duas regiões distintas: a porção mais externa é revestida por Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado queratinizado de pele delgada e a porção mais interna é revestida por Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado não queratinizado (mucosa labial). Na porção de pele, observa-se a presença de glândulas sebáceas e folículos pilosos no tecido conjuntivo subjacente. Em ambas as porções, observa-se mais profundamente a presença de tecido muscular estriado esquelético (a maioria das fibras no corte transversal) Lâmina 5 Esôfago 1) Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado não queratinizado 3) Tecido Muscular Liso 4) Tecido Muscular Estriado Esquelético Sobre a Lâmina: A camada muscular do esôfago pode apresentar tecido muscular liso, tecido muscular estriado esquelético ou ambos, dependendo da região onde foi feito o corte. 5 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

6 Lâminas 7 e 8 Estômago e Duodeno Estas lâminas contêm cortes histológicos dos dois órgãos. Tecidos a serem identificados na porção correspondente ao estômago: 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Simples 3) Tecido Epitelial Glandular: Glândula Tubulosa Ramificada Simples 4) Tecido Muscular Liso Microscopicamente, a mucosa gástrica contém invaginações (criptas gástricas ou fossetas gástricas) revestidas por epitélio de revestimento cilíndrico simples. Estas células são secretoras de muco e apóiam-se em um tecido conjuntivo propriamente dito frouxo, onde são observadas as glândulas com algumas fibras esparsas de tecido muscular liso. Mais profundamente as camadas musculares mais definidas formam o principal tecido da parede do estômago. Tecidos a serem identificados na porção correspondente ao duodeno: 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Simples com microvilos 3) Tecido Epitelial Glandular: Glândula Tubulosa Simples 4) Tecido Epitelial Glandular:Glândula Tubulosa Ramificada Composta 5) Tecido muscular Liso A superfície interna do duodeno apresenta projeções digitiformes que são chamadas de vilos ou vilosidades intestinais. Microscopicamente essa vilosidades são revestidas pelo epitélio de revestimento cilíndrico simples com microvilos que aparecem na microscopia óptica como uma linha de contorno superficial com aspecto mais espesso e birrefringente (brilha com o movimento do botão micrométrico), sendo denominado borda em escova ou borda estriada. Abaixo do epitélio encontram-se glândulas tubulosas simples e tecido conjuntivo frouxo. Na camada submucosa (camada de tecido conjuntivo mais profunda, abaixo de uma delgada camada de tecido muscular liso da mucosa) há as glândulas tubulosas ramificadas compostas secretoras de um fluido alcalinizante. A parede do órgão é constituída de tecido muscular liso. Lâmina 9 - Íleo Tecidos a serem identificados na porção correspondente ao íleo: 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Simples com microvilos 3) Tecido Epitelial Glandular: Glândula Tubulosa Simples 4) Células caliciformes 5) Tecido muscular Liso A superfície interna do íleo apresenta vilosidades intestinais. Microscopicamente essa vilosidades são revestidas pelo epitélio de revestimento cilíndrico simples com microvilos (semelhante ao duodeno). Abaixo do epitélio encontram-se glândulas tubulosas simples com numerosas células caliciformes e tecido conjuntivo frouxo. A parede do órgão é constituída de tecido muscular liso. 6 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

7 Lâmina 14 - Reto 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Simples com microvilos 3) Tecido Epitelial Glandular: Glândula Tubulosa Simples com numerosas células caliciformes 4) Tecido Muscular Liso Revestindo a luz encontra-se o epitélio cilíndrico simples com microvilos apoiado no tecido conjuntivo propriamente dito contendo numerosas glândulas tubulosas simples com células caliciformes. Na camada mais externa vê-se o tecido muscular liso. Lâmina 22 Traquéia A lâmina 22 é constituída pelas estruturas correspondente a um corte transversal do pescoço. Deste modo, além da traquéia são identificadas estruturas como o esôfago e a tireóide. A traquéia é de fácil identificação, visto que sua luz é bem maior do que a luz do esôfago. Tecidos a serem observados: 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Pseudo-Estratificado Ciliado 3) Tecido Cartilaginoso: Cartilagem Hialina mostrando pericôndrio, condroblastos, condrócitos e matriz cartilaginosa territorial e inter-territorial. A traquéia é revestida internamente por um Epitélio de Revestimento Cilíndrico Pseudo-Estratificado Ciliado, apresentando também células produtoras de muco, o qual é movimentado devido ao batimento ciliar. Este apóia-se em um Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo Subjacente, abaixo do qual se encontra a Cartilagem Hialina. Lâmina 48 Glândula Salivar Submandibular 1) Tecido Epitelial Glandular: Glândula Túbulo-Acinosa Composta (células secretoras organizadas em ácinos, que podem ser: serosos, mucosos ou mistos) 2) Tecido Epitelial de Revestimento Cúbico Simples (presente nos ductos) 3) Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo Sobre a Lâmina: É importante saber identificar os ácinos que a compõe, sendo eles: serosos (mais corados, menores, com núcleos esféricos centrais e mais numerosos), mucosos (menos corados, maiores e com núcleos achatados periféricos) e mistos (possuem os dois tipos de células). Os ductos coletores das secreções glandulares são revestidos internamente por tecido epitelial de revestimento cúbico simples (embora esse revestimento possa variar de pavimentoso a cilíndrico). Além disso, pode ser identificado, principalmente próximo aos ductos e entre os lóbulos da glândula, tecido conjuntivo propriamente dito frouxo. 7 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

8 Lâminas 72 e 73 Pele da Polpa Digital (HE) 1) Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado Queratinizado de Pele Grossa e Denso Não-Modelado 3) Tecido Conjuntivo Especial Adiposo Unilocular 4) Tecido Epitelial Glandular: Glândula Túbulo-enovelada (= Túbulo-glomerular) simples é a glândula sudorípara Sobre a Lâmina: Reaparecem estruturas conhecidas da porção de pele delgada da lâmina de lábio, com a diferença de não existir pelos nem glândulas sebáceas na palma da mão. Outra peculiaridade é a classificação do tecido epitelial, que passa a ser de pele grossa, visto a abundância de queratina na camada córnea (é mais espessa que todas as outras camadas da epiderme juntas). Note também que na derme existem estruturas vasculares e nervosas. 8 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

9 Microprojeção 2 Relação de cortes histológicos a serem estudados: Lâmina 21 Aorta Lâmina 27 Rim Lâmina 28 Ureter Lâminas 42 e 43 Hipófise Lâmina 61 Linfonodo Lâmina 71 Tendão Lâmina 79 Cordão Umbilical Lâmina 20 e 21 Aorta (Hematoxilina-Eosina e Método de Weigert) A lâmina 20 foi corada pelo método da Hematoxilina-Eosina e a lâmina 21 foi corada pelo método de Weigert específico para fibras elásticas. 1) Túnica Íntima: Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Simples 2) Túnica Média: Tecido Conjuntivo Especial Elástico e Tecido Muscular Liso 3) Túnica Adventícia: Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo e pode haver Tecido Conjuntivo Especial Adiposo Unilocular A lâmina 21 é mostrada para destacar o Tecido Conjuntivo Especial Elástico, que apresenta tonalidade semelhante a do mel e as fibras aparecem amarronzadas. Lâmina 27 Rim (HE) 1) Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Denso Modelado Fibroso (cápsula renal) 2) Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Simples (cápsula de Bowmann) 3) Tecido Epitelial de Revestimento Cúbico Simples (túbulos renais) Cada rim é constituído pela cápsula, pela zona cortical e pela zona medular. A cápsula renal envolve todo o órgão, constituindo-se de Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Denso Modelado Fibroso. O córtex renal compreende a parte mais periférica do rim, na qual são encontrados glomérulos renais e túbulos renais. O glomérulo é uma estrutura circular ao redor da qual está presente o espaço de Bowmann, sendo este envolvido pela cápsula de Bowmann, formada por Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Simples. Entre os vários glomérulos visualizados no corte histológico de rim podem ser observados os túbulos renais, compostos de Tecido Epitelial de Revestimento Cúbico Simples. A medula renal é a região mais interna do órgão na qual estão presentes apenas os túbulos renais, sendo estes formados por Tecido Epitelial de Revestimento Cúbico Simples, na maioria dos casos. 9 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

10 Lamina 28 Ureter (HE) 1) Tecido Epitelial de Revestimento Estratificado Misto ou de Transição (Urotélio) 3) Tecido Muscular Liso O ureter é o órgão responsável pela condução da urina do rim à bexiga. È revestido internamente por um Tecido Epitelial de Revestimento Estratificado Misto ou Transicional, típico das vias urinárias, cujas células variam de formado dependendo da distensão do órgão. Este se apoia sobre uma lâmina própria de Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo, no qual podem ser observados capilares sanguíneos. Externamente a lâmina própria está presente uma camada de músculo liso, a qual apresenta papel imprescindível na condução da urina devido aos seus movimentos peristálticos. Envolvendo a camada muscular, observa-se ainda a camada adventícia, formada por Tecido Conjuntivo Frouxo. Lamina 42 e 43 Hipófise Tecido a ser identificado: 1) Tecido Conjuntivo Propriamente dito denso modelado fibroso A hipófise é envolvida externamente por uma cápsula fibrosa de tecido conjuntivo rico em fibras colágenas paralelas. Lâmina 53 Linfonodo (Método Verhoeff) O método de coloração Verhoeff é específico para fibras reticulares. 1) Tecido Conjuntivo Especial Reticular O tecido reticular forma uma rede tridimensional constituída por fibras reticulares que aparecem em cor negra com aspecto de teia ou rede. Lâmina 71 Tendão (HE) 1) Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Denso Modelado Tendinoso 2) Tecido Muscular Estriado Esquelético Sobre a Lâmina: Uma forma de diferenciação entre os dois tecidos é a coloração mais intensa e a presença de núcleos achatados e periféricos no tecido muscular esquelético. O tecido conjuntivo denso modelado tendinoso apresenta os feixes colágenos orientados, segundo uma orientação fixa, com pouca coloração e escassez de núcleos celulares. 10 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

11 Lâmina 79 Cordão Umbilical (HE) 1) Tecido Conjuntivo Especial Mucoso (envolvendo os três vasos sanguíneos) 2) Tecido Muscular Liso (localizado na parede dos vasos sanguíneos) São observados três grandes vasos sanguíneos, sendo duas artérias e uma veia, os quais estão envolvidos por Tecido Conjuntivo Especial Mucoso. As artérias e a veia apresentam tecido muscular liso em sua parede. 11 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

12 Microprojeção 3 Relação de cortes histológicos a serem estudados: Lâmina 4 Língua Lâminas 23 Osso Compacto (técnica de descalcificação e tricrômio) Lâmina 62 Orelha (HE) Lâmina 63 Orelha (coloração específica) Lâminas 65 e 66 Coração Lâmina 69 Osteogênese Endocondral Lâminas 70 Osso Compacto (técnica de desgaste) Lâmina 4 Língua (HE) 1) Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado não queratinizado 3) Tecido Muscular Estriado Esquelético. 4) Pode conter Tecido Conjuntivo Especial Adiposo Unilocular Sobre a Lâmina: Corte transversal de língua com revestimento de tecido epitelial de revestimento pavimentoso estratificado não queratinizado. Sua face dorsal possui um contorno irregular bastante característico, sendo que as elevações da superfície correspondem às papilas linguais. Internamente, nota-se tecido conjuntivo propriamente dito frouxo em uma camada de tonalidade mais clara e numerosos feixes de tecido muscular estriado esquelético em vários planos de corte. Lâmina 23 e 70 Osso Compacto A lâmina 23 é preparada por descalcificação e coloração por um método de tricômio. A lâmina 70 é preparada por desgaste e não é corada 1) Tecido ósseo secundário mostrando os sistemas de Havers: canais de Havers, lacunas de osteócitos (também chamadas de osteoplastos) com canalículos e lamelas ósseas concêntricas 2) Eventualmente podem aparecer canais de Volkmann 3) Sistemas circunferenciais externo, interno e intermediário Sobre a Lâmina: Essas lâminas contém cortes histológicos das diáfises do osso longo apresentando os aspectos principais do tecido ósseo secundário ou Haversiano. O sistema de Havers é constituído por um cilindro longo, às vezes, bifurcado, paralelo à diáfise e formado por 4 a 20 lamelas ósseas concêntricas. No centro desse cilindro, existe um canal que contém vasos e nervos. Os canais de Havers comunicam-se entre si, com a cavidade medular e com a superfície externa do osso por meio de canais transversais ou oblíquos, os canais de Volkmann. 12 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

13 Lâminas 62 e 63 Orelha A lâmina 62 é corada pelo HE e a lâmina 63, pelo Verhoeff (corante específico para fibras elásticas). 1) Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado Queratinizado de pele Delgada e Denso Não Modelado 3) Tecido Epitelial Glandular: Glândula Alveolar Ramificada Simples (glândula sebácea) + Folículo Piloso 4) Tecido Conjuntivo Especial Cartilaginoso: Cartilagem Elástica mostrando pericôndrio, condroblastos, condrócitos e matriz cartilaginosa com grande quantidade de fibras elásticas 5) Tecido Conjuntivo Especial Adiposo Unilocular A orelha é revestida externamente por pele, constituída por Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado Queratinizado de pele Delgada, o qual se apóia sobre uma lâmina própria de Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo e Denso Não Modelado. Observa-se a presença de unidades pilo sebáceas imersas no tecido conjuntivo, além de Tecido Conjuntivo Especial Adiposo Unilocular. A elasticidade da orelha devese à presença da Cartilagem Elástica, rica em fibras elásticas (bem vistas na lâmina 63). Lâmina 65 e 66 Coração (HE) Tecido a ser identificado: 1) Tecido Muscular Estriado cardíaco Esse tecido apresenta estriações transversais semelhantes as do músculo esquelético, mas, ao contrário das fibras esqueléticas que são longas e multinucleadas, as fibras cardíacas são ramificadas e possuem apenas um ou dois núcleos centralmente localizados. Uma característica exclusiva do músculo cardíaco é a presença dos discos intercalares que conectam suas fibras e apresentam-se como linhas transversais fortemente coráveis. Lâmina 69 Osteogênese Endocondral (HE) 1) Zona de Cartilagem Hialina em Repouso envolvida externamente por pericôndrio. 2) Zona de Cartilagem Seriada (os Condrócitos se multiplicam por mitoses formando, sucessivamente, fileiras seriadas) 3) Zona de Cartilagem Hipertrófica (os Condrócitos, após sucessivas mitoses, se tornam volumosos pelo acúmulo de glicogênio e lipídios no seu citoplasma) 4) Zona de Cartilagem Calcificada (a matriz cartilaginosa se calcifica impedindo a difusão de nutrientes, fato que leva à morte dos condrócitos, deixando as lacunas vazias, separadas por finos tabiques de cartilagem calcificada) 5) Zona de ossificação com espículas ósseas (essa é a zona que se forma o tecido ósseo. Capilares sanguíneos e células osteogênicas invadem as cavidades deixadas pela reabsorção de condrócitos mortos. As células osteogênicas dão origem a osteoblastos, que sintetizam tecido ósseo sobre os restos de matriz cartilaginosa calcificada. Externamente observa-se o periósteo. 13 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

14 Microprojeção 4 Relação de cortes histológicos a serem estudados: Lâmina 38 Ovário Lâmina 39 Tuba Uterina Lâmina 40 Útero fase secretora Lâminas 67 Útero fase proliferativa Lâmina 47 Glândula Mamária Lâmina 38 Ovário (Hematoxilina-Eosina) 1) Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Simples 2) Tecido Epitelial de Revestimento Cúbico Simples 3) Tecido Epitelial de Revestimento Cúbico Estratificado 4) Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo O ovário é a gônada feminina. É revestido externamente por tecido epitelial de revestimento cúbico simples. Abaixo do epitélio, observa-se o córtex do ovário (camada mais externa) onde estão os folículos ovarianos em vários estágios de maturação. Os folículos ovarianos compreendem ovócitos envolvidos por uma ou mais camadas de células epiteliais. Estágios de maturação dos folículos: folículo primordial (apresenta o ovócito envolvido por uma camada de tecido epitelial de revestimento pavimentoso simples); folículo primário unilaminar (possui o ovócito envolvido por uma camada de tecido epitelial de revestimento cúbico simples); folículo primário multilaminar (o ovócito é envolvido duas ou mais camadas de tecido epitelial de revestimento cúbico); folículo maduro (O ovócito é envolvido por várias camadas de tecido epitelial de revestimento cúbico e observa-se uma ampla cavidade o antro folicular. A região mais interna do ovário é a região medular e contém tecido conjuntivo propriamente dito frouxo, além de vários vasos sanguíneos revestido por endotélio (tecido epitelial de revestimento pavimentoso simples. Lâmina 39 Tuba Uterina (Hematoxilina-Eosina) 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Simples Ciliado 2) Tecido Epitelial de Revestimento Pseudo-Estratificado Cilíndrico Ciliado 3) Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo 4) Tecido Muscular Liso O corte de tuba uterina mostra em sua região mais interna dobras ou pregas, que são numerosas e apresentam aspecto labiríntico. O tecido que reveste essa mucosa pode ser tecido epitelial de revestimento cilíndrico simples ciliado ou pseudoestratificado ciliado, sendo que o limite entre estes não é diferenciado com precisão. Observa-se também a lâmina própria desse epitélio, formada por tecido conjuntivo propriamente dito frouxo e a camada de tecido muscular liso externa que forma a parede desse órgão. 14 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

15 Lâmina 67 Útero: fase proliferativa (HE) 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Simples (em contato com a luz do órgão) 2) Tecido Epitelial Glandular: Glândulas Tubulosas Simples (predominantes) 3) Tecido Muscular Liso Lâmina 40 Útero: fase secretora (HE) 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Simples (em contato com a luz do órgão) 2) Tecido Epitelial Glandular: Glândulas Tubulosas Ramificadas Simples (predominantes) 3) Tecido Muscular Liso Sobre as lâminas 67 e 40: O útero é revestido por uma mucosa, o endométrio, constituído de tecido epitelial cilíndrico simples apoiado em tecido conjuntivo muito vascularizado e rico em glândulas tubulosas que se modificam de acordo com a fase do ciclo ovulatório feminino, por influências hormonais (*). A camada muscular, o miométrio, é formada por tecido muscular liso com fibras dispostas em várias direções, e constitui uma parede bem espessa. (*): Na lâmina 67, fase proliferativa, as glândulas tubulosas simples possuem aspecto regular, com contorno arredondado ou oblíquo dependendo do plano de corte), com luz pequena, sem secreção. (*): Na lâmina 40, fase secretora, observa-se glândulas tubulosas ramificadas simples, que apresentam aspecto irregular, com contorno tortuoso e luz com presença de secreção. Entre as glândulas também há maior número de vasos sanguíneos nesta fase. Lâmina 47 Glândula Mamária (Método Tricrômio de Gomory) 1) Tecido Epitelial de Revestimento Pavimentoso Estratificado Queratinizado de Pele Delgada e Denso Não-Modelado 3) Tecido Epitelial Glandular: Glândula Túbulo-Alveolar Composta O revestimento externo da mama é constituído de pele delgada com todos os seus componentes já estudados. Observa-se o mamilo com os ductos galactóforos. O tecido conjuntivo propriamente dito se destaca pelo método de coloração, que cora as fibras colágenas em tonalidade verde-azulada. Mergulhados no tecido conjuntivo da mama, a Glândula Mamária é seu principal constituinte e se classifica histologicamente como uma Glândula Túbulo-Alveolar Composta, mostrando em sua estrutura os diversos alvéolos que a compõem. Os alvéolos encontram-se cheios de secreção em sua maioria (conteúdo corado em tom vermelho-vinho), mas alguns alvéolos apresentam-se vazios. 15 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

16 Microprojeção 5 Relação de cortes histológicos a serem estudados: Lâmina 30 Testículo Lâmina 33 Epidídimo Lâmina 34 Canal Deferente Lâminas 36 Próstata Lâminas 30 e 31 Testículos (Hematoxilina-Eosina) 1) Túbulos Seminíferos - células da linhagem espermatogênica 3) Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Denso Modelado Fibroso Os testículos são envolvidos externamente por uma cápsula constituída por tecido conjuntivo propriamente dito denso modelado fibroso, chamada túnica albugínea que emite septos para o interior dessas gônadas. Os espermatozóides são produzidos nos testículos, em estruturas circulares observadas nas lâminas, os túbulos seminíferos. Podem ser observados flagelos de espermatozóides que projetam-se na luz do túbulo. Entre os túbulos seminíferos há o interstício testicular, formado por tecido conjuntivo propriamente dito frouxo. Lâmina 33 Epidídimo (HE) 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Pseudoestratificado com Estereocílios 2) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Simples com Estereocílios 3) Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Frouxo O epidídimo é um tubo único altamente enovelado responsável pelo armazenamento e transporte dos espermatozóides. Queremos destacar nessa lâmina o epitélio de revestimento do epidídimo que pode ser cilíndrico pseudoestratificado ou simples (podem se alternar), ambos com estereocílios. No espaço entre os cortes tubulares do epidídimo está o tecido conjuntivo propriamente dito frouxo. Pode-se observar também a presença de espermatozóides na luz dos túbulos. Dependendo do corte pode ser visto o tecido conjuntivo propriamente dito denso modelado fibroso separando o testículo do epidídimo. Lâmina 34 Canal Deferente 1) Tecido Epitelial de Revestimento Cilíndrico Pseudoestratificado com Estereocílios 3) Tecido Muscular Liso 16 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

17 O canal deferente é o ducto que se segue ao epidídimo e se destaca por sua camada de tecido muscular liso muito espessa, responsável pelas contrações musculares que expulsam o sêmen durante a ejaculação. A mucosa é pregueada e revestida pelo epitélio de revestimento cilíndrico pseudoestratificado com estereocílios apoiado em fina camada de tecido conjuntivo frouxo. Lâmina 36 Próstata (HE) 1) Tecido Epitelial Glandular: Glândulas Túbulo-Alveolares Compostas 2) Tecido Conjuntivo Propriamente Dito Denso Modelado Fibroso (cápsula fibro-elástica) A próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino responsável pela secreção de importantes componentes do sêmen, os quais irão auxiliar na motilidade e vitalidade dos espermatozóides. A próstata se classifica como glândula túbulo-alveolar composta. É importante observar também a cápsula fibroelástica que envolve a próstata, constituída de tecido conjuntivo propriamente dito denso modelado fibroso, rica em músculo liso. Essa cápsula envia septos que penetram na glândula e a divide em lóbulos. 17 Professor Lúcio Henrique de Oliveira

ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I. Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca

ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I. Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca EPITÉLIOS DE REVESTIMENTO 1- PARTICULARIDADES DO TECIDO EPITELIAL 1.1- Membrana basal 1.2- Especializações da membrana

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO www.iaci.com.br BIOLOGIA Iaci Belo EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO Células justapostas com pouco material intercelular Ausência de vasos sanguíneos ou nervos Funções de revestimento e secreção NARINAS

Leia mais

TECIDOS EPITELIAIS DE REVESTIMENTO. 2. Tecido epitelial pseudoestratificado cilíndrico ciliado. Material: Traquéia.

TECIDOS EPITELIAIS DE REVESTIMENTO. 2. Tecido epitelial pseudoestratificado cilíndrico ciliado. Material: Traquéia. TECIDOS EPITELIAIS DE REVESTIMENTO 1. Tecido epitelial cilíndrico simples a) Intestino delgado b) vesícula biliar 2. Tecido epitelial pseudoestratificado cilíndrico ciliado. Material: Traquéia. 3. Tecido

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

Seleção para Monitoria em Histologia / GABARITO

Seleção para Monitoria em Histologia / GABARITO FEPECS Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde ESCS - Escola Superior de Ciências da Saúde Seleção para Monitoria em Histologia / GABARITO Data: 14 de abril de 2015 Estudante / matrícula: 1.

Leia mais

Organismo. Sistemas. Órgãos. Tecidos. Células

Organismo. Sistemas. Órgãos. Tecidos. Células Organismo Sistemas Órgãos Tecidos Células Histologia animal O ramo da ciência que estuda os tecidos é a Histologia (histo= tecido; logia=estudo). A célula-ovo contém toda a informação genética do futuro

Leia mais

Histologia Animal. Prof. Milton

Histologia Animal. Prof. Milton Histologia Animal Prof. Milton Origem: Ectoderme Tecido Epitelial Características Gerais: Células justapostas Células poliédricas Células lábeis ( E! ) Ausência de substância Intersticial ( Matriz ) Avascular

Leia mais

C O NJUNTIVO D I C E T

C O NJUNTIVO D I C E T C NJUNTIVO TECIDO ORIGEM EMBRIONÁRIA Mesoderma OBS.: Os tecidos conjuntivos da cabeça se originam das células das cristas neurais (neuroectoderma). CARACTERISTICAS MORFOLÓGICAS Formado por inúmeros tipos

Leia mais

1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito. Tecido conjuntivo frouxo areolar

1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito. Tecido conjuntivo frouxo areolar Material: esôfago Técnica: HE 1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito Tecido conjuntivo frouxo areolar Observação com aumento total de 100x: Observe que o esôfago apresenta uma luz irregular

Leia mais

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula:

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula: TECIDO EPITELIAL Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo Característica principal: Células justapostas, permitindo a existência de pouco material

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO Daniela Brum Anatomia do Sistema Urinário Rins Ureteres Bexiga Uretra Sistema Urinário - Funções Filtrar o sangue removem, armazenam e transportam produtos residuais meio

Leia mais

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br Como citar este documento: Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. Disponível em:, acesso em: (coloque a data aqui). ROTEIRO PARA AULA PRÁTICA DE HISTOLOGIA BÁSICA Roteiro de

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL ANIMAL Módulo 12 Página 15 à 36 FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS TECIDOS = Conjunto

Leia mais

DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE

DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE Prof. Thais Regina Silva Domingues DISCIPLINA BIOLOGIA APLICADA ESCOLA NOVAERENSE Thais Regina Silva Domingues Enfermeira da Estratégia Saúde da Família Pós-Graduanda

Leia mais

INSTITUTO DOM FERNANDO GOMES APOSTILA DE BIOLOGIA (IV UNIDADE)

INSTITUTO DOM FERNANDO GOMES APOSTILA DE BIOLOGIA (IV UNIDADE) INSTITUTO DOM FERNANDO GOMES ALUNO (A): PROFESSOR (A): Rubiana SÉRIE: 9ºano APOSTILA DE BIOLOGIA (IV UNIDADE) Histologia é a ciência que estuda os tecidos do corpo humano, sua anatomia microscópica e sua

Leia mais

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função.

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal multicelularidade parazoários eumetazoários tecido conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal Nos vertebrados, quatro tipos principais:

Leia mais

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Anteriormente... Zigoto Mórula Blástula Gástrula Neurula Organogênese Anexos embrionários Gêmeos Dos

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 1ª TURMA(S):

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Ciências da Saúde Departamento de Biomorfologia Disciplina de Histologia II

Universidade Federal da Bahia Instituto de Ciências da Saúde Departamento de Biomorfologia Disciplina de Histologia II Universidade Federal da Bahia Instituto de Ciências da Saúde Departamento de Biomorfologia Disciplina de Histologia II ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS 1º SEMESTRE *** RELAÇÃO DAS LÂMINAS*** Aluno: Turma prática:

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema Tecido Conjuntivo Prof Leonardo M. Crema Variedades de Tecido Conjuntivo Propriamente dito (frouxo, denso modelado e não modelado) Com propriedades especiais (tecido elástico, reticular, adiposo, mielóide,

Leia mais

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA Tecidos: Células justapostas, nas quais o material intersticial é escasso ou inexistente. TECIDOS EPITELIAIS FUNÇÕES: PROTEÇÃO ABSORÇÃO E SECREÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PERCEPÇÃO

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo TECIDO CONJUNTIVO Embrionário - Conjuntivo Propriamente Dito - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo Origem Embrionária Mesoderma Células Mesenquimais Funções Gerais Fornecer suporte estrutural

Leia mais

As glândulas se originam das células epiteliais e possuem a função de síntese, armazenamento e secreção.

As glândulas se originam das células epiteliais e possuem a função de síntese, armazenamento e secreção. EPITÉLIO GLANDULAR As glândulas se originam das células epiteliais e possuem a função de síntese, armazenamento e secreção. Composição das secreções glandulares: Proteínas: pâncreas Carboidratos: célula

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Reprodutor Masculino

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Reprodutor Masculino ACERVO DIGITAL FASE II Histologia do Sistema Reprodutor Masculino I-Testículo Material: Testículo Maduro Método: HE Observação com aumento total de 40x: Neste aumento são observados os túbulos seminíferos

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Sangue Nesta lâmina observa-se um esfregaço de sangue, que constitui um tipo de tecido conjuntivo fluído constituído por células emersas em matriz extracelular plasma. O plasma é uma solução aquosa de

Leia mais

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares:

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: Capítulo 1: Parte 3 1 II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: O epitélio que participa principalmente da secreção está geralmente disposto em estruturas denominadas glândulas. As substâncias

Leia mais

Prof. Dr. José Gomes Pereira

Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. Considerações preliminares Série: órgãos tubulares e glandulares 1.1. Funções estruturas modificadas e especializadas Ingestão Mastigação Deglutição Digestão Absorção Eliminação

Leia mais

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS 1. Glândula sudorípara na pele grossa. 2. Glândula sebácea + sudorípara na pele fina. 3. Acinos serosos + ductos na parótida 4. Acinos mucosos e mistos

Leia mais

Tecido Epitelial Glandular

Tecido Epitelial Glandular Tecido Epitelial Glandular Revestimento Glandular Tecido epitelial É constituído por células epiteliais especializadas na atividade de secreção As moléculas a serem secretadas são armazenadas em grânulos

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas UNIVERSIDADE DE CUIABÁ NÚCLEO DE DISCIPLINAS INTEGRADAS DISCIPLINA: CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS I Considerações Gerais sobre HISTOLOGIA Professores: Ricardo, Lillian, Darléia e Clarissa UNIVERSIDADE DE CUIABÁ

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS RECUPERAÇÃO SEMESTRAL 3º Ano do Ensino Médio Disciplina: Biologia 1. Para os estudiosos, a manifestação de "... vida..." deve-se a características, tais como: ( ) uma composição química

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Qual é a Menor Unidade Viva? Célula Qual é a Menor Unidade Viva? Tecidos Órgãos Aparelhos Sistemas Célula Células Tecidos Órgãos Sistemas ou Aparelhos Sistemas ou

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO Aparelho Reprodutor Masculino 250 (partem septos fibrosos) TESTÍCULOS Ä Funções: produzir espermatozóides e hormônio (testosterona) Ä Desenvolvem-se dentro da cavidade abdominal,

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS 1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS Unidade IV Estudo dos tecidos. 2 Aula 13.1 Conteúdo Tecido Conjuntivo I. 3 Habilidade Conhecer as características e as funções do tecido

Leia mais

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse.

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse. BIO 8E aula 22 22.01. O tecido epitelial de revestimento é pobre em substância intercelular e avascular. Existe também o tecido epitelial glandular que é derivado do tecido epitelial de revestimento. O

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

Tecido conjuntivo 1º ano Pró Madá Componentes da matriz extracelular A matriz é uma massa amorfa, de aspecto gelatinoso e transparente. É constituída principalmente por água e glicoproteínas e uma parte

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo Tecido Conjuntivo Tecido com diversos tipos de células c separadas por abundante material intercelular sintetizado por elas. - Origem: mesênquima (derivado do mesoderma); conjuntivo Coloração depende muito

Leia mais

Nome: _. Turma: 1º módulo _. CEDUP Curso Técnico em Análises Clínicas Disciplina: Histologia Módulo I Professora Giseli Trento Andrade e Silva

Nome: _. Turma: 1º módulo _. CEDUP Curso Técnico em Análises Clínicas Disciplina: Histologia Módulo I Professora Giseli Trento Andrade e Silva 1 Histologia CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ABÍLIO PAULO CRICIÚMA SC CURSO: TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS DISCIPLINA: HISTOLOGIA - MÓDULO I OBJETIVO GERAL Conhecer os tecidos para estabelecer relações

Leia mais

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade.

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade. 1. Tecido Ósseo Compacto desgastado Material: Diáfise de osso em corte transversal Técnica: Desgaste com a utilização de disco de Carborundum Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos

Leia mais

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula ORIGEM EMBRIONÁRIA A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula A- Radiata Mesoderme se forma a partir de células invasoras da endoderme (Equinodermatas)

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Juiz de Fora / MG - 2009 Autoras PROFª. MARIA ELIZABETH M.N. MARTINS PROFª. MARIA CHRISTINA M.N. CASTAÑON Juiz de Fora/MG

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Sistema Respiratório Capítulo 9

Sistema Respiratório Capítulo 9 Sistema Respiratório Capítulo 9 1 FUNÇÕES O sistema respiratório permite o transporte do O 2 para o sangue, a fim de ser distribuído para as células, e a retirada do CO 2, dejeto do metabolismo celular,

Leia mais

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos HISTOLOGIA No ovário identificamos duas porções distintas: a medula do ovário, que é constituída por tecido conjuntivo frouxo, rico em vasos sangüíneos, célula hilares (intersticiais), e a córtex do ovário,

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA DIGESTÓRIO Glândulas Anexas Salivares Fígado Pâncreas exócrino Vesícula biliar I. Glândulas Salivares 1. Considerações Gerais Origem: ectodérmica

Leia mais

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano.

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano. Anatomia Humana Sistema Esquelético Ed. Física Prof. Cláudio Costa Osteologia: É o estudo dos ossos. Composição do Sistema Ósseo: 206 peças duras, resistentes e flexíveis chamadas ossos, pelas cartilagens

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução O sistema urinário é constituído pelos órgãos uropoéticos, isto é, incumbidos de elaborar a urina e armazená- la temporariamente até a oportunidade de ser eliminada para o exterior. Na urina

Leia mais

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO Poucas células, encontram-se separadas; Presença de grande quantidade de substância intercelular; Substância intercelular ou matriz extracelular Substância fundamental amorfa:

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS TECIDO CONJUNTIVO células pouco numerosas e bastante espaçadas Substância intercelular composição varia de acordo com o tipo de tecido, ex: derme: há uma substância gelatinosa que dá resistência e elasticidade

Leia mais

Definição. Tecido conjuntivo. Caracterizam-se por Grande quantidade de material extracelular distanciamento das suas células e matriz.

Definição. Tecido conjuntivo. Caracterizam-se por Grande quantidade de material extracelular distanciamento das suas células e matriz. Definição Tecido conjuntivo Caracterizam-se por Grande quantidade de material extracelular distanciamento das suas células e matriz. 1 Células Fixas Livres Componentes Matriz Celular Fibras Colágeno Elásticas

Leia mais

Aula3 TECIDO CONJUNTIVO. Shirlei Octacílio da Silva

Aula3 TECIDO CONJUNTIVO. Shirlei Octacílio da Silva Aula3 TECIDO CONJUNTIVO META Apresentar, de forma completa, porém didática, todos os elementos que formam o tecido conjuntivo, de forma que o aluno possa entender que as diferentes proporções destes elementos

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR

HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO TECIDO CONJUNTIVO DE PROPRIEDADES ESPECIAIS TECIDO CONJUNTIVO ESPECIALIZADO TECIDO

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA I Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA I Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA I Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio 1 Generalidades As células corporais quando desempenham suas funções: Consome O 2 e nutrientes, Bem como produzem substâncias como

Leia mais

Curso: Biologia. Histologia. Disciplina: Biologia I. Professora: Ivanéa Vasques Cruz

Curso: Biologia. Histologia. Disciplina: Biologia I. Professora: Ivanéa Vasques Cruz Curso: Biologia Histologia Disciplina: Biologia I Professora: Ivanéa Vasques Cruz Página 2 de 14 Conteúdo O que é Histologia? 2 TECIDO EPITELIAL 2 TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO OU EPITÉLIO DE REVESTIMENTO

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

BIOLOGIA. Lista Recuperação 2º Bimestre SÉRIE: 1º ANO DATA: 29 / 06 / 2015

BIOLOGIA. Lista Recuperação 2º Bimestre SÉRIE: 1º ANO DATA: 29 / 06 / 2015 Lista Recuperação 2º Bimestre Professor: STUART SÉRIE: 1º ANO DATA: 29 / 06 / 2015 CONTEÚDO RECUPERAÇÃO TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO E GLANDULAR + T.C. PROPRIAMENTE DITO + TECIDO ADIPOSO Livro Camaleão

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

Tema 05: Sistema Digestório

Tema 05: Sistema Digestório Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Tópicos Especiais para Biotecnologia Tema 05: Sistema Digestório Constituição Boca, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso,

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014.

COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014. COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014. ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA PARCIAL ORIENTAÇÃO DE ESTUDO DISCIPLINA: Biologia (2ª série) PROFESSOR: Priscila Temas/Capítulos - Cap 12 Núcleo, divisões

Leia mais

Aparelho Genital Feminino

Aparelho Genital Feminino Aparelho Genital Feminino Função : Produz óvulos; Secreção de hormonas; Nutre e protege o desenvolvimento do feto. Constituição: Ovários; Trompas uterinas; Útero; Vagina; Órgãos genitais externos; Mamas.

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO 1. Anatomia do Sistema Respiratório O oxigênio do ar deve chegar aos alvéolos e passar para o sangue, fazendo o gás carbônico o caminho inverso. O caminho

Leia mais

TECIDO MUSCULAR. Nesse aumento observa-se fibras musculares lisas em corte longitudinal e em corte transversal.

TECIDO MUSCULAR. Nesse aumento observa-se fibras musculares lisas em corte longitudinal e em corte transversal. TECIDO MUSCULAR 1. Tecido Muscular Liso Material: Bexiga Técnica: HE Observação com aumento total de 100x: Na bexiga encontramos a mucosa com epitélio de transição ou polimorfo e tecido conjuntivo. Abaixo

Leia mais

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO Profa MARIA ELISA CARNEIRO INTRODUÇÃO Função: - Obter nutrientes necessários para manutenção, crescimento e demandas energéticas do organismo. Composição: - Cavidade oral

Leia mais

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Anatomia do Periodonto Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com Periodonto Normal Anatomia macroscópica Anatomia microscópica Anatomia macroscópica Gengiva Ligamento

Leia mais

fibras musculares ou miócitos

fibras musculares ou miócitos Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias. As células dos tecidos

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada.

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. 1. Liste todos os ossos do esqueleto axial. 2. Liste todos os

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão TECIDO CONJUNTIVO derme tendão Tecido adiposo cartilagem sangue osso http://medinfo.ufl.edu/~dental/denhisto/lecture_materials/conntiss1_07_nxpowerlite_1.ppt Tecido Conjuntivo Característica: vários tipos

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

APOSTILA DE CIÊNCIAS

APOSTILA DE CIÊNCIAS Escola D. Pedro I Ciências - 2ª Unidade Carla Oliveira Souza APOSTILA DE CIÊNCIAS Órgão dos Sentidos Assunto do Teste SALVADOR BAHIA 2009 Os cinco sentidos fundamentais do corpo humano: O Paladar identificamos

Leia mais

Histofisiologia Tecido epitelial

Histofisiologia Tecido epitelial Histofisiologia Tecido epitelial Profª Marília Scopel Andrighetti Origem ectoderma: epiderme, epitélios do nariz, boca e glândulas sebácea, mamária e salivar. mesoderma: endotélio (tecido que reveste os

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito)

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito) Definições gerais Estabelece conexões e une os demais tecidos; Sustentação e manutenção da forma (estroma); Caminho para vasos e fibras nervosas; Origem: Mesoderma Características gerais formado por matriz

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko NEOPLASIAS MSc. Isabela Brcko Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen Franciele Dietrich Luana Carla Salvi BIOLOGIA TECIDUAL

Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen Franciele Dietrich Luana Carla Salvi BIOLOGIA TECIDUAL ndreia parecida Guimarães Strohschoen Franciele Dietrich Luana Carla Salvi IOLOGI TECIDUL TLS VISUL - TESTES ndreia parecida Guimarães Strohschoen Franciele Dietrich Luana Carla Salvi IOLOGI TECIDUL: TLS

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TECIDOS PROF. CLEUBER

EXERCÍCIOS DE TECIDOS PROF. CLEUBER EXERCÍCIOS DE TECIDOS PROF. CLEUBER 1. (PUC Rio - 2008 - Grupos 1, 3 e 4) O tecido epitelial tem como função fazer o revestimento de todos os órgãos do corpo. Neste sentido, pode-se afirmar que: (A) é

Leia mais

Aulas Pratico-Laboratoriais de Histologia Resumo das Lâminas

Aulas Pratico-Laboratoriais de Histologia Resumo das Lâminas Aulas Pratico-Laboratoriais de Histologia Resumo das Lâminas Vesícula Biliar Mucosa: -epitélio cilíndrico simples com microvilosidades -lâmina própria (tecido conjuntivo) Bexiga Mucosa: -epitélio estratificado

Leia mais

TECIDO CARTILAGINOSO. Observação com aumento total de 40x: Na mesma lâmina apareceu os dois órgãos traquéia e esôfago.

TECIDO CARTILAGINOSO. Observação com aumento total de 40x: Na mesma lâmina apareceu os dois órgãos traquéia e esôfago. TECIDO CARTILAGINOSO 1)Tecido Cartilaginoso Hialino Material: Traquéia Técnica: Hematoxilina e Eosina (HE) Observação com aumento total de 40x: Na mesma lâmina apareceu os dois órgãos traquéia e esôfago.

Leia mais

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica;

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Tipos: Músculo estriado esquelético; Músculo estriado cardíaco; Músculo liso; Músculo

Leia mais