Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL"

Transcrição

1 Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Juiz de Fora / MG

2 Autoras PROFª. MARIA ELIZABETH M.N. MARTINS PROFª. MARIA CHRISTINA M.N. CASTAÑON Juiz de Fora/MG

3 COLABORADORES Carolina Werneck Urgal Jaqueline Aparecida Leite Faria Líliam Rodrigues dos Reis Luana Maria de Sá Bianchetti Maria Moreira da Rocha Thaís Manhães Feres Virgínia Gruppi de Moura Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca da Faculdade Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora Martins, Maria Elizabeth M.N. Atlas de histologia dental / Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora. - Juiz de Fora, f. ; il.; 24,5 cm. 1. Atlas de histologia. I. Martins, Maria Elizabeth M. N. II. Castañon, Maria Christina M. N. CDD FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA BR-040 KM 796 CEP Fone: (32) Fax (32) Não é permitida a reprodução deste material sem a autorização da Instituição acima. 3

4 4

5 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Página 5

6 SUMÁRIO Página 6

7 1 INTRODUÇÃO O objetivo do Atlas de Histologia Dental é prover os estudantes do curso de odontologia com uma fonte de imagens obtidas a partir da foto micrografias da coleção de lâminas da disciplina de Histologia Dental as quais serão projetadas durante as aulas práticas seguindo o Plano de Ensino. O material foi desenvolvido pelas alunas do curso de odontologia da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora - SUPREMA sob a orientação das professoras da disciplina. Esperamos assim, contribuir e facilitar no aprendizado da Histologia Dental e Bucal com esta a ferramenta complementar de estudo. 7

8 MUCOSA BUCAL A mucosa bucal é o revestimento úmido da cavidade bucal constituida por tecido epitelial pavimentoso estratificado, também denominado epitélio escamoso e por tecido conjuntivo propriamente dito. Encontramos variações estruturais correlacionadas com a função de cada região topográfica e por isso, classificamos histologicamente a membrana mucosa bucal em: Mucosa Mastigatória Mucosa de Revestimento Mucosa Especializada MUCOSA MASTIGATÓRIA Localização: áreas sujeitas ao atrito dos alimentos Gengiva e Palato Duro Características histológicas: epitélio escamoso ceratinizado (epitélio pavimentoso estratificado ceratinizado) interface epitélio/conjuntivo com papilas conjuntivas profundas e numerosas lâmina própria (tecido conjuntivo denso, compactado) * Geralmente desprovida de glândulas salivares 8

9 1 2 3 Figura 1 - MUCOSA MASTIGATÓRIA (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Epitélio Escamoso Ceratinizado (epitélio pavimentoso estratificado ceratinizado); 2. Interface Epitélio/conjuntivo com papilas conjuntivas profundas e numerosas; 3. Lâmina própria (tecido conjuntivo denso). 9

10 1 2 3 Figura 2 - MUCOSA MASTIGATÓRIA (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Epitélio escamoso ceratinizado (epitélio pavimentoso estratificado ceratinizado); 2. Interface Epitélio/conjuntivo com papilas conjuntivas profundas e numerosas; 3. Ceratina (ou Queratina). MUCOSA DE REVESTIMENTO Localização: mucosa alveolar assoalho da boca ventre da língua palato mole bochechas lábios 10

11 Características Histológicas: epitélio escamoso não ceratinizado (epitélio pavimentoso estratificado nãoceratinizado) interface epitélio/conjuntivo com papilas conjuntivas rasas e esparsas lâmina própria (tecido conjuntivo frouxo) submucosa (tecido conjuntivo frouxo) presença de glândulas salivares menores Figura 3 MUCOSA DE REVESTIMENTO (lábio) (DESCALCIFICAÇÃO)1 - Epitélio Escamoso não Ceratinizado (Epitélio Pavimentoso Estratificado não Ceratinizado) 2 - Papilas Conjuntivas Rsas e Esparsas; 3 - Lâmina própria (tecido conjuntivo frouxo); 4 - Glândulas Salivares menores na submucosa; 5 Submucosa; 11

12 1 2 VASOS SANGUÍNEOS 3 Figura 4 - MUCOSA DE REVESTIMENTO (LÁBIO) (DESCALCIFICAÇÃO) 1 - Epitélio Escamoso não Ceratinizado (epitélio pavimentoso estratificado não ceratinizado); 2 - Papilas Conjuntivas Rasas e Esparsas; 3 - Lâmina própria (tecido conjuntivo frouxo). 12

13 VASOS SANGUÍNEOS Figura 5 - ZONA DE TRANSIÇÃO (Zona vermelha do lábio) (DESCALCIFICAÇÃO) 1 - Epitélio Escamoso não Ceratinizado; (epitélio pavimentoso estratificado não ceratinizado); 2 - Papilas Conjuntivas Profundas; 3 - Lâmina própria (tecido conjuntivo frouxo); 4- Ausência de Glândulas Salivares Menores na Submucosa; 5 - Epitélio Escamoso Delgado. 13

14 Figura 5 - MUCOSA ESPECIALIZADA (dorso da língua) (DESCALCIFICAÇÃO) 1 - Epitélio Escamoso Ceratinizado; (Epitélio Pavimentoso Estratificado Ceratinizado); 2 - Papilas Linguais do Tipo Filiformes; 3 - Lâmina Própria (Tecido Conjuntivo); 4 - Musculatura Estriada 14

15 2 BOTÃO GUSTATIVO 1 Tecido conjuntivo da lâmina própria. Figura 7 - MUCOSA ESPECIALIZADA (dorso da língua) (DESCALCIFICAÇÃO) Papilas Linguais Filiformes Revestidas por Epitélio Escamoso Ceratinizado; 2 - Papila Lingual do Tipo Fungiforme (observe um corpúsculo gustativo nas no topo da papila) 15

16 1 Figura 8 - MUCOSA ESPECIALIZADA (dorso da língua) (DESCALCIFICAÇÃO) 1 - Papila Lingual do tipo fungiforme com Botão Gustativo Intraepitelial no topo da papila ** 3 3 Figura 9 - MUCOSA ESPECIALIZADA (língua) (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Papila Lingual do tipo Circunvalada revestidas por Epitélio Escamoso Ceratinizado; ** (Observe os corpúsculos gustativos intra-epiteliais nas regiões laterais da papila); 2 - Lâmina Própria (Tecido Conjuntivo Frouxo); 3 - Glândulas Salivares Menores Exclusivamente Serosas (Glândulas De Von Ebner); 4 - Músculo Estriado 16

17 1 EPITÉLIO ESCAMOSO Figura 10 - MUCOSA ESPECIALIZADA (dorso da língua) (DESCALCIFICAÇÃO)- 1. Papila Lingual do tipo Fungiforme com Botões Gustativos Intraepiteliais no topo da papila 17

18 GLÂNDULAS SALIVARES * Figura 11 - GLÂNDULA SALIVAR MAIOR (PARÓTIDA) (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Lóbulos separados por tecido conjuntivo interlobular *; 2. Ácinos exclusivamente serosos; 3. Ductos intralobulares (Ductos Estriados) revestidos por Epítélio Cúbico ou Cilíndrico Simples; 4. Ductos Interlobulares ou Extra Lobulares (Ductos Excretores) revestidos por Epitélio Cúbico Pseudoestratificado em meio ao Tecido Conjuntivo Interlobular (Septos); 5. Adipócitos. 18

19 2 1 Figura 12 - GLÂNDULA SALIVAR MAIOR PARÓTIDA (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Ácinos exclusivamente Serosos; 2. Ductos Intralobulares (Ductos Estriados) revestidos por Epítélio Cúbico ou Cilíndrico Simples. 19

20 Figura 13 - GLÂNDULA SALIVAR MAIOR PARÓTIDA (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Lóbulos; 2. Ductos Intralobulares (Ductos Estriados); 3. Ductos Excretores (Intrerlobulares); 4. Vasos Sanguíneos; 5. Septos Conjuntivos 20

21 Figura 13 - GLÂNDULA SALIVAR MAIOR PARÓTIDA (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Ácinos Exclusivamente Serosos; 2. Ductos Interlobulares (ou Ductos Excretores ou Extralobulares) revestidos por Epítélio Cúbico Estratificado; 3. Tecido Conjuntivo Interlobular; 4. Vasos Sanguíneos 21

22 1 2 3 Figura 14 - GLÂNDULA SALIVAR MAIOR SUBMANDIBULAR (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Lóbulos separados por tecido conjuntivo interlobular; 2. Ácinos mistos (seromucosos) com predomínio seroso; 3. Ductos intralobulares (ductos estriados). revestidos por epítélio cúbico ou simples 22

23 Figura 15 - GLÂNDULA SALIVAR MAIOR SUBMANDIBULAR (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Lóbulos separados por tecido conjuntivo interlobular; 2. Septos de Tecido Conjuntivo; 3. Ductos interlobulares ou extralobulares (ductos excretores), 4. Lóbulos separados por tecido conjuntivo interlobular 23

24 1 2 Figura 16 - GLÂNDULA SALIVAR MAIOR SUBLINGUAL (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Lóbulos separados por tecido conjuntivo interlobular; 2. Ácinos mistos com predomínio do componente mucoso. 24

25 Figura 17 GLÂNDULA SALIVAR MENOR DE VON EBNER (DESCALCIFICAÇÃO)- 1. Ácinos exclusivamente serosos agregados em pequenos lóbulos adjacentes às papilas circunvaladas; 2. Papila circunvalada; 3. Músculo estriado 25

26 ODONTOGÊNESE SEPTO NASAL OLHO GERME DENTÁRIO LINGUA CAVIDADE ORAL Figura 18 ODONTOGÊNESE (DESCALCIFICAÇÃO) 26

27 Figura 19 ODONTOGÊNESE - FASE DE BOTÃO OU BROTO (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Cavidade oral; 2. Epitélio oral primitivo; 3. Lâmina dentária; 4. Broto ou botão; 5. Condensação ectomesenquimal. 27

28 Figura 20 ODONTOGÊNESE - FASE DE CAPUZ (DESCALCIFICAÇÃO) - 1. Lâmina dentária; 2. Órgão dentário; 3. Papila dentária; 4. saco ou folículo dentário. 28

29 LÂMINA DENTÁRIA FOLÍCULO DENTÁRIO RETÍCULO ESTRELADO EPITÉLIO EXTERNO EXTRATO INTERMEDIÁRIO EPITÉLIO INTERNO PAPILA DENTÁRIA Figura 21 ODONTOGÊNESE - FASE DE CAPUZ (DESCALCIFICAÇÃO) 29

30 CAVIDADE ORAL ALVÉOLO EM FORMAÇÃO-OSSIFICAÇÃO ENDOCONDRAL GERME DENTÁRIO Figura 22 ODONTOGÊNESE - FASE EM CAMPÂNULA OU SINO (DESCALCIFICAÇÃO) 30

31 INÍCIO DA HISTO E MORFODIFERENCIAÇÃO 1 2 Figura 23 ODONTOGÊNESE - FASE EM CAMPÂNULA PRECOCE (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Epitélio interno do órgão do esmalte; 2. Células superficiais da papila dentária. 31

32 Figura 24 ODONTOGÊNESE - CAMPÂNULA AVANÇADA (DESCALCIFICAÇÃO) 32

33 EPITÉLIO REDUZIDO DO ÓRGÃO DENTÁRIO POLPA DENTINA GERME DENTÁRIO ÁREA DO ESMALTE Figura 25 ODONTOGÊNESE - FASE EM CAMPÂNULA AVANÇADA (DESCALCIFICAÇÃO) 33

34 POLPA ODONTOBLASTOS PRÉ-DENTINA DENTINA Figura 26 ODONTOGÊNESE - FASE EM CAMPÂNULA AVANÇADA (DESCALCIFICAÇÃO) 34

35 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO E DE PROTEÇÃO DENTINA CORONÁRIA GENGIVA LIVRE CRISTA ALVEOLAR LIGAMENTO PERIODONTAL POLPA CEMENTO CELULAR * *artefato técnico Figura 27 DENTE In loco PERIODONTO DE PROTEÇÃO E PERIODONTO DE INSERÇÃO (DESCALCIFICAÇÃO) 35

36 Figura 28 DENTINA CANÍCULOS DENTINÁRIOS (DESCALCIFICAÇÃO) 36

37 3 1 2 Figura 29 PERIODONTO DE INSERÇÃO (DESCALCIFICAÇÃO) 1. Cemento celular; 2. Ligamento periodontal; 3. Osso alveolar 37

38 LIGAMENTO PERIODONTAL CANAL RADICULAR CEMENTO CELULAR DENTINA Figura 30 ÁPICE RADICULAR (DESCALCIFICAÇÃO) 38

39 LIGAMENTO PERIODONTAL OSSO ALVEOLAR CEMENTO CELULAR * CANALÍCULOS DENTINÁRIOS ** Figura 31 PERIODONTO DE INSERÇÃO (DESCALCIFICAÇÃO) *VASOS SANGUÍNEOS **FIBRAS DE SHARPEY 39

40 RESTOS EPITELIAIS DE MALASSEZ CEMENTO ACELULAR E CELULAR DENTINA Figura 32 PERIODONTO DE INSERÇÃO (DESCALCIFICAÇÃO) OSSO ALVEOLAR 40

41 FIBRAS E VASOS SANGUÍNEOS DO LIGAMENTO PERIODONTAL CEMENTO COM FIBRAS DE SHARPEY Figura 33 LIGAMENTO PERIODONTAL (DESCALCIFICAÇÃO) RESTOS EPITELIAIS DE MALASSEZ 41

42 DENTINA LIGAMENTO PERIODONTAL CEMENTO ACELULAR OSSO ALVEOLAR Figura 34 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO (DESCALCIFICAÇÃO) 42

43 DENTINA CEMENTO CELULAR LIGAMENTO PERIODONTOTAL OSSO ALVEOLAR Figura 35 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO (DESCALCIFICAÇÃO) 43

44 TECIDOS DENTÁRIOS ESMALTE (Desgaste) PRISMAS DENTINA (Desgaste) CANALÍCULOS DENTINÁRIOS JUNÇÃO AMELODENTONÁRIA ESPAÇO DA CÂMARA PULPAR CEMENTO Figura 36 DENTE LÂMINA DE DESGASTE 44

45 CEMENTO ACELULAR CAMADA GRANULOSA DE TOMES DENTINA INTERGLOBULAR Figura 37- DENTINA RADICULAR/CEMENTO (DESGASTE) CANALÍCULOS DENTINÁRIOS 45

46 ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL ESMALTE (Desgaste) PRISMAS DENTINA (Desgaste) CANALÍCULOS DENTINÁRIOS Figura 38 ESMALTE/DENTINA (DESGASTE) JUNÇÃO AMELODENTONÁRIA A 46

47 ESMALTE (Desgaste) LINHAS INCREMENTAIS DENTINA (Desgaste) CANALÍCULOS DENTINÁRIOS Figura 39 ESMALTE/DENTINA (DESGASTE) JUNÇÃO AMELODENTONÁRIA FUSOS DO ESMALTE 47

48 CEMENTO ACELULAR CAMADA GRANULOSA Figura 40 DENTINA RADICULAR/CEMENTO (DESGASTE) CANALÍCULOS DENTINÁRIOS DENTINA INTERGLOBULAR 48

49 CANALÍCULOS DENTINÁRIOS Figura 41 DENTINA RADICULAR/CEMENTO (DESGASTE) CEMENTO ACELULAR CAMADA GRANULOSA 49

50 DENTINA CANAL RADICULAR Figura 42 CEMENTO (DESGASTE) CEMENTO CELULAR 50

51 DENTINA CANAL RADICULAR Figura 43 - CEMENTO (DESGASTE) CEMENTO CELULAR 51

52 DENTINA CANAL RADICULAR Figura 44 - CEMENTO (DESGASTE) CEMENTO CELULAR 52

53 1 Figura JUNÇÃO AMELOCEMENTÁRIA (DESGASTE) 53

54 1 Figura JUNÇÃO AMELOCEMENTÁRIA (DESGASTE) 54

55 1 Figura JUNÇÃO AMELOCEMENTÁRIA (DESGASTE) 55

56 DENTINA INTERGLOBULAR CANALÍCULOS DENTINÁRIOS CEMENTO ACELULAR CAMADA GRANULOSA DE THOMES Figura 48 CEMENTO/DENTINA (DESGASTE) 56

57 CANALÍCULOS DENTINÁRIOS DENTINA INTERGLOBULAR Figura 49 DENTINA (DESGASTE) 57

58 CANALÍCULOS DENTINÁRIOS CANAL RADICULAR Figura 50 DENTINA RADICULAR (DESGASTE) 58

59 ESMALTE DENTINA Figura 51 ESMALTE/DENTINA (DESGASTE) 59

60 LAMELAS ESMALTE DENTINA Figura 52 ESMALTE/DENTINA (DESGASTE) TUFOS OU PENACHOS 60

61 ESMALTE ESTRIAS DE RETZIUS DENTINA Figura 53 ESMALTE/DENTINA (DESGASTE) 61

62 JUNÇÃO AMELODENTINÁRIA ESMALTE LAMELAS DENTINA Figura 54 ESMALTE/DENTINA (DESGASTE) 62

63 LAMELAS ESTRIAS DE RETZIUS ESMALTE DENTINA Figura 54 ESMALTE/DENTINA (DESGASTE) JUNÇÃO AMELODENTINÁRIA 63

64 Figura 55 CEMENTO CELULAR (DESGASTE) CEMENTÓCITOS 64

65 Figura 56 CEMENTO CELULAR (DESGASTE) CEMENTÓCITOS 65

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Juiz de Fora / MG - 2009 Autoras PROFª. MARIA ELIZABETH M.N. MARTINS PROFª. MARIA CHRISTINA M.N. CASTAÑON Juiz de Fora/MG

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11 Componente Curricular: HISTOLOGIA BUCO-DENTAL Código: ODO-007 Pré-Requisito: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA HUMANA Período Letivo: 2013.1 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11,

Leia mais

DENTINOGÊNESE BANDA EPITELIAL CAVIDADE BUCAL PRIMITIVA. Morfologia II UNINOVE. Ü 22 o dia: formação da mb bucofaríngea. 2º Mês de V.I.U.

DENTINOGÊNESE BANDA EPITELIAL CAVIDADE BUCAL PRIMITIVA. Morfologia II UNINOVE. Ü 22 o dia: formação da mb bucofaríngea. 2º Mês de V.I.U. ODONTOGÊNESE Morfologia II UNINOVE ODONTOGÊNESE CAVIDADE BUCAL PRIMITIVA - ESTOMODEO GERME DENTÁRIO AMELOGÊNESE DENTINOGÊNESE DESENVOVIMENTO RADICULAR EMBRIOGÊNESE FACIAL RELEMBRANDO... Tecidos Embrionários

Leia mais

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 P L A N O D E C U R S O

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 P L A N O D E C U R S O FACULDADE INDEPENDENE DO NORDESE CURSO ODONOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: HISOLOGIA BUCO-DENAL Código:ODO

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Anatomia do Periodonto Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com Periodonto Normal Anatomia macroscópica Anatomia microscópica Anatomia macroscópica Gengiva Ligamento

Leia mais

Prof. Dr. José Gomes Pereira

Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. Considerações preliminares Série: órgãos tubulares e glandulares 1.1. Funções estruturas modificadas e especializadas Ingestão Mastigação Deglutição Digestão Absorção Eliminação

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA DIGESTÓRIO Glândulas Anexas Salivares Fígado Pâncreas exócrino Vesícula biliar I. Glândulas Salivares 1. Considerações Gerais Origem: ectodérmica

Leia mais

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago Mecanismos para Obtenção de Alimentos Ingestão de Grandes Quantidades de Alimento Absorção de nutrientes diretamente do meio Parasitas do sangue Adaptações mais interessantes Aquelas evoluíram p/ obtenção

Leia mais

Tema 05: Sistema Digestório

Tema 05: Sistema Digestório Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Tópicos Especiais para Biotecnologia Tema 05: Sistema Digestório Constituição Boca, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso,

Leia mais

ATLAS DE HISTOLOGIA BUCODENTÁRIA DA UEL. Osny Ferrari Keldrey Vinicius Alicio de Paula Fábio Goulart de Andrade

ATLAS DE HISTOLOGIA BUCODENTÁRIA DA UEL. Osny Ferrari Keldrey Vinicius Alicio de Paula Fábio Goulart de Andrade ATLAS DE HISTOLOGIA BUCODENTÁRIA DA UEL Osny Ferrari Keldrey Vinicius Alicio de Paula Fábio Goulart de Andrade 978-85-7846-399-1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO

Leia mais

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! BOM DIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! CURSO ASB UNIODONTO DRA. NANCI CATANDI PERRONE OSSOS DA FACE MAXILA Forma o maxilar Limite inferior da cavidade orbitária Separa através do processo palatino a cavidade bucal

Leia mais

As glândulas se originam das células epiteliais e possuem a função de síntese, armazenamento e secreção.

As glândulas se originam das células epiteliais e possuem a função de síntese, armazenamento e secreção. EPITÉLIO GLANDULAR As glândulas se originam das células epiteliais e possuem a função de síntese, armazenamento e secreção. Composição das secreções glandulares: Proteínas: pâncreas Carboidratos: célula

Leia mais

Tecido Epitelial Glandular

Tecido Epitelial Glandular Tecido Epitelial Glandular Revestimento Glandular Tecido epitelial É constituído por células epiteliais especializadas na atividade de secreção As moléculas a serem secretadas são armazenadas em grânulos

Leia mais

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA Tecidos: Células justapostas, nas quais o material intersticial é escasso ou inexistente. TECIDOS EPITELIAIS FUNÇÕES: PROTEÇÃO ABSORÇÃO E SECREÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PERCEPÇÃO

Leia mais

Roteiro para acompanhamento das aulas práticas de Histologia

Roteiro para acompanhamento das aulas práticas de Histologia Departamento de Morfologia do Instituto de Ciências Biológicas Disciplina de Histologia e Embriologia VI 1º período de Medicina Professor Lúcio Henrique de Oliveira Roteiro para acompanhamento das aulas

Leia mais

Organismo. Sistemas. Órgãos. Tecidos. Células

Organismo. Sistemas. Órgãos. Tecidos. Células Organismo Sistemas Órgãos Tecidos Células Histologia animal O ramo da ciência que estuda os tecidos é a Histologia (histo= tecido; logia=estudo). A célula-ovo contém toda a informação genética do futuro

Leia mais

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 K00 - Distúrbios do Desenvolvimento e da Erupção Dos Dentes K00.0 - Anodontia K00.1 - Dentes Supranumerários

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

CAVIDADE BUCAL. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD PhD

CAVIDADE BUCAL. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD PhD CAVIDADE BUCAL Anatomia Aplicada à Odontologia CAVIDADE BUCAL Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em Cirurgia Bucomaxilofacial - UFPel-RS Doutor (PhD) em Cirurgia Maxilofacial -

Leia mais

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula:

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula: TECIDO EPITELIAL Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo Característica principal: Células justapostas, permitindo a existência de pouco material

Leia mais

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO Profa MARIA ELISA CARNEIRO INTRODUÇÃO Função: - Obter nutrientes necessários para manutenção, crescimento e demandas energéticas do organismo. Composição: - Cavidade oral

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

Seleção para Monitoria em Histologia / GABARITO

Seleção para Monitoria em Histologia / GABARITO FEPECS Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde ESCS - Escola Superior de Ciências da Saúde Seleção para Monitoria em Histologia / GABARITO Data: 14 de abril de 2015 Estudante / matrícula: 1.

Leia mais

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS 1. Glândula sudorípara na pele grossa. 2. Glândula sebácea + sudorípara na pele fina. 3. Acinos serosos + ductos na parótida 4. Acinos mucosos e mistos

Leia mais

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO www.iaci.com.br BIOLOGIA Iaci Belo EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO Células justapostas com pouco material intercelular Ausência de vasos sanguíneos ou nervos Funções de revestimento e secreção NARINAS

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I. Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca

ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I. Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca EPITÉLIOS DE REVESTIMENTO 1- PARTICULARIDADES DO TECIDO EPITELIAL 1.1- Membrana basal 1.2- Especializações da membrana

Leia mais

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br Como citar este documento: Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. Disponível em:, acesso em: (coloque a data aqui). ROTEIRO PARA AULA PRÁTICA DE HISTOLOGIA BÁSICA Roteiro de

Leia mais

Sistema Digestório - Boca, Faringe e Esôfago

Sistema Digestório - Boca, Faringe e Esôfago Sistema Digestório - Boca, Faringe e Esôfago Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional III juliana.pinheiro@kroton.com.br O Sistema Digestório consiste em um tubo que se inicia na boca e termina no

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas UNIVERSIDADE DE CUIABÁ NÚCLEO DE DISCIPLINAS INTEGRADAS DISCIPLINA: CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS I Considerações Gerais sobre HISTOLOGIA Professores: Ricardo, Lillian, Darléia e Clarissa UNIVERSIDADE DE CUIABÁ

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA. Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P.

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA. Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P. UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: HISTOLOGIA BUCO DENTAL Código da Disciplina: ODO110 Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P. Faculdade

Leia mais

Dentina Características gerais

Dentina Características gerais Características gerais Tecido dental duro com extensões es citoplasmáticas ticas de células c da polpa. Composiçã ção: Mineral Água Orgânica peso 70% 12% 18% volume 50% 20% 30% Relaçã ção o com outros

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR

HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO TECIDO CONJUNTIVO DE PROPRIEDADES ESPECIAIS TECIDO CONJUNTIVO ESPECIALIZADO TECIDO

Leia mais

ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO

ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO Disciplina: Patologia Oral e Maxilofacial ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Anomalias do desenvolvimento da boca e Anomalias dentárias ANOMALIAS DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS Anestesia em anestésico o mais próximo possível do ápice do dente a ser anestesiado. Objetivo : Propiciar o conhecimento das técnicas anestésicas, principalmente as utilizadas

Leia mais

Histologia Animal. Prof. Milton

Histologia Animal. Prof. Milton Histologia Animal Prof. Milton Origem: Ectoderme Tecido Epitelial Características Gerais: Células justapostas Células poliédricas Células lábeis ( E! ) Ausência de substância Intersticial ( Matriz ) Avascular

Leia mais

HISTOLOGIA DA CAVIDADE ORAL

HISTOLOGIA DA CAVIDADE ORAL 9 CAPÍTULO HISTOLOGIA DA CAVIDADE ORAL Ricardo Bentes Azevedo Jorge Faber Soraya Leal Carolina Lucci A cavidade bucal é a porta natural de entrada de alimentos para o organismo e a abertura do sistema

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 1ª TURMA(S):

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL ANIMAL Módulo 12 Página 15 à 36 FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS TECIDOS = Conjunto

Leia mais

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Anteriormente... Zigoto Mórula Blástula Gástrula Neurula Organogênese Anexos embrionários Gêmeos Dos

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

Tipos de Epitélios. Epitélio de Revestimento Epitélio Glandular

Tipos de Epitélios. Epitélio de Revestimento Epitélio Glandular Tipos de Epitélios Epitélio de Revestimento Epitélio Glandular Epitélio Glandular - Secreção: - Epitélio de revestimento secretor: estômago - Glds Unicelulares intra-epiteliais: Epitélio com algumas células

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

1- hemácias dentro de um vaso sangüíneo 2- endotélio (epitélio simples pavimentoso)

1- hemácias dentro de um vaso sangüíneo 2- endotélio (epitélio simples pavimentoso) Fernando Salles - 2014 1 2 1- hemácias dentro de um vaso sangüíneo 2- endotélio (epitélio simples pavimentoso) Epitélio simples cúbico 1-Epitélio simples cilíndrico com céls caliciformes (cabeça de seta)

Leia mais

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1 Como é constituído o aparelho digestivo? 1 Morfologia do aparelho digestivo Glândulas salivares Boca Faringe Esófago Fígado Vesícula biliar Estômago Intestino delgado pâncreas Apêndice Recto Intestino

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares:

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: Capítulo 1: Parte 3 1 II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: O epitélio que participa principalmente da secreção está geralmente disposto em estruturas denominadas glândulas. As substâncias

Leia mais

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos ANEXO I Rol de Procedimentos Odontológicos Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICO: I Consulta inicial II Exame histopatológico Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica odontolegal,

Leia mais

Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO

Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO TUMORES ODONTOGÊNICOS Tumores odontogênicos - grupo de doenças heterogêneas que vão desde hamartomas ou proliferação de tecido não neoplásico a neoplasias

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

ANDRÉ VILELA BARRETO ANDRÉ LUIS HÖEHR RITTNER

ANDRÉ VILELA BARRETO ANDRÉ LUIS HÖEHR RITTNER 12 ANDRÉ VILELA BARRETO ANDRÉ LUIS HÖEHR RITTNER EFEITOS DO ÁLCOOL E DO TABACO EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRATAMENTO PERIODONTAL UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO 13 BRAGANÇA PAULISTA 2007 ANDRÉ VILELA BARRETO

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Sangue Nesta lâmina observa-se um esfregaço de sangue, que constitui um tipo de tecido conjuntivo fluído constituído por células emersas em matriz extracelular plasma. O plasma é uma solução aquosa de

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse.

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse. BIO 8E aula 22 22.01. O tecido epitelial de revestimento é pobre em substância intercelular e avascular. Existe também o tecido epitelial glandular que é derivado do tecido epitelial de revestimento. O

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICOS: I Consulta Inicial Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica Odontolegal, diagnósticos das doenças

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Tipo do produto: Plano de aula e Relatório 1 IDENTIFICAÇÃO NOME

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Tecido Epitelial 1. CAPÍTULO 2 Tecido Conectivo 11. CAPÍTULO 3 Tecido Adiposo 25. CAPÍTULO 4 Cartilagem 31. CAPÍTULO 5 Osso 41

Sumário. CAPÍTULO 1 Tecido Epitelial 1. CAPÍTULO 2 Tecido Conectivo 11. CAPÍTULO 3 Tecido Adiposo 25. CAPÍTULO 4 Cartilagem 31. CAPÍTULO 5 Osso 41 Sumário CAPÍTULO 1 Tecido Epitelial 1 PRANCHA 1 Epitélios simples pavimentoso e cúbico 2 PRANCHA 2 Epitélios simples cilíndrico e pseudoestratificado 4 PRANCHA 3 Epitélios estratificados 6 PRANCHA 4 Epitélio

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO Daniela Brum Anatomia do Sistema Urinário Rins Ureteres Bexiga Uretra Sistema Urinário - Funções Filtrar o sangue removem, armazenam e transportam produtos residuais meio

Leia mais

CLASSE CYCLOSTOMATA (AGNATHA)

CLASSE CYCLOSTOMATA (AGNATHA) CLASSE CYCLOSTOMATA (AGNATHA) - VERTEBRADOS MAIS PRIMITIVOS; - NÃO POSSUEM VÉRTEBRAS TÍPICAS, APENAS PEÇAS CARTILAGINOSAS, AOS PARES, DISPOSTAS AO LONGO DA MEDULA (NOTOCORDA); - BOCA CIRCULAR COM FUNIL

Leia mais

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO ATRAVÉS DOS SENTIDOS TEMOS A CAPACIDADE DE PERCEBER O AMBIENTE EXTERNO AO NOSSO ORGANISMO. ISSO É POSSÍVEL DEVIDO

Leia mais

Circular 0160/2000 São Paulo, 18 de Maio de 2000.

Circular 0160/2000 São Paulo, 18 de Maio de 2000. [fesehf/cabecalho.htm] Circular 0160/2000 São Paulo, 18 de Maio de 2000. Plano de Saúde Assunto: Rol de Procedimentos Odontológicos para Plano de Saúde Prezado (a) Senhor (a), A Agência Nacional de Saúde

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade.

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade. 1. Tecido Ósseo Compacto desgastado Material: Diáfise de osso em corte transversal Técnica: Desgaste com a utilização de disco de Carborundum Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos

Leia mais

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho CÂNCER DE BOCA Disciplina: Proteção Radiológica Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho OBJETIVOS Descrever o processo carcinogênico geral e específico para o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS PLANO DE ENSINO SEMESTRE 2011.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS PLANO DE ENSINO SEMESTRE 2011. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS PLANO DE ENSINO SEMESTRE 2011.01 I. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME DA DISCIPLINA N O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPTO. DE MORFOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPTO. DE MORFOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPTO. DE MORFOLOGIA DISCIPLINAS DE HISTOLOGIA HISTOLOGIA II ROTEIRO DAS AULAS PRÁTICAS PELOTAS, SETEMBRO DE 2009. 1 Roteiro Histologia II SISTEMAS

Leia mais

Histofisiologia Tecido epitelial

Histofisiologia Tecido epitelial Histofisiologia Tecido epitelial Profª Marília Scopel Andrighetti Origem ectoderma: epiderme, epitélios do nariz, boca e glândulas sebácea, mamária e salivar. mesoderma: endotélio (tecido que reveste os

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula ORIGEM EMBRIONÁRIA A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula A- Radiata Mesoderme se forma a partir de células invasoras da endoderme (Equinodermatas)

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Odontologia 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO MOVIMENTAÇÃO ORTODÔNTICA EM PERIODONTO

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO HISTOLOGIA 2011/12 PROFESSOR PEDRO CÂMARA FUNÇÕES FUNÇÕES DOS S MECÂNICA SUPORTE DUREZA ARQUITECTURA INTERNA MOVIMENTO

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES 1. Garantir, no longo prazo, o incremento dos recursos orçamentários e financeiros para a saúde e aprovar o orçamento do SUS, composto pelos orçamentos das três esferas

Leia mais

HISTOLOGIA II. Por Daniele Fernandes, Isadora Paz, Julia Chrysostomo e Luã Iepsen

HISTOLOGIA II. Por Daniele Fernandes, Isadora Paz, Julia Chrysostomo e Luã Iepsen HISTOLOGIA II Por Daniele Fernandes, Isadora Paz, Julia Chrysostomo e Luã Iepsen Sistema Circulatório Este arquivo contém imagens das Lâminas Histológicas do acervo da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Leia mais

Anatomia e Histologia do Limbo

Anatomia e Histologia do Limbo Anatomia e Histologia do Limbo Introdução: O limbo é a zona intermediária anular com cerca de 1,5mm de largura que fica entre a córnea transparente e a esclera opaca. Sua relativa opacidade se explica

Leia mais

Viajando com o Sr. Mutans

Viajando com o Sr. Mutans Viajando com o Sr. Mutans - o jogo da cárie - Material de Apoio Autoria: Adriana de Sales C. Correa 1 TERMOS USADOS NO JOGO E CONCEITOS BÁSICOS DE ODONTOLOGIA Processo de formação da cárie Aspectos patológicos

Leia mais