3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) 5

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5. 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) 5"

Transcrição

1

2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 5 2 INTRODUÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) SERVIÇO DE TRANSPORTE MAIS DE UM PAGAMENTO DISPENSA RECOLHIMENTO COMPROVANTE CONSULTA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL EXEMPLOS PRÁTICOS (Item alterado) IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA INSS SERVIÇO DE TRANSPORTE DISPENSA REGISTRO NO INSS RECOLHIMENTO COMPROVANTE CONSULTAS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL EXEMPLOS PRÁTICOS 13 5 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF DISPENSA E ISENÇÃO RECOLHIMENTO 15

3 5.1.3 COMPROVANTE CONSULTA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL EXEMPLO PRÁTICO IMPOSTO SOBRE SERVIÇO DE QUALQUER NATUREZA ISS SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS EMPRESAS DE TRABALHO TEMPORÁRIO OPTANTES PELO SIMPLES MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI RECOLHIMENTO COMPROVANTE CONSULTA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL EXEMPLOS PRÁTICOS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA - INSS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATIVIDADES DE ENGENHARIA CIVIL ATIVIDADES ESPECIAIS DISPENSA OPTANTES PELO SIMPLES MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI RECOLHIMENTO COMPROVANTE CONSULTAS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL EXEMPLO PRÁTICO 25 6 CONTRATAÇÃO DE COOPERATIVAS DE TRABALHO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IRRF 25

4 6.1.1 SERVIÇO DE TRANSPORTE DISPENSA RECOLHIMENTO COMPROVANTE CONSULTA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL EXEMPLO PRÁTICO IMPOSTO SOBRE SERVIÇO DE QUALQUER NATUREZA ISS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA - INSS SERVIÇO DE TRANSPORTE ATIVIDADE ESPECIAL RECOLHIMENTO CONSULTAS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL EXEMPLO PRÁTICO 29 ANEXO 1 - LISTA DOS SERVIÇOS SUJEITOS À RETENÇÃO DO IR 30 ANEXO 2 LISTA DOS SERVIÇOS SUJEITOS À RETENÇÃO DO ISS 32 ANEXO 3 LISTA DOS SERVIÇOS SUJEITOS À RETENÇÃO DO INSS 43 ÍNDICE LEGISLATIVO POR ASSUNTO 44

5 1 APRESENTAÇÃO A Controladoria Geral do Município CGM elaborou o Guia Orientador de Retenções e Recolhimento de Tributos e Contribuições na contratação de serviços, aplicável aos órgãos da Administração Direta do Município do Rio de Janeiro. O presente guia objetiva ser um dos materiais de consulta dos servidores municipais que estejam responsáveis pela retenção de tributos e contribuições na contratação de serviços, a fim de auxiliá-los no exercício de suas funções, principalmente quando da elaboração da declaração de conformidade. O trabalho derivou de um estudo da legislação pertinente, além de uma observação de outros guias existentes sobre o assunto, emitidos por outros entes. 2 INTRODUÇÃO Nas contratações realizadas pelos órgãos da Administração Direta deve ser observada a possibilidade de retenção e recolhimento de tributos e contribuições sobre o pagamento realizado a determinados tipos de serviços. O guia está dividido pelo tipo da contratação: se o prestador do serviço for uma pessoa física, uma pessoa jurídica ou especificamente uma cooperativa de trabalho e dentro destes dois casos, os tipos de serviços e os tributos incidentes. Alertamos que devem ser consultados os sites citados neste guia, a fim de complementar as orientações aqui apresentadas. 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO Os atestadores da despesa e emissores da declaração de conformidade de liquidação deverão conhecer o conteúdo do instrumento de contrato da prestação do serviço, quando houver, ou equivalente e analisar a nota fiscal, bem como a discriminação dos materiais aplicados na prestação dos serviços para a correta aplicação da legislação. 4 CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF Os valores pagos a pessoa física por quaisquer serviços prestados eventualmente e sem vínculo empregatício estão sujeitos à retenção do imposto de renda. (Lei Federal nº 7.713/88, art. 7, II e art. 620 e art. 628 do RIR/99) ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) O imposto será calculado mediante a utilização da tabela progressiva, que apresenta as faixas de rendimentos, com as alíquotas e parcelas dedutíveis correspondentes a cada faixa. 5

6 Do valor do serviço, podem ser abatidos valores como deduções, para apuração da base de cálculo, e então aplicar a tabela progressiva. As tabelas com as deduções cabíveis referente ao ano-calendário de 2015, relativas aos meses de Janeiro a Março de 2015, estão na Instrução Normativa RFB nº 1.500/14 (Lei Federal nº 7.713/88, art. 25) em sua publicação original. A partir do mês de abril do ano-calendário de 2015 aplicam-se as tabelas dispostas na Instrução Normativa nº 1.558/ Redação anterior: Do valor do serviço, podem ser abatidos valores como deduções, para apuração da base de cálculo, e então aplicar a tabela progressiva. A tabela e as deduções cabíveis a partir do ano-calendário de 2014 estão na Instrução Normativa RFB nº 1.500/14 (Lei Federal nº 7.713/88, art. 25) SERVIÇO DE TRANSPORTE No caso de serviços de transporte, em veículo próprio, locado ou adquirido com reserva de domínio ou alienação fiduciária, a base para aplicação da tabela progressiva será: 10% (dez por cento) do rendimento bruto recebido pela pessoa física, no caso de transporte de carga; (Art. 18 da Lei Federal nº /13) 60% (sessenta por cento) do rendimento bruto recebido pela pessoa física, decorrente do transporte de passageiros. (Lei Federal nº 7.713/88, art. 9º e art. 629 do RIR/99) MAIS DE UM PAGAMENTO Se houver mais de um pagamento a uma mesma pessoa física durante um mesmo mês, pela mesma fonte pagadora, o órgão contratante deverá somar todos os valores pagos naquele mês, para aplicar a alíquota e a parcela dedutível na tabela progressiva. O resultado do imposto de renda calculado sobre esse somatório deve ser diminuído do valor do imposto já retido naquele mês (se houver), por ocasião de outro(s) pagamento(s) (Lei Federal nº 7.713/88, art. 7º, 1º) DISPENSA Fica dispensada a retenção de imposto de renda, de valor igual ou inferior a R$ 10,00 (dez reais), incidente na fonte sobre rendimentos que devam integrar a base de cálculo do imposto devido nas declarações de ajuste anual. Após este valor a retenção deverá ser efetuada normalmente. (Art. 67 da Lei nº 9.430/96 e Instrução Normativa SRF nº 085/96) RECOLHIMENTO Os valores a serem retidos são informados na declaração de conformidade e as liquidações, no sistema FINCON, são realizadas pela Controladoria Geral, ou pela secretaria respectiva, conforme o caso. 6

7 No caso de pagamentos pelo Sistema Descentralizado de Pagamento, o recolhimento do imposto retido será feito pelos gestores através de DARM. Para emissão da guia acesse o site da SMF: e escolha o código de receita recolhimento de IR na fonte. O prazo para recolhimento dos valores retidos é até o último dia útil do 2º decêndio do mês subsequente ao mês de ocorrência do fato gerador. (Lei Federal nº /05, art. 70, I, d, com a redação dada pelo art. 5º da Lei Federal nº /09) COMPROVANTE No caso de pagamentos efetuados pelo Sistema Descentralizado de Pagamento, o gestor deverá fornecer ao prestador de serviços, conforme modelo instituído pela Resolução CGM nº 450/03 Anexo XI, declaração com a informação do desconto efetuado. Para os demais casos, a SMF disponibiliza ao contratado o comprovante da retenção efetuada no site da Secretaria Municipal de Fazenda: CONSULTA Deve ser consultado, periodicamente, devido a possíveis atualizações de legislação, o site da Receita Federal e o Regulamento do Imposto de Renda - RIR/99. Todas as regras de retenção e outras informações podem ser obtidas no Manual do Imposto de Renda Retido na Fonte - MAFON 2012, no site Lei Federal nº 7.713, de 22/12/1998; Lei Federal nº 9.430, de 27/12/1996; Lei Federal nº , de 21/11/2005; Lei Federal nº , de 02/04/2013; LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Decreto Federal nº 3.000, de 26/03/1999 Regulamento do Imposto de Renda - RIR/99; Instrução Normativa SRF nº 85, de 30/12/1996; Instrução Normativa RFB nº 1.500, de 29/10/2014; Instrução Normativa RFB nº 1.558, de 31/04/2014; Resolução CGM nº 450, de 24/03/

8 4.1.9 EXEMPLOS PRÁTICOS (Item alterado) Os exemplos a seguir foram elaborados com base nas tabelas a serem aplicadas a partir de abril do ano-calendário de 2015, conforme Instrução Normativa RFB n.º 1.558/2015. Exemplo 1: Suponha uma pessoa física que prestou serviço de manutenção técnica no valor de R$ 2.500,00. O prestador do serviço possuiu um dependente. 1 Passo: Calcular a base de cálculo, deduzindo o valor da contribuição previdenciária e as deduções possíveis: Valor do Serviço 2.500,00 Deduções: Valor da contribuição: 11% de 2.500,00 275,00 1 dependente: 189,59 Base de cálculo: 2.035,41 Obs: Como pessoa física a contribuição previdenciária é também retida (item 4.3 deste Guia) e seu valor é dedução para a apuração da base de cálculo do imposto de renda a ser retido. (Art. 52, inciso III da Instrução Normativa RFB nº 1.500/14) 2º Passo: Apurar o valor a ser retido, aplicando a tabela progressiva: Base de cálculo Alíquota Valor apurado (a) 2.035,41 7,5% (b) 152,65 Valor apurado Parcela a deduzir constante da tabela Valor do IR (b) 152,65 (142,80) (c) 9,85 Exemplo 2: Suponha que essa mesma pessoa preste serviço de manutenção outra vez, no mesmo mês, para a mesma secretaria, no valor de R$ 2.500,00. 1 Passo: Calcular a contribuição previdenciária de 11%: Valor do Serviço Alíquota Valor da retenção 2.500,00 11% 275,00 Somando-se com o valor da contribuição previdenciária calculada e retida no exemplo 1 com a deste serviço (275, ,00 = 550,00) ultrapassa o valor máximo do teto (513,01). Logo, o valor da 8

9 contribuição previdenciária deste serviço será de 238,01, ou seja, a diferença entre o teto e o já retido (513,01-275,00). Neste caso, suponha-se que essa pessoa não teve outra retenção de contribuição previdenciária no mês em questão. 2 Passo: Calcular a base de cálculo, deduzindo o valor da contribuição previdenciária e as deduções possíveis: Valor do Serviço (atual) (anterior) Valor total dos serviços no mês Deduções: Valor da contribuição total 1 dependente: 2.500, , ,00 513,01 189,59 Base de cálculo: (a) 4.297,40 3º Passo: Apurar o valor a ser retido, aplicando a tabela progressiva: Base de cálculo Alíquota Valor apurado (a) 4.297,40 22,5% (b) 966,91 Valor apurado Parcela a deduzir constante da tabela Valor do IR (b) 966,91 (636,13) (c) 330,78 Valor do IR Valor de IR já retido (exemplo 1) Valor da retenção no 2º pagamento (c) 330,78 (9,85) (d) 320,93 Exemplo 3: Uma pessoa física presta serviço de transporte de passageiros para determinada secretaria, no valor de R$ ,00. 1º Passo: Apurar a base de incidência do imposto e a contribuição previdenciária: Valor do serviço: ,00 Base para aplicação da tabela: 60% do valor do 6.000,00 serviço ,00 x 60%= (item 4.1.2) Cálculo da contribuição previdenciária: base de cálculo: 20% do valor do serviço: ,00 x 220,00 20%=2.000,00 x 11% (item 4.3.1) 9

10 2º Passo: Calcular a base de cálculo, deduzindo o valor da contribuição previdenciária: Valor apurado: 6.000,00 Dedução: Valor da contribuição 220,00 Base de cálculo: (a) 5.780,00 3º Passo: Apurar o valor a ser retido, aplicando a tabela: Base de cálculo Alíquota Valor (a) 5.780,00 27,5% (b) 1.589,50 Valor Parcela a deduzir constante da tabela Valor do IR progressiva (b) 1.589,50 (869,36) (c) 720, IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISS Os serviços por pessoa física podem ser prestados por profissional autônomo não estabelecido ou estabelecido. O serviço prestado por profissional autônomo não estabelecido é isento do ISS, não cabendo, portanto retenção do imposto (Inciso XIX do art. 12 da Lei nº 691/84, com a redação dada pela Lei nº 3.691/03). Entende-se como "não estabelecido" qualquer profissional que não tenha estabelecimento fixo para o exercício de sua atividade. O profissional autônomo nessa situação deve declarar, no verso do recibo de pagamento: "Profissional autônomo não estabelecido, estando isento do ISS e dispensado de inscrição municipal, conforme Inciso XIX do artigo 12 da Lei nº 691/84 com as alterações da Lei 3.691/03 e 2º do art. 153 do Decreto , de 08 de outubro de 1991". (Fonte: Site da Secretaria Municipal de Fazenda) No caso de profissionais autônomos estabelecidos, apesar de não estarem isentos, não caberá a retenção do imposto sobre serviços, assim definido no parágrafo único do art. 7º da Lei nº 3.720/04 e no parágrafo único do art. 16-C do Decreto nº /91, com redação dada pelo Decreto nº / CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA INSS Todo serviço prestado por pessoas físicas deve sofrer a retenção de 11% (onze por cento) sobre o valor dos serviços, observado o limite máximo do salário-de-contribuição (art. 4º da Lei Federal nº /03; art. 216, I, a e 26 do Decreto nº 3.048/99; e inciso III do art. 78 da Instrução Normativa RFB nº 971/09). Este limite é atualizado anualmente, e para o exercício de 2015 foi aprovado pela Portaria Interministerial MPS/MF Nº 13/15 sendo de R$ 4.663,75. 10

11 Além dessa contribuição retida e deduzida do pagamento à pessoa física, o órgão contratante deve recolher a contribuição previdenciária patronal de 20% (vinte por cento) incidente sobre o valor dos serviços, como seu encargo. (Inciso III do art. 22 da Lei Federal nº 8.212/91; inciso II do art. 201 e inciso I, b do art. 216 ambos do Decreto Federal nº 3.048/99; e inciso III do art. 72 e inciso I do art. 78, ambos da Instrução Normativa RFB nº 971/09) SERVIÇO DE TRANSPORTE A base de cálculo para a aplicação da alíquota de retenção nos serviços prestados por condutor autônomo de veículo rodoviário (inclusive o taxista), do auxiliar de condutor autônomo e do operador de máquinas corresponde a 20% (vinte por cento) do valor bruto auferido pelo frete, carreto, transporte, não se admitindo a dedução de qualquer valor relativo aos dispêndios com combustível e manutenção do veículo, ainda que parcelas a este título figurem discriminadas. ( 4º do art. 201 do Decreto Federal nº 3.048/99 e 2º do art. 55 da Instrução Normativa RFB nº 971/09) Além da retenção de 11%, os serviços de transportador autônomo, de condutor autônomo de veículo (taxista) ou de auxiliar de condutor autônomo deverão sofrer retenção da contribuição devida ao Sest (Serviço Social do Transporte) (1,5%) e ao Senat (Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte) (1%), instituída pela Lei nº 8.706, de 14/09/93, observando as regras do art. 111-I, da Instrução Normativa RFB nº 971/09 (Art. 201, 4º do Decreto Federal nº 3.048/99, 5º do art. 65 e inciso IV do art. 78 da Instrução Normativa RFB nº 971/09 e 3º do art. 2º do Decreto Federal nº 1.007, de 13/12/93) DISPENSA A dispensa de retenção da contribuição previdenciária ocorrerá quando a pessoa física comprovar que o total de suas remunerações, no mesmo mês da prestação do serviço ao órgão municipal já tiver alcançado o teto de incidência da contribuição previdenciária e que já sofreu as devidas retenções. Para a devida comprovação das retenções sofridas, o prestador do serviço deverá apresentar os comprovantes dos pagamentos recebidos que somados atingiram o referido teto. No caso de ser empregado de outra empresa, deverá emitir declaração sob as penas da lei, de que é segurado empregado, consignando o valor sobre o qual é descontada a contribuição naquela atividade ou que a remuneração recebida atingiu o limite máximo, identificando o nome da(s) empresa(s), com o número do CNPJ (Art. 216, 28 do Decreto nº 3.048/99 e arts. 54 e 67 da Instrução Normativa RFB nº 971/09). O órgão contratante e os gestores do Sistema Descentralizado de Pagamento deverão manter no processo administrativo da respectiva despesa os comprovantes dessas retenções ou a declaração, a fim de evidenciar a correta dispensa da mesma ( 3º do art. 78 da Instrução Normativa RFB nº 971/09) REGISTRO NO INSS O órgão contratante deve exigir do prestador do serviço a comprovação de seu registro no Regime Geral de Previdência Social, através da apresentação no número do NIT Número de Identificação do Trabalhador. 11

12 Quando este não o tiver, deverá efetuar a respectiva inscrição (Inciso II do art. 47 da Instrução Normativa RFB nº 971/09) RECOLHIMENTO Os valores a serem retidos são informados na declaração de conformidade e as liquidações, no sistema FINCON, são realizadas pela Controladoria Geral, ou pela secretaria respectiva, conforme o caso. A Secretaria Municipal de Fazenda, através da Superintendência do Tesouro Municipal, é responsável pelo recolhimento das retenções efetuadas no FINCON e informadas pelos órgãos. No caso da contribuição previdenciária patronal, o órgão contratante elabora a Guia da Previdência Social - GPS e envia o processo da despesa para a liquidação e após isso à SMF que, através da Superintendência do Tesouro Municipal, efetua o recolhimento. No caso de Sistema Descentralizado de Pagamento, os valores das retenções ocorridas durante o mês, de todas as pessoas físicas e os valores da contribuição patronal respectiva poderão ser recolhidos em uma única GPS, respeitando a competência dos serviços prestados (art. 4º da Lei nº /03). Os gestores poderão elaborar resumo da composição desses valores recolhidos, a fim de auxiliar na análise da prestação de contas, contendo nome do prestador, nº do NIT, valor do serviço, valor retido e valor recolhido. Conforme Resolução CGM nº 1.091/13, os gestores do SDP deverão preencher planilha prevista na mesma, informando dados do recolhimento das retenções efetuadas. O prazo para recolhimento na rede bancária é até o dia 20 do mês subsequente ao da competência, antecipando-se o vencimento para o dia útil imediatamente anterior, quando não houver expediente bancário. (Art. 216, inciso I, b do Decreto Federal nº 3.048/99 e inciso III do art. 80 da Instrução Normativa RFB nº 971/09) O valor mínimo para recolhimento da GPS é de R$ 10,00 (Art. 398 da Instrução Normativa nº 971/09). Se o valor a recolher na competência for inferior ao valor mínimo estabelecido, deverá ser adicionado ao devido na competência seguinte, e assim sucessivamente, até atingir o valor mínimo permitido para recolhimento ( 1º do art. 398 da Instrução Normativa RFB nº 971/09). A GPS dever ser preenchida com o código de pagamento 2402 (Órgão do Poder Público - CNPJ). O modelo e o programa para geração da GPS encontram-se no site da Previdência Social: No caso de recolhimento sobre contratação de transportador, o código de pagamento será As declarações e recolhimentos de valores referentes à Guia da Previdência Social (GPS), por parte dos órgãos da Administração Direta Municipal, deverão ser realizados utilizando-se exclusivamente o CNPJ nº / , pertencente ao Município do Rio de Janeiro, sendo 12

13 vedada a utilização de quaisquer de seus subsidiários. (Portaria CVL/AEA/GAC nº 02, de 26/11/14; Retificação D.O., de 22/12/14) O recolhimento do tributo retido deve ser efetuado no prazo previsto na legislação. Para o recolhimento em atraso, o INSS publica, mensalmente, uma tabela de pagamento em atraso. Consulte o site utilizando a opção Órgãos Públicos, que o sistema calcula o valor da multa e juros, conforme a competência e a data do recolhimento COMPROVANTE No caso de pagamentos efetuados pelo Sistema Descentralizado de Pagamento, o gestor deverá fornecer ao prestador de serviços, conforme modelo instituído pela Resolução CGM nº 450/03 Anexo XI, declaração com a informação do desconto feito a título de contribuição previdenciária. Para os demais casos, a SMF disponibiliza ao contratado o comprovante da retenção efetuada no site (Inciso XII do art. 216 do Decreto Federal nº 3.048/99) CONSULTAS Deve-se atentar para possíveis atualizações da legislação previdenciária, podendo consultar o site da Previdência Social, no endereço eletrônico: na Agência Eletrônica do Empregador, consultando a lista completa de serviços, inclusive com orientações quanto à retenção. Lei Federal nº 8.212, de 24/07/1991; Lei Federal nº , de 08/05/2003; Decreto Federal nº 1.007, de 13/12/1993; Decreto Federal nº 3.048, de 06/05/1999; Instrução Normativa RFB nº 971, de 13/11/2009; LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Portaria Interministerial MPS/MF Nº 13, de 09/01/2015; Decreto nº , de 30/07/2014; Resolução CGM nº 1.091, de 06/05/ EXEMPLOS PRÁTICOS Exemplo 1: Suponha uma pessoa física prestou serviço de manutenção técnica no valor de R$ 2.500,00. 1º Passo: Calcular a contribuição previdenciária a ser retida: 13

14 Valor do Serviço Alíquota Valor da retenção 2.500,00 11% 275,00 O valor da retenção é menor que o limite de R$ 513,01 (11% de R$ 4.663,75). O prestador de serviço não apresentou outros comprovantes de retenções efetuadas. 2º Passo: Calcular a contribuição previdenciária patronal a ser recolhida pelo órgão municipal: Valor do Serviço Alíquota Valor da contribuição 2.500,00 20% 500,00 Exemplo 2: Uma pessoa ministrou uma palestra para uma determinada secretaria e cobrou o valor de R$ 5.000,00. 1º Passo: Calcular a contribuição previdenciária a ser retida: Valor do Serviço Alíquota Valor da retenção 5.000,00 11% 550,00 O valor da retenção é maior que o limite de R$ 513,01 (11% de R$ 4.663,75). Sendo assim, a retenção será no valor deste limite. O prestador de serviço não apresentou outros comprovantes de retenções efetuadas. 2º Passo: Calcular a contribuição previdenciária patronal: Valor do Serviço Alíquota Valor da contribuição 5.000,00 20% 1.000,00 5 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA 5.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF Os valores pagos ou creditados às pessoas jurídicas, civis ou mercantis estão sujeitos à incidência do imposto de renda: pela prestação de serviços caracterizadamente de natureza profissional, à alíquota de 1,5% (Art. 647 do RIR /99). A lista de serviços encontra-se no anexo 1 ao guia ( 1º do art. 647 do RIR/99); pela prestação de serviços de limpeza, conservação, segurança, vigilância e por locação de mão-de-obra, à alíquota de 1% (Art. 649 do RIR/99); a título de comissões, corretagens ou qualquer outra remuneração pela representação comercial ou pela mediação na realização de negócios civis e comerciais; e por serviços de 14

15 propaganda e publicidade, à alíquota de 1,5% (art. 651 do RIR/99). Excluem-se da base de cálculo as importâncias pagas diretamente ou repassadas a empresas de rádio e televisão, jornais e revistas, atribuída à pessoa jurídica pagadora e à beneficiária responsabilidade solidária pela comprovação da efetiva realização dos serviços (Art. 651, 1º, do RIR/99) DISPENSA E ISENÇÃO VALOR Fica dispensada a retenção de imposto de renda, de valor igual ou inferior a R$ 10,00 (dez reais), incidente na fonte sobre rendimentos que devam integrar a base de cálculo do imposto devido nas declarações de ajuste anual. (Art. 724 do RIR/ 99 e Instrução Normativa SRF nº 085/96) Não caberá a retenção do imposto de renda quando o serviço for prestado por pessoa jurídica imune ou isenta (Instrução Normativa SRF nº 23/86) OPTANTES PELO SIMPLES Fica dispensada a retenção do imposto de renda na fonte sobre as importâncias pagas ou creditadas a pessoa jurídica inscrita no Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte - Simples Nacional (Instrução Normativa RFB nº 765/07) MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI O Microempreendedor Individual é isento do pagamento do Imposto de Renda, conforme estabelece o inciso VI do 3º do art. 18-A, da Lei Complementar 123/06. Em razão disso, na contratação de um Microempreendedor Individual não há retenção de imposto de renda. (Lei Complementar Federal nº 123/06, art. 14, Resolução CGSN nº 94/11, art. 131 e Instrução Normativa RFB nº 765/07) RECOLHIMENTO Os valores a serem retidos são informados na declaração de conformidade e as liquidações, no sistema FINCON, são realizadas pela Controladoria Geral, ou pela secretaria respectiva, conforme o caso. No caso de pagamentos efetuados pelo Sistema Descentralizado de Pagamento, o recolhimento do imposto retido será feito pelos gestores através de DARM. Para emissão acesse o site da SMF: O prazo para recolhimento é até o último dia útil do 2º decêndio do mês subsequente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. (Lei Federal nº /05, art. 70, inciso I, letra d, com a redação dada pelo art. 5º da Lei Federal nº /09) COMPROVANTE No caso de pagamentos efetuados pelo Sistema Descentralizado de Pagamento, o gestor deverá fornecer ao prestador de serviços, conforme 15

16 modelo instituído pela Resolução CGM nº 450/03 Anexo XI, declaração com a informação do desconto efetuado. Para os demais casos, a SMF disponibiliza ao contratado o comprovante da retenção efetuada no site da Secretaria Municipal de Fazenda: CONSULTA Deve ser consultado, periodicamente, devido a possíveis atualizações de legislação, o site da Receita Federal e o Regulamento do Imposto de Renda - RIR/99. Todas as regras de retenção e outras informações podem ser obtidas no Manual do Imposto de Renda Retido na Fonte - MAFON 2012, no site Lei Federal nº 7.713, de 22/12/1988; Lei Federal nº 8.541, de 23/12/1992; Lei Federal nº , de 21/11/2005; LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Decreto Federal nº 3.000, de 26/03/1999 Regulamento do Imposto de Renda - RIR/99; Instrução Normativa SRF nº 23, de 21/01/1986; Instrução Normativa SRF nº 85, de 30/12/1996; Instrução Normativa RFB nº 765, de 02/08/2007; Resolução CGSN nº 94, de 29/11/ EXEMPLO PRÁTICO Exemplo 1: Uma determinada secretaria contrata o serviço de consultoria, prestado pela empresa A, no valor de R$ 4.000,00. Valor do serviço: R$ 4.000,00 Imposto de renda 1,5%: R$ 60, IMPOSTO SOBRE SERVIÇO DE QUALQUER NATUREZA ISS A retenção do ISS (responsabilidade tributária) está prevista na Lei Complementar Federal nº 116/03 (art. 6º), que estabelece que determinados tipos de serviço possam ser objeto de retenção, quando previsto em lei municipal (Lei nº 691/84, art. 14). A retenção do ISS pelos serviços prestados por pessoa jurídica será efetuada conforme a seguinte legislação: (Lista no Anexo 2 deste guia) 16

17 Serviços previsto no anexo I do Decreto nº /04, quando o prestador for localizado fora do Município do Rio de Janeiro; Serviços previsto no anexo I do Decreto nº /04, quando o prestador for localizado no Município do Rio de Janeiro; Serviços previsto no anexo I do Decreto nº /07, quando o prestador for localizado fora do Município do Rio de Janeiro e não estiver em situação regular no CEPOM Cadastro de Empresas Prestadoras de Outros Municípios. O CEPOM é o Cadastro de Empresas Prestadoras de Outros Municípios (Lei nº 691/84, art. 14-A), onde são inseridas informações dos prestadores de serviços de outros municípios que prestem serviço para tomador estabelecido no Município do Rio de Janeiro. A consulta à situação no CEPOM deve ser efetuada pelo CNPJ do prestador do serviço no site: https://dief.rio.rj.gov.br/dief/asp/cepom/default.asp. Poderá o órgão contratante imprimir a mensagem relativa à situação cadastral, juntando ao documento fiscal recebido. Os órgãos contratantes podem orientar aos contratados enquadrados nesta situação a se cadastrarem no CEPOM, para que não ocorra a retenção por descumprimento da legislação (Arts. 5º, 6º e 7º da Resolução SMF nº 2.515/07). Para os serviços descritos nos itens 2 e 3 do Grupo I e nos Grupos II, III, IV e X do Anexo do Decreto nº /04, a retenção será feita independentemente do local em que estejam domiciliados, sediados ou estabelecidos os prestadores de serviços, e para os demais serviços relacionados, somente quando os prestadores estiverem estabelecidos no município do Rio de Janeiro (Parágrafo único do art. 3º do Decreto nº /04). Com o advento da Lei nº 5.020/09, foi acrescentado o art. 1º-A a Lei nº 2.538/97. O artigo atribui aos órgãos da Administração Direta a responsabilidade de efetuar a retenção do ISS incidente sobre o serviço a ser pago nos casos de convênios por eles celebrados com prestadores de serviços não imunes e não isentos SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Para fins de retenção, na prestação dos serviços de elaboração de programa de computador sob encomenda, customização de programa de computador, licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computador diretamente do titular dos direitos autorais e intermediação de licenciamento ou cessão do direito de uso de programa de computador, conforme localização do prestador, deverão ser observadas as legislações já citadas e a Instrução Normativa SMF nº 16/ LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS A Instrução Normativa SMF nº 15/12, orienta a aplicação do enunciado da Súmula Vinculante nº 31 do Supremo Tribunal Federal, de 04/02/10, que considera inconstitucional a tributação sobre a locação de bens móveis pelo Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza. Considera-se locação de bens móveis pura e simples aquela desacompanhada de qualquer prestação de 17

18 serviço. Os órgãos da Administração Direta destinatários do regramento estabelecido na Lei nº 2.538/97, regulamentada pelo Decreto nº /04, com as alterações do Decreto nº /04, estão dispensados, como fontes pagadoras, de efetuar a retenção do ISS sobre a locação de bens móveis pura e simples EMPRESAS DE TRABALHO TEMPORÁRIO Os serviços prestados pelas empresas de trabalho temporário, nos termos da Lei nº 6.019/74, enquadram-se no subitem do art. 8º da Lei nº 691/84, e a base de cálculo do ISS é o valor total cobrado na operação, inclusive encargos e salários. Quando a empresa de trabalho temporário não contratar o trabalhador posto à disposição do tomador, nos termos do art. 11 da Lei nº 6.019/74, atuando como mera intermediadora de mão de obra, o respectivo serviço será enquadrado no subitem do art. 8º da Lei nº 691/84, e a base de cálculo do ISS será o valor da comissão. (Instrução Normativa SMF nº 22/14) OPTANTES PELO SIMPLES As microempresas ou empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional podem sofrer retenção, se os serviços prestados se enquadrarem nos casos de retenção, já descritos. A particularidade é que a alíquota aplicável na retenção deve ser informada no documento fiscal, pelo prestador do serviço. Caso não haja esta informação, aplicar-se-á a alíquota de 5%. Somente não caberá retenção caso a microempresa ou empresa de pequeno porte esteja sujeita à tributação do ISS por valores mensais fixos, devendo essa condição também ser informada no respectivo documento fiscal. (Art. 21, 4º da Lei Complementar nº 123/06 e Resolução SMF nº 2.569/09) MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI Os serviços prestados por microempreendedor individual não podem sofrer retenção de ISS, uma vez que o tratamento tributário concedido a este tipo de empresário assegura o pagamento de ISS fixo e unificado (Art. 94, inciso IV da Resolução CGSN nº 94/11) RECOLHIMENTO Os valores a serem retidos são informados na declaração de conformidade e as liquidações, no sistema FINCON, são realizadas pela Controladoria Geral, ou pela secretaria respectiva, conforme o caso. No caso de pagamentos efetuados pelo Sistema Descentralizado de Pagamento, o recolhimento do imposto retido deverá ocorrer até o 5º dia útil do mês seguinte ao do pagamento do serviço através de DARM preenchido por sistema convencional, em nome da Prefeitura, com a inscrição genérica , e o código de receita poderá ser 109-0, ou 128-7, conforme o caso no site Quando se tratar de serviço tomado de microempresas ou empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional, o DARM será emitido no site 18

19 5.2.7 COMPROVANTE No caso de pagamentos efetuados pelo Sistema Descentralizado de Pagamento, o gestor deverá fornecer ao prestador de serviços, conforme modelo instituído pela Resolução CGM nº 450/03 Anexo XI, declaração com a informação do desconto efetuado. Para os demais casos, a SMF disponibiliza ao contratado o comprovante da retenção efetuada no site da Secretaria Municipal de Fazenda: CONSULTA Todas as regras de retenção e outras informações podem ser obtidas no endereço de internet na opção ISS Responsabilidade Tributária LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Lei nº 691, de 24/12/1984 (Código Tributário Municipal); Lei Complementar nº 116, de 31/07/2003; Lei Complementar nº 123, de 14/12/2006; Lei nº 2.538, de 03/03/1997; Lei nº 3.720, de 05/03/2004; Lei nº 5.020, de 13/05/2009; Decreto nº , de 14/04/2004; Decreto nº , de 28/04/2004; Decreto nº , de 30/07/2007; Resolução SMF nº 2.515, de 30/07/2007; Resolução SMF nº 2.569, de 20/02/2009; Instrução Normativa SMF nº 15, de 12/01/2012; Instrução Normativa SMF nº 16, de 02/07/2012; Instrução Normativa SMF nº 22, de 07/01/2014; Resolução CGSN nº 94, de 29/12/ EXEMPLOS PRÁTICOS Exemplo 1: Uma determinada secretaria contrata o serviço de consultoria, prestado pela empresa A estabelecida no Município do Rio de Janeiro, no valor de R$ 4.000,00. 19

20 Valor do serviço: R$ 4.000,00 ISS 5%: (Decreto nº /04, item VII do anexo) R$ 200,00 Exemplo 2: Uma determinada secretaria contrata o serviço de consultoria em informática, prestado pela empresa B estabelecida fora do Município do Rio de Janeiro, no valor de R$ 4.000,00. O órgão contratante consultou o CEPOM e a referida empresa encontra-se em situação irregular. Valor do serviço: R$ 4.000,00 ISS 5%: (Decreto nº , item 1.06 do anexo I) R$ 200, CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA - INSS A contratação de prestação de serviços executados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, inclusive em regime de trabalho temporário, deverá sofrer retenção de contribuição previdenciária de 11% (onze por cento) do valor bruto da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços. Caberá ao contratante do serviço recolher à Previdência Social a importância retida, em documento de arrecadação identificado com a denominação social e o CNPJ da empresa contratada. (Art. 31 da Lei Federal nº 8.212/91, art. 219 do Decreto Federal nº 3.048/99 e inciso VI do art. 78 e art. 79 ambos da Instrução Normativa RFB nº 971/09) A lista de serviços, os conceitos, a apuração e as deduções da base de cálculo seguem o disposto nos arts. 112 a 150 da Instrução Normativa RFB nº 971/09. A análise dos referidos artigos é fundamental para verificar se há necessidade ou não de retenção e os casos em que materiais podem ser abatidos da base de cálculo. (Lista de serviços no Anexo 3 ao guia) SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO No caso de contratação de serviços de tecnologia de informação (TI) e tecnologia e comunicação da informação (TCI), prestados por cessão de mão de obra, o percentual de retenção será de 3,5% ( 6º do art. 7º da Lei Federal nº /11, introduzido pela Lei Federal nº /12 e inciso II do 3º do art. 2º do Decreto Federal nº 7.828/12). Os referidos serviços, assim considerados são: análise e desenvolvimento de sistemas; programação; processamento de dados e congêneres; elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos; licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; assessoria e consultoria em informática; suporte técnico em informática, inclusive instalação, configuração e manutenção de programas de computação e bancos de dados; planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas; e representante, distribuidor ou revendedor de programas de computador que tiverem percentual inferior a 95% das suas receitas nestas atividades (Decreto Federal nº 7.828/12 e 4º e 5º da Lei Federal nº /08). 20

21 5.3.2 ATIVIDADES DE ENGENHARIA CIVIL No caso de contratação de empresas do setor de construção civil, enquadradas nos grupos 412, 432, 433 e 439 da CNAE 2.0 e as empresas de construção de obras de infraestrutura, enquadradas nos grupos 421, 422, 429 e 431 da CNAE 2.0, mediante cessão de mão de obra, na forma definida pelo art. 31 da Lei Federal nº 8.212/91, e para fins de elisão da responsabilidade solidária prevista no inciso VI do art. 30 da Lei Federal nº 8.212/91, a empresa contratante deverá reter 3,5% do valor bruto da nota fiscal ou da fatura de prestação de serviços. Para consulta ao código CNAE acessar o site ( 6º do art. 7º da Lei Federal nº , de 14/12/11, alterada pela Lei Federal nº , de 18/06/14). As atividades de engenharia civil classificadas como prestação de serviços de sondagens de solo e de fundações especiais, assim como as obras de fundações (compreendida a execução de obra de fundações diversas para edifícios e outras obras de engenharia civil, inclusive a cravação de estacas) não estão sujeitas à retenção das contribuições previdenciárias na forma do art. 31 da Lei nº 8.212/91, conforme disposição do Anexo VII, combinado com o art. 142, III, e art. 143, XVI, da Instrução Normativa RFB nº 971/09. (Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 6/13) ATIVIDADES ESPECIAIS Observar também o disposto no art. 145 da Instrução Normativa RFB nº 971/09, que prevê o acréscimo de 4% (quatro por cento), 3% (três por cento) ou 2% (dois por cento) na retenção, quando a atividade dos segurados na empresa contratante for exercida em condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física destes, de forma a possibilitar a concessão de aposentadoria especial após 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos de trabalho (Art. 6º da Lei Federal nº /03) DISPENSA A retenção está dispensada quando (Art. 120 da Instrução Normativa RFB nº 971/09): I - o valor correspondente a 11% (onze por cento) dos serviços contidos na nota fiscal for inferior ao limite mínimo estabelecido pela RFB para recolhimento em documento de arrecadação (atualmente R$ 10,00); II - a contratada não possuir empregados, o serviço for prestado pessoalmente pelo titular ou sócio e o seu faturamento do mês anterior for igual ou inferior a 2 (duas) vezes o limite máximo do salário-de-contribuição, cumulativamente; III - a contratação envolver somente serviços profissionais relativos ao exercício de profissão regulamentada por legislação federal, ou serviços de treinamento e ensino definidos no inciso X do art. 118, desde que prestados pessoalmente pelos sócios, sem o concurso de empregados ou de outros contribuintes individuais. 21

22 Outros casos que não cabe retenção estão descritos no art. 149 da Instrução Normativa RFB nº 971/ OPTANTES PELO SIMPLES As empresas optantes pelo regime do Simples Nacional que prestarem serviços mediante cessão ou empreitada de mão de obra não estão sujeitas à retenção dos 11%, exceto nas situações em que a Microempresa ou Empresa de Pequeno Porte seja tributada na forma do Anexo IV da Lei Complementar nº 123/06, relativamente aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de janeiro de 2009 (Art. 191 e inciso II da Instrução Normativa nº 971/09). Os serviços de instalação, manutenção e reparação elétrica são tributados segundo o anexo III da Lei Complementar nº 123/06, e não estão sujeitos à retenção da contribuição previdenciária de que trata o art. 31 da Lei nº 8.212/91, ainda que prestados mediante empreitada. Entretanto, se prestados mediante cessão ou locação de mão de obra, constituem atividade vedada a opção pelo Simples Nacional. Caso a ME ou EPP seja contratada para construir imóvel ou executar obra de engenharia, em que os serviços de instalação elétrica faça parte do respectivo contrato, sua tributação ocorrerá juntamente com a obra, na forma do Anexo IV, da Lei Complementar nº 123, de (Solução de Consulta RFB nº 6.001/14) Os serviços de instalação, manutenção e reparação de elevadores, escadas e esteiras rolantes são tributados pelo Anexo III da Lei Complementar nº 123/06, e não estão sujeitos à retenção da contribuição previdenciária prevista no art. 31 da Lei nº 8.212/91, ainda que prestados mediante empreitada. Entretanto, se forem prestados mediante cessão ou locação de mão-de-obra, constituem atividade vedada ao Simples Nacional. Caso a ME ou EPP seja contratada para construir imóvel ou executar obra de engenharia em que os serviços de instalação de elevadores, escadas e esteiras rolantes façam parte do respectivo contrato, sua tributação ocorrerá juntamente com a obra, na forma do Anexo IV da Lei Complementar Federal nº 123/06. (Solução de Divergência COSIT nº 30/13; e Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 3/14) O serviço de pintura predial, exceto aqueles caracterizados como paisagismo ou decoração de interiores, em relação a essa atividade, deve ser tributado na forma do Anexo III da Lei Complementar Federal nº 123/06, e não está sujeita à retenção da contribuição previdenciária prevista no art. 31 da Lei nº 8.212/91, ainda que prestados mediante empreitada. Entretanto, se forem prestados mediante cessão ou locação de mão-de-obra, constituem atividade vedada ao Simples Nacional. Caso essa empresa seja contratada para construir imóvel, executar obra de engenharia ou projetos de paisagismo ou de decoração de interiores em que o serviço de pintura faça parte do contrato, a tributação desse serviço ocorre juntamente com a execução da obra ou projeto, na forma do Anexo IV da Lei Complementar Federal nº 123/06. (Solução de Divergência COSIT nº 33/13) Os serviços de controle de vetores e pragas urbanas, desinfecção e higienização e atividades paisagísticas exercidas por empresa optante pelo Simples Nacional, devem ser tributadas na forma do Anexo IV da Lei 22

23 Complementar nº 123/06, e estão sujeitas à retenção da contribuição previdenciária prevista no art. 31 da Lei nº 8.212/91, quando prestadas mediante cessão de mão de obra ou empreitada. (Solução de Consulta CGT nº 186/14) MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI A Lei Complementar Federal nº 128/08 inseriu na Lei Complementar Federal 123/06 a figura tributária do Microempreendedor Individual. Este empresário individual, em regra, não sofre retenção de contribuição previdenciária quando presta serviços. Entretanto, cabe ao contratante dos serviços de hidráulica, eletricidade, pintura, alvenaria, carpintaria e de manutenção ou reparo de veículos, prestados por MEI, o recolhimento da contribuição a que se refere o inciso III do art. 22 da Lei Federal nº 8.212/91 (contribuição previdenciária patronal) (Art. 104-C da Resolução CGSN nº 94/11, com a redação dada pela Resolução CGSN nº 115/14). Nota de esclarecimento: a redação dada pela Lei Complementar Federal nº 139/11, ao 1º do art. 18-B da Lei Complementar Federal nº 123/06, em conjunto com o art. 201 da Instrução Normativa RFB nº 971/09 obrigavam ao contratante de serviços diferentes de hidráulica, eletricidade, pintura, alvenaria, carpintaria e de manutenção ou reparo de veículos, prestados pelo MEI, o recolhimento da contribuição previdenciária patronal, retroagindo seus efeitos a 9 de fevereiro de Entretanto, a Lei Complementar Federal nº 147/14, no seu art. 12, extinguiu esta obrigação, deixando de produzir efeitos financeiros desde aquela data. (Art. 12 da Lei Complementar Federal nº 147/14) RECOLHIMENTO Os valores a serem retidos são informados na declaração de conformidade e as liquidações, no sistema FINCON, são realizadas pela Controladoria Geral, ou pela secretaria respectiva, conforme o caso. A Secretaria Municipal de Fazenda, através da Superintendência do Tesouro Municipal, é a responsável pelo recolhimento das retenções efetuadas no FINCON e informadas pelos órgãos. No caso de pagamentos efetuados através de Sistema Descentralizado de Pagamento, a importância retida deve ser recolhida até o dia 20 (vinte) do mês seguinte ao da emissão da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços, antecipando-se esse prazo para o dia útil imediatamente anterior quando não houver expediente bancário. A GPS, neste caso, deverá ser preenchida informando, no campo identificador do documento de arrecadação, o CNPJ do estabelecimento da empresa contratada, no campo nome ou denominação social, a denominação social desta, seguida da denominação social da contratante. (Art. 129 da Instrução Normativa RFB nº 971/09) A GPS dever ser preenchida com o código de pagamento 2640 (CNPJ) ou 2680 (CEI) (Contribuição retida sobre a nota fiscal da prestadora de serviço - uso exclusivo de Órgão do Poder Público). No caso da contribuição patronal sobre o MEI, quando esta é devida, utiliza-se na GPS o código de pagamento 23

24 2402 (Órgão do Poder Público - CNPJ), pois é encargo do contratante do serviço. O modelo e o programa para geração da GPS eletrônica encontram-se no site da Previdência Social: na Agência Eletrônica Empregador ou então no site: O recolhimento do tributo retido deve ser efetuado no prazo previsto na legislação. Para o recolhimento em atraso, o INSS publica, mensalmente, uma tabela de pagamento em atraso. Consulte o site utilizando a opção Órgãos Públicos, que o sistema calcula o valor da multa e juros, conforme a competência e a data do recolhimento COMPROVANTE No caso de pagamentos efetuados pelo Sistema Descentralizado de Pagamento, o gestor deverá fornecer ao prestador de serviços, conforme modelo instituído pela Resolução CGM nº 450/03 Anexo XI, declaração com a informação do desconto efetuado. Para os demais casos, a SMF disponibiliza ao contratado o comprovante da retenção efetuada no site da Secretaria Municipal de Fazenda: CONSULTAS Deve-se atentar para possíveis atualizações da legislação previdenciária, podendo consultar o site da Previdência Social, no endereço eletrônico: na Agência Eletrônica do Empregador, consultando a lista completa de serviços, inclusive com orientações quanto à retenção. Lei Federal nº 8.212, de 24/07/1991; Lei Federal nº , de 08/05/2003; Lei Federal nº , de 17/09/2008; Lei Federal nº , de 14/12/2011; Lei Complementar nº 123, de 14/12/2006; Lei Complementar nº 147, de 17/08/2014; Decreto Federal nº 3.048, de 06/05/1999; Decreto Federal nº 7.828, de 16/10/2012 Instrução Normativa RFB nº 971, de 13/11/2009; Resolução CGSN nº 94, de 29/12/2011; LEGISLAÇÃO APLICÁVEL 24

25 Resolução CGSN nº 115, de 04/09/2014; Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 6, de 04/12/2013; Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 3, de 05/06/2014; Solução de Divergência COSIT nº 30, de 29/11/2013; Solução de Divergência COSIT nº 33, de 29/11/2013; Solução de Consulta RFB nº 6.001, de 03/01/2014; Solução de Consulta CGT nº 186, de 25/06/ EXEMPLO PRÁTICO Exemplo 1: A empresa W prestou serviços de manutenção de máquina, para determinada secretaria, no valor de R$ 4.000,00. O valor do material previsto em contrato e informado no documento fiscal é de R$ 500,00. 1º Passo: Apurar a base de cálculo. Valor do serviço: 4.000,00 Deduções: Materiais: 500,00 Base de cálculo: (a) 3.500,00 2º Passo: Apurar o valor a ser retido Base de cálculo: (a) 3.500,00 Retenção: 11% x 3.500,00 385,00 Valor líquido: (b) 3.115,00 6 CONTRATAÇÃO DE COOPERATIVAS DE TRABALHO 6.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IRRF Nos serviços prestados por Cooperativa de Trabalho deverá ser efetuada a retenção do imposto de renda, aplicando-se a alíquota de 1,5% sobre o valor dos serviços pessoais prestados. (Art. 45 da Lei Federal nº 8.541/92 e art. 652 do RIR/99) As importâncias relativas aos serviços pessoais prestados pelos associados deverão ser discriminadas nas faturas, separadamente das importâncias que correspondem a outros custos ou despesas (Ato Declaratório Normativo COSIT nº 1/93). 25

26 6.1.1 SERVIÇO DE TRANSPORTE No caso de serviços de transporte, em veículo próprio, locado ou adquirido com reserva de domínio ou alienação fiduciária, a base para aplicação da tabela progressiva será (Ato Declaratório Normativo COSIT nº 1/93): 10% (dez por cento) do rendimento bruto recebido pela pessoa física, no caso de transporte de carga; (Art. 18 da Lei Federal nº /13) 60% (sessenta por cento) do rendimento bruto recebido pela pessoa física, decorrente do transporte de passageiros. (Lei Federal nº 7.713/88, art. 9º e art. 629 do RIR/99) DISPENSA Fica dispensada a retenção de imposto de renda, de valor igual ou inferior a R$ 10,00 (dez reais), incidente na fonte sobre rendimentos que devam integrar a base de cálculo do imposto devido nas declarações de ajuste anual. (Art. 724 do RIR/ 99 e Instrução Normativa SRF nº 085/96) RECOLHIMENTO Os valores a serem retidos são informados na declaração de conformidade e as liquidações, no sistema FINCON, são realizadas pela Controladoria Geral, ou pela secretaria respectiva, conforme o caso. No caso de pagamentos efetuados através de Sistema Descentralizado de Pagamento, a importância retida deve ser recolhida através de DARM, ao Tesouro Municipal, pelos gestores. Para emissão da guia acesse o site da SMF: O prazo para recolhimento é até o último dia útil do 2º decêndio do mês subsequente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. (Lei Federal nº /05, art. 70, inciso I, letra d, com a redação dada pelo art. 5º da Lei Federal nº /09) COMPROVANTE No caso de pagamentos efetuados pelo Sistema Descentralizado de Pagamento, o gestor do SDP deverá fornecer ao prestador de serviços, conforme modelo instituído pela Resolução CGM nº 450/03 Anexo XI, declaração com a informação do desconto efetuado. Para os demais casos, a SMF disponibiliza ao contratado o comprovante da retenção efetuada no site da Secretaria Municipal de Fazenda: CONSULTA Deve ser consultado, periodicamente, devido a possíveis atualizações de legislação, o site da Receita Federal e o Regulamento do Imposto de Renda - RIR/99. Todas as regras de retenção e outras informações podem ser obtidas no endereço de internet no MAFON 2012: 26

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual 12/05/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009... 4 3.2 Exemplo

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5

1 APRESENTAÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5 PRE F E I T URADACI DADEDORI ODEJ ANE I RO Co n t r o l a d o r i age r a l d omu n i c í p i o SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 5 2 INTRODUÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE LÚCIA HELENA BRISKI YOUNG Estão sujeitos à incidência do imposto na fonte, calculado de acordo com a tabela progressiva mensal, os rendimentos do trabalho assalariado pagos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica 19/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica.

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica. EIRELI A EIRELI é uma empresa individual de responsabilidade limitada. Com a publicação da Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, foi alterado o Código Civil, com a finalidade de autorizar a criação das

Leia mais

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES Sinduscon Ceará - Agosto / 2014 DIAS OBRIGAÇÕES DESCRIÇÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 05 (terça-feira) IRRF RETIDO NA FONTE Recolher até o 3º dia útil após o último decêndio do mês anterior, os fatos gerados a

Leia mais

Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios

Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios Benefício Novos valores da tabela de salários de contribuição e reajustes de benefícios TEXTO NA ÍNTEGRA Em face da publicação do Decreto nº 8.618/2015 - DOU de 30.12.2015, este procedimento foi atualizado.

Leia mais

AGENDA - Janeiro de 2016

AGENDA - Janeiro de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE JANEIRO.: (ÂMBITO FEDERAL) :. AGENDA - Janeiro de 2016 PRAZO NATUREZA DISCRIMINAÇÃO 04.01 08.01 GPS SALÁRIOS CAGED GFIP FGTS SIMPLES DOMÉSTICO

Leia mais

Edicarlos Lima Silva RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

Edicarlos Lima Silva RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Edicarlos Lima Silva Auditor Público Externo Consultor de Estudos e Normas CONSIDERAÇÕES INICIAIS Objetivo -

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 Até dia Obrigação 4 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2015,

Leia mais

DOU: nº 66, de 7 de abril de 2014, Seção 1, pag. 17. Ementa: REEMBOLSO DE ANUIDADE DEVIDA A CONSELHO PROFISSIONAL.

DOU: nº 66, de 7 de abril de 2014, Seção 1, pag. 17. Ementa: REEMBOLSO DE ANUIDADE DEVIDA A CONSELHO PROFISSIONAL. INFORME DRF/REC, em 22/04/2014 Tratando-se de empresa optante pelo Simples Nacional, a contribuição e prevista no art. 7º da Lei nº 12.546, de 2011, incide somente sobre a receita bruta decorrente de atividade

Leia mais

Alexandre Marques Andrade Lemos. es ao. de Contratos e Convênios. Revista, ampliada e atualizada até maio de 2015

Alexandre Marques Andrade Lemos. es ao. de Contratos e Convênios. Revista, ampliada e atualizada até maio de 2015 Alexandre Marques Andrade Lemos r1 11111 es ao.,. u ar1a de Contratos e Convênios Retenções e encargos incidentes na contratação de pessoas ffsicas e jurídicas (INSS, IRRF, CSLL, PIS, COFINS e ISS) Revista,

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 Até dia Obrigação Histórico 3 IRRF Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2011,

Leia mais

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF).

Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 974, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições

Leia mais

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS POR PESSOA JURÍDICA APLICAÇÃO: SETOR PRIVADO E PÚBLICO 1 - INCIDÊNCIA 2 - SERVIÇOS ABRANGIDOS 2.1 - LISTA DE SERVIÇOS 2.2 FACTORING E ASSEMELHADOS

Leia mais

DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014)

DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014) DECRETO Nº 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010 (Com as alterações introduzidas pelo Decreto nº 39.340 de 20/10/2014) Dispõe sobre a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica-NFS-e NOTA CARIOCA e dá outras providências.

Leia mais

Declaração de Saída Definitiva

Declaração de Saída Definitiva 1 de 5 1/3/2011 07:29 Declaração Declaração de Saída Definitiva Obrigatoriedade Comunicação de Saída Definitiva x Declaração de Saída Definitiva do País Prazo e local de entrega da Declaração de Saída

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014:

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014 03/Abril. 5ª Feira. IOF - Imposto sobre Operações Financeiras. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: - Operações

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 3 IRRF Salário de Agosto de 2015 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.08.2015, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Até: Segunda-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de março/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

Agenda Tributária: de 08 a 14 de janeiro de 2015

Agenda Tributária: de 08 a 14 de janeiro de 2015 Agenda Tributária: de 08 a 14 de janeiro de 2015 Dia: 09 Comprovante de Pagamento ou Crédito à Pessoa Jurídica de Juros sobre o Capital Próprio A pessoa jurídica que tenha efetuado o pagamento ou crédito

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento na Construção Civil. (Leis nº 12.546/11 e 12.844/13; Decreto nº 7.828/12; INs RFB nº 971/09 e 1.

Desoneração da Folha de Pagamento na Construção Civil. (Leis nº 12.546/11 e 12.844/13; Decreto nº 7.828/12; INs RFB nº 971/09 e 1. Desoneração da Folha de Pagamento na Construção Civil (Leis nº 12.546/11 e 12.844/13; Decreto nº 7.828/12; INs RFB nº 971/09 e 1.300/12) 1 Sumário 1. Como consultar os entendimentos da RFB? 2. Breve histórico

Leia mais

RESOLUÇÃO CGM Nº 1.101, DE 11 DE JULHO DE 2013. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO CGM Nº 1.101, DE 11 DE JULHO DE 2013. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Controladoria Geral do Município Rua Afonso Cavalcanti 455 14 Andar sala 1409 Cidade Nova - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20211-901 Tel.: (21)-2976-2898 - Fax: (21)-2273-4390

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB Nº. 761 DE 30.07.2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB Nº. 761 DE 30.07.2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB Nº. 761 DE 30.07.2007 D.O.U.: 01.08.2007 Altera a Instrução Normativa MPS/SRP nº. 3, de 14 de julho de 2005, que dispõe sobre normas gerais de tributação

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL)

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) 04.05 (4ª feira) IOF Imposto Sobre Operações Financeiras Último dia para o recolhimento do IOF referente ao

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 5 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.10.2015,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Nota Fiscal Carioca Serviços Tomados - RJ

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Nota Fiscal Carioca Serviços Tomados - RJ Nota 27/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Período de Competência... 4 3.2 FAQ da Prefeitura Municipal do Rio

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015

Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015 Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015 Até: Quarta-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de abril/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes :

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes : Retenção de Tributos e Contribuições Federais nos pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e pela prestação de serviços Dr. Fabiano Gama Ricci* 1.Considerações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS Simples Nacional ISS retido na fonte pelo tomador - MS 10/12/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 6 5.

Leia mais

Manual Prático Para Prestação de Contas

Manual Prático Para Prestação de Contas Manual Prático Para Prestação de Contas INTRODUÇÃO O presente manual tem por finalidade orientar os gestores de projetos culturais sobre os seus deveres, instruir como realizar as despesas e prestar contas

Leia mais

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra...

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... 0 http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... Outubro Notas Cenofisco: 1ª) Além das obrigações relacionadas neste Calendário, o assinante poderá,

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF

Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Contratos de Mútuo Empréstimos Incidência de IRRF e IOF Os contratos de mútuo, comumente realizados entre pessoas físicas e jurídicas, serão tributados, na fonte, pelo Imposto de Renda e pelo Imposto sobre

Leia mais

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS

SUPRIMENTO DE F RIMENTO UNDOS SUPRIMENTO DE FUNDOS - Legislação Oficina 75 ABOP Slide 1 Oficina nº 75 Suprimento de Fundos - Legislação Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Conceito e normatização de suprimento de fundos. Finalidades. Despesas

Leia mais

Elaboração: Nilson José da Silva. Auditor do Estado. Cristina Santos Vilella. Auditora do Estado

Elaboração: Nilson José da Silva. Auditor do Estado. Cristina Santos Vilella. Auditora do Estado Versão 1 - Cuiabá Novembro de 2005 1 Elaboração: Nilson José da Silva Auditor do Estado Cristina Santos Vilella Auditora do Estado 2 APRESENTAÇÃO A Auditoria-Geral do Estado de Mato Grosso AGE-MT após

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA. Eliane Valcam

DESONERAÇÃO DA FOLHA. Eliane Valcam DESONERAÇÃO DA FOLHA Eliane Valcam DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO O que é a desoneração da folha de pagamento? É a substituição da contribuição patronal previdenciária (20% sobre a folha de pagamento

Leia mais

Agenda de Obrigações Tributárias, Trabalhistas e Previdenciárias

Agenda de Obrigações Tributárias, Trabalhistas e Previdenciárias Agenda de Obrigações Tributárias, Trabalhistas e Previdenciárias Fevereiro de 2016 Tipo Dia Obrigação 01/02-2ª Feira 03/02-4ª Feira INSS GPS - Fixação no Quadro de Horário O art. 225, VI do Decreto n 3.048/1999,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Representante Comercial Autônomo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Representante Comercial Autônomo Representante Comercial Autônomo 13/11/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Comissões Pagamento... 4 3.2 Faltas cometidas

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 22 21 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 206 - Data 11 de julho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF REFORMA A SOLUÇÃO DE

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1599, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 14/12/2015, seção 1, pág. 32) Dispõe sobre a Declaração de Débitos e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS - SEFIN COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL - CRE

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS - SEFIN COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL - CRE GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS - SEFIN COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL - CRE ESCLARECIMENTOS SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE. MAIO 2012 APRESENTAÇÃO A Constituição

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 Regulamenta o regime de substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISSQN, instituído pela Lei Complementar n 03, de 17 de setembro

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016 033 18/12/2015 1 de 14 DIA 04 1.ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Recolhimento do ICMS/ Substituição Tributária correspondente a fatos geradores ocorridos no mês de outubro/2015 pelas empresas cujas autopeças,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 151 - Data 17 de junho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. AGÊNCIAS DE PROPAGANDA E PUBLICIDADE.

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Março de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Março de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Março de 2015 Dia: 06/03/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da CLT.

Leia mais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais

ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas. Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas Implementação da Emenda Constitucional nº 87/2015 em Minas Gerais Emenda Constitucional 87/2015 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 "Art. 155 (...) 2º (...) VII - nas operações

Leia mais

IR-FONTE Rendimentos de Aplicações Financeiras, Juros Sobre Capital Próprio, Prêmios, Multas e Vantagens, de que trata o art. 7º da Lei nº 9.

IR-FONTE Rendimentos de Aplicações Financeiras, Juros Sobre Capital Próprio, Prêmios, Multas e Vantagens, de que trata o art. 7º da Lei nº 9. AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL JANEIRO DE 2016 06.01 (4ª Feira) IR-FONTE Rendimentos de Aplicações Financeiras, Juros Sobre Capital Próprio, Prêmios, Multas e Vantagens, de que trata o art. 7º da Lei nº 9.430/1996

Leia mais

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP Nota Técnica n 003/2012/GECON Vitória, 08 de Março de 2012. Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Leia mais

ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2016

ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2016 ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 05/2016 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA FEVEREIRO/2016... Pág. 140 SIMPLES NACIONAL - ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS

Leia mais

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014 ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IMPORTÂNCIAS PAGAS OU CREDITADAS PELAS PESSOAS JURÍDICAS A COOPERATIVAS DE TRABALHO... Pág. 608

Leia mais

Trabalhista/Previdenciária Mês: 01/2016

Trabalhista/Previdenciária Mês: 01/2016 Trabalhista/Previdenciária Mês: 01/2016 Dia: 07 GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social Envio da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia

Leia mais

Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009

Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, modificou a Lei

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção Imposto de Renda para Empregados com Multiplos Vínculos.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção Imposto de Renda para Empregados com Multiplos Vínculos. Retenção Imposto de Renda para Empregados com Multiplos Vínculos. 23/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 5 4. Conclusão...

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 24.113 DE 14 DE ABRIL DE 2004 (Publicado no D O Rio de 15/04/2004) (Com as alterações do Decreto nº 24.170, de 05/05/2004) Altera a regulamentação das disposições da Lei 2.538, de 3 de março

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigações Previdenciárias quando a Empresa Contratar Cooperativa de Trabalho

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigações Previdenciárias quando a Empresa Contratar Cooperativa de Trabalho Obrigações Previdenciárias quando a Empresa Contratar Cooperativa de Trabalho 27/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Análise da Legislação... 3 3. Processos Impactados... 5 4. Conclusão...

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

DIRF 2011. Secretaria da Receita Federal do Brasil

DIRF 2011. Secretaria da Receita Federal do Brasil DIRF 2011 O que é a DIRF? É a Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte feita pela FONTE PAGADORA, destinada a informar à Secretaria da Receita Federal o valor do Imposto de Renda retido na fonte,

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012 Circular 112/2012 São Paulo, 06 de Março de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de

Leia mais

REST LAYOUT TÉCNICO ARQUIVO REMESSA

REST LAYOUT TÉCNICO ARQUIVO REMESSA REST LAYOUT TÉCNICO ARQUIVO REMESSA Versão: 2.9.6 ABRIL/2010 CARACTERÍSTICAS DOS ARQUIVOS NOTAS PRELIMINARES Tamanho de cada registro - 245 bytes Campos Numéricos - Alinhar a direita, zeros à esquerda

Leia mais

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. Introduz as alterações que menciona no Decreto Municipal nº 1751/2004, de 29 de junho de 2004 e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO,

Leia mais

Receita.fazenda.gov.br (05/01/2009)

Receita.fazenda.gov.br (05/01/2009) Instrução Normativa RFB nº 903, de 30 de dezembro de 2008 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUBSTITUTO, no uso da atribuição

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 90 - Data 2 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA. SERVIÇOS

Leia mais

EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI

EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI Inicialmente, cabe informar que a Matrícula CEI, de acordo com o artigo 17 da Instrução Normativa RFB nº 971/09, é considerada como cadastro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPOÁ CHEFIA DE GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPOÁ CHEFIA DE GABINETE DO PREFEITO DECRETO MUNICIPAL Nº 1388/2011 Data: 27 de outubro de 2011 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS - NF-E NO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ. ERVINO SPERANDIO, Prefeito Municipal de Itapoá (SC),

Leia mais

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado

14/2/2013 DIRF-2013. Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado DIRF-2013 Professor Carlos Alberto Silva de Lima Bacharel em Ciências Contábeis Pós Graduado 1 Obrigatoriedade de apresentação Programa gerador A apresentação Prazo de apresentação Retificação Processamento

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 66, inciso III, da Constituição Estadual, e

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 66, inciso III, da Constituição Estadual, e DECRETO Nº 2.490, DE 22 DE ABRIL DE 2010 Introduz alterações no Regulamento do ICMS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo

Leia mais

INSS Contribuição Previdenciária Transporte Rodoviário de Carga 01/2014

INSS Contribuição Previdenciária Transporte Rodoviário de Carga 01/2014 INSS Contribuição Previdenciária Transporte Rodoviário de Carga 01/2014 Áreas comprometidas Área Fiscal: Fará a apuração da receita bruta, com todas as particularidades de exclusões, CFOP, etc. Além disso,

Leia mais

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições:

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições: Versão 7 MANUAL DO PGDAS 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (PGDAS) é um sistema eletrônico para a realização do cálculo do Simples

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1.

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1. 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO Segundo o art. 16 da Instrução Normativa DNRC em tela, ao final dos nomes dos empresários e das sociedades empresárias que estiverem em processo de liquidação, após a anotação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica 24/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD ÍNDICE O que é o FUMCAD 2 Conceito e Natureza Jurídica 2 Doações 3 Dedução das Doações Realizadas no Próprio Exercício Financeiro 4 Passo a Passo para a Doação 5 Principais

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES O Simples Nacional é o regime de apuração instituído pela Lei Complementar nº 123 de 2006, destinado às empresas enquadradas

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DE MAIO DE 2011

BOLETIM INFORMATIVO DE MAIO DE 2011 BOLETIM INFORMATIVO DE MAIO DE 2011 S U M Á R I O 1 - MATÉRIAS FEDERAIS 1 2 - MATÉRIAS ESTADUAIS 3 3 - MATÉRIAS MUNICIPAIS 4 4 - MATÉRIAS TRABALHISTAS 4 5 - MATÉRIAS DIVERSAS 5 1 - MATÉRIAS FEDERAIS DECLARAÇÃO

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 37 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 1.2. OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DA NFS-E... 4 1.3. CONTRIBUINTES IMPEDIDOS DA EMISSÃO

Leia mais

DECRETO Nº 072/2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OLINDA, no uso de suas atribuições legais, DECRETA:

DECRETO Nº 072/2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OLINDA, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: DECRETO Nº 072/2012. EMENTA: REGULAMENTA a Lei Complementar nº 39, de 29 de dezembro de 2011, que institui o Sistema Eletrônico de Escrituração Fiscal SEEF, a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e,

Leia mais

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE Versão 1.0.5 Março/2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 6 2.

Leia mais

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE MANUAL DE INSTRUÇÃO FDE/DRA Nº 002/2016: ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE 2016 (Destinado a Associações de Pais e Mestres - APMs de Escolas Estaduais de São Paulo) Página 1 de 25 1) APRESENTAÇÃO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições 08/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012.

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. Espaço DIPJ 2013 Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. SUMÁRIO 1. Introdução 2. Quem Está Obrigado à Apresentação da DIPJ 2.1.

Leia mais

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta a Lei nº 14.097, de 8 de dezembro de 2005, que institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços e dispõe sobre a geração e utilização de créditos tributários

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.. Publicado no D.O.E n 7.942 de 09 de janeiro de 2001.. Alterada pela Lei nº 2.956, de 9 de abril de 2015 Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas,

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS EIRELI X MEI ALUNA: Karen Lorena Guzmán Rodriguez 3º ano de Ciências Contábeis 2012 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LTDA DEFINIÇÃO A Definição do Empresário Individual

Leia mais

Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços Prestados por Empresas

Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços Prestados por Empresas PREFEITURA DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DA FAZENDA SUBSECRETARIA DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DEPARTAMENTO DE NORMAS TÉCNICAS Manual de Retenção e Recolhimento de Contribuições Previdenciárias em Serviços

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 02/2014 ANO XI (08 de janeiro de 2014)

BOLETIM INFORMATIVO Nº 02/2014 ANO XI (08 de janeiro de 2014) BOLETIM INFORMATIVO Nº 02/2014 ANO XI (08 de janeiro de 2014) 01. CIRCULAR DA CEF APROVA LEIAUTE DO esocial CIRCULAR Nº 642, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Aprova e divulga o leiaute do Sistema de Escrituração

Leia mais