TRATAMENTO DAS RECLAMAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRATAMENTO DAS RECLAMAÇÕES"

Transcrição

1 1/12 TRATAMENTO Nº da versão Data Motivo 07 04/09/06 Alteração do layout e dos pontos 1, 2, 3, 4 e /08/09 Alteração dos pontos 1 a /04/11 Alteração do layout e pontos 1, 2, 4, 5.1, 5.2, 5.4, 5.7 e /02/13 Adequação ao novo acordo ortográfico Alteração em Aprovação e ponto s1, 3, 4, 5.1.1, 5.1.3, 5.1.5, 5.2.3, 5.5, 5.7 e 6. Entra em vigor em: 11/02/2013 VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO Nome Cide Neves Cide Neves Cargo Responsável de Qualidade Responsável de Qualidade Responsável de Processo Visto Nome Cargo Visto Ana Paula Calvinho P lo Administrador Delegado Nota: Documento redigido em conformidade com o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990.

2 2/12 ÍNDICE 1. OBJETIVO ÂMBITO DE APLICAÇÃO DEFINIÇÕES ESPECÍFICAS E ABREVIATURAS DOCUMENTOS ASSOCIADOS MODO OPERATÓRIO Política de Gestão de Reclamações Gestão Interna de Reclamações Responsabilidades Formas de Contacto com a Europ Assistance Reclamações Verbais Reclamações Escritas Atuação do Provedor do Cliente Princípios de Atuação, Perfil e Mandato Formas de Contacto com o Provedor do Cliente Circuito Elegibilidade das Reclamações Elementos a Solicitar ao Reclamante Arquivo Tempos de Resposta Custos de Gestão Análise dos Dados e Atuação em Conformidade Reporte ao Instituto de Seguros de Portugal LISTA DOS DETENTORES ANEXOS... 12

3 3/12 1. OBJETIVO Este procedimento define os princípios, circuitos e formas de atuação que devem reger o tratamento de reclamações recebidas pela Europ Assistance Companhia Portuguesa de Seguros, S.A.. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Aplica-se a todos os Colaboradores e Provedor do Cliente, bem como a todos os produtos, garantias e prestações de serviços associadas. 3. DEFINIÇÕES ESPECÍFICAS E ABREVIATURAS Clientes: as pessoas jurídicas, singulares ou coletivas, que subscrevam um contrato de seguro com a EAP, bem como as pessoas seguras e utilizadores aí designados. Colaboradores: aqueles que têm com a EAP uma relação de trabalho e que atuam em nome desta, independentemente da natureza do vínculo laboral. EAP ou Companhia: Europ Assistance Companhia Portuguesa de Seguros, S.A. Fornecedores de Serviços: aqueles que possuem um contrato de prestação de serviços com a EAP no âmbito da atividade seguradora. FR: Área de Fornecedores ISP: Instituto de Seguros de Portugal PR-1: Registo informático de observações sobre fornecedores da EAP. Provedor do Cliente: figura autónoma que representa uma segunda instância de apreciação das reclamações efetuadas por Clientes ou Terceiros, em condições pré-determinadas pelo ISP. Reclamação: manifestação de discordância em relação a uma posição assumida pela EAP ou de insatisfação em relação aos serviços prestados por esta, bem como qualquer alegação de eventual incumprimento, apresentada por Clientes ou Terceiros. Não se inserem no conceito de reclamação: declarações que integrem o processo de negociação contratual, interpelações para cumprimento de deveres legais ou contratuais, comunicações inerentes ao processo de regularização de sinistros e eventuais pedidos de informação ou esclarecimento. Reclamante: pessoa singular ou coletiva que se assume como autora da reclamação. Supervisor: elemento de chefia que tem a seu cargo um ou mais colaboradores.

4 4/12 Terceiros: as pessoas que intervenham num processo de assistência em nome ou a favor de Clientes, bem como as pessoas lesadas nalgum sinistro em que esteja envolvido um Cliente. 4. DOCUMENTOS ASSOCIADOS R-10-SQ Mapa dos Objetivos da Qualidade G2-SQ-04 Ações Corretivas e Preventivas S2-DA-FR-04 Avaliação dos Fornecedores de Assistência PAF Política Antifraude PT Política de Tratamento de Clientes, Terceiros e Restantes Interlocutores CC Código de Conduta Livro de Reclamações Provedor do Cliente Estatuto e Regulamento de Procedimentos Aplicáveis Decreto-Lei nº 156/2005 de 15 de setembro Norma Regulamentar nº 10/2009-R de 25 de junho, emitida pelo ISP Norma Regulamentar Nº 2/2013-R, de 10 de janeiro 5. MODO OPERATÓRIO 5.1. Política de Gestão de Reclamações Todos os Colaboradores e Fornecedores de Serviços da EAP devem agir no sentido de evitar reclamações e providenciar um serviço de qualidade que vá de encontro, na medida do possível, às necessidades e expectativas dos Clientes. Qualquer reclamação deve ser entendida como uma oportunidade de melhoria e efetivamente analisada enquanto tal, de forma imparcial e sem juízos de valor ou ideias pré-concebidas. As reclamações podem ser apresentadas sob a forma verbal ou escrita, devendo esta última ser impreterivelmente requerida em casos de especial complexidade, como exigências de indemnização por danos morais, reclamações relativas a assistências no estrangeiro e reclamações relativas a danos patrimoniais (incluindo furto de bens, fraude ou tentativa de fraude). Nenhuma reclamação poderá ficar sem tratamento, sendo que todas as reclamações devem ser alvo de uma posição cordial e respeitadora que responda de forma cabal ao universo dos pontos reclamados, visando o esclarecimento rápido, diligente e eficaz do Reclamante. Este poderá, em qualquer momento, solicitar esclarecimentos sobre os elementos que estiveram na base de uma posição tomada pela EAP. Situações de conflito de interesses devem ser evitadas, nos termos descritos no Código de Conduta (CC), na Política Antifraude (PAF) e na Política de Tratamento de Clientes, Terceiros e Restantes Interlocutores (PT).

5 5/12 Os Colaboradores que intervenham na gestão dos processos de reclamação devem ser idóneos e possuir qualificação profissional adequada, nomeadamente conhecimentos técnicos suficientes para elaborar uma resposta correta. A gestão de reclamações pela EAP não prejudica o direito de recurso aos tribunais ou a mecanismos de resolução extrajudicial de litígios. Nestes casos, a EAP ou o Provedor do Cliente poderão reservar-se o direito de não emitir uma resposta, já que a resolução estará pendente da decisão de uma destas entidades. De igual forma, a Companhia poderá reservar-se o direito de não emitir uma posição quando a reclamação tiver sido previamente enviada ao Provedor do Cliente e enquanto decorrer o seu prazo estipulado de resposta. A EAP compromete-se a colaborar com o Provedor do Cliente e com qualquer entidade judicial ou extrajudicial no sentido da resolução eficaz de um conflito Gestão Interna de Reclamações Responsabilidades A Área de Qualidade assume a responsabilidade pela implementação, manutenção e monitorização do sistema de tratamento de reclamações na EAP, devendo o mesmo ser validado pela Administração. Neste sentido, cabe ao Responsável de Qualidade promover a discussão geral e frequente sobre o tema das reclamações, o que naturalmente não pode isentar as Direções de refletirem e atuarem sobre os assuntos reclamados que lhes digam respeito. O tratamento de reclamações verbais é da responsabilidade das Direções visadas. Por sua vez, a análise de reclamações escritas e a respetiva resposta são da responsabilidade da Atenção ao Cliente, em colaboração com a Direção implicada, recomendando-se o envolvimento da Área de Qualidade na preparação de respostas complexas ou de especial melindre e no esclarecimento de qualquer dúvida. O Responsável de Qualidade assume a função de Gestor de Reclamações a nível externo, nos termos definidos pelo ISP, devendo a Administração da Companhia garantir a autonomia desta função Formas de Contacto com a Europ Assistance As reclamações verbais poderão ser apresentadas por via da linha telefónica que terá servido para estabelecer os contactos até aí ocorridos com a EAP. As reclamações escritas poderão ser enviadas por correio eletrónico ou via CTT, devendo ser facultados aos Reclamantes os seguintes elementos:

6 6/12 Morada: Europ Assistance Atenção ao Cliente Av. Columbano Bordalo Pinheiro, 75 10º LISBOA Correio eletrónico: Reclamações Verbais Uma reclamação verbal deve ser alvo de seguimento imediato, ou no máximo no dia seguinte, sendo particularmente urgente a resolução de um conflito relativo a uma situação ainda a decorrer. É desejável que esta resolução envolva a ação ou orientação de um Supervisor. Sempre que tal seja solicitado, serão fornecidas a um Reclamante indicações sobre como poderá formalizar a reclamação por escrito. Este será impreterivelmente o meio a utilizar nos casos que envolvam especial complexidade. Não é exigida a comunicação de reclamações verbais à Área de Qualidade, a menos que, face à complexidade ou especial melindre da situação, se entenda ser necessária uma resposta escrita, com emissão posterior do R-05-SQ, ou se verifiquem ocorrências sucessivas relativamente a determinada matéria Reclamações Escritas Etapa Descrição Responsabilidade Input/Output 1 Receção e encaminhamento Receção da reclamação e encaminhamento para a Direção a que a mesma diga respeito. Todos os colaboradores Reclamação escrita 2 Pré-análise da reclamação É efetuada uma pré-análise da reclamação, por forma a enquadrar a situação. Pretende-se que esta pré-análise seja rapidamente desenvolvida, dados os tempos de resposta exigidos. Direção envolvida Reclamação escrita e documentação diversa 3 Reencaminhamento da reclamação Reencaminhamento da reclamação para a Atenção ao Cliente, com indicação dos elementos já recolhidos. Direção envolvida Reclamação escrita e documentação diversa 4 Preparação da resposta Recolha de elementos adicionais, necessários ao tratamento da reclamação, e preparação da resposta, de acordo com a análise efetuada. Atenção ao Cliente (em colaboração com a Direção envolvida) Reclamação escrita e documentação diversa 5 Implementação das primeiras medidas corretivas (se aplicável ) Implementação das medidas corretivas mais prementes, nomeadamente a criação de PR-1 quando uma reclamação visa justificadamente um fornecedor cuja ação necessita de ser limitada no imediato. Atenção ao Cliente FR PR-1 Reclamação escrita e documentação diversa A

7 7/12 Etapa Descrição Responsabilidade Input/Output A 6 Resposta à reclamação É enviada resposta à reclamação conforme os princípios e modos de atuação definidos. Atenção ao Cliente ou Direção envolvida Reclamação escrita. Resposta escrita. 7 Implementação de medidas adicionais (se aplicável) Implementação de possíveis medidas adicionais (ou medidas menos prementes) para corrigir eventuais desvios e impedir novas ocorrências da mesma natureza. No caso de estar em causa uma reclamação visando justificadamente um fornecedor, e na sequência da criação do PR- 1, tal fornecedor é avaliado em conformidade com o procedimento previsto. Direção envolvida FR Reclamação escrita. Resposta escrita. Documentação diversa. PR-1 S2-DA-FR-04 8 Registo da reclamação e arquivo da documentação Registo da reclamação em base de dados elaborada para o efeito, seguindo-se a impressão do R-05-SQ preenchido. Arquivo da documentação, que inclui a reclamação em si, a respetiva resposta, uma cópia do R-05-SQ e eventualmente documentação adicional que tenha sido relevante para a análise. Atenção ao Cliente Reclamação escrita. Resposta escrita. Documentação diversa. Registo em base de dados. R-05-SQ. O original do R-05-SQ segue para a Área de Qualidade. 1 Reunião de Comité (ver 5.8) 2 Necessária mais alguma ação? Sim 3 Implementação de medidas adicionais 4 G2-SQ-04 Não 5 Fim da análise Notas: a. O R-05-SQ poderá ser inicialmente utilizado para transmitir os principais elementos da reclamação, visando facilitar um primeiro registo em base de dados. b. As reclamações apresentadas com recurso ao Livro de Reclamações estarão sujeitas ao modo de tratamento previsto no Decreto-Lei nº 156/2005 de 15 de setembro, que regula aquele instrumento. Serão, ainda assim, igualmente registadas em base de dados. A integridade deste livro deverá ser assegurada pela Área de Atenção ao Cliente. c. Na resposta a uma reclamação escrita deve privilegiar-se igualmente a forma escrita. O recurso a uma reposta verbal deve neste caso ser devidamente justificado. d. Uma reclamação pode ser diretamente enviada por um Reclamante ou seu representante, encaminhada por um Cliente Institucional ou provir do Provedor do Cliente. O circuito é idêntico em todos os casos, sendo portanto aplicável o esquema acima, mas deve ter-se em atenção a quem se dirige a resposta ou uma sua cópia.

8 8/12 e. As insistências a uma reclamação também seguem o esquema acima, não sendo no entanto necessária a reimpressão de um novo R-05-SQ se a posição da Europ Assistance se mantiver. f. Uma insistência não receberá um novo número na base de dados de reclamações, mantendo a numeração da reclamação original. g. O recurso ao Provedor do Cliente poderá ocorrer por iniciativa do Reclamante, nos termos descritos mais à frente, ou por iniciativa da EAP. Neste último caso, poderá reconhecer-se que uma dada reclamação, ou insistência, é particularmente pertinente para os métodos de trabalho e condições em vigor, mostrando-se vantajosa a obtenção de um parecer objetivo independente, precisamente o do Provedor do Cliente Atuação do Provedor do Cliente Princípios de Atuação, Perfil e Mandato O âmbito de atuação do Provedor do Cliente está restringido a Clientes diretos da EAP. Os casos relacionados com resseguro deverão ser encaminhados para o respetivo Cliente Institucional ou seu Provedor do Cliente, conforme procedimento que esteja acordado. O Provedor do Cliente compromete-se a cumprir na íntegra os princípios e modos de atuação previstos no procedimento de Tratamento de Reclamações e no Estatuto e Regulamento que lhe são aplicáveis. O seu perfil, as incompatibilidades associadas à função, a duração do mandato e possibilidade da respetiva renovação, bem como os termos da cessação de funções, encontram-se descritos em Provedor do Cliente Estatuto e Regulamento de Procedimentos Aplicáveis Formas de Contacto com o Provedor do Cliente Morada: Provedor do Cliente da Europ Assistance Exmo. Sr. Dr. José Ramos Teles de Matos Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, Edifício Pórtico nº º Lisboa Correio eletrónico: Telefone: Fax:

9 9/ Circuito Etapa Descrição Responsabilidade Input/Output 1 Receção da reclamação De acordo com os termos definidos, poderá tratar-se de uma reclamação já respondida pela Europ Assistance, representando portanto uma insistência, ou de uma reclamação que ainda não teve análise prévia. Provedor do Ciente Reclamação escrita 2 Análise e enquadramento da reclamação É efetuada uma análise da reclamação, com um pedido de esclarecimento à Área de Atenção ao Cliente, que lhe deverá dar seguimento no prazo máximo de 10 dias. Provedor do Ciente Atenção ao Cliente Reclamação escrita. Pedido de esclarecimento e respetiva resposta. 3 Resposta ao Reclamante Resposta ao Reclamante, por escrito, com indicação de eventuais recomendações. Provedor do Ciente Reclamação e esclarecimentos provindos da EAP. Resposta escrita. 4 Transmissão de recomendações à Europ Assistance Para a Europ Assistance seguem, ao cuidado da Atenção ao Cliente e do Responsável de Qualidade: - Cópia da Resposta ao Reclamante; - Recomendações e respetiva fundamentação. Provedor do Ciente Cópia da resposta ao Reclamante. Recomendações (por escrito). 5 Resposta às recomendações Posição da Europ Assistance face às recomendações emitidas pelo Provedor do Cliente, com a devida justificação de eventuais recomendações não acolhidas. Responsável de Qualidade Recomendações. Resposta escrita. 6 Informação ao Reclamante Informação ao Reclamante, por escrito, das recomendações emitidas e não acolhidas pela EAP, sendo facultada cópia desta correspondência à Companhia. Provedor do Cliente Resposta escrita 7 Publicação das recomendações Publicação das recomendações do Provedor do Cliente no site da EAP. Responsável de Qualidade Recomendações. Site da EAP. 8 Arquivo da documentação Provedor do Cliente Atenção ao Cliente Responsável de Qualidade Reclamação escrita. Resposta escrita. Recomendações. Documentação diversa. Notas: a. Qualquer contacto da EAP com o Provedor do Cliente deverá ser do conhecimento da Área de Qualidade; b. O Provedor do Cliente deverá dar conhecimento à EAP, no mais curto espaço de tempo possível, de qualquer resposta dirigida a um Reclamante; c. Será impreterivelmente utilizado o meio escrito em todas as respostas a recomendações emitidas pelo Provedor de Cliente.

10 10/ Elegibilidade das Reclamações São consideradas elegíveis para efeitos de apresentação ao Provedor do Cliente: - As reclamações escritas que não tenham tido resposta no prazo máximo de 20 dias, contados a partir da data da respetiva receção (ou 30 dias nos casos de especial complexidade); - As reclamações escritas em que, tendo existido uma resposta nesse prazo, o Reclamante discorde do sentido da mesma Elementos a Solicitar ao Reclamante Sem prejuízo de outros elementos que venham a ser necessários para o tratamento da reclamação, devem ser sempre solicitados ao Reclamante os seguintes elementos: - Identificação do Reclamante; - Relação com o Cliente ou Terceiro, caso o Reclamante não seja um daqueles; - Número de apólice ou matrícula, se aplicável; - Dados de contacto; - Descrição dos factos que motivaram a reclamação. Deve ser igualmente recolhida pelo Colaborador a data, e se aplicável a hora, da reclamação e de qualquer contacto que lhe diga respeito Arquivo A Área de Atenção ao Cliente será responsável pelo arquivo de todas as reclamações escritas, bem como das respetivas respostas e documentos associados, excetuando o original do R-05-SQ, que ficará na posse da Área de Qualidade. Este arquivo deverá ser assegurado durante um prazo mínimo de 5 anos. Também o Provedor do Cliente deverá assegurar o arquivo de todas as suas respostas e recomendações durante aquele prazo mínimo Tempos de Resposta Uma reclamação verbal deve ser alvo de seguimento imediato, ou no máximo no dia seguinte. Nas reclamações escritas, sem prejuízo do princípio de tratamento célere das reclamações, a resposta a todos os pontos reclamados deve ser emitida num prazo máximo de 20 dias após a receção da reclamação pela Europ Assistance, podendo este prazo ser prorrogado para 30 dias nos casos que envolvam especial complexidade. Em qualquer dos casos deve ser enviada ao Reclamante uma primeira resposta, acusando a receção da reclamação, no prazo máximo de 5 dias.

11 11/12 Por sua vez, o Provedor do Cliente deve emitir uma resposta no prazo máximo de 30 dias face às reclamações que lhe sejam apresentadas, contados a partir da data em que estas cheguem ao seu conhecimento, podendo este prazo ser prorrogado para 45 dias nos casos que envolvam especial complexidade. Internamente: - Os pedidos de esclarecimento do Provedor do Cliente à EAP devem ser respondidos num prazo de 10 dias; - As respostas do Provedor do Cliente a um Reclamante devem ser do conhecimento da Companhia no mais curto espaço de tempo possível; - A resposta da EAP às recomendações emitidas pelo Provedor do Cliente deve ser dada no prazo máximo de 20 dias, contados a partir da data da respetiva receção Custos de Gestão A gestão de uma reclamação não pode acarretar quaisquer custos ou encargos para o Reclamante Análise dos Dados e Atuação em Conformidade Relativamente às reclamações escritas, a tipificação dos principais motivos de reclamação e justificações apresentadas, bem como o levantamento dos tempos médios de resposta, são realizados pelo Responsável de Qualidade. Estes resultados são posteriormente discutidos nas reuniões do Comité da Qualidade e analisada a necessidade de eventuais ações corretivas adicionais. Em caso afirmativo, e se a complexidade das ações definidas o justificar, será seguido o procedimento G2-SQ-04 Ações Corretivas e Preventivas. Cada Direção deve garantir que as considerações extraídas da análise de reclamações, verbais e escritas, são tidas em conta na sua atividade quotidiana e agir no sentido de corrigir ou antecipar problemas recorrentes ou sistémicos. As recomendações do Provedor do Cliente devem ser tornadas públicas no site da Europ Assistance e aí mantidas durante um período mínimo de 3 anos. O procedimento de Tratamento das Reclamações deve ser comunicado internamente a todos os Colaboradores, mantendo-se permanentemente disponível e acessível em meio de divulgação interno. De igual modo, deve ser tornado público no sítio da Internet e disponibilizado em papel sempre que solicitado Reporte ao Instituto de Seguros de Portugal Tanto o Responsável de Qualidade, na figura de Gestor de Reclamações, como o Provedor do Cliente, deverão enviar anualmente ao Instituto de Seguros de Portugal, nos moldes e prazos que por esta entidade forem definidos, um relatório relativo à gestão de reclamações do ano anterior.

12 12/12 6. LISTA DOS DETENTORES O acesso ao presente procedimento está indicado em R-02-SQ - Mapa de Controlo dos Documentos do SGQ e respetiva distribuição. 7. ANEXOS R-05-SQ Registo de reclamação

COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE

COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE CAPÍTULO I - PRINCÍPIO GERAIS Artigo 1º - Objeto 1. O presente documento tem por objetivo definir o estatuto do Provedor do Cliente da Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A. e estabelecer um conjunto

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Agosto 2010 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO APLICÁVEL À GESTÃO DE RECLAMAÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições preliminares

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar nº 10/2009 de 25 de junho. AXA Global Direct Seguros y Reaseguros,

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

Regulamento do Provedor do Cliente

Regulamento do Provedor do Cliente Vr5-0_Março/2016 Índice Artigo 1.º - Atribuições... 3 Artigo 2.º - Duração do mandato e incompatibilidades... 3 Artigo 3.º - Reclamações elegíveis para apreciação pelo Provedor do Cliente... 5 Artigo 4.º

Leia mais

REGULAMENTO PROVEDORIA DO CLIENTE CAPITULO I - PRINCIPIOS GERAIS

REGULAMENTO PROVEDORIA DO CLIENTE CAPITULO I - PRINCIPIOS GERAIS REGULAMENTO PROVEDORIA DO CLIENTE CAPITULO I - PRINCIPIOS GERAIS Artigo 1º - Objecto 1- O presente documento tem por objecto definir o estatuto do Provedor do Cliente das seguintes companhias de seguro:

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA BES, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA BES, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A Artigo 1º ÂMBITO 1. A presente Política de Tratamento consagra os princípios adotados pela BES, Companhia de Seguros, S.A. (BES Seguros), no quadro do seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados,

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO - TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS -

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO - TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS - REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO - TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS - Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento consagra os princípios adotados pela Zurich Insurance

Leia mais

Anexo: Informação Relativa à Gestão de Reclamações... 5

Anexo: Informação Relativa à Gestão de Reclamações... 5 REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO DA COMPAÑIA ESPAÑOLA DE SEGUROS Y REASEGUROS DE CRÉDITO Y CAUCIÓN, S.A., SUCURSAL EM PORTUGAL, NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A Artigo 1º ÂMBITO 1. A presente Política de Tratamento consagra os princípios adotados pela GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. (GNB SEGUROS), no quadro do seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados,

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência

Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA-BoS-14/259 PT Orientações relativas à avaliação interna do risco e da solvência EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax. + 49 69-951119-19; email:

Leia mais

Regulamento de Gestão de Reclamações

Regulamento de Gestão de Reclamações Regulamento de Gestão de Reclamações no Banco Santander Totta, SA Introdução A Qualidade de Serviço é, para o Banco Santander Totta, SA, um referencial e a forma por excelência de se posicionar e distinguir

Leia mais

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A.

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. Janeiro 2014 Enquadramento A promoção da melhoria contínua da qualidade de serviço no

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA(BoS(13/164 PT Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA WesthafenTower Westhafenplatz 1 60327 Frankfurt Germany Phone: +49 69 951119(20 Fax: +49 69 951119(19

Leia mais

Orientações sobre parâmetros específicos da empresa

Orientações sobre parâmetros específicos da empresa EIOPA-BoS-14/178 PT Orientações sobre parâmetros específicos da empresa EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax. + 49 69-951119-19; email: info@eiopa.europa.eu

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º

Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º Política de tratamento no quadro de relacionamento da COSEC com Entidades (Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários, Entidades Risco e terceiros interessados) Artigo 1º ÂMBITO 1. Na sequência do

Leia mais

Avaliação do Desempenho dos Médicos.

Avaliação do Desempenho dos Médicos. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 24/13 De: 12.11.2013 ASSUNTO: Regulamento de Funcionamento do Conselho Coordenador de Avaliação do Desempenho dos Médicos. Vem o Conselho de Administração, por este meio, informar

Leia mais

Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou

Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados Janeiro 2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA DE

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros O revisor oficial de contas (ROC) é reconhecido na legislação e regulamentação em vigor

Leia mais

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência REGULAMENTO DA POLITICA DE TRATAMENTO DA EMPRESA DE SEGUROS, A.M.A., AGRUPACIÓN MUTUAL ASEGURADORA, MÚTUA DE SEGUROS A PRIMA FIJA NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS,

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1. Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1. Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Mobilidade de Pessoal para missões de ensino e/ou formação (denominação legal da instituição de envio), sedeada na (morada

Leia mais

Relatório de Atividade do Serviço de Provedoria do Cliente. Companhia de Seguros Allianz Portugal. Ano de 2015

Relatório de Atividade do Serviço de Provedoria do Cliente. Companhia de Seguros Allianz Portugal. Ano de 2015 Relatório de Atividade do Serviço de Provedoria do Cliente Companhia de Seguros Allianz Portugal Ano de 2015 Durante o ano que findou voltou a ser evidente a confiança que os clientes e lesados da Seguradora

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Índice Texto do Aviso Texto do Aviso Assunto: Assunto Mod. 99999910/T 01/14 Com a publicação do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de junho, que transpôs para a ordem

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Equidade, Diligência e Transparência

Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Equidade, Diligência e Transparência REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO - TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS - Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento consagra os princípios adoptados pela Zurich Insurance

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO MUNICIPAL DE GOUVEIA HASTA PÚBLICA

ATRIBUIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO MUNICIPAL DE GOUVEIA HASTA PÚBLICA ATRIBUIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS NO MERCADO MUNICIPAL DE GOUVEIA HASTA PÚBLICA PROGRAMA 1.Entidade Competente A entidade concedente é o Município de Gouveia, com sede na Avenida 25 de abril,

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

Anexo II Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2015-2016

Anexo II Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2015-2016 Anexo II Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2015-2016 Protocolo de Estágio entre AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo, E.P.E. e (nome da entidade) Entre PRIMEIRO:

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais Capítulo I: Aplicação e Objeto 1.1. Pelo presente documento, a ARBITRAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. ( Gestora ) vem, nos termos do Código ANBIMA

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e a revisão por parte de entidades idóneas, independentes e isentas.

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

Acordo quadro de serviço móvel terrestre PROGRAMA DE CONCURSO

Acordo quadro de serviço móvel terrestre PROGRAMA DE CONCURSO Acordo quadro de serviço móvel terrestre PROGRAMA DE CONCURSO ANCP 2012 Índice Artigo 1.º Tipo de procedimento, designação e objeto... 3 Artigo 2.º Entidade pública adjudicante... 3 Artigo 3.º Órgão que

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 Índice Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 860 Dezembro de 2008 Relatório Sobre o Sistema de Controlo Interno das Instituições de Crédito e Sociedades

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

Condições de Oferta dos Serviços STV

Condições de Oferta dos Serviços STV Condições de Oferta dos Serviços STV ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR...2 2. INFORMAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS ACESSÍVEIS AO PÚBLICO... 2 2.1) SERVIÇO DE TELEFONE VOZ FIXA...

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE SEGUROS Nº CP 001/ENB/2014

CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE SEGUROS Nº CP 001/ENB/2014 CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO DE SEGUROS Nº CP 001/ENB/2014 Entre: A Escola Nacional de Bombeiros, NIF 503 657 190, com sede na Quinta do Anjinho, São Pedro de Penaferrim - 2710-460 Sintra, neste

Leia mais

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 162/XII Aprova os requisitos de acesso e de exercício da atividade de perito qualificado para a certificação energética e de técnico de instalação e manutenção de edifícios e sistemas, conformando-o

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSATEMPO. Os Festivais de Verão estão à porta. CTT Correios de Portugal S.A Sociedade Aberta, com sede na Av. D. João II, n.

REGULAMENTO DO PASSATEMPO. Os Festivais de Verão estão à porta. CTT Correios de Portugal S.A Sociedade Aberta, com sede na Av. D. João II, n. REGULAMENTO DO PASSATEMPO Os Festivais de Verão estão à porta CTT Correios de Portugal S.A Sociedade Aberta, com sede na Av. D. João II, n.º 13, em Lisboa, Pessoa Coletiva nº. 500 077 568, irá realizar

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS ORAIS DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO

REGULAMENTO DAS PROVAS ORAIS DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO REGULAMENTO DAS PROVAS ORAIS DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO APROVADO PELO CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS NO ÂMBITO DO REGULAMENTO N.º 52-A/2005 DO CONSELHO GERAL A formação e avaliação têm

Leia mais

REGULAMENTO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS - EMPRESAS DO GRUPO METALCON -

REGULAMENTO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS - EMPRESAS DO GRUPO METALCON - REGULAMENTO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS - EMPRESAS DO GRUPO METALCON - 1 ÍNDICE 1. Enquadramento. 3 3. Princípios orientadores da Politica de Gestão de Recursos Humanos..... 4 A) Recrutamento..... 6 B)

Leia mais

Assunto Audição do Conselho Nacional das Ordens Profissionais (CNOP) na 10ª Comissão de Segurança Social e Trabalho

Assunto Audição do Conselho Nacional das Ordens Profissionais (CNOP) na 10ª Comissão de Segurança Social e Trabalho Assunto: Audição do Conselho Nacional das Ordens Profissionais (CNOP) na 10ª Comissão de Segurança Social e Trabalho Parecer no âmbito do circuito legislativo das dezasseis (16) Propostas de Lei que adaptam

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO

PROGRAMA DE CONCURSO MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE Concurso Público ALIENAÇÃO DE LOTES DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO URBANA Loteamento Municipal de Castro Verde 7 Lotes Loteamento Municipal de Santa bárbara de Padrões 15 Lotes Loteamento

Leia mais

Preâmbulo CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E ENQUADRAMENTO. Artigo 1º. Objeto âmbito

Preâmbulo CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E ENQUADRAMENTO. Artigo 1º. Objeto âmbito Preâmbulo O Centro Cultural e de Convívio Académico D. Dinis (CCDD) é uma valência da Divisão de Oferta Integrada de Serviços (DOIS) dos Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra (SASUC), ligado

Leia mais

ACADEMIA PIONEIROS Férias

ACADEMIA PIONEIROS Férias sempre a mexer (regime OCUPAÇÃO ABERTA) Regulamento Interno Férias 2013 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Pioneiros e seus parceiros, em regime fechado;

Leia mais

Projeto Testes Intermédios 2014/2015 Informação-Projeto

Projeto Testes Intermédios 2014/2015 Informação-Projeto Projeto Testes Intermédios 2014/2015 Informação-Projeto INFORMAÇÃO AOS DIRETORES, GESTORES DE PROJETO E PROFESSORES Na sequência da publicação da Informação 1, divulgada pelo IAVE, I.P., na Extranet, no

Leia mais

DECRETO N.º 70/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 70/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 70/XII Define os meios de prevenção e combate ao furto e de recetação de metais não preciosos com valor comercial e prevê mecanismos adicionais e de reforço no âmbito da fiscalização da atividade

Leia mais

capítulo Enforcement

capítulo Enforcement capítulo 4 4.1 Considerações iniciais No quadro da atividade de enforcement, o ISP (i) dirige recomendações e determinações específicas às entidades supervisionadas visando a correção de eventuais irregularidades

Leia mais

Iniciativa APAH. Mérito em Administração Hospitalar Prémio Margarida Bentes. Regulamento

Iniciativa APAH. Mérito em Administração Hospitalar Prémio Margarida Bentes. Regulamento Iniciativa APAH Mérito em Administração Hospitalar Prémio Margarida Bentes Regulamento A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), em coerência com o preceituado no artigo 3º alíneas

Leia mais

Programa Incentivo. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Porto de Leixões. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º. (Funções do Provedor)

Porto de Leixões. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º. (Funções do Provedor) Estatuto do Provedor do Cliente do Transporte Marítimo do Porto de Leixões Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Funções do Provedor) 1. O Provedor do Porto de Leixões, adiante designado como Provedor,

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html Grécia-Tessalónica: Desenvolvimento de tecnologias de informação e informações sobre o mercado

Leia mais

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Com a criação dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC),

Leia mais