Escola SENAI Morvan Figueiredo. Técnico em Desenho de Projetos. Bruno Lima da Costa. Caroline Cordeiro da Silva. Guilherme Ribeiro Potomatti

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola SENAI Morvan Figueiredo. Técnico em Desenho de Projetos. Bruno Lima da Costa. Caroline Cordeiro da Silva. Guilherme Ribeiro Potomatti"

Transcrição

1 Escola SENAI Morvan Figueiredo Técnico em Desenho de Projetos Bruno Lima da Costa Caroline Cordeiro da Silva Guilherme Ribeiro Potomatti Jaqueline de Seixas Pina Maelly Santos Fernandes Thamiris Cristine Kerber Tifanny Vieira de Oliveira PROJETO SUPER 7 MESA ELEVATÓRIA TRANSPORTADORA São Paulo 2012

2 Bruno Lima da Costa Caroline Cordeiro da Silva Guilherme Ribeiro Potomatti Jaqueline de Seixas Pina Maelly Santos Fernandes Thamiris Cristine Kerber Tifanny Vieira de Oliveira PROJETO SUPER 7 MESA ELEVATÓRIA TRANSPORTADORA Projeto apresentado à Escola SENAI Morvan Figueiredo, como parte dos requisitos para a disciplina Projetos do curso Técnico em Desenho de Projetos. Orientador: André L. L. Macedo São Paulo 2012

3 FOLHA DE APROVAÇÃO Bruno Lima da Costa Caroline Cordeiro da Silva Guilherme Ribeiro Potomatti Jaqueline de Seixas Pina Maelly Santos Fernandes Thamiris Cristine Kerber Tifanny Vieira de Oliveira PROJETO SUPER 7 MESA ELEVATÓRIA TRANSPORTADORA Projeto apresentado à Escola SENAI Morvan Figueiredo, como parte dos requisitos para a disciplina Projetos do curso Técnico em Desenho de Projetos. Data de Aprovação: / /. Banca Examinadora Nome: Titulação: Assinatura: Empresa/Instituição: Nome: Titulação: Assinatura: Empresa/Instituição: Nome: Titulação: Assinatura: Empresa/Instituição: Nome: Titulação: Assinatura: Empresa/Instituição: Nome: Titulação: Assinatura: Empresa/Instituição:

4 Dedicamos este trabalho aos nossos familiares, e ao nosso professor pela paciência, ajuda e confiança para com todos.

5 Agradecemos primeiramente a Deus por nos ter dado força para conquistar mais um passo importante de nossas vidas e a todos que se importaram e ajudaram para a realização deste trabalho.

6 Projetistas fazem canais; arqueiros airam flechas; artífices modelam a madeira e o barro; o homem sábio modela-se a si mesmo. Buda Gautama Sakyamuni

7 RESUMO O projeto é uma mesa elevatória transportadora com acionamento mecânico, a mesma tem a finalidade de movimentar peças com até 300 kg. A mesa elevatória transportadora é fabricada com peças de alta qualidade, tudo padronizado e dentro das normas. Nosso projeto é inovação na área de mesas elevatórias mecânicas, sendo totalmente viável, de fácil locomoção, oferecendo agilidade e segurança no chão de fábrica. Palavras-chave: Mesa. Padrão. Segurança.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Carrinho mecânico 11 Figura 2 Tampo 12 Figura 3 Braço articulado 13 Figura 4 Macaco mecânico acionado por uma manivela 14 Figura 5 Desenho de um exemplo de mancal 15 Figura 6 Mancal com guia para movimento de translação 16 Figura 7 Exemplo de rolamento 17 Quadro 1 Padronização do rolamento 19 Figura 8 Roda fixa 21 Figura 9 Desenho 2D da roda fixa 21 Figura 10 Roda giratória 21 Figura 11 Desenho 2D da roda giratória 22 Figura 12 Manivela 22 Figura 13 Uniões desmontáveis e não desmontáveis 23 Quadro 2 Dimensões para rosca trapezoidal (métrica) 35 Figura 14 Medidas para rosca trapezoidal (métrica) 35 Quadro 3 Dimensões para rosca trapezoidal (métrica) 35 Figura 15 Medidas para cantoneiras de abas iguais 36 Quadro 4 Dimensões para cantoneiras de abas iguais 36 Figura 16 Medidas para manivela 38 Quadro 5 Dimensões para manivela 38 Cronograma 1 Cronograma de execução do projeto 53 Cronograma 2 Divisão de atividades para o projeto 53 Diagrama 1 Pert referente ao cronograma 2 54 Tabela 1 Orçamento do processo de fabricação 55

9 Tabela 2 Cotações de materiais 56 Tabela 3 Cotações de materiais normalizados 57 Tabela 4 Fornecedores que oferecem menor custo 57 Tabela 5 Orçamento final do produto 57 Quadro 6 Características técnicas do concorrente 1 58 Figura 17 Mesa elevatória manual 59 Quadro 7 Características técnicas do concorrente 2 59 Figura 18 Mesa elevatória manual de tesoura dupla 60 Quadro 8 Características técnicas do concorrente 3 60 Figura 19 Mesa elevatória elétrica de tesoura dupla 60 Quadro 9 Características técnicas do concorrente 4 61 Figura 20 Mini-mesa elevatória mecânica 62 Quadro 10 Comparação entre o concorrente e o nosso produto 62

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 10 2 DESENVOLVIMENTO DETALHAMENTO DAS PEÇAS Tampo da mesa elevatória Braço articulado Eixo roscado DETALHAMENTO DOS ELEMENTOS PADRONIZADOS Mancal Rolamento Diferença entre rolamentos Características Folga dos rolamentos Disposição dos rolamentos Aplicação dos rolamentos Cantoneira Rodas Manivela Elementos de união NORMAS SEGUIDAS PARA O PROJETO VANTAGENS E DESVANTAGENS DA MESA ELEVATÓRIA MEMORIAL DE CÁLCULOS DETALHAMENTO DO PROJETO SUPER ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ORÇAMENTO DO PROJETO CONCORRENTES Concorrente 1 Mesa elevatória manual Concorrente 2 Mesa elevatória manual de tesoura dupla Concorrente 3 Mesa elevatória elétrica de tesoura dupla Concorrente 4 Mini-mesa elevatória mecânica Comparação 62 3 CONCLUSÃO 63 REFERÊNCIAS 64

11 10 1 INTRODUÇÃO Nossa ideia inicial é eficiente e confiável, nosso projeto é uma maneira de facilitar o transporte e a movimentação de peças e ferramentas com mais agilidade e segurança. O presente projeto visa demonstrar maneiras de buscar o máximo de aproveitamento da relação transporte/tempo. Exemplo: uma peça que pesa cerca de 40 kg que pode ser carregada por uma pessoa e precise ser levada para outro local para ser feita qualquer operação de usinagem, vamos dizer que leve 30s, então relação transporte/tempo seria uma peça em 30s, para tal foi criado nosso projeto, para diminuir o tempo e aumentar a quantidade de peças a ser transportada. Nosso projeto suporta ao máximo cerca de 300 kg, portanto, conseguiria carregar o exemplo acima cerca de sete peças de uma única vez. O grupo buscou fontes de informações junto a sites de empresas, visitas técnicas realizada com a escola, entre outros fatores, e a conclusão imediata que chegamos é de total viabilidade, onde com algumas transformações na parte mecânica e uma pequena manutenção periódica, teremos uma considerável melhoria no dia a dia do chão de fábrica. O projeto é uma mesa elevatória transportadora mecânica, com capacidade para suportar 300 Kg que permite trabalhar a uma altura confortável para realizar tarefas como manipulação, translação, reparação, embalagem, controle de peças ou produtos, transporte de peças em linhas de montagem, etc. Com ela irá poupar tempo e facilitará enormemente o trabalho a realizar. A elevação realiza-se com braços articulados acionados por uma manivela. Descida segura e contínua. Chassis com duas rodas fixas e duas giratórias de poliuretano. Rodas bobas protegidas e com travão.

12 11 2 DESENVOLVIMENTO A mesa elevatória transportadora é destinada onde a rapidez e agilidade em movimentação de carga seja prioridade. Unindo algumas funções em um só equipamento, proporciona maior rapidez e agilidade em trabalhos de movimentação, e contagem de cargas, sem que haja a necessidade de trazê-las até o local de pesagem, pois com o seu design arrojado e rodas em poliuretano (PU), torna-se fácil a sua locomoção até as máquinas necessárias. A mesa é um equipamento indispensável a qualquer empresa que efetue movimentação de cargas. Especialmente projetada para o manuseio de cargas, com agilidade e segurança. Com opções de rodados que se adaptam aos diferentes tipos de pisos e aplicações. As rodas de direção desse carrinho são fabricadas em aço e revestida com PU ou nylon, ambas de alta resistência, evitando assim alguns acidentes que podem ser causados por desequilíbrio do equipamento. O macaco hidráulico robusto, as chapas de aço e as cantoneiras também de aço que constituem a sua carcaça, completam esta mesa de alta qualidade e durabilidade. Após realizarmos uma visita técnica a empresa PRO STAMP nos deparamos com um carrinho primitivo feito por funcionários da própria empresa, adaptando uma cadeira de barbeiro para poderem transportarem mais peças em menor tempo, segue abaixo a imagem do carrinho. Figura 1 Carrinho adaptado Fonte: Autoria própria

13 12 A mesa elevatória transportadora terá o acionamento mecânico, funcionando da seguinte forma, com um eixo central roscado fixado em dois mancais em suas extremidades, nesse eixo se encontra dois braços articulados, porém um terá a rosca inversa ao outro, para que a elevação da mesa seja equilibrada. A elevação da mesa será acionada por uma manivela fixada no eixo. A estrutura será composta por cantoneiras de aço ABNT 1020, que serão fixadas por meio de solda. Nessa estrutura estaram presos os rodizios e suas respectivas rodas de PU. O transporte da mesa será feito por um tubo de ferro fixo na própria cantoneira, a seguir encontra-se os detalhamentos das peças e dos elementos padronizados que usaremos em nosso projeto. 2.1 DETALHAMENTO DAS PEÇAS Mostraremos as peças cujas medidas foram adotadas pelo grupo, para um melhor funcionamento da mesa elevatória Tampo da mesa elevatória Figura 2 - Tampo Fonte: Mesas (2012)

14 13 O tampo da nossa mesa elevatória será de aço ABNT 1020 laminado, ele terá as dimensões de 800x600x6mm, um perfil que se adapta ao ambiente fabril, pois possui as medidas necessárias para uma rápida locomoção e pode ser facilmente guardado. Em cima do tampo ira uma borracha antiderrapante com 4 mm de espessura para que as peças não escorreguem na hora do transporte, proporcionando assim uma maior segurança para o operador, um menor desgaste do tampo e um cuidado a mais com a peça - evitando-se quedas. O tampo será dobrado em suas quatro laterais, com uma aba de 50 mm, para uma maior resistência em relação ao carregamento de peças, as dobras também proporcionam uma diminuição na espessura do material, diminuindo o seu peso. A teoria das dobras é baseada no princípio de enrijecimento das chapas lisas através de dobras; melhorando muito a estabilidade de qualquer seção Braço articulado Figura 3 Braço articulado Fonte: Autoria própria Os braços da mesa elevatória é o que vai subir e descer o tampo, ele é feito de aço ABNT 1020, foi confeccionado pelo grupo para poder ter as medidas no tamanho exato para a sua função e ângulos corretos para a elevação do tampo.

15 14 Os braços estão soldados em orelhas que são soldadas as buchas que ficam no eixo, assim na hora da movimentação da manivela as buchas correm no eixo, para a subida e descida do tampo, fazendo com que ele fica na altura exata de uma bancada ou máquina para onde a peça será levada. Os braços oferecem grande estabilidade e flexibilidade atendendo as necessidades do chão de fábrica, que é um ambiente que requer agilidade e segurança interligadamente. Os braços têm uma simples e rápida montagem assim como uma fácil manutenção no caso de trocas; pois eles serão fixados nas buchas e no suporte logo abaixo do tampo através de pequenos eixos com uma cabeça e uma rosca no final onde a porca dará a fixação final, esses eixos serão fabricados em aço ABNT 1045 para obtermos uma maior resistência à torção e a flambagem Eixo roscado Nós utilizaremos em nosso projeto o sistema de um macaco mecânico que é um equipamento para elevar pesos à pequena altura, pelo deslocamento de uma rosca de transmissão do sistema porca e fuso. Figura 4 Macaco mecânico acionado por uma manivela Fonte: Roscas (2012).

16 15 As roscas de transmissão apresentam vários tipos de perfil, a que será utilizada em nosso projeto é a rosca com perfil trapezoidal que resiste a grandes esforços e é empregada na construção de fusos e porcas, os quais transmitem movimento a alguns componentes de máquinas-ferramenta como, por exemplo, torno, plaina e fresadora. 2.2 DETALHAMENTO DOS ELEMENTOS PADRONIZADOS Mostraremos os itens que foram utilizados como parâmetros para o projeto. Elementos que são padronizados por normas e dimensões específicas Mancal Um mancal é um componente fixo e fechado, em geral de ferro ou de bronze, que tem a função de apoiar um eixo girante, deslizante ou oscilante. Figura 5 Desenho de um exemplo de mancal Fonte: Elementos... (2012)

17 16 Mancal é uma parte da estrutura mecânica destinada a apoiar ou segurar um eixo, que pode ser móvel ou fixo. Os mancais que seguram eixos móveis são dotados de partes móveis que ajudam a realizar sua tarefa, diminuindo o atrito entre o mancal e eixo girante: Rolamento de esfera ou rolo (Mancal de Rolamento). Camada de fluido que cria uma pequena camada entre o mancal e o eixo (Mancal Hidrodinâmico) Campo magnético que permite que o eixo e o mancal não entrem em contato (Mancal Magnético): A partir de dois elementos, um grudado no eixo e ou outro grudado no mancal, é criado um campo magnético de mesma polaridade, fazendo com que o eixo e o mancal sejam repelidos, permitindo desta forma que o eixo sempre fique afastado do mancal. Munhão entre o eixo e o mancal vai ter um material menos resistente que os dois elementos de modo que quando o eixo girar o munhão se desgaste e não o eixo ou o mancal (Mancal de Munhão): Usado muito no virabrequim de motores de combustão, onde os munhões são bronzinas ou casquilhas. Figura 6 Mancal com guia para movimento de translação Fonte: Elementos... (2012) Rolamento Um rolamento é um dispositivo que permite o movimento relativo controlado entre duas ou mais partes. Serve para substituir a fricção de deslizamento entre as superfícies do eixo e da chumaceira por uma fricção de roladura. Compreende os

18 17 chamados corpos rolantes, como bolas, rodízios, etc., os anéis que constituem os trilhos de roladura e a caixa interposta entre os anéis. Todos estes elementos são de aço combinado com crómio e as suas dimensões estão submetidas a um sistema de normalização. Figura 7 Exemplo de rolamento Fonte: Rolamentos FAG (2011) Diferença entre rolamentos Temos diversos tipos de rolamentos, tais como: de esfera roletes (rolos) e de agulhas. Estes rolamentos variam de abertos, ou seja, não retendo totalmente a graxa lubrificante, vedados através de retentores metálico, plástico ou borracha e os rolamentos selados, que por sua vez possuem maior retenção de graxas, aumentando de forma progressiva a vida útil dos mesmos, além de proporcionar melhor nível de ruido, que nos dias atuais fazem muita diferença para o usuário final. O custo de tais rolamentos também variam na medida em que são mais qualificados. Quando comparamos os rolamentos de esferas com os de rolos com as mesmas dimensões, os rolamentos de esferas apresentam uma resistência ao atrito menor e uma menor variação de rotação que os rolamentos de rolos. Isto os faz mais adequados para uso em aplicações que requerem alta rotação, alta precisão, baixo torque e baixa vibração. Inversamente, os rolamentos de rolo têm uma capacidade de carga maior, o que os torna mais apropriados para aplicações que requerem longa vida e resistência para cargas elevadas e de choques.

19 18 As buchas sinterizadas são aplicadas para substituir rolamentos, sempre levando em consideração a exigência, cargas adequadas, vida útil e custos apropriados. Figura que termina no seu ponto de partida criando uma linha contínua de precisão e movimento Características Para que todas as influências contidas na descrição do projeto possam ser consideradas, devem ser fixadas as demais características e dados da execução do rolamento, além do tipo construtivo apropriado e do tamanho do rolamento. Também as características de rendimento, como a aptidão para altas temperaturas e para um alto número de rotações se encontram estreitamente ligadas á execução do rolamento Folga dos rolamentos A folga é medida pela qual um anel do rolamento pode ser deslocado, em relação ao outro, em sentido radial (alga radial) ou axial (folga axial) Disposição dos rolamentos Para apoio e guia de um eixo giratório são necessários, no mínimo, dois rolamentos, dispostos a ma determinada distância. Conforme a aplicação há a possibilidade de seleção de um mancal fixo - livre, um mancal ajustado ou um mancal flutuante.

20 Aplicação de rolamentos Quadro 1 Padronização do rolamento Fonte: Provenza (1990, p ) O arranjo de rolamentos, num elemento de máquina, pode ser feito de vários modos. É comum usar dois rolamentos espaçados a certa distância. Estes rolamentos podem ser alojados numa mesma caixa ou em duas caixas separadas, sendo a escolha feita com base no projeto da máquina e na viabilidade de empregar caixas menos onerosas. A maioria das caixas padronizadas é construída para alojar um rolamento. Também são fabricadas caixas padronizadas para dois rolamentos, embora em menor quantidade. Em certos tipos de máquina, os rolamentos são montados diretamente no corpo delas. Os redutores são um exemplo. Em tais casos, o fabricante da máquina deve projetar e produzir tampas e porcas, bem como projetar o sistema de vedação e de lubrificação.

21 Cantoneira Produto obtido por laminação a quente com seção transversal em forma de ângulo reto, com abas iguais. É fornecido em barras, no comprimento de 6 m. Estes produtos são utilizados normalmente na construção mecânica em geral, além de outras aplicações. Produzidas com aço de baixo teor de carbono de acordo com a norma ASTM A36. A redução de peso das estruturas, obtida com a aplicação desses produtos, pode muitas vezes significar o aumento de produtividade e a redução dos custos necessários em seu projeto. Principais empregos: estruturas metálicas, torres de transmissão de energia elétrica e de telecomunicações, serralheria, esquadrias, máquinas e implementos agrícolas e na indústria mecânica. Utilizar a cantoneira de abas iguais é ter aumento de produtividade e redução de custos. Devido à sua ampla gama de bitolas, proporciona flexibilidade no cálculo e no dimensionamento das estruturas. Possui seção transversal em forma de ângulo reto, com abas iguais, com bitolas em polegadas e em milímetros Rodas As rodas utilizadas em nosso projeto são as de poliuretano injetado (UP). Que tem como características operacionais os seguintes itens: -Ideais para grande capacidade de carga; -Ótima proteção ao piso; -Baixo nível de ruído; -Excelente resistência à abrasão e impactos; -Muito resistente a produtos químicos; -Velocidade máxima de trabalho 4 km/h.

22 21 Figura 8 Roda fixa Fonte: Tente (2012) Figura 9 Desenho 2D da roda fixa Fonte: Tente (2012) Figura 10 Roda giratória Fonte: Tente (2012)

23 22 Figura 11 Desenho 2D da roda giratória Fonte: Tente (2012) Manivela Manivela é um mecanismo formado pela ligação de uma haste rígida a uma peça rotatória (roda, engrenagem ou eixo rotatório), para a transformação de movimento circular em retilíneo ou vice-versa. Figura 12 Manivela Fonte: De 468 (2012) Elementos de união As uniões podem ser definidas em dois tipos: desmontáveis e não desmontáveis. No nosso projeto usaremos os dois tipos de uniões.

24 23 Figura 13 Uniões desmontáveis e não desmontáveis Fonte: Parafusos, Porca, Estamparia..., Componente, Importância... (2012) As uniões desmontáveis como parafusos, porcas, arruelas e buchas são aquelas em que quando é feita a desmontagem, as partes unidas e os elementos de união não sofrem nenhum dano, e essas partes assim como os elementos de fixação podem ser reaproveitados para nova montagem serão utilizadas na parte que fixa os rodízios; os braços articulados; e, os mancais nas cantoneiras. Já a união não desmontável união onde à desmontagem danifica as superfícies de contato será a solda que estará em toda a estrutura da mesa elevatória; ligando cantoneiras, orelhas, tampo, e guidom.

25 NORMAS SEGUIDAS PARA O PROJETO Segundo a NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais ( ), os seguintes itens devem ser atribuídos: a) Os equipamentos devem ser calculados e construídos de maneira que ofereçam as necessárias garantias de resistência e segurança e serem conservados em perfeitas condições de trabalho, atendendo as instruções do fabricante; b) Em todo equipamento deve ser indicado, em lugar visível, o nome do fabricante, o responsável técnico e a carga máxima de trabalho permitida; c) Tanto o carro transportador como o porta-bloco devem dispor de proteção das partes que ofereçam risco para o operador, com atenção especial aos itens: - condições dos cabos de aço; - ganchos e suas proteções; - proteção das roldanas; - proteção das rodas do carro; - proteção das polias e correias; - proteção das partes elétricas. d) Operador do carro transportador e do carro porta-bloco, bem como a equipe que trabalha na movimentação do material, deve receber treinamento adequado e específico para a operação; e) Além de treinamento, informações e instruções, os trabalhadores devem receber orientação em serviço, que consistirá de período no qual desenvolverão suas atividades sob orientação de outro trabalhador experiente ou sob supervisão direta, com duração mínima de trinta dias; f) Para operação de máquinas, equipamentos ou processos diferentes daqueles a que o operador estava habituado, deve ser feito novo treinamento, de modo a qualificá-lo à utilização dos mesmos. (BRASIL, 2011) Segundo a NR 17 ERGONOMIA, os seguintes itens devem ser atribuídos: Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas os trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente As condições de trabalho incluem aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais, ao mobiliário, aos equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho e à própria organização do trabalho Para avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, cabe ao empregador realizar a análise ergonômica do trabalho, devendo a mesma abordar, no mínimo, as condições de trabalho, conforme estabelecido nesta Norma Regulamentadora Levantamento, transporte e descarga individual de materiais Para efeito desta Norma Regulamentadora: Transporte manual de cargas designa todo transporte no qual o peso da carga é suportado inteiramente por um só trabalhador, compreendendo o levantamento e a deposição da carga Transporte manual regular de cargas designa toda atividade realizada de maneira contínua ou que inclua, mesmo de forma descontínua, o transporte manual de cargas Trabalhador jovem designa todo trabalhador com idade inferior a dezoito anos e maior de quatorze anos.

26 Não deverá ser exigido nem admitido o transporte manual de cargas, por um trabalhador cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde ou sua segurança Todo trabalhador designado para o transporte manual regular de cargas, que não as leves, devem receber treinamento ou instruções satisfatórias quanto aos métodos de trabalho que deverá utilizar, com vistas a salvaguardar sua saúde e prevenir acidentes Com vistas a limitar ou facilitar o transporte manual de cargas deverão ser usados meios técnicos apropriados Quando mulheres e trabalhadores jovens forem designados para o transporte manual de cargas, o peso máximo destas cargas deverá ser nitidamente inferior àquele admitido para os homens, para não comprometer a sua saúde ou a sua segurança O transporte e a descarga de materiais feitos por impulsão ou tração de vagonetes sobre trilhos, carros de mão ou qualquer outro aparelho mecânico deverão ser executados de forma que o esforço físico realizado pelo trabalhador seja compatível com sua capacidade de força e não comprometa a sua saúde ou a sua segurança O trabalho de levantamento de material feito com equipamento mecânico de ação manual deverá ser executado de forma que o esforço físico realizado pelo trabalhador seja compatível com sua capacidade de força e não comprometa a sua saúde ou a sua segurança Organização do trabalho A organização do trabalho de e ser adequada às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado A organização do trabalho, para efeito desta NR, de e levar em consideração, no mínimo: a) as normas de produção; b) o modo operatório; c) a exigência de tempo; d) a determinação do conteúdo de tempo; e) o ritmo de trabalho; f) o conteúdo das tarefas Nas atividades que exijam sobrecarga muscular estática ou dinâmica do pescoço, ombros, dorso e membros superiores e inferiores, e a partir da análise ergonômica do trabalho, deve ser observado o seguinte: a) todo e qualquer sistema de avaliação de desempenho para efeito de remuneração e vantagens de qualquer espécie deve levar em consideração as repercussões sobre a saúde dos trabalhadores; b) de em ser incluídas pausas para descanso; c) quando do retorno do trabalho, após qualquer tipo de afastamento igual ou superior a 15 (quinze) dias, a exigência de produção deverá permitir um retorno gradativo aos níveis de produção vigentes na época anterior ao afastamento. (BRASIL, 2012)

27 VANTAGENS E DESVANTAGENS DA MESA TRANSPORTADORA É importante ressaltar as vantagens e desvantagens em se realizar a locomoção de uma peça, com a mesa elevatória transportadora. Vantagens Alavanca de comando ergonômica; Rápida locomoção de peças; Boa resistência e segurança; Ótima relação Transporte/Tempo. Desvantagens Pode ser utilizada apenas em locais planos; Só pode transportar peças planas, porque as peças cilíndricas rolariam do tampo; Não possui abas laterais, o que em uma inclinação pode causar a queda da peça podendo ocorrer um acidente.

28 MEMORIAL DE CÁLCULOS Nesta seção é onde se encontrão os cálculos que foram necessários e de total importância para a realização do projeto. Cálculo do tampo da mesa (módulo de flexão) Aço ABNT cm f x d 350 x kgf/cm Medidas adotadas

29 σf = Tensão de escoamento sg = Coeficiente de segurança Wf x 6 Wf x ,4 58, , , , , ,253 cm ,4 78, , , , , ,048 cm

30 29 Desenvolvimento da chapa para tampo Medidas adotadas: mm RN= R 1 + RN= RN= 8 mm P= 2π r P= 2π x 8 P= 58,27 P = 90º Pr = Pr = 4 Pr =, Pr = 14,57 mm L = 2 x A+ Pr L= 2 x ,5 x 2 L= ,14 L= 881,14 mm

31 30 L = 2 x A + Pr L = 2 x ,57 x 2 L = ,14 L = 681,14 mm Peso específico,,, Pe = Pe =.., Pe = 28,27 Kg Cálculo espessura do braço articulado Unidade: cm

32 ,75 17,5 Cálculo do eixo que une o braço articulado ao tampo Aço ABNT 1045 Momento fletor

33 , , , ,12 Cálculo do suporte para elevação da mesa Aço ABNT 1020 Medidas adotadas: mm σ = A = A = 1,25 cm A = 12,5 mm Cálculo da área: 125 mm

34 Cálculo de flexão do eixo 33

35 34 RA + RB = 0 RA + RB = 350 M = x x 750 RB x 800 = RB = 175 Kgf RA = 175 Kgf Momento fletor MA = 175 x 0 = 0 MC = 175 x 5 = 875 Kgf. cm MD = 175 x x 700 = 875 Kgf. cm MB = 175 X X X 5,0 875 Kgf. cm

36 35 Diâmetro do eixo principal Quadro 2 Dimensões para rosca trapezoidal (métrica) Fonte: Provenza (1990, p.4-15) Figura 14 Medidas para rosca trapezoidal (métrica) Fonte: Provenza (1990, p. 4-15) Quadro 3 Dimensões para rosca trapezoidal (métrica) Fonte: Provenza (1990, p. 4-15) ,5 x Mf 6,5x Gf tabela 3,5 x 875 6,5x

37 ,5 x 6,5 x 1.650, , , ,793, , x 3, ,0 Cálculo cantoneira (padrão americano) Figura 15 Medidas para cantoneira de abas iguais Fonte: Provenza (1990, p ) Quadro 4 Dimensões para cantoneira de abas iguais Fonte: Provenza (1990, p )

38 37 F x d 175 x Kgf. cm á ,75 Cálculo de esforço humano para levantamento da mesa com carga máxima (através da manivela) tg β tg β tg β 2π rm 7 2π x20, , tg β 0, β 3 17 β , , , ,499,5682 P P 709, P 2,84

39 38 Momento torçor Figura 16 Medidas para manivela Fonte: Provenza (1990, p. 4-50) Quadro 5 Dimensões para manivela Fonte: Provenza (1990, p. 4-50) Manivela altura 58 cm 70 Kg Manivela de 20 cm Mt = F x d Mt = F x 20 = Kgf. cm Voltas necessárias (manivela) para elevação total da mesa Comprimento do braço de centro a centro = 210 mm Altura mínima da mesa = 54,35mm (y mín.) Altura máxima da mesa = 181,87 mm (y máx.) V= voltas necessárias P= passo da rosca

40 39 Cos α h Cos x cos x 202, ² ² 202,844² y² 210² 202,844² y² ,688 y 2.954,312 y 54,35

41 40 210² 181,87² x ² x ² 210² 181,87² x ² ,697 x ,303 x 104,992 z z 202, ,992 z 97,852 V V 97,852 7 V 13,98 V 14

42 DETALHAMENTO DO PROJETO SUPER 7 Nesta seção estarão os detalhamentos das peças e o desenho de conjunto da mesa elevatória transportadora. Obs.: Desenhos anexados em PDF no CD-R na pasta Desenhos TCC.

43 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Nesta seção mostraremos como planejamos o projeto: atividades necessárias, responsáveis pelas atividades, tempo de planejamento e em quanto tempo foi feito. Cronograma 1 Cronograma de execução do projeto ATIVIDADES Produto Pesquisa de mercado Projeto Processo de fabricação Compra de material Usinagem Ferramentaria RESPONSÁVEL Engenharia Técnico Projetista Técnico Almoxarifado Produção Ferramenteiro TEMPO EM DIAS * Legenda Atividades realizadas * Dias com 8 horas de trabalho Fonte: Autoria própria Cronograma 2 Divisão de atividades para o projeto ATIVIDADES Divisão de tarefas Croqui definitivo Pesquisas para cálculos Desenho de conjunto Detalhamento do conjunto Pesquisas para parte escrita Parte escrita Custos Slides para apresentação Revisão Ensaio para apresentação Apresentação do TCC RESPONSÁVEL Todos Bruno/Guilherme Maelly/Tifanny Bruno Bruno Caroline/Jaqueline/Thamiris Guilherme/Jaqueline Maelly/Tifanny Guilherme/Tifanny Todos Todos Todos Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª 1ª 2ª 3ª 4ª Legenda Atividades realizadas Recesso escolar Outras atividades Formatura Curso conclúido Atraso Fonte: Autoria própria

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

GUINCHO HIDRÁULICO G-1000

GUINCHO HIDRÁULICO G-1000 GUINCHO HIDRÁULICO G-1000 MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO GUINCHO HIDRÁULICO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

Sistemas para Estacionamento e Vagas de Garagem DUPLIKAR. Projetamos e desenvolvemos inúmeras soluções para estacionamentos.

Sistemas para Estacionamento e Vagas de Garagem DUPLIKAR. Projetamos e desenvolvemos inúmeras soluções para estacionamentos. A Empresa A Duplikar é representante autorizado da marca Engecass, queremos apresentar uma solução caso tenha necessidades de aumentar suas vagas de garagem. A Engecass é uma indústria Brasileira, fabricante

Leia mais

Introdução. elementos de apoio

Introdução. elementos de apoio Introdução aos elementos de apoio A UU L AL A Esta aula - Introdução aos elementos de apoio - inicia a segunda parte deste primeiro livro que compõe o módulo Elementos de máquinas. De modo geral, os elementos

Leia mais

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956 EMTV Elevador de manutenção telescópico vertical MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

Linha de MOVIMENTAÇÃO

Linha de MOVIMENTAÇÃO Linha de MOVIMENTAÇÃO 2010 Empilhadeira Elétrica MEE 1.5 Ton MEE 2.0 Ton As Empilhadeiras Elétricas Menegotti são totalmente automatizadas, possuem controles de velocidade para deslocamento do equipamento

Leia mais

NIVELADOR DE DOCA DESLIZANTE

NIVELADOR DE DOCA DESLIZANTE PREFÁCIO NIVELADOR DE DOCA DESLIZANTE APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada de peças do NIVELADOR DOCA de fabricação exclusiva da ZELOSO.

Leia mais

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO Este manual ajudará você a familiarizar-se com a sua Empilhadeira Manual BYG. Facilitará também, possíveis manutenções periódicas. Recomendamos uma atenção especial para utilização do equipamento, antes

Leia mais

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO Equipamento: COLETOR COMPACTADOR DE LIXO 10 m³ Modelo : CCL-10 Aplicação: Coleta de resíduos domésticos e/ou industriais,selecionados ou não Fabricante: VEMAQ - Indústria Mecânica de Máquinas Ltda 1 -

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida

Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida Mancais para Rolamentos de Fixação Rápida A Competência é Nossa - A Vantagem é Sua Aplicações Qualidade para Todos os Casos: Rolamentos de Fixação Rápida na Indústria Os rolamentos de fixação rápida estão

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

MEMORIAL DE CALCULO 060111 / 1-0

MEMORIAL DE CALCULO 060111 / 1-0 MEMORIAL DE CALCULO 060111 / 1-0 GUINCHO MANUAL COM CABO PASSANTE MODELO RG 400. 1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210 - Porto alegre

Leia mais

Memorial Descritivo 01/2013 - V01

Memorial Descritivo 01/2013 - V01 Memorial Descritivo P.SQ.07 01/2013 - V01 ÍNDICE Piso em Aço - Modelo AX-1000 Piso em aço Chapa Inferir Estampada Chapa Superior Lisa Concreto Sistema Estrutural Cruzeta Chapa Superior Chapa de Reforço

Leia mais

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com.

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com. VARANDA 5 6 9 SUPORTE LATERAL 12 4 7 10 8 Código: 17010101 Descrição: Conjunto suporte lateral regulável Ø 13mm: 1 - Manopla - PA rosca M10 SS 304 2 - Arruela - M12 24mm SS 304 3 - Olhal - M10 PA M10 SS

Leia mais

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA Carros de Mão Carros Ligeiros com Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para Escritóio

Leia mais

Proposta Empresarial

Proposta Empresarial Proposta Empresarial NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO V MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Quando você usa a ampla linha de barras e perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

Lavadora de Pisos Lava e seca simultaneamente

Lavadora de Pisos Lava e seca simultaneamente Lavadora de Pisos Lava e seca simultaneamente LST51 E LST51 B (Elétrica a cabo) (Bateria) A maior concentração de soluções técnicas de engenharia e de experts em limpeza, aplicadas a uma lavadora de piso

Leia mais

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS

PORTA-PALETES PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS Porta-Paletes Manuais Porta-Paletes Elétricos Porta-Paletes de Tesoura Porta-Paletes em Inox Porta-Paletes com Balança Porta-Paletes TODO-O-TERRENO Porta-Paletes Aplicações Específicas Compre Produtos

Leia mais

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL

TORNO MECÂNICO PARALELO UNIVERSAL - Foto meramente ilustrativa podendo não conter os mesmos acessórios/cores do orçamento, marca NARDINI, Modelo ND - 220 GOLD, procedência NACIONAL, produzido por Indústrias Nardini S/A, de acordo com normas

Leia mais

Elementos de Transmissão Correias

Elementos de Transmissão Correias Elementos de Transmissão Correias Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Transmissão por polias e correias Transmissão por polias e correias As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: MÓVEIS PARA SECRETARIA DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS RUA ASSIS BRASIL, 11, CENTRO CARLOS BARBOSA GENERALIDADES O presente documento tem por objetivo: Instruir as condições que

Leia mais

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná

0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br. Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná 0800 709 8000 - www.brasifmaquinas.com.br Distribuidor exclusivo: Distrito Federal. Espírito Santo. Goiás. Minas Gerais. Paraná Santa Catarina. São Paulo. Rio Grande do Sul. Tocantins ÍNDICE Confiança

Leia mais

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos CAT. No. 9211 P NTN NTN Produtos que trazem benefícios em várias aplicações Equipamentos de siderurgia pertencem a grandes linhas que operam 24 horas por dia,

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

Dispositivo ergonômico para montagem de bases

Dispositivo ergonômico para montagem de bases Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Etec JORGE STREET TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM MECÃNICA Dispositivo ergonômico para montagem de bases Alexandre

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Correias e Polias Correntes Definição Polia: São peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo do motor e pelas correias. Correias: É o elemento da máquina que,

Leia mais

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Plataforma elevadora PE-1000

Plataforma elevadora PE-1000 Plataforma elevadora PE-1000 MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO PLATAFORMA ELEVADORA APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

mini grua metax.com.br

mini grua metax.com.br mini grua metax.com.br mini grua metax (guincho de elevação) A Mini Grua Metax é útil nas mais variadas situações. Desde obras civis de todos os portes, indústrias, cargas e descargas, o equipamento possui

Leia mais

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013 Catálogo Eletrônico Email: montich@ 2013 APRESENTAÇÃO A MONTICH ENGENHARIA, fundada em julho de 2013, com sede própria, hoje é especializada diretamente no seguimento de Fabricação, Projetos e Instalações

Leia mais

MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058

MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058 MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058 ADVERTÊNCIAS PRÉVIAS A capacidade de carga e altura está determinada da seguinte forma : *Quando a altura de levantamento está abaixo de 3300 mm(incluindo

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS

MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS MANUAL DE MONTAGEM PLATAFORMAS ALTOSUL INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA Fone /Fax (47) 3533-5330 Rua Presidente Nereu, 1300 Ituporanga-sc - Cep 88400-000 Sumario Sumario... 1 A Empresa... 2 Contatos... 2

Leia mais

-MANUAL DE INSTRUÇÕES; -LISTA DE PEÇAS. PALETEIRA MÜLLER 3T

-MANUAL DE INSTRUÇÕES; -LISTA DE PEÇAS. PALETEIRA MÜLLER 3T -MANUAL DE INSTRUÇÕES; -LISTA DE PEÇAS. PALETEIRA MÜLLER 3T NOTA: O operador deve LER o Manual de Instruções antes de utilizar a Paleteira Müller 3T. Obrigado por ter escolhido e utilizar a Paleteira Müller

Leia mais

Polias e correias. Polias

Polias e correias. Polias A U A UL LA Polias e correias Introdução Às vezes, pequenos problemas de uma empresa podem ser resolvidos com soluções imediatas, principalmente quando os recursos estão próximos de nós, sem exigir grandes

Leia mais

Mancais de rolamento I

Mancais de rolamento I A UU L AL A Mancais de rolamento I Um mecânico de manutenção, ao iniciar a desmontagem de um conjunto mecânico, constatou a existência de uma série de rolamentos. Examinando os rolamentos, verificou que

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA 1 INTRODUÇÃO As Furadeiras de Base Magnética Merax caracterizam-se por serem robustas, porém leves e de fácil transporte. Utilizam qualquer tipo de broca, preferencialmente as brocas anulares. Trabalham

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Rua Des. Antonio de Paula, 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br www.acossulnorte.com.

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Rua Des. Antonio de Paula, 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br www.acossulnorte.com. F o n e : ( 4 1 ) 3 0 9 1-6 9 0 0 Rua Des. Antonio de Paula 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br w w w. a c o s s u l n o r t e. c o m. b r CATÁLOGO DE PRODUTOS MATRIZ BARRAS CANTONEIRAS

Leia mais

PORTA-PALETES MANUAIS

PORTA-PALETES MANUAIS Porta-Paletes Manuais Porta-Paletes Elétricos Porta-Paletes de Tesoura Porta-Paletes em Inox Porta-Paletes com Balança Porta-Paletes TODO-O-TERRENO Porta-Paletes Aplicações Específicas Compre Produtos

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO

CATÁLOGO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO CATÁLOGO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO EMPILHADEIRA RETRÁTIL MAIO / 2008 (revisado em 12/2008) ÍNDICE INTRODUÇÃO... CHASSI E COMPONENTES 1... ESTEIRA PORTA MANGUEIRAS... SUPORTE DA BATERIA... LIGAÇÃO DO FREIO...

Leia mais

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado

Fuso de esferas de precisão/eixo estriado 58-2BR s BNS-A, BNS, NS-A e NS Vedação Anel externo Placa para calços Vedação Castanha do eixo estriado Eixo Vedação Colar Placa para calços Vedação Bujão terminal Esfera Anel externo Castanha do fuso

Leia mais

Nosso negócio é criar soluções para ambientes

Nosso negócio é criar soluções para ambientes COMPONENTES Nosso negócio é criar soluções para ambientes Há 14 anos atuando no mercado, a Base home solutions é uma das principais empresas especializadas em criar, desenvolver e fabricar componentes

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br Informativo Técnico Descrição Os fixadores contidos neste informativo são normalizados pela incorporadora de normas ASTM (American Society for Testing and Materials), com finalidade fixação e união de

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/25 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM A Pregoeira Pollyanna Allen Gomes de Jesus, designado pela Portaria nº 092/24 da Prefeitura Municipal de Goiânia / Secretaria

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

ÍNDICE. Carros Armazém e Bebidas 90. Carros Plataforma 92. Carros de Uso Específico 94. Rodas e Ferragens 97. Rodízios 100

ÍNDICE. Carros Armazém e Bebidas 90. Carros Plataforma 92. Carros de Uso Específico 94. Rodas e Ferragens 97. Rodízios 100 Buscando atender às demandas de intralogística, a inha Movimento viabiliza o transporte de vários tipos de cargas para os mais diversos segmentos, através de uma ampla gama de modelos. 86 www.marcon.ind.br

Leia mais

Indice. 1 - Via Aéreas e Acessórios

Indice. 1 - Via Aéreas e Acessórios CATÁLOGO GERAL 2013 Indice 1 - Via Aéreas e Acessórios 1.1 - Birail em perfil de aço inox 1.2 - Birail em perfil de alumínio 1.3 - Monorail em perfil de alumínio 1.4 - Monorail ligeiro em perfil de alumínio

Leia mais

Composição de uma ferramenta elétrica

Composição de uma ferramenta elétrica ABC das Ferramentas (módulo II) Composição de uma ferramenta elétrica As ferramentas elétricas convencionais ou a bateria são compostas por 3 (três) partes básicas que são: 1. Estrutural Constituem a parte

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto A U A UL LA Uso de ferramentas Um aprendiz de mecânico de manutenção verificou que uma máquina havia parado porque um parafuso com sextavado interno estava solto. Era preciso fixá-lo novamente para pôr

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima?

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima? Eixos e correntes A UU L AL A Uma máquina em processo de manutenção preventiva apresentava vários eixos e algumas correntes, além de mancais que necessitavam de reparos. Entre os eixos, um cônico e um

Leia mais

Mancais para rolamentos de fixação rápida. A competência é nossa A vantagem é sua

Mancais para rolamentos de fixação rápida. A competência é nossa A vantagem é sua Mancais para rolamentos de fixação rápida A competência é nossa A vantagem é sua A p l i c a ç õ e s Qualidade para todos casos: Rolamentos de fixação rápida na indústria Os rolamentos de fixação rápida

Leia mais

T09. R o by. Trepador Móvel de Escada

T09. R o by. Trepador Móvel de Escada T09 R o by Trepador Móvel de Escada T09 Roby T09 Roby, o Trepador Móvel de Escada para o seu máximo conforto e segurança. O Roby permite às pessoas em cadeira de rodas ultrapassar as barreiras arquitetónicas,

Leia mais

Rua Francisco Siqueira, 95 Inhaúma Rio de Janeiro RJ Tel.: ( 21 ) 2159-8600 / 2159-8601 / 2159-8602 / Fax.: ( 21 ) 2159-8615

Rua Francisco Siqueira, 95 Inhaúma Rio de Janeiro RJ Tel.: ( 21 ) 2159-8600 / 2159-8601 / 2159-8602 / Fax.: ( 21 ) 2159-8615 Sistema de Avanço, perfuração feita manualmente por meio de um volante que, através do carretel aciona as duas correntes, que comanda a descida e subida do fuso. Embreagem, com alavanca ao alcance do operador,

Leia mais

catálogo de PRodutos

catálogo de PRodutos catálogo de PRodutos Linhas de trabalho Equipamentos como os fabricados pela eixomaq reduzem o esforço físico, tornando a jornada de trabalho muito mais prática e produtiva, além de, na maioria das vezes,

Leia mais

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Manual de peças Empilhadeira ÍNDICE 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Montagem Da Transmissão Transmissão

Leia mais

Estrutura Atuador Bateria

Estrutura Atuador Bateria JACK 250 Kg Jack é um aparelho desenvolvido para facilitar a remoção e locomoção de pacientes. Com ele, tarefas como levar o paciente da cama para uma cadeira e ao banheiro podem ser feitas com muito mais

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC Linha KSDX Solução em processamento CNC Automatize a produção de sua empresa Instalada em Tubarão, SC, a KEEL atua na fabricação de equipamentos para Corte, Solda e Sistemas (CNC). Fundada em 2002, a empresa

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

Blocos para Elevação Johnson

Blocos para Elevação Johnson Blocos para Elevação Johnson Moitões Patescas Blocos para a Indústria Petrolífera Destorcedores Bolas Construção 6:10 Todas as medidas em mm Blocos Patescas 7:2-7:3 Bloco Derrick, Galvanizado 7:3 Destorcedor,

Leia mais

As máquinas de roscar VIRAX O desempenho. em acção!

As máquinas de roscar VIRAX O desempenho. em acção! As máquinas de roscar VIRAX O desempenho em acção! 2 Mandril de choque para um aperto rápido. Máquina de roscar de Roscar com precisão, com um golpe da mão! Com as máquinas de roscar Virax, esta operação

Leia mais

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SNH www.fcm.ind.br Caixas SNH Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO TM-IC TM-Z TM-IT TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO Prezado Cliente, Você acaba de adquirir o Transpalete Hidráulico Manual (Linha TM)PALETRANS, um equipamento

Leia mais

4 Resultados Gerais para Pontes Rolantes e seus Componentes

4 Resultados Gerais para Pontes Rolantes e seus Componentes 3 Resultados Gerais para Pontes Rolantes e seus Componentes Este capítulo apresenta os resultados gerais obtidos para duas pontes rolantes de áreas distintas da empresa, a ponte rolante 6 e a 2 (risco

Leia mais

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Índice da seção Página Bielas Montagem da biela no pistão... 4 Verificação Instalação... 7 Remoção Torque... 8 Pistões Montagem do pistão na biela... 4 Verificação do desgaste

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

ANEXO VI - MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas de panificação e

ANEXO VI - MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas de panificação e ANEXO VI - MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas de panificação e confeitaria, a saber: amassadeiras, batedeiras, cilindros,

Leia mais

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES EMPRESA A Axxio Pisos Elevados é fruto do compromisso permanente com a satisfação de seus clientes e com a inovação, com o intuito de que todos os serviços sejam cada vez mais ágeis e seguros. Para isso

Leia mais

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO Este manual ajudará você a familiarizar-se com a sua Empilhadeira Manual BYG. Facilitará também, possíveis manutenções periódicas. Recomendamos uma atenção especial para utilização do equipamento, antes

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO MGH-500VFD MGH-500VD

MANUAL DE INSTRUÇÃO MGH-500VFD MGH-500VD TERMOS DE GARANTIA I - PRAZO DE GARANTIA 1. A Marcon Indústria Metalúrgica Ltda. dispõe de garantia do produto pelo prazo de 06 (seis) meses (já inclusa a garantia legal referente aos primeiros noventa

Leia mais

Acessórios para empilhadeiras

Acessórios para empilhadeiras Índice: Acessórios para empilhadeiras - MSI-Forks & ATIB - Cotando acessórios - Modelos de equipamentos - Kit hidráulico e opcionais - Garantia e suporte local MSI-Forks & ATIB A MSI-Forks oferece ao mercado

Leia mais

CARROS DE MÃO. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE.

CARROS DE MÃO. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE. Carros de Mão Carros Ligeiros com Plataforma Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para

Leia mais

Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890

Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890 Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890 Figura 1: VISTA DA TUPIAS (IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA) Advertência: Não execute nenhuma operação com o equipamento antes de ler atentamente este manual. Este

Leia mais

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br

(19) 3541-2000 - contato@dispelempilhadeiras.com.br www.dispelempilhadeiras.com.br CE CERTIFICADO EMPILHADEIRAS A transmissão 2-3 T possui estrutura avançada tipo flutuante, a única na China. Estruturas flutuantes são projetadas para reduzir a transmissão das vibrações ao chassis em

Leia mais

FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA DESEMPENADEIRA 320 LINHA LEVE

FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA DESEMPENADEIRA 320 LINHA LEVE FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA DESEMPENADEIRA 320 LINHA LEVE ÍNDICE NORMAS DE SEGURANÇA... 3 ÁREAS DE RISCOS E POSICIONAMENTO BÁSICO DE OPERAÇÃO... 4 MANUTENÇÃO... 5 DADOS DA MÁQUINA...

Leia mais

MBB C 2500 L LIFETIME EXCELLENCE TRANSPORTE DE CARGAS ATÉ 2500 KG SEGURO, FÁCIL E EFICIENTE, PARA OS MAIS DIVERSOS TIPOS DE APLICAÇÕES

MBB C 2500 L LIFETIME EXCELLENCE TRANSPORTE DE CARGAS ATÉ 2500 KG SEGURO, FÁCIL E EFICIENTE, PARA OS MAIS DIVERSOS TIPOS DE APLICAÇÕES MBB C 2500 L LIFETIME EXCELLENCE TRANSPORTE DE CARGAS ATÉ 2500 KG SEGURO, FÁCIL E EFICIENTE, PARA OS MAIS DIVERSOS TIPOS DE APLICAÇÕES MOVIMENTAÇÃO ÁGIL E SEGURA DEVIDO AO SEU PISO ANTIDERRAPANTE A FERRAMENTA

Leia mais

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL GARFO (Comprimento X Largura x Bitola) (mm) HDF50-7S (TIPO EIXO - TIPO GANCHO) - 1.350 X 150 X 60-1.500 X 150 X 60-1.800 X 150 X 60-2.000 X 150 X 60-2.400 X 150 X 60 HDF70-7S (TIPO EIXO) - 1,350 X 180

Leia mais