Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra."

Transcrição

1 Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

2

3 No início de agosto de 1914, as potências europeias desencadearam um conflito militar que ficou conhecido, entre os contemporâneos, como a Grande Guerra.

4 Soldados franceses na I Guerra Mundial. Soldados com máscaras antigás. Pela dimensão dos efeitos materiais e humanos devastadores, muitos pensaram que o mundo não viveria mais nenhum conflito bélico. Vista aérea de um ataque com gás.

5 A situação da Europa Os antecedentes da guerra de As grandes potências europeias: Inglaterra; França; Império Alemão; Itália; Império Russo; Império Austro- -Húngaro; Império Otomano Choque de interesses económicos entre as grandes potências Domínio do comércio mundial Supremacia industrial Domínio do acesso a matérias-primas Expansão colonial em África e posse de colónias Rivalidades políticas e coloniais Não só entre as potências europeias, mas relativamente a outras potências emergentes: EUA e Japão Luta pela supremacia política na Europa e no Mundo Formação de alianças militares Vários conflitos regionais evidenciam as rivalidades e preparam o clima de guerra generalizada 1882 Tríplice Aliança Império Austro-Húngaro Império Alemão Itália 1907 Tríplice Entente França Inglaterra Império Russo Conflito de Fachoda; Guerra dos Boers Rivalidades em Marrocos Instabilidade nos Balcãs Cobiça pelos territórios africanos Generalização de um clima de paz armada Corrida aos armamentos

6 Apesar do ambiente de tensão Se a ideia de uma guerra mundial antes de 1914 era remota No verão de 1914 tornou-se realidade! O acontecimento que fez deflagrar a guerra: O assassinato, em Sarajevo, do arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, por um estudante sérvio a 28 de junho de 1914 Na zona mais sensível das tensões e rivalidades: a Península Balcânica O acontecimento despoletou o sistema de alianças e a declaração de guerra generalizada entre as alianças rivais

7 Qual o acontecimento que contribuiu de forma mais direta para desencadear o conflito? O assassinato: Francisco Fernando, arquiduque e herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, foi assassinado, por um sérvio, em Sarajevo, durante a visita ao território da Bósnia-Herzegovina, que tinha sido anexada, em 1908, pela Áustria.

8 O desencadear das hostilidades Tríplice Aliança (Impérios centrais) 28 de julho - a Áustria-Hungria declara guerra à Sérvia 1 de agosto - a Alemanha declara guerra à Rússia; a Alemanha assina um tratado secreto com o Império Otomano 3 de agosto - a Alemanha declara guerra à França e à Bélgica; a Alemanha invade a Rússia 6 de agosto - a Áustria-Hungria declara guerra à Rússia 27 de agosto - a Áustria-Hungria declara guerra ao Japão Tríplice Entente (Aliados) 29 de julho - a Rússia decide a mobilização geral; a Alemanha invade a Rússia 4 de agosto - a Grã-Bretanha e a França declaram guerra à Alemanha; a Alemanha invade a Bélgica 6 de agosto - a Sérvia declara guerra à Alemanha 11 de agosto - a França declara guerra à Áustria-Hungria 12 de agosto a Grã-Bretanha declara guerra à Áustria-Hungria 1 de novembro - a Rússia declara guerra ao Império Otomano 5 de novembro - a França e a Inglaterra declaram guerra ao Império Otomano

9 EXÉRCITO DE TERRA E DE MAR A guerra envolveu forças militares de países de todos os continentes. Os combates ocorreram na Europa, em África, na Ásia e nos respetivos domínios coloniais. ORDEM DE MOBILIZAÇÃO GERAL Foram usadas novas armas e mais mortíferas, quer pela capacidade de disparo, quer pelo uso de gases e produtos químicos. Abrangeram forças terrestres, aéreas e marítimas. A guerra submarina ocorreu sobretudo no Atlântico.

10 O desencadear das hostilidades A Europa era um barril de pólvora cujo rastilho foi aceso em Sarajevo. O jogo das alianças arrastou as potências para uma guerra mundial. Esperava-se que a guerra terminasse antes do Natal de 1914 Como tal não aconteceu, na frente ocidental de combate, as tropas inimigas fizeram tréguas (não autorizadas pelas chefias) para comemorar o Natal em 25 de dezembro de 1914 Militares britânicos e alemães reunidos na terra de ninguém durante as tréguas de Natal de 1914.

11 A guerra prolongou-se por quatro longos anos Tropas da 55.ª divisão britânica cegos pelos gases lançados pelos alemães. 10 de abril de 1918.

12 A participação de Portugal na Guerra de A posição oficial de Portugal em agosto de 1914 não era nem de neutralidade nem de beligerância. Esta situação manteve-se até 9 de março de 1916, dia a seguir ao apresamento dos navios alemães nos portos portugueses. A Alemanha declarou guerra a Portugal.

13 Motivos da participação portuguesa na Primeira Grande Guerra Portugal não pôde manter a neutralidade tendo em conta a tradicional aliança inglesa. As colónias teriam de ser defendidas contra as ambições das potências beligerantes. A Primeira República, recém instaurada (1910), procurava afirmar-se nacional e internacionalmente. Era necessário garantir a defesa da fronteira terrestre. Era necessário assegurar a defesa da fronteira marítima. Distintivo do Corpo Expedicionário Português (CEP)

14 Participação portuguesa em África e na Europa África Europa Arquipélagos atlânticos Angola e Moçambique eram territórios coloniais portugueses que tinham fronteiras com colónias alemãs. O governo português organizou expedições militares, desde o início do conflito, para assegurar a defesa; essas expedições partiram de Lisboa a 11 de Setembro. Depois da declaração oficial de guerra, em 1916, iniciou-se a preparação de uma divisão que deveria juntar-se às forças britânicas. Esta força foi denominada Corpo Expedicionário Português (CEP). Arquipélago da Madeira Arquipélago dos Açores Ataques de submarinos alemães entre 1916 e 1918, com incidência, respetivamente, nas cidades do Funchal e de Ponta Delgada. Angola, 1.ª força enviada comandada pelo tenente-coronel Alves Roçadas. Registaram-se diversos confrontos. Moçambique 1.ª força enviada pelo tenente- -coronel Massano de Amorim. Registaram-se diversos confrontos. O CEP chegou a França em 2 de fevereiro de As tropas ocuparam a zona de Neuve-Chapelle à Saint-Venant. (na Flandres). Falharam as rendições de efetivos e de mobilizados, regressados a Portugal para tratamento ou de licença. Apesar dos contínuos apelos dos comandos militares do CEP, as tropas estavam exaustas e desgastadas. O CEP participou no dia 9 de abril de 1918, na Batalha de La Lys, enfrentando uma grande ofensiva alemã. O CEP e os outros exércitos aliados envolvidos sofreram numerosas perdas de soldados.

15 Participação portuguesa na Primeira Grande Guerra em África e na Europa Alguns pioneiros da aviação portuguesa serviram nas forças francesas. Um Corpo de Artilharia Pesada Independente (CAPI) apoiou forças francesas em diversas situações, durante alguns meses do ano de Portugal mobilizou mais de homens: mais de para Angola; cerca de para Moçambique; mais de para França. Os efetivos portugueses participaram na Batalha de La Lys, na Flandres, no dia 9 de abril de Portugal perdeu 7760 homens; mais de feridos; mais de prisioneiros e desaparecidos. Soldados portugueses nas trincheiras, durante a Batalha de La Lys.

16 Participação portuguesa na Primeira Grande Guerra, em África e na Europa IMPACTO DA GUERRA a situação interna da República Portuguesa Instabilidade política o problema das subsistências Aumento das despesas e do endividamento Conspirações Manteve-se a participação na Guerra, mas o apoio às tropas era pouco eficaz Oposição à participação na Guerra Golpe de Estado do Major Sidónio Pais instauração de um regime autoritário: A República Nova Assegurou-se a manutenção dos domínios coloniais Racionamentos Enfraquecimento e descrédito do regime da I República Portugal participou nas conferências de Paz Inflação galopante Distúrbios sociais Perdas humanas elevadíssimas face ao tempo de participação e aos recursos do país Não houve compensações ou indemnizações significativas pelo esforço de guerra

17 Prisioneiros portugueses após a Batalha de La Lys, 9 de abril de 1918

18 Monumento aos soldados mortos na Grande Guerra, Porto.

19 Monumento aos soldados mortos na Grande Guerra, Avenida Sá da Bandeira, Coimbra.

20 É constituído pela figura da Fama, em pedra, que surge a coroar o Soldado. Monumento aos Mortos da Grande Guerra. Avenida da Liberdade, Lisboa, 1923, da autoria de Maximiliano Alves e Rebelo de Andrade.

21 Pormenor De cada um dos lados do pedestal, uma figura masculina curvada esforça-se para manter erguida a Pátria. O conjunto homenageia os combatentes portugueses na I Guerra Mundial, em honra e memória dos soldados que pereceram nesse conflito. Na base consta a legenda: "Ao serviço da Pátria, o esforço da Grei". Monumento aos Mortos da Grande Guerra. Avenida da Liberdade, Lisboa, 1923, da autoria de Maximiliano Alves e Rebelo de Andrade.

22 Monumento em homenagem aos combatentes portugueses mortos na França, em La Couture*. * La Couture é uma comuna francesa no departamento de Pas-de-Calais.

23 Cemitério militar português de Richebourg, departamento francês de Pas-de-Calais. Aí estão sepultados 1831 combatentes portugueses na Primeira Guerra Mundial.

24 Cemitério militar português de Richebourg, vista geral.

25 Em todos os países beligerantes, as mulheres foram chamadas a participar nas mais diversas funções, assumindo um papel de maior destaque social, económico e político.

26 Participação do contingente português no desfile da vitória em 14 de julho de 1919, em Paris.

27 Balanço da participação do CEP Embarcaram em janeiro de 1917: 1551 oficiais sargentos e praças cavalos e muares 1789 viaturas hipomóveis 395 viaturas automóveis Elevado número de mortos e inválidos. Os prisioneiros de guerra tiveram dificuldades em regressar e em integrarem-se. Os combatentes regressaram com problemas psicológicos. Os soldados eram portadores de doenças adquiridas no conflito, com destaque para a tuberculose, a sarna, as doenças venéreas, a gangrena gasosa, entre outras.

28 Balanço das perdas humanas em geral Vítimas militares: Rússia: mobilizados, mortos, feridos Alemanha: mobilizados, mortos, feridos França: mobilizados, mortos, feridos Áustria-Hungria: mobilizados, mortos, feridos

29 Balanço das perdas humanas em geral Vítimas militares: Reino Unido, Império Britânico e seus domínios: mobilizados, mortos, feridos Itália: mobilizados, mortos, feridos Império Otomano: mobilizados, mortos, feridos Estados Unidos: mobilizados, mortos, feridos Total: mobilizados, mortos e desaparecidos, feridos e prisioneiros de guerra.

30 O armistício 1918 O fim da Guerra teve lugar aquando da assinatura do armistício em Os jornais, na época, dão conta do cessar fogo e do fim da guerra.

31 Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

Participação de Portugal na 1.ª Guerra Mundial. Pressupostos. Portugal tinha obrigações no âmbito da Aliança Inglesa (Luso-Britânica)

Participação de Portugal na 1.ª Guerra Mundial. Pressupostos. Portugal tinha obrigações no âmbito da Aliança Inglesa (Luso-Britânica) Pressupostos Portugal tinha obrigações no âmbito da Aliança Inglesa (Luso-Britânica) Portugal tinha fronteiras comuns com a Alemanha no Sul de Angola e no Norte de Moçambique As Colónias portuguesas eram

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA Richebourg/La Couture, 13 de abril de 2012 Monsieur le Préfet du Pas-de-Calais

Leia mais

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa.

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Aula 17 Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Esta aula abordará a Primeira Guerra Mundial, suas causas e conseqüências, entre as conseqüências; destaque para a Revolução Russa e a criação do primeiro

Leia mais

Questões Imperialistas

Questões Imperialistas Questões Imperialistas Questão Anglo Germânica Se a Alemanha fosse extinta amanhã, depois de amanhã não haveria um só inglês no mundo que não fosse rico. Nações lutaram durante anos por uma cidade ou um

Leia mais

Inglaterra-1ºpais industrializado X Alemanha (aceleradamente desenvolvida após a unificação);

Inglaterra-1ºpais industrializado X Alemanha (aceleradamente desenvolvida após a unificação); 1. Fatores que contribuíram para a eclosão do conflito: 1.1 - Concorrência econômica ( choque de imperialismos): Inglaterra-1ºpais industrializado X Alemanha (aceleradamente desenvolvida após a unificação);

Leia mais

I GUERRA MUNDIAL 1914-1918. Os antecedentes e o conflito

I GUERRA MUNDIAL 1914-1918. Os antecedentes e o conflito I GUERRA MUNDIAL 1914-1918 Os antecedentes e o conflito Somente aqueles que nunca deram um tiro, nem ouviram os gritos e os gemidos dos feridos, é que clamam por sangue, vingança e mais desolação. A guerra

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal na Grande Guerra de 1914-1918 Nuno Lemos Pires o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal participou na Grande Guerra em cinco grandes

Leia mais

A GUERRA NÃO DECLARADA

A GUERRA NÃO DECLARADA A GUERRA NÃO DECLARADA As campanhas militares portuguesas nos Teatros Africanos, 1914-1915 Major de Infantaria Lourenço Ortigão Borges (Texto lido na Lição Inaugural) 1. INTRODUÇÃO / ANTECEDENTES «A lição

Leia mais

20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI

20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI 20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI No dia 18 de setembro de 1865, ocorre a rendição do Paraguai, depois do cerco de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. É um bom momento para lembrarmos daquele que

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES

LIGA DOS COMBATENTES LIGA DOS COMBATENTES NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA DO CASTELO DISCURSO EVOCATIVO DO 95º ANIVERSÁRIO DO ARMISTÍCIO DA 1ª GUERRA MUNDIAL, O 90º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DA LIGA DOS COMBATENTES E O 39º ANIVERSÁRIO

Leia mais

Os antecedentes da campanha

Os antecedentes da campanha A PRIMEIRA GRANDE GUERRA EM MOÇAMBIQUE (1914-1918) Fernando Rita 1 A entrada das forças expedicionária portuguesas no Quionga, no norte de Moçambique. Fonte: Fundo Iconográfico da Biblioteca da Liga dos

Leia mais

Tributo aos Combatentes Africanos

Tributo aos Combatentes Africanos Tributo aos Combatentes Africanos Foto Google Zona Leste Sector L 3 ( a zona a sul do Rio Corubal foi abandonada em 6 de Fevereiro de 1969, durante a Operação Mabecos Bravios) Após terminado o 2º ciclo

Leia mais

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS AS MARCO ANTONIO DAMASCENO VIEIRA Consultor Legislativo da Área XVII Defesa Nacional, Segurança Pública Forças Armadas DEZEMBRO/2001 2 2001 Câmara dos Deputados. Todos

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES IMAGEM SEMPRE RENOVADA 12 de Outubro de 2010 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES

LIGA DOS COMBATENTES IMAGEM SEMPRE RENOVADA 12 de Outubro de 2010 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES LIGA DOS COMBATENTES IMAGEM SEMPRE RENOVADA 12 de Outubro de 2010 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES A constatação da História que as sustenta, do conhecimento das ações desenvolvidas durante uma longa vivência,

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX Caderno 9» Capítulo 1 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Caderno

Leia mais

TIMOR 2ª DIVISÃO, 9ª SECÇÃO

TIMOR 2ª DIVISÃO, 9ª SECÇÃO ESTADO MAIOR DO EXÉRCITO ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR TIMOR 2ª DIVISÃO, 9ª SECÇÃO INVENTÁRIO DE DOCUMENTOS Lisboa 2002, Maio FICHA TÉCNICA: Estado Maior do Exército Arquivo Histórico Militar Timor, 1936 1998.

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

FUNDACIÓN MAPFRE VOLUME 3_ 1890/1930 A crise do liberalismo

FUNDACIÓN MAPFRE VOLUME 3_ 1890/1930 A crise do liberalismo Cronologia 1890 11 de janeiro Ultimatum inglês, que exige a retirada das forças militares portuguesas dos territórios entre Angola e Moçambique, sob pena de corte de relações diplomáticas. 1891 31 de janeiro

Leia mais

Estudo dirigido capítulo 3 e 5 Aluno: Nº

Estudo dirigido capítulo 3 e 5 Aluno: Nº O Ensino Fundamental Ano: 8º HISTÓRIA- 1ª ETAPA/2016 Professora: Renata Turma: Estudo dirigido capítulo 3 e 5 Aluno: Nº Data: / /2016 1-Explique como as ideias iluministas contribuíram para a efetivação

Leia mais

1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro "O Estado Judeu", criou o movimento sionista.

1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro O Estado Judeu, criou o movimento sionista. 1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro "O Estado Judeu", criou o movimento sionista. O objetivo era estabelecer um lar nacional para os judeus na

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas.

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas. DIA DO COMBATENTE NA BATALHA, EM 14 DE ABRIL DE 2007 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES Exmo. senhor Ministro da Defesa Nacional. Digna-se V. Exa. presidir a esta cerimónia evocativa do Dia do Combatente

Leia mais

04. O INÍCIO DO SÉCULO XX E A GRANDE GUERRA

04. O INÍCIO DO SÉCULO XX E A GRANDE GUERRA 04. O INÍCIO DO SÉCULO XX E A GRANDE GUERRA La Belle Époque Visão otimista entre as grandes nações domínio sobre os continentes asiático e africano consolidação do capitalismo monopolista industrialização

Leia mais

Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor Juliano

Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor Juliano Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor Juliano O mundo sempre esteve envolvido em guerras, de diferentes tamanhos, motivos, armas, mortes, mas poucas guerras foram tão destruidoras e envolveram

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL 1914-1918

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL 1914-1918 PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL 1914-1918 ANTECEDENTES BELA ÉPOCA - PERÍODO DE EUFORIA VIVIDO PELA HUMANIDADE PROVOCADO PELO ADVENTO DAS CONQUISTAS TECNOLÓGICAS E ECONÔMICAS DA II REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. A ARTE

Leia mais

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA Vinda da Família Real esteve ligada à conjuntura européia do início do século XIX Napoleão X Inglaterra X Portugal Bloqueio Continental Convenção

Leia mais

Independência da América Espanhola

Independência da América Espanhola Independência da América Espanhola Colônias espanholas na América Contexto Século XVIII: mudanças importantes iniciadas e ganhando força: Europa: Espanha e Portugal não dominavam mais o comércio colonial;

Leia mais

Há que imaginar a Europa nos séculos XII e XIII como um imenso tabuleiro de

Há que imaginar a Europa nos séculos XII e XIII como um imenso tabuleiro de SEXTA CRUZADA (1228 1229) O Desencadeamento. Desde 1187 Jerusalém permanecia em mãos dos Muçulmanos. Nenhuma das Cruzadas anteriores havia conseguido avanço algum em terra Santa. Desta forma havia a necessidade

Leia mais

Texto Base: Período Napoleônico (1799-1815) Parte I

Texto Base: Período Napoleônico (1799-1815) Parte I Texto Base: Período Napoleônico (1799-1815) Parte I O período napoleônico consolida a vitória dos ideais burgueses na França do final do século XVIII. Mais que isso, a ascensão de Napoleão Bonaparte ao

Leia mais

BITTENCOURT, Carlos Machado *militar; gov. RS. 1890; min. STM 1896-1897; min. Guerra 1897.

BITTENCOURT, Carlos Machado *militar; gov. RS. 1890; min. STM 1896-1897; min. Guerra 1897. BITTENCOURT, Carlos Machado *militar; gov. RS. 1890; min. STM 1896-1897; min. Guerra 1897. Carlos Machado Bittencourt nasceu em Porto Alegre, na então província do Rio Grande do Sul, no dia 12 de abril

Leia mais

T-55, o burro de carga de conflitos locais no século 20

T-55, o burro de carga de conflitos locais no século 20 T-55, o burro de carga de conflitos locais no século 20 T-55 Veículo de combate foi utilizado por exércitos de 70 países Foto: Egor Eriomov/RIA Nóvosti Por Aleksandr Korolkov Historiador Se alguém pudesse

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET/MG. Prof.: Alexandre Alvarenga - Trabalho de Recuperação - Turma: Aluno: Nota:

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET/MG. Prof.: Alexandre Alvarenga - Trabalho de Recuperação - Turma: Aluno: Nota: Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET/MG Disciplina: Geografia - 2º ano - Valor: 20 pontos Prof.: Alexandre Alvarenga - Trabalho de Recuperação - Turma: Aluno: Nota: 1. Determine

Leia mais

Kosovo declara independência da Sérvia

Kosovo declara independência da Sérvia Kosovo declara independência da Sérvia Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 24 de fevereiro de 2008 Kosovo declara independência da Sérvia Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 24 de fevereiro

Leia mais

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 Não é possível exibir esta imagem no momento. A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 É também chamada Guerra da Tríplice Aliança

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES. Newsletter. Forte do Bom Sucesso / Museu do Combatente. Exmo(a). Sr(a). Bem-vindo à nossa newsletter mensal FBS

LIGA DOS COMBATENTES. Newsletter. Forte do Bom Sucesso / Museu do Combatente. Exmo(a). Sr(a). Bem-vindo à nossa newsletter mensal FBS Newsletter Exmo(a). Sr(a). Bem-vindo à nossa newsletter mensal FBS A partir de Março de 2014 estará patente no Museu do Combatente a exposição temática A Trincheira, com cenários hiper-realistas de luz

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870)

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Thasley Westanyslau Alves Pereira * Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) ** O projeto Levantamento de Fontes para

Leia mais

O tempo da guerra fria

O tempo da guerra fria O tempo da guerra fria Um novo quadro geopolítico Fig.1 Conceito de Guerra Fria A expressão Guerra Fria era utilizada para descrever o estado de forte tensão político-militar entre o bloco Ocidental liderado

Leia mais

08 e 10.02.2014 Entrega de cabazes de produtos alimentares a 26 famílias carenciadas.

08 e 10.02.2014 Entrega de cabazes de produtos alimentares a 26 famílias carenciadas. 03.01.2014- Deslocação ao Banco Alimentar Perafita para levantamento dos 04 e 06.01.2014 Entrega de cabazes de produtos alimentares a 26 famílias 10.01.2014 Presença na tomada de posse dos corpos sociais

Leia mais

Actas. OBSERVARE 2 nd International Conference. II Congresso Internacional do OBSERVARE. 2-3 July, 2014. 2-3 Julho, 2014

Actas. OBSERVARE 2 nd International Conference. II Congresso Internacional do OBSERVARE. 2-3 July, 2014. 2-3 Julho, 2014 OBSERVARE 2 nd International Conference 2-3 July, 2014 II Congresso Internacional do OBSERVARE 2-3 Julho, 2014 Actas Universidade Autónoma de Lisboa Fundação Calouste Gulbenkian http://observare.ual.pt/conference

Leia mais

Folha Informativa nº 135

Folha Informativa nº 135 Folha Informativa nº 135 VISITA DA AACDN AO MUSEU DO AR EM SINTRA No seguimento do XII Congresso da AACDN, teve lugar, no dia 27 de Outubro, uma visita às instalações do Museu do Ar, situado na Base Aérea

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1

UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 UNIDADE LETIVA 2 ANEXO 1 HISTÓRIAS COM GENTE DENTRO REFUGIADOS À procura da paz Testemunho de Ibraim (nome fictício) O meu nome é Ibraim, sou natural de um país africano, tenho 25 anos, e estou alojado

Leia mais

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Naval Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Considerações Iniciais Esse capítulo discutirá a importância que o poder naval teve na

Leia mais

Estados Unidos apóiam ataque em território somali

Estados Unidos apóiam ataque em território somali Estados Unidos apóiam ataque em território somali Resenha Segurança Lígia Franco Prados Mello 06 de março de 2007 Estados Unidos apóiam ataque em território somali Resenha Segurança Lígia Franco Prados

Leia mais

Uma Primavera dos Povos Árabes?

Uma Primavera dos Povos Árabes? Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine 18 de Junho de 2011 Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine

Leia mais

Unidade I Produção, Circulação e Trabalho. Aula 3.2 Conteúdo Revolução Francesa II

Unidade I Produção, Circulação e Trabalho. Aula 3.2 Conteúdo Revolução Francesa II A A Unidade I Produção, Circulação e Trabalho. Aula 3.2 Conteúdo Revolução Francesa II 2 A A Habilidade Analisar a Era Napoleônica e a organização social da França no Pós-Revolução. 3 A A Napoleão 4 A

Leia mais

Sample text here. O Sistema Político e o Direito Internacional: da Guerra dos Trinta Anos às Críticas da Contemporaneidade

Sample text here. O Sistema Político e o Direito Internacional: da Guerra dos Trinta Anos às Críticas da Contemporaneidade O Sistema Político e o Direito Internacional: da Guerra dos Trinta Anos às Críticas da Contemporaneidade Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Objetivo:

Leia mais

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ. EUA acusam Rússia de escalar crise na Síria SEMANA 29 SETEMBRO A 05 DE OUTUBRO

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ. EUA acusam Rússia de escalar crise na Síria SEMANA 29 SETEMBRO A 05 DE OUTUBRO EUA acusam Rússia de escalar crise na Síria Raúl Castro pede que Obama contorne Congresso Guerra síria abre crise entre EUA e Rússia ATUALIDADES PROFESSOR MARCOS JOSÉ Dilma anuncia meta cômoda para clima

Leia mais

OS CONFLITOS E OS EQUILÍBRIOS NO MUNDO BIPOLAR

OS CONFLITOS E OS EQUILÍBRIOS NO MUNDO BIPOLAR OBJECTIVOS: Descrever a situação da Europa após a II Guerra Mundial Justificar a afirmação dos EUA e da URSS Explicar os objectivos do Plano Marshall Explicar o papel do Kominform Justificar o estado de

Leia mais

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura Revisão História SÉRIE 9ª ENSINO Fundamental ETAPA 3ª Marta Moura 1. A geração explosiva dos anos 60, conhecidos como anos rebeldes, protestava contra as guerras, a corrida armamentista, o racismo, o poder

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc. 2ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA HISTÓRIA - OBJETIVA Professora: Higor David Lopes Prucoli 1. (Fuvest 1987) Como se expressa a ação do governo na economia brasileira no período do Estado Novo?

Leia mais

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Caros Amigos e Camaradas da Paz, Como é do vosso conhecimento, o nosso mundo encontra-se numa conjuntura

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Contradições entre o sistema colonial e as propostas liberais a partir do século XVIII Guerra de sucessão do trono espanhol (1702-1713) Luís XIV conseguiu impor seu neto

Leia mais

Violência homicida. Diferenças regionais

Violência homicida. Diferenças regionais 1 de 6 31/01/2014 23:35 Aumentar a fonte Diminuir a fonte VIOLÊNCIA CORPO NO CHÃO Morto em outubro de 2012, em Itaquera, Zona Leste paulistana: mais uma entre as mais de 40 mil pessoas assassinadas no

Leia mais

Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa

Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa Por Ascom Durante a cerimônia de incorporação à Marinha do Brasil do Navio Doca Multipropósito Bahia, a presidente Dilma Rousseff

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

Entre a Rússia, a União Europeia e os EUA Prof. Alan Carlos Ghedini

Entre a Rússia, a União Europeia e os EUA Prof. Alan Carlos Ghedini A Crise na Ucrânia Entre a Rússia, a União Europeia e os EUA Prof. Alan Carlos Ghedini Em 2004, a Revolução Laranja Em 2004 uma série de protestos tomava conta da Ucrânia, motivados por denúncias de corrupção

Leia mais

Forças Armadas se preparam para combater ataques biológicos, químicos e nucleares durante os Jogos Olímpicos Rio 2016

Forças Armadas se preparam para combater ataques biológicos, químicos e nucleares durante os Jogos Olímpicos Rio 2016 Forças Armadas se preparam para combater ataques biológicos, químicos e nucleares durante os Jogos Olímpicos Rio 2016 Por Patrícia Comunello Como os melhores atletas do país, as Forças Armadas do Brasil

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 12/5/2010 PROVA GRUPO GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

COMUNIDADE DOS ESTADOS INDEPENDENTES

COMUNIDADE DOS ESTADOS INDEPENDENTES COMUNIDADE DOS ESTADOS INDEPENDENTES Características da União Soviética - Moeda Única - Governo Central - Forças Armadas unificadas Países resultantes da desagregação da União Soviética - Rússia - Armênia

Leia mais

Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano

Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano O Brasil planeja o envio de tropas do Exército para serem incorporadas à missão de paz das Nações Unidas no sul do Líbano, junto à fronteira

Leia mais

A Guerra do Vietnã. Fábio Nauras Akhras fabio.akhras@cti.gov.br

A Guerra do Vietnã. Fábio Nauras Akhras fabio.akhras@cti.gov.br A Guerra do Vietnã Fábio Nauras Akhras fabio.akhras@cti.gov.br I. RAÍZES DA INTERVENÇÃO (1776 1945) Desligamento do Império Britânico (1812). Necessidade de novos mercados China. Ideologia (capitalismo,

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

Regimento de Guarnição N.º1

Regimento de Guarnição N.º1 NEWSLETTER Edição N.º 06/ 2015 Lápide existente no Corpo da Guarda, junto à porta principal do Castelo de S. João Baptista (do governo do Mestre de Campo Manuel de Sousa Pacheco, governador do castelo

Leia mais

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1302 O 1º GRUPO DE AVIAÇÃO DE CAÇA DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: MISSÕES.

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1302 O 1º GRUPO DE AVIAÇÃO DE CAÇA DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: MISSÕES. Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1302 O 1º GRUPO DE AVIAÇÃO DE CAÇA DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: MISSÕES. Heitor Esperança Henrique Mestre e Graduado em História pela UEM Professor na Fafiman Resumo: O

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DAS ILHAS ATLÂNTICAS: SUA PERMANf-NCIA E EVOLUÇÃO HISTÓRICA

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DAS ILHAS ATLÂNTICAS: SUA PERMANf-NCIA E EVOLUÇÃO HISTÓRICA REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DAS ILHAS ATLÂNTICAS: SUA PERMANf-NCIA E EVOLUÇÃO HISTÓRICA REFLEXÕES SOBRE A IMPORTANCIA ESTRATÉGICA DAS ILHAS ATLANTICAS: SUA PERMANf;NCIA E EVOLUÇAO HISTÓRICA

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos A ocupação da América do Norte foi marcada por intensos conflitos entre ingleses e indígenas da região. Duas companhias de comércio foram autorizadas

Leia mais

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana GUERRA DO VIETNÃ Após o fim da Guerra da Indochina (1954), Vietnã é dividido na altura do paralelo 17: Norte: república

Leia mais

Do mundo multipolar para o. bipolar da Guerra Fria

Do mundo multipolar para o. bipolar da Guerra Fria Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria Geografia - 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Ordem Multipolar As potências industriais disputam hegemonia cultural, econômica e política no cenário

Leia mais

ESCRITA DE HISTÓRIA A/HISTÓRIA B/HISTÓRIA

ESCRITA DE HISTÓRIA A/HISTÓRIA B/HISTÓRIA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTÓRIA Proposta de correcção EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 2º Ano de Escolaridade PROVA ESCRITA DE HISTÓRIA A/HISTÓRIA B/HISTÓRIA 2ª fase GRUPO I. Anale, com base no

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Prova 623/1.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

TIRO DE GUERRA 451 Resende RJ Patriotismo e Civismo em um só lugar

TIRO DE GUERRA 451 Resende RJ Patriotismo e Civismo em um só lugar TIRO DE GUERRA 451 Resende RJ Patriotismo e Civismo em um só lugar JULIO CESAR FIDELIS SOARES, Mestre em História Social, membro da Academia Resendense de História, IEV (Instituto de Estudos Valeparaibanos)

Leia mais

Exército já se prepara contra guerra química na Olimpíada

Exército já se prepara contra guerra química na Olimpíada Exército já se prepara contra guerra química na Olimpíada Por Francisco Edson Alves Equipamento monitora e identifica substâncias perigosas a quilômetros, por controle remoto Preparando-se para um desafio

Leia mais

PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO?

PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO? PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO? Homero foi um poeta épico da Grécia Antiga, ao qual tradicionalmente se atribui a autoria dos poemas épicos Ilíada e Odisseia. Poemas épicos = são

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA AULA. Conteúdo: Áreas de Tensão no Mundo

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA AULA. Conteúdo: Áreas de Tensão no Mundo Conteúdo: Áreas de Tensão no Mundo Habilidade: Compreender os conflitos atuais existentes entre os países e as principais consequências para as populações. ESTADOS UNIDOS x MÉXICO Muro construído na década

Leia mais

A Guerra De Libertação Em Moçambique

A Guerra De Libertação Em Moçambique A Guerra De Libertação Em Moçambique Aniceto Afonso e David Martelo 1. Situação Geral Moçambique tornou-se independente em 25 de junho de 1975. O acordo de transferência do poder tinha sido assinado entre

Leia mais

A Primeira Guerra Mundial, 1914-1918: Ensaio Bibliográfico

A Primeira Guerra Mundial, 1914-1918: Ensaio Bibliográfico Recebido em: 24/8/2015 Avaliado em:17/9/2015 Aprovado em: 13/10/2015 A Primeira Guerra Mundial, 1914-1918: Ensaio Bibliográfico Carlos Federico Domínguez Avila 1 Christopher CLARK. Os Sonâmbulos: Como

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( x ) I Unidade ( ) II Unidade ( ) III Unidade BIOLOGIA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental 9.º Ano Letivo: Turma: ABCDEF Data: 19 / / 04 2010 Biologia e Geografia

Leia mais

Rússia e Ucrânia podem entrar em guerra?

Rússia e Ucrânia podem entrar em guerra? Rússia e Ucrânia podem entrar em guerra? Soldados russos cercaram diversas bases ucranianas na Crimeia A situação não poderia ser mais séria. No sábado, o presidente Vladimir Putin conseguiu a autorização

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

CASTRO, ISMAELINO DE *militar; rev. 1930; junta gov. PA 1930; rev. 1932.

CASTRO, ISMAELINO DE *militar; rev. 1930; junta gov. PA 1930; rev. 1932. CASTRO, ISMAELINO DE *militar; rev. 1930; junta gov. PA 1930; rev. 1932. Otávio Ismaelino Sarmento de Castro nasceu no Pará no dia 21 de maio de 1905, filho de Manuel Ismael de Castro e de Otávia Sarmento

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

Centenário sobre a implantação da República Câmara Municipal de Sesimbra. Fevereiro

Centenário sobre a implantação da República Câmara Municipal de Sesimbra. Fevereiro Centenário sobre a implantação da República Câmara Municipal de Sesimbra Fevereiro Dia 19 sex 21.00 Conferências da Liga. Centenário da República Os últimos anos da monarquia em Portugal Da transição da

Leia mais

BLOQUEIO NAVAL CONTRA O CHILE.

BLOQUEIO NAVAL CONTRA O CHILE. -------------------------- Edição nº 006 Ano 01 ------------------------------------------------------------ janeiro de 2011 -- www.redteam.com.br ---------------- FORÇAS NAVAIS PRONTAS PARA A GUERRA.

Leia mais

INDICE 763 INDICE. Administração milita' Aparelhos e disposições diversas

INDICE 763 INDICE. Administração milita' Aparelhos e disposições diversas INDICE 763 -~ ------- - -- INDICE Administração milita' Como se abastece um exército {ltrllia).................. 244 Aparelhos e disposições diversas Ampliação de fotografia, sem objectiva...........................

Leia mais