magazinephilos Questões da qualidade Crónica de Carlos Castilho Pais Passatempo Tradumática Impressões de viagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "magazinephilos www.philos.pt Questões da qualidade Crónica de Carlos Castilho Pais Passatempo Tradumática Impressões de viagem"

Transcrição

1 mgzinephilos 51 nº SETEMBRO / SEPTEMBER 2014 ANO / YEAR XIII edição bilingue bilingul edition ISSN Questões d qulidde Crónic de Crlos Cstilho Pis Psstempo Trdumátic Impressões de vigem Qulity issues Chronicle by Crlos Cstilho Pis For fun Trdumtics Trvel musings philos - comunicção globl, ld 2009

2

3 A PHILOS ESTÁ DE LUTO PHILOS IS IN MOURNING Desde publicção d pssd edição de homengem o nosso sócio funddor, António Sílvio Lemos de Oliveir, que temos vindo receber s mensgens de mizde e de solidriedde de clientes, colbordores e migos, lmentndo irreprável perd sofrid pel philos. É, pois, neste espço privilegido que convosco mntemos desde há 50 edições, que venho, mis um vez, grdecer todos os que, diret e indiretmente, me têm feito chegr precioss plvrs de mizde e conforto, testemunhndo, em prticulr, o grnde preço, dmirção e estim que o Sílvio Oliveir mereceu dqueles que tiverm oportunidde de melhor o conhecer. A todos vós deixo, por isso, expressão do meu mis sincero reconhecimento. Since the publiction of the previous edition in memory of the founding prtner, António Sílvio Lemos de Oliveir, we hve received messges of friendship nd solidrity from clients, employees nd friends, expressing their sorrow t the irreprble loss suffered by philos. It is through this idel medium tht we hve mintined for over 50 editions, tht I once gin thnk everybody who directly or indirectly hve trnsmitted to me their precious words of friendship nd comfort, testment in prticulr to the gret pprecition, dmirtion nd wrmth in which Sílvio Oliveir ws held by those who hd the opportunity to know him better. I would like to express my sincere grtitude to ll of you.n Mrgrid Fonsec e Silv Sóci Gerente :: Mnging Prtner 3

4 Índice Contents 5 Contr Corrente Aginst the Current Nós, empress. Us, compnies. 6 Questões d Qulidde Qulity Issues A mgi ds plvrs / The mgic of words 7... d Ocidentl pri lusitn... from the Western lusitnin shore Almeid 8 Em português In portuguese Crónic de Crlos Cstilho Pis / Chronicle by Crlos Cstilho Pis 9 Gost de flores? Are you flower fn? 10 Psstempo For Fun!!!!!! 11 Crónic ds Leirs Leirs frm chronicle Crt à luz ds vels / A letter by cndlelight 12 An Englishmn in Lisbon Um inglês em Lisbo 13 Bibliotec Librry (Re)leiturs :: (Re)reding Poems de Vid :: Lifetime Poems 14 Derivções de um Gurd-Livros Musings from Bookworm Tudo evolui; não há reliddes eterns... Everything hs evolved; there re no eternl fcts Trdumátic Trdumtics É tão fácil Procurr e Substituir texto / Serch nd Replce text mde esy! 18 Álbum de Fotogrfis Photo Album 22 Artes Arts 23 Impressões de Vigem Trvel Musings Nov Iorque - Um mçã por di, não sbe o bem que lhe fzi New York An pple dy keeps the doctor wy mgzinephilos

5 Contr Corrente Aginst the Current , 4 & 5 - Almeid; 2 & 3 - Nov Iorque :: New York Nós, empress. Us, compnies. No número 49 do nosso mgzine, começámos por flr de números. Dois trimestres volvidos import refletir, mis um vez, sobre números. É conhecid históri, ms ind não sbemos como vi, efetivmente, cbr, dquele que er o segundo mior bnco em território ncionl, cheio de tivos, robusto, bem gerido e considerdo um investimento seguro: Ruiu! Aind há bem poucos meses, à exceção de lguns economists, o umento de cpitl d instituição er conselhdo, pelos mis ltos digntários d noss prç e reputdos economists, como um investimento firme, num instituição credível, com idóneos e impolutos gestores. Será que estes lá colocrm dinheiro seu? Em junho, o umento de cpitl foi integrlmente relizdo, pós um operção de enorme sucesso. Pois ms, entre jneiro e gosto, o bnco perdeu 80% do seu vlor em bols. Um nome com 150 nos destruído em poucos meses. Fcto é que o império ruiu. Um império inicido no Séc. XIX e que tingiu o seu expoente máximo no Séc. XXI. Ms, finl, prece que nunc houve império, ms sim um torrente de frgmentos descpitlizdos, pouco trnsprentes e ml geridos que criou um sistem de minoris, que, por su vez grnti, com pouquíssimo cpitl, o controlo por prte d fmíli que lhe deu nome. mgzinephilos No mercdo d loclizção, como em qulquer outro, étic é sinónimo de sucesso, ms, muits vezes, quem tom dinteir são queles cujs prátics se ssemelhm truques d lt finnç (d má, clro). A relção qulidde-preço é um binómio que prece estr perder su forç lgébric e su própri definição. Há plyers no mercdo pretenderem fzer crer que, pel su cpcidde inovdor, tingem ptmres de produtividde que lhes permitem bixr preços, indefinidmente. O mercdo, quele quem convém creditr, porque o preço é petecível, investe, sem hesitr, com expecttiv de um elevdo retorno. Quem pgrá, depois, o preço? Funddor :: Founder Sílvio Oliveir Editor :: Editor Mrgrid Fonsec e Silv Textos :: Texts philos Colborção especil :: Specil collbortion Crlos Cstilho Pis Versão ingles :: English version Thoms Kundert Design Vitor Silv Fotogrfi :: Photos philos Sílvio Oliveir (Álbum de fotogrfis :: Photo Album) Publicção :: Publisher philos - comunicção globl, ld ISSN Est publicção bilingue, de distribuição grtuit, é exclusivmente eletrónic e destind o universo dos nossos prceiros comerciis. In edition 49 of our mgzine, we begn by tlking bout numbers. Hlf yer lter, it s time gin to reflect on numbers. We ll know the story so fr, but we do not yet know the ending s regrds Portugl s second lrgest bnk, brimming with ssets, in rude helth, well mnged nd considered sfe investment: Phew! Just few short months go, prt from hndful of economists, n increse in the institution s cpitl hd been recommended by the highest dignitries in our mrket nd reputed economists, s solid investment in credible institution, with imprtil nd untrnished mngers. Did they put their own money in? In June, the cpitl injection ws fully relised, fter hugely successful opertion. All good until, between Jnury nd August, the bnk lost 80% of its vlue on the stock mrket. A nme dting bck 150 yers hd been destroyed in mtter of months. The empire crumbled. An empire tht originted in the 19th century nd ttined its zenith in the 21st century. Only it ppers there ws never n empire fter ll, but insted torrent of underfinnced frgments, with no trnsprency nd poorly mnged, which creted system of minorities, which in turn ensured, with tiny mount of cpitl, control by the fmily tht gve the bnk its nme. In the loclistion mrket, like ny other, ethics is synonymous with success, but sometimes those leding the wy re people whose prctices re similr to the high-finnce tricksters (the bd ones, of course). The qulity-price rtio is binomil which seems to be losing its lgebric force nd its very definition. There re plyers in the mrket who try to hoodwink others into believing tht through their cpcity to innovte they rech productivity levels tht llow them to lower prices, indefinitely. The mrket, which wnts to believe it becuse of the enticing price, invests without hesittion, with expecttions of high return. Who will py the price in the end? n This bilingul publiction is delivered free, by electronic mens only nd to our business prtners. setembro 2014 September Vitor Silv (Office Mnger) 5

6 Questões d Qulidde Qulity Issues A mgi ds plvrs The mgic of words Pul Pires -Qulity Mnger- A propósito d plvr nostlgi, Miln Kunder, no seu livro A Ignorânci (D. Quixote, 2011, com trdução de Miguel Serrs Pereir), proporcion-nos um vigem em que etimologi e semântic se cruzm pr nos dr um noção de como, em diferentes língus europeis, o mesmo sentimento pode ssumir expressões que, n verdde, não são inteirmente correspondentes. Vejmos o que nos diz Kunder: O regresso, em grego, diz-se nostos. Algos signific sofrimento. A nostlgi é portnto o sofrimento cusdo pelo desejo instisfeito de regressr. Pr est noção fundmentl, mior prte dos europeus pode utilizr um plvr de origem greg (nostlgi) e lém disso outrs plvrs com rízes n su língu ncionl: nornz, dizem os espnhóis; sudde, dizem os portugueses. Em cd língu, ests plvrs possuem um mtriz semântic diferente. Muits vezes significm pens tristez cusd pel impossibilidde do regresso o pís. Recordção doloros do pís. Recordção doloros do lugr. O que, em inglês, se diz: homesickness. Ou em lemão: Heimweh. Em holndês: heimwee. Ms trt-se dum redução espcil d grnde noção. Um ds mis ntigs língus europeis, o islndês, distingue bem os dois termos: söknudur: nostlgi no seu sentido gerl; e heimfr: recordção doloros do pís. Os checos, pr d plvr nostlgie vind do grego, têm pr noção o seu próprio substntivo, stesk, e o seu próprio verbo. A mis comovente expressão de mor chec: stysk se mi po tobe: tenho nostlgi de ti; não posso suportr dor d tu usênci. Em espnhol, nornz vem do verbo norr (ter nostlgi), que vem do ctlão enyorr, derivdo, por seu turno, d plvr ltin ignorre (ignorr). A est luz etimológic, nostlgi prece como o sofrimento d ignorânci. Tu estás longe, e eu não sei o que te contece. O meu pís está longe, e não sei o que lá se pss. Certs língus têm lgums dificulddes com nostlgi: os frnceses só podem exprimi-l por meio do substntivo de origem greg (nostlgie) e não têm verbo pr el; podem dizer je m ennuie de toi, ms o verbo s ennuyer é frco, frio e sej como for demsido ligeiro pr um sentimento tão grve. Os lemães rrmente utilizm plvr nostlgi n su form greg e preferem dizer Sehnsucht: desejo do que está usente; ms Sehnsucht pode visr de igul modo tnto o que foi como o que nunc foi (um nov ventur) e por isso não implic necessrimente idei de um nostos. Nest su divgção, Kunder bord um dos grndes dilems do trdutor, em prticulr do trdutor literário: impossibilidde de, por vezes, encontrr plvr que, noutr língu, correspond, de fcto, à noção que língu originl exprime. E, não existindo ess plvr num determind língu de destino, será que os flntes dest últim podem preender relmente o sentido d noção originl? É um reflexão com que hoje quero deixr todos os que, tl como eu, prtilhm mgi ds plvrs, e tlvez, tmbém, nostlgi de um tempo muito, muito distnte, em que o trdutor er concedido o tempo necessário pr trduzir Dwelling on the word nostlgi, Miln Kunder, in his book Ignornce (D. Quixote, 2011, trnslted by Miguel Serrs Pereir), tkes us on journey in which etymology nd semntics intertwine to give us the notion of how, in different Europen lnguges, the sme sentiment cn tke on expressions tht, truth be told, re not perfect mtches. Let us quote Kunder: In Greek, nostos mens return. Algos mens suffering. Nostlgi is therefore suffering cused by the unstisfied desire to return. To express this fundmentl notion, most Europens cn use the word of Greek origin (nostlgi) nd beyond tht hve other words in their own ntionl lnguge: nornz, the Spnish sy; sudde, is the Portuguese expression. In ech lnguge these words hve different semntic connottion. Often they express only the sdness cused by the impossibility of returning to one s country. A pinful memory of missing the country, the plce, wht the English cll homesickness. Or Heimweh in Germn. Heimwee in Dutch. But this is sptil reduction of broder notion. One of the oldest Europen lnguges, Icelndic, drws cler distinction between the two ides: söknudur: nostlgi in its generl sense; nd heimfr: pinful longing for one s country. The Czechs, s well s the word nostlgie deriving from Greek, hve their own noun for the notion, stesk, nd their own verb. The most moving expression of love in Czech is: stysk se mi po tobe: I feel nostlgi for you; I cnnot ber the pin of your bsence. In Spnish, nornz comes from the verb norr (to feel nostlgi), which comes from the Ctln word enyorr, derived in turn from the Ltin word ignorre (ignore). In this etymologic light, nostlgi ppers to be the suffering of ignornce. You re fr wy nd I don t know wht is hppening to you. My country is fr wy, nd I don t know wht is hppening there. Some lnguges find it somewht difficult to grpple with nostlgi: the French cn only express it through the noun of Greek origin (nostlgie) nd hve no verb for it; they cn sy je m ennuie de toi, but the verb s ennuyer is wek, cold nd is too light for such weighty sentiment. The Germns rrely use the word nostlgi in its Greek form nd prefer to sy Sehnsucht: desire for wht is bsent; but Sehnsucht cn be used eqully for something tht is no longer here or something tht never existed ( new dventure) nd s such it does not necessrily imply the ide of nostos. In this pondering, Kunder tckles one of the trnsltor s gret dilemms, in prticulr for literry trnsltors: the fct tht it is sometimes impossible to find the word tht mtches the notion the originl lnguge expresses. And, given tht this word does not exist in given trget lnguge, cn the spekers of this lnguge truly grsp the mening of the originl notion? This is the reflection I would like to leve tody for ll those, who like me, shre the mgic of words, nd perhps lso the nostlgi of long gone time, when the trnsltor ws fforded the time needed to trnslte n 6 setembro 2014 September mgzinephilos

7 *... d Ocidentl pri lusitn... from the Western lusitnin shore Vitor Silv Almeid Há precismente um no flmos qui de Sortelh, um ds Aldeis Histórics de Portugl. Hoje é vez de Almeid que fic menos de um hor de distânci. A su imponente fortlez, em estrel de doze ponts, que se elev no horizonte, elevou-lhe fm e o reconhecimento. Não é demis sublinhr que é um dos mis extrordinários exemplres de rquitetur militr europei. Ms nem só de históri e pedrs vive Almeid. Clcorrer s sus rus e conversr com quem nos cruzmos, pode ser um experiênci únic. Há sempre um históri, um episódio, um relto. Ou não estivéssemos nós junto à fronteir, onde o contrbndo foi grç e desgrç de muitos dos rinos. A Vil de Almeid, vizinh de Espnh, foi plco de intenss btlhs qundo d invsão frnces de Hoje é plco d recrição históric dquele que ficou conhecido como o Cerco de Almeid. Anulmente, no último fim de semn de gosto, ocorre est fntástic mnifestção culturl que é considerd mior reconstituição históric feit em Portugl. Centens de figurntes, (portugueses, espnhóis e frnceses) e milhres de visitntes dão cor, movimento e legri mgzinephilos um pct e colhedor vil com cerc de hbitntes. Durnte três dis, mnifestções culturis diverss ocorrem por todo o ldo: mercdos, dnçs, reconstituições, seminários interncionis, músic, tetro, óper; um sem número de tividdes pr miúdos e grúdos prenderem, brincndo. Um pequen mostr pode ser vist qui: ms ver é um cois... viver é outr! Exctly one yer go we spoke bout Sortelh, one of Portugl s historicl villges. Tody we turn our ttention to Almeid, which is round one hour wy. The imposing 12-pointed str-shped fortress tht emerges on the skyline hs dded to Almeid s fme nd recognition. It is no exggertion to sy tht it is one of the most extrordinry exmples of Europen militry rchitecture. But there is fr more to Almeid thn merely history nd stone. Strolling long its streets nd setembro 2014 September * Luís de Cmões ( ) chtting to pssers-by is n experience in itself. There is lwys story, n episode, n incident to relte. It is to be expected in border town, where smuggling ws rife nd ccounted for the downfll of mny of Almeid residents. In 1810, Almeid, on the border with Spin, ws the stge of fierce bttles during the French invsion. Tody it is the stge of the historicl recretion of wht becme known s the Cerco de Almeid (Almeid Siege). Every yer, in the lst weekend of August, fntstic culturl event tkes plce which is considered the lrgest historicl re-enctment in Portugl. Hundreds of costumed chrcters nd thousnds of onlookers bring colour, buzz nd joy to trnquil community of round 1,500 inhbitnts. For three dys rnge of culturl events re held ll over the villge: mrkets, dnces, reenctments, seminrs, music, thetre; n endless number of ctivities for children nd dults to lern through ply. For flvour of wht the festivl is ll bout, check out the video vi the link below: https://bit.ly/mg51-almeidn 7

8 Em português In portuguese Crlos Cstilho Pis [professor universitário :: university professor] Em finis de gosto (30/08/2014), pude ler ns págins do jornl EXPRESSO um curto rtigo do Professor António Vz Crneiro sobre O uso de nglicismos n lingugem científic. Este rtigo constitui um respost um rtigo do Professor Gentil Mrtins, que defender um mior respeito pel língu portugues, insurgindose contr utilizção generlizd de nglicismos n lingugem biomédic, ns págins do mesmo jornl n semn nterior. Tl qul pude perceber, s posições destes professores não são, de modo lgum, extremds. Tmbém o Professor António Vz Crneiro se diz defensor d língu portugues ns publicções científics. No entnto, e é ess rzão de ser do seu rtigo, é su convicção «de que, em circunstâncis especiis e cuiddosmente selecionds, utilizção de nglicismos n lingugem científic é necessári». Seri necessário definir com clrez em que consistem esss circunstâncis especiis. Não se trt, por certo, de qulquer to d comunicção científic interncionl, pois, í, tudo ou quse tudo se process em inglês. O problem existe qundo o to comunictivo se process nível ncionl, pr flntes d língu portugues. De resto, como se sbe, só qundo o to comunictivo se process em língu portugues é que se pode flr com propriedde de nglicismo, se, por cso, nele existir expressão ingles. É neste contexto que devem ler-se s observções seguintes. Olhemos pr o princípio de tudo isto. Os conceitos científicos são universis e investigção científic que os nomei e divulg us o inglês. Segundo o Professor António Vz Crneiro, «os médicos e outros profissionis de súde estão constntemente ler em inglês». Por isso, continu o Professor, «prece rzoável ceitr lguns nglicismos». As premisss são incontestáveis; já conclusão o é menos, se for ssumid defes d língu portugues, em vez d purez linguístic (ingles) em que se express o conceito científico. Podem os profissionis d súde receber o conceito em língu ingles, podem, té, entre eles, discutir o conceito, que é um bo form de preensão e de profundmento; ms, em público, têm o dever de o colocr n língu portugues, exigindo-se, tmbém í, idêntic purez linguístic, que poderi e deveri ser objeto de discussão prévi entre eles. Será pedir muito? Será isto exigir muito? Ms defes d língu portugues obrig-nos ess exigênci. O fcilitismo não pode ceitr-se como cus d proliferção do nglicismo. Muito hveri dizer sobre o significdo d proliferção do nglicismo hoje em di. O português é um língu pobre, perde no confronto com outrs, é um língu pssdist; ms não é isso o que su históri no diz. E prov é que está viv. Ms, voltndo o ssunto, quero referir o ppel que os profissionis d súde podem desempenhr n trdução dos conceitos científicos. Qulquer trdutor sberá bter à port de qulquer Fculdde de Medicin pr esclrecer qulquer dúvid ou qulquer problem de trdução. A Fculdde sberá encminhá-lo pr o professor especilist d mtéri n qul se enqudr su dúvid ou o seu problem. O trdutor tem ess obrigção, pois tmbém ele deve trduzir pr um bom português. Pernte o seu problem, esgotdos outros meios de pesquis, se o trdutor não efetur o encontro com o especilist n mtéri, poderemos flr de negligênci. Do diálogo do trdutor com o professor especilist resultrá segurmente um melhor trdução, um trdução em português. É verdde que o mundo dá s sus volts. Certos nglicismos podem impor-se n língu portugues, como conteceu no pssdo. Ms que isso não conteç por negligênci noss, por mltrtrmos noss língu! At the end of August (30/08/2014) short rticle by Professor António Vz Crneiro ws published in the EXPRESSO newspper on the topic The use of Anglicisms in scientific lnguge. The rticle ws response to n rticle by Professor Gentil Mrtins, who hd rgued for greter respect for the Portuguese lnguge, protesting ginst the widespred use of Anglicisms in biomedicl jrgon, in the pges of the sme newspper the previous week. As fr s one could understnd, the positions of these professors were by no mens extreme. Professor António Vz Crneiro sid he is lso defender of the Portuguese lnguge in scientific publictions. Menwhile, nd this is reson behind his rticle, he is convinced tht in specil nd crefully selected circumstnces, the use of Anglicisms in scientific lnguge is necessry. These specil circumstnces must be clerly defined. He is certinly not referring to ny ct of interntionl scientific communiction, given tht these lwys tke plce in English. The problem is when the communiction tkes plce t ntionl level, for spekers of the Portuguese lnguge. Indeed, it only mkes sense tlking bout Anglicisms when the communiction is in Portuguese, nd the word exists in English. It is in these circumstnces tht the following observtions pply. We will look t the strt of ll of this. Scientific concepts re universl nd the scientific reserch tht nmes them nd discloses them is in English. According to Professor António Vz Crneiro, doctors nd other helth professionls re constntly reding in English. Tht is why, continues the Professor, it seems resonble to ccept some Anglicisms. The premises cnnot be rgued with; but the conclusion cn, if one rgues for the defence of the Portuguese lnguge, insted of the linguistic purity (English) in which the scientific concept is expressed. Helth professionls cn receive the concept in the English lnguge, they cn even discuss the concept mong one nother, which is good wy of pprehending nd deepening their knowledge bout it; but in public they hve the duty to put it into Portuguese, demnding n identicl linguistic purity there, which could nd should be the subject of prior discussion mong them. Is this sking too much? Is this demnding too much? The defence of the Portuguese lnguge forces us to mke this demnd. Tking the esy route is n uncceptble reson behind the prolifertion of Anglicism. There is much to sy bout wht the prolifertion of Anglicism mens tody. Portuguese is wek lnguge; it loses out in opposition ginst others, it is n outmoded lnguge; but this is not wht its history sys. And the proof is live nd kicking. But, getting bck to the subject, I wnt to refer to the role helth professionls cn ply in the trnsltion of scientific concepts. Any trnsltor cn knock on the door of Medicl School to clrify ny doubt or ny trnsltion problem. The school will duly direct the trnsltor to the specilised professor in the mtter. The trnsltor hs this obligtion, becuse he too hs to trnslte into good Portuguese. Fced with this problem, hving exhusted other venues of reserch, if the trnsltor does not rrnge meeting with the specilist in the mtter, we cn tlk bout negligence. The tlk between the trnsltor nd the specilist will certinly result in better trnsltion, trnsltion in Portuguese. It s true tht the world continues to rotte. Certin Anglicisms my impose themselves on the Portuguese lnguge, s hs hppened in the pst. But this cnnot hppen becuse of negligence, becuse we tret our lnguge shbbily!n 8 setembro 2014 September mgzinephilos

9 Gost de flores? Are you flower fn? Aos leitores que quiserm sber o nome ds flores que publicámos no Mgzine nterior, nest secção, cá estmos hoje dr respost: perpétu, é o nome populr d Gomphren globos, um mrntáce d Índi que se dptou o frio europeu. De pé lto e inflorescêncis redonds, s sus cores podem vrir entre o brnco, lilás, ros, roxo e vermelho, sendo o roxo su cor originl. Plntd nulmente, floresce n primver e mntém-se té o fim do outono, formndo cnteiros legres e muito coloridos. A flor pequen e delicd não murch, mntendo cor originl depois de sec, pelo que é profusmente utilizd em rrnjos floris e pots-pourris. Dí o seu nome, perpétu, que simboliz tmbém noss sudde dqueles que prtirm pr sempre. To the reders who wnted to know the nme of the flowers we published in the previous Mgzine edition, we give you the response in tody s flower section: Globe Amrnth, is the common nme given to Gomphren globos, n mrnth from Indi tht dpted to the cold Europen climte. A tll plnt with round flowers, its colours cn vry between white, lilc, pink, mgent nd red, mgent being its originl colour. Plnted nnully, it flowers in spring nd remins in bloom until the end of utumn, forming cheerful nd colourful flowerbeds. The smll nd delicte flower does not wither, retining its originl colour fter drying, which mkes it widely used in florl wreths nd potpourris. This property lends it its nme in Portuguese, perpétu (perpetul), which lso symbolises our longing for those who hve left us forever.n PerpétuGlobe Amrnth mgzine philos - officil sponsor mgzinephilos setembro 2014 September 9

10 Psstempo For FUN Um rquitetur ímpr nscid d pedr. Sbe o que é e em que cidde se encontr? An unprlleled piece of rchitecture sculpted out of stone. Do you know wht it is nd in wht city you cn find it?n Edição nterior Lst Issue Não er difícil, ms requeri muit tenção e memóri fotográfic. A respost: Leirs. It ws not difficult, but required creful ttention nd photogrphic memory. The nswer: Leirs. n 10 setembro 2014 September mgzinephilos

11 Crónic ds Leirs Leirs frm chronicle* Crt à luz ds vels A letter by cndlelight Queridos ppá e mninho, Dom Birlbo d Port do Olivl Há já lgum tempo que não vos escrevo. Há quse um no, de fcto. E só gor repro que me esqueço quse sempre de flr com o meu mninho mis velho. É bom ter sempre um irmão mis velho, nem que sej por empréstimo e que tenh um qurto do nosso tmnho, como contece comigo e com o Jck. Não deve hver muits coiss mis tristes que ter de brincr sozinho. Por outro ldo, ele não jud nd nestes dis complicdos de trovod e chuv torrencil. Só ldr, ldr e ldr os relâmpgos, como se fosse um celebridde reclmr com os jornlists e os dispros ds câmrs fotográfics, e isso deix-me nsios. Nesses dis, o que me prent ser idei mis reconfortnte do mundo é estr com o meu ppá, ou, como não é possível, visto que estás í tão longe, com os meus donos. Como eles sbem que ficmos nervosos com tnt luz e brulho, deixm-nos ficr deitdos nos sofás, juntinhos eles, e ind nos fzem festinhs no peito, pr dormecermos. Acho que não se pode pedir mis nd, qundo lá for o mundo prece desbr Por flr nisso, vou proveitr pr ir li ninhr-me enqunto eles leem e prtilhm luz trémul de um vel (não é pr ser poético, eletricidde é que foi mesmo bixo; finl, tecnologi humn não é inblável) que ilumin tenuemente o finl deste verão desconsoldo. Lmbidels crinhoss d, Anit. Der dd nd little brother, I hven t written to you for some time. For lmost yer, in fct. And only now hs it occurred to me tht I lmost lwys forget to tlk bout my older brother. It s lwys good to hve n older brother, even if only borrowed one who is fourth of our size, s hppens with me nd Jck. There cn t be mny things sdder thn hving to ply lone. On the other hnd, he doesn t help t ll on these scry dys of thunder nd torrentil rin. He brks non-stop t the lightning, like celebrity complining bout journlists nd the cmer flshes, which grtes on my nerves. On dys like these, the most comforting ide in the world tht enters my hed is being with my fther, or, s it isn t possible becuse you re so fr wy, being with my msters. They know the lightning nd thunder mke us nervous, so they let us lie on the sof next to them, nd even stroke our bellies to lull us to sleep. I don t think one could sk for more, when out there the world seems to be crshing down So right now I m going to curl up while they red nd shre the dim cndlelight (it s not question of being poetic, there is power cut; humn technology is not infllible fter ll) tht timidly illumintes the end of this disconsolte summer. Loving licks from, Anit.n mgzinephilos setembro 2014 September 11

12 An Englishmn in Lisbon Um inglês em Lisbo Thoms Kundert Brzil Brsil He who speks two lnguges is worth two men. The phrse is ttributed to Chrles V of Spin in the 16th century but ws felt in its full force by Tom Kundert of Lisbon in the 21st century, s he cted s interpreter for prty of six English footbll enthusists tripsing round northest Brzil. Of ll the wonderful gifts Portugl hs given this Englishmn residing in the Portuguese cpitl, the bility to communicte in the lnguge of Cmões is mong the most precious. Not only does it enble me to ern my keep, but it hs opened the door to universe of 220 million people with whom I cn now converse in their ntive tongue. The vst mjority live in Brzil, which I set foot on for the first time in June on the occsion of the 2014 World Cup. The stereotype is one of cheerful Brzilins brodly smiling, openly conversing nd generlly enjoying life. And from 3-week smple, I cn ttest to Brzilins brodly smiling, openly conversing nd generlly enjoying life! I pondered on whether the fct the country ws the focus of worldwide ttention this summer mde the locls more welcoming thn they would normlly be, but their esy mnner nd nxiety to spred cheer flowed so nturlly I m willing to believe it is truly prt of the Brzilin psyche. Even when explining some of the country s problems, quip to round off thought ws lwys t the redy to prevent ny weighty subject mtter from bringing down plesing mbience. And my finl exchnge with Brzilin, s we wited for our plne bck from Recife to Lisbon, the dy fter the host country s footbll tem hd suffered humiliting defet to Germny, exemplifies this bility to turn less-thn-idel sitution into moment of mirth. Asked bout my impressions of his country, I hd mentioned the noticeble difference in the sheer scle of things compred to Portugl. The city of Recife, the fctories, the very trees nd plnts were ll enormous when set beside Lisbon in my mind s eye. Yes, everything here is bigger, cme the swift reply. Just look, you lost 4-0 to Germny but we chieved something much bigger; we lost 7-1! Um pesso que domin dus língus vle por dus. A máxim é tribuíd o imperdor Crlos V (ou Crlos I de Espnh), no século XVI, ms foi demonstrd em tod su plenitude por Tom Kundert de Lisbo, no século XXI, o qul serviu de intérprete pr seis ingleses, fnáticos do futebol, no seu périplo pelo nordeste brsileiro. De tods s mrvilhoss dádivs que o pís legou este inglês residente n cpitl de Portugl, cpcidde de comunicr n língu de Cmões encontr-se entre s mis precioss. Além de me permitir gnhr o sustento, briu-me port pr um universo de 220 milhões de pessos com s quis posso conversr, n su língu mtern. Desss, grnde miori vive no Brsil, terr que pisei pel primeir vez em junho, por ocsião do Cmpeonto do Mundo de Futebol de O estereótipo present-nos os brsileiros como um povo contente, sempre sorridente e conversdor relxdo, que proveit pr gozr vid. Dest experiênci de três semns, posso confirmr que os brsileiros... sorriem sempre, conversm relxdmente e proveitm pr gozr vid! Aind ponderei que, por serem o lvo d tenção de todo o mundo durnte este verão, os brsileiros pudessem ter redobrdo esforços pr trnsprecer ess imgem colhedor, ms nturlidde dos gestos e dos fectos er tão grnde que credito relmente que tudo isto fç já prte dos genes do povo brsileiro. Até qundo nos explicvm lguns dos problems que o pís enfrent, convers terminv sempre com um pid pr dr levez à pros e não fectr o mbiente com o peso d relidde descrit. Pr exemplificr est cpcidde de dr volt o texto com um pouco de humor, nd como relembrr o meu último diálogo com um brsileiro, decorrido enqunto esperávmos pelo embrque no voo de regresso de Recife pr Lisbo, exctmente no di seguinte à equip nfitriã do torneio ter sido humilhd pel congénere lemã. Tendo-me ele perguntdo qul minh opinião sobre o pís, respondilhe que o mis notável er diferenç n escl ds coiss, em comprção com Portugl. A cidde de Recife, s fábrics, s própris árvores e plnts, tudo isso er enorme, qundo comprdo com imgem que tenho de Lisbo. Sim, tudo qui é mior, confirmou ele, desembrçdo. Repre, vocês perderm de 4-0 pr Alemnh, ms nós conseguimos lgo muito mior, perdemos de 7-1! n 12 setembro 2014 September mgzinephilos

13 BibliotecLibrry (Re)leiturs (Re)reding Nelson Loureiro Mchdo de Assis Dom Csmurro Por vezes, sinto que fz flt um entidde reguldor do forismo que impeç propgção de máxims contrditóris. É que fic tudo muito complicdo qundo não sbemos se é deus ou o dibo, quem está nos detlhes; ou se sempre é bendit, ignorânci, e mldito, o conhecimento, ou vice-vers. A meu ver, e pesr ds máxims socrátics e crtesins, certo mesmo é que dúvid é um tormento... Tome-se como exemplo Dom Csmurro, obrprim de Mchdo de Assis, d litertur brsileir e, por extensão, d litertur em português. Um português suve, mis bmbolente e çucrdo, com um ritmo próprio, e que ombrei perfeitmente com s melhores sfrs d litertur relist que se escreveu deste ldo do Atlântico. Que é csmurrice de Bento Sntigo que não o fruto d dúvid que ele próprio semeou e regou: Cpitu triu-o, devers? Que ele estej convencido, de nd import - obr, mesmo qundo prentemente fechd, permnece bert à leitur individul. O que pr o ex-seminrist prece evidente, pode, pr o leitor (sempre contmindo pels sus própris convicções), ser n verdde o espetáculo delirnte de um Otelo que se utocontmin, como se tivesse igulmente um Igo dentro de si. Atente-se no que firmou Lygi Fgundes Telles, rgumentist do filme Cpitu: Eu já não sei mis. Minh últim versão é ess, não sei. Acho que enfim suspendi o juízo. No começo, el er um snt; n segund, um monstro. Agor, n velhice, eu não sei. Acho Dom Csmurro mis importnte que Mdme Bovry. Nele há dúvid, enqunto Bovry tem escrito n test que é dúlter. Not: triste form de xingr Flubert Sometimes I feel tht n phorism regultory entity should exist to prevent the propgtion of contrdictory mxims. The problem is everything becomes much more complicted when we do not know if it is God or the devil who is in the detil; or if ignornce is lwys bliss, if knowledge is lwys power, or vice-vers. In my view, for ll the Socrtic nd Crtesin mxims, one certinty is tht doubt is torment... Tke for exmple Dom Csmurro, the msterpiece of Brzilin literture by Mchdo de Assis, nd therefore literry msterpiece of the Portuguese lnguge. A soft Portuguese, but mbling nd sugr-lden, with its own rhythm, which sits perfectly longside the gretest exmples of relist literture written on this side of the Atlntic. Primeiro Poem do Outono Mis um vez é preciso reprender o outono todos nós regressmos o teu inesgotável rosto Emergem do sflto quels increditáveis crinçs e tudo incorrigivelmente principi Já n ru se não cruzm olhos como rms Recebe-nos de novo o corção E sbe deus minh humn mão First Autumn Poem Agin it is necessry to relern utumn we ll return to your inexhustible fce From the sphlt emerge those unbelievble children nd everything irredeembly strts Now outdoor eyes no longer cross like wepons We re received with new hert And God knows my humn hnd n Ruy Belo * Poems de Vid Lifetime Poems Wht is the hrd-hededness of Bento Sntigo other thn the fruit of doubt tht he himself sowed nd fostered: did Cpitu relly betry him? The fct he is convinced so mens nothing the book, even when pprently closed, remins open to the individul s interprettion. Wht for the former seminrin seems evident, my for the reder (lwys contminted by his own convictions) be in fct the delirious spectcle of n Othello who contmintes himself, s if he lso hd Igo inside him. Lygi Fgundes Telles, the screenwriter of the film Cpitu stted: I no longer know. Tht is my finl sy on the mtter, I don t know. I think tht in the end I suspended the tril. At the strt she ws sint; then she ws monster. Now, in my old ge, I don t know. I think Dom Csmurro is more importnt thn Mdme Bovry. There remins doubt in it, while Bovry hs the fct she is n dulterer written on her forehed. *A obr de Ruy Belo ( ), licencido em filologi românic e doutordo em direito cnónico, foi um busc pelo ponto de equilíbrio entre soluções díspres bebeu do neorrelismo e do surrelismo, sem ceder nenhum dos seus excessos ou dogms estéticos; foi influencido pel formção ctólic bem como pel teori existencilist sempre com o fim último de lutr por um homem melhor. The work of Ruy Belo ( ), grdute in Romnesque philology nd PhD in Cnon lw, ws quest for the blncing point between severl disprte solutions he drnk from neo-relism nd surrelism, without yielding to either of their excesses or esthetic dogms; he ws influenced by Ctholic trining s well s existentilist theory lwys fighting for the finl gol of better mnkind. Note: sd wy to curse Flubert n mgzinephilos setembro 2014 September 13

14 Derivções de um Gurd-Livros Musings from Bookworm Tudo evolui; não há reliddes eterns... Everything hs evolved; there re no eternl fcts... Artur Semedo A evolução é um fenómeno fscinnte. Pr quem preci explicr de modo rcionl (perdoe-se-me o pleonsmo) quilo sobre que medit, este é um conceito que surge como tão evidente que té surpreende que tenhmos esperdo tntos séculos pr o dispor, e mis lgum tempo ind pr o ceitr. Porém, vezes há em que relidde prece vir contrrir tods esss bses lógics em que ssentmos teori. Retomo um idei deixd n edição nterior: o mundo é feito pr lrg miori de destros. Tnto ssim que, conforme já se provou, os cnhotos são muito mis propensos cidentes, prticulrmente em contextos de trblho (e que isto sirv de viso o meu coleg Ricrdo Fernndes, d Trdumátic). Do mesmo modo, o hbitt de crição humn por excelênci, cidde, funcion em lrg escl devido às cpciddes de descodificção visul de cd um, como sej o entendimento dos significdos tribuídos certs cores, em que o exemplo do semáforo é o mis óbvio - o vermelho é igul perigo, o verde, segurnç. E, no entnto, continu hver dltónicos. Como explicr est prente contrdição, em que grupos minoritários, que se poderi julgr menos ptos pr sobrevivênci, subsistem e, sobretudo no cso dos cnhotos, cbm por ser comprtivmente mis bem sucedidos que miori? Tudo pss pel dicotomi presente n orgnizção ds socieddes humns: cooperção versus competição. Apesr de ser tendencilmente gregário, o ser humno não deix, por isso, de ser competitivo, sej coletiv ou individulmente, isto é, entre fções rivis, ou dentro do mesmo grupo. A noss históri, noss evolução prticulr, é um sequênci de choques e concertções entre competidores em busc dos melhores recursos, e, em últim nálise, de grntir subsistênci (como quisquer outros seres vivos, no fundo). Tl como já hvi tmbém escrito no rtigo prévio: os cnhotos tiverm de desenvolver quliddes critivs superiores, e por isso é que se conseguirm dptr e, em muitos csos, sobrepor os restntes. Do mesmo modo, os dltónicos perdem n cpcidde de distinguir cores o que gnhm em visão noturn. Pense-se n utilidde dess ptidão durnte os milénios em que não houve iluminção rtificil. Resumindo, lógic d evolução não é tão simples que exclu tudo o que não sej trçdo linh ret. Há sempre lugr pr exceção, se el trouxer qulquer cois de positivo. Diri té que, no presente mundo em que vivemos, o que mis supriri s nosss crêncis seri clrr espço pr quem não vê somente cores e desconfi dos direitos exclusivos d mão direit Evolution is fscinting phenomenon. For those who like to explin wht they ponder over in rtionl wy (forgive the pleonsm), this is concept tht is so obvious it is surprising we hd to wit so mny centuries to her it, nd even more time to ccept it. However, t times the fcts seem to go ginst ll the logicl resoning on which we bse the theory. I bring up topic rised in the previous edition gin: the world is mde for the vst mjority of right-hnded people. So much so tht, s hs been proved, left-hnded people re much more lible to hve ccident, especilly work ccidents (nd my this serve s n exmple to my collegue Ricrdo Fernndes, who pens the Trdumátic column). Likewise, the preferred hbitt tht humns hve creted to live in, the city, functions to lrge extent becuse of the bility of its residents to visully decode it, such s the understnding ttributed to certin colours, in which trffic lights re the most obvious exmple red equls dnger, green equls sfety. And yet, there re still colour-blind people. How cn you explin this pprent contrdiction, in which minority groups, who re deemed to be less equipped to survive, remin unmoved, nd even, especilly in the cse of left-hnded people, end up comprtively more successful thn the mjority? It is ll question of dichotomy in the orgnistionl of humn societies: coopertion versus competition. Despite being on the whole gregrious, this does not prevent the humn being from being competitive, both collectively nd individully, either mong rivl fctions, or within the sme group. Our history, our prticulr evolution, is sequence of shocks nd concilitions between competitors in serch of the best resources, nd in the ultimte nlysis, gurnteeing survivl (like ny other living beings, t the end of the dy). As ws lso written in the previous rticle: left-hnded people hd to develop superior cretive qulities, nd s such they mnged to dpt, nd in mny cses outperform the rest. Likewise, wht colour-blind people lose in the cpcity to distinguish colours, they gin in their bility to see t night. Think bout the usefulness of this dpttion over the millenniums when there ws no rtificil light. To sum up, the logic of evolution is not so simple s to exclude everything tht does not follow stright line. There is lwys room for exceptions, if it brings something positive. I would sy tht in the world we live in tody, wht would do most to mke up for our shortflls would be to mke room for those who do not see only colours nd to mistrust the exclusive rights of the right hnd n 14 setembro 2014 September mgzinephilos

15 Trdumátic Trdumtics É tão fácil Procurr e Substituir texto Serch nd Replce text mde esy! Ricrdo Fernndes Hoje em di, procurr e substituir texto num documento é já um operção cessível o utilizdor mis comum, estndo qulquer editor de texto hbilitdo pr o fzer. Contudo, situção revel-se menos simples qundo é necessário relizr s mesms lterções em vários ficheiros, forçndo-nos hbitulmente repetir operção em cd um deles. Form já váris s vezes em que me solicitrm jud pr csos semelhntes, sendo que, em todos eles, se gstou um grnde quntidde de tempo no repetitivo processo de brir, procurr, substituir e grvr ficheiro ficheiro. Como eu sou migo d economi de tempo, e tmbém vosso migo, presento-vos Multiple Serch nd Replce, um ferrment versátil, cpz de efetur operções de pesquis e substituição em vários ficheiros, em simultâneo. Porém, onde plicção mostr o seu mior potencil é n funcionlidde que permite operr em vários tipos de ficheiros diferentes, como sejm PDF, Word, Excel, PowerPoint, entre outros. Pr tirr todo o prtido d plicção é necessári lgum hbitução e um esforço inicil pr entender como funcionm todos os cmpos personlizáveis d pesquis efetur. Depois de bem domindos, est torn-se um ferrment indispensável. Em lterntiv, e cso se depre com um situção em que tem de mnipulr vários ficheiros de texto simples, sugiro utilizção d ferrment Notepd++. Est ferrment tem vntgem de poder relizr pesquis e substituição psso psso, o que permite slvgurdr lguns csos em que s lterções possm fzer menos sentido. Além disso, existem váris situções em que o Notepd++ se pode revelr um precios jud, grçs o seu Spell Check, à clssificção visul de Tgs em vários tipos de ficheiros, e outrs funções. Certmente, estremos mis otimists d próxim vez que for necessário substituir um qulquer termo em 1001 ficheiros diferentes. Nowdys, finding nd replcing text in document is n opertion ccessible to the most common user, with ny word processor ble to do it. However, the sitution is less simple when you hve to mke the sme chnges in severl files, forcing us to repet the opertion in ech one of them. I hve been sked for help in such situtions severl times now, when in ll cses huge mount of time ws lost in repeting the process of opening, serching nd replcing the term nd then sving, file by file. As I m fn of sving time, nd lso your friend, I present you with Multiple Serch nd Replce, verstile tool ble to crry out serch nd replce opertions in severl files simultneously. However, where the ppliction relly comes to the fore showing its full potentil is in the functionlity tht llows the opertion to be crried out in severl different file types, such s PDF, Word, Excel, PowerPoint, mong others. To tke full dvntge of the ppliction one hs to spend some time lerning how to use ll the customisble serch fields. After mstering this spect, the tool becomes indispensble. Alterntively, nd in sitution where you hve to mnipulte severl files of simple text, I suggest using the Notepd++ tool. This tool hs the dvntge of crrying out the serch nd replce opertion step by step, which sfegurds ginst certin cses when the chnges my not mke sense. Furthermore, there re severl situtions in which Notepd++ cn be precious help, such s in your Spell Check, the visul Tg clssifiction in vrious file types, nd other functions. So the next time we hve to replce term in 1001 different files, we will certinly fce up to the tsk more optimisticlly.n Downlod Multiple Serch nd Replce: Notepd++ mgzinephilos setembro 2014 September 15

16 ÁLBUM DE FOTOGRAFIAS Este espço é dedicdo o nosso sócio funddor Sílvio Oliveir e àquel que foi um ds sus pixões fvorits: fotogrfi. Do imenso álbum que nos deixou, continuremos selecionr momentos de vid que queremos continur prtilhr com os nossos leitores. This section intends to py hommge to philos founding prtner Sílvio Oliveir nd one of the gret pssions of his life, which ws photogrphy. From the mrvellous photo lbum he left us, we will continue to bring you lifetime moments we would like to shre with our reders.n PHOTO ALBUM 16 setembro 2014 September mgzinephilos

17 mgzinephilos setembro 2014 September 17

18 Álbum de Fotogrfis Photo Album setembro 2014 September 18 mgzinephilos

19 Álbum de Fotogrfis Photo Album mgzinephilos setembro 2014 September 19

20 Álbum de Fotogrfis Photo Album 20 setembro 2014 September mgzinephilos

21 Álbum de Fotogrfis Photo Album mgzinephilos setembro 2014 September 21

22 ARTESARTS Fernndo Nogueir The end of everything Após um grnde período de usênci, Trcy Vndl, voz à frente dos Tigun Bibles, present o seu primeiro disco em nome próprio, o EP The End Of Everything. Boz Boorer guitrrist, compositor e director musicl d bnd de Morrissey e ex- membro dos Polects, compnh- em quse tods s músics. João Rui, dos A Jigsw, fez os rrnjos de lgums ds músics construíds sobre emoções replets de um triste vzio e relçndo esse ldo negro do disco. Escrits num frio e melncólico novembro em Coimbr, resultdo de um isolmento forçdo em cs e de um confronto com usênci emocionl que nos inund qundo vid prece desprecer A primeir músic é um rerrnjo de um ds últims músics dos Tigun Bibles, um ds fvorits d rtist, e que fz introdução pr um vigem de insegurnçs, mor perdido e d inevitbilidde d uto-destruição e morte. Isto é só o início, pesr de ser o fim de tudo. Os Mis Entre Afonso d Mi e o seu neto Crlos, constrói-se o último lço forte d velh fmíli Mi. Formdo em medicin n Universidde de Coimbr e posteriormente educdo num long vigem pel Europ, Crlos d Mi regress Lisbo no Outono de 1875, pr grnde legri do vô. Nos ctorze meses seguintes, nsce, cresce e morre comédi e trgédi de Crlos como trgédi e comédi de Portugl. A vid ocios do médico ristocrt, invrivelmente compnhdo pelo seu pr migo, o génio d escrit e de obrs incbds, o mnipuldor João d Eg, lev-o ter migos, ter mntes e o dolce fre niente, cheio de convicções. Até que se pixon de verdde por um mulher tão bel como um mdon e tão chei de mistérios, como s heroíns d estétic nturlist. Um persongem novo num romnce esteticmente revolucionário. A vertigem: pixão louc pr lá dos negrumes do pssdo, um novo e mis negro precipício, o incesto. Mesmo sbendo que Mri Edurd é irmã pixão de Crlos não morre e vi o limite. E depois termin bruptmente porque o velho Afonso d Mi morre pr expir o pecdo terrível do seu neto, neto que er rzão d su existênci. E então em vez d morte do herói, nov invenção de Eç. Crlos e Eg prtem pr um long vigem de ócio e de pequenos przeres. Dez nos depois, voltm encontrr-se em Lisbo tão diferente e tão igul, cpitl de um pís cminho d bncrrot. Os Mis, escrito pelo genil Eç de Queiroz, After long hitus, Trcy Vndl, the voice of Tigun Bibles, presents her first homonymous lbum, The End of Everything ep. Boz Boorer, guitrist, composer nd musicl director from Morrissey s bnd nd ex member of The Polects, ccompnies Vndl in lmost every song. João Rui, from A Jigsw, mde the rrngements of some of the songs built on emotion nd full of sd emptiness, highlighting the drk side of this work. Written in cold nd melncholic November in Coimbr, s consequence of forced rest t home nd lso deriving from the conflict with the emotionl emptiness we ll hve to fce when life seems to fde wy. The first song is reworking of one of the lst Tigun Bibles songs, one of the rtist s fvourites, introducing trip of uncertinty, love lost nd the inevitbility of self-destruction nd deth. And, in spite of being the end of everything, this is just the beginning. n grnde, melodrmático, divertido e melncólico, pont um destino sem remédio, tnto pr fmíli Mi como pr Portugl. João Botelho Between Afonso d Mi nd his grndson Crlos is built the lst strong bond of the Mi fmily. Crlos d Mi obtined medicl degree with honours from Coimbr University, fter which he received worldly eduction by mens of long trip round Europe. In the utumn of 1875 he then returned to Lisbon, to the gret stisfction of his grndfther. Over the next fourteen months, the comedy nd trgedy of Crlos d Mi unfolds, grows nd dies, just s Portugl s own trgedy nd comedy. The ristocrt doctor s idle life, systemticlly ccompnied by his peer, the writing genius of eternlly unfinished works nd smooth opertor João d Eg, leds Crlos d Mi to encounter cquintnces, lovers nd the dolce fre niente, full of convictions. Until he flls utterly in love with womn s beutiful s Mdonn nd s full of mystery s the nturlistic esthetic heroines. A brnd new chrcter within n estheticlly revolutionry novel. The vertigo: mddening pssion beyond the drk pst, newer nd drker fll, the incest. Even knowing tht Mri Edurd is his sister, Crlos pssion does not die nd he breks ll the rules. But then, it ends bruptly becuse Afonso d Mi senior dies to bsolve his grndson, who ws his reson for living. And then, insted of hero s deth, Eç s new cretion. Crlos nd Eg leve for long trip of idle life nd smll plesures. Ten yers lter they come bck to Lisbon, which is so different yet so very much the sme, the country s min city hurtling towrds bnkruptcy. Written by the genius Eç de Queiroz, Os Mis, gret, melodrmtic, fun nd melncholic, points to destiny without bsolution, for the Mi fmily s well s for Portugl itself n. João Botelho Kleidoscópio Kleidoscope A Voz d Lu The voice of the moon 22 setembro 2014 September mgzinephilos

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Conteúdo Programático Anual

Conteúdo Programático Anual INGLÊS 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) Capítulo 01 (Unit 1) What s your name? What; Is; My, you; This; Saudações e despedidas. Capítulo 2 (Unit 2) Who s that? Who; This, that; My, your, his, her; Is (afirmativo,

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br Preposições na língua inglesa geralmente vem antes de substantivos (algumas vezes também na frente de verbos no gerúndio). Algumas vezes é algo difícil de se entender para os alunos de Inglês pois a tradução

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer?

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer? MONEY CHANGER Câmbio I d like to exchange some money. Where can I find a money changer? Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Onde posso encontrar um câmbio? I d like to exchange (I would) Where can

Leia mais

AT A HOTEL NO HOTEL. I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Poderia sugerir um hotel mais barato?

AT A HOTEL NO HOTEL. I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Poderia sugerir um hotel mais barato? I d like to stay near the station. Can you suggest a cheaper hotel? Gostaria de ficar por perto da estação. Poderia sugerir um hotel mais barato? I d like to stay near the station. (I would ) in a cheaper

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as

Exercícios extras. Na aula de hoje, você deverá arregaçar as Exercícios extras Assunto do dia Na aula de hoje, você deverá arregaçar as mangas e entrar de cabeça nos exercícios extras, que têm como tema tudo que vimos nas aulas do Segundo Grau. Atenção: 3, 2, 1...

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening )

NOTA: Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web. 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) Professor(a): Bispo, Suzamara Apª de Souza Nome: n.º 3º Web Barueri, / / 2009 Trimestre: 3ª Postagem Exercícios de reposição ( listening ) NOTA: ACTIVITY ONE: Put the verses in order according to what

Leia mais

WORKING CHILDREN. a) How many children in Britain have part-time jobs?. b) What do many Asian children do to make money in Britain?.

WORKING CHILDREN. a) How many children in Britain have part-time jobs?. b) What do many Asian children do to make money in Britain?. Part A I. TEXT. WORKING CHILDREN Over a million school children in Britain have part-time Jobs. The number is growing, too. More and more teenagers are working before school, after school or on weekends.

Leia mais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais

PRONOMES. Ø Pronomes Pessoais PRONOMES O pronome é uma palavra usada no lugar do nome (substantivo) para evitar a sua repetição e concorda, em gênero e número com o substantivo que representa. Para cada tipo de Pronome há um tipo de

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Inglês 6º Ano de Escolaridade Prova 06 / 2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. 2014 Prova 06/ 2.ª F.

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts)

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts) Convoctòri Aferru un etiquet identifictiv v999999999 de codi de brres Portuguès (més grns de 25 nys) Model 1 Not 1ª Not 2ª Aferru l cpçler d exmen un cop cbt l exercici TEXTO Um clássico lisboet O elétrico

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência Estratégia de Leitura Elementos de Referência Reference devices ou elementos de referência Ao ler textos sobre qualquer assunto, em qualquer área de conhecimento, todo leitor percebe uma relação de REFERÊNCIA

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Colégio de Aplicação UFRGS. Name: Group:

Colégio de Aplicação UFRGS. Name: Group: Present Perfect: FOOD for THOUGHT Colégio de Aplicação UFRGS Name: Group: Present Perfect Simple Os Perfect Tenses são formados com o presente simples do verbo to have (have / has), que, neste caso, funciona

Leia mais

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo.

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo. The case of the missing ring Script: part three A transcrição abaixo não é uma cópia fiel do áudio. Apresentadora: Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning English. Série 1 o caso da aliança

Leia mais

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic Portuguese Lesson 1 Welcome to Lesson 1 of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

(Eu) sempre escrito em letra maiúscula, em qualquer posição na frase. (Tu, você)

(Eu) sempre escrito em letra maiúscula, em qualquer posição na frase. (Tu, você) Nome: nº. 6º.ano do Ensino fundamental Professoras: Francismeiry e Juliana TER 1º BIMESTRE PERSONAL PRONOUNS (Pronomes pessoais) O que é pronome pessoal? O pronome pessoal substitui um nome, isto é um

Leia mais

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado Inglês Aula 01 Título - Frases básicas em Inglês As orações em Inglês também se dividem em Sujeito e Predicado. Ao montarmos uma oração com um sujeito e um predicado, montamos um período simples. Estas

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Unidade II Science Health and nature 2 Aula 5.1 Conteúdos Phrasal Verbs in texts 3 Habilidade Identificar os phrasal verbs em textos

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Como dizer quanto tempo leva para em inglês?

Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Você já se pegou tentando dizer quanto tempo leva para em inglês? Caso ainda não tenha entendido do que estou falando, as sentenças abaixo ajudarão você a entender

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA 1. Introdução A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Jhonatas Garagnani de Souza (G- CLCA - UENP-CJ/CJ) Juliano César Teixeira (G- CLCA UENP/CJ) Paula Fernanda L. de Carvalho (G- CLCA -UENP-CJ-CJ)

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português

Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português Letra da música Gypsy da Lady Gaga em Português Cigana Às vezes uma história não tem fim Às vezes acho que nós poderíamos ser apenas amigos Porque eu sou

Leia mais

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2.

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2. TeamSpeak PORTUGUES ENGLISH Tutorial de registo num servidor de TeamSpeak Registration tutorial for a TeamSpeak server Feito por [WB ].::B*A*C*O::. membro de [WB ] War*Brothers - Non Dvcor Dvco Made by:

Leia mais

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015 rtchitectours SALONE INTERNAZIONALE DEL MOBILE DI MILANO 2015 A Feir de Móveis de Milão é mior feir do gênero no mundo. A exposição present o mis recente em mobiliário

Leia mais

Phrasal Verbs, What for?

Phrasal Verbs, What for? Phrasal Verbs, What for? Um dos maiores problemas que o estudante da língua inglesa enfrenta para entender conversas cotidianas, filmes ou músicas em inglês é o uso dos chamados Phrasal Verbs, que tornam

Leia mais

Inglês com Inglesar Jota Filho

Inglês com Inglesar Jota Filho Inglês com Inglesar Jota Filho Aula Prática Parte 5 Texto em Inglês: Reddy Fox He was afraid that he would fall through into the water or onto the cruel rocks below. Granny Fox ran back to where Reddy

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Inglês 22 Passive Voice

Inglês 22 Passive Voice Inglês 22 Passive Voice A voz passiva é muito utilizada em inglês. Por sorte, ela não é difícil de entender. Observe como ela é organizada. To be + Participle = Passive Usando-se então o verbo to be, em

Leia mais

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person?

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person? Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014 GUIÃO A Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho 1.º Momento Intervenientes e Tempos

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

Lição 24: Preposições de tempo. Como usar preposições de tempo.

Lição 24: Preposições de tempo. Como usar preposições de tempo. Lesson 24: Prepositions of Time (in, on, at, for, during, before, after) Lição 24: Preposições de tempo Como usar preposições de tempo. Reading (Leituras) I was born in 2000. (Eu nasci em 2000.) We work

Leia mais

hospital emergencial por aqui? an emergency treatment hospital near here? Gostaria de ver o médico. I d like to see a doctor.

hospital emergencial por aqui? an emergency treatment hospital near here? Gostaria de ver o médico. I d like to see a doctor. Is there an emergency treatment hospital near here? I d like to see a doctor. Há algum hospital emergencial por aqui? Gostaria de ver o médico. Language Focus Foco da Linguagem Is there I d like to see

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

São eles: SOME (Algum, alguma, alguns,algumas). É utilizado em frases afirmativas,antes de um substantivo. Ex.:

São eles: SOME (Algum, alguma, alguns,algumas). É utilizado em frases afirmativas,antes de um substantivo. Ex.: Pronomes Indefinidos Indefinite Pronouns Esses pronomes são utilizados para falar de pessoas, objetos ou lugares indefinidos Referem a pessoas ou coisas, de modo vago ou impreciso São eles: SOME (Algum,

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Avaliação da unidade III Pontuação: 7,5 pontos 2 LEIA O TEXTO A SEGUIR E RESPONDA AS QUESTÕES 1 E 2. Does the color red really make

Leia mais

Verbs - Simple Tenses

Verbs - Simple Tenses Inglês Prof. Davi Verbs - Simple Tenses Simple Present Simple Past Simple Future Simple Present - Formação Infinitivo sem o to Ausência do auxiliar (usa-se to do ) Inclusão de s na 3ª pessoa do singular

Leia mais

Lição 27: Preposições de direção. Como usar preposições de direção.

Lição 27: Preposições de direção. Como usar preposições de direção. Lesson 27: Prepositions of Direction (from, to, into, onto, away from) Lição 27: Preposições de direção Como usar preposições de direção.. Reading (Leituras) I come from Austria. ( Eu venho da Áustria.)

Leia mais

Foco da Linguagem. Language Focus

Foco da Linguagem. Language Focus I can t find my wallet. I don t know where I lost it. Não consigo encontrar minha carteira. Não sei onde eu a perdi. I can t find I don t know where my wallet. minha carteira. Não consigo encontrar my

Leia mais

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015 Pets reality There are about 30 millions abandoned pets only in Brazil. Among these amount, about 10 millions are cats and the other 20 are dogs, according to WHO (World Health Organization). In large

Leia mais

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE?

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE? Visitor, is this is very important contact with you. I m Gilberto Martins Loureiro, Piraí s Senior Age Council President, Rio de Janeiro State, Brazil. Our city have 26.600 habitants we have 3.458 senior

Leia mais

Conversational Portuguese Series II

Conversational Portuguese Series II Converstionl Portuguese Series II SAMPLE EXERCISES DONWLOADABLE PROGRAMS AND LESSONS NOW AVAILABLE ON MP3 t www.mrilnguges.com by Mri Leonor Oliveir, M. A. All rights reserved Note to the techer In this

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

AEROPORTO AIRPORT. I d like to book a flight to Rome. Do you have a package tour? Language Focus. Foco da Linguagem. Questions.

AEROPORTO AIRPORT. I d like to book a flight to Rome. Do you have a package tour? Language Focus. Foco da Linguagem. Questions. I d like to book a flight to Rome. Do you have a package tour? Gostaria de reservar um voo para Roma. Você tem um pacote de turismo? I d like to book (I would ) a flight to Rome. a seat for two. Gostaria

Leia mais

Inglês 12 Present perfect continuous

Inglês 12 Present perfect continuous Inglês 12 Present perfect continuous Este tempo é ligeiramente diferente do Present Perfect. Nele, notamos a presença do TO BE na forma BEEN, ou seja, no particípio. Conseqüentemente, nota-se também a

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Abba - Take a Chance On Me

Abba - Take a Chance On Me Abba - Take a Chance On Me and it ain t no lie if you put me to the test if you let me try (that s all I ask of you honey) We can go dancing we can go walking as long as we re together listen to some music

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Planificação anual - 2015/2016llllllllllll. Disciplina / Ano: Inglês / 5º ano. Manual adotado: Win!5 (Oxford University Press) Gestão de tempo

Planificação anual - 2015/2016llllllllllll. Disciplina / Ano: Inglês / 5º ano. Manual adotado: Win!5 (Oxford University Press) Gestão de tempo 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO ESCOLA BÁSICA DA ABELHEIRA PLANIFICAÇÃO ANUAL DE INGLÊS DO 5.º ANO 2015/2016 Planificação anual - 2015/2016llllllllllll Disciplina / Ano: Inglês / 5º ano Manual adotado:

Leia mais

Seu Tempo é Precioso. Volume I. Charlles Nunes

Seu Tempo é Precioso. Volume I. Charlles Nunes APRENDA INGLÊS EM CASA Seu Tempo é Precioso Volume I Charlles Nunes Aprenda Inglês em Casa ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 LESSON 1... 5 LESSON 2... 10 LESSON 3... 16 LESSON 4... 21 2 Charlles Nunes APRESENTAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO VOLUME 1 HISTÓRIA

SUMÁRIO VOLUME 1 HISTÓRIA SUMÁRIO VOLUME 1 "Dentro de você existe um Universo em permnente construção." Pulo Roberto Gefte Cpítulo 1 Orgnizção históric e temporl n construção dos universos (Relção d própri vivênci com o tempo e

Leia mais

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes Lesson 6 Notes Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job Welcome to Fun With Brazilian Portuguese Podcast, the podcast that will take you from beginner to intermediate in short, easy steps. These

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INGLÊS. Exercise 1. a) Complete o quadro abaixo com as formas do verbo To Be, no tempo Presente Simples.

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INGLÊS. Exercise 1. a) Complete o quadro abaixo com as formas do verbo To Be, no tempo Presente Simples. ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INGLÊS Exercise 1 a) Complete o quadro abaixo com as formas do verbo To Be, no tempo Presente Simples. I You He She It We You They b) Reescrevas a s frases a seguir nas formas

Leia mais

Lição 40: deve, não deve, não deveria

Lição 40: deve, não deve, não deveria Lesson 40: must, must not, should not Lição 40: deve, não deve, não deveria Reading (Leituras) You must answer all the questions. ( Você deve responder a todas as We must obey the law. ( Nós devemos obedecer

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

Inglês 11 The Present Perfect.

Inglês 11 The Present Perfect. Inglês 11 The Present Perfect. O Present Perfect é um tempo verbal em inglês que mostra uma ação que ocorreu no passado, mas os efeitos estão no presente. My grandfather has recovered from his illness.

Leia mais

Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Etapa: Ensino Médio APOSTILA DE INGLÊS

Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Etapa: Ensino Médio APOSTILA DE INGLÊS Centro Educacional Brasil Central Nível: Educação Básica Modalidade: Educação de Jovens e Adultos a Distância Índice APOSTILA DE INGLÊS Módulo I - EXPRESSÕES PARA USO COTIDIANO - SUBJECT PRONOUNS - VERBO

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais