Projeto de REVISÃO de Norma Diretor/ Gerente de Agência de Viagens Texto para discussão.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de REVISÃO de Norma Diretor/ Gerente de Agência de Viagens Texto para discussão."

Transcrição

1 Projeto de REVISÃO de Norma Diretor/ Gerente de Agência de Viagens Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Pública Nacional entre os associados da ABNT e demais interessados. Esta Norma contém o anexo A, de caráter informativo. 1 Objetivo Esta Norma estabelece os resultados esperados/ competências para Diretor/Gerente de Agência de Viagens. 2 Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições: 2.1 competência: Capacidade de mobilizar, desenvolver e aplicar conhecimentos, habilidades e atitudes no desempenho do trabalho e na solução de problemas, para gerar os resultados esperados. 2.2 certificação profissional: Processo que atesta publicamente a competência para o trabalho, tendo como referência uma norma. 2.3 resultados esperados: Conjunto mínimo de serviços que compõem uma ocupação. 3 Descrição da ocupação O Diretor/Gerente de Agência de Viagens ocupa-se, principalmente, da gestão da empresa, do planejamento estratégico e do gerenciamento das pessoas, visando à sustentabilidade do negócio. 4 Resultados Esperados / competências O Diretor/Gerente de Agência de Viagens deve ser capaz de: a) Manter boa apresentação pessoal, incluindo mas não limitado a: Identificar os requisitos adequados de apresentação pessoal em diferentes circunstâncias e ambientes profissionais da área de turismo. Causar boa impressão nos outros e manter essa impressão ao longo do tempo. Apresentar-se e comportar-se de maneira adequada no ambiente de trabalho e nos contatos profissionais. Manter o asseio e a higiene corporal. Vestir-se adequadamente e usar o uniforme, se for o caso. Em 31/7/2008 1

2 b) Permanecer eficaz em ambientes de mudança, incluindo mas não limitado a: Estabelecer e manter um projeto de desenvolvimento profissional contínuo. Desenvolver mecanismos de aprendizagem para executar novas atividades ou para operar novos sistemas. Escolher fontes adequadas de pesquisa e localizar a informação desejada. Avaliar, selecionar, organizar e manter a informação. Transformar a informação em conhecimento, pela vivência. Extrair aprendizagem das próprias experiências. Observar e refletir sobre o desempenho do colega de trabalho, como meio de aprendizagem. Participar de palestras, seminários, cursos de treinamento, eventos do ramo e viagens técnicas. Aprender com os clientes. c) Comunicar-se bem, incluindo mas não limitado a: Praticar a escuta ativa, identificando as informações importantes. Expressar idéias ou intenções de uma maneira persuasiva. Falar de forma clara, objetiva e adequada com clientes e fornecedores. Dominar vocabulário técnico, conhecimento de códigos e terminologias específicas. Localizar e interpretar informações escritas em diferentes formatos, tais como: artigos, notícias, documentos, relatórios, anúncios, folhetos. Redigir as idéias com clareza e de forma gramaticalmente correta Redigir textos em diferentes formatos tais como: bilhetes, folhetos, cartas, comunicados, s, relatórios, planos, instruções e formulários. Prestar informações de forma confiável. d) Criar e inovar, incluindo mas não limitado a: Gerar idéias que agreguem valor ao negócio. Dar forma e operacionalidade às idéias novas. Demonstrar capacidade de resolver problemas e enfrentar situações imprevistas. Propor soluções criativas em situações de negócios. Utilizar alternativas inovadoras em oposição aos métodos e enfoques tradicionais. Utilizar os recursos de forma não rotineira. Ser um agente de mudanças, vencendo os obstáculos necessários. e) Manter comportamento profissional adequado, incluindo mas não limitado a: Demonstrar atitudes profissionais desejáveis: pontualidade, paciência, compromisso, confiabilidade, empatia, atenção e diplomacia. Demonstrar autonomia: tomar decisões referentes à sua área de atuação sem necessidade de intervenção de terceiros. Demonstrar concentração: manter atenção em uma área ou assunto independentemente da sua importância. Demonstrar controle emocional: manter o equilíbrio emocional e racional diante de adversidades e conflitos. Demonstrar flexibilidade: modificar o comportamento ou adotar um enfoque diferente para alcançar uma meta. Em 31/7/2008 2

3 Demonstrar iniciativa: influir ativamente nos acontecimentos, com visão de oportunidade de lugar e ação. Perseverar em um assunto ou problema até que esteja resolvido. Transmitir segurança e confiança. Desempenhar suas funções de maneira responsável, atendendo aos objetivos propostos. Participar de associações e organizações do trade. f) Agir com ética e respeito à cidadania, incluindo mas não limitado a: Relacionar-se com urbanidade. Respeitar as diferenças culturais. Respeitar as necessidades e sentimentos de terceiros. Dar atendimento preferencial a gestantes, idosos e portadores de necessidades especiais. Não prometer o que não pode ser cumprido. Manter a discrição em relação a informações sobre os clientes. Manter o sigilo em relação às informações da empresa e dos colegas. Utilizar equipamentos e recursos de forma adequada. Observar o código de defesa do consumidor. Esclarecer os clientes quanto às suas responsabilidades legais. Seguir as normas de códigos de ética estabelecidos por associações de classe. Utilizar as regras pré-estabelecidas com flexibilidade e bom senso. Avaliar suas ações e comportamentos do ponto de vista ético. g) Atender o cliente, incluindo mas não limitado a: Estar atento às demandas dos atuais e potenciais clientes. Responder e retornar solicitações com agilidade. Apoiar o cliente em todas as fases da venda. Manter contato freqüente com os clientes seja por telefone, ou visitas pessoais. Manter bom relacionamento com os clientes. Administrar conflitos com os clientes. Pesquisar satisfação do cliente durante todo o processo de atendimento. h) Trabalhar em equipe, incluindo mas não limitado a: Apoiar a equipe e a gestão do negócio. Atuar como membro de um grupo de trabalho, contribuindo com os seus resultados. Estar sempre disponível para ajudar e aceitar ajuda dos colegas, tanto técnica quanto comercialmente. Liderar o grupo em assuntos de sua especialidade. Negociar com o grupo, trocando idéias, fazendo acordos, resolvendo divergências. Agir sem preconceitos. Transmitir suas experiências e conhecimentos aos colegas. Em 31/7/2008 3

4 i) Gerar documentos e relatórios, incluindo mas não limitado a: Registrar os dados precisamente. Conferir detalhadamente os documentos. Documentar toda a comunicação feita tanto com clientes quanto com os fornecedores. Preparar e manusear relatórios. Emitir relatórios de vendas, administrativos, financeiros, sobre clientes e fornecedores. Avaliar relatórios. Arquivar e encaminhar, aos setores competentes, toda a documentação. j) Dominar tecnologia da informação e comunicação, incluindo mas não limitado a: Operar equipamentos de comunicação que aumentem seu desempenho profissional. Fazer uso da Internet para melhorar o atendimento aos clientes. Dominar o uso de aplicativos para escritório. Alimentar banco de dados sobre clientes e fornecedores. Atualizar o site da empresa na Internet. k) Manter-se informado, incluindo mas não limitado a: Manter informação e registros atualizados. Manter-se atualizado com informações veiculadas em sites, periódicos e publicações específicas. Manter-se atualizado em relação às mudanças de procedimentos, às tarifas e aos itinerários e suas tipologias. Manter-se atualizado em relação aos produtos e serviços comercializados pela empresa que representa. Manter-se informado sobre a legislação, os novos produtos e as condições de mercado. Manter-se informado sobre as diversas atribuições dos integrantes do setor de turismo. l) Implementar política de qualidade, incluindo mas não limitado a: Participar da definição de políticas de qualidade. Manter e melhorar a qualidade criando diferenciais nos seus serviços. Participar da definição de indicadores de desempenho da Agência de Viagens, Agência de Viagens Operadora, Agência Operadora de receptivo ou Agência de Viagens consolidadora. Participar do desenho, implementação e melhoria de processos operacionais. Divulgar e consolidar informações sobre normas e procedimentos. Manter o controle sobre o desempenho de produtos, serviços e processos da empresa. Buscar os dados e informações pertinentes para identificar as causas de eventuais problemas. Sugerir ajustes de rotinas que otimizem tempo, práticas e resultado financeiro (lucratividade). Assumir os erros e propor soluções. Implementar ações preventivas e corretivas. Em 31/7/2008 4

5 m) Reservar Produtos e Serviços Turísticos, incluindo mas não limitado a: Anotar as solicitações de reservas, iniciando um registro detalhado de todas as comunicações e transações. Pesquisar as melhores tarifas, condições de pagamento e restrições tarifárias. Reservar produtos e serviços selecionados pelo cliente, utilizando os formulários que dão cobertura legal à Agência de Viagens, Agência de Viagens Operadora, Agência de Viagens Operadora de receptivo e Agência de Viagens consolidadora. Acompanhar e controlar prazos de emissão e pagamentos de reservas sob sua responsabilidade. Monitorar reservas, alterações e cancelamentos. Encerrar processo da cotação / reserva arquivando os documentos e mantendo-os em bom estado. n) Operar sistemas de reservas, incluindo mas não limitado a: Operar sistemas de GDS (Global Distribution Systems). Operar sistemas de reservas de fornecedores. Pesquisar a disponibilidade de vôos e assentos. Fazer cotações de tarifas e cálculo automático de preços de passagens. Efetuar reservas, alocar assentos e serviços especiais. Pesquisar a localização, a disponibilidade, os preços e reservar acomodações de hotéis. Verificar a disponibilidade, os preços e reservar veículos. Reservar outros produtos e serviços. Fazer o cancelamento ou alterações de reservas previamente feitas. Emitir automaticamente passagens e vouchers. o) Operacionalizar produtos turísticos, incluindo mas não limitado a: Confirmar produtos e serviços, informando detalhadamente os componentes da viagem. Assessorar o cliente na documentação de viagem e sobre as normas para embarque. Informar itinerários. Informar prazo para alterações e cancelamentos de passagem. Informar sobre franquia de bagagem. Emitir passagens. Emitir vouchers, roteiro de viagem, rooming list, cartão de assistência e etiquetas de bagagem. Registrar os detalhes financeiros da venda (tarifas, comissões, taxas de embarque, formas de pagamento) no sistema de gestão operacional. Reconfirmar vôos. Acompanhar e controlar o desenvolvimento das viagens. Assegurar a satisfação e fidelizar clientes. p) Vender Produtos e Serviços Turísticos, incluindo mas não limitado a: Observar e executar as estratégias de vendas e políticas comerciais da empresa. Fornecer informações e assessorar o cliente sobre destinos, serviços, produtos, tarifas, taxas, prazos e validade. Em 31/7/2008 5

6 Negociar preços e condições. Responder pedidos de cotações e efetuar o seguimento das consultas. Fornecer informações sobre prazos de emissão, restrições da tarifa e condições de pagamento. Vender produtos e serviços conforme as políticas da sua empresa e preços dos fornecedores. Vender produtos e serviços com lucros para a empresa por meio de comissão ou recebimento de pagamentos pela prestação de serviços. Vender produtos e serviços turísticos que satisfaçam as necessidades e expectativas do cliente Avaliar e acompanhar vendas. Avaliar a satisfação do cliente pelos serviços prestados pela empresa e fornecedores. Prospectar novas vendas. q) Manter rede de parceiros e fornecedores, incluindo mas não limitado a: Identificar, selecionar criteriosamente e contratar fornecedores idôneos, que garantam a qualidade dos produtos e serviços. Estabelecer parcerias. Atender e visitar parceiros e fornecedores. Manter bom relacionamento com parceiros e fornecedores, buscando o melhor para sua empresa e seu cliente. Negociar com fornecedores, buscando melhores tarifas e condições. Manter extensa e qualitativa rede de contatos. Avaliar desempenho dos parceiros e fornecedores. r) Promover a sustentabilidade dos destinos, incluindo mas não limitado a: Adotar o desenvolvimento sustentável do turismo como referência na prestação de serviços. Identificar problemas relacionados com o desenvolvimento sustentável da empresa onde trabalha e dos destinos. Propor, implementar e/ou participar de projetos de promoção do desenvolvimento sustentável. Auxiliar no planejamento público das atividades de turismo. Fortalecer o relacionamento público e privado. Avaliar as medidas de promoção do desenvolvimento sustentável praticadas pela empresa onde trabalha e nos destinos. s) Operar o caixa, incluindo mas não limitado a: Efetuar os pagamentos de acordo com as políticas de fornecedores. Receber pagamentos e emitir os recibos correspondentes. Verificar autenticidade das cédulas recebidas. Controlar fluxo de caixa. Processar pedido de reembolso/cancelamento junto a fornecedores e clientes. Efetuar operações bancárias de remessas nacionais e internacionais. Realizar conciliação bancária. Em 31/7/2008 6

7 t) Operar serviços financeiros e administrativos, incluindo mas não limitado a: Gerir e acompanhar contratos negociados. Gerir e controlar as contas dos clientes e fornecedores. Analisar, organizar a apresentar dados financeiros e/ou estatísticos. Avaliar margem de lucros. Calcular retorno de investimento. Conferir faturas de fornecedores de serviços e a cobrança de comissões. Controlar pagamento e liquidação de faturas de fornecedores, evitando pagamento de taxas e juros adicionais. Controlar custos. Negociar taxas de aplicação financeira, moeda estrangeira, etc. Conferir extratos bancários. Operar a tesouraria e controlar as contas de caixa e banco. Manter o controle dos recebíveis. Manter relacionamento com os bancos. Elaborar a folha de pagamento. Participar da elaboração do planejamento financeiro anual. Acompanhar o recolhimento de impostos, taxas e outros emolumentos. Acompanhar o repasse aos fornecedores o reembolso de serviços não utilizados. Utilizar ferramentas informatizadas de gestão administrativo-financeira u) Gerir empresas de prestação de serviços de agenciamento e operação turística, incluindo mas não limitado a: Definir a estrutura organizacional. Controlar, planejar, dirigir, organizar e promover a empresa, mantendo a adequação da sua estrutura, a preservação de sua cultura, buscando sua ascensão e projeção no mercado. Coordenar as diferentes áreas: administrativa, financeira, operacional, vendas, marketing. Aplicar a legislação pertinente ao setor, observando os direitos e deveres da empresa e do cliente. Realizar o planejamento financeiro anual. Elaborar e controlar orçamentos econômicos dos departamentos de sua responsabilidade. Estimular a redução de despesas fixas e variáveis. Aprovar orçamentos e autorizar investimentos. Aprovar o plano e campanhas de marketing. Elaborar o planejamento e definir a estratégia de vendas. Decidir políticas de comissionamento. Definir políticas de qualidade. Normalizar procedimentos administrativos e operacionais. Definir tipos e quantidade de auditorias de qualidade. Manter a sustentabilidade financeira, social e ambiental da empresa. Em 31/7/2008 7

8 v) Elaborar o plano estratégico da empresa de agenciamento e operações turísticas, incluindo mas não limitado a: Localizar, acessar e avaliar diversificadas fontes de informação sobre o mercado de viagens e turismo. Identificar tendências nacionais e internacionais de mercado Identificar e projetar tendências para segmentos específicos de mercado. Selecionar segmentos de mercado para atuação. Analisar o seu ambiente competitivo. Analisar potencialidades e fragilidades do empreendimento. Escolher uma ênfase estratégica. Definir uma proposta de valor. Definir os produtos e serviços associados à proposta de valor. Comunicar a proposta de valor. Desenvolver as competências necessárias para a entrega dos produtos e serviços associados à proposta de valor. Utilizar mapas de indicadores estratégicos. w) Gerenciar pessoas, incluindo mas não limitado a: Recrutar e selecionar colaboradores. Conscientizar a equipe sobre a importância do desempenho do trabalho com ética, transparência e honestidade. Liderar a equipe envolvendo-a nos objetivos da empresa e motivando-a a atender às necessidades dos clientes. Distribuir eficazmente as tarefas, a tomada de decisões e as responsabilidades para os colaboradores mais adequados. Estimular e avaliar o desempenho da equipe. Reconhecer o desempenho dos profissionais aplicando políticas de remuneração e incentivo. Promover o desenvolvimento de competências na equipe de forma continuada. Incentivar e possibilitar a atualização tecnológica e mercadológica da equipe. Aplicar a legislação trabalhista e previdenciária. 5 Competência A competência necessária ao alcance dos resultados esperados deve ser avaliada através dos seguintes conhecimentos, habilidades e atitudes: 5.1 Conhecimentos de: a) informações sobre turismo em âmbito local, regional, nacional e mundial; b) funções e competências para atender os diversos serviços do turismo, especialmente do segmento de agenciamento e operaçõestturísticas; c) importância do segmento para o desenvolvimento sustentável do turismo; d) padrões éticos no contexto do trabalho; e) ferramentas básicas de planejamento, controle e método de otimização de resultados; f) técnicas básicas de definição de custos e preços de produtos e serviços e de políticas comerciais; g) processos e procedimentos básicos administrativos, comerciais e financeiros utilizados no turismo, inclusive os relativos a seguro; h) técnicas básicas de negociação e administração de contratos; i) características de produtos e serviços comercializados e seus fornecedores; Em 31/7/2008 8

9 j) vocabulário operacional do segmento de turismo; k) informática e sistemas específicos de agenciamento e operações turísticas; l) aspectos legais básicos pertinentes à administração de agências de viagens; m) técnicas básicas de liderança, vendas, negociação, gestão de pessoal e gestão da qualidade. n) raciocínio numérico aplicado a negócios. o) sistemas, programas e softwares específicos do segmento e internet. 5.2 Habilidades para: a) comunicação oral clara, articulada e expressiva com emprego de gramática e vocabulário adequados; b) planejamento de curto, médio e longo prazo; c) controle contábil e gestão financeira; d) análise e julgamento com base em dados. e) Utilização de ferramentas de tecnologia da informação. 5.3 Atitudes/Atributos: a) cuidado com detalhes; b) equilíbrio emocional perante situação de emergência, urgência, pressão de tempo e demandas simultâneas c) espírito empreendedor, criatividade, qualidade, inovação e competitividade. ANEXO A: Este anexo tem por objetivo exemplificar outros resultados aplicáveis em situações particulares da ocupação de Diretor/Gerente de Agências de Viagens. Estes resultados não são exigidos por esta Norma. a) Comunicar-se em outros idiomas: Dominar outros idiomas para estabelecer comunicação, atendimento, captação e negociações com clientes e fornecedores de serviços. Dominar a leitura em outros idiomas. Redigir textos com clareza e de forma gramaticalmente correta, em outros idiomas. Em 31/7/2008 9

Projeto de Norma Operador de Emissivo Texto para discussão.

Projeto de Norma Operador de Emissivo Texto para discussão. Projeto de Norma Operador de Emissivo Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade

Leia mais

Projeto de Norma Atendente que atua em Agências de Viagens Texto para discussão.

Projeto de Norma Atendente que atua em Agências de Viagens Texto para discussão. Projeto de Norma Atendente que atua em Agências de Viagens Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo

Leia mais

Projeto de Norma Emissor de Consolidadora Texto para discussão.

Projeto de Norma Emissor de Consolidadora Texto para discussão. Projeto de Norma Emissor de Consolidadora Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade

Leia mais

Projeto de Norma Operador de Receptivo Texto para discussão.

Projeto de Norma Operador de Receptivo Texto para discussão. Projeto de Norma Operador de Receptivo Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade

Leia mais

Competências e Funções Profissionais nas Agências de Viagens

Competências e Funções Profissionais nas Agências de Viagens Competências e Funções Profissionais nas Agências de Viagens OUTUBRO 2007 O PROAGÊNCIA agradece a todos profissionais que com o seu conhecimento e dedicação tornaram possivel este trabalho Apresentação

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

PROAGÊNCIA II. CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PROAGÊNCIA II. CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA PROAGÊNCIA II CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA 1. NOME DO CURSO: GESTÃO DE EMPRESAS DE AGENCIAMENTO E OPERAÇÕES TURÍSTICAS 2. OBJETIVO: o curso visa envolver os profissionais nos seguintes assuntos: - as

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014.

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. OBJETIVO O presente manual se destina a orientar a diretoria da ACIBALC, quanto à administração de suas pastas, o gerenciamento

Leia mais

Eixo Tecnológico: Desenvolvimento Educacional e Social QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM AGENTES DO BRINCAR PERFIL PROFISSIONAL

Eixo Tecnológico: Desenvolvimento Educacional e Social QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM AGENTES DO BRINCAR PERFIL PROFISSIONAL Eixo Tecnológico: Desenvolvimento Educacional e Social QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM AGENTES DO BRINCAR PERFIL PROFISSIONAL O AGENTE DO BRINCAR é o profissional que por meio de praticas socioeducativas

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 013/2015 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 2 de junho de 2015 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 004/2016 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2016 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL

AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL (Apex Brasil) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL N o 1

Leia mais

D E S C R I Ç Ã O S U M Á R I A D A S A T R I B U I Ç Õ E S

D E S C R I Ç Ã O S U M Á R I A D A S A T R I B U I Ç Õ E S GRUPO 8 Cargo: Cargo Exercido: Nível Analista Analista de Gestão de Riscos, Caixa e Tesouraria I Unidade: PRESIDÊNCIA / SURIC / Gerência de Gestão de Riscos ou SUFIN / Gerências de Gestão de Caixa ou Tesouraria

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO PERFIL DE CARGO S 1- DADOS DA VAGA Cargo: Analista Função: Analista de Cooperativismo e Monitoramento Unidade Estadual: Sescoop- Maranhão Carga Horária: 40h/ semanais Salário: R$ 1.663,00 (hum mil seiscentos

Leia mais

Competências organizacionais

Competências organizacionais GESTÃO DO PROCESSO JUDICIAL Capacidade de coordenar e controlar as atividades processuais, entregando com eficiência e presteza a tutela jurisdicional. EXCELÊNCIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Capacidade para

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva ESTRUTURA DE ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA O esquema organizacional do Programa,

Leia mais

PERFIL DA VAGA: ASSESSORA DA PRESIDÊNCIA. Posição Hierárquica: equivalente à dos subordinados ao Diretor Presidente, todos Gerentes do Instituto

PERFIL DA VAGA: ASSESSORA DA PRESIDÊNCIA. Posição Hierárquica: equivalente à dos subordinados ao Diretor Presidente, todos Gerentes do Instituto O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: Subordinação: ao Diretor

Leia mais

FORMAÇÃO DE TRADERS E NEGOCIADORES INTERNACIONAIS

FORMAÇÃO DE TRADERS E NEGOCIADORES INTERNACIONAIS FORMAÇÃO DE TRADERS E NEGOCIADORES INTERNACIONAIS Objetivo O objetivo deste curso é dotar o participante das competências necessárias para atuar com sucesso no competitivo mercado global, desenvolvendo

Leia mais

MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM FINANÇAS III.1 GESTÃO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS

MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM FINANÇAS III.1 GESTÃO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS MÓDULO III Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM FINANÇAS III.1 GESTÃO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS Função: Gestão de Atividades Financeiras 1. Analisar índices e projeções financeiras.

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES - Monitor de Marcenaria, Monitor de Artesanato, Monitor de Música e/ou Violão e Monitor de Patinação e/ou Dança Ministrar aulas teóricas e práticas, conforme a atividade

Leia mais

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 DOE 20/06/2008, Seção I, Pág. 1/3 Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre medidas de incentivo à inovação tecnológica, à pesquisa científica e tecnológica, ao desenvolvimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013 ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS/NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO E - SUPERIOR ADMINISTRADOR: Planejar, organizar, controlar e assessorar as organizações nas áreas de recursos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS

ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS ASSESSORIA DE IMPRENSA: Função GERENTE. Assessorar a Diretoria da Ceasa; Promover e divulgar notícias relacionadas a Ceasa; Estreitar o relacionamento da mídia com

Leia mais

APÊNDICE II PERFIL FUNCIONAL

APÊNDICE II PERFIL FUNCIONAL APÊNDICE II CPN N.º 20110001 SEJUS 135 1- APRESENTAÇÃO O processo de recrutamento e seleção para as pessoas terceirizadas contratadas pela CONCESSIONÁRIA ou por organismo público ou privado, para o gerenciamento

Leia mais

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13 COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO Versão 01-13 1 C Ó D I G O D E É T I C A Introdução A ÉTICA é o ideal de conduta humana, desenvolvido

Leia mais

EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 001/2015 EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES JUNHO 2015 A CHRONOS JR - EMPRESA JÚNIOR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, nos termos do Estatuto da Empresa Júnior do

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15 ética Programa de Integridade 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Última atualização em: Circular Bancoob Página: 1/15 Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Risco da prática de atos lesivos contra

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CONSELHOR CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CAMARAS TEMÁTICAS COMÉRCIO VAREJISTA ALIMENTAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO SERVIÇOS TURISMO E HOSPITALIDADE

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

1.2 Glossário de termos Para os objetivos deste Código, os termos usados têm os seguintes significados:

1.2 Glossário de termos Para os objetivos deste Código, os termos usados têm os seguintes significados: CÓDIGO DE CONDUTA DIANTE DOS VENDEDORES DIRETOS E ENTRE EMPRESAS (Texto em conformidade com as deliberações da Assembléia Geral da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas - ABEVD realizada

Leia mais

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS

MÓDULO II - Qualificação Técnica de Nível Médio de AUXILIAR DE PROCESSOS OPERACIONAIS II. 1 PROCESSOS DE SUPRIMENTOS Função: Processos Operacionais de Suprimentos 1. Analisar os diversos tipos de fornecedores quanto às suas características produtivas, técnicas, tecnológicas e econômicas,

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis 8 Nível: Médio Reporte: Coordenador Sumário Executar atividades administrativas de apoio às diversas áreas da empresa. Atividades Arquivar documentos Arquivar documentos, classificando-os em pastas específicas,

Leia mais

Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável

Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável REGULAMENTO DO PROGRAMA Considerando que a consecução dos objetivos de desenvolvimento sustentável da Região Açores passa necessariamente por uma abordagem e

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO CFN N. REGIME DE EXECUÇÃO: Menor Preço Global (maior percentual de desconto)

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO CFN N. REGIME DE EXECUÇÃO: Menor Preço Global (maior percentual de desconto) Página 1 de 7 ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO CFN N LICITAÇÃO/MODALIDADE: Pregão Presencial nº 06/2008 REGIME DE EXECUÇÃO: Menor Preço Global (maior percentual de desconto) 1. DO ORGÃO INTERESSADO

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA SCS Nº 002/2012, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 31/10/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 053/2012 Unidade Responsável: Departamento de Comunicação I -

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Ano 2013 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Caro Colaborador Estamos entregando o Código de Ética e Conduta da Instituição, o qual fará parte

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: 078 Município: Franca/SP Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

COLÉGIO METODISTA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO (SP)

COLÉGIO METODISTA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO (SP) COLÉGIO METODISTA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO (SP) CARGO: DIRETOR(A) PEDAGÓGICO(A) SUMÁRIO Responder pela coordenação, mediação e articulação de todas as ações educacionais, com vistas a obter resultados

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

Cartão Corporativo EBTA

Cartão Corporativo EBTA Cartão Corporativo EBTA Sobre o EBTA A Best Way disponibiliza aos seus clientes um serviço moderno no mercado do turismo corporativo: o Cartão EBTA. O EBTA é uma solução destinada exclusivamente à gestão

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

PARCERIA COMERCIAL 1

PARCERIA COMERCIAL 1 PARCERIA COMERCIAL 1 1. POLÍTICA COMERCIAL Seja um parceiro da TECNO SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA LTDA e ofereça ao mercado o JPONTO5 para a informatização de controle de cartão ponto de colaboradores. O programa

Leia mais

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Workshop Descrição de cargos Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Agenda 1 2 3 Nossa metodologia O Projeto Workshop de Descrição de Cargos 2011 Hay Group. All rights reserved 1 01 Nossa metodologia

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio REGIMENTO DAS ATIVIDADES EXTRACLASSE VIAGENS TÉCNICAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - As viagens técnicas realizadas sob responsabilidade do Curso

Leia mais

Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website.

Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website. marketing e comunicação SITE E IMAGEM INSTITUCIONAL Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website. Entender o enquadramento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO Secretaria de Administração TERMO DE REFERÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO Secretaria de Administração TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA n OBJETO 1.1- Contratação de empresa especializada para FORNECIMENTO 0E PASSAGENS AÉREAS EM ÂMBITO NACIONAL E INTERNACIONAL PARA ESTE, mediante menor preço, apurado pelo menor valor

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

Prof. Geraldo Carlos. Unidade II NORMAS PROFISSIONAIS DE

Prof. Geraldo Carlos. Unidade II NORMAS PROFISSIONAIS DE Prof. Geraldo Carlos Unidade II NORMAS PROFISSIONAIS DE AUDITORIA Introdução Planejamento Riscos Testes de auditoria Procedimentos Avaliação dos controles internos Documentos e análises Papéis de trabalho

Leia mais

Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos

Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos I-Organização da Administração Pública A vida da sociedade organizada pressupõe uma organização racional do trabalho, constituída de uma hierarquia

Leia mais

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A Asa Norte, 70 910 900 Brasília, DF Tel.

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

American Express Conta EBTA

American Express Conta EBTA 1 OS CUSTOS BENEFICIE OS FUNCIONÁRIOS GERENCIE GLOBALMENTE MAXIMIZE OS CONTROLES REDUZA OS CUSTOS BENEFICIE OS FUNCIONÁRIOS GERENCIE GLOBALMENTE SOLUÇÕES REAIS PARA SEU NEGÓCIO 2 - Enhanced Business Travel

Leia mais

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do da AJES A - APRESENTAÇÃO 1. A empresa 1.1. Aspectos Gerais 1.1.1. História da empresa (da fundação a atualidade) 1.1.2. Visão, Missão e

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

Termos de Serviços. 1. Aceitação dos Termos de Serviços

Termos de Serviços. 1. Aceitação dos Termos de Serviços 1. Aceitação dos Termos de Serviços Termos de Serviços 1. A VORTEX fornece a você (CONTRATANTE), sujeito aos Termos descritos a seguir, diversos serviços. Ao autorizar um serviço específico da VORTEX MARKETING

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Associadas, Participantes com Liquidação Direta e Operadores Especiais

O F Í C I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Associadas, Participantes com Liquidação Direta e Operadores Especiais 02 de maio de 2007 038/2007-DG O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Associadas, Participantes com Liquidação Direta e Operadores Especiais Ref.: Certificação de Profissionais

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO CULTURAL E LINGUÍSTICO ENTRE A UFPR E PUCPR COM OS INSTITUTOS EDUCACIONAIS TAKAHASHI E KAKE 29 DE JUNHO A 22 DE JULHO DE 2015

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO CULTURAL E LINGUÍSTICO ENTRE A UFPR E PUCPR COM OS INSTITUTOS EDUCACIONAIS TAKAHASHI E KAKE 29 DE JUNHO A 22 DE JULHO DE 2015 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO CULTURAL E LINGUÍSTICO ENTRE A UFPR E PUCPR COM OS INSTITUTOS EDUCACIONAIS TAKAHASHI E KAKE 29 DE JUNHO A 22 DE JULHO DE 2015 EDITAL UFPR / 2015 O intercâmbio entre estudantes universitários

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade estabelecer, definir e disciplinar os procedimentos para criação, extinção, remuneração, designação, contratação, substituição, dispensa

Leia mais

EDITAL 001/2011 EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAIS PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES

EDITAL 001/2011 EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAIS PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES EDITAL 001/2011 EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAIS PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ASSESSORES ABRIL 2011 A CEMEPOL - EMPRESA JÚNIOR DE ENGENHARIA DE MATERIAS, nos termos do Estatuto da Empresa Júnior de

Leia mais

Administração e Organização Industrial

Administração e Organização Industrial Administração e Organização Industrial Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez Engenheiro Eletricista UCP Mestre em Finanças IBMEC/RJ fabini.alvarez@ucp.br Módulo I Conceitos Básicos 1. Organizações e Administração;

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

FIEX HSBC PREMIER FUNDO DE INVESTIMENTO NO EXTERIOR HSBC PREMIER PROSPECTO. ADMINISTRAÇÃO e GESTÃO: HSBC BANK BRASIL S.A.

FIEX HSBC PREMIER FUNDO DE INVESTIMENTO NO EXTERIOR HSBC PREMIER PROSPECTO. ADMINISTRAÇÃO e GESTÃO: HSBC BANK BRASIL S.A. FIEX HSBC PREMIER FUNDO DE INVESTIMENTO NO EXTERIOR HSBC PREMIER PROSPECTO ADMINISTRAÇÃO e GESTÃO: HSBC BANK BRASIL S.A. BANCO MÚLTIPLO Atualizado em março de 2004 Fundo de Investimento no Exterior HSBC

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde

Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Administração Central Unidade do Ensino Médio e Técnico GFAC Grupo de Formulação e Análises Curriculares Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde CAPÍTULO 3 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO Especialização Profissional

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Currículo iniciado em 2015) ADMINISTRAÇÃO 102 h/a 1975 Breve histórico e fundamentos da administração. Perspectivas da administração: clássica,

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais