MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado da Bahia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado da Bahia"

Transcrição

1 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado da Bahia Excelentíssimo(a) Senhor(a) Juiz(a) Federal da Vara da Seção Judiciária do Estado da Bahia O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio da procuradora da República infrafirmada, no uso de suas atribuições legais, e com base nos arts. 5º, XXXII, 6º, 127 e 129, inciso III, da Constituição Federal de 1988, nos artigos 5º, inciso VI, artigo 6º, inciso VII, alínea "c" e 39, inciso III, da Lei Complementar nº 75/93 e artigo 1º da Lei nº 7.347/85 e nos artigos 6º e 82, inciso I, da Lei nº 8.078/90, vem propor a presente AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDOS DE APRECIAÇÃO EM CARÁTER LIMINAR, em face de: 1) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL (CEF), instituição financeira constituída sob a forma de empresa pública, CNPJ nº / , com sede no Setor Bancário Sul, Quadra 4, lotes 13/4, em Brasília DF; representada nesta Capital por seu Escritório de Negócios com endereço na Avenida Sete de Setembro, n.º955, Mercês, Salvador BA; 2) CONCIC ENGENHARIA S/A pessoa jurídica de direito privado, constituída sob a forma de

2 sociedade anônima aberta, inscrita no CNPJ sob nº / , com sede na Av. Luiz Tarquínio Pontes, Quadra A1 Lote 5 S/201, Bairro Pitangueiras, Município de Lauro de Freitas, BA, CEP ) CAIXA SEGURADORA S/A pessoa jurídica de direito privado, constituída sob a forma de sociedade anônima fechada, inscrita no CNPJ sob nº / , com sede em Brasília, no SCN, Quadra 1, Lote A, Edifício Number One, 3º andar, e filial neste Estado, em Salvador/BA, Rua Dr. José Peroba, nº 349, Ed. Empresarial Costa Azul, Térreo, Bairro STIEP. 4) COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DA BAHIA pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob nº / , com sede nesta capital, na Rua Pinto Martins, nº 11, Edifício Comendador Pedreira, Comércio, CEP expostos: pelos fundamentos fáticos e jurídicos a seguir 1. OBJETIVO DA AÇÃO A presente ação busca defender a coletividade de consumidores mutuários da Caixa Econômica Federal, em especial os moradores do Conjunto Residencial Sussuarana, nesta Capital, tendo em vista os vícios de construção que comprometeram as edificações que conformam o referido Conjunto, caracterizados em diferentes laudos técnicos que instruem a presente ação, e que chegaram a tal ordem que determinaram a interdição, pela Defesa Civil, de unidades habitacionais, em vista do risco de desmoronamento que ofereciam. Pretende-se demonstrar, na hipótese, que a primeira demandada, CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, faltou com o dever de fiscalização e acompanhamento da obra; que a segunda 2

3 demandada, a CONCIC ENGENHARIA S/A, faltou com a obrigação contratual e ética de executar serviços de boa qualidade e, por fim, que a terceira e a quarta demandada, CAIXA SEGURADORA S/A e COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DA BAHIA, faltaram com a obrigação de proceder à restauração imediata e aos ressarcimentos devidos; motivos pelos quais os moradores acabaram sendo desrespeitados tanto como consumidores quanto como cidadãos, provocando assim a intervenção do Ministério Público Federal para equilibrar esta desigual relação de consumo. 2. LEGITIMIDADE ATIVA DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL O Ministério Público, elevado à categoria de Instituição permanente e indispensável à função jurisdicional do Estado, nos termos do art. 127 da Constituição de 1988, tem como funções precípuas a defesa da ordem jurídica, do regime democrático, dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Cumpre destacar que a defesa do consumidor é obrigação do Estado, erigida em garantia fundamental, conforme se constata da redação do inciso XXXII, do artigo 5. do Texto Constitucional, abaixo transcrito, in verbis: Art. 5.º (...) XXXII O Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor; (grifou-se) No caso versado nos autos, a defesa do consumidor está sendo efetuada pelo Ministério Público Federal, tanto por dever constitucional, como por dever legal, em face das disposições do artigo 129, inciso III, da Constituição Federal, dos artigos 5º, 6º e 39 da Lei Complementar nº 75/93, do artigo 1º da Lei nº 7347/85 e, também dos artigos 6º e 82, inciso I, da Lei nº 8078/90. A jurisprudência tem firmado entendimento no sentido da legitimidade ativa do Ministério Público para a propositura de ações visando à defesa de interesses individuais homogêneos em relações de consumo, bem como da legitimidade de instituições financeiras para figurarem no pólo passivo como fornecedoras, conforme se extrai do julgado do Tribunal Regional Federal da 3ª Região: 3

4 ADMINISTRATIVO E PROCESSO CIVIL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA, LEGITIMIDADE, MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, REBATE DA COBERTURA DO PROAGRO. 1. O Banco Central do Brasil é Administrador do PROAGRO, sendo que seus recursos são geridos e liberados pela autarquia. Nessa qualidade, o BACEN é parte legítima para figurar no pólo passivo de relação processual. 2. Omissis; 3. O Ministério Público Federal é parte legítima, como substituto processual, para promover a Ação Civil Pública, relativamente a defesa dos direitos e interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos, estes últimos restritos a danos decorrentes de relações de consumo (artigo 81, parágrafo único, inciso III e 91 da Lei nº 8078/90). Em casos excepcionais, mesmo na ausência de autorização legal, o Ministério Público Federal pode atuar como substituto processual, na defesa de interesses individuais homogêneos que tenham significação social relevante (art. 127, da Constituição Federal).4. O Ministério Público Federal tem legitimidade para a propositura da presente Ação Civil Pública, como substituto processual dos produtores, titulares de interesses individual homogêneo, na qualidade de consumidores do Serviço Securitário do PRODAGRO. (TRF 3ª Região, AC /94, Dec. 05/12/1995, DJ 31/01/96) Compartilha do mesmo entendimento o renomado doutrinador Nelson Nery Júnior, cuja lição segue transcrita: Como é função institucional do Ministério Público a defesa dos interesses sociais (art. 127, caput, CF), essa atribuição dada pelo art. 82 do CDC obedece ao disposto no art. 129, n. IX, da 4

5 CF, pois a defesa coletiva do consumidor, no que tange a qualquer espécie de seus direitos (difusos, coletivos ou individuais homogêneos) é, ex vi, de interesse social no ajuizamento de ações coletivas. Consulta aos interesses de toda a sociedade, o fato de ajuizar-se uma demanda apenas, cujo objetivo seja solucionar conflitos coletivos (coletivos strictu sensu ou individuais homogêneos) ou difusos. Assim, a simples circunstância de a lei haver criado uma ação coletiva, o seu exercício já é de interesse social, independentemente do direito material nela discutido. (...) Pode o Ministério Público ajuizar qualquer demanda coletiva, na defesa de qualquer direito que possa ser defendido por meio de ação coletiva (difuso, coletivo ou individual homogêneo). ( O Ministério Público e as Ações Coletivas, in MILARÉ, Edis. Ação Civil Pública. Lei 7.347/85 Reminiscências e Reflexões após dez anos de aplicação. São Paulo: RT, 1995). A presente Ação Civil Pública visa a defender os interesses individuais homogêneos dos consumidores, mutuários da Caixa Econômica Federal, em face de vícios de construção que acometeram os imóveis adquiridos pelo Sistema Financeiro de Habitação e, até a presente data, em decorrência da mora na execução dos serviços de recuperação do prédio, sofrem as conseqüências deste fato. Ademais, o interesse aqui tutelado apresenta-se como de interesse público, revestindo-se de grande relevância social, eis que envolve o direito de moradia e as políticas públicas encetadas para sua efetivação. O Direito de moradia é direito fundamental positivado no art. 6º da Constituição Federal e diretamente ligado ao direito fundamental da dignidade da pessoa humana, art. 1º, III, da Constituição Federal. 5

6 Nesse sentido já tendo decidido o STJ, no pertinente à legitimidade do Ministério Público: Processual civil e SFH. Recurso especial. Ação civil pública. Direitos individuais homogêneos. Ministério Público. Legitimidade. - Os interesses individuais homogêneos são considerados relevantes por si mesmos, sendo desnecessária a comprovação desta relevância. - O Ministério Público tem legitimidade para propor ação civil pública na defesa de interesses individuais homogêneos referentes aos contratos de mútuo vinculados ao Sistema Financeiro de Habitação, porquanto é interesse que alcança toda a coletividade a ostentar por si só relevância social. - O Código de Defesa do Consumidor incide nos contratos vinculados ao Sistema Financeiro de Habitação. - Recurso especial conhecido e provido. (STJ. RESP nº /CE. Rel. Min. NANCY ANDRIGHI. DJ ). Portanto, demonstrada a legitimidade ativa do Ministério Público Federal para a propositura da presente Ação Civil Pública, sendo competente a Seção Judiciária da Justiça Federal no Estado da Bahia para processar e julgar o feito, pois a demanda envolve diretamente a Caixa Econômica Federal, empresa pública federal, cujo foro decorre do art. 109, inciso I, da Constituição Federal. 3. DOS FATOS Em meados da década passada, foi edificado nesta capital o Conjunto Habitacional Sussuarana, composto por 46 (quarenta e seis) blocos de apartamentos, financiados com recursos oriundos do FGTS pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, na qualidade de agente do Sistema Financeiro da Habitação. A empresa contratada para a construção foi a CONCIC ENGENHARIA S/A (cópia 6

7 do contrato às fls. 65/95 do Procedimento Administrativo MPF nº / ; cópia de contrato de mútuo às fls. 18/28). A contração dos seguros obrigatórios foi feita junto à COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DA BAHIA (fls. 62/64). As reclamações dos moradores do Conjunto Habitacional Sussuarana, mutuários da Caixa Econômica Federal, junto a este Órgão Ministerial datam de abril do ano 2000, quando foi instaurado o Procedimento Administrativo nº / , que instrui a presente petição. Os vícios, então reclamados, consistiam em rachaduras nas paredes e infiltrações, que, de acordo com os moradores, eram progressivos e comprometiam as estruturas da edificação. O histórico dos problemas naquele conjunto habitacional, entretanto, é ainda mais antigo e remonta ao período da sua construção, pois logo após a sua conclusão se evidenciaram graves vícios construtivos, resultado, principalmente, da utilização de escória siderúrgica no lugar de brita, sem o devido ensaio do material, na composição do concreto utilizado em placas pré-moldadas. Os danos resultantes revelaram-se progressivos, conduzindo à condenação de vários blocos, por ameaça de desmoronamento. Tal fato foi comprovado através de vários laudos juntados ao Procedimento Administrativo do MPF. Entre eles, o Laudo de Vistoria Especial, produzido em 03/09/1996 (fls do Procedimento Administrativo), que embasou a intervenção inicial da CAIXA SEGURADORA S/A. Esse laudo indica:...o construtor usou como material de construção em substituição à brita, escória de usina siderúrgica, especificamente da USIBA, na composição do concreto que foi utilizado na moldagem das placas... sem que fosse efetuado teste ou ensaio sobre o produto, no sentido de ser determinado as condições mínimas de durabilidade, resistência, 7

8 etc. desobedecendo frontalmente as normas NBR-7211 E 1265/92, no seu item 004. (fls. 439) O sinistro foi provocado pelo uso de material inadequado na composição do concreto que foram moldadas as placas. Salientamos que sequer foram feitos testes de tal material (escória metalúrgica) para comprovar sua resistência e reações com tal uso. (fl. 440). o sinistro foi causado exclusivamente pela expansão do material utilizado (escória metalúrgica) na obra, provocando assim a deterioração das placas de sustentação dos imóveis (fl. 440). Recomendamos a desocupação em caráter de URGÊNCIA dos Blocos 02 e 09 da Quadra 03 e do Bloco XV, pois constatamos caraceterísticas inequívocas de perigo de desabamento. (fl. 442) Houve também, em 09/08/2004, perícia realizada por comissão designada pelo Ministério Público do Estado da Bahia, com participação da Associação de Moradores, do CREA, da SUCOM, da CODESAL, da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, da CAIXA SEGURADORA S/A, cujo laudo, fls. 389/395 do Procedimento Administrativo MPF, indica: o conjunto foi construído em desacordo com a Norma Técnica ABNT para Concreto Armado - NB1 vigente à época da construção. (fl. 391) Os imóveis possuem aproximadamente 10 (dez) anos de construído, tendo sido observado o início das patologias há cerca de 08 (oito) anos, havendo progressão das mesmas, até a presente data. Em inobservância do prescrito nas normas técnicas quanto à vida útil das edificações, verificou-se que o estado apresentado nas 8

9 edificações em análise, não é comum em face da precocidade da manifestação das patologias. (fl. 392) No referido laudo consta, ainda, o seguinte quesito e resposta: O restante do conjunto, não relacionado acima, pode ser atingido?, respondeu: Sim, Estamos tratando do conjunto como um todo, não de edificações isoladas. A precoce evidenciação dos vícios provocou inclusive a suspensão do projeto inicial, que previa a construção de um total de sessenta e um (61) blocos de apartamentos. Já em 1997 houve o primeiro aviso de sinistro caracterizado na comprovada ameaça de desmoronamento, com cobertura reconhecida pela Seguradora, documento de fls. 643/652. Seguiu-se a demolição e reconstrução de cinco (5) dos blocos edificados, pois todos eles ameaçavam ruína, fls. 647/648. Relativamente a outros eventos do mesmo tipo, a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, reconhecia, em maio de 1999, a existência de vícios de construção, conforme laudos de fls. 45/62 do Procedimento Administrativo; porém apresentava como escusa de sua responsabilidade (fls. 12 e 29/30), a responsabilidade exclusiva da construtora, a CONCIC ENGENHARIA S/A, CNPJ / , já que, de acordo com o Agente Financeiro, os vícios apresentados não se enquadravam entre os riscos cobertos pelo seguro obrigatório do SNH (documento fl. 53 do Procedimento Administrativo). A Construtora, por sua vez, negava sua responsabilidade alegando que os vícios apresentados eram decorrentes da falta de manutenção predial por parte dos proprietários, conforme missiva de 25/07/2001 (fls. 103/105 do Procedimento Administrativo). Entretanto, com o agravamento dos vícios e a ameaça de desmoronamento, houve, em relação a diversos blocos de apartamentos, a assunção da responsabilidade por parte da 9

10 Seguradora (documentos fls. 124, 131/133), que contratou empreiteiras para as obras de recuperação que consistiam, em regra, na demolição parcial dos blocos, isto é, eram demolidas as torres de apartamentos, conservando-se a estrutura das escadas e caixas d água, conforme documentos acima citados e o de fls. 155/165, seguida da reconstrução. Dessa forma, entre 2003 e 2004, mais dezoito (18) blocos foram demolidos e reedificados. Portanto, ao longo dos dez (10) anos decorridos desde a construção do referido conjunto habitacional, vinte e três (23), dos quarenta e seis (46) blocos de apartamentos que o compõem, sofreram intervenção consistente na demolição e reedificação, em face de vícios que remontavam à construção original dos mesmos. A mesma solução pretendem os proprietários das unidades que compõem os Blocos 06 e 08, Quadra 3, do Conjunto Habitacional Sussuarana, uma vez que, à semelhança dos demais, apresentaram vícios de construção, conforme o laudo elaborado em 09/08/2004, fl. 393 do Procedimento Administrativo: Dentre os Blocos vistoriados, constatou-se que os de nº 06 (seis) e 08 (oito)m apresentam risco iminente. Esse risco determinou a interdição dos mesmos pela Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município - SUCOM, em face da ameaça de desmoronamento, tendo sido seus ocupantes notificados, em 17/07/2004, para desocuparem o imóvel (documento de fls. 346/383, 600 e 601, do Procedimento Administrativo). Tal pretensão dos moradores, entretanto, sofre oposição na conduta da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, que atribui responsabilidade exclusiva à Seguradora, conforme documento de fl. 420/423; bem como na da CAIXA SEGURADORA S/A, que ainda quando reconhece o sinistro como risco coberto, nega a cobertura, sob diversos argumentos. No caso específico dos Blocos 06 e 08 da Quadra 03 do Conjunto Sussuarana, a seguradora alega que não poderia arcar com os custos necessários à demolição e reconstrução de tais 10

11 unidades pela insuficiência de número de proprietários segurados. Das dezesseis unidades existentes em cada bloco, apenas quatro delas no Bloco 06 e três no Bloco 08 estariam seguradas, conforme Memo nº 95/05 GESIM, de 02/05/2005, da CAIXA SEGUROS, item i (fls. 437 do Procedimento Administrativo). Segundo a própria seguradora, item p (fls. 438), o agente financeiro a Caixa Econômica Federal promoveu, em 1998, uma novação nos contratos de mútuo, alterando a cobertura securitária. De fato, conforme demonstram os documentos de fls. 604/633, valendo-se da flexibilização no seguro habitacional obrigatório, que foi introduzida em 24/06/1998 pela Medida Provisória nº 1.696/1998 que tratava da possibilidade de novação nos contratos de mútuo do SFH, o agente financeiro inseriu, na renegociação feita com mutuários do Conjunto Habitacional Sussuarana, uma migração para nova apólice de seguro, com cobertura mais restrita e que não mais contemplava o sinistro ameaça de desabamento. A novação acima referida foi feita em 1998 e 1999 (documento de fls. 617/621 do Procedimento Administrativo). Portanto, muito após às evidências dos mencionados vícios construtivos, conforme comprova o Aviso de Sinistro de fls. 643/652. A CAIXA, na oportunidade, cooptou a adesão dos mutuários, utilizando propaganda conforme documentos às fls. 722/725 do Procedimento Administrativo, subtraindo-lhes a cobertura securitária para o evento que, naquela oportunidade, já havia incidido em 5 (cinco) dos blocos do Conjunto Habitacional, quer seja, a ameaça de desabamento. É essa novação que a CAIXA SEGUROS invoca, em relação aos moradores dos Blocos 06 e 08 da quadra 03, para exonerar-se da obrigação contratual originária. Diante do impasse, continuam interditados os Blocos 6 e 8 da Quadra 3 do Conjunto Habitacional Sussuarana e aqueles que eram proprietários e moradores de 11

12 suas unidades habitacionais encontram-se impotentes para fazerem valer os seus direitos, suportando o indevido ônus de buscarem alhures a sua moradia. A mesma infausta situação pode vir ainda a atingir moradores de outros blocos, a exemplo dos Blocos 05 e 07 da Quadra 03 e Blocos XVIII, XIX e XXII da Rua A, que de acordo com a vistoria conjunta de agosto de 2004, fl. 393, devem ser monitorados a fim de acompanhar a progressão das patologias encontradas. Por fim, a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, a despeito dos vícios que acometem as edificações, continua a oferecer aos mutuários vantagens para que promovam a quitação de tais imóveis, a exemplo do que ocorreu em 2003, com a oferta de descontos (fls. 657 do PA). Também a despeito dos vícios apresentados nas unidades habitacionais, da negativa e da mora em solvê-los, bem como do efeito dessas circunstâncias sobre os mutuários, seu ânimo em relação ao sonho frustrado da casa própria e do ferimento do sentimento de Justiça que experimentam, o Agente Financeiro não se absteve de promover a execução da garantia hipotecária que caracteriza o contrato de mútuo, conforme documentos juntados às fls e , do procedimento administrativo do MPF. 4. DO DIREITO 4.1 DA PRESENÇA DA RELAÇÃO DE CONSUMO. Indubitavelmente a questão aqui tratada versa sobre relação de consumo onde há o fornecimento de um produto (a unidade imobiliária), a prestação de serviços (construção, empréstimo bancário e contratação de seguro), com a ocorrência de um acidente de consumo, fato do produto ou do serviço, na terminologia do Código de Defesa do Consumidor, por apresentar defeito, além do vício de qualidade. 12

13 Existem, ademais, vários fornecedores envolvidos, formando uma cadeia: o agente financeiro, a construtora e a seguradora; e os consumidores que são os destinatários finais: tanto os compradores das unidades, quanto todos aqueles que foram atingidos de uma ou outra maneira, independentemente de fazerem ou não parte de qualquer relação com os fornecedores. São os consumidores por equiparação, a teor dos seguintes artigos da Lei nº 8.078/1990: art. 2º, parágrafo único, os intervenientes na relação de consumo, art. 17, como vítimas do fato do produto ou do serviço, e art. 29, expostos às práticas comerciais previstas no Código. Nesse sentido, a doutrina: Muitas preocupações têm surgido no Brasil quanto ao contrato de financiamento com garantia hipotecária, e os contratos de mútuo para a obtenção de unidades de planos habitacionais. Nestes casos o financiador, o órgão estatal ou o banco responsável, caracteriza-se como fornecedor. As pessoas físicas, as pessoas jurídicas, sem fim de lucro, enfim todos aqueles que contratam para beneficio próprio, privado ou de seu grupo social, são consumidores. Os contratos firmados regemse, então, pelo novo regime imposto aos contratos de consumo, presente no CDC. (CLÁUDIA LIMA MARQUES in "Contratos no Código de Defesa do Consumidor", Editora RT, 2ª ed., pág. 144) O liame existente entre os consumidores (mutuários e moradores), substituídos na presente lide pelo Ministério Público Federal, e os requeridos, baseia-se na relação de consumo concretizada em face da construção dos imóveis pela construtora CONCIC ENGENHARIA S/A, com financiamento pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL; que ao firmar contrato de mútuo, por força de normatização do Sistema Nacional de Habitação, obriga o mutuário a 13

14 contratar seguro, o que foi feito através da CAIXA SEGURADORA S/A, que terceirizou a administração do serviço para a COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DA BAHIA. Nesse diapasão o seguinte excerto jurisprudencial: "PROCESSUAL E ADMINISTRATIVO. CONTRATOS DO SISTEMA FINANCEIRO DE HABITAÇÃO. REAJUSTE DO SALDO DEVEDOR: INCIDÊNCIA DA TAXA REFERENCIAL. DEFESA DO MUTUÁRIO CONSUMIDOR. LEGITIMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL O mutuário do Sistema Financeiro da Habitação de interesse social está compreendido no conceito de consumidor, nos termos da lei n.º 8.078, de 11/09/90, que, definindo serviço, para fins de incidência de suas normas, faz incluir no conceito as atividades de natureza bancária, financeira e de crédito art. 3º, 2º." (TRF 1ª Região, AG /MT, Dec. 15/04/1997, DJ 15/08/1997, p ) (grifos). 4.2 DA RESPONSABILIDADE POR VÍCIOS DO PRODUTO OU DO SERVIÇO A colocação de bens ou serviços no mercado de consumo a cargo dos fornecedores in genere suscita, em contrapartida, a relação de responsabilidade, decorrente do inadimplemento da obrigação contratual (responsabilidade contratual) ou da violação de direitos tutelados pela ordem jurídica de consumo (responsabilidade extracontratual). O Código de Defesa do Consumidor, Lei n.º 8.078, de 11 de setembro de 1990, instituiu dois sistemas de responsabilidades, os quais foram nominados, respectivamente, de responsabilidade pelo fato do produto ou do serviço e a responsabilidade pelo vício do produto ou do serviço. 14

15 O Código protege o consumidor franqueando-lhe a possibilidade de reparação por vícios ou defeito de adequação do produto ou serviço. Neste caso, o vício ou defeito do produto compromete sua prestabilidade ou servibilidade ensejando uma desvantagem econômica para o consumidor, que não ultrapassa a medida exata de sua inservibilidade ou imprestabilidade. Esse é o caso do art. 18, que assim está redigido: "Art Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem solidariamente pelos vícios de quantidade que os tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, assim como aqueles decorrentes da disparidade, com as indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas." A própria Caixa Econômica Federal, como agente financeiro e responsável pela supervisão e fiscalização das obras do Conjunto Habitacional Sussuarana, bem como a CAIXA SEGUROS S.A., em vistorias técnicas realizadas, reconhecem os vícios advindos de erros na execução da obra, como já descrito e demonstrado acima, na narração dos fatos. Os prejuízos advindos da construção do Conjunto Habitacional Sussuarana, com a utilização de material construtivo de péssima qualidade, os tornam, em curto espaço de tempo, impróprios à finalidade a que se destinam. Na melhor das hipóteses, esses vícios implicam na diminuição de valor das unidades imobiliárias, desvalorização que, por si mesma, não fossem os demais agravantes, já demandaria o ressarcimento aos moradores daquele Conjunto. Embora estejamos tratando nesta ação, primordialmente, da responsabilidade pelo fato do produto e do 15

16 serviço (artes. 12 e 14, CDC), para o que caberá ressarcimento, não se há de negar que também houve vício no produto e no serviço (artes. 18 e 20, CDC), pois os imóveis sofreram por vícios de qualidade que os tornaram impróprios para o uso a que se destinavam. Assim, há que se abrir aos lesados o leque de escolhas de que trata o art. 18 do CDC, quais sejam: "(...) 1. Não sendo o vício sanado no prazo máximo de 30 (trinta) dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha: I. a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso; II. a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos III. o abatimento proporcional do preço." Como se vê, os incisos I e II são perfeitamente aplicáveis à espécie. Muito semelhante é o que o Código dispõe quanto aos serviços. "Art O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os tornem impróprios ao consumidor ou lhes diminuam o valor... podendo consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha: I. a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível; II. a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; III. o abatimento proporcional do preço." Aqui também, pertinentes os incisos I e II. Acrescente-se a isso o que dispõe o 1. do art. 20, sobre o caso da reexecução do serviço: "(...) 1. A reexecução dos serviços poderá ser 16

17 confiada a terceiros devidamente capacitados, por conta e risco do fornecedor." É, pois, perfeitamente cabível que seja dado aos consumidores a escolha entre receber o dinheiro que empregaram, corrigido, e mais perdas e danos, ou fazer com que sejam construídas novas unidades residenciais por empresa(s) devidamente capacitada(s), de sua(s) escolha(s), por conta das empresas Requeridas, aqui também sem prejuízo de indenizações por perdas e danos. Esta opção, além de tutelar de forma mais plena os consumidores lesados, tutela também o patrimônio social (o direito à moradia) já que os imóveis são pertencentes à própria empresa pública federal enquanto não quitados tutelando os possíveis futuros consumidores destas unidades habitacionais devidamente reformadas e prontas para atender perfeitamente o direito à moradia e o sonho da casa própria DA RESPONSABILIDADE PELO FATO DO PRODUTO E DO SERVIÇO Por fato do produto se entende o dano causado por defeito apto a ensejar a responsabilidade do fornecedor. A idéia de dano, segundo entendimento da doutrina, abrange não apenas os chamados danos emergentes, mas também os chamados lucros cessantes e, ainda, os já conhecidos danos morais. Essa a interpretação sistemática que se extrai da leitura da Constituição Federal (CF/88, art. 5º, incs. V e X), que admite, inclusive, a cumulação com danos materiais (Súmula 37 do STJ), desde que o fato do produto dê ensejo a estes e àqueles. O Código do Consumidor, no art. 12, assim dispõe: "Art. 12. O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de 17

18 culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos." Do texto temos que para a responsabilização do fornecedor pelo fato do produto, há, pois, de haver um dano e, mais do que isso, este deve ter ocorrido de um defeito do produto. Daí a trilogia defeito-dano-nexo de causalidade para o ensejo da responsabilidade pelo fato do produto. Sem defeito, pela sistemática do Código, não há falar-se em responsabilidade objetiva do fornecedor. Por isso mesmo, aliás, o Código elenca a inexistência de defeito, como causa excludente da responsabilidade do devedor, no parágrafo 3º, inc. II, do art. 12. A esse respeito, Sílvio Luis Ferreira da Rocha diz: "Um pressuposto essencial da responsabilidade do fornecedor é que o produto seja defeituoso, isto é, no momento em que foi colocado no mercado apresente um defeito potencial ou real e que esse defeito potencial ou real seja a causa do dano". (ROCHA, Sílvio Luís Ferreira da. Responsabilidade civil do fornecedor pelo fato do produto no direito brasileiro. São Paulo: RT, 1992). Para a responsabilização do fornecedor pelo fato do produto, há, pois, de haver um dano e, mais do que isso, este deve ter decorrido de um defeito no produto. Imprescindível, portanto, ter havido o defeito, o dano, e, entre esses, o nexo de causalidade. O produto é defeituoso, na dicção do Código consumerista, "quando não oferece a segurança que dele legitimamente se espera" (art. 12, 3º). Assim, é preciso identificar, à 18

19 luz do caso concreto, o que se encontra e o que não se encontra na expectativa legítima do consumidor. O fato de produto, exsurge à perfeição no caso do Conjunto Habitacional Sussuarana, face aos graves prejuízos materiais e morais advindos dos vários vícios e defeitos inerentes à sua construção, como sobejamente comprovado através de perícias. Surge daí, inexorável, o direito dos consumidores (mutuários) de obterem a reparação desses graves prejuízos materiais e morais sofridos. De efeito, para o Código, são direitos básicos do consumidor, art. 6º, II e VI: "(i) a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos; (ii) a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos. No caso, a responsabilidade pelo fato do produto decorre da existência de defeito de concepção, de projeto, e de produção, que envolve os vícios de construção narrados. Defeitos que resultam de erro no projeto e escolha de material impróprio, não submissão do mesmo a ensaios conforme prescrito nas Normas Técnicas Brasileiras. Da escolha do material e da execução defeituosa, derivou a ocorrência de rachaduras nas paredes e infiltrações, decorrentes da expansão da escória de siderurgia indevidamente utilizada, com posterior comprometimento da estrutura dos edifícios a ponto de determinar o risco de desabamento do imóvel. Esses defeitos das unidades habitacionais, sem dúvida, importam fragorosamente em prejuízos materiais e morais aos mutuários do Sistema Financeiro da Habitação. Por prejuízos materiais, espécime acidente de consumo (capaz de adicionar riscos à segurança) tem-se a perda da qualidade e expectativa de vida dos moradores, proporcionada por situação de insalubridade e de risco a que submetidos. 19

20 Sofreram portando tais consumidores, dano que devem ser indenizados. Em matéria de relação de consumo, diferentemente dos ditames do Código Civil, que em seu art. 159 exige que o ato ilícito venha acompanhado de demonstração de culpa do agente, para que seja reparado o dano, o Código de Defesa do Consumidor veio em socorro dos consumidores, antes desprotegidos pela impossibilidade de comprovar o que estava fora de seu alcance fazê-lo. Agora está explícito na lei: a responsabilidade é independente da existência de culpa. Por este motivo não haverá necessidade, no decorrer do processo, de que haja laudos periciais que denotem se houve isso ou aquilo a contribuir para o acidente. Houve os danos e os motivos foram, dentre outros, a) técnica inadequada ou não suficientemente testada; b) a utilização de material inadequado para a construção dos imóveis residenciais. Assim, aqueles que forneceram o produto e os serviços, isto é, as empresas construtoras e seus responsáveis e sócios, terão que ressarcir os consumidores. Os fornecedores só poderiam escapar de serem responsabilizados se pudessem provar: "Art. 12 (...) 3. : I. que não colocou o produto no mercado; II. que o defeito inexistiu; III. que teria havido culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro." Quanto a tal possível defesa, não resta dúvida de que: 1) os Requeridos foram os fornecedores que colocaram o conjunto residencial no mercado, portanto não podem se valer do inciso I; 2) existiu um defeito a ponto de deixar a construção com grandes possibilidades de desabamento, afastando o inciso II; e 3) a culpa da vítima ou de terceiros, se existisse, teria que ser exclusiva, 20

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SERGIPE EXCELENTÍSSIMO (a) SENHOR (a) JUIZ (a) FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.475 RIO GRANDE DO SUL RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Michele Oliveira Teixeira advogada e professora do Centro Universitário Franciscano em Santa Maria (RS) Simone Stabel

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 24 de outubro de 2014. OJ-GER/043/14 Orientações Jurídicas Resolução Normativa - RN nº 357, de 16 de outubro de 2014 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AÇÃO: 99.001.149975-9 AÇÃO CIVIL PÚBLICA ORIGEM: 4ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DA CAPITAL AGRAVANTE: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AGRAVADO: MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR: DES. ROBERTO GUIMARÃES AGRAVO

Leia mais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais

O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE. Ministério Público do Estado de Minas Gerais O MINISTÉRIO PÚBLICO NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE Ministério Público do Estado de Minas Gerais Fechamento de barragens Aspectos institucionais; Fechamento de mina X fechamento de barragem. Teoria da responsabilidade

Leia mais

Responsabilidade das instituições financeiras em mútuos concedidos no âmbito do SFH segundo a hermenêutica do Superior Tribunal de Justiça

Responsabilidade das instituições financeiras em mútuos concedidos no âmbito do SFH segundo a hermenêutica do Superior Tribunal de Justiça Responsabilidade das instituições financeiras em mútuos concedidos no âmbito do SFH segundo a hermenêutica do Superior Tribunal de Justiça Por Fabio Caprio Leite de Castro Uma questão jurídica que tem

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Por André Motoharu Yoshino Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR MÓDULO 01 AULA 03 RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL Temos a satisfação de apresentar o módulo de RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL em nosso Programa de Excelência em Projetos. Nele será possível entender as obrigações

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2014.0000487829 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2014.0000487829 ACÓRDÃO fls. 2 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000487829 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0150136-83.2012.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante SAMPI INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA AGTR Nº 74178 - PB (2007.05.00.005494-7) AGRAVANTE(S) : CEF CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO(S) : ISAAC MARQUES CATÃO e outros AGRAVADO(S) : ANA PATRÍCIA SAMPAIO DE ALMEIDA e cônjuge ADVOGADO(S) : JAIRO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.557 SANTA CATARINA RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR II

DIREITO DO CONSUMIDOR II DIREITO DO CONSUMIDOR II RESPONSABILIDADE CIVIL Prof. Thiago Gomes Direito do Consumidor II RESPONSABILIDADE CIVIL DO FORNECEDOR 1. CONTEXTUALIZAÇÃO E agora Doutor? Direito do Consumidor II RESPONSABILIDADE

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1 CDC PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC PONTO 2: a) DISTINÇÃO CONSUMIDOR E FORNECEDOR b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1) A BASE CONSTITUCIONAL DA DEFESA DO CONSUMIDOR: ART. 5º, XXXII 1, CF (Dir.

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR 1 Sumário 1 - A origem do Código de Defesa do Consumidor...3 2 - Código de Defesa do Consumidor... 3 3 - Direitos

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro 17ª Câmara Cível

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro 17ª Câmara Cível Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro 17ª Câmara Cível APELAÇÃO CÍVEL Nº 0018776-5.2009.8.19.0206 APELANTE: ALENCAR DA SILVA NOGUEIRA FILHO APELADO 1: AMICO SAÚDE LTDA APELADO 2 : ASSOCIAÇÃO

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 2216384-69.2011.8.19.0021 APELANTE: TERESA RAMOS DE SANTANA APELADO: RICARDO ELETRO DIVINOPOLIS LTDA APELADO: ZTE DO BRASIL COMERCIO SERVIÇOS E PARTICIPAÇÕES LTDA RELATOR: DES. FERNANDO

Leia mais

Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade

Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade Prof. Roberta Schneider Westphal Prof. Odair Barros www.rsw.adv.br A responsabilização profissional surge juntamente com qualquer manifestação

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO. fls. 300 Registro: 2015.0000529177 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1106882-72.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANA LIGIA PAES NASCIMENTO, é apelado

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

GOUVÊA FRANCO ADVOGADOS

GOUVÊA FRANCO ADVOGADOS O DIREITO DE REGRESSO DO INSS: ACIDENTES DE TRABALHO E A LEI Nº 8.213/91 Introdução: Recentemente, por todo o Brasil, constata-se na Justiça Federal o crescente aumento de ações regressivas propostas pelo

Leia mais

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Ementa: REGULAMENTA O PROGRAMA HABITACIONAL LARES GERAES - SEGURANÇA PÚBLICA NO ÂMBITO DO FUNDO ESTADUAL DE HABITAÇÃO - FEH. Fonte: PUBLICAÇÃO

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 557.197 - RJ (2014/0189759-0) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO AGRAVANTE : TELEFÔNICA BRASIL S.A ADVOGADOS : FABIANO DE CASTRO ROBALINHO CAVALCANTI E OUTRO(S) ANDRÉ

Leia mais

RECURSO ESPECIAL Nº 612.800 - RO (2003/0210339-4)

RECURSO ESPECIAL Nº 612.800 - RO (2003/0210339-4) RECURSO ESPECIAL Nº 612.800 - RO (2003/0210339-4) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ANTÔNIO DE PÁDUA RIBEIRO : BANCO DO BRASIL S/A : ÂNGELO AURÉLIO GONÇALVES PARIZ DONIZETI ELIAS

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000760XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0057XXX- 94.2009.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante COOPERATIVA HABITACIONAL PLANALTO, é apelado

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

Módulo 04 Avaliação de Desempenho na Entrega, Uso e Manutenção Alexandre Junqueira Gomide

Módulo 04 Avaliação de Desempenho na Entrega, Uso e Manutenção Alexandre Junqueira Gomide 1º Workshop Avaliação de Desempenho na Prática Módulo 04 Avaliação de Desempenho na Entrega, Uso e Manutenção Alexandre Junqueira Gomide INTRODUÇÃO NORMA DE DESEMPENHO E NOVAS CONSEQUÊNCIAS A norma de

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil IVI Publicação no semestre 2014.1 no curso de Direito. Autor: Vital

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 RESUMO Finalidade da Responsabilidade Civil Segurança Jurídica Sistema de Garantias Tutela

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2014.0000669915 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0007471-13.2013.8.26.0002, da Comarca de, em que são apelantes ODEBRECHT REALIZAÇÕES IMOBILIÁRIAS E PARTICIPAÇÕES

Leia mais

www.asser.org.br CNPJ: 31.660.087/0001-57.

www.asser.org.br CNPJ: 31.660.087/0001-57. Ofício nº 63/2014 Rio de Janeiro, 11 de Dezembro de 2014. De: Associação dos Servidores do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca ASSER/CEFET-RJ Para: Gerência de Relacionamento

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - CARLOS SIMÕES FONSECA 11 de dezembro de 2012

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - CARLOS SIMÕES FONSECA 11 de dezembro de 2012 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - CARLOS SIMÕES FONSECA 11 de dezembro de 2012 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0902402-16.2012.8.08.0000 (048129002084) - SERRA - 4ª VARA

Leia mais

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA AGRAVO Nº 831.160-0/01, DE MEDIANEIRA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS AGRAVADOS : DORIVAL ASSIS DE SOUZA E OUTROS RELATOR ORIGINÁRIO : DES. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Page 1 of 5 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA, SUBSCRITO, NO DIA 11 DE NOVEMBRO DE 2004, PELA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, CONSTRUTORA

Leia mais

10132XX-70.2014.8.26.0564 - lauda 1

10132XX-70.2014.8.26.0564 - lauda 1 fls. 305 SENTENÇA Processo Digital nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: 10132XX-70.2014.8.26.0564 Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro JOÃO GABRIEL (OMITIDO) e outro

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 695.205 - PB (2004/0145940-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : BANCO DO BRASIL S/A : MAGDA MONTENEGRO PAULO LOPES DA SILVA

Leia mais

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av.

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Tancredo Neves, nº 939, Sala 907, bairro Caminho das Arvores,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.237.894 - MT (2011/0026945-1) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : NAGIB KRUGER E OUTRO(S) RECORRIDO : SUSSUMO SATO E OUTRO ADVOGADO : GILMAR

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Cível n2 200.2009.027892-61001 Origem : 13 2 Vara Cível da Comarca da Capital Relator : Desembargador Frederico Martinho da Nóbrega

Leia mais

CAUTELAS DA CONSTRUTORA NA ESCOLHA DO FORNECEDOR DE INSUMOS: vícios ocultos e o regime de responsabilidade solidária do CDC

CAUTELAS DA CONSTRUTORA NA ESCOLHA DO FORNECEDOR DE INSUMOS: vícios ocultos e o regime de responsabilidade solidária do CDC CAUTELAS DA CONSTRUTORA NA ESCOLHA DO FORNECEDOR DE INSUMOS: vícios ocultos e o regime de responsabilidade solidária do CDC Por Rodrigo Antola Aita 1. Introdução As empresas construtoras e incorporadoras,

Leia mais

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Órgão: TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N. Processo: 0500029-74.2008.4.05.8103 Origem: Primeira Turma Recursal do Estado do Ceará Recorrente: João Ferreira

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR RECURSO...: APELANTE (S)...: APELADO (S)...: JUÍZO DE ORIGEM.: JDS. DES. RELATOR: APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR BRUNO MACEDO BASTOS. BANCO SANTANDER BRASILO S/A. 3ª VARA CÍVEL DE PETRÓPOLIS. RICARDO ALBERTO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça S EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PLANO DE SAÚDE. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CIRURGIA BARIÁTRICA. PEDIDO MÉDICO. NEGATIVA DE AUTORIZAÇÃO. DANO MORAL. DECISÃO

Leia mais

PROCON CAMPINAS. MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida

PROCON CAMPINAS. MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida PROCON CAMPINAS MÓVEIS PLANEJADOS E SOB MEDIDA Informativo com dicas e orientações sobre compras de móveis planejados e sob medida Bem diz o ditado: Quem casa quer casa! Com casas e apartamentos cada vez

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Ética e Legislação Profissional Assunto: Responsabilidades do Profissional Prof. Ederaldo

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Inquérito Civil Público Autos n.º 1.14.000.001665/2012-31 RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE LIMEIRA SP.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE LIMEIRA SP. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE LIMEIRA SP. A AÇÃO CIVIL PÚBLICA COMO VIA PROCESSUAL ADEQUADA A IMPEDIR E REPRIMIR DANOS AO CONSUMIDOR A ação civil pública, disciplinada pela

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS Pontuação conforme Edital: a) Juiz Leigo PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS PROVA ÁREA DE CONHECIMENTO NÚMERO DE QUESTÕES Direito Constitucional PONTUAÇÃO PARA CADA QUESTÃO Direito Administrativo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão fls. 1 Autos n.º 0708777-72.2013.8.01.0001 Classe Ação Civil Pública Autor Defensoria Pública do Estado do Acre Réu Estado do Acre Decisão Trata-se de Ação Civil Pública, com pedido de tutela antecipada,

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

Responsabilidade Civil do Engenheiro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil do Engenheiro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil do Engenheiro Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola as previsões legais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 1/5 PROJETO DE LEI Nº /2015 A CÂMARA MUNICIPAL DE MACEIÓ DECRETA: DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DAS EMPRESAS QUE FORNECEM SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET COMPENSAREM, POR MEIO DE ABATIMENTO OU DE RESSARCIMENTO,

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO DE VIDA EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. A prescrição anual prevista

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO DE VIDA EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. A prescrição anual prevista

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.273.311 - SP (2011/0144262-4) RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : VIRGÍNIO ARAÚJO FILHO E OUTROS : EMERSON RIBEIRO DANTONIO : COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO : FERNANDA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 447.888 - RO (2002/0084713-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : ADMINISTRADORA E CORRETORA DE SEGUROS - RONSEG ADVOGADO : ODAILTON KNORST RIBEIRO RECORRENTE : SUL AMÉRICA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA PARECER N, DE 2011 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 452, de 2011, da Senadora Angela Portela, que

Leia mais

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL FERNANDO REVERENDO VIDAL AKAOUI XIV Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio Ambiente - ABRAMPA RESPONSABILIDADE DO ESTADO PELA PROTEÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ATRASO OU NÃO ENTREGA DE MATERIAL PERMANENTE

PROCEDIMENTOS PARA ATRASO OU NÃO ENTREGA DE MATERIAL PERMANENTE PROCEDIMENTOS PARA ATRASO OU NÃO ENTREGA DE MATERIAL PERMANENTE 1 - O servidor encarregado pelo recebimento deverá solicitar ao servidor lotado no Setor de Patrimônio de cada Unidade, que entre em contato

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO MÚLTIPLO. Trata-se de recurso interposto pela Instituição Bancária HSBC

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO MÚLTIPLO. Trata-se de recurso interposto pela Instituição Bancária HSBC JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO Processo Administrativo nº.: 0113-000.545-7 Autuada / Recorrente: HSBC BANK BRASIL S/A- BANCO MÚLTIPLO CNPJ: 01.701.201/0744-68 Trata-se de recurso interposto pela

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA.ª VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP)

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA.ª VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP) ANP Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República em Marília (SP) EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA.ª VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951 10ª Câmara Seção de Direito Privado Apelação com Revisão n 4002213-20.2013.8.26.0562 Comarca: Santos Ação: Compromisso de Venda e Compra e Repetição de indébito Apte(s).: API Assessoria Consultoria e Intermediação

Leia mais

Questões da Prova de Direito Civil MPU - Professor Lauro Escobar

Questões da Prova de Direito Civil MPU - Professor Lauro Escobar Acerca da responsabilidade civil, julgue os itens subsecutivos. 81 Caso o paciente morra em decorrência de ter recebido tratamento médico inadequado, a teoria da perda de uma chance poderá ser utilizada

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 )

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 ) Modelos práticos 1. Petição inicial rito ordinário MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO 1 DA VARA CÍVEL 2 DO FORO DA COMARCA DE CAMPINAS 3 NO ESTADO DE

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006 Altera a Medida Provisória nº 2.197-43, de 24 de agosto de 2001, para dispor sobre a cobertura securitária em financiamentos no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

Gabarito 1: Gabarito 2: Gabarito 3: Gabarito 4: 87 B 90 B 65 B 65 B PARECER

Gabarito 1: Gabarito 2: Gabarito 3: Gabarito 4: 87 B 90 B 65 B 65 B PARECER Prova Objetiva Disciplina: D6 - DIREITO EMPRESARIAL Gabarito 1: Gabarito 2: Gabarito 3: Gabarito 4: 87 B 90 B 65 B 65 B PARECER Primeiramente, ressalta-se que boa parte dos recursos interpostos pelos candidatos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000166668 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0203107-50.2009.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante VERSAILLES INCORPORADORA SPE LTDA, são

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc)

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc) Artigo 186, do Código Civil: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. CONTRATUAL

Leia mais

Introdução ao Estudo da Responsabilidade Civil

Introdução ao Estudo da Responsabilidade Civil Introdução ao Estudo da Responsabilidade Civil Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil IVI Publicação no semestre 2014.1 no curso de Direito. Autor: Vital Borba

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2014.0000XXXXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX- XX.2010.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante/apelado KARINA (OMITIDO), são

Leia mais