ÍNDICE MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO... 4 INDICADORES DE PERFORMANCE... 6 ECOSSISTEMA NOESIS... 8 CLIENTES... 9 PRINCIPAIS PARCEIROS SERVIÇOS...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO... 4 INDICADORES DE PERFORMANCE... 6 ECOSSISTEMA NOESIS... 8 CLIENTES... 9 PRINCIPAIS PARCEIROS... 10 SERVIÇOS..."

Transcrição

1

2 ÍNDICE PORTUGAL OEIRAS SEDE Tagus Park - Av. Prof. Dr. Aníbal Cavaco Silva Edifício Ciência II, 13-2A/2B Porto Salvo T PORTUGAL LISBOA Edifício Smart - Rua do Pólo Norte Piso 1 A-F Lisboa T PORTUGAL PORTO Aviz Trade Center - Rua Engº Ferreira Dias 924, Piso 1, Sala Porto T PORTUGAL COIMBRA Instituto Pedro Nunes - Bloco C, Sala 2.17 Rua Pedro Nunes Coimbra BÉLGICA BRUXELAS City Centre Stephanie Square Centre Avenue Louise 65, box 11 Brussels, 1050 Belgium T ANGOLA LUANDA Auto-Estrada Circular, Residencial Jardim das Rosas Prédio 3, 1º andar Camama, Luanda T BRASIL SÃO PAULO Rua Guararapes, Brooklin São Paulo T MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO... 4 INDICADORES DE PERFORMANCE... 6 ECOSSISTEMA NOESIS... 8 CLIENTES PRINCIPAIS PARCEIROS SERVIÇOS IMAGEM DE MARCA CAPITAL HUMANO RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO ÓRGÃOS SOCIAIS ANÁLISE DE RISCO ANÁLISE DA ATIVIDADE ECONÓMICO-FINANCEIRA APLICAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DEZEMBRO IDENTIFICAÇÃO DA SOCIEDADE REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS FLUXOS DE CAIXA POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS, ALTERAÇÕES NAS ESTIMATIVAS CONTABILÍSTICAS E ERROS PARTES RELACIONADAS PARTICIPAÇÕES FINANCEIRAS FINANCIAMENTOS OBTIDOS SECTOR PÚBLICO ESTATAL E SEGURANÇA SOCIAL VALORES A RECEBER CORRENTES VALORES A PAGAR CORRENTES BENEFÍCIOS DOS EMPREGADOS CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS PROVISÕES OUTROS GASTOS E PERDAS/OUTROS GANHOS E RENDIMENTOS JUROS E OUTROS RENDIMENTOS E GASTOS SIMILARES FORNECIMENTOS E SERVIÇOS EXTERNOS PESSOAL RÉDITO DIVULGAÇÕES EXIGIDAS POR DIPLOMAS LEGAIS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS EM 31 DE DEZEMBRO DE BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE DEMONSTRAÇÃO DAS ALTERAÇÕES NO CAPITAL PRÓPRIO RELATÓRIO E PARECER DO FISCAL ÚNICO CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS

3 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A NOESIS confirma no ano de 2014 uma performance de crescimento do seu volume de negócios de +19%. Este resultado conduziu-nos a um volume de negócios de 20,6 M, traduzindo assim o seu dinamismo comercial, a assertividade e importância da sua oferta e a envolvência dos seus colaboradores no projeto da empresa. Este incremento do volume de negócios explica-se, pelo crescimento sustentado das áreas de QUALITY MANAGEMENT e SOFTWARE DEVELOPMENT SERVICES, pela estabilidade das rates em PROFESSIONAL SERVICES e pela introdução de novos serviços em INFRASTRUCTURE SERVICES. A atividade internacional manteve um crescimento forte ao nível da Europa e uma perspetiva positiva nas geografias do Brasil e Angola. O posicionamento da empresa atingiu uma nova etapa em 2014: Sucesso no seu modelo de oferta em Portugal, com maior relevo nos serviços de QUALITY MANAGEMENT, BUSINESS INTELLIGENCE e STORAGE, demonstrado pela assinatura de contratos significativos, em particular no final do ano. Sucesso no desenvolvimento da sua oferta de transformação de tecnologias de informação, alinhado com as novas tendências da nossa Indústria Social, Mobilidade, Analítica e Cloud, em pleno desenvolvimento. Sucesso no desenvolvimento e atratividade da sua marca, com o recrutamento de 140 novos colaboradores, um efetivo líquido anual de 470 colaboradores do qual resulta a criação de mais 38 novos postos de trabalho. Sucesso na realização de projetos com Multinacionais de elevada dimensão, num novo paradigma de serviços de formato nearshore, com um potencial de desenvolvimento económico de regiões menos favorecidas em Portugal, através de utilização de mão-de-obra altamente qualificada, Doutores e Mestrados, oriundos das nossas Universidades. Estes diferentes marcos de sucesso, associados a uma gestão rigorosa e dedicada a diminuir sensivelmente o cost-to-income, confortam a NOESIS nas suas perspetivas de crescimento e a antecipar um forte aumento da sua margem de exploração e dos seus resultados líquidos futuros. 4 // MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO 5

4 INDICADORES DE PERFORMANCE INDICADORES DE PERFORMANCE OBJETIVO Volume de Negócios , ,90 +16% 24M EBITDA Resultado Líquido ,74 4,0% ,65 0,2% ,87 4,6% ,67 1,1% 8% - 10% Autonomia Financeira 5% 20% 30% Índice Responsabilidade 12 5 <5 # Colaboradores Negócio/Colaborador QM ,27 50 K IS ,76 60 K SDS ,91 70 K PS ,85 50 K 3% Principais factos relevantes: Consolidação da colaboração com clientes internacionais de grande relevância: Unilever, Citibank, Rabo Bank, etc., com a contratação plurianual de valores significativos Celebração de contratos quadro DESIS III (Consortium IC2AR ) e o ITSS III (Consortium NICE) com a Comissão Europeia # 1 no ranking fornecido pela IDC como Independent Software Testing Service providers em Portugal Representante de Portugal no Eurostar 2014, a maior convenção europeia dedicada a Software Testing Renovação da parceria Qlik Certified Partner Atingido o estatuto de Qlik Elite Partner NOESIS premiada com Qlik Best Practices Special Recognition Maior negócio de Qlik View na Península Ibérica Renovação da parceria OutPartner Certified Reforço do Centro de Competências de Coimbra em tecnologia Agile Rollout internacional em 5 países de solução NOESIS CRM Dynamics e Azure Acreditação Microsoft Silver Conquista do estatuto HP Gold Cloud Builder, com reconhecimento internacional Membro da organização Cloud28+, dinamizada pela comissão europeia Parceiro Violin em Portugal (único Authorized Service Provider) Parceiro Select Circle da Fujitsu, sendo o estatuto mais alto de parceria, sendo também Authorized Service Provider nas áreas de Storage e Backups 6 // INDICADORES DE PERFORMANCE 7

5 ECOSSISTEMA NOESIS 20 Anos de existência +470 Colaboradores PORTUGAL BENELUX ANGOLA BRASIL 24M Volume de negócios 2015 (previsão) PROJETOS IMPLEMENTADOS EM MAIS DE 20 PAÍSES 7 Escritórios: Portugal, Angola, Benelux e Brasil 12,16% CAGR 2005 a 2014 (Compound Annual Growth Rate) ECOSSISTEMA NOESIS IDC Fornecedor líder serviços QM em Portugal 8 // ECOSSISTEMA NOESIS 9

6 ECOSSISTEMA NOESIS CLIENTES PARCEIROS TECNOLÓGICOS TELECOMUNICAÇÕES FINANÇAS E SEGUROS INDÚSTRIA SERVIÇOS E RETALHO SAÚDE E FARMACÊUTICAS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 10 // ECOSSISTEMA NOESIS 11

7 ECOSSISTEMA NOESIS SERVIÇOS INFRASTRUCTURE SERVICES SOFTWARE DEVELOPMENT SERVICES QUALITY MANAGEMENT Change & Configuration Management PROFESSIONAL SERVICES Project Managers Storage & Backups Enterprise Solutions Quality Assurance Developers Engineers Database Management Business Intelligence Test Management Application Support Engineers IT Management Agile Solutions Security Testing Functional Analysts Operations Management Enterprise Resource Planning Agile Testing Usability Engineers Specialized Services Crowd Testing 12 13

8 IMAGEM DE MARCA IMAGEM DE MARCA A nossa imagem de marca assenta nos nossos valores, que nos permitem ser pertinentes, audaciosos, comprometidos, apaixonados e responsáveis. A imagem de marca é o reflexo da personalidade de uma empresa, mas é sobretudo o guia e suporte do seu discurso e das suas ações, tanto externas como internas. São uma vocação para determinar as orientações a seguir, mantendo sempre presente o rosto humano. São a ambição para atingir os nossos objetivos. Ambição SER UMA DAS EMPRESAS DE REFERÊNCIA no sector das Tecnologias de Informação, entre as empresas portuguesas e em todos os mercados onde operamos ou venhamos a operar. Vocação Um rosto humano SEMPRE PRESENTE na criação de valor. 14 // IMAGEM DE MARCA 15

9 IMAGEM DE MARCA AUDÁCIA E INOVAÇÃO A NOESIS, posicionando-se no mercado como entidade prestadora de serviços informáticos com o máximo de qualidade, tem em conta as últimas tendências de mercado e tenta sempre satisfazer as necessidades dos seus clientes. A audácia faz parte do quotidiano na NOESIS e a audácia de um posicionamento aberto para o mercado global, de que as presenças em geografias tão diversas como a Europa, Brasil e Angola são exemplo. Valores ÉTICA E RESPONSABILIDADE Atuamos com retidão, transparência e responsabilidade, pensando no êxito sustentado da empresa e de todos os que com ela se relacionam. A NOESIS tem consciência do seu papel social como empresa, medida em três dimensões: AS PESSOAS O principal pilar dos valores da NOESIS é baseado numa cultura humanista, desde sempre motivada pelos seus responsáveis, onde prevalece o respeito mútuo entre colaboradores. O enriquecimento das competências profissionais de cada elemento, através de ações de formação profissional, fazem parte das prioridades da NOESIS. Esta atitude tem contribuído para manter um elevado grau de bem-estar dos consultores, traduzindo-se na forma profisional e competente como se apresentam em cada Cliente, ajudando os nossos parceiros de negócio a alcançarem as suas metas. Numa outra perspetiva, a NOESIS fomenta o convívio entre funcionários, ciente da importância que o conhecimento das qualidades humanas de cada um tem no desenvolvimento de uma companhia. ECONÓMICA: as performances financeiras, racionalizadas por investimentos que asseguram o desenvolvimento da empresa e a criação e manutenção dos seus postos de trabalho. SOCIAL: o desenvolvimento da NOESIS passa pela adoção de medidas de equidade, de ética e respeito pela vida privada, no relacionamento com os seus colaboradores, fornecedores e clientes. AMBIENTAL: é nossa vontade endossar o papel de defensor de políticas de respeito pelo meio ambiente e adotar medidas concretas de redução de ações com impacto ambiental. 16 // IMAGEM DE MARCA 17

10 CAPITAL HUMANO CRESCIMENTO DA EMPRESA NÚMERO DE COLABORADORES APOSTA NA OTIMIZAÇÃO DA POLÍTICA DE ACOMPANHAMENTO E DE EVOLUÇÃO DOS SEUS COLABORADORES A dimensão e a diversidade de ofertas da NOESIS favorecem as oportunidades de evolução dos seus colaboradores durante o seu percurso profissional. Carreira profissional, formação, coaching e mobilidade interna figuram entre os principais vetores do desenvolvimento de competências, tanto a nível nacional como internacional. A personalização do percurso profissional facilita a evolução, tendo sempre em linha de conta o contexto do mercado de tecnologias de informação. Desde 2008 que a NOESIS põe em prática uma política ativa de acompanhamento dos seus colaboradores, encorajando a evolução e mobilidade interna. CAPITAL HUMANO UMA POLÍTICA DE FORMAÇÃO ATIVA A metodologia de formação da NOESIS, através de academias internas, formação em instituições certificadas ou hands-on-work, por sua iniciativa ou em conjunto com os seus clientes, visam a manutenção e o desenvolvimento das competências dos nossos colaboradores, contribuindo para a sua evolução profissional, social e pessoal. O ano de 2014 não foi exceção materializando esta política de formação dinâmica com privilégio para a aprendizagem e o trabalho de campo. A NOESIS CONTINUA A APOSTAR NO SEU CAPITAL HUMANO COMO ELEMENTO CHAVE DA ESTRATÉGIA GLOBAL DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO, ADOTANDO METODOLOGIAS E PROCESSOS QUE POSSIBILITEM O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS E TALENTOS. Em 31 de Dezembro de 2014, a NOESIS contava com 470 colaboradores mais 38 do que no ano transato. 18 // CAPITAL HUMANO 19

11 RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO RELATÓRIO ECONÓMICO- -FINANCEIRO 1. ÓRGÃOS SOCIAIS Assembleia Geral Presidente Secretário Ana Menezes Monteiro Sofia Almeida Ribeiro Conselho de Administração Presidente Vogais Eduardo Manuel de Jesus Vilaça Manuel Alexandre Fernandes Silva Rosa Maria Alice Ramalho Ferreira Nelson Ricardo dos Reis Tomás Pereira Órgão de Fiscalização Fiscal Único Suplente Amável Calhau, Ribeiro e Cunha & Associados, SROC Raúl Alberto Serra da Silva Fernandes 20 // RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO 21

12 RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO 2. ANÁLISE DE RISCO A NOESIS procedeu como é sua prática de gestão, a uma revisão dos riscos que podem vir a ter um efeito desfavorável sobre a sua atividade e situação financeira, bem como sobre os seus resultados ou a capacidade de realizar os seus objetivos. Consideramos que não existem outros riscos significativos para além dos que passamos a apresentar. 2.1 RISCOS COMERCIAIS, INDUSTRIAIS E AMBIENTAIS Riscos associados aos colaboradores-chave A empresa está dependente dos seus principais dirigentes, responsáveis de unidade, comerciais e colaboradores, cuja saída pode afetar de maneira significativa os resultados económico-financeiros. A NOESIS implementou um sistema de gestão de competências e talentos, tendo desde 2010 uma política ativa de fidelização e gestão dos seus colaboradores de forte potencial, assim como planos de substituição, permitindo à NOESIS mitigar este risco. Desde a sua criação, a NOESIS tem registado uma fraca expressão de saída dos seus colaboradores-chave, o que se traduz numa equipa de gestão eficaz e com uma forte adesão ao projeto da empresa. Riscos associados às prestações de serviço com níveis de serviço contratualizados A empresa na sua atividade económica presta serviços e fornece produtos com níveis de serviço contratualizados. Este tipo de prestações é gerador de penalizações financeiras por incumprimento e gerador de custos por indução de erros de produção. A NOESIS metodicamente acompanha os projetos durante a sua execução, medindo a sua evolução operacional com base nos requisitos definidos, em ciclos de controlo periódicos, atuando na perspetiva dos riscos tecnológicos das arquiteturas e soluções propostas bem como na perspetiva económico-financeira avaliando os impactos nos fluxos de caixa de curto prazo e na rentabilidade dos projetos como um todo. Os processos associados a esta atividade, no que concerne à sua monitorização com ferramentas de controlo de gestão/dashboards estão neste momento em fase final de implementação. Riscos associados aos clientes Tendo em conta o posicionamento em grandes empresas, o risco de insolvência dos clientes da NOESIS é muito reduzido. Os riscos de crédito são seguidos pelas áreas Financeira e Comercial, dando particular atenção às condições de faturação e de pagamento dos principais contratos. Para tal a NOESIS implementou um relatório periódico de análise de clientes, quanto aos seus contratos, rentabilidade e análise de antiguidade de saldos, bem como indicadores do peso de cada cliente no volume de negócios agregado. Os contratos de Factoring e de Contas Correntes Caucionadas, por outro lado, celebrados com instituições financeiras sólidas, permite à NOESIS gerir a sua gestão de cobrança sem fatores externos de negociação agressiva. Em 2014, cinco grandes clientes satisfazem cerca de 50% do volume de faturação. Por outro lado, nenhum cliente ultrapassa mais de 20% do total do volume de negócios, equilibrando-se entre 10 a 15%. Riscos associados à competitividade técnica e às evoluções tecnológicas A NOESIS tem uma base de informação com o perfil de competências necessárias, qualitativas e quantitativas, promovendo a avaliação periódica da qualidade dessa mesma informação, permitindo gerir assim qual a dimensão adequada em cada momento para manter um nível competitivo face à concorrência e face às exigências dos seus clientes, bem como à garantia de qualidade dos serviços prestados. Risco associado à concorrência A evolução dos mercados e a consolidação das empresas do nosso sector é suscetível de representar uma concorrência mais forte à NOESIS. O posicionamento atual da NOESIS, a sua dimensão de capital humano e o maior valor acrescentado nos seus serviços, permitem manter relações privilegiadas com os seus clientes, constituindo uma barreira de entrada à sua concorrência. 22 // RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO 23

13 RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO Riscos associados ao ferramental tecnológico e à oferta de serviços O mercado dos Serviços e das Tecnologias de Informação está em constante evolução e pode conhecer períodos de mudanças disruptivas com impacto nos modelos sociais e nos ambientes empresariais associados. A fim de limitar este risco, a NOESIS adotou uma política de investimento prudente e seletiva na integração do seu ferramental de oferta e uma gestão de proximidade junto dos seus clientes, com foco na alavancagem e aumento da sua eficácia na utilização dos seus fatores diferenciadores nos seus negócios e na sua competitividade. Alinhando a sua estratégia a nichos em ecossistemas tecnológicos complexos e à proximidade dos seus clientes, a NOESIS aumentou a sua competitividade técnica e a sua capacidade de percecionar com maior assertividade a evolução do mercado. Riscos associados aos seus fornecedores A NOESIS não está dependente de qualquer fornecedor específico, a sua base de conhecimento transcende o ferramental tecnológico utilizado em cada momento. Em 2014, a NOESIS deu enfoque aos fabricantes multinacionais, como fator de alavancagem do seu negócio, no alargamento da sua base de clientes fora de Portugal. Risco do país O essencial do volume de negócios da empresa é realizado em Portugal e no espaço da Comunidade Europeia. Em função do contexto socioecónomico de Portugal, a NOESIS iniciou no final de 2011 um plano de internacionalização em geografias com menor maturidade de desenvolvimento nos serviços de tecnologias de informação, onde a sua oferta fizesse sentido. Atualmente o volume de negócios fora de Portugal representa já 20%, com maior concentração na Comunidade Europeia. A geografia Brasil dá sinais de otimismo quanto ao seu desenvolvimento futuro enquanto a geografia Angola dá sinais negativos. Não tendo impacto a geografia Angola e sendo a Europa um conjunto alargado de economias independentes, considera-se que o risco país está deste modo mitigado. Riscos associados aos seus fornecedores A NOESIS não está dependente de qualquer fornecedor específico, a sua base de conhecimento transcende o ferramental tecnológico utilizado em cada momento. Em 2014, a NOESIS deu enfoque aos fabricantes multinacionais, como fator de alavancagem do seu negócio, no alargamento da sua base de clientes fora de Portugal. VOLUME DE NEGÓCIOS FORA DE PORTUGAL Atualmente o volume de negócios fora de Portugal representa já 20%, com maior concentração na Comunidade Europeia. Riscos industriais e ambientais Na qualidade de prestador de serviços no sector dos serviços e na integração de tecnologias de informação e comunicação, a NOESIS não está exposta a nenhum risco em particular em matéria industrial ou ambiental. 2.2 RISCOS DE MERCADO Riscos de liquidez A NOESIS tem melhorado a sua gestão e reporte de liquidez, utilizando para tal: (1) um crescente planeamento financeiro baseado em previsões de tesouraria com diferentes horizontes temporais, mensal e anual; (2) a diversificação de fontes de financiamento e da sua estrutura temporal. Riscos de taxas de juros A exposição da NOESIS ao risco de taxas de juros está limitada, sobretudo, ao seu endividamento. As taxas contratadas são variáveis e estão baseadas na Euribor a 3 meses. Como regra geral a NOESIS não cobre por meio de derivados financeiros a sua exposição às variações de taxas de juro. A NOESIS analisa periodicamente a evolução passada e futura das taxas de juro, em conjunto com as áreas de mercados financeiros dos bancos parceiros, por forma a estudar aplicações de cobertura de taxa de juro se considerar pertinente (caps). 24 // RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO 25

14 RELATÓRIO E CONTAS 2014 RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO 3. ANÁLISE DA ATIVIDADE ECONÓMICO-FINANCEIRA 3.1 ASPETOS ENQUADRANTES A crise atual alterou de forma radical o enquadramento dos negócios, sendo a sua perspetiva ainda de duração incerta. Consideramos pela sua pertinência voltar a referir, neste instrumento de informação e reforçar o já comunicado no ano transato: Aumentou o risco; Desvalorizou as empresas; Reduziu a rentabilidade dos negócios e consequentemente as perspetivas de dividendos; Restringiu o acesso ao crédito e obrigou a esforços financeiros dos acionistas para a implementação de mudanças e também para as operações correntes por via de prestação de garantias ou de capital próprio permanente. Portugal continua a apresentar um ambiente não amigo das empresas com a carga fiscal a aumentar apesar da recente reforma do IRC que diminui este imposto. Por via dos impostos indiretos e do que se considera matéria coletável esta redução só terá impacto no longo prazo, verificando-se também que o código do trabalho continua pouco flexível face ao modelo económico que o país parece querer adotar. Em contrapartida a inversão às políticas de austeridade excessiva impostos aos países do sul da Europa e a perceção da necessidade de cenários de investimento e desenvolvimentos da economia com uma política monetária mais facilitadora, poderá abrir uma janela de oportunidades para negócios nesta geografia aliados aos seus fatores de competitividade. Mais concretamente espera-se que os países que menos impactos têm tido com a crise Europeia adotem uma postura económica que equilibre as diversas regiões da Europa. 3.2 PONDERAÇÃO ADMINISTRAÇÃO A competência base de uma organização é o seu recurso mais valioso (C.K Prahalad) Apesar das diferenças que os negócios principais da NOESIS, QUALITY MANAGEMENT, INFRASTRUCTURE SERVICES & SOFTWARE DEVELOPMENT SERVICES e PROFESSIONAL SERVICES têm quando se faz a análise das respetivas cadeias de valor, encontramos um máximo divisor comum que é a competência de IT. Portanto será à volta desta competência core que deverá continuar a assentar o valor da empresa e sobre ela deve ser constituída a estratégia futura. Atualmente a empresa está perante um cenário de ameaças mas também de grandes oportunidades, essencialmente com as oportunidades dos mercados externos e fruto da nossa resiliência também no mercado doméstico. Saliente-se o posicionamento das TIC como fator diferenciador e alavanca económica em relação a outras economias com uma dimensão populacional extraordinária. À medida que se assiste à perda de margem, entrando-se na zona perigosa, o fator dimensão da empresa e as sinergias daí recorrentes assumem um papel mais importante. 3.3 INTERNACIONALIZAÇÃO À medida que a economia Portuguesa se torna menos atrativa pelos efeitos das condicionantes do país, as estratégias da internacionalização tornam-se mais interessantes, factos que já constatámos no terreno. Contudo temos a consciência de que estes processos: Têm riscos que podem ser mitigados mas não eliminados; Demoram o seu tempo (médias de 1,5 anos para os primeiros resultados); Exigem recursos humanos, técnicos e financeiros, pelo que é necessário ser-se seletivo, para evitar a dispersão dos recursos sem se conseguir a adequada profundidade de penetração em cada mercado; Exigem persistência, pois frequentemente não resultam bem à primeira; Requerem que a empresa tenha recursos suficientes para aguentar um esforço extra durante um período de pelo menos 2 anos; Este sobre esforço pode ser minimizado mas não eliminado; Deve ser solicitada a atuação dos acionistas para ajudar, quer por via dos seus conhecimentos pessoais que propiciem contactos e parcerias, quer para aprovar a entrada no capital de entidades externas. Das prospeções no terreno resultou um elevado potencial de negócio via internacionalização na Europa, no Brasil e em Angola que deverão ser prosseguidos realçando-se os problemas recentes com a economia Angolana, derivados em parte pela crise do preço do barril do petróleo, que deverá ser fruto de um acompanhamento bastante cauteloso. 26 // RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO 27

15 RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO 3.4 OFERTA Temos de tomar as medidas para vir a minimizar alguns dos riscos do negócio, diversificando mercados e países, diversificando áreas geográficas, diversificando sectores, diversificando clientes e para tal ajustar a oferta de acordo com o que se quer atingir. Atendendo à pressão sobre os resultados e à necessidade de celeridade na obtenção dos mesmos, devemos analisar a nossa oferta de serviços atual e futura de modo a favorecermos as de retorno mais rápido, o que implica darmos prioridade a: Toda a oferta que faça sentido para os clientes que já temos. Esta ação estratégica deverá adotar uma política de softlanding para que as sobrecargas financeiras ocorram num período de crescimento económico. 3.5 DIRETRIZES DE AÇÃO Capacitação Financeira Captação de capitais próprios; Toda a oferta para a qual já tenhamos internamente um nível adequado de competências. Obter um cost-to-income de 90%, por via: - Congelamento/reformulação de salários (privilegiar valores variáveis); - Novas contratações com valores mais adequados ao mercado. Implementação de ferramentas de controlo mais eficazes no job-cost; Redução dos custos financeiros através de cobranças mais eficazes; Optar por uma atuação comercial de nicho versus uma abordagem generalista, não pugnando pela filosofia do one stop shopping como é a prática mais frequente nas empresas de Sistemas de Informação. Melhorar o planeamento de tesouraria e o ciclo de negociação com os parceiros financeiros; Oferta No geral melhorar a eficácia da cadeia de valor adequada a cada oferta através da alocação da responsabilidade à estrutura da organização mais apropriada; Aumentar as sinergias do PROFESSIONAL SERVICES e das restantes ofertas como sourcing e conquista de clientes para o patamar do Outsourcing; Aumentar o ferramental tecnológico da oferta de INFRASTRUCTURE SERVICES através de parcerias; Posicionar a oferta de BUSINESS INTELLIGENCE no top 10 Ibérico; Alargar o ferramental tecnológico da oferta AGILE e o posicionamento da área; Obter a dimensão crítica da equipa na oferta de ENTERPRISE SOLUTIONS, com o reforço de recursos qualificados; Foco na validação transversal de arquiteturas escolhidas em resposta de SOFTWARE DEVELOPMENT SERVICES, tal como na procura de novas soluções tecnológicas para banca e novos mercados; Focalizar o PROFESSIONAL SERVICES no universo de competências ou das ofertas nos clientes identificados como estratégicos; Utilizar a oferta SAP como plataforma para as restantes ofertas. Governação e Capital Humano Empowerment no coaching e formação aos responsáveis de topo, na gestão e no foco no negócio; Definição clara de um modelo comercial transversal a toda a empresa; Desenvolvimento da área de Marketing com foco na imagem e reposicionamento da empresa nas diversas geografias; Implementação de plataformas de gestão do conhecimento; Sistemas de Compensação e Motivação de Pessoas com base na informação obtida por via da avaliação de competências e desempenho, do coaching e formação; Improvement do mapeamento e avaliação do potencial do capital humano (Goodwill); Modelo de Comunicação mais eficaz intra empresa como fator de estímulo ao trabalho. Melhoria dos sistemas de employment branding; Dinamizar e concentrar indicadores para uma gestão única e reconhecida; Manutenção do sistema de gestão de qualidade acreditado segundo a norma ISO 9001 e certificar a empresa em outras normas apropriadas à sua realidade. Investimento internacional com acesso a fundos locais. Internacionalização Estabelecimento de consórcios no Brasil e em Angola; Manutenção de pólo de apoio em Bruxelas adequado à nova realidade operacional; Nomeação de responsáveis permanentes pela representatividade da NOESIS nestas geografias (perfil gestão) e pela instalação da mesma; Marketing com enfoque nos centros de competência em Portugal; Implementação dos instrumentos de reporting e gestão de cultura multinacional; Modelo de gestão de capital humano multinacional, multicultura e reintegração de expatriados. 28 // RELATÓRIO ECONÓMICO-FINANCEIRO 29

16 APLICAÇÃO DE RESULTADOS APLICAÇÃO DE RESULTADOS Os resultados líquidos da Noesis Portugal II, SA atingiram em 2014 o valor de ,67 sendo a sua situação líquida no final do exercício de ,53. Para apoiar a concretização da agenda estratégica e para garantir os níveis de solidez financeira que sempre têm caraterizado a Noesis Portugal II, SA o Conselho de Administração apresenta à Assembleia Geral, a seguinte proposta de aplicação de resultados: Aplicação do resultado líquido apurado em Resultados Transitados: ,14 e em Reservas Livres: ,53. Oeiras, 26 de março de 2015 Eduardo Manuel de Jesus Vilaça Manuel Alexandre Fernandes Silva Rosa Maria Alice Ramalho Ferreira Nelson Ricardo dos Reis Tomás Pereira 30 31

17 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DEZEMBRO 2014 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DEZEMBRO IDENTIFICAÇÃO DA SOCIEDADE A Sociedade Noesis Portugal II Consultadoria em Sistemas Informáticos, SA número único de matrícula e pessoa coletiva , é uma sociedade anónima constituída em 2000 com sede social no concelho de Oeiras na Avenida Professor Dr. Aníbal Cavaco Silva, Edifício Ciência II, nº 13 2º, TagusPark, Porto Salvo. O objeto social consiste na prestação de serviços de consultadoria em sistemas de informação, formação, gestão, implementação, produção e desenvolvimento de tecnologias de informação, representações, comercialização de equipamentos. COMPOSIÇÃO CAPITAL SOCIAL NOESIS GLOBAL SGPS, SA Fração do Capital Detido 84,62% Valor nominal da participação ,00 Sede: Avenida Prof. Dr. Aníbal Cavaco Silva, Edifício Ciência II, nº 13 2º, TagusPark, Porto Salvo COMPOSIÇÃO CAPITAL SOCIAL PESSOA SINGULAR: Ana Paula Moreira Pedroso Baltazar Fração do Capital Detido 15,38% Valor nominal da participação ,00 ACONTECIMENTOS APÓS A DATA DO BALANÇO As Demonstrações Financeiras para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014, foram aprovadas pelo Conselho de Administração, aguardando pela votação da Assembleia Geral. Após a data do Balanço não houve conhecimento de eventos ocorridos que afetem os ativos e passivos das demonstrações financeiras do período. 2. REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2.1 BASES DE APRESENTAÇÃO As demonstrações financeiras do período foram preparadas a partir dos registos contabilísticos da empresa, em obediência às disposições do SNC, respeitando as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro NCRF. As notas ausentes não são aplicáveis à Sociedade ou a sua apresentação não é relevante para a leitura das demonstrações financeiras anexas. A base de mensuração usada na preparação das demonstrações financeiras na generalidade foi o custo histórico, ou o justo valor, quando definido. Os ativos foram registados pela quantia de caixa, ou equivalentes de caixa paga ou pelo justo valor da retribuição dada para os adquirir no momento da sua aquisição. Os passivos foram registados pela quantia dos proveitos recebidos em troca da obrigação, ou pelas quantias de caixa, ou de equivalentes de caixa, que se espera que venham a ser pagas para satisfazer o passivo no decurso normal dos negócios. Justo valor designa-se a quantia pela qual um ativo poderia ser trocado ou um passivo liquidado, entre partes conhecedoras e dispostas a isso, numa transação em que não exista relacionamento entre elas. 32 // ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DEZEMBRO

18 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DEZEMBRO PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS As principais políticas contabilísticas adotadas na preparação das demonstrações financeiras anexas são as seguintes: 3.1 BASES DE MENSURAÇÃO USADAS NA PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As demonstrações financeiras anexas foram preparadas no pressuposto da continuidade das operações, a partir dos registos contabilísticos da Sociedade, de acordo com as Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro. ATIVOS FIXOS TANGÍVEIS Os ativos fixos tangíveis encontram-se registados ao custo de aquisição, deduzidos das correspondentes depreciações. As depreciações são calculadas, após a data em que os bens estejam disponíveis para serem utilizados, pelo método da linha reta e em conformidade com o período de vida útil estimado para cada grupo de bens, de acordo com as taxas, em sistema de duodécimos e de acordo com as taxas máxima e mínimas, previstas no Decreto Regulamentar 25/2009. As taxas de depreciação utilizadas correspondem aos seguintes períodos de vida útil estimados: Equipamento Básico entre 5 e 10 anos Rubricas Equipamentos Básicos Equipamentos Transporte Equipamentos Administrativo Outros ativos Fixos Tangíveis TOTAL Custo de aquisição Saldo em 1de Janeiro de , , , , ,11 Aquisições 0, , ,06 0, ,64 Alienações 0, ,00 0,00 0, ,00 Regularizações, transferências e abates 0,00 0, ,86 0, ,86 Saldo em 31 de Dezembro de , , , , ,89 Depreciacões acumuladas e perdas por imparidade , , , , ,35 Saldo em 1 de Janeiro de 2014 Depreciacões e perdas por imparidade 6.566, , ,24 356, ,96 Alienações 0, , ,86 0, ,61 Saldo em 31 de dezembro de , , , , ,70 Valor líquido em 1 de janeiro de 2014 Valor líquido em 31 de dezembro de , , ,65 712, , , , ,47 356, ,19 Equipamento de Transporte 4 e 5 anos Equipamento Administrativo entre 10 e 4 anos Outras Imobilizações Corpóreas entre 8 a 10 anos As vidas úteis e método de depreciação dos vários bens são revistos anualmente. O feito de alguma alteração a estas estimativas será reconhecido na Demonstração dos Resultados. As despesas de conservação e reparação que não aumentem a vida útil dos ativos nem resultem em benfeitorias ou melhorias significativas nos elementos dos ativos fixos tangíveis foram registadas como gastos do exercício em que ocorrem. O desreconhecimento dos ativos fixos tangíveis, resultantes da venda ou abate, são determinados pela diferença entre o preço de venda e o valor líquido contabilístico na data da alienação ou abate, sendo registadas na demonstração dos resultados nas rubricas Outros Rendimentos e Ganhos ou Outros Gastos e Perdas. O movimento ocorrido nas rubricas de ativo fixo tangível, bem como nas depreciações acumuladas, foi o seguinte: ATIVOS FIXOS INTANGÍVEIS Os ativos fixos intangíveis são valorizados pelo custo de aquisição no reconhecimento inicial e na valorização subsequente. Os ativos fixos intangíveis, referem-se a: Programas de computador Propriedade industrial e outros direitos Projetos de desenvolvimento Posição contratual Estão sujeitos a amortização, uma vez que têm vida útil definida e estão de acordo com a regra de rentabilidade presente e futura. Constituem-se ativos sendo modelos de desenvolvimento aplicacional, geradores de negócios com faturação reconhecida, nomeadamente: 1. Human Capital Development (2012) 2. Enterprise Management (2012) 3. 4 Assets - Assets Management System (2014) 4. Insights for HCM (2014) 5. Insights for NAV (2014) 6. Insights for TELCO (2014) 7. Insights for CASH (2014) 8. 4 Contracts - Contracts Management System (2014) 34 // ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DEZEMBRO

19 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DEZEMBRO 2014 Rubricas Programas de Computador Propriedade Industrial Projetos Desenvolvimento Posição Contratual TOTAL Custo de aquisição Saldo em 1 de Janeiro de , , , , ,91 Aquisições 0,00 Regularizações, transferências e abates , ,33 Saldo em 31 de Dezembro de , , , , ,24 Amortizações acumuladas e perdas por imparidade Depreciacões e perdas por imparidade , , , , , , , ,83 INVESTIMENTOS FINANCEIROS Os investimentos financeiros em empresas associadas nas quais a empresa tenha uma influência significativa ou onde exerce uma influência significativa ou onde exerce o controlo das mesmas através da participação nas decisões financeiras ou operacionais são registados pelo método de equivalência patrimonial na rubrica investimentos financeiros em equivalência patrimonial. De acordo com o método de equivalência patrimonial as participações financeiras são registadas pelo seu custo de aquisição, ajustado pelo valor correspondente à participação da empresa nos resultados líquidos das empresas associadas ou participadas, por contrapartida de ganhos ou perdas do exercício e pelos dividendos recebidos, líquido de perdas de imparidade acumuladas. Os investimentos financeiros em empresas associadas nas quais a empresa não tenha uma influência significativa ou onde não exerce o controlo das mesmas através da participação estão registados pelo custo de aquisição na rubrica investimentos financeiros. Saldo em 31 de dezembro de , , , , ,68 Valor líquido em 1 de janeiro de 2014 Valor líquido em 31 de dezembro de ,06 0, , , ,56 0, , ,56 IMPOSTOS De acordo com a legislação em vigor, a situação fiscal da empresa está sujeita a revisão e correções por parte da administração tributária durante um período de quatro anos, exceto quando tenha sido exercido o direito de reporte de prejuízos fiscais, tenham sido concedidos benefícios fiscais, ou estejam em curso, inspeções, reclamações ou impugnações, casos em que, dependendo das circunstâncias, aqueles prazos são prorrogados ou suspensos. LOCAÇÕES A classificação das locações financeiras ou operacionais é realizada em função da substância dos contratos. Assim os contratos de locação são classificados como locações financeiras se através deles forem transferidos substancialmente todos os riscos e vantagens inerentes à posse ou como locações operacionais se através deles não forem transferidos substancialmente todos os riscos e vantagens inerentes à posse. Os ativos tangíveis adquiridos mediante contratos de locação financeira, bem como as correspondentes responsabilidades, são classificadas de acordo com a NCRF nº 9 - Locações. De acordo com este método o custo do bem é registado no ativo tangível, a correspondente responsabilidade é contabilizada no passivo e os juros registados como custos do exercício. As depreciações são calculadas de acordo com o Decreto Regulamentar 25/2009. Os alugueres de longa duração são contabilizados como gasto, pelo que as rendas constituem gasto do exercício a que dizem respeito, não se relevando na situação patrimonial da empresa o valor desses bens e a respetiva responsabilidade pelas rendas vincendas. Deste modo, a situação fiscal dos anos de 2011 a 2014 poderá ainda vir a ser sujeita a revisão e eventuais correções. A Segurança Social pode ser revista ao longo de um prazo de oito anos. A Administração da Noesis Portugal, SA entende que as correções resultantes das eventuais revisões/ /inspeções por parte das autoridades fiscais àquelas declarações de impostos não terão um efeito significativo nas demonstrações financeiras em 31 de Dezembro de A Entidade encontra-se sujeita a Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) à taxa de 25% e a Tributação Autónoma sobre um conjunto de encargos às taxas previstas. O IRC estimado foi de ,93. IMPARIDADE DE ATIVOS Em cada data de relato é efetuada uma revisão das quantias escrituradas dos ativos fixos tangíveis e intangíveis da empresa com vista a determinar se existe algum indicador de que os mesmos possam estar em imparidade. Se existir algum indicador, é estimada a quantia recuperável dos respetivos ativos a fim de determinar a extensão da perda por imparidade (se for o caso). Entidade Montante Objeto Valor Contrato Depreciações acumuladas Valor líquido contabilístico a 31 dezembro 2014 RÉDITO Banco Popular ,00 Veículo Mat. 21-NX , , ,33 Banco Popular ,87 Mobiliario de escritório , , ,04 SantanderTotta ,58 Veículo Mat. 11-OL , , ,98 O rédito é valorizado pelo justo valor da contraprestação recebida ou a receber. O rédito proveniente das prestações de serviços é reconhecido, líquido de impostos, pelo justo valor do montante a receber. 36 // ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DEZEMBRO

20 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DEZEMBRO 2014 INSTRUMENTOS FINANCEIROS Os instrumentos financeiros encontram-se valorizados de acordo com os seguintes critérios: Clientes e outras dívidas de terceiros As dívidas de clientes ou de outros terceiros são registadas pelo seu valor nominal. Fornecedores e outras dívidas a terceiros As dívidas a fornecedores ou a outros terceiros são registadas pelo seu valor nominal. Caixa e depósitos bancários Os montantes incluídos na rubrica caixa e seus equivalentes correspondem aos valores em caixa e depósitos bancários, ambos imediatamente realizáveis e sem perda de valor. 4. FLUXOS DE CAIXA Os fluxos de caixa são compostos pelas rubricas de Caixa e Depósitos Bancários e apresentam a 31 de Dezembro de 2014 e 2013, os seguintes saldos: Rubricas Caixa 1.194, ,31 Depósitos à ordem , ,18 Outros depósitos bancários , ,00 Total , ,49 Regime do acréscimo As transações são reconhecidas quando ocorrem e não quando se verifica o seu pagamento ou recebimento. A rubrica de acréscimos e diferimentos em 2014 e 2013 tem a seguinte decomposição: os gastos com o pessoal montante de ,67 referem-se aos encargos com férias, subsídio de férias e segurança social a processar e a pagar em POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS, ALTERAÇÕES NAS ESTIMATIVAS CONTABILÍSTICAS E ERROS No período em análise não houve alterações à política contabilística Acrescimos de rendimentos 0, ,00 Trabalhos a faturar 0, ,00 Acrescimos de gastos , ,72 Pessoal , ,95 Outros gastos , ,77 Diferimentos Gastos a reconhecer , ,98 Seguros , ,75 Licenças ,42 0,00 Projeto Desenvolvimento Raid , ,00 Outros , ,23 Rendimentos a reconhecer 6.152,00 6. PARTES RELACIONADAS 6.1 EMPRESAS DO GRUPO NOESIS GLOBAL SGPS, SA Fração do Capital Detido 84,62% Valor das ações ,00 Valor da participação a ,75 Saldos e transações com partes relacionadas: ECLOGUES SGPS SA (empresa do grupo) Aquisição de serviços de gestão no valor de ,83 Prestação de serviços no valor de ,00 Tipo de Serviços: Empresa presta serviços de gestão e consultadoria/assessoria. 38 // ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O PERÍODO FINDO EM 31 DEZEMBRO

Helping your business grow faster

Helping your business grow faster Helping your business grow faster Espírito de Inovação TECNOLOGIA E INOVAÇÃO A FAVOR DAS EMPRESAS Fundada em 1995, a NOESIS é uma consultora portuguesa que fornece soluções para aumentar a competitividade,

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade IDFG Instituto D. Francisco Gomes - Casa dos Rapazes 1.2 Sede Bom João 8000-301 Faro 1.3 NIPC 500868395

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras

Anexo às Demonstrações Financeiras Anexo às Demonstrações Financeiras EXERCÍCIO DE 2012 1. Nota introdutória A Empresa «António Marques, Corretor de Seguros EIRL», foi constituída em 07-12-1999, tem a sua sede na Rua António José Baptista,

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) RelatórioAnual 2014 2 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

Leia mais

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória 5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Av. Tenente Coronel João Luis de Moura, Loja A cave

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXERCÍCIO DE 2014

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXERCÍCIO DE 2014 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EXERCÍCIO DE 2014 1 - Introdução 1.1 - A APN - Associação Portuguesa de Doentes Neuromusculares, NIF.502887206, é uma Associação, constituída em 1992, tendo

Leia mais

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 2013 Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 Índice 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Demonstrações financeiras de 2013... 4 2.1. Situação patrimonial... 4 2.2. Demonstração de resultados... 5 2.3. Fluxos

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 AIDGLOBAL- ACÃO E INTEG. PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL ONG BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES EXPRESSOS EM EUROS) Notas 2014 2013 Activo Activos

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Rua São Gonçalo de Lagos, Pavilhão de Exposições em Torres

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Exercício 2012 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2010 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 31

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458 DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dez 2013 31 dez 2012 ATIVOS NÃO CORRENTES: Ativos fixos tangíveis 10 1.827.164.403

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social ANEXO para as Contas do Ano 2014 1/ IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 / Designação da entidade: OASIS Organização de Apoio e Solidariedade para

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Associação Escola 31 de Janeiro 1 Índice 1- IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE... 3 2- REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 3 3 - PRINCIPAIS POLÍTICAS

Leia mais