ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL"

Transcrição

1 ADOÇÃO DO IFRS PELO GRUPO GERDAU GERALDO TOFFANELLO DIRETOR CORPORATIVO CONTÁBIL Outubro/2009

2 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU SUBSTITUIÇÃO DO USGAAP PELO IFRS NA SEC EXPECTATIVAS E NOVOS DESAFIOS FATORES DE SUCESSO BRASILEIROS 2

3 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU SUBSTITUIÇÃO DO USGAAP PELO IFRS NA SEC EXPECTATIVAS E NOVOS DESAFIOS FATORES DE SUCESSO BRASILEROS 3

4 Filosofia Gerdau VISÃO Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os acionistas, comprometida com a realização das pessoas e com o desenvolvimento sustentado da sociedade. VALORES CLIENTE satisfeito SEGURANÇA TOTAL no ambiente de trabalho PESSOAS comprometidas e realizadas QUALIDADE em tudo que faz EMPREENDEDORISMO RESPONSÁVEL INTEGRIDADE CRESCIMENTO e RENTABILIDADE 4

5 Direcionamentos Estratégicos Operações de Negócios e Processos Funcionais 1. ROCE e EBITDA como forma de medir desempenho das Operações de Negócio; 2. Disseminar e consolidar Valores Gerdau; 3. Consolidar políticas, diretrizes e melhores práticas (GBS); 4. Formar líderes e profissionais técnicos para a expansão do Grupo Gerdau; 5. Desenvolver globalmente a imagem da marca Gerdau; 6. Identificar e capturar sinergias entre as Operações de Negócios (compras, vendas, overhead, etc.); 7. Ser competitivo globalmente (eficiência em custos; produtividade, logística; otimização do uso dos ativos; integração dos processos na cadeia de negócios; foco no cliente; benchmark mundial); 8. Adotar as melhores práticas de Sustentabilidade (Econômico, Social e Ambiental). 5

6 Governança Corporativa Melhores Práticas Assembléia Geral Membros externos no Conselho de Administração Gestão Integrada de Riscos Comitês de Governança Corporativa, de Estratégia e de Remuneração e Sucessão Conselho de Administração Conselho Fiscal Gerdau Business System Demonstrações Financeiras em IFRS Tag Along (100% ON e PN) Nível 1 da Bovespa Comitês de Excelência e de Apoio Diretoria Comitê Executivo Bolsa de Nova York Bolsa de Toronto Processos Funcionais LATIBEX Operações de Negócios Participação nos índices da Bovespa: ISE, IGC, ITAG, Ibovespa, IBrx 50 e INDX 6

7 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU SUBSTITUIÇÃO DO USGAAP PELO IFRS NA SEC EXPECTATIVAS E NOVOS DESAFIOS FATORES DE SUCESSO BRASILEROS 8

8 Experiência Time de implementação: 4 especialistas em USGAAP no Brasil com background em contabilidade norte-americana desde 2000; Equipe técnica de USGAAP da controlada norte-americana. Duração do projeto: 6 meses. Contratação de consultor externo: Suporte nas normas mais complexas. 9

9 Experiência Aproximadamente 60 ajustes identificados: Utilização do método de equivalência patrimonial em substituição ao método de consolidação proporcional para joint ventures; Efeito cambial sobre os investimentos no exterior, antes classificado na linha de equivalência patrimonial, não transita mais pelo resultado e passa a ser registrado no patrimônio líquido; Reclassificação dos fretes sobre vendas para custo; Ágios deixam de ser amortizados; Teste de recuperabilidade dos ativos; Avaliação dos estoques a Preço de Mercado; 10

10 Desafios Superados Interpretação, julgamento e consenso sobre a aplicação das normas; 2 empresas de auditoria externa em função do rodízio de auditores imposto pela CVM; Falta de benchmarking no mercado para ser utilizado como referência; Utilização da base em BRGAAP antes da Lei /07. 11

11 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU SUBSTITUIÇÃO DO USGAAP PELO IFRS NA SEC EXPECTATIVAS E NOVOS DESAFIOS FATORES DE SUCESSO BRASILEROS 12

12 Estrutura do IASB 13

13 Como as normas IFRS são criadas 14

14 Adoção do IFRS no mundo 15

15 Normas do CPC 16

16 Normas do CPC 17

17 Normas do CPC 18

18 Normas do CPC 19

19 Principais Normas Contábeis IFRS 1 Adoção do IFRS Estabelece os procedimentos para entidades que estiverem adotando o IFRS pela primeira vez como base da preparação das suas demonstrações financeiras. Estabelece aspectos opcionais e obrigatórios a fim de facilitar o processo de adoção do IFRS; Balanço de Abertura do IFRS Data de transição para o IFRS Data de reporte Primeiro IFRS com dados comparativos a

20 Principais Normas Contábeis IFRS 2 Pagamento baseado em ações Define a contabilização de transações em que uma entidade recebe ou adquire bens ou serviços como pagamento de seus instrumentos patrimoniais ou incorre em passivos em valores baseados no preço das suas ações ou outros instrumentos patrimoniais; A despesa é reconhecida quando os bens ou serviços recebidos são consumidos; Em transações com funcionários e outros prestadores de serviços similares, a entidade deve avaliar o valor justo dos instrumentos patrimoniais concedidos. 21

21 Principais Normas Contábeis IFRS 3 Combinação de negócios Define a informação financeira que deve ser apresentada pelas entidades que realizam uma combinação de empresas e também os aspectos relacionados ao processo de consolidação; Uma combinação de empresas é a junção de duas entidades ou negócios separados em uma única entidade contábil; O IFRS 3 não se aplica à empresas com controle compartilhado e empresas onde não exista o controle; Ágio e outros ativos intangíveis com vida útil indefinida não são amortizados, mas a perda de valor recuperável (impairment test) deve ser testada pelo menos anualmente. 22

22 Principais Normas Contábeis IFRS 7 Instrumentos financeiros Estabelece as divulgações que permitam aos usuários de demonstrações financeiras avaliarem a relevância de instrumentos financeiros para uma entidade, a natureza e a dimensão dos seus riscos e como ela gerencia esses riscos; O IFRS 7 exige a divulgação de informações sobre a relevância de instrumentos financeiros para a situação financeira e patrimonial da entidade e o seu desempenho; Divulgação de informações sobre a natureza e a dimensão dos riscos decorrentes de instrumentos financeiros; Divulgações qualitativas e quantitativas sobre exposições a cada tipo de risco em separado do risco de crédito, do risco de liquidez e do riso de mercado, inclusive com análises de sensibilidade. 23

23 Principais Normas Contábeis IFRS 8 Segmentos operacionais A entidade deve divulgar informações que permitam aos usuários das suas demonstrações financeiras avaliar a natureza e os efeitos financeiros das atividades comerciais a que se dedica e os ambientes econômicos em que opera; O IFRS 8 é aplicável a demonstrações financeiras de entidades cujos instrumentos patrimoniais ou dívida sejam negociados em um mercado aberto; Um segmento operacional é um componente da entidade cujos resultados operacionais são regularmente revistos pelo Chief Operating Decision Maker, que toma decisões sobre recursos a alocar ao segmento e avalia o seu desempenho; Também são requeridas informações sobre produtos e serviços, bem como transações com grandes clientes (10% ou mais da receita da entidade). 24

24 Principais Normas Contábeis IAS 1 Apresentação das DFs Define a estrutura de apresentação das demonstrações financeiras, tipos de demonstrações requeridas e conteúdo mínimo destas: Ativos e passivos e receitas e despesas não podem ser compensados exceto quando essa compensação seja permitida ou exigida por outro IFRS; A apresentação das despesas na demonstração do resultado pode ser feita por natureza ou função. Se forem apresentadas por função, a classificação por natureza deve ser fornecida nas notas explicativas. 25

25 Principais Normas Contábeis IAS 2 Estoques Define o tratamento contábil dos estoques, inclusive a apuração do custo e reconhecimento de despesas; Os estoques devem ser apresentados no menor valor entre custo e valor líquido de realização; Custos incluem o custo de aquisição, de conversão (materiais, mãode-obra e custos fixos) e outros custos para levar o estoque até a sua localização e condições atuais, mas não as variações cambiais. 26

26 Principais Normas Contábeis IAS 7 Fluxo de caixa Estabelece a apresentação de informações sobre o histórico de variações nas disponibilidades da entidade através da apresentação do fluxo de caixa no período de acordo com as atividades operacionais, de investimento e de financiamento; Equivalentes de caixa incluem aplicações financeiras de curto prazo (prazo inferior a três meses desde a data de aquisição), imediatamente conversíveis em um valor em dinheiro conhecido e sujeitas a um risco irrelevante de variação de valor; Os fluxos de caixa de atividades operacionais são apresentados através do método direto ou indireto. 27

27 Principais Normas Contábeis IAS 12 Imposto de Renda Define o tratamento contábil dos tributos sobre a renda. Estabelece os princípios e fornece orientações sobre a contabilização dos efeitos do imposto de renda corrente e diferido: Deve ser registrado um ativo fiscal diferido para as diferenças temporárias e prejuízos fiscais e créditos fiscais a compensar, desde que seja provável que haverá lucro tributável disponível para compensar as diferenças temporárias dedutíveis; Os ativos e passivos fiscais diferidos devem ser avaliados com base nas alíquotas previstas para o período quando o passivo é liquidado ou o ativo é realizado; Impostos diferidos devem ser apresentados no grupo não circulante do balanço patrimonial. 28

28 Principais Normas Contábeis IAS 19 Benefícios a Empregados Define a contabilização e a divulgação de benefícios de funcionários, salários, participação nos resultados, pensões, seguro de vida, benefícios médicos, etc; O custo da concessão de benefícios a funcionários deve ser registrado no período em que a entidade recebe serviços do funcionário e não quando os benefícios são pagos ou se tornam exigíveis; Planos de benefícios pós-emprego são classificados como planos de contribuição definida ou planos de benefício definido. 29

29 Principais Normas Contábeis IAS 27 Demonstrações financeiras consolidadas e investimentos em subsidiárias Define os requisitos para a elaboração e apresentação de demonstrações financeiras consolidadas de um grupo de entidades sob o controle de uma controladora. Define como contabilizar investimentos em controladas, controladas em conjunto e associadas em demonstrações financeiras separadas; Controle é o poder de dirigir as políticas operacionais e financeiras; A data das demonstrações financeiras das controladas não pode ter mais de três meses de diferença em relação a data das demonstrações financeiras do grupo; Saldos, transações, receitas e despesas entre empresas relacionadas são integralmente eliminadas. 30

30 Principais Normas Contábeis IAS 28 Investimentos em associadas Estabelece a contabilização pelo investidor de investimentos em associadas sobre as quais tenha influência significativa; O método de equivalência patrimonial deve ser utilizado para todos os investimentos em associadas sobre os quais tenha influência significativa; Presume-se influência significativa se o investimento detido, direta e indiretamente, é superior a 20% do capital da associada; A data das demonstrações financeiras das empresas associadas não pode ter mais de três meses de diferença em relação a data das demonstrações financeiras do investidor. 31

31 Principais Normas Contábeis IAS 31 Joint ventures Define o tratamento contábil exigido para participação em joint ventures e empresas controladas em conjunto. É permitido o método da consolidação proporcional ou o método da equivalência patrimonial; A característica-chave de uma joint venture é o contrato de compartilhamento de controle; Pelo método de consolidação proporcional, o balanço patrimonial do membro inclui a sua parcela do ativo controlado em conjunto e do passivo de que é co-responsável. A demonstração do resultado inclui a parcela das receitas e despesas das controladas em conjunto da entidade. 32

32 Principais Normas Contábeis IAS 32 Apresentação dos instrumentos financeiros Estabelece princípios para a classificação e apresentação de instrumentos financeiros como passivos ou patrimônio líquido e a compensação de ativos e passivos financeiros; A classificação pela emitente de um instrumento como passivo ou instrumento patrimonial deve ser com base na essência e não na forma do instrumento, sendo a classificação efetuada no momento da emissão do instrumento; Um instrumento constitui um passivo financeiro se a emitente estiver obrigada a repassar dinheiro ou outro ativo financeiro ou o titular tiver o direito de exigir dinheiro ou outro ativo financeiro; Um instrumento que não gere essa obrigação contratual é um instrumento patrimonial. 33

33 Principais Normas Contábeis IAS 33 Lucro por ação Estabelece os princípios para a apuração e a apresentação do lucro por ação de forma a melhorar as comparações de desempenho entre diferentes entidades no mesmo período e entre diferentes períodos contábeis da mesma entidade; Aplica-se a entidades negociadas em bolsa e entidades em processo de abertura de capital; Existem dois tipos de lucro por ação: Básico: lucro dividido pela média ponderada do número de ações em circulação no período; Diluído: lucro dividido pela média ponderada do número de ações em circulação no período, ajustado para o número de ações que seriam emitidas com a conversão de todas as potenciais opções de ações. 34

34 Principais Normas Contábeis IAS 36 Deterioração de ativos Assegura que os ativos não estejam registrados acima do seu valor recuperável e estabelece como esse valor recuperável é apurado; A perda por deterioração de ativos deve ser registrada quando o valor contábil de um ativo excede o valor recuperável; O valor recuperável é o maior entre o valor justo do ativo menos custos de venda e o seu valor em uso; O valor em uso é o valor presente do fluxo de caixa futuro estimado que será gerado pelo uso contínuo de um ativo e a sua alienação ao final da sua vida útil; A perda por deterioração de ativos contabilizada pode ser revertida no futuro, exceto se forem referentes a goodwill. 35

35 Principais Normas Contábeis IAS 37 Provisões e contingências Estabelece critérios de reconhecimento e bases de avaliação de provisões, passivos contingentes e ativos contingentes e assegura que seja divulgada informação suficiente nas notas explicativas de maneira a permitir aos usuários entender a sua natureza, o seu prazo e o seu valor; Só se deve constituir uma provisão quando um evento passado tenha gerado uma obrigação legal ou implícita, existir a probabilidade de uma saída de recursos e o valor da obrigação puder ser estimado com segurança; Ativos contingentes requerem apenas divulgação. Caso a realização da receita seja praticamente certa, o respectivo ativo deixa de ser um ativo contingente e o seu reconhecimento passa a ser adequado. 36

36 Principais Normas Contábeis IAS 38 Intangíveis Define o tratamento contábil de reconhecimento, avaliação e divulgação de todos os ativos intangíveis que não sejam especificamente tratados em outro IFRS; Exige que a entidade reconheça um ativo intangível, seja ele adquirido ou criado internamente, se: For provável que os benefícios econômicos futuros atribuíveis ao ativo serão auferidos pela entidade; e O custo do ativo possa ser avaliado com segurança. Os custos de desenvolvimento são capitalizados apenas quando for confirmada a viabilidade técnica e comercial do produto ou serviço resultante; Ativos intangíveis com vida útil indefinida não são amortizados. 37

37 Principais Normas Contábeis IAS 39 Reconhecimento e mensuração de instrumentos financeiros Estabelece os princípios de reconhecimento, baixa e avaliação de ativos e passivos financeiros; Todos os ativos e passivos financeiros, inclusive todos os instrumentos financeiros derivativos e certos derivativos embutidos, devem ser registrados no balanço patrimonial; Valor justo é o valor pelo qual um ativo pode ser trocado ou um passivo liquidado; O IAS 39 estabelece condições para se apurar quando o controle sobre um ativo ou passivo financeiro foi transferido para a outra parte, devendo então ser baixado do balanço. 38

38 Reconciliação entre BR GAAP x IFRS Patrimônio Líquido 39

39 Reconciliação entre BR GAAP x IFRS Lucro Líquido 40

40 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU SUBSTITUIÇÃO DO USGAAP PELO IFRS NA SEC EXPECTATIVAS E NOVOS DESAFIOS FATORES DE SUCESSO BRASILEROS 41

41 Benefícios para o Grupo Gerdau Ser Benchmarking para os mercados onde o Grupo Gerdau possui ações em bolsa: Controladora: Bovespa, NYSE e Latibex Subsidiárias: NYSE, Canadá e Perú Remuneração de dividendos em bases iguais; Similaridade entre o IFRS e o USGAAP; Utilização do sistema de consolidação já existente com complemento de dados em planilhas eletrônicas; 42

42 Benefícios para o Grupo Gerdau Utilização de check-list de captura de ajustes contábeis em subsidiárias já utilizado para fins de USGAAP/SOX; Maior facilidade na captação de recursos financeiros devido a utilização do IFRS nos prospectos; Melhor entendimento das demonstrações financeiras pelos investidores estrangeiros em virtude do IFRS ser uma norma contábil presente em mais de 110 países. Veja gráfico com a distribuição dos acionistas a seguir: 43

43 Benefícios para o Grupo Gerdau CONTROLE ACIONÁRIO Gerdau S.A. Met. Gerdau e outras empresas Gerdau 48,9% Invest. Inst. Brasileiros 12,0% Invest. Inst. Estrangeiros 11,4% Ações em Tesouraria 0,7% Outros Acionistas 13,9% ADRs 13,1% 44

44 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU SUBSTITUIÇÃO DO USGAAP PELO IFRS NA SEC EXPECTATIVAS E NOVOS DESAFIOS FATORES DE SUCESSO BRASILEROS 45

45 Substituição do USGAAP na SEC A partir de Dezembro/2008 a Gerdau passou a divulgar suas Demonstrações Financeiras em IFRS na SEC, em substituição ao US GAAP até então apresentado; Adoção da SOX para as Demonstrações Financeiras em IFRS; Preparação de reconciliação entre US GAAP e IFRS para divulgação junto com as Demonstrações Financeiras na SEC; 46

46 Substituição do USGAAP na SEC Adaptação do GBS (Gerdau Business System) as práticas contábeis do IFRS para a uniformização de normas em todas as subsidiárias do grupo no mundo; Utilização do IFRS como único padrão contábil para todas as divulgações financeiras e também como fonte de informações para a tomada de decisões do negócio; 47

47 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU SUBSTITUIÇÃO DO USGAAP PELO IFRS NA SEC EXPECTATIVAS E NOVOS DESAFIOS FATORES DE SUCESSO BRASILEROS 48

48 Expectativas e novos desafios Utilização do IFRS na estrutura gerencial para a tomada de decisões; Adaptação do GBS (Gerdau Business System) as práticas contábeis do IFRS para a uniformização das normas em todas as subsidiárias do grupo no mundo; Adoção do IFRS nas Controladas; Capacitação dos Gestores na Metodologia; Evolução do Sistema Tributário Brasileiro. 49

49 Agenda Adoção do IFRS pelo Grupo Gerdau GRUPO GERDAU EXPERIÊNCIA IFRS / CPC BENEFÍCIOS PARA O GRUPO GERDAU SUBSTITUIÇÃO DO USGAAP PELO IFRS NA SEC EXPECTATIVAS E NOVOS DESAFIOS FATORES DE SUCESSO BRASILEIROS 50

50 Criação do Órgão CPC Papel dos Reguladores: CVM BC CFC SUSEP Ibracon RFB FATORES DE SUCESSO BRASILEIRO 51

51 Perguntas e respostas OBRIGADO! Geraldo Toffanello

Apresentação para Investidores. Março, 2009

Apresentação para Investidores. Março, 2009 Apresentação para Investidores Março, 2009 1 Filosofia Gerdau VISÃO Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB) (parte) Descrição Item Objetivo 1 Alcance e Finalidade

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 Thais R. Bandeira de Mello Rodrigues Associada 55 21 2127-4236 trodrigues@mayerbrown.com Março, 2015 Tauil & Chequer Advogados is associated with Mayer Brown LLP,

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 16 / 2008. Prazo: 4 de dezembro de 2008

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 16 / 2008. Prazo: 4 de dezembro de 2008 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 16 / 2008 Prazo: 4 de dezembro de 2008 A Comissão de Valores Mobiliários CVM submete, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), à Audiência Pública,

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36. Demonstrações Consolidadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36. Demonstrações Consolidadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 36 Demonstrações Consolidadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 27 Índice Item ALCANCE 1 3 DEFINIÇÕES 4 8 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Combinações de Negócios

Combinações de Negócios Comparações entre Práticas Contábeis IFRS 3, IAS 38, IAS 39 Pontos-chave para comparar diferenças O ágio é capitalizado; porém, não mais é amortizado de acordo com a IFRS 3. Em vez disso, o valor do ágio

Leia mais

RBS Participações S.A. e empresas controladas

RBS Participações S.A. e empresas controladas Demonstrações consolidadas do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais, exceto valor por ação (Tradução livre do original em inglês) Nota 2014 2013 Receita líquida 18 (a) 487.758

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Equipe técnica Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ed Ruiz Rogério Mota Emerson Ferreira Jonas Dal

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO . COMUNICADO AO MERCADO Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS Apresentamos as principais alterações em nossas demonstrações contábeis decorrentes da adoção do padrão contábil internacional

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Banco Cooperativo Sicredi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Banco Cooperativo Sicredi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Banco Cooperativo Sicredi S.A. e Empresas Controladas Com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras consolidadas Conteúdo Relatório

Leia mais

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A.

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

Abril Comunicações S.A.

Abril Comunicações S.A. Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

RBS Participações S.A. e empresas controladas

RBS Participações S.A. e empresas controladas Balanços patrimoniais consolidados em 31 de dezembro Em milhares de reais (Tradução livre do original em inglês) Ativo Nota 2013 2012 Passivo e patrimônio líquido Nota 2013 2012 Circulante Circulante Caixa

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 2 Demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009 As demonstrações financeiras, modelo

Leia mais

14 th Americas School of Mines

14 th Americas School of Mines GAAP no Brasil (CPC) Leandro Ardito Agenda Práticas contábeis adotadas no Brasil: visão geral e convergência com IFRS Norma internacional (IFRS 6) Políticas contábeis aplicadas pela indústria de mineração

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS. Dezembro de 2014

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS. Dezembro de 2014 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS Dezembro de 2014 Índice Geral Pág. Relatório dos Auditores Independentes 02 Demonstrativos Contábeis 05 Notas Explicativas da Administração 11 Relatório dos

Leia mais

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas 31 de dezembro de 2012 com o Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações contábeis 31 de dezembro

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

Lojas Americanas S.A.

Lojas Americanas S.A. 1. Contexto operacional A Lojas Americanas S.A. ("LASA" ou a "Companhia") é uma sociedade anônima de capital aberto com ações negociadas na Bolsa de Valores do Estado de São Paulo sob os códigos LAME3

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R2) Sumário COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R2) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método da Equivalência

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada. Alcance

NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada. Alcance NBC TSP 7 - Investimento em Coligada e em Controlada Alcance 1. Uma entidade que elabora e apresenta demonstrações contábeis segundo o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização dos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Azul S.A. 31 de dezembro de 2013, 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Azul S.A. 31 de dezembro de 2013, 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Azul S.A. 2013, 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 2013, 2012 e 2011 Índice Relatório dos auditores independentes...1 Demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Demonstrações contábeis em 31 de março de 2014 e 2013

Demonstrações contábeis em 31 de março de 2014 e 2013 e 2013 KPDS: 87915 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações de resultados abrangentes 7 Demonstrações

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5

Relatório dos Auditores Independentes... 3. Relatório do Comitê de Auditoria... 4. Demonstração Consolidada do Resultado... 5 Demonstrações Contábeis Consolidadas de acordo com as Normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB 2014 Bradesco 1 Sumário oação de

Leia mais

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Demonstrações contábeis Referentes aos exercícios findos em 31

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Dezembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S.A. Reapresentação das Informações Trimestrais - ITR em 30 de junho de 2010 e relatório de revisão dos

Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S.A. Reapresentação das Informações Trimestrais - ITR em 30 de junho de 2010 e relatório de revisão dos Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S.A. Reapresentação das Informações Trimestrais - ITR em 30 de junho de 2010 e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores

Leia mais

G:\DEZ\EVEN10.DEZ.MOD

G:\DEZ\EVEN10.DEZ.MOD EVEN Construtora e Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Financeiras Cia. Iguaçu de Café Solúvel

Demonstrações Financeiras Cia. Iguaçu de Café Solúvel Demonstrações Financeiras Cia. Iguaçu de Café Solúvel com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras...

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

METALÚRGICA GERDAU S.A. E EMPRESAS CONTROLADAS

METALÚRGICA GERDAU S.A. E EMPRESAS CONTROLADAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTERINAS CONSOLIDADAS EM 30 DE SETEMBRO DE 2007 E DE 2006 Elaboradas em conformidade com o padrão contábil internacional estabelecido pelo International Accounting Standards

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul

Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Índice

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Alpargatas S.A. 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. Alpargatas S.A. 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Alpargatas S.A. 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012 Índice Relatório dos auditores independentes...

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Exercício 2008. Checklist para elaboração de demonstrações financeiras

Exercício 2008. Checklist para elaboração de demonstrações financeiras Exercício 2008 Checklist para elaboração de demonstrações financeiras 2 Checklist De acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil Este checklist foi desenvolvido com a finalidade de auxiliar na

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Qualicorp S.A.(anteriormente QC Holding I Participações S.A). e Controladas

Qualicorp S.A.(anteriormente QC Holding I Participações S.A). e Controladas Qualicorp S.A.(anteriormente QC Holding I Participações S.A). e Controladas Demonstrações Financeiras Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Período de Três Meses Findo em 31 de Março

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 (Em milhares de reais - R$, exceto quando mencionado

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 (R1) Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 (R1) Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 (R1) Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB BV 2011) Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A.

Salus Infraestrutura Portuária S.A. Salus Infraestrutura Portuária S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL

Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - ECOSUL Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

PARTICIPAÇÕES INDUSTRIAIS DO NORDESTE S.A.

PARTICIPAÇÕES INDUSTRIAIS DO NORDESTE S.A. PARTICIPAÇÕES INDUSTRIAIS DO NORDESTE S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório da Administração Relatório

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 729, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 729, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova a Interpretação Técnica ICPC 09(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de demonstrações contábeis individuais, demonstrações separadas, demonstrações consolidadas e aplicação do método

Leia mais

InterCement Brasil S.A.

InterCement Brasil S.A. InterCement Brasil S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de Acordo com as Normas Contábeis Internacionais - IFRS. Banco Original S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de Acordo com as Normas Contábeis Internacionais - IFRS. Banco Original S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de Acordo com as Normas Contábeis Internacionais - IFRS Banco Original S.A. 31 de Dezembro de ÍNDICE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis www.pwc.com.br Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis Novembro de 2013 Agenda 2013 Normas novas e revisadas IAS 1 Apresentação das demonstrações financeiras

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2014 - GERDAU SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2014 - GERDAU SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

Prosegur Activa Alarmes S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011

Prosegur Activa Alarmes S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Prosegur Activa Alarmes S.A. Prosegur Activa de Alarmes S.A Conteúdo Balanços patrimoniais 3 Demonstrações de resultados 4 Demonstrações das mutações do patrimônio líquido 5 Demonstrações dos fluxos de

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

A Sede Social da Companhia está localizada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 1455 Itaim Bibi - Cep:04543-011 São Paulo/SP

A Sede Social da Companhia está localizada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 1455 Itaim Bibi - Cep:04543-011 São Paulo/SP 1. Contexto operacional A Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações ( Companhia ) é uma sociedade anônima de capital aberto com sede em São Paulo, Estado de São Paulo, tendo suas ações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 11 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2013 KPDS 83595 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 3 Balanços patrimoniais consolidados 5 Demonstrações de resultados consolidadas 6 Demonstrações

Leia mais

Concessionária da Rodovia Presidente Dutra S.A. (Companhia aberta)

Concessionária da Rodovia Presidente Dutra S.A. (Companhia aberta) Concessionária da Rodovia Presidente Dutra S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01446-0 CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS 73.178.600/0001-18

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01446-0 CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS 73.178.600/0001-18 ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 30/09/2009 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS

Leia mais

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção Notas Explicativas Eduardo Assumpção 1 Notas Explicativas Os Casos Práticos que Serão Apresentados 4 Marco Regulatório da Convergência IFRS Pequenas e Médias Empresas I F R S P M E 5 Conteúdo Programático

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

TAM S.A. TAM S.A e suas controladas Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores

TAM S.A. TAM S.A e suas controladas Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores TAM S.A e suas controladas Demonstrações Financeiras individuais e consolidadas em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Índice das Demonstrações Financeiras Balanços patrimoniais

Leia mais

A Administração 1 (a) Contexto operacional A Cia. Iguaçu de Café Solúvel ("Companhia"), localizada na BR 369, Km 88 (Rodovia Mello Peixoto), Cornélio Procópio, Paraná, tem por objetivo básico a produção

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.198/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.198/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.34 para NBC TG 40 e de outras normas citadas: de NBC T 17 para NBC TG 05; de NBC T 7 para NBC TG 02; de NBC T 19.11

Leia mais