Sistemas Operacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Operacionais"

Transcrição

1 Sistemas Operacionais ESCOLA Sistemas Operacionais 1

2 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Sumário Sistemas Operacionais 1 1 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS... 4 O que é o Sistema Operacional? TIPOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS... 5 Sistemas Multitarefas e Multiusuários :... 5 Multiprogramação:... 5 Multiprocessamento: História do MS-DOS Nomenclatura de Arquivos MS-DOS... 6 Extensões de Arquivos COMANDOS DO MS-DOS ARQUIVOS EM LOTE INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL LINUX História Licença GPL GNU Distribuições Strutura de Diretórios Usuário Administrador NÍVEIS DE INICIALIZAÇÃO Carregando Informações Para a Inicialização Gerenciadores de Inicialização do Linux LILO Grub O Processo init Prompt de Comando Identificação de discos e partições em sistemas Linux Relação de comandos MS-DOS ---LINUX COMANDOS LINUX (UTILIZANDO) BIBLIOGRAFIA

3 3 Sistemas Operacionais

4 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo 1 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS Programas computacionais ou softwares constituem o elo entre o aparato eletrônico ou hardware e o ser humano. Tal elo se faz necessário dada a discrepância entre o tipo de informação manipulada pelo homem e pela máquina. A máquina opera com cadeias de códigos binários, enquanto o homem opera com estruturas mais abstratas como conjuntos arquivos, algoritmos, etc. Programas computacionais podem ser grosseiramente divididos em dois tipos: -> programas do sistema que manipulam a operação do computador; -> programas aplicativos que resolvem problemas para o usuário; O mais importante dos programas do sistema é o sistema operacional, que controla todos os recursos do computador e proporciona a base de sustentação para a execução de programas aplicativos. O que é o Sistema Operacional? A maioria de usuários de computador têm alguma experiência com sistemas operacionais, mas é difícil definir precisamente o que é um sistema operacional. Parte do problema decorre do fato do sistema operacional realizar duas funções básicas e dependendo do ponto de vista abordado, uma das funções é mais destacada que a outra. 4

5 Sistemas Operacionais 2 TIPOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Sistemas Multitarefas e Multiusuários : Um sistema operacional multitarefa se distingue pela sua habilidade de suportar a execução concorrente de processos sobre um processador único sem necessariamente prover forma elaborada de gerenciamento de recursos CPU, memória, etc. Sistemas operacionais multiusuários permitem acessos simultâneos ao computador através de dois ou mais terminais de entrada. Embora freqüentemente associada com multiprogramação, multitarefa não implica necessariamente em uma operação multiusuário. Operação multiprocessos sem suporte de multiusuários podeser encontrado em sistemas operacionais de alguns computadores pessoais avançados e em sistemas de tempo real. Multiprogramação: Multiprogramação é um conceito mais geral que multitarefa e denota um sistema operacional que prove gerenciamento da totalidade de recursos tais como CPU, memória, sistema de arquivos, em adição ao suporte da execução concorrente dos processos. Quando um sistema operacional permite apenas a monoprogramação, a execução de programas passa por diversas fases, alternando momentos em que o processo se encontra executando ou bloqueado. Através do uso da multiprogramação é possível reduzir os períodos de inatividade da CPU e consequentemente aumentar a eficiência do uso do sistema como um todo. O termo multiprogramação denota um sistema operacional o qual em adição ao suporte de múltiplos processos concorrentes, permite que instruções e dados de dois ou mais processos disjuntos estejam residentes na memória principal simultaneamente. Multiprocessamento: Embora a maioria dos computadores disponha de uma única CPU que executa instruções uma a uma, certos projetos mais avançados incrementaram a velocidade efetiva de computação permitindo que varias instruções fossem executadas ao mesmo tempo. Um computador com múltiplos processadores que compartilhem uma memória principal comum é chamado um multiprocessador. O sistema que suporta tal configuração é um sistema que suporta o multiprocessamento. 5

6 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo 2.1 História do MS-DOS MS-DOS (MicroSoft Disk Operating System), provavelmente o sistema operacional com maior número de usuários, foi desenvolvido de forma não tão profissional. Quando a IBM decidiu lançar seu computador pessoal no início da década de 1980, a empresa não estava interessada no desenvolvimento de hardware ou software para este sistema. Desta forma, ela selecionou como plataforma de hardware o processador 8088 da Intel, com arquitetura interna de 16 bits mas trabalhando em um barramento externo de dados de 8 bits. Apesar de que já existia na época o processador 8086, com barramento externo de 16 bits, os periféricos para o 8088 eram muito mais baratos, o que determinou a escolha final. Afinal de contas, este era apenas um computador pessoal, que seria utilizado apenas para jogos. Pelo mesmo raciocínio, a IBM procurou uma pequena empresa de Seattle, a Microsoft, para licenciar uma versão de um interpretador BASIC para o seu computador pessoal. O proprietário da empresa, Bill Gates, havia desenvolvido um interpretador BASIC para o primeiro computador pessoal, o Altair. Aproveitando a ocasião, a IBM manifestou interesse em um sistema operacional. Na época, a Microsoft vendia o sistema Unix sob licença da AT&T, mas este sistema seria muito grande para os recursos oferecidos pela máquina ( 64KBytes de memória, sem disco rígido). A recomendação foi adotar o sistema CP/M-86 da Digital Research, a empresa que havia produzido o então popular sistema operacional CP/M para processadores de 8 bits. No entanto, o cronograma para o CP/M- 86 estava atrasado, e a IBM não queria esperar. Voltando a Gates, pediu-lhe que produzisse um sistema operacional para 16 bits. Gates então comprou o software 86- DOS da empresa Seattle Computer Products (que o utilizava para testar as placas de memória que produzia) e contratou o autor do programa, Tim Patterson, para fazer uma adaptação rápida. Desta forma, nasceu MS-DOS, embarcado em IBM-PCs a partir de Provavelmente, se a IBM ou a Microsoft pudessem imaginar o nível de sucesso que esta combinação iria obter, mais cuidado teria sido dado ao desenvolvimento do sistema. O motivo do sucesso deste sistema foi o fato de ter sido adotada uma arquitetura aberta, onde os componentes estavam disponíveis em qualquer loja de eletrônica e os diagramas esquemáticos e código básico podiam ser encontrados no livro que descrevia o sistema. Desta forma, diversos fabricantes passaram a desenvolver modelos compatíveis com o IBM-PC e MS- DOS era o sistema operacional de todos eles. Entre as características do IBM-PC que tiveram reflexo no software desenvolvido para ele estão o modelo de memória e a falta de proteção de hardware. Apesar do processador 8088 ter um espaço de endereçamento de 1Mbyte, apenas os primeiros 640KBytes (dez vezes maior que a memória física) estavam disponíveis como RAM, sendo o restante do espaço de endereçamento alocado a outras memórias, como ROM e memória de vídeo. Esta característica trouxe reflexos posteriores, quando nenhum programa rodando em MS-DOS podia ser maior que 640 Kbytes. 2.2 Nomenclatura de Arquivos MS-DOS Bem, no MS-DOS a forma que os usuários tratam o nomes dos arquivos e diretórios, é bem diferente do que estamos acostumados nos dias atuais com o Windows. Isso dá-se ao fato de que no Windows podemos utilizar os nomes longos, e os mesmos não são suportados no bom e velho MS-DOS. Para podermos trabalhar com nomes do DOS temos que cuidar e respeitar a regra 8.3, ou seja, 8 caracteres para nome do arquivo e/ou diretório e mais 3 caracteres para a extensão (tipo). Segue alguns exemplos: carta.doc casa.txt Bem o problema é a conversão de nomes longos (Windows) para o formato DOS. Segue abaixo exemplos da conversão de nomes: Arquivos de Programas -> arquiv~1 Meus Documentos -> meusdo~1 minharedação.doc -> minhar~1.doc Para executar a conversão, basta repetir os 6 primeiros caracteres do nome mais o operador ~ e colocar o número 1, ou seja, trabalhamos com o radical dos nomes com 6 dígitos. 6

7 Extensões de Arquivos Sistemas Operacionais Extensões são os itens que definem qual o tipo dos nossos arquivos, ou a qual programa eles pertencem. Segue abaixo uma tabela de referência:.bak - arquivos de backup.bas - programa fonte em basic.dat - arquivo de dados.doc - arquivo documento, arquivo texto.txt - arquivo texto.$$$ - arquivo temporario, inútil, lixo.bat - arquivo de comandos em lote ( batch).exe - programa executável.xls Arquivos do Excel.PAS Arquivos do Pascal.C Arquivos do C.BIN Arquivos Binários.HTML Arquivos de Páginas da Internet.PHP Linguagem PHP Prompt de Comandos do MS-DOS O interpretador de comando do MS-DOS é o command.com. No MS-DOS existem dois tipos básicos de comandos: comandos internos e os comandos externos. Comandos Internos: são os comando que estão incorporados no comammand.com, como cls, dir, type, md. Comandos Externos: são comandos que não estão incorporados ao command.com, ou seja, programas adicionais ao ms-dos. 7

8 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo 3 COMANDOS DO MS-DOS Comando Interno CLS O comando CLS limpa a tela de vídeo e mostra novamente o sinal de pronto de DOS no canto superior esquerdo da tela. FORMATO DO COMANDO CLS: C:\>CLS Comando Interno DIR Mostrar o diretório de arquivos quer dizer, mostrar a lista de arquivos e diretórios que estão no disco. O comando DIR, faz com que o DOS apresente o nome dos arquivos disponíveis no DRIVE atual. FORMATO DO COMANDO DIR: C:\>DIR[unidade do drive: ][caminho][nome-do-arquivo] Exemplos: C:\>dir Mostra a lista de um diretório do disco corrente. C:\>dir a: Mostra a lista do diretório do DRIVE A: C:\>dir texto.doc Mostra o arquivo TEXTO.DOC, caso ele esteja no disco utilizado USANDO CARACTERES CURINGAS: Podemos mostrar apenas parte de um diretório utilizando caracteres globais. Caracteres globais são caracteres que substituam um conjunto, ou apenas outro caracter qualquer, são dois os caracteres globais: a) * (asterisco)-substitui um conjunto qualquer de caracteres. C:\>dir *.txt Mostra todos os arquivos com qualquer nome principal e com extensão igual a TXT. C:\>dir arq.* Mostra todos os arquivos do diretório que tenham o nome principal igual a ARQ com qualquer extensão. b)? (interrogação)-substitui um único caracter qualquer. C:\>dir???.txt Mostra todos os arquivos que tenham nome principal com três letras e extensão igual.txt. C:\>dir arq.?? Mostra todos os arquivos que tenham nome principal igual a ARQ e extensão com quaisquer duas letras. USANDO PARÂMETROS: Podemos utilizar alguns parâmetros para o comando DIR, para auxiliar na pesquisa de arquivos. Parâmetros são especificações que um comando pode receber, normalmente os parâmetros estão após uma barra (/). a) /P-causa uma pausa quando a relação de nomes de arquivos atingir uma tela cheia, fica aguardando que se tecle algo para continuar. C:\>dir a:/p b) /W- Mostra apenas os nomes do arquivo, de forma horizontal, 5 nomes de arquivos em cada linha mostrada. 8

9 Sistemas Operacionais C:\>dir b:/w c) /A- Exibe arquivos com atributos especificados. atributos: D- diretórios R- arquivos apenas de leitura S- arquivos de sistema H- arquivos ocultos - - prefixo não A- arquivos C:\>dir a:/h d) /O- Mostra os arquivos na ordem alfabética de classificação: N- por nome S- por tamanho D- data e hora E- por extensão G- primeiro diretórios - - prefixo de negação C:\>dir/o:n e) /S- Mostra os arquivos do diretório corrente e dos subdiretórios do diretório corrente. C:\>dir/s f) /B- Mostra apenas o nome dos arquivos do diretório atual. C:\>dir/b g) /L- Mostra letras minúsculas no lugar de maiúsculas. C:\>dir/l Comando Interno MD (MAKE DIR) Cria um novo subdiretório abaixo do diretório atual ou no caminho especificado. FORMATO DO COMANDO MD: MD [unidade:\caminho] nome do diretório novo C:\>md TESTE Cria um subdiretório chamado TESTE um nível abaixo do subdiretório atual. C:\>md \TESTE Cria um subdiretório chamado TESTE um nível abaixo da raiz. C:\>md B: \TELAS\PCX Cria um subdiretório chamado PCX um nível abaixo do subdiretório TELAS na unidade B: Comando Interno RD (REMAKE DIR) Podemos remover um determinado diretório usando o comando RD. Para remover um diretório o mesmo deve estar vazio, ou seja, não pode conter nem arquivos nem subdiretórios. FORMATO DO COMANDO RD: RD [unidade:\caminho] \nome do subdiretório C:\>rd DBASE O comando irá remover o diretório chamado DBASE Comando Interno CD (CHANGE DIR) Altera o diretório atual. FORMATO DO COMANDO CD: A:\>CD:[drive:\caminho][..] 9

10 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Exemplos A:\>CD C:\WORD\DOC Transforma o subdiretório \WORD\DOC como padrão da unidade C. A:\>CD.. Passa para um subdiretório de um nível acima. A:\>CD DOC Vai ao subdiretório DOC do atual diretório. A:\>CD\ Passa para a raiz de diretórios. CRIAÇÃO DE ÁRVORE DE DIRETÓRIO A:\>MD DOS A:\ A:\>CD DOS A:\DOS>MD SUBDOS DOS A:\DOS>CD\ SUBDOS A:\>MD UTIL UTIL Comando Externo TREE O comando TREE é um comando que mostra graficamente a árvore de diretórios e subdiretórios de um determinado disco. FORMATO DO COMANDO TREE: TREE [unidade:][caminho][/opções] USANDO PARÂMETROS: /F - Exibe os nomes dos arquivos em cada diretório. /A - Utiliza o código ASCII ao invés de caracteres estendidos C:\>tree O comando irá mostrar todos os diretórios e subdiretórios do disco corrente. FORMATO DO COMANDO DELTREE: DELTREE unidade: caminho [/Y] Sempre que solicitamos ao DELTREE que renova um diretório, ele nos emitirá a seguinte pergunta: Excluir diretório NOME e todos seus subdiretórios? [S/N]_ A:\> DELTREE UTIL O comando eliminará o diretório UTIL e todo quanto estiver dentro deste. A:\>DELTREE/Y DOS O comando eliminará o diretório DOS e todo quanto estiver dentro deste, sem solicitar pela confirmação. Comando Externo Help Este comando executa o help do DOS, mostrando todos os comandos do DOS, a sua utilização, exemplos e também observações sobre o comando, traz também as novidades do MS-DOS Para se utilizar do help digita help e pressione ENTER, surgirá uma tela com destaques verdes; com as teclas de cursor, se posiciona o cursor da tela em baixo de uma palavra destacadas por sinais de menor e maior em verde, ao se pressionar ENTER o help ira a uma tela com explicações da palavra selecionada. Esta tela tem algumas palavras destacadas também, que com o mesmo procedimento se vai a outras telas. Para voltar a uma tela anterior basta pressionar ALT+V. Existe uma opção de imprimir a tela corrente no menu Arquivo, se obtém um documento com explicações dos comandos desejados. No help no DOS existe uma forma de se obter um help rápido de um comando, digitando-se /? após o nome do comando. Há também o comando FASTHELP, que mostra todos os comandos do DOS com uma breve explicação de cada um. 10

11 Sistemas Operacionais Comando Interno COPY O comando interno COPY é utilizado para copiar um ou mais arquivos de um disquete para outro ou de um disquete para o disco rígido ou vice-versa. O comando COPY permite que todo o conteúdo de um disquete seja copiado para outro de formato diferente, pois a cópia é feita arquivo por arquivo e não trilha a trilha. FORMATO DO COMANDO COPY: C:\>COPY [ORIGEM - ARQUIVO ] [DESTINO-ARQUIVO] C:\> copy A:\*.* B: <ENTER> copia todos os arquivos do drive A para o drive B UTILIZANDO CARACTERES CURINGA: Existem dois caracteres curingas, assim como no comando DIR: * - Copia todos os arquivos que atendam as especificações de nome e extensão do arquivo. A:\> copy *.TXT B: Copia todos os arquivos que tenham qualquer nome principal, e que possuam a extensão.txt para o drive B:? - Copia todos os arquivos que atendam a quantidade de caracteres globais? colocados no nome para a cópia. A:\>copy?????.TXT B: Copia todos os arquivos que tenham qualquer nome principal com até 5 caracteres e que tenham extensão igual a.txt para o drive B: USANDO PARÂMETROS: Alguns parâmetros que podemos usar são: /A: Indica um arquivo de texto ASCII. /B: Indica um arquivo binário. /V: Verifica se os arquivos foram gravados corretamente. OUTROS EXEMPLOS: 1)Copiando o arquivo para outro disco com o mesmo nome. digite COPY TRAB1.TXT C: 2)Copiando o arquivo para outro disco, alterando o nome. digite COPY TRAB1 C:\COPIA1 3)Copiando o arquivo para o mesmo disco com o nome diferente. digite COPY TRAB1.TXT COPIA1.DOC 4)Copiando arquivos para outro disco com o mesmo nome. digite COPY TRAB?.* C: 5)Copiando arquivos para outro disco com o mesmo nome, mas com extensão diferente. digite COPY TRAB?.* C:\*.BAK 6)Copiando todos os arquivos para outro disco com o mesmo nome. digite COPY *.* C: Na versão 6.22, o comando COPY pede confirmação para regravar um arquivo que já existe no diretório ou drive de destino. Para cada arquivo existente, o comando pergunta se você quer confirmar a regravação do arquivo individual com S, não autoriza com N, ou autoriza a regravação de todos os arquivos com T. Comando Externo XCOPY Copia arquivos seletivamente. O XCOPY tem algumas vantagens em relação ao DISKCOPY: arquivos de origem que estão fragmentados serão reunidos no disco de destino e o XCOPY pode copiar arquivos entre discos de diferentes capacidades de dados. Entretanto, o XCOPY não pode formatar discos e o DISKCOPY pode. Em relação ao COPY o XCOPY pode ser mais rápido, pois ele carrega todos os arquivos possíveis na memória e transfere para o destino de uma vez, enquanto o COPY copia um arquivo de cada vez. FORMATO DO COMANDO: C:\>XCOPY [DRIVE:\CAMINHO] [ARQUIVOS] [DRIVE DESTINO] [ARQUIVO][/OPÇÕES] 11

12 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo A:\>xcopy *.* C: Este comando copiará todos os arquivos do disco do drive A: para o disco do drive C: USANDO OS PARÂMETROS: /A - Copia os arquivos que possuem o atributo de arquivo definido, não altera o atributo. /M - Copia os arquivos que possuem o atributo de arquivo definido, desativa o atributo de arquivo. /D:data - Copia os arquivos modificados na data específica ou posterior. /P - Solicita uma configuração antes de criar cada arquivo de destino. /S - Copia diretórios e subdiretórios, a menos que estejam vazios. /E - Copia qualquer subdiretório, mesmo vazios. Usar com a opção /S /V - Verifica cada arquivo novo. /W - Solicita que seja pressionada uma tecla antes da cópia. Na versão 6.22, o comando XCOPY pede confirmação para regravar um arquivo que já existe no diretório ou drive de destino. Para cada arquivo existente, o comando pergunta se você quer confirmar a regravação do arquivo individual com S, não autorizar com N, ou autorizar a regravação de todos os arquivos. Comando Externo DISKCOPY O DISCOPY é um programa utilizado para fazer duplicatas de disquetes. Esse comando permite a cópia de um disco entre duas unidades de disquete desde que os formatos dos discos sejam idênticos, ou seja, tanto o drive A: como o drive B: devem ser do mesmo tipo. Como a cópia é feita trilha a trilha, não se pode copiar um disco de 3,5 para um disco 5,25 polegadas, tampouco um disco de 360KB para um de 1,2MB, pois, apesar do tamanho físico ser idêntico, o número de trilhas é diferente. O programa diskcopy formata o disco de destino antes de transferir o conteúdo do disquete, se detectar que ele não está formatado. As máquinas podem ser produzidas com unidades de disquete de 1,2 MB e 1,44 MB, impossibilitando a cópia de discos entre os drives. Contudo, isto não é problema, pois o comando DISKCOPY permite que um disquete seja duplicado utilizando-se um único drive. FORMATO DO COMANDO DISKCOPY: C:\>DISCOPY [unidade1] [unidade2 :] [/parâmetros] USANDO PARÂMETROS: /1 - O parâmetro efetua apenas a cópia de um lado. /V - O parâmetro efetua checagem da cópia efetuada. Na versão 6.22, o programa faz a leitura do disco fonte de uma só vez, evitando assim o troca-troca de discos. Uma outra vantagem do novo diskcopy é a possibilidade de fazer múltiplas cópias de um mesmo original. Após gravar o disco fonte, o programa pergunta se você deseja gravar outra cópia do disco original. Para copy um disquete para o outro em um mesmo drive a unidade 1 e 2 são as mesmas: C:\>DISCOPY A: A: Comando Externo DISKCOMP Compara trilha-por-trilha os conteúdos de dois discos flexíveis, relatando quais os números das trilhas que não são idênticos. Você não pode comparar disquetes de formatos diferentes. Esse comando é muito pouco utilizado, contudo é de muito valia para garantir que um disquete copiado não esteja com problemas. FORMATO DO COMANDO DISKCOMP: A:\>DISKCOMP unidade de origem [unidade de destino] [/opções] Exemplos: Se você não especificar uma segunda unidade. A:\>DISKCOMP A: compara o disco na unidade A com o disco na unidade atual. Se a unidade atual é a A, o DISKCOMP pede que você troque o disco várias vezes durante o processo de comparação. USANDO OS PARÂMETROS: /1 - Instrui o DISKCOMP para que compare apenas o primeiro lado de cada disco, mesmo em discos de dupla densidade. /8 - Instrui o DISKCOMP para comparar apenas os 8 primeiros setores de cada trilha, mesmo se as trilhas tiverem 9 ou 15 setores. Comando Externo FORMAT 12

13 Sistemas Operacionais Prepara um disco em branco para o recebimento e o armazenamento de dados ou cria um disco em branco novo a partir de um usado. O format organiza o disco em trilhas e setores, que são as divisões do disco. TRILHA: é uma volta completa no disco. SETOR: é um pedaço de cada volta no disco. FORMATO DO COMANDO FORMAT: FORMAT drive: [/parâmetros] O FORMAT exibe uma mensagem indicando a unidade a ser formatada e pede que você pressione ENTER para iniciar o processo. Isso lhe dá a oportunidade de mudar o disco na unidade, se necessário, ou cancelar a operação com Ctrl-C. Quando o processo de formatação está completo, o DOS exibe uma mensagem mostrando o número total de bytes disponíveis no disco, quantos bytes foram marcados como setores ruins e, se você indicou a opção /S na linha de comando, quantos bytes foram usados pelos arquivos de sistema. USANDO PARÂMETROS: /1 - Formata um único lado de um disco de dupla-face. /4 - Formata um disco flexível de 5 ¼ polegadas (360K) em unidade de alta densidade (1,2MB). /8 - Formata 8 setores por trilha. /B - Aloca espaço no disco formatado para os arquivos de sistema. /F:tamanho - Específica o tamanho do disco flexível a ser formatado (como 160 KB; 180 KB; 320 KB; 360 KB; 720 KB; 1,2 MB; 1,44MB). /N: setores - Específica o número de setores por trilha. /Q - Realiza uma formatação rápida. /S - Copia arquivos de sistemas para o disco formatado. /T:trilhas - Específica o número de trilhas por lado de disco. /U - Específica formatação incondicional. Todos os dados de um disco previamente formatado são destruídos e você não poderá desformatar o disco posteriormente. /V - Pede-se que você acrescente o nome do volume para o disco após a formatação. Exemplos: C:\ FORMAT B: Insira o novo disco na unidade B: e pressione ENTER quando estiver pronto... Verificando o formato existente do disco. Formatando 1,44M Formatação concluída. Nome de volume (11 caracteres, pressione ENTER para nenhum): bytes de espaço total em disco bytes disponíveis no disco. 512 bytes em cada unidade de alocação bytes de alocação disponíveis no disco O número de série do volume é 285D-18D0 Formatar outro (S/N)? Quando um disco já formatado é novamente formatado, aparece a mensagem SALVANDO INFORMAÇÕES DO UNFORMAT. Isso significa que o disquete poderá ser recuperado pelo programa UNFORMAT se nenhum dado for gravado nele. OBS: O comando unformat recupera arquivos de uma formatação de disco acidental Se um disco foi formatado acidentalmente, você pode recuperar os arquivos executando o comando UNFORMAT, seguido pela letra da unidade do disco formatado. Assim será checado e listado os arquivos que ainda podem ser recuperados. Isto é possível porque em uma formatação somente a área de FAT do disco, isto é, somente com os endereços dos arquivos e não com sua estrutura em si. Sintaxe: C:\> unformat [unidade] Comando Interno REN (RENAME) É utilizado para trocar nome de arquivos, é permitido tanto a palavra REN como RENAME. FORMATO DO COMANDO REN: 13

14 A:\>REN [unidade:\caminho\] [nome antigo] [nome novo] A:\>ren RELATORI.TXT VENDAS.TXT Altera o nome de RELATORI.TXT para VENDAS.TXT A:\>ren \WORD\*.BAK *.OLD Altera os nomes de todos os arquivos com a extensão.bak no subdiretório C:\WORD de tal forma que eles passem a ter a extensão.old. Comando Interno DEL(ERASE) O comando DEL ou ERASE apaga arquivos de um disquete e coloca como disponível o espaço em disco que estava previamente em uso. Seja cauteloso na exclusão de arquivos. Uma vez excluído um arquivo ele estará excluído para sempre, a menos que você possua um utilitário de recuperação (no caso do DOS o utilitário responsável pela recuperação é o comando externo UNDELETE). Se ocorrem várias operações no disco, o utilitário poderá simplesmente não efetuar a recuperação do arquivo. Os comandos DEL e ERASE funcionam de forma idêntica. Todas as referências nesta seção ao comando DEL também se aplicam da mesma forma para o comando ERASE. FORMATO DO COMANDO DEL: DEL [unidade:\caminho\]arquivo(s) [opções] A:\>del *.BAK O comando irá excluir todos os arquivos que tenham qualquer nome principal e que possua a extensão.bak A:>del EXPLOSIV.??? O comando irá excluir os arquivos que tenham o nome principal EXPLOSIV e com qualquer extensão. USANDO PARÂMETROS: O comando DEL contém um parâmetro para auxiliar na exclusão de muitos arquivos. /P - O parâmetro solicita a confirmação para a extensão do arquivo. OBS: Caso você solicite o comando DEL *.*, o DOS irá excluir todos os arquivos existentes, antes porém ele solicita confirmação para exclusão. Comando Externo UNDELETE Recupera arquivos apagados acidentalmente. UNDELETE não garante a recuperação de todos os arquivos deletados. Para obter melhores resultados, execute o UNDELETE antes que qualquer informação seja gravada no disco. Gravações subsequentes no disco podem sobrepor a área do disco ocupada pelo arquivo apagado, tornando impossível a recuperação. FORMATO DO COMANDO UNDELETE: UNDELETE [drive\caminho] arquivo(s) [/opções] USANDO PARÂMETROS: /DT - Usa somente o arquivo de controle de exclusão. /DOS - Utiliza o diretório corrente para localizar e recuperar arquivos apagados. /LIST - Lista todos os arquivos apagados que podem ser recuperados. /DS - Utiliza o método Registro de Exclusão para recuperação de dados. /ALL - Recupera todos os arquivos definidos sem solicitar pela confirmação. /LOAD - Carrega o Undelete na memória. /UNLOAD - Descarrega o Undelete da memória. A:>UNDELETE C:\WORD\*.BAK Tenta recuperar todos os arquivos no subdiretório C:\WORD que tenham a extensão.bak. A:>UNDELETE /LIST O comando irá mostrar a lista de arquivos disponíveis para a recuperação. Comando Externo MOVE Move arquivos do diretório de origem para o diretório de destino, apagando os arquivos do diretório de origem no final da movimentação. É equivalente ao comando COPY e DEL aplicados ao mesmo arquivo. A partir da versão 6.2, o comando pede a confirmação da sobreposição de arquivos no caso de existirem arquivos com o mesmo nome do diretório de origem e de destino.

15 Este comando também pode ser usado para renomear subdiretórios. Nesses casos, indique apenas os nomes antigo e novo que quer para o subdiretório existente. FORMATO DO COMANDO MOVE: A:\>MOVE [DRIVE:[CAMINHO] <ARQUIVO> [DRIVE:[CAMINHO DESTINO] A:\>move *.* C: Este comando irá mover todos os arquivos do disco do drive A: para C: Você pode especificar mais de um arquivo de origem no mesmo comando se especificar os seus nomes completos separados por vírgulas. Se for fornecido além do diretório de destino, um nome de arquivo de origem é renomeado no destino. A:\>move T1.TXT, T2.TXT, T3.TXT C:\TEXTOS Comando Interno VER O comando VER é utilizado para mostrar versão do Sistema Operacional que se está utilizando. FORMATO DO COMANDO VER: C:\>VER Comando Interno VOL VOL é um comando do DOS, que mostra o nome do volume de um determinado disco. Um nome de volume pode ser dado na formatação com o parâmetro /V ou com o utilitário LABEL. Como vocês poderão constatar cada disco possui um nome e o comando VOL ira fazer com que o nome do disco e o n de série sejam mostrados. FORMATO DO COMANDO VOL: C:\>VOL Comando Externo LABEL LABEL é um comando do DOS que cria, modifica ou exclui nomes de volume de disco. Nome de volume, é o nome que damos como rótulo para disquetes quando eles vem novo e ainda não esta formatado. FORMATO DO COMANDO LABEL[unidade:][nome] C:\> label a: O comando irá pedir um nome de volume com até 11 caracteres, para o disco do DRIVE A: C:\> label c:\microsoft O comando irá trocar o nome de volume da unidade de drive C: para MICROSOFT. Comando Interno PROMPT O PROMPT é um comando que serve para configurar o sinal de pronto do DOS. TABELA DE PARÂMETROS: O comando PROMPT contém uma tabela de parâmetros que utilizados juntamente com o caractere $ (dólar) produzem um efeito diferente: $Q = (sinal de igual) $G > (sinal de maior que) $$ $ (sinal de dólar) $L < (sinal de menor que) $T Hora atual $B barra vertical $D Data atual $H Backspace apaga o caractere anterior $P Unidade de drive e diretório atuais $E Código de escape (ASCII código 27) $V Número da versão do MS-DOS $_ Retorno de carro e salto de linha $N Unidade de drive atual Comando Interno DATE É utilizado para mostrar/acertar a data do relógio do microcomputador. O formato padrão de data é o norte-americano, mês, dia e ano (MM/DD/AA); mas este formato pode ser alterado para o formato nacional. FORMATO DO COMANDO DATE: C:\>DATE

16 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo C:\>date <ENTER> Data atual é Seg 18/07/1988 Entre com a nova data (dd-mm-aa): 42/07/88 <ENTER> Data inválida Entre com a nova data: (dd-mm-aa): 20/07/88 <ENTER> Comando Interno TIME É utilizado para mostrar/acertar a hora do relógio interno do microcomputador. Você pode utilizar a hora no formato norte americano (até 12 horas am ou pm), ou no formato nacional (até 23:59 horas). FORMATO DO COMANDO TIME: C:\>TIME C:\>time <ENTER> Hora atual 11:02:16,39 Entre com a nova hora: 11,30 <ENTER> Hora inválida Entre com a nova hora: 11:30 Comando Interno TYPE Exibe o conteúdo de um arquivo. Se o arquivo exibido pelo TYPE for muito grande, ele pode rolar a tela. Por esse motivo, a saída do TYPE é freqüentemente redirecionada para uma impressora ou conectada ao comando MORE. FORMATO DO COMANDO TYPE: f:\>type [unidade:\caminho] arquivo A:\>type RELATORI.TXT Exibe na tela o conteúdo de um arquivo chamado RELATORI.TXT. A:\>type RELATORI.TXT MORE Exibe o conteúdo do arquivo e pausa a exibição cada vez que a tela estiver cheia de informação. A:\>type RELATORI.TXT > PRN Envia o conteúdo do RELATORI.TXT para o dispositivo de impressão padrão. OBS: O comando MORE força o DOS a exibir uma tela por vez ao invés de rolamento contínuo. A:\>more < LEIAME.TXTExibe o conteúdo do LEIAME.TXT na tela, pausando cada vez que a tela estiver cheia. Comando Externo MEM Mem é um comando que exibe a quantidade de memória utilizada e disponível no sistema. FORMATO DO COMANDO MEM: MEM [/opções] USANDO PARÂMETROS: /C - Use esta opção para listar os programas atualmente carregados, incluindo a quantidade de cada memória que está sendo utilizada. /CLASSIFY - Faz a mesma coisa que a opção /C. /DEBUG - Lista os programas e os dispositivos do sistema, incluído seus endereços, na memória RAM. /D também específica esse comando. /MODULE - Mostra como um programa está utilizando a memória. SYS: comando que copia os arquivos escondidos (IO.SYS e MSDOS.SYS) e o COMMAND.COM para um disco, fazendo com que este se torne um disco de boot, pois estes são os arquivos necessários para se dar partida no MS-DOS. Sintaxe: SYS unidade: Ex. C:\>SYS a: C:\>SYS b: 16

17 ATTRIB: comando utilizado para definir ou exibir atributos de um arquivo. Sintaxe: ATTRIB +R -R +A -A +H -H +S -S arquivo /S Onde, +R -R -ativa/desativa o atributo de somente de leitura +A -A -ativa/desativa o atributo de arquivo +H -H -ativa/desativa o atributo de arquivo oculto +S -S -ativa/desativa atributo de sistema dos arquivos /S -ativa/desativa opção especificada em subdiretório Ex. C:\>ATTRIB +R *.txt C:\>ATTRIB +H relat.doc C:\>ATTRIB +A a:*.* C:\>ATTRIB -A a:*.bak C:\>XCOPY a: b:/a Sistemas Operacionais 3.1 ARQUIVOS EM LOTE São arquivos que têm como característica básica a execução sequencial de seu conteúdo, sendo que o seu conteúdo é composto por comandos do ms-dos, com o intuito de facilitar automatizar uma ou mais rotinas repetitivas, como por exemplo o backup de uma empresa. OFF CLS ECHO. ECHO. ECHO *** programa exemplo *** ECHO *** de comandos *** ECHO *** do MSDOS *** ECHO. ECHO. ECHO o diretório ECHO tmp contém ECHO os seguintes ECHO arquivos DIR c:\>tmp ECHO *** fim de processamento OFF CLS ECHO. ECHO. ECHO *** programa de cópia *** ECHO. ECHO. 17

18 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo ECHO insira um disco no drive A ECHO. PAUSE COPY *.txt a: ECHO. ECHO *** fim de processamento OFF REM programa : data.bat REM autor : Alcides Maya REM descrição : programa exemplo REM data : time date dir /p 18

19 Sistemas Operacionais 4 INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL LINUX História O nome Linux surgiu da mistura de Linus + Unix. Linus é o nome do criador do Linux, Linus Torvalds. E Unix, é o nome de um sistema operacional de grande porte, no qual contaremos sua história agora, para que você entenda melhor a do Linux. A origem do Unix tem ligação com o sistema operacional Multics, projetado na década de Esse projeto era realizado pelo Massachusets Institute of Technology (MIT), pela General Eletric (GE) e pelos laboratórios Bell (Bell Labs) e American Telephone na Telegraph (AT&T). A intenção era de que o Multics tivesse características de tempo compartilhado (vários usuários compartilhando os recursos de um único computador), sendo assim, o sistema mais arrojado da época. Em 1969, já exisita uma versão do Multics rodando num computador GE645.] Ken Thompsom era um pesquisador do Multics e trabalhava na Bell Labs. No entanto, a empresa se retirou do projeto tempos depois, mas ele continuou seus estudos no sistema. Desde então, sua idéia não era continuar no Multics original e sim criar algo menor, mas que conservasse as idéias básicas do sistema. A partir daí, começa a saga do sistema Unix. Brian Kernighan, também pesquisador da Bell Labs, foi quem deu esse nome. Em 1973, outro pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, rescreveu todo o sistema Unix numa linguagem de alto nível, chamada C, desenvolvida por ele mesmo. Por causa disso, o sistema passou a ter grande aceitação por usuários externos à Bell Labs. Entre 1977 e 1981, a AT&T, alterou o Unix, fazendo algumas mudanças particulares e lançou o System III. Em 1983, após mais uma série de modificações, foi lançado o conhecido Unix System IV, que passou a ser vendido. Até hoje esse sistema é usado no mercado, tornando-se o padrão internacional do Unix. Esse sistema é comercializado por empresas como IBM, HP, Sun, etc. O Unix, é um sistema operacional muito caro e é usado em computadores poderosos (como mainframes) por diversas multinacionais. Qual a relação entre o Unix e o Linux, ou melhor, entre o Unix e Linus Torvalds? Para responder essa pergunta, é necessário falar de outro sistema operacional, o Minix. O Minix é uma versão do Unix, porém, gratuita e com o código fonte disponível. Isso significa que qualquer programador experiente pode fazer alterações nele. Ele foi criado originalmente para uso educacional, para quem quisesse estudar o Unix em casa. No entanto, vale citar que ele foi escrito do zero e apesar de ser uma versão do Unix, não contém nenhum código da AT&T e por isso pode ser distribuído gratuitamente. A partir daí, entra em cena Linus Torvalds. Ele era um estudante de Ciências da Computação da Universidade de Helsinki, na Filândia e em 1991, por hobby, Linus decidiu desenvolver um sistema mais poderoso que o Minix. Para divulgar sua idéia, ele enviou uma mensagem a um grupo pela Usenet (uma espécie de antecessor da Internet). A mensagem pode ser vista no final deste artigo. No mesmo ano, ele disponibilizou a versão do kernel (núcleo dos sistemas operacionais) 0.02 e continuou trabalhando até que em 1994 disponibilizou a versão 1.0. Até o momento em que este artigo estava sendo escrito, a versão atual era a 2.6. O Linux é um sistema operacional livre e é uma re-implementação das especificações POSIX (padronização da IEEE, Instituto de Engenharia Elétrica e Eletrônica) para sistemas com extensões System V e BSD. Isso signfica que o Linux é bem parecido com Unix, mas não vem do mesmo lugar e foi escrito de outra forma. Mas porque o Linux é gratuito? 19

20 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Linus Torvalds, quando desenvolveu o Linux, não tinha a inteção de ganhar dinheiro e sim fazer um sistema para seu uso pessoal, que atendesse suas necessidades. O estilo de desenvolvimento que foi adotado foi o de ajuda coletiva. Ou seja, ele coordena os esforços coletivos de um grupo para a melhoria do sistema que criou. Milhares de pessoas contribuem gratuitamente com o desenvolvimento do Linux, simplesmente pelo prazer de fazer um sistema operacional melhor. Licença GPL O Linux está sob a licença GPL, permite que qualquer um possa usar os programas que estão sob ela, com o compromisso de não tornar os programas fechados e comercializados. Ou seja, você pode alterar qualquer parte do Linux, modificá-lo e até comercialiazá-lo, mas você não pode fechá-lo (não permitir que outros usuários o modifiquem) e vendê-lo. GNU Mas a história do Linux não termina por aqui. É necessário também saber o que é GNU. GNU é um projeto que começou em 1984 com o objetivo de desenvolver um sistema operacional compatível com os de padrão Unix. O Linux em si, é só um kernel. Linus Torvalds, na mesma época que escrevia o código-fonte do kernel, começou a usar programas da GNU para fazer seu sistema. Gostando da idéia, resolveu deixar seu kernel dentro da mesma licença. Mas, o kernel por si só, não é usável. O kernel é a parte mais importante, pois é o núcleo e serve de comunicador entre o usuário e o computador. Por isso, com o uso de variantes dos sistemas GNU junto com o kernel, o Linux se tornou um sistema operacional. Mas você pode ter ficado confuso agora. O que é o Linux então? O que é GNU? Simplesmente, várias pessoas uma versões modificadas dos sistemas GNU, pensando que é o Linux em si. Os programadores que trabalham com ele, sabem que o Linux, é basicamente o kernel, conforme já foi dito, mas todos, chamam esse conjunto de Linux (há quem defenda o uso de GNU/Linux). Finalizando, o projeto GNU é um dos responsáveis pelo sucesso do Linux, pois graças à mistura de seus programas com o kernel desenvolvido por Linus Torvalds, o Linux vem mostrando porque é um sistema operacional digno de habilidades insuperáveis por qualquer outro sistema. è Características Disponibilidade de código fonte; Distribuição Livre nos termos da GNU; Multiusuário; Multitarefa; Gerenciamento próprio de memória; Memória Virtual; Biblioteca compartilhada; Carregamento por demanda; Suporte a redes TCP/IP; Gerenciadores de janelas. Distribuições Conectiva é a distribuição brasileira de maior destaque e com certeza a distribuição brasileira mais usada. Não é difícil encontrar o pacote Conectiva Desktop ou Servidor em uma loja de software. Até mesmo em outros países da américa latina essa distribuição tem seu destaque. Existem escolas que são credenciadas a darem cursos e certificados reconhecidos pela Conectiva SA, o que ajuda muito na hora de procurar um emprego. Toda sua documentação está em Português. Dentre suas principais ferramentas de configuração podemos citar: Ferramenta setup Sndconfig linuxconf Função configuração de vídeo, som, serviços de inicialização, configuração do timer data, impressoras. detecção de placas de som. gerenciamento do sistema. 20

Comandos básicos do MS-DOS

Comandos básicos do MS-DOS :: Tutoriais Comandos básicos do MS-DOS Introdução DOS (Disk Operating System) é um sistema operacional bastante antigo, lançado na década de 1980. Apesar da "idade", muitas de suas funcionalidades têm

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Comandos básicos do MS-DOS

Comandos básicos do MS-DOS Comandos básicos do MS-DOS O MS-DOS (Microsoft Disk Operation System) foi o primeiro sistema operacional comercializado pela Microsoft. Surgiu em 1981 junto com o primeiro IBM PC. A Microsoft vendia licenas

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

Comandos básicos do Linux

Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Comandos básicos do Linux Introdução Alguns comandos que você verá nesta página, equivalem aos utilizados no DOS. No entanto, saiba que conhecendo ou não o DOS, você poderá estranhar

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

Centro Federal de Ensino Tecnológico do Paraná Unidade de Medianeira Departamento de Informática

Centro Federal de Ensino Tecnológico do Paraná Unidade de Medianeira Departamento de Informática Centro Federal de Ensino Tecnológico do Paraná Unidade de Medianeira Departamento de Informática $SRVWLOD 'LVFLSOLQ G,QIRUPiWLFD 06'2,QWURGXomR 0HGLDQHLUD ,QGtFH 1 INTRODUÇÃO... 1 2 COMO É COMPOSTO O MS-DOS?...

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais De modo semelhante ao Linux, o Windows é considerado um software microbásico. Uma característica desse tipo

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL

INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL INTRODUÇÃO AO SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS DE SISTEMA OPERACIONAL MS-DOS A sigla MS-DOS significa Microsoft Disk Operating System que em português significa Sistema Operacional de Disco. O prefixo MS representa

Leia mais

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS Olá, pessoal, tudo bem? Vamos fazer um simulado com 10 questões de informática direcionadas para o cargo de TÉCNICO DO MPU? São questões já aplicadas pelo CESPE em certames anteriores, mas que podem ser

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013 1 2 INTRODUÇÃO A LINUX ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais Kernel núcleo do

Leia mais

BT Informática. http://www.btinformatica.com.br/ http://www.btinf.hpg.ig.com.br/

BT Informática. http://www.btinformatica.com.br/ http://www.btinf.hpg.ig.com.br/ BT Informática http://www.btinformatica.com.br/ http://www.btinf.hpg.ig.com.br/ Acesse nosso site para obter mais apostilas, tutoriais, simuladores, dicas, notícias, e muito mais. COMANDOS DO MS-DOS USADOS

Leia mais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Introdução à Computação 5910157 4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Prof. Renato Tinós Local: Depto. de Física e Matemática (FFCLRP/USP) 1 Principais Tópicos 4.1. Introdução aos Sistemas

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Fundamentos da Programação 12

Fundamentos da Programação 12 Fundamentos da Programação 12 III. SOFTWARE Um programa de computador pode ser definido como uma série de instruções ou declarações, em forma aceitável pelo computador, preparada de modo a obter certos

Leia mais

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Unidade 2 Utilização do ambiente operativo Windows Aplicações Sistema Operativo ROM BIOS Processador+memória+... Software aplicacional

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO:

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO: SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br FUNÇÃO: GERENCIAR, ADMINISTRAR OS RECURSOS DA MÁQUINA. SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS MS-DOS WINDOWS 3.1 WINDOWS 95 WINDOWS

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Labgrad. Usúario: Senha: senha

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha Suporte A equipe do Suporte é responsável pela gerência da rede do Departamento de Informática, bem como da manutenção dos servidores da mesma, e também é responsável pela monitoria do LabGrad e do LAR.

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

Informática. Aula 04/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aula 04/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aula 04/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

MSXDOS GUIA DE CONSULTA RÁPIDA. Escrito e editorado por: Edison Antonio Pires de Moraes eapmoraes@msxall.com www.msxtop.msxall.com

MSXDOS GUIA DE CONSULTA RÁPIDA. Escrito e editorado por: Edison Antonio Pires de Moraes eapmoraes@msxall.com www.msxtop.msxall.com MSXDOS GUIA DE CONSULTA RÁPIDA Escrito e editorado por: Edison Antonio Pires de Moraes eapmoraes@msxall.com www.msxtop.msxall.com 22/05/2004 14 MSXDOS Um pode ser: CON Console PRN Impressora

Leia mais

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Conteúdo Programático Login e Logout Iniciando e Desligando o Sistema Tipos de arquivo Texto Binário Arquivos e Diretório Manipulação de

Leia mais

DOS SISTEMA OPERACIONAL DO COMPUTADOR

DOS SISTEMA OPERACIONAL DO COMPUTADOR EXERCÍCIOS PROPOSTOS 1. Qual o principal instrumento de trabalho dos profissionais da área de informática? a) Computador. b) End User. c) Analistas de Sistemas. d) Impressora Laser. e) Mouse. 2. Qual o

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

Introdução ao Linux MICHELLE NERY

Introdução ao Linux MICHELLE NERY Introdução ao Linux MICHELLE NERY O que é preciso saber para conhecer o Linux? Entender os componentes de um computador. Conhecimentos básicos de sistemas operacionais. Referência: Sistemas Operacionais

Leia mais

Linux, Windows, Antivírus, Teclado e Email.

Linux, Windows, Antivírus, Teclado e Email. Linux, Windows, Antivírus, Teclado e Email. Criador do Linux Linux foi, originalmente, escrito por Linus Torvalds do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Helsinki, Finlândia, com a

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Treinamento para Manutenção dos Telecentros

Treinamento para Manutenção dos Telecentros Treinamento para Manutenção dos Telecentros Módulo II :: Utilizando o Linux Básico do Sistema Manoel Campos da Silva Filho Professor do IFTO/Palmas 1 2 Código Aberto/Open Source Programas (softwares/aplicativos)

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

Linux. Wagner de Oliveira

Linux. Wagner de Oliveira Linux Wagner de Oliveira Um computador, uma mesa, um usuário. Duas pessoas não podem trabalhar em paralelo, executando o Microsoft Word na mesma máquina, simultaneamente. Windows 2003 Advanced Server +

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Introdução ao Windows 7 O hardware não consegue executar qualquer ação sem receber instrução. Essas instruções são chamadas de software ou programas de computador. O software

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

3. MS-DOS» Introdução » Conceitos Básicos » Gestão de Ficheiros » Comandos

3. MS-DOS» Introdução » Conceitos Básicos » Gestão de Ficheiros » Comandos 3. MS-DOS» Introdução - Software de sistema - Software de suporte» Conceitos Básicos - Estrutura do DOS - Arranque do Sistema - Estrutura da Linha de comando - Formatação de disquetes» Gestão de Ficheiros

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional Windows Prof. Leandro Tonietto Cursos de Informática Unisinos Março-2008 O que é Sistema operacional? O que é Windows? Interface gráfica: Comunicação entre usuário e computador de forma mais eficiente

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Capítulo 4. Sistemas operativos. WINDOWS, MS-DOS e UNIX

Capítulo 4. Sistemas operativos. WINDOWS, MS-DOS e UNIX Sistemas Operativos 1 Capítulo 4. Sistemas operativos. WINDOWS, MS-DOS e UNIX 1. Sistema Operativo Primeiro programa a ser executado. Servirá de intermediário entre os outros programas e a máquina. Será

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA

INTRODUÇÃO AO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Nome do Software: Guarux Versão do Software: Guarux Educacional 4.0 INTRODUÇÃO AO SISTEMA O Guarux Educacional 4.0 é uma distribuição idealizada pela

Leia mais

Jackson Barbosa de Azevedo

Jackson Barbosa de Azevedo <jacksonbazevedo@hotmail.com> Autor: Jackson Barbosa de Azevedo Revisores: Aecio Pires 1 Conteúdo Sobre o OpenSUSE... 3 Procedimento de Instalação... 3 Preparando a Instalação do

Leia mais

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux Kernel Linux Representação artística do núcleo Linux Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice Introdução...2 O que é o Kernel...3 Como surgiu...4 Para que serve...5 Versões...6 Versões

Leia mais

Aspectos Avançados. Conteúdo

Aspectos Avançados. Conteúdo Aspectos Avançados Conteúdo Vendo o que existe em seu computador Ambiente de Rede Lixeira Organizando arquivos e pastas Usando o Windows de maneira eficaz Trabalhando com documentos 34 Vendo o que existe

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL?

O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? 1 SISTEMAS OPERACIONAIS: FUNDAMENTOS E FUNÇÕES WAGNER DE OLIVEIRA 2 O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? Conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware Software especial que

Leia mais

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Agenda Manipulação de arquivos Comandos: cat, cut, expand,fmt, head, join, nl, od, paste, pr, split, tac, tail, tr,

Leia mais

Adelman Wallyson de Sousa Benigno

Adelman Wallyson de Sousa Benigno Laboratory of Software Engineering and Computer Network Universidade Federal do Maranhão Curso de Engenharia Elétrica Engineering for a better life LINUX Trabalho apresentado ao Prof. Denivaldo Lopes Adelman

Leia mais

DOS. Autor: J. Arnaldo Rodrigues

DOS. Autor: J. Arnaldo Rodrigues DOS Autor: J. Arnaldo Rodrigues Autor: J. Arnaldo Rodrigues SUMÁRIO Capítulo I 1 Introdução 1 Entendendo como Funciona o Computador 1 O Cérebro Eletrônico 3 O Computador 3 O Teclado e Suas Funções 4 Os

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Instalação em Dual Boot

Instalação em Dual Boot Manual Instalação em Dual Boot tutorial de instalação Dual boot Windows XP e o Linux Educacional 2.0 Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Instalação em Dual

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Elaboração: Prof. Éverton Loreto everton@uffs.edu.br 2010 Objetivo Conhecer as características e recursos do Sistema Operacional

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) 1 Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

DOS SISTEMA OPERACIONAL DO COMPUTADOR

DOS SISTEMA OPERACIONAL DO COMPUTADOR COMANDOS DO MS- DOS Faremos referência aos comandos do MS-DOS indicando sempre se é um comando interno ou externo. Os comandos do MS-DOS possuem uma sintaxe, ou seja, regras preestabelecidas de escrita

Leia mais

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Objetivos Detalhar conceitos sobre o sistema operacional Linux; Operar comandos básicos de sistemas Linux em modo Texto; Realizar a manutenção de arquivos

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

DOMINANDO MS-DOS & CMD

DOMINANDO MS-DOS & CMD DOMINANDO MS-DOS & CMD O AUTOR O professor Edson Wanderley é formando em Eletrônica para Sistemas Informatizados pela UNIBRATEC e em Ciência da Computação pela Faculdade dos Guararapes, atualmente é professor

Leia mais

Sumário CAPÍTULO I 2 INTRODUÇÃO 2 ENTENDENDO COMO FUNCIONA O COMPUTADOR 3 O COMPUTADOR 6 OS DISCOS 9

Sumário CAPÍTULO I 2 INTRODUÇÃO 2 ENTENDENDO COMO FUNCIONA O COMPUTADOR 3 O COMPUTADOR 6 OS DISCOS 9 Sumário CAPÍTULO I 2 INTRODUÇÃO 2 ENTENDENDO COMO FUNCIONA O COMPUTADOR 3 O COMPUTADOR 6 OS DISCOS 9 CAPÍTULO II 11 INICIALIZANDO O SISTEMA OPERACIONAL 11 CARREGANDO OMS-DOS 12 COMANDOS BÁSICOS DO MS-DOS

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Software Livre

Aula 2 Introdução ao Software Livre Aula 2 Introdução ao Software Livre Aprender a manipular o Painel de Controle no Linux e mostrar alguns softwares aplicativos. Ligando e desligando o computador através do sistema operacional Não é aconselhável

Leia mais

Projeto de extensão Linux no Campus

Projeto de extensão Linux no Campus Projeto de extensão Linux no Campus Universidade Federal de Santa Maria Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação Evandro Bolzan Contatos: ebolzan@inf.ufsm.br, http://www.inf.ufsm.br/~ebolzan BUG BUG

Leia mais

Conhecendo o Sistema Operacional

Conhecendo o Sistema Operacional Prefeitura de Volta Redonda Secretaria Municipal de Educação NTM Núcleo de Tecnologia Educacional Municipal Projeto de Informática Aplicada à Educação de Volta Redonda - VRlivre Conhecendo o Sistema Operacional

Leia mais

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX Administração de Redes Linux Unidade 1 - LINUX Breve Histórico O Linux é um sistema operacional moderno e gratuito, baseado nos padrões UNIX. Desenvolvido inicialmente em 1991 como um KERNEL PEQUENO E

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 1 Introdução aos Sistemas Operacionais GNU/Linux. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 1 Introdução aos Sistemas Operacionais GNU/Linux. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 1 Introdução aos Sistemas Operacionais GNU/Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS... 3 Monousuário x Multiusuário...

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE MS-WINDOWS Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SISTEMA OPERACIONAL DA EMPRESA MICROSOFT Interface gráfica WIMP GUI Windows, Icons, Menus, Pointer, Graphical User

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba Mini Curso Linux Eu defendo!!! Apresentação Rafael Arlindo Dias Técnico em Informática CEFET Rio Pomba/MG Cursos

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais