Este tutorial apresenta a infra-estrutura para implantação de redes ópticas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este tutorial apresenta a infra-estrutura para implantação de redes ópticas."

Transcrição

1 Infra-estrutura para Redes Ópticas Este tutorial apresenta a infra-estrutura para implantação de redes ópticas. Marco Aurélio Martins Formado em Eletrônica com ênfase em Telecomunicações (Barretos/1993) atuou pela Método na construcão de rota ópticas ao longo de rodovias (Telepar e Telemar) e Redes Ópticas e Metálicas Metropolitanas (Telesp e CTBC). Desde 1999 é Gerente de projetos de implantação de infra-estrutura de Redes Ópticas da Bechtel Método Telecom (BMT) tendo Implantado redes ópticas ao lado de Gasoduto (Petrobrás) e ao lado de Ferrovias (Geodex). Categoria: Infraestrutura para Telecomunicações Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 16/06/2003 1

2 Infra para Redes Ópticas: O que é Damos o nome de infra-estrutura ao conjunto da construção que recebe, acomoda e distribui o cabo óptico ao longo de seu trajeto (também conhecido como Rota ou Enlace). As Redes Ópticas podem ser aéreas, subterrâneas, submarinas ou uma combinação delas. Rede aérea Nas redes aéreas são aproveitadas as estruturas das concessionárias de energia elétrica presentes no local ou, quando não há possibilidade, é implantada uma infra-estrutura nova para instalação da Rede Óptica. Esta infra-estrutura é composta de : Postes Cordoalha Caixa de Emenda Devem atender as exigências de altura para cruzamentos e esforço cortante para casos de término de rede (encabeçamento) e mudança de direção com ângulo. Cabo de aço que interliga os postes. É na cordoalha que o cabo óptico será preso ou espinado (enrolado) com o auxílio de um arame de aço. Na rede aérea, em geral as caixas de emenda óptica são acomodadas junto aos postes, onde também ficam as sobras de cabo, conhecidas como Figura Oito. Rede subterrânea A implantação de uma rede subterrânea requer um maior investimento, pois necessita de mais tempo e maior número de recursos. Para um melhor entendimento, apresentamos sua composição: Duto Sub-duto Tubulação em PVC, corrugado ou liso com diâmetro geralmente de 100 mm. Dado ao fato de o cabo óptico não necessitar da área total do duto, criou-se então um outro duto de menor diâmetro (40 mm externo) em Polietileno, recebendo este o nome de sub-duto pois inicialmente era instalado, nas redes urbanas, dentro do duto, aumentando assim a capacidade da rede de dutos existente. Posteriormente 2

3 começou-se a utilizá-lo nas redes de longa distância (que será abordada a seguir). Podemos encontrar vários tipos de sub-dutos. Destacaremos aqui os mais comuns: Tipo Descrição Formato Duplo Dois sub-dutos na formação 1 x 2 Quádruplo Quatro sub-dutos na formação 2 x 2 Sétuplo Sete sub-dutos em formação circular Destacamos que, para redes com número maior de dutos, a formação pode acompanhar aquela descrita acima para o sub-duto quádruplo. Por exemplo : Rede de Seis dutos. E assim por diante. Outros componentes da rede óptica subterrânea são: Caixas de passagem Sobra Técnica ou Reserva Caixa de Emenda Subterrânea São receptáculos implantados abaixo do nível do solo, com a função de armazenar as sobras técnicas dos cabos. Como o próprio nome diz, é uma folga ou reserva de cabo, que será utilizada caso haja um acidente no cabo (ruptura) ou para atender um acesso futuro, exigindo assim cabo para emenda ou para deslocamento do trajeto original. Chamamos a atenção para este componente específico das redes subterrâneas, pois é comum uma confusão entre caixa de emenda subterrânea e caixa de emenda óptica. O tópico aqui descrito trata-se de um receptáculo igual à caixa de passagem, mudando apenas a função básica, que neste caso é acomodar a caixa de emenda óptica. Portanto, quando falamos em redes subterrâneas, devemos procurar não fazer simplificações, dizendo apenas caixa de emenda, pois desta forma estaremos evitando erros de interpretação. 3

4 Infra para Redes Ópticas: Longa Distância Como o próprio nome diz, são redes que ligam pontos eqüidistantes geograficamente. Sua função básica é possibilitar o tráfego de dados, voz e imagem em altas velocidades através dos cabos de fibra óptica, interligando vários pontos. Quando falamos em Redes de Longa Distância, devemos imaginar uma vasta composição de elementos, pois dependendo da característica (necessidade) do projeto, poderemos ter uma rede aérea, uma rede subterrânea ou até mesmo uma rede submarina. As redes aéreas podem estar presentes tanto para conexão de cidades como em um projeto que utilize as linhas de alta tensão como meio de instalação ou elo de ligação entre os pontos de interesse. Neste caso o cabo utilizado será o OPGW. Neste tutorial abordaremos com maior profundidade as Redes de Longa Distância Subterrâneas. Como falado anteriormente, o objetivo desta rede é a ligação de pontos eqüidistantes e esta ligação, subterrânea, dependendo do interesse financeiro (custo benefício) pode ser feita de várias formas : Implantação ao Longo de Rodovias: A rede é construída ao lado de rodovias (dentro da faixa de domínio da concessionária) ou no canteiro central (quando a rodovia tiver este local para separação das vias). A definição do local exato, será dada pelo órgão com jurisdição sobre a via. Implantação ao Longo de Ferrovias. Implantação ao Longo de Oleodutos ou Gasodutos. A avaliação do método ou traçado utilizado levará em conta o custo da construção, mas principalmente o valor cobrado pela concessionária pelo direito de passagem em sua faixa de domínio, bem como a área de interesse do empreendedor. O custo e o prazo da construção serão função direta do grau de complexidade da instalação, ou seja, dependerão dos seguintes fatores: Profundidade de vala; Tipo de Solo; Distância entre caixas; Interferências; Acessos. Profundidade de Vala A profundidade da vala determinará a que distância da superfície os dutos serão enterrados. Ela varia em função do tipo de solo, sendo de 1 a 1,2 m para solos Normais. Em geral, segundo as normas e procedimentos usuais, a profundidade aumenta para solos menos resistentes e diminui para solos mais resistentes, sendo que nestes últimos é requerido uma proteção mecânica maior. Vala e Tipo de Solo 4

5 Para cada tipo de terreno, uma nova solução construtiva será dada. As soluções podem ser Destrutivas, onde rompe-se a superfície existente e posteriormente à passagem do cabo reconstitui-se o pavimento, ou Não Destrutivas, também conhecida por MND (Método Não Destrutivo) que não provoca dano ao pavimento existente. Adiante detalharemos este processo. Apresentamos a seguir as soluções típicas para a vala utilizadas no método Destrutivo para alguns tipos de Terreno: Solução para Solo Normal Solução para Solo Pedregoso ou Misto 5

6 Solução para Solo Rochoso Solução para Solo Pantanoso Distância entre caixas subterrâneas Dos vários tipos de caixas existentes, abordaremos neste tutorial as mais utilizadas, que são as caixas subterrâneas de emenda ou passagem, que são tubulares com 1,0m de diâmetro por 1,20m de altura e as caixas utilizadas nas janelas de lançamento do cabo óptico (vide lançamento de cabo óptico), medindo 0,40m de altura por 0,10m de largura por 0,30m de comprimento. A distância entre as caixas de emenda subterrâneas obedecem o comprimento das bobinas, ou seja, para obter-se o comprimento do lance (distância entre as caixas) somam-se as sobras que devem ser deixadas (reserva técnica junto às emendas e diferença de relevo) e subtrai-se do comprimento da bobina. Por 6

7 exemplo: Item Descrição Medida (m) 1 Comprimento da Bobina Correção de Relevo ( 3% do Compr. Bobina) Folga Técnica (50m em cada Emenda) Total de Reservas (2 + 3) Comprimento do Lance (1-4) Já a distância entre as caixas de passagem fica em torno de 800 a 1200m dependendo da topografia do terreno, pois quanto mais irregular o terreno, maior o atrito do cabo no sub-duto, conseqüentemente, menor será a distância que a máquina de lançamento conseguirá insuflar ou soprar o cabo, como veremos no item lançamento de cabo óptico. Tipos de Lançamento de Sub-duto Denomina-se Lançamento de Sub-duto o processo de abertura da vala, depósito do sub-duto no fundo da vala, retorno, para a vala, do material escavado, lançamento da fita de aviso (que alerta sobre a presença de um cabo óptico no local, impedindo assim que a rede seja danificada durante uma escavação) e compactação, reconstituindo assim as características originais do pavimento no local. A vala poderá ser escavada utilizando método manual, mecânico ou máquinas especiais para abertura de vala com lançamento simultâneo dos sub-dutos. Apresentamos abaixo alguns equipamentos utilizados: Equipamento Fabricante Modelo Peso (Kg) Rolamento Valetadeira Case Pneu Retroescavadeira Case 580L (4x4) Pneu Trator de Esteira Fiat Allis 7-D Esteira Trator de Esteira Caterpillar D Esteira Valetadeira Vermeer Esteira Escavadeira Hidráulica Caterpillar 307C Esteira Nos casos, onde na linha da Fibra Óptica se deparar com rochas e não conseguirmos desmontá-las com retroescavadeira ou escavadeira hidráulica, é utilizado martelete pneumático ou rompedores hidráulicos. 7

8 Valetadeira Interferência São consideradas interferências todos os obstáculos encontrados no caminho da rede subterrânea. Exemplo: bueiros, canaletas, rios pontes, brejos, passagens, edificações, etc. Para transposição de uma interferência, pode ser utilizado o Método Destrutivo (se o pavimento ou superfície puder ser transposto e danificado) ou o Método Não Destrutivo - MND, utilizado na maior parte das vezes por provocar pouco ou nenhum impacto ao pavimento existente. Visando um maior esclarecimento, apresentamos um resumo da atividade de MND. O método não destrutivo de travessias é uma solução para a superação de interferências sem a abertura de valas. É usado principalmente quando a rota de instalação dos dutos tem que cruzar uma interferência onde, por motivos de custo ou possibilidade de danos irrecuperáveis à interferência, é inviável a abertura de vala. Utiliza-se, ainda, para os casos de travessia de rios, lago, áreas muito alagadas ou em eventuais áreas altamente urbanizadas. Utilizam-se equipamentos especificamente desenvolvidos para tal. São equipamentos capazes de executar serviço de forma controlada, isto é, pode-se efetivamente dirigir o furo, eliminando os riscos de se atingir obras existentes, além de permitir uma melhor escolha do trajeto. Independente do fabricante da máquina, a tecnologia utilizada é praticamente a mesma: a máquina insere hidraulicamente no local previsto para a entrada do duto uma série de tubos de aço com razoável flexibilidade lateral, porém com alta resistência à compressão longitudinal. Na ponta desses tubos é previamente instalada uma cabeça de lançamento de alta resistência, que contém um pequeno transmissor de ondas eletromagnéticas e uma cunha na ponta. A função do transmissor de ondas eletromagnéticas é o monitoramento preciso da posição, profundidade e ângulo de ataque da cabeça de lançamento, bem como informar a direção para a qual a cunha está apontada. Para a detecção dessas informações é utilizado um detector específico. 8

9 Desta forma, um operador fica manuseando a máquina enquanto outro caminha na direção da instalação, informando via rádio ao operador da máquina qual a nova direção a ser tomada pela cabeça de lançamento. Para toda a instalação, inclusive sob leito de rios, lagoas, etc., os equipamentos utilizam uma cabeça de perfuração com uma sonda denominada BEACOM que emite um sinal por ondas eletromagnéticas, para o rastreador/navegador na superfície do terreno, e através desse sinal é feita toda a navegação da perfuração. Essas ondas eletromagnéticas não sofrem quaisquer interferências independentemente do meio em que se propaga. Os dutos de PEAD utilizados devem ter diâmetro interno de 110 mm, liso, com resistência à tração e ovalização, para posterior passagem dos três dutos que servirão para a instalação dos cabos de telecomunicações, em profundidade não inferior a 2m sob o leito. Este tubo é fornecido de acordo as extensões das passagens pelo MND previstas em projeto. Acessos Destacamos neste item as condições de chegada até os locais de execução da obra, visando identificar as dificuldades ou não de envio e deslocamento de equipamentos, materiais e recursos humanos. 9

10 Infra para Redes Ópticas: Urbanas Nas Redes Urbanas, tanto em anéis metropolitanos, quanto em última milha (parte final da rede de longa distância, que adentra às cidades), as redes são construídas sob os passeios, nos canteiros das avenidas ou sob o leito das ruas. Diferentemente da implantação das redes de longa distância onde tem-se pouca ou quase nenhuma restrição de trabalho, nas áreas urbanas ou metropolitanas, existem várias restrições, como por exemplo: Horário de Trabalho Áreas Residenciais : Não pode-se trabalhar por horas avançadas (geralmente após as 18:00 os trabalhos devem ser interrompidos). Áreas Comerciais : É o inverso, pois na maior parte das vezes não pode-se interromper o comércio, desta forma, o regime de trabalho é geralmente das 20:00 às 06:00 horas. Local de Implantação da Rede Vários motivos impedem a execução da rede em determinados locais, por exemplo: Uma rua que acaba de ser pavimentada; A calçada ou passeio de um parque ou calçadão que foi feito recentemente ou possui materiais que se danificados não voltarão à condição original e etc. Pelos motivos apresentados acima, temos algumas conseqüências imediatas: Prazos para obtenção de licenças mais elevado; Prazo de execução maior; Custo por metro Linear de rede maior; Proporcionalmente, aumento do número de MND; Maior número de interferências (bueiros, ruas, calçamentos, redes de água e esgoto, redes de gás e telecomunicação existentes). Além das diferenças citadas acima, destacamos também que a distância entre as caixas de passagem é menor que na longa distância (aproximadamente 200m). O formato também é diferente, tanto nas caixas de passagem quanto nas de emenda subterrâneas, sendo estas retangulares com tampão de ferro fundido. 10

11 Infra para Redes Ópticas: Lançamento de Cabos Após a construção da rede, é chegada a hora do lançamento dos cabos ópticos. Assim começaremos as definições do sistema de lançamento. Definições das características do sistema de instalação pneumática: Distância Velocidade Mão de obra Equipamento Instalação de cabos em uma distância entre 500 a 2000 m ou mais, dependendo das condições dos dutos, do cabo, do solo e da temperatura. velocidade máxima de instalação de 60 m/min, sendo a velocidade usual de 40 m/ min. são necessárias 2 pessoas treinadas e mais um operário para acessórios complementares. é um conjunto de instalação de pequenas dimensões seu peso não supera 120 kg (com o resfriador). O alimentador integrado é composto de um conjunto de esteiras de borracha, acionada por dois motores hidráulicos. O sistema é fornecido com todos os adaptadores para os cabos e tubos. Possui um dispositivo de medição que indica a distância percorrida pelo cabo e a velocidade de instalação. Em caso de parada da operação por alguma obstrução, a distância visualizada permite determinar a localização da ponta do cabo. Metodologia de instalação O alimentador mecânico empurra o cabo de fibra óptica através do duto em que se estabelece uma forte corrente de ar com um compressor. O ar, que circula a grande velocidade, exerce pressão sobre toda a superfície do cabo e facilita seu movimento. Podemos dizer que não se puxa o cabo, mas este é empurrado e transportado. O cabo desta maneira percorre o duto, seguindo as ondulações ou mudanças de direção em seu percurso, inclusive os abruptos e freqüentes. Como não existe esforço de tração na cabeça, o cabo está livre das tensões inerentes aos métodos convencionais de colocação com anel ou cabo de aço de tração. O cabo uma vez instalado repousa no fundo do duto sem nenhuma tração residual. Portanto sua vida útil se prolonga. A ausência de esforços e a eficaz proteção que o duto fornece são fontes de economia, porque se pode utilizar cabos de estrutura de pouco peso e sem nenhuma armadura de tração. O processo de injeção pneumática de instalação permite estender cabos ópticos de grandes comprimentos, com um diâmetro de 12 a 32 mm. Como se trata de lançamento de cabo com 4 (quatro) quilômetros de comprimento, utilizando-se o processo de injeção pneumática, será necessário conduzir o trabalho de lançamento observando as limitações do equipamento para a instalação e as diversas situações geográficas impostas no trajeto. 11

12 Trincheiras deverão ser abertas ao longo do trajeto, onde encontraremos o duto PEAD enterrado e nele, abriremos janelas para se reduzir o comprimento de cabo a ser lançado. Nestes casos, o cabo é lançado pelo método de sopramento da 1ª janela (ponto inicial) em sentido às demais janelas; onde caso necessário o cabo é acomodado em forma de 8, isso ocorrerá quando não tenha um segundo equipamento de sopramento de cabo, caso haja, é necessário a figura oito. O procedimento de lançamento, continuará a partir da 2ª janela para as demais janelas, caso sejam necessárias abri-las, ou para a próxima CS. Após a conclusão desses serviços, a sobra de cabo da 1ª janela será acomodada no chão em forma de 8 e lançado até a próxima CS. 12

13 Infra para Redes Ópticas: Considerações Finais Apresentamos os componentes básicos de infra-estrutura para redes ópticas urbanas e de longa distância. Com a privatização e a abertura de mercado, que deram direito a várias empresas de explorarem a área de transmissão de dados, voz e imagem em alta velocidade, e ainda com as inovações tecnológicas, muitas empresas vislumbraram uma grande oportunidade de negócio, na venda de conexões e/ou infra-estrutura. Com isto, estas empresas lançaram seus projetos (Backbones), para uso próprio (como foi o caso da Telemar, Intelig e Telefonica) ou visando a venda de dutos, fibras ou circuitos (como foi o caso da AIX e GEODEX). Muitos Quilômetros de rede foram construídos. Hoje, percebe-se que a demanda estimada foi muito maior que a real, vivida atualmente. Temos assim um panorama de muita capacidade de rede para pouca demanda, ou em uma linguagem mais simples, temos folga em dutos, cabos e equipamentos para a demanda existente. 13

14 Infra para Redes Ópticas: Teste seu entendimento 1. Onde proporcionalmente é mais utilizado o MND? Nas Redes de Longa Distância. Nas Redes Urbanas. Igual para as duas. 2. Para a definição do traçado de uma Rede de Longa Distância, qual o principal fator considerado? Acesso Relevo Valor cobrado pelo direito de passagem e área de interesse. 3. Onde a distância entre as caixas de passagem é menor? Nas Redes Urbanas. Não há diferença entre as duas (Longa Distância e Urbana) Nas Redes de Longa Distância. 4. Como se chama o processo de Lançamento dos cabos ópticos? Puxamento Tencionamento Insuflamento 14

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE IV FIBRA ÓPTICA

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE IV FIBRA ÓPTICA APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE IV FIBRA ÓPTICA 1 REDE DE COMPUTADORES IV 1. Introdução FIBRA ÓPTICA É um filamento de vidro ou de materiais poliméricos com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Anexo - IV Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 30/06/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa:

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA

EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA EXECUÇÃO DE INFRA ESTRUTURA PARA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO DE ENXOFRE NA PETRÓLEO BRASILEIRO S.A PETROBRAS UNIDADE PAULÍNIA Marcelo Telles Kalybatas LOGOTIP DA EMPRESA 1 A Silcon Drilling foi fundada com

Leia mais

Anexo V. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Redes de Fibras Ópticas

Anexo V. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Redes de Fibras Ópticas Anexo V Manual de Contratação de Serviços de Construção de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 17/11/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa: Aprovado por: Data :

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

PERFURATRIZES DIRECIONAIS (HDD) FERRAMENTAS PARA HDD

PERFURATRIZES DIRECIONAIS (HDD) FERRAMENTAS PARA HDD MND Shopping PERFURATRIZES DIRECIONAIS (HDD) Completa linha de perfuratrizes direcionais Tracto-Technik e Prime Drilling com capacidades de 4 a 500 toneladas de força de tração com ou sem martelo percussivo.

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Cabos Ópticos Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Cabos Ópticos Estruturas de encapsulamento e empacotamento de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de adutoras de água e emissário de esgoto nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de polidutos (oleodutos, gasodutos, tubulações diversas, etc) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT

LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT LOCALIZADOR DE CABOS E CONDUTAS ENTERRADAS SÉRIE EZICAT Porquê usar um DETETOR de cabos? Evita danificar materiais; Previne acidentes que podem ser mortais; Evita perdas de tempo antes de se realizar uma

Leia mais

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos

POP-04.0001. Transporte, armazenamento, preservação, manuseio, instalação e ensaios de cabos elétricos 1 Objetivo Procedimento Operacional Pág.: 1/15 Determinar as condições exigíveis de acondicionamento, transporte, armazenamento e movimentação de bobinas de condutores elétricos, visando à integridade

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO RUA JOÃO POLITI, 1589 ITAJUBÁ MG BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA Responsável Técnico: Airton Leandro Seidel 1 INDICE GERAL DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO DO PROJETO 03 2. ESCOPO

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

Soluções para documentação de redes ópticas

Soluções para documentação de redes ópticas Soluções para documentação de redes ópticas O QUE É O FIBERDOC? Atenta ao crescimento de redes de fibra óptica, a TELE DESIGN desenvolveu o FIBERDOC, um sistema de documentação para esse tipo de rede.

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo LocatelliLtda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Sinalização das ruas onde serão realizadas as escavações

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas;

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas; 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de telecomunicações (cabos metálicos ou de fibras ópticas) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA,

Leia mais

O QUE É O FIBERDOC FIBERDOC

O QUE É O FIBERDOC FIBERDOC Solução para documentação de redes ópticas O QUE É O FIBERDOC FIBERDOC O FIBERDOC, desenvolvido pela Visium/Arcitech, é um sistema de documentação de redes ópticas que através de uma interface gráfica

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

O projeto abastecerá, de forma direta, 84 (oitenta e quatro) famílias, e também conectará, nos nós 5 e 7 na planta, a outra rede existente.

O projeto abastecerá, de forma direta, 84 (oitenta e quatro) famílias, e também conectará, nos nós 5 e 7 na planta, a outra rede existente. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PICADA ARROIO DO MEIO ARROIO DO MEIO / RS MEMORIAL DESCRITIVO 1. Considerações preliminares O presente projeto visa à implantação de melhorias no sistema de abastecimento

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Métodos Não Destru.vos em Projetos de Dutos da Petrobras

Métodos Não Destru.vos em Projetos de Dutos da Petrobras Métodos Não Destru.vos em Projetos de Dutos da Petrobras Ana Cecília Soares Engenharia de Dutos da Petrobras Normalização Técnica Normas Internacionais ASME B31.4 ASME B31.8 Normas Brasileiras NBR 15.280-1

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli*

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* 46 Capítulo VI em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* Tendência irreversível no mercado da construção civil, as redes subterrâneas a cada dia ganham mais terreno em obras em

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-003 (2012) MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE REDE DE FIBRA ÓTICA VERSÃO 1.0

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-003 (2012) MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE REDE DE FIBRA ÓTICA VERSÃO 1.0 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-003 (2012) MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE REDE DE FIBRA ÓTICA VERSÃO 1.0 ESTA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FOI BASEADA NAS ESPECIFICAÇÕES DA REDE NACIONAL DE PESQUISA (RNP), SISTEMA

Leia mais

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES 29.09.2000 3/18 PÁG. 1. OBJETIVO... 3/18 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3/18 3. S COMPLEMENTARES... 3/18 4. TERMINOLOGIA...

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 Página 1 de 8 COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 FIBRA ÓPTICA COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO PADRÃO DE EQUIPAMENTOS APLICADOS NA PROTEÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Automação ELABORADO POR: COLABORADORES:

Leia mais

Índice. 1. Instalações Elétricas sob o Piso Elevado 1.1 Os diferentes Tipos de Sistemas Elétricos Cabos

Índice. 1. Instalações Elétricas sob o Piso Elevado 1.1 Os diferentes Tipos de Sistemas Elétricos Cabos Índice 1. Instalações Elétricas sob o Piso Elevado 1.1 Os diferentes Tipos de Sistemas Elétricos Cabos Monolítico Werden de sinal Cabos de potência 1.2 Componentes básicos da Instalação Elétrica sob o

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Manual Técnico Telcon Departamento de Engenharia

Manual Técnico Telcon Departamento de Engenharia 1/13 Sumário 1. Objetivo 2. Referências 3. Uso e Aplicação 4. Definições 5. Designação 6. Características Construtivas 7. Formação dos Cabos 8. Instruções Gerais de Instalação 9. Teste do Cabo antes do

Leia mais

Rede de Distribuição de Gás Natural. Campanha Externa de Prevenção de Acidentes com a População - CEPAP

Rede de Distribuição de Gás Natural. Campanha Externa de Prevenção de Acidentes com a População - CEPAP Rede de Distribuição de Gás Natural Campanha Externa de Prevenção de Acidentes com a População - CEPAP Em caso de vazamento, o que fazer: 1 Isolar a área de ocorrência do vazamento ou combustão e se afastar

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO. Planejamento e Gestão de logística; Mecanização de mão de obra.

CATÁLOGO TÉCNICO. Planejamento e Gestão de logística; Mecanização de mão de obra. CATÁLOGO TÉCNICO A LOKMAX oferece soluções aos seus clientes com o desenvolvimento de trabalhos pioneiros e desafiadores, atuando principalmente nos segmentos de: Planejamento e Gestão de logística; Mecanização

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA A complexidade de serviços subterrados, tais como cabos elétricas, condutas de água, cabos de telecomunicações, etc. aumenta cada vez

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA

RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA RECOMENDAÇÕES PARA INSTALADORES SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MODELO SAFIRA 1. INSTALAÇÃO E INFRAESTRUTURA A Central de alarme e detecção de incêndio Safira exige cuidados importantes na hora

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DE REFERÊNCIA 1-7

TABELA DE PREÇOS DE REFERÊNCIA 1-7 Item Serviços do Grupo 1 Unida 1.1 Projeto instalação fibras ópticas aéreas metro 411770 R$ 947.071,00 1.2 Projeto instalação fibras ópticas subterrâneas metro 20680 R$ 66.176,00 1.3 Projeto instalação

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX

MANUAL TÉCNICO DRENO CORRUGADO CIMFLEX 1. INTRODUÇÃO O DRENO CIMFLEX é um tubo dreno corrugado fabricado em PEAD (Polietileno de Alta Densidade), de seção circular e com excelente raio de curvatura, destinado a coletar e escoar o excesso de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS Definição e Responsabilidades Em conformidade com a LEI nº 14.072 de 18 de outubro de 2005, qualquer EVENTO somente poderá ser iniciado após

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

SDGN Região Metropolitana de São Paulo Interligação Avenida Engenheiro Caetano Álvares Relatório Ambiental para Solicitação de LI

SDGN Região Metropolitana de São Paulo Interligação Avenida Engenheiro Caetano Álvares Relatório Ambiental para Solicitação de LI 08/06/2005 Revisão 0 01-RT-04/05 SDGN Região Metropolitana de São Paulo Interligação Avenida Engenheiro Caetano Álvares Relatório Ambiental para Solicitação de LI Avenida Presidente Castelo Branco - Município

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado

Leia mais

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 29 de Maio de 2007 Página 1 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1. Externas...

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

Amanco Fossa Séptica

Amanco Fossa Séptica MANUAL DE INSTALAÇÃO Amanco Fossa Séptica M a n u a l d e I n s t a l a ç ã o A m a n c o F o s s a S é p t i c a Este manual também pode ser visualizado através do site > Produtos > Predial > Esgoto e

Leia mais

Linha Embutida a tid u b m a E h Lin

Linha Embutida a tid u b m a E h Lin Dutos de Piso... 27 Modelos... 27 Caixas de passagem... 31 Caixas de tomada... 35 Derivações... 39 Tomadas de piso - Latão/Cromado/Nylon... 42 Espelho para pisos... 43 Caixa de alumínio... 44 Distribuição

Leia mais

Acessórios para empilhadeiras

Acessórios para empilhadeiras Índice: Acessórios para empilhadeiras - MSI-Forks & ATIB - Cotando acessórios - Modelos de equipamentos - Kit hidráulico e opcionais - Garantia e suporte local MSI-Forks & ATIB A MSI-Forks oferece ao mercado

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-001 (2012) MANUAL DE PROJETO DE REDES DE FIBRAS ÓPTICAS VERSÃO 1.0

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-001 (2012) MANUAL DE PROJETO DE REDES DE FIBRAS ÓPTICAS VERSÃO 1.0 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ATI-INFRA-OPT-001 (2012) MANUAL DE PROJETO DE REDES DE FIBRAS ÓPTICAS VERSÃO 1.0 ESTA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FOI BASEADA NAS ESPECIFICAÇÕES DA REDE NACIONAL DE PESQUISA (RNP), SISTEMA

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços PÁG. 1/16 1. OBJETIVO Estabelecer um padrão de sinalização, identificação e isolamento nas obras e serviços da Bahiagás, a fim de minimizar os riscos a das atividades em vias públicas, proteger os munícipes

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-018 CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETOS E CONSTRUÇÕES DE REDES SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS NDU-018 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2.

Leia mais

ORÇAMENTO BÁSICO CONCORRÊNCIA N.O. 0-001-13 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS - POTIGÁS

ORÇAMENTO BÁSICO CONCORRÊNCIA N.O. 0-001-13 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS - POTIGÁS ORÇAMENTO BÁSICO CONCORRÊNCIA N.O. 0-001-13 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS - POTIGÁS Item Descrição dos Serviços Unid. Quant. Valor Unitário Máximo aceitável pela Potigás 1.0 Mobilização vb 1 Conforme proposta

Leia mais

CAPÍTULO 11 ENGETUBO

CAPÍTULO 11 ENGETUBO 138 CAPÍTULO 11 ENGETUBO 1. Generalidades Os geotubos são tubos fabricados a partir de materiais poliméricos e são classificados como flexíveis. No caso do Engetubo da Engepol o polímero é o PEAD polietileno

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO 1/5 1. Objetivo Estabelecer critérios para sinalizar e isolar as áreas de trabalho, com a finalidade de garantir a distância e o isolamento adequado na execução de serviços em iluminação pública em redes

Leia mais

Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC).

Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC). Infra-estrutura de Internet Data Center (IDC) Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC). Pollette Brancato Diretora de

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda. LPgomes@iecengenharia.com.br www.iecengenharia.com.br

Leia mais

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação.

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR INTRODUÇÃO O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. Se o Grupo Gerador for instalado dentro dos parâmetros recomendados e se

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br

SOLUÇÕES PARA FACHADA. metax.com.br SOLUÇÕES PARA FACHADA metax.com.br Passarela para pedestres Estes equipamentos são utilizados em locais onde a instalação do andaime fachadeiro obstrui a passagem de via, ou seja, a fachada do prédio não

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REDE DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA BT MULTIPLEXADA 1ª edição Versão 1.0 out/09 [Digite texto] MEDIDAS DE CONTROLE Revisão:

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

JOSÉ LEOMAR FERNANDES JR. Universidade de São Paulo

JOSÉ LEOMAR FERNANDES JR. Universidade de São Paulo JOSÉ LEOMAR FERNANDES JR. Universidade de São Paulo Custos Sociais e Indiretos: MND versus Abertura de Valas Pesquisas na Escola de Engenharia de São Carlos da USP Resultados de Pesquisas no Exterior Universidade

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS VISÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO 2014 PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS EMPRESA Presente no mercado desde 1999, a PETROENGE é uma empresa de engenharia focada na maximização

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS METÁLICAS Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-08/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de estacas

Leia mais