Plano Urbanístico - Tiquatira 2 - Arche Consultoria, Planejamento e Projetos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Urbanístico - Tiquatira 2 - Arche Consultoria, Planejamento e Projetos"

Transcrição

1 Plano Urbanístico - Tiquatira 2 - Arche Consultoria, Planejamento e Projetos

2 ARCHE CONSULTORIA PLANEJAMENTO E PROJETOS VIRGINIA MURAD Arquiteta Urbanista ELSA BURGUIÈRE Arquiteta Urbanista JOÃO PAULO HUGUENIN Aquiteto Urbanista TIAGO BASTOS Aquiteto Urbanista TOM F. CAMINHA Aquiteto Urbanista SONIA CARVALHO Assistente Social

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 INSTRUMENTOS CONCEITUAIS 4 DIRETRIZES PROJETUAIS 6 CONDICIONANTES 8 MAPA SÍNTESE 9 CENÁRIOS 10 CRITÉRIOS 12 PLANO URBANÍSTICO 14 CONCEITO 16 UH TRIPOSTA 18 UH VERTICAL 19 CENTRALIDADES 20 ÁREAS VERDES 24 USOS DO SOLO 28 SISTEMA VIÁRIO 30 DRENAGEM 34 HIERARQUIZAÇÃO DA INTERVENÇÃO 38 IMAGENS DO PLANO URBANÍSTICO 40 CONSIDERAÇÕES FINAIS 52 PLANO URBANÍSTICO 1

4 FIGURA 1: Foto com desejos dos moradores da Vila União sobre o projeto de urbanização do PAI Tiquatira 2.

5 APRESENTAÇÃO As propostas contidas nesta etapa de trabalho, além de formuladas com o rigor técnico necessário, foram também resultado de um diálogo com o setor público, responsável pelo monitoramento do Plano de Intervenção, e de um trabalho participativo junto aos moradores dos assentamentos, principais atingidos pela intervenção em curso. TRABALHO SOCIAL E GESTÃO DEMOCRÁTICA Acreditamos que o trabalho social é parte vital no processo de planejamento do PAI. Entre seus objetivos encontram-se: promover o envolvimento da comunidade no projeto, estimular sua participação, subsidiar equipe e comunidade com informações relevantes de parte a parte. Acreditamos também que o interesse dos moradores devem comprometê-los na conservação das intervenções propostas, assim como maior apropriação dos espaços criados através desta ação de planejamento. Isso tem como pressuposto um dos princípios fundamentais da proposta que é o da legitimidade da intervenção. Procuramos através disto tratar a questão habitacional de forma pactuada e manter o respeito à tipicidade da ocupação. APRESENTAÇÃO DO TRABALHO E DISCUSSÃO COM A PREFEITURA Buscamos ao longo do processo de trabalho, estabelecer um diálogo com os setores do poder público envolvidos, devido às proposições contidas no Plano Urbanístico serem objeto de negociação. Por razão disto, fizemos uma consulta prévia à Habi Leste e ao GT Plano Urbanístico no dia 10 de agosto. ATIVIDADE DE EXPOSIÇÃO DO DIAGNÓSTICO E DIRETRIZES DO PLANO À COMUNIDADE Com apoio e aval da SEHAB, responsáveis pela divulgação e convite para comparecimento, foram realizadas atividades de consulta e debate na comunidade, visando contemplar os diversos setores internos da favela. A atividade consistiu em exposição visual do diagnóstico e das diretrizes de projeto contidas no Plano Urbanístico durante grande parte do dia. Realizamos debates e esclarecimentos com a população, de grandes grupos a grupos mais focalizados no usuário, entre os dias 23 e 25/08, pela tarde e noite. Foram afixados cartazes em um varal, para facilitar a leitura por parte da população. Nestes cartazes os moradores colaram sugestões em pequenas fichas enquanto a equipe técnica prestava os esclarecimentos necessários. A Habi Leste compareceu, enriquecendo a atividade com o respaldo dado conferiu aos eventos. Dessa forma, foi possível conhecer melhor e incorporar as preocupações da comunidade nas definições do plano. Observamos que muitas reivindicações já estavam sendo contempladas. Atribuímos essa conformidade de objetivos ao trabalho minucioso de investigação que realizamos no diagnóstico, quando o diálogo e o contato com a população foram de fundamental importância. Devemos frisar que a população local está acompanhando as atividades promovidas, manifestando, em geral, grande interesse e expectativa. Observamos que através de um diálogo franco e respeitoso é possível estabelecer um entendimento da população sobre as necessidades das intervenções urbanas.

6 NSTRUMENTOS INSTRUMENTOS CONCEITUAIS Para desenvolvermos o Plano Urbanístico do PAI Tiquatira 2 introduzimos instrumentos conceituais que norteou nossas propostas de intervenção. Os conceitos utilizados foram os seguintes: HABITABILIDADE: Garantir a habitabilidade é o objetivo básico das intervenções em assentamentos informais. Na escala urbana, a habitabilidade inclui a provisão de infraestrutura e serviços públicos. Já na escala da moradia, indica a melhoria habitacional das moradias que podem ser mantidas e adoção de premissas sustentáveis nas novas edificações. Dessa forma, as famílias passarão a ter uma Moradia Digna. LEGITIMIDADE As intervenções em favelas se tornam legitimas ao reconhecer o direito constitucional à moradia respeitando os vínculos, a identidade social e a noção de pertencimento da população existente. Assim, o projeto deve promover a garantia da posse da terra através da regularização fundiária considerando os bens construídos pela população. Além disso, a legitimidade aumenta na medida em a gestão da cidade passa a ser democrática e os moradores podem participar do processo de decisão do processo. 4 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

7 CONECTIVIDADE Permitir a conexão da favela com o espaço urbano circundante significa integrá-la à cidade. A conexão deve se dar tanto internamente, a partir da idententificação do traçado urbano e a definição do sistema viário, como externamente, através da formulação de um sistema de mobilidade urbana sustentável. Além disso, a conexão entre as diversas partes da cidade se dá através dos usos e serviços previstos para o local. SUSTENTABILIDADE Esse conceito implica numa necessária inter-relação entre justiça social, qualidade de vida, equilíbrio ambiental e a necessidade de desenvolvimento. A sustentabilidade deve permear todas as ações e intervenções a serem implementadas, na medida do possível, através das opções do projeto urbano, das soluções construtivas, dos processo de execução, da gestão e das possibilidades de programas sociais. PLANO URBANÍSTICO 5

8 DIRETRIZES DIRETRIZES PROJETUAIS São as seguintes as Diretrizes de Ação que respaldam os Princípios Fundamentais: Garantia da Função Social da Cidade e da Propriedade, com Justiça Social - Aplicação dos instrumentos do Estatuto da Cidade; tomando por base as determinações do Plano Diretor estratégico, enquanto importante instrumento de efetivação da função social da propriedade urbana, na medida em que este se apresenta como requisito essencial para a utilização dos instrumentos da política urbana, descritos: no 4º do Art. 182o da Constituição Federal de 88 e nos termos do Inc. III do Art. 41o do Estatuto da Cidade. - Urbanização e regularização fundiária do assentamento como garantia à posse da terra e à função social da propriedade. A regularização fundiária promove a cidadania, e, ao fornecer ao morador um título de propriedade, também lhe assegura um endereço, efetivando sua inclusão social. - Integração da população no contexto legal da cidade, pela consolidação do assentamento e sua inserção no planejamento e no conjunto de ações e programas desenvolvidos pela prefeitura. - Regulamentação de ZEIS 1 para a favela a ser consolidada e elaboração de legislação de uso e ocupação do solo com parâmetros e normas simplificadas e flexíveis, respeitosas ao ambiente construído, com adoção de padrões urbanísticos diferenciados da cidade formal. Definição, no interior da ZEIS de sistema de nomenclatura de ruas e numeração de casas. - Garantia da capacidade de suporte de infraestrutura, serviços e equipamentos urbanos. Garantia de Moradia Digna - Enfrentamento do problema habitacional em articulação com as demais políticas: fundiária, de saneamento, de meio ambiente e de transporte, de acordo com as determinações da política urbana. - Respeito ao espaço construído e reconhecimento da produção e dos investimentos em habitação já realizados pela população moradora local. - Respeito às características da organização física e social local, à noção de pertencimento da população local e aos laços de vizinhança já estabelecidos. - Provisão de novas unidades habitacionais para atendimento ao déficit por substituição, proveniente da necessidade de reassentamento dessas famílias. Sustentabilidade Ambiental - Promoção de ações que combinem a melhoria de condições de melhoria à recuperação do meio ambiente na área de intervenção. - Considerar, para efeito de planejamento de ações de saneamento, em especial para a drenagem ambiental, o território de forma mais abrangente, tomando a subbacia hidrográfica do Ponte Rasa, de acordo com a orientação e a prática da SEHAB. 6 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

9 Recuperação de área degradada e subutilizada no interior da área de intervenção para Implantação de Parque Linear; - Urbanização dos assentamentos contíguos à área de intervenção, visando à readequação do entorno do parque linear a ser criado (com implantação de redes de saneamento básico, projetos de drenagem pluvial, recuperação da calha de deságue do rio e replantio de mata ciliar, coleta de lixo, despoluição da nascente do córrego Ponte Rasa) com reflexos e melhoria no funcionamento de toda a bacia a que pertence o córrego. - Ampliações dos fluxos de mobilidade pela articulação com a escala maior da cidade, seus espaços livres e públicos, centralidades, importantes modais de circulação: Interligação do Parque Linear, através de caminhos verdes (alamedas arborizadas) e ciclovias, a outros parques e praças do bairro e às estações de metro, entre outros. - Projeto de educação ambiental junto à comunidade, para preservação das obras e dos equipamentos implementados. PROJETUAIS - Criação do Conselho Gestor da ZEIS de acordo com as determinações do Plano Diretor Estratégico visando à análise e aprovação, esta quando for o caso, do plano e dos demais projetos de intervenção. - Fortalecimento dos segmentos sociais e representantes das comunidades atingidas, por meio de canais de participação e esclarecimento acerca da intervenção proposta. - Garantia de participação da sociedade local nas etapas de elaboração e implementação do Plano de Intervenção, por meio de: a) Apresentação, discussão e esclarecimento dos resultados do diagnóstico, abrindo espaço para que os moradores e seus representantes se manifestem, no tocante à concordância ou discordância com as conclusões ali contidas. b) Incorporação das reivindicações dos moradores e de seus representantes aos estudos e ao plano de intervenção e apresentação do plano em assembleia. - Fortalecimento de uma organização comunitária e democrática para garantia de transparência na aplicação dos recursos. Gestão Democrática - Sistematização de práticas de trabalho em conjunto com atores sociais e lideranças comunitárias com os objetivos de abrir espaço e dar voz à população atingida. - Envolvimento da comunidade e integração da equipe técnica pelo estabelecimento de uma relação de segurança e franqueza na apresentação dos objetivos e ações. PLANO URBANÍSTICO 7

10 PLANO URBANÍSTICO 9

11 ENÁRIOS Áreas densas, com casas precárias e em área de risco (deslizamento e alagamento) Rua Agreste de Itabaiana C. Ponte Rasa Av. Águia de Haia CENÁRIO ATUAL Verticalização das habitações com ocupação da margem do rio, piorando as situações de risco. CENÁRIO TENDÊNCIA Recuperação da margem do rio, controle da inundação e áreas de risco. Controle da urbanização e construção de UH para relocação. CENÁRIO DESEJADO 10 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

12 Rua Agreste de Itabaiana C. Ponte Rasa Rua Cinco CENÁRIO ATUAL CENÁRIO TENDÊNCIA CENÁRIO DESEJADO PLANO URBANÍSTICO 11

13 CRITÉRIOS CRITÉRIOS DE URBANIZAÇÃO Para realizar o plano de urbanização dos assentamentos do PAI Tiquatira 2 seguimos critérios técnicos para fazer uma estimativa do número de unidades habitacionais a serem reassentadas. O primeiro critério das edificações que deveriam sair foi o da precariedade da habitação, no caso, verificamos que essas coincidiam com as edificações de madeira. Além disso, verificamos que muitas casas ficavam em área de risco de escorregamento e também deveriam ser realocadas. Como o córrego Ponte Rasa quando transborda invade algumas casas, foi previsto que suas margens fossem recuperadas. Nas área de ocupação mais antiga que conta com boas edificações utilizamos a diretriz da SIURB de uma faixa não edificante de 5 metros. Já onde as edificações eram mais precárias, consideramos a área de proteção permanente de 15 metros prevista no Código Florestal. Junto à Avenida Águia de Haia verificamos que seria necessário afastar as edificações por conta do ruído excessivo dos veículos. Além dessas edificações que deveriam ser removidas por questões de risco, consideramos que no caso da necessidade de abertura de vias e infraestrutura, deveríamos priorizar as áreas que tivessem a maior concentração de edificações com área reduzida ( 35m²). Dessa forma, chegamos a seguinte situação: 12 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

14 CRITÉRIOS PARA NOVAS EDIFICAÇÕES Para realizar a reconstituição do tecido urbano através da habitação pensamos em duas tipologias: uma de casas tripostas e outra de edificíos com cinco pavimentos. A concepção estrutural das duas é a mesma: lâminas paralelas de alvenaria estrutural definem os limites de cada com o vão usual de uma laje pré-fabricada. As edificações devem possuir uma implantação em fita, tendo as unidades aberturas em fachadas opostas, possibilitando uma ventilação cruzada eficiente, potencializada pelo desenho das esquadrias. Vão < 7m Vão < 7m Nas casas tripostas, o térreo é composto por dois módulos horizontais enquanto as outras unidades se desenvolvem em dois módulos verticais. O térreo é facilmente adaptado à uma unidade voltada a deficientes físicos ou para o comércio. Essa tipologia também deverá ser utilizada em reconstituição do tecido, devido a sua reduzida projeção A tipologia verticalizada deve ser implementada na divisa dos lotes, evitando os edifícios isolados em centro de terreno. Assim, o acesso ao conjunto deve se dar por um espaço de uso coletivo, transição entre o público e o privado. PLANO URBANÍSTICO 13

15 PLANO URBANÍSTICO Parque linear que conjuga fatores de recuperação ambiental como: recuperação da nascente aterrada[1], recomposição de mata ciliar [2], controle de vazão de águas pluviais; com carências do bairro quanto à espaços públicos, equipamentos de esporte/ lazer e áreas verdes[3]. -Ciclovia[4] que além de unir ambiências, foi projetada com a intencionalidade de uma escala maior da cidade, onde conectaria espaços livres, espaços públicose importantes modais de circulação (trem, metrô e ônibus). - Organização do sistema viário [5] integrado à malha envoltória e respeitando o preexistente. Mais acessose permeabilidade à favela. Abertura de vias e ampliação das vielas existentes. - Ligação às redes de infraestrutura existentes no bairro a todas as residências do assentamento. - Remanejamento das famílias em situação de risco para área contígua[6] ou interior da própria favela[7]. Os terrenos prioritários postos em negociação são adjacentes aos assentamentos, promovendo a manutenção de vínculos sociais já estabelecidos e a possibilidade (indicada no presente trabalho) de construção das unidades de reassentamento antes da intervenção no interior da favela. - Implantação de equipamentos públicos identificados como carências da área através do diagnóstico participativo, como o Centro de Referência [8] (centro comunitário para múltiplos usos), galpão de triagem de coleta seletiva para geração de emprego e renda [9] (sugere-se capacitação para a criação de cooperativa de catadores do assentamento) e equipamentos diversos de esporte e lazer no parque linear. 14 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

16 PLANO URBANÍSTICO PLANO URBANÍSTICO 15

17 16 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

18 PLANO URBANÍSTICO 17

19 H-TRIPOSTA 18 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

20 UH-VERTICAL PLANO URBANÍSTICO 19

21 20 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

22 CENTRALIDADES PLANO URBANÍSTICO 21

23 CENTRALIDADES 22 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

24 PLANO URBANÍSTICO 23

25 ÁREAS VERDES 24 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

26 PLANO URBANÍSTICO 25

27 26 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

28 PLANO URBANÍSTICO 27

29 28 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

30 30 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

31 SISTEMA VIÁRIO PLANO URBANÍSTICO 31

32 32 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

33 PLANO URBANÍSTICO 33

34 34 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

35 PLANO URBANÍSTICO 35

36 36 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

37 DRENAGEM PLANO URBANÍSTICO 37

38 HIERARQUIA 38 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

39 PLANO URBANÍSTICO 39

40 40 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

41 PLANO URBANÍSTICO 41

42 42 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

43 PLANO URBANÍSTICO 43

44 44 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

45 PLANO URBANÍSTICO 45

46 46 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

47 PLANO URBANÍSTICO 47

48 48 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

49 PLANO URBANÍSTICO 49

50 50 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

51 PLANO URBANÍSTICO 51

52 CONSIDERAÇÕES CONSIDERAÇÕES FINAIS Deve ser assegurado a todas as pessoas, não apenas em palavras, mas concretamente, o direito à moradia, sem o qual nenhum ser humano poderá satisfazer todas as suas necessidades materiais e espirituais Dalmo de Abreu Dallari (Viver em Sociedade) Favela consolidada e urbanizada é aquela servida por saneamento ambiental, infraestrutura e serviços básicos, aquela em que o direito à moradia digna e o direito a terra estão assegurados. Assim, o Plano de Intervenção se propõe a consagrar esses direitos e garantir o atendimento à infraestrutura urbana como um todo, buscando a sustentabilidade da intervenção, com inserção do assentamento à cidade e, ao mesmo tempo, combate à exclusão social. LIMITAÇÕES DO PLANO Algumas limitações do Plano são devidas, entre outros, à falta de Cadastro, nesta etapa, das famílias atingidas e à falta de Restituição da Aerofotogrametria, que interferem diretamente com algumas tomadas de decisão e consequentemente, com o resultado final do trabalho. Embora contornáveis nesta etapa de desenvolvimento do trabalho, situações como essas não deveriam voltar a acontecer, sob pena de comprometer não só o Estudo Preliminar como as etapas futuras da intervenção. 52 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2 CONDIÇÕES DE PAGAMENTO DAS NOVAS MORADIAS A situação das casas mais precárias das favelas - feitas de madeira ou de materiais inservíveis, situadas nos locais mais insalubres - vai exigir uma ação mais cuidadosa e concentrada da intervenção, no que diz respeito à realocação de moradias. Algumas pessoas nessa situação não terão condições de arcar com o peso de um financiamento para a nova habitação. E é claro que isso se aplica também a outras situações, tais como famílias numerosas moradoras de cubículos sem condições de habitabilidade, mas que não podem pagar por uma nova casa, etc. Dessa maneira, devem ser pensadas outras soluções para resolver esses problemas. Como esta questão está intimamente ligada à falta de cadastro, a primeira atitude deve ser a elaboração de um cadastro e uma análise socioeconômica das famílias que moram nas casas indicadas para remoção. A realização de um plantão social contínuo na comunidade, para esclarecimentos, antes do início das obras, também é recomendável, pois os moradores precisam conhecer para estarem preparados para as dificuldades decorrentes da intervenção. PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE MORADIAS Em alguns casos seria recomendável entrar com um Programa de Requalificação de Moradias para as unidades que continuarem instaladas na favela. Criado a partir da aprovação do Plano Diretor Estratégico (Lei no /02) o programa, que visa oferecer assistência técnica gratuita, foi proposto para atender às necessidades de requalificação das moradias em assentamentos que tenham sofrido intervenções (urbanização/regularização), garantindo parâmetros mínimos de salubridade e conforto.

53 HABILITAR A COMUNIDADE A PARTICIPAR DA CONSTRUÇÃO DOS ESPAÇOS CRIADOS E DE SUA GESTÃO Dar continuidade ao trabalho de envolvimento e pactuação com a população, em uma proposta de identificação da comunidade com seu próprio espaço. A instituição das ZEIS que visa harmonizar o assentamento irregular com a cidade formal traz, entre seus elementos o direito aos moradores de participarem do planejamento das intervenções. Isso pode se dar sob a forma de um trabalho social articulado e respeitoso junto á população e através do estabelecimento de um Conselho Gestor, do qual façam parte representantes da prefeitura e das favelas atingidas. INSTITUIÇÃO DE CONSELHO GESTOR O estabelecimento de um Conselho Gestor para a ZEIS (objeto do Decreto Municipal nº /04, posteriormente alterado pelo Decreto Municipal n /04) é um canal instituído por lei para viabilizar a participação da sociedade na gestão da política habitacional do município. Em seu artigo 175o, parágrafo 1º, o PDE estabelece que os Planos de Urbanização das ZEIS devem contar com Conselhos Gestores compostos por representantes dos atuais ou futuros moradores e do Executivo, que deverão participar de todas as etapas de elaboração do Plano de Urbanização e de sua implementação. O artigo 178O estabelece ainda que os Planos de Urbanização de cada ZEIS deverão ser subscritos pelo Conselho Gestor da respectiva ZEIS e aprovados pela Comissão de Avaliação de Empreendimentos Habitacionais de Interesse Social - CAHEIS, da SEHAB, garantindo na elaboração e implementação do respectivo Plano de Urbanização a participação da população moradora da ZEIS, da Subprefeitura envolvida e dos proprietários de imóveis da respectiva ZEIS. Sugerimos que esse conselho seja constituído ainda nesta fase, de acordo com a legislação vigente, permitindo um protagonismo por parte dos atingidos pela intervenção em consonância com o poder público local, enquanto responsável pela intervenção. LEGISLAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO PARA A ZEIS As ZEIS são um instrumento fundamental para as políticas de integração urbana dos assentamentos precários, garantindo a segurança jurídica da posse dos moradores sobre sua área de moradia, com resultados benéficos para toda a cidade, em termos de qualificação do espaço, melhorias sanitárias e ambientais. Nas ZEIS devem ser aplicadas regras especiais de uso e ocupação do solo, buscando o reconhecimento da diferença e permitindo a realização de obras de infraestrutura e a inscrição da área nos cadastros municipais. No entanto, a valorização da área resultante da implantação dessa infraestrutura e da chegada dos serviços urbanos, acarreta, muitas vezes, a expulsão dos moradores mais pobres do assentamento, substituídos por famílias vindas de uma camada de renda mais alta. O estabelecimento de uma legislação de uso e ocupação do solo com normas urbanísticas especiais, que reconheça a diversidade de uso e ocupação e a realidade do assentamento, funciona como um mecanismo legal de proteção desses moradores e de garantia do seu direito constitucional à moradia. Além disso, facilita a regularização fundiária desses assentamentos. Daí a importância da elaboração e aprovação de lei antes do término das obras. INCLUSÃO DE PARTE DAS 80 FAMÍLIAS DESALOJADAS As 80 famílias desalojadas para limpeza e desobstrução PLANO URBANÍSTICO 53

54 do córrego, 11 das quais recebem aluguel social da prefeitura e os outros 69 receberam algum dinheiro do Estado para desocuparem a área. Dessas famílias, algumas voltaram a ocupar a área, outras ainda estão esperando serem beneficiadas com uma moradia. As 11 famílias que vivem de aluguel social devem ser incluídas no projeto. A situação das demais deve ser objeto de negociação com o Estado. IMPACTO DAS OBRAS NA COMUNIDADE O planejamento da obra deve levar em consideração que as famílias vão continuar a morar no local enquanto durarem as obras (ver cronograma de etapas) e assim seria interessante que fosse elaborada uma avaliação do impacto da obra sobre o assentamento, para redução de incomodidades. 54 PERÍMETRO DE AÇÃO INTEGRADA TIQUATIRA 2

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL Ã ÇÃ ÇÃ Á PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL APRESENTAÇÃO O projeto Chico Mendes compreende uma

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas World Urban Forum 2010 Side Event Principais Conclusões do Eixo Físico-Urbanístico Consultor Sênior - Prof. Dr. João Sette Whitaker Ferreira Antecedentes históricos

Leia mais

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis Maria Teresa Diniz Município de São Paulo População = 10, 5 milhões hab. Área = 1.509 km² Subprefeituras = 31 Distâncias: Norte-Sul = 60 Km Leste-Oeste

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Título III Do Uso e Ocupação do Solo

Título III Do Uso e Ocupação do Solo Título III Do Uso e Ocupação do Solo RETORNAR Capítulo I Das Macrozonas Seção I Da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana Art. 26 A Subprefeitura da Mooca encontra-se integralmente contida na

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

Renova SP: uma experiência Felipe de Souza Noto, Maira Francisco Rios, Paulo Emílio Buarque Ferreira

Renova SP: uma experiência Felipe de Souza Noto, Maira Francisco Rios, Paulo Emílio Buarque Ferreira Renova SP: uma experiência Felipe de Souza Noto, Maira Francisco Rios, Paulo Emílio Buarque Ferreira A Prefeitura de São Paulo, em parceria com o Instituto dos Arquitetos do Brasil, ao propor o Concurso

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

URBANIDADE E ARQUITETURA NA PERIFERIA

URBANIDADE E ARQUITETURA NA PERIFERIA CONCURSO RENOVA SP Sehab, IAB-DF, PMH São Paulo, SP. 2011 urbanismo URBANIDADE E ARQUITETURA NA PERIFERIA Projetos vencedores do Renova SP levam qualidade construtiva à periferia de São Paulo. Mas ainda

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 Institui o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social - PMHIS, e dá outras providências A CÂMARA MANICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, APROVOU

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - - ASPÉCTOS TÉCNICOS Luciano Saldanha Varela Engenheiro Civil ETAPAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA 1) TOPOGRAFIA PARA AUTO DE DEMARCAÇÃO URBANÍSTICA E PARA INSTITUIÇÃO DE ZEIS (PERÍMETRO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais

MANIFESTAÇÃO ENCAMINHADA À CONSULTA PÚBLICA DO PROJETO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA DA AGÊNCIA CASA PAULISTA

MANIFESTAÇÃO ENCAMINHADA À CONSULTA PÚBLICA DO PROJETO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA DA AGÊNCIA CASA PAULISTA MANIFESTAÇÃO ENCAMINHADA À CONSULTA PÚBLICA DO PROJETO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA DA AGÊNCIA CASA PAULISTA Segundo o Plano Municipal de Habitação elaborado em 2009, se encontram na área central de Sao

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais Capítulo I Dos Objetivos da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região Título

Leia mais

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO INFORMAÇÕES BÁSICAS datas de início e término: local: fonte de recursos: arranjo institucional: 2015

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011 Regularização Fundiária Rosane Tierno 02 julho -2011 Parte I - Informalidade fundiária Imagem interna de um cortiço Regularização Fundiária Por que?? INFORMALIDADE FUNDIÁRIA URBANA MUNICÍPIOS POR FAIXA

Leia mais

PAC Urbanização de assentamentos precários ALESSANDRA D AVILA VIEIRA Diretora de Urbanização de Assentamentos Precários

PAC Urbanização de assentamentos precários ALESSANDRA D AVILA VIEIRA Diretora de Urbanização de Assentamentos Precários PAC Urbanização de assentamentos precários ALESSANDRA D AVILA VIEIRA Diretora de Urbanização de Assentamentos Precários Porto Alegre, outubro de 2015 AVANÇOS SOCIAIS NO BRASIL COMPARAÇÃO 2005-2014 (1)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador O Plano Diretor é uma lei aprovada na Câmara de Vereadores de cada município, com a participação ativa da comunidade. Mas do que isto, o Plano Diretor

Leia mais

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos?

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? Mobilidade: projetar a cidade do futuro Sinaenco RS Hotel Deville, Porto Alegre 25 de setembro de 2013 Arq. Tiago Holzmann da Silva Presidente

Leia mais

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Copa, Olimpíadas e Porto Maravilha Observatório das Metrópoles Profs. Mauro Santos e Erick Omena Megaeventos e planejamento A lógica do empreendedorismo

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

PROJETOS SUSTENTÁVEIS NA URBANIZAÇÃO DE FAVELA EM SÃO PAULO Os conjuntos do arquiteto Edson Elito em Paraisópolis

PROJETOS SUSTENTÁVEIS NA URBANIZAÇÃO DE FAVELA EM SÃO PAULO Os conjuntos do arquiteto Edson Elito em Paraisópolis 3. EVALUACIÓN Y CERTIFICADOS Maria Augusta Justi Pisani y Gilda Collet Bruna I São Paulo, Brasil PROJETOS SUSTENTÁVEIS NA URBANIZAÇÃO DE FAVELA EM SÃO PAULO Os conjuntos do arquiteto Edson Elito em Paraisópolis

Leia mais

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos O que é a SEDUR A Secretaria de Desenvolvimento Urbano - SEDUR, foi criada pela Lei nº 8.538, de 20 de dezembro de 2002, e tem por finalidade formular

Leia mais

Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação

Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação Brasília dezembro de 2014 GRAVES PROBLEMAS FUNDIÁRIOS Falta de registro

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

PROPOSTA DE REQUALIFICAÇÃO URBANA PARA O BAIRRO SÃO JOSÉ, JOÃO PESSOA, PARAÍBA, BRASIL.

PROPOSTA DE REQUALIFICAÇÃO URBANA PARA O BAIRRO SÃO JOSÉ, JOÃO PESSOA, PARAÍBA, BRASIL. 1 PROPOSTA DE REQUALIFICAÇÃO URBANA PARA O BAIRRO SÃO JOSÉ, JOÃO PESSOA, PARAÍBA, BRASIL. Marco Suassuna Arquiteto, Urbanista e Docente do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário de João

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social CASA LEGAL Programa Estadual de Regularização Fundiária Programa Casa Legal Devido a Lei Estadual nº 16.269, de 29 de maio de 2008, dispor em seu

Leia mais

Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares

Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares PROJETO PESQUISA E ANÁLISE DE APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS EM PLANEJAMENTO URBANO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Produto 04 Relatório 2 - Instrumentos Legais Necessários à Implantação de Parques Lineares

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO. Guia Básico dos Programas Habitacionais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO. Guia Básico dos Programas Habitacionais GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO Guia Básico dos Programas Habitacionais Dezembro / 2007 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MINISTÉRIO

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Objetivos Gerais: PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Melhorar as condições de vida dos moradores do MACIÇO DO MORRO DA CRUZ, a partir de investimentos em infra-estrutura e serviços sociais. Objetivos Específicos:

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social SÃO VICENTE PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social Encontro Regional Discussão Pública do Plano Estadual de Habitação (PEH-SP) SEHAB - SECRETARIA DE HABITAÇÃO Prefeitura Municipal de São

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

O Plano Diretor e a Sustentabilidade Ambiental das Cidades Eng Civil e PHD em Saúde Ambiental Ivan Carlos Maglio

O Plano Diretor e a Sustentabilidade Ambiental das Cidades Eng Civil e PHD em Saúde Ambiental Ivan Carlos Maglio O Plano Diretor e a Sustentabilidade Ambiental das Cidades Eng Civil e PHD em Saúde Ambiental Ivan Carlos Maglio A Sustentabilidade Ambiental: Novo Desafio para o Plano Diretor A posição oficial da Organização

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR 4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR CIDADE PARA TODOS E TODAS COM GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPATIVA E CONTROLE SOCIAL Avanços, Dificuldades e Deságios na Implementação

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 227

os projetos de urbanização de favelas 227 5.36 Localização. 5.37 e 38 Nova Guarapiranga, depois. Acervo sehab. 5.34 Nova Guarapiranga. Foto aérea. 5.35 Nova Guarapiranga, depois. Acervo sehab. os projetos de urbanização de favelas 227 miolo_final.indd

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR PROJETOS SOCIAIS PARA FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO LOCAL O Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar e do Sistema de Mosaicos da Mata Atlântica

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural. Habitação Desenvolvimento Social Conservação Ambiental Esportes Lazer Requalificação Ambiental Urbanização Patrimônio Cultural SIMÕES FILHO LAURO DE FREITAS BACIA DO COBRE SALVADOR Bacia do Rio do Cobre

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 1. OBJETIVO O presente Plano tem por objetivo ordenar os trabalhos necessários para a viabilização das obras de Saneamento

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO PLANO DE AÇÃO REGIONAL LESTE Legenda: Subprefeitura Vias Principais de acesso Linha de Metrô / CPTM Região Leste 08 Subprefeituras: Penha, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista,

Leia mais

CAIS JOSÉ ESTELITA. Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno

CAIS JOSÉ ESTELITA. Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno CAIS JOSÉ ESTELITA Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno Recife, 10 de setembro de 2014. SUMÁRIO: 1. Percurso metodológico 2. Sistematização

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 7 - Programa de Comunicação Social e Consulta Pública - PCSCP Introdução: O Programa de Comunicação Social e

Leia mais

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos.

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO Estado de São Paulo O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. Sumário Apresentação 5 Porque regularizar 6 Quando uma

Leia mais

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA HUMBERTO COSTA Secretário das Cidades Governo de Pernambuco 17 de setembro Recife / PE Prevenção da violência x ESPAÇO URBANO AS ESTATÍSTICAS

Leia mais

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato Programa Mínimo de Governo de João Pavinato João Pavinato e Cidinha Pascueto, candidatos a prefeito e vice-prefeita, respectivamente, da coligação A Vitória do Povo, formada pela união dos partidos PSDB,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013

FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013 FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Prêmio Selo Mérito 2013 Programa de Regularização Fundiária Sustentável de São Bernardo do Campo: Cidadania e Inclusão Social Urbana ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural. Habitação Lazer Desenvolvimento Social Requalificação Ambiental Conservação Ambiental Urbanização Esportes Patrimônio Cultural O Projeto de Requalificação Urbana e Ambiental da Bacia do Cobre é fruto de

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL Vórtice é um projeto de investigação e práticas urbanas experimentais. Reúne pesquisadores, arquitetos, engenheiros e artistas, junto com as comunidades

Leia mais