Agricultura produtora de água: impactos do mecanismo de pagamento por serviços ambientais do Projeto Conservador das Águas, em Extrema, MG.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agricultura produtora de água: impactos do mecanismo de pagamento por serviços ambientais do Projeto Conservador das Águas, em Extrema, MG."

Transcrição

1 GT (06) (Alternativas agrícolas: discursos de justificação e de contraposição ao produtivismo) Agricultura produtora de água: impactos do mecanismo de pagamento por serviços ambientais do Projeto Conservador das Águas, em Extrema, MG. Rafael E. Chiodi¹ Paulo E. Moruzzi Marques² Roldan Muradian³ 1 Mestre em Ciências Agrárias/Doutorando em Ecologia Aplicada/ Universidade de São Paulo/ ESALQ-CENA, 2 Doutor em Sociologia/Prof. do Departamento de Economia, Administração e Sociologia e do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ecologia Aplicada, Universidade de São Paulo/ESALQ, 3 Doutor em Economia Ecológica/Prof. da Faculdade de Economia/Universidade Federal Fluminense, Resumo: O trabalho analisa impactos do Projeto Conservador das Águas sobre a percepção dos participantes, considerando notadamente dimensões econômicas e produtivas. O projeto, que operacionaliza o mecanismo de pagamento por serviços ambientais, afetou de modo diferenciado os participantes segundo seus graus de dependência da propriedade rural para a sua reprodução social. O programa tem maiores consequências sobre o agricultor familiar, que considera a contribuição de sua atividade para o meio ambiente como um fardo pesado, já que representou redução de sua renda total. Palavras-chaves: Políticas públicas; Agricultura familiar; Serviços ambientais. 1,2 Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP. Av. Pádua Dias, 11 - Piracicaba - SP, CEP Universidade Federal Fluminense. Rua Miguel de Frias, 9, Icaraí, Niterói, RJ - CEP:

2 1 INTRODUÇÃO A noção da multifuncionalidade da agricultura (MFA) emerge na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento no Rio de Janeiro em 1992 (MALUF, 2002; DELORME, 2003; SABOURIN, 2005). Para Sabourin (2005), a multifuncionalidade foi caracterizada como o reconhecimento pela sociedade do interesse público de funções sociais, ambientais, econômicas e culturais, não diretamente produtivas ou não mercantis, associadas à atividade agropecuária (SABOURIN, 2005, p.161). A noção traz duas perspectivas: aquela de um referencial analítico no qual se procura definir teoricamente as externalidades da atividade agrícola e, também, aquela de um conjunto de ideias capaz de reorientar políticas públicas para a agricultura (MORUZZI MARQUES & FLEXOR, 2008, p. 47). O enfoque da MFA está voltado à análise da agricultura familiar (MALUF, 2002). Em meio a distintas conceituações da agricultura familiar (MORUZZI MARQUES, 2003), cabe apontar que esta última pode ser definida simultaneamente como unidade produtiva e unidade doméstica. Efetivamente, a agricultura é aqui atividade e fonte de renda de primeira grandeza. A agricultura familiar mostra como característica a habilidade de adaptar-se a distintas situações sociais, econômicas e ambientais (LAMARCHE, 1997). Partindo da noção de multifuncionalidade da agricultura se propõe entender alguns dos impactos do mecanismo de pagamento por serviços ambientais direcionados à conservação dos recursos hídricos (PSA-Água). Sob esta ótica, é possível considerar que a agricultura no âmbito do PSA é em princípio concebida como produtora de água. O PSA nasce da problemática ambiental como um mecanismo econômico para a gestão dos recursos naturais (WUNDER, 2007). Os serviços ambientais abrangem as intervenções que favorecem as condições e os processos pelos quais os ecossistemas mantêm suas funções e sustentam a vida (DAILY, 1997). Assim, quem promove a manutenção ou a melhoria dos serviços ecossistêmicos está promovendo um serviço ambiental. O mecanismo de PSA pode ser definido como uma transferência de recursos entre atores sociais, com a qual objetiva criar incentivos para alinhar decisões individuais ou coletivas de uso da terra com o interesse social na gestão de recursos naturais (MURADIAN et al., 2010). No Brasil, o mecanismo de PSA para a conservação dos recursos hídricos foi recentemente assimilado às políticas públicas ambientais. A sua materialização no

3 bioma Mata Atlântica ocorre pela implementação de projetos inseridos ao escopo de políticas públicas federais, estaduais e municipais (VEIGA & GAVALDÃO, 2011). Em nível nacional, o Projeto Conservador das Águas no município de Extrema/MG é o caso de maior destaque, porque foi pioneiro com base legal estabelecido no país e porque alcançou resultados práticos significativos (PAGIOLA et al., 2013). Apesar do objetivo central do mecanismo de PSA ser a manutenção ou provisão dos serviços ambientais (PAGIOLA et al., 2005; WUNDER, 2013), a implementação deste mecanismo por meio de políticas públicas afeta diferentes dimensões do mundo rural, pois estabelece novas inter-relações entre atores quando operacionaliza um instrumento econômico. Por esta razão, diferentes olhares foram direcionados para entender os impactos deste mecanismo. Além do impacto da transferência monetária sobre a renda e pobreza rural (GRIEG-GRAN et al., 2005; PAGIOLA et al., 2005; WUNDER, 2008), lançam-se luzes sobre a percepção da população rural sobre o mecanismo. Trata-se de entender por que os proprietários rurais participam (ZANELLA, 2011); quais tipos de motivações o pagamento por serviços ambientais podem despertar (MURADIAN & RIVAL, 2012); após participarem, quais são suas percepções de um projeto de PSA (GONÇALVES, 2013); quais tipos de conhecimentos estão interagindo quando se implementa um projeto de PSA em comunidades rurais (KOSOY et al., 2007) e; enfim quais dimensões podem ser influenciadas pelo mecanismo de PSA. Aqui, entende-se que a perspectiva assumida pelo Projeto Conservador das Águas consiste em promover a adequação ambiental em propriedades rurais, ajustando o uso do solo ao que institui o Código Florestal (PEREIRA, 2013). Nesta direção, entender os impactos do projeto sobre os sujeitos sociais envolvidos se torna importante para sua avaliação. Nesta perspectiva, este trabalho centrou-se em analisar como uma política pública de caráter agroambiental e não produtivista, que visa ampliar a importância da dimensão ambiental no meio rural, afetou principalmente as dimensões econômica e produtiva dos participantes, para assim examinar como o papel agroambiental foi percebido pelos agricultores familiares. 2 - O Contexto do caso A Lei Municipal 2.100, de 21 de dezembro de 2005, criou o Projeto Conservador das Águas, tornando-se a primeira legislação municipal no país a regulamentar o PSA para a conservação da água. A Lei objetiva: aumentar a cobertura vegetal em sub-bacias

4 hidrográficas; implantar corredores ecológicos; reduzir os níveis de poluição difusa rural; difundir o conceito de manejo integrado de vegetação, solo e água; e, garantir a sustentabilidade socioeconômica e ambiental das práticas implantadas. A Lei permite o apoio financeiro aos proprietários rurais que cumpram metas de adequação ambiental, que significa o cumprimento de todas as regulamentações estabelecidas pelo código florestal brasileiro, Lei federal n /2012 que estabelece as áreas de preservação permanente (APP) e a proporção do imóvel a ser destinada a reserva legal (RL). Em 2013, o projeto alcançou 144 contratos assinados, atingindo hectares em propriedades privadas com algum tipo de ação de conservação: foram metros de cercas construídas, foram plantadas mudas de espécies nativas e construídos terraços em 100 hectares (EXTREMA, 2013). Neste ano, o valor pago aos proprietários foi de R$ 210,00 por hectare por ano. O valor recebido é relativo ao tamanho da propriedade. O pagamento é feito de forma direta e mensal (PEREIRA, 2013). A operacionalização do projeto é de responsabilidade da prefeitura de Extrema com equipe e estrutura própria. Contudo, parcerias com diferentes setores da sociedade são firmadas para a execução das ações. A adesão é voluntária e os critérios de elegibilidade são: a propriedade rural deve estar inserida em uma das sub-bacias englobadas pelo projeto; a área deve ser maior ou igual a dois hectares e; ter o uso da água regularizado por meio da outorga de uso da água (PEREIRA, 2013). O projeto é executado nas sub-bacias hidrográficas dos ribeirões das Posses e do Salto que são vizinhas e suas delimitações se confundem com os bairros rurais de mesmos nomes. O meio rural do município de Extrema (MG) é marcado pela atividade agropecuária, sendo que 62% do seu solo estavam ocupados por pastagens em 2007 (IPÊ, 2012). Há predominância da pecuária bovina extensiva para produção de leite e carne. Recentemente, o pasto vem perdendo espaço para novos modos de usufruir da propriedade. A presença de novos moradores, os neorrurais, conforme Carneiro (2012), provenientes de grandes cidades como São Paulo é um fato consolidado. Assim, o Projeto Conservador das Águas acontece em uma localidade que se aproxima do fenômeno que Carneiro (2012) descreve como ruralidades contemporâneas, onde ocorre a reestruturação dos elementos da cultura local mediante a incorporação de novos valores, hábitos e técnicas, o que reflete numa heterogeneidade social que se expressa nas formas de apropriação dos bens materiais e simbólicos das localidades rurais.

5 3 - Técnicas de pesquisa e análise dos resultados Optou-se por utilizar como principal técnica de investigação a documentação direta, composta por material obtido em pesquisa de campo. Nesta última, a entrevista semiestruturada foi o principal instrumento de investigação, pois trata-se de um meio que ao mesmo tempo valoriza a presença do investigador [e] oferece todas as perspectivas possíveis para que o informante alcance a liberdade e a espontaneidade necessárias, enriquecendo a investigação (TRIVINOS, 1987, p.146). As entrevistas foram realizadas com famílias proprietárias rurais participantes do Projeto Conservador das Águas. Nas entrevistas utilizou-se o roteiro misto, composto por perguntas abertas e fechadas como descrito por Richardson (2010). Foram entrevistados 32 proprietários rurais, aproximadamente 22% do universo de participantes em A pesquisa de campo ocorreu durante o mês de outubro de Devido à heterogeneidade de finalidades de uso da propriedade rural encontrada em campo, optou-se, para melhor analisar os impactos do projeto, por conduzir uma diferenciação entre perfis de proprietários. Para isso, levaram-se em consideração três condições centrais: a) o local de residência da família, b) a origem da renda familiar e, c) a dedicação da família, em tempo de trabalho, a atividades produtivas rurais próprias. Identificaram-se quatro perfis de proprietários rurais, tendo como aspecto central de diferenciação o grau de dependência do grupo familiar em relação às atividades produtivas rurais dentro da propriedade. Por um lado, um perfil com dependência completa foi denominado de agricultor familiar, quando a família reside, obtém renda e trabalha integralmente na propriedade rural. De outro lado, um perfil não dependente foi denominado não morador, quando a família não reside, não obtém renda e não trabalha na propriedade rural. Nesta categorização, dois perfis intermediários foram igualmente considerados: um denominado de morador, que reside, mas não obtém renda e não produz e; o denominado agricultor pluriativo, que reside, obtém renda da produção, mas cuja família não depende desta renda para sua reprodução social. Especificamente, para identificar e discutir o impacto sobre a renda proveniente da agropecuária dos participantes (dimensão econômica-produtiva) foram utilizados três modelos de cálculo: 1) Modelo 1, a partir de dados declarados, calculou-se a perda de receita (quantidade deixada de produzir multiplicada pelo preço médio do produto), subtraindo os custos de produção declarados (remédios, vacinas e sal mineral); 2) Modelo 2, a partir do valor do arrendamento do pasto, calculou-se a área de pasto alterada após a inserção no projeto multiplicado pelo valor médio do arredamento de

6 pasto (este valor equivaleu a R$ 20,00 por cabeça ao mês); e c) Modelo 3, a partir do custo de oportunidade calculado por Sarcinelli et al. (2013) para a mesma região onde ocorreu a perda produtiva, que foi de R$ 237,43 por hectare ao ano para a pecuária de corte e R$ 510,23 para a pecuária de leite, contabilizando as receitas com a venda dos produtos menos os custos com aquisição de produtos e serviços em torno da saúde animal e com força de trabalho familiar. A principal diferença entre os Modelos 1 e 3 está na inserção do custo da força de trabalho familiar. 4 - Produção e renda rural Quando se quer analisar impactos de projetos de PSA-Água, impreterivelmente deve-se olhar para dimensões da população rural. Martin Ortega e colaboradores (2013), analisando 40 projetos de PSA-Água em dez países da América Latina, identificaram que em 36 deles estão envolvidos agricultores individuais/proprietários rurais. Contudo, no caso estudado aqui, identificou-se que os proprietários rurais não necessariamente são agricultores. Dentre os perfis classificados, identificou-se que, dos 32 entrevistados, 34% se enquadram como agricultores familiares, 25% como moradores, 22% como não moradores e 19% como agricultores pluriativos. Em termos produtivos, aproximadamente 63% (N=32 1 ) dos entrevistados afirmaram que o projeto em questão provocou alterações em atividades produtivas dentro da sua propriedade rural. Este impacto afetou todos os perfis de participantes, mas de modo diferenciado. Deste universo, 45% (N=20) são agricultores familiares. Dos 11 participantes classificados como agricultores familiares, nove afirmaram ter reduzido áreas de produção. Esta redução afetou os não-moradores em 25% (N=20), os moradores e os agricultores pluriativos em 15% (N=20). A redução sofrida foi especificamente sobre a produção de cabeças de gado e de litros de leite devido à diminuição de áreas de pastagem. Em termos de área de pastagem, houve uma redução média total de 9,7 ha. Dentro das propriedades dos agricultores familiares, tal recuo foi de 13,5 ha. Naquelas dos não moradores dos moradores e dos agricultores pluriativos, a diminuição foi de 7,4 ha, de 6,4 ha e de 3,7 ha respectivamente. Quando se considerou a relação entre a área de pastagem existente em 2013 e a área de pastagem reduzida, que foram destinadas às ações de conservação, observa-se que: a redução representou 37,1% para os agricultores familiares; 21,3% para os agricultores pluriativos; 14,1% para os 1 O valor de N representa o número total de entrevistados.

7 moradores; 11,4% para os não moradores. Estes resultados mostram que a maior mudança no uso do solo ocorreu dentro das propriedades dos agricultores familiares. A execução do Projeto Conservador das Águas alterou, em parte, a ocupação e o uso do solo nas propriedades dos participantes: da ocupação por capim usado como base produtiva para aquela por espécies arbóreas nativas com o fim de proteção do solo. Desta alteração, derivou uma redução da contribuição da renda proveniente da agropecuária na renda familiar total, o que deveria ser compensado pelo pagamento pelo serviço ambiental prestado. É claro aqui o impacto de redução da renda da agropecuária e o aumento de renda não agrícola na composição total da renda familiar. Considerando todos os entrevistados que declararam terem reduzido produção, pelo Modelo 1, a perda chega em média ao mês a R$ 1.758,12, pelo Modelo 2, R$ 412,13 e pelo Modelo 3, R$ 131,81. A partir destes valores, torna-se clara a grande variação destas estimativas conforme cada modelo, o que refletirá em considerações muito distintas sobre os impactos da redução da renda da produção e sobre a compensação promovida pela transferência monetária do projeto sobre a renda familiar total. Pelos Modelos 2 e 3, o pagamento do PSA sobre a renda total será positivo e pelo Modelo 1 será negativo. Defende-se, aqui, que as famílias enquadradas no perfil de agricultor familiar desenvolvem suas atividades agropecuárias muito próximas de uma lógica camponesa, conforme Chayanov (1974), onde a reprodução da família está no centro da racionalidade econômica, a finalidade da atividade produtiva sendo garantir a reprodução social da família e, não necessariamente, obter lucro líquido. Por esta razão, em poucas entrevistas foram declarados valores exatos dos custos e das receitas da produção, pois não se usa planilha de custos e, muitas vezes, estes números são indissociáveis daqueles do lar. Ademais, não se contabiliza a força de trabalho familiar como custo de produção. Efetivamente, 94% (N=32) dos entrevistados declararam que a inserção no projeto não diminuiu o tempo de trabalho familiar dentro da propriedade. Assim, inserir a força de trabalho familiar no custo de produção impõe outra lógica para analisar a dinâmica de reprodução destas famílias, e por consequência, induz a uma subestimação da renda da produção agropecuária. Ainda, os agricultores familiares, por estarem ativamente envolvidos com a produção agropecuária, são frequentemente arrendatários de terras de terceiros. Ou seja, a disponibilização de terras para arrendar ocorre em perfis menos dependentes da propriedade para gerar renda e ocupação. É a partir destas considerações que a discussão dos impactos dos projetos se torna muito pertinente, principalmente, em termos dos agricultores familiares afetados.

8 5 - Percepção e motivação A partir destes impactos, não necessariamente positivos, pois a adesão ao projeto promoveu não somente uma redução na renda agropecuária, mas também sobre a renda familiar total, pergunta-se: Por que estes proprietários entraram no projeto? Por que os agricultores familiares se interessaram em fazer parte deste projeto? Estes agricultores estariam assumindo novas possibilidades de ocupar e usar o solo rural, dentro de uma reflexão sobre um novo modelo de propriedade, mais voltadas às questões ambientais? As respostas a estas perguntas derivam tanto do desenho do projeto como da sua implementação prática, que aproximou executores públicos da população rural por meio de um diálogo conservacionista e não produtivista. Neste sentido, a Tabela 1 apresenta as respostas dos entrevistados para a pergunta: Por que aderiu ao Projeto Conservador das Águas? Tabela 1. Respostas e número de entrevistados que responderam o porquê aderiram ao Projeto Conservador das Águas, por perfil de participante, em Respostas/Perfil Agricultor familiar Morador Agricultor pluriativo Não morador Conservação ambiental Obrigado Convencido pelos técnicos ou vizinhos Pelo pagamento De modo geral, aproximadamente 44% (N=32) dos entrevistados afirmaram terem aderido ao projeto para contribuir com a conservação ambiental, o que representa o interesse em proteger os cursos d água, como córregos e nascentes e fragmentos florestais chamados de matas. Contudo, dos 14 entrevistados que afirmaram terem aderido por esse motivo, somente dois são agricultores familiares. Os agricultores familiares afirmaram terem sidos obrigados ou convencidos. Que de toda evidência, os gestores deste projeto optaram inicialmente por utilizar a pressão para a adesão de alguns proprietários, o que chamei em outra ocasião de pressão para o incentivo (CHIODI et al., 2013). Até 2008, quando havia 35 contratos assinados, segundo Gavaldão (2008), 50% das adesões ao projeto foram identificadas como não voluntária. O que contraria o princípio de voluntariado do mecanismo e do projeto. Essa resposta não foi dada pelos entrevistados do perfil não morador e, em menor proporção (uma resposta), pelos moradores e agricultores pluriativos. Os entrevistados do perfil agricultor familiar respondem assim: o prefeito fez a lei e nós fomos obrigados a

9 participar ; não obriga, mas se não entrar corre na justiça ; fui um pouco obrigado sim. A obrigação derivou da pressão exercida pelos executores junto aos proprietários rurais sobre a exigência da lei ambiental. Porém, parece que o modo de agir dos executores diferiu entre os perfis, pois as respostas dos não moradores sobre a imposição do projeto se apresente com outro tom: foi livre, fui convidado com esclarecimento, sem imposição, houve o aviso que era obrigado, mas não precisou ser obrigado. Mesmo não podendo afirmar que estas posturas opostas ocorreram de modo absoluto, é nítida a diferença como foi percebido a motivação para participar. Ainda, vale apontar que Zanella (2011), estudando o Projeto Conservador das Águas, identificou o acesso à informação e a preocupação ambiental dos participantes como os principais fatores que influenciaram a adesão dos proprietários, mais do que o valor do pagamento. Pelos nossos resultados, está claro que o pagamento não foi o motivo para participar, mas no perfil de agricultores familiares deve-se considerar como aspectos centrais da análise sobre a participação as dimensões econômicas e produtivas, que de certo modo, podem explicar a necessidade de utilizar a força da lei para impor o projeto. Esta postura assumida pelos gestores do projeto, quando agem em termos de imposição da lei, funda-na prioridade da proteção ambiental pelo cumprimento da legislação ambiental, o que conferiria legitimidade política, pois os proprietários rurais não cumprem a lei. Assim, utilizando como referência Godard (1997), nota-se que a representação de natureza assumida pelos formuladores do projeto é aquela da natureza cívica quando a forma de expressão da legitimidade está constituída na lei e nas instituições representativas de interesse geral, como a administração estatal, que são bastante valorizadas nesta ordem de justificação. Convém observar um déficit de legitimidade aqui em razão do interesse geral não ter sido efetivamente constituído por meio de ampla participação. De todo modo, quando perguntado sobre o orgulho em participar do projeto, as respostas em concordância vieram de 55% dos entrevistados com perfil de agricultor familiar, de 75% com o perfil de morador, de 83% com o perfil de agricultor pluriativo e de 86% com o perfil de não morador. Mais uma vez, se expressa uma menor satisfação, neste ponto na forma de orgulho, por parte dos agricultores familiares. Aqueles que manifestam orgulho, este se expressa como um sentimento de cooperação social, como pode ser interpretado por estas afirmações: participo para colaborar, mas não tenho orgulho e eu colaboro com algo que traz beneficio para todos.

10 Dentre os outros perfis, há orgulho em razão da preocupação com as próximas gerações: por participar e conservar, garantindo um futuro melhor para os filhos e netos (agricultor pluriativo), ou por apoio político, o prefeito daqui é muito bom (não morador). Os que não se sentem orgulhosos apontam falhas e desacordos em relação ao projeto. De modo geral, estes resultados expressam uma percepção positiva e que pode ser reforçada pelo interesse em continuar no projeto, pois aproximadamente 94% (N=32) dos entrevistados afirmaram esse interesse. Foram várias as justificativas: pela preservação das matas e das águas, pelo pagamento, pelo desinteresse em usar as áreas novamente, etc. Mas deve-se explicar que, as áreas de preservação permanente recuperadas pelo projeto, após alcançar o estágio médio de regeneração, passam a ser proibidas de supressão pela legislação ambiental em vigor. Muitos proprietários têm consciência desta proibição. Assim, a estratégia do projeto seria incentivar esta recuperação com o pagamento, mas depois ele ser suspenso. Para as famílias que não dependem da propriedade, as perdas são menores, mas para os agricultores familiares os impactos serão mais significativos, pois o projeto não vem acoplado com alternativas no que se refere à melhoria dos sistemas produtivos. 6 - CONSIDERAÇÔES FINAIS O Projeto Conservador das Águas estabelceu um mecanismo que visa alterar o modo de uso e ocupação do solo em propriedades rurais. Este projeto está sendo implementado em um contexto rural heterogêneo, o que promove impactos e percepções diferenciadas sobre os participantes. O grau de dependência da família sobre sua propriedade rural, diferenciadas pelos perfis de participantes, permitiu indentificar alguns destes impactos e percepções. Desse modo, os agricultores familiares foram os que mais reduziram, em média, a produção agropecuária, o que refletiu na redução da renda proveniente da agropecuária. A transferência monetária pela prestação do serviço ambiental não conseguiu cobrir esta redução, mas incrementou renda não agrícola sobre a renda familiar total. Apesar de outros perfis terem conhecido impactos, estes aqui não se apresentaram de modo tão profundo como ocorreu para os agricultores familiares. Considerado os motivos que levaram os proprietários a participar, é possível interpretar que existem motivos diferenciados, mas que estão nitidamente delimitados entre os diferentes perfis. Os agricultores familiares entrevistados aderiram o projeto, não por livre vontade, mas por certa imposição com força de lei. Esta postura não foi

11 assumida de modo generalizado por outros perfis, inclusive os proprietários não moradores afirmaram terem tido muito liberdade para decidir. Mesmo que possa não ter sido a imposição um modo usado para todos, mas somente para os mais relutantes em aderir ao projeto ou que a abordagem dos técnicos do projeto tenha sido indêntica para todos, sendo a interpretação de imposição assumida pelos agricultores familiares, estes resultados mostram que os impactos economicos e produtivos já teriam sido de alguma maneira estimados por este grupo mesmo antes de aderirem ao projeto. Por fim, o Projeto Conservador das Águas veicula de toda maneira certa credibilidade junto aos participantes, que desejam continuar no projeto. Este resultado, se por um lado mostra certo sucesso do mecanismo no sentido de adesão e de aumento de fragmentos florestais em meio rural, pode-se concluir que não foi uma proposta bem aceita pelos agricultores familiares. A pouca consideração das aspirações destes últimos limita seu comportamento favorável a uma perspectiva de desenvolvimento rural fundada na valorização da multifuncionalidade da agricultura. Referências bibliográficas CARNEIRO, M. J. Do rural como categoria de pensamento e como categoria analítica. In: CARNEIRO, M. J. Ruralidades contemporâneas: modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Mauad X, FAPERJ, Cap. I p CHAYANOV, A. V. La organización de la unidad económica campesina. Buenos Aires: Ediciones Nueva Vision, CHIODI, R. E.; PUGA, B. P.; SARCINELLI, O. Análise institucional do mecanismo de pagamento por serviços ambientais: o Projeto Conservador das Águas em Extrema - MG. Revista de Políticas Públicas (UFMA), v. 17, p , DAILY, G. C. Introduction: what are ecosystem services? In: DAILY, G. C. Nature s services: societal dependence on natural ecosystems. Washington: Island Press, Cap.1. p DELORME, H. Ambiguïte et richesse de la multifonctionnalite. Julliet/Août, Disponível em: Acesso em: 20 abr EXTREMA (Cidade). Prefeitura Municipal. Conservador das Águas: 8 anos GAVALDÃO, M. Avaliação da percepção ambiental e dos impactos sócioeconômicos do projeto Conservador das Águas Extrema, Minas Gerais, Brasil. Relatório III de Resultados e Discussão, nov, p.

12 GODARD, O. A gestão integrada dos recursos naturais e do meio ambiente: conceitos, instituições e desafios de legitimidade. In: VIEIRA, P. F.; WEBER, J. Gestão de Recursos Naturais Renováveis e Desenvolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez Editora, Cap. 6, p GONÇALVES, H. Pagamentos por serviços ambientais segundo a ótica da comunidade envolvida o caso do projeto Conservador das Águas, Extrema/MG f Dissertação (Mestrado em Ciências) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo, GRIEG-GRAN, M.; PORRAS, I.; WUNDER, S. How Can Market Mechanisms for Forest Environmental Services Help the Poor? Preliminary Lessons from Latin America. World Development Vol. 33, No. 9, pp , INSTITUTO DE PESQUISAS ECOLÓGICAS IPÊ. Projeto Semeando Água: Pagamento por Serviços Ambientais no corredor Cantareira-Mantiqueira. Relatório Final, Nazaré Paulista, KOSOY, N.; MARTINEZ-TUNA, M.; MURADIAN, R.; MARTINEZ-ALIER, J. Payments for Environmental Services in Watersheds: insights from a comparative study of three cases in Central America. Ecological Economics, vol 61, p , LAMARCHE, H. Agricultura Familiar: comparação internacional, uma realidade multiforme. Campinas: UNICAMP, p. MALUF, R. S. O enfoque da multifuncionalidade da agricultura: aspectos analíticos e questões de pesquisa. In: Dalmo M. A. Lima; John Wilkinson. Inovação nas tradições da agricultura familiar. Brasília: CNPq/Paralelo 15, 2002, Cap. 20, p MARTIN-ORTEGA, J.; OJEA, E.; ROUX, C. Payments for Water Ecosystem Services in Latin America: A literature review and conceptual model. Ecosystem Services (In press). MORUZZI MARQUES, P. E. Concepções em disputa na formulação das políticas públicas de apoio à agricultura familiar: um releitura sobre a criação do PRONAF. Revista Raízes, Campina Grande, vol. 22, n. 2, jul/dez p MORUZZI MARQUES, P. E. M.; FLEXOR, G. Conselhos municipais e políticas públicas de desenvolvimento rural: questões em torno do debate sobre os papeis sociais e ambientais da agricultura. Revista Sociedade e Desenvolvimento Rural, Brasília, v. 2, n. 1, p MURADIAN, R.; CORBERA, E.; PASCUAL, U.; KOSOY, N.; MAY, P. Reconciling theory and practice: An alternative conceptual framework for understating payments for environmental services. Ecological Economics, vol 69, p , 2010.

13 MURADIAN, R.; RIVAL, L. Between markets and hierarchies: the challenge of governing ecosystem services. Ecossystem Services, vol 1, p , PAGIOLA, S.; ARCENAS, A.; PLATAIS, G. Can Payments for Environmental Services Help Reduce Poverty? An Exploration of the Issues and the Evidence to Date from Latin America. World Development Vol. 33, No. 2, pp , PAGIOLA, S.; CARRASCOSA, H. V.; TAFARELLO, D. Introdução. In: PAGIOLA, S.; CARRASCOSA, H. V.; TAFARELLO, D Experiências de pagamento por serviços ambientais no Brasil. São Paulo: SMA - SP/CBRN, p PEREIRA, P. H. Projeto Conservador das Águas - Extrema. In: PAGIOLA, S.; CARRASCOSA, H. V.; TAFARELLO, D. Experiências de pagamento por serviços ambientais no Brasil. São Paulo: SMA - SP/CBRN, p RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 2 ed. São Paulo: Atlas, p. SABOURIN, E. Implicações teóricas e epistemológicas do reconhecimento da noção de multifucionalidade da agricultura. Revista Estudos, Sociedade e Agricultura. Rio de Janeiro, v. 13. n. 2, p TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: ed. Atlas, p. VEIGA, F.; GAVALDÃO, M. Iniciativas de PSA de Conservação dos Recursos Hídricos na Mata Atlântica. In: GUEDES, F. B.; SEEHUSEN, S. E. Pagamento por serviços ambientais na Mata Atlântica: lições aprendidas e desafios. Brasília: MMA, p WUNDER, S. The efficiency of Payments for Environmental Services in Tropical Conservation. Conservation Biology, vol 21, n. 1, p , WUNDER, S.; BÖRNER, J.; TITO, M. R.; PEREIRA, L. Pagamento por serviços ambientais: perspectivas para a Amazônia Legal. Brasília: MMA, p. WUNDER, S. When payments for environmental services will work for conservation. Conservation Letters, v. 6, n.4, July/August, 2013, p ZANELLA, M.A. Why do farmers Join Payment for Environmental Services (PES) schemes? An assessment of PES-Water Project Participation in Brazil. Thesis (Erasmus Mundus International Master of Science in Rural Development) - Faculty of Agriculture and Horticulture, Humboldt University of Berlin, Berlin, 2011.

MODELO DE ESTRUTURA PARA A CARTILHA COMO ELABORAR PROJETOS PSA

MODELO DE ESTRUTURA PARA A CARTILHA COMO ELABORAR PROJETOS PSA MODELO DE ESTRUTURA PARA A CARTILHA COMO ELABORAR PROJETOS PSA 1. INTRODUÇÃO Este documento está dirigido principalmente aos tomadores de decisões em nível de governo regional e municipal, departamentos

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113.

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113. O RURAL E O URBANO 1 - AS DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO 1 Desde o final do século passado, a modernização, a industrialização e informatização, assim como a crescente urbanização, levaram vários pesquisadores

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

II Reunión de la Alianza Latinoamericana de Fondos de Agua

II Reunión de la Alianza Latinoamericana de Fondos de Agua II Reunión de la Alianza Latinoamericana de Fondos de Agua Mejores practicas em los Fondos de Agua: Esquemas de pagos por servicios ambientales em fondos de agua caso Brasil Panamá, 19 de junio/2013 Helena

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Pagamento por Serviços Ambientais no Estado de São Paulo SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Política Estadual de Mudanças Climáticas (Lei 13.798, de 9 de novembro de 2009) SEÇÃO

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais

Pagamentos por Serviços Ambientais Pagamentos por Serviços Ambientais Encontro Água e Floresta: Vivenciar para Agir Jaboticabal/SP Julho de 2008 Serviços Ecossistêmicos: Benefícios providos pelos ecossistemas Provisão comida água madeira

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

EXPERIÊNCIAS E TENDÊNCIAS EM PSA PARA A BACIA DO PARAÍBA DO SUL

EXPERIÊNCIAS E TENDÊNCIAS EM PSA PARA A BACIA DO PARAÍBA DO SUL EXPERIÊNCIAS E TENDÊNCIAS EM PSA PARA A BACIA DO PARAÍBA DO SUL Helena Carrascosa von Glehn Gerente Técnica Ambiental do PDRS Assessoria Técnica do Gabinete www.ambiente.sp.gov.br hcarrascosa@sp.gov.br

Leia mais

Projeto Mina d Água. Pagamento por Serviços Ambientais Proteção de Nascentes. Ana Carolina Dalla Vecchia Especialista Ambiental SMA CBRN Maio de 2012

Projeto Mina d Água. Pagamento por Serviços Ambientais Proteção de Nascentes. Ana Carolina Dalla Vecchia Especialista Ambiental SMA CBRN Maio de 2012 Projeto Mina d Água Pagamento por Serviços Ambientais Proteção de Nascentes Ana Carolina Dalla Vecchia Especialista Ambiental SMA CBRN Maio de 2012 Serviços Ecossistêmicos Benefícios que as pessoas recebem

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Eduardo de Araujo Rodrigues Nos últimos 50 anos, os ecossistemas do mundo foram agredidos e modificados pela ação do homem, mais rápido e profundamente que em qualquer

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Helena Carrascosa von Glehn Secretaria do Meio Ambiente Assessoria Técnica do Gabinete Seminário de Gestão Integrada dos Recursos Hídricos do Estado de São Paulo Subsídios

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA 1.1. NÚMERO: 02/ 2010 1.2. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

projetooasis@fundacaogrupoboticario.org.br http://www.fundacaogrupoboticario.org.br +55 (41) 3340-2648/3340-2646

projetooasis@fundacaogrupoboticario.org.br http://www.fundacaogrupoboticario.org.br +55 (41) 3340-2648/3340-2646 Introdução A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma instituição sem fins lucrativos, com sede em Curitiba, Paraná, e atuação em todo o Brasil. Criada em setembro de 1990, tem como missão

Leia mais

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 Lições do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares e perspectivas para a conservação da biodiversidade no Plano Pluri Anual 2012/2015 III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 15.133, de 19 de janeiro de 2010 Procedência Governamental Natureza PL./0423.9/2009 DO. 18.770 de 19/01/2010 DO. 18.816 de 29/03/2010 (republicada) * Veto parcial MSV 1495/2010 * vide parte vetada

Leia mais

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU Reflexão O acesso à água segura é uma necessidade humana fundamental e, portanto, um direito básico. A água contaminada coloca em risco a saúde física e mental das pessoas. É uma afronta à dignidade humana.

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Servidão Florestal e ICMSE como ferramentas de conservação em terras privadas

Servidão Florestal e ICMSE como ferramentas de conservação em terras privadas Servidão Florestal e ICMSE como ferramentas de conservação em terras privadas MISSÃO da ONG Preservação Engajar proprietários nas ações de conservação e recuperação da Mata Atlântica em terras privadas.

Leia mais

Instrumentos e Econômicos para Incentivo à Restauração Ecológica

Instrumentos e Econômicos para Incentivo à Restauração Ecológica Instrumentos e Econômicos para Incentivo à Restauração Ecológica Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro Aurélio Padovezi Coordenador de Restauração Florestal Photos by

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Roberta Fernanda da Paz de Souza Paiva UFF - robertapaz2003@yahoo.com.br- 2

Roberta Fernanda da Paz de Souza Paiva UFF - robertapaz2003@yahoo.com.br- 2 O Pagamento por Serviços Ambientais como instrumento de gestão ambiental: a experiência de Rio Claro/RJ 1 Roberta Fernanda da Paz de Souza Paiva UFF - robertapaz2003@yahoo.com.br- 2 Bianca Marques Escobar

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA Luiz de Queiroz ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp. ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.br) 1 SUMÁRIO 1. Conceituando restauração 2. Recuperar. Por

Leia mais

SERVIÇOS AMBIENTAIS. Fórum Permanente Sociedade e Desenvolvimento LEICI/FCA/Unicamp Erika Bechara 07.Outubro.2014

SERVIÇOS AMBIENTAIS. Fórum Permanente Sociedade e Desenvolvimento LEICI/FCA/Unicamp Erika Bechara 07.Outubro.2014 SERVIÇOS AMBIENTAIS 1 Fórum Permanente Sociedade e Desenvolvimento LEICI/FCA/Unicamp Erika Bechara 07.Outubro.2014 O USO DE INSTRUMENTOS ECONÔMICOS EM PROL DO MEIO AMBIENTE Instrumentos da política ambiental:

Leia mais

1º Prêmio Produzindo Certo Fazenda Caranda

1º Prêmio Produzindo Certo Fazenda Caranda 1º Prêmio Produzindo Certo Fazenda Caranda Proprietário: José Antônio de Ávila Gimenes Município: Canarana / MT Apresentação Como forma de reconhecimento e incentivo aos produtores comprometidos e empenhados

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Semana do Meio Ambiente UFV campus Florestal PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Daniel Brianezi 20% dos casos de câncer de pulmão são causados pela poluição A China investirá US$ 277 bilhões até 2019

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 25-06-2010 SEÇÃO I PÁG 75 RESOLUÇÃO SMA-061, DE 24 DE JUNHO DE 2010 Define as diretrizes para a execução do Projeto Mina D água - Projeto de Pagamento por Serviços

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Estudos Sociológicos e Mundo Rural

Estudos Sociológicos e Mundo Rural Estudos Sociológicos e Mundo Rural Objetivos: A disciplina visa proporcionar, a partir de uma revisão dos principais estudos sociológicos rurais clássicos e das mais relevantes contribuições da sociologia

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-06-2012 SEÇÃO I PÁG 142-144 RESOLUÇÃO SMA Nº 37, DE 05 DE JUNHO DE 2012 Define as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Linha de Base - Projeto Mina d Água primeiras observações

Linha de Base - Projeto Mina d Água primeiras observações Linha de Base - Projeto Mina d Água primeiras observações Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo Unidade de Gestão Local - Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Departamento de Avaliação de Impactos

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP

PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP PROGRAMA VIDA AO MARINHEIRINHO RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VOTUPORANGA-SP Simone Neiva Rodella (1) Bióloga especializada em administração e educação ambiental é atualmente, diretora da divisão de meio

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza.

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Fernanda Ribeiro Silva, fernandaenge@yahoo.com.br, Graduanda em Engenharia Florestal na Universidade Federal de Lavras UFLA, Autora; Danusa

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia OS RECURSOS NATURAIS E A SUSTENTABILIDADE: UM ESTUDO DOS MODOS DE VIDA NA COMUNIDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS - BAIXO

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA O QUE SÃO SERVIÇOS AMBIENTAIS? QUAL A RELAÇÃO ENTRE COBERTURA FLORESTAS,

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta e Produção Familiar: Perspectivas e Avaliação Econômica em Condições de Risco

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta e Produção Familiar: Perspectivas e Avaliação Econômica em Condições de Risco Workshop Integração Lavoura-Pecuária-Floresta: Métodos para Avaliação Econômica Integração Lavoura-Pecuária-Floresta e Produção Familiar: Perspectivas e Avaliação Econômica em Condições de Risco Jair Carvalho

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL *PRONAF* Legislação LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolvendo produtores e trabalhadores

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais. Fevereiro 2013

Pagamento por Serviços Ambientais. Fevereiro 2013 Pagamento por Serviços Ambientais Fevereiro 2013 PREMISSAS Os imóveis rurais têm características diferentes: diferentes percentuais de APP diferentes potenciais de produção agropecuária e de geração de

Leia mais

Agricultura urbana e inclusão social (1)

Agricultura urbana e inclusão social (1) Agricultura urbana e inclusão social (1) Adrienne Martin Natural Resources Institute, Universidaty of Greenwich, Reino Unido Email: a.m.martin@gre.ac.uk Joep Verhagen (Autor correspondente) IRC International

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais, Decreta: GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais, Decreta: Artigo 1º - Fica instituído, sob a coordenação da Secretaria do Meio Ambiente, Programa Estadual para prestar

Leia mais

ELEMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM LARGA ESCALA

ELEMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM LARGA ESCALA ELEMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM LARGA ESCALA Equipe DCBio/SBF/MMA The Conservation-Restoration Workshop Déficit de vegetação nativa segundo a Lei 12.651/2012 Fonte: SAE, 2013 Milhões

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP 188 AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP Camila Dias Pinaffi¹; Maira Braghin Christovam¹; Nayara Coelho Silva¹; Décio

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MANUAL PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE APPs e RLs PARA ANGÉLICA E MUNICÍPIOS VIZINHOS - MS

ELABORAÇÃO DE MANUAL PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE APPs e RLs PARA ANGÉLICA E MUNICÍPIOS VIZINHOS - MS ELABORAÇÃO DE MANUAL PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE APPs e RLs PARA ANGÉLICA E MUNICÍPIOS VIZINHOS - MS 1. Contextualização e Justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br REFERÊNCIAS INSTITUCIONAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 16º EVENTO TEMA: Corredores Ecológicos (Fórum Especial)

Leia mais

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável Principais pontos de abordagem: Legislação Paulista que aborda Mudanças Climáticas; Estratégias para o Desenvolvimento

Leia mais

Projeto: Unidade de Referência Educativa em Gestão de Bacia Hidrográfica Organização: Epagri. Imagens: 1/1

Projeto: Unidade de Referência Educativa em Gestão de Bacia Hidrográfica Organização: Epagri. Imagens: 1/1 2 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 2013-2014 Reunião com comunidade (elaboração de estratégias e avaliação do Projeto com equipe do CIRAM/ Epagri Trabalho de grupo em Mapeamento e Planejamento

Leia mais

Considerações sobre o Código Florestal brasileiro

Considerações sobre o Código Florestal brasileiro Considerações sobre o Código Florestal brasileiro Apresentação: As informações deste texto resumem pesquisa recente da Universidade de São Paulo (USP). Apenas parte destas informações foi publicada. Artigos

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

A RELAÇÃO URBANO-RURAL NO PLANEJAMENTO MUNICIPAL

A RELAÇÃO URBANO-RURAL NO PLANEJAMENTO MUNICIPAL A RELAÇÃO URBANO-RURAL NO PLANEJAMENTO MUNICIPAL Wagner Membribes Bossi, arquiteto e urbanista Mestrando da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo wagner.bossi@gmail.com 1. Introdução

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PROJETOS PILOTOS DE SISTEMAS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE CHAMAMENTO PROJETOS PILOTOS DE SISTEMAS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE CHAMAMENTO PROJETOS PILOTOS DE SISTEMAS DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul RP03 Consultoria especializada para o acompanhamento

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais

Pagamentos por Serviços Ambientais 1 Pagamentos por Serviços Ambientais O que são? 2 Serviços Ecossistêmicos x Serviços Ambientais Benefícios gerados pelos ecossistemas, independentemente da atuação humana; Ocorrem em grande escala; Normalmente

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

PSA 2009. I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais. JORGE KHOURY Deputado Federal. 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi

PSA 2009. I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais. JORGE KHOURY Deputado Federal. 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi PSA 2009 I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais JORGE KHOURY Deputado Federal 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi 1 PSA 2009 PROJETO DE LEI NACIONAL SOBRE SERVIÇOS AMBIENTAIS

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

Dossiê Pagamentos por Serviços Ambientais no Brasil

Dossiê Pagamentos por Serviços Ambientais no Brasil Dossiê Dossier Pagamentos por Serviços Ambientais no Brasil Dossiê Pagamentos por Serviços Ambientais no Brasil Ludivine Eloy 1 Emilie Coudel 2 Fabiano Toni 3 1 CNRS UMR Art-Dev 5281 Université Montpellier

Leia mais

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP.

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP. 1 PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP Regiane Aparecida Menegati 1 Rosangela Aparecida de Medeiros Hespanhol

Leia mais

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende protocolo CARBON FREE Critérios para recomposição florestal Reserva Ecológica do Guapiaçu (REGUA), em Cachoeiras de Macacu (RJ), onde existem projetos de reflorestamento com o Carbon Free Roberto Resende

Leia mais

Caatinga - Serra do Tombador Zig Koch

Caatinga - Serra do Tombador Zig Koch Caatinga - Serra do Tombador Zig Koch Valoração de Unidades de Conservação: benefícios econômicos e sociais gerados pelas Reservas Particulares de Patrimônio Natural da Fundação Grupo Boticário de Proteção

Leia mais

Deliberação dos Comitês PCJ nº de 23/10/2015.

Deliberação dos Comitês PCJ nº de 23/10/2015. Deliberação dos Comitês PCJ nº de 23/10/201 Aprova a Política de Recuperação, Conservação e Proteção dos Mananciais no âmbito da área de atuação dos Comitês PCJ, que dispõe sobre as Ações para Produção

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Título da atividade: 5) Do Monopólio da Modernização à Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais