Resposta em Freqüência Filtros Passivos 1. Resposta em freqüência XL = XC 1.1. Resistor quanto à freqüência:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resposta em Freqüência Filtros Passivos 1. Resposta em freqüência XL = XC 1.1. Resistor quanto à freqüência:"

Transcrição

1

2

3

4

5 Ω Ω Ω

6 π π

7 Ω µ Ω Ω Ω Ω Ω φ φ

8 φ

9 π

10 Ω Ω

11 π Ω µ

12 Ω Ω Ω Ω Ω φ φ Ω

13 µ µ µ

14 Ω Ω µ µ

15

16

17 Ω

18 α α

19 α θ α θ

20 ( )

21

22 () Ω Ω

23 ( ) Ω Ω

24

25

26

27

28

29 ( ) ( ) ( ) ( )

30 α α

31 α () α! α

32 α α α! ( )! ()! ( )

33 R Ve - C Vs -

34 ( ) ( )

35 α ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) α ( ) () α!

36 α α α! ( )! ()! ( )

37 α

38 τ τ Ve L1 1mH R1 10 Vs - -

39 Ve R uF C Vs - - Ve L1 100mH R1 1k Vs - - Ω Ω

40 L1 2.4mH Ve 22uF C R1 8 Vs - -

41

42 R Ve - L Vs -

43 ( ) α

44 α () α! τ τ

45 α α α α! ( ) ()! ()! ( )

46 C Ve R Vs - -

47 ( )

48 α () α! α

49 τ τ Ve R1 10k L1 10mH Vs - -

50 µ Ve - C1 0.01uF R1 15k Vs - Ve - C1 2.2uF SPK1 8 ohm

51

52 L C Ve - R Vs -

53 ( ) ( ) α

54 ± ± ( ) ± ( ) ±

55

56 α! α ( ) α ( ) α!! α ( )

57 ( )

58 Ve R L C Vs - - ( ) ( )

59 ( ) α

60 ± ± ± ± ± ±

61

62 ( ) L1 0.1 H C1 10uF Ve R1 10 Vs - - ( )

63

64 R Ve - L C Vs -

65 ( ) ( ) ( ) α

66 ± ± ± ± ( )

67 ± ( )

68 α! α ()

69 () α! ± ± α!

70 L C Ve - R Vs - ( )

71 ( ) α

72 ± ± ± ± ± ±

73

74 () ( ) Ve - R1 10 L1 0.1H C1 10uF Vs - () ( )

75

76 L R L R C

77

78

79

80

81

82

83 π π π π π

84 π π π

85

86

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Dispositivos Básicos e os Fasores Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Fasores Método válido porém longo é somar algebricamente as ordenadas em cada ponto ao longo da abscissa.

Leia mais

EXERCÍCIOS DOSAGEM DE CONCRETO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I

EXERCÍCIOS DOSAGEM DE CONCRETO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I EXERCÍCIOS DOSAGEM DE CONCRETO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I 1º Exercício: Seja o traço de concreto 1 : 4 : 6 : 0,6 em massa: a. Calcular o traço misto para cada saco de cimento. b. Calcular as quantidades

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 2 Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores Utilizando as chaves

Leia mais

5) No circuito abaixo, determine a potência gerada pela bateria de 5 V.

5) No circuito abaixo, determine a potência gerada pela bateria de 5 V. ) Determine Vab (i7 é desconhecido). V = 0V ab ) Obtenha os circuitos equivalentes de Thévenin e Norton do seguinte circuito. R.: 3) Determine a resistência equivalente R ab vista dos terminais ab do circuito

Leia mais

index index index index index index

index index index index index index popis 13 popis popis popis 13 popis popis 24 11 24 73 11 7 75 12 77 12 24 13 M3 3 M3 3 M3 3 M3 3 2 21 2 21 3 22 3 22 2 7 M5 2 7 M5 3 7 M5 3 7 M5 G 2 12 4 5 2 12 4 5 3 13 5 5 3 13 5 5 2 7 5 M5 G 2 7 5 M5

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL -1 INCHAMENTO AGREGADOS MIÚDO, CONDIÇÕES DE UMIDADE AGREGADOS GRAÚDO UMIDADE CRÍTICA E COEFICIENTE DE INCHAMENTO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL -1 INCHAMENTO AGREGADOS MIÚDO, CONDIÇÕES DE UMIDADE AGREGADOS GRAÚDO UMIDADE CRÍTICA E COEFICIENTE DE INCHAMENTO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL -1 INCHAMENTO AGREGADOS MIÚDO, CONDIÇÕES DE UMIDADE AGREGADOS GRAÚDO UMIDADE CRÍTICA E COEFICIENTE DE INCHAMENTO INCHAMENTO O AGREGADO MIÚDO SOFRE UM FENÔMENO CONHECIDO COMO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I BCC701 2014-1 Aula Prática 13

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I BCC701 2014-1 Aula Prática 13 PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I BCC701 2014-1 Aula Prática 13 Exercício 1 Faça um programa Scilab que gere n números aleatórios inteiros entre 1 e 50, imprima os números gerados, calcule e imprima suas médias

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Circuitos Elétricos I

Circuitos Elétricos I Universidade Federal do ABC Eng. De Instrumentação, Automação e Robótica Circuitos Elétricos I Prof. Dr. José Luis Azcue Puma Excitação Senoidal e Fasores Impedância Admitância 1 Propriedades das Senóides

Leia mais

Início: 14/02/ :00

Início: 14/02/ :00 Início: /0/0 0:00 Eleições POSTIS 00/0 Resultado final das Eleições - TATISTICAS Término: /0/0: NÚME DE VOTANT POR CORREONDÊNCIA E UF UF VOTANT % VOTAR CORREONDÊNCIA % VOTAR INTEET % % VOTANT 0,% 0,% 0,0%

Leia mais

TRABALHO SOBRE DIODOS. AUTORES Al 2046 Fernandes Al 2430 Lourenço. Prof. Cap Carrilho

TRABALHO SOBRE DIODOS. AUTORES Al 2046 Fernandes Al 2430 Lourenço. Prof. Cap Carrilho MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA (REAL ACADEMIA DA ARTILHARIA, FORTIFICAÇÃO E DESENHO 1792) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS TRABALHO SOBRE

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ

ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Edição 2006 Revista e elaborada pelo Prof. Rodrigo Cutri Sob coordenação do Prof. Nilson De Lucca 2 Índice INTRODUÇÃO AO PROGRAMA DE SIMULAÇÃO PSIMCAD...

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Arquitectura de Computadores Fundamentos (9, 10.1 a 10.3) José Monteiro Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico

Leia mais

Indutor e Capacitor. Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 31 de Julho de 2009

Indutor e Capacitor. Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 31 de Julho de 2009 Indutor e Capacitor Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 3 de Julho de 2009 Introdução A partir deste momento introduziremos dois elementos dinâmicos de circuitos: indutor e capacitor. Porque são

Leia mais

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Desafios para o Sistema de Vigilância / Sistema de Atenção a Saúde Queda da Taxa de Fecundidade

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos DC. (Revisão 00) Lei de Ohm

Painel para análise de circuitos resistivos DC. (Revisão 00) Lei de Ohm 1 Painel para análise de circuitos resistivos DC (Revisão 00) Lei de Ohm 2 O trabalho Guia de aplicação: Lei de Ohm, de SILVA, Juarez B.; xxxxxx está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não

Leia mais

HASTA PÚBLICA UNIFICADA DO TJAL - LEILÃO 2252 (LOTE 19)

HASTA PÚBLICA UNIFICADA DO TJAL - LEILÃO 2252 (LOTE 19) HASTA PÚBLICA UNIFICADA DO TJAL - LEILÃO 2252 (LOTE 19) Identificação ESTABILIZADOR, MARCA: POSITIVO, POTÊNCIA 1.300 VA, NÚMERO DE SÉRIE: 01245 - (O referido equipamento foiadquirido através de convênio

Leia mais

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico de meia onda

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico de meia onda UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EPO Eletrônica de Potência Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico

Leia mais

ANEXO III.A. FORMULÁRIO DO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS MÉDICOS 1- Identificação do Processo

ANEXO III.A. FORMULÁRIO DO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS MÉDICOS 1- Identificação do Processo ANEXO III.A FORMULÁRIO DO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS MÉDICOS 1- Identificação do Processo 1.1 Registro do Produto 1.2 Cadastramento do Produto 1.3 Alteração 1.4 Revalidação 1.5 Cancelamento 1.6

Leia mais

RESPOSTA CORRETA: LETRA: A

RESPOSTA CORRETA: LETRA: A RESPOSTA CORRETA: LETRA: A comentário: QUESTÃO SIMPLES QUE ENVOLVIA CONHECIMENTO DE MUDANÇAS DE ESTADO FÍSICO DA MATÉRIA. RESPOSTA CORRETA: LETRA:B comentário: ENVOLVIA CONHECIMENTO de movimento retilíneo

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Espectrometria de massa As moléculas são ionizadas por acção de electrões de alta energia (normalmente). A relação massa/carga (m/e) dos iões

Espectrometria de massa As moléculas são ionizadas por acção de electrões de alta energia (normalmente). A relação massa/carga (m/e) dos iões Espectrometria de massa As moléculas são ionizadas por acção de electrões de alta energia (normalmente). A relação massa/carga (m/e) dos iões produzidos é medida de um modo muito preciso pela combinação

Leia mais

Aluno(a): Gabriel Vinicios Silva Maganha nº:... - Data:.../.../2010

Aluno(a): Gabriel Vinicios Silva Maganha nº:... - Data:.../.../2010 SENAI - Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini Curso Técnico em Automação Industrial 1º Período Avaliação Tecnologia Eletrônica I - 12 pontos Instrutor: Gabriel Vinicios Silva Maganha Aluno(a):

Leia mais

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta Capítulo 7 Implementação do Protótipo do RHM operando com Corrente CA de Alimentação de 12 Pulsos Imposta 7.1 Introdução Durante os estudos realizados em laboratório, três protótipos do RHM proposto, operando

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DAS GUIAS ODONTOLÓGICAS PADRÃO TISS - Troca de Informações em Saúde Suplementar 1.

INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DAS GUIAS ODONTOLÓGICAS PADRÃO TISS - Troca de Informações em Saúde Suplementar 1. Brasília DF, 31 maio 2008. Prezados (as) Crenciados (as), Elaboramos estas instruções utilização e preenchimento das guias, acordo com o padrão Troca Informações em Saú Suplementar (TISS), terminado pela

Leia mais

VS & A Consultores Ltda. 1/6 Lançamentos Agrupados Por Receita/Despesa e C.Custo/Lucro

VS & A Consultores Ltda. 1/6 Lançamentos Agrupados Por Receita/Despesa e C.Custo/Lucro VS & A Consultores Ltda. 1/6 Lançamentos na receita/despesa: "CORREIOS" S 02/01/2015 02/01/2015 CAIXA CORREIOS EQUIPE DE CONSULTORES NF 3990044 SEDEX DE MANUAIS -R$ 345,00 ADMIN Soma: -R$ 345,00 Média:

Leia mais

Reatores Eletrônicos Reatores de Descarga Ignitores

Reatores Eletrônicos Reatores de Descarga Ignitores Reatores Eletrônicos Reatores de Descarga Ignitores Reatores de Descarga para s à Vapor de Mercúrio a Alta Pressão, ABNT NBR 5125 / 5170 da Rendimento (%) Capacitor (uf) 906080260 RVM AFP 80 0,45 0,92

Leia mais

Metodologia de Projeto de Conversores Buck-Boost

Metodologia de Projeto de Conversores Buck-Boost Metodologia de Projeto de Conversores Buck-Boost Dados de entrada: Vin := 24 V Vimax := 28 V Vimin := 20 V ηcon := 0.7 Vo := 15 V Negativa Io := 0.5 A V := 0.01 I := 0.10 Vd := 1 V Dmax := 0.95 Fs := 30000

Leia mais

I. Identificação do participante

I. Identificação do participante FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Pública COFFITO: nº / 2010. I. Identificação do participante Nome Completo: Nome Completo Entidade: Endereço: Cidade: Telefone: ( ) Fax: ( ) E-mail:

Leia mais

Exercício 1E pag 149. F x = 10cm = 0,1m. P = 37000 x 10³N

Exercício 1E pag 149. F x = 10cm = 0,1m. P = 37000 x 10³N Exercício 1E pag 149 (a) Em 1975, o telhado do Velódromo de Montreal, que pesava 37000 x 10³N, foi levantado 10 cm para ser centralizado. Qual o trabalho executado pelas máquinas que levantaram o telhado?

Leia mais

Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 06

Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 06 Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 06 Prof. Marcelino Andrade Dispositivos e Circuitos Eletrônicos Reversamente

Leia mais

III ENCONTRO NACIONAL DE TUBERCULOSE Salvador/BA. Situação. Meta PNCT

III ENCONTRO NACIONAL DE TUBERCULOSE Salvador/BA. Situação. Meta PNCT III ENCONTRO NACIONAL DE TUBERCULOSE Salvador/BA CGLAB/DEVEP/SVS/MS Eduardo Guerra E-mail: eduardo.guerra@saude.gov.br Situação Há uma década, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a tuberculose

Leia mais

Dados Cadastrais Identificação da experiência Nome da Experiência: Gerenciamento da Satisfação do Cliente Categorias: Marketing de Relacionamento Responsáveis pela experiência Nome do dirigente: Cíntia

Leia mais

Função de Transferência da Máquina cc

Função de Transferência da Máquina cc Função de Transferência da Máquina cc 2-1 Função de Transferência da Máquina cc V + - T - L (s) 1/La + 1/J s+ 1/τ a Ia(s) T(s) s+ 1/τm O motor cc comporta-se como um sistema em malha fechada devido a influência

Leia mais

Desenvolvimento de Metodologia para Calibração de Transdutores de Tensão para Medição de Parâmetros de QEE em Redes de Alta Tensão

Desenvolvimento de Metodologia para Calibração de Transdutores de Tensão para Medição de Parâmetros de QEE em Redes de Alta Tensão Desenvolvimento de Metodologia para Calibração de Transdutores de Tensão para Medição de Parâmetros de QEE em Redes de Alta Tensão Erasmo Silveira Neto, Hédio Tatizawa, Kleiber T. Soletto, Antonio A.C.

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

Bancada de Medidas Elétricas - XE 201 -

Bancada de Medidas Elétricas - XE 201 - T e c n o l o g i a Bancada de Medidas Elétricas - XE 201 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada de Medidas Elétricas - XE201 - INTRODUÇÃO Os conhecimentos

Leia mais

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha. Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica. Energia Alternativa

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha. Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica. Energia Alternativa Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica Energia Alternativa Fernanda Silva Izabel Campos Leonardo Franco Rodrigo Wilhelm INTRODUÇÃO

Leia mais

Pequeno livro sobre fontes de alimentação

Pequeno livro sobre fontes de alimentação 1 Pequeno livro sobre fontes de alimentação Antes de começarmos a falarmos de como funciona uma fonte de alimentação é preciso saber qual a sua função. Uma fonte de alimentação tem a função de transformar

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV 1/9 arga e Descarga de apacitores Objetivos: Levantar as curvas características de carga e descarga de capacitores; Determinar a capacitância através das curvas ln( i) tempo na carga e descarga. Equipamentos:

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DO CENTRO DE REFERENCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DO CENTRO DE REFERENCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DO CENTRO DE REFERENCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável

Leia mais

Transientes de ligação de condensadores. Comparação de tecnologias

Transientes de ligação de condensadores. Comparação de tecnologias Medium voltage products Comparação de ligação de condensadores a supremacia da tecnologia de díodo Transientes de ligação de condensadores Ao nível da distribuição, são necessárias baterias de condensadores

Leia mais

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV www.thevear.com.br www.teleco.com.br A recepção de sinais TV em prédios de apartamentos é feita através de antenas coletivas colocadas no topo do edifício

Leia mais

Análise, verificação e comparação de simulações utilizando MATLAB e PSPICE. Rafael Campagnaro de Mendonça

Análise, verificação e comparação de simulações utilizando MATLAB e PSPICE. Rafael Campagnaro de Mendonça UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Centro de Ciências Exatas Campus Universitário de Foz do Iguaçu Engenharia Elétrica Transitórios Professor Rui Jovita Simulações de Circuitos Elétricos

Leia mais

Comparativo de Produtos

Comparativo de Produtos Comparativo de Produtos Filtros de Discos Arkal vs. Filtros de Discos Azud, Dezembro de 2013 AGENDA 1. Introdução 2. Comparativo 3. Conclusão 2 Introdução Filtros de Discos Filtragem em geral é fundamental

Leia mais

Esquema da fonte Philips 42PF7320 - Pouquinho de como funciona! PARA TODOS!!! June 18 2010 at 7:55 PM

Esquema da fonte Philips 42PF7320 - Pouquinho de como funciona! PARA TODOS!!! June 18 2010 at 7:55 PM De edson tadeu santos reis tadeu (edsontadeu57@hotmail.com) Enviada: domingo, 20 de junho de 2010 3:42:31 Para: From: marciopbr@hotmail.com Subject: Date: Sat, 19 Jun 2010 18:28:36-0400 Esquema da fonte

Leia mais

Projeto Copy Mech Security

Projeto Copy Mech Security Projeto Copy Mech Security João Gabriel Ribeiro - gabriel@ribeirorepres.com.br João Paulo Mella Bacchmi - joao_@sulbbs.com.br João Pedro Antunes Fontes - joaopedro_fontes@yahoo.com.br Mauricio Mendez Ribeiro

Leia mais

Cleber Giorgetti Assessoria e Consultoria. Business & Strategy Marketing & Sales Products & Services Technology & Innovation

Cleber Giorgetti Assessoria e Consultoria. Business & Strategy Marketing & Sales Products & Services Technology & Innovation Cb Gg A C B & Sgy Mkg & S P & Sv Thgy & v Qm Sm N m 2002, mp v x mp çm bjv gó, m m f óg, pb-h m mpv. Apçã hm é gó q vé xpê 20 f, q xm pçõ gã m pçõ m: G Tg, Avy, L Thg, B Lb, AT&T, SD T,. R m p m gó g,

Leia mais

Mapa da Saúde - Momento 1

Mapa da Saúde - Momento 1 MAPA DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE - CRS COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO EM SAÚDE- CPS COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD Planejamento integrado

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Manual do Usuário (seguindo a numeração das páginas do manual em inglês) 2 Introdução. 2 O que está incluído? 3 Características

Manual do Usuário (seguindo a numeração das páginas do manual em inglês) 2 Introdução. 2 O que está incluído? 3 Características Manual do Usuário (seguindo a numeração das páginas do manual em inglês) Pag. Conteúdo 2 Introdução 2 O que está incluído? 3 Características 3 Como funciona o 2 0hm 4 Cuidados gerais 4 Cuidados na instalação

Leia mais

Amplificadores para sinais de pequena potência em RF

Amplificadores para sinais de pequena potência em RF Amplificadores para sinais de pequena potência em RF Gil Pinheiro UERJFENDETEL Amplificadores para sinais de pequena potência em RF Objetivo: Amplificação seletiva de sinais de RF de baixa potência com

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 011/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

Peças e Serviços: Pós-vendas ou Próximas Vendas? Impactos do pós-vendas nas operações da concessionária

Peças e Serviços: Pós-vendas ou Próximas Vendas? Impactos do pós-vendas nas operações da concessionária Peças e Serviços: Pós-vendas ou Próximas Vendas? Impactos do pós-vendas nas operações da concessionária Programa A visão do Consumidor de Pós-vendas e a atual imagem do Concessionário frente ao Consumidor

Leia mais

M E M O R I A L D E S C R I T I V O

M E M O R I A L D E S C R I T I V O M E M O R I A L D E S C R I T I V O Imóvel: PARQUE DO CURIÓ Proprietário: CIA. FÁBRICA DE TECIDOS SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA Município: PARACAMBI Comarca: PARACAMBI UF: Rio de Janeiro Área ( ha): 913,961 Ha

Leia mais

XConverter. Conversor DC-DC elevador de tensão

XConverter. Conversor DC-DC elevador de tensão Este conversor eleva uma tensão de 12Vdc de uma fonte linear ou chaveada com capacidade de pelo menos 1A para uma alta tensão programável de 40Vdc a 190Vdc trocando apenas um resistor e fornecendo até

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda Experimento 9 Circuitos C em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e reeita-banda. OBJETIO Parte A:Circuitos C em série Circuitos contendo indutores e capacitores

Leia mais

Física Experimental 2008-2009

Física Experimental 2008-2009 Física Experimental 2008-2009 Circuitos : eléctricos / magnéticos/ electrónicos Comunicações (Espectro electromagnético) Radio, internet, telefone, televisão, radar Micro-processadores Robótica Processamento

Leia mais

COMPARAÇÕES ENTRE PERFIS

COMPARAÇÕES ENTRE PERFIS TABELAS DE COMPARAÇÕES ENTRE PERFS TABELAS DE REFERÊNCA esa altura e ainda os perfil co altura iediataente superior, as co assa ainda enor que a do perfil original. E copleento e reproduzindo as esas substituições

Leia mais

PLASMA TV MANUAL DE SERVIÇO

PLASMA TV MANUAL DE SERVIÇO website:http://biz.lgservice.com e-mail:http://www.lgeservice.com/techsup.html PLASMA TV MANUAL DE SERVIÇO CHASSIS : PN-61A MODELO : 42PC1RV 42PC1RV-MJ ATENÇÃO Antes de reparar este chassis, leia as PRECAUÇÕES

Leia mais

PROJETO MASEC Integrantes

PROJETO MASEC Integrantes 1 de 8 10/7/2009 16:09 PROJETO MASEC Integrantes Gabriel Wilhelm de Jesus Mahamoud Al Sayd Sergio Meyemberg Junior Professores Orientadores Prof. º Gil Marcos Jess - Física IV ( gltjessj@terra.com.br )

Leia mais

Tópicos para a resolução de EXA2Fe01022007. 1. Considere o circuito eléctrico representado esquematicamente na Fig.1. Fig. 1 - Circuito eléctrico.

Tópicos para a resolução de EXA2Fe01022007. 1. Considere o circuito eléctrico representado esquematicamente na Fig.1. Fig. 1 - Circuito eléctrico. Tópicos para a resolução de EXA2Fe01022007 1. onsidere o circuito eléctrico representado esquematicamente na Fig.1. Fig. 1 - ircuito eléctrico. RR 2 3 a) R 2 e R 3 : associadas em paralelo; R = equivalente

Leia mais

Esquema-síntese de Abordagem do Projeto

Esquema-síntese de Abordagem do Projeto GEOGRAFIA A-11 GUIÃO de ESTUDO de CASO Tema-Problema/Projeto: Falta de Transportes na União de Freguesias de Serzedo-Perosinho Módulo/Tema Programático: A população: como se movimenta e comunica 11.ºD

Leia mais

VESTUÁRIO, SUPORTE PARA CARTÕES, TAPETES ADESIVOS

VESTUÁRIO, SUPORTE PARA CARTÕES, TAPETES ADESIVOS 32 BATA STANDARD HOMEM/SENHORA AM-160 2630.AM160.* Azul 2610.AM160.* Branco TAMANHOS POR MEDIDA / DESIGNS/LOGÓTIPOS Tamanhos personalizados, designs, e Logótipos disponíveis a pedido BATA STANDARD HOMEM/SENHORA

Leia mais

Linhas de Transmissão

Linhas de Transmissão Linhas de Transmissão Jorge Guilherme 2008 #1 Metallic Parallel Wire Pair FM and TV antenna Twisted Wire Pair Phone line 10BaseT Ethernet Coaxial Cable RG58 Metallic Conduit Planar Striplines Printed circuit

Leia mais

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q)

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q) Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

Sistemas de Informação para o Desenvolvimento 2012/06/13

Sistemas de Informação para o Desenvolvimento 2012/06/13 Sistemas de Informação para o Desenvolvimento Agenda Paradigma de um Sistema de Informação Processo Delivery Management Os principais factores críticos Desafio dos Sistemas de Informação em empresas Angolanas

Leia mais

ELETRÔNICA BÁSICA LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS

ELETRÔNICA BÁSICA LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS ELETRÔNICA BÁSICA LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS 1) Um diodo zener tem 15V aplicados sobre ele com uma corrente de 20 ma. Qual a potência dissipada? 2) Se um diodo zener tiver uma

Leia mais

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 1 8 de março de 2010. Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 1 8 de março de 2010. Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Aula 1 8 de março de 2010 Aula 1 Pré-Cálculo 1 Conteúdo do curso Apresentação do curso Conjuntos

Leia mais

ITENS EXIGIDOS PELA OPERADORA TUBULAÇÃO DE ENTRADA SUBTERRÂNEA

ITENS EXIGIDOS PELA OPERADORA TUBULAÇÃO DE ENTRADA SUBTERRÂNEA Readequação do DG TUBULAÇÃO DE ENTRADA SUBTERRÂNEA Instalar tubo galvanizado 50 mm ( subida de lateral ) com ( 3 ) três amarrações com fita galvanizada ou arame galvanizado ( 8 voltas ); Utilizar PVC rígido

Leia mais

Filtros em Telecomunicações

Filtros em Telecomunicações MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Campus São José Área de Telecomunicações Filtros em Telecomunicações Marcos Moecke São José - SC, 006 SUMÁRIO. FILTROS....1 RESPOSTA EM FREQUÊNCIA DE CIRCUITOS.1 R. LEVANTAMENTO

Leia mais

21 de Junho de 2012 Viana do Castelo

21 de Junho de 2012 Viana do Castelo 21 de Junho de 2012 Viana do Castelo Enquadramento Enquadramento Os SMSBVC são a entidade gestora do concelho de Viana do Castelo desde 1928 Captação, Tratamento e Distribuição de Água Potável para Consumo

Leia mais

Esse artigo foi escrito tendo como base o Banco de Dados MSSQLServer 2000. &KDPDQGR6WRUHG3URFHGXUHVDSDUWLUGR&ODULRQ

Esse artigo foi escrito tendo como base o Banco de Dados MSSQLServer 2000. &KDPDQGR6WRUHG3URFHGXUHVDSDUWLUGR&ODULRQ ,QWURGXomR Esse artigo foi escrito tendo como base o Banco de Dados MSSQLServer 2000. &KDPDQGR6WRUHG3URFHGXUHVDSDUWLUGR&ODULRQ Para chamar uma Stored Procedure em Clarion, utilizamos a sentença Call, como

Leia mais

Não se esqueça de elementos como o carat (quilate) que também podem ser usados da seguinte forma:

Não se esqueça de elementos como o carat (quilate) que também podem ser usados da seguinte forma: Google Guia de Consulta Rápida Não se esqueça de elementos como o carat (quilate) que também podem ser usados da seguinte forma: 10 carat in grams para converter o peso de 10 quilates em gramas. O Google

Leia mais

UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware

UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware 1 Francisco Fechine Borges quinta-feira, 24 de agosto de 2006 UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento

Leia mais

Trabalho Final. Amplificador de áudio para estetoscópio electrónico. Dept. Engenharia Electrotécnica. Novembro de Versão 1.0

Trabalho Final. Amplificador de áudio para estetoscópio electrónico. Dept. Engenharia Electrotécnica. Novembro de Versão 1.0 Dept. Engenharia Electrotécnica Disciplina : Electrónica Amplificador de áudio para estetoscópio electrónico Novembro de 2011 Versão 1.0 Ref: DEE-EI-03-001-010 1- Introdução Este trabalho tem como objectivos

Leia mais

Dados que compõem este relatório foram atualizados em: 01/05/2013 15:12:58.

Dados que compõem este relatório foram atualizados em: 01/05/2013 15:12:58. Dados que compõem este relatório foram atualizados em: 0/05/203 5:2:58. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Usuário: pcspassini@prsp.mpf Data: 03/05/203 Hora: 3:43:6 6483 - AA-Distribuição-TITULAR.3.REMANESCENTE

Leia mais

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller Introdução aos circuitos seletores de frequências Sandra Mara Torres Müller Aqui vamos estudar o efeito da variação da frequência da fonte sobre as variáveis do circuito. Essa análise constitui a resposta

Leia mais

Lote: 1 Produto: Feijão Carioca. Armazém: Batavo Tipo: 3 End: Av. dos Pioneiros, 2324 Safra: 09/10. Cidade: Carambeí UF: PR Cor: 6,2

Lote: 1 Produto: Feijão Carioca. Armazém: Batavo Tipo: 3 End: Av. dos Pioneiros, 2324 Safra: 09/10. Cidade: Carambeí UF: PR Cor: 6,2 Lote: 1 Armazém: Batavo Tipo: 3 End: Av. dos Pioneiros, 2324 Safra: 09/10 Cidade: Carambeí UF: PR Cor: 6,2 Qtd scs: 596,67 Qtd kg: 35.800 Acondicionamento: 696 scs. polipropileno Amostra: 073 - Odor: Característico

Leia mais

Eletricidade II Sumário

Eletricidade II Sumário Sumário 1.0 Conceitos gerais sobre Magnetismo... 3 2.0 - Campo Magnético gerado por corrente elétrica... 3 3.0 A natureza dos materiais magnéticos... 6 5.0 Indução Eletromagnética... 10 6.0 Geração de

Leia mais

7. Estimando a abundância: modelos de população fechada

7. Estimando a abundância: modelos de população fechada 7. Estimando a abundância: modelos de população fechada Resumo 1. Identificação individual 2. Modelos de marcação-recaptura Modelos clássicos Premissas 3. Modelos modernos Mh Mb Mt Identificação individual

Leia mais

Tabela de Preços - Setembro 2016

Tabela de Preços - Setembro 2016 Tabela de Preços - Setembro 2016 PVP recomendado IVA a 23% incluido Modelo Acabamento Preço Final B-130XS Amplificador Integrado 2x80W Preto / Albino 2.976,00 Potência de saida: 2 x 80W a 8 ohm / 2 x 160W

Leia mais

I g r e j a P a r o q u i a l d o C a c é m, n o C a c é m, s o b a P r e s i d ê n c i a d e C r i s t i n a S o f i a

I g r e j a P a r o q u i a l d o C a c é m, n o C a c é m, s o b a P r e s i d ê n c i a d e C r i s t i n a S o f i a A T A Nº 6 /2014 A o s v i n t e e o i t o dias d o m ê s d e n o v e m b r o do ano de dois mil e catorze, pelas v i n t e h o r a s e c i n q u e n t a m i n u t o s r e u n i u e m s e s s ã o e x t

Leia mais

Propriedades elétricas em Materiais

Propriedades elétricas em Materiais FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Propriedades elétricas em Materiais PROPRIEDADES ELÉTRICAS CONDUTIVIDADE e RESISTIVIDADE ELÉTRICA ( ) É o movimento

Leia mais

Propriedades Eléctricas dos Materiais

Propriedades Eléctricas dos Materiais Propriedades Eléctricas dos Materiais Conceitos básicos: Lei de Ohm V=RI A resistência eléctrica, R, não é uma propriedade característica do material: depende do material e da geometria: R = " L A A resistividade

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PARA

PRODUÇÃO DE MUDAS PARA Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas PRODUÇÃO DE MUDAS PARA RECUPERAÇÃO DE MATA CILIAR Profª Magali Ribeiro da Silva Encontro sobre Recuperação de Matas Ciliares e Proteção

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário ntrodução 5 Circuito paralelo em corrente alternada 6 As correntes no circuito paralelo 8 mpedância do circuito rl paralelo 9 Defasagem entre as correntes 1 Apêndice 15 Questionário 15 Bibliografia

Leia mais

ANEXO III.A. FORMULÁRIO DO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS MÉDICOS 1- Identificação do Processo

ANEXO III.A. FORMULÁRIO DO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS MÉDICOS 1- Identificação do Processo ANEXO III.A FORMULÁRIO DO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS MÉDICOS 1- Identificação do Processo 1.1 Registro do Produto 1.2 Cadastramento do Produto 1.3 Alteração 1.4 Revalidação 1.5 Cancelamento 1.6

Leia mais

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/AIDS E ATENÇÃO BÁSICA O Sistema Único de Saúde ( SUS ) preconiza a descentralização,hierarquização e territorialização

Leia mais

TAX & BUSINESS I. I N T R O D U Ç Ã O

TAX & BUSINESS I. I N T R O D U Ç Ã O i INFORMAÇÃO FISCAL Nº 8 A b r il 2013 A F I S C A L I Z A Ç Ã O C O N S T I T U C I O N A L S U C E S S I V A D O O. E. 2 0 1 3 ( A c ó r d ã o n. º 1 8 7 / 2 0 1 3, d e 5 d e A b r i l, d o T r i b u

Leia mais

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Aula 1 18 de agosto de 2009. Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Aula 1 18 de agosto de 2009. Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Aula 1 18 de agosto de 2009 Aula 1 Cálculo I -A- 1 Apresentação do curso Aula 1 Cálculo I -A-

Leia mais

Manual da placa de amplificação e filtragem de sinais dos transdutores de pressão HCX, MPXV7007DP e MPXV7025G

Manual da placa de amplificação e filtragem de sinais dos transdutores de pressão HCX, MPXV7007DP e MPXV7025G Manual da placa de amplificação e filtragem de sinais dos transdutores de pressão HCX, MPXV7007DP e MPXV7025G Introdução Manual de documentação do circuito responsável pela amplificação e filtragem do

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

Inquéritos em saúde e nutrição disponíveis no Brasil

Inquéritos em saúde e nutrição disponíveis no Brasil Inquéritos em saúde e nutrição disponíveis no Brasil Amanda de Moura Souza Instituto de Estudos em Saúde Coletiva Universidade Federal do Rio de Janeiro Sumário Inquéritos Tipos de Inquéritos Domiciliar

Leia mais

MICROPROCESSADORES Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico

MICROPROCESSADORES Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico MICROPROCESSADORES Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Controlo Conjunto de Instruções Unidade Central de Processamento (CPU)

Leia mais

1.2 Responsável pelas informações da ação de campo: Dados da pessoa responsável por apresentar informações à Anvisa a respeito da ação de campo.

1.2 Responsável pelas informações da ação de campo: Dados da pessoa responsável por apresentar informações à Anvisa a respeito da ação de campo. FORMULÁRIO 01: NOTIFICAÇÃO DE AÇÃO DE CAMPO Este formulário deve ser utilizado pelos detentores de registro de produtos para a saúde para atender às determinações do artigo 9 da RDC nº 23/2012. 1. INFORMAÇÕES

Leia mais