Resposta em Freqüência Filtros Passivos 1. Resposta em freqüência XL = XC 1.1. Resistor quanto à freqüência:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resposta em Freqüência Filtros Passivos 1. Resposta em freqüência XL = XC 1.1. Resistor quanto à freqüência:"

Transcrição

1

2

3

4

5 Ω Ω Ω

6 π π

7 Ω µ Ω Ω Ω Ω Ω φ φ

8 φ

9 π

10 Ω Ω

11 π Ω µ

12 Ω Ω Ω Ω Ω φ φ Ω

13 µ µ µ

14 Ω Ω µ µ

15

16

17 Ω

18 α α

19 α θ α θ

20 ( )

21

22 () Ω Ω

23 ( ) Ω Ω

24

25

26

27

28

29 ( ) ( ) ( ) ( )

30 α α

31 α () α! α

32 α α α! ( )! ()! ( )

33 R Ve - C Vs -

34 ( ) ( )

35 α ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) α ( ) () α!

36 α α α! ( )! ()! ( )

37 α

38 τ τ Ve L1 1mH R1 10 Vs - -

39 Ve R uF C Vs - - Ve L1 100mH R1 1k Vs - - Ω Ω

40 L1 2.4mH Ve 22uF C R1 8 Vs - -

41

42 R Ve - L Vs -

43 ( ) α

44 α () α! τ τ

45 α α α α! ( ) ()! ()! ( )

46 C Ve R Vs - -

47 ( )

48 α () α! α

49 τ τ Ve R1 10k L1 10mH Vs - -

50 µ Ve - C1 0.01uF R1 15k Vs - Ve - C1 2.2uF SPK1 8 ohm

51

52 L C Ve - R Vs -

53 ( ) ( ) α

54 ± ± ( ) ± ( ) ±

55

56 α! α ( ) α ( ) α!! α ( )

57 ( )

58 Ve R L C Vs - - ( ) ( )

59 ( ) α

60 ± ± ± ± ± ±

61

62 ( ) L1 0.1 H C1 10uF Ve R1 10 Vs - - ( )

63

64 R Ve - L C Vs -

65 ( ) ( ) ( ) α

66 ± ± ± ± ( )

67 ± ( )

68 α! α ()

69 () α! ± ± α!

70 L C Ve - R Vs - ( )

71 ( ) α

72 ± ± ± ± ± ±

73

74 () ( ) Ve - R1 10 L1 0.1H C1 10uF Vs - () ( )

75

76 L R L R C

77

78

79

80

81

82

83 π π π π π

84 π π π

85

86

Lista de Exercício IV Análise Nodal

Lista de Exercício IV Análise Nodal MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA. CAMPUS SÃO JOSÉ CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES Disciplina:

Leia mais

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Dr. Eduardo Giometti Bertogna

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Dr. Eduardo Giometti Bertogna Circuitos Elétricos Dispositivos Básicos e os Fasores Prof. Dr. Eduardo Giometti Bertogna Fasores Método válido porém longo é somar algebricamente as ordenadas em cada ponto ao longo da abscissa. Fasores

Leia mais

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Dispositivos Básicos e os Fasores Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Fasores Método válido porém longo é somar algebricamente as ordenadas em cada ponto ao longo da abscissa.

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 2 Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores Utilizando as chaves

Leia mais

((online tv)))) Portuga vs Faroe Islands transmissão ao vivo

((online tv)))) Portuga vs Faroe Islands transmissão ao vivo ((online tv)))) Portuga vs Faroe Islands transmissão ao vivo Portuga vs Faroe Islands transmissão ao vivo Portuga vs Faroe Islands como fazer transmissão ao vivo no facebook Portuga vs Faroe Islands streaming

Leia mais

EXERCÍCIOS DOSAGEM DE CONCRETO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I

EXERCÍCIOS DOSAGEM DE CONCRETO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I EXERCÍCIOS DOSAGEM DE CONCRETO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I 1º Exercício: Seja o traço de concreto 1 : 4 : 6 : 0,6 em massa: a. Calcular o traço misto para cada saco de cimento. b. Calcular as quantidades

Leia mais

5) No circuito abaixo, determine a potência gerada pela bateria de 5 V.

5) No circuito abaixo, determine a potência gerada pela bateria de 5 V. ) Determine Vab (i7 é desconhecido). V = 0V ab ) Obtenha os circuitos equivalentes de Thévenin e Norton do seguinte circuito. R.: 3) Determine a resistência equivalente R ab vista dos terminais ab do circuito

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Cap. 5. Controladores de Tensão AC. Conversores ac-ac

Cap. 5. Controladores de Tensão AC. Conversores ac-ac Cap. 5 Livro do Hart: pag 181-192 Controladores de Tensão AC Conversores ac-ac Cap. 5 - Controladores de Tensão AC Conversores ac-ac 5.1 Introdução 5.2 Controlador de Tensão CA Monofásico - Funcionamento

Leia mais

Física Teórica II Lei de Faraday-Lenz e aplicações

Física Teórica II Lei de Faraday-Lenz e aplicações Física Teórica II Lei de Faraday-Lenz e aplicações 6ª Lista 2º semestre de 2015 ALUNO TURMA PROF. NOTA: 1) Uma haste de 1,2 kg que tem um comprimento de 1,0 m e uma resistência de 5,0 Ω, desce por um par

Leia mais

Introdução à Eletrónica. Gil Lopes

Introdução à Eletrónica. Gil Lopes Introdução à Eletrónica Gil Lopes Índice O Processo de Soldadura Organização do Posto de Trabalho Procedimento na Soldadura Erros mais frequentes Reparação de uma soldadura Manutenção do ferro de soldar

Leia mais

ALFAKITS A-10

ALFAKITS  A-10 KIT PLACA AMPLIFICADOR 10 W RMS MONO Primeiramente queremos agradecer a aquisição do KIT PLACA AMPLIFICADOR 10W RMS Mod. A-10 da ALFAKITS. Este manual procura detalhar todo o processo de montagem desse

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL -1 INCHAMENTO AGREGADOS MIÚDO, CONDIÇÕES DE UMIDADE AGREGADOS GRAÚDO UMIDADE CRÍTICA E COEFICIENTE DE INCHAMENTO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL -1 INCHAMENTO AGREGADOS MIÚDO, CONDIÇÕES DE UMIDADE AGREGADOS GRAÚDO UMIDADE CRÍTICA E COEFICIENTE DE INCHAMENTO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL -1 INCHAMENTO AGREGADOS MIÚDO, CONDIÇÕES DE UMIDADE AGREGADOS GRAÚDO UMIDADE CRÍTICA E COEFICIENTE DE INCHAMENTO INCHAMENTO O AGREGADO MIÚDO SOFRE UM FENÔMENO CONHECIDO COMO

Leia mais

index index index index index index

index index index index index index popis 13 popis popis popis 13 popis popis 24 11 24 73 11 7 75 12 77 12 24 13 M3 3 M3 3 M3 3 M3 3 2 21 2 21 3 22 3 22 2 7 M5 2 7 M5 3 7 M5 3 7 M5 G 2 12 4 5 2 12 4 5 3 13 5 5 3 13 5 5 2 7 5 M5 G 2 7 5 M5

Leia mais

Circuitos Elétricos I

Circuitos Elétricos I Universidade Federal do ABC Eng. De Instrumentação, Automação e Robótica Circuitos Elétricos I Prof. Dr. José Luis Azcue Puma Excitação Senoidal e Fasores Impedância Admitância 1 Propriedades das Senóides

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I BCC701 2014-1 Aula Prática 13

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I BCC701 2014-1 Aula Prática 13 PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I BCC701 2014-1 Aula Prática 13 Exercício 1 Faça um programa Scilab que gere n números aleatórios inteiros entre 1 e 50, imprima os números gerados, calcule e imprima suas médias

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Eletrônica de Potência I

Eletrônica de Potência I Universidade Federal do ABC Eng. De nstrumentação, Automação e Robótica Eletrônica de Potência Prof. José Azcue, Dr. Eng. Parâmetros/Índices de Desempenho 1 Índices de desempenho Como avaliar ou especificar

Leia mais

Início: 14/02/ :00

Início: 14/02/ :00 Início: /0/0 0:00 Eleições POSTIS 00/0 Resultado final das Eleições - TATISTICAS Término: /0/0: NÚME DE VOTANT POR CORREONDÊNCIA E UF UF VOTANT % VOTAR CORREONDÊNCIA % VOTAR INTEET % % VOTANT 0,% 0,% 0,0%

Leia mais

TRABALHO SOBRE DIODOS. AUTORES Al 2046 Fernandes Al 2430 Lourenço. Prof. Cap Carrilho

TRABALHO SOBRE DIODOS. AUTORES Al 2046 Fernandes Al 2430 Lourenço. Prof. Cap Carrilho MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA (REAL ACADEMIA DA ARTILHARIA, FORTIFICAÇÃO E DESENHO 1792) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS TRABALHO SOBRE

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO I

AVISO DE RETIFICAÇÃO I AVISO DE RETIFICAÇÃO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 629/2013 O SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna pública RETIFICAÇÃO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Circuitos Elétricos I

Circuitos Elétricos I Universidade Federal do ABC Eng. De Instrumentação, Automação e Robótica Circuitos Elétricos I Prof. José Azcue; Dr. Eng. Excitação Senoidal e Fasores Impedância Admitância 1 Propriedades das Senóides

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt nstituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228

Leia mais

Eletrônica de Potência Lista de Exercícios Sobre Retificadores a Diodos LISTA DE EXERCÍCIOS II

Eletrônica de Potência Lista de Exercícios Sobre Retificadores a Diodos LISTA DE EXERCÍCIOS II LISTA DE EXERCÍCIOS II OBS: A QUALIDADE E APRESENTAÇÂO SERÃO CONSIDERADOS DATA DE ENTREGA 29/04/2016 1-) No circuito abaixo, determine: a) A corrente média no diodo; b) A tensão média na carga; c) A tensão

Leia mais

Lista de Exercícios P1. Entregar resolvida individualmente no dia da 1ª Prova. a) 25Hz b) 35MHz c) 1Hz d)25khz. a) 1/60s b) 0,01s c) 35ms d) 25µs

Lista de Exercícios P1. Entregar resolvida individualmente no dia da 1ª Prova. a) 25Hz b) 35MHz c) 1Hz d)25khz. a) 1/60s b) 0,01s c) 35ms d) 25µs 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Engenharia Eletrônica LT34C - Circuitos Elétricos Prof. Dr. Eduardo G Bertogna Lista de Exercícios P1 Entregar resolvida individualmente

Leia mais

Experimento 7 Circuitos RC e RL em corrente alternada. Parte A: Circuito RC em corrente alternada

Experimento 7 Circuitos RC e RL em corrente alternada. Parte A: Circuito RC em corrente alternada Experimento 7 Circuitos RC e RL em corrente alternada 1. OBJETIO Parte A: Circuito RC em corrente alternada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RC em presença de uma fonte de alimentação

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Arquitectura de Computadores Fundamentos (9, 10.1 a 10.3) José Monteiro Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico de meia onda

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico de meia onda UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EPO Eletrônica de Potência Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ

ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Edição 2006 Revista e elaborada pelo Prof. Rodrigo Cutri Sob coordenação do Prof. Nilson De Lucca 2 Índice INTRODUÇÃO AO PROGRAMA DE SIMULAÇÃO PSIMCAD...

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

ASPECTOS TEÓRICOS DOS EXPERIMENTOS

ASPECTOS TEÓRICOS DOS EXPERIMENTOS ASPECTOS TEÓRICOS DOS EXPERIMENTOS OBJETIVO Compreender a Lei de Ohms Compreender funcionamento dos atuadores e sensores Compreender o circuito que utiliza o arduíno. Compreender o código FAZER O LED INTERNO

Leia mais

Indutor e Capacitor. Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 31 de Julho de 2009

Indutor e Capacitor. Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 31 de Julho de 2009 Indutor e Capacitor Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 3 de Julho de 2009 Introdução A partir deste momento introduziremos dois elementos dinâmicos de circuitos: indutor e capacitor. Porque são

Leia mais

HASTA PÚBLICA UNIFICADA DO TJAL - LEILÃO 2252 (LOTE 19)

HASTA PÚBLICA UNIFICADA DO TJAL - LEILÃO 2252 (LOTE 19) HASTA PÚBLICA UNIFICADA DO TJAL - LEILÃO 2252 (LOTE 19) Identificação ESTABILIZADOR, MARCA: POSITIVO, POTÊNCIA 1.300 VA, NÚMERO DE SÉRIE: 01245 - (O referido equipamento foiadquirido através de convênio

Leia mais

Reatância e Impedância

Reatância e Impedância Reatância e Impedância Evandro Bastos dos Santos 21 de Maio de 2017 1 Intodução Nessa aula veremos como é o comportamento dos principais dispositivos de um circuito em corrente alternada: Resistores, Indutores

Leia mais

Salmo&139. "SENHOR,"tu"me"sondas"e"me"conheces." "Sabes"quando"me"sento"e"quando"me"levanto;"de"longe" percebes"os"meus"pensamentos.

Salmo&139. SENHOR,tumesondasemeconheces. Sabesquandomesentoequandomelevanto;delonge percebesosmeuspensamentos. Salmo&139 1 "SENHOR,"tu"me"sondas"e"me"conheces." 2 "Sabes"quando"me"sento"e"quando"me"levanto;"de"longe" percebes"os"meus"pensamentos." 3 "Sabes"muito"bem"quando"trabalho"e"quando"descanso;" todos"os"meus"caminhos"são"bem"conhecidos"por"ti.""

Leia mais

Aluno(a): Gabriel Vinicios Silva Maganha nº:... - Data:.../.../2010

Aluno(a): Gabriel Vinicios Silva Maganha nº:... - Data:.../.../2010 SENAI - Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini Curso Técnico em Automação Industrial 1º Período Avaliação Tecnologia Eletrônica I - 12 pontos Instrutor: Gabriel Vinicios Silva Maganha Aluno(a):

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Conversores Estáticos (ELP )

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Conversores Estáticos (ELP ) Aula LAB Simulação de conversores ccca (inversores) monofásicos e trifásicos CNTRO FRAL UCAÇÃO TCNOLÓGICA SANTA CATARINA PAAMNTO LTRÔNICA Conversores státicos (LP 3) AULA LAB SIMULAÇÃO CONVRSORS CCCA (INVRSORS)

Leia mais

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica Capacitor / Circuito RC Indutor / Circuito RL 2015.1 1 Capacitância Capacitor: bipolo passivo que armazena energia em seu campo elétrico Propriedade: Capacitância

Leia mais

Cap. 4 Retificadores de onda completa

Cap. 4 Retificadores de onda completa Cap. 4 Retificadores de onda completa Retificadores de onda completa - Introdução Principal Vantagem Menos Ripple (em relação a retificadores de meia onda) Retificadores de onda completa de uma fase Retificadores

Leia mais

ANEXO III.A. FORMULÁRIO DO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS MÉDICOS 1- Identificação do Processo

ANEXO III.A. FORMULÁRIO DO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS MÉDICOS 1- Identificação do Processo ANEXO III.A FORMULÁRIO DO FABRICANTE OU IMPORTADOR DE PRODUTOS MÉDICOS 1- Identificação do Processo 1.1 Registro do Produto 1.2 Cadastramento do Produto 1.3 Alteração 1.4 Revalidação 1.5 Cancelamento 1.6

Leia mais

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008

Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional. Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Modelos de Vigilância em Saúde no SUS: Perspectivas da Política Nacional Porto Alegre, 24 de setembro de 2008 Desafios para o Sistema de Vigilância / Sistema de Atenção a Saúde Queda da Taxa de Fecundidade

Leia mais

Cap. 4 Retificadores de onda completa

Cap. 4 Retificadores de onda completa Cap. 4 Retificadores de onda completa Retificadores de onda completa - Introdução Principal Vantagem Menos Ripple (em relação a retificadores de meia onda) Retificadores de onda completa de uma fase Retificadores

Leia mais

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica Circuitos em Corrente Alternada 013.1 1 Circuitos em Corrente Alternada (CA) Cálculos de tensão e corrente em regime permanente senoidal (RPS) Conceitos de fasor

Leia mais

Tópicos: Fasores, Impedância, Admitância, Leis de Kirchoff, Associação de Impedância, Divisor de Tensão e de Corrente usando Fasores

Tópicos: Fasores, Impedância, Admitância, Leis de Kirchoff, Associação de Impedância, Divisor de Tensão e de Corrente usando Fasores Disciplina: CIRCUITOS ELÉTRICOS II Código: TE045 Período Letivo: 2 o Semestre de 2015 Professora Responsável: Elizete Maria Lourenço Lista de Exercícios 1 Exercícios de Fixação Elaboração: André Lazaretti

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos DC. (Revisão 00) Lei de Ohm

Painel para análise de circuitos resistivos DC. (Revisão 00) Lei de Ohm 1 Painel para análise de circuitos resistivos DC (Revisão 00) Lei de Ohm 2 O trabalho Guia de aplicação: Lei de Ohm, de SILVA, Juarez B.; xxxxxx está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp 1 Código SAP 0000000000300208 45.0976.0050.6 AUTOM. FECH. LENTO- DN 50- PN 16 2,00 AUTOMATICA DE FECHAMENTO LENTO E TRIPLICE FCAO DIAMETRO VALVULA: 50 MM EXTREMIDADE FLANGEADA CONFORME A NORMA ABNT NBR

Leia mais

KIT PLACA AMPLIFICADOR 100 W RMS - A1002

KIT PLACA AMPLIFICADOR 100 W RMS - A1002 KIT PLACA AMPLIFICADOR 100 W RMS - Primeiramente queremos agradecer a aquisição do KIT Mod. - PLACA AMPLIFICADOR 100W RMS. Este manual procura detalhar todo o processo de montagem deste KIT amplificador,

Leia mais

Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Grupo: MIEEC04_06

Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Grupo: MIEEC04_06 Pilhas Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Grupo: MIEEC4_6 O que são pilhas? A invenção da pilha está obviamente relacionada com a descoberta da eletricidade. O que são pilhas? Sistemas em que a

Leia mais

Reatores Eletrônicos Reatores de Descarga Ignitores

Reatores Eletrônicos Reatores de Descarga Ignitores Reatores Eletrônicos Reatores de Descarga Ignitores Reatores de Descarga para s à Vapor de Mercúrio a Alta Pressão, ABNT NBR 5125 / 5170 da Rendimento (%) Capacitor (uf) 906080260 RVM AFP 80 0,45 0,92

Leia mais

Lista de Exercícios 4 - Circuitos Elétricos II

Lista de Exercícios 4 - Circuitos Elétricos II Lista de Exercícios 4 - Circuitos Elétricos II Tópicos: Sistemas Polifásicos, Sistemas Monofásicos a Três Fios, Conexão Trifásica Y-Y, Conexão Triângulo, Sistemas Trifásicos. 1. Para uma determinada fonte

Leia mais

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta Capítulo 7 Implementação do Protótipo do RHM operando com Corrente CA de Alimentação de 12 Pulsos Imposta 7.1 Introdução Durante os estudos realizados em laboratório, três protótipos do RHM proposto, operando

Leia mais

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua.

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua. Capítulo 6 Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua. 6.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; resistor de 1 kω; indutores de 9,54, 23,2 e 50 mh. 6.2 Introdução

Leia mais

Metodologia de Projeto de Conversores Buck-Boost

Metodologia de Projeto de Conversores Buck-Boost Metodologia de Projeto de Conversores Buck-Boost Dados de entrada: Vin := 24 V Vimax := 28 V Vimin := 20 V ηcon := 0.7 Vo := 15 V Negativa Io := 0.5 A V := 0.01 I := 0.10 Vd := 1 V Dmax := 0.95 Fs := 30000

Leia mais

Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 06

Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 06 Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 06 Prof. Marcelino Andrade Dispositivos e Circuitos Eletrônicos Reversamente

Leia mais

Circuito Único de Água Gelada com Vazão Variável Leonilton Tomaz Cleto 01/04/ Fortaleza

Circuito Único de Água Gelada com Vazão Variável Leonilton Tomaz Cleto 01/04/ Fortaleza Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers Circuito Único de Água Gelada com Vazão Variável Leonilton Tomaz Cleto 01/04/2016 - Fortaleza Execução Implementação Realização

Leia mais

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal 5 5.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; resistor de 1 kω; indutores de 9,54, 23,2 e 50 mh. 5.2 Introdução Nas aulas anteriores estudamos

Leia mais

Função de Transferência da Máquina cc

Função de Transferência da Máquina cc Função de Transferência da Máquina cc 2-1 Função de Transferência da Máquina cc V + - T - L (s) 1/La + 1/J s+ 1/τ a Ia(s) T(s) s+ 1/τm O motor cc comporta-se como um sistema em malha fechada devido a influência

Leia mais

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV www.thevear.com.br www.teleco.com.br A recepção de sinais TV em prédios de apartamentos é feita através de antenas coletivas colocadas no topo do edifício

Leia mais

Espectrometria de massa As moléculas são ionizadas por acção de electrões de alta energia (normalmente). A relação massa/carga (m/e) dos iões

Espectrometria de massa As moléculas são ionizadas por acção de electrões de alta energia (normalmente). A relação massa/carga (m/e) dos iões Espectrometria de massa As moléculas são ionizadas por acção de electrões de alta energia (normalmente). A relação massa/carga (m/e) dos iões produzidos é medida de um modo muito preciso pela combinação

Leia mais

Tubos e Espirais para Circuitos de Ar Comprimido

Tubos e Espirais para Circuitos de Ar Comprimido Tubos e Espirais para Circuitos de Ar Comprimido TUBO EM POLIAMIDA 12 (NYLON) Os tubos em poliamida são utilizados em circuitos de ar comprimido e estão disponíveis em várias cores. PA12 Ø Externo Ø Interno

Leia mais

VS & A Consultores Ltda. 1/6 Lançamentos Agrupados Por Receita/Despesa e C.Custo/Lucro

VS & A Consultores Ltda. 1/6 Lançamentos Agrupados Por Receita/Despesa e C.Custo/Lucro VS & A Consultores Ltda. 1/6 Lançamentos na receita/despesa: "CORREIOS" S 02/01/2015 02/01/2015 CAIXA CORREIOS EQUIPE DE CONSULTORES NF 3990044 SEDEX DE MANUAIS -R$ 345,00 ADMIN Soma: -R$ 345,00 Média:

Leia mais

Resistividade A A R A Equação 2

Resistividade A A R A Equação 2 Resistividade A R A A Equação 2 Condutividade Elétrica Metais bons condutores 10 7 (Ω.m) -1 Isolantes 10-10 e10-20 (Ω.m) -1 Semicondutores 10-6 e 10 4 (Ω.m) -1 Condução Eletrônica e Iônica No interior

Leia mais

Bancada de Medidas Elétricas - XE 201 -

Bancada de Medidas Elétricas - XE 201 - T e c n o l o g i a Bancada de Medidas Elétricas - XE 201 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada de Medidas Elétricas - XE201 - INTRODUÇÃO Os conhecimentos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DAS GUIAS ODONTOLÓGICAS PADRÃO TISS - Troca de Informações em Saúde Suplementar 1.

INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO E PREENCHIMENTO DAS GUIAS ODONTOLÓGICAS PADRÃO TISS - Troca de Informações em Saúde Suplementar 1. Brasília DF, 31 maio 2008. Prezados (as) Crenciados (as), Elaboramos estas instruções utilização e preenchimento das guias, acordo com o padrão Troca Informações em Saú Suplementar (TISS), terminado pela

Leia mais

Comparativo de Produtos

Comparativo de Produtos Comparativo de Produtos Filtros de Discos Arkal vs. Filtros de Discos Azud, Dezembro de 2013 AGENDA 1. Introdução 2. Comparativo 3. Conclusão 2 Introdução Filtros de Discos Filtragem em geral é fundamental

Leia mais

Fonte Regulável 0 30 Volts 2 Ampéres Com Voltimetro Digital. LM723 e ICL7107

Fonte Regulável 0 30 Volts 2 Ampéres Com Voltimetro Digital. LM723 e ICL7107 Fonte Regulável 0 30 Volts 2 Ampéres Com Voltimetro Digital. LM723 e ICL7107 \\ D1 a D4 sao retificadores bem como C1 e C2 tornando a tensão VDC, o LM723 é o regulador de tensão de precisão, e funciona

Leia mais

RESPOSTA CORRETA: LETRA: A

RESPOSTA CORRETA: LETRA: A RESPOSTA CORRETA: LETRA: A comentário: QUESTÃO SIMPLES QUE ENVOLVIA CONHECIMENTO DE MUDANÇAS DE ESTADO FÍSICO DA MATÉRIA. RESPOSTA CORRETA: LETRA:B comentário: ENVOLVIA CONHECIMENTO de movimento retilíneo

Leia mais

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo Retificadores controlados Retificadores monofásicos controlados a tiristor (complemento)

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo Retificadores controlados Retificadores monofásicos controlados a tiristor (complemento) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EPO Eletrônica de Potência Capítulo 4.3 - Retificadores controlados Retificadores monofásicos

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletrônica de Potência (08/08/2014)

Lista de Exercícios de Eletrônica de Potência (08/08/2014) Lista de Exercícios de Eletrônica de Potência (08/08/2014) 1) Dado o circuito abaixo, determinar : a) O ângulo de condução de corrente no diodo; b) A corrente média na carga; c) A corrente eficaz na carga;

Leia mais

Tópicos Avançados em Eletrônica II

Tópicos Avançados em Eletrônica II Deparameno de ngenharia lérica Aula 1.1 onversor - Prof. João Américo Vilela Bibliografia BARB, vo. & MARNS Denizar ruz. onversores - Básicos Não-solados. 1ª edição, UFS, 21. MOHAN Ned; UNDAND ore M.;

Leia mais

Transientes de ligação de condensadores. Comparação de tecnologias

Transientes de ligação de condensadores. Comparação de tecnologias Medium voltage products Comparação de ligação de condensadores a supremacia da tecnologia de díodo Transientes de ligação de condensadores Ao nível da distribuição, são necessárias baterias de condensadores

Leia mais

Dados Cadastrais Identificação da experiência Nome da Experiência: Gerenciamento da Satisfação do Cliente Categorias: Marketing de Relacionamento Responsáveis pela experiência Nome do dirigente: Cíntia

Leia mais

Exercício 1E pag 149. F x = 10cm = 0,1m. P = 37000 x 10³N

Exercício 1E pag 149. F x = 10cm = 0,1m. P = 37000 x 10³N Exercício 1E pag 149 (a) Em 1975, o telhado do Velódromo de Montreal, que pesava 37000 x 10³N, foi levantado 10 cm para ser centralizado. Qual o trabalho executado pelas máquinas que levantaram o telhado?

Leia mais

III ENCONTRO NACIONAL DE TUBERCULOSE Salvador/BA. Situação. Meta PNCT

III ENCONTRO NACIONAL DE TUBERCULOSE Salvador/BA. Situação. Meta PNCT III ENCONTRO NACIONAL DE TUBERCULOSE Salvador/BA CGLAB/DEVEP/SVS/MS Eduardo Guerra E-mail: eduardo.guerra@saude.gov.br Situação Há uma década, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a tuberculose

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RLC DIGITAL MODELO LC-301

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RLC DIGITAL MODELO LC-301 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RLC DIGITAL MODELO LC-301 revisão 2008 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE

Leia mais

Desenvolvimento de Metodologia para Calibração de Transdutores de Tensão para Medição de Parâmetros de QEE em Redes de Alta Tensão

Desenvolvimento de Metodologia para Calibração de Transdutores de Tensão para Medição de Parâmetros de QEE em Redes de Alta Tensão Desenvolvimento de Metodologia para Calibração de Transdutores de Tensão para Medição de Parâmetros de QEE em Redes de Alta Tensão Erasmo Silveira Neto, Hédio Tatizawa, Kleiber T. Soletto, Antonio A.C.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA AMPLIFICADOR DE POTÊNCIA ESTÉREO PARA AUTOS

MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA AMPLIFICADOR DE POTÊNCIA ESTÉREO PARA AUTOS MANUA DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA AMPIFICADOR DE POTÊNCIA ESTÉREO PARA AUTOS CARACTERÍSTICAS 1 - Atendendo às exigências do mercado consumidor, o AB700 JUNIOR foi desenvolvido com características

Leia mais

Esquema da fonte Philips 42PF7320 - Pouquinho de como funciona! PARA TODOS!!! June 18 2010 at 7:55 PM

Esquema da fonte Philips 42PF7320 - Pouquinho de como funciona! PARA TODOS!!! June 18 2010 at 7:55 PM De edson tadeu santos reis tadeu (edsontadeu57@hotmail.com) Enviada: domingo, 20 de junho de 2010 3:42:31 Para: From: marciopbr@hotmail.com Subject: Date: Sat, 19 Jun 2010 18:28:36-0400 Esquema da fonte

Leia mais

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha. Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica. Energia Alternativa

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha. Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica. Energia Alternativa Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica Energia Alternativa Fernanda Silva Izabel Campos Leonardo Franco Rodrigo Wilhelm INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual do Usuário (seguindo a numeração das páginas do manual em inglês) 2 Introdução. 2 O que está incluído? 3 Características

Manual do Usuário (seguindo a numeração das páginas do manual em inglês) 2 Introdução. 2 O que está incluído? 3 Características Manual do Usuário (seguindo a numeração das páginas do manual em inglês) Pag. Conteúdo 2 Introdução 2 O que está incluído? 3 Características 3 Como funciona o 2 0hm 4 Cuidados gerais 4 Cuidados na instalação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PATINAGEM DE LISBOA FUNDADA EM 1944 FILIADA NA FEDERAÇÃO DE PATINAGEM DE PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO DE PATINAGEM DE LISBOA FUNDADA EM 1944 FILIADA NA FEDERAÇÃO DE PATINAGEM DE PORTUGAL Sorteio: - Taça Prof. João Campelo de Sub-13 - Taça Prof. João Campelo de Sub-15 - Taça Prof. João Campelo de Sub-17 - Taça Prof. João Campelo de Sub-20 Sorteio: 08 Maio de 2017 Equipas Participantes SUB-20

Leia mais

I. Identificação do participante

I. Identificação do participante FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Pública COFFITO: nº / 2010. I. Identificação do participante Nome Completo: Nome Completo Entidade: Endereço: Cidade: Telefone: ( ) Fax: ( ) E-mail:

Leia mais

Parte A: Circuitos RC com corrente alternada

Parte A: Circuitos RC com corrente alternada Circuitos RC e RL com Corrente Alternada 6 Parte A: Circuitos RC com corrente alternada 6.1 Material osciloscópio; multímetro digital; gerador de sinais; resistor de 10 Ω; capacitor de 2,2 µf. 6.2 Introdução

Leia mais

PROJETO FONTE CHAVEADA FORWARD

PROJETO FONTE CHAVEADA FORWARD IFES - INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Abílio Marcos Coelho de Azevedo PROJETO FONTE CHAVEADA FORWARD Trabalho apresentado ao professor Ricardo Brioschi da coordenadoria de Engenharia Elétrica do Instituto

Leia mais

Pequeno livro sobre fontes de alimentação

Pequeno livro sobre fontes de alimentação 1 Pequeno livro sobre fontes de alimentação Antes de começarmos a falarmos de como funciona uma fonte de alimentação é preciso saber qual a sua função. Uma fonte de alimentação tem a função de transformar

Leia mais

7. LABORATÓRIO 7 - RESSONÂNCIA

7. LABORATÓRIO 7 - RESSONÂNCIA 7-1 7. LABORATÓRIO 7 - RESSONÂNCIA 7.1 OBJETIVOS Após completar essas atividades de aprendizado, você deverá ser capaz de: (a) Determinar a freqüência ressonante em série a partir das medições. (b) Determinar

Leia mais

Cleber Giorgetti Assessoria e Consultoria. Business & Strategy Marketing & Sales Products & Services Technology & Innovation

Cleber Giorgetti Assessoria e Consultoria. Business & Strategy Marketing & Sales Products & Services Technology & Innovation Cb Gg A C B & Sgy Mkg & S P & Sv Thgy & v Qm Sm N m 2002, mp v x mp çm bjv gó, m m f óg, pb-h m mpv. Apçã hm é gó q vé xpê 20 f, q xm pçõ gã m pçõ m: G Tg, Avy, L Thg, B Lb, AT&T, SD T,. R m p m gó g,

Leia mais

Carga R L C Simulando Alto Falante Eletro - Dinâmico Em Caixa Bass Reflex

Carga R L C Simulando Alto Falante Eletro - Dinâmico Em Caixa Bass Reflex Carga R L C Simulando Alto Falante Eletro - inâmico Em Caixa Bass Reflex Original: 07 01 014 Homero Sette Silva Revisão: 05 01 016 Objetivo Os alto-falantes eletro-dinâmicos podem ser simulados por um

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos DC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 2 O trabalho Guia de aplicação: circuito série e divisores de tensão de SILVA, Juarez B.;

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DO CENTRO DE REFERENCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DO CENTRO DE REFERENCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DO CENTRO DE REFERENCIA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável

Leia mais

XConverter. Conversor DC-DC elevador de tensão

XConverter. Conversor DC-DC elevador de tensão Este conversor eleva uma tensão de 12Vdc de uma fonte linear ou chaveada com capacidade de pelo menos 1A para uma alta tensão programável de 40Vdc a 190Vdc trocando apenas um resistor e fornecendo até

Leia mais

Processamento Digital de Imagens. Quantização de Imagens

Processamento Digital de Imagens. Quantização de Imagens Processamento Digital de Imagens Quantização de Imagens Eduardo A. B. da Silva Programa de Engenharia Elétrica - COPPE/UFRJ Laboratório de Sinais, Multimídia e Telecomunicações eduardo@smt.ufrj.br Sergio

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda

Experimento 9 Circuitos RLC em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e rejeita-banda Experimento 9 Circuitos C em série e em paralelo em corrente alternada: ressonância e filtros passa-banda e reeita-banda. OBJETIO Parte A:Circuitos C em série Circuitos contendo indutores e capacitores

Leia mais

M E M O R I A L D E S C R I T I V O

M E M O R I A L D E S C R I T I V O M E M O R I A L D E S C R I T I V O Imóvel: PARQUE DO CURIÓ Proprietário: CIA. FÁBRICA DE TECIDOS SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA Município: PARACAMBI Comarca: PARACAMBI UF: Rio de Janeiro Área ( ha): 913,961 Ha

Leia mais

05/10/2015

05/10/2015 05/10/2015 www.aneel.gov.br/aplicacoes/cmpf/gerencial/ Retornar [COEFICIENTES DE DISTRIBUIÇÃO: SELECIONA NO MAPA REGIÕES OU UF] ESTADO PARÁ Município Área Km² Participação (%) UHE (empresa) Almeirim 17,99

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO CAPACÍMETRO E INDUTÍMETRO DIGITAL MODELO LC-301

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO CAPACÍMETRO E INDUTÍMETRO DIGITAL MODELO LC-301 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO CAPACÍMETRO E INDUTÍMETRO DIGITAL MODELO LC-301 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE

Leia mais