Cap. 4 Retificadores de onda completa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. 4 Retificadores de onda completa"

Transcrição

1 Cap. 4 Retificadores de onda completa

2 Retificadores de onda completa - Introdução Principal Vantagem Menos Ripple (em relação a retificadores de meia onda)

3 Retificadores de onda completa de uma fase

4 Retificadores de onda completa de uma fase - Básicos Retificador em ponte Retificador com transformador de tap central

5 Presença do retificador em ponte em circuitos profissionais Fontes de alta potência (retificadores) 5A, 10A, 15A, 20A, 25A, 30A

6 Presença do retificador em ponte em circuitos profissionais 4/02/making-high-current-12vvoltage.html

7 Retificador em Ponte Observações: - Diodos D1 e D2 conduzem ao mesmo tempo - Diodos D3 e D4 conduzem ao mesmo tempo - Corrente na carga pode ser positiva ou zero, mas nunca negativa (corrente sempre no mesmo sentido)

8 Retificador em Ponte Observações: - Tensão máxima em um diodo reversamente polarizado é igual a vs - Se D1 esta diretamente polarizado a tensão em D3 é vs - A corrente média da fonte é zero. - A corrente RMS da fonte é igual a corrente RMS da carga - A frequência fundamental na carga é 2 x a frequência da fonte. - Utiliza 4 diodos.

9 Retificador em Ponte Tensão na fonte Tensão na carga Tensão em D1 e D2 Tensão em D3 e D4

10 Retificador em Ponte Tensão na fonte Tensão na carga Corrente em D1 e D2 Corrente em D3 e D4

11 Retificador em Ponte Tensão na fonte Tensão na carga Corrente na carga Corrente na fonte

12 Simulação PSPICE Restrições do PSPICE para simulação de transformadores: - Todos os nós devem ter um caminho até o terra (GND) é preciso colocar uma resistência alta ligando os lados do transformador. - É preciso colocar uma pequena resistência no laço que contem o transformador ideal para impedir que a corrente seja infinita e a simulação dê erro.

13 Simulação PSPICE Para ver o gráfico sem o fundo preto é preciso ir em Print Preview.

14 Retificador com transformador de tap central Observações: - Apenas um diodo conduz de cada vez - A corrente na carga pode ser positiva ou zero mas nunca negativa. - As tensões no secundário do transformador são:

15 Retificador com transformador de tap central Observações: - O transformador proporciona isolamento elétrico com a carga - Utiliza 2 diodos e um transformador de tap central. *Isolamento elétrico permite medições com o osciloscópio

16 Retificador com transformador de tap central Tensão na fonte Tensão na carga Tensão em D1 - A frequência da tensão na carga é duas vezes a da fonte. Tensão em D2

17 Retificador com transformador de tap central Tensão na fonte Tensão na carga Tensão em D1 Tensão em D2 - A tensão reversa máxima em um diodo é igual a duas vezes a tensão de pico da carga.

18 Retificador com transformador de tap central Tensão na fonte Tensão na carga Corrente em D1 Corrente em D2 Corrente na carga Corrente na fonte - Corrente média na fonte é zero

19 Considerações do Retificador em Ponte - A baixa tensão de pico no diodo do retificador em ponte o torna mais adequado para aplicações de alta tensão. * Uma alta tensão na fonte será duas vezes maior no diodo podendo queimá-lo, exigindo diodo muito grandes.

20 Considerações do retificador com transformador O retificador com tranformador de tap central apresenta: - Isolação elétrica - Apenas uma queda de tensão de diodo entre a fonte e a carga. * É mais adequado para aplicações de baixa tensão e alta corrente. ** Como a queda de tensão é menor, essa topologia causa menos impacto em circuitos com pequenas tensões de alimentação e o ganho é desprezível para o caso de altas tensões.

21 Retificadores de onda completa de uma fase Carga R

22 Retificadores de onda completa de uma fase - As fórmulas foram desenvolvidas com foco no retificador em ponte, porém a análise também se aplica ao retificador com trasformador de tap central Carga Resistiva

23 Retificadores de onda completa de uma fase Carga Resistiva Componente DC da Tensão = Valor médio Vo Atenção para os limites de integração e o período Corrente DC

24 Retificadores de onda completa de uma fase Carga Resistiva Potência absorvida = Igual para senoide retificada e não retificada. (VALOR RMS = ÁREA DA CURVA)

25 Retificadores de onda completa de uma fase Carga Resistiva Corrente na carga é uma senoide retificada em fase com a tensão. Portanto: Fator de potência = 1

26 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL

27 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL

28 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL Análise semelhante ao circuito com diodo de roda livre. Momento da energização do circuito: Corrente transiente Regime permanente: Corrente assume a forma abaixo

29 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL Tensão na carga RL Senoide completa retificada Pode ser representada por uma série de Fourier - Termo DC e Harmônicos pares e

30 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL Tensão e corrente na carga Corrente em D1 e D2 Corrente em D3 e D4

31 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL Tensão e corrente na carga Corrente em D1 e D2 Tensão e corrente na fonte

32 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL Corrente na carga RL não linear Calculada usando o teorema da superposição pois a impedância do indutor é diferente para cada frequência. A fonte apresenta apenas uma frequência (é senoidal), contudo a ponte retificadora gera as diversas frequências harmônicas. Corrente DC: Amplitude de cada termo dos harmônicos:

33 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL Observações - A medida que n cresce, a amplitude da tensão diminui. - A medida que n cresce, a impedância Zn aumenta - A redução de tensão e o aumento de impedância faz com que os termos harmônicos reduzam rapidamente, portanto, com apenas alguns termos é possível descrever a corrente na carga.

34 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL Observações - Se o indutor for MUITO GRANDE, ele representa uma impedância infinita para as correntes alternadas (componentes harmônicas). - A corrente na carga será praticamente DC.

35 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL Observações - Se o indutor for MUITO GRANDE, ele representa uma impedância infinita para as correntes alternadas (componentes harmônicas). - A corrente na carga será praticamente DC.

36 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL + fonte DC

37 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL + fonte DC Representa uma carga genérica na indústria Exemplos: - Um driver de motor DC - Um carregador de bateria

38 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL + fonte DC Representa uma carga genérica na indústria Exemplos: - Um driver de motor DC - Um carregador de bateria Modos de operação: Corrente contínua Corrente descontínua

39 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL + fonte DC Modo de operação em Corrente Contínua Condições que definem operação em corrente contínua: - Corrente na carga sempre é positiva para a operação em estado permanente - Tensão na carga é um senoide completa retificada

40 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL + fonte DC Modo de operação em Corrente Contínua A única diferença para o circuito RL é o termo DC da série de Fourier: Termos senoidais da série permanecem iguais.

41 Retificadores de onda completa de uma fase Carga RL + fonte DC Modo de operação em Corrente DESCONTÍNUA - A tensão DC da carga se for muito alta faz com que a corrente da carga sempre retorne para zero. - Nesse caso deve ser analisado como o circuito retificador de meia onda para carga RL-DC. (ver aulas anteriores do cap.3)

42 Retificadores de onda completa de uma fase Filtro capacitivo de saída Os cálculos utilizam as mesmas fórmulas do cap.3 para o retificador de meia onda. Altera-se apenas o período da onda de 2π para π.

43 Retificadores de onda completa de uma fase Filtro capacitivo de saída Video 1 Ver: 0-2min50 4-5min30 8-9min30

44 Retificadores de onda completa de uma fase Filtro capacitivo de saída Video 2 Até 5min

45 Circuitos dobradores de tensão - Dobra o valor da tensão - Retifica a onda Assista: CIRCUITO DOBRADOR DE TENSÃO Fast Lesson #101 https://www.youtube.com/watch?v=4mws-5-9e0q

46 Circuitos dobradores de tensão Semi-ciclo positivo Capacitor C1 carrega

47 Circuitos dobradores de tensão Semi-ciclo negativo Capacitor C2 carrega

48 Circuitos dobradores de tensão Tensão na carga - Dobro do pico da tensão da fonte AC - Tensão retificada Importante: - Tensão aumenta e corrente diminui. - Potência permanece constante Usado em sistemas com diferentes padrões de tensão Exemplos: Transformar de 12Vac em 24Vcc sem usar um tranformador.

49 Circuito retificador com filtro LC Objetivo Tensão na saída na prática é quase que puramente DC (ripple mínimo) Capacitor Mantem a tensão em um nível constante Indutor Suaviza a corrente do retificador e reduz as correntes de pico nos diodos

50 Retificadores controlados de onda completa - Os diodos são substituidos por SCRs. - Adição de circuitos de controle para disparar os SCRs

51 Retificadores controlados de onda completa - Diodos são substituidos por SCRs. SCRs S1 e S2 - Se tornam diretamente polarizados no semi-ciclo positivo - Conduzem neste momento apenas se um pulso de corrente for aplicado no gate. SCRs S3 e S4 - Se tornam diretamente polarizados no semi-ciclo negativo - Conduzem apenas se forem disparados.

52 Retificadores controlados de onda completa - O ângulo α (ângulo de disparo ou atraso) é o intervalo entre a polarização direta do SCR e a aplicação do pulso no gate. - Se o ângulo α for zero, então o retificador controlado se comporta como o retificador não controlado (passa os 180 graus).

53

54 Retificadores controlados no PROTEUS Disparo do SCR Generators Pulse Alternator O disparo do SCR pode ser feito através de um: Pulse generator Youtube:

55 Retificadores controlados no PROTEUS

56 Retificadores controlados no PSPICE

57 Exercícios retificadores de onda completa monofásicos Carga RL Carga RLE Filtro capacitivo de saída

58 Exercício Retificador de onda completa com carga RL: O retificador em ponte do circuito abaixo possui fonte AC com Vm=100V em 60Hz e uma carga RL série com R=10 ohm e L=10mH. a) Determine a corrente média na carga b) Estime a variação de pico-a-pico da corrente de carga baseada no primeiro termo AC da série de Fourier c) Determine a potência absorvida pela carga e o fator de potência do circuito d) Determine a corrente média dos diodos.

59 Fórmulas Série de Fourier de uma onda completa retificada Tensão média Corrente média Harmônicos ( n par) Amplitudes das correntes dos harmônicos Valor de pico-a-pico = 2 x Valor de amplitude Potência na carga Corrente RMS Fator de potência *Diodos conduzem apenas metade do período

60 Resolução a) Determine a corrente média na carga Para determinar a corrente média na carga é preciso antes determinar a tensão média na carga A tensão não é senoidal, portanto precisamos da série de Fourier (Fórmulas dadas)

61 Resolução a) Determine a corrente média na carga Corrente média Calculando tensão média = 2(100) π Porque a tensão média é? Termo DC da série de Fourier, n=0

62 Resolução b) Estime a variação de pico-a-pico da corrente de carga baseada no primeiro termo AC da série de Fourier Variação pico-a-pico O valor real de pico-a-pico da onda necessita de todos o termos harmônicos, contudo o exercício pede uma aproximação baseada apenas no primeiro termo harmônico. 2. π. 60 Amplitude da senoide da primeira harmônica

63 Resolução c) Determine a potência absorvida pela carga e o fator de potência do circuito n par

64 Resolução c) Determine a potência absorvida pela carga e o fator de potência do circuito Fonte

65 Resolução d) Determine a corrente média dos diodos. *Diodos conduzem apenas metade do período

66 Retificador de onda completa monofásico com carga RLE Exemplo 4-3: O circuito retificador de onda completa em ponte da figura abaixo possui fonte AC com amplitude de 120 Vrms em 60Hz, R=2 ohm, L= 10mH e Vdc=80V. Determine a potência absorvida pela fonte DC e a potência absorvida pelo resistor da carga. Assumindo comportamento em corrente continua (desconsiderando a possibilidade de corrente descontínua) Potência absorvida pela fonte DC

67 Exemplo 4-3: O circuito retificador de onda completa em ponte da figura abaixo possui fonte AC com amplitude de 120 Vrms em 60Hz, R=2 ohm, L= 10mH e Vdc=80V. Determine a potência absorvida pela fonte DC e a potência absorvida pelo resistor da carga. Calculando a potência absorvida pelo resistor da carga: Primeiros termos da série de Fourier

68 Exemplo 4-3: O circuito retificador de onda completa em ponte da figura abaixo possui fonte AC com amplitude de 120 Vrms em 60Hz, R=2 ohm, L= 10mH e Vdc=80V. Determine a potência absorvida pela fonte DC e a potência absorvida pelo resistor da carga. Potência absorvida no resistor: Solução no Pspice confirma a condição de corrente contínua

69 Retificadores de onda completa de uma fase Filtro capacitivo de saída Exemplo 4-4 O retificador de onda completo abaixo possui uma fonte de 120V (rms) em 60Hz, R=50ohm e C=100uF. a) Determine a variação de tensão de pico-a-pico na saída. b) Determine o valor da capacitância que reduziria o ripple de tensão para 1% do valor da tensão DC.

70 Exemplo 4-4 O retificador de onda completa abaixo possui uma fonte de 120V (rms) em 60Hz, R=50ohm e C=100uF. a) Determine a variação de tensão de pico-a-pico na saída. Solução Tensão de pico:

71 Exemplo 4-4 a) Determine a variação de tensão de pico-a-pico na saída. Determinando ângulo θ e α Diodo ON Diodo OFF Igual ao circuito retificador de meia onda com capacitor:

72 Exemplo 4-4 a) Determine a variação de tensão de pico-a-pico na saída. Determinando ângulo θ e α O ângulo α só pode ser determinado numericamente pela equação: MATLAB SOLVE EQUATION: O ripple é determinado pela diferença entre a tensão máxima e a mínima:

73 Exemplo 4-4 a) Determine a variação de tensão de pico-a-pico na saída.

74 Exemplo 4-4 b) Determine o valor da capacitância que reduziria o ripple de tensão para 1% do valor da tensão DC. Logo:

75 Retificadores de onda completa trifásicos

76 Retificadores Trifásicos Normalmente usados na indústria para produzir tensão e correntes DC para cargas muito grandes.

77 Retificadores Trifásicos

78 Retificadores Trifásicos - Modelagem A fontes trifásicas são balanceadas e apresentam a sequência a-b-c. Fontes e diodo são considerados ideais.

79 Retificadores Trifásicos Observações básicas no circuito: 1)Pela lei de Kirchhoff nos caminhos do circuito, apenas um diodo na parte de cima da ponte pode conduzir em um intervalo de tempo (D1, D3 ou D5). O diodo que estiver conduzindo terá seu anodo conectado à tensão de maior amplitude naquele instante. 2) Pela lei de Kirchhoff, apenas um dos diodos da parte de baixo da ponte pode conduzir em cada intervalo de tempo (D4, D5 ou D6). O diodo que estiver conduzindo terá seu catodo conectado à tensão de fase de menor valor naquele instante.

80 Retificadores Trifásicos Observações básicas no circuito: D1 e D4 não podem conduzir ao mesmo tempo. D3 e D6 não podem conduzir ao mesmo tempo. D5 e D2 não podem conduzir ao mesmo tempo.

81 Retificadores Trifásicos Observações básicas no circuito: A tensão de saída na carga será uma das tensões de linha da fonte. Vab, Vac, Vbc, Vba, Vca, Vcb (3 fases combinadas duas a duas = 6 possibilidades)

82 Retificadores Trifásicos Observações básicas no circuito: Quando D1 e D2 estiverem ligados, a tensão de saída será Vac.

83 Retificadores Trifásicos Observações básicas no circuito: Os diodos ligados são determinados pela tensão de linha que é maior naquele instante.

84 Retificadores Trifásicos Observações básicas no circuito: Os diodos ligados são determinados pela tensão de linha que é maior naquele instante. Se Vac for a maior tensão de linha naquele instante, então a tensão na carga será Vac.

85 Retificadores Trifásicos Observações básicas no circuito: Considerando um período de 360 graus, a transição entre tensões de linha será realizada a cada 360/6 = 60 graus. Devido às seis transições, este circuito é chamado de RETIFICADOR DE SEIS PULSOS. A frequência fundamental da tensão de saída é 6x a frequência da fonte Pi/3 = 60 graus

86 Retificadores Trifásicos Pares de diodos que conduzem ao mesmo tempo: (6,1) (1,2) (2,3) (3,4) (4,5) (5,6) (6,1).

87 Retificadores Trifásicos Tensão reversa sobre o diodo (em vermelho)

88 Retificadores Trifásicos corrente nos diodos Corrente média em um diodo Corrente média na carga Corrente RMS em um diodo Corrente RMS na carga Corrente RMS em uma fonte

89 Retificadores Trifásicos Potência aparente da fonte trifásica Tensão instantânea na carga Período =

90 Retificadores Trifásicos Tensão instantânea na carga expressa como série de Fourier Tensão média na carga (Termo DC da série de Fourier) Termos AC da série de Fourier

91 Retificadores trifásicos controlados Substituindo diodos por SCRs α = 45 Ângulo de disparo ou de atraso (α) Tempo entre o momento em que o SCR se torna diretamente polarizado e a entrada do pulso de corrente em seu gate. Tensão média na carga

92 Retificadores de 12 pulsos Uso de dois retificadores de 6 pulsos para formar um retificador de 12 pulsos. Vantagens: - Redução de harmônicos - Exige filtros menores Ondas para α = 0 Defasagem de 30 graus Pulsos defasados de 30 graus em relação ao primeiro retificador Tensão média

93 Dica: Exemplo 4.12 Exercícios

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Trifásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Eletrônica Geral Curso Técnico de Automação Industrial Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Geral Curso Técnico de Automação Industrial Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Geral Curso Técnico de Automação Industrial Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletrônica de Potência Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Conversores CA / CC Conversores CA /CC O fornecimento de energia elétrica é feito, essencialmente,

Leia mais

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Apostila 3 Continuação de Diodos III - CIRCUITOS COM DIODOS 1 - Sinal senoídal Um dos sinais elétricos alternados mais comuns é o senoídal. O sinal senoídal pode ser representado

Leia mais

Conversores Estáticos

Conversores Estáticos Conversores Estáticos Circuitos Retificadores Monofásicos 08/03/2009 www.corradi.junior.nom.br Sinal Senoidal Os circuitos eletrônicos podem trabalhar com tensões e correntes continuas e alternadas. Um

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos 2. PRÉ-REQUISITOS: Capítulo 2 do livro texto. 3. RESUMO TEÓRICO: O diodo, apesar de ser o dispositivo semicondutor

Leia mais

REVISÃO: CONSIDERAÇÕES *Grandeza elétrica de natureza contínua => único sentido da corrente na carga, ou seja, unidirecional. Ex. CC pulsante.

REVISÃO: CONSIDERAÇÕES *Grandeza elétrica de natureza contínua => único sentido da corrente na carga, ou seja, unidirecional. Ex. CC pulsante. UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 ET74C Profª Elisabete N Moraes AULA 9 RETIFICADOR MONOFÁSICO DE ONDA COMPLETA Curitiba, 14 de setembro de

Leia mais

Retificadores Industriais

Retificadores Industriais etificadores Industriais Nikolas Libert Aula 7 Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A Tecnologia em Automação Industrial etificadores Industriais etificadores Industriais Conversão de CA

Leia mais

Semicondutores de Potência em Corrente Alternada

Semicondutores de Potência em Corrente Alternada Semicondutores de Potência em Corrente Alternada Vamos no restringir a analisar o Retificador Controlado de Silicio, que é de longe o dispositivo mais utilizado em sistemas de controle de CA e em sistemas

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA N o PEA50 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADORES NÃO CONTROLADOS DE DOIS CAMINHOS W. KAISER 0/009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento e processo de comutação em retificadores

Leia mais

ELETRÔNICA CIRCUITOS ESPECIAIS CAPÍTULO

ELETRÔNICA CIRCUITOS ESPECIAIS CAPÍTULO CIRCUITOS ESPECIAIS Limitador (Ceifador) Positivo Negativo Polarizado Grampeador Multiplicador Dobrador Triplicador Quadriplicador Positivo Negativo Detector de Pico a Pico 1 LIMITADOR O limitador (ceifador)

Leia mais

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico de meia onda

EPO Eletrônica de Potência. Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico de meia onda UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EPO Eletrônica de Potência Capítulo 2 - Retificadores não controlados 2.1-Retificador monofásico

Leia mais

4.3 Multiplicador de Tensão

4.3 Multiplicador de Tensão 4.3 Multiplicador de Tensão Esse circuito possibilita a obtenção de uma tensão contínua de saída que é múltiplo inteiro do valor de pico de uma tensão de entrada, que neste caso é alternada (quadrada ou

Leia mais

Eletrônica Analógica e de. Potência. Tiristores. Prof.: Welbert Rodrigues

Eletrônica Analógica e de. Potência. Tiristores. Prof.: Welbert Rodrigues Eletrônica Analógica e de Tiristores Potência Prof.: Welbert Rodrigues Introdução O nome tiristor engloba uma família de dispositivos semicondutores que operam em regime chaveado; Tendo em comum uma estrutura

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (L2)

Lista de Exercícios 2 (L2) 1 ELETRÔNICA DE POTÊNICA II Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Lista de Exercícios 2 (L2) 1) Um inversor monofásico de meia-ponte alimenta uma carga resistiva R=10Ω e possui a tensão de entrada Vcc=220V.

Leia mais

ELETRÔNICA ANALÓGICA CEL099. Prof. Pedro S. Almeida

ELETRÔNICA ANALÓGICA CEL099. Prof. Pedro S. Almeida ELETRÔNICA ANALÓGICA CEL099 Prof. Pedro S. Almeida pedro.almeida@ufjf.edu.br Circuitos de Aplicação de Diodos 2 Conteúdo Circuitos Retificadores Retificador de Meia-Onda Retificador de Onda-Completa a

Leia mais

Retificadores Trifásicos Não-Controlados

Retificadores Trifásicos Não-Controlados Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Retificadores Trifásicos Não-Controlados Florianópolis, março de 2012.

Leia mais

CAPÍTULO 3 - CIRCUITOS RETIFICADORES ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 04

CAPÍTULO 3 - CIRCUITOS RETIFICADORES ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 04 CAPÍTULO 3 - CIRCUITOS RETIFICADORES ELETRÔNICA Aluno turma ELETRÔNICA ANALÓGICA AULA 04 1- Retificadores Todos os aparelhos eletrônicos necessitam de corrente contínua para funcionar, todavia, a rede

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v.

Lista de exercícios ENG04042 Tópicos 3.1 a 5.3. a corrente se atrasa em relação a v. 1) Um indutor de 10 mh tem uma corrente, i = 5cos(2000 t ), obtenha a tensão vl. V = 100 sen(2000 t ) V L 2) Um circuito série com R=10 Ω e L=20 mh, tem uma corrente de i = 2s en(500 t ). Calcule a tensão

Leia mais

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PCE Projeto de Conversores Estáticos Aula 2 Tópicos Introdução Necessidade de conversores isolados

Leia mais

Diodo de Junção - 7 Cap. 3 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 4 Malvino

Diodo de Junção - 7 Cap. 3 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 4 Malvino Diodo de Junção - 7 Cap. 3 Sedra/Smith Cap. 2 Boylestad Cap. 4 Malvino Limitadores, Grampeadores e Dobradores de Tensão Notas de Aula SEL 313 Circuitos Eletrônicos 1 1o. Sem/2016 Prof. Manoel Circuitos

Leia mais

Os inversores podem ser classificados segundo os campos:

Os inversores podem ser classificados segundo os campos: Capítulo 5 Inversores Os inversores podem ser classificados segundo os campos: quanto à fonte de energia; quanto ao número de fontes de energia; quanto ao número de fases. Quanto ao tipo de fonte utilizada,

Leia mais

Aula 20 Comando e proteção de tiristores

Aula 20 Comando e proteção de tiristores UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 20 Comando e proteção de tiristores,

Leia mais

Introdução 5. Filtros em fontes de alimentação 6. O capacitor como elemento de filtragem 7

Introdução 5. Filtros em fontes de alimentação 6. O capacitor como elemento de filtragem 7 Sumário Introdução 5 Filtros em fontes de alimentação 6 O capacitor como elemento de filtragem 7 Tensão de ondulação 10 Fatores que influenciam a ondulação 12 Tensão de saída no retificador com filtro

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

Introdução teórica Aula 8: Fonte de Tensão Regulada. Regulador LM7805. Fonte de tensão regulada. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 8 EEL/CTC/UFSC

Introdução teórica Aula 8: Fonte de Tensão Regulada. Regulador LM7805. Fonte de tensão regulada. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 8 EEL/CTC/UFSC Introdução teórica Aula 8: Fonte de Tensão Regulada Regulador LM7805 78xx é o nome de uma popular família de reguladores positivos de tensão. É um componente comum em muitas fontes de alimentação. Eles

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do S Faculdade de Engenharia LABOATÓIO DE ELETÔNICA DE POTÊNCIA Experiência 8: Ponte etificadora Monofásica a Tiristor (Totalmente Controlada). Objetivos: Verificar qualitativa

Leia mais

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS.

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. EXERCÍCIO 1: Um transformador com capacidade para fornecer a potência aparente máxima de 25kVA está alimentando uma carga, constituída pelo motor M1 que consome 4.8kW com

Leia mais

Cap.4. Conversores CA CC Controlados

Cap.4. Conversores CA CC Controlados UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO NOTAS DE AULA TE05107 Eletrônica de Potência Prof. Petrônio Vieira Junior Cap.4. Conversores CA CC Controlados

Leia mais

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas Universidade Federal de São João del-rei Material Teórico de Suporte para as Práticas 1 Amplificador Operacional Um Amplificador Operacional, ou Amp Op, é um amplificador diferencial de ganho muito alto,

Leia mais

Experiência : RETIFICADORES MONOFÁSICOS COM FILTRO CAPACITIVO E ESTABILIZAÇÃO

Experiência : RETIFICADORES MONOFÁSICOS COM FILTRO CAPACITIVO E ESTABILIZAÇÃO ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22 Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica 22 1 Título Prática 1 - Fonte de Alimentação Regulável 2 Objetivos Desenvolvimento de uma fonte de alimentação regulável. 3 Fundamentos

Leia mais

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada 1. OBJETIVO Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RL em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada. 2. MATERIAL UTILIZADO

Leia mais

Aula de Laboratório: DIODO

Aula de Laboratório: DIODO Aula de Laboratório: DIODO I.1 - Teste do estado de funcionamento de um diodo Utilizando a função apropriada do multímetro, meça a condutividade dos diodos fornecidos em ambos os sentidos de polarização.

Leia mais

Parte 1 Retificadores Não-Controlados e Introdução a Eletrônica de Potência

Parte 1 Retificadores Não-Controlados e Introdução a Eletrônica de Potência Parte 1 Retificadores Não-Controlados e Introdução a Eletrônica de Potência As paredes entre a arte e a engenharia existem apenas em nossas mentes. Theo Jansen 1 Problema 1 Enquanto a Fig. 1.1 mostra uma

Leia mais

Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações

Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações ELETRICIDADE Aula 9 Dispositivos semicondutores Diodos e aplicações Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Material semicondutor Alguns materiais apresentam propriedades de condução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 09 DIODOS SEMICONDUTORES E RETIFICADORES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 09 DIODOS SEMICONDUTORES E RETIFICADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica AULA 09 DIODOS SEMICONDUTORES E RETIFICADORES 1 INTRODUÇÃO Os objetivos desta aula são: Introduzir

Leia mais

Compensação de Reativos e Harmônicas

Compensação de Reativos e Harmônicas Compensação de Reativos e Harmônicas O que é Potência Reativa Como compensar e o que compensar Como especificar um Banco de Capacitores O que são harmônicas O que é ressonância. Apresentação das medições

Leia mais

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO

MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO MII 2.1 MANUTENÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS ANALÓGICOS RETIFICAÇÃO Contextualização Retificação Muitos circuitos eletrônicos necessitam de corrente contínua para operar. Porém, as companhias de energia

Leia mais

Retificadores Monofásicos Não-Controlados (Onda Completa com Carga Resistiva)

Retificadores Monofásicos Não-Controlados (Onda Completa com Carga Resistiva) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Retificadores Monofásicos Não-Controlados (Onda Completa com Carga Resistiva)

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

ELETRÔNICA I. Apostila de Laboratório. Prof. Francisco Rubens M. Ribeiro

ELETRÔNICA I. Apostila de Laboratório. Prof. Francisco Rubens M. Ribeiro ELETRÔNICA I Apostila de Laboratório Prof. Francisco Rubens M. Ribeiro L E E UERJ 1996 Prática 01 - Diodo de Silício 1 - Objetivo: Levantamento da característica estática VxI do diodo de Si, com o auxílio

Leia mais

6. Classes de Operação

6. Classes de Operação 56 6. Classes de Operação 6.1.Introdução Amplificadores de potência são classificados de acordo com sua classe de operação. As classes são definidas conforme o ponto de polarização, topologias do circuito

Leia mais

Estágio Inversor Para Nobreaks

Estágio Inversor Para Nobreaks Estágio Inversor Para Nobreaks Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 saccol@cp.com.br,

Leia mais

Noções de corrente alternada

Noções de corrente alternada Noções de corrente alternada Corrente alternada, ou CA (em inglês AC) é uma corrente elétrica cuja intensidade e sentido variam periodicamente, ao contrário da corrente contínua cuja direção permanece

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Aula 4 Conceitos Básicos da Transmissão em Corrente Alternada

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Aula 4 Conceitos Básicos da Transmissão em Corrente Alternada LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Aula 4 Conceitos Básicos da Transmissão em Corrente Alternada Tópicos da Aula Tensões e Correntes Variantes no Tempo Sistema em Regime Permanente Senoidal Interpretação

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Correção de Fator de Potência Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, agosto de 2007. Nesta aula Capítulo

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Retificadores Potência em CA Triângulo das Potências e Correção de Fator de Potência Prof. Clóvis Antônio Petry.

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Física Experimental III Unidade 4: Circuitos simples em corrente alternada: Generalidades e circuitos resistivos http://www.if.ufrj.br/~fisexp3 agosto/26 Na Unidade anterior estudamos o comportamento de

Leia mais

Circuitos Elétricos I

Circuitos Elétricos I Universidade Federal do ABC Eng. De Instrumentação, Automação e Robótica Circuitos Elétricos I Prof. Dr. José Luis Azcue Puma Excitação Senoidal e Fasores Impedância Admitância 1 Propriedades das Senóides

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 4 Circuitos retificadores 2 Objetivos Estudo e montagem de diferentes circuitos retificadores. 3 Fundamentos

Leia mais

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resposta em Frequência O que será estudado? Decibel Circuitos Ressonantes Filtros Ressonância Circuito Ressonante (ou sintonizado) Combinação

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica COB781. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica COB781 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1

Leia mais

Experiência 02: RETIFICADORES MONOFÁSICOS DE ONDA COMPLETA A DIODO

Experiência 02: RETIFICADORES MONOFÁSICOS DE ONDA COMPLETA A DIODO ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

Eletrônica e Circuitos Digitais. Circuitos Retificadores

Eletrônica e Circuitos Digitais. Circuitos Retificadores Eletrônica e Circuitos Digitais Circuitos Retificadores 1 ) Objetivo 2 ) Introdução Teórica 3 ) Lista de Materiais 4 ) Procedimento Material e Resultados 5 ) Discussão/Conclusão 1 ) Objetivo A experiência

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos C e filtros de freqüência OBJETIO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito C Os filtros elétricos

Leia mais

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara ELETRICIDADE Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Tensão (e/ou corrente) contínua Corrente contínua CC (ou DC - do inglês direct current)

Leia mais

Amplificadores de Potência Classe A

Amplificadores de Potência Classe A Universidade do Estado de Santa Catarina CCT Centro de Ciências Tecnológicas Amplificadores de Potência Classe A Professor: Disciplina: Celso José Faria de Araújo Eletrônica Analógica I Joinville SC Introdução

Leia mais

Retificadores trifásicos controlados

Retificadores trifásicos controlados Retificadores trifásicos controlados Nikolas Libert Aula 7 Eletrônica de Potência ET53B Tecnologia em Automação Industrial Retificador com ponto médio Retificador trifásico controlado com ponto médio Vantagens:

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Circuitos Elétricos. Dispositivos Básicos e os Fasores. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Circuitos Elétricos Dispositivos Básicos e os Fasores Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Fasores Método válido porém longo é somar algebricamente as ordenadas em cada ponto ao longo da abscissa.

Leia mais

CAPÍTULO - 8 CIRCUITOS DE COMANDO FUNÇÕES

CAPÍTULO - 8 CIRCUITOS DE COMANDO FUNÇÕES 131 CAPÍTULO - 8 CIRCUITOS DE COMANDO 8.1 - FUNÇÕES Ordens de comando (pulsos de gatilho) para tiristores: Corrente de disparo (gate) com formas e valores adequados, em instantes especificados. 8.2 - COMANDOS

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

Circuitos retificadores com diodos

Circuitos retificadores com diodos Circuitos retificadores com diodos Introdução Dentre as principais aplicações do diodo, esta a retificação, ou seja, converter um sinal alternado em continuo, isto se faz necessário porque as maiorias

Leia mais

SINALIZADOR Efeito Estroboscópico

SINALIZADOR Efeito Estroboscópico SINALIZADOR Efeito Estroboscópico Este projeto refere-se a montagem de um sinalizador de baixo custo, porém com efeitos interessantes, porquanto pode ser utilizado em diversas aplicações, desde um simples

Leia mais

Circuitos com Diodo. Prof. Jonathan Pereira

Circuitos com Diodo. Prof. Jonathan Pereira Circuitos com Diodo Prof. Jonathan Pereira Introdução Figura 1 Válvula hidráulica uidirecional 2 Sinal Senoidal Sinal elétrico alternado pode ser representado matematicamente

Leia mais

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Experimento 4 Transistor Bipolar Amplificador

Leia mais

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 04 Tensão e Corrente alternada Ondas senoidais Ondas quadradas Ondas triangulares Frequência e período Amplitude e valor

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420 16/04/2015

Circuitos Elétricos I EEL420 16/04/2015 Circuitos Elétricos I EE420 16/04/2015 Nome: 1) COOQUE SEU NOME E NUMERE AS FOHAS DOS CADERNOS DE RESPOSTA 2) RESPONDA AS QUESTÕES EM ORDEM UTIIZANDO ATÉ 2 PÁGINAS POR QUESTÃO (NO MÁXIMO 3) 3) REDESENHE

Leia mais

ELETRONICA ANALÓGICA By W. L. Miranda. Fontes de alimentação CA/CC.

ELETRONICA ANALÓGICA By W. L. Miranda. Fontes de alimentação CA/CC. ELETRONICA ANALÓGICA By W. L. Miranda Fontes de alimentação CA/CC. 1 - Considerações de projeto: a) 1º Caso: Isolamento entre rede domiciliar CA e a carga. Neste caso, a fase, o neutro ou o aterramento

Leia mais

Prof. Amauri Assef. UTFPR Campus Curitiba 1

Prof. Amauri Assef. UTFPR Campus Curitiba 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B Aula 3 amauriassef@utfpr.edu.br 1 Principais

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I EPO I Aula 19 Comando e proteção de tiristores UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

Leia mais

CONTROLE TRADICIONAL

CONTROLE TRADICIONAL CONTROLE TRADICIONAL Variação da tensão do estator Os acionamentos de frequência e tensão variáveis são os mais eficientes Existem também acionamentos com tensão variável e frequência fixa Para um acionamento

Leia mais

FILTRO PASSA ALTAS (FPA) FILTRO PASSA BAIXAS (FPB)

FILTRO PASSA ALTAS (FPA) FILTRO PASSA BAIXAS (FPB) FILTRO PASSA ALTAS (FPA) FILTRO PASSA BAIXAS (FPB) A figura a seguir mostra dois circuitos RC que formam respectivamente um filtro passa altas (FPA) e um filtro passa baixas (FPB). Observa-se que a caracterização

Leia mais

Introdução aos Conversores CA-CC Semicondutores de Potência (diodos e tiristores)

Introdução aos Conversores CA-CC Semicondutores de Potência (diodos e tiristores) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução aos Conversores CA-CC Semicondutores de Potência (diodos e tiristores)

Leia mais

ELETRÔNICA I 2312A PROF. ALCEU FERREIRA ALVES 3ª LISTA DE EXERCÍCIOS CIRCUITOS COM DIODOS 15/09/2008

ELETRÔNICA I 2312A PROF. ALCEU FERREIRA ALVES 3ª LISTA DE EXERCÍCIOS CIRCUITOS COM DIODOS 15/09/2008 ELETRÔNIA I 2312A PROF. ALEU FERREIRA ALVES 3ª LISTA DE EXERÍIOS IRUITOS OM DIODOS 15/09/2008 * Para resolução da lista, considerar diodos ideais e tensão de rede 115V, exceto quando especificado contrário.

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica Semicondutores, Diodos e Retificadores Questões sobre Semicondutores: 1) O que é um material semicondutor? Dê 2 exemplos. 2) O que é camada de valência? 3) O

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade atólica do RS Faculdade de Engenharia EXPERÊN 5: PONTE RETFDOR TRFÁS DODOS - PONTE DE GRETZ OBJETVO Verificar qualitativa e quantitativamente o comportamento do retificador trifásico

Leia mais

Lista de Exercícios 3 - Circuitos Elétricos II

Lista de Exercícios 3 - Circuitos Elétricos II Lista de Exercícios 3 - Circuitos Elétricos II Tópicos: Potência instantânea, Potência Média, Valor Médio e Eficaz, Potência Aparente, Potência Ativa, Potência Reativa, Fator de Potência, Potência Complexa.

Leia mais

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Neste capítulo, o objetivo é o estudo das aplicações com os Amplificadores Operacionais realizando funções matemáticas. Como integração, diferenciação,

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Guia da 2 a aula prática 2014 Carga RLC Monofásica Assunto: - Medição de potência em carga RLC monofásica e correção

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 3 Gradadores, Dr. Eng. leandromichels@gmail.com

Leia mais

PSI.3212 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS

PSI.3212 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP PSI.3212 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELETRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA Edição 2016 MEDIDA DA CONSTANTE

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência EPO I Aula 01 ELETRÔNICA DE POTÊNCIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Módulo IV POTÊNCIA E VALOR EFICAZ UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Potência Instantânea Potência entregue a um elemento em um

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 24 Conversores duais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 24 Conversores duais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 24 Conversores duais, Dr. Eng. leandromichels@gmail.com

Leia mais

c) Se o valor da amplitude de v I for reduzido em 10%, quais são os novos valores máximo e médio de i B?

c) Se o valor da amplitude de v I for reduzido em 10%, quais são os novos valores máximo e médio de i B? Folha 4 Díodos. 1. Para cada um dos circuitos das figuras abaixo a entrada v I é sinusoidal com 10 V de amplitude e frequência 1kHz. Considerando os díodos ideais represente graficamente o sinal de saída

Leia mais

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Disciplina: Laboratório de Circuitos Elétricos Corrente Alternada 1. Objetivo Uma medida elétrica é a

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores Potência em CA Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, agosto de 2007. Nesta aula Capítulo 19: Potência

Leia mais

DOBRADORES DE TENSÃO

DOBRADORES DE TENSÃO DOBRADORES DE TENSÃO 1 DOBRADORES DE TENSÃO OBJETIVOS: Entender o funcionamento dos dobradores de tensão; calcular as tensões na saída dos dobradores de tensão. INTRODUÇÃO TEÓRICA Um dobrador de tensão

Leia mais

Lista V de Eletrônica Analógica I Retificadores de Meia Onda e Onda Completa com Center Tape

Lista V de Eletrônica Analógica I Retificadores de Meia Onda e Onda Completa com Center Tape Lista V de Eletrônica Analógica I Retificadores de Meia Onda e Onda Completa com Center Tape Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha (http://www.gvensino.com.br) Lista de Exercícios 5 de Eletrônica Analógica

Leia mais

Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância

Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância Experimento 10 Circuitos RLC em corrente alternada: ressonância 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RLC em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada.

Leia mais

Retificadores Monofásicos de Onda Completa com Carga Resistiva

Retificadores Monofásicos de Onda Completa com Carga Resistiva 7 Retificadores Monofásicos de Onda Completa com Carga Resistiva Meta deste capítulo Capítulo Estudar os conversores cacc monofásicos de onda completa operando com carga resistiva objetivos Entender o

Leia mais

Resposta em Frequência dos Circuitos

Resposta em Frequência dos Circuitos Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Telecomunicações PRT- Princípios de Telecomunicações Resposta em Frequência dos Circuitos Prof. Deise Monquelate Arndt São José, abril de 2016 Resposta

Leia mais

Cálculos para Reticação de Onda

Cálculos para Reticação de Onda Cálculos para Reticação de Onda Prof. Dr. Marcelo de Oliveira Rosa 1 de agosto de 11 Resumo Este documento objetiva fornecer um material documentado das equações envolvidas na determinação de tensões DC,

Leia mais