MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE BIBLIOTECA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE BIBLIOTECA"

Transcrição

1 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE BIBLIOTECA CHEFE DA SEÇÃO DE BIBLIOTECA (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria Judiciária ATIVIDADE PRINCIPAL Gerenciar as atividades relativas à Biblioteca, acompanhando os trabalhos da equipe, prestando informação em tempo hábil na área jurídica, especialmente, na área trabalhista e das ciências afins, observando as normas da Biblioteconomia e da Ciência da Informação. REQUISITOS: Cargo efetivo: Analista Judiciário Especialidade Biblioteconomia Escolaridade: Curso Superior em Biblioteconomia COMPETÊNCIAS TÉCNICAS Competência Indicadores Nível Ideal Nível Mínimo Direito do Trabalho Noções de Direito do Trabalho Direito Processual do Trabalho Direito Administrativo Direito Constitucional Normas Regulamentadoras Redação Jurídica Gestão de Pessoas Planejamento Noções de Direito Processual do Trabalho Noções de Direito Administrativo Regimento jurídico dos servidores públicos Noções de Direito Constitucional Poder judiciário Provimentos da Corregedoria Geral da Justiça do Trabalho Provimentos vigentes do TRT 14ª Região Regimento Interno Resolução Administrativas Atos e Portarias Resolução dos Órgãos Superiores Legislação sobre livro, leitura e biblioteca Técnicas de redação oficial Linguagem jurídica Sintaxe Conceitos e técnicas de feedback Conceitos de Gestão Por Competências Conceitos de gerenciamento de rotinas (mapeamento de processos, fluxo de trabalho, fluxograma, visão sistêmica) prática nível prática nível prática nível prática nível prática nível prática nível prática nível prática nível

2 Conhecimentos s de informática Digitação Ferramentas de busca na internet Editor de texto Editor de planilha Técnicas de Biblioteconomia Gestão da Informação 5 - Ser especialista 5 - Ser especialista 1 Ter conhecimento 1 Ter conhecimento 4 - Ter conhecimento e prática nível 4 - Ter conhecimento e prática nível Técnicas de comunicação e Marketing prática nível Normalização Bibliográfica prática nível Biblioteconomia Técnicas de Atendimento ao Público prática nível Recursos Tecnológicos de Informação Jurídica Gestão do Conhecimento Documentação e Informação Jurídica prática nível Sistemas internos de informação Língua Inglesa Malote digital E-Sap SAPII SAU. SPARK SIABI E-doc prática nível COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Competência Indicadores Nível Ideal Aprendizagem autodesenvolvimento Comunicação Liderança e Aprender novas práticas para inseri-las no ambiente de trabalho Compreender os fundamentos legais necessários à realização de suas atividades Utilizar comunicação adequada ao perfil do interlocutor e ao contexto da mensagem(de acordo com o Plano de Comunição do TRT14). Dar e receber feedback Comunicar-se de forma assertiva e objetiva Divulgar normas e procedimentos de interesse comum Divulgar ações e resultados aos interessados/envolvidos Acompanhar os objetivos e metas, revisando periodicamente Identificar as pessoas com competências (conhecimentos, habilidades e atitudes) adequadas para a distribuição das atividades Estimular o autodesenvolvimento dos integrantes da equipe Preparar a equipe para garantir a continuidade dos serviços em caso de ausência de um ou mais integrantes

3 Liderança Disciplina Imparcialidade Orientação para os resultados Dar retorno à equipe sobre o desempenho de suas atividades Estimular o trabalho em equipe Atuar de maneira alinhada ao plano de gestão institucional Incentivar a participação de todos, em projetos ou eventos da instituição Adotar critérios imparciais e equilibrados na distribuição de tarefas Administrar os conflitos com imparcialidade Acatar as orientações e determinações superiores Prezar pela cumprimento da jornada de trabalho Ser imparcial e ter bom senso ao assessorar os superiores Analisar as questões processuais com justiça Estabelecer metas e objetivos diários Otimizar o serviço, tornando-se mais produtivo Proatividade Antecipar aos problemas, indicando possíveis soluções Responsabilidade Tomada de decisão Trabalho em equipe Organizar o trabalho, distribuindo as atividades de forma a cumpri-las no prazo Cumprir prazo, sem comprometer a qualidade Comprometer-se com as tarefas que lhe são destinadas Buscar a resolução das questões sob sua gestão de maneira menos dispendiosa para as parte. Manter bom relacionamento com os colegas, desenvolvendo espírito de colaboração Na dimensão: Atendimento ao Público: ATIVIDADES Acolher e cadastrar os usuários gerenciando os atendimentos; Realizar reservas, empréstimo, renovações, devoluções e reposição das obras nas estantes; Controlar a devolução das obras dentro do prazo; Ensinar aos usuários sobre o uso dos produtos e serviços da Biblioteca bem como orientá-los sobre o uso do ambiente; Realizar estatísticas de controle de circulação do acervo, pesquisas e uso da Biblioteca; Atualizar no SIABI feriados e mudanças de datas de devolução e outras configurações necessárias de atendimento ao público; Contralar e acompanhar os s recebidos; Na dimensão: Processo de Busca e Recuperação da Informação ( Pesquisa Juridica - Doutrina, Legislação e Jurisprudência): Preencher a planilha de solicitação da pesquisa; Processo de Busca e Recuperação da Informação ( Pesquisa Juridica - Doutrina, Legislação e Jurisprudência); Usar outras estratégias de busca para que a informação seja encontrada consultando o acervo local e outras bases de dados disponíveis; Reunir os itens bibliográficos que atendem à estratégia de busca, atentando-se para a precisão da recuperação da informação solicitada, bem como para a rapidez para remessa dos resultados; Na dimensão: Normalização Bibliográfica: Fazer a normalização bibliográfica, quando solicitado, dos trabalhos editados pelo Regional, conforme as normas da Associação Brasileiras de Normas Técnica-ABNT, área de Informação e Documentação; Fazer a ficha catalográfica, quando solicitado, dos trabalhos editados pelo Tribunal bem como dos trabalhos acadêmicos de magistrados e servidores; Propor o uso dos mecanismos de controle bibliográfico nas obras editadas pelo Tribunal (ISBN, ISSN, Deposito legal, etc), conforme interesse do Regional; Na dimensão: Acervo (Recursos de informação impressos, eletrônicos digitais e outros formatos existentes: Identificar as obras que serão adquiridas, com base nas propostas da Comissão Permanente de Acervo Bibliográfico -CPAB, usuários e unidades, adequadas ás necessidades e interesse da administração, utilizando procedimento licitatório mais vantajoso para a sua execução; - Implementar a captação, organização e difusão da produção intelectual de magistrados e servidores; Conferir, separar, carimbar, identificar e distribuir nas unidades contempladas as obras da Biblioteca Básica e as obras esparças para as demais unidades administrativas por meio do controle da Relação Carga; Gerenciar as senhas de acesso aos produtos digitais e eletrônicos garantindo o uso efetivo dos recursos de pesquisa;

4 Na dimensão: Gestão de Contratos: Elaborar os pedidos de aquisição dos bens e serviços, instruindo-os com termo de referência e os demais documentos e açoes necessários á contratação; Fiscalizar e acompanhar os contratos de aquisição de bens e serviços; Acompanhar o desempenho do Sistema de Automação de Bibliotecas - SIABI, supervisionando atualizações e adequações; Na dimensão: Processamento Técnico do Acervo: Executar o processamento técnico do acervo (catalogação, classificação e indexação), segundo as normas da biblioteconomia e observando a linguagem jurídica predominante; Alimentar o acervo no SIABI para consulta dos usuários; Organizar fisicamente o acervo de obras, facilitando o acesso rápido e prático aos volumes; Promover desbaste, baixa e descarte do acervo conforme as diretrizes estabelecidas; Higienizar o material eliminando poeiras, fungos e demais sugicidades existentes no mateiral bibliográfico e, quando necessário, propor restauração do acervo; Na dimensão: Divulgação dos produtos e serviços: Elaborar material de divulgação nos formatos existentes para promover os produtos e serviços da Biblioteca; Alimentar a página da Biblioteca, promovendo os lançamentos, novidades, notícias de conteúdo jurídico de interesse da Justiça do Trabalho, links úteis e incentivo à leitura; Utilizar espaços na área de notícias na página da intranet e internet; Na dimensão: Ensino sobre uso dos serviços e produtos da Biblioteca e dos recursos informacionais disponiveis. (material bibliográfico em formatos impressos e digitais): Ministrar treinamento sobre o uso das bases de dados on-line de conteúdo jurídico, potencializando a utilização desses recursos, preferencialmente, no ambiente da Biblioteca e/ou se deslocando até o usuário; Acolher e ensinar a operacionalização das atividades da Biblioteca de competência dos novos servidores lotados na Biblioteca; Distribuir nas unidades as senhas de acesso para utilização dos produtos disponíveis; ministrar treinamento entre a equipe referente ao operacionalização dos serviços da Biblioteca; Realizar visitas guiadas no ambiente da Biblioteca por ocasião das atividades do Programa Justiça de Portas Abertas e ambientação dos novos servidores e magistrados; Na dimensão: Eventos Promocionais de estímulo ao uso da biblioteca, do livro e à prática de leitura: Promover campanhas de doações de recursos informacionais de interesse dos usuários; Promover palestras de estímulo e incentivo à leitura; Criar unidades de Bibliotecas Livres nas dependências do TRT como alternativa para aproximar o leitor dos livros, conforme interesse do Regional; Divulgar os leitores assíduos em datas comemorativas referente a leitura, livro e biblioteca; Propor criação de material de divulgação e souvenirs que retratem o temas dos Eventos; Providenciar a confecção e a distribuição de mimos e/ou souvenir por ocasiao dos eventos da Biblioteca; Na dimensão: Ações de Responsabilidade Social: Promover campanhas de doações de livros e material recreativo para uso nas ações comunitárias promovidas pelo Tribunal, quando solicitado; Receber e gerenciar as doações de livros e material recreativo advindas de magistrados, servidores e demais amigos da Biblioteca; Distribuir entre as instituições contempladas o material recebido durante as campanhas de doações; Promover recreação e leitura nos Eventos destinados a Comunidade promovidos pelo Tribunal; Nas dimensões: Plano de Atividades; Relatório de Atividades; Projetos e Planos de Ação; Comissão Permanente de Acervo Bibliográfico: Identificar, planejar e acompanhar as atividades propostas; Compilar dados referentes a produção da atividades desenvolvidas na Biblioteca para emissão de Relatório de Atividades; Definir tema, justificativa, público-alvo e custos, acompanhando o desempenho e execução das ações necessárias à execução dos Projetos e Planos de Ação de Interesse da Seção; Organizar pautas e reuniões, elaborar atas e executar e acompanhar as atividades deliberadas nas reuniões da Comissão Permanente de Acervo Bibliográfico; Nas dimensões: Planejamento Orçamentário Anaul; Expedientes; Intercâmbio: Preparar informações referentes aos valores estimativos dos custos de aquisições e renovações de material bibliográfico e multimeios bem como, aquisição de equipamentos, móveis e utensílios de modo a subsidiar o Planejamento Orçamentário Anual; Formular pedidos e prestar informações nos processos pertinentes a expedientes; Propor parcerias e convênios com instituições de direito público e privado para assegurar a pesquisa e o intercâmbio de documentos e informações, bem como incentivar e participar de atividades cooperativas entre as Unidades de Informação da Justiça do Trabalho para o aprimoramento e padronização dos seus serviços;

5 Elaborar listas de duplicatas e distribuir entre as bibliotecas públicas e privadas como medida de subsídio ao intercâmbio; Outras atribuições definidas pelos superiores.

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE ASSESSOR ADMINISTRATIVO DA PRESIDÊNCIA

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE ASSESSOR ADMINISTRATIVO DA PRESIDÊNCIA MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE ASSESSOR ADMINISTRATIVO DA PRESIDÊNCIA ASSESSOR ADMINISTRATIVO DA PRESIDÊNCIA (CJ-3) Área: Administrativa Unidade: Assessoria Administrativa da Presidência ATIVIDADE PRINCIPAL

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE GOVERNANÇA DE TI CHEFE DA SEÇÃO DE GOVERNANÇA DE TIC (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação ATIVIDADE PRINCIPAL

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPUTACIONAL

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPUTACIONAL MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPUTACIONAL CHEFE DA SEÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPUTACIONAL (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CHEFE DA SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (F-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Gestão de Pessoas ATIVIDADE PRINCIPAL Responsável por

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DO NÚCLEO DE INFRAESTRUTURA E COMUNICAÇÕES

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DO NÚCLEO DE INFRAESTRUTURA E COMUNICAÇÕES MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DO NÚCLEO DE INFRAESTRUTURA E COMUNICAÇÕES CHEFE DO NÚCLEO DE INFRAESTRUTURA E COMUNICAÇÕES (FC-6) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação e

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE SUPORTE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE SUPORTE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE SUPORTE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CHEFE DA SEÇÃO DE SUPORTE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE AUDITORIA CONTÁBIL, ORÇAMENTÁRIO E FINANCEIRO

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE AUDITORIA CONTÁBIL, ORÇAMENTÁRIO E FINANCEIRO MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE AUDITORIA CONTÁBIL, ORÇAMENTÁRIO E FINANCEIRO CHEFE DA SEÇÃO DE AUDITORIA CONTÁBIL, ORÇAMENTÁRIO E FINANCEIRO (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Diretoria

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE ATENDIMENTO A SISTEMAS

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE ATENDIMENTO A SISTEMAS MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE ATENDIMENTO A SISTEMAS CHEFE DA SEÇÃO DE ATENDIMENTO A SISTEMAS (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação ATIVIDADE

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO E CAPACITAÇÃO DE MAGISTRADOS

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO E CAPACITAÇÃO DE MAGISTRADOS MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO E CAPACITAÇÃO DE MAGISTRADOS CHEFE DA SEÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO E CAPACITAÇAÕ DE MAGISTRADOS (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Escola Judicial

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE ASSESSOR JUDICIAL DA PRESIDÊNCIA. Responsável por assessorar a Presidência nas questões que envolvam matéria judicial.

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE ASSESSOR JUDICIAL DA PRESIDÊNCIA. Responsável por assessorar a Presidência nas questões que envolvam matéria judicial. MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE ASSESSOR JUDICIAL DA PRESIDÊNCIA ASSESSOR JUDICIAL DA PRESIDÊNCIA (CJ-3) Área: Judiciária Unidade: Secretaria Geral da Presidência ATIVIDADE PRINCIPAL Responsável por assessorar

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE SISTEMAS ADMINISTRATIVOS

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE SISTEMAS ADMINISTRATIVOS MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE SISTEMAS ADMINISTRATIVOS CHEFE DA SEÇÃO DE SISTEMAS ADMINISTRATIVOS (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DO NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DO NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DO NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CHEFE DO NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (FC-6) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE ASSISTENTE DE DIRETOR DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, LOGÍSTICA E SEGURANÇA

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE ASSISTENTE DE DIRETOR DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, LOGÍSTICA E SEGURANÇA MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE ASSISTENTE DE DIRETOR DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, LOGÍSTICA E SEGURANÇA ASSISTENTE DE DIRETOR DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, LOGÍSTICA E SEGURANÇA (FC-5) Área: Administrativa

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (CJ-3) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 035, DE 22 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 135/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 135/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 135/2013/TCE-RO Institui a Política de Comunicação Social e Marketing do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso

Leia mais

Subseção I Da Subsecretaria de Biblioteca SUBIB. I coordenar atividades relativas ao controle e à atualização do acervo bibliográfico do Tribunal;

Subseção I Da Subsecretaria de Biblioteca SUBIB. I coordenar atividades relativas ao controle e à atualização do acervo bibliográfico do Tribunal; Subseção I Da Subsecretaria de Biblioteca SUBIB Art. 273. À Subsecretaria de Biblioteca SUBIB compete: I coordenar atividades relativas ao controle e à atualização do acervo bibliográfico do Tribunal;

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura

- REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decreto nº 12.633/06, nº 14.770/10, nº 15.416/12 e nº 15.486/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 1.289, DE 11 DE JULHO DE 2012. RESOLVE:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 1.289, DE 11 DE JULHO DE 2012. RESOLVE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 1.289, DE 11 DE JULHO DE 2012. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO, nomeado através da Portaria MEC nº 265, de 24.03.2009,

Leia mais

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O I N T E R N O Porto Alegre, 2013 TITULO I DA NATUREZA E SEUS FINS Art. 1 A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo, criada em 1962, registrada sob o nº.

Leia mais

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008 COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA - CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS - FCSF Credenciada pela Portaria MEC n. 109, de 10 de fevereiro de 2000 (DOU 11.02.2000) BIBLIOTECA

Leia mais

Regimento Interno da Biblioteca Central Zila Mamede

Regimento Interno da Biblioteca Central Zila Mamede MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFRN BIBLIOTECA CENTRAL ZILA MAMEDE Regimento Interno da Biblioteca Central Zila Mamede Natal RN 2013 UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 24/05/2016 12:51:35 Endereço IP: 187.4.152.90 Designação

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS Art. 1º A Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação da Universidade Federal

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

www.ueg.br REGIMENTO INTERNO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS REGIONAIS (SIBRE) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

www.ueg.br REGIMENTO INTERNO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS REGIONAIS (SIBRE) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS www.ueg.br UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Coordenação Geral de Ambientes de Aprendizagem Coordenação Acadêmica do Sistema Integrado de Bibliotecas Regionais REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS.

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. 01. SERVENTE Descrição Sintética: compreende os cargos que se destinam a executar, sob supervisão, serviços de limpeza como varrer, lavar, desinfetar e arrumar as dependências

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI N.º 075, DE 8 DE ABRIL DE 2014.

PORTARIA CNMP-PRESI N.º 075, DE 8 DE ABRIL DE 2014. PORTARIA CNMP-PRESI N.º 075, DE 8 DE ABRIL DE 2014. Dispõe sobre as descrições, as atribuições comuns e básicas, as áreas de atividade, as especialidades e os requisitos de investidura dos cargos de Analista

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE PORTO ALEGRE JOAQUIM JOSÉ FELIZARDO TÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º. O Museu de Porto Alegre Joaquim

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 27/05/2016 11:27:56 Endereço IP: 200.139.21.10 Designação

Leia mais

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A Asa Norte, 70 910 900 Brasília, DF Tel.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PREFEITURA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Cargo de Nível Médio Agente Administrativo Contribuir com o correto fluxo de atividades, informações e materiais

Leia mais

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul ANEXO III DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MAGISTÉRIO CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Coordenar as atividades específicas da área, participando do planejamento e

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO

ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO ANEXO II PERFIL DO CARGO FUNÇÃO Página 1 de 165 PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ADVOGADO MISSÃO DO CARGO: Contribuir para o desenvolvimento institucional, por meio de ações

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 18/05/2016 16:38:00 Endereço IP: 200.198.193.162

Leia mais

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO

Recife/PE 2010 ESTÁGIO REGULAMENTO ESTÁGIO REGULAMENTO Recife/PE 2010 2 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS DO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1.º O presente regulamento visa cumprir a Política de estágios da Escola Superior de Marketing-ESM

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 20/05/2016 17:15:31 Endereço IP: 201.76.165.227

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS 1 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE NÚCLEO DE ESTÁGIO DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS TÍTULO I NATUREZA E OBJETIVO Art. 1º Os estágios curriculares supervisionados previstos

Leia mais

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerências da ESJUD Aprovado por: Escola do Poder Judiciário 1 OBJETIVO Estabelecer as diretrizes que norteiam a capacitação no

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Projeto de Implantação da Gestão por Competências no TRT 23ª Região Baseado na Metodologia do Inventário Comportamental Legislação Decreto n. 5.707/2006: institui a Política e as

Leia mais

RESOLUÇÃO RES-PGJ Nº 001/06. (DOPE Ministério Público - 18.01.2006)

RESOLUÇÃO RES-PGJ Nº 001/06. (DOPE Ministério Público - 18.01.2006) RESOLUÇÃO RES-PGJ Nº 001/06 (DOPE Ministério Público - 18.01.2006) EMENTA: Regulamenta as atribuições dos cargos e os requisitos de formação especializada e experiência profissional a serem exigidos para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES - Monitor de Marcenaria, Monitor de Artesanato, Monitor de Música e/ou Violão e Monitor de Patinação e/ou Dança Ministrar aulas teóricas e práticas, conforme a atividade

Leia mais

CATEGORIA FUNCIONAL: CHEFE DE SERVIÇOS PADRÃO DE VENCIMENTO: CC1

CATEGORIA FUNCIONAL: CHEFE DE SERVIÇOS PADRÃO DE VENCIMENTO: CC1 CATEGORIA FUNCIONAL: CHEFE DE SERVIÇOS PADRÃO DE VENCIMENTO: CC1 Dirigir, orientar, planejar e controlar as atividades do setor e da equipe que dirige, acompanhando os trabalhos dos mesmos para assegurar

Leia mais

PORTARIA-ISC Nº 11, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2007

PORTARIA-ISC Nº 11, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2007 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Instituto Serzedello Corrêa PORTARIA-ISC Nº 11, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2007 Organiza a estrutura, as competências e a distribuição das funções de confiança no Instituto Serzedello

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO PERFIL DE CARGO S 1- DADOS DA VAGA Cargo: Analista Função: Analista de Cooperativismo e Monitoramento Unidade Estadual: Sescoop- Maranhão Carga Horária: 40h/ semanais Salário: R$ 1.663,00 (hum mil seiscentos

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 11/06/2014 13:47:32 Endereço IP: 200.253.113.2 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal artigos 205, 206, 208, 211 e

Leia mais

PORTARIA Nº 1.146, DE 10 DE JUNHO DE 2008

PORTARIA Nº 1.146, DE 10 DE JUNHO DE 2008 PORTARIA Nº 1.146, DE 10 DE JUNHO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 4o- do Decreto no- 6,061, de 15 de março de 2007, resolve: Art. 1 Aprovar o

Leia mais

Cartilha Competências Gerenciais

Cartilha Competências Gerenciais Cartilha Competências Gerenciais Documento da Série Gestão de Pessoas por Competências Expediente: Cartilha Competências Gerenciais Documento I da Série Gestão de Pessoas por Competências Presidente do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS R E S O L U Ç Ã O N.º 003/2013

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS R E S O L U Ç Ã O N.º 003/2013 Altera a nomenclatura da Divisão de Recursos Humanos para Divisão de Gestão de Pessoas, organiza a estrutura funcional e dá outras providências. O, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO que

Leia mais

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS 1624/2014 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região 2 A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o que consta no PA nº 0008096-80.2014.5.04.0000,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.484, 15 DE MAIO DE 2014. (publicado no DOE nº 92, de 16 de maio de 2014) Aprova o Regimento Interno

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, estabelece seu Regulamento e dá outras providências. A CORTE SUPERIOR

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS VIGIA DESCRIÇÃO SUMÁRIA Executar tarefas de guarda, fiscalização e defesa do patrimônio da Prefeitura. MOTORISTA DESCRIÇÃO SUMÁRIA Executar tarefas relacionadas ao transporte

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VOTORANTIM/SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 01/2016

CÂMARA MUNICIPAL DE VOTORANTIM/SP CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 01/2016 ANEXO I DESCRIÇÃO DOS CARGOS 1.01 - PORTEIRO - Fiscalizar e controlar a entrada e saída de pessoas; - Orientar acerca do horário de atendimento ao público e indicar a entrada destinada aos mesmos; - Impedir

Leia mais

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulga Edital do Processo Seletivo destinado ao preenchimento do cargo em comissão

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 2598, DE 19 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Municipal de Políticas para as Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida.

Leia mais

CONCURSO PMO 2008 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

CONCURSO PMO 2008 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CONCURSO PMO 2008 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS NÍVEL SUPERIOR ADMINISTRADOR - Realiza diagnóstico e emite parecer a respeito da evolução financeira da Prefeitura; Promove o desenvolvimento de metodologias e

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$ 572,00 R$ 572,00

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$ 572,00 R$ 572,00 ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA CAMPUS FUNÇÃO REMUNERAÇÃO Caruaru Salgueiro Arcoverde Garanhuns Secretaria Executiva Téc. em Contabilidade Secretaria Executiva Téc. em Contabilidade

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO-RESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO-RESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO-RESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº 1 DO CONCURSO PÚBLICO 1/2013 CAU/BR - NORMATIVO ANEXO II RELAÇÃO DE EMPREGOS,

Leia mais

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a reestruturação da Loteria do Estado do Pará - LOTERPA e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a

Leia mais

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 A, no uso de suas atribuições legais e, tendo em vista o disposto no Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento da UNIVASF, aprovado pela Resolução/CONUNI/02/2008,

Leia mais

Mapeamento de Competências da UFPA. Prof. Dr. Thiago Dias Costa

Mapeamento de Competências da UFPA. Prof. Dr. Thiago Dias Costa Mapeamento de Competências da UFPA Prof. Dr. Thiago Dias Costa Decreto 5707/06 Art. 1o Fica instituída a Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal, a ser implementada pelos órgãos e entidades da

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003.

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO CGE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Cria e estabelece o Regimento Interno do órgão suplementar, Centro de Educação a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora. O CONSELHO SUPERIOR da

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

INTREGRAPE PROJETO APE

INTREGRAPE PROJETO APE INTREGRAPE PROJETO APE Ações Preventivas na Escola Atua no fortalecimento e desenvolvimento do Eixo-Saúde no Programa Escola da Família, sistematizando ações de organização social, que qualifique multiplicadores

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI N 002/2012 VERSÃO 01 ASSUNTO: Regulamenta o

Leia mais

CHEFE DA SEÇÃO DE MANUTENÇÃO ESCOLAR compete acompanhar a tramitação de documentos e processos, observando o protocolo do mesmo; classificar, informar e conservar documentos; controle de matériais, providenciando

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, REGULAMENTAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL E VENCIMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SÃO CARLOS, ESTADO DE

Leia mais

O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA CRCMG Nº 137/2009 APROVA ALTERAÇÕES NO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ANTÔNIO LOPES DE SÁ. O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM PROVIMENTO N. 11/2016-CM Institui o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário GMF de que trata a Resolução n. 96, de 27-10-2009 e a Resolução n. 214, de 15-12-2015, ambas do Conselho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº.132, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos em comissão de livre provimento e exoneração sem aumento da despesa e dá outras providências. O povo do Município

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO RONDÔNIA E ACRE

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO RONDÔNIA E ACRE PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO RONDÔNIA E ACRE GLOSSÁRIO DE METAS DO PLANO DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Versão: 1.0 Atualização: outubro/2013 Porto Velho

Leia mais

ANEXO IX ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES

ANEXO IX ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES ANEXO IX ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES 290 Atribuições dos Coordenadores do Curso de Graduação em Administração: a) Coordenador do Curso de Graduação em Administração: 1. conhecer do Estatuto da Instituição

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Capítulo I Da Definição e Finalidade Art. 1º Entende-se como Estágio Supervisionado o conjunto de atividades práticas direcionadas para o aprendizado e o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 200, DE 25 DE AGOSTO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 200, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 9, p. 10-14 em 8/9/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 200, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Dispõe sobre a Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Ministro Victor Nunes

Leia mais

EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF.

EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF. EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF. A Secretária de Gestão de Pessoas, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 6.244, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007.

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 6.244, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 6.244, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2007. ESTABELECE AS ATRIBUIÇÕES, NÍVEL DE ESCOLARIDADE E JORNADA DE TRABALHO DE S PÚBLICOS DO IPRESB. RUBENS FURLAN, Prefeito do Município de Barueri, usando das

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Documento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013 ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS/NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO E - SUPERIOR ADMINISTRADOR: Planejar, organizar, controlar e assessorar as organizações nas áreas de recursos

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOAO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO EXERCÍCIO: 2010 ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ÓRGÃO: ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL PROMOVER A ALFABETIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais