O PROTOCOLO DE QUIOTO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROTOCOLO DE QUIOTO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES"

Transcrição

1 1 O PROTOCOLO DE QUIOTO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO À PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Solange Maria Claudino de Lima 1 RESUMO O presente artigo tem como objeto a análise do desenvolvimento sustentável e mais estritamente ainda o Protocolo de Quioto como fomento à preservação ambiental e ao desenvolvimento econômico. O principal propósito é descobrir elementos que apontem para uma solução sistemática, institucional e aceita internacionalmente para o problema do aquecimento global agravado pelo excesso de emissão de gases do efeito estufa. Para isso, apresenta os encontros e conferências internacionais relevantes sobre o meio ambiente, enfoca o Protocolo de Quioto como expressão mundial do princípio do desenvolvimento sustentável e os mecanismos de flexibilização, que permitem o controle e regulação da preservação através de implementações conjuntas entre as nações e o comércio internacional, bem como de mecanismos de desenvolvimento que possibilitam a preservação ambiental. O trabalho se deu através da metodologia de pesquisa bibliográfica e os achados apontam o Protocolo como sendo um instrumento conciliador para os desafios da preservação ambiental e do desenvolvimento econômico que atende a todas as normas exigidas pelo direito brasileiro. PALAVRAS-CHAVE: desenvolvimento sustentável; aquecimento global; protocolo de Quioto. INTRODUÇÃO O presente artigo objetiva pesquisar sobre o Protocolo de Quioto, refletindo sobre sua importância como medida jurídica de combate ao aquecimento global, bem como sobre sua representação na promoção do desenvolvimento sustentável. Ao explanar sobre o Meio Ambiente, discute a mudança de visão referente a necessidade de proteção que o meio ambiente requer e ainda investiga o surgimento do direito ambiental internacional e a repercussão das primeiras convenções de caráter mundial Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, realizada 1 Acadêmica do Curso de Direito da Escola de Direito e Relações Internacionais, Faculdades Integradas do Brasil UniBrasil, orientada pela Professora Ms. Fernanda Busanello Ferreira.

2 2 em Estocolmo, na Suécia, e a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, ocorrida no Rio de Janeiro, em Enfoca a Convenção das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, que resultou na criação do Protocolo de Quioto o qual caracteriza-se como um Tratado Internacional com o compromisso de reduzir a emissão de gases que provocam o efeito estufa, gerando o aquecimento global. Conforme se demonstrará, a Conferência ocorrida em Quioto, no Japão, no ano de 1997, estabeleceu um cronograma de redução de lançamento de gases, sendo o principal destes o dióxido de carbono. Tais gases, como é cediço, são gerados por atividades humanas em que se utilizam fontes de energia fóssil, tais como: carvão, petróleo e gás. Por fim, será analisado, na presente pesquisa, como são recepcionados no Brasil os Tratados Internacionais relativos aos Direitos Humanos, partindo-se da premissa de que o Meio Ambiente está incluído no rol de direitos humanos de segunda geração. 1 O MEIO AMBIENTE E A CRISE AMBIENTAL NA CONTEMPORANEIDADE O nosso planeta Terra merece um cuidado todo especial, pois temos apenas ele para viver. 2 A relação do homem com a natureza sofreu grandes modificações desde a revolução industrial no século XVIII, que passou a influenciar diretamente nos meios de produção com a industrialização. Nesse contexto, o homem buscando concretizar seus interesses, não se preocupou em preservar o seu habitat, pondo em risco a sua própria existência. 3 No entanto, os recursos naturais não acompanharam o ritmo crescente das populações e de suas necessidades de cada vez maiores acumulações. Notadamente, no século XX, com a explosão demográfica industrial essa deficiência dos recursos 2 BOFF, Leonardo. Saber cuidar: ética do humano compaixão pela terra. 6. ed. Petrópoles: Vozes, p DUARTE, Marise Costa de Souza. Meio ambiente sadio: direito fundamental em crise. Curitiba: Juruá, p. 23.

3 3 naturais ficou evidente, trazendo à tona problemas antes inimagináveis como a própria sobrevivência do planeta, dando start a reflexão sobre a necessidade de proteção da qualidade do meio ambiente como forma de garantir o futuro da humanidade. 4 Em virtude das necessidades ilimitadas do homem, tais problemas só tendem a aumentar, necessitando que haja uma reformulação no comportamento social. 5 Pela gravidade dos problemas, a ONU se rendeu à pressão da opinião pública mundial e realizou a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, apesar da oposição de alguns países. 6 A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano foi a primeira grande reunião organizada pelas Nações Unidas a concentrar-se sobre questões de meio ambiente. Sua realização foi consequência da crescente atenção internacional para preservação da natureza. Sediada em Estocolmo, na Suécia, ocorreu no período de 05 a 16 de junho de 1972 e foi responsável por conceitos e princípios que se tornaram base da diplomacia na área de meio ambiente, que passa a ser objeto de tutela jurídica, um direito fundamental ligado diretamente a condição humana. 7 A Conferência reuniu 113 países e pela primeira vez, o meio ambiente se constituiu em tema principal de uma reunião de governos de diversos países, com destaque ao fato de que as questões políticas, sociais e econômicas mais amplas se inseriram no mesmo palco da questão ambiental. 8 Foi criado o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PNUMA que tem a atribuição de incentivar os governos a proteger melhor o meio ambiente. Posteriormente o PNUMA se uniu à Unesco e juntos publicaram um documento 4 SIRVINSKAS, Luís Paulo. Manual de direito ambiental. 2. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, p MILARÉ, Édis. Direito do ambiente: doutrina, jurisprudência e glossário. 5. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, p WINCKLER, Silvana Terezinha; BALBINOTT, André Luiz. Direito ambiental, globalização e desenvolvimento sustentável. In: BARRAL, Welber; PIMENTEL, Luiz Otávio (Orgs.). Direito ambiental e desenvolvimento. Florianópolis: Fundação Boiteux, p DUARTE, Marise Costa de Souza. Op. cit., p Idem.

4 4 chamado Estratégia para a preservação do Mundo considerado como precursor da Agenda A Declaração do Meio Ambiente, adotada na Conferência das Nações Unidas, é um documento em que são elencados 26 Princípios e um Plano de Ação com 109 recomendações que servem de base ao Direito Ambiental, representa, segundo José Afonso da SILVA um novo direito fundamental que constitui um prolongamento da Declaração Universal dos Direitos do Homem. 10 Todo o texto é permeado com alusões à defesa e melhoria do meio ambiente que é um dever de todos, sendo imprescindível para a continuação da vida no nosso planeta, o que exige uma responsabilização coletiva. Daí por que o apelo aos governos e aos povos para que reúnam seus esforços para preservar e melhorar o meio ambiente em benefício do Homem e de sua posteridade. 11 Apesar de gerar efeitos apenas declarativos e não normativos a Conferência de Estocolmo reuniu dirigentes mundiais deu início a uma grande mobilização de âmbito internacional o que incentivou a pesquisa, a promoção de vários eventos e discussões sobre o tema e a união dessa força abriu caminho para ter reconhecido os direitos do meio ambiente como direito fundamental na nossa Constituição Federal. 12 Apontado por Geraldo Eulálio do Nascimento e SILVA, uma grande virtude da Conferência foi o reconhecimento da diferença entre os problemas ambientais ocorridos nos países em desenvolvimento e os problemas dos países industrializados. 13 Em 1982, em Nairóbi, foi feita uma avaliação dos resultados alcançados após a Conferência de Estocolmo. Foi criada uma Comissão Mundial de Meio Ambiente para realizar audiências ao redor do mundo e produzir um relatório formal com o desafio de realizar um estudo e elaborar uma agenda global para mudança, apresentando análise das causas ambientais em todo o mundo, traçando diretrizes e 9 HOLTHAUSEN, Carlos. Agenda 21: o caminho da dignidade humana. Florianópolis: Papa-Livro, p SILVA, José Afonso da. Direito ambiental constitucional. 4. ed. São Paulo: Malheiros, p Ibidem, p SILVA, Geraldo Eulálio do Nascimento e. Direito ambiental internacional. 2. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Thex, 202. p Idem.

5 5 estratégias de atuação. O Relatório final intitulado Nosso Futuro Comum também conhecido como Relatório Brundtland, em homenagem a Primeira Ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland, que presidia a comissão, teve como principal recomendação a realização de uma conferência mundial que direcionasse os assuntos ali levantados. Nesse documento, pela primeira vez, aparece a definição de desenvolvimento sustentável, a idéia de que devemos explorar a natureza de forma racional para suprir nossas necessidades atuais de forma a possibilitar que as futuras gerações também possam suprir as suas; enfatizou o aquecimento global e a destruição da camada de ozônio, conceitos novos naquela época. A conclusão do referido Relatório foi de que os arranjos institucionais e as estruturas de tomada de decisões que existiam no âmbito nacional e internacional, não comportavam as demandas do desenvolvimento sustentável 14. A Comissão, consciente das dificuldades declarou que para atingir os propósitos da sua criação havia a necessidade de significativas mudanças nas atitudes e estilos de vida, cooperação entre os governos internos como também no âmbito internacional e, principalmente, a participação de todas as pessoas juntamente com organizações e governos. 15 Segundo a visão de Lucivaldo Vasconcelos BARROS, o desenvolvimento sustentável passa a ter um papel relevante e de forma abrangente nos meios acadêmicos, políticos e sociais. Para o autor os problemas ambientais requerem ações rápidas no que tange a proteção e elas podem vir através de informações socioambientais e ferramentas adequadas que despertem uma mudança de comportamento nas pessoas. Diz ainda o autor, que a fonte de direito pode não ser apenas a lei, mas também a manifestação popular que ganham espaço nas esferas decisórias. 16 A Conferência de Estocolmo como bem o diz Edis MILARÉ, foi um evento histórico e fez história, e para comemorar duas décadas do movimento a Assembléia 14 PERSPECTIVAS do meio ambiente mundial 2002 Geo-3. Disponível em <http: //ibama2.ibama.gov.br/cnia2/download/publicacoes/geobr/geo3-port.htm> Acesso em 24 out COMISSÃO Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, p BARROS, Lucivaldo Vasconcelos. Direito à informação socioambiental e desenvolvimento sustentável. Revista de Direito Ambiental. São Paulo, n. 45, p , jan./mar. 2007, p.168.

6 6 Geral das Nações Unidas decidiu convocar outra conferência, a ECO/92, e rever suas metas devido ao agravamento dos problemas ambientais. 17 A segunda conferência mundial ocorreu vinte anos após Estocolmo. A Conferência das Nações Unidas Sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, sediada no Rio de Janeiro, no período de 3 a 14 de junho de 1992, teve a participação de 179 países que se reuniram para discutir as medidas que deveriam ser tomadas para se conseguir uma significativa diminuição da degradação ambiental, preservar o meio ambiente para a atual e futuras gerações, viabilizar o desenvolvimento sustentável no mundo mantendo o equilíbrio ecológico e estabelecer princípios para melhor guiar as atividades visando a preservação ambiental. 18 Paralelamente, ocorreu o Fórum Global das ONG s, com a participação de quatro mil entidades da sociedade civil de diversos países, esses dois eventos ficaram conhecidos como ECO/92 ou ainda Rio/ A ECO/92 produziu resultados de grande importância, são eles: a Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento contendo 27 princípios; a Agenda 21 um plano de ação para o meio ambiente e o desenvolvimento no século XXI; duas grandes convenções internacionais a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB); a Comissão de Desenvolvimento Sustentável (CDS); um acordo para negociar uma convenção mundial sobre a desertificação; e a declaração de Princípios para o Manejo Sustentável de Florestas. 20 A Declaração do Rio sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento é também denominada Carta da Terra, é um conjunto de princípios que repete alguns já consagrados na Declaração de Estocolmo e cria outros. O conceito de desenvolvimento sustentável está presente em 12 dos 27 princípios expressos no documento MILARÉ, Édis. Op. cit., p DUARTE, Marise Costa de Souza. Op. cit., p Idem. 20 SOARES, Guido Fernando Silva. Direito internacional do meio ambiente: emergências, obrigações e responsabilidades. 2. ed. São Paulo: Atlas, p Ibidem, p. 80.

7 7 Paulo Victor FERNANDES destaca a importância da elaboração da Agenda 21, denominando-a de cartilha extensa e ampla que esclarece muitas das dúvidas da relação do homem com a natureza, mas que o conceito de desenvolvimento sustentável é a sua espinha dorsal : A chamada espinha dorsal da Agenda 21 é o conceito de desenvolvimento sustentável e surge como uma espécie de nova versão, agora contemporânea, da noção de progresso, que conduziu á modernização no século XIX. Procura integrar as aspirações dos países subdesenvolvidos com vistas a uma ordem social econômica internacional mais justa, incorporando as preocupações ambientais, sociais, culturais e econômicas. O objetivo do desenvolvimento sustentável é o de combater a miséria humana sem que a natureza seja repudiada ou que as especificidades locais sejam desconsideradas. 22 A agenda 21 é um documento de quarenta capítulos onde estão registrados os compromissos assumidos pelos países participantes da Conferência ECO/92. Foi constituída a partir de relatórios e experiências anteriores das Nações Unidas em conjunto com ONG`s do Meio Ambiente. Este documento oficial em seu preâmbulo afirma ter como objetivo: Preparar o mundo para os desafios do século XXI. Se, de um lado, preconiza mudanças, de outro ela se apresenta com um caráter aglutinador, um marco referencial, seja na abordagem dos problemas, seja no seu equacionamento. Para tanto, deve ser considerada a sua condição de documento consensual que se liga diretamente a interesses internacionais e supranacionais. Vale reforçar que, na linguagem da Agenda 21, as considerações ambientais abrem caminho para o tratamento de questões socioeconômicas estruturais, e vice-versa. 23 Para Edis MILARÉ na Agenda 21 são implementados projetos concernentes ao desenvolvimento sustentável visando fortalecer os recursos naturais e a qualidade ambiental, considerando-a como a cartilha básica do desenvolvimento sustentável. 24 A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima foi assinada na ECO/92 em decorrência das evidências de que as mudanças climáticas significavam uma ameaça real ao planeta, mas somente entrou em vigor no ano de 22 FERNANDES, Paulo Victor. Impacto ambiental: doutrina e jurisprudência. São Paulo: Revista dos Tribunais, p MILARÉ, Édis. Op. cit., p Ibidem, p. 90.

8 com o objetivo principal de estabilizar a emissão dos gases de efeito estufa em um nível que evite uma interferência no clima global. 25 Esse documento deu início às negociações entre vários países sobre a necessidade de estabelecer metas para reduzir a emissão de gazes poluentes, mas sem definir com precisão as obrigações de cada país, sendo posteriormente levado a efeitos pelo Protocolo de Quioto O PROTOCOLO DE QUIOTO COMO EXPRESSÃO MUNDIAL DO PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL No início dos anos 80 os problemas de aquecimento global começam a surgir em todo o mundo. Como é cediço, não somente os países desenvolvidos e altamente industrializados são os únicos causadores da deterioração ambiental como também não serão os únicos a sofrer as consequências que implicam na sobrevivência e desenvolvimento de todas as nações. 27 Inicialmente, será feita uma diferenciação entre o efeito estufa e o aquecimento global, fenômenos distintos que não devem ser confundidos; embora relacionados entre si, eles não apresentam o mesmo significado. Por efeito estufa entende-se um fenômeno natural, vital para a sobrevivência dos seres vivos na terra, que mantêm o planeta aquecido pela emissão de gases. Já no aquecimento global ocorre justamente a emissão excessiva desses gases de efeito estufa na atmosfera, mais do que ela consegue absorver, formando assim um cobertor cada dia mais espesso tornando o planeta cada vez mais quente PERSPECTIVAS, op. cit.. 26 NUSDEO, Ana Maria de Oliveira. Desenvolvimento sustentável do Brasil e o protocolo de Quioto. Revista de Direito Ambiental. São Paulo, v. 37, p. 148, jan./mar. 2005, p LANGE, Maria Bernadete Ribas. A conservação da natureza. In: RIOS, Aurélio Virgílio Veiga; IRIGARAY, Carlos Teodoro Hugueney. (Orgs.). O direito e o desenvolvimento sustentável: curso de direito ambiental. São Paulo: Peirópolis, p O QUE SÃO as mudanças climáticas e o efeito estufa? Disponível em <http:// Acesso em 22 mar

9 Terra. 31 O IPCC ao chegar a essa conclusão possibilitou a negociação de um Tratado 9 A temperatura do planeta tem se modificado nos últimos anos, com acentuada elevação desde a Revolução Industrial. Esse fenômeno ganhou forças propagando-se de modo mais vertiginoso nos últimos anos, pelo fato de que para o desenvolvimento de tecnologias, indústrias e transportes, se utiliza combustíveis fósseis emissores dos gases do efeito estufa que se concentram na atmosfera e não permitem que os raios infravermelhos de origem solar sejam refletidos novamente para o espaço, causando o aquecimento global. 29 Preocupados com o aquecimento da Terra, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente - PNUMA em conjunto com a Organização Meteorológica Mundial OMM criaram o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (Intergovernamental Panel on Climate Change IPCC), com a missão de analisar e publicar quinquenalmente relatórios sobre aspectos científicos da previsão da mudança do clima, dos impactos dessa mudança no meio ambiente global e das estratégias de resposta dos Estados, individualmente ou em conjunto, aos fenômenos observados. 30 Dos relatórios produzidos destaca-se o documento elaborado por mais de trezentos cientistas no qual advertem sobre a necessidade de diminuir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) eles atestam que: Estamos convencidos de que as emissões provocadas por atividades humanas estão aumentando substancialmente as concentrações atmosféricas de gases de estufa. (...) Estes aumentos repercutirão sobre o efeito estufa e trarão um aumento adicional no aquecimento da superfície da Internacional criando um Comitê Intergovernamental de Negociação para elaborar uma Convenção-Quadro da ONU sobre Mudança do Clima (Intergovernmental Negotiating Committee/Framework Convention on Climate Change - INC/FCCC). 32 Esse documento foi assinado por ocasião da Conferência das Nações Unidas sobre 29 Idem. 30 SOARES, Guido Fernando Silva. Direito..., p SILVA, Geraldo Eulálio do Nascimento e. Op. cit., p SABBAG, Bruno Kerlakian. O protocolo de Quioto e seus créditos de carbono: manual jurídico brasileiro de mecanismo de desenvolvimento limpo. São Paulo: LTr, p. 23.

10 10 Meio Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro, em 1992, com a anuência de 137 países 33 e conta atualmente com 192 signatários. 34 O preâmbulo da Convenção possui 23 parágrafos, e contém alguns princípios a serem adotados o princípio da responsabilidade comum, porém diferenciada, o princípio da equidade intergeracional, o princípio da precaução e o princípio do desenvolvimento sustentável. 35 Após a assinatura deste Tratado, houve várias reuniões denominadas Conferências das Partes signatárias da Convenção-Quadro sobre Mudanças Climáticas (COPs), realizadas nos países participantes, e que serviam de debate para estabelecer ações e metas para a redução na emissão de gases poluentes. 36 Procurando priorizar os trabalhos, a Conferência das Partes (COP), órgão superior da Convenção, tem a responsabilidade de acompanhar e examinar a execução dos objetivos propostos, além de tomar as decisões necessárias para promover a sua efetiva concretização. Estes trabalhos são feitos mediante a realização periódica de conferências subseqüentes, nas quais, por intermédio de tratados específicos, criam-se, desenvolvem-se e implementam-se técnicas para o alcance do objetivo final da Convenção-Quadro. 37 Desde a sua vigência até o ano de 2007 foram realizados 13 encontros, o terceiro destes encontros COP-3 - foi realizado em Quioto, Japão, em dezembro de 1997, onde foi adotado um Protocolo: A Convenção sobre Mudança do Clima, chamado de Protocolo de Quioto. 38 Nessa Convenção ficou claro que os países signatários têm a consciência dos problemas que estão ocorrendo no planeta e que alteram o clima trazendo repercussões na vida de todos. O preâmbulo descreve as consequências nocivas da alteração 33 SILVA, Geraldo Eulálio do Nascimento e. Op. cit., p SABBAG, Bruno Kerlakian. Op. cit., p DAMASCENO, Monica. A convenção-quadro das Nações Unidas sobre mudança do clima. In: SOUZA, Rafael Pereira de. (Coord.). Aquecimento global e créditos de carbono aspectos jurídicos e técnicos. São Paulo: Quartier Latin, p SISTER, Gabriel. Mercado de carbono e protocolo de Quioto. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p DAMASCENO, Monica. Op. cit. p SISTER, Gabriel. Op. cit., p. 25.

11 11 climática e aponta as ações humanas que colaboraram para estas alterações indicando as responsabilidades dos países desenvolvidos e em desenvolvimento, criando dessa forma a cooperação entre os países de forma diferenciada. 39 O Brasil foi o primeiro país que assinou a Convenção-Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima, no ano de 1992, somente aprovado pelo Congresso Nacional dois anos depois, isto é, fevereiro de 1994, aquele só entrou em vigor no mês de novembro do mesmo ano. 40 Com o propósito de implementar o programa, os países, denominados Partes signatárias da Convenção, foram divididos em 3 grupos: Países do Anexo I são os países industrializados e os que estão em processo de transição, os quais possuem condições financeiras e tecnológicas para atingir as reduções. No Anexo II constam os países industrializados que têm a obrigação de ajudar os países em desenvolvimento. O último grupo é composto pelos países em desenvolvimento e são denominados Não Anexo I e não têm percentuais de redução de emissões de gases. 41 Monica DAMASCENO acrescenta algumas conseqüências desse aumento climático que a cada ano se agrava ampliando as catástrofes no planeta, como: Derretimento das calotas polares, com a elevação dos níveis dos mares, o que acaba provocando a inundação de ilhas e áreas litorâneas; aumento da ocorrência de chuvas torrenciais e tempestades violentas, provocando enchentes; aumento das áreas desérticas do planeta; perda e outras conseqüências negativas nas produções agrícolas; aumento dos fluxos de água nos rios, provocando a erosão de solos e enchentes; aumento de furacões, tufões, terremotos marítimos e outras tormentas; desequilíbrio no ecossistema, ocasionando o surgimento de inúmeras doenças causadas por vírus, bactérias e outros organismos que se reproduzem mais facilmente em temperaturas elevadas, etc. 42 O problema que todos enfrentam é conseguir desenvolver economicamente sem prejudicar ainda mais o planeta aumentando o aquecimento, encontrar alternativas que permitam aliar desenvolvimento e sustentabilidade SOARES, Guido Fernando Silva. Direito..., p MINISTÉRIO da Ciência e Tecnologia. O Brasil e a convenção do clima. Disponível em <http://www.mct.gob.br/index.php/content/view/4559.html> Acesso em: 16 abr DAMASCENO, Monica. Op. cit., p Ibidem, p DEMETERCO NETO, Antenor. Desenvolvimento sustentável e aquecimento global. In: SOUZA, Rafael Pereira de. (Coord.). Aquecimento global e créditos de carbono aspectos jurídicos e técnicos. São Paulo: Quartier Latin, p. 34.

12 12 O Protocolo de Quioto é um instrumento jurídico que procura por em prática os objetivos previstos na Convenção-Quadro das Nações Unidas. Entrou em vigência internacional em 16 de fevereiro de 2005, contando com a adesão de 176 países. 44 Guido Fernando Silva SOARES esclarece que a natureza jurídica do protocolo é de Tratado Internacional mesmo que tenha sido adotado em uma conferência. 45 O Protocolo é um acordo que estabelece metas de redução de emissão dos gases GEE para os países desenvolvidos, além de critérios e diretrizes para a utilização dos mecanismos de mercado, como também programas de incentivo que possibilitem essa redução minimizando seus efeitos sobre o clima. 46 Porém, como afirma Gabriel SISTER, não somente visa diminuir as emissões de gases como também estabelecer um desenvolvimento sustentável em países subdesenvolvidos. 47 O Protocolo de Quioto entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005 após cumprir a condição exigida de que seja ratificado por pelo menos por 55 países-partes relacionados no Anexo I da Convenção e que representem 55% das emissões totais de dióxido de carbono em Esses países deverão assegurar que suas emissões antrópicas agregadas não excedam aos níveis permitidos pelo Protocolo visando reduzir suas emissões totais em 5% entre os anos de 2008 e 2012, em relação aos níveis de O Brasil aprovou o Protocolo de Quioto no Congresso Nacional por meio do Decreto Legislativo nº 144 em 20 de junho de O Governo brasileiro ratificou-o em 23 de agosto de 2002 e promulgou em 12 de maio de 2005 através do Decreto nº 5.445, em anexo. Carlos Teodoro Hugueney IRIGARAY destaca algumas benesses do Protocolo, considerando-o um acordo mais detalhado e mais forte do que os da 44 SISTER, Gabriel. Op., cit. p SOARES, Guido Fernando Silva. Curso de direito internacional público. São Paulo: Atlas, p DINIZ, Eliezer Martins. Crescimento, poluição e o protocolo de Quioto: uma avaliação do caso brasileiro. São Paulo: Universidade de Oxford, p SISTER, Gabriel. Op. cit., p LIMIRO, Danielle. Créditos de carbono: protocolo de Kyoto e projetos de MDL. Curitiba: Juruá, p

13 13 Convenção-Quadro sobre Mudanças Climáticas que teve sua eficácia reduzida em virtude das medidas previstas pelo princípio da precaução e por serem os países em desenvolvimento os que mais sofrerão as conseqüências das mudanças climáticas. Uma das inovações previstas no protocolo foi a de dar crédito às partes por reduzirem emissões em outros países, por meio de mecanismos de desenvolvimento limpo (MDL). Os créditos serão obtidos, na forma de reduções certificadas de emissões, pelas partes que financiarem projetos quer reduzam ou evitem emissões nos países em desenvolvimento mediante transferência de tecnologia limpa. 49 O Protocolo engloba dois anexos: - O Anexo A apresenta a listagem dos gases de efeito estufa, são eles: Dióxido de Carbono (CO2); Metano (CH4); Óxido Nitroso (N2O); Hidrofluorcarbonos (HFCs); Perfluorcarbonos (PFCs) e Hexafluoreto de Enxofre (SF6). - O Anexo B composto pelos países que têm compromissos de limitação ou redução de emissões, com seus respectivos percentuais. O Protocolo de Quioto estabelece responsabilidades diferenciadas a cada um dos países-partes, cada qual deverá exercer um papel condizente com sua condição e características, sendo colaboradores no acompanhamento e na verificação do alcance dos objetivos pretendidos, as metas só serão alcançadas através da participação e cooperação de todos. 50 Neste sentido, reconhece que a natureza global da mudança do clima requer a maior cooperação possível de todos os países. 51 Para que este trabalho colaborativo aconteça de forma efetiva o protocolo contempla regulamentos com base em princípios econômicos e em incentivos denominados mecanismos de flexibilização, 52 conforme se demonstrará. De modo a possibilitar o cumprimento dos objetivos de redução o protocolo estabeleceu três mecanismos de flexibilização: a Implementação Conjunta IC; o 49 IRIGARAY, Carlos Teodoro Hugueney. Controle de poluição. In: RIOS, Aurélio Virgílio Veiga; IRIGARAY, Carlos Teodoro Hugueney (Orgs.). O direito e o desenvolvimento sustentável: curso de direito ambiental. São Paulo: Peirópolis p GAZONI, Ana Carolina. O protocolo de Kyoto e o estabelecimento de metas de redução de GG. In: SOUZA, Rafael Pereira de. (Coord.). Aquecimento global e créditos de carbono aspectos jurídicos e técnicos. São Paulo: Quartier Latin, p Idem. 52 Idem.

14 14 Comércio Internacional de Emissões CIE; e; o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo MDL. 53 Rangel BARBOSA e Patrícia OLIVEIRA analisando os mecanismos de flexibilização definem que eles facilitam o cumprimento das obrigações impostas pelo Protocolo aos países do Anexo B, é uma ajuda, uma maneira deles se adequarem aos procedimentos, e mais: Estes instrumentos conferem aos Estados, que não consigam ou não queiram se manter dentro de suas metas de emissão, a permissão de poluir além dos limites que lhe foram impostos. Basta que comprem créditos de carbono, colocados à venda por quem poluiu menos do que lhe foi permitido ou que reduziu as emissões através de mecanismos de desenvolvimento limpo realizadas por países não constantes do Anexo B. 54 Para Ana Carolina GAZONI, mecanismos de flexibilização são arranjos técnicos operacionais a serem empregados pelos países ou empresas deles a fim de facilitar o cumprimento das exigências do protocolo, além de estimular os países emergentes a conseguirem um desenvolvimento sustentável. 55 Será analisado a seguir, cada um destes mecanismos. Prevista no artigo 6 do Protocolo, a Implementação Conjunta permite que um país do Anexo I da Convenção-Quadro ou uma de suas empresas autorizada pelo governo realizem projetos de redução de emissões de gases GEE s, ou seja, um país pode compensar suas emissões participando de projetos de redução de emissões em outro país, também do Anexo I. Como ressalta Rangel BARBOSA e Patrícia OLIVEIRA, Esta redução se transformará em cotas de poluição para o país que custeou o projeto e será deduzida das cotas do país financiado. 56 O Comércio Internacional de Emissões é definido no artigo 17 do Protocolo, direcionado também os países do Anexo I da Convenção-Quadro e que podem negociar o seu limite de emissão com outros países, também do Anexo I. Os países 53 SISTER, Gabriel. Op. cit., p BARBOSA, Rangel; OLIVEIRA, Patrícia. O princípio do poluidor-pagador no protocolo de Quioto. Revista de Direito Ambiental. São Paulo, n. 44. p , out./dez. 2006, p GAZONI, Ana Carolina. Op. cit., p BARBOSA, Rangel; OLIVEIRA, Patrícia. Op. cit., p. 120.

15 15 que conseguirem cumprir suas metas e ultrapassarem o limite poderão vender o excedente para aqueles que não conseguiram cumprir suas metas. 57 Explicam ainda Rangel BARBOSA e Patrícia OLIVEIRA que nesse mecanismo cada país tem sua cota de emissão, se conseguir poluir menos do que o permitido poderá vender o que não usou para outros países que tenha ultrapassado seu limite, ou que prefiram comprar do que investir na redução. As empresas privadas podem comercializar as emissões sob a responsabilidade do seu país. 58 O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo MDL previsto no artigo 12 do Protocolo é regulamentado pelo Acordo de Marraqueche e é o único mecanismo que permite a participação de países que não estão na relação do Anexo I, isto significa que os países em desenvolvimento podem participar e com isso dar impulso no seu desenvolvimento sustentável. Este mecanismo permite que os países do Anexo I, caso não consigam cumprir suas metas deixando de emitir ou retirando da atmosfera gases GEE s, possam comprar de países em desenvolvimento projetos de mudanças climáticas que geram Redução Certificada de Emissão RCE, atingindo desta forma a exigência prevista no artigo 3º do Protocolo. 59 Letícia de Lara Cardoso GRA, diz que os projetos são voltados ao meio ambiente e afirma que para atingir o objetivo proposto no Protocolo: O lastro deste mercado (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo) são projetos ambientais, passíveis de gerar crédito, em decorrência da redução da emissão de gases do efeito estufa. Neste novo mercado, os mencionados créditos são, e provavelmente serão, transacionados, como títulos de crédito. Assim, países do Anexo I, podem se beneficiar do Mecanismo de Desenvolvimento limpo, auxiliando países em desenvolvimento e concomitantemente obter os títulos gerados pela implantação destes projetos, atingindo os seus compromissos, conforme o artigo 12,3,b do Protocolo de Quioto. 60 Geraldo Eulálio do Nascimento e SILVA define o Protocolo de Quioto como sendo um dos mais importantes documentos em combate ao efeito estufa. De fato, o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo foi criado para que os países em 57 SISTER, Gabriel. Op. cit., p BARBOSA, Rangel; OLIVEIRA, Patrícia. Op. cit., p SISTER, Gabriel. Op. cit., p GRA, Letícia de Lara Cardoso. O protocolo de Quioto e o contrato internacional de compra e venda de créditos de carbono. Revista Brasileira de Direito Internacional, Curitiba, v. 2, n. 2, p , jul./dez. 2005, p

16 GEE. 63 Os países desenvolvidos têm a possibilidade de usar Certificados de Reduções 16 desenvolvimento possam implementar projetos voltados a promover a redução de emissões certificadas e os países desenvolvidos possam, assim, conseguir alcançar suas metas propostas pelo Protocolo. 61 O Protocolo trouxe especificações que devem ser cumpridas pelas partes no processo de certificação do projeto de MDL e emissões de RCEs, os quais estarão sujeitos à autoridade e orientação da Conferência das Partes. 62 Ana Maria de Oliveira NUSDEO afirma que o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo representa uma forma de estimular as ações das partes e assim conseguir os objetivos propostos pelo Protocolo: de um lado dá obrigações a cumprir e de outro propicia vantagens econômicas para mitigar a emissão de gases de Emissões de projetos aprovados estimulando a cooperação e ajudando a: Reformar os setores de energia e transportes; promover o uso de fontes energéticas renováveis, eliminando ou reduzindo drasticamente a utilização de combustíveis fósseis; eliminar mecanismos financeiros e de mercado inapropriados aos fins da Convenção, limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos; Proteger florestas; promover o resgate de emissões (seqüestro de carbono) através de sumidouros e da estocagem dos gases de efeito estufa retirados da atmosfera como, por exemplo, a injeção de CO2 em reservatórios geológicos ou atividades relacionadas ao uso da terra, como o florestamento e reflorestamento. 64 Como aponta Bruno Kerlakian SABBAG, um dos propósitos do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo é admitir o direito dos países ao desenvolvimento sustentável. É, portanto, um instrumento adotado para propagar tecnologia limpa, dando condições aos países em desenvolvimento a gerar energia renovável e processos industriais mais limpos e de custos mais acessíveis. 65 Para Danielle LIMIRO o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo nasceu de uma iniciativa brasileira, um documento que tinha duas propostas: a) definir a 61 SILVA, Geraldo Eulálio do Nascimento e. Op. cit., p SISTER, Gabriel. Op. cit., p NUSDEO, Ana Maria de Oliveira. Op. cit., p MILARÉ, Edis. Op. cit. p SABBAG, Bruno Kerlakian. Op. cit., p. 94.

17 17 responsabilidade de cada país em relação ao efeito estufa; e b) criar penalidades que consistem no pagamento de multa pelos países que não cumpram suas metas de redução de gases de efeito estufa. 66 Afirma José MIGUEZ que durante as negociações do Protocolo foi proposto pelo Brasil um Fundo de Desenvolvimento Limpo e que essa idéia foi modificada e adotada pelo Protocolo de Quioto. O Brasil foi um dos primeiros países a formalizar a Autoridade Nacional Designada (AND) que é a Comissão Interministerial sobre Mudança Global do Clima constituída por onze ministérios sendo presidida pelo Ministro da Ciência e Tecnologia. Essa comissão é responsável pela análise das atividades de projetos referentes ao MDL. 67 O Protocolo, em seu art. 18, dispõe que compete a Conferência das Partes aplicar sanções para o não-cumprimento das metas exigidas no art. 3º, 1º. Porém tais sanções acarretam consequências vinculantes e exigem um documento complementar ao Protocolo. Ficou definido que essa análise ficará sob a responsabilidade da Conferência das Partes a qual avaliará as causas do descumprimento. 68 Eduardo Dietriche TRIGUEIROS e Lyvia Carvalho DOMINGUES, ao abordarem o tema, lembram que o Protocolo é um acordo legal e sendo assim prevê penalidades em caso de inadimplência: O Protocolo de Kyoto atinge múltiplas esferas do Direito, passando por suas aparentemente tênues sanções atinentes à própria sistemática de redução de emissão de gases do efeito estufa, a seguir pelo direito internacional, aproveitando-se da lógica internacional de retaliações econômicas como meio de sansão, tocando a própria ordem econômica internacional, inserindo-se, a seguir, nas economias nacionais, flexibilizando, em muitos casos, o conceito de soberania nacional, na medida em que impõe regramento nem sempre condizente com as respectivas Constituições, para, finalmente, desaguar nos sistemas legais nacionais (...), no caso brasileiro, têm natureza multidisciplinar (administrativa, civil e penal), entregando a cada poluidor em particular a responsabilidade por fazer cumprir o Protocolo LIMIRO, Danielle. Op. cit., p MIGUEZ, José. O MDL no Brasil: pioneirismo, resultados e perspectiva. Disponível <http://www.mudancasclimaticas.andi.org.br/content/o-mdl-no-brasil-pioneirismo-resultados-e- em perspectivas > Acesso em: 10 abr LIMIRO, Danielle. Op. cit., p TRIGUEIROS, Eduardo Dietriche; DOMINGUES, Lyvia Carvalho. Sanções pelo descumprimento de metas estabelecidas pelo protocolo de Kyoto. In: SOUZA, Rafael Pereira de. (Coord.). Aquecimento global e créditos de carbono aspectos jurídicos e técnicos. São Paulo: Quartier Latin, p. 72.

18 18 Bruno Kerlakian SABBAG enfatiza que a participação tem que ser geral, isto é, o ser humano precisa se conscientizar que destruir o ambiente é colaborar com a sua própria destruição e, portanto, que deve adotar políticas de sustentabilidade e preservação dos recursos naturais, já que precisa-se dele para sobreviver. 70 Segundo o autor: O combate ao aquecimento global será efetivo e real a partir da conscientização do ser humano acerca de suas reais necessidades de uso dos recursos naturais, tais quais os combustíveis fósseis, a qual permitirá que o desenvolvimento da humanidade ocorra no futuro de forma mais sustentável, paulatinamente. Os países em desenvolvimento devem atentar para suas reais necessidades e não seguir o padrão sujo de desenvolvimento que há anos tem sido adotado pelos países supostamente ricos sendo essa a essência do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo MDL: qual seja a mudança de padrões de desenvolvimento. 71 O Brasil não faz parte do Anexo I, portanto, não tem, conforme o regime da Convenção, quantidades de limitação ou redução de emissões. Porém, está atuando de forma decisiva e dando contribuições concretas para a luta contra a mudança do clima. 72 Podemos destacar alguns programas do governo que possibilitam a redução de emissão dos gases de efeito estufa: Há vários programas governamentais e iniciativas no Brasil que estão acarretando reduções importantes das emissões de gases de efeito estufa, alguns dos quais são responsáveis pelo fato de o Brasil ter uma matriz energética comparativamente limpa, com baixos níveis de emissões de gases de efeito estufa por unidade de energia produzida ou consumida. As iniciativas em outros setores, como o combate ao desflorestamento, biocombustíveis e eficiência energética também estão contribuindo para reduzir a curva das emissões de gases de efeito estufa no Brasil. 73 Deste modo a Convenção-Quadro das Nações Unidas e o Protocolo de Quioto representam uma esperança de termos um ambiente mais saudável, tanto para nossa geração quanto para as gerações futuras. Contudo, sem dúvida, a busca por alternativas que visam à melhoria no clima do planeta é um empreendimento que embora tenha 70 SABBAG, Bruno Kerlakian. Op. cit., p Idem. 72 CONTRIBUIÇÃO do Brasil para evitar a mudança do clima. Disponível em: > Acesso em: 26 abr Idem.

19 19 avançado significativamente ainda está longe de ser suficiente para se conseguir um equilíbrio. 74 Um tratado vincula internacionalmente o Brasil a partir de sua ratificação ou da adesão a ele através de ato do Presidente da República depois de ter sido aprovado pelo Congresso Nacional. Portanto, se passa a produzir efeitos internamente quando há promulgação pelo Presidente da República através de decreto que traz na íntegra o texto do tratado, ficando então incorporado automaticamente ao direito brasileiro, sem que seja necessária lei interna que lhe produza o conteúdo. 75 Quanto à sua hierarquia a doutrina não é pacífica, divergem quando se trata de recepção e integração do tratado internacional no direito interno. Uma corrente entende que o tratado internacional e lei interna convivem e equiparam-se, caso haja conflitos adota-se o critério da especialidade, uma norma especial derroga uma geral ou ainda lei posterior derroga a anterior. 76 Ao julgar o Recurso Extraordinário nº , o Supremo Tribunal Federal proferiu sua decisão amparada na posição de recepção plena do tratado internacional, mas sem lhe reconhecer status de norma supralegal. 77 Flávia PIOVESAN ao citar Rebecca M.M. Wallace, define duas concepções distintas, uma visão monista, onde as normas internas e as internacionais fazem parte de um mesmo ordenamento e se houver conflito entre a norma interna e a norma internacional, deve prevalecer a norma internacional. Para os dualistas o Direito Internacional e o Direito Interno são independentes entre si e não apresentam qualquer interferência um no outro. 78 O Brasil aplica a corrente dualista, conforme Caroline Assunta SCHMIDT e Mariana Almeida Passos de FREITAS, pois precisa que um ato recepcione e introduza 74 DAMASCENO, Monica. Op. cit., p DALLARI. Pedro Bohomoletz de Abreu. Constituição e tratados internacionais. São Paulo: Saraiva, p Ibidem, p Idem. 78 PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. 5. ed. São Paulo: Max Limonad, p. 103.

20 demais. 81 Na opinião de Flávia PIOVESAN, a Constituição Federal de 1988 tem várias 20 as regras de um tratado no plano de Direito Interno, não possuindo ele incorporação automática. 79 Segundo Paulo de Bessa ANTUNES, os Tribunais Administrativos e Judiciais de vários países reconhecem o Direito Ambiental como Direito Humano. A Constituição Federal em seu art. 225 refere-se ao Direito Ambiental como um dos direitos humanos fundamentais, e o art. 5º que traz o rol dos direitos e garantias fundamentais, prevê a propositura de ação popular que vise anular ato lesivo ao meio ambiente. 80 Pedro Bohomoletz de Abreu DALLARI, aponta uma maior controversa com respeito aos efeitos que podem ocorrer em decorrência da diferenciação entre os tratados dependendo da sua relevância, distinguindo a interpretação do art. 5º, 2º da Constituição Federal que diferencia os tratados internacionais de Direito Humanos dos interpretações que consagraram um tratamento diferenciado aos tratados de direitos humanos em razão do disposto no 2º do art. 5º, o qual estabelece que os direitos e garantias expressos na Constituição não excluem outros decorrentes dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte. Com essa inclusão está atribuindo natureza de norma constitucional aos direitos humanos. 82 A Constituição de 1988 recepciona os direitos anunciados em tratados internacionais de que o Brasil é parte, conferindo-lhes hierarquia de norma constitucional. Isto é, os direitos constantes nos tratados internacionais integram e complementam o catálogo de direitos constitucionalmente previsto, o que justifica estender a estes direitos o regime constitucional conferido aos demais direitos e garantias fundamentais. 83 Corroboram nesta interpretação, entre outros, Pedro DALLARI; Antônio Augusto Cançado TRINDADE e José Joaquim Gomes CANOTILHO. Flávia 79 SCHMIDT, Caroline Assunta; FREITAS, Mariana Almeida Passos de. Tratados internacionais de direito ambiental. Curitiba: Juruá, p ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito ambiental. 6. ed. rev. ampl. e atual. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, p DALLARI, Pedro Bohomoletz de Abreu. Op. cit., p PIOVESAN, Flávia. Op. cit., p Ibidem, p. 81.

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO UNESP-S.J do Rio Preto RAFAEL AZEREDO DE OLIVEIRA Mudanças Climáticas e Aquecimento Global FORMAÇÃO DO IPCC Criado pela ONU Organização

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS Direito e Mudanças Climáticas Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: o que o Direito tem a ver com isso? Mudanças Climáticas Alterações

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Redução dos níveis de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 353/VIII CRIAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO NACIONAL DOS EFEITOS DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 353/VIII CRIAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO NACIONAL DOS EFEITOS DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 353/VIII CRIAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO NACIONAL DOS EFEITOS DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Exposição de motivos O aquecimento global é indubitavelmente um dos mais sérios problemas ambientais

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 Ementa: Institui o Comitê de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas do Recife - COMCLIMA e o Grupo de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas - GECLIMA e dá outras

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES O Projeto de Cooperação Internacional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), BRA/07/002 Modernização Institucional para Fortalecimento

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Análise de dados da Pesquisa Espontânea sobre Aquecimento Global 1º semestre de 2010

Análise de dados da Pesquisa Espontânea sobre Aquecimento Global 1º semestre de 2010 Análise de dados da Pesquisa Espontânea sobre Aquecimento Global 1º semestre de 2010 Foi realizada entre os dias 4 e 19 de maio uma pesquisa sobre aquecimento global em cinco municípios da Grande Vitória:

Leia mais

O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO TRÍPOLI, Marco Antonio Portela Acadêmicas do curso de Graduação em Medicina Veterinária da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Diminuição da emissão de gases de efeito estufa

Leia mais

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima Dr. Osvaldo Moraes Diretor DEPPT/MCTI Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto O regime diferencia obrigações de países

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60 Um pouco da História da Educação Ambiental Década de 60 1962 Livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson - alertava sobre os efeitos danosos de inúmeras ações humanas sobre o ambiente, como por exemplo

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Carta da Terra e Ecopedagogia

Carta da Terra e Ecopedagogia Carta da Terra e Ecopedagogia A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana Labrea O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo um

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz 1. RESUMO Os direitos fundamentais trabalhistas estão inseridos na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz do Direito do Trabalho e dos princípios que orientam o Direito

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Consumo Nacional de Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio CFC.

Consumo Nacional de Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio CFC. Nome do Indicador: Consumo Nacional de Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio CFC. Os clorofluorcarbonos (CFC's) são substâncias artificiais que foram por muito tempo utilizadas nas indústrias de

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho

Mudança do Clima. Luiz Gylvan Meira Filho SABESP São Paulo, 12 de novembro de 2008 Mudança do Clima Luiz Gylvan Meira Filho Pesquisador Visitante Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo A terra recebe energia do sol na forma de

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável CONFERÊNCIA RIO+20 20 e 22 de junho de 2012 20º aniversário da Conferência das Nações

Leia mais