Manual de Procedimentos POSI-E3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Procedimentos POSI-E3"

Transcrição

1 Manual de Procedimentos POSI-E3 13 de Abril de

2 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. COORDENAÇÃO GERAL 5 3. DOCENTES E DISCIPLINAS INFORMAÇÃO AOS ALUNOS RELAÇÕES ALUNOS / DOCENTES ÁREA PEDAGÓGICA Coordenação ao Nível de Cadeira Reunião de Coordenação de cada Período Reunião de Acompanhamento de cada Período Reunião de Avaliação de cada Período Procedimentos Pedagógico/Administrativos ÁREA ADMINISTRATIVA ÁREA INFORMÁTICA ÁREA FINANCEIRA SÍTIO NA WEB BIBLIOGRAFIA RECLAMAÇÕES FUNCIONAMENTO DAS AULAS Assiduidade e Pontualidade Silêncio e Ordem AVALIAÇÕES Assiduidade e Pontualidade Avaliação de Recurso 20 2

3 1. INTRODUÇÃO O POSI-E3, Pós-Graduação em Sistemas de Informação, Especialização em Engenharia Empresarial é um curso de Pós-Graduação Profissional 3º Ciclo Bolonha, de elevada qualidade, oferecido pelo Instituto Superior Técnico (IST), uma escola de reconhecido historial, prestígio e competência, através do seu Departamento de Engenharia Informática (DEI). O POSI-E3 é operacionalizado por um Consórcio entre o IST e o sistema INESC, cabendo ao INESC as funções de gestão e suporte. O sucesso do POSI-E3 mede-se pelo sucesso dos seus diplomados em atingirem os seus objectivos de carreira e de realização profissional e social. O DEI/IST perspectiva-se, com este curso, numa óptica de serviço aos seus alunos pós-graduados, tendo por ambição dinamizar com eles, com o corpo docente, e com o pessoal de apoio administrativo e técnico, um ambiente de busca de qualidade total, orientado aos objectivos últimos de aprendizagem e sucesso dos graduados deste curso. O presente Manual visa explicitar formalmente a informação mais relevante e os procedimentos operacionais essenciais para o funcionamento do curso. Esta versão recolhe os ensinamentos das edições anteriores. Esperamos o contributo activo de todos os participantes no POSI-E3 para melhorarmos esta versão e, sobretudo, para fazermos dela um instrumento activo de melhoria das operações do curso na óptica dos altos padrões de qualidade que é nosso objectivo alcançar e manter de forma sustentada. A excelência de uma organização é directamente proporcional ao rigor e à exigência dos seus clientes e dos seus colaboradores. 3

4 O DEI/IST espera assim de todos os envolvidos no POSI-E3 uma cooperação crítica e activa, construtiva e razoável, para aperfeiçoarmos esta iniciativa. PROF. JOSÉ M. TRIBOLET Prof Catedrático do DEI / IST 4

5 2. COORDENAÇÃO GERAL Professor Responsável Prof. Cat. José Tribolet Coordenador da Pós-Graduação Profisssional do DEI Funções da Coordenação Geral O Professor do DEI responsável pela Coordenação do POSI-E3 responde perante as entidades académicas da Escola Presidente do IST; Conselho Científico, Conselho Pedagógico e Comissão de Gestão, Presidente e Comissão Executiva do DEI por todos os aspectos do funcionamento do POSI-E3. Toda a estrutura operacional do POSI-E3 nas áreas pedagógica, administrativa, informática e financeira responde directamente à Coordenação do Curso. A Coordenação do POSI-E3 é a entidade que assegura o diálogo com os alunos de pós-graduação e com as empresas promotoras e o mercado externo. Este Manual de Procedimentos é da responsabilidade da Coordenação do POSI-E3. Qualquer aluno do POSI-E3 tem o direito de contactar em tempo útil a coordenação do curso e de lhe expor quaisquer problemas relacionados com o seu funcionamento. Na óptica deste manual, o relacionamento entre os alunos e a Coordenação do POSI-E3 constitui uma peça fundamental no esforço para a qualidade total do curso. 5

6 A Coordenação do POSI-E3 é a entidade responsável por assegurar atempadamente o planeamento, a organização e o apoio ao funcionamento das disciplinas. A Coordenação do POSI-E3 é a entidade responsável pela dinamização do diálogo com as empresas promotoras, reportando regularmente sobre o funcionamento do curso e recolhendo as opiniões destas em ordem à melhor adequação do curso aos seus objectivos e às necessidades dos seus profissionais. A Coordenação do POSI é a responsável pela selecção dos alunos e pela promoção do curso e dos seus graduados no exterior. 6

7 3. DOCENTES E DISCIPLINAS Os Docentes das disciplinas do POSI-E3 Professores, Assistentes e Monitores são seleccionados anualmente pela Coordenação do Curso, e provêm quer do IST quer do exterior à Escola. A actividade dos docentes do POSI-E3 é monitorada e avaliada. Neste processo, a avaliação feita pelos alunos, quer dos docentes quer das suas disciplinas, constitui um dos elementos relevantes para a avaliação desta actividade e da sua adequação aos objectivos do curso. 3.1 Informação aos Alunos Antes do início de cada período de aulas, a informação relevante para o funcionamento de cada disciplina desse período estará disponível no site do POSI-E3, nomeadamente: Objectivos da Cadeira Programa da Cadeira Bibliografia e Documentação de Apoio Método de Avaliação (Trabalhos, Exame Final) Plano Detalhado das Aulas Calendário das Aulas, dos Trabalhos e da Avaliação Equipa Docente (Professor, Assistentes) Formas de Acompanhamento e Apoio aos Alunos Mecanismos de Contacto com os Docentes Para o efeito, os docentes responsáveis de cada disciplina devem apresentar à Coordenação todos estes elementos em formato adequado para publicação no site do POSI-E3, no mínimo uma semana antes do início das aulas. 7

8 3.2 Relações Alunos / Docentes Normalmente, a relação entre os alunos de uma disciplina e os respectivos docentes processa-se de forma directa, sem intermediações. Naturalmente que as equipas técnicas e administrativas do POSI-E3, que existem para servir o ensino e apoiar as disciplinas, são parte integrante e natural nesta interacção. Tem constituído uma prática positiva nos últimos anos a designação conjunta pelos Alunos e pela Coordenação de um Delegado de Curso, que facilite a interacção e o diálogo entre as partes. Sempre que situações existentes e transmitidas directamente aos responsáveis das disciplinas não tenham tido uma resposta clara deverão ser reencaminhadas para as estruturas do curso. Nestas condições, os alunos deverão dirigir-se, em primeira instância, aos responsáveis pelas disciplinas ou, numa segunda instância, à Coordenação do POSI-E3 (seguindo os procedimentos descritos abaixo). Situações envolvendo: Monitor Professor Cadeira Serviços de apoio Acção Falar com o monitor e tentar resolver. Se não resultar, ou se estiver a demorar, enviar um para o professor da cadeira respectiva, com conhecimento para a coordenação do POSI-E3. Falar com o professor e tentar resolver. Se não resultar, ou se estiver a demorar, enviar um para a coordenação do POSI-E3 com conhecimento para o professor respectivo. Falar com o professor e tentar resolver. Se não resultar, ou se estiver a demorar, enviar um para a coordenação do POSI-E3 com conhecimento para o professor e monitor respectivo. Enviar um para a coordenação do POSI-E3. 8

9 É de notar que qualquer enviado deverá obrigatoriamente ser identificado no Assunto com a designação do curso (POSI-E3), do aluno (Aluno N.º XX, Nome) e do assunto respectivo. Coordenação do POSI-E3 A Coordenação considera fundamental que o POSI-E3 consiga responder a tempo aos problemas que possam surgir ao longo do curso, registando as suas causas e procurando que não se repitam no futuro. 9

10 4. ACTIVIDADES DE COORDENAÇÃO 4.1 Área Pedagógica O responsável pela área pedagógica é o Professor José Tribolet, com o apoio da equipa de coordenação Coordenação ao Nível de Cadeira Com uma antecedência mínima de dois meses antes do início das aulas de um dado período, a Coordenação do POSI-E3 definirá com cada docente responsável por uma disciplina desse período os seguintes pontos: Objectivos da Cadeira tendo em atenção os objectivos finais de aprendizagem definidos para cada edição do POSI-E3. Programa da Cadeira tendo em atenção o corpo de alunos admitidos a cada POSI-E3. Bibliografia os textos de base a serem usados, com vista à sua encomenda e disponibilização aos alunos no início das aulas. Documentação de Apoio o material de apoio a ser usado deverá ser disponibilizado pelos docentes de preferência sob forma electrónica, no site do curso, com acesso reservado aos alunos de cada disciplina. O uso de fotocópias e de transparências deve ser evitado se possível. Quando necessário, um conjunto com boa qualidade de impressão deve ser entregue ao apoio administrativo com uma semana de antecedência face à data de utilização, a fim de ser copiado atempadamente em boas condições técnicas e financeiras. Em casos de excepção, perante a apresentação súbita de material pedagógico não entregue antecipadamente, os alunos não deverão utilizar individualmente os meios de impressão disponíveis no andar do POSI-E3 para imprimir esse material, remetendo antes essa tarefa para o secretariado do POSI-E3, que tudo fará para o 10

11 proporcionar colectivamente e ASAP as fotocópias em boas condições. Método de Avaliação o processo de avaliação, por recurso a trabalhos durante o período, trabalho final, testes intermédios, exame final, etc, deverá ser apresentado e discutido, com vista a assegurar, por um lado, a coordenação com a avaliação das restantes disciplinas do período e por outro, a razoabilidade do esforço que é pedido aos alunos, quer por disciplina, quer na sua totalidade Reunião de Coordenação de cada Período A Coordenação do POSI-E3 reunirá com o conjunto dos docentes responsáveis das disciplinas de cada período numa data que anteceda, no mínimo, em duas semanas o início das aulas desse período. Nesta reunião estarão presentes os responsáveis pelas áreas operacionais, nomeadamente administrativa e informática. Nesta reunião serão abordados e definidos os seguintes tópicos: Plano Detalhado das Aulas O plano detalhado das aulas deverá ser apresentado e a correlação com os objectivos e os instrumentos de avaliação será feita. Alterações posteriores ao plano das aulas, negociadas entre os alunos e os docentes de uma disciplina só poderão ser feitas com autorização prévia e explícita da coordenação, tendo em vista a garantia da harmonia do esforço que se está a pedir aos alunos ao longo de cada período, e evitar conflitos entre disciplinas!!! Calendário das Aulas, dos Trabalhos e da Avaliação A calendarização detalhada das aulas, dos trabalhos e das avaliações será feita, por disciplina e por período. As datas de entrega dos 11

12 enunciados dos trabalhos, as datas das aulas de acompanhamento e de apoio, as datas de entrega e de avaliação devem ser definidas nesta reunião. Alterações posteriores ao calendário das aulas só poderão ser feitas com autorização prévia e explícita da coordenação, tendo em vista garantir a não existência de conflitos de horário entre disciplinas e a disponibilidade atempada dos meios técnicos e pedagógicos necessários. Equipa Docente (Professores, Assistentes) Toda a informação relativa à equipa docente deve ser apresentada na reunião. A equipa docente deverá fornecer o seu CV, sob a forma de página Web, com vista à sua disponibilização no site do curso. Formas de Acompanhamento e Apoio aos Alunos As formas previstas de acompanhamento e apoio dos alunos devem estar claramente delineadas. Em particular, as formas adoptadas para tirar dúvidas devem ser claramente definidas e calendarizadas. A calendarização da entrega aos alunos dos trabalhos corrigidos, da sua eventual discussão ou do seu feedback personalizado deve ser igualmente feita com rigor e num prazo pré-definido no inicio do trimestre. A interacção entre docentes e alunos deve usar por princípio os instrumentos disponíveis no Moodle. As questões e dúvidas dos alunos devem ser apresentadas no Moodle e as respostas dos docentes aí expressas para conhecimento de todos. Mecanismos de Contacto com os Docentes As formas de contacto com os docentes de cada disciplina devem estar enunciadas, em termos de números de telefone ou endereços . Os contactos efectuados com os docentes por deverão ser correctamente 12

13 identificados com a designação do curso (POSI-E3) e número do aluno e com o assunto. Deve-se privilegiar o uso dos mecanismos Moodle para o efeito. Material Informático Os professores serão informados do software existente em cada posto de trabalho, devendo nesta reunião pedir o software extra necessário para a disciplina, bem como definir com rigor as datas a partir das quais tem de estar disponível. Compete às equipas docentes testar antecipadamente as configurações de Hardware e a operacionalidade do software instalado antes de cada trimestre se iniciar Reunião de Acompanhamento de cada Período A meio de cada período realizar-se-á uma reunião de acompanhamento das actividades, com os docentes e os responsáveis das restantes áreas operacionais, com vista a avaliar o andamento do curso e realizar os ajustes que eventualmente se afigurem adequados. Toda a informação fornecida pelos alunos sobre o funcionamento do POSI- E3 será apreciada nesta reunião e ser-lhes-ão comunicadas as decisões daí resultantes Reunião de Avaliação de cada Período No final de cada período realizar-se-á uma reunião com os mesmos elementos onde são apresentados e avaliados os relatórios de cada disciplina e a avaliação que dela foi feita pelos alunos. Nesta reunião onde estará presente o delegado de turma, será apresentado pela coordenação uma síntese das reclamações feitas pelos alunos e o respectivo seguimento, com vista a melhorar a próxima edição da disciplina. 13

14 4.1.5 Procedimentos Pedagógico/Administrativos Associados ao funcionamento de cada disciplina existem alguns procedimentos administrativos que importa cumprir com eficácia e rigor. Lista dos Alunos Esta lista será fornecida pela Área Administrativa a cada docente, em formato electrónico. Logo após o início do curso, todos os alunos terão uma página pessoal no site do POSI-E3, com fotografia. Os endereços das páginas e o de cada aluno serão fornecidos aos docentes. Pautas As pautas com as notas dos trabalhos, do exame e finais deverão ser enviadas nas datas previstas para a Área Administrativa devidamente assinadas. A publicação das notas dos trabalhos e dos exames será feita, formalmente, pela Área Administrativa, em papel. As pautas deverão também ser publicadas pelos docentes no site de cada disciplina. A publicação das pautas finais é feita nos sites e em papel após registo na AA e homologadas pela Coordenação. Avaliação da Disciplina e dos Docentes No final de cada período, na última aula, serão distribuídas aos alunos pelos respectivos docentes, as fichas de avaliação que serão recolhidas nessa mesma aula. O objectivo é que todos os alunos se empenhem no esforço de avaliação e melhoria contínua da qualidade do POSI-E3. Relatório Final de Disciplina O relatório final de cada disciplina deve ser entregue pelo seu professor à coordenação do curso, até um mês depois de concluídas as avaliações. Deste relatório deverão constar explicitamente todas as componentes relevantes em termos de conteúdo, organização e avaliação. Estes elementos são 14

15 fundamentais não apenas em termos legais, mas para poderem servir de base factual à eventual atribuição de créditos pós-graduados em outros cursos que no futuro venham a ser oferecidos quer pelo DEI/IST quer por outras entidades académicas ou profissionais. Arquivo Legal Os requisitos legais impõem que se mantenha um arquivo das provas prestadas pelos alunos durante um certo período de tempo. A fim de facilitar este processo, sugere-se que os docentes requeiram aos alunos, sem excepção, a entrega dos seus trabalhos em formato electrónico e que as anotações aos trabalhos e a nota final fique também neles inserida. Desta forma, o arquivo a entregar poderá ser convenientemente guardado em CD-ROM, com (eventual) excepção dos exames escritos finais. A responsabilidade da construção deste arquivo é da coordenação administrativa. Avaliação do POSI Uma semana antes de terminar o POSI-E3 serão distribuídas aos alunos, pelo Secretariado do POSI-E3, as fichas de avaliação que deverão ser devolvidas ao Secretariado durante essa semana. O objectivo é que todos os alunos se empenhem no esforço de avaliação e melhoria contínua da qualidade do POSI-E Área Administrativa A Área Administrativa do POSI-E3 é coordenada pela Alice Serrenho, com o apoio da Luísa Rocha. A missão da Área Administrativa é fazer o planeamento da PGP e preparar toda a organização de cada edição, nomeadamente: Promover o marketing na comunicação social e na Web Angariar Candidatos Organizar o atendimento e preparação das pré-inscrições Gerir o relacionamento com as entidades financiadoras 15

16 Elaboração das inscrições definitivas Planear, organizar e preparar a abertura de cada edição Assegurar o funcionamento entre IST, DEI e SECRETARIA da PÓS- GRADUAÇÃO Resolver os problemas desta área, que apareçam durante o curso Marcar e organizar as reuniões com Docentes e coordenação Publicar as Pautas Finais e assegurar o registo oficial no IST Entrega dos respectivos dossiers pedagógico e de alunos no IST A missão do Secretariado é: Assegurar o apoio logístico às aulas Gerir as instalações Preparar toda a documentação necessária para cada aula Recolher as fichas de assiduidade dos alunos Recolher as fichas de assiduidade dos Docentes e Sumários Proceder ao tratamento estatístico das avaliações Proceder à recolha dos Relatórios e Pautas das Disciplinas Assegurar a existência do arquivo Geral PGP 4.3 Área Informática A Área Informática do POSI-E3 é gerida, em regime de outsourcing, pela empresa Linkcom. A missão da área Informática é : Gerir as infra-estruturas informáticas de apoio ao curso Fornecer apoio aos utilizadores Definir, com a área administrativa, os serviços e privilégios dos utilizadores 16

17 4.4 Área Financeira A área financeira é da responsabilidade do INESC (Alice Serrenho), como entidade Gestora do Consórcio. A missão da área Financeira é: Elaborar Mapa de planificação dos pagamentos das propinas Controlar e receber o pagamento das propinas dos alunos Controlar e receber o pagamento das entidades financiadoras Execução dos planos Orçamentais PGP Elaboração dos Mapas Finais do realizado e orçamentado Fecho contabilístico de cada edição da PGP 4.5 Sítio na Web A Coordenação designará um responsável pelo sítio na Web que tem como objectivo: Fazer a promoção do curso Criar condições para a manutenção de conteúdos programáticos do curso na plataforma Moodle Manter informação sobre os docentes do curso 17

18 5. FUNCIONAMENTO GERAL 5.1 Bibliografia A bibliografia de base de cada disciplina é fornecida a cada aluno, no início do período. Adicionalmente, o aluno pode utilizar a biblioteca do POSI-E3 para consultar livros pertencentes à bibliografia recomendada de cada disciplina. O levantamento de qualquer livro da biblioteca implica o preenchimento da ficha de requisição respectiva. A esta requisição deverá estar associado um prazo para a sua devolução. O aluno fica assim obrigado a devolver os livros requisitados no prazo solicitado, pois, de outro modo, os livros ser-lhe-ão facturados. Caso o aluno desista do curso, deverá imediatamente proceder à devolução de todos os livros requisitados, mesmo que estes se encontrem no prazo de requisição. 5.2 Reclamações Para além das reclamações relativas ao decorrer das aulas (que deverão ser dirigidas aos docentes, de acordo com o explicitado no ponto 3.2), poderão existir reclamações relacionadas com o funcionamento geral do POSI-E3. Estas reclamações devem ser apresentadas por escrito ao secretariado do POSI-E3, que dará conhecimento à coordenação. 5.3 Funcionamento das aulas Assiduidade e Pontualidade Os alunos deverão proceder obrigatoriamente ao preenchimento de uma folha de presenças que será retirada imediatamente após o seu início. Uma segunda folha estará disponível nos primeiros 30 minutos de cada aula, para registar eventuais atrasos dos alunos. Esta folha será retirada pelo Secretariado meia hora após o início da aula. Assim, todos os alunos que se atrasem para além deste período não poderão ter acesso ao preenchimento 18

19 da folha de presença dessa aula. Os mapas de presenças dos alunos nas disciplinas serão publicados no Auditório. Caso um aluno não compareça a uma determinada aula, deverá informar atempadamente o secretariado, indicando as razões na origem da ausência Silêncio e Ordem No decorrer das aulas, cada aluno deverá respeitar os seus colegas, mantendo-se em silêncio excepto quando o docente o requisitar. Do mesmo modo, não deverão ser utilizados, no decorrer das aulas, quaisquer aparelhos que perturbem o ambiente, tais como telemóveis e pagers. Para qualquer eventualidade de um aluno necessitar ser contactado, podem dispor dos serviços de Secretariado, que se encarregarão de fazer chegar a mensagem atempadamente. Os alunos devem também obrigar-se a manter a ordem na sala de aula, evitando perturbar o seu bom funcionamento. A utilização do auditório Alfa só é permitida durante o período de aulas que sejam leccionadas no mesmo. Embora aparentemente desnecessárias, estas regras servem para salvaguardar o direito a um bom ambiente de aprendizagem, do qual todos os alunos do POSI-E3 deverão dispor. 5.4 Avaliações Assiduidade e Pontualidade Todos os alunos têm a obrigação de estar presentes, no horário determinado em todas as datas de avaliação presencial, tais como exames finais ou discussões de projectos/exercícios. 19

20 Serão tomadas em consideração situações excepcionais, desde que o professor e a coordenação sejam avisados com a devida antecedência. O não cumprimento destas regras será equivalente a uma nota de 0 (zero) na avaliação correspondente Avaliação de Recurso O regulamento do POSI-E3 não prevê a existência de avaliações de recurso. Não está, no entanto, posta de parte a hipótese de que, em casos excepcionais e devidamente justificados, esta venha a ser considerada, desde que tenha o acordo do docente responsável da disciplina e da coordenação do curso. 20

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE Artigo 1.º Objectivos da avaliação A avaliação do pessoal não docente visa: a) A avaliação profissional, tendo em conta os conhecimentos, qualidades e

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo Primeiro Objecto O presente Regulamento define o regime de funcionamento interno do Centro de Formação Ciência Viva reconhecido pelo Ministério da

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O principal objectivo deste Regulamento é salvaguardar o interesse comum de todos os utentes e permitir que a Biblioteca execute as suas funções de forma eficiente e eficaz. Desta

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE

REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE CAPITULO 01- Requisitos de Acesso e Formas de Inscrição.... 02 CAPITULO 02 - Critérios e Métodos de Seleção dos Formandos e Novos Formadores...03 2.1

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS O presente regulamento estabelece os princípios e as normas aplicáveis ao Arquivo Histórico da Caixa Geral de

Leia mais

REGULAMENTO CARTÃO IDENTIFICAÇÃO

REGULAMENTO CARTÃO IDENTIFICAÇÃO REGULAMENTO DO CARTÃO DE IDENTIFICAÇÃO Artigo 1.º Agrupamento Vertical de Escolas D. Dinis Principais funcionalidades do sistema informático para a gestão integrada para a administração escolar (GIAE)

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

Licenciatura em Línguas Aplicadas

Licenciatura em Línguas Aplicadas Guia de Curso 1º Ciclo 2014-2015 Departamento de Humanidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Organização do curso... 3 3. Destinatários... 3 4. Condições de acesso e pré-requisitos... 3 5. Candidaturas...

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

Regulamento de Gestão de Reclamações

Regulamento de Gestão de Reclamações Regulamento de Gestão de Reclamações no Banco Santander Totta, SA Introdução A Qualidade de Serviço é, para o Banco Santander Totta, SA, um referencial e a forma por excelência de se posicionar e distinguir

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Agosto 2010 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO APLICÁVEL À GESTÃO DE RECLAMAÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições preliminares

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9 Página 1 de 9 1. APRESENTAÇÃO da ENTIDADE FORMADORA Fundado em 1996, o começou por ensinar informática a crianças e jovens, como franchisado da FUTUREKIDS em Vila Nova de Gaia, dando aulas no seu Centro

Leia mais

Manual do Estagiário ESCS

Manual do Estagiário ESCS Manual do Estagiário ESCS ESCS 2015 ÍNDICE APRESENTAÇÃO. 3 INTRODUÇÃO...4 OS ESTÁGIOS NA ESCS....5 A ESCS RECOMENDA AINDA... 6 DIREITOS DO ESTAGIÁRIO.. 7 SUBSÍDIOS 7 DURAÇÃO DO ESTÁGIO....8 PROTOCOLO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

REGULAMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS. Sumário

REGULAMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS. Sumário Página 1 de 13 Sumário Preâmbulo... 2 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 Artigo 1.º Constituição... 2 Artigo 2.º Sistema de utilização... 2 CAPÍTULO II UTILIZADORES DA REDE DE BIBLIOTECAS DO INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL

REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL I - Natureza e funções do Centro de Recursos em Conhecimento Gaia Sul 1. O Centro de Recursos em Conhecimento Gaia Sul (CRC Gaia Sul), é uma unidade organizacional da responsabilidade

Leia mais

COMISSÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ANO LECTIVO DE 2011/2012-1º SEMESTRE RELATÓRIO

COMISSÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ANO LECTIVO DE 2011/2012-1º SEMESTRE RELATÓRIO COMISSÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ANO LECTIVO DE 2011/2012-1º SEMESTRE RELATÓRIO O Curso de Mestrado em Ensino de Dança, cuja 1ª edição teve início em Outubro de 2011 foi, sem

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNÇÕES DO ARQUIVO MUNICIPAL Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Braga (C.M.B.) compreende e unifica numa só estrutura o âmbito,

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DE CELORICO DA BEIRA

REGULAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DE CELORICO DA BEIRA REGULAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DE CELORICO DA BEIRA Artigo 1º Âmbito de aplicações gerais O Espaço Internet de Celorico da Beira, adiante designado por EI, constitui um espaço público de acesso gratuito

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO

ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO Artigo 1.º Modalidades 1 São as seguintes as modalidades de avaliação: a) De diagnóstico; b) Modular. 2 A avaliação de diagnóstico é aplicada no início do ano letivo,

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Artigo 1.º Definição De acordo com o art.º 80 dos Estatutos da Escola Superior de Hotelaria (ESHTE) e Turismo do Estoril,

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

Introdução à Programação B Licenciatura em Engenharia Informática. Enunciado do trabalho prático. Quem quer ser milionário? 20 de Dezembro de 2007

Introdução à Programação B Licenciatura em Engenharia Informática. Enunciado do trabalho prático. Quem quer ser milionário? 20 de Dezembro de 2007 Introdução à Programação B Licenciatura em Engenharia Informática Enunciado do trabalho prático Quem quer ser milionário? 20 de Dezembro de 2007 1. Introdução Quem quer ser milionário? é um jogo televisivo

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes 1 II Avaliação de desempenho 1. Introdução A adopção de um modelo de avaliação de desempenho de docentes pressupõe, para a FNE, a consideração

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013

36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013 36070 Diário da República, 2.ª série N.º 245 18 de dezembro de 2013 c) Definição dos serviços a prestar e dos níveis indicativos a assegurar; d) Definição de requisitos e recursos, nomeadamente espaço

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO... 3 3. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 4. FORMAS E MÉTODOS DE SELECÇÃO... 4 4.1. Selecção

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA E LEITURA

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA E LEITURA REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA E LEITURA O Arquivo Distrital do Porto, instituição pública empenhada na salvaguarda e conservação de um valioso património documental, faculta o acesso aos seus fundos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO No cumprimento da sua missão, a FEUP tem desenvolvido uma significativa

Leia mais

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA )

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Preâmbulo O regulamento da Universidade Sénior de Almada (USALMA) foi aprovado pela Associação de Professores do Concelho de Almada (APCA) em reunião

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Candidato

CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Candidato CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Lisboa, Setembro de 2007 Índice I Introdução... 3 II Inscrição Obrigatória. 4 III - Aplicação Contratação de Escola.......... 5 1. Acesso à aplicação Contratação de

Leia mais

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de 2012. ENQUADRAMENTO 2ºs PRÉMIOS DE JORNALISMO CEPSA ESTRADAS

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

Regulamento dos Mestrados

Regulamento dos Mestrados Regulamento dos Mestrados 4.2.14 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Organização... 3 1.1 Coordenação... 3 1.2 Programas... 3 1.3 Planos curriculares... 3 1.4 Unidades curriculares... 3 2 Candidatura... 5 2.1

Leia mais

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR European Schoolnet Service d Approches Quantitatives des faits éducatifs Índice Introdução... 2 1. VISÃO GERAL DA

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE S.A. ( BANCO POPULAR ) Introdução

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE S.A. ( BANCO POPULAR ) Introdução POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO, E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. ( BANCO POPULAR ) Introdução A presente

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS EDIÇÃO Nº1/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fiscalização de obra ferramentas e metodologias 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER A construção

Leia mais

Regulamento Setembro de 2013

Regulamento Setembro de 2013 Regulamento Setembro de 2013 1. ÂMBITO E ESTRUTURA A Biblioteca da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão é uma unidade documental que adquire, processa e disponibiliza informação especializada

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO Preâmbulo A Universidade do Porto, doravante designada UP, considera que a protecção e valorização dos resultados de I&D e de outras actividades

Leia mais

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA Índice 1. Introdução 2. Objectivo 3. Âmbito de aplicação 4. Activação do plano 4.1. Cadeia de Gestão 4.2. Cadeia de Comando e Controlo 4.3. Actividades Essenciais

Leia mais

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 0 APROVADO POR: Conselho Técnico-Científico 20 10 2010 Data: / / 20 10 2010 Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 1. INTRODUÇÃO As presentes normas aplicam se aos cursos de

Leia mais

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro 1 Portaria nº 1102/97 DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro As cooperativas e associações de ensino especial sem fins lucrativos corporizam uma importante experiência educativa e podem constituir um recurso

Leia mais

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Capitulo I Âmbito e Estrutura Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento do Fórum Municipal da Juventude, adiante também designado apenas por Regulamento,

Leia mais

Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant

Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant Regulamento do Programa Inter-Universitário em Biologia de Plantas BioPlant Artigo 1º Criação do Programa As Universidades do Minho, de Aveiro e do Porto, designadas por Universidades, instituem um Programa

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO (Aprovado na 8ª Reunião Extraordinária de Câmara Municipal realizada em 17 de Dezembro de 1999 e na 1ª Reunião Extraordinária de Assembleia

Leia mais

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting

Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Regulamento de Formação da B-Training, Consulting Desde já seja bem-vindo à B-Training, Consulting! Agradecemos a sua preferência e desejamos que o Curso corresponda às suas expectativas e que obtenha

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

S E D E : E S C O L A B Á S I C A E S E C U N D Á R I A D E V I L A P O U C A D E A G U I A R GIAE. Gestão Integrada. para a Administração Escolar

S E D E : E S C O L A B Á S I C A E S E C U N D Á R I A D E V I L A P O U C A D E A G U I A R GIAE. Gestão Integrada. para a Administração Escolar S E D E : E S C O L A B Á S I C A E S E C U N D Á R I A D E V I L A P O U C A D E A G U I A R GIAE Gestão Integrada para a Administração Escolar Regulamento de Utilização Mod. AEVPA - Direção Página 1

Leia mais

REGULAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES DE PROJECTO E SEMINÁRIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL

REGULAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES DE PROJECTO E SEMINÁRIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL Página 1 de 6 Artigo 1º (âmbito) O presente regulamento aplica-se às unidades curriculares de Projecto e Seminário da licenciatura em engenharia de produção industrial, de acordo com o previsto no ponto

Leia mais

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) Introdução A presente Política

Leia mais

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar nº 10/2009 de 25 de junho. AXA Global Direct Seguros y Reaseguros,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO-PILOTO DE INTEGRAÇÃO DOS ATRIBUTOS PROFISSIONAIS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS NO SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ATRIBUTOS PROFISSIONAIS (SCAP) Entre:

Leia mais

Concurso de Design Criação de cartaz REGULAMENTO

Concurso de Design Criação de cartaz REGULAMENTO Concurso de Design Criação de cartaz REGULAMENTO 1. Introdução O presente concurso, destinado à apresentação de projectos de criação de um cartaz original, é uma iniciativa da Associação 25 de Abril (doravante

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho REGULAMENTO DA 4ª EDIÇÃO DO CONCURSO "BES REALIZE O SEU SONHO" Capítulo I - Introdução e Objetivos 1.º(Introdução e Objetivos) O Concurso Realize o Seu

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO ARTIGO 1º Âmbito do Regulamento As estruturas, cargos e funções previstos no presente regulamento são válidos apenas

Leia mais

www.queroserprofessor.

www.queroserprofessor. www.queroserprofessor. Documento Revisado em março de 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O QUE É A MONITORIA? 3. OBJETIVOS DA MONITORIA 4. CONDIÇÕES PARA PARTICIPAR DA MONITORIA 5. INSCRIÇÃO 6. ATRIBUIÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 55 19 de Março de 2010 889 Unidas. Deberá notificar a la otra parte la conclusión de este procedimiento de registro y comunicarle el número de registro atribuido. Hecho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais