GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DO ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE SUMARÉ EE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DO ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE SUMARÉ EE"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DO ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE SUMARÉ EE. PROFª IVANI APARECIDA QUEIROZ PEREZ Rua Presidente Marechal Floriano Peixoto, nº 21 Parque Euclides Miranda Sumaré -SP CEP Fones:(l9) Sumaré, 02 de Maio de Ofício Nº: 84 / 2011 Assunto: Encaminha Plano de Gestão Quadriênio Prezada Senhora Encaminhamos a V.Sª, o Plano Gestão Quadriênio desta Unidade Escolar para apreciação e homologação. Sendo só para o momento, atenciosamente. Ilma. Sra. PROFª DIRCEUZA BISCOLA PEREIRA DD. Dirigente Regional da Diretoria de Ensino Região de Sumaré Sumaré SP

2 ANEXOS ÍNDICE 1 - ATOS LEGAIS DA ESCOLA: CARACTERIZAÇÃO: PROPOSTA PEDAGÓGICA DA UNIDADE ESCOLAR OBJETIVOS DA ESCOLA METAS / AÇÕES PLANO DE CURSO MANTIDO PELA ESCOLA SÍNTESE DOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ENSINO FUNDAMENTAL CICLO I PLANOS DE TRABALHO DOS DIFERENTES NÚCLEOS QUE COMPÕEM A ORGANIZAÇÃO TÉCNICO- ADMINISTRATIVA DA ESCOLA DIRETOR DE ESCOLA VICE DIRETOR DE ESCOLA SECRETÁRIO DE ESCOLA AGENTE DE ORGANIZAÇÃO ESCOLAR AGENTE DE SERVIÇOS ESCOLARES CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DA EXECUÇÃO DO TRABALHO REALIZADO PELO PESSOAL DO PROCESSO EDUCACIONAL QUADRO I MATRIZ CURRICULAR ORGANIZAÇÃO DAS HORAS DE TRABALHO PEDAGÓGICO COLETIVO, TEMA E O CRONOGRAMA TEMÁTICAS H T P C CALENDÁRIO ESCOLAR HORÁRIO DIRETOR E VICE - DIRETOR HORÁRIO DO PROFESSOR COORDENADOR HORÁRIO DE TRABALHO DOS FUNCIONÁRIOS ESCALA DE FÉRIAS DIRETOR E VICE ESCALA DE FÉRIAS FUNCIONÁRIOS QUADRO DE APOIO ADMINISTRATIVO QUADRO DE FUNCIONÁRIOS QUADRO DE DOCENTES PEB I QUADRO DE DOCENTES PEB II QUADRO DE DOCENTES E HORAS DE HTPC PEB I QUADRO DE DOCENTES E HORAS DE HTPC - PEB II COMPOSIÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA CÓPIA DA ATA DE ELEIÇÃO DOS PROFESSORES DO CONSELHO DE ESCOLA CÓPIA DA ATA DE ELEIÇÃO DE ESPECIALISTA DA EDUCAÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA... 56

3 29 - CÓPIA DA ATA DE ELEIÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DO CONSELHO DE ESCOLA DA ESCOLA CÓPIA DAS ATA DE ELEIÇÃO DOS PAIS DO CONSELHO DE ESCOLA DA ESCOLA CÓPIA DA ATA DE ELEIÇÃO DOS ALUNOS DO CONSELHO DE ESCOLA DA ESCOLA COMPOSIÇÃO DA APM CÓPIA DA ATA DE ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA A.P.M DA ESCOLA PARA ELEIÇÀO DA NOVA DIRETORIA PLANO ANUAL DE TRABALHO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES BALANCETE DA APM 1º SEMESTRE BALANCETE DA APM 2º SEMESTRE BALANCETE ANUAL DA APM PLANO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES ECONOMICOS FISCAIS RAIS GRÊMIO ESTUDANTIL / HORÁRIO DAS AULAS MANHÃ HORÁRIO DE AULAS TARDE PROJETOS PROJETO Nº 01 - RESGATE AO CIVISMO PROJETO Nº 02 - RECUPERAÇÃO PARALELA PROJETO Nº 03 - PROERD PROJETO Nº 04 - SISTEMA DINÂMICO DE EDUCAÇÃO PARA A MOBILIDADE CIDADÃ PROJETO Nº 05 - ORIENTAÇÃO SEXUAL PREVENÇÃO TAMBÉM SE ENSINA PROJETO Nº 06 - PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO PROJETO Nº 07 - VIVENDO VALORES PREVENÇÃO TAMBÉM SE ENSINA PROJETO Nº 08 - RECICLANDO NA ESCOLA PROJETO Nº 09 - EXCURSÕES CIENTÍFICO-CULTURAIS PROJETO Nº 10 - H2ÓLEO ÁGUA E ÓLEO, CADA UM NO SEU LUGAR PROJETO Nº 11 - LER É UM PRAZER! PROJETO Nº 12 - HORA DA LEITURA E LEITURA PERMANENTE RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM ZELADORIA CÓPIA DE DEDETIZAÇÃO DA ESCOLA RESULTADOS IDESP RESULTADOS IDESP RESULTADOS IDESP RESULTADOS IDESP ANEXOS APRECIAÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA

4 1 - ATOS LEGAIS DA ESCOLA: 1.1 Nome da Unidade Escolar E.E. IVANI APARECIDA QUEIROZ PEREZ Profª 1.2 Endereço: Rua Presidente Marechal Floriano Peixoto, 21 Bairro: Parque Euclides Miranda Telefones: CEP: Sumaré SP Horário de funcionamento: 07:00 às 11:30 horas 12:30 às 17:00 horas Ato Oficial de Autorização: Decreto de 12/09/2001 DOE: 13/09/ Ato Oficial nova Denominação da U.E. Lei nº DOE: 15/07/ Curso oferecido: Ensino Fundamental de 09 anos Ciclo I 2º, 3º e 4º Anos Ensino Fundamental de 08 anos Ciclo I - 4ª Séries. 4

5 1.7 Histórico do patrono: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Nome:Ivani Aparecida Queiroz Perez; Natural de: Osvaldo Cruz; Nascida em 02 de Novembro de 1951; Filiação: Elizio Antonio de Queiroz Josepha Nery de Queiroz Irmão: Ivan Nery de Queiroz; Esposo: Francisco Perez Ortega; Filhos: Alessandra Queiroz Perez Zemlenoi, André Queiroz Perez e Alex Queiroz Perez; Neto: Vitor Perez Zemlenoi; Cursou o primário na E.E.P.G.Osvaldo Martins, de 1959 a 1966 e a escola normal na CENE Benjamin Constant de 1967 a 1969, na cidade de Osvaldo Cruz São Paulo; Começou como professora na E.E.P.S.G Plínio Negrão São Paulo Capital, em 18/03/1972 e permaneceu na mesma escola até 31/07/1976; Lecionou pelas seguintes escolas; - E.E.P.G. Pastor Emílio Warwick Kerr São Paulo Capital, de 13/02/1985 a 28/07/1985, como Profª I ACT. - E.E.P.G. Pastor Emílio Warwick Kerr São Paulo Capital, de 29/07/1985 a 16/02/1986, como Profª I Efetivo a contar desta data. - E.E.P.S.G Profº Adolfo Casais Monteiro São Paulo Capital, de 16/02/1986 a 11/02/ E.E.P.G. Dr. Laerte Ramos de Carvalho São Paulo Capital, de 12/02/1990 a 09/02/ E.E.P.S.G. Dom Jayme de Barros Câmara Sumaré SP, de 10/03/1992 a 07/02/ E.E João Franceschini Sumaré SP, de 08/02/1993 a 12/02/ E.E. Profº André Rodrigues Alkimin Sumaré SP, de 13/02/1996 a 16/08/2001. Em fevereiro de 1992, muda-se a família para Sumaré-SP, lecionando de 10/03/1992 a 07/02/1993 na E.E.P.S.G Dom Jayme de Barros Câmara, de 08/02/1993 a 12/02/1996 na E.E João Franceschini. Por último, de 13/02/1996 a 16/08/2001 na E.E Profº André Rodrigues de Alkimin. Nesta última escola, é nítida a sua alegria e sua satisfação pessoal, no trabalho como educadora. Muito dedicada encontra na alfabetização sua verdadeira vocação. A vontade de se aperfeiçoar e não querer parar de lecionar, mesmo depois da aposentadoria, a fez voltar a estudar no Curso de Aperfeiçoamento, oferecido pelo CEFAM Campinas SP, o seu grande sonho profissional era o de alfabetizar jovens e adultos. Faleceu em 16 de Agosto de 2001, em um trágico acidente com mais dez professoras amigas de profissão e curso. 5

6 2 - CARACTERIZAÇÃO: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 2.1 Da Escola Caracterização da clientela atendida pela Unidade Escolar: Para podermos conhecer melhor o perfil da comunidade escolar realizamos recentemente uma pesquisa onde pudemos constatar que: A grande maioria dos alunos reside com os pais (pai e mãe), alguns são filhos de pais separados ou falecidos residindo, neste caso com a mãe e em pouquíssimos casos com o pai ou outro membro da família (avós). As famílias residem em casa própria, apenas uma minoria reside em casa alugada ou cedida. Com relação ao número de filhos de cada família foi observado que a maioria tem de 2 a 4, sendo que alguns chegam a ter até 7 filhos e poucas famílias têm apenas 1. Na maior parte das famílias há de 4 a 6 pessoas residindo na casa, mas há casos em que este número chega a 10. Observamos que há, na maioria das famílias, apenas 01 pessoa trabalhando fora, mas em boa parte dos questionários este número chega a 2, contudo chamou-nos a atenção o número de desempregados. Os pais informaram trabalhar em empresas, número este muito próximo aos que disseram ser autônomos, os demais informaram trabalhar no comércio ou serviço público. A renda familiar mensal é de até 02 a 03 salários mínimos, mas há muitas famílias que recebem apenas 01 salário, contudo são raras as famílias que responderam receber mais do que 04 salários mínimos. O grau de instrução dos pais foi outro item que nos chamou a atenção, pois a grande maioria possui apenas o Ensino Fundamental e alguns incompletos, pouquíssimos pais chegaram a cursar o Ensino Médio ou superior. De acordo com os questionários respondidos a grande maioria das famílias tem TV, fogão, geladeira, rádio, ventilador e lava-roupas, algumas famílias informaram possuir telefone, a maioria possui telefone celular, raríssimas famílias disseram que contam com computador, freezer e lava-louças. Pudemos, ainda, observar que apenas metade das famílias possui carro. Perguntamos às famílias há quanto tempo residiam em Sumaré e a maioria respondeu que está aqui há pelo menos 10 anos, mas foi expressivo o número de famílias que informou residir aqui há menos de 5 anos. Antes de vir para Sumaré a grande maioria das famílias informou residir em outras cidades do estado de São Paulo, alguns vieram do Paraná, Minas Gerais e Região Nordeste. A principal razão apontada pelas famílias para terem vindo para Sumaré foi a procura por trabalho, poucos vieram por causa de familiares ou tratamento médico. Com relação à religião observamos que há um equilíbrio entre católicos e evangélicos, poucos pertencem à outras religiões. 6

7 Os canais de TV mais assistidos pelas famílias são Globo, SBT e Record. Nos finais de semana as famílias informaram que ficam em casa, boa parte informou passear ou ir à igreja. A maioria das famílias entrevistadas informou ter acesso a jornais, revistas e livros Recursos Humanos: a) Direção, apoio técnico-pedagógico, administrativo e operacional (vide anexo). b) Quadro de docentes (vide em anexo) Planos de trabalho dos diferentes núcleos que compõe a organização técnico-administrativo da escola Núcleo de Direção O Núcleo de Direção da Escola pelo Diretor de Escola e Vice Diretor é o centro e o centro executivo da tomada de decisão, planejamento, organização, coordenação, avaliação e integração de todas as atividades desenvolvidas no âmbito da unidade escolar.fundamental ao processo de gestão democrática participativa, é o segmento articulador, e responsável por todas as atividades desencadeadoras do processo educacional e exerce suas funções objetivando: a- A elaboração e execução da Proposta pedagógica. b- A administração do pessoal e dos recursos materiais e financeiros. c- O cumprimento dos dias letivos e horas aula estabelecidas. d- A legalidade, a regularidade e a autenticidade da vida escolar dos alunos. e- Os meios para a recuperação contínua, paralela e intensiva da aprendizagem de alunos com defasagem. f- A articulação e integração da Escola com as famílias e a comunidade. g- As informações aos pais e responsáveis sobre a freqüência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução da Proposta Pedagógica. h- A comunicação ao Conselho Tutelar, por intermédio do órgão de gestão local, dos casos de maus-tratos envolvendo alunos, assim como de casos de evasão escolar e de reiteradas faltas, antes que estas atinjam o limite de 25% (vinte e cinco por cento) das aulas previstas e dadas. i- Subsidiar os profissionais da Escola, em especial os representantes dos diferentes colegiados, quanto às normas vigentes e representar aos órgãos superiores da administração, sempre que houver decisão em desacordo com legislação. Ao Vice-Diretor cabe substituir o Diretor em seus impedimentos legais, nos prazos e casos previstos em legislação especifica, responder pela direção da escola no horário que lhe for determinado e exercer as atribuições que lhe forem delegadas pelo Diretor de Escola. 7

8 Do Núcleo de Apoio Técnico-Pedagógico O Núcleo de Apoio Técnico-Pedagógico, integrado pelo Professor Coordenador, sob a supervisão, coordenação e acompanhamento da Direção da Escola, tem a função de proporcionar suporte técnico aos professores e alunos, relativos a: a- Elaboração, desenvolvimento e avaliação da Proposta Pedagógica da Escola. b- Coordenação pedagógica o processo educativo. c- Apoio técnico aos docentes e discentes Do Núcleo de Apoio Administrativo O Núcleo de Apoio Administrativo integrado pelo Secretário de Escola e Assistente de Administração Escolar tem a função de dar suporte ao processo educacional auxiliando a Direção nas atividades relativas a: a- Documentação e escrituração escolar e de pessoal. b- Organização e atualização de arquivos. c- Expedição, registro e controle de documentos. d- Registro e controle de recursos financeiros Do Núcleo de Apoio Operacional O Núcleo de Apoio Operacional, integrado pelos serventes, merendeiras sob supervisão, coordenação e acompanhamento da Direção da Escola, tem a função de proporcionar suporte ao conjunto de ações complementares administrativas e curricular, relativas a: a- Atendimento de alunos. b- Limpeza, manutenção e conservação da área interna e externa do prédio. c- Controle, manutenção e conservação de mobiliários, equipamentos e materiais didático-pedagógicos. d- Controle, manutenção, conservação e preparação de produtos alimentícios da merenda escolar Do Corpo Docente O corpo docente integrado pelos professores tem a função de desenvolver as atividades relacionadas ao processo de ensino/aprendizagem dos alunos Do Corpo Discente O corpo discente integrado pelos alunos da escola aos quais é garantido o livre acesso às informações necessárias à sua educação, ao seu desenvolvimento enquanto pessoa, ao seu preparo para o exercício da cidadania e à sua qualificação para o mundo do trabalho. 8

9 Recursos Físicos: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Observando-se o croqui da escola (anexo) pode-se verificar que a mesma conta com: - 09 salas de aula; - 01 Sala de aula adaptada sala de informática; - 02 sanitários para alunos, sendo 01 masculino e 01 feminino; - 01 sanitário para deficiente físico; - 02 sanitários administrativos, sendo 01 feminino e 01 masculino; - 01 sanitário para funcionários; - 01 diretoria; - 01 secretaria; - 01 coordenação pedagógica; - 01 sala de professores(adaptada); - 01 cozinha com despensa; - Demais dependências: 01 pátio coberto, 01 pátio descoberto, 01 área pequena e íngreme arborizada, jardim Recursos Materiais: A Unidade Escolar, possui materiais didático-pedagógicos suficientes e diversificados. Atualmente os materiais disponíveis são: - 03 TVs, sendo 02 de 29' e 01 de 20' ; - 01 vídeo; - 01 Kit professor, sendo 01 TV 29, 01 impressora, 01 microcomputador; - SAI - 10 microcomputadores e 01 Servidor; - Jogos diversos: material dourado, alfabeto de madeira, ábacos, carimbos, jogos para estimular leitura, dominós, placas de sinalização de trânsito, dominó, dama, trilha, xadrez,etc.; - Letras móveis; - Livros paradidáticos; - Dicionários; - Material esportivo (bolas, corda, cones, arcos, etc.) adquiridos de acordo com solicitação dos professores e adequado a faixa etária. Os materiais de consumo necessários às aulas são adquiridos com recursos repassados através das verbas DMPP, FNDE/MEC, recursos próprios da APM Da Comunidade Recursos disponíveis Os bairros próximos à Unidade Escolar não contam com recursos disponíveis que possam ser utilizados com fins pedagógicos. 9

10 2.3 - Da forma de gestão (democrática) da Escola. A gestão democrática tem por finalidade possibilitar à escola maior grau de autonomia, de forma a garantir o pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas, assegurando padrão adequado de qualidade do ensino ministrado. O processo de construção da gestão democrática na escola é fortalecido por meio de medidas e ações dos órgãos centrais e locais responsáveis pela administração e supervisão da rede estadual de ensino, mantidos os princípios de coerência, equidade e co-responsabilidade da comunidade escolar na organização e prestação dos serviços educacionais. Para melhor consecução de sua finalidade, a gestão democrática na escola, faz-se mediante a: a) Participação dos profissionais da escola na elaboração da proposta pedagógica. b) Participação dos diferentes segmentos da comunidade escolar direção, professores, pais, alunos e funcionários nos processos consultivos e decisórios, através do Conselho de Escola e Associação de Pais e Mestres. c) Autonomia da gestão pedagógica, administrativa e financeira, respeitadas as diretrizes e normas vigentes. d) Transparência nos procedimentos pedagógicos, administrativos e financeiros, garantindo-se a responsabilidade e o zelo comum na manutenção e otimização do uso, aplicação e distribuição adequada dos recursos públicos. e) Valorização da escola enquanto espaço privilegiado de execução do processo educacional. A autonomia da escola, em seus aspectos administrativos, financeiros e pedagógicos, entendidos como mecanismos de fortalecimento de uma gestão a serviço da comunidade, é assegurada mediante a: a) Capacidade da escola, coletivamente, formular, implementar e avaliar sua proposta pedagógica e seu plano de gestão. b) Constituição e funcionamento do Conselho de Escola, dos Conselhos de Classe e Série, da Associação de Pais e Mestres. c) Participação da comunidade escolar, através do Conselho de Escola nos processos de escolha ou indicação de profissionais para o exercício de funções, respeitada a legislação vigente. d) Administração dos recursos financeiros, através da elaboração, execução e avaliação do respectivo plano de aplicação, devidamente aprovado pelos órgãos ou instituições escolares competentes, obedecidas a legislação específica para gastos e prestação de contas de recursos públicos. 10

11 2.4 - Dos Colegiados e Instituições escolares Conselho de Escola O Conselho de Escola, articulado ao Núcleo de Direção, constitui-se em colegiado de natureza consultiva e deliberativa, formado por representantes de todos os segmentos da comunidade escolar.tal Conselho tomará suas decisões, respeitando os princípios e diretrizes da política educacional, da proposta pedagógica da escola e a legislação vigente. O Conselho de Escola poderá elaborar seu próprio estatuto e delegar atribuições à comissão ou subcomissões, com a finalidade de dinamizar a sua organização. Para essa organização, o Conselho de Escola registrará em ata suas atividades que forem delegadas e definirá as que, obrigatoriamente, deverão contar com a participação de todos os conselheiros. A composição e atribuições do Conselho de Escola estão definidas em legislação especifica Conselho de Classe e Série Os Conselhos de Classe e Série, enquanto colegiados responsáveis pelo processo coletivo de acompanhamento e avaliação do ensino e da aprendizagem, organizar-se-ão de forma a: a) Possibilitar a inter-relação entre profissionais e alunos, entre turnos e entre séries e turmas. b) Propiciar o debate permanente sobre o processo de ensino e da aprendizagem. c) Favorecer a integração e seqüência dos conteúdos de cada série/classe. d) Orientar o processo de gestão do ensino. Os Conselhos de Classe e Série são constituídos por todos os professores da mesma classe ou série e poderá contar com a participação de alunos de cada classe, independentemente de sua idade. Os alunos representantes de classe poderão participar das reuniões a que tiverem direito, em conformidade com o previsto nas normas de gestão do estabelecimento com direito a voz. Os Conselhos de Classe e Série devem se reunir, ordinariamente, uma vez por bimestre, ou quando convocados pelo Diretor. Os Conselhos de Classe e Série são presididos pelo Diretor de Escola, que pode delegar a presidência ao Vice-Diretor, ou ao professor que exerce as funções de Coordenador Pedagógico ou a docente. As atribuições dos Conselhos de Classe e Série estão arroladas no Regimento Escolar. 11

12 APM A APM enquanto instituição escolar tem a função de aprimorar o processo de construção da autonomia da escola e as relações de convivência interna e extraescolar. A escola conta com a Associação de Pais e Mestres, como instituição escolar, criada por lei específica. À Associação de Pais e Mestres, cabe a responsabilidade de assistência aos alunos, a interação da família-escola-comunidade, e a colaboração para auxiliar na manutenção e conservação do prédio escolar, dos equipamentos e da limpeza das instalações da escola. Cabe à Direção da Escola garantir a articulação da Associação de Pais e Mestres com o Conselho de Escola. Todos os bens da escola e de suas instituições juridicamente constituídas são patrimoniados, sistematicamente atualizados e cópia de seus registros encaminhados anualmente ao órgão de administração local. Outras instituições e associações poderão ser criadas, desde que aprovadas pelo Conselho de Escola e explicitadas no plano de gestão. 3 - PROPOSTA PEDAGÓGICA DA UNIDADE ESCOLAR Síntese da Proposta Pedagógica da Unidade Escolar (em anexo). 4 - OBJETIVOS DA ESCOLA Os objetivos da escola estão fundamentados nos Parâmetros Curriculares Nacionais, onde deverá: - promover o desenvolvimento harmonioso da criança nos aspectos físico, intelectual, psico-social, moral e afetivo. - estimular, nos educandos, o desenvolvimento da criatividade. - desenvolver, nos educandos, o espírito crítico, favorecendo atividades de autoavaliação. - propiciar meios para o desenvolvimento de atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito. - desenvolver, nos educandos, a capacidade de aprendizagem, levando-os a adquirir competências e habilidades essenciais, bem como aquisição de atitudes e valores. - promover meios para o desenvolvimento do hábito da leitura como fonte de conhecimento e lazer. - levar o aluno a posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas. - desenvolver, nos educandos, a noção de identidade nacional e pessoal e o sentimento de pertinência ao País através do conhecimento das características 12

13 fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais bem como dos valores cívicos. - promover, nos educandos, o respeito às diferenças sejam elas culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia, físicos ou outras características individuais e sociais. - estimular o respeito ao meio ambiente através da conscientização de que somos parte integrante do mesmo e que podemos contribuir para sua melhoria. - desenvolver, nos educandos, hábitos saudáveis e de valorização do próprio corpo como um dos aspectos básicos da qualidade de vida, agindo com responsabilidade em relação à sua saúde e à saúde coletiva. - promover maior integração entre a escola e a comunidade. 5 - METAS / AÇÕES CURTO PRAZO 1. evasão zero; 2. elevar a 100% a utilização de materiais didáticos pedagógicos disponíveis; 3. aumentar em 100% a assiduidade dos alunos na recuperação paralela. AÇÕES MÉDIO PRAZO 1. elevar a auto estima do aluno através de um ambiente acolhedor e prazeroso; 2. incentivar e capacitar a equipe de professores de como e porque das atividades com materiais didático-pedagógicos na sala de aula; 3. conscientização da família da importância da freqüência do aluno nos projetos de recuperação paralela % de aprovação no final do ciclo I; 2. elevar a qualidade de ensino, atingindo índices acima da média da própria Diretoria de Ensino nas avaliações externas (SARESP); 3. alcançar a meta de 100% no incentivo a leitura de diversos tipos de textos. AÇÕES 1. motivação dos alunos com aulas dinâmicas e participativas, onde o professor é o agente facilitador da aprendizagem; 2. promover e dinamizar constantemente capacitações aos docentes com apoio da Oficina Pedagógica, vídeos da TV Escola, HTPC s dinâmicos, leituras de textos, discussões sobre temas diversos e inserir temas transversais na prática do professor em sala de aula; 13

14 3. dinamizar a utilização da sala de informática, como um espaço de extrema importância de incentivo a criatividade e convívio social. LONGO PRAZO 1. alcançar em 100% a participação dos pais nas reuniões bimestrais ou quando chamados; 2. obter pelo menos 80% na participação nos colegiados (APM, Conselho de Escola). AÇÕES 3 e 4. incentivar e esclarecer a necessidade da integração de todos na escola para ter como objetivo único a responsabilidade na formação dos alunos. 14

15 6 - PLANO DE CURSO MANTIDO PELA ESCOLA A E.E. Profª Ivani Aparecida Queiroz Perez Sumaré, ministra o Ensino Fundamental e conforme estabeleceu a Deliberação CEE 09/97, dentro do Ensino Fundamental, ministra o ciclo I (2º, 3º 4º Anos e 4ª séries), com duração de 04 anos, obrigatório e gratuito, tendo por objetivo a formação básica do cidadão mediante: I o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em fundamental a sociedade; III o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores; IV o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que assenta a vida social; 7 - Síntese dos conteúdos programáticos Ensino Fundamental Ciclo I Língua Portuguesa 2º Ano - Expressão e interpretação de vivências através de diferentes formas de manifestações; - Conversas, relatos, comentários, debates; - Leitura de diversos gêneros; - Reflexão e operação sobre a linguagem (aquisição da base alfabética e funcionamento do sistema de representação da linguagem escrita); - Escrita como representação da fala e letras como representação dos fonemas; - Regras do sistema alfabético de representação escrita; - Convenções (ortografia, direção da escrita, tipos de letras); - Segmentação das palavras e frases; - Sinais de pontuação; - Leitura, produção e interpretação de diferentes tipos de textos; - Ouvir com atenção; - Realizar exposição oral; - Reescrita de textos tendo o professor como escriba; - Revisão coletiva de textos; - Roda de leitura. Língua Portuguesa 3º Ano - Leitura e interpretação de diversos tipos de textos; - Produção de textos à partir de estímulos diversos; - Reescrita e revisão de textos; - Gramática contextualizada; - Escritas de próprio punho; 15

16 - Descrição e bilhetes; - Uso de dicionário; - Roda de leitores. Língua Portuguesa 4º Ano - Leitura e interpretação de diferentes tipos de textos; - Ortografia escrita correta das palavras, acentuação, separação de sílabas, inclusive ao término das linhas; - Produção de diferentes tipos de textos; - Reescrita e revisão de diferentes tipos de textos; - Gramática contextualizada; - Uso adequado de conectivos; - Uso de dicionários; - Narrar fatos respeitando a temporalidade e registrando as relações de causa e efeito; - Roda de leitura. Língua Portuguesa 4ª Série - Leitura e interpretação de textos diversos; - Discurso direto e indireto; - Gramática contextualizada; - Produção, reescrita e revisão de diferentes tipos de textos com pontuação e ortografia convencional, usando recursos do sistema de pontuação. - Uso de dicionários; - Empregar a linguagem com maior nível de formalidade; - Roda de leitura. Matemática 2º Ano Números: - Simbolização; - Conceitos e utilização dos símbolos; - Vocabulário fundamental; - Seqüência lógica dos números; - Reconhecimento dos números; - Estabelecer critérios de agrupamento; - Leitura e escrita dos números até 100. Número natural: - Exploração da contagem de rotina; - Comparação de quantidades; - Introdução dos símbolos numéricos (1 à 9); - Introdução do número zero e de sua representação; - Reconhecimento dos números até

17 Sistema de numeração; - Agrupamentos e trocas em bases variadas; - Agrupamentos (de 10 em 10) e trocas(10 por 1); - Composição e decomposição de numerais; - Contagem de escala ascendentes e descendentes(1 em 1) (2 em 2). As operações: Adição: - Conceito; - Técnicas operatórias; - Adição simples; - Situação problemas. Subtração: - Conceito; - Fixação dos fatos fundamentais; - Situação problemas. Multiplicação: - Técnicas operacionais; - Construção progressiva dos fatos fundamentais; - Situações problemas; - Dobro triplo. Divisão: - Conceito; - Metade Medidas: - De tempos(horas, dias, semanas, meses e ano); - Noções de grandeza; - Noções de distancia. Geometria: - Conceitos referentes a grandeza, posição, lateralidade; - Vocabulário fundamental; - Identificação de semelhanças entre objetos; - Conceitos abstrato e concreto; - Comparações entre figuras; - Mosaico; - Composição de formas; - Sistema monetário. Matemática 3º Ano Números: - Numerais de 100 até 1.000; - Reconhecimento, contagem e escrita dos números. Sistema de numeração: - Agrupamentos(de 100 em 100); - Antecessor e sucessor de um número; - Ordem crescente e decrescente; 17

18 - Pares e ímpares; - Números ordinais; - Composição e decomposição(u, d, c); - Dúzia. Números racionais: - Conceito de número racional; - Representação fracionária(metade, terça parte). Operações: - Adição e subtração simples e com recursos e prova real; - Multiplicação simples; - Noções de divisão; - Problemas da vida diária envolvendo as operações; - Problemas seqüências. Medidas: - De tempo calendário; - De capacidade e comprimento. Geometria: - Formas geométricas da natureza; - Linhas abertas e fechadas, retas e semi retas; - Figuras planas, não planas, corpos redondos, sólidos geométricos; - Faces, vértices e arestas de um poliedro; - O tangran. Tabelas e gráficos: - Representação de dados da classe e outros. Sistema Monetário: - Conceito; - Vocabulário fundamental; - Dinheiro (moeda e cédulas). Matemática 4º Ano - Leitura e escrita dos números depois de 999; - Seqüência de números (100 em 100); - Antecessor e sucessor. Sistema de numeração decimal: - Introdução da 4ª ordem e progressivamente, das subseqüentes; - Ordem crescente e decrescente, dobro, triplo, sêxtuplo; - Valor absoluto, valor relativo. As operações: Adição: - Utilização das propriedades, prova real. Multiplicação: - Utilização na resolução de problemas; - Utilização das propriedades; - Ampliação das técnicas operatórias em que os dois fatores superam 10; - Multiplicação por 10, 100 e

19 Subtração: - Utilização em situações problemas; - Observação da validade ou não das propriedades; - Consolidação da técnica operatória. Divisão: - Utilização em situações problemas; - Divisão por 10, 100 e 1.000; - Ampliação da técnica operatória (2 algarismos). Numero racional: - Conceito de um número racional; - Representação fracionária; - Conceito de freqüência equivalente; - Comparação de frações de mesmo denominador ou de mesmo numerador; - Adição e subtração de frações; - Transformações de frações; - Representação decimal, de um número racional; - Comparação de números racionais na forma decimal. Medidas: - Noções de medida; - Medida de comprimento com unidade não padronizada e padronizada; - Medidas de massas, capacidade. Geometria: - Sólidos geométricos; - Noções de polígonos e classificação; - Curvas e segmentos de reta; - O ângulo reto, noções; - Classificação do triângulo; - Classificação do quadrado; - Identificação de prismas e pirâmides. Expressão numérica: - Sistema monetário(ampliação); - Tabelas e gráficos; - Números romanos. Matemática 4ª Série - Histórias dos números; - Leitura, escrita e ordenação dos números naturais. Sistema de numeração decimal: - Classe das unidades, dos milhões e dos bilhões; - Terminologia, expressões numéricas; - Valor aproximado; - Números primos; - Números racionais, leitura e escrita; - Números decimais, leitura e escrita. 19

20 História 4º Ano História 4ª Série SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Operações com números naturais: - Utilização em diferentes situações problemas - Adição, subtração, multiplicação e divisão de números decimais. Números racionais: - Representação, leitura, comparação, ampliação, simplificação; - Cálculo do MC, máximo divisor comum. Medidas: - Conceito de área de superfície; - O metro quadrado; - Área do retângulo, triângulos e trapézios; - Problemas envolvendo áreas e perímetros. Geometria: - Retos, paralelos e perpendiculares; - Quadriláteros e polígonos: - Conceitos de áreas e medidas de comprimento. Porcentagem: - As operações; - Situações Problemas. A construção do espaço social: trabalho com documentos históricos; - História do grupo familiar do aluno, local e origem; - História do município (distrito de Sumaré) identificação do movimento imigratório; - Descobrimento do Brasil; - Comunidade indígena; - Organização de grupos sociais e étnicos (Tiradentes); - Condições do trabalho assalariado, desemprego; - Luta dos grupos étnico Preconceito racial; - Costumes mantido como tradição (folclore); - Os serviço públicos Formas de governo; - Construção de síntese históricos (Independência do Brasil); - Valorização dos símbolos nacionais. A construção do espaço social, movimentos de população: - Todos têm uma história; - História do aluno; - Estudo das famílias dos alunos; - Origem; - Época da chegada na localidade; - Lembranças das famílias (costumes mantidos comida, religião, etnia, nacionalidade, etc.). 20

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO EE PROF.ª MARIA IGNÊS ARAÚJO PAULA SANTOS" PLANO DE GESTÃO QUADRIÊNIO 2014/2018 1. Identificação e Caracterização da Escola 1.1 - Identificação EE Profª. Maria Ignês Araújo

Leia mais

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CONSELHO MUNICIPAL Conselho Municipal de Educação de Praia Grande DELIBERAÇÃO Nº 02/2001 Normas regimentais básicas para as Escolas de Educação Infantil. NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS ESTADUAIS

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS ESTADUAIS NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS ESTADUAIS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Capítulo I Da Caracterização Artigo 1º - As escolas mantidas pelo Poder Público Estadual e administradas pela

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO Organização Administrativa e Técnica TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA CAPÍTULO I DA ESTRUTURA FUNCIONAL Art. 7º A organização administrativa e técnica da

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

:: Organização Pedagógica ::

:: Organização Pedagógica :: 1. DA GESTÃO DA ESCOLA :: Organização Pedagógica :: A gestão da escola é desenvolvida de modo coletivo com a participação de todos os segmentos nas decisões e encaminhamentos, oportunizando alternância

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos.

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos. SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO III- A PORTARIA E/SAPP Nº 48/2004: ASPECTOS CENTRAIS Uma concepção de avaliação Os artigos 1º e 2º da Portaria E/SAPP 48/04 destacam a concepção de avaliação que fundamenta

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, DOS OBJETIVOS, DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. CAPÍTULO I Da Caracterização

TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, DOS OBJETIVOS, DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. CAPÍTULO I Da Caracterização TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, DOS OBJETIVOS, DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CAPÍTULO I Da Caracterização Art. 1º As Escolas Municipais de Educação Infantil mantidas

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 98/2012. NAEP. Dispõe sobre a criação do Núcleo de Atendimento Especializado da Rede Municipal de Ensino de Palhoça. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PALHOÇA, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

APASE. SUPERVISOR DE ENSINO: Agente fundamental para o desenvolvimento educacional paulista. Profª Maria Tereza Cunha SESSÃO DE ESTUDOS 17/06/2011

APASE. SUPERVISOR DE ENSINO: Agente fundamental para o desenvolvimento educacional paulista. Profª Maria Tereza Cunha SESSÃO DE ESTUDOS 17/06/2011 APASE SESSÃO DE ESTUDOS 17/06/2011 SUPERVISOR DE ENSINO: Agente fundamental para o desenvolvimento educacional paulista Profª Maria Tereza Cunha Um pouco da história da supervisão paulista O SUPERVISOR

Leia mais

CONTEÚDOS AVALIATIVOS VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO ENSINO FUNDAMENTAL (ANOS INICIAIS) Período: 15 a 19 de Abril

CONTEÚDOS AVALIATIVOS VERIFICAÇÃO DE APRENDIZAGEM NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO ENSINO FUNDAMENTAL (ANOS INICIAIS) Período: 15 a 19 de Abril 1º ANO A SÉRIES / TURMAS COMPONENTES CURRICULARES Ponto e Linha Tipos de linha Formas Geométricas Destino do Lixo Água Utilidades Poluição Habilidades motoras Costumes religiosos Objetos religiosos da

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RUA 06 Nº 3265 ALTO DO SANTANA CEP:13504-188 - RIO CLARO - SÃO PAULO

CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO RUA 06 Nº 3265 ALTO DO SANTANA CEP:13504-188 - RIO CLARO - SÃO PAULO 1 DELIBERAÇÃO COMERC Nº001 DE 12 DE maio DE 2011 Fixa Normas Regimentais Básicas para as Escolas do Sistema Municipal de Ensino de Rio Claro. TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Dispõe sobre a regulamentação e o funcionamento do Sistema de Organização Modular de Ensino SOME, no âmbito da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e dá outras Providências. Lei: A

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

PARECER CME/THE Nº078/2010

PARECER CME/THE Nº078/2010 PARECER CME/THE Nº078/2010 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA Rua Lizandro Nogueira, 1536 - Centro. Telefone: (0xx86)3215-7639 CEP: 64.000-200 - Teresina - Piauí E-Mail: cmethe2009@hotmail.com

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 6º ANO "... A minha contribuição

Leia mais

Instruções para Construção dos Sites das Escolas Públicas Estaduais do Paraná

Instruções para Construção dos Sites das Escolas Públicas Estaduais do Paraná SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED Instruções para Construção dos Sites das Escolas Públicas Estaduais do Paraná MARÇO/2008 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ Roberto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 183, de 19 de novembro de 2013. Estabelece diretrizes operacionais para a. Art. 2º A avaliação do processo ensinoaprendizagem

RESOLUÇÃO Nº 183, de 19 de novembro de 2013. Estabelece diretrizes operacionais para a. Art. 2º A avaliação do processo ensinoaprendizagem RESOLUÇÃO Nº 183, de 19 de novembro de 2013. Estabelece diretrizes operacionais para a avaliação do processo ensino-aprendizagem nos estabelecimentos de ensino de Educação Básica e Profissional Técnica

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE OSASCO. UNIDADES 1 e 2 -

REGIMENTO ESCOLAR ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE OSASCO. UNIDADES 1 e 2 - REGIMENTO ESCOLAR ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE OSASCO UNIDADES 1 e 2-1 Regimento Escolar Escolas de Educação Básica Da Fundação Instituto Tecnológico de Osasco - Unidades

Leia mais

ANEXO II. ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS (Observada a Lei nº 1.694/2013)

ANEXO II. ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS (Observada a Lei nº 1.694/2013) ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS (Observada a Lei nº 1.694/2013) 1. PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA - ÁREA RURAL 1. Exercer a docência na educação básica, em unidade escolar localizada nos engenhos e/ou zona

Leia mais

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar?

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar? O Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar CDCE tem amparo legal? Sim. A Lei 7.040/98 que estabeleceu a gestão democrática no Sistema de Ensino, instituiu o CDCE, na forma, composição e outros providências

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

1/5. Parecer CME/THE Nº017/2007

1/5. Parecer CME/THE Nº017/2007 PARECER CME/THE Nº. 017/2007 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA Rua Lizandro Nogueira, 1536 - Centro. Telefone: (0xx86)3215-7639 CEP.: 64.000-200 - Teresina - Piauí E-Mail: semec.cme@teresina.pi.gov.br

Leia mais

2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Professoras regentes: Ana Paula, Kellen, Maristela e Waléria

2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Professoras regentes: Ana Paula, Kellen, Maristela e Waléria COLÉGIO NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO IRMÃS DOMINICANAS Curitiba, 15 de março de 2012. Senhores pais ou responsáveis, Enviamos-lhes o cronograma do que vai ser trabalhado nesta 1ª Etapa no 2º ano. O cronograma

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO E.E. PROFª ALICE MADEIRA JOÃO FRANCISCO SANTA EUDÓXIA-DISTRITO DE SÃO CARLOS RUA

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03

TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03 SUMÁRIO TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03 Seção I - Da Direção...03 Subseção I - Do Diretor Geral...04 Subseção II - Da

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO I PORTUGUÊS: Compreensão e interpretação de texto. Ortografia: divisão silábica, pontuação, hífen, sinônimo, acentuação gráfica, crase. Morfologia: classes de

Leia mais

Guia do aluno Informações Básicas

Guia do aluno Informações Básicas Guia do aluno Informações Básicas Pensando no processo de aproximação entre você e as tecnologias digitais que assegurarão um bom desempenho, criamos este guia com dicas para que você saiba como começar

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE ESTUDANTES CANDIDATOS/AS DO INFANTIL II AO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - PROCESSO DE ADMISSÃO PARA 2014

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE ESTUDANTES CANDIDATOS/AS DO INFANTIL II AO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - PROCESSO DE ADMISSÃO PARA 2014 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE ESTUDANTES CANDIDATOS/AS DO INFANTIL II AO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - PROCESSO DE ADMISSÃO PARA 2014 O Diretor Geral do Colégio Diocesano Infantil, no uso de suas atribuições

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA.

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA COORDENAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Passo Fundo Secretaria Municipal de Educação

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Passo Fundo Secretaria Municipal de Educação PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL REGIMENTO ESCOLAR PASSO FUNDO, 2006. IDENTIFICAÇÃO Cidade: Passo Fundo SUMÁRIO I Filosofia do Estabelecimento...04

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

Anexos 2014 ao plano de Gestão Escolar do quadriênio 2011/2014

Anexos 2014 ao plano de Gestão Escolar do quadriênio 2011/2014 1 Aneos 2014 ao plano de Gestão Escolar do quadriênio 2011/2014 1) Documentos relativos à avaliação e desempenho escolar, quais sejam: 1.1) Boletins completos da série histórica no IDESP (cópias) e análise

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM Coerência do sistema de avaliação Os instrumentos de avaliação, como provas, trabalhos, resolução de problemas, de casos, além das manifestações espontâneas

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

PROCESSO SELETIVO N 001/2014 CONTRATAÇÃO DE JOVENS APRENDIZES

PROCESSO SELETIVO N 001/2014 CONTRATAÇÃO DE JOVENS APRENDIZES PROCESSO SELETIVO N 001/2014 CONTRATAÇÃO DE JOVENS APRENDIZES O Diretor Presidente da COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO CODEPAS, no uso de suas atribuições legais, e conforme determina o art.

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais