TÍTULO: PREVALÊNCIA DE ANEMIA ENTRE AS GESTANTES ATENDIDAS NO HOSPITAL ELECTRO BONINI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: PREVALÊNCIA DE ANEMIA ENTRE AS GESTANTES ATENDIDAS NO HOSPITAL ELECTRO BONINI"

Transcrição

1 TÍTULO: PREVALÊNCIA DE ANEMIA ENTRE AS GESTANTES ATENDIDAS NO HOSPITAL ELECTRO BONINI CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): JÚLIA GOMES DE OLIVEIRA ORIENTADOR(ES): FLORA CRISTINA LOBO PIANTINO COLABORADOR(ES): BEATRIZ TINOCO FRANCESCHI

2 1 1 RESUMO A anemia é uma doença caracterizada pela diminuição da hemoglobina circulante e, como consequência, leva a diminuição da oxigenação tecidual. É comum o desenvolvimento de anemia durante a gestação. Neste período a mulher tem um aumento da demanda de sangue para suprir as necessidades do feto. O aumento da demanda de ferro, quando não é suprida pela alimentação, leva a diminuição na síntese de hemoglobina causando a anemia ferropriva, que é o tipo de anemia mais comumente encontrado entre as gestantes. O presente estudo tem como objetivo levantar a prevalência de anemia entre as gestantes atendidas no Hospital Electro Bonini por meio da observação do eritrograma e identificar a deficiência de ferro por meio da dosagem da ferritina. Estudos como o presente, que propõem levantar a ocorrência de casos de anemia em uma determinada população, são importantes para o conhecimento da dimensão da doença e para a montagem de estratégias que minimizem a sua ocorrência e os seus efeitos. 2 INTRODUÇÃO A anemia é uma condição patológica adquirida quando os níveis de hemoglobina estão abaixo do valor de referência estabelecido, isso leva a diminuição da oxigenação tecidual e pode acontecer devido a vários mecanismos diferentes como, perda de sangue, hemólise, produção ineficiente de hemácias entre outros. (LEÃO. et al ). No Brasil, as anemias mais comuns são as anemias carências. (ALMEIDA,2006) Atualmente no Brasil, há um défice de estudos que estima a prevalência de anemias em gestantes, portanto estima-se que 40% das gestantes em diversas regiões do país são portadoras de anemia (ALMEIDA,2006.). No período gestacional é a deficiência mais prevalente, sendo considerada um problema de saúde pública. Essa anemia pode acarretar problemas para o binômio "mãe - filho", particularmente prematuridade e baixo peso ao nascer. Também tem sido referido aumento da mortalidade materna por complicações obstétricas, aumento da mortalidade perinatal, e recém-nascidos com baixos estoques de ferro (ELERT, MACHADO, PASTORE,2013.)

3 2 O estudo para levantar a prevalência de anemias em gestantes tem grande importância uma vez que é possível prevenir complicações tanto para o feto quanto para a mãe e garantir uma gestação saudável. Quando diagnosticada rapidamente, as medidas de controle desta anemia como suplementação e alimentação são mais eficazes. (FUJIMORI et. all ). 3 OBJETIVOS 3.1 OBJETIVO GERAL Fazer o levantamento da prevalência de anemia entre as gestantes atendidas no Hospital Electro Bonini. 3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Identificar e classificar morfologicamente a anemia por meio da observação do eritrograma da gestante. Caracterizar a deficiência de ferro por meio da dosagem de ferritina das gestantes que apresentaram anemia microcítica. Estimar a prevalência de anemia megaloblástica entre as gestantes que apresentaram anemia macrocítica. Associar os hábitos alimentares e o uso de suplementação com o desenvolvimento da anemia. 4 METODOLOGIA 4.1 APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIO Cerca de 25 gestantes realizam o hemograma completo mensalmente Hospital Electro Bonini. Foram abordadas 65 gestantes para a obtenção do termo de consentimento livre e esclarecido e para a aplicação do questionário contendo

4 3 informações sobre hábitos alimentares, suplementação alimentar, idade, realização do pré-natal. Todas as gestantes abordadas aceitaram participar da pesquisa. 4.2 EXAMES LABORATORIAIS Todas as análises laboratoriais serão realizadas no Hospital Electro Bonini pelos colaboradores do LAC-CCF-UNAERP. 5 DESENVOLVIMENTO 5.1 ANEMIAS Um dos principais constituintes do sangue são as hemácias, também conhecidas como glóbulos vermelhos ou eritrócitos. As hemácias estão repletas de moléculas de hemoglobina que por sua vez é a proteína encarregada de transportar oxigênio para os tecidos. A hemoglobina possui o ferro na sua estrutura, responsável pela ligação com o oxigênio. (ALMEIDA, 2006.) A anemia é uma condição patológica adquirida quando os níveis de hemoglobina estão abaixo do valor de referência estabelecido, isso leva a diminuição da oxigenação tecidual e pode acontecer devido a vários mecanismos diferentes como, perda de sangue, hemólise, produção ineficiente de hemácias entre outros. (LEÃO. et al ). No Brasil, as anemias mais comuns são as anemias carências. (ALMEIDA,2006) 5.2 ANEMIA FERROPRIVA A anemia por carência de ferro normalmente manifesta-se de forma gradual, por etapas. Os sintomas aparecem nas fases mais avançadas. A perda de ferro excede o ingerido, desgastando as reservas e diminuindo de forma progressiva a ferritina. Desta forma, a demanda de ferro para a produção de hemácias não é atendida o que leva a diminuição da hematimetria. (CÔRTES, VASCONCELOS, COITINHO, 2009). 5.3 ANEMIA GESTACIONAL

5 4 A anemia que ocorre durante a gravidez, especialmente no segundo e terceiro trimestres de gestação, é um fato fisiológico normal, devido ao aumento do volume de líquido no corpo, que dilui o sangue. No entanto, a baixa de hemácias, que transportam o oxigênio, pode ser perigosa tanto para a mãe como para o bebê e por isso deve ser corrigida rapidamente 6 RESULTADOS PRELIMINARES No período de 21/05/2015 a 31/08/2015 foram abordadas 65 gestantes que concordaram em participar do estudo. A idade variou de 18 a 41 anos. De acordo com a análise dos eritrogramas 15,3% (10) apresentaram anemia, sendo que 20% (2) das anemias encontradas foram classificadas como microcíticas e hipocrômicas. 7 FONTES CONSULTADAS ALMEIDA, Juliana Lauredo Valle. Prevalência de Anemia Ferropriva Associada a Fatores de Risco em Pré-Escolares da Creche Cantinho do Fiorello no Município de Natividade RJ Itaperuna, RJ Artigo apresentado à Faculdade Redentor para obtenção do título de Bacharel em Ciências Biológicas, Itaperuna, RJ CORTÊS, Mariana Helcias. VASCONCELOS, Ivana Aragão Lira. COITINHO, Denise Costa. Prevalência de anemia ferropriva em gestantes brasileiras: uma revisão dos últimos 40 anos. Rev. Nutr. vol.22 no.3 Campinas, ELERT, Vanessa Winkel. MACHADO, Adriana Kramer Fiala. PASTORE, Carla Alberici. Anemia gestacional: prevalência e aspectos nutricionais relacionados em parturientes de um hospital público do sul do Brasil. Revista Alim. Nutr.= Braz. J. Food Nutr., 24, n. 3, p Araraquara, jul./set

6 5 LETSKY, E. Distúrbios hematológicos. In Complicações Médicas na Gestação /William M. Barron e Marshall D. Lindheimer; Tradução Walkiria M.F.Settineri 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, LEÃO et al. Pediatria Ambulatorial. Belo Horizonte. Editora: COOPMED,2005. SANTOS, Paulo Caleb Júnior de Lima. Hematologia clínica: métodos e interpretação. São Paulo: Roca, 2012.

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO INTERVALO DE REFERÊNCIA DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DO HEMOGRAMA PARA HOMENS ADULTOS ATENDIDOS NO LAC-CCF-UNAERP

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO INTERVALO DE REFERÊNCIA DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DO HEMOGRAMA PARA HOMENS ADULTOS ATENDIDOS NO LAC-CCF-UNAERP TÍTULO: DETERMINAÇÃO DO INTERVALO DE REFERÊNCIA DOS PRINCIPAIS PARÂMETROS DO HEMOGRAMA PARA HOMENS ADULTOS ATENDIDOS NO LAC-CCF-UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE Introdução O ferro é um nutriente mineral encontrado em alimentos de origem vegetal e animal, e de grande importância para a saúde por seu papel como constituinte

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM GESTANTES NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL

EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM GESTANTES NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL EDUCAÇÃO EM SAÚDE COM GESTANTES NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL Thaís Vanessa Bugs 1 Camila Abatti Denise de Fátima Hoffmann Rigo Sebastião Caldeira RESUMO - Introdução: Tratando-se de Redes de Atenção à Saúde

Leia mais

II SEMINÁRIO SOBRE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE

II SEMINÁRIO SOBRE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE II SEMINÁRIO SOBRE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE ASSISTÊNCIA OBSTETRÍCA: ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL E AO PARTO ULTRA-SONOGRAFIA E O MONITORAMENTO DO PARTO JACOB ARKADER EXPECTATIVA DE VIDA Mulheres 71,97 64,33

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA Andréa Ott 1, Arléia Maria Gassen 1, Catiana de Moura Morcelli 1, Elisângela Maria Politowski 1, Débora Krolikowski 2 Palavras-chave: nutrição humana, criança, saúde. INTRODUÇÃO

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Raquel Lino de Menezes 8, Francielda Geremias da Costa Luz¹, Maycon Allison Horácio de

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE I Código: ENF 214

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Xarope Embalagem contendo 100 ml com copo medida graduado.

Forma farmacêutica e apresentação Xarope Embalagem contendo 100 ml com copo medida graduado. Ultrafer ferro polimaltosado Forma farmacêutica e apresentação Xarope Embalagem contendo 100 ml com copo medida graduado. USO ADULTO E PEDIÁTRICO VIA ORAL Composição Cada ml de xarope contém: ferro polimaltosado...

Leia mais

Diagnóstico Diferencial Das Anemias

Diagnóstico Diferencial Das Anemias 2014 2 de Maio 6ª feira Diagnóstico Diferencial Das Anemias Sessão Televoter António Pedro Machado Manuel Ferreira Gomes Tolerabilidade Anemia Bem tolerada Mal tolerada Anemia crónica Anemia aguda Crónica

Leia mais

Associação entre cárie de estabelecimento precoce severa e deficiência sistêmica de ferro em crianças de 24 a 36 meses.

Associação entre cárie de estabelecimento precoce severa e deficiência sistêmica de ferro em crianças de 24 a 36 meses. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Associação entre cárie de estabelecimento precoce severa e deficiência sistêmica de ferro em crianças de 24 a 36 meses. CECILIA

Leia mais

Graduada em Nutrição pela UFPE Especializanda em Saúde Coletiva e Sociedade do IBPEX/FACINTER walmafra@oi.com.br

Graduada em Nutrição pela UFPE Especializanda em Saúde Coletiva e Sociedade do IBPEX/FACINTER walmafra@oi.com.br MORTALIDADE MATERNA POR PRÉ-ECLAMPSIA/ECLAMPSIA: RECIFE, 1998 A 2006. Waléria Solange Mafra Santana Leite 1 ; Maria de Fátima Fernandes Alves 2 ; Sormani Soares de Souza 3 Introdução: A classificação Internacional

Leia mais

Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro. Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica

Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro. Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica Suplementação de Micronutrientes: Vitamina A Ferro Paula Regina Lemos de Almeida Campos Nutrição e Saúde Publica A anemia ferropriva representa, provavelmente, o problema nutricional mais importante da

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Flávia Teixeira Germano, Universidade Potiguar, flavinhabebezao@hotmail.com Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar,

Leia mais

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal?

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? XI Encontro Nacional de Aleitamento Materno 2010/Santos - SP Sonia Venancio PqC VI - Instituto de Saúde/SES/SP soniav@isaude.sp.gov.br Polêmica A

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

CORRELAÇÕES ENTRE AS CONDIÇÕES DE NASCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS NOS DOIS PRIMEIROS MESES DE VIDA RESUMO

CORRELAÇÕES ENTRE AS CONDIÇÕES DE NASCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS NOS DOIS PRIMEIROS MESES DE VIDA RESUMO CORRELAÇÕES ENTRE AS CONDIÇÕES DE NASCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS NOS DOIS PRIMEIROS MESES DE VIDA Taís Chiodelli¹; Veronica Aparecida Pereira 2 ; Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues 3, Carla

Leia mais

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER ISBN 978-85-61091-05-7 EPCC VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL

Leia mais

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o:

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o: HEMATOLOGIA DRª ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ERITROPOIESE Fenômeno com diversas fases, onde ocorre: Síntese de DNA Mitose Síntese de hemoglobina com incorporação de Fe Perda do núcleo e organelas Produto final:

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Metabolismo do Ferro e Anemias Monitores:

Leia mais

Solução oral Caixa com 50 frascos frascos com 30 ml de solução oral na concentração de 25 mg/ml de ferro elementar

Solução oral Caixa com 50 frascos frascos com 30 ml de solução oral na concentração de 25 mg/ml de ferro elementar FURP-SULFATO FERROSO 25 mg Fe++/ml Gotas PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FURP-SULFATO FERROSO sulfato ferroso FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral Caixa com 50 frascos frascos com 30 ml

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição RESUMO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Título do Trabalho: Aspectos nutricionais de mulheres submetidas à cirurgia bariátrica relacionados ao período gestacional

Leia mais

Tema: Anemias na Infância

Tema: Anemias na Infância ANEMIAS NA INFÂNCIA Tema: Anemias na Infância Objetivos Conceituar e classificar as anemias da infância Correlacionar o aparecimento das sindromes anêmicas com as fases da infância e adolescência Identificar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE STRABOURG

UNIVERSIDADE DE STRABOURG UNIVERSIDADE DE STRABOURG URP/SCLS Unidade de pesquisa em psicologia: Subjetividade, cognição e laço social EA 2071 Dir. Pr. S. LESOURD Faculdade de Psicologia 12, rue Goethe 67000, Strasbourg França Claude

Leia mais

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a),

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a), Ofício XXXXXX n 23/ 2012. Salvador, 05 de janeiro de 2012. Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX Prezado (a) Senhor ( a), Cumpre-nos informar que os óbitos infantis de residência

Leia mais

ANÁLISE DA CAPTAÇÃO PRECOCE E ACOMPANHAMENTO DAS GESTANTES PARA O PROGRAMA DE PRÉ-NATAL NO MUNICÍPIO DE PALOTINA PR

ANÁLISE DA CAPTAÇÃO PRECOCE E ACOMPANHAMENTO DAS GESTANTES PARA O PROGRAMA DE PRÉ-NATAL NO MUNICÍPIO DE PALOTINA PR ANÁLISE DA CAPTAÇÃO PRECOCE E ACOMPANHAMENTO DAS GESTANTES PARA O PROGRAMA DE PRÉ-NATAL NO MUNICÍPIO DE PALOTINA PR Caren Salvi 1 Darhtila Patrícia Zanon Jéssica Pricila Zanon RESUMO A Estratégia Saúde

Leia mais

TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE DE LINS SP

TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE DE LINS SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI TÍTULO: REAVALIAÇÃO DOS RESULTADOS APÓS UM ANO DO TÉRMINO DO PROTOCOLO DE FISIOTERAPIA PÉLVICA EM MULHERES COM INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO E INCONTINÊNCIA URINÁRIA MISTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

1. Assistência à Saúde da Criança e do Adolescente

1. Assistência à Saúde da Criança e do Adolescente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS www.ufvjm.edu.br PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR SUBSTITUTO DEPARTAMENTO: Enfermagem

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO

RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO RELAÇÃO ENTRE OS DESVIOS DE CRESCIMENTO FETAL/NEONATAL E ALTERAÇÕES MACROSCÓPICAS PLACENTÁRIAS NA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO Resultados Preliminares Wilzianne Silva RAMALHO, Ana Karina Marques SALGE, Raphaela

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

TALASSEMIAS: UMA ANÁLISE AMPLA E CORRELAÇÕES CLÍNICAS

TALASSEMIAS: UMA ANÁLISE AMPLA E CORRELAÇÕES CLÍNICAS TALASSEMIAS: UMA ANÁLISE AMPLA E CORRELAÇÕES CLÍNICAS Antonio Jose Dias Martins, Rassan Dyego Romão Silva e Bruna Rezende Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil antoniojdm35@hotmail.coml

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA ACOMPANHAMENTO DO USO DE SULFATO FERROSO DISPENSADOS AOS USUÁRIOS DA USF DA 603 NORTE EM PALMAS/TO VIDAL GONZALEZ MATEOS JÚNIOR INTRODUÇÃO O Sistema

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura

Mostra de Projetos 2011. Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra de Projetos 2011 Projeto de elaboração de meios para a integração da assistência à gestação, parto, puerpério e puericultura Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais

AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA GONÇALVES, RAFAEL MONTEIRO BORGES, VANESSA FURTADO REIS

AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA GONÇALVES, RAFAEL MONTEIRO BORGES, VANESSA FURTADO REIS TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA DE CUIDADORES DE IDOSOS COM DEMÊNCIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA

Leia mais

Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física

Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física Concelho Nome do projeto Identificação da instituição promotora Equipa de trabalho/ dinamizadora Parceiros Enquadramento/

Leia mais

SULFERBEL (SULFATO FERROSO)

SULFERBEL (SULFATO FERROSO) SULFERBEL (SULFATO FERROSO) BELFAR LTDA. Xarope 25mg/mL Solução oral 125mg/mL Comprimido 40mg e 50mg SULFERBEL Sulfato ferroso APRESENTAÇÕES Xarope: frasco com 100mL. Solução oral: frasco gotejador com

Leia mais

NORIPURUM. Takeda Pharma Ltda. Xarope. 10 mg/ml. Página 7 de 24

NORIPURUM. Takeda Pharma Ltda. Xarope. 10 mg/ml. Página 7 de 24 NORIPURUM Takeda Pharma Ltda. Xarope 10 mg/ml Página 7 de 24 APRESENTAÇÕES Xarope 10 mg/ml. Frasco de 120 ml com copo graduado. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml do xarope contém: ferro

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE PROJETO DE LEI N2 1 6 21 /2011

CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE PROJETO DE LEI N2 1 6 21 /2011 yl 162iR 1 CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE PROJETO DE LEI N2 1 6 21 /2011 Institui o Dia de Conscientização da Cardiopatia Congênita. A Câmara Municipal de Belo Horizonte decreta: Art. 1 2 - Fica instituído

Leia mais

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino

Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Poluição Ambiental e Saúde Infantil: a Vulnerabilidade do período Intra-Uterino Nelson Gouveia Depto. de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo EVIDÊNCIAS DE EFEITOS DA POLUIÇÃO

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 1. (FUVEST) A cor dos pelos nas cobaias é condicionada por uma série de alelos múltiplos com a seguinte escala de dominância: C (preta) > C 1 (marrom)

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 PROVA TIPO C C / NN - NEONATOLOGIA 1 2 CONCURSO 2012 PARA RESIDÊNCIA MÉDICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

Anemia Ferropriva. ² Acadêmico de biomedicina. Fundação Educacional de Fernandópolis

Anemia Ferropriva. ² Acadêmico de biomedicina. Fundação Educacional de Fernandópolis Anemia Ferropriva Kellen Patrícia Santos Mariano¹; Renan Fava Marson²; Tamires Carrafa Ramos¹; Lais Anahí de Paula Souza³; Vivian do Carmo Langiano ¹ Acadêmica de biomedicina. Faculdades Integradas de

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

AIDPI PARA O ENSINO MÉDICO

AIDPI PARA O ENSINO MÉDICO Atenção Integrada às Doencas Prevalentes na Infância - AIDPI AIDPI PARA O ENSINO MÉDICO Colaboradores: Antonio José Ledo Alves da Cunha Eduardo Jorge da Fonseca Lima Maria Anice S. Fontenele e Silva Maria

Leia mais

Hipotireoidismo. O que é Tireóide?

Hipotireoidismo. O que é Tireóide? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hipotireoidismo O que é Tireóide? É uma glândula localizada na parte anterior do pescoço, bem abaixo

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO DE DOULAS 2011

CURSO DE CAPACITAÇÃO DE DOULAS 2011 CURSO DE CAPACITAÇÃO DE DOULAS 2011 Objetivos Capacitar mulheres de diversas formações / profissões para atuarem como doulas autônomas em partos domiciliares e hospitalares. Contribuir para uma assistência

Leia mais

Alexandre O. Chieppe

Alexandre O. Chieppe Transmissão Vertical da Sífilis S e do HIV Alexandre O. Chieppe Coordenação Estadual de DST/AIDS-CVE Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro Câmara Técnica de AIDS do CREMERJ Do Início da Epidemia

Leia mais

cartilha de reaplicação da tecnologia social

cartilha de reaplicação da tecnologia social cartilha de reaplicação da tecnologia social índice o que é a Tecnologia Social Hb?... pág 02 por que combater a anemia?... pág 04 questões chave para a implementação... pág 05 recursos necessários...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: Bacharelado em Nutrição DEPARTAMENTO: Nutrição em Saúde

Leia mais

TÍTULO: SCREENING PARA GLICOGÊNIO MUSCULAR EM AMOSTRA DE CARNES EM ARMAZENAMENTO FRIGORÍFICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: SCREENING PARA GLICOGÊNIO MUSCULAR EM AMOSTRA DE CARNES EM ARMAZENAMENTO FRIGORÍFICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: SCREENING PARA GLICOGÊNIO MUSCULAR EM AMOSTRA DE CARNES EM ARMAZENAMENTO FRIGORÍFICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE)

MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE) MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO HOSPITAL DAS CLÍNICAS Qualificação Profissional em Hematologia e Imunohematologia CURSO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

Leia mais

A hipertensão nas gestantes é a causa de mais de 90% dos partos prematuros não

A hipertensão nas gestantes é a causa de mais de 90% dos partos prematuros não Hipertensão é a maior causa de partos prematuros não espontâneos. Pesquisa orientada pelo Caism da Unicamp envolveu 20 hospitais no Brasil. Mães contam experiência em partos prematuros e seus bebês em

Leia mais

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal SÍFILIS

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal SÍFILIS A sífilis é uma infecção transmitida sexualmente que pode atingir a grávida e o feto em qualquer altura da gestação. No adulto, não tratada, evolui de sífilis primária para secundária e terciária. No feto

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 A SAÚDE PÚBLICA NA CIDADE DE SÃO PAULO 1º Fórum Nossa São Paulo Propostas para uma Cidade Justa e Sustentável Januario Montone Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 Visão Geral de São Paulo Área:

Leia mais

Fabiana de Oliveira Rêgo 1

Fabiana de Oliveira Rêgo 1 PREVALÊNCIA DE ANEMIA FERROPÊNICA EM GESTANTES ATENDIDAS NO PERÍODO DE AGOSTO DE 2004 A JULHO DE 2005 NA CASA DE PARTO DAVID CAPISTRANO FILHO, LOCALIZADA EM REALENGO, RIO DE JANEIRO, RJ: A IMPORTÂNCIA

Leia mais

VIDAS EM PERIGO: MALÁRIA DURANTE A GRAVIDEZ

VIDAS EM PERIGO: MALÁRIA DURANTE A GRAVIDEZ VIDAS EM PERIGO: MALÁRIA DURANTE A GRAVIDEZ Em qualquer lugar onde existe malária, mulheres grávidas estão em perigo. As áreas com tonalidade mais forte no mapa, indicam zonas de maior prevalência da malária

Leia mais

UROVIT (cloridrato de fenazopiridina)

UROVIT (cloridrato de fenazopiridina) UROVIT (cloridrato de fenazopiridina) União Química Farmacêutica Nacional S.A 100 mg e 200 mg UROVIT cloridrato de fenazopiridina IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES 100 mg: embalagem

Leia mais

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE Apresentar os resultados da elaboração do modelo lógico para uma política de saúde. Trata-se da iniciativa

Leia mais

Antes da hora. Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos

Antes da hora. Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos 18 fevereiro DE 2015 capa Antes da hora Cesarianas desnecessárias contribuem para o nascimento de bebês imaturos Alice Giraldi e Ricardo Zorzetto ilustração mariana zanetti No início de janeiro o Ministério

Leia mais

MORBIMORTALIDADE POR NEOPLASIAS MALIGNAS DA MAMA EM MULHERES NA TERCEIRA IDADE

MORBIMORTALIDADE POR NEOPLASIAS MALIGNAS DA MAMA EM MULHERES NA TERCEIRA IDADE MORBIMORTALIDADE POR NEOPLASIAS MALIGNAS DA MAMA EM MULHERES NA TERCEIRA IDADE Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz; Juliana Meira de Vasconcelos Xavier Universidade Federal de Campina Grande-PB E-mail:

Leia mais

A CONDUTA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO COM DIAGNÓSTICO DE DISTROFIA TORÁCICA ASFIXIANTE (SÍNDROME DE JEUNE)

A CONDUTA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO COM DIAGNÓSTICO DE DISTROFIA TORÁCICA ASFIXIANTE (SÍNDROME DE JEUNE) A CONDUTA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO COM DIAGNÓSTICO DE DISTROFIA TORÁCICA ASFIXIANTE (SÍNDROME DE JEUNE) Fabrício Martins Machado Carrijo (fmartinsmachadocarrijo@gmail.com); Mônica de Oliveira

Leia mais

Anemia Falciforme Atenção Especial. Revisado pelo Prof. Dr. Rodolfo Delfino Cançado

Anemia Falciforme Atenção Especial. Revisado pelo Prof. Dr. Rodolfo Delfino Cançado Anemia Falciforme Atenção Especial Revisado pelo Prof. Dr. Rodolfo Delfino Cançado Anemia Falciforme Anemia Falciforme é uma das enfermidades hereditárias mais comuns no Brasil e no mundo. Caracteriza-se

Leia mais

O USO DE MEDICAÇÃO ANTI-HIPERTENSIVA NA GESTAÇÃO

O USO DE MEDICAÇÃO ANTI-HIPERTENSIVA NA GESTAÇÃO O USO DE MEDICAÇÃO ANTI-HIPERTENSIVA NA GESTAÇÃO LUSTOSA, L. S 1 ; MOREIRA, A. S 2 ; ABRANTES, M 3 ; FALCÃO, K. P. M 4 1 Bacharelando em Fisioterapia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB,

Leia mais

Interlocução da Proteção Social com a Rede de Atendimento Margareth Maria Souza Oliveira Costa Desconhecimento Discriminação - Negligência

Interlocução da Proteção Social com a Rede de Atendimento Margareth Maria Souza Oliveira Costa Desconhecimento Discriminação - Negligência Interlocução da Proteção Social com a Rede de Atendimento Margareth Maria Souza Oliveira Costa Desconhecimento Discriminação - Negligência Introdução A inquietação sobre as questões que envolvem a Doença

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Histologia e Genética

Histologia e Genética Histologia e Genética Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo Sistema ABO Sistema RH Sistema MN Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo O sangue é o sistema de transporte interno de todos os vertebrados e de vários

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP Tema Citológico : Diagnóstico laboratorial diferencial entre anemia

Leia mais