Aplicação de Técnicas e Conceitos no Ensino de Engenharia de Software na Faculdade Lourenço Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicação de Técnicas e Conceitos no Ensino de Engenharia de Software na Faculdade Lourenço Filho"

Transcrição

1 Aplicação de Técnicas e Conceitos no Ensino de Engenharia de Software na Faculdade Lourenço Filho Emanuel Ferreira Coutinho Instituto UFC Virtual Universidade Federal do Ceará (UFC) Carla Ilane Moreira Bezerra Universidade Federal do Ceará (UFC) Campus Quixadá RESUMO Atualmente, o ensino tradicional de técnicas e conceitos de Engenharia de Software não tem sido muito efetivo no aprendizado, devido à falta de proximidade da teoria repassada com a prática aplicada no desenvolvimento de sistemas. A diversificação de técnicas de ensino traz uma série de benefícios aos alunos, pois estes assimilam melhor os conceitos. Neste contexto, este trabalho apresenta a aplicação de técnicas e conceitos de Engenharia de Software em sala de aula, visando à aproximação da execução das práticas no ensino com a aplicação real no desenvolvimento de software. Também apresenta uma análise dos resultados e feedback dos alunos em relação à execução das técnicas e conceitos. Palavras-chave: Engenharia de Software, conceitos. 1 INTRODUÇÃO Existe um consenso entre os docentes de disciplinas de informática que são necessários trabalhos práticos para que os alunos consigam assimilar o conhecimento transferido (TOMAYKO 1987, SCHNEIDER, 2003 e STEVENS, 2001). Segundo Silva (2004), especificamente na disciplina Engenharia de Software, estes estudos de caso normalmente são realizados de maneira a enfatizar a aprendizagem de aspectos tecnológicos, tais como linguagens de especificação, métodos e ferramentas de apoio. A diversificação de técnicas de ensino traz uma série de benefícios, como melhor assimilação dos conceitos, entendimento através de práticas ou jogos. Vários trabalhos de aplicações de técnicas, ferramentas e conceitos de Engenharia de Software vêm sendo publicados para disseminação da aplicação destas técnicas no ensino. Aguiar (2004) apresenta um modelo de processo de desenvolvimento de software denominado easyprocess, que tem como objetivo auxiliar na gerência do desenvolvimento de aplicações em

2 22 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, 2010 disciplinas da Engenharia de Software na graduação do Departamento de Sistemas e Computação da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Já Soares (2004) descreve a experiência da utilização de trabalhos práticos na disciplina, como discutir vantagens e desvantagens de alternativas para a implantacão de um sistema, listar mitos da Engenharia de Software e explicá-los, descobrir ambiguidades ou omissões de uma especificação de requisitos e construção de diagramas UML em sala de aula a partir de especificações simplificadas. Em Lucena Jr. (2006) é descrita uma metodologia, com suas atividades e procedimentos, voltados ao ensino da disciplina de engenharia de software. Em Andrade (2008), é apresentada uma metodologia de ensino teórico-prática que consiste em incluir, em paralelo ao ensino teórico, o desenvolvimento de um projeto de software. Prikladnicki (2009) apresenta um conjunto de experiências de ensino em Engenharia de Software vivenciadas por quatro instituições de ensino superior no Brasil. Estas experiências foram planejadas e executadas a partir da identificação de desafios importantes, durante o processo de ensino nos últimos anos. Neste contexto, será descrita neste artigo a aplicação de alguns exercícios baseados em conceitos da Engenharia de Software, de uma maneira mais aplicada e integrada, na disciplina de Engenharia de Software. Além disso, será também apresentada uma análise dos resultados e feedback dos alunos em relação à execução das técnicas e conceitos. Este artigo está organizado como a seguir, além desta introdução: na Seção 2 são apresentados conceitos utilizados nas atividades; na Seção 3 são apresentadas práticas e exercícios realizados referente ao ensino da disciplina de Engenharia de Software, do curso de Ciências da Computação de uma faculdade, além de resultados e dificuldades destas práticas; na Seção 4 são descritas as lições aprendidas destas práticas na disciplina e, por fim, são apresentadas as conclusões. 2 CONCEITOS Vários conceitos são utilizados nas dinâmicas e exercícios ao longo do artigo. Alguns deles vieram do Scrum, como os conceitos de sprint e timebox. Outros, como prototipação, são comuns na literatura de Engenharia de Software.

3 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, Segundo Schwaber (2004), timebox é um período de tempo que não pode ser excedido, no qual um evento ou encontro ocorre. Como exemplo, as standup-meetings (Daily Scrum meeting) possuem um timebox de 15 minutos e terminam ao final desses 15 minutos, obrigatoriamente. Um sprint, conforme Schwaber (2004), é um período (timebox) de 30 dias de calendário sequenciais, durante os quais uma equipe trabalha para tornar o product backlog, selecionado para este período, em um potencial produto entregável. Segundo Sommerville (2008), prototipação é uma versão inicial de um sistema de software, que é utilizada para mostrar conceitos, experimentar opções de projeto, e, em geral, para conhecer mais sobre os problemas e suas possíveis soluções. 3 PRÁTICAS REALIZADAS NO ENSINO DA ENGENHARIA DE SOFTWARE Durante a disciplina de Engenharia de Software do curso de Ciências da Computação da Faculdade Lourenço Filho, localizada em Fortaleza, foram realizadas algumas práticas para repasse de conceitos e técnicas de Engenharia de Software. Nas próximas subseções serão apresentadas como essas práticas foram executadas em sala de aula, pelos alunos, com apoio do professor. 3.1 Ilustração de Fases de Ciclo de Vida Logo no início da disciplina de Engenharia de Software, um dos assuntos tratados é o relacionado a fases e modelos de ciclos de vida. De uma maneira geral, segundo Sommerville (2008), o ciclo de vida de um software envolve as seguintes fases: Especificação (funcionalidade do software e as restrições em sua operação devem ser definidas); Desenvolvimento (produção do software de modo que atenda as suas especificações);

4 24 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, 2010 Validação (software deve ser validado para garantir que ele faz o que o cliente deseja); Evolução (software deve evoluir para atender às necessidades mutáveis do cliente). Foi realizado um exercício para ilustrar as fases do ciclo de vida a partir da elaboração de um folder para a propaganda de algum empreendimento. Seus objetivos eram: criar uma sequência de atividades para a construção de um folder, utilizar a sequência de atividades na construção do folder, apresentar a sequência e o folder, e avaliar o resultado. Para isso, os alunos teriam que descrever atividades para especificação, desenvolvimento e validação. Poderiam ser ações, como: identificar necessidades, desenhar logomarca, colar figuras, validar design, etc. O produto seria um folder do tamanho de uma folha A4 para propaganda, e poderia ter um dos seguintes temas: show, peça de teatro, agência de viagem, restaurante, cinema, academia ou evento esportivo. O modelo definido para esse folder pode ser visualizado na Figura 1. Figura 1 Modelo exemplo de folder utilizado no exercício. Os alunos da disciplina foram divididos em quatro equipes de cinco componentes. Naturalmente, algumas equipes se motivam mais que outras, discutindo temas, soluções e dividindo tarefas. Para incentivar o cumprimento da tarefa, as atividades foram divididas em três períodos de tempo: nos primeiros trinta minutos as equipes deveriam ter o tema definido e a

5 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, estrutura do folder; nos próximos trinta minutos, todas as pessoas da equipe já deveriam saber suas atividades e um protótipo deveria ser apresentado, já para uma possível evolução; no restante da aula, as equipes finalizariam seus folders e apresentariam para as outras equipes. Como resultado, algumas equipes não se comprometeram com a tarefa, e construíram um folder muito precário, não respeitando várias regras. Por outro lado, algumas equipes, as mais envolvidas, elaboraram toda uma estratégia para a construção do folder, passando por atividades de especificação, desenvolvimento e validação, apresentando no final um folder que respeitou as regras iniciais e que tinha como características, qualidade e criatividade. 3.2 Modelos de ciclo de vida Outro exercício relacionado a fases foi desenvolvido no decorrer das aulas sobre modelos de ciclos de vida. Durante a disciplina foram discutidos vários modelos, cuja estratégia foi trabalhar o mesmo exercício para cada um dos modelos. O exercício se constituía da elaboração de um cronograma macro, como um gráfico de Gantt ou cronograma de marcos, e um diagrama que representasse o modelo de ciclo de vida, para uma situação hipotética de um ambiente de desenvolvimento de software. Essa situação basicamente era uma descrição de um projeto iniciando na fase de requisitos, seguida pelas fases de análise, projeto, implementação, testes, homologação e implantação, com momentos de validação pelas partes interessadas. Para a disciplina, o exemplo foi: A faculdade deseja automatizar as atividades de matrícula. Para isso, é necessário que as funcionárias da secretaria tenham reuniões para a descrição das funcionalidades, que deverão ser validadas pela diretora. Após o aceite, deve-se passar por uma fase de especificação, que vai da documentação de requisitos, projeto do banco de dados à arquitetura. Só após essa fase é que a implementação será iniciada, seguida de testes locais pelos bolsistas. Depois dos testes, a comissão de avaliação do MEC irá homologar o sistema. Após a aprovação, o sistema finalmente poderá ser implantado.. À medida que os modelos eram apresentados, o mesmo exercício era trabalhado. Quando o modelo foi o cascata, naturalmente o primeiro a ser descrito, os alunos tiveram dificuldade

6 26 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, 2010 apenas em entender a sequência de atividades. Quando modelos evolucionários (evolutivo, prototipação e espiral) foram descritos e o exercício foi o mesmo, a reação foi que os alunos ficaram confusos, pois não estavam acostumados a pensar no mesmo exercício sob outra abordagem. A mesma reação foi reduzida quando os modelos incrementais e RAD foram apresentados. Ao final, os próprios alunos chegaram à conclusão de que basicamente os modelos que trabalham iterações teriam o mesmo cronograma e diagrama, e somente o que mudaria seria o foco da abordagem de cada modelo. Uma possível solução seria o cronograma macro e o desenho de um modelo, como pode ser visualizado na Figura 2. Figura 2 Solução para o exercício do modelo de ciclo de vida.

7 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, Práticas do XP (Extreme Programming) Muitas atividades de planejamento, requisitos e qualidade no produto podem ser derivadas de metodologias ágeis. Podem-se realizar várias dinâmicas para exemplificar práticas da metodologia XP. (BECK, 2000). Para isso, foi elaborada uma dinâmica na disciplina baseada em algumas práticas, como: cliente sempre presente, equipe unida, jogo do planejamento, releases curtos. Alguns conceitos e técnicas também foram utilizados, como o de user stories, timebox, marcos ou milestones [Schwaber 2004]. Os alunos deveriam trabalhar essas práticas em cima do desenvolvimento de um projeto de software de um site de previsão do tempo. Como primeiro passo, as equipes foram divididas em no máximo cinco pessoas. O tema do projeto seria o mesmo para todas as equipes. O segundo passo seria a elaboração de user stories para os requisitos do sistema. O professor assumiu o papel do cliente, e as equipes teriam que trabalhar a comunicação, tentar identificar funcionalidades e definir as prioridades do cliente. Após a elaboração das user stories, as equipes teriam que definir a duração de cada iteração, para que pudessem distribuir as funcionalidades ao longo delas, aplicando o conceito de timebox. Cada equipe deveria definir pelo menos dois releases durante as iterações. As funcionalidades eram distribuídas ao longo das iterações, e ao final da aula as equipes apresentavam seus planejamentos. Como principal dificuldade das equipes, deve ser destacada a comunicação com o cliente para a identificação das funcionalidades. Outra dificuldade encontrada foi a distribuição das funcionalidades ao longo das iterações. Esse ponto foi interessante, pois os alunos tiveram que começar a trabalhar a noção de tamanho e complexidade das funcionalidades, para uma melhor distribuição ou divisão das user stories. Como resultado da execução da atividade foi identificada uma série de user stories, suas prioridades, releases e iterações, conforme a Tabela 1.

8 28 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, 2010 USER STORIES Tabela 1 Lista de user stories identificadas durante a aula. PRIORIDADE RELEASE ITERAÇÃO Acesso será através da WEB O sistema deverá mostrar a previsão por município, estado e região O sistema deverá mostrar a previsão máxima e mínima O sistema deve fazer a previsão de até 5 dias posteriores, bem como armazenar as previsões de 5 dias anteriores O sistema deve ser capaz de atualizar as previsões a cada 5 minutos O usuário poderá fazer comparações entre as temperaturas da data atual com uma data de anos anteriores O site apresentará imagens ao vivo das capitais Mostrar gráficos O usuário poderá fazer comparações entre as temperaturas de diversas cidades As buscas serão contabilizadas por cidades para que seja criado semanalmente um ranking dos mais buscados O site terá interação com os usuários onde eles poderão informar a situação na sua região O site mostra regiões de risco constante de enchentes O usuário pode dar sugestões sobre o site Haverá uma sessão no site de vídeos, onde estarão vídeos sobre assuntos pertinentes a tempo Mostrar fotos Terá informação sobre acidentes ambientais Dinâmica dos aviões A dinâmica dos aviões é uma prática onde as pessoas têm que construir aviões de papel, seguindo uma linha de produção (uma folha de papel começa numa extremidade da equipe e é trabalhada até se transformar num avião na outra ponta). É como se fosse uma pequena fábrica de aviões. Esta dinâmica é muito utilizada no exercício de metodologias ágeis, onde vários conceitos são aprendidos na prática. Segundo Castro (2009), a ideia da dinâmica é vivenciar os conceitos do SCRUM (SCHWABER, 2004), de forma prática, facilitando a visualização dos

9 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, benefícios. São muito utilizados o conceito PDCA e os processos empíricos, que são algumas das bases dos processos ágeis. Inicialmente foram explicadas para a turma as regras da dinâmica. Algumas adaptações foram realizadas, mas houve um cuidado inicial para que os alunos entendessem como funcionaria a dinâmica. Em seguida, foram formadas as equipes. Como tinham exatamente doze alunos, duas equipes de seis alunos foram formadas. Um aluno de cada equipe foi selecionado para ser o scrum master, outro aluno da equipe foi selecionado para ser o auditor de qualidade, e o restante da equipe faria parte da linha de produção. Quem conduziria todo o processo, e faria também o papel de product owner, seria o professor. Antes de iniciar o processo, as equipes deveriam estimar quantos aviões conseguiriam produzir em uma sprint. Depois das estimativas, o condutor explicou para os alunos algumas informações, correspondente a requisitos do usuário, e solicitou para cada equipe elaborar um protótipo, conforme projetado na Figura 3. Então, novas estimativas deveriam ser realizadas. Cada sprint teve uma duração definida de três minutos. À medida que as sprints finalizavam, um novo planejamento tinha que ser realizado, pois a produtividade da equipe se tornava mais conhecida, e normalmente não era atingida a quantidade estimada de aviões por iteração. Figura 3 Protótipo a ser desenvolvido com especificações do cliente.

10 30 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, 2010 Para introduzir uma quebra de ritmo ou tensão, na segunda iteração foi introduzida uma mudança de requisitos, onde a equipe teria que adequar a construção dos aviões. E na terceira sprint, as equipes produziriam os aviões normalmente, sem nenhuma intromissão do condutor. O principal resultado da dinâmica foi à motivação dos alunos na realização das tarefas e a fixação de conceitos básicos, como: timebox, planejamento, prototipação, engenharia, avaliação de qualidade, alteração de requisitos e iterações. Ainda não havia ocorrido uma aula sobre SCRUM, que foi a aula seguinte. Devido à dinâmica, vários conceitos já estavam fixados pelos alunos. Segundo os alunos, realizar o papel do scrum master foi uma grande dificuldade, pois em alguns momentos o aluno responsável não sabia a sequência de atividades que deveria executar no momento para guiar a equipe, em outros, devido à pressão, ele repassava a pressão à linha de produção. O papel do auditor de qualidade foi o que menos executou atividades durante a prática, isto ocorreu porque a estratégia das duas equipes foi verificar os aviões somente no final, permitindo que o auditor perdesse o foco do seu trabalho. O fato de ter sido utilizado um protótipo fez com que a equipe percebesse alguns aspectos funcionais que não estavam claros nas especificações do cliente, fazendo com que ocorressem questionamentos e negociações. A equipe percebeu que em alguns pontos da linha de produção havia a formação de gargalos, fazendo com que algumas pessoas ficassem ociosas. Uma equipe reorganizou a estratégia, utilizando o auditor de qualidade como elemento da linha de produção. As estimativas foram refinadas a cada sprint, conforme indica a Tabela 2. Os replanejamentos ocorreram devido ao melhor conhecimento da produtividade da equipe e a necessidade de se aumentar a produtividade. Tabela 2 Estimativas e valores realizados de cada sprint.

11 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, O gráfico da Figura 4 exibe a evolução das equipes ao longo dos três sprints em relação às estimativas, replanejamentos e o realizado. Ao longo do tempo, as equipes conseguiram equilibrar as estimativas de aviões com sua produção. Figura 4 Gráfico da quantidade de aviões estimada e realizada por sprint. Foram percebidos alguns aspectos comportamentais entre as duas equipes. Após o primeiro sprint, alguns alunos passaram a se comunicar mais, pensando em melhorar a linha de produção. A forma de comunicação utilizada por algumas pessoas nas equipes fez com que outras se engajassem mais, porém em alguns momentos houve situações de inibição devido à forma de se falar. Algumas pessoas ficaram mais preocupadas em verificar o andamento da outra equipe em vez de se ater a sua equipe. Outras utilizaram a tática de tentar sabotar a outra equipe. Ao final dos sprints, quando o condutor foi verificar a quantidade e a qualidade dos aviões, uma equipe também ficou validando os aviões da outra. A Figura 5 mostra como as equipes foram distribuídas na sala de aula, e suas respectivas ações de engenharia e gestão.

12 32 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, 2010 Figura 5 Equipes em ação durante a dinâmica dos aviões Fonte: Arquivo da FLF 3.5 NBR ISSO/IEC Uma prática executada com foco no ciclo de vida foi a utilização da norma NBR ISO/IEC (1998). A estrutura desta norma cobre o ciclo de vida do software desde a concepção de ideias até a descontinuação do software. Sua arquitetura é construída com um conjunto de processos e inter-relacionamentos, conforme Figura 6. A atividade consistia na divisão dos processos da norma, conforme um sorteio, para as equipes. As equipes tinham que descrever seus respectivos processos e sua aplicação em conjunto com outro processo sorteado. Além disso, os alunos deveriam também identificar alguma forma de integração com os processos das outras equipes. Os alunos, a princípio, tiveram dificuldade em identificar uma forma de aplicar em conjunto os dois processos sorteados. A intenção era de certa forma forçar o senso crítico e criativo dos alunos, de forma a criarem uma solução de integração entre processos diferentes. Às vezes, conforme o sorteio, os processos eram bem diferentes, mas a ideia era que os alunos identificassem algum ponto de integração. Quando cada equipe apresentava seus resultados, as

13 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, outras equipes começavam a questionar as formas de integração e também sugeriram outras formas. Por exemplo: foram sorteados o processo fundamental de manutenção e o processo de apoio de validação. Uma maneira de integrá-los seria definir uma forma de validar as atividades de manutenção, como validar a implementação da modificação através de testes de uma equipe de testes ou cliente, para determinar se os requisitos e o produto final atenderiam à proposta inicial. Figura 6 Processos de ciclo de vida da norma ISO/IEC LIÇÕES APRENDIDAS De maneira geral, muitos conceitos foram aprendidos e exercitados através das práticas e dinâmicas. Como geralmente as práticas envolviam aspectos comportamentais, devido aos diversos perfis envolvidos em Engenharia de Software, muitos alunos tiveram reações semelhantes às encontradas em ambientes reais de desenvolvimento.

14 34 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, 2010 Um ponto forte foi o planejamento de todas as dinâmicas pelo professor, o que permitiu uma melhor organização e desenvolvimento mais fácil das dinâmicas. Outro ponto importante foi a motivação identificada na maioria dos alunos, pois normalmente não são aplicados em sala exercícios mais dinâmicos ou que simulem situações práticas. 5 CONCLUSÃO A aplicação de exercícios sobre assuntos teóricos com práticas mais interativas é uma forma de se fixar conceitos e disciplinas da Engenharia de Software. Diversos assuntos podem ser trabalhados, como modelos de ciclo de vida e práticas ágeis, e sempre as reações e retornos dos alunos irão refinar essas dinâmicas. Como o professor também é analista de sistemas em uma empresa de desenvolvimento de software, isso facilitou no ensino da disciplina, tanto pela troca de experiências como através de situações reais. Como a ideia inicial desses exercícios foi que os alunos assimilassem os conceitos, este objetivo foi atingido. A vivência e a experiência possibilitaram uma visão mais real, do ponto de vista de planejamento, adequação às mudanças e comunicação dentro da equipe. Do ponto de vista do ensino em Engenharia de Software, o ideal é que novas dinâmicas sejam criadas e aplicadas nos diversos assuntos, pois foi comprovado que os alunos aceitam tais práticas e, assim, entendem melhor os conceitos. Application of Concepts and Techniques in the Teaching of Software Engineering ABSTRACT Currently, traditional teaching techniques and concepts of software engineering has not been very effective in learning due to lack of proximity to the theory forwarded to the practice applied in developing systems. The diversification of teaching techniques has a number of benefits to students as they assimilate the concepts better. In this context, this paper presents the application of techniques and concepts of Software Engineering in the classroom in order to approach the implementation of practices in teaching

15 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, with the actual application software development. Also presents an analysis of results and student feedback regarding the implementation of techniques and concepts. Keywords: Software Engineering, Concepts. REFERÊNCIAS AGUIAR, Y. P. C., LIMA, A. H. G., LEITE, F. L. J., EasYProcess: Um Processo de Desenvolvimento para Uso no Ambiente Acadêmico. In: XII Workshop de Educação em Informática - XXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, Salvador, ANDRADE, R. M. C., MARINHO, F. G., LEITÃO, V. L., ROCHA, L. S., Uma Proposta de Metodologia para o Ensino de Engenharia de Software, FEES2008, Fórum de Educação em Engenharia de Software, BECK, K., Extreme Programming Explained, Addison-Wesley Publishing Co, CASTRO, F. S., Dinâmica Fábrica de Aviões 2.0, LUCENA, V. F. J, BRITO, A., JAZDI, N., Uma Metodologia Germano-brasileira para o Ensino de Engenharia de Software para Alunos de Engenharia Elétrica, XXXIV COBENGE - Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia. Passo Fundo, NBR ISO (1998), NBR ISO Tecnologia de Informação Processos de ciclo de vida de software, Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. Rio de Janeiro. PRIKLADNICKI, R., ALBUQUERQUE, A. B., WANGENHEIM, C. G., CABRAL, R., Ensino de Engenharia de Software: Desafios, Estratégias de Ensino e Lições Aprendidas, FEES 2009, Fórum de Educação em Engenharia de Software, SCHWABER, K., Agile Project Management with Scrum, ISBN: x, Microsoft Press, SCHNEIDER, J., JOHNSTON L., Extreme Programming at Universities An Educational Perspective, Proceedings of the 25th International Conference on Software Engineering, Portland, Oregon, pp , SILVA, L. F., LEITE, J. C., BREITMAN, K. K., Ensino de Engenharia de Software: Relato de Experiências, XII WEI - Workshop de Educação em Informática (XXIV SBC), SOARES, M. S., Uma Experiência de Ensino de Engenharia de Software Orientada a Trabalhos Práticos, XXIV Congresso do SBC, XII WEI - Workshop de Educação em Computação, SOMMERVILLE, I., Engenharia de Software, 8 a ed., São Paulo. Pearson, 2008.

16 36 Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho - v.7, n.1, 2010 STEVENS, K. T., Experiences Teaching Software Engineering for the First Time, Proceedings of the 6th annual conference on Innovation and technology in computer science education, Canterbury, United Kingdom, pp 77-80, TOMAYKO, J. E., Teaching a Project-Intensive Introduction to Software Engineering, Carnegie Mellon University, Software Engineering Institute, CMU/SEI-87-TR-20, Emanuel Ferreira Coutinho Professor do Instituto UFC Virtual MBA em Gerência de Projetos, UFRJ Mestre em Ciência da Computação, UECE Carla Ilane Moreira bezerra Professora do Curso de Engenharia de Software, UFC Quixadá Mestre em Ciência da Computação, UNIFOR

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 01 Processo de Desenvolvimento de Software Edirlei Soares de Lima Processo de Software O processo de software consiste em um conjunto estruturado

Leia mais

APLICAÇÃO DE SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA O PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CLIMA ESPACIAL (INPE) - ESTUDO DE CASO. André A.

APLICAÇÃO DE SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA O PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CLIMA ESPACIAL (INPE) - ESTUDO DE CASO. André A. APLICAÇÃO DE SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PARA O PROGRAMA DE MONITORAMENTO DO CLIMA ESPACIAL (INPE) - ESTUDO DE CASO André A. de Souza Ivo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Brasil,

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com

Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.com Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Wesley Galindo Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Mestrado em Engenharia de Software Engenheiro de Software Professor Faculdade Escritor Osman

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum

Módulo de projetos ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Scrum Módulo de Projetos Ágeis Fevereiro 2015 Versão Módulo de Projetos Ágeis O nome vem de uma jogada ou formação do Rugby, onde 8 jogadores de cada time devem se encaixar para formar uma muralha. É muito importante

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 8. Metodologias

Leia mais

Wesley Torres Galindo

Wesley Torres Galindo Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com User Story To Do Doing Done O que é? Como Surgiu? Estrutura Apresentar

Leia mais

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com.

ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. contato@alinebrake.com.br. fs_moreira@yahoo.com.br. contato@marcelobrake.com. ESTUDO DE CASO: SCRUM E PMBOK UNIDOS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS (CASE STUDY: SCRUM AND PMBOK - STATES IN PROJECT MANAGEMENT) Aline Maria Sabião Brake 1, Fabrício Moreira 2, Marcelo Divaldo Brake 3, João

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013

LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 LISTA DE EXERCÍCIOS METODOLOGIAS ÁGEIS ENGENHARIA DE SOFTWARE 10/08/2013 Disciplina: Professor: Engenharia de Software Edison Andrade Martins Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Área: Metodologias

Leia mais

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos Apresentação Executiva 1 O treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos tem como premissa preparar profissionais para darem início às

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA

TUTORIAIS. Framework SCRUM. Rafael Buck Eduardo Franceschini. MSc., PMP, CSM MBA TUTORIAIS Framework SCRUM Rafael Buck Eduardo Franceschini MSc., PMP, CSM MBA SCRUM vs. PMBOK SCRUM vs. PMBOK ESCOPO Restrições de um projeto (Tripla Restrição) TEMPO CUSTO Modelo de Contrato de projetos

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE João Fukusawa 1, Andreia Carniello 2, Adriana Carniello 3 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação em Gestão de Projetos em Desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Engenharia de Software Aplicada (ESA) Engenharia de Software (ES) CH: 7 Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS WESLLEYMOURA@GMAIL.COM INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ÁGEIS ANÁLISE DE SISTEMAS Introdução aos métodos ágeis Metodologias tradicionais Estes tipos de metodologias dominaram a forma de desenvolvimento de software

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br

Comparativo entre Processos Ágeis. Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br Comparativo entre Processos Ágeis Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br O que discutiremos: Histórico Os Princípios Ágeis Comparação Do ponto de vista incremental Do ponto de vista funcional Vantagens e Desvantagens

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: - I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Gerência de Projetos (GEP) CH: 72 h/a Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Semestre: 2011/1 Fase: 8ª

Leia mais

SCRUM IN HELL Aplicando agilidade em ambientes difíceis

SCRUM IN HELL Aplicando agilidade em ambientes difíceis SCRUM IN HELL Aplicando agilidade em ambientes difíceis Flávio Steffens de Castro Page 1 Apresentação Flávio Steffens de Castro Formado em Sistemas de Informação pela PUCRS Gerente de projetos da empresa

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

Scrum. Gestão ágil de projetos

Scrum. Gestão ágil de projetos Scrum Gestão ágil de projetos Apresentação feita por : Igor Macaúbas e Marcos Pereira Modificada por: Francisco Alecrim (22/01/2012) Metas para o o Metas para treinamento seminário Explicar o que é Scrum

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G.

UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. UMA ABORDAGEM PARA VIABILIZAR A ADERÊNCIA DA METODOLOGIA SCRUM AO MODELO MPS.BR NÍVEL G. Magda A. Silvério Miyashiro 1, Maurício G. V. Ferreira 2, Bruna S. P. Martins 3, Fabio Nascimento 4, Rodrigo Dias

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM

Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM Dinâmica em Grupo com o Framework SCRUM Contextualização: O grupo foi convidado a desenvolver um projeto de um Sistema de informação, que envolve a área de negócio: compras (cadastros de fornecedores,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Metodologias Ágeis Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Introdução Ao longo dos anos a indústria de desenvolvimento

Leia mais

itest Learning: Um Jogo para o Ensino do Planejamento de Testes de Software

itest Learning: Um Jogo para o Ensino do Planejamento de Testes de Software itest Learning: Um Jogo para o Ensino do Planejamento de Testes de Software Virgínia Farias 1, Carla Moreira 1,3,4, Emanuel Coutinho 2,3,4, Ismayle S. Santos 3,4,a 1 Universidade Federal do Ceará (UFC)

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Edison A. M. Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO MP1 DATA 05/03/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Aplicação de uma Metodologia Ágil no Desenvolvimento de um Software Web envolvendo equipes Multidisciplinares

Aplicação de uma Metodologia Ágil no Desenvolvimento de um Software Web envolvendo equipes Multidisciplinares Aplicação de uma Metodologia Ágil no Desenvolvimento de um Software Web envolvendo equipes Multidisciplinares Paulo Júnior Varela Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR paulovarela@utfpr.edu.br

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Método Aldeia de Projetos

Método Aldeia de Projetos MAP Método Aldeia de Projetos Como surgiu o MAP? Em mais de 15 anos de atuação experimentamos distintas linhas de pensamento para inspirar nosso processo e diversas metodologias para organizar nossa forma

Leia mais

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl

Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta web para gerenciamento de projetos de software baseado no Scrum Aluna: Vanessa de Mello Orientador: Everaldo Artur Grahl Introdução Roteiro da apresentação Objetivos do trabalho Fundamentação

Leia mais

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley

SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade. Fernando Wanderley SCRUM Discussão e reflexão sobre Agilidade Fernando Wanderley Apresentação Líder Técnico em Projetos Java (~ 9 anos) (CESAR, Imagem, CSI, Qualiti Software Process) Consultor de Processos de Desenvolvimento

Leia mais

III Workshop INLAND UFV - 2010

III Workshop INLAND UFV - 2010 III Workshop INLAND UFV - 2010 Desenvolvimento de software para pesquisa e desenvolvimento: desafios e possiveis soluções Prof. José Luis Braga Departamento de Informática - UFV Contexto Sistemas Organizacionais

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Engenharia da Computação. Tópicos Avançados em Engenharia de Software. Aula 1

Engenharia da Computação. Tópicos Avançados em Engenharia de Software. Aula 1 Engenharia da Computação Tópicos Avançados em Engenharia de Software Aula 1 (22/02) mario.godoy@univasf.edu.br http://www.univasf.edu.br/~mario.godoy/ Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 3-29/04/2006 1 Monitoria Marina Albuquerque E-mail: monitoriaes2@yahoo.com.br Horário de Atendimento: Terça e quinta de 09:00

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas.

Tópicos. Métodos Ágeis. Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Referências Bibliográficas. Métodos Ágeis Edes Garcia da Costa Filho edes_filho@dc.ufscar.br 1 Tópicos Histórico; Valores; Métodos Ágeis x Modelos Tradicionais; Exemplo: Extreme Programming (XP). Referências Bibliográficas. 2 Histórico

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Projeto SIAC 2.0: Uma aplicação do framework Demoiselle para o desenvolvimento de Sistema de Informações Acadêmicas da UFBA (SIAC)

Projeto SIAC 2.0: Uma aplicação do framework Demoiselle para o desenvolvimento de Sistema de Informações Acadêmicas da UFBA (SIAC) Projeto SIAC 2.0: Uma aplicação do framework Demoiselle para o desenvolvimento de Sistema de Informações Acadêmicas da UFBA (SIAC) André Luís Monteiro P. dos Santos 1, Fernando Cezar Borges 1, Leandro

Leia mais

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Odair Jacinto da Silva 1, Carlos Alberto Borges 1, Clênio Sampaio Salviano 2, Adalberto N. Crespo

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF 1. Identificação de um problema a ser implementado 2. Análise

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM MÉTODOS ÁGEIS

GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM MÉTODOS ÁGEIS GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM MÉTODOS ÁGEIS Jeandro Maiko Perceval 1 Carlos Mario Dal Col Zeve2 Anderson Ricardo Yanzer Cabral ² RESUMO Este artigo apresenta conceitos sobre

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD 1 UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD Serra, 05/2009 Saymon Castro de Souza Ifes saymon@ifes.edu.br

Leia mais

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum

Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Scrum-Half: Uma Ferramenta Web de Apoio ao Scrum Diego R. Marins 1,2, José A. Rodrigues Nt. 1, Geraldo B. Xexéo 2, Jano M. de Sousa 1 1 Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE/UFRJ 2 Departamento

Leia mais