PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PATY DO ALFERES - RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PATY DO ALFERES - RJ"

Transcrição

1 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PATY DO ALFERES - RJ

2 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização Municipal, diagnóstico, prognóstico, programas, projetos e ações dos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem e manejo de águas pluviais urbanas, para compor o PMSB. PATY DO ALFERES RJ 2014

3 OBJETO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA DOS MUNICÍPIOS INSERIDOS NA REGIÃO DO MÉDIO PARAÍBA. CONTRATO: Nº 008/2012/AGEVAP CONTRATANTE: Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (AGEVAP). CONTRATADA: Vallenge Consultoria, Projetos e Obras Ltda. REALIZAÇÃO Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (AGEVAP). Rua Elza da Silva Duarte, 48 Loja A1. Manejo CEP: Resende-RJ. Diretor Executivo André Luis de Paula Marques. Diretor (a) de Relações Institucionais - Aline Alvarenga. Diretor Administrativo-financeiro Diego Elias Moreira Nascimento Gomes Diretor de Planejamento Estratégico Flávio Antônio Simões Diretor de Recursos Hídricos - Helvécio Zago Galvão César Prefeitura Municipal de Paty do Alferes - RJ Rua Sebastião de Lacerda, 35 Centro CEP: Paty do Alferes - RJ EXECUÇÃO Vallenge Consultoria, Projetos e Obras Ltda. Todos os direitos reservados.

4 EQUIPE EQUIPE TÉCNICA Engenheiro Dr. Antônio Eduardo Giansante Engenheiro Civil José Augusto Pinelli Engenheiro Agrônomo Alexandre Gonçalves da Silva Historiador/Me Ciências Ambientais Roberto Aparecido Garcia Rubio Engenheira Ma em Hidráulica e Saneamento Juliana Simião Advogada Ma Esp. em Recursos Hídricos Adriana Sagiani Engenheira Civil Bruna Santos de Oliveira Engenheiro Ambiental e Sanitarista Nicolas Rubens da Silva Ferreira Economista Francisco D`Andrea Jr. Bacharel em Tecnologia da Informação Thiago Augusto Pinelli EQUIPE DE APOIO Engenheira Civil Martha Nasser Giansante Engenheiro Ambiental Luiz Claudio Rodrigues Ferreira Analista de Comunicação Joyce de Souza Oliveira Revisor Técnico Samir Azem Rachid Assessora Técnica Ambiental Amanda Braga Teixeira Presotto Auxiliar de Engenharia Civil Ronald Pedro dos Santos Estagiário em Engenharia Civil Alex de Lima Furtado Estagiário em Engenharia Agronômica Thiago Fantus Ribeiro

5 APRESENTAÇÃO O presente documento é parte do contrato nº 008/2012, estabelecido entre a Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (AGEVAP) e a empresa Vallenge Consultoria, Projetos e Obras Ltda. Este contrato tem como objeto a elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) nas modalidades: água, esgoto e drenagem urbana, contemplando os municípios inseridos na Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, na região do Médio Paraíba do Sul: Barra do Piraí, Comendador Levy Gasparian, Engenheiro Paulo de Frontin, Mendes, Miguel Pereira, Paraíba do Sul, Paty do Alferes, Pinheiral, Piraí, Porto Real, Quatis, Resende, Rio Claro, Rio das Flores, Valença e Vassouras. Os serviços contratados foram divididos em produtos e etapas, descritos a seguir: Produtos 1 e 2: Produto 3: Produto 4: Produtos 5 e 6: Produto 7: Produtos 8 e 9: Produto 10: Etapa 1 - Plano de trabalho e projeto de comunicação e mobilização social; Etapa 2 - Caracterização municipal; Etapa 3 - Diagnósticos setoriais; Etapa Estudo populacional e de demandas; Etapa Relatório da infraestrutura dos sistemas de abastecimento de água, esgotamento sanitário e drenagem pluvial urbana, dos programas, projetos e ações para implementação do plano e sobre o seminário local para consolidação das proposições da infraestrutura, dos arranjos institucionais jurídicos e econômico-financeiros; Etapa 5 - Banco de dados de saneamento; Etapa 6 - Elaboração da versão final do PMSB e Consulta e Audiência Pública; Etapa 7 - Elaboração do Relatório Regional de Saneamento Básico. Os trabalhos foram desenvolvidos mediante o esforço conjunto da AGEVAP e dos municípios, envolvendo de maneira articulada os responsáveis pela formulação das políticas públicas e pela prestação dos serviços de saneamento básico do município.

6 LISTA DE SIGLAS AAB: Adutora de Água Bruta AAT: Área de Transbordo e Triagem ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas. AGENERSA: Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico AGEVAP: Associação Pró Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul. ANA: Agência Nacional das Águas. ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. APEDEMA: Assembleia Permanente das Entidades de Defesa do Meio Ambiente ART: Anotação de Responsabilidade Técnica BID: Banco Interamericano de Desenvolvimento BIRD: Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento BNDES: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNH: Banco Nacional de Habitação. BOO: Build, Own-Own-Operate BOT: Build-Operate-Transfer BR-116: Rodovia Presidente Eurico Gaspar Dutra BTO: Build-Transfer-Operate C1: Classe Econômica CBH: Comitês de Bacia Hidrográfica CDHU/SP: Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo CEDAE: Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Estado do Rio de Janeiro CEIVAP: Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul. CERHI: Conselho Estadual de Recursos Hídricos CETESB: Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental CFDD: Conselho Federal Gestor do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos CNIR: Cadastro Nacional de Imóveis Rurais CONAMA: Conselho Nacional do Meio Ambiente CONFEA/CREA: Conselho Federal de Engenharia e Agronomia/ Conselho Regional de Engenharia Agronomia COPPE/UFRJ: Coordenação de Programas de Pós-graduação em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro CPRM: Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais CTH/IPTU: Competição Tributária Horizontal / Imposto Predial e Territorial Urbano DBO: Demanda Bioquímica de Oxigênio

7 DEFOFO: Tubos de Ferro Fundido com junta elástica DER/RJ: Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Rio de Janeiro DEX: Despesas de exploração dos serviços DRM/RJ: Departamento de Recursos Minerais do Estado do Rio de Janeiro EEAB: Estação Elevatória de Água Bruta. EEAT: Estação Elevatória de Água Tratada. EEE: Estação Elevatória de Esgoto. ETA: Estação de Tratamento de Água. ETE: Estação de Tratamento de Esgoto. EVEF: Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira FDDD: Fundo de Defesa de Direitos Difusos FEAM: Fundação Estadual do Meio Ambiente de Minas Gerais FECAM: Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano FEEMA: Fundação Estadual Engenharia Meio Ambiente do Rio De Janeiro FGTS: Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. FIRJAN: Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro FOFO: Ferro fundido FUNASA: Fundação Nacional de Saúde FUNDRHI: Fundo Estadual de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro GEPAC: Grupo Executivo do Programa de Aceleração do Crescimento FIBGE: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. ICGDU: Indicador Composto de Gestão dos Serviços de Drenagem Urbana ICMicro: Índice de Cobertura de Microdrenagem ICMS: Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. IDH: Índice de Desenvolvimento Humano. IFDM: Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal IMicro: Índice de Eficiência de Microdrenagem INCRA: Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. INEA: Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro IPTU: Imposto Predial e Territorial Urbano. JBIC: Banco Japonês LBO: Affermage ou Lease Build Operate LVE: Extensão das vias na área urbana com infraestrutura de microdrenagem, em km MDS: Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome NBR: Normas Brasileiras O&M: Contratos de Operação e Manutenção OD: Oxigênio Dissolvido

8 OGU: Orçamento Geral da União OMS: Organização Mundial de Saúde ONGs: Organizações não governamentais ONU: Organização das Nações Unidas. PAC: Programa de Aceleração do Crescimento PBA: Ponta e bolsa PCH: Pequena Central Hidrelétrica PIB: Produto Interno Bruto. PLANASA: Plano Nacional de Saneamento. PMSB: Plano Municipal de Saneamento Básico. PNUD: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. PPP: Parceiras Público-Privadas PVC: Policloreto de Vinila. SAA: Sistema de Abastecimento de Água SABESP: Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo SDU: Sistema de Drenagem Urbana SEA: Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro SEGRHI: Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos do Rio de Janeiro SEIS: Sistema Estadual de Informações sobre Saneamento do Rio de Janeiro SELIC: Sistema Especial de Liquidação e de Custódia SEMAD: Secretaria de Estado de Meio-Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SES: Sistema de Esgotamento Sanitário SIG: Sistema de Informações Geográficas SNIS: Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento SPE: Sociedade de Propósito Específico TMI: Taxas de Mortalidade Infantil UTC: Usina de Triagem e Compostagem. VA: Valores adicionados

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Localização de Paty do Alferes em relação aos municípios limítrofes Figura 2 Acessos ao município Figura 3 Usos outorgados do recurso hídrico Figura 4 Vegetação remanescente de Mata Atlântica Figura 5 Esquema do SAA da sede do Município de Paty do Alferes Figura 6 Esquema do SAA do distrito de Avelar Figura 7 Barragem de nível vista Figura 8 Barragem de nível vista Figura 9 Estação elevatória de água bruta Figura 10 Estação elevatória de água bruta Figura 11 Estação elevatória de água bruta - vista Figura 12 Estação elevatória de água bruta - vista Figura 13 Vista 1 da ETA Paty Figura 14 Vista 2 da ETA Paty Figura 15 Calha Parchall Figura 16 Adição de agente coagulante Figura 17 Chicanas Figura 18 Tanque de floculação Figura 19 Decantador Figura 20 Filtros Figura 21 Cilindros de cloro Figura 22 Laboratório da ETA Figura 23 - Vista da ETA Avelar Figura 24 - Vista da ETA Avelar Figura 25 Reservatório ETA Avelar Figura 26 Reservatório do Morro João Malandro Figura 27 Sistema de bombeamento Figura 28 Hidrômetros vista Figura 29 Esquema do SES da sede do município de Paty do Alferes Figura 30 Esquema do SES do distrito de Avelar Figura 31 Lançamento de esgoto e águas pluviais Figura 32 Saída de esgoto in natura da ETE desativada no Rio Ubá Figura 33 Córrego que recebe águas pluviais divide os bairros Barcelos e Esperança Figura 34 Rio Ubá, área que é sujeita a inundações em períodos chuvosos... 70

10 Figura 35 Rua sem asfaltamento e sistema de drenagem Figura 36 Terra que estava obstruindo a boca de lobo Figura 37 Boca de lobo em péssimo estado de conservação Figura 38 Caixa de captação obstruída com terra e lixo Figura 39 Evolução da população projetada Figura 40 Articulação das sub-bacias da área urbana do município de Paty do Alferes Figura 41 Investimentos totais no SAA na sede por cenário Figura 42 Porcentagem de investimento em implantação SAA Figura 43 Porcentagem de investimento em manutenção SAA Figura 44 Investimentos totais no SES na sede por cenário Figura 45 Porcentagem de investimento em implantação SES Figura 46 Porcentagem de investimento em manutenção SES Figura 47 Porcentagem de investimento SDU Figura 48 Comitês de bacia do Rio Paraíba do Sul Figura 49 Região Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul Figura 50 Localização da Bacia Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul Figura 51 Vazões do Rio Paraíba do Sul no posto fluviométrico operado pela Light Figura 52 - Distribuição setorial e estadual do PIB na Bacia do Rio Paraíba do Sul Figura 53 - Representação gráfica por município do PIB per capita da RHMPS Figura 54 - Quota de água consumida nas sedes municipais em relação ao valor médio nacional e estadual Figura 55 - Evolução do índice de perdas na distribuição Figura 56 - Índice de atendimento com esgoto nas sedes municipais em relação ao valor médio nacional e da região sudeste Figura 57 - Captações de água no Médio Paraíba do Sul Figura 58 Lançamentos de esgotos tratados ou in natura no Médio Paraíba do Sul Figura 59 Captações de água e lançamentos de esgotos tratados ou in natura no Médio Paraíba do Sul Figura 60 Localização das áreas urbanas dos municípios da RHMPS Figura 61 Grupo 1. Possibilidades de cooperação ou regionalização de serviços de saneamento Figura 62 Grupo 2. Possibilidades de cooperação ou regionalização de serviços de saneamento Figura 63 Grupo 3. Possibilidades de cooperação ou regionalização de serviços de saneamento Figura 64 Grupo 4. Possibilidades de cooperação ou regionalização de serviços de saneamento

11 Figura 65 Reunião de mobilização social Figura 66 Reunião de mobilização social: os agentes multiplicadores Figura 67 - Recepção da comunidade Figura 68 Apresentação da oficina: comunidade presente (vista 1) Figura 69 Apresentação da oficina: comunidade presente (vista 2) Figura 70 Formação dos grupos Figura 71 Formação dos grupos Figura 72 Formação dos grupos Figura 73 Apresentação dos temas Figura 74 Discussão dos temas Figura 75 Discussão dos temas Figura 76 Plenária Painel expositor Figura 77 Recepção da comunidade Figura 78 Apresentação da oficina Figura 79 Apresentação dos temas Figura 80 Comunidade presente Figura 81 Formação dos grupos Figura 82 Discussão dos temas Figura 83 Plenária e consolidação das proposituras Figura 84 Frase da Visão do Futuro para o município de Paty do Alferes Figura 85 Painel expositor

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Características gerais do meio físico Quadro 2 Dados de qualidade do Rio Paraíba do Sul Quadro 3 Características gerais do meio biótico Quadro 4 Valores adicionados por setor (R$) Quadro 5 Indústrias no Município Quadro 6 Empresas para mão-de-obra Quadro 7 Empresas de construção Quadro 8 Domicílios com energia elétrica Quadro 9 Evolução populacional Quadro 10 Rendimento nominal médio Quadro 11 Índice FIRJAN Quadro 12 - Escolas no Município Quadro 13 Indicadores de educação- Pessoas de 10 anos de idade ou mais Quadro 14 - Distribuição percentual das internações por faixa etária. Doenças infecciosas e parasitárias Quadro 15 Principais características da unidade de reservação Quadro 16 Setores de risco iminente a escorregamentos no município de Paty do Alferes Quadro 17 Taxas de crescimento aritmético e geométrico Quadro 18 Variáveis e parâmetros adotados Quadro 19 Metas do SAA do município de Paty de Alferes Quadro 20 Projeção da demanda de água na sede de Paty do Alferes 2013 a Quadro 21 Projeção da demanda de água no distrito de Avelar 2013 a Quadro 22 Metas do SES do município de Paty do Alferes Quadro 23 Projeção da demanda de esgoto na sede de Paty do Alferes 2013 a Quadro 24 Projeção da demanda de esgoto no distrito de Avelar 2013 a Quadro 25 Informações gerais das sub-bacias do município de Paty do Alferes Quadro 26 Projeção da demanda de microdrenagem na sede de Paty do Alferes 2013 a Quadro 27 Projeção da demanda de microdrenagem no distrito de Avelar 2013 a Quadro 28 Investimentos para a universalização do SAA no distrito Quadro 29 Custos de manutenção do SAA no distrito sede Quadro 30 Investimentos para a universalização do SAA no distrito Avelar Quadro 31 Custos de manutenção do SAA no distrito Avelar

13 Quadro 32 Investimentos para a universalização do SES no distrito sede Quadro 33 Custos de manutenção do SES no distrito sede Quadro 34 Investimentos para a universalização do SES no distrito Avelar Quadro 35 Custos de manutenção do SES no distrito Avelar Quadro 36 Proposições, custos e prazos para a universalização do SDU no distrito sede Quadro 37 Proposições, custos e prazos para a universalização do SDU no distrito de Avelar Quadro 38 Objetivos, metas e ações para a institucionalização do saneamento básico no município Quadro 39 Objetivos, metas e ações para situação de emergência em saneamento básico no município Quadro 40 Objetivos, metas e ações para o SAA no município Quadro 41 Objetivos, metas e ações para o SES no município Quadro 42 Objetivos, metas e ações para o SDU no município Quadro 43 Aspectos dos contratos de PPP Quadro 44 Estudo de viabilidade econômica e financeira Quadro 45 - Riscos potenciais abastecimento de água potável Quadro 46 - Ações de controle operacional e manutenção abastecimento de água potável Quadro 47 - Riscos potenciais esgotamento sanitário Quadro 48 - Ações de controle operacional e manutenção esgotamento sanitário Quadro 49 - Riscos potenciais drenagem e manejo de águas pluviais urbanas Quadro 50 - Ações de controle operacional e manutenção drenagem urbana Quadro 51 Fontes de financiamento Quadro 52 Contrapartida - Orçamento Geral da União Quadro 53 Condições financeiras BNDES Quadro 54 Municípios integrantes da RHMPS Quadro 55 Cobertura vegetal e uso do solo nos municípios localizados na área de atuação da sub bacia do Médio Paraíba do Sul (em hectares) Quadro 56 Estimativa da evolução da população urbana na Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul Quadro 57 População dos municípios integrantes da RHMPS Quadro 58 Valores do PIB dos municípios da RHMPS Quadro 59 Operadores dos serviços de saneamento dos municípios inseridos na RHMPS

14 Quadro 60 Informações orçamentárias e financeiras do SAA e SES dos municípios que elaboraram o PMSB Quadro 61 Informações dos sistemas de abastecimento de água Quadro 62 Informações dos sistemas de esgotamento sanitário e drenagem urbana Quadro 63 Índice de perdas em circunstâncias típicas Quadro 64 Investimentos por município e componente Quadro 65 Investimentos para a universalização na RHMPS Quadro 66 Investimentos per capita para os SAA, SES e SDU nos municípios da RHMPS Quadro 67 Definições de termos na área de saneamento e afins Quadro 68 Relatório conclusivo - Diagnóstico Quadro 69 Visão de Futuro- Ações propostas pelos munícipes de Paty do Alferes

15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO MUNICIPAL MEIO FÍSICO MEIO BIÓTICO MEIO SOCIOECONÔMICO POTENCIALIDADES E FRAGILIDADES DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS HISTÓRICO DA GESTÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO NO MUNICÍPIO ARRANJO INSTITUCIONAL Sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário SISTEMA DE DRENAGEM URBANA ARRANJO ORÇAMENTÁRIO E FINANCEIRO Abastecimento de água e esgotamento sanitário Esgotamento Sanitário Drenagem Urbana ARRANJO LEGAL Regime jurídico nacional Legislação estadual Legislação municipal DIAGNÓSTICO DA INFRAESTRUTURA EXISTENTE SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO SISTEMA DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Macrodrenagem Microdrenagem Áreas de risco ESTUDO POPULACIONAL... 77

16 5.1. ESTUDO POPULACIONAL ESTUDO DE DEMANDAS Sistema de abastecimento de água Sistema de esgotamento sanitário Sistema de drenagem urbana PROPOSIÇÕES PARA OS SISTEMAS CENÁRIOS PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO ABASTECIMENTO DE ÁGUA ESGOTAMENTO SANITÁRIO DRENAGEM URBANA METAS E AÇÕES PARA O SETOR DE SANEAMENTO ARRANJOS INSTITUCIONAIS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ADMINISTRAÇÃO DIRETA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA Entidades paraestatais Prestação por Empresas Públicas ou Sociedades de Economia Mista Municipais CONSÓRCIOS MUNICIPAIS PARTICIPAÇÃO PRIVADA Contratos de concessão plena Contratos de Parceria Público-Privada (PPP) Contratos de Terceirização/Contratos de Serviço Contratos de Gestão Contratos de Operação e Manutenção (O&M) Contratos de Locação de Ativos (Affermage ou Lease Build Operate LBO) Contratos de Concessão Parcial Tipo: Build-Operate-Transfer (BOT); Build, Transfer and Operate (BTO); Build, Own and Operate (BOO) Empresas de Economia Mista Considerações finais VERIFICAÇÕES E PROPOSIÇÕES PARA O MUNICÍPIO DE PATY DO ALFERES.. 139

17 8. SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS INDICADORES DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ABASTECIMENTO DE ÁGUA Índice de atendimento urbano de água Consumo médio per capita Índice de perdas na distribuição Incidência de análises de cloro fora do padrão Incidência das análises de coliformes totais fora do padrão ESGOTAMENTO SANITÁRIO Índice de atendimento urbano de esgoto Índice de coleta de esgotos Índice de tratamento de esgotos DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS URBANAS Indicador da gestão do serviço Índice de atendimento urbano de microdrenagem Índice de atendimento territorial urbano de microdrenagem Índice de pontos de alagamento sanados PLANOS DE CONTINGÊNCIA E EMERGÊNCIA FONTES POSSÍVEIS DE FINANCIAMENTO FONTES PRÓPRIAS FONTES DO GOVERNO FEDERAL Recursos do fundo de garantia por tempo de serviço Saneamento para Todos Orçamento Geral da União (OGU) Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Ministério da Justiça FONTES DO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FUNDRHI) FECAM Recursos próprios do município

18 11.4. OUTRAS FONTES Financiamentos internacionais Participação do capital privado Proprietário de imóvel urbano - Contribuição de melhoria e plano comunitário de melhoria Expansão urbana Recursos oriundos da cobrança pelo uso da água, Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (CEIVAP) CONTROLE SOCIAL SEMINÁRIO LOCAL OFICINA 1 LEITURA COMUNITÁRIA SEMINÁRIO LOCAL OFICINA 2 VISÃO DE FUTURO CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DIAGNÓSTICO DA INFRAESTRUTURA REGIONAL EXISTENTE INTERFERÊNCIAS E INTERSECÇÕES INVESTIMENTOS PARA UNIVERSALIZAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM E MANEJO DAS ÁGUAS PLUVIAIS URBANAS POSSÍVEIS ARRANJOS INSTITUCIONAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GLOSSÁRIO APÊNDICE A. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL APÊNDICE B MAPAS TEMÁTICOS APÊNDICE C OFICINA 1 LEITURA COMUNITÁRIA APÊNDICE D OFICINA 2 VISÃO DE FUTURO

19 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ INTRODUÇÃO No final da década de 60 do século XX, as demandas urbanas relativas aos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário, demonstrando uma deficiência no sistema de saneamento, atingiram uma magnitude que levou o Governo Federal a implantar o Plano Nacional de Saneamento (PLANASA). Esse plano foi destinado a fomentar esses serviços públicos com recursos provenientes do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), administrado pelo Banco Nacional de Habitação (BNH). A maior parte dos municípios, titulares da obrigação constitucional pela prestação dos serviços de água e esgotos, foi forçada a se alinhar com o PLANASA numa tentativa de solucionar os problemas sanitários prementes, afetos aos aspectos de riscos à saúde pública. Os estados criaram as companhias estaduais de saneamento e os municípios que optaram pela prestação do serviço de saneamento, através das companhias estaduais, assinaram os contratos de concessão. Muitos municípios mantiveram os seus serviços próprios prestados através de companhias municipais, autarquias, administração direta e departamentos, mas ficaram com poucas possibilidades de investimentos de outras fontes que não fossem as próprias. O modelo ficou saturado ao longo do tempo sendo então necessária a busca de outra ordem disciplinadora para os serviços de saneamento. Nesse sentido, foi promulgada, em 5 de janeiro de 2007, a Lei Federal nº que estabeleceu as novas diretrizes nacionais para o saneamento básico. Por este motivo, a lei é conhecida como o novo marco regulatório do setor. O Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) é um instrumento exigido no Capítulo II da Lei nº /2007. Essa, define, ainda, o exercício de titularidade pelo município, conforme seu art. 8º, ao estabelecer que os titulares dos serviços públicos de saneamento básico podem delegar: a organização, a regulação, a fiscalização e a prestação desses serviços, nos termos do art. 241 da Constituição Federal, bem como, do art. 9º da Lei nº /2005, Lei dos Consórcios Públicos. O Decreto Federal regulamentador nº 7.217, de 21 de junho de 2010 estabeleceu as normas para a execução das diretrizes do saneamento básico e regulamentou a aplicação da Lei nº /2007. Em suma, o citado decreto estabeleceu que o titular dos serviços formulasse as respectivas políticas públicas de saneamento básico, devendo, para tanto, elaborar os Planos Municipais de Saneamento, destacando que o planejamento é de competência do titular.

20 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 20 Em vista das dificuldades dos municípios em tomar para si a elaboração do seu PMSB, programas governamentais e mesmo agências de bacia têm assumido a incumbência de desenvolvê-los mediante convênio. A AGEVAP contratou um lote de planos a serem elaborados por empresa de consultoria especializada, porém, sempre com a participação do município, o maior interessado. Embora plenamente conhecida a importância do saneamento para o ambiente e para a melhoria das condições de saúde dos munícipes, foi somente a partir da Lei nº /2007 que o setor de saneamento passou a ter um marco regulatório que colocou como instrumento necessário o PMSB. Para elaborá-lo é necessário coletar e apresentar um conjunto de informações ambientais que caracterizam o município. Junto com a base cartográfica, as informações colhidas em campo constituem o meio para se conhecer a situação atual e também fazer as proposições futuras que levam à universalização, quantificando investimentos, finalidade precípua do plano. De uma maneira geral, percebe-se pouco conhecimento do município em relação à sua infraestrutura de saneamento e a respectiva prestação de serviços. As causas são variadas, mas duas se estacam: a complexidade típica das atividades associadas ao saneamento e a operação por concessionárias regionais que afastaram o serviço do cotidiano e do conhecimento do município, pois tiveram pouca iniciativa ao longo da sua operação em divulgar sua atuação, incluindo os problemas e desafios. Os munícipes pouco enxergavam os serviços de saneamento como seus. Para propor a infraestrutura e o respectivo serviço de saneamento, parte-se do conhecimento do território do município, suas condicionantes, seus diferenciais, acessos e legislação. O relevo, por exemplo, condiciona a ocupação urbana; e consequentemente os sistemas de abastecimento de água, de esgotos sanitários e de drenagem, e, manejo de águas pluviais urbanas. Ao mesmo tempo, esses sistemas de saneamento são elementos estruturantes do tecido urbano, como por exemplo, a rede hídrica. A drenagem natural do território, costuma delimitar e contornar o traçado das ruas. Assim, é necessário caracterizar o município com enfoque no saneamento para poder propor medidas que levem à prestação adequada dos serviços. Essa foi a primeira etapa da elaboração do PMSB do município de Paty do Alferes, a caracterização; a qual foi seguida do diagnóstico efetuado com a participação dos gestores locais dos serviços de saneamento. Para tanto, foi realizado um levantamento de todas as informações pertinentes disponíveis no município, referentes ao ambiente, saúde pública, urbanização e legislação

21 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 21 pertinente, dentre outros. Essas informações foram a base para o diagnóstico dos sistemas de abastecimento de água, de esgotamento sanitário e de drenagem urbana; e, dependem de visitas locais, múltiplas e extensas. As visitas a campo evidenciaram as dificuldades que os municípios possuem ao gerir os serviços de saneamento, pois faltam órgãos específicos que contenham as informações e que as analisem e apurem a sua consistência. A experiência de campo comprovou as dificuldades apontadas de forma que uma única visita não foi suficiente, sendo necessário, na maioria dos casos, três ou quatro visitas a campo, para que se conseguisse obter um rol mínimo de informações que permitissem caracterizar o município e a prestação dos serviços de saneamento. As visitas repetidas têm, no entanto, um aspecto bastante positivo, pois preparam o município para as etapas posteriores à elaboração do PMSB, uma vez que aumenta a divulgação do instrumento, o que contribui para a mobilização social. O município volta a se aproximar do saneamento básico, volta a discutir a sua importância para a qualidade de vida e a saúde da população; saindo de uma posição de desconhecimento ou de conhecimento mais teórico em termos de ideia, caminhando para uma visão mais prática aplicada à sua realidade. Embora o serviço de abastecimento de água seja uma necessidade básica e por isso com um maior percentual de atendimento à população, há carência de informações. Por exemplo, quase não há dados sobre a quantidade de água potável produzida, impossibilitando calcular as perdas dos sistemas. O foco da prestação do serviço de abastecimento de água era ofertá-la a todo custo, o quê é elogiável, mas a preocupação em avançar na gestão do mesmo acabou ficando para trás. Foram encontradas muitas dificuldades em conseguir informações a respeito do serviço de abastecimento de água. Mais carente, ainda, são os serviços de esgotamento sanitário e drenagem e manejo de águas pluviais urbanas; esse último o menos estruturado de todos. Assim, ao se caracterizar o município, depara-se geralmente com muita carência de informações, o que leva a duas consequências imediatas. A primeira, identificar, no rol de informações disponíveis, aquelas que contribuem para entender a dinâmica do município e para a proposição de alternativas que levem, no futuro, à universalização dos serviços. A exemplo, faz-se necessário conhecer o relevo e qual a direção da expansão urbana. A segunda consequência tem o foco voltado aos próximos planos municipais, revistos a cada quatro anos. Cabe nesta primeira execução do plano, propor meios de melhorar a gestão dos serviços de saneamento para que, na próxima elaboração, mais dados e informações consistentes estejam disponíveis.

22 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 22 A partir do conhecimento do município, da sua prática de mobilização social e dos meios de comunicação usuais foram propostas oficinas e audiência pública como meios de legitimar as proposições do PMSB. Foram efetuadas duas oficinas com ampla participação da sociedade civil; a primeira, de diagnóstico, e, a segunda, de visão do futuro. Nas oficinas, a população se manifestou, contribuindo com sua vivência acerca da prestação dos serviços. Com esse rol amplo de informações, foram realizadas as proposições, sempre pautadas pelas diretrizes de universalização do saneamento municipal, abrangendo três componentes: água, esgotos e drenagem urbana. O detalhamento dessa atividade é demonstrado adiante, nesse volume.

23 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ CARACTERIZAÇÃO MUNICIPAL O Município de Paty do Alferes possui área territorial de 319,103 km² e encontra-se no sudoeste do Estado do Rio de Janeiro, posicionado nos contrafortes da Serra do Mar sob as coordenadas: latitude sul - 22º25 10 S e longitude oeste - 43º25 21 W. Ocupa 10,5% da região Centro-Sul fluminense. Sua altitude em relação ao nível do mar é de 610m. O fuso horário é UTC-3. Os municípios limítrofes são: Miguel Pereira, Paraíba do Sul, Petrópolis e Vassouras. (Figura 1). Figura 1 Localização de Paty do Alferes em relação aos municípios limítrofes Fonte: FEAM, 2010 O município de Paty do Alferes é acessado pelas rodovias: RJ-125, RJ-124 e RJ-117 que possibilitam a intercomunicação com os municípios limítrofes (Figura 2). Em relação à distância aos grandes centros, encontra-se a 119 km da cidade do Rio de Janeiro.

24 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 24 Figura 2 Acessos ao município Fonte: DER-RJ

25 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ MEIO FÍSICO O meio físico define o suporte onde o território do município se desenvolve e acontecem as suas atividades socioeconômicas. No Quadro 1 são resumidas as principais características gerais do meio físico em relação ao clima, geologia, hidrologia e águas superficiais, ou seja, as que interferem diretamente com o saneamento básico. Clima Geologia Hidrogeologia Águas Superficiais Quadro 1 Características gerais do meio físico Caracterização climática Variação da temperatura Altura pluviométrica média anual Formação geológica Domínios hidrogeológicos Unidades hidrogeológicas Litotipos Bacia Hidrográfica Principais afluentes do principal Rio da Bacia Comitê de Bacia Tropical de altitude 17 o C a 35 o C mm Rochas ortoderivadas; rochas paraderivadas; diques de diabásio; falhas, fraturas e dobras. Metassedimentos/metavulcânicas; Cristalino. Depósitos colúvio-aluvionares; Granito Serra da Concórdia, Suíte Serra das Araras; Itatiaia; Varginha- Guaxupé, unidade paragnáissica migmatítica superior; Quirino; Paraíba do Sul, unidade terrígena com intercalações carbonáticas; Granito Rio Turvo; Embu, unidade paragnáissica; Embu, unidade de xistos, localmente migmatíticos; Morro Redondo; Juiz de Fora, unidade tonalítica; Granito Quebra Cangalha, Suíte Serra das Araras; Suíte Pouso Alto; Pedra Selada. Granito, além de unidades do Complexo Juiz de Fora, Complexo Embu e Grupo Andrelândia. Rio Paraíba do Sul Fonte: IBGE, 2010; CPRM, 2000; CPRM, 2008; INEA, 2013 Rios Jaguari, Buquira, Paraibuna, Piabanha, Pomba e o Muriaé CBH do Médio Paraíba do Sul O relevo do município favorece a coleta de esgotos por gravidade, porque é acidentado, apresenta áreas de colinas suaves e várzeas correspondentes à bacia do rio Ubá. Conforme orientações das encostas o município pode ser subdividido: Vertentes orientadas no sentido Norte (10%), Noroeste (10%) e Oeste (11%), assim como uma

26 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 26 proporção classificada como Flat (34%). Essa corresponde a áreas praticamente planas, várzeas ou topos de morros aplainados ou aquelas aonde não foi possível a classificação. O relevo é formado basicamente por colinas de pequena a média amplitude, intermediadas por vales planos, por onde escoam os rios. Essa propriedade também é válida para o escoamento das águas pluviais urbanas por meio da microdrenagem, reduzindo a necessidade de bocas-de-lobo. No entanto, nas ruas de maior declividade, as bocas-de-lobo precisam ser colocadas tendo em vista a velocidade elevada que as águas pluviais alcançariam. Em relação ao abastecimento de água, o relevo ondulado, também favorece a sua distribuição; no entanto, é necessário cuidado para evitar desníveis elevados entre o reservatório e a rede de distribuição, ou seja, acima de 50 m, o que elevaria muito a pressão de distribuição de água. De forma geral, as águas subterrâneas, além de seu caráter interligado e indissociável dos demais compartimentos do ciclo hidrológico (águas superficiais, intersticiais e atmosféricas, além da água presente na biota), constituem recurso hídrico. No município, há aquíferos do tipo fissural, considerados de baixa favorabilidade hidrogeológica. Para se conhecer variações litológico-estruturais e hidrogeológicas locais, bem como eventuais zoneamentos hidrogeológico-hidrogeoquímicos, seria necessário efetuar estudos de detalhamento, mas é possível afirmar que a disponibilidade hídrica subterrânea é limitada; logo, deve ser utilizada somente em casos onde a pequena produção é suficiente para atender comunidades também pequenas e isoladas. Do ponto de vista quantitativo, a baixa favorabilidade não significa que não haja água subterrânea disponível ou a mesma não possa ser explorada a contento; apenas indica que as vazões típicas são mais modestas em comparação aos melhores aquíferos existentes. Nesse caso, respeitando-se a ótima vazão determinada em testes criteriosamente executados, obedecendo-se os perímetros de proteção e não incorrendo em superexplotação, quer pelo uso de vazões individuais maiores que aquelas determinadas em testes, quer pela interferência entre poços muito próximos entre si, é possível ter, na água subterrânea, um recurso hídrico disponível para o município. Do ponto de vista qualitativo, seria necessário o inventário, o monitoramento e o controle das fontes potenciais de poluição municipal, tais como: cemitérios; postos e sistemas de armazenamento de combustível; indústrias; locais que eventualmente sofreram acidentes; minerações; aterros, lixões e demais locais com disposição de resíduos sólidos, atuais ou antigos; locais com existência de fossas sépticas e demais sistemas de saneamento in situ, dentre outros. Tais procedimentos visam preservar os aquíferos locais, bem como o monitoramento da qualidade das águas subterrâneas, com base em resoluções do CONAMA e nos padrões de potabilidade.

27 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 27 Para a instalação de poços, recomenda-se a observação das Normas Técnicas Brasileiras Vigentes (NBR) vigentes, tais como: NBR Projeto de poço tubular profundo para captação de água subterrânea; NBR Construção de poço tubular profundo para captação de água subterrânea; NBR 13604/13605/13606/13607/ Dispõe sobre tubos de Policloreto de Vinila. (PVC) para poços tubulares profundos. O território de Paty do Alferes encontra-se subdividido entre as sub-bacias dos rios Ubá ou do Saco (86%), Fagundes (13%), e Rio Alegre (1%), segundo (ANA, 2002). Verificase que significativa parcela relaciona-se à sub-bacia do rio Ubá. Com nascentes localizadas no município de Miguel Pereira, apresenta padrões de qualidade de água bastante comprometidos. De seus 12% ocupados por áreas urbanas (CIDE, 2002), observa-se forte concentração urbana nas áreas de preservação permanente, especialmente nos fundos de vale, desde a nascente nas proximidades do lago Javary em Miguel Pereira até Avelar Paty do Alferes, resultando em impactos localizados, aporte de efluentes in natura e lixo no leito. Para avaliar a disponibilidade hídrica dos corpos d água superficiais, próximos à área urbana do município, foram consultados os dados disponíveis no Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul (COPPETEC, 2007a). As disponibilidades foram calculadas a partir das equações definidas nos estudos de regionalização hidrológica de vazões médias de longo período (MLT) e de vazões com 95% de permanência no tempo (Q 95%), desenvolvidos pela CPRM, e complementados pelo Laboratório de Hidrologia e Estudos de Meio Ambiente da COPPE/UFRJ, apenas para o trecho do rio Paraíba do Sul entre a barragem de Santa Cecília e a confluência dos rios Piabanha e Paraibuna. O curso d água com maior disponibilidade hídrica regional é o Rio Paraíba do Sul, situado 20 km ao norte (COPPETEC, 2007a). O desenvolvimento da região da Bacia do Rio Paraíba do Sul vem proporcionando a degradação da qualidade de suas águas e redução de sua disponibilidade hídrica. Ao longo do Rio Paraíba e de seus principais afluentes, indústrias se instalaram e cidades cresceram, lançando efluentes em suas águas, na maioria das vezes sem qualquer tipo de tratamento. Os dados da qualidade da água foram levantados nas instituições responsáveis pelo monitoramento: Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, no Estado de São Paulo (CETESB); Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro (INEA) e Fundo Estadual do Meio Ambiente de Minas Gerais (FEAM). O Quadro 2 apresenta um resumo dos dados disponíveis de qualidade para o ponto de monitoramento mais próximo do município.

28 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 28 Quadro 2 Dados de qualidade do Rio Paraíba do Sul Ponto de coleta Dados da qualidade da água do Rio Paraíba do Sul Amostra de água recolhida na superfície Estação PS430 Parâmetro Und. Data Hora Valor Resultados aceitos de acordo com a CONAMA 357 Três Rios 22º06'13''S 043º10'08''W DBO (mg/l) 09/01/ : mg/l OD (mg/l) 09/01/ :15 6,8 5 mg/l Coliformes termotolerantes (NMP mil/100ml) 09/01/ : <2500/100ml Fonte: INEA, Dados de Qualidade, 2013 A Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) e o teor de Oxigênio Dissolvido (OD) estão dentro do limite e mostram a boa qualidade das águas, embora prejudicadas pelo aspecto sanitário. Os usos da água considerados para elaboração do PMSB foram todos aqueles que, de alguma forma, poderiam interferir nas captações existentes, sejam superficiais ou subterrâneas; ou mesmo, nos corpos receptores que recebem despejos tratados ou in natura. Para tanto, foi consultada a base legal do Estado do Rio de Janeiro referente às outorgas pelo uso das águas. Os atos de autorização de uso dos recursos hídricos no Estado do Rio de Janeiro, a outorga, o cancelamento, a emissão de reserva de disponibilidade hídrica para fins de aproveitamentos hidrelétricos e sua consequente conversão em outorga de direito de uso de recursos hídricos, bem como perfuração e tamponamento de poços tubulares e demais usos, são da competência do Instituto Estadual do Ambiente. Para levantar quais são as outorgas atuais no município de Paty do Alferes, foi consultado o estudo da AGEVAP (2011). Não foram encontradas outorgas no município, evidenciando a fragilidade legal dos atuais usos, principalmente em relação às captações empregadas de água. A Figura 3 foi elaborada a partir do referido estudo.

29 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 29 Figura 3 Usos outorgados do recurso hídrico Fonte: Relatório de Situação do Rio Paraíba do Sul. AGEVAP, MEIO BIÓTICO A vegetação se apoia e se desenvolve a partir do meio físico já apresentado. O Quadro 3 retrata os principais aspectos, que guardam alguma relação com o saneamento ambiental, principalmente quanto à proteção de mananciais superficiais. Quadro 3 Características gerais do meio biótico Vegetação Unidades de Conservação Remanescentes florestais nativos APA Palmares Floresta Estacional Semidecidual Criada pelo Decreto nº de 24 de novembro de 2003, localizase na região sul do município constituindo a Unidade Sub-Bacia 2, Tíngua/Palmares. Esta, é considerada área urbana de acordo com a prefeitura de Paty do Alferes e possui 1.485,50 hectares. A APA Palmares apresenta relevo acidentado, onde maior parte da área (71%) situa-se nas classes forte ondulado a montanhoso. Essa região da APA é grande produtora de água, concentrando 44 nascentes e diversos rios e córregos.

30 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 30 APA Lameirão/Goiabal APA Maravilha Criada pelo Decreto nº de 29 de março de 2012, localiza-se na região sul/sudeste de Paty do Alferes. Criada pelo Decreto nº de 29 de março de 2012, localiza-se na região sul/sudeste de Paty do Alferes estabelecendo divisa com o município de Petrópolis. Fonte: IBGE, 2010; Secretaria de Estado de Meio-Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD), Plano Diretor de Paty do Alferes Na área urbana do Município de Paty do Alferes observa-se a existência de áreas poucas arborizadas, ou mesmo, com inexistência de arborização (Figura 4). Esses fatos contribuem para com a degradação e/ou depauperamento dos solos do referido Município. No geral, o que se observa é uma vegetação rasteira que, em anos consecutivos, vem sofrendo com os incêndios florestais, tornando, assim, os solos desprotegidos e, suscetíveis às intemperes. No município foi constatado erosão dos tipos: laminar, em sucos e voçorocas, sendo essa última de difícil contenção. Esses processos de degradação têm afetado todo o Município de Paty do Alferes, inclusive na área urbana, agravados pela ação antrópica. Figura 4 Vegetação remanescente de Mata Atlântica Fonte: SOS Mata Atlântica Considerando a importância para a saúde ambiental e à harmonia paisagística dos espaços urbanos, a arborização contribui, entre outros, para a purificação do ar, melhorando o microclima da cidade, através da umidade do solo e do ar, e pela geração de sombra,

31 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 31 redução na velocidade do vento, influencia, também, o balanço hídrico, favorece infiltração da água no solo, contribui com a evapotranspiração, tornando-a mais lenta; abriga fauna, assegurando maior variedade de espécies; como consequência, auxilia o equilíbrio das cadeias alimentares, diminuindo as pragas e agentes vetores de doenças, além de amenizar a propagação de ruídos MEIO SOCIOECONÔMICO Aqui se apresentam as tipicidades locais desse meio, o qual depende do meio físico e biótico para se desenvolver. São abordados temas como a urbanização, a economia, a população e os serviços no município. A expansão do Município de Paty do Alferes vem ocorrendo ao longo dos eixos viários. Este processo é favorecido pela avenida Osório Duque Estrada que depois se denomina Santos Dumont. Também nota-se expansão na direção norte, ao longo da rodovia RJ-126 que une o município a Vassouras e Paraíba do Sul. Nessa via que se situa Avelar, importante distrito de Paty dos Alferes. Os setores econômicos que ocorrem no município estão, atualmente, mais relacionados aos serviços e menos à produção primária, como a agropecuária. De acordo com os dados publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2009), o município tem 5,19% de seu valor adicionado proveniente de agropecuária; 11,01% proveniente da indústria; 77,12% proveniente de serviços e 6,68% proveniente de impostos. Os Valores Adicionados (VA) em reais, para cada setor, encontram-se apresentados no Quadro 4. Quadro 4 Valores adicionados por setor (R$) VA - Agropecuária VA - Indústria VA - Serviços VA - Impostos VA - Total , , , , ,00 5,20% 11,00% 77,12% 6,68% 100% Fonte: IBGE, 2009 Atualmente o município conta com 501 empresas, além do setor terciário, empregando pessoas com rendimento médio igual a 1,9 salários mínimos. A arrecadação municipal não é expressiva. O orçamento do município, segundo os últimos dados publicados pelo Ministério da Fazenda, referentes ao ano de 2012, foi de R$ ,97. Assim, os setores de transformação possuem um papel importante na dinâmica urbana.

32 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 32 Destaca-se a forte presença da instalação de pequenas e médias indústrias de produtos alimentícios, metalurgia, confecção, embalagens, materiais de construção, com ênfase para a indústria relacionada a desdobramento de madeira. Entretanto, o município se ressente do baixo nível de preparo profissional da grande massa de sua população economicamente ativa. As indústrias localizadas no município estão resumidas no Quadro 5. Não há nenhuma grande indústria que impusesse demanda especial de abastecimento de água, por exemplo. Quadro 5 Indústrias no Município Indústrias Quantidade de estabelecimentos Desdobramento de madeira6 5 Fabricação de laticínios 4 Fabricação de produtos de panificação 4 Extração de pedra, areia e argila 3 Confecção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas 3 Fonte: SEBRAE, 2011 Há pouca oferta de empresas de mão-de-obra no município. Foi encontrada somente uma, conforme o Quadro 6. Isso pode dificultar a implantação de obras de saneamento. Quadro 6 Empresas para mão-de-obra Fonte: TUUGO, 2011 Empresa Agiliza Construções Endereço Rua Capitão Zenobio da Costa,20 Os serviços especializados de engenharia como os de construção também são limitados no Município, conforme se observa no Quadro 7. Quadro 7 Empresas de construção Empresa Endereço Carpal Materiais de Construção Av. Ozorio Dq. Estrada, 389 Lageska Materiais de Construção Rua A Batista F Junior, 28 Asda Material de Construção Av. Roberto Silveira,1820 Lageska Material de Construção Estrada Arcozelo, 401 Material de Construção União Carvalheira Av. Osório Duque Estrada, 389 Manoel Simones Material de Construção Rua BR de Capivari,85 Fonte: TUUGO, 2011

33 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 33 A concessionária de energia elétrica em Paty do Alferes é a Light Serviços de Eletricidade; e a rede de distribuição é aérea. O número de domicílios servidos por energia elétrica está colocado no Quadro 8. Esse número é importante, porque dá uma idéia de quantas economias ou ligações de água e esgotos potencialmente existiriam no município. Quadro 8 Domicílios com energia elétrica Domicílios particulares permanentes Domicílios com energia elétrica Domicílios sem energia elétrica domicílios domicílios 36 domicílios Fonte: Informações do Brasil, 2010 Os pontos importantes a considerar para entender a dinâmica da população referemse ao seu crescimento e indicadores mais ligados às questões de saneamento. São trazidos índices e indicadores com a função de entender a situação social da população do município. Índices de crescimento De acordo com dados do Censo de 2010 a população total do município de Paty do Alferes é de habitantes, sendo habitantes residentes na área urbana e habitantes na área rural. Observa-se que a população é predominantemente urbana. O Quadro 9 apresenta a evolução populacional do município, tomando-se como base os censos e contagem do IBGE entre os anos de 2000 e Quadro 9 Evolução populacional População Crescimento no período ( ) Total (habitantes) ,73% Urbana (habitantes) ,92% Rural (habitantes) ,91% Fonte: IBGE, 2010 No período entre os censos de 2000 e 2010, o município apresentou um crescimento de 5,73% da população total e como tendência dos municípios brasileiros houve um decréscimo significativo da população rural.

34 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 34 Indicadores Sociais e de Renda Em 2010, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) de Paty do Alferes foi de 0,671. O município está situado na faixa de Desenvolvimento Humano Municipal médio, IDHM entre 0,6 e 0,699. Entre 2000 e 2010, a dimensão que mais cresceu foi a Educação, com crescimento de 0,188, seguida por Longevidade e por Renda. Da mesma forma, entre 1991 e 2000, a dimensão que mais cresceu também foi a Educação, com crescimento de 0,148, seguida pela Longevidade e pela Renda (ATLAS BRASIL, 2013). O Quadro 10 apresenta informações comparativas referentes ao valor do rendimento nominal média mensal dos domicílios do município em relação a população rural, urbana, e, total. Quadro 10 Rendimento nominal médio Rendimento nominal médio mensal per capita dos domicílios particulares permanentes R$ Rural 455,72 Urbana 688,80 Total 778,63 Fonte: IBGE, 2010 Indicador FIRJAN No Quadro 11 é apresentado o Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM) elaborado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN). Esse índice é formado por três componentes: emprego e renda, educação, e, saúde. O IFDM do Município de Patu do Alferes é equivalente a 0,6554; considerado de desenvolvimento médio, tendo componente de emprego e renda abaixo da mediana do Estado, enquanto que a componente educação está próxima da mediana do Estado e um destaque especial a componente da saúde, com um valor próximo ao máximo do Estado.

35 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 35 Quadro 11 Índice FIRJAN RIO DE JANEIRO IFDM Emprego & renda Educação Saúde Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal RIO DE JANEIRO 0,8230 0,8745 0,7690 Mediana 0,7090 0,4966 0,7869 Máximo 0,8655 0,9438 0,9094 Mínimo 0,5828 0,1693 0,6334 0, , , ,639 8 Nacional Ranking IFDM Estadual UF Ranking IFDM Ano base 2010 IFDM Emprego & renda Educação Saúde 2639º 75º RJ Paty do Alferes 0,6554 0,4298 0,7653 0,771 1 Fonte: Firjan Indicadores de educação No Quadro 12, encontram-se demonstrados a estrutura educacional e a oferta de vagas em escolas, no Município, de acordo com o IBGE (2009). Quadro 12 - Escolas no Município Ensino Grau Escolar Nº de Escolas Nº de Matriculas Nº de Docentes Ensino médio Ensino fundamental Pré-escola Fonte: IBGE, 2009 Já o nível de escolaridade da população com 10 anos ou mais é resumido no Quadro 13. Os números do quadro mostram a dificuldade em se encontrar mão de obra qualificada, como mencionado anteriormente. Quadro 13 Indicadores de educação- Pessoas de 10 anos de idade ou mais Indicadores de educação Sem instrução e fundamental incompleto Pessoas Ensino fundamental completo e médio incompleto 3557 Pessoas Ensino médio completo e superior incompleto 3513 Pessoas Ensino superior completo 911 Pessoas Não determinado 127 Pessoas Fonte: IBGE, 2009

36 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 36 Indicadores de saúde As doenças infecciosas e parasitárias, por faixa etária, estão demonstradas no Quadro 14. Observe-se que 2,5% das doenças registradas estão relacionadas à falta de infraestrutura de saneamento. No entanto, segundo as mesmas fontes, não houve mortalidade causada por doenças desse tipo. Quadro 14 - Distribuição percentual das internações por faixa etária. Doenças infecciosas e parasitárias Idade Menor 1 1 a 4 5 a 9 10 a a a a e mais 60 e mais Total Porcentagem 7,1 7,3 4,0 3,3 1,3 1,2 2,5 5,0 4,5 2,5 Fonte: Secretaria Executiva. Ministério da Saúde, 2009 A mortalidade infantil por nascidos-vivos é igual a 26,2%, número inferior a 10, limite acima do qual a falta de saneamento influencia no índice, enquanto que o número de óbitos por habitantes é igual a 7,3, todos valores para Para esse mesmo ano, a taxa bruta de natalidade é igual a 13,2. Pelo exposto, não há incidência de endemias e mesmo de doenças emergentes, apesar da falta de infraestrutura de saneamento, notadamente de coleta, afastamento e tratamento de esgotos sanitários POTENCIALIDADES E FRAGILIDADES Após visitas ao município e coleta de dados secundários, é possível, inicialmente, apontar as seguintes potencialidades: Facilidade de acesso ao distrito, incluindo a sede; Áreas urbanas definidas e consolidadas. Expansão ao longo dos principais eixos viários, ocorrendo em áreas favoráveis; Possibilidade de expansão urbana em terrenos favoráveis, evitando os frágeis, sejam esses perante a inundação, sejam com declividades acentuadas; Disponibilidade hídrica adequada perante a atual demanda e mesmo para suprir eventual expansão urbana inesperada; Existência de um serviço já operando e que conta com uma oferta de água potável adequada, podendo acompanhar futuras expansões. Em relação às fragilidades, destaca-se a pouca estrutura do serviço atual de saneamento, bem como a falta de sistema separador absoluto entre água pluvial e esgotos sanitários.

37 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS O saneamento básico engloba o conjunto dos serviços e instalações de abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos e drenagem e manejo das águas pluviais urbanas. Quando esses serviços de saneamento são prestados de maneira adequada proporcionam melhor qualidade de vida da população e a conservação do meio ambiente. Segundo o Ministério das Cidades (2012), as ações de saneamento são consideradas preventivas para a saúde, quando garantem a qualidade da água de abastecimento, a coleta, o tratamento e a disposição adequada de dejetos humanos. Essas também são necessárias para prevenir a poluição dos corpos de água e a ocorrência de enchentes e inundações. Para que sejam operados de forma adequada, os sistemas de saneamento requerem além de unidades físicas em si, procedimentos de controle e gestão cada vez mais elaborados, sempre buscando a correta prestação dos serviços e a universalização do atendimento. O diagnóstico aqui apresentado visa mostrar como os serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e drenagem urbana de águas pluviais são prestados no município de Paty do Alferes analisando suas características. Inicialmente serão apresentadas as informações quanto ao histórico da gestão do serviço de saneamento no município, aspectos institucionais, de legislação e financeiro, para os três componentes em conjunto, sendo, no capítulo a seguir, expostas as informações quanto à infraestrutura atualmente existente para cada um dos serviços HISTÓRICO DA GESTÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO NO MUNICÍPIO No Brasil, a história do saneamento básico também se confunde com a formação das cidades. O abastecimento de água era feito através de coleta em bicas e fontes, nos povoados que então se formavam. As ações de saneamento se resumiam à drenagem dos terrenos e à instalação de chafarizes em algumas cidades. A vinda da corte portuguesa em 1808 e a abertura dos portos em 1810 geraram grandes impactos no país, em especial na cidade do Rio de Janeiro. Em cerca de duas décadas, sua população duplicou, passando de aproximadamente habitantes em 1822 para habitantes em Entretanto, a evolução da higiene não acompanhou o aumento populacional e o progresso material e econômico da cidade. As instalações sanitárias das casas ficavam localizadas nos fundos e os despejos eram recolhidos em barris especiais. Quando ficavam cheios, após vários dias de utilização,

38 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 38 acarretando mau cheiro e infectados, eram transportados pelos escravos, apelidados de tigres e despejados na atual Praça da República ou na beira-mar, onde eram lavados. Processo semelhante ocorria em outras cidades como São Paulo. Por causa das doenças geradas, foram criadas leis que fiscalizavam os portos e evitavam a entrada de navios com pessoas doentes. Foi instalada uma rede de coleta para escoamento das águas das chuvas no Rio de Janeiro, mas atendia apenas às áreas da cidade onde morava a aristocracia. No ano de 1840, foi fundada uma empresa para explorar os serviços de transporte de água, o qual se dava através de pipas sobre carroças de duas rodas, puxadas por burros. Com o rápido crescimento das cidades, viu-se a necessidade de implantar melhorias nos sistemas de abastecimento de água. O produto passaria a ser comercializado, deixando de ser um bem natural para se tornar uma mercadoria produzida por um serviço urbano. Com o crescimento das cidades, a situação sanitária do Estado do Rio de Janeiro se tornava cada vez mais precária. Começa-se a pensar em saneamento básico para as cidades, isto é, num plano para coletar e tratar também, os esgotos, e, não somente a água. Isso foi decorrência da insatisfação geral da população em função da péssima qualidade dos serviços prestados pelas empresas estrangeiras, concessionárias destes serviços na época, ocorrendo, então, a estatização dos serviços. Em 1912, foi adotado o regime separador absoluto: sistemas de esgotos sanitários passaram a ser obrigatoriamente projetados e construídos independentemente dos sistemas de drenagem pluvial. Com isso ocorreu a generalização do emprego de tubos de concreto e a drenagem tornou-se um elemento obrigatório dos projetos de urbanização, principalmente, devido às chuvas intensas, características de zonas tropicais. Com o aumento do êxodo rural, a partir dos anos 50 do século XX, em direção aos grandes centros industriais, aumentou a demanda por serviços de saneamento, iniciando a comercialização mais estruturada destes serviços. Desse modo, surgem autarquias e mecanismos de financiamento para abastecimento de água, ocasionando a separação gradativa do saneamento do campo da saúde pública. É criada a Inspetoria de Águas e Esgotos, proporcionando maiores investimentos na cidade do Rio de Janeiro; em especial nos bairros de classe alta e zonas industriais. As décadas de 1970 e 1980 correspondem à arrancada desenvolvimentista do Brasil e maior abertura ao capital estrangeiro como um todo, porém não no setor de saneamento. Com o PLANASA, nessa mesma época, são criadas as empresas estaduais de economia mista para implantar e operar o Sistema de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário - SAA, com destacada participação dos empréstimos do Banco Interamericano de Desenvolvimento. Essa política previa o reembolso via tarifas e exigia autonomia cada vez maior das companhias. Não foi criado um arranjo institucional semelhante, tanto para

39 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 39 resíduos sólidos como para drenagem urbana, de forma que esses serviços ficaram mais carentes, mostrando pouca estruturação no território nacional, principalmente a drenagem urbana. Os municípios autorizavam a companhia estadual a operar seus serviços, seja de água, seja de esgotos, ou mesmo, ambos, simultaneamente; situação essa que buscava aumentar e regularizar a oferta dos mesmos. Nos municípios onde a companhia estadual não assumiu o serviço de coleta e tratamento de esgoto, a responsabilidade tem sido exclusivamente municipal. Em geral a coleta de esgoto é efetuada juntamente com as águas pluviais, regime conhecido como unitário, em desacordo com a legislação em vigor. Historicamente, a falta de recursos para implantar o sistema separador absoluto e a necessidade sanitária de afastar os esgotos do convívio com a população levou a esse cenário. Assim, esgotos são coletados, afastados e lançados em corpos receptores sem qualquer tratamento, prejudicando os cursos d água. Esse modelo perdurou até 2007, quando foi aprovada a Lei Federal nº /2007. Com a publicação da Lei nº /2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico e institui a Política Federal de Saneamento Básico, inicia-se nesse momento, uma nova e desafiadora fase do setor no Brasil. O protagonista principal é o município como titular dos serviços de saneamento básico, exceto nas regiões metropolitanas, onde um ente deste porte seria o responsável. Ficaram definidas as competências municipais quanto ao planejamento, ação essa, indelegável a outro ente federativo ou operador de serviços públicos; à prestação, à regulação, à fiscalização dos serviços, à promoção da participação e controle social. A falta de documentação como, registros e cadastros, bem como a ausência de mecanismos de controle, gestão, regulação e fiscalização, dificultam a análise das condições estruturantes da prestação de serviços de saneamento básico, bem como, comprometem a avaliação da realidade de tais serviços. Contudo, o Município, desde sua independência política, tem firmado diversos convênios, tanto com o Ministério das Cidades, como com o Ministério da Saúde, para atender deficiências no abastecimento de água, disposição de esgotos, pavimentação e drenagem ARRANJO INSTITUCIONAL Neste item, aborda-se a forma pela qual o serviço de água, esgoto e drenagem é arranjado institucionalmente para dar conta das suas mais diversas funções como a operação, a manutenção, o planejamento, e, também sua regulação e fiscalização.

40 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 40 A atividade de planejar os serviços de saneamento básico, nos termos da Lei Federal nº /2007, ainda não existe no contexto local, ou seja, por parte da prefeitura, a qual tomou conhecimento dessa função ao longo do processo de elaboração do PMSB. As atividades de regulação, entendidas de forma singela, são aquelas que monitoram a prestação dos serviços em dois aspectos: Econômico: inclui o controle dos custos, contabilidade regulatória, a verificação da eficiência e da modicidade tarifária, a limitação ao abuso econômico, pois se trata de um monopólio natural, bem como a garantia do equilíbrio econômico do contrato; Qualitativo: inclui a verificação dos produtos ofertados, água potável e coleta de esgotos com efluente nos padrões adequados; a verificação da qualidade dos serviços, eficiência, cobertura, regularidade e atendimento ao usuário, conformidade de prazos dos serviços e índices de satisfação. A fiscalização e o acompanhamento dos serviços são atividades inerentes à regulação e, quanto à qualidade dos mesmos, em alguns pontos se confundem. Contudo, a fiscalização existe em outras esferas que tem vinculação direta ou indireta com a prestação dos serviços. Entre as diretas, estão as atividades de controle da qualidade da água produzida, nos termos da Portaria de Potabilidade nº 2.914/2011, e o controle dos efluentes de esgotos tratados, regido pela legislação ambiental de esfera federal, federal, e, mais ainda, estadual. Como indireta, menciona-se o tempo de restabelecimento dos serviços após interrupções, de execução de ligações prediais, entre outros. Não foi identificada nenhuma atividade hoje exercida por parte do Município de Paty do Alferes quanto à regulação e fiscalização dos serviços. Da mesma forma, não existem procedimentos definidos para a avaliação sistemática da efetividade, eficiência e eficácia dos serviços prestados, tanto de abastecimento de água como esgotamento sanitário e drenagem urbana. Além disso, não existem instrumentos e mecanismos para promover a participação social na gestão dos serviços de saneamento, lembrando que essas ações somente foram previstas a partir da Lei nº / Sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário No Município de Paty do Alferes, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE) é responsável pela prestação do serviço de abastecimento de água, e a própria prefeitura é responsável pelo serviço de esgotamento sanitário. Segundo dados do SNIS (2012) a abrangência do serviço é local, e, não há informação quanto ao número de empregados

41 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 41 próprios. Não foi informado qual é o organograma onde o saneamento está localizado na estrutura administrativa do Município SISTEMA DE DRENAGEM URBANA Diferentemente de outros serviços que compõe o saneamento básico, isto é, água, esgotos e resíduos sólidos, o manejo das águas pluviais, também conhecido por drenagem urbana, é, usualmente, de responsabilidade da Administração Direta do Município; logo, não ocorrendo, a concessão do mesmo. Normalmente, uma Secretaria de Obras e Serviços responde por todas as atividades previstas na Lei /2007, quais sejam: planejamento, regulação, fiscalização e operação, bem como a elaboração de projetos. No município de Paty do Alferes essa condição se confirma, pois o serviço é gerido pela Administração Direta do Município; e, a secretaria para tratar das questões relativas à drenagem urbana é a Secretaria do Planejamento. A própria Prefeitura Municipal responde pelo planejamento de drenagem urbana, mas as ações ainda são pontuais, ou seja, executadas através de sua equipe, sem um planejamento efetivo que atenda com soluções em curto, médio e longo prazo. Não há, portanto, plano municipal que contemple, de modo específico, as ações relativas à drenagem, as quais acontecem no âmbito dos serviços gerais de manutenção da infraestrutura e limpeza urbana. A Prefeitura Municipal não possui instrumento de fiscalização que permita o controle da ocorrência de taxa de impermeabilização dos lotes, situação das estruturas hidráulicas de microdrenagem, entre outros. No que diz respeito ao andamento de obras municipais, a fiscalização é feita pela própria operadora. O Município espera a elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) para que tenha condições de ampliar e sistematizar o serviço prestado em drenagem urbana ARRANJO ORÇAMENTÁRIO E FINANCEIRO O arranjo orçamentário e financeiro é apresentado a seguir para os serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e drenagem urbana.

42 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Abastecimento de água e esgotamento sanitário O município de Paty do Alferes realiza a cobrança do serviço de abastecimento de água, com tarifa média de R$ 3,76/m³ (SNIS, 2012), sendo que, 97% das ligações são hidrometradas. A receita operacional direta resultante da aplicação de tarifas e/ou taxas para a prestação dos serviços foi de R$ ,90 (quatro milhões, duzentos e oitenta e cinco mil, setecentos e oitenta e seis reais, noventa centavos) no ano de Quanto às receitas indiretas, o valor faturado, pela CEDAE, decorrente da prestação de outros serviços vinculados aos serviços de água, mas não contemplados na tarifação, como taxas de matrícula, ligações, religações, sanções, conservação e reparo de hidrômetros, acréscimos por impontualidade, entre outros, implicou a CEDAE a quantia de R$ 2.871,22 (dois mil, oitocentos e setenta e um reais, vinte e dois centavos) em Já as despesas totais com o serviço de água foram de R$ ,72 (seis milhões, quatrocentos e oitenta mil, trinta e três reais, setenta e dois centavos). Esse valor engloba as Despesas de Exploração DEX, pessoal, produtos químicos, energia elétrica, serviços de terceiros, água importada e despesas fiscais ou tributárias, despesas com juros e encargos das dívida, incluindo as despesas decorrentes de variações monetárias e cambiais, despesas com depreciação, amortização do ativo diferido e provisão para devedores duvidosos, despesas fiscais ou tributárias não computadas na DEX, mas que compõem as despesas totais com o serviço, além de outras despesas. O indicador de desempenho financeiro da CEDAE, razão entre a receita operacional direta e as despesas totais como os serviços, foi de 66,14% e, o índice de evasão de receitas, equivalente a 22,14% (SNIS, 2012). Verificou-se que, em 2012, conforme dados do Diagnóstico do SNIS, houve investimentos com recursos próprios do Governo do Estado para aquisição de bens de uso geral, equipamentos e instalações, no total de R$ ,00 (cento e setenta e cinco mil, quinhentos e quarenta e seis reais) Esgotamento Sanitário A Prefeitura do Município de Paty do Alferes não realiza a cobrança do serviço de esgotamento sanitário. Não foi fornecida nenhuma lei estimando a receita onde fixa a despesa para o exercício financeiro de 2013 no referido Município.

43 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Drenagem Urbana A própria Prefeitura Municipal opera o serviço de drenagem urbana. Existe uma norma municipal específica, responsável pela gestão dos serviços de drenagem de águas pluviais pela Secretaria de Obras; porém, não apresenta instrumentos de gestão como tarifas proporcionais à impermeabilização do solo. Em análise a Lei Municipal nº 2.904/2012, verifica-se que há percentual do orçamento municipal destinado a serviços de drenagem urbana, apesar de não haver rubrica específica para esse componente. Não foi fornecido nenhum documento mencionando valores referentes ao sistema de drenagem urbana no município. Assim, não foram verificadas as despesas previstas para o exercício de O município possui uma patrulha fluvial responsável pelo monitoramento hidrológico dos cursos d água, mas não foram fornecidas outras informações sobre como opera e quais dados têm registrados ARRANJO LEGAL Nesse tópico são tratadas as principais leis que têm incidência sobre o tema do saneamento, nas esferas: federal, estadual e municipal. Muitas normas que estão sendo apresentadas disciplinam, de forma direta, a questão do saneamento básico: outras, dizem respeito a temas relacionados com os quais o plano municipal deve guardar intrínseca relação. No Apêndice A encontra-se uma relação das normas separadas por tema e em função das esferas de governo federal e estadual, com destaque aos principais pontos abordados quanto ao aspecto do saneamento básico Regime jurídico nacional A elaboração do PMSB do Município de Paty do Alferes é uma imposição legal inserta na Lei Nacional do Saneamento Básico; art. 9º, I, da Lei nº /2007, que, dentre outras definições, prevê que o ente titular da prestação dos serviços de saneamento deve elaborar tal instrumento. À União, portanto, compete legislar sobre saneamento, mas somente para estabelecer diretrizes gerais e promover programas para o setor; ou seja, deve envidar esforços e investir recursos na melhoria das condições de saneamento, estabelecendo formas de

44 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 44 financiamento e destinação de recursos aos Estados ou Municípios, mediante regras que estabelecidas. Aos municípios, outrossim, sendo o saneamento um assunto de interesse local, compete promover a regulamentação, a implantação e a execução deste serviço, por força do que determina o artigo 30 da Constituição Federal de No âmbito de sua competência, para prover e regulamentar o serviço de saneamento básico, o Município deve estabelecer o modo como se dará a prestação dos serviços, podendo ser executada de forma direta, pela própria Administração Pública Municipal, ou indireta, mediante delegação a particulares, na forma estabelecida pela Lei Federal 8.987/1995. As Parcerias Públicas Privadas se enquadram também nessa lei. Do ponto de vista legal ou jurídico, a construção de um plano de saneamento implica em respeito a um aparato legal, o qual envolve muitas áreas do direito como: meio ambiente, saúde, política urbana, habitação, política agrária, recursos hídricos dentre outras. O artigo 2º da Lei nº /2007 fixa os princípios fundamentais da política nacional de saneamento básico e determina expressamente, no inciso VI, que haja: [...] articulação com as políticas de desenvolvimento urbano e regional, de habitação, de combate à pobreza e de sua erradicação, de proteção ambiental, de promoção da saúde e outras de relevante interesse social voltadas para a melhoria da qualidade de vida, para as quais o saneamento básico seja fator determinante. O PMSB deve ser um instrumento de planejamento dos serviços das quatro formas legais do saneamento básico, as quais não podem ser tratadas de forma segmentada; e, dada a transversalidade e interdisciplinaridade do assunto, sua construção deve basear-se na aplicação e conjugação de variados diplomas legais. O planejamento do serviço municipal de saneamento envolve responsabilidades em todas as esferas de governo, promovendo a integração com as demais políticas setoriais, como: desenvolvimento urbano, habitação, mobilidade urbana, dentre outras; isto é, deve considerar as diretrizes de outras legislações. O Plano Municipal de Saneamento Básico deverá, também, dialogar com os sistemas de planejamento estadual e federal para uma articulação sistêmica, conforme prevê a Lei nº /2007. Os objetivos do plano municipal devem estar alinhados com os planos de saneamento dos demais entes da Federação e deve representar uma resposta da sociedade para o desafio da universalização. A articulação da Política Nacional de Meio Ambiente, instituída pela Lei nº 6.938/1981, com os planos de saneamento básico está explicitada na Lei nº /2007, a qual, no inciso III do art. 2º, determina que os serviços públicos de saneamento básico sejam realizados de forma adequada à saúde pública e à proteção do meio ambiente.

45 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 45 A saúde da população está intimamente ligada ao acesso a serviços de saneamento básico de qualidade, pois, isso tem importância fundamental no quadro epidemiológico. A implantação do serviço adequado na área de saneamento básico tem efeito imediato na redução das enfermidades decorrentes da falta dos mesmos. No que se refere à interface com os recursos hídricos, a Lei Federal nº /2007, a qual estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico, dentre outras providências, contém, em seu art. 4º, disposição expressa do que não integra o saneamento básico. Porém, determina que os Planos de Saneamento Básico devam ser compatíveis com os Planos de Bacia Hidrográfica, o que impõe a sua absoluta consonância com o Setor de Recursos Hídricos, o respeito a toda legislação pertinente, em especial, às normas legais relativas à gestão das águas, conforme as diretrizes da Política Nacional de Recursos Hídricos. A legislação referente aos recursos hídricos tem relação direta nas formas de controle sobre o uso da água para abastecimento, assim como na disposição final dos esgotos; sem esquecer a necessidade de observância da interação do Município com as bacias hidrográficas. Em respeito à Política de Recursos Hídricos, o PMSB deve atender as diretrizes dos planos de recursos hídricos da esfera Nacional e Federal, respeitando, no mínimo as seguintes diretrizes mínimas: Práticas adequadas de proteção de mananciais e bacias hidrográficas. Busca de integração e convergências das políticas setoriais de recursos hídricos e saneamento básico nos diversos níveis de governo. Identificação dos usuários das águas no setor, de forma a conhecer as demandas, a época destas demandas, o perfil do usuário, as tecnologias utilizadas, dentre outras características. Pela análise de todo esse panorama legislativo federal, nota-se que houve uma preocupação em estabelecer a gestão associada do sistema por diferentes entes da federação, bem como garantir a ampla participação popular Legislação estadual No Estado do Rio de Janeiro, onde se situa o Município em questão, o Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos (SEGRHI), conforme disposto no artigo 43 da Lei Estadual nº 3.239/1999, é composto pelos seguintes entes:

46 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 46 I - o Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CERHI); II - o Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FUNDRHI); III - os Comitês de Bacia Hidrográfica (CBHs); IV - as Agências Nacionais de Água (ANA); V - os organismos dos Poderes Públicos Federal, Estadual e Municipais, cujas competências se relacionem com a gestão dos recursos hídricos. O Instituto Estadual do Ambiente (INEA) é o órgão gestor e executor dos recursos hídricos no Estado do Rio de Janeiro, e, está inserido na estrutura da Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), órgão de primeiro nível hierárquico da administração estadual, tendo como missão formular e coordenar a política estadual de proteção e conservação do meio ambiente; e, de gerenciamento dos recursos hídricos, visando o desenvolvimento sustentável do Estado do Rio de Janeiro. As Superintendências Regionais do Instituto Estadual do Ambiente (INEA) atuam nas dez regiões hidrográficas do Estado, próximas aos Comitês de Bacia, facilitando a interação e a comunicação, bastante importantes, em especial, para controle e gerenciamento dos contratos de gestão, os quais podem ser firmados pelo referido instituto com entidades delegatárias de funções de agências de águas, indicadas pelos respectivos CBHs, Lei nº 5.639/2010, tendo como objetivo dar maior celeridade na aplicação dos recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FUNDRHI), bem como fortalecer os organismos colegiados com a estruturação de secretarias executivas e o apoio técnico para a seleção de projetos benéficos para a bacia hidrográfica. O saneamento, notadamente no que se refere ao abastecimento público de água e coleta e tratamento do esgoto, está inserido expressamente na Política Estadual de Recursos Hídricos. Por outro lado, a atuação direta dos Comitês de Bacia na elaboração dos planos de saneamento atende à própria Lei nº /2007, ao mesmo tempo em que possibilita a integração das infraestruturas e serviços de saneamento, com a gestão eficiente dos recursos hídricos, cumprindo, dessa forma, os princípios fundamentais e as diretrizes nacionais traçadas para o setor. Muito embora o instrumento da cobrança pelo uso dos recursos hídricos não esteja mencionado de forma clara nas normas que tratam de saneamento, temos que a legislação federal Lei 9.433/1997, obriga que o serviço de disposição ou diluição de esgotos e outros resíduos devem obter outorga de uso da água. A mesma determinação encontra-se expressamente inserida no artigo 22, da Lei Estadual nº 3.239/1999, que institui a Política Estadual dos Recursos Hídricos.

47 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 47 A Política Estadual de Recursos Hídricos no Rio de Janeiro está disciplinada na Lei 3.239/1999 e estabelece o enquadramento de corpos d água como um de seus instrumentos (inc. IV do art. 5º), prevendo, ainda, que os enquadramentos dos corpos de água, nas respectivas classes de uso, sejam feitos, na forma da lei, pelos Comitês de Bacia Hidrográfica (CBH's) e homologados pelo Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CERHI), após avaliação técnica pelo órgão competente do Poder Executivo (art. 17) Legislação municipal Na elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico, além da observância obrigatória de toda a legislação federal e estadual pertinente, deve-se, também, obediência às diretrizes constantes do Plano Diretor do Município; às disposições contidas na Lei Orgânica do Município, e, ainda, à legislação municipal que trate de questões ambientais, urbanísticas e de saneamento básicos, porventura existentes no Município. Ainda no tocante às leis municipais é necessário citar Lei Orgânica Municipal, e, também, os seguintes instrumentos: Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO); Plano Plurianual (PPA) e Lei Orçamentária Anual (LOA) do Município, conforme determina a Lei Nacional de Saneamento, Lei nº /2007, que preceitua: Art. 19. A prestação de serviços públicos de saneamento básico observará o plano que poderá ser específico para cada serviço, o qual abrangerá, no mínimo: III - programas, projetos e ações necessárias para atingir os objetivos e as metas, de modo compatível com os respectivos planos plurianuais e com outros planos governamentais correlatos, identificando possíveis fontes de financiamento. Isso se dá uma vez que a Constituição do Estado do Rio de Janeiro, alinhada com a Constituição Federal, no artigo 211, proíbe o início de projeto ou programa que não esteja contemplado em tais instrumentos. Com efeito, no Município de Paty do Alferes, o PMSB deve observância às leis que dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2010/2013, a Lei de Diretrizes Orçamentárias e a Lei Orçamentária Anual Plano Diretor O Plano Diretor é definido no Estatuto das Cidades (Lei Federal nº /2001) como instrumento básico para orientar a política de desenvolvimento e de ordenamento da expansão urbana do Município. Nesse sentido, orienta o Poder Público e a iniciativa privada na construção dos espaços urbanos e rurais e na oferta dos serviços públicos essenciais,

48 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 48 como os de saneamento, visando assegurar melhores condições de vida para a população, adstrita àquele território. Sob esse enfoque, é indispensável que PMSB observe e esteja integrado com o Plano Diretor do Município. Conforme o Estatuto das Cidades, o direito às cidades sustentáveis, ou seja, o direito à moradia, ao saneamento ambiental, à infraestrutura urbana e aos serviços públicos é diretriz fundamental da política urbana; e, é assegurado mediante o planejamento e a articulação das diversas ações em âmbito local. Deve-se destacar o papel estruturante da infraestrutura de saneamento no desenvolvimento urbano do Município. A capacidade de expansão e de adensamento das áreas urbanas deve nortear-se pela capacidade da infraestrutura instalada e dos recursos naturais. O saneamento é, portanto, elemento orientador e estruturador na leitura da cidade, na definição dos vetores de crescimento e na proposta de zoneamento. Segundo informações obtidas junto à Prefeitura, o Município de Paty do Alferes tem Plano Diretor aprovado. Trata-se da Lei Complementar nº 10, de 10 de outubro de O Plano Diretor do Município de Pinheiral dedica uma Seção, no Capítulo das Políticas Públicas Urbanas, ao Saneamento, estabelecendo objetivos, diretrizes e ações prioritárias, respectivamente no inciso I do artigo 6º, para propiciar melhores condições de vida à população. O saneamento básico é tratado de forma específica pelo Plano Diretor do Município de Paty do Alferes, porém, inserindo-o no capítulo da Política de Serviços Públicos e Equipamentos Urbanos, ao tratar de Programas Municipais, nos artigos 204 a 207, estabelecendo o conteúdo mínimo para os programas de esgotamento sanitário, drenagem, limpeza urbana e abastecimento de água Lei Orgânica A Lei Orgânica do Município de Paty do Alferes não enfrenta a questão do saneamento de forma específica. Aborda o tema apenas em artigos esparsos, incluindo-o como integrante dos Planos Urbanísticos, sendo que pode-se citar como mais diretamente relacionados os seguintes: Art. 7º dispõe sobre as competências municipais, nos seguintes dispositivos: XIV. estabelecer normas de edificação, de loteamentos, de arruamento e de zoneamento urbano e rural, bem como as limitações urbanísticas convenientes à ordenação do seu território, observada a Lei federal, incluindo: a) zonas verdes e demais logradouros públicos; b) vias de tráfego e de passagem de canalizações públicas, de esgotos e de águas pluviais nos fundos dos vales; c) passagem de canalizações públicas de esgotos e de águas pluviais

49 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 49 com largura mínima de dois metros nos fundos dos lotes, cujo desnível seja superior a um metro da frente ao fundo; Art. 176 estabelece parâmetros para os planos urbanísticos, previstos nos incisos II e III do art. 174; Art A política de desenvolvimento urbano do Município terá como prioridade básica, no âmbito de sua competência, assegurar o direito de acesso a moradia adequada com condições mínimas de privacidade e segurança, atendidos os serviços de transporte coletivo, saneamento básico, educação, saúde, lazer e demais dispositivos de habitabilidade condigna; Art. 8º, inciso XI. promover programas de moradia e melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico. Há outros dispositivos na Lei Orgânica que tratam indiretamente ou guardam alguma relação com o tema, sendo os principais: Art. 7º estabelece competências do município, dispondo nos incisos: I. legislar sobre assuntos de interesse local; III. elaborar o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado; VII. instituir e arrecadar tributos; VIII. fixar, fiscalizar e cobrar tarifas e preços públicos; IX. dispor sobre organização, administração e execução dos serviços locais; X. dispor sobre a administração, utilização e alienação dos bens públicos; XII. organizar e prestar, diretamente ou sob o regime de concessão ou permissão, os serviços públicos; XIII. Planejar o uso e a ocupação do solo dentro de seus limites territoriais; XV. estabelecer servidões administrativas necessárias à realização de seus serviços, inclusive os de seus concessionários; XVII. regular a disposição, o traçado e as demais condições dos bens públicos de uso comum; Art. 8º estabelece a competência comum com a União e o Estado, dispondo sobre as seguintes atividades ligadas ao saneamento: VI. registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus territórios; VIII. estabelecer e implantar política de educação para o meio ambiente; XIV. garantir os mecanismos para a proteção e a recuperação dos recursos naturais, preservação do meio ambiente, combate à poluição, controle e fiscalização da produção, comercialização, transporte interno e uso de agrotóxicos e biocidas em geral; XV. garantir as infraestruturas físicas, viárias, sociais e de serviços da zona rural, neles incluídos a eletrificação, telefonia, irrigação e drenagem, estradas e transportes, mecanização agrícola, educação, saúde, segurança, assistência social e cultural, desporto e lazer; Art. 12 autoriza a celebração de convênio e estabelecimento de consórcios para prestação de serviços; Art. l3 - dispõe sobre bens municipais; art. 20, garante a participação da coletividade na formação e execução de políticas públicas;

50 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 50 Art. 26, estabelece as competências da Câmara Municipal, dispondo que a esta compete legislar sobre: I. sistema tributário, instituindo os tributos municipais e dispondo sobre sua arrecadação; III. dispor sobre os planos e programas municipais de desenvolvimento integrado; IV. votar o plano de governo e o plano de desenvolvimento urbano e físico-territorial do Município; VI. normas gerais para delegação de serviços públicos, inclusive a fixação de tarifas ou preços; XI. o adequado ordenamento territorial mediante planejamento e exercício do poder de polícia sobre o uso, parcelamento e ocupação do solo urbano; XXXVI. fixar os preços dos serviços públicos, inclusive os delegados; Art. 85, determina as competências do Prefeito sobre o seguinte: XXII. aprovar projetos de edificação e planos de loteamento, arruamento e zoneamento urbano ou para fins urbanos, em conformidade com o plano diretor; XXIV. organizar os serviços internos das repartições criadas por lei, com observância do limite das dotações a ela destinadas; XXVI. providenciar sobre a administração dos bens do Município e sua alienação, na forma de lei; XXXV. instituir servidões e estabelecer restrições administrativas; XXXVI. fixar os preços dos serviços públicos, inclusive os delegados; Art. 137, dispõe sobre o planejamento e organização dos serviços municipais, estabelecendo que a lei disporá sobre: I. o planejamento; II. a organização; III. a prestação dos serviços; IV. a política tarifária; V. os direitos dos usuários; Art. 149 dispõe sobre a instituição de taxas e contribuição de melhoria; art. 169, proíbe: I. o início de programa ou projetos não incluídos na Lei Orçamentária Anual e II. a realização de despesas ou a assunção de obrigações diretas que excedam os créditos orçamentários ou adicionais; Art. 174, dispõe sobre a Política de Desenvolvimento Urbano, estabelecendo os seguintes objetivos gerais: I. ordenação da expansão urbana; II. integração urbano-rural; III. prevenção e a correção das distorções do crescimento urbano; IV. proteção, preservação e recuperação do meio ambiente; V. proteção, preservação e recuperação do patrimônio histórico, artístico, turístico, cultural e paisagístico; VI. controle do uso do solo de modo a evitar: a) o parcelamento do solo e a edificação vertical excessivos com relação aos equipamentos urbanos e comunitários existentes; b) a ociosidade, subtilização ou não utilização do solo urbano edificável; c) usos incompatíveis ou inconvenientes; art. 175, aborda a leis de diretrizes urbanísticas; Art. 192 dispõe sobre a Saúde no município; Art. 232 trata do Meio Ambiente.

51 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Demais leis municipais de interesse O levantamento das leis municipais vigentes foi realizado pela Administração Municipal e o conteúdo apresentado é baseado, unicamente, nas informações disponibilizadas pela Prefeitura. Todavia, não se pode afirmar com segurança que o conteúdo normativo pertinente ao saneamento básico, principalmente em razão da exígua quantidade apresentada. Esse tópico é dedicado à citação das leis municipais que tratam especificamente sobre saneamento básico ou que possam ter interface com o tema, relacionadas a seguir: LEI MUNICIPAL Nº 048, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1989 Institui o Código Tributário do Município de Paty do Alferes, e dá outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 04, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1994 Cria o Código de Obras do Município de Paty do Alferes. LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL Nº 005 DE 10 DE JULHO DE 1996 Cria o Código de Parcelamento do Solo para fins urbanos no município de Paty do Alferes. LEI MUNICIPAL Nº 831, DE 14 DE MARÇO DE 2002 Cria no âmbito do município de Paty do Alferes, o Programa da Agenda 21 Local e dá outras providências. DECRETO MUNICIPAL Nº 1.703, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2003 Cria área de Proteção Ambiental de Palmares APA Palmares e dá outras providências. DECRETO Nº 2908 DE 23 DE MARÇO DE 2009 Cria a reserva biológica municipal do retiro da maravilha e dá outras providências. DECRETO MUNICIPAL Nº 2909, DE 23 DE MARÇO DE 2009 Cria o parque natural municipal Retiro de Paty e dá outras providências. LEI MUNICIPAL Nº 1.691, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 Institui o Código de Meio Ambiente do Município de Paty do Alferes, dispõe sobre o Sistema Municipal de Meio Ambiente (SISMAMA) e procedimentos para o licenciamento ambiental municipal.

52 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 52 DECRETO MUNICIPAL N 3.529, DE 29 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre a criação da Área de Proteção Ambiental Municipal Lameirão/Goiabal APA Lameirão/Goiabal, no Município de Paty do Alferes, no Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências. DECRETO MUNICIPAL Nº 3.530, DE 29 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre a criação da Área de Proteção Ambiental Municipal da Maravilha APA Maravilha, no Município de Paty do Alferes, no Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências Avaliação da legislação municipal, contratos e convênios A análise da legislação municipal consultada restringe-se aos diplomas legais disponibilizados pela Administração Municipal; e, pode-se constatar, na área de saneamento básico e temas relacionados, que há muito a ser feito. Há uma carência evidente de leis que disciplinem o saneamento básico e temas correlatos, tais como: meio ambiente, educação ambiental, recursos hídricos, dentre outros assuntos relevantes. É importante mencionar que questões de saneamento básico tiveram abordagem especial no Código de Meio Ambiente de Paty do Alferes, porém de forma incipiente. Há necessidade de um aprimoramento da legislação para que alcance um enfrentamento mais especializado do assunto. Não foi disponibilizado, para análise, nenhum contrato ou convênio tratando de saneamento básico no Município; embora haja conhecimento de que os serviços de saneamento básico sejam administrados e prestados pela CEDAE, pressupondo-se a existência de tal instrumento.

53 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ DIAGNÓSTICO DA INFRAESTRUTURA EXISTENTE Para o levantamento da infraestrutura de saneamento existente no Município de Paty do Alferes foram realizados trabalhos de campo em 2012 e 2013 com visitas às unidades, entrevistas com os responsáveis e levantamento de dados através do uso de formulários específicos. Com base nas informações coletadas foi elaborada uma base de dados georreferenciada e produzidos mapas que se encontram no Apêndice B SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA As principais unidades do sistema de abastecimento de água do Município de Paty do Alferes, sede e distrito, são descritas a seguir e ilustradas nas Figuras 5 e 6. Manancial superficial O abastecimento de água no Município é suprido por três mananciais superficiais. Os corpos d água superficiais responsáveis pelo abastecimento são os rios Marmelo e Palmares e o Córrego do Sertão, que pertencem a bacia hidrográfica do Médio Paraíba do Sul (Figuras 5 e 6). A captação no Rio do Marmelo situa-se no bairro Centro, nas coordenadas geográficas: latitude - 22º27 25,7 S e longitude - 43º25 21,0 W, a altitude de 726 m acima do nível do mar. A captação no Rio Palmares situa-se no bairro Centro, nas coordenadas geográficas: latitude - 22º27 20,9 S e longitude - 43º25 16,7 W, a altitude de 728 m acima do nível do mar. A captação no Córrego do Sertão situa-se no bairro Vista Alegre no distrito de Avelar, nas coordenadas geográficas: latitude - 22º26 13,0 S e longitude - 43º24 55,9 W, a altitude de 663 m acima do nível do mar. Em visita a campo verificou-se que nos mananciais superficiais não existe sinalização de identificação e perímetro de proteção sanitária. Quanto a qualidade dos corpos d água não se observou sinais de eutrofização. Deve-se notar que o prestador do serviço realiza controle e monitoramento de cianobactérias.

54 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 54 Figura 5 Esquema do SAA da sede do Município de Paty do Alferes Fonte: Vallenge, 2012

55 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 55 Figura 6 Esquema do SAA do distrito de Avelar Fonte: Vallenge, 2012

56 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 56 Captação A captação da água no Rio do Marmelo é realizada a fio d água com barragem de elevação de nível. A capacidade e volume captado é de 30 L/s operando por 24 horas, conforme informações de campo. A água do Rio do Marmelo é conduzida através de gravidade até a ETA Paty/Palmares. A captação da água no Rio Palmares é realizada a fio d água com barragem de nível. A capacidade e volume captado é de 42 L/s operando por 24 horas, conforme informações de campo. A água do Rio Palmares é conduzida através de gravidade até a ETA Paty/Palmares. A captação no Córrego do Sertão, no bairro Vista Alegre, é realizada a fio d água com barragem de nível, abastecendo o distrito de Avelar, assim a água represada na pequena barragem é encaminhada à estação de tratamento central do distrito por Estação Elevatória de Água Bruta (EEAB). A capacidade e volume captado são de 18 L/s operando por 24 horas, conforme informações de campo. A água do rio para o distrito de Avelar é conduzida através de EEAB até a ETA Avelar. As Figuras 7 e 8 ilustram a captação de água no Município de Paty do Alferes. Figura 7 Barragem de nível vista 1 Figura 8 Barragem de nível vista 2 Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Segundo informações coletadas em campo, somente a captação que abastece o distrito de Avelar encontra-se outorgada. Todas passam por manutenção periódica e possuem controle de acesso. A área de captação para o distrito de Avelar ocorre inundação. Estação elevatória de água bruta O município de Paty de Alferes possui uma Estação Elevatória de Água Bruta (EEAB), a qual pode ser visualizada nas Figuras 9 a 12. Essa Estação está localizada nas

57 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 57 coordenadas geográficas: latitude -22º19 26,9 S e longitude - 43º23 45,3 W, a altitude de 500 m acima do nível do mar, e, é responsável pelo recalque da água captada no rio que abastece o distrito de Avelar até a ETA Avelar. Figura 9 Estação elevatória de água bruta Figura 10 Estação elevatória de água bruta Fonte: Vallenge, 20/09/2012 Fonte: Vallenge, 20/09/2012 Figura 11 Estação elevatória de água bruta - vista 1 Figura 12 Estação elevatória de água bruta - vista 2 Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Fonte: Vallenge, 11/07/2013 O sistema conta com duas bombas de 50 e 30 HP, protegida por válvula de retenção, com automação local e que opera diariamente por 24 horas. A capacidade nominal é de 18 L/s. A EEAB apresenta razoável estado de conservação, estando em área protegida. Não se observou a existência de horímetro, sendo que a operação e comando não contam com telemetria e/ou telecomando.

58 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 58 Adução de água bruta O Município de Paty do Alferes possui, também, três linhas de adução de água bruta. A adutora do Rio Marmelo possui capacidade de 30 L/s, operando 24 horas por dia. Possui tubulação de ferro fundido com 200 mm de diâmetro. A rede de adução de água bruta se junta à rede de adução da captação do Rio Palmares, não sendo possível informar a extensão dessa rede. A rede vai até a ETA Paty/Palmares. A adutora do Rio Palmares possui capacidade de 42 L/s, operando 24 horas por dia. Possui tubulação de ferro fundido com 200 mm de diâmetro. A rede de adução de água bruta tem aproximadamente 3 km e vai até a ETA Paty/Palmares. A adutora do distrito de Avelar conduz por recalque, em tubulação de ferro fundido de 150 mm de diâmetro, as águas captadas para o distrito de Avelar pela EEAB até a ETA Avelar. A adutora em termos de extensão tem 1500 m, com capacidade de 18 L/s, operando 24 horas por dia. O município possui uma adutora de água tratada, que recalca a água tratada da ETA Paty para um reservatório, com uma capacidade nominal de 72 L/s, em tubos de ferro de 25 mm. Não foi informada pelos operadores a existência de problemas relacionados a vazamentos e rompimento nas adutoras. Sendo que a operação e comando não contam com telemetria e/ou telecomando. Tratamento O município de Paty de Alferes possui duas Estações de Tratamento de Água (ETA) instaladas e operando (Figuras 13 e 14). A ETA Paty é responsável pelo tratamento das águas de captação que abastecem a parte central da cidade e a ETA Avelar que trata a água que abastece o distrito de Avelar. A ETA Paty é responsável pelo tratamento das águas captadas nos rios Marmelo e Palmares, situa-se nas coordenadas geográficas: latitude 22º26 13,0 S e longitude 43º24 55,9 O, a 663 m de altitude. Trata-se de uma ETA do tipo convencional que possui as seguintes unidades: mistura rápida, floculador, decantador, quatro filtros e desinfecção. Opera 24 horas por dia, com capacidade de 72 L/s. O acesso a ETA Paty apresenta boas condições sendo a área cercada. A ETA se encontra licenciada, porém, não dispõe de placa identificando o local. Foi informado que o decantador é limpo a cada seis meses, sendo o lodo resultante do processo de tratamento descartado diretamente no rio a jusante. Deve-se notar que a ETA não conta com sistema de tratamento do lodo gerado das águas de lavagem dos filtros. Verificou-se que seus filtros estão em condições aceitáveis. O material filtrante da unidade de filtração não está sendo reposto ou substituído de acordo com as orientações técnicas do projeto.

59 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 59 No campo, pode verificar que as condições de higiene e limpeza da casa de química são adequadas. Existe almoxarifado apropriado para o acondicionamento dos produtos químicos, todos com registro no Ministério da Saúde, e dentro dos prazos de validade. Os tanques de dosagem de produtos químicos e a bomba dosadora se encontram em boas condições. Figura 13 Vista 1 da ETA Paty Figura 14 Vista 2 da ETA Paty Fonte: Vallenge, 10/01/2013 Fonte: Vallenge, 10/01/2013 A ETA Paty/Palmares possui laboratório próprio e conforme informado, as amostragens de água são realizadas no próprio laboratório. O turbidímetro e calorímetro estão em bom estado de conservação e o laboratório possui phmetro, balança analítica, equipamentos para exames bacteriológicos e armário para vidrarias. A ETA Avelar é responsável pelo tratamento das águas captadas para o abastecimento do distrito de Avelar, situa-se nas coordenadas geográficas: latitude 22º19 00,0 S e longitude 43º24 10,5 O, a 545 m de altitude. Trata-se de uma ETA do tipo convencional que possui as seguintes unidades: mistura rápida, floculador, decantador, dois filtros e desinfecção. Opera 24 horas por dia, com capacidade 18 L/s. As Figuras 15 a 20 corroboram as informações acimas descrita.

60 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 60 Figura 15 Calha Parchall Figura 16 Adição de agente coagulante Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Figura 17 Chicanas Figura 18 Tanque de floculação Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Figura 19 Decantador Figura 20 Filtros Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Fonte: Vallenge, 11/07/2013

61 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 61 Verificou-se que a ETA é provida de laboratório, porém constatou-se que o mesmo precisa de reparos e melhorias no acondicionamento dos produtos (Figuras 21 e 22). Figura 21 Cilindros de cloro Figura 22 Laboratório da ETA Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Fonte: Vallenge, 11/07/2013 O volume tratado segue por gravidade à rede de distribuição de Avelar, abastecendo todos os bairros do distrito, com exceção do bairro Granja Califórnia. Esse último é abastecido por reservatório localizado no morro João Malandro, que recebe por recalque a água tratada na ETA central de Avelar. O acesso à Estação de Tratamento de Água (ETA) Avelar apresenta boas condições sendo a área cercada. A ETA se encontra licenciada, porém não dispõe de placa identificando o local. Segundo informações apuradas em campo, os decantadores são limpos a cada seis meses, sendo o lodo resultante do processo de tratamento descartado diretamente no rio a jusante. Deve-se notar que a ETA não conta com sistema de tratamento do lodo gerado nem das águas de lavagem dos filtros. Verificou-se também que seus filtros estão em más condições. O material filtrante da unidade de filtração não está sendo reposto ou substituído de acordo com as orientações técnicas do projeto. Em campo, verificou-se que as condições de higiene e limpeza da casa de química são adequadas. Existe almoxarifado apropriado para o acondicionamento dos produtos químicos, todos com registro no Ministério da Saúde e dentro dos prazos de validade. Os tanques de dosagem de produtos químicos e a bomba dosadora se encontravam em boas condições.

62 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 62 Figura 23 - Vista da ETA Avelar 1 Figura 24 - Vista da ETA Avelar 2 Fonte: Vallenge, 10/01/2013 Fonte: Vallenge, 10/01/2013 A ETA Avelar não possui laboratório. Nenhuma das ETAs possui registro ou dispositivos para a quantificação das vazões produzidas. Adutora de água tratada A operadora não possui dados e características das adutoras de água tratada, bem como cadastro do seu caminhamento. Não foi informada pelos operadores a existência de problemas relacionados a vazamentos e rompimento nas adutoras. Reservatórios O município conta com três unidades para reservação de água tratada com um volume igual a 775 m³. As principais características dessas unidades estão apresentadas no Quadro 15. Quadro 15 Principais características da unidade de reservação Identificação Reservatório Reservatório ETA Reservatório Morro ETA Paty Avelar João Malandro Distrito/ Bairro Centro Distrito de Avelar Distrito de Avelar Coordenada Latitude 22º 10,094 S 22º 19 00,0 S N/A geográfica Longitude 43º 17,381 O 43º 24 10,5 O N/A Altitude (m) N/A Tipo Elevado Apoiado Apoiado Material Concreto Concreto Concreto Capacidade (m³) Abastecido por ETA Paty ETA Avelar ETA Avelar Fonte: Vallenge, 2013

63 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 63 Como mostrado no Quadro 15, o distrito de Avelar possui duas unidades de reservação na composição de seu sistema de abastecimento de água. Um reservatório localiza-se na própria ETA, constituído em concreto do tipo apoiado, possui volume equivalente a 75 m³ (Figura 25). A água armazenada nessa unidade é responsável por abastecer a totalidade do distrito, com exceção do bairro Granja Califórnia. O outro reservatório implantado no distrito de Avelar situa-se no Morro João Malandro (Figura 26), constituído em concreto, do tipo apoiado, com volume igual a 200 m³. Esse reservatório também é abastecido pela água produzida na ETA Avelar, através de sistema de bombeamento (Figura 27), que direciona a água por recalque. A água armazenada no reservatório do Morro João Malandro abastece o bairro Granja Califórnia. Figura 25 Reservatório ETA Avelar Figura 26 Reservatório do Morro João Malandro Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Fonte: Vallenge, 11/07/2013 Figura 27 Sistema de bombeamento Fonte: Vallenge, 11/07/2013

64 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 64 Todos os reservatórios são dotados de tubulação de ventilação, tubo extravasor e tubo de descarga de fundo. Em contrapartida, o reservatório não possui guarda-corpos na escada e nem na laje de cobertura. Não possui também, tampas de inspeção, sistema de cloração, medidor de nível, sistema de controle de vazão em sua saída (macromedidor), para-raios, sinalização noturna e controle automatizado. Durante a vistoria verificou-se que as condições de conservação do reservatório são boas. Segundo informado, ocasionalmente, não ocorre extravasamentos e as limpezas e desinfecções são realizadas de seis em seis meses. Distribuição Praticamente toda a população urbana, qual seja, 67,6%, dado esse, obtido através das informações de campo, é atendida com o Sistema de Abastecimento de Água - SAA, que é de responsabilidade da CEDAE. Foi informada a existência de pontos críticos no abastecimento, mas não foram identificados. A rede de distribuição conta com 97% de seus usuários com hidrometração (Figura 28), o que ajuda a avaliação mais precisa do seu funcionamento. Foi informado, apenas, que a rede é de ferro fundido, PVC e DEFOFO, com diâmetro que varia entre 60 a 250 mm, mas não existe registro sobre a sua idade, as condições operacionais e plantas que mostrem o seu caminhamento. Figura 28 Hidrômetros vista 1 Fonte: Vallenge, 11/07/2013

65 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO As principais propriedades do Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) do Município de Paty do Alferes, sede e distrito, incluindo as unidades que o compõe, são descritas a seguir, e ilustradas nas Figuras 29 e 30.

66 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 66 Figura 29 Esquema do SES da sede do município de Paty do Alferes Fonte: Vallenge, 2012

67 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 67 Figura 30 Esquema do SES do distrito de Avelar Fonte: Vallenge, 2012

68 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 68 Rede coletora de esgoto A prefeitura é a responsável pela operação do SES. A rede coletora não conta com o cadastro das suas unidades, o que dificulta a avaliação precisa do seu funcionamento. Não existem dados das características técnico-construtivas da rede, tampouco existe registro sobre a sua idade, o diâmetro, as condições operacionais e plantas que mostrem o seu caminhamento. A rede coletora é de regime unitário, logo mista, sendo assim, o esgoto é lançado na rede de água pluvial. Não há dados cadastrais disponíveis referentes à cobertura do serviço de esgotamento sanitário na área urbana do município, mas todo esgoto é lançado in natura, principalmente, no Rio Ubá e em outros córregos sem denominação. Estações elevatórias Em campo foi verificado que o Município de Paty do Alferes não possui uma Estação Elevatória de Esgoto (EEE), e, também, não há informação se há algum projeto de instalação das mesmas. Estações de tratamento de esgoto Foi constatado que o Município, tem uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), mas a mesma está desativada, Foi verificado na rua Dr. Peralta, nas coordenadas: S O, que o Município tem uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), mas a mesma está desativada. Devido à proximidade da ETE com o rio, ocorreu o solapamento da margem danificando as estruturas da ETE, esse é um dos motivos pelo qual não opera. Corpo receptor Em virtude da falta de tratamento, o esgoto do Município é lançado in natura em cursos d água próximos aos locais de geração. Foi verificado que o ponto principal de lançamento de esgoto é realizado Rua Dr. Peralta, nas coordenadas ,5 S e ,9 O no Rio Ubá. No levantamento de campo, verificou-se que os locais de lançamento in natura apresentavam aspecto desagradável, com exalação de fortes odores e proliferação de insetos e roedores. As Figuras 31 e 32 ilustram alguns dos locais onde foi constatado o lançamento de esgoto sem tratamento.

69 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 69 Figura 31 Lançamento de esgoto e águas pluviais Figura 32 Saída de esgoto in natura da ETE desativada no Rio Ubá Fonte: Vallenge, 19/09/2012 Fonte: Vallenge, 19/09/ SISTEMA DE DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS As principais estruturas que compõem o Serviço de Drenagem e Manejo das Águas Pluviais no Município de Paty do Alferes são abordadas a seguir Macrodrenagem O município de Paty do Alferes situa-se num sítio de relevo ondulado formado basicamente por colinas de pequena a média amplitude, intermediadas por vales planos, por onde escoam os rios. O desenvolvimento dos núcleos urbanos do município ocorreu nas áreas de vales mais planos e menos encaixados, o que o torna mais sujeito às inundações periódicas, conforme os eventos pluviométricos, caso as habitações estejam muito próximas aos cursos d água. A Prefeitura Municipal é a responsável pela operação e manutenção da macrodrenagem, designada para a secretaria de planejamento, mas não existe cadastro para avaliação das estruturas. As águas drenadas são lançadas em cursos d água na área urbana do Município (Figuras 33 e 34). Em visita ao Município, observou-se a existência de canalizações na área urbana; no entanto, pela falta de cadastro não se tem detalhes dessas estruturas hidráulicas. Foi possível constatar canalizações em seção fechada e aberta, mas não possuem forma padrão, sendo revestidas em concreto, alvenaria de pedra ou solo. Não existem reservatórios de detenção ou retenção construídos no município.

70 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 70 Figura 33 Córrego que recebe águas pluviais divide os bairros Barcelos e Esperança Figura 34 Rio Ubá, área que é sujeita a inundações em períodos chuvosos Fonte: Vallenge, 10/01/2013 Fonte: Vallenge, 10/01/2013 Foi verificada a ocorrência de problemas de erosão ocasionados pelo escoamento das águas pluviais e de assoreamento dos canais e da rede de drenagem. As Figura 35 e 36 ilustram problemas de erosão pela falta de sistemas de drenagem, onde a parte alta da rua encontra-se sem canaleta, e, a água escorre pelo morro, ocasionando carreamento de solos e sedimentos para as bocas de lobo. Figura 35 Rua sem asfaltamento e sistema de drenagem Figura 36 Terra que estava obstruindo a boca de lobo Fonte: Vallenge, 10/01/2013 Fonte: Vallenge, 10/01/2013 Houve casos de inundação e alagamentos no Município devido a insuficiências no sistema de macrodrenagem e pontos de estrangulamento na rede hídrica, A Prefeitura Municipal realiza trabalhos de limpeza manual dos córregos antes dos períodos chuvosos, mas não existe equipamentos adequados para essas operações.

71 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Microdrenagem A área urbana do Município de Paty do Alferes conta com sarjeta e sarjetão em algumas ruas, sendo as principais estruturas hidráulicas responsáveis pela coleta e destino das águas superficiais provenientes das chuvas. Porém, não se tem bem definido para qual galeria são conduzidas as águas pluviais coletadas. De maneira geral, mesmo havendo alguns dispositivos de drenagem, segundo observações efetuadas em campo, pela falta de um cadastro não se tem bem definidas as áreas efetivamente atendidas, compreendendo a extensão das galerias, suas dimensões, declividades e condições operacionais. Conforme apurado em campo, as sarjetas e sarjetões têm sua seção moldada in loco, em formato padrão de concreto. Verificou-se que apresentam conservação adequada, mas o Município não tem informação quanto à extensão das mesmas, tampouco dispõe de programa de manutenção. Figura 37 Boca de lobo em péssimo estado de conservação 1 Figura 38 Caixa de captação obstruída com terra e lixo Fonte: Vallenge, 10/01/2013 Fonte: Vallenge, 10/01/2013 Algumas bocas de lobo estão em péssimo estado de conservação, trazendo risco para a população local, além de facilitar a entrada sujeira e material indesejado, facilitando o entupimento da rede coletora da água pluvial. Em algumas ruas não há nenhum dispositivo de drenagem, incluindo sarjeta e meio fio. Quanto aos terrenos mais altos e com maior declividade no perímetro urbano, existe basicamente a drenagem superficial. Assim, o escoamento superficial direto proveniente das áreas urbanas altas se encaminha naturalmente para as baixas, aumentando o volume das águas pluviais.

72 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 72 Tal fato contribui para o aparecimento de poças d água e de pequenas inundações na malha viária, o que favorece sua deterioração, além de comprometer a qualidade de vida da população local. São os denominados pontos críticos, mas não são cadastrados. Além disso, foram relatadas situações de ligação clandestina de esgoto na rede de drenagem de águas pluviais, obstrução do sistema de drenagem por resíduos sólidos e deficiências em função de estruturas de microdrenagem subdimensionadas, e com manutenção insuficiente. A coleta, tanto de esgotos como de águas pluviais, é feita por uma única tubulação sendo, regime unitário ou misto de coleta Áreas de risco A Carta de Risco a Escorregamento indica 34 setores de risco no Município de Paty de Alferes com 117 casas ameaçadas e 448 pessoas expostas diretamente. As áreas com maior concentração de setores de risco iminente estão distribuídas pelos morrotes ondulados da porção do centro-leste do município, com destaque para os bairros Arcozelo, Nova Esperança, Recanto, Avelar, Mantiqueira e Pedras Ruivas onde se localizam a maior concentração de moradias em risco. No bairro Recanto predominam encostas com processos erosivos avançados, voçorocas e com casas posicionadas, perigosamente, na base da encosta - a montante da Rua Almeida dos Quatis. A densidade populacional nessa localidade é alta e as moradias são de baixo padrão construtivo, o que aumenta consideravelmente o grau de risco. O bairro Arcozelo apresenta alta densidade populacional com residências expostas ao risco iminente de deslizamento, por causa da área ser declivosa. As ruas mapeadas e indicadas quanto a alto grau de risco são: Rua da Cachoeira, Estrada Arcozelo-Mantiqueira, Estrada dos Bandeirantes, Rua Dr. Mário Croif e Estrada Luís Soares da Silva. Os setores de risco estão representados (acima de 85%) por taludes de corte em solo residual notoriamente com mais de 7-12m de altura e inclinação de O horizonte de solo residual jovem preserva minerais, suscetíveis a intemperismo, e fraturas e foliação que facilitam o avanço erosivo com a formação continua de ravinas com posterior desenvolvimento de voçorocas. Essas voçorocas aceleram e facilitam a ativação de escorregamentos. Para minimizar as situações de risco identificadas nos setores mapeados e identificados como de risco, é fundamental a concepção e a construção de um sistema de captação de drenagem básico, porém eficiente. Esse sistema deve priorizar a implantação de canaletas de drenagem nas cristas e bases de taludes de corte para possibilitar o desvio do escoamento superficial e/ou água de enxurrada e, evitar assim, a lavagem dos taludes.

73 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 73 Cabe ressaltar ainda, a importância da preservação da vegetação original, ou o replantio de encostas desmatadas. Desta forma, a infiltração de água no solo aumenta e a erosão é minimizada. Disposição de lixo e entulho dispersos em alguns locais é outro problema reincidente que se deve ter atenção. Os pontos de áreas de risco na sede e no distrito estão demostrados no Quadro 16.

74 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 74 Quadro 16 Setores de risco iminente a escorregamentos no município de Paty do Alferes Hierarquia Bairro Localização do ponto Moradias sob risco Pessoas sob-risco Coord. E Coord. N 1 Arcozelo Arcozelo Rua da Cachoeira, 670/ 690/ 650/ 640/ moradias Arcozelo Estrada Arcozelo-Mantiqueira 10 moradias Nova Esperança Rua Álvaro Lemos, 161 3ª casa 10 moradias Recanto Rua Alameda dos Patys, moradias Clube Velho Rua 4, casa s/n 05 moradias Nova Esperança Rua Álvaro Lemos, moradias Arcozelo Estr. do Bandeirante, moradias Esperança Rua Philomena Figueira, moradias Mantiqueira Estrada Nova Mantiqueira, 181/ moradias Esperança Rua Philomena Figueira, moradias Arcozelo Rua Dr. Mário Kroeff, moradia Centro Rua Capitão Zenóbio, moradias Pedras Ruivas Avenida Roberto Silveira 08 moradias xxx Rua Joaquim Coimbra, moradias Mantiqueira Rua Dr. Peralta, moradias (continua)

75 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 75 Hierarquia Bairro Localização do ponto Moradias sob risco Pessoas sob-risco Coord. E Coord. N 16 Mantiqueira Estrada Nova Mantigueira, moradias Arcozelo Rua da Cachoeira, moradias Avelar Rua José Ferreira Vaz, 1/ 282/ moradias Avelar Rua José Geraldo de Proença, 14 02moradias Recanto Rua Alameda dos Patys, 111 e moradia Mantiqueira Estrada Nova Mantigueira, moradias Arcozelo Estrada Luis Soares da Silva, moradias Acampamento Rua 24, 6 02 moradias Avelar Rua Dona Mariana, moradias Pedras Ruivas Avenida Santos Dumont, moradia Arcozelo RJ 125, nº moradia Pedras Ruivas Avenida Dr. Álvaro Veloso, moradia Mantiqueira Estrada Nova Mantigueira, moradias Poaia Rua 24, moradia Parque Barcelos Rua Miguel Heid, 86 e moradia Esperança Rua Philomena Figueira, moradias (continua)

76 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 76 Hierarquia Bairro Localização do ponto Moradias sob risco Pessoas sob-risco Coord. E Coord. N 32 Mantiqueira Estrada Nova Mantigueira, moradia Centro Rua Vigente de Freitas, 90 casa A 01 moradia Jardim Arcozelo Rua Arcozelo 01 moradia Fonte: Departamento de Recursos Minerais - DRM-RJ, 2012 Total

77 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ ESTUDO POPULACIONAL Com base nas informações levantadas na fase de diagnóstico, foi efetuado o cálculo da demanda dos serviços de saneamento que depende diretamente da população a ser atendida pelos serviços. Nessa etapa é confrontada a capacidade das estruturas existentes no município com as capacidades necessárias em função do número de habitantes ao longo do horizonte do plano ESTUDO POPULACIONAL A projeção populacional objetiva determinar as populações a atender no início, no meio, e, também no fim-de-plano. Os métodos utilizados para a projeção populacional são apresentados a seguir. Método Aritmético: pressupõe que o crescimento de uma população se faz aritmeticamente, muito semelhante a uma linha reta. Em geral, acontece nos menores municípios onde o crescimento é meramente vegetativo. Método Geométrico: é o que ocorre principalmente na fase de uma população onde seu crescimento é muito acelerado, acompanhando praticamente a curva exponencial. Com base nos censos demográficos do IBGE de 1991, 2000 e 2010, foram calculadas as taxas geométricas e aritméticas de crescimento para a população total, urbana e rural do Município. As taxas de crescimento adotadas para a projeção foram avaliadas quanto às condições atuais Município, como previsões futuras; e, à taxa de crescimento obtidas a partir dos censos demográficos do IBGE. Os municípios com crescimento populacional sem efeito de migração, normalmente, apresentam crescimento linear. Assim, para conhecer a população futura no horizonte de projeto, basta adotar a taxa aritmética de crescimento que vem ocorrendo a partir dos anos anteriores. Os municípios beneficiados pela facilidade de acesso, pelo grande número de atividades econômicas e demais fatores que impulsionam a economia, apresentam crescimento geométrico. Nesse caso, é necessário avaliar a fase em que o município está quanto ao seu crescimento, podendo ser uma fase de crescimento acentuado ou ainda em crescimento com taxas cada vez menores ano a ano, para então poder definir a taxa de crescimento adequada para o cálculo da projeção.

78 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 78 Embora seja um exercício em relação ao futuro, efetuar a projeção populacional de forma consistente e a partir de hipóteses embasadas em métodos, é fundamental para que não se incorra em custos adicionais. É uma etapa que merece atenção, porque as dimensões das unidades dos sistemas de saneamento e respectivos equipamentos dependem diretamente da população a ser atendida, logo condicionam os custos de investimentos. Dessa forma, utilizando os modelos de projeção populacional, foi calculada a taxa de crescimento aritmético e geométrico, Quadro 17, tendo como dados de entrada as populações total, urbana e rural dos censos demográficos mencionados. Quadro 17 Taxas de crescimento aritmético e geométrico Intervalo de tempo Taxa de Crescimento aritmético (hab./ano) Taxa de Crescimento geométrico (adimensional) Fonte: Vallenge, 2013; a partir de dados do IBGE de 1991 e População Total 1.917,73 426,22 142,80 População Urbana 1.178,82 421,00 182,90 População Rural 738,91 5,22-40,10 População Total - 1,0187 1,0056 População Urbana - 1,0289 1,0104 População Rural - 1,0006 0,9950 Foi adotado o método de crescimento geométrico, já que o modelo aritmético não mostrou ajuste para a projeção da população no período de 2011 a 2033, conforme orientação do Termo de Referência. Foi suposto que a cada 10 anos a taxa de crescimento da população total sofreria leve redução e que a população rural seguiria a tendência de estabilidade, também com leve redução a cada 10 anos. Essas hipóteses vão de encontro ao modelo matemático de saturação populacional em dado espaço, o qual supõe uma redução paulatina das taxas de crescimento populacional. As taxas de crescimento populacional para Paty do Alferes foram adotadas a partir de consultas ao Município, e em decorrência do desenvolvimento de sua infraestrutura chegando a índices equivalentes a 0,85% a.a. (até 2022), 0,7% a.a. (até 2032) e 0,5% a. a. (até 2033) para a população urbana; e, 0% a.a. (até 2022), - 0,1% a.a. (até 2032) e - 2% a.a. (até 2033) para a população rural, conforme tendência apontada pelo último censo demográfico do IBGE, de acordo com a transição da fecundidade e o padrão reprodutivo no Brasil. Não foram fornecidos outros estudos e projetos que tivessem projeção populacional. A evolução da projeção da população do Município, a partir dos dados do Censo Demográfico do IBGE, é ilustrada na Figura 39.

79 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 79 Figura 39 Evolução da população projetada Dados Censo Projeção População total População urbana População rural Fonte: Vallenge, 2013; a partir de dados do IBGE de 2010 (Projeção) Foi considerado o horizonte de projeto equivalente a 20 anos, adotando-se como base o ano de 2013 e o fim de plano no ano de A população rural mantem-se estável até 2022, passando a apresentar leve declínio até 2033, fim do horizonte de plano. Como resultado há um maior crescimento da população urbana, seguindo a tendência observada nos intervalos entre os censos demográficos do IBGE, lembrando que esse produto em questão está voltado para a área urbana, onde há serviço público de saneamento, conforme preconiza a Lei nº /2007. A projeção populacional é elemento limitador para a estimativa das demandas pelos serviços de saneamento. Para avaliar as necessidades nas áreas urbanas do município considerando não só a sede, como também seu distrito legalmente constituído, Avelar, foi realizado a projeção individual. Para a projeção populacional da sede de Paty do Alferes e seu distrito Avelar foram considerados os mesmos critérios e hipóteses adotados na projeção do município como um todo. A população projetada é apresentada nos Quadros 20 e 21, referentes ao cálculo das demandas, no item a seguir ESTUDO DE DEMANDAS O cálculo da demanda para cada um dos componentes do saneamento é apresentado a seguir. Na ausência de dados locais sobre os sistemas de saneamento, foram adotados coeficientes conforme as fontes apresentadas no Quadro 18.

80 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 80 Quadro 18 Variáveis e parâmetros adotados SDU SES SAA ESTUDO POPULACIONAL Descrição Valor Unidade Fonte População Urbana Total Taxa de crescimento populacional Rural habitantes IBGE, ,5 % IBGE, ,85 % ,70 % ,50 % Número de domicílio Urbano Total Rural Adotado em função do passado domicílios IBGE, 2010 Média de habitantes por domicílio 3,3 hab/dom IBGE, 2010 Volume de reservação Existente 500 m³ Necessário 1/3 Qa m³ Dados de Campo ABNT NBR /1994 Número total de economias ativas economias Dados de Ligações ativas ligações Campo Total de rede de água existente 225,4 km Calculado 1 Extensão de rede por habitante 7,1 m.rede/hab Calculado 1 Quota per capita consumida 312,2 L/hab.dia Calculado² Índice de atendimento 67,6 % SNIS, 2012 Índice de perdas 51,6 % SNIS, ,8 L/lig.dia Calculado³ Meta para o índice de perdas 25 % Adotado Perdas na ETA 4 % Coeficiente do dia de maior consumo (k1) 1,2 Coeficiente da hora de maior consumo (k2) 1,5 Coeficiente de vazão mínima horária (k3) 0,5 adimensional Horas de funcionamento da ETA 24 Horas Vazão de adução (Qb) 72 L/s Taxa de Infiltração (ti) Regiões Altas 0,05 Regiões Baixas 0,1 L/s.km Coeficiente de retorno (C) 0,8 % ABNT NBR /1992 ABNT NBR 9.649/1986 Dados de Campo Dados de Campo ABNT NBR 9.649/1986 ABNT NBR 9.649/1986 Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) 54 gdbo/hab.dia ABNT NBR Demanda Química de Oxigênio (DQO) 100 gdqo/hab.dia /1992 Coeficiente de escoamento superficial 50 % Calculado 1 Período de retorno 10 anos TUCCI, 2007 Intensidade de chuva 170 mm/hora Calculado 4

81 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 81 Descrição Valor Unidade Fonte Vazão de escoamento superficial 420 L/s Calculado 5 Quantidades de Bocas de Lobo 2 und/hab. Extensão de Galerias 55 mm/ha Quantidade de Poços de Visita 1/100m de galeria und PMSB do Vale do Ribeira, 2010 Nota: SAA Sistema de Abastecimento de Água; SES Sistema de Esgotamento Sanitário; SDU Sistema de Drenagem Urbana. 1 Calculado em função da análise de imagens de satélite e das características urbanísticas do município, com auxílio de software GIS. 2 Quota per capita consumida = Volume consumido (calculado em função do volume produzido e índice de perdas) / População urbana atendida com o SAA (projeção para 2013). 3 Índice de perdas (L/lig.dia) = [Volume produzido (dado de campo) volume consumido (calculado)]/ População atendida com o SAA (projeção para 2013) 4 Intensidade de chuva = k x T a / (t + b) c, onde: T é o período de retorno, t duração da precipitação e k, a, b e c são coeficientes 5 Vazão de escoamento superficial = 1,1 x 0,278 x C x i x A 0,9 x kd, onde: C é o coeficiente de escoamento superficial, i intensidade de chuva, A área da bacia de contribuição, kd coeficiente de distribuição espacial da chuva Sistema de abastecimento de água As demandas do serviço de abastecimento de água potável são calculadas, tendo como objetivo principal do sistema, fornecer água em quantidade, qualidade e regularidade para a população urbana do Município. Em campo, constatou-se a falta de cadastro satisfatório e de informações detalhadas do SAA, situação comum a muitos municípios brasileiros. Sendo assim, os dados coletados in loco precisaram ser complementados com informações do SNIS. No entanto, estas informações referem-se aos sistemas urbanos como um todo, não os desagregando por distrito, o que é necessário para o município de Paty do Alferes. Para o distrito notou-se uma carência de dados ainda maior, havendo a necessidade em alguns momentos da adoção de valores em função das características da sede e de povoados semelhantes ou dados de referência nacional, como a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT NBR) /1992. A ETA do Município de Paty do Alferes produz ao todo 72 L/s em 24 horas de operação, dados do levantamento de campo em 2012, com um índice de atendimento de 67,6% (SNIS, 2012). Sendo assim, calculando o volume médio diário de água produzida, tem-se m³, o que resulta numa quota produzida de 312 L/hab. dia, considerando a população atendida de 2012, evidenciando a necessidade de investimentos no desenvolvimento institucional para racionalizar o consumo de água potável. O município também apresenta valores elevados de perdas, do volume produzido 51,7% perdem-se na rede antes de chegar ao consumidor final (SNIS, 2012). É a perda real no SAA, pois nem chega ao usuário final.

82 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 82 Os valores dos índices de perdas estão diretamente associados à qualidade da infraestrutura e da gestão dos sistemas. O principal fator é a idade da rede de distribuição (TWORT et al., 2007), de forma que o PMSB, ao propor redução de perdas, precisa considerar alguma porcentagem de substituição de tubulação. Um dos objetivos do PMSB é a prestação mais eficiente dos serviços de saneamento; logo é uma meta a redução de perdas, aqui adotada, paulatinamente, na medida em que se conheça melhor o sistema de água. Para a projeção das demandas no horizonte de planejamento, adotaram-se metas para o SAA apresentadas no Quadro 19. As metas e os prazos aqui estabelecidos foram discutidos com o Município, e também com a Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro (SEA/R). Distritos Quadro 19 Metas do SAA do município de Paty de Alferes Índice de atendimento Índice de perdas Quota consumida Atual (%) Meta (%) Ano Atual (%) Meta (%) Ano Atual (L/hab.dia) Paty do Alferes 67, Avelar 67, Fonte: Vallenge, 2013 Meta (L/hab.dia) Ano Para a sede, tem-se mais de uma captação e uma ETA, evidenciando que foram feitas ampliações na medida das necessidades apresentadas. O PMSB em elaboração vem justamente para mudar esta situação, prevendo projeto e execução de unidades anteriormente à demanda necessária. Foi calculada a projeção da rede de distribuição considerando-se uma densidade de rede de 7,1 m.rede/hab. Esse valor foi calculado através de dados referentes à porcentagem de atendimento; adquiridos no SNIS (2012), e, mapeamentos para a delimitação da extensão de ruas no Município, o que se mostrou compatível com a forma de ocupação urbana e a oferta de serviços de água para municípios semelhantes, no Médio Paraíba do Sul. Analisando a projeção, verificam-se déficits em algumas etapas do sistema de abastecimento de água, tais como: captação, produção, reservação e rede de distribuição, não só para atender à população atual, como, também, para acompanhar o crescimento populacional ao longo do horizonte de planejamento. Em suma, há atualmente, déficit a serem atendidos nas atuais condições, bem como necessidade de prever mais investimentos para acompanhar a evolução da demanda e atendê-la.

83 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 83 Deve-se notar que, nos parcelamentos do solo através de loteamentos, conforme determina a Lei Federal nº 6.766/1979, o loteador é responsável por fornecer a infraestrutura básica mínima, na qual está inclusa a rede para o abastecimento de água potável. Os resultados do estudo de demandas para o SAA da sede e do distrito do município de Paty do Alferes são apresentados nos Quadros 20 e 21 e resumem as configurações do atual abastecimento de água.

84 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 84 Quadro 20 Projeção da demanda de água na sede de Paty do Alferes 2013 a 2043 Prazo Produzido Consumido Déficit Qm Qmd Déficit (km) Censo ,2 Cenário 1 Cenário 1 * , , , ,7 644,5 312, ,8 72,0 90,9 18, ,8 87,4 15,4 500,0 2517, ,4 131,1 0,04 152,4 32,4 73,04 0, , Imediato Curto Médio Longo Ano Pop. Urbana Índice de Atend. (%) Pop. Hab/ Abastecida dom Ligações ativas (lig.) Economias ativas Volume Médio (m³/dia) Quota produzida (L/hab.dia) Quota consumida (L/hab.dia) Índ. Perdas (%) Índ. Perdas (L/lig.dia) Captação (L/s) Produção (L/s) Vol. Reservação (m³) Déficit , , , ,3 644,0 312, ,9 72,0 91,9 19, ,6 88,4 16,4 500,0 2544, ,9 132,5 0,05 152,4 32,4 73,04 0,00 0,00 0, , , , , ,6 600,0 300, ,0 72,0 96,1 24, ,0 92,4 20,4 500,0 2661, ,3 138,6 0,06 152,4 25,0 50,79 0,00 0,00 0, , , , , ,0 550,0 290, ,1 72,0 95,1 23, ,2 91,4 19,4 500,0 2632, ,4 137,1 0,07 152,4 20,0 38,10 6,71 3,05 41, , , , , ,7 500,0 280, ,8 72,0 103,8 31, ,2 99,8 27,8 500,0 2874, ,8 149,7 0,08 152,4 5,0 8,02 1,14 3,05 31, , , , , ,4 450,0 260, ,6 72,0 99,5 27, ,7 95,7 23,7 500,0 2755, ,0 143,5 0,10 152,4 0,0 0,00 1,13 3,05 9, , , , , ,3 450,0 260, ,3 72,0 100,6 28, ,6 96,8 24,8 500,0 2786, ,8 145,1 0,12 152,4 0,0 0,00 1,12 3,05 1, , , , , ,0 400,0 250, ,8 72,0 90,5 18, ,5 87,0 15,0 500,0 2505, ,6 130,5 0,14 152,4 0,0 0,00 1,11 3,05 1, , , , , ,9 400,0 250, ,8 72,0 91,5 19, ,3 88,0 16,0 500,0 2534, ,3 132,0 0,17 152,4 0,0 0,00 1,09 3,05 1, , , , , ,7 340,0 230, ,3 72,0 78,7 6, ,0 75,7 3,7 500,0 2178, ,8 113,5 0,21 152,4 0,0 0,00 1,07 3,05 1, , , , , ,8 340,0 230, ,1 72,0 79,4 7, ,7 76,4 4,4 500,0 2200, ,1 114,6 0,25 152,4 0,0 0,00 0,89 3,05 0, , , , , ,7 280,0 190, ,5 72,0 66,1 0, ,9 63,5 0,0 500,0 1829, ,6 95,3 0,30 152,4 0,0 0,00 0,86 3,05 0, , , , , ,0 250,0 180, ,8 72,0 59,6 0, ,7 57,3 0,0 500,0 1649, ,5 85,9 0,36 152,4 0,0 0,00 0,83 3,05 0, , , , , ,8 250,0 180, ,8 72,0 60,1 0, ,2 57,8 0,0 500,0 1665, ,5 86,7 0,43 152,4 0,0 0,00 0,80 3,05 0, , , , , ,8 240,0 175, ,4 72,0 58,3 0, ,7 56,1 0,0 500,0 1614, ,3 84,1 0,51 152,4 0,0 0,00 0,76 3,05 0, , , , , ,1 240,0 175, ,4 72,0 58,9 0, ,2 56,6 0,0 500,0 1629, ,9 84,9 0,62 152,4 0,0 0,00 0,71 3,05 0, , , , , ,0 230,0 170, ,4 72,0 56,9 0, ,6 54,8 0,0 500,0 1577, ,0 82,1 0,74 152,4 0,0 0,00 0,67 3,05 0, , , , , ,0 230,0 170, ,4 72,0 57,5 0, ,1 55,3 0,0 500,0 1592, ,1 82,9 0,89 152,4 0,0 0,00 0,62 3,05 0, , , , , ,4 213,0 160, ,2 72,0 53,8 0, ,1 51,7 0,0 500,0 1488,5 988,5 77,5 1,06 152,4 0,0 0,00 0,57 3,05 0, , , , , ,0 213,0 160, ,2 72,0 54,3 0, ,5 52,2 0,0 500,0 1502, ,7 78,3 1,28 152,4 0,0 0,00 0,52 3,05 0, , , , , ,7 213,0 160, ,4 72,0 55,0 0, ,0 52,8 0,0 500,0 1521, ,7 79,3 1,53 152,4 0,0 0,00 0,63 3,05 0, , TOTAL - 73,04 21,21 54,86 94, , Qmdh (L/s) Adensamento urbano Existente (km) Déficit (%) Rede geral de água Hidrômetros Ligações prediais Déficit (km) Expansão urbana (km) Troca de rede (km) Rede a implantar Instalados até univers. (und) Déficit (%) Déficit (und) Capacidade Necessário Capacidade Existente Necessário Ampliação (und) Substituição (und) Hidrômetro a implantar (und) Instalados até univers. (und) Déficit (%) Déficit (und) Ampliação (und) ção Substitui- (und) Ligações a implantar (und) Nota: Qm - vazão média, Qmd - vazão do dia de maior consumo, Qmdh - vazão do dia e da hora de maior consumo. Coeficientes adotados: k1=1,2, k2=1,5, Perdas na ETA=4%. * Dados de entrada: Fonte: IBGE, SNIS, Levantamento de campo.

85 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Quadro 21 Projeção da demanda de água no distrito de Avelar 2013 a 2043 Prazo Ano Pop. Urbana Índice de Atend. (%) Pop. Abastecida Hab/ dom Ligações ativas (lig.) Qm Qmd Déficit Existente Necessário Economias ativas Volume Médio (m³/dia) Produzido Consumido Quota produzida (L/hab.dia) Quota consumida (L/hab.dia) Índ. Perdas (%) Índ. Perdas (L/lig.dia) Captação (L/s) Capacidade Necessário Déficit Capacidade Censo Cenário 1 Cenário 1 * , , ,2 753,2 483,6 234, ,9 18,0 22,8 4, ,2 21,9 3,9 275,0 630,0 355,0 32,8 0,04 45,9 32,4 21,98 0, Imediato , , ,0 758,5 480,0 230, ,1 18,0 22,9 4, ,3 22,0 4,0 275,0 633,2 358,2 33,0 0,04 45,9 32,4 21,98 0,00 0,00 0, , , ,2 852,1 480,0 230, ,8 18,0 25,7 7, ,6 24,7 6,7 275,0 711,3 436,3 37,0 0,04 45,9 25,0 15,28 0,00 0,00 0, , , ,4 920,2 430,0 230, ,6 18,0 24,9 6, ,9 23,9 5,9 275,0 688,2 413,2 35,8 0,04 45,9 20,0 11,46 2,47 0,92 12, Curto , , , ,3 400,0 220, ,3 18,0 27,8 9, ,3 26,7 8,7 275,0 769,6 494,6 40,1 0,04 45,9 5,0 2,41 0,42 0,92 9, , , , ,2 350,0 200, ,0 18,0 25,9 7, ,8 24,9 6,9 275,0 717,7 442,7 37,4 0,04 45,9 0,0 0,00 0,43 0,92 2, , , ,8 934,1 300,0 180, ,2 18,0 22,5 4, ,0 21,6 3,6 275,0 622,7 347,7 32,4 0,04 45,9 0,0 0,00 0,43 0,92 0, , , ,9 945,6 280,0 180, ,0 18,0 21,2 3, ,0 20,4 2,4 275,0 588,4 313,4 30,6 0,04 45,9 0,0 0,00 0,44 0,92 0, , , ,3 957,1 275,0 180, ,7 18,0 21,1 3, ,9 20,3 2,3 275,0 584,9 309,9 30,5 0,04 45,9 0,0 0,00 0,44 0,92 0, , , ,3 968,8 265,0 180, ,1 18,0 20,6 2, ,5 19,8 1,8 275,0 570,5 295,5 29,7 0,04 45,9 0,0 0,00 0,44 0,92 0, Médio , , ,1 979,0 260,0 180, ,5 18,0 20,4 2, ,4 19,6 1,6 275,0 565,7 290,7 29,5 0,04 45,9 0,0 0,00 0,39 0,92 0, , , ,0 989,3 260,0 180, ,5 18,0 20,6 2, ,5 19,8 1,8 275,0 571,6 296,6 29,8 0,04 45,9 0,0 0,00 0,39 0,92 0, , , ,1 999,6 255,0 180, ,2 18,0 20,5 2, ,4 19,7 1,7 275,0 566,4 291,4 29,5 0,04 45,9 0,0 0,00 0,39 0,92 0, , , ,7 982,0 245,0 175, ,9 18,0 19,9 1, ,9 19,1 1,1 275,0 549,9 274,9 28,6 0,04 45,9 0,0 0,00 0,39 0,92 0, , , ,6 992,1 240,0 175, ,6 18,0 19,7 1, ,7 18,9 0,9 275,0 544,3 269,3 28,3 0,04 45,9 0,0 0,00 0,40 0,92 0, , , , ,4 240,0 175, ,6 18,0 19,9 1, ,9 19,1 1,1 275,0 549,9 274,9 28,6 0,04 45,9 0,0 0,00 0,40 0,92 0, , , ,0 983,8 230,0 170, ,0 18,0 19,2 1, ,4 18,5 0,5 275,0 532,4 257,4 27,7 0,04 45,9 0,0 0,00 0,40 0,92 0, , , ,6 993,8 230,0 170, ,0 18,0 19,4 1, ,6 18,7 0,7 275,0 537,8 262,8 28,0 0,04 45,9 0,0 0,00 0,40 0,92 0, Longo , , ,9 944,9 213,0 160, ,9 18,0 18,2 0, ,6 17,5 0,0 275,0 503,2 228,2 26,2 0,04 45,9 0,0 0,00 0,41 0,92 0, , , ,8 954,6 213,0 160, ,9 18,0 18,4 0, ,7 17,6 0,0 275,0 508,3 233,3 26,5 0,04 45,9 0,0 0,00 0,41 0,92 0, , , ,3 968,5 213,0 160, ,4 18,0 18,6 0, ,9 17,9 0,0 275,0 515,7 240,7 26,9 0,04 45,9 0,0 0,00 0,59 0,92 0, TOTAL - 21,98 9,65 16,51 31,63 - Produção (L/s) Vol. Reservação (m³) Déficit Qmdh (L/s) Adensamento urbano Existente (km) Déficit (%) Rede geral de água Déficit (km) Expansão urbana (km) Troca de rede (km) Rede a implantar (km) Instalados até univers. (und) D Nota: Qm - vazão média, Qmd - vazão do dia de maior consumo, Qmdh - vazão do dia e da hora de maior consumo. Coeficientes adotados: k1=1,2, k2=1,5, Perdas na ETA=4%. * Dados de entrada: Fonte: IBGE, SNIS, Levantamento de água.

86 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Sistema de esgotamento sanitário As demandas do serviço de esgotamento sanitário são calculadas, tendo como objetivo principal coletar, afastar e tratar os esgotos sanitários gerados nos domicílios urbanos do município. Em campo constatou-se a falta de cadastro satisfatório e de informações mais detalhadas do Sistema de Esgotamento Sanitário - SES. Sendo assim os dados coletados in loco precisaram ser complementados com informações do SNIS. Para o distrito notou-se uma carência de dados ainda maior, havendo a necessidade da adoção de valores em função das características da sede e de povoados semelhantes ou dados de referência nacional. Deve-se notar que, no parcelamento do solo através de loteamentos, conforme determina a Lei Federal nº 6.766/1979, o loteador é responsável por fornecer a infraestrutura básica mínima, na qual estão inclusas as soluções para o esgotamento sanitário. O Município de Paty do Alferes não possui dados do volume de esgoto gerado. Dessa forma, a demanda do sistema de esgotamento sanitário foi calculada a partir da adoção do coeficiente de retorno 0,8, ou seja, 80% da água consumida nos domicílios retornam ao sistema na forma de esgoto. Como apresentado anteriormente, o volume de água consumido, calculado para o ano 2012 foi de m³, que resulta na geração de m³ de esgoto. Não foram obtidas informações quanto ao índice de coleta no município, portanto, foi adotado o índice médio nacional de atendimento da população urbana com coleta de esgoto que é de 56,1% (SNIS, 2012). O município não apresenta tratamento para o esgoto coletado. Segundo dados do Diagnóstico do SNIS (2012), o índice médio nacional de atendimento da população urbana com tratamento de esgoto é de 38,6%. Para a projeção das demandas no horizonte de planejamento, adotaram-se metas para o Sistema de Esgotamento Sanitário (SES), apresentadas no Quadro 22, e justificadas a seguir. As metas e os prazos aqui estabelecidos foram discutidos com o Município e também com a SEA/RJ. Quadro 22 Metas do SES do município de Paty do Alferes Distritos Índice de coleta Índice de tratamento Atual (%) Meta (%) Ano Atual (%) Meta (%) Ano Paty do Alferes 56, Avelar 0 0 Fonte: Vallenge,

87 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 87 A projeção da demanda de esgoto da sede do município de Paty do Alferes foi realizada a partir de pesquisa de campo, dados do IBGE e SNIS. Com base nesses dados foi realizada projeção para os prazos: imediato, curto, médio e longo, contemplando o horizonte de plano. Com o aumento da população atendida nesse período, a vazão de tratamento apresenta seus maiores déficits em médio e longo prazo. As variações na demanda, observadas no decorrer do plano são em função do crescimento populacional e a redução da quota per capita de água consumida; em função de programas de educação ambiental e sanitária que visam reduzir o consumo de água por domicílio e habitante. Assim, seguiu-se a diretriz de eficiência na prestação dos serviços. Foram identificados déficits para a universalização do SES no Município de Paty do Alferes, tanto na coleta quanto no tratamento. Prevalece o regime unitário, situação comum a vários outros municípios na Bacia, mas não há cadastro ou como avaliar qual porcentagem da rede existente é unitária ou separadora absoluta. Segundo levantamento de campo, o distrito de Avelar possui toda a rede coletora implantada, entretanto, não há ligação entre a rede e os domicílios, por isso foi considerado um índice de coleta de 0%. Considerou-se apenas os custos para a ampliação e a manutenção da rede, uma vez que já existe rede coletora implantada. Os resultados do estudo de demandas para o SES da sede e do distrito do Município de Paty do Alferes são apresentados nos Quadros 23 e 24.

88 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 88 Quadro 23 Projeção da demanda de esgoto na sede de Paty do Alferes 2013 a 2043 Prazo Produzido Coletado Tratado Qm Qmd Qmh Déficit DBO DQO Existente (km) Déficit (%) Déficit (km) Troca de rede (km) Instalados até Déficit (%) univers. (und) (km) (km) Censo Cenário 1 Cenário 1 * , ,2 1352,1 0 27,9 33,5 41,8 0 33, ,04 63,2 43,9 49,48 0, , Imediato , ,9 1383,3 0 28,5 34,2 42,8 0 34, ,05 63,2 43,9 49,48 0,00 0,00 0, , ,3 1729,8 0 30,8 37,0 46,2 0 37, ,06 63,2 35,0 39,45 0,00 0,00 0, , ,0 2082,0 520,5 32,1 38,6 48,2 0 38, ,07 63,2 25,0 28,18 4,70 1,26 26, , Curto ,8 2736,8 684,2 37,3 44,7 55,9 0 44, ,08 63,2 15,0 16,91 0,80 1,26 12, , ,6 2865,2 1432,6 36,8 44,2 55,3 0 44, ,10 63,2 10,0 11,27 0,79 1,26 6, , ,3 3059,3 1529,6 37,3 44,7 55,9 0 44, ,12 63,2 5,0 5,64 0,78 1,26 6, , ,0 3132,0 2505,6 36,3 43,5 54,4 0 43, ,14 63,2 0,0 0,00 0,77 1,26 6, , ,9 3167,9 2692,7 36,7 44,0 55,0 0 44, ,17 63,2 0,0 0,00 0,76 1,26 0, , ,8 2947,8 2653,0 34,1 40,9 51,2 0 40, ,21 63,2 0,0 0,00 0,75 1,26 0, , ,7 2976,7 2827,8 34,5 41,3 51,7 0 41, ,25 63,2 0,0 0,00 0,63 1,26 0, , Médio ,0 2483,0 2433,3 28,7 34,5 43,1 0 34, ,30 63,2 0,0 0,00 0,61 1,26 0, , ,2 2375,2 2375,2 27,5 33,0 41,2 0 33, ,36 63,2 0,0 0,00 0,58 1,26 0, , Longo Ano Pop. Urbana Pop. Aten. Coleta (%) Pop. Aten. Trat. (%) Ligações totais (lig.) Economias totais Volume (m³/dia) Vazão (L/s) Vazão Trat. (L/s) Carga Org. total (kg/dia) Adensamento urbano Rede geral de Esgoto Ligações prediais ,3 2398,3 2398,3 27,8 33,3 41,6 0 33, ,43 63,2 0,0 0,00 0,56 1,26 0, , ,2 2354,2 2354,2 27,2 32,7 40,9 0 32, ,51 63,2 0,0 0,00 0,53 1,26 0, , ,9 2376,9 2376,9 27,5 33,0 41,3 0 33, ,62 63,2 0,0 0,00 0,50 1,26 0, , ,2 2331,2 2331,2 27,0 32,4 40,5 0 32, ,74 63,2 0,0 0,00 0,47 1,26 0, , ,6 2353,6 2353,6 27,2 32,7 40,9 0 32, ,89 63,2 0,0 0,00 0,43 1,26 0, , ,3 2236,3 2236,3 25,9 31,1 38,8 0 31, ,06 63,2 0,0 0,00 0,40 1,26 0, , ,6 2257,6 2257,6 26,1 31,4 39,2 0 31, ,28 63,2 0,0 0,00 0,36 1,26 0, , ,2 2286,2 2286,2 26,5 31,8 39,7 0 31, ,53 63,2 0,0 0,00 0,44 1,26 0, , TOTAL - 49,48 14,85 22,76 64, Expansão urbana Rede a implantar Déficit (und) Capacidade Ampliação (und) Substituição (und) Ligações a implantar (und) Nota: * Dados de entrada População atendida com coleta 2013 (%) adotado em função do valor médio nacional constante no Diagnóstico do SNIS (2012) Fonte: IBGE, SNIS e Levantamento de campo.

89 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Quadro 24 Projeção da demanda de esgoto no distrito de Avelar 2013 a 2043 Prazo Ano Pop. Urbana Pop. Aten. Coleta (%) Pop. Aten. Trat. (%) Ligações totais (lig.) Economias totais Volume (m³/dia) Vazão (L/s) Vazão Trat. (L/s) Produzido Coletado Tratado Qm Qmd Qmh Carga Org. total (kg/dia) Déficit DBO DQO Capacidade Adensamento urbano (km) Censo Cenário 1 Ce * ,5 0,0 0 7,0 8,4 10,5 0 8, ,04 33,9 0,0 0,00 0,00 Imediato ,8 0,0 0 7,0 8,4 10,5 0 8, ,04 33,9 0,0 0,00 0,00 0, ,7 204,5 0 7,9 9,5 11,8 0 9, ,04 33,9 0,0 0,00 0,00 0, ,2 441,7 110,4 8,5 10,2 12,8 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 1,73 0,68 Curto ,6 677,3 169,3 9,8 11,8 14,7 0 11, ,04 33,9 0,0 0,00 0,30 0, ,2 738,2 369,1 9,5 11,4 14,2 0 11, ,04 33,9 0,0 0,00 0,30 0, ,3 709,9 355,0 8,6 10,4 13,0 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,30 0, ,5 756,5 605,2 8,8 10,5 13,1 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,30 0, ,7 765,7 650,9 8,9 10,6 13,3 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,31 0, ,1 775,1 697,5 9,0 10,8 13,5 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,31 0,68 Médio ,2 783,2 744,1 9,1 10,9 13,6 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,27 0, ,4 791,4 775,6 9,2 11,0 13,7 0 11, ,04 33,9 0,0 0,00 0,27 0, ,7 799,7 799,7 9,3 11,1 13,9 0 11, ,04 33,9 0,0 0,00 0,27 0, ,6 785,6 785,6 9,1 10,9 13,6 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,28 0, ,7 793,7 793,7 9,2 11,0 13,8 0 11, ,04 33,9 0,0 0,00 0,28 0, ,9 801,9 801,9 9,3 11,1 13,9 0 11, ,04 33,9 0,0 0,00 0,28 0, ,0 787,0 787,0 9,1 10,9 13,7 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,28 0, ,1 795,1 795,1 9,2 11,0 13,8 0 11, ,04 33,9 0,0 0,00 0,28 0,68 Longo ,9 755,9 755,9 8,7 10,5 13,1 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,29 0, ,6 763,6 763,6 8,8 10,6 13,3 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,29 0, ,8 774,8 774,8 9,0 10,8 13,5 0 10, ,04 33,9 0,0 0,00 0,42 0,68 TOTAL - 0,00 6,76 12,21 Existente (km) Déficit (%) Rede geral de Esgoto Déficit (km) Expansão urbana Troca de rede (km) R im Nota: * Dados de entrada Fonte: IBGE, SNIS e Levantamento de campo.

90 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Sistema de drenagem urbana Neste item as demandas do serviço de drenagem urbana são calculadas, tendo como objetivo, combater inundações nas ruas e fundos de vale municipais e evitar o empoçamento de água que causa doenças como a dengue. Nos levantamentos de campo, constatou-se que o Município não conta com um cadastro das infraestruturas existentes de macro e microdrenagem. Dessa forma, o cálculo da demanda da drenagem considerou dados da bibliografia técnica (TOMAZ, 2002) e a experiência da contratada na elaboração de estudos e projetos na área. As demandas de drenagem urbana são determinadas de forma diferente dos outros serviços de saneamento, pois não dependem diretamente da população, mas sim, da forma como esta ocupa o espaço urbano, das condições climáticas e características físicas das bacias hidrográficas, onde se situa a área ocupada do município. Assim, o escoamento superficial das águas pluviais depende de vários fatores naturais e antrópicos que interagem entre si. A demanda ou o estudo de vazões procuram considerá-los todos para que sejam adequados. O cálculo da demanda para macrodrenagem e microdrenagem é apresentado a seguir. Macrodrenagem Observou-se que o Município de Paty do Alferes possui três sub-bacias que influenciam diretamente a área urbana (Figura 40). O Quadro 25 sumariza as características gerais das bacias com incidência na área urbana do Município de Paty do Alferes, o tempo de concentração, a intensidade de chuva, o uso e ocupação do solo, e, a vazão máxima, conforme o caso. Quadro 25 Informações gerais das sub-bacias do município de Paty do Alferes Codificação sub-bacia Sub-bacia Tempo de Intensidade Uso e ocupação do solo Vazão concentração de chuva Área urbana Área rural máxima (min) (mm/hora) (%) (%) (m³/s) A Córrego do Saco B Córr. Do Maurício C Córr. Sem denominação Fonte: Vallenge, 2013

91 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 91 Figura 40 Articulação das sub-bacias da área urbana do município de Paty do Alferes Fonte: Vallenge, 2013 Microdrenagem Foi estimado que o coeficiente de escoamento superficial para o município de Paty do Alferes seja da ordem de 50%, em função da análise do uso e ocupação do solo atual. Para o período de retorno de 10 anos e duração de 10, e, valores usuais para o dimensionamento de microdrenagem urbana, a intensidade prevista é igual a mm/hora. Assim, cada hectare contribui para uma vazão de escoamento superficial direto igual a 450 L/s, de modo que com a declividade dos terrenos do município de Paty do Alferes, é possível que seja necessário implantar ao menos 3 bocas-de-lobo e respectiva galeria, a cada 2 quadras; ou, adotar técnicas compensatórias que reduzam a necessidade de estruturas hidráulicas convencionais. Para obter esses valores, foram consideradas as normas técnicas da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU/SP, 2008) e mesmo cálculos da capacidade média de caixas de descarga.

92 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 92 A microdrenagem vem funcionando bem, porque há alta capacidade de infiltração na área urbana, o que diminui o escoamento superficial. Como mencionado, o Município de Paty do Alferes não possui cadastro das estruturas de microdrenagem, porém, foi verificado, durante o trabalho de campo, que o Município conta com estruturas, como bocas de lobo e poços de visita. Dessa forma, estimou-se que o Município disponha de 40% das unidades necessárias, operando de acordo com os critérios técnicos. Considerando a Lei Federal nº 6.766/1979 que define que, no parcelamento do solo através de loteamentos, o loteador é responsável por fornecer a infraestrutura básica mínima, na qual está inclusa o sistema de escoamento das águas pluviais, reduzindo os custos de implantação por parte do serviço público. A demanda pelas unidades como bocas-de-lobo, galerias e poços de visita foi determinada por unidade de área. Propôs-se a implantação da infraestrutura em toda a área urbana onde a ocupação se mostra consolidada. A quantidade de unidades de microdrenagem depende diretamente do relevo, daí os valores adotados. Para o relevo plano, mais bocas-de-lobo são necessárias por unidade de área, já que a velocidade de escoamento é muito baixa, tendendo ao empoçamento de água. Em virtude do relevo observado no município foram adotados os critérios apresentados no Quadro 18. O cálculo da demanda para o sistema de microdrenagem da sede e do distrito do município de Paty do Alferes são apresentados nos Quadros 26 e 27.

93 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 93 Quadro 26 Projeção da demanda de microdrenagem na sede de Paty do Alferes 2013 a 2043 Prazo Ano Existentsáritsáritsário Neces- Existen- Neces- Existen- Neces- Déficit Déficit Déficit Censo , * , ,62 51,56 30, Imediato Curto Médio Longo Nota: * Dados de entrada Pop. Urbana Área urbana selec. (ha) , ,86 52,16 31, , ,11 52,77 31, , ,35 53,39 32, , ,60 54,00 32, , ,85 54,63 32, , ,88 54,70 32, , ,13 55,33 33, , ,39 55,96 33, , ,64 56,60 33, , ,86 57,16 34, , ,09 57,72 34, , ,31 58,28 34, , ,54 58,84 35, , ,77 59,41 35, , ,99 59,99 35, , ,05 60,13 36, , ,28 60,71 36, , ,52 61,29 36, , ,75 61,87 37, , ,06 62,66 37, Fonte: IBGE e Levantamento de campo. Bocas de lobo (und) Galeria de águas pluviais (km) Poços de visita (und)

94 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 94 Nota: * Dados de entrada Quadro 27 Projeção da demanda de microdrenagem no distrito de Avelar 2013 a 2043 Prazo Ano Existentsáritsáritsário Neces- Existen- Neces- Existen- Neces- Déficit Déficit Déficit Censo , * , ,77 9,44 5, Imediato Curto Médio Longo Pop. Urbana Área urbana selec. (ha) , ,82 9,56 5, , ,87 9,68 5, , ,92 9,80 5, , ,97 9,92 5, , ,02 10,04 6, , ,02 10,06 6, , ,07 10,19 6, , ,12 10,31 6, , ,17 10,44 6, , ,22 10,55 6, , ,26 10,66 6, , ,31 10,77 6, , ,35 10,88 6, , ,40 10,99 6, , ,44 11,11 6, , ,46 11,14 6, , ,50 11,25 6, , ,55 11,37 6, , ,59 11,49 6, , ,66 11,65 6, Fonte: IBGE e Levantamento de campo Bocas de lobo (und) Galeria de águas pluviais (km) Poços de visita (und)

95 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ PROPOSIÇÕES PARA OS SISTEMAS O PMSB é um instrumento de planejamento da ação do Município para universalização dos serviços de saneamento, entendendo a universalização como a ampliação progressiva do acesso de todos os domicílios ocupados, ao saneamento básico, conforme Lei nº /2007, art. 3º, inciso III. Em conformidade com a lei, a diretriz do planejamento aqui efetuado é levar saneamento básico para todos, mas de forma eficiente, otimizando o uso de recursos naturais e mesmo financeiros. Os objetivos decorrentes para a formulação de proposições dividem-se basicamente em dois: universalização da prestação de serviços e eficiência na prestação. A universalização significa levar a infraestrutura e o serviço afeito a cada usuário potencial; já a eficiência refere-se a ofertá-los, porém com o menor custo de execução, operação e manutenção, fazendo o uso otimizado dos recursos naturais. A distribuição de água é um caso típico para explicar o objetivo de eficiência, pois não basta levar água para toda a população, como no objetivo tradicional, mas fazê-lo com eficiência, o que significa reduzir as perdas totais, atingir 100% de hidrometração, implantar macromedição, zoneamento piezométrico, setorização e outros. Consequentemente, foram propostas metas para cada componente; a exemplo: universalizar o abastecimento de água potável até 2018; a coleta de esgotos até 2020, e, o respectivo tratamento até 2025; logo 100% de atendimento. Enfim, em função das metas são definidas as ações, as quais são divididas em projetos. Por exemplo: elaborar projetos de coleta de esgotos sanitários, programas, de educação sanitária e ambiental, e, obras, tendo como objetivo executar uma Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários. Para isso, necessário se faz que se tenha projetos. A ação nada mais faz do que especificar o que deve ser feito para alcançar a meta pretendida, o que inclui programas e obras. Dessa forma, as ações são compostas por um conjunto de proposições distribuídas no tempo que estão alinhadas com as grandes diretrizes adotadas e objetivos decorrentes, mas concretizadas numericamente em metas, o que permite o controle social. Para cada um dos componentes, as proposições foram colocadas em etapas, a saber: imediata, curta, média e longa, as quais correspondem, respectivamente 2, 3, 5 e 10 anos. Além disso, foram consideradas todas as unidades dos sistemas, incluindo as ligações prediais, hidrômetros e respectivo abrigo, pois o aumento do índice de hidrometração relaciona-se, diretamente, com a redução de perdas de água, diretriz aqui adotada. Para esgotos, também se previram proposições a partir do ramal domiciliar. A consideração das ligações prediais, implantação e mesmo troca, se faz necessária, pois a experiência mostra

96 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 96 que não basta ter a rede na rua, principalmente de esgotos sanitários, se os domicílios não se ligarem à mesma. Os esgotos continuariam a prejudicar a saúde da população e seu ambiente. Daí a importância de prever a ligação predial e os custos decorrentes da sua implantação. O planejamento cumpre seu papel ao sair do estado atual de prestação de serviços de saneamento no Município e chegar a um estado futuro desejado, porque foram feitas proposições alinhadas com a diretriz de saneamento eficiente para todos; concretamente articulada por ações, isto é, projetos, programas e obras para que sejam cumpridas as metas de 100% de atendimento. Se o PMSB não for encarado como um importante instrumento de tomada de decisão para se chegar a um estado futuro desejado, chegar-seia, apenas, a um estado tendencial, com todos os problemas conhecidos, os quais, provavelmente, se acentuariam com o decorrer do tempo e inação ou ação pouco efetiva. As proposições para cada componente do saneamento básico do Município de Paty do Alferes foram feitas a partir do levantamento das condições operacionais atuais e dos resultados das oficinas de participação social. A elaboração do diagnóstico técnico exigiu várias visitas a campo com a finalidade de identificar a situação atual de cada sistema, apontando eventuais falhas e/ou deficiências operacionais. Foram obtidas as condições operacionais atuais das unidades que compõem o saneamento básico do Município. Quanto aos resultados das oficinas de participação social, estes foram obtidos a partir de duas reuniões comunitárias realizadas no Município. A primeira oficina comunitária, componente da Etapa 3, Leitura Comunitária, consistiu na interação da equipe técnica com a comunidade, objetivando a apresentação das responsabilidades delegadas ao Município, pela Lei Federal nº /2007. Além disso, contribuiu com a consolidação do diagnóstico técnico. O objetivo dessa etapa foi atingido, pois foi despertado na população o caráter responsável e participativo, com ênfase na responsabilização pelo planejamento do PMSB, de maneira clara e objetiva; com garantias de que o mesmo não seja responsabilidade exclusiva de especialistas, mas também, passe pela participação dos cidadãos, enriquecendo-o com suas diferentes interpretações relativas aos diversos segmentos sociais do Município. Na Etapa 4 foi realizada a segunda oficina comunitária, denominada Oficina de Visão de Futuro. Nela, os munícipes delinearam suas aspirações, escrevendo o quadro futuro que desejam atingir, identificando suas aspirações, e, criando um clima de envolvimento e comprometimento com o futuro do Município. Nesse encontro, a população definiu uma frase que expressa seus anseios em relação às expectativas futuras: Ser conhecida como a cidade alinhada aos princípios que norteiam o saneamento básico. Nessa etapa consolidou-se a importância de que o processo participativo ocorrerá durante todas as fases, inclusive na elaboração futura das revisões do atual plano. Conforme os objetivos da

97 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 97 lei, a semente lançada de mobilização social durante a elaboração do plano, se consolida como controle social, cujo formato depende de cada município, sendo que poderá ocorrer de diversas formas: como conselho, seminários periódicos ou outros. Mais informações quanto ao controle social na elaboração do presente plano são apresentadas no Capítulo 12. Com base nessa interação técnico-social, por meio das duas oficinas, diagnóstico e visão do futuro, apresentam-se as proposições para os três elementos que compõem o saneamento básico, quais sejam: abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, e, drenagem e manejo de águas pluviais urbanas CENÁRIOS PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO O plano de saneamento objetiva estabelecer um caminho seguro para que o Município alcance a universalização da prestação dos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e manejo das águas pluviais urbanas. Estabelecer um único caminho levaria a um risco para o titular do serviço, tendo em vista o grande problema que é a alocação de recursos financeiros para executar tudo o que é necessário como projetos, programas, ações e obras. A realidade é mais complexa, e, mesmo se prevendo em lei a revisão do plano, a cada quatro anos, faz-se necessário considerar possíveis cenários de universalização, principalmente nesse primeiro plano. Os cenários de investimentos dividem-se conforme dois critérios: de engenharia e de disponibilidade de recursos. Para esses casos, foram obtidos os custos necessários para alcançar a universalização, sendo o Cenário 1, tendencial, ou seja, aquele no qual se manteriam os parâmetros atuais quanto aos elementos lineares em relação às redes. Observando os dados coletados em campo, bem como os informados pelos 16 municípios do Médio Paraíba, no SNIS (2010 e 2011), verificou-se que em média há 6 m de rede de água e 5 m de rede de esgoto por habitante. Mesmo que não sejam condições ideais, são as tendenciais observadas e refletem a forma de construção da cidade na região. O Cenário 1, Tendencial, foi subdividido em A, com maior disponibilidade de recursos financeiros, e B, com limitação de recursos, conforme a atual situação encontrada, mas pressupondo um avanço, mesmo que modesto, na forma de gestão dos serviços de saneamento. Para o caso A, a maior disponibilidade de recursos seria, por exemplo, causada por arranjos regionais de prestação de serviços de saneamento, uma tendência mundial, pois aumenta a escala dos mesmos, bem como partilha os custos, principalmente os fixos. Para o Estado do Rio de Janeiro, essa possibilidade torna-se mais concreta, porque há recursos públicos de uso potencial, Fundo Estadual de Conservação Ambiental e

98 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 98 Desenvolvimento Urbano (FECAM). Conforme obtido no sítio da SEA-RJ, o referido fundo tem as seguintes características: O FECAM foi criado pela Lei nº 1.060, de 10 de novembro de 1986, mais tarde alterado pelas leis nº 2.575, de 19 de junho de 1996; 3.520, de 27 de dezembro de 2000; e nº 4.143, de 28 de agosto de 2003, com o objetivo de atender às necessidades financeiras de projetos e programas ambientais e de desenvolvimento urbano em consonância com o disposto no parágrafo 3º do artigo 263 da Constituição Estadual. Os recursos do FECAM cerca de R$ 300 milhões/ano, são oriundos, dentre outros, de 5% dos royalties do petróleo, atribuídos ao Estado do Rio de Janeiro, bem como do resultado de multas administrativas aplicadas e condenações judiciais por irregularidade constatadas pelos órgãos fiscalizadores do meio ambiente. O FECAM é representado por um secretário-executivo e reporta-se ao titular da Secretaria de Estado do Ambiente. É gerido por um conselho superior, presidido pelo titular da Secretaria do Ambiente e integrado por um representante das secretarias estaduais de Fazenda, de Planejamento e Gestão e das seguintes entidades: O FIRJAN; INEA e a APEDEMA. O FECAM financia projetos ambientais e para o desenvolvimento urbano em todo o Estado do Rio de Janeiro, englobando diversas áreas, tais como reflorestamento, recuperação de áreas degradadas, canalização de cursos d água, educação ambiental, implantação de novas tecnologias menos poluentes, despoluição de praias e saneamento. O FECAM busca, assim, atender as necessidades ambientais do estado, minorando seu passivo ambiental. Com essas características e potencial econômico, o Estado do Rio de Janeiro tem condições diferenciadas de alavancar a prestação de serviços em saneamento, notadamente quanto à coleta e tratamento de esgotos. Portanto, se no caso A se supõe maior disponibilidade de recursos financeiros, tendo como maior fonte o FECAM, no cenário B manter-se-ia a modéstia atual quanto à aplicação de recursos para o saneamento. Basicamente, nesse último caso, a fonte de investimentos seria o orçamento do Município, ou mesmo, da CEDAE. No entanto, deve ser esclarecido que o escopo dos investimentos propostos no PMSB é o mesmo, sendo somente diferenciado quanto à sua concretização no tempo, isto é, havendo recursos disponibilizados pelo estado e regionalização de prestação dos serviços: é possível antecipar os investimentos no cenário B, com vistas à sua transformação em cenário A. Uma Estação de Tratamento de Esgosto - ETE prevista, para 2023 poderia, por exemplo, ser antecipada para O Cenário 2, ideal, é aquele no qual se emprega o estado da arte da tecnologia em engenharia sanitária. Supõe-se que ao longo do tempo, mesmo com um longo prazo além do horizonte desse plano; a exemplo, 20 anos, as áreas urbanas do Município contassem com redes de água em anel, passando pela calçada, e, alimentadas também por anéis

99 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 99 principais; são as denominadas redes por anel, setorizadas, possibilitando a colocação de macromedidores para o controle das perdas por setor. Em relação ao esgotamento sanitário, admite-se rede coletora comum aos dois lados da rua, logo atendendo domicílios opostos; cobrindo todas as ruas, e, contando com os elementos de inspeção necessários. Evidentemente, por pressupor mais elementos lineares, ocasionaria um montante maior de investimentos. O Cenário Ideal, também, se divide em A e B, sendo, caso A, com maior disponibilidade de recursos; e, B, com menor disponibilidade. O que muda nesse cenário é a condição de engenharia das redes, sejam as de água, sejam as de esgotos. O esquema a seguir resume a lógica dos cenários de investimentos para alcançar a universalização dos serviços de saneamento: Cenário 1: Tendencial quanto à engenharia dos elementos lineares, rede de água e de esgotos, mantendo e aprimorando as condições atuais, quais sejam, cerca de 5 m de rede de esgotos e 6 m de rede de água por habitante. Subdividido em A, regionalização e disponibilidade de recursos; e, B, investimentos limitados, mantendo a tendência atual, mesmo que pouco a pouco aprimorada no horizonte do planejamento. Cenário 2: Ideal quanto à engenharia dos elementos lineares, rede de água e de esgotos. Também é subdividido em A, regionalização e disponibilidade de recursos e B, investimentos limitados, mantendo a tendência atual, mesmo que pouco a pouco aprimorada no horizonte de planejamento. Esse exercício de cenários foi feito pela consultora e apresentado aos Municípios para sua manifestação. Em função de incertezas quanto à continuidade dos investimentos, houve a opção pelo cenário mais conservador em termos de engenharia e investimentos, de forma que aqui se coloca aquele denominado como 1B, tendencial em termos de engenharia e sequência mais modesta de investimentos. Na medida em que se confirmar uma alocação de recursos por parte do governo estadual, é possível concretizar os investimentos em prazo mais curto, tendendo ao cenário 1A 6.2. ABASTECIMENTO DE ÁGUA eficiente. Objetivo: universalizar o abastecimento de água conforme uma prestação de serviço Meta: atingir 100% de atendimento em 2018.

100 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 100 Os valores totais de investimento em infraestrutura e custos de manutenção da sede do município de Paty do Alferes para os cenários 1 (Tendencial) e 2 (Ideal) são apresentados na Figura 41, lembrando que somente a composição física do cenário selecionado, 1B, tendencial de engenharia e modesta quanto aos investimentos, é detalhada. Figura 41 Investimentos totais no SAA na sede por cenário Fonte: Vallenge, 2013 A porcentagem de investimento para manutenção e implantação de cada serviço para o cenário tendencial considerando o valor total estão sendo mostrados nas Figuras 42 e 43. Figura 42 Porcentagem de investimento em implantação SAA Fonte: Vallenge,2013

101 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 101 Figura 43 Porcentagem de investimento em manutenção SAA Fonte: Vallenge,2013 Para o cenário 1B as proposições para o SAA da sede e distrito, divididas em prazo imediato, curto, médio e longo estão resumidas nos Quadros 28 a 31.

102 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 102 Captação Superficial AAB Tratamento - água superficial AAT Reservação Quadro 28 Investimentos para a universalização do SAA no distrito PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Outorga e renovação das 02 (duas) captações superficiais Ampliar a oferta de água captada em 32 L/s (projeto e implantação) Projeto e implantação (caso necessário em função da ampliação da captação) Ampliar a oferta de água tratada em 28 L/s (Projeto e implantação) Projeto e implantação do sistema de tratamento de lodos Projeto e implantação de adutoras, inclusive anéis de distribuição Ampliar o volume de reservação em m³ (Projeto e implantação) IMEDIATO ( ) , , ,00 Cadastro das unidades do SAA ,00 PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) , , , , , , , , , , , ,00 LONGO ( ) ,00 Rede de distribuição (atendimento de déficit e ampliação) 0, , , ,00 Distribuição Macromedição e setorização ,00 Ligações de água (atendimento de déficit e ampliação) Padronização de cavalete 0, , , , ,00 Hidrômetros (atendimento de déficit e ampliação) SUBTOTAL TOTAL GERAL 0, , , , , , , , ,00 Por ano no período , , , ,00 Fonte: Vallenge, 2013

103 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 103 AAB Quadro 29 Custos de manutenção do SAA no distrito sede PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Manutenção e substituição de trechos IMEDIATO ( ) PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) LONGO ( ) , ,00 AAT Manutenção e substituição de trechos , ,00 Captação Superficial Reforma e atualização das unidades , ,00 EEAT Reforma e atualização da unidade , ,00 Tratamento - água superficial Reservação Reforma e atualização das unidades , ,00 Reforma e atualização das unidades , ,00 Rede de distribuição (Substituição) 0, , , ,00 Distribuição Ligações de água (Substituição) , , , ,00 Hidrômetros (Substituição) , , , ,00 SUBTOTAL TOTAL GERAL , , , , ,00 Fonte: Vallenge, 2013 Por ano no período , , , ,00

104 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 104 Quadro 30 Investimentos para a universalização do SAA no distrito Avelar Captação Superficial AAB Tratamento - água superficial AAT Reservação PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Renovação da outorga da captação superficial Ampliar a oferta de água captada em 10 L/s (projeto e implantação) Projeto e implantação (caso necessário em função da ampliação da captação) Ampliar a oferta de água tratada em 9 L/s (Projeto e implantação) Projeto e implantação do sistema de tratamento de lodos Projeto e implantação de adutoras, inclusive anéis de distribuição Ampliar o volume de reservação em 500 m³ (Projeto e implantação) IMEDIATO ( ) , , , ,00 Cadastro das unidades do SAA ,00 PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) , , , , , , , , , ,00 LONGO ( ) 5.000,00 Rede de distribuição (atendimento de déficit e ampliação) 0, , , ,00 Macromedição e setorização ,00 Distribuição Ligações de água (atendimento de déficit e ampliação) 0, ,00 Padronização de cavalete , , ,00 Hidrômetros (atendimento de déficit e ampliação) SUBTOTAL TOTAL GERAL 0, , , , , , , , ,00 Fonte: Vallenge, 2013 Por ano no período , , , ,00

105 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 105 Quadro 31 Custos de manutenção do SAA no distrito Avelar PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA IMEDIATO ( ) PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) LONGO ( ) AAB Manutenção e substituição de trechos , ,00 AAT Manutenção e substituição de trechos , ,00 Captação Superficial EEAB e AT Tratamento - água superficial Reforma e atualização das unidades Reforma e atualização das unidades (1 EEAB + 1 EEAT) Reforma e atualização das unidades , , , , , ,00 Reservação Reforma e atualização das unidades , ,00 Rede de distribuição (Substituição) 0, , , ,00 Distribuição Ligações de água (Substituição) , , , ,00 Hidrômetros (Substituição) , , , ,00 SUBTOTAL TOTAL GERAL , , , , ,00 Fonte: Vallenge, 2013 Por ano no período , , , , ESGOTAMENTO SANITÁRIO Objetivo: universalizar o esgotamento sanitário conforme uma prestação de serviço eficiente. Meta: atingir 100% de coleta e afastamento de esgotos em 2020 e tratamento de esgotos em 2025, empregando técnicas que mais se adequam ao Município. Os valores totais de investimento em infraestrutura e custos de manutenção do Município de Pinheiral para os Cenários 1 (Tendencial) e 2 (Ideal) são apresentados na Figura 44. No entanto, será apresentado em detalhes o escopo do cenário 1B por ser o selecionado.

106 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 106 Figura 44 Investimentos totais no SES na sede por cenário Fonte: Vallenge, 2013 A porcentagem de investimento para manutenção e implantação de cada serviço para o Cenário Tendencial, considerando o valor total estão sendo mostrados nas Figuras 45 e 46. Figura 45 Porcentagem de investimento em implantação SES Fonte: Vallenge, 2013

107 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 107 Figura 46 Porcentagem de investimento em manutenção SES Fonte: Vallenge, 2013 Para o Cenário 1B as proposições para o Sistema de Esgotamento Sanitário no Município, divididas em prazos: imediato, curto, médio e longo, estão resumidas nos Quadros 32 a 35.

108 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 108 Quadro 32 Investimentos para a universalização do SES no distrito sede PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO IMEDIATO ( ) Cadastro das unidades do SES ,00 PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) ,00 LONGO ( ) Rede coletora Coletor Tronco e Intercep. EEE Rede de esgoto (atendimento de déficit, ampliação e substituição) Ligações de esgoto (atendimento de déficit, ampliação e substituição) Projeto e implantação de coletor tronco e/ou interceptores Projeto e Implantação de 5 EEE ,00 0, , , ,00 0, , , , , , , ,00 Linha de recalque ETE Projeto e implantação de linhas de recalque Universalizar o atendimento de esgoto tratado (projeto e implantação) e reforma da ETE existente SUBTOTAL TOTAL GERAL , , , , , , , , , ,00 Fonte: Vallenge, 2013 Por ano no período , , , ,33 Rede coletora Quadro 33 Custos de manutenção do SES no distrito sede PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO IMEDIATO ( ) Rede de esgoto (Substituição) 0, ,00 PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) Ligações de esgoto (Substituição) , , ,00 LONGO ( ) , , ,00 EEE Reforma e atualização das unidades ,00 Linha de recalque Coletor Tronco e Intercep. Reforma e atualização das unidades Manutenção e substituição de trechos SUBTOTAL TOTAL GERAL , , , , , , , , ,00 Fonte: Vallenge, 2013 Por ano no período , , , ,00

109 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 109 Quadro 34 Investimentos para a universalização do SES no distrito Avelar PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO IMEDIATO ( ) Cadastro das unidades do SES , ,00 PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) LONGO ( ) Rede de esgoto (atendimento de déficit e Rede coletora ampliação) Ligações de esgoto (atendimento de déficit e ampliação) Coletor Tronco Projeto e implantação de coletor tronco e Intercep. e/ou interceptores EEE Projeto e Implantação de 5 EEE 9.300,00 0, , , ,00 0, , , , , , , ,00 Linha de recalque ETE Projeto e implantação de linhas de recalque Universalizar o atendimento de esgoto tratado (projeto e implantação) SUBTOTAL TOTAL GERAL , , , , , , , , , ,00 Fonte: Vallenge, 2013 Por ano no período , , , ,00 Quadro 35 Custos de manutenção do SES no distrito Avelar PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO IMEDIATO ( ) PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) LONGO ( ) Rede coletora Ligações de esgoto (Substituição) 400, , , ,00 Coletor Tronco e Intercep. Manutenção e substituição de trechos , ,00 SUBTOTAL 400, , , ,00 TOTAL GERAL ,00 Por ano no período 200, , , ,00 Fonte: Vallenge, DRENAGEM URBANA Objetivo: universalizar a prestação de serviço eficiente em drenagem urbana. Meta: atingir 100% de atendimento em A porcentagem de investimento para o serviço considerando o valor total é mostrada na Figura 47.

110 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 110 Figura 47 Porcentagem de investimento SDU Fonte: Vallenge, 2013 As proposições para o SDU, tratadas em termos de microdrenagem, estão colocadas nos Quadros 36 e 37 a seguir.

111 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 111 Quadro 36 Proposições, custos e prazos para a universalização do SDU no distrito sede PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE DRENAGEM URBANA Cadastro das unidades do SDU IMEDIATO ( ) , ,00 PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) LONGO ( ) Projeto de galerias de águas pluviais ,00 Implantação de galerias de águas pluviais , ,00 Reforma de galerias , ,00 Projeto de poços de visitas ,00 Rede de drenagem Implantação de poços de visitas , ,00 Reforma de poços de visita , ,92 Projeto de bocas de lobo ,00 Implantação de bocas de lobo Reforma de bocas de lobo , , , ,00 Reforma de sarjeta e sarjetão , ,00 Limpeza do sistema SUBTOTAL TOTAL GERAL , , , , , , , ,23 Fonte: Vallenge, 2013 Por ano no período , , , ,18

112 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 112 Quadro 37 Proposições, custos e prazos para a universalização do SDU no distrito de Avelar PROPOSIÇÕES PARA O SISTEMA DE DRENAGEM URBANA IMEDIATO ( ) Cadastro das unidades do SDU , ,00 PRAZO/ CUSTO (R$) CURTO MÉDIO ( ) ( ) LONGO ( ) Projeto de galerias de águas pluviais ,00 Implantação de galerias de águas pluviais , ,00 Reforma de galerias , ,00 Projeto de poços de visitas ,00 Rede de drenagem Implantação de poços de visitas , ,00 Reforma de poços de visita , ,80 Projeto de bocas de lobo ,00 Implantação de bocas de lobo Reforma de bocas de lobo , , , ,00 Reforma de sarjeta e sarjetão Limpeza do sistema SUBTOTAL TOTAL GERAL , , , , , , , , , ,61 Fonte: Vallenge, 2013 Por ano no período , , , , METAS E AÇÕES PARA O SETOR DE SANEAMENTO Dentro das diretrizes de saneamento eficiente para todos, são necessárias ações de domínio do Poder Público Municipal para a efetiva implantação do PMSB. Nesse item, apresentam-se os objetivos detalhados, as metas e as respectivas ações para que efetivamente existam condições de aplicação de todas as proposições apresentadas no PMSB e o mesmo alcance seu êxito, mudando de um cenário tendencial para o desejado. No item anterior foram previstos investimentos físicos em unidades desses sistemas; no entanto, necessária se faz a continuidade da gestão, no tocante à operação, manutenção, e, até, reabilitação de unidades. Inicialmente colocam-se os objetivos de competência municipal, seguidos pelas ações propostas para situações de emergência. Em seguida, colocam-se os objetivos, metas e ações para cada um dos Sistemas de Saneamento.

113 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 113 Quadro 38 Objetivos, metas e ações para a institucionalização do saneamento básico no município OBJETIVOS, METAS E AÇÕES OBJETIVO 1 - INSTITUCIONALIZAR A POLÍTICA MUNICIPAL DE 1 SANEAMENTO BÁSICO 1.1 Meta 1 - Modelar política de Saneamento Básico e competências JUSTIFICATIVA Ação 1 - Análise e avaliação da legislação municipal X Ação 2 - Implantação e formação do Conselho Municipal de Saneamento ou instância semelhante Ação 3 - Instituir o Fundo Municipal de Saneamento Básico X Ação 4 - Estruturação e arranjo do órgão gestor de Saneamento X Ação 5 - Análise para definição de agência reguladora X Cronograma de implantação e início de operação Curto Médio Longo Imediato Prazo Prazo Prazo 1.2 Meta 2 - Implantar Agência Reguladora Ação 1 - Legislação da Agência Reguladora Municipal Ação 2 - Estruturação da Agência Reguladora do saneamento Instituir, implantar e consolidar os instrumentos normativos, jurídicosadministrativos e a gestão da X X Ação 3 - Contratação de serviços de agência reguladora para atuação no Política Municipal de Saneamento saneamento básico do município Básico X 1.3 Meta 3 - Implantar sistema e meios de planejamento do Saneamento Básico Ação 1 - Instituir o sistema municipal de planejamento e informação do saneamento X Ação 2 - Implantar cadastro municipal georreferenciado do sistema de saneamento básico apoiado em GIS X Ação 3 - Implantar rede de monitoramento e avaliação periódica do setor de saneamento X Ação 4 - Consolidação de indicadores de prestação dos serviços de saneamento X 2 OBJETIVO 2 - QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR DE SANEAMENTO 2.1 Meta 1 - Qualificação de recursos humanos para o setor de saneamento Qualificar de forma continuada dos gestores e técnicos da Ação 1 - Gestores da administração municipal X x x x administração envolvidos com os Ação 2 - Técnicos da administração municipal, principalmente os que serviços de saneamento básico, X x x x trabalham com o GIS incluindo operadores, de forma a Ação 3 - Profissionais do ente regulador implementar ações direcionadas X x x x X

114 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ OBJETIVOS, METAS E AÇÕES Ação 4 - Membros do conselho municipal de saneamento ou instância semelhante JUSTIFICATIVA de mobilização social e educação ambiental Cronograma de implantação e início de operação Curto Médio Longo Imediato Prazo Prazo Prazo X x x x Ação 5 - Pessoal da Secretaria de Meio Ambiente, conforme o caso X x x x Ação 6 - Equipe de educação ambiental com vistas à avalição do PMSB X x x x Ação 7 - Operadores do saneamento básico se o serviço for municipal X x x x Ação 8 - Profissionais de fiscalização dos serviços do saneamento básico X x x x Ação 9 - Profissionais do sistema de planejamento e informação do saneamento básico X x x x 2.2 Meta 2 - Atores de mecanismos de controle social Qualificar de forma continuada dos gestores e técnicos da Ação 1 - Profissionais dos setores de gestão, regulação e conselhos administração envolvidos com os municipais, articulando-os com a Secretaria de Governo através da Assessoria X x x x serviços de saneamento básico, de Comunicação incluindo operadores, de forma a Ação 2 - Membros do organismo de controle social implementar ações direcionadas X x x x Ação 3 - Atores sociais interessados ou delegados escolhidos pela população de mobilização social e educação ambiental X x x x 3 OBJETIVO 3 - ATENDIMENTO, INFORMAÇÃO AO USUÁRIO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 3.1 Meta 1 - Desenvolvimento da Gestão do atendimento ao usuário e melhoria no sistema de informação Ação 1 - Associar o GIS ao cadastro de usuários X x x x Fonte: Vallenge, 2013 Ação 2 - Desenvolver metodologia e pesquisas de satisfação junto aos usuários dos serviços de saneamento básico Ação 3 - Desenvolver plano de melhoria no atendimento aos usuários pela concessionária e pela prefeitura Ação 4 - Atualizar cadastro dos sistemas de abastecimento de água e serviços de esgotamento sanitário. Uso de GIS. Ação 5 - Atualizar cadastro dos usuários dos serviços de limpeza pública e drenagem urbana. Uso de GIS. Ação 6 - Definir o conjunto de indicadores relativos à prestação de serviços, incluindo tempo de reparos Ação 7 - Desenvolver mecanismos de divulgação dos dados da qualidade dos serviços prestados, conforme a lei em vigor. Implantação e modernização das ferramentas de gestão, a fim de atender as demandas dos usuários, desenvolver e melhorar o sistema cadastral e disponibilizar e intercambiar informações dos serviços X x x x X x x x X x x x X x x x X x x x X x x x

115 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 115 Quadro 39 Objetivos, metas e ações para situação de emergência em saneamento básico no município Cronograma de implantação e início de operação OBJETIVOS, METAS E AÇÕES JUSTIFICATIVA Curto Médio Longo Imediato Prazo Prazo Prazo 1 OBJETIVO 1 - EMERGÊNCIA E CONTINGENCIAMENTO 1.1 Meta 1 - Aquisição de equipamentos para atendimento emergencial Ação 1 - Veículo pipa para fornecimento emergencial de água X x Ação 2 - Conjunto motobombas de reservas e ferramental para operação de X x segurança Ação 3 - Veículo retroescavadeira X x 1.2 Meta 2 - Preparação para acionamento de serviços emergenciais Ação 1 - Elaboração de Plano detalhado para Ação da Defesa Civil, definindo X x ações e responsabilidades Ação 2 - Elaborar Plano de Comunicação à população, instituições, X x autoridades e defesa civil Ação 3 - Deixar preparados meios de comunicação aos órgãos de controle X x ambiental Ação 4 - Deixar preparados procedimentos para contratação emergencial de X x obras de reparos na infraestrutura de saneamento Dotar o município de Ação 5 - Elaborar Plano de Comunicação à política em caso de vandalismo equipamentos para atendimento X x Ação 6 - Capacitar e treinar funcionários da prefeitura para atuação em emergencial, promover meios legais para a atenção aos serviços X x serviços de emergência Ação 7 - Elaborar plano de transportes da prefeitura para fornecimento de emergenciais e definição de regras veículos e funcionários para emergências para o atendimento emergencial X x Ação 8 - Elaborar estudo de identificação de possíveis locais para abrigo X x emergencial Meta 3 - Definição de regras operacionais de sistemas de saneamento em 1.3 situações emergenciais Ação 1 - Desenvolver plano específico para abastecimento de água em X x emergência Ação 2 - Definir mecanismos de controle de disponibilidade de água nos X x reservatórios Ação 3 - Disponibilização de grupo gerador no caso de falta prolongada de X x energia elétrica Ação 4 - Elaborar plano de rodízio no abastecimento de água X x Ação 5 - Equacionar o órgão gestor de recursos hídricos para o controle de X x mananciais Fonte: Vallenge, 2013

116 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 116 Quadro 40 Objetivos, metas e ações para o SAA no município Cronograma de implantação e início de operação OBJETIVOS, METAS E AÇÕES JUSTIFICATIVA Curto Médio Longo Imediato Prazo Prazo Prazo 1 OBJETIVO 1 - AUMENTO DA EFICIÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA 1.1 Meta 1 - Diminuição do consumo, controle e correção de vazamentos Ação 1 - Elaborar Plano de Controle de Perdas X x x x Ação 2 - Combater as perdas físicas de água, identificando e eliminando X x x x vazamentos visíveis Ação 3 - Plano de redução do tempo de conserto de vazamentos X x x x Ação 4 - Implementar combate à perda comercial no abastecimento de água X x x x Ação 5 - Implementar programa de aferição dos hidrômetros X x x x Ação 6 - Adquirir equipamentos para pesquisas de vazamentos não visíveis, X x x x pesquisa de vazamentos na rede de distribuição e nos ramais domiciliares Redução das perdas físicas e Ação 7 - Implantar o centro de controle operacional comerciais de água e da X x x x Ação 8 - Implantar controle por telemetrias e telecomando das unidades de inadimplência. Aumentar a bombeamento e níveis de reservatório automação X x x x 1.2 Meta 2 - Elaborar os cadastros Ação 1 - Estabelecer procedimento para manutenção e atualização de X x x x cadastro técnico e mapeamento georreferenciado Ação 2 - Monitorar e inspecionar a atualização do sistema de informações de X x x x abastecimento de água Ação 3 - Rever e atualizar o cadastro comercial X x x x Ação 4 - Disponibilizar informações por meio do GIS, possibilitando a X x x x realização dos serviços em tempo reduzido e com maior segurança 2 OBJETIVO 2 - REGULARIZAÇÃO E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL 2.1 Meta 1 - Outorga e licenciamento ambiental Regularizar o licenciamento Ação 1 - Instituir sistema de outorga para atender a Lei 9.433/1997 no art. 12º X x x x ambiental e preservar mananciais Ação 2 - Obtenção das licenças ambientais de operação das unidades de superficiais e subterrâneos X x x x captação e tratamento 2.2 Meta 2 - Proteção e controle dos mananciais superficiais e subterrâneos Ação 1 - Realização de estudos sobre os sistemas aquíferos X x x x Ação 2 - Implantar medidas e intervenções necessárias à efetiva proteção X x x x ambiental das áreas de preservação Regularizar o licenciamento X x x x Ação 4 - Controlar vazão de explotação para manutenção da vazão de recarga X x x x dos mananciais Ação 5 - Desativar poços isolados que deverão estar em consonância com as X x x x Ação 3 - Avaliar impactos de estruturas/instalações potencialmente poluidoras ambiental e preservar mananciais dos sistemas aquíferos superficiais e subterrâneos

117 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 117 Cronograma de implantação e início de operação OBJETIVOS, METAS E AÇÕES JUSTIFICATIVA Curto Médio Longo Imediato Prazo Prazo Prazo normas estabelecidas pelo PMSB Ação 6 - Desenvolver mecanismos que permitam a identificação e uso dos X x x x mananciais Ação 7 - Efetuar sinalização e cercamento das nascentes, indicando se tratar X x x x de água potável para abastecimento da população Ação 8 - Efetuar sinalização e cercamento dos poços, mananciais X x x x subterrâneos, indicando se tratar de água potável Ação 9 - Estabelecer programa de monitoramento e controle de cianobactérias X x x x e processo de eutrofização no manancial Ação 10 - Elaborar projeto para desinfecção para tratamento de águas X x x x subterrâneas Ação 11 - Desenvolver programa de análise e inspeção de poços, particulares X x x x e públicos, junto à vigilância sanitária Ação 12 - Implantar monitoramento de cianobactérias e cianotoxinas no X x x x sistema de captação, portaria 2.914/ OBJETIVO 3 - BANCO DE ESTUDOS E PROJETOS Meta 1 - Estudos e Projetos para a Ampliação e Modernização do sistema 3.1 de distribuição Ação 1 - Estudo de concepção para ampliação da rede de distribuição na Contar com projetos básicos e executivos para pedir recursos de X x Sede e Distritos Ação 2 - Projeto básico para Distritos e bairros fontes externas à operadora ou ao X x Ação 3 - Estudos para implantação da macromedição na rede município X x Ação 4 - Estudo para padronização das ligações prediais X x Ação 5 - Definir normas para a ampliação do sistema de água potável X x efetuada por loteamentos Meta 2 - Ampliação e modernização do sistema de reservação de água 3.2 bruta e tratada X x X x Ação 3 - Elaborar programa de manutenção preventiva e limpeza dos X x reservatórios de água tratada Ação 1 - Elaborar estudos e projetos para reforma e atualização do sistema de Ação 2 - Elaborar estudos para implantação de sistema de automação nos Contar com projetos básicos e fontes externas à operadora ou ao reservação de água tratada reservatórios de água tratada executivos para pedir recursos de município

118 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ OBJETIVO 4 - CONTROLE SANITÁRIO 4.1 Meta 1 - Monitoramento da qualidade de água e dos padrões de potabilidade Ação 1 - Orientar usuários sobre os cuidados necessários em situação de risco à saúde X x x x Ação 2 - Apresentar informações referentes a problemas verificados em mananciais que causem risco à saúde e alerta sobre os possíveis danos a que X x x x estão sujeitos os consumidores Ação 3 - Criar e manter canal para recebimento de queixas sobre as características de água distribuída X x x x Ação 4 - Disponibilizar acesso à consulta pública X x x x Ação 5 - Desenvolver sistema de orientação aos usuários a respeito dos Acompanhar a situação do controle X x x x cuidados necessários, em situações de risco à saúde. sanitário da produção de água Ação 6 - Estabelecer sistema de avaliação dos riscos que os sistemas e as soluções alternativas de abastecimento de água representam para a saúde X x x x humana Ação 7 - Divulgar os parâmetros de qualidade de água fornecida à população no município x x x x 4.2 Meta 2 - Atualização de equipamento e pessoal conforme a necessidade Ação 1 - Acompanhar a estrutura laboratorial para o monitoramento da qualidade da água x x x x Ação 2 - Acompanhar o pessoal da concessionária para realização do monitoramento da qualidade da água segundo os padrões da Portaria /2011 x x x x Fonte: Vallenge, 2013

119 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 119 Quadro 41 Objetivos, metas e ações para o SES no município Cronograma de implantação e início de operação OBJETIVOS, METAS E AÇÕES JUSTIFICATIVA Curto Médio Longo Imediato Prazo Prazo Prazo 1 OBJETIVO 1 - AVANÇO NA GESTÃO DO SERVIÇO DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1.1 Meta 1 - Elaboração do Cadastro Técnico Ação 1 - Elaborar procedimento para manutenção e atualização de cadastro técnico dos serviços de esgotamento sanitário. x x x x Ação 2 - Realizar o mapeamento georreferenciado do sistema de esgotamento sanitário x x x x Ação 3 - Disponibilizar informações por meio de sistema de informações, possibilitando As melhorias na gestão de a realização dos serviços em tempo esgotamento sanitário visam promover x x x x Ação 4 - Rever e atualizar o cadastro comercial a ampliação da cobertura e da x x x x Ação 5 - Realizar ações educativas e de fiscalização visando efetuar ligação de eficiência dos serviços domicílio não conectado x x 1.2 Meta 2 - Outorga e licenciamento ambiental Ação 1 - Obtenção das licenças ambientais dos coletores e das unidades de tratamento x x Ação 2 - Obtenção de outorgas para lançamento dos sistemas de esgotamento sanitário x x 2 OBJETIVO 2 - BANCO DE ESTUDOS E PROJETOS 2.1 Meta 1 - Elaboração de projetos para a ampliação da cobertura Ação 1 - Concepção geral dos sistemas de esgotamento sanitário x x Ação 2 - Projetos para ampliação e aumento de cobertura do SES, incluindo tratamento x x Ação 3 - Projeto para implantação de rede coletora de esgoto ou ampliação da cobertura x x Ação 4 - Definir normas para a ampliação do sistema de esgotos efetuada por loteamentos x x Ação 5 - Estudo de soluções alternativas de esgotamento sanitário para regiões isoladas Contar com projetos básicos e x x ou domicílios. executivos para pedir recursos de Ação 6 - Estabelecer normas para projeto, execução e operação de tratamento fontes externas à operadora ou ao x x domiciliar ou não coletivo. município 2.2 Meta 2 - Elaboração de projetos para melhorias operacionais Ação 1 - Viabilidade do reuso dos efluentes tratados x x Ação 2 - Estudo de redução de maus odores e desenvolvimento de tecnologias para desodorização x x Ação 3 - Projetos de melhoria operacional das ETEs x x Ação 4 - Projeto de implantação de sistema de automação das ETEs x x Ação 5 - Elaborar estudo de destino do lodo x x

120 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ OBJETIVO 3 - MONITORAMENTO E CONTROLE DOS EFLUENTES DAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO 3.1 Meta 1 - Monitoramento e manutenção dos sistema de lançamento de efluentes Ação 1 - Estabelecer rede de monitoramento integrado das unidades de tratamento e efluentes gerados x x x x Ação 2 - Adequar ETEs que estiverem em desacordo com os padrões de lançamento O programa de controle dos efluentes x x x x Ação 3 - Instalação de controle operacional eletrônico centralizado dos sistemas visa prioritariamente à criação de automatizados mecanismos que minimizem as x x x x 3.2 Meta 2 - Monitoramento Ambiental desvantagens oriundas das instalações Ação 1 - Estabelecer sistema de monitoramento de odores no sistema de esgotamento de ETEs sanitário x x x x Ação 2 - Estabelecer sistema de monitoramento sobre o destino de lodos e outros resíduos de ETEs e Elevatórias x x x x Fonte: Vallenge, 2013

121 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 121 Quadro 42 Objetivos, metas e ações para o SDU no município Cronograma de implantação e início de operação OBJETIVOS, METAS E AÇÕES JUSTIFICATIVA Curto Médio Longo Imediato Prazo Prazo Prazo 1 OBJETIVO 1 - AVANÇO NA GESTÃO DO SERVIÇO DE DRENAGEM URBANA Meta 1 - Elaborar o cadastro técnico e controle do sistema de drenagem de águas 1.1 pluviais urbanas Ação 1 - Realizar cadastro técnico e mapeamento cartográfico em banco de dados Garantir a prestação dos serviços de x x x x georreferenciado do sistema de drenagem manejo de água pluviais, visando à Ação 2 - Monitorar e inspecionar a atualização do sistema de informações de drenagem salubridade do meio urbano, à x x x x urbana segurança e bem estar social, a Ação 3 - Elaborar cadastro e metodologia de registro de pontos críticos urbanos redução dos riscos de inundação, o x x x x Ação 4 - Disponibilizar informações por meio de GIS, possibilitando a realização dos controle da produção de sedimentos e x x x x serviços em tempo reduzido e com maior segurança à preservação dos mananciais. 1.2 Meta 2 - Outorga e Licenciamento Ambiental O programa busca promover a Ação 1 - Obtenção das licenças ambientais das canalizações e barramentos universalização do acesso aos serviços x x Ação 2 - Obtenção de outorgas para travessias, canais e outras obras hidráulicas de drenagem urbana e integrar ações x x Meta 3 - Implantação de órgão municipal com atribuições para o manejo de águas com os demais serviços de 1.3 pluviais saneamento, principalmente Ação 1 - Definir atribuições dispositivos legais que contemplem os princípios do esgotamento sanitário e resíduos gerenciamento e do ordenamento da drenagem urbana sólidos. x x x x Ação 2 - Realocar ou contratar pessoal x x x x Ação 3 - Qualificar pessoal x x x x 2 OBJETIVO 2 - BANCO DE ESTUDOS E PROJETOS 2.1 Meta 1 - Elaboração de projetos para a ampliação da cobertura Ação 1 - Concepção geral dos sistemas de drenagem urbana x x x x Ação 2 - Projetos para ampliação e aumento de cobertura de microdrenagem x x x x Ação 3 - Projeto para implantação de microdrenagem com ampliação da cobertura x x x x x x x x Ação 5 - Estudo de soluções mitigadoras e compensatórias de drenagem urbana fontes externas à operadora ou ao x x x x Ação 6 - Estabelecer normas para projeto, execução e operação de unidades município x x x x domiciliares ou não coletivas 2.2 Meta 2 - Elaboração de projetos para melhorias operacionais Ação 1 - Verificação hidráulica e hidrológica de travessias x x x x Ação 2 - Verificação hidráulica e hidrológica da microdrenagem x x x x 2.3 Meta 3 - Diretrizes para o sistema de drenagem pluvial urbana Ação 1 - Elaborar plano diretor de drenagem urbana x x x x x x Ação 4 - Implantar estrutura especializada em manutenção e vistoria permanente no x x sistema de microdrenagem e macrodrenagem Ação 4 - Definir normas para a ampliação da drenagem urbana efetuada por Ação 2 - Elaboração de estudo para a cobrança relativa à prestação do serviço público Ação 3 - Elaborar plano de manutenção corretiva e preventiva de manejo das águas Contar com projetos básicos e Contar com projetos básicos e fontes externas à operadora ou ao loteamentos de manejo de águas pluviais urbanas pluviais urbanas executivos para pedir recursos de executivos para pedir recursos de município

122 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 122 Cronograma de implantação e início de operação OBJETIVOS, METAS E AÇÕES JUSTIFICATIVA Curto Médio Longo Imediato Prazo Prazo Prazo Ação 5 - Definir critérios técnicos para o projeto, fiscalização, execução e operação de x x estruturas hidráulicas de drenagem Ação 6 - Realizar estudo para modelagem hidrodinâmica dos complexos hídricos x x Ação 7 - Elaborar plano para a limpeza e desobstrução periódicas x x 2.4 Meta 4 - Normas e padronização de unidades de drenagem pluvial urbana Ação 1 - Sarjeta e sarjetão x Ação 2 - Poços de visitas x Ação 3 - Bocas de lobo x Ação 4 Galerias x 3 OBJETIVO 3 - CONTROLE AMBIENTAL E DE RISCOS 3.1 Meta 1 - Diretrizes para áreas de risco Ação 1 - Elaborar diagnóstico e projeto de adequação para implantação das diretrizes x x 3.2 Meta 2 - Proteção e revitalização dos corpos de água Ação 1 - Recuperação dos pontos mais degradados da mata ciliar. x x Ação 2 - Elaboração de plano para realização de limpeza e desassoreamento nos rios x x utilizados pelo sistema de drenagem Ação 3 - Reflorestar margens dos rios, quando necessário, em articulação com os x x órgãos ambientais competentes Ação 4 - Propor medidas para recuperação ambiental para proteção das áreas de Dotar o município de equipamentos x x mananciais. para atendimento emergencial, Ação 5 - Elaborar projeto e implantar sistema de retenção e aproveitamento de águas promover meios legais para a atenção x x pluviais, para fins potáveis e não potáveis. aos serviços emergenciais e definição 3.3 Meta 3 - Prevenção e controle de inundações de regras para o atendimento Ação 1 - Elaborar projetos, visando à minimização de inundações nas áreas delimitadas emergencial x x de alto risco de inundação Ação 2 - Implantar sistema de alerta contra enchentes, de forma articulada com a x x Defesa Civil Ação 3 - Elaborar sistema de monitoramento e controle da vazão de escoamento na x x rede de drenagem Ação 4 - Mapear áreas de risco de escorregamento e elaboração de projetos para x x erradicação de riscos Ação 5 - Implementar projetos para erradicação de riscos de escorregamento x x Fonte: Vallenge, 2013

123 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ ARRANJOS INSTITUCIONAIS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS A partir da Lei nº , de 05 de janeiro de 2007, foram estabelecidos novos princípios e diretrizes orientadores para as ações relativas aos serviços de saneamento básico, os quais foram apresentados nos itens anteriores. Para tanto, foram criados diplomas visando pôr em prática a Política Nacional de Saneamento Básico e os Planos Municipais e Regionais de Saneamento Básico. O primeiro diploma, a Política Nacional de Saneamento Básico, tem como objetivo orientar a gestão dos serviços de saneamento, de forma a assegurar à sociedade, condições salubres e adequadas de saúde pública, bem como um ambiente sem impactos devido à falta de saneamento. O segundo diploma se refere ao PMSB, no qual são definidos os objetivos, as metas e ações, resultando em prioridades de investimentos, de forma a orientar a atuação dos prestadores de serviços e do município. Compete ao titular dos serviços de saneamento a responsabilidade pela elaboração do PMSB, bem como definir a estrutura interna de como gerir os serviços. Ao Poder Público Municipal, detentor da titularidade por previsão disposta no artigo 241 da Constituição Federal de 1988 e da Lei nº de 06 de abril de 2005, Lei de Consórcio Público, também se faculta a concessão dos serviços a outro ente jurídico, seja público ou privado. O município, como titular, tem o direito e o dever de decidir como será a prestação do serviço. Caso seja decisão do titular delegar a prestação dos serviços para um consórcio público, para uma empresa estatal, pública ou de economia mista, ou, ainda, para uma empresa privada, a Lei nº /2007 exige que haja um contrato em que estejam previstos os direitos e deveres da empresa contratada, dos usuários e do titular. Em particular, para as companhias estaduais existentes, basta fazer um contrato programa, porém, baseado em um PMSB elaborado de forma independente e de responsabilidade do município. Ao invés de acordos, convênios ou termos de cooperação, diplomas frágeis, passíveis de serem desfeitos a qualquer momento, a lei exige a celebração de contratos. Estes contratos criam direitos firmes e estáveis, cuja duração não fique dependendo da vontade política do governante em exercício. Garante-se, assim, o respeito aos direitos dos usuários e a melhoria do atendimento, bem como se possibilita segurança jurídica para os investimentos, mesmo privados, necessários à universalização dos serviços (MCIDADES, 2009). Conforme a legislação atual há três formas de prestação dos serviços de Saneamento Básico:

124 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 124 1) prestação direta: o município presta diretamente os serviços por órgão da administração central ou por entidade da administração descentralizada; 2) prestação indireta mediante concessão ou permissão: delega a prestação a terceiros, por meio de licitação pública e contratos de concessão, empresa privada ou estatal; e, 3) gestão associada: presta os serviços por meio da gestão associada com outros municípios, com ou sem participação do estado, via convênio de cooperação, consórcio público ou contrato de programa, no caso de uma companhia estadual, originária do antigo PLANASA. Ao lado do planejamento, a Lei nº /2007 reafirma o princípio de que os serviços públicos de saneamento básico são regulados e fiscalizados pelo Poder Público Entre outros pontos, a Lei estabelece que os contratos que tenham por objeto a prestação de serviços públicos de saneamento básico, mediante delegação, sejam em regime de gestão associada, consórcio público ou convênio de cooperação, ou de concessão, somente serão válidos se forem definidas, no âmbito da política municipal de saneamento básico, normas de regulação e fiscalização que prevejam os meios para o cumprimento de suas diretrizes, incluindo a designação do ente responsável pela regulação e de fiscalização (MCIDADES, 2009). A regulação e a fiscalização têm o objetivo de proteger a livre concorrência entre os operadores e os direitos do consumidor em geral, de forma que o usuário se enxergue no ente regulador. Além disto, o regulador garante o cumprimento do plano de saneamento, o equilíbrio econômico-financeiro do operador e a qualidade dos serviços de saneamento básico no município. Dessa forma, para atender as diretrizes da Lei nº /2007, o município objeto do PMSB precisa definir um ente regulador e fiscalizador dos serviços de saneamento. A lei estabelece particularmente que o ente regulador definido pelo titular, especialmente para os serviços delegados, deva possuir independência decisória. Isso o inclui autonomia administrativa, orçamentária e financeira, além de transparência, tecnicidade, celeridade e objetividade das decisões, competindo-lhe editar normas relativas às dimensões técnica, econômica e social da prestação dos serviços. Esses ditames se aplicam também para os casos em que as funções de regulação e fiscalização sejam delegadas pelo titular para uma entidade reguladora. Atualmente, se observa que agências estaduais, e mesmo com base territorial em bacia hidrográfica constituem uma alternativa para o município, tendo em vista que poucos desses dispõem de recursos técnicos e econômicos para mantê-las. No Estado do Rio de Janeiro, os municípios podem escolher por meio de assinatura de convênio, a Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico (AGENERSA), que foi

125 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 125 criada pela Lei Estadual nº 4.556, de 06 de junho de 2005 e regulamentada pelo Decreto Estadual nº , de 08 de dezembro de A AGENERSA foi instituída para atuar nos seguintes segmentos: Energia, incluída a distribuição de gás canalizado e outras formas de energia; Serviços de abastecimento de água, de esgoto sanitário e industrial; coleta e disposição de resíduos sólidos, prestados por empresas outorgadas, concessionárias e permissionárias, ou por serviços autônomos dos municípios. Entre outras possibilidades de regulação e fiscalização, os Municípios Fluminenses poderiam optar por criar uma agência reguladora municipal, realizar consórcio com outro(s) município(s), para a criação de uma agência intermunicipal, ou mesmo, de base hidrográfica, usando, por exemplo, o recorte da Bacia do Médio Paraíba do Sul. Cabe, portanto, a cada Município Fluminense do Médio Paraíba definir a alternativa institucional que lhe seja mais conveniente. A diretriz, como vista, é o saneamento para todos, decorrendo o objetivo de universalização do acesso aos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem e manejo das águas pluviais, limpeza urbana e manejo dos resíduos sólidos, porém, de forma eficiente em termos de uso de recursos naturais e de emprego de recursos públicos. Para tanto, descreve-se a seguir em mais detalhes as alternativas possíveis. Não cabe ao PMSB definir qual a alternativa, mas apresentar o leque de possibilidades para que o município decida de forma autônoma, inclusive consultando as instâncias de controle social ADMINISTRAÇÃO DIRETA Os serviços são prestados por um órgão da Prefeitura Municipal, sem personalidade jurídica e sem qualquer tipo de contrato, já que, nessa modalidade, as figuras de titular e de prestador dos serviços se confundem em um único ente, o próprio município. A Lei nº /2007 em seu artigo 10, dispensa, expressamente, a celebração de contrato para a prestação de serviços por entidade que integre a administração do titular. Os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário são prestados, em vários locais, por Órgãos da Administração Direta Municipal. A retribuição ao município, pelos serviços prestados, é efetuada por meio da cobrança de taxa ou tarifa. Em geral, esses serviços restringem-se ao abastecimento de água, à coleta e ao afastamento dos esgotos. Os serviços relativos à drenagem e ao manejo das águas pluviais urbanas são, em geral, prestados de forma direta por Secretarias Municipais, mas não individualizando a cobrança por usuário.

126 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 126 Esse tipo de operador é observado país afora, principalmente, para municípios menores, onde, às vezes, se misturam vários serviços públicos no mesmo Ente Público, como uma Secretaria de Obras e Serviços. Há carência técnica e administrativa, e o serviço se mantém com dificuldades por meio de uma taxa única, independentemente do tipo ou do consumo do usuário; situação corriqueira. Constitui uma prestação de serviço injusta socialmente, além do que, normalmente, a receita auferida mal cobre os custos. Há dificuldades em comprar materiais, obras e serviços, uma vez que a licitação tende a seguir os mesmos procedimentos morosos de outras necessidades municipais. Por esses motivos, a prestação direta tende a ser uma opção cada vez menos frequente para os municípios. Na medida em que precisam dar conta de desafios cada vez maiores, inclusive, quanto à manutenção do padrão de potabilidade da água, conforme a Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011 do Ministério da Saúde; e, com o aumento da população, esse modelo tende a ser abandonado ADMINISTRAÇÃO INDIRETA Corresponde à situação na qual o serviço é prestado não pela administração direta, pois a complexidade crescente de prestá-lo levou à necessidade de maior agilidade, e ter como receita tarifas em geral proporcionais ao uso do mesmo Entidades paraestatais São órgãos integrantes da Administração Indireta do Estado, as Autarquias e as Fundações Públicas de Direito Público. Na prática, as autarquias não se distinguem das fundações de direito público, sendo as diferenças entre elas muito tênues. As autarquias constituem a modalidade de descentralização administrativa mais próxima do Poder Público, prestando um serviço retirado da administração centralizada. A autarquia como um prolongamento do Poder Público executa serviços próprios do Estado, com seus privilégios e suas responsabilidades. O que diferencia a autarquia dos Órgãos da Administração Direta são seus métodos operacionais, especializados e mais flexíveis. As autarquias formam patrimônio próprio e auferem receitas operacionais, podendo levantar empréstimos, oferecendo seu patrimônio como garantia. Um dos atributos das autarquias é a sua característica de titularidade dos serviços, isto é, a autarquia pode conceder um determinado serviço para empresas públicas ou privadas. A autarquia é uma entidade da Administração Pública Municipal, criada por lei específica para prestar serviços de competência da administração direta, recebendo, portanto, a respectiva delegação. Embora instituída para uma finalidade específica, suas

127 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 127 atividades e a respectiva retribuição pelos serviços prestados não se encontram vinculadas a um contrato de concessão, no qual se busca por meio de equação econômico-financeira, o equilíbrio entre receita e despesa. É uma forma de prestação de serviço muito encontrada no país; porém, para municípios com uma população e um número de usuários maior, o que lhe dá viabilidade econômica. A prestação de serviço é em geral, individualizada, proporcional ao uso efetuado pelos domicílios ou outros tipos de usuários como comércio e indústria. A Lei Federal nº /2007 que estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico e sua política federal, prevê no artigo 16, inciso I, a autarquia como prestadora dos serviços de saneamento básico. No entanto, é necessário que haja o planejamento de suas ações, conforme prevê a mesma lei ao propor o PMSB Prestação por Empresas Públicas ou Sociedades de Economia Mista Municipais Outra forma indireta de prestação de serviços pelo município é a delegação a empresas públicas ou sociedades de economia mista, criadas por lei municipal ou mesmo estadual. A empresa pública é uma entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado, com patrimônio próprio, capital majoritário do Poder Público, seja União, Estado ou Município, logo, responde por sua administração. As companhias estaduais de saneamento constituem um exemplo dessa forma de prestação de serviço e podem assumir a operação de abastecimento de água e esgotamento sanitário, por meio de um contrato de programa firmado com o município. Dando suporte a este contrato, a Lei nº /2007 exige o PMSB, no qual as metas e os respectivos investimentos estejam suficientemente detalhados. Atualmente alguns municípios têm transformado autarquias em companhias municipais, mas o Poder Público continua sendo majoritário em termos de capital. A possibilidade de fazer Parceiras Público Privadas (PPP), tem sido um dos motivos pela opção, ao facilitar o procedimento licitatório. Usualmente a receita é auferida por meio de uma tarifa estruturada em várias faixas, conforme o consumo do usuário, devendo garantir recursos suficientes para a operação, manutenção, reposição de equipamentos, e mesmo investimentos; ainda que não seja na totalidade do necessário CONSÓRCIOS MUNICIPAIS A prestação de serviços públicos de saneamento básico por meio de consórcios públicos é prevista em vários dispositivos da Lei nº /2007, de 5 de janeiro de 2007, a

128 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 128 qual estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico. Entre esses dispositivos vale ressaltar: O inciso II do art. 3º, que considera o consórcio público como forma de gestão associada de serviços de saneamento básico; O art. 13, que permite a formação de fundos para universalização de serviços públicos de saneamento básico, por entes da federação, isolados ou reunidos em consórcios públicos; O inciso II do art. 15 e o inciso I do art. 16, que incluem o consórcio público entre as formas de organização da prestação regionalizada de serviços públicos de saneamento básico. A prestação de serviços públicos de saneamento básico por meio de consórcios formados por mais de um ente da federação, grupo de municípios, municípios e estado e vice-versa, entre outros, estão plenamente amparadas pela Lei nº /2007. A constituição dos consórcios públicos está, por sua vez, regulada pela Lei nº /2005, a qual dispõe sobre normas gerais de contratação de consórcios públicos. A formação de um consórcio público, de acordo com o art. 241 da Constituição, e com base na Lei nº /2005, é disciplinada por meio de lei em cada ente consorciado, formando uma entidade com personalidade jurídica própria. Os entes consorciados assumem responsabilidades perante os objetivos do consórcio, delegando a este, competências para prestar diretamente os serviços discriminados, mediante contratos programa, realizar licitações, concessões, atividades de regulação e fiscalização e outros atos necessários ao atendimento de seus objetivos. O sistema de consórcio público de municípios já está presente em outros setores, principalmente, no setor da saúde. No saneamento, o consórcio abrangeria a prestação integral de um serviço, todas as etapas; ou restringir-se-ia a etapas ou unidades específicas. Pode, por exemplo, restringir-se à construção e operação de uma ETE ou a um aterro sanitário, para atender a um grupo de municípios vizinhos. É constituído, ainda, entre um estado e um grupo de municípios, com a finalidade de delegar, por exemplo, serviços de água e esgotos a uma empresa estadual de saneamento; modalidade que se enquadra no conceito de prestação regionalizada de serviços, prevista na Lei nº /2007. O sistema de consórcios entre estado e municípios para a prestação de serviços de saneamento básico, principalmente, de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, tem sido uma das saídas para regularizar a situação dos serviços prestados por empresas estaduais que estão com delegações, concessões, vencidas; firmadas mediante instrumentos precários, convênios, ou, até mesmo, sem contrato algum. No entanto, cabe a elaboração do PMSB para subsidiá-lo.

129 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 129 Além de prestar diretamente os serviços, os consórcios exerceriam outras atividades correlacionadas com o saneamento básico, como as funções de regulação e fiscalização. Os consórcios instituem agências reguladoras e fiscalizadoras para servir a vários municípios e, até mesmo, um estado inteiro. A atuação de um consórcio desse tipo abrange tanto um serviço completo, como por exemplo, todo o sistema de coleta, tratamento e disposição final de esgotos, como partes ou etapas específicas desse sistema, como uma estação de tratamento, ou um emissário de esgotos, por exemplo. Usualmente, a receita é auferida por meio de uma tarifa estruturada em várias faixas, conforme o consumo do usuário, devendo garantir recursos suficientes para a operação, manutenção, reposição de equipamentos e, ainda, investimentos; mesmo que não seja na totalidade do necessário PARTICIPAÇÃO PRIVADA A participação privada no setor de saneamento básico no Brasil vem se desenvolvendo, visando dar mais agilidade aos investimentos, pois os recursos públicos não têm sido suficientes. Portanto, a iniciativa privada surge como um repasse das obrigações públicas quanto à operação de sistemas. A Lei Federal nº de 13 de fevereiro de 1995, também conhecida como a "Lei dos serviços públicos", é um marco e dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos previstos no art. 175 da Constituição Federal. Em contratos de participação privada existem inúmeras possibilidades de arranjos contratuais. As modalidades são tratadas a seguir Contratos de concessão plena Os contratos de concessão plena transferem para o contratado toda a operação e manutenção do sistema e a responsabilidade de realizar os investimentos necessários por determinado período, durante o qual a concessionária será remunerada por meio de cobrança de tarifa dos usuários. O Poder Público define regras sobre a qualidade dos serviços e a composição das tarifas. Normalmente, a concessão tem por objeto a operação de um sistema já existente, sendo necessários investimentos significativos para a sua expansão ou reforma. O risco comercial passa para o concessionário. A gestão integrada dos sistemas de saneamento básico, existentes e a implantar, constitui o objeto da licitação da concessão, tendo sido mais comumente outorgada pelo critério de menor tarifa ou de maior valor de outorga paga pelo licitante. As concessões plenas têm sido a opção mais frequentemente adotada pelos municípios no Brasil, isoladamente ou em conjunto. Observa-se que, dada à precariedade geral que tem

130 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 130 caracterizado os procedimentos prévios à publicação dos editais de licitação para a outorga de concessões, a execução efetiva dos planos de negócios propostos pelas concessionárias, à luz das informações que lhe foram disponibilizadas, está frequentemente sujeita as alterações imprevisíveis que onerariam a prestação de serviços, levando a um eventual aumento de serviço. As concessões são empregadas diante da necessidade de realização de investimentos de caráter emergencial, não previstos, comumente decorrentes da deterioração dos sistemas por falta de realização de investimentos em manutenção e reposição; caracteriza-se o desequilíbrio econômico-financeiro da concessão, postergandose o cumprimento do programa original de investimentos e das metas estipuladas no contrato de concessão. Adicionalmente, o estabelecimento, por parte do poder concedente, das metas de cobertura e de qualidade nas prestações dos serviços, muitas vezes, ocorre sem a adequada análise de seus impactos no nível tarifário, necessário para a remuneração dos investimentos demandados. Em geral, esses contratos têm duração de quinze a trinta anos. As companhias estaduais de saneamento originadas há trinta anos gozam legalmente de condição diferenciada para exercer a concessão plena. Basta, por meio de um contratoprograma, estabelecer metas para a prestação de serviços de água e esgoto para que finalizem o contrato com o município e a opere, sem necessidade de licitação. Qualquer que seja o caso, a existência do PMSB legalmente aprovado é condição necessária para que seja feita a concessão por licitação ou mesmo contrato programa com a companhia estadual, no caso do Estado do Rio de Janeiro, a CEDAE. O pagamento dos serviços prestados pela concessionária se faz por tarifas, em geral categorizadas conforme seja o usuário, domiciliar, comercial e industrial, e também, por faixas de consumo. Qualquer reajuste tarifário se faz por meio de análise entregue à Agência Reguladora e Fiscalizadora. Como se trata de um processo ainda novo, já existem agências reguladoras que contrataram serviços de empresas consultoras para desenvolver modelos matemáticos de tarifas no qual são considerados os custos de amortização de capital investido, da operação e manutenção, e também, de investimentos necessários Contratos de Parceria Público-Privada (PPP) A Parceria Público-Privada (PPP) propõe a delegação ao setor privado de atividades até então prestadas diretamente pelo Estado. Enquadra-se no âmbito das PPPs aquelas concessões em que haja aporte de recursos pela administração pública, seja em adição à

131 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 131 tarifa paga pelo usuário, concessão patrocinada, seja em razão do fato de serem os serviços prestados, direta ou indiretamente, ao poder público, concessão administrativa. A PPP pressupõe o pagamento de remuneração ou sua complementação, por parte da Administração Pública, ao ente privado, em até 35 anos. Dessa forma, a PPP é vantajosa em relação ao regime tradicional de licitação de obra que exige um desembolso de caixa quase imediato, e sobre o contrato usual de prestação de serviços à administração pública, cujo prazo é limitado a cinco anos. Com a criação da Lei Federal nº , de 30 de novembro de 2004, instituíram-se normas gerais para a licitação e a contratação de parceria público-privada no âmbito da Administração Pública. Define-se que a parceria público-privada é o contrato administrativo de concessão na modalidade patrocinada ou administrativa. Nos parágrafos do mesmo artigo 2º, estão descritos os conceitos dessas duas novas modalidades de contratação: 1º- Concessão patrocinada é a concessão de serviços públicos ou de obras públicas de que trata a Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, quando envolver, adicionalmente à tarifa cobrada dos usuários, contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado. 2º - Concessão administrativa é o contrato de prestação de serviços de que a administração pública seja a usuária direta ou indireta, ainda que envolva execução de obra ou fornecimento e instalação de bens. Assim, as concessões patrocinadas são concessões de serviços públicos em que o governo presta algum tipo de contraprestação, adicionalmente à tarifa cobrada. A PPP difere basicamente da concessão comum, Lei Federal nº 8.987/1995, nas garantias de pagamento por parte do Poder Público à iniciativa privada, não obstante haver, na antiga lei, dispositivos que viabilizam as garantias de adicionais de pagamento. Embora seja juridicamente possível a contratação, certos contratos específicos à administração não são firmados por falta de um claro equilíbrio econômico do contrato de concessão, acarretando o desinteresse da iniciativa privada. Visando estabelecer o equilíbrio contratual, o legislador criou as PPPs, dispondo de garantias específicas e denominando de contratos de concessão patrocinada, em que há a contraprestação do Estado. Nas concessões administrativas, o governo arca integralmente com o pagamento do serviço. Segundo Sundfeld (2005), era necessário permitir a aplicação da lógica econômicocontratual da concessão tradicional a outros objetos que não a exploração de serviços públicos econômicos, como são os serviços de água e esgoto, a distribuição de energia, a telefonia fixa e outras. Assim, as PPPs são aplicadas em serviços administrativos em geral, isto é, serviços de infraestrutura penitenciária, policial, educacional, sanitária, judiciária, entre outros; ou mesmo, àqueles decorrentes da separação de etapas ou partes dos próprios serviços

132 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 132 públicos econômicos, como por exemplo, a implantação e gestão de uma ETE para uma empresa estatal de saneamento básico. Para esse propósito, a Lei das PPPs criou a concessão administrativa, que copia da concessão tradicional a lógica econômicocontratual, obrigação de investimento inicial, estabilidade do contrato, vigência por longo prazo, remuneração vinculada a resultados, flexibilidade na escolha de meios para atingir os fins previstos no contrato, entre outros; e aproveita da concessão patrocinada as regras destinadas à viabilização das garantias. Os pontos comuns à concessão patrocinada e à administrativa, abarcados pela Lei nº /2004, são os seguintes: Vedados os contratos de PPP: Valor inferior a R$ 20 milhões (art. 2º, 4º, I); Prazo inferior a 5 (cinco) anos (art. 2º, 4º, II); Tenham como objeto único o fornecimento de mão-de-obra, o fornecimento e a instalação de equipamentos ou a execução de obra pública (art. 2º, 4º, III) O contrato preveria o pagamento ao parceiro privado de remuneração variável vinculado ao seu desempenho, conforme metas e padrões de qualidade e disponibilidade definidos no contrato (art. 6º, Parágrafo único); A contraprestação da administração pública será obrigatoriamente precedida da disponibilização do serviço objeto do contrato de parceria público-privada (art. 7 ); O prazo máximo do contrato, contabilizadas as prorrogações, será de 35 anos (art. 5º, I); A empresa vencedora da licitação se constituirá em Sociedade de Propósito Específico (SPE) antes da celebração do contrato (art. 9 ). Continuam regidos exclusivamente pela Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e pelas leis que lhe são correlatas, os contratos administrativos que não caracterizem concessão comum, patrocinada ou administrativa (art. 3º, 3º). Portanto, é necessário o conhecimento dos elementos caracterizadores da concessão comum, patrocinada ou administrativa. De fundamental importância para a atração de investimento privados são as garantias de que os compromissos assumidos pela Administração Pública serão honrados. Em uma concessão tradicional, o risco de crédito do investidor é pulverizado por uma massa de usuários, ao passo que na PPP o risco de crédito é concentrado no Poder Público. Assim, o sucesso das PPPs passa pela segurança de que o parceiro público efetuará os pagamentos devidos ao parceiro privado durante todo o prazo do contrato que se estenderia pelos mandatos de vários governantes. Para tanto, a Lei das PPPs inovou, ao

133 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 133 prever a criação do Fundo Garantidor das Parcerias Público-Privadas FGP, no âmbito do programa federal. O Quadro 43 apresenta os aspectos caracterizadores da concessão, tanto patrocinada, como administrativa ou comum, trazidos pela Lei nº /2004.

134 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 134 Quadro 43 Aspectos dos contratos de PPP Contratos de PPP Concessão comum Concessão patrocinada É a concessão de serviços públicos ou de obras públicas da Lei nº 8.987/1995, quando envolver: - cobrança de tarifa; - contraprestação pecuniária do parceiro público ao privado (art. 2º, 1º). Concessão administrativa É o contrato de prestação de serviços de que a Administração Pública seja usuária direta ou indireta, ainda que envolva execução de obra ou o fornecimento instalação de bens (art. 2 2º). A concessão administrativa não é um simples contrato de prestação de serviços, pois sempre incluirá a realização de investimentos, a ser amortizada no prazo do contrato (mínimo 5 anos, art. 2º, 4º, II, 5º, I), no montante de no mínimo R$ 20 milhões (art. 2º, 4º, I). A remuneração vinculada à prestação dos serviços (por exemplo, qualidade) impede que a concessão administrativa se transforme em simples contrato de obras com financiamento das empreiteiras (art. 7º). É a concessão de serviços públicos ou de obras públicas da Lei nº 8.987/1995, quando não houver contraprestação pecuniária do parceiro público ao privado (art. 2º, 3º). Rege-se pela Lei. nº /2004, aplicando-se subsidiariamente a Lei nº 8.987/1995 e as leis que lhe são correlatas (art. 3º, 1º). Rege-se pela Lei nº /2004, aplicando-se adicionalmente os artigos 21, 23, 25 e 27 a 39 da Lei nº 8.987/1995 e o art. 31 da Lei nº 9.074/1995. Considerando que não foi incluído o art. 26 da Lei nº 8.987/1995, conclui-se que nos contratos de concessão administrativa não há possibilidade de sub-concessão, matéria tratada no citado art. 26 da Lei nº 8.987/1995. Os artigos 21, 23, 25 e 27 a 39 da Lei nº 8.987/1995 tratam basicamente do contrato de concessão, dos encargos do poder concedente, dos encargos da concessionária, da intervenção e da extinção da concessão. Na concessão administrativa, não há cobrança de tarifas. Isso se conclui pela não menção à aplicação do capítulo referente às tarifas constantes da Lei nº 8.987/1995 (arts. 9 a 13 da Lei nº 8.987/1995). Rege-se pela Lei nº 8.987/1995 e pelas leis que lhe são correlatas, não se lhe aplicando a Lei nº /2004 (art. 3º 2º), Nas concessões patrocinadas, devem ser observados os seguintes pontos: 1) O limite de garantia a ser prestado contratualmente pelo parceiro privado é remetido ao disposto nos 3º e 5º do art. 56 da Lei nº 8.666/1993, isto é, o limite da garantia pode ser elevado até a 10% (dez por cento) do valor do contrato ou, no caso em que o contrato importe entrega de bens pelo parceiro público, dos quais o contratado ficará depositário, o valor dos bens deve ser acrescido ao valor da garantia (parte inicial do Art. 5º, VIII); 2) O limite de garantia a ser prestado contratualmente pelo parceiro privado é remetido ao disposto no art. 18, XV, da Lei nº 8.987/1995, isto é, o limite da garantia é o valor da obra (parte final do art. 5º, VIII) Fonte: FGV, 2012 Nas concessões administrativas, o limite de garantia a ser prestado contratualmente pelo parceiro privado é remetido ao disposto nos 3º e 5º do art. 56 da Lei nº 8.666/1993, isto é, o limite da garantia pode ser elevado até a 10% (dez por cento) do valor do contrato ou, no caso em que o contrato importe entrega de bens pelo parceiro público, dos quais o contratado ficará depositário, o valor dos bens deve ser acrescido ao valor da garantia (parte inicial do Art. 5º, VIII)

135 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 135 De fundamental importância para a atração de investimentos privados são as garantias de que os compromissos assumidos pela Administração Pública serão honrados. Em uma concessão tradicional, o risco de crédito do investidor é pulverizado por uma massa de usuários, ao passo que na PPP o risco de crédito é concentrado no poder público. Assim, o sucesso das PPPs passa pela segurança de que o parceiro público efetuará os pagamentos devidos ao parceiro privado durante todo o prazo do contrato que se estenderia pelos mandatos de vários governantes. Para tanto, a Lei das PPPs inovou, ao prever a criação do Fundo Garantidor das Parcerias Público-Privadas no âmbito do programa federal Contratos de Terceirização/Contratos de Serviço Bastante usados em atividades complementares, correspondem à forma mais simples, exigindo menor envolvimento do parceiro privado. Não impõe elevado investimento inicial e, portanto, representam baixo risco para o operador privado. São chamados também de contratos de terceirização para a realização de serviços periféricos, por exemplo, leitura de hidrômetros, reparos de emergência, cobrança, entre outros. O Poder Público mantém a totalidade da responsabilidade pela operação e manutenção do sistema, com exceção dos serviços contratados Contratos de Gestão Nos contratos da administração gerenciada, estão previstos incentivos para a melhoria do desempenho e da produtividade da empresa contratada. Em geral, destinam-se à operação e à manutenção de sistemas, recebendo o operador privado contratado, remuneração prefixada e condicionada a seu desempenho, medido em função de parâmetros físicos e indicadores definidos, não havendo cobrança direta de tarifa aos usuários pela prestação de serviços Contratos de Operação e Manutenção (O&M) Nesse modelo, o poder concedente transfere ao parceiro privado a gestão de uma infraestrutura pública já existente, para a provisão de serviços aos usuários. Esta categoria contempla o compartilhamento dos investimentos entre o setor público contratante e o agente privado contratado, podendo prever metas de desempenho que produzam incentivos à eficiência.

136 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 136 Com duração de até cinco anos, os Contratos de Operação e Manutenção (O&M) são arranjos em que o setor público transfere a uma empresa privada a responsabilidade total pela operação de parte ou de todo um sistema. O setor público mantém a responsabilidade financeira pelo sistema e deve prover os fundos necessários para os investimentos de capital demandados pelo serviço Contratos de Locação de Ativos (Affermage ou Lease Build Operate LBO) O contrato de locação de ativos firmado entre o poder público e um particular, tem como fundamento o artigo 62 3, I, da Lei Federal nº 8.666/1993. Por esse contrato, o governo mantém os ativos do sistema como propriedade pública e as empresas realizam a exploração do serviço, responsabilizando-as pelos investimentos em manutenção e renovação das instalações. A remuneração da empresa corresponde ao custo de exploração do serviço. As instalações financiadas pelo governo continuam sendo de sua propriedade e serão devolvidas ao Poder Público em condições estabelecidas no contrato. No LBO, o setor público aluga o serviço para o operador privado que é remunerado pela cobrança de tarifas aos usuários. O parceiro privado assume diversos riscos da operação, inclusive a mão de obra, mas, ao conjugar a transferência da manutenção e operação dos serviços para o contratado e a remuneração por meio de tarifas cobradas dos usuários, gera fortes incentivos junto à empresa para a redução dos custos de operação e o aperfeiçoamento do sistema de cobrança. O modelo de locação de ativos tem sido utilizado como meio de financiar a realização de obras necessárias à prestação dos serviços públicos de saneamento básico. É o que se verifica em alguns Municípios do Estado de São Paulo como: Campos do Jordão, Campo Limpo e Várzea Paulista, onde a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP) promoveu licitação para a locação de ativos, precedida da concessão do direito real de uso das áreas e da execução das obras de implantação das instalações necessárias à prestação dos serviços. Concluídas as obras, os ativos, instalações construídas, serão locados ao Poder Público durante um prazo determinado e, ao final, após a amortização/depreciação dos investimentos realizados pela Sociedade de Propósito Especifico (SPE), os ativos serão revertidos ao Poder Público, assemelhando-se a um contrato de leasing. Nesse modelo, é responsabilidade da SPE a obtenção dos recursos financeiros necessários à execução das obras, podendo utilizar os recebíveis como garantia nas operações de financiamento.

137 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Contratos de Concessão Parcial Tipo: Build-Operate-Transfer (BOT); Build, Transfer and Operate (BTO); Build, Own and Operate (BOO) Essa forma de participação privada, já adotada por vários municípios no Brasil, foi a modalidade predominante nas primeiras concessões à iniciativa privada após a promulgação da Lei de Concessões. Em geral, seu objetivo é a ampliação da produção de água tratada ou a implantação de sistemas de tratamento de esgotos. Constitui opção frequente em situações em que o Poder Público não dispõe de recursos financeiros. Além disso, as condições locais ou a orientação politico-ideológica não favorecem uma concessão privada plena ou em que a implantação de sistemas de produção de água e de tratamento de esgoto se afigure urgente. Em geral, os sistemas de distribuição de água e de coleta de esgotos continuam sendo operados pelos serviços municipais, os quais mantêm sob sua responsabilidade a cobrança das tarifas de água e esgotos, estabelecendo mecanismos de transferência de parte dessas receitas tarifárias ao concessionário do BOT. Os contratos de BOT, BTO e BOO estão normalmente associados a investimentos em nova infraestrutura. No BOT, o parceiro privado constrói e opera por determinado período, ao final do qual os ativos são transferidos ao setor público. Em uma das variações possíveis, o BTO corresponde a um contrato onde o parceiro privado constrói a nova estrutura que é incorporada ao patrimônio do setor público e alugada ao próprio parceiro privado. Em outra variação, no BOO, o parceiro privado retém a propriedade sobre o bem construído e este só será transferido ao setor público se e quando ele determinar a expropriação. Essas novas relações contratuais têm se intensificado e a legislação brasileira tem se adaptado a essas formas, como exemplo a recente aprovação da Lei Federal nº /2012, ou da Lei do Built to Suit, em português "construído para servir". Esses contratos foram incluídos na Lei de Locações, Lei nº 8.245/1991, deixando de serem atípicos. A expressão Built to Suit, é um termo imobiliário usado para identificar contratos de locação em longo prazo, no qual o imóvel é construído para atender aos interesses do locatário, já pré-determinados. Desse modo, é possível viabilizar projetos que atendam às rígidas normas estabelecidas pelos futuros usuários da construção e os prazos curtos para execução Empresas de Economia Mista Não são necessariamente modalidades de privatização, pois estariam sob controle público, de acordo com a divisão acionária. As companhias estaduais de saneamento,

138 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 138 originadas da época do PLANASA, são, em sua grande maioria, empresas de economia mista. No entanto, no caso da iniciativa privada obter a maior parte do capital da empresa, a gestão de serviço fica sob o seu controle, deixando de ser denominada empresa de economia mista e caracterizando-se como empresa privada Considerações finais O acompanhamento e a fiscalização da execução dos contratos constituem poderdever da Administração Pública, em decorrência do princípio da indispensabilidade do interesse público. Se, em uma contratação, estão envolvidos recursos orçamentários, é dever de a administração contratante atuar, de forma efetiva, para que os mesmos sejam aplicados da melhor maneira possível, com eficiência. Quando a Administração Pública celebra um contrato, fica obrigada à observância das regras impostas pela lei, para fiscalizar e controlar a execução do ajuste. Cabe ao gestor de contrato fiscalizar e acompanhar a sua correta execução. A necessidade de haver um gestor de contratos é definida expressamente na Lei nº 8.666/1993, em seu art. 67. Segundo este dispositivo, a execução do contrato será acompanhada e fiscalizada por um representante da administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros para assisti-lo e subsidiá-lo de informações pertinentes a essa atribuição. Na drenagem urbana, as obras, quando não realizadas pelos funcionários municipais, são realizadas por empresas contratadas de acordo com a Lei nº 8.666/1993; e, também, necessitam de um gestor tanto para a limpeza pública como para a drenagem urbana. Não há individualização para a cobrança de usuários, logo, a cobrança pelo serviço urbano é igualmente distribuída para todos. No caso do abastecimento de água e esgotamento sanitário, a complexidade da prestação de serviço envolve outros fatores, como o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos e a política tarifária que individualiza a cobrança por usuário que pagaria de acordo com o uso do serviço público e respectiva infraestrutura urbana. O equilíbrio econômico e financeiro da prestação de serviços de saneamento constitui um desafio enorme a vencer, qualquer que seja a forma de prestação de serviço escolhida. Pelo lado do usuário, há fatores que levam à evasão de receitas como o baixo poder aquisitivo e o desconhecimento sobre a prestação de serviço, complexidade e características inclusive legais; pelo lado da prestadora, observa-se a falta de recursos para manter os serviços e quase ausência total de meios para arcar com novos investimentos, inibindo o avanço do setor.

139 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 139 Esse ciclo vem sendo atenuado pela elaboração do PMSB e quiçá vencido na medida em que, por meio de atividades de participação social, os usuários vêm tomando conhecimento da complexidade da prestação dos serviços e que há um preço a pagar. Ainda há um desconhecimento sobre as características que a água potável precisa ter, regulamentada inclusive por portaria do Ministério da Saúde que é diferente daquela que antes se pegava de nascentes ou rios. Há um preço a pagar para ter água potável em quantidade, qualidade e regularidade dentro do domicílio. Ao mesmo tempo, as prestadoras de serviço precisam avançar no sentido de fazê-lo de forma mais eficiente, reduzindo as perdas d água, hoje um problema muito sério do setor no país. 7.5 VERIFICAÇÕES E PROPOSIÇÕES PARA O MUNICÍPIO DE PATY DO ALFERES São tratadas duas situações, abastecimento de água é operado pela concessionária pública estadual, CEDAE, e o esgotamento sanitário e drenagem urbana são prestados pela própria estrutura de administração pública do município. A elaboração do PMSB para o município mostrou que a população vem desfrutando de um serviço ainda com déficits, pois dados de 2012 indicam que a cobertura quanto ao abastecimento de água é de 68% e o índice de perdas é de 51,6%. Para o esgotamento sanitário, a cobertura é de cerca de 56% e não existe tratamento. Em relação à operadora, há uma estrutura simples para prestar o serviço de abastecimento de água. Assim como em outros municípios do Médio Paraíba, permanece o desafio de prestar um serviço mais eficiente, o que é comum a outras operadoras. Trata-se, principalmente, da redução de perdas de água, a qual a prestadora deveria investir para conhecer cada vez mais sua rede de distribuição; e, mesmo, implantar anéis de adutoras de água potável. Isso daria condições de buscar um horizonte de alcançar em alguns anos um índice de perdas em torno de 25%. Pelo exposto, os serviços prestados estão aquém das necessidades do município e das suas potencialidades. Atualmente, qualquer serviço de saneamento deve cumprir uma série de determinações definidas em lei e, assim, se exige um corpo técnico amplo, agilidade operacional e de contratação, entre vários outros pontos. O Serviço de Drenagem Urbana é dividido, como em outros municípios, em setores ou mesmo secretarias diferentes. Esse é o componente mais frágil entre os quatro que hoje compõem o saneamento básico. O atual plano em elaboração é o primeiro trabalho que há e que aborda a drenagem como um todo no município. O foco é microdrenagem, atribuição precípua municipal. Atualmente não há regulação e fiscalização dos serviços de saneamento básico no município, conforme colocado no diagnóstico.

140 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 140 As oficinas realizadas, no município, constituíram um embrião das atividades de controle social. De maneira geral, percebe-se que a implantação de instâncias de participação social para exercer o controle, conforme previsto na Lei nº /2007, é uma necessidade para que a população conheça os serviços prestados, seus condicionantes e custos respectivos. Esse ponto cabe ao próprio município. Propõem-se as seguintes modificações, adaptações ou complementações necessárias para dar o suporte legal ao adequado funcionamento do arranjo institucional, orçamentário e operacional: 1. Drenagem urbana: constituir um Departamento Municipal responsável pelo planejamento, gestão das informações, contratação de projetos, operação e manutenção desta infraestrutura. Assim, o município passaria a contar não somente com uma infraestrutura em drenagem urbana, mas também um serviço responsável devidamente capacitado para exercer suas funções. Num primeiro momento, a fonte de receitas permaneceria sendo o orçamento municipal, mas com o tempo, conforme estabelecido na Lei nº /2007, seria possível individualizar a cobrança pelo serviço proporcional ao grau de impermeabilização e à adoção de medidas compensatórias, como unidades de retenção e infiltração de água no próprio lote. Essa é uma prática que se inicia em alguns municípios brasileiros, mas já é estabelecida em países europeus como a Itália. 2. Água: recomenda-se inicialmente que sejam fornecidos o contrato e o plano de metas da companhia estadual, responsável pelo serviço. A partir desse documento, seria possível verificar se a estrutura operacional existente é suficiente. O desafio, contudo, situa-se na busca de sustentabilidade econômica em função da receita auferida, mas não foram fornecidas essas informações. 3. Esgotos: a prestação dos serviços é feita de forma modesta pelo próprio município. Não há necessidade de contrato no caso de prestação direta, mas seria necessário algum diploma legal reconhecendo o serviço como seu. É preciso dotá-lo de estrutura ampliada para dar conta de todos os ditames legais ora postos conforme a legislação em vigor. O desafio, contudo, situa-se na busca de sustentabilidade econômica em função da receita auferida. Há várias possibilidades para que o município conte com um serviço mais ágil e atual como requerem as leis em vigor. Uma autarquia municipal tornaria a gestão do serviço mais avançada, mas permaneceria o desafio de ter um contingente populacional modesto que dificulta a prestação adequada dos serviços, mesmo implantando hidrômetros e tarifas proporcionais ao consumo, o que traria resultados também para o serviço de esgotos. É possível que uma solução conjunta com outros municípios próximos

141 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 141 torne a prestação de serviços mais viável economicamente, o que será tratado em outro produto mais adiante. 4. Regulação e fiscalização: é possível um convênio com a Agência Estadual do Rio de Janeiro, a AGENERSA, que foi criada pela Lei Estadual nº 4.556/05. A mesma possui atribuições para atuar no setor de saneamento básico. Uma alternativa seria a criação de uma Agência Regional, compartilhada por vários municípios, sendo o custo de mantê-la, o maior desafio. Uma Agência Municipal levaria a desafios maiores, ainda, em termos de sustentabilidade econômica e mesmo formação, e manutenção do corpo técnico, por isto se mostra menos adequada para Paty do Alferes.

142 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS A Lei Federal nº /2007 determina que seja elaborado no PMSB, o estudo de sustentabilidade econômico-financeira para cada um dos componentes: abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem e manejo de águas pluviais urbanas, limpeza pública e manejo de resíduos sólidos urbanos. A finalidade é dar suporte à decisão de qual alternativa técnica e institucional, operadora, o município deve escolher a partir de todo o cotejamento de investimentos e de custos. Nos planos de saneamento, o objetivo é calcular qual seria a condição de equilíbrio ou sustentabilidade econômico-financeira de cada componente, utilizando como base a mesma estrutura de geração de custo e receita, para obter o gasto médio por componente. Este valor indicaria qual o aporte necessário de recursos monetários para cobrir os investimentos e os custos de manutenção para cada componente, aqui especificamente abastecimento de água, esgotamento sanitário e drenagem urbana. Os gastos para a prestação de serviços de água, esgotos e drenagem são divididos em duas categorias: investimentos, para universalizar ou continuar a atender a expansão da população, logo aumentando o volume dos serviços e também a receita da prestadora; e manutenção, custos com o objetivo de manter os serviços operando continuamente no mesmo nível. São classificados como investimentos: Ampliação e reforma de unidades, pois visam aumentar a oferta de serviços. Um exemplo ocorre nas ETAs, onde o emprego de novos equipamentos aumenta a capacidade de produção, porém sem alterar as construções existentes como os decantadores. Projetos e implantação de novas unidades, como o tratamento de lodos. Cadastro das unidades do SAA, incluindo a rede de distribuição, pois esse conhecimento melhora a operação e reduz perdas, entre outros, trazendo benefícios futuros. Implantação de setorização, incluindo macromedição de distritos de abastecimento, também trazendo benefícios futuros. Quanto à manutenção, se enquadra: a substituição de redes de distribuição mais antigas, com vistas a reduzir as perdas de água que também significam perdas de receita para a operadora, troca de trechos de adutora de água tratada, manutenção de trechos, entre outros. Para qualquer município, há como referência para o cálculo da sustentabilidade econômico-financeira dos serviços de saneamento, incluindo os casos de concessão e

143 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 143 prestação de serviços por operadores que não são da administração direta, o que diz a Lei nº /2007 em seu art. 29, 1º, inciso VI remuneração adequada do capital investido pelos prestadores dos serviços. Assim, quando o serviço é prestado por terceiros e não diretamente pelo município, mesmo sendo este o poder concedente, a lei prevê remuneração pelo serviço prestado de forma a garantir o equilíbrio econômico-financeiro. A receita auferida pelo prestador ou concessionária de serviços de saneamento origina-se da cobrança diretamente da população através de tarifa módica e bem estruturada, ao menos para o abastecimento de água e esgotamento sanitário. Para a drenagem urbana, a definição de tarifas pela prestação deste tipo de serviço é ainda incipiente no país, embora já seja praxe em outros na Europa. O modelo de Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira (EVEF) aqui utilizado calcula o valor médio gasto por domicílio e por habitante pelo serviço prestado para dar equilíbrio econômico-financeiro ao mesmo, considerando os investimentos e os custos de manutenção. O cálculo foi efetuado por componente de saneamento básico e, para efeito de comparação, também foi apresentada a renda média por domicílio, mostrando o quanto o custo médio pela prestação de serviço impacta a renda média domiciliar. Foram feitos cálculos também para mostrar a porcentagem correspondente da prestação dos serviços perante a receita média municipal no horizonte adotado. Estes valores ajudam a balizar os custos da prestação de serviços dentro do âmbito de um PMSB, mas é um primeiro trabalho de sustentabilidade econômica aos quais outros estudos se seguiriam para aprofundar a questão. Não foram considerados os custos de exploração dos serviços. O objetivo das simulações de sustentabilidade econômica apresentadas é oferecer uma análise inicial de sensibilidade aos tomadores de decisão. Maior detalhamento e aprofundamento de custos de investimentos seriam obtidos nos planos diretores de empreendimentos e obras, e projetos básicos de cada sistema, fases seguintes a este PMSB. Nestes instrumentos posteriores, o gestor público obterá com maior precisão e detalhamento, o dimensionamento e o custo mais detalhado das alternativas propostas neste plano de saneamento, de forma que uma nova simulação da sustentabilidade seria efetuada. Para garantir a remuneração adequada dos serviços, não há ainda uma regra definida, mas se considera que a taxa de desconto atrelada a Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (SELIC) refletiria a expectativa média de remuneração do capital de uma operadora, acrescida da taxa de risco e a liquidez de cada tipo de serviço prestado. Desta forma, foi montado um fluxo descontado de valores monetários, mas adotando uma taxa de 11% ao ano, conforme a taxa SELIC atual.

144 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 144 Há duas situações consideradas na análise de equilíbrio dos sistemas de saneamento básico e seu uso: Municípios autônomos que não decidiram a assinatura de contrato de programa com a CEDAE e buscam meios de expandir os serviços por meio de concessões ou mantêlos na forma em que estão. O EVEF apoia a tomada de decisão para estabelecer a forma de prestação de serviços, inclusive para a delegação de serviços como prevê a Lei Federal nº 8.987/2005. Municípios que tenham lei autorizativa aprovada com alguma concessionária ou que já estejam com contrato de programa assinado com a CEDAE, cujo instrumento é conhecido como Plano de Metas. Quando o município já tem a lei autorizativa com qualquer concessionária ou contrato de programa assinado com a CEDAE, a concessão já estaria alicerçada na aprovação pelas partes envolvidas como a Câmara Municipal, a Prefeitura e a própria concessionária. Este estudo apoiaria uma revisão do contrato, caso necessária. Em ambos os casos, é provável que haja ajustes posteriores entre a operadora e a prefeitura pertinentes no plano de investimentos e que impactariam o resultado econômico do projeto. Nos municípios que negociariam um contrato de programa com a CEDAE, este estudo oferece a informação e a análise que apoiam a prefeitura sobre a dimensão da proposta apresentada pela concessionária estadual e das possibilidades em relação à operação dos sistemas. Para os casos em que o município já possui contrato de programa assinado ou com a lei autorizativa aprovada, tomando como base a proposta feita pela operadora, pretende-se apresentar apenas a situação em que o sistema entra em equilíbrio econômicofinanceiro, cabendo ao município eventualmente tomar a iniciativa de repactuação contratual. Os investimentos previstos para Paty do Alferes estão apresentados no Quadro 44. O prazo considerado é igual ao horizonte de planejamento, 20 anos. Os investimentos em expansão urbana atendida por loteamentos seriam a encargo dos empreendedores imobiliários e não para a prefeitura ou concessionária, conforme determina a Lei nº 6.766/1979. Portanto, não foram considerados neste EVEF. Os investimentos a encargo dos loteadores seriam iguais a cerca de R$ ,4 (oito milhões, noventa mil, trezentos e quarenta e dois reais, quarenta centavos) para redes de água e R$ ,5 (oito milhões, setecentos e dezenove mil, cento e setenta e sete reais, cinquenta centavos) para redes de esgotos sanitários.

145 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 145 Para Paty do Alferes, há necessidade de empréstimos ou outros aportes de capitais para ampliar a oferta de serviços, bem como mantê-los, situação muito diferente de municípios da mesma região. Quadro 44 Estudo de viabilidade econômica e financeira Descrição VPL Taxa Selic Anual 11,00% Custo do Sistema de Agua R$ ,41 Custo do Sistema de Esgoto R$ ,58 Custo do Sistema de Drenagem R$ ,99 Custo de Destinação Final Residuos - Hipotese I R$ 0,00 Sub Total R$ ,98 Manutenção e Operação R$ ,41 Custo Total dos Sistemas R$ ,39 Custo do Sistema X Renda Bruta do Município 16,61% População Urbana Custo X População R$ 6.954,59 Economias Custo X Economia R$ ,13 Ligações Custo X Ligações R$ ,61 Investimentos nos Sistemas Empréstimo (carência de 12 Meses - Taxa de 6,50% a.a) R$ ,07 Pagamento Empréstimo (R$ ,92) O valor de R$ ,92 (doze milhões, trezentos e noventa mil, cento e sessenta e dois reais e noventa e dois centavos) é referente ao Pagamento de Empréstimos, significam as fontes externas de recursos monetários necessários para alcançar a universalização, ou seja, empréstimos ou fontes de programas governamentais como o PAC.

146 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ INDICADORES DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS Indicadores constituem uma forma simples e eficaz para que a população, exercendo o controle social previsto na Lei Federal nº /2007, e a administração pública municipal possam acompanhar a evolução da prestação dos serviços rumo à universalização. O desafio está em encontrar ou definir um grupo de indicadores por componente que seja objetivo e simples. Uma referência de indicadores é dada pelo SNIS. Para os componentes de abastecimento de água e esgotamento sanitário propõem-se o uso de alguns dos indicadores calculados pelo SNIS, pois anualmente o município precisa informar esses dados ao Governo Federal. Já para o componente drenagem e manejo de águas pluviais urbanas, a literatura específica ainda é pobre, sendo propostos indicadores apresentados no item Com a melhoria na base de dados do município há a possibilidade no futuro de adoção de outros indicadores para o monitoramento do desempenho do plano em relação às metas propostas. Os indicadores por componente são apresentados a seguir, juntamente com as metas propostas ao longo do horizonte de planejamento ABASTECIMENTO DE ÁGUA Para o componente de abastecimento de água foram definidos três indicadores principais em relação à quantidade de água, índice de atendimento urbano de água, consumo médio per capita e índice de perdas na distribuição, e dois indicadores principais em relação à qualidade da água fornecida a população, incidência de análises de cloro e de coliformes totais fora do padrão Índice de atendimento urbano de água A. Objetivo: aferir a evolução da universalização do serviço de abastecimento de água no município. B. Equação para o cálculo do indicador IN 023 = População urbana atendida com abastecimento de água x 100 [%] Onde: População urbana residente no município

147 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 147 População urbana atendida com abastecimento de água, hab.: Valor da população urbana atendida com abastecimento de água pelo prestador de serviços, no último dia do ano de referência. Corresponde à população urbana que é efetivamente atendida com os serviços. População urbana residente do município, hab.: População urbana residente no município. Quando da existência de dados de censos ou contagens populacionais do IBGE, estas informações são utilizadas. Inclui tanto a população beneficiada quanto a que não é beneficiada com os serviços de abastecimento de água. C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN023 67,6% 75% 100% 100% 100% Fonte: Vallenge, Consumo médio per capita A. Objetivo: avaliar se o programa de uso racional de água está alcançando os resultados. B. Equação para o cálculo do indicador IN022 = Volume de água consumido Volume de água tratado exportado x 1000 [L/hab.dia] Onde: População total atendida com abastecimento de água 365 Volume de água consumido, m³: Volume anual de água consumido por todos os usuários, compreendendo o volume micromedido, o volume de consumo estimado para as ligações desprovidas de hidrômetro ou com hidrômetro parado, acrescido do volume de água tratada exportado para outro prestador de serviços. Volume de água tratada exportado, m³: Volume anual de água potável, previamente tratada, transferido para outros agentes distribuidores. População total atendida com abastecimento de água, hab: Valor da soma das populações urbana e rural, sedes municipais e localidades, atendidas com abastecimento de água pelo prestador de serviços, no último dia do ano de referência. Corresponde à população que é efetivamente atendida com os serviços. C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN ,2 300,0 260,0 175,0 160,0 Fonte: Vallenge, 2013

148 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Índice de perdas na distribuição A. Objetivo: aferir se o programa de redução de perdas está no caminho certo. B. Equação para o cálculo do indicador IN049 = Vol. de água (produzido tratado importado serviço) Vol. de água consumido x 100 [%] Onde: Volume de água (produzido tratado importado serviço) Volume de água produzido, m³: Volume anual de água disponível para consumo, compreendendo a água captada pelo prestador de serviços e a água bruta importada ambas tratada(s) na(s) unidade(s) de tratamento do prestador de serviços, medido ou estimado na(s) saída(s) da(s) ETA(s) ou UTS(s). Volume de água tratada importado, m³: Volume anual de água potável, previamente tratada em ETA(s) ou em UTS(s), recebido de outros agentes fornecedores. Deve estar computado no volume de água macromedido, quando efetivamente medido. Não deve ser computado nos volumes de água produzido, tratado em ETAs ou tratado por simples desinfecção. Volume de água de serviço, m³: Valor da soma dos volumes anuais de água usados para atividades operacionais e especiais, acrescido do volume de água recuperado. As águas de lavagem das ETA(s) ou UTS(s) não devem ser consideradas. Volume de água consumido, m³: Volume anual de água consumido por todos os usuários, compreendendo o volume micromedido, o volume de consumo estimado para as ligações desprovidas de hidrômetro ou com hidrômetro parado, acrescido do volume de água tratada exportado para outro prestador de serviços. C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN049 52% 50% 42% 27% 25% Fonte: Vallenge, Incidência de análises de cloro fora do padrão A. Objetivo: aferir a qualidade da água em relação à potabilidade e com isso evitar a evolução de doenças de veiculação hídrica.

149 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 149 B. Equação para o cálculo do indicador IN075 = Quantidade de amostras para análises de cloro residual fora do padrão x 100 [%] Onde: Quantidade de amostras analisadas para aferição de cloro residual Quantidade de amostras analisadas para aferição de cloro residual livre com resultados fora do padrão, amostra: Quantidade total anual de amostras coletadas na(s) saída(s) da(s) unidade(s) de tratamento e no sistema de distribuição de água, reservatórios e redes, para aferição do teor de cloro residual livre na água, cujo resultado da análise ficou fora do padrão determinado pela Portaria nº 2.914/2011 do Ministério da Saúde. No caso de município atendido por mais de um sistema, as informações dos diversos sistemas devem ser somadas. Quantidade de amostras analisadas para aferição de cloro residual livre, amostra: Quantidade total anual de amostras coletadas na(s) saída(s) da(s) unidade(s) de tratamento e no sistema de distribuição de água, reservatórios e redes, para aferição do teor de cloro residual livre na água. No caso de município atendido por mais de um sistema, as informações dos diversos sistemas devem ser somadas. C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN075 ND 5% 1% 0% 0% Nota: ND Não disponível Fonte: Vallenge, Incidência das análises de coliformes totais fora do padrão A. Objetivo: aferir a qualidade da água em relação à potabilidade e com isso evitar a evolução de doenças de veiculação hídrica. B. Equação para o cálculo do indicador IN084 = Quantidade de amostras para análises de coliformes totais fora do padrão x 100 [%] Quantidade de amostras analisadas para aferição de coliformes totais Onde: Quantidade de amostras analisadas para aferição de coliformes totais com resultados fora do padrão, amostra: quantidade total anual de amostras coletadas na(s) saída(s) da(s) unidade(s) de tratamento e na rede de distribuição de água, para aferição do teor de

150 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 150 coliformes totais, cujo resultado da análise ficou fora do padrão determinado pela Portaria nº 2914/2011 do Ministério da Saúde. No caso de município atendido por mais de um sistema, as informações dos diversos sistemas devem ser somadas. Quantidade de amostras analisadas para aferição de coliformes totais, amostra: Quantidade total anual de amostras coletadas na(s) saída(s) da(s) unidade(s) de tratamento e no sistema de distribuição de água, reservatórios e redes, para aferição do teor de coliformes totais. no caso de município atendido por mais de um sistema, as informações dos diversos sistemas devem ser somadas. D. Metas e prazos propostos Ano Atual IN084 ND 5% 1% 0% 0% Nota: ND Não disponível Fonte: Vallenge, ESGOTAMENTO SANITÁRIO Para o componente de esgotamento sanitário foram definidos três indicadores principais: índice de atendimento urbano de esgoto, índice de coleta de esgotos e índice de tratamento de esgotos Índice de atendimento urbano de esgoto A. Objetivo: aferir a evolução da universalização do componente no município. B. Equação para o cálculo do indicador IN047 = População urbana atendida com esgotamento sanitário x 100 [%] População urbana residente no município Onde: População urbana atendida com esgotamento sanitário, hab: Valor da população urbana beneficiada com esgotamento sanitário pelo prestador de serviços, no último dia do ano de referência. Corresponde à população urbana que é efetivamente servida com os serviços. População urbana residente do município, hab: População urbana residente no município. Quando da existência de dados de censos ou contagens populacionais do IBGE, essas

151 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 151 informações são utilizadas. Inclui tanto a população beneficiada quanto a que não é beneficiada com os serviços de esgotamento sanitário. C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN047 56% 65% 90% 100% 100% Fonte: Vallenge, Índice de coleta de esgotos A. Objetivo: aferir o volume de esgoto coletado. B. Equação para o cálculo do indicador IN015 = Volume de esgoto coletado x 100 [%] Volume de água consumido volume de água tratado exportado Onde: Volume de esgoto coletado, m³: Volume anual de esgoto lançado na rede coletora. Em geral é considerado como sendo de 80% a 85% do volume de água consumido na mesma economia. Não inclui volume de esgoto bruto importado. Volume de água consumido, m³: Volume anual de água consumido por todos os usuários, compreendendo o volume micromedido, o volume de consumo estimado para as ligações desprovidas de hidrômetro ou com hidrômetro parado, acrescido do volume de água tratada exportado para outro prestador de serviços. Volume de água tratado exportado, m³: Volume anual de água potável, previamente tratada, transferido para outros agentes distribuidores. C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN015 56% 65% 90% 100% 100% Fonte: Vallenge, Índice de tratamento de esgotos A. Objetivo: aferir a universalização do tratamento de esgoto e com isso melhorar a qualidade ambiental dos recursos hídricos e evitar a proliferação de doenças de veiculação hídrica.

152 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 152 B. Equação para o cálculo do indicador IN016 = Volume de esgoto tratado x 100 [%] Volume de esgoto coletado + volume de esgoto importado Onde: Volume de esgoto tratado, m³: Volume anual de esgoto coletado na área de atuação do prestador de serviços e que foi submetido a tratamento, medido ou estimado na(s) entrada(s) da(s) ETE(s). Volume de esgoto coletado, m³: Volume anual de esgoto lançado na rede coletora. Em geral é considerado como sendo de 80% a 85% do volume de água consumido na mesma economia. Volume de esgoto bruto importado, m³: Volume de esgoto bruto recebido de outro(s) agente(s). Deve ser acrescido, caso houver, a parcela do volume de esgoto coletado. C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN016 0% 0% 50% 100% 100% Fonte: Vallenge, DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS URBANAS Para o componente de drenagem e manejo de águas pluviais urbanas foram definidos quatro indicadores principais: indicador da gestão do serviço, índice de atendimento urbano de microdrenagem, índice de atendimento territorial urbano de microdrenagem e índice de pontos de alagamento devido a chuvas Indicador da gestão do serviço A. Objetivo: avaliar o nível de gestão do serviço. B. Equação para o cálculo do indicador Foi dividido em dois subitens, cada um com seu respectivo indicador simples, de forma que ao final se obtenha um indicador composto. Gestão Indicador simples de rubrica específica de drenagem

153 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 153 (...) sim... (...) não ISG: 0,50. Quando o indicador simples for positivo; ISG: 0,00. Quando o indicador simples for negativo. Indicador simples de existência de ente específico de drenagem com atividades bem definidas, inclusive em lei municipal (...) sim... (...) não ISG: 0,50. Quando o indicador simples for positivo; ISG: 0,00. Quando o indicador simples for negativo. Indicador composto de gestão dos serviços de drenagem urbana: ICGDU ICGDU: 1,00. Quando os dois indicadores simples forem positivos; ICGDU: 0,50. Quando ao menos um indicador simples for positivo; ICGDU: 0,00. Quando os dois indicadores simples forem nulos. Alcance do cadastro do serviço Indicador simples de existência de cadastro atualizado da infraestrutura de drenagem (...) sim... (...) não IECDU: 0,50. Quando o indicador simples for positivo; IECDU: 0,00. Quando o indicador simples for negativo. Indicador simples do alcance do cadastro, caso exista, referente à porcentagem da área urbana com cadastro efetuado. (...) 67% a 100% nota = 0,5 (...) 34% a 66% nota = 0,3 (...) 1% a 33% nota = 0,1 Indicador composto do alcance do cadastro do serviço de microdrenagem urbana: ICCDU (soma dos indicadores simples do alcance do cadastro do serviço) ICCDU: 1,0. Quando existir cadastro com alcance entre 67% a 100% da área urbana. ICCDU: 0,8. Quando existir cadastro com alcance entre 34% a 66% da área urbana. ICCDU: 0,6. Quando existir cadastro com alcance entre 1% a 33% da área urbana. ICCDU: 0,0. Quando não existir cadastro da infraestrutura de drenagem. Assim, o indicador composto da gestão do serviço de drenagem urbana seria: I I PSDU = I CGDU CCDU

154 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 154 A avaliação seria da seguinte forma: IPSDU = 1,4-2,0. O serviço vem sendo gerido de forma adequada IPSDU = 0,7-1,3. O serviço tem algum nível de gestão, mas precisa ser mais avançado; IPSDU = 0,0-0,6. A gestão ainda é insuficiente e requer aprimoramento. C. Metas e prazos propostos Ano Atual ICGDU 0,0 1,0 1,0 1,0 1,0 ICCDU 0,0 0,6 0,8 1,0 1,0 IPSDU 0,0 1,6 1,8 2,0 2,0 Fonte: Vallenge, Índice de atendimento urbano de microdrenagem A. Objetivo: aferir a evolução da universalização do componente no município. B. Equação para o cálculo do indicador IN 100 = População urbana atendida com microdrenagem x 100 [%] População urbana do município Onde: População urbana atendida com microdrenagem, hab.: Valor da população urbana atendida com microdrenagem, mesmo drenagem superficial, pelo prestador de serviços, no último dia do ano de referência. Corresponde à população urbana que é efetivamente servida com os serviços. População urbana do município, hab.: População urbana residente no município. Quando da existência de dados de censos ou contagens populacionais do IBGE, estas informações são utilizadas. Inclui tanto a população beneficiada quanto a que não é beneficiada com os serviços de microdrenagem. C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN100 ND 40% 50% 100% 100% Nota: ND - Não disponível Fonte: Vallenge, 2013

155 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Índice de atendimento territorial urbano de microdrenagem A. Objetivo: aferir a área efetivamente atendida com microdrenagem. B. Equação para o cálculo do indicador IN 101 = Área urbana com microdrenagem x 100 [%] Área urbana do município Onde: Área urbana com microdrenagem, km²: Área urbana atendida com microdrenagem, mesmo drenagem superficial, pelo prestador de serviços, no último dia do ano de referência. Área urbana total, km²: Área urbana total definida pelo município através do Plano Diretor, leis municipais ou decretos municipais até o último dia do ano de referência. C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN101 40%* 40% 50% 100% 100% Nota: *Estimado em função de visitas a campo Fonte: Vallenge, Índice de pontos de alagamento sanados A. Objetivo: verificar o desempenho no controle e diminuição dos pontos de alagamento no município e, com isso, melhorar a qualidade ambiental dos recursos hídricos e evitar a proliferação de doenças de veiculação hídrica. B. Equação para o cálculo do indicador IN 102 = Número de pontos com problemas de alagamento sanados x 100 [%] Número de pontos com problemas de alagamento Onde: Número de pontos com problemas de alagamento sanados, unidade: Número de locais que tinham problemas de alagamento devido as chuvas e que foram sanados através de obras de micro e macrodrenagem. Número de pontos com problemas de alagamento, unidade: Número total de locais atualmente sujeitos a alagamento devido a chuvas e que necessitam de obras de micro e macrodrenagem.

156 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 156 C. Metas e prazos propostos Ano Atual IN102 ND 30% 60% 80% 100% Nota: ND - Não disponível Fonte: Vallenge, 2013.

157 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ PLANOS DE CONTINGÊNCIA E EMERGÊNCIA As ações de contingência e emergência possuem finalidade preventiva e corretiva, tendo como objetivo evitar possíveis acidentes, utilizando métodos de segurança a fim de evitar o comprometimento ou a paralisação do sistema de saneamento básico, aumentando o nível de segurança quanto ao atendimento da população. Nas obras de saneamento básico e de engenharia civil, em geral, são respeitados determinados níveis de segurança, resultantes de experiências anteriores, além de seguirem rigorosamente as normas técnicas reconhecidas para planejamento, projeto e construção. Na operação e manutenção dos serviços de saneamento básico são utilizadas formas locais e corporativas, que dependem da operadora, no sentido de prevenir ocorrências indesejáveis por meio do controle e monitoramento das condições físicas das instalações e equipamentos, visando minimizar ocorrências de sinistros e interrupções na prestação contínua dos serviços de saneamento. As ações de caráter preventivo, mais ligadas à contingência, possuem a finalidade de evitar acidentes que possam comprometer a qualidade dos serviços prestados e a segurança do ambiente de trabalho, garantindo também a segurança dos trabalhadores. Estas ações dependem de: manutenção estratégica, prevista por meio de planejamento, ação das áreas de gestão operacional, controle de qualidade, suporte de comunicação, suprimentos e tecnologia de informação, entre outras. Já em casos de ocorrências atípicas que possam vir a interromper os serviços de saneamento básico, situação mais relacionada a casos de emergência, os responsáveis pela operação devem dispor de todas as estruturas de apoio como mão de obra especializada, material e equipamento para a recuperação dos serviços no menor prazo possível. Portanto, enquanto o plano de contingência aborda ações programadas de interrupção dos serviços, o de emergência lida com situações de parada não programada. De uma maneira geral, os planos de emergência e contingência possuem ações e alternativas integradas, no qual o executor leva em conta no momento de decisão em face de eventuais ocorrências atípicas. Considera, ainda, os demais planos setoriais existentes ou em implantação que deverão estar em consonância com o PMSB. As ações preventivas servem para minimizar os riscos de acidentes, além de orientar os setores responsáveis a controlar e solucionar os impactos causados por alguma situação crítica não esperada. No Quadro 45 são apresentadas ações de emergência e contingência a serem adotadas pelos prestadores dos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e, drenagem e manejo de águas pluviais urbanas.

158 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 158 Quadro 45 - Riscos potenciais abastecimento de água potável 1. Falta de água generalizada Origem Plano de contingência/ emergência Inundação das captações de água com danificação de equipamentos eletromecânicos e estruturas. Comunicação à população, instituições, autoridades e defesa civil. Reparo dos equipamentos. Deslizamento de encostas, movimentação do solo, solapamento de apoios de estruturas com arrebentamento da adução de água bruta. Comunicação às autoridades e defesa civil. Evacuação do local e isolamento da área como meio de evitar acidentes. Interrupção prolongada no fornecimento de energia elétrica nas instalações de produção de água. Comunicação à operadora em exercício de energia elétrica. Acionar gerador alternativo de energia. Ações de vandalismo. Situação de seca, vazões críticas de mananciais. Comunicação à Polícia Militar e a responsável pela prestação de serviço Reparo das instalações danificadas. Reparo das instalações danificadas. Controle da água disponível em reservatórios. Deslocamento de grande frota de caminhões tanque. Ação com a gestão de recursos hídricos para controle da demanda. Qualidade inadequada da água dos mananciais, contaminação por acidentes como derramamento de substâncias tóxicas na bacia de captação. Verificação periódica e adequação do plano de ação de interrupção às características da ocorrência. Implementação de rodízio de abastecimento. (Continua)

159 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Falta de água parcial ou localizada Origem Deficiência de água nos mananciais em períodos de estiagem. Plano de contingência/ emergência Comunicação à população, instituições, autoridades, defesa civil. Deslocamento de frota de caminhões tanque. Interrupção temporária no fornecimento de energia elétrica nas instalações de produção de água. Comunicação à operadora em exercício de energia elétrica. Acionar gerador alternativo de energia. Interrupção no fornecimento de energia elétrica em setores de distribuição. Comunicação à operadora em exercício de energia elétrica. Acionar gerador alternativo de energia. Danificação de equipamentos de estações elevatórias de água tratada. Reparo dos equipamentos danificados. Danificação de estruturas de reservatórios e elevatórias de água tratada. Transferência de água entre setores de abastecimento. Rompimento de redes e linhas adutoras de água tratada. Controle da água disponível em reservatórios. Implantação de rodízio. Reparo das linhas danificadas. Ações de vandalismo. Comunicação à Polícia Militar e a responsável pela prestação de serviço Reparo das instalações danificadas Reparo das instalações danificadas. (Continua)

160 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Aumento da demanda temporária Origem Plano de contingência Monitoramento da demanda. Registro estatístico do afluxo da população flutuante. Registro dos consumos e da distribuição espacial do mesmo. Plano de comunicação. Alerta a população para controle do consumo e reservação domiciliar de água. Articulação dos diferentes órgãos envolvidos nos eventos. Estratégia de operação. Plano de manobras e atendimento às áreas de maior demanda. Disponibilidade de frota de caminhões tanque. Equipamento reserva e de contingências para falta de energia, uso de geradores. Mecanismo tarifário para demanda temporária. Sistematização dos custos e investimentos necessários para cobrir a demanda. Cálculo tarifário e quantificação das receitas e subsídios necessários. Negociação com as partes interessadas para cobrança temporária dos serviços. (Continua)

161 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Paralisação da ETA Origem Plano de contingência/ emergência Vazamento de cloro nas instalações de tratamento de água. Reparo das instalações. Acionamento de pessoal treinado e capacitado para o uso de máscara e outros equipamentos necessários para corrigir a situação. Ações de vandalismo. Comunicação à Polícia Militar e a responsável pela prestação de serviço Reparo das instalações danificadas. Reparo das instalações danificadas. Interrupção temporária no fornecimento de energia elétrica na ETA. Comunicação à operadora em exercício de energia elétrica. Acionar gerador alternativo de energia. Comunicar a responsável pela prestação dos serviços. Danificação de equipamentos eletromecânicos ou estruturas. Comunicar a responsável pela prestação dos serviços Instalar equipamentos reserva. Rompimento das adutoras de água bruta ou de água tratada. Comunicar a responsável pela prestação dos serviços. Executar reparo da área danificada com urgência.

162 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 162 Quadro 46 - Ações de controle operacional e manutenção abastecimento de água potável Programa Controle dos mananciais. Controle das instalações. Controle dos equipamentos. Ações Controle das áreas de recarga de mananciais subterrâneos: níveis de rebaixamento, tempo diário de funcionamento. Limitações aos usos do solo na bacia de captação superficial: registro de produtos químicos utilizados, controle de atividades humana e das descargas de água residuárias. Fiscalização regular na bacia hidrográfica contra atividades poluidoras. Realização de medição na captação, entrada e saída da ETA. Monitoramento a distância do bombeamento da captação. Monitoramento a distância dos principais pontos de controle da ETA e do bombeamento da elevatória de água tratada. Qualidade nos mananciais e controle sanitário da bacia a montante. Qualidade da água distribuída conforme legislação vigente. Horas trabalhadas e consumo de energia. Corrente, tensão, vibração e temperatura. Controle de equipamentos reserve. Monitoramento do sistema distribuidor. Gestão da manutenção. Prevenção de acidentes nos sistemas. Vazões encaminhadas aos setores. Pressão e regularidade na rede. Programação de limpeza e desinfecção periódica dos reservatórios. Cadastro de equipamentos e instalações. Programação de: Manutenção preventiva. Manutenção preditiva em equipamentos críticos. Limpeza periódica em coletores e ramais críticos. Limpeza periódica de elevatórias e na ETE. Registro permanente do histórico das manutenções. Plano de ações nos casos de incêndio. Plano de ação nos casos de vazamento de cloro. Plano de ação nos casos de outros produtos químicos. Gestão de riscos ambientais em conjunto com órgãos do meio ambiente

163 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 163 Quadro 47 - Riscos potenciais esgotamento sanitário 1. Extravasamento de esgoto em ETE por paralisação do funcionamento desta unidade de tratamento Origem Plano de contingência/ emergência Interrupção no fornecimento de energia elétrica nas instalações internas de bombeamento. Acionar gerador alternativo de energia. Instalar tanque de acumulação e amortecimento do esgoto extravasado com o objetivo de evitar poluição do solo e água. Comunicar a responsável pela operadora do serviço de esgotos e a PM. Comunicar a concessionária de energia, a interrupção do fornecimento. Danificação de equipamentos eletromecânicos ou estruturas. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Comunicar aos órgãos de controle ambiental os problemas com os equipamentos e a possibilidade de ineficiência e paralisação das unidades de tratamento. Instalar equipamentos reserva. Ações de vandalismo. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Comunicar o ato de vandalismo à Polícia Militar e a responsável pela prestação de serviço. Reparo das instalações danificadas. Executar reparo das instalações danificadas com urgência. (Continua)

164 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Extravasamento de esgoto em estações elevatórias Origem Plano de contingência Interrupção no fornecimento de energia elétrica nas instalações de bombeamento. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Comunicar à concessionária de energia a interrupção de energia. Acionar gerador alternativo de energia. Instalar tanque de acumulação do esgoto extravasado com o objetivo de evitar contaminação do solo e água. Danificação de equipamentos eletromecânicos ou estruturas. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Comunicar aos órgãos de controle ambiental os problemas com os equipamentos e a possibilidade de ineficiência e paralisação das unidades de tratamento. Instalar equipamentos reserva. Ações de vandalismo. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Comunicar o ato de vandalismo à Polícia Militar e a responsável pela prestação de serviço Reparo das instalações danificadas. Executar reparo das instalações danificadas com urgência. (Continua)

165 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Rompimento de coletores, interceptores e emissários. Origem Plano de contingência Desmoronamento de taludes ou paredes de canais. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Executar reparo da área danificada com urgência. Sinalizar e isolar a área como meio de evitar acidentes. Erosões de fundo de vale. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Executar reparo da área danificada com urgência. Comunicar aos órgãos de controle ambiental sobre o rompimento em alguma parte do sistema de coleta de esgoto. Sinalizar e isolar a área como meio de evitar acidentes. Rompimento de pontos para travessia de veículos. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Comunicar as autoridades de trânsito sobre o rompimento da travessia. Sinalizar e isolar a área como meio de evitar acidentes. Executar reparo da área danificada com urgência. Comunicar aos órgãos de controle ambiental sobre o rompimento em alguma parte do sistema de coleta de esgoto. (Continua)

166 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Ocorrência de retorno de esgoto nos imóveis. Origem Plano de contingência Obstrução em coletores de esgoto. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Isolar o trecho danificado do restante da rede com o objetivo de manter o atendimento das áreas não afetadas pelo rompimento. Executar reparo das instalações danificadas com urgência Executar trabalho de limpeza e desobstrução. Lançamento indevido de águas pluviais na rede de esgoto e viceversa. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM. Comunicar a Vigilância Sanitária. Ampliar a fiscalização e o monitoramento das redes de esgoto e de captação de águas pluviais com o objetivo de identificar ligações clandestinas, regularizar a situação e implantar sistema de cobrança de multa e punição para reincidentes. (Continua)

167 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Vazamentos e contaminação de solo, cursos hídricos ou lençol freáticos por fossas. Origem Plano de contingência Rompimento, extravasamento, vazamento ou infiltração de esgoto por ineficiência de fossas. Comunicar a Vigilância Sanitária. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM Promover o isolamento da área e contenção do resíduo com o objetivo de reduzir a contaminação. Conter vazamento e promover a limpeza da área com caminhão limpa fossa, encaminhando o resíduo para a estação de tratamento de esgoto. Executar reparo das instalações danificadas. Construção de fossas inadequadas e ineficientes. Comunicar a Vigilância Sanitária. Exigir a substituição das fossas negras por fossas sépticas e sumidouros ou ligação do esgoto residencial à rede pública nas áreas onde existe esse sistema. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM Implantar programa de orientação quanto à necessidade de adoção de fossas sépticas em substituição às fossas negras e fiscalizar se a substituição está acontecendo nos prazos exigidos. Inexistência ou ineficiência do monitoramento. Comunicar a Vigilância Sanitária. Comunicar a responsável pela prestação do serviço de esgotos e a PM Ampliar o monitoramento e fiscalizar os equipamentos na área urbana e na zona rural, principalmente nas fossas localizadas próximas aos cursos hídricos e pontos de captação subterrânea de água para consumo humano.

168 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 168 Quadro 48 - Ações de controle operacional e manutenção esgotamento sanitário Programa Ações Controle das condições do tratamento Realização de medição de vazões e carga orgânica na entrada da ETE. Monitoramento à distância ao menos da vazão dos principais pontos de controle da ETE e do bombeamento da EE final. Acompanhar a qualidade do efluente tratado conforme legislação vigente. Monitorar o destino dos resíduos de gradeamento e caixa de areia, bem como dos lodos primários e secundários, conforme o caso. Controle dos equipamentos. Registro de horas trabalhadas e consumo de energia Controle e correção de variações de tensão, vibração e temperatura Controle de equipamentos de reserva. Gestão da manutenção Cadastro de equipamentos e instalações. Programação de: Manutenção preventiva. Manutenção preditiva em equipamentos críticos Limpeza periódica em coletores e ramais críticos Limpeza periódica de elevatórias e na ETE. Registro permanente do histórico das manutenções Prevenção de acidentes nos sistemas Plano de ação no caso de incêndio Gestão de riscos ambientais em conjunto com órgãos do meio ambiente

169 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 169 Quadro 49 - Riscos potenciais drenagem e manejo de águas pluviais urbanas Ocorrência Plano de contingência/ emergência Situações de alagamento, problemas relacionados à microdrenagem. Mobilizar os órgãos competentes para a realização da manutenção da microdrenagem. Acionar a autoridade de trânsito para que sejam traçadas rotas alternativas a fim de evitar o agravamento do problema. Acionar o técnico responsável designado para verificar a existência de risco à população, danos a edificações, vias, risco de propagação de doenças, e outros. Propor soluções para resolução do problema, com a participação da população e informando a mesma sobre a importância de se preservar o sistema de drenagem. Inundações, enchentes provocadas pelo transbordamento de rios, córregos ou canais de drenagem. Criar sistema de monitoramento que possa identificar a priori a intensidade da enchente e acionar o sistema de alerta respectivo, bem como dar partida às ações preventivas, inclusive remoção da população potencialmente atingível. Comunicar o setor responsável, prefeitura ou defesa civil, para verificação de danos e riscos a população. Comunicar o setor de assistência social para que sejam mobilizadas as equipes necessárias e a formação dos abrigos. Estudo para controle das cheias nas bacias. Medidas para proteger pessoas e bens situados nas zonas críticas de inundação. Inexistência ou ineficiência da rede de drenagem urbana. Verificar o uso do solo previsto para a região. Comunicar ao setor de planejamento a necessidade de ampliação ou correção da rede de drenagem. Comunicar ao setor de fiscalização para detecção do ponto de lançamento e regularização da ocorrência. Limpeza da boca-de-lobo.

170 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 170 Ocorrência Plano de contingência/ emergência Presença de materiais de grande porte, como carcaças de eletrodomésticos, móveis ou pedras. Aumentar o trabalho de conscientização da população sobre a utilização dos canais de drenagem. Comunicar o setor de manutenção sobre a ocorrência. Aumentar a eficiência e cobertura da limpeza pública. Assoreamento de bocas-de-lobo, bueiros e canais. Comunicar o setor de manutenção sobre a ocorrência. Verificar se os intervalos entre as manutenções periódicas se encontram satisfatórios. Aumentar a eficiência e cobertura da limpeza pública.

171 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 171 Quadro 50 - Ações de controle operacional e manutenção drenagem urbana Programa Ações Controle das condições de lançamento das águas pluviais. Realização de medição de vazões, carga orgânica e nutrientes nos pontos críticos de lançamento de águas pluviais em corpos receptores. Monitoramento à distância ao menos da vazão dos principais pontos de controle da rede de drenagem. Monitorar o destino dos resíduos retirados das estruturas hidráulicas, conforme o caso. Controle dos equipamentos. Registro de horas trabalhadas e consumo de energia. Controle e correção de variações de tensão, vibração e temperatura. Controle de equipamentos de reserva. Gestão da manutenção. Cadastro de equipamentos e instalações. Programação de: Manutenção preventiva. Manutenção preditiva em equipamentos críticos. Limpeza periódica em coletores e ramais críticos. Limpeza periódica de galerias e bueiros. Registro permanente do histórico das manutenções. Prevenção de acidentes nos sistemas. Plano de ação no caso de incêndio. Gestão de riscos ambientais em conjunto com órgãos do meio ambiente

172 Diagnósticos Setoriais Paraíba do Sul /RJ FONTES POSSÍVEIS DE FINANCIAMENTO Os recursos destinados ao saneamento básico, no âmbito do mercado interno de recursos financeiros provêm, em sua maior parte, dos recursos do FGTS, aportes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e outras fontes de recursos, como os obtidos pela cobrança pelo uso da água. Existem, também, os programas do governo estadual, e outras fontes externas de recursos de terceiros, representadas pelas agências multilaterais de crédito, tais como: o Banco Mundial (BIRD), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco Japonês (JBIC), os mais importantes, de acesso mais restrito aos agentes prestadores dos serviços. Porém, a fonte primária de recursos para o setor se constitui nas tarifas, taxas e preços públicos. Estes se constituem na principal fonte de canalização de recursos financeiros para a exploração dos serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, que, além de recuperar as despesas de exploração dos serviços, podem gerar um excedente que fornece a base de sustentação para alavancar investimentos, quer sejam com recursos próprios e/ou de terceiros. Nas demais vertentes do saneamento básico, representadas pelos resíduos sólidos e drenagem, que ainda funcionam de forma incipiente no estado, em termos de uma organização mais efetiva, visando à melhoria do meio ambiente, deve predominar as taxas, impostos específicos ou gerais. O Quadro 51 apresenta um resumo das principais fontes de captação de recursos financeiros para as ações necessárias no âmbito do saneamento básico nos municípios. Quadro 51 Fontes de financiamento FONTES PRÓPRIAS Tarifas, taxas e preços públicos. Transferências e subsídios. FONTES DO GOVERNO FEDERAL Recursos do FGTS. Recursos da OGU (Ministério das Cidades, FUNASA e BNDES). Ministério da Justiça (FDDD). FONTES DO GOVERNO ESTADUAL FUNDRHI. Recursos orçamentários próprios do município. Recursos de operação. FECAM. OUTRAS FONTES Financiamentos internacionais. Participação do capital privado. Proprietário de imóvel urbano - Contribuição de melhoria. Proprietário de imóvel urbano - Plano comunitário de melhoria. Expansão urbana. Fonte: Vallenge, 2013

173 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ FONTES PRÓPRIAS O sistema de tarifas, taxas e preços públicos são as fontes primárias para o financiamento das ações do saneamento básico. As tarifas, taxas e preços públicos devem, além de recuperar os custos operacionais, gerar um excedente para alavancar investimentos, quer sejam diretos, recursos próprios, e/ou com financiamentos, para compor a contrapartida de empréstimos e o posterior pagamento do serviço da dívida. O sistema de tarifas, taxas e preços públicos tem sempre uma restrição básica na capacidade de pagamento da população e, além disso, por se tratar de um serviço essencial a ser estendido a todos os munícipes, deve-se contemplar algum nível de subsídio, os quais assumem três modalidades. Subsídios à oferta, no qual o poder público transfere recursos do orçamento fiscal para financiar a implantação, expansão ou ampliação dos sistemas de saneamento básico, indo até o financiamento de parte ou do total da operação e manutenção dos sistemas, onde existir baixa sustentabilidade financeira, o que ocorre, em geral, nos municípios de pequeno porte. Subsídios à demanda, através do qual o poder público transfere diretamente ao usuário parte ou toda a cobrança pelos serviços dirigidos a ele, de acordo com critérios de necessidade estabelecidos a priori. Este é pouco difundido no sistema brasileiro de financiamento do saneamento básico. Estas duas modalidades de subsídios provêm do orçamento fiscal das unidades federadas e, portanto, o financiamento do sistema depende de toda a sociedade que paga impostos. As diretrizes para a cobrança pelos serviços de saneamento básico estão definidas na Lei nº /2007. A sustentabilidade financeira dos empreendimentos em saneamento básico está fortemente correlacionada com os conceitos e diretrizes expostos, onde deve estar sempre presente os aspectos de eficiência, alocativa e técnica, na prestação dos serviços consubstanciados em bases econômicas de custo de oportunidade, escolhendo-se a tecnologia mais adequada às possibilidades financeiras da comunidade, cuja finalidade mor consiste na melhoria ambiental com reflexos sobre a qualidade de vida e de saúde da população beneficiada. A outra modalidade são os subsídios cruzados onde os custos dos serviços são rateados entre os usuários do sistema de saneamento básico, em proporções diferentes, mediante critérios que reproduzam a diferenciação de renda da comunidade beneficiada. Esta modalidade é bastante utilizada no sistema tarifário dos serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, mediante a classificação dos usuários em categorias e faixas de consumo.

174 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ FONTES DO GOVERNO FEDERAL As fontes de financiamento do governo federal são descritas a seguir. Trata-se de pleito a ser realizado pelo município junto à União para inserção no orçamento federal de valores, justificado mediante projetos, para aplicação em melhorias no município Recursos do fundo de garantia por tempo de serviço Saneamento para Todos Com o programa Saneamento para Todos, que visa financiar empreendimentos ao setor público e ao setor privado, a Caixa Econômica Federal apoia o poder público na promoção à melhoria das condições de saúde e da qualidade de vida da população urbana, promovendo ações de saneamento básico, integradas e articuladas com outras políticas setoriais. Os recursos do programa são oriundos do FGTS e da contrapartida do solicitante. O programa se destina ao: Setor Público - estados, municípios, Distrito Federal, concessionárias públicas de saneamento, consórcios públicos de direito público e empresas públicas não dependentes. Setor Privado - concessionárias ou sub-concessionárias privadas de serviços públicos de saneamento básico, ou empresas privadas, organizadas na forma de SPE para o manejo de resíduos sólidos e manejo de resíduos da construção e demolição. a) Modalidades: Abastecimento de água; esgotamento sanitário; saneamento integrado; desenvolvimento institucional; manejo de águas pluviais; manejo de resíduos sólidos; mecanismo de desenvolvimento limpo no âmbito do Tratado de Quioto; manejo de resíduos da construção e demolição; preservação e recuperação de mananciais; estudos e projetos. b) Condições de financiamento Contrapartida mínima: em operações com o setor público, o valor correspondente à contrapartida mínima é de 5% do valor do investimento, exceto na modalidade abastecimento de água, onde a contrapartida mínima é de 10%. Em operações com o setor privado, o valor correspondente à contrapartida mínima é 20% do valor do investimento. c) Prazos De carência: correspondente ao prazo originalmente previsto para a execução de todas as etapas calculadas para o cumprimento do objeto contratual, acrescido de até 4

175 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 175 meses, limitado a 48 meses contados a partir da assinatura do contrato de financiamento, sendo permitida a prorrogação por até metade do prazo de carência originalmente pactuado. De amortização: contados a partir do término da carência em: - Até 240 meses nas modalidades de abastecimento de água, esgotamento sanitário e manejo de águas pluviais e saneamento integrado; - Até 180 meses nas modalidades manejo de resíduos sólidos, manejo de resíduos da construção e demolição; - Até 120 meses nas modalidades de desenvolvimento institucional e preservação e recuperação de mananciais; - Até 60 meses na modalidade de estudos e projetos. Da realização do 1º desembolso: O 1º desembolso deve ocorrer em até 12 meses contados da assinatura do contrato. d) Encargos financeiros Juros: definido à taxa nominal de 6% a.a., exceto para a modalidade Saneamento integrado que possui taxa nominal de 5,0% a.a. Remuneração CAIXA 2% sobre o saldo devedor. e) Taxa de risco de crédito Definida conforme a análise cadastral do solicitante, limitado a 1% a.a. O interessado em participar do programa deve, desde que aberto o processo de seleção pública pelo Ministério das Cidades, preencher ou validar a carta-consulta eletrônica disponibilizada no sítio daquele ministério na internet. Uma via impressa da carta-consulta deve ser entregue na Superintendência Regional de vinculação do solicitante, acompanhada de todos os anexos relacionados, como a documentação necessária à análise de risco de crédito e a do projeto básico do empreendimento, juntamente com as demais peças de engenharia e trabalho técnico social necessário às análises técnicas pertinentes. Em conjunto com a Superintendência Regional, o solicitante, quando estado, município ou Distrito Federal, envia à Secretaria do Tesouro Nacional a documentação constante do Manual de Instrução de Pleitos daquela secretaria com vistas à obtenção da autorização de crédito.

176 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Orçamento Geral da União (OGU) Os recursos não onerosos para o município, destinados ao setor de saneamento e contidos no Orçamento Geral da União (OGU), são mobilizados por meio de diretrizes contidas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC2), por meio do Ministério das Cidades e da FUNASA. Ministério das Cidades a) Participantes Ministério das Cidades planejar, regular e normatizar a aplicação dos recursos; Caixa Econômica Federal operacionalizar o programa; Entes federados municípios, estados, Distrito Federal e consórcios públicos. Para efeito de aplicação dos recursos do PAC2 o país foi dividido em grupos de acordo com a concentração da população em regiões metropolitanas e porte dos municípios em termos populacionais. Grupo 1 Regiões metropolitanas e municípios com população superior a 70 mil habitantes nas regiões norte, nordeste e centro oeste e superior a 100 mil habitantes nas regiões sul e sudeste; Grupo 2 Municípios com população entre 50 a 70 mil habitantes, nas regiões: norte, nordeste e centro oeste e municípios com população entre 50 e 100 mil habitantes nas regiões sul e sudeste; Grupo 3 Municípios com população inferior a 50 mil habitantes, em qualquer região. b) Contrapartida: A contrapartida, como percentagem dos investimentos, é definida para recursos destinados a municípios, estados e ao Distrito Federal em função do IDH, de acordo com o Quadro 52, a seguir.

177 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 177 Quadro 52 Contrapartida - Orçamento Geral da União Descrição % do Investimento IDH Municípios 2 =0,5 3 > 0,5 e <= 0,6 4 > 0,6 e <= 0,7 8 > 0,7 e <= 0,8 20 > 0,8 Estado e Distrito Federal 10 <= 0,7 15 > 0,7 e <= 0,8 Fonte: Vallenge, > 0,8 c) Encaminhamento: Os pedidos devem ser encaminhados através da Secretaria Nacional de Saneamento do Ministério das Cidades apoiados na Portaria nº 40 de 31/01/2011, que aprovou o Manual de Instruções para contratação e execução das ações do Ministério das Cidades inseridas na segunda fase do PAC2. Fundação Nacional da Saúde (FUNASA) Os recursos alocados no OGU para a FUNASA aplicar nos setores de abastecimento de água e esgotamento sanitário, se destinam, prioritariamente, aos municípios com menos de 50 mil habitantes (IBGE, 2010), exceto os municípios das Regiões Metropolitanas, mediante os seguintes critérios de priorização: Municípios que contam com projetos de engenharia devidamente elaborados e com plena condição de viabilidade das obras; Municípios que contam com gestão estruturada de serviços públicos de saneamento básico com entidade ou órgão especializado, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mista, consórcio público, e concessão regularizada, nos casos em que couber; Complementação de empreendimentos inseridos na primeira fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC1); Empreendimentos que promovam a universalização do abastecimento de água; Municípios com elevado risco de transmissão de doenças relacionadas à falta ou inadequação das condições de saneamento, em especial, esquistossomose, tracoma e dengue, conforme classificação do Ministério da Saúde; Municípios com menores IDH; Municípios com menores índices de abastecimento de água;

178 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 178 Municípios com maiores Taxas De Mortalidade Infantil (TMI), segundo dados do Ministério da Saúde; Municípios inseridos nos bolsões de pobreza identificados pelo Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS); Municípios que possuam Plano Municipal de Saneamento, elaborado ou em elaboração, nos moldes de Lei nº 11445/2007; Municípios com dados atualizados no SNIS (2009). As propostas hierarquizadas serão submetidas ao Grupo Executivo do Programa de Aceleração do Crescimento (GEPAC) e pré-selecionadas em função da demanda apresentada e da disponibilidade de recursos constantes das Leis Orçamentárias de 2010 e Para detalhes adicionais vide Portaria da FUNASA nº 314 de 14 de junho de Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) O BNDES atua no financiamento de projetos e programas do saneamento básico atendendo entidades de direito público e de direito privado. A seguir mostra-se uma descrição dos projetos que são financiáveis, quem pode participar e condições gerais dos financiamentos. a) Projetos financiáveis: Abastecimento de água; esgotamento sanitário; efluentes e resíduos industriais; resíduos sólidos; gestão de recursos hídricos, tecnologias e processos, bacias hidrográficas; recuperação de áreas ambientalmente degradadas; desenvolvimento institucional; despoluição de bacias, em regiões onde já estejam constituídos comitês; e macrodrenagem. b) Participantes: Sociedades com sede e administração no país, de controle nacional ou estrangeiro, empresários individuais, associações, fundações e pessoas jurídicas de direito público. c) Contrapartida: A participação máxima do BNDES nos itens financiáveis dos projetos é de 80%, podendo ser ampliada para 100% nos seguintes casos: O cliente que tenha arcado com os custos referentes à aquisição do terreno destinado ao referido projeto, 180 dias anteriores à data de protocolo da consulta prévia no BNDES; e Esteja contemplada uma solução de tratamentos dos resíduos, como compostagem,

179 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 179 mass burning, aproveitamento energético, plantas de blendagem de resíduos, transformação de resíduos em matéria-prima, dentre outros. d) Condições financeiras Quadro 53 Condições financeiras BNDES Custos Financeiros Apoio direto (*) Apoio indireto (**) a) Custo financeiro (***) TJLP TJLP b) Remuneração básica do BNDES 0,9% a.a. 0,9 % a.a. c) Taxa de intermediação financeira (****) - 0,5 % d) Taxa da instituição financeira credenciada - (*****) e) Taxa de risco de crédito (******) Até 3,57 % a.a. (*) Operação feita diretamente com o BNDES; (**) Operação feita por meio de instituição financeira credenciada; (***) Calculada com base na meta de inflação para o ano seguinte e mais um prêmio de risco; (****) Somente para grandes empresas. As MPEM s estão isentas; (*****) Negociada pelo cliente junto à instituição financeira credenciada; e (*****) Varia de acordo com o risco de crédito do cliente; e de 1% a. a. para Administração Pública Direta dos Estados e Municípios Ministério da Justiça O Ministério da Justiça por meio do Conselho Federal Gestor do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDDD), seleciona, por meio de edital, projetos das áreas de meio ambiente, proteção e defesa do consumidor e promoção e defesa da concorrência, patrimônio cultural brasileiro e outros direitos difusos e coletivos. Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDDD) O FDDD foi criado pela Lei Federal nº 7.347/1985, denominada Lei da Ação Civil Pública, e é constituído primordialmente por recursos financeiros de condenações judiciais e multas resultantes das lesões ao meio ambiente, ao consumidor, à ordem econômica e a outros interesses difusos e coletivos. As entidades poderão apresentar projetos visando a recuperação do bem ambiental lesado, promoção de eventos educativos e científicos ou edição de material informativo especificamente relacionado com a natureza das infrações ou danos causados ao meio ambiente e a outros direitos difusos. a) Público alvo: O público alvo são as instituições governamentais da administração direta ou indireta, nas diferentes esferas do governo federal, estadual e municipal, e organizações não governamentais brasileiras, sem fins lucrativos e que tenham em seus estatutos objetivos

180 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 180 relacionados à atuação no campo do meio ambiente, do consumidor, de bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico ou paisagístico e por infração à ordem econômica. b) Finalidade: A finalidade deste fundo reside na reparação dos danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico, paisagístico, bem como aqueles ocasionados por infração à ordem econômica e a outros interesses difusos e coletivos. Serão apoiados projetos de manejo e gestão de resíduos sólidos que incentivem o gerenciamento dos resíduos sólidos em áreas urbanas e rurais, contribuam para a implantação de políticas municipais ambientalmente corretas ou que promovam ações de redução, reutilização e reciclagem do lixo. c) Contrapartida: A contrapartida é um requisito indispensável para a aprovação dos projetos e poderá se dar em forma de prestação pecuniária e/ou bens e serviços mensuráveis economicamente. O percentual da contrapartida decorrerá da Lei de Diretrizes Orçamentárias, podendo ser alterada anualmente, de acordo com a legislação em vigor à época da celebração do convênio. d) Encaminhamento: Os procedimentos e diretrizes técnicas para a apresentação e análise de projetos serão direcionados ao Conselho Federal Gestor do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (CFDD), criado através da Lei nº 9.008/1995, órgão vinculado ao Ministério da Justiça e criado para gerir o FDDD. Para receber apoio financeiro do fundo é necessário apresentar carta-consulta, conforme modelo e procedimentos divulgados pelo Ministério da Justiça. As entidades contempladas atuam diretamente na defesa dos direitos difusos, como a preservação e recuperação do meio ambiente, a proteção e defesa do consumidor, a promoção e defesa da concorrência, a conservação do patrimônio cultural brasileiro, prevenção de trabalho escravo, promoção da igualdade racial, entre outros FONTES DO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO seguir. As fontes de financiamento do governo do Estado do Rio de Janeiro são descritas a

181 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FUNDRHI) A Política Estadual de Recursos Hídricos, instituída por meio da Lei nº 3.239/1999, autorizou a criação do FUNDRHI, de natureza e individualização contábeis, vigência ilimitada, destinado a desenvolver os programas governamentais de recursos hídricos. O FUNDRHI é destinado ao financiamento da implementação dos instrumentos de gestão de recursos hídricos no domínio do Estado do Rio de Janeiro, desenvolvimento das ações, programas e projetos de recuperação, decorrentes dos planos de bacia hidrográfica e dos programas governamentais de recursos hídricos que mantenham a compatibilização entre os usos múltiplos e competitivos da água. As principais fontes de receitas do FUNDRHI têm sido a cobrança pelo uso de recursos hídricos e o repasse da compensação financeira sobre a geração de energia nas bacias hidrográficas do estado. Entre as outras fontes de recursos possíveis estão as dotações do Orçamento Geral do estado, da União ou dos municípios; multas decorrentes de ações sobre uso de recursos hídricos ou entorno, e parcelas de cobranças de passivos ambientais referentes aos recursos hídricos. De acordo com o artigo 5º do Decreto Estadual nº /2003, os valores arrecadados com a cobrança pelos usos de recursos hídricos sujeitos à outorga, inscritos com receita do FUNDRHI, serão aplicados na região ou na bacia hidrográfica em que foram gerados, e utilizados em: I - financiamento de estudos, programas, projetos e obras incluídos nos respectivos PBHs, inclusive para proteção de mananciais ou aquíferos; II - custeio de despesas de operação e expansão da rede hidrometeorológica e de monitoramento da qualidade de água, de capacitação de quadros de pessoal em gerenciamento de recursos hídricos e de apoio à instalação do CBH; III - pagamento de perícias realizadas em ações civis públicas ou populares, cujo objeto seja relacionado à aplicação desta lei e à cobrança de passivos ambientais, desde que previamente ouvido o respectivo CBH; Parágrafo único - As despesas previstas nos incisos I e II deste artigo, estarão limitadas a 10% (dez por cento) do total arrecadado. Além disso, os recursos do FUNDRHI poderão ser aplicados como empréstimos sem retorno, na forma de contrapartida em investimento, ou com empréstimo com condições financeiras determinadas, conforme decisão dos CBHs, em programas, projetos, obras e ações que alterem a qualidade, quantidade ou regime de vazão de um corpo de água.

182 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ FECAM Como visto nos investimentos, o FECAM foi criado pela Lei Estadual nº 1.060/1986, com o objetivo de atender às necessidades financeiras de projetos e programas ambientais e de desenvolvimento urbano em consonância com o disposto no parágrafo 3º do artigo 263 da Constituição Estadual do Rio de Janeiro. Os recursos do FECAM, cerca de R$ 300 milhões/ano, são oriundos, dentre outros, de 5% dos royalties do petróleo, atribuídos ao Estado do Rio de Janeiro, bem como do resultado de multas administrativas aplicadas e condenações judiciais por irregularidade constatadas pelos órgãos fiscalizadores do meio ambiente Recursos próprios do município Os recursos próprios do município provêm da geração de recursos tarifários e são compostos por receitas menos despesas para: Investimentos diretos; Contrapartidas de financiamentos; Reposição do parque produtivo; Garantias financeiras de financiamentos; Recursos orçamentários municipais. Prevê-se que esses recursos são gerados internamente através da cobrança de tarifa de exploração dos sistemas. Tarifas com nível suficiente para cobertura das despesas de operação, manutenção, comercialização e administração; Eficiência operacional, administrativa e comercial OUTRAS FONTES A seguir são descritas outras fontes que viabilizam os financiamentos Financiamentos internacionais Obtenção de financiamentos junto às organizações internacionais através de empréstimos oriundos de entidades multilaterais de crédito, como:

183 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 183 Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID); Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD); Banco Japonês de Cooperação Internacional (JBIC). Em geral, as condições financeiras, em termos de taxa de juros, são mais favoráveis se comparadas aos empréstimos do mercado nacional, porém, o acesso é limitado a grandes empreendimentos e sujeitos a riscos cambiais Participação do capital privado Nas parcerias firmadas entre o poder público e a iniciativa privada, definidas no item 7, existem diversas formas de financiamento que a seguir são elencadas. a) Parceria Público-Privada (PPP) Definida como um contrato administrativo de concessão de serviços públicos regula-se pela Lei Federal nº /2004. Possui dois tipos de modalidades: a chamada patrocinada e a administrativa. A PPP, na modalidade concessão patrocinada é uma concessão de serviços em que há patrocínio público à iniciativa privada. Geralmente, os investimentos privados são financiados via BNDES, tesouro nacional, a juros baixos. A PPP na modalidade administrativa, o parceiro privado será remunerado unicamente pelos recursos públicos orçamentários. Os contratos de PPPs constituem mecanismo de alavancagem de recursos para projetos de infraestrutura de interesse social por meio de investimentos privados, especialmente para entes federativos com maiores restrições orçamentárias. b) Build-Own-Transfer (BOT), Build-Transfer-Operate (BTO) e Build-Own-Operate (BOO) Os contratos conhecidos como BOT, BTO e BOO são utilizados para a obtenção de recursos privados para a construção de um novo sistema, como, por exemplo, estações de tratamento de água ou esgoto (SAVAS, 2000: ). No caso de BOT, a empresa constrói, com recursos próprios, uma infraestrutura, e a opera por determinado período. Somente depois desse prazo, a propriedade é transferida para a administração pública. Um traço característico da BOT é a alocação do risco comercial junto ao poder público. Assim, ainda que parcela da remuneração do contratado seja atrelada à arrecadação de tarifas, o governo compromete-se a adquirir ao menos uma

184 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 184 quantidade mínima de serviço, o que significa a garantia de um piso de remuneração para a empresa (PLUMMER e GENTRY, 2002: 201; SILVA, TYNAN e YILMAZ, 1999: 10). Os contratos de BTO e BOO são variações do BOT. Pelo contrato de BTO, o contratado financia e constrói a nova estrutura e imediatamente a transfere para o poder público, que, em seguida, a aluga para o contratado. A principal diferença no caso do BOO é a manutenção da propriedade privada sobre o sistema construído. Todavia, como a operação do sistema, ainda que privado, requer algum tipo de licença ou franquia por parte do poder público, a atividade poderá ser interrompida por ato do governo, que em seguida expropriará, mediante indenização, a infraestrutura. Assim, a diferença entre o BOO e outro modelo que imponha um prazo determinado para sua extinção na prática não é tão significativa (SAVAS, 2000: 247). c) Concessões Os contratos de concessão transferem para o contratado toda a operação e manutenção do sistema e a responsabilidade de realizar os investimentos necessários por determinado período, durante o qual a empresa será remunerada por meio da cobrança de tarifas dos usuários. O poder público define regras sobre a qualidade dos serviços e composição das tarifas. Normalmente, a concessão tem por objeto a operação de um sistema já existente, sendo necessários, todavia, investimentos significativos para sua expansão ou reforma. O risco comercial nos casos de concessão, portanto, é suportado pelo contratado, e pode ser particularmente alto nos casos de instabilidade do câmbio. Como a tarifa é a principal forma de remuneração do contratado, sua composição e monitoramento são elementos centrais nos contratos de concessão. Aqui, vale destacar que os contratos de concessão requerem capacidade e constante compromisso por parte do poder público no monitoramento e controle de sua implementação Proprietário de imóvel urbano - Contribuição de melhoria e plano comunitário de melhoria A contribuição de melhoria e o plano comunitário de melhoria são alternativas até então pouco utilizadas, de financiamento dos investimentos em infraestrutura urbana, aplicável para áreas urbanas já ocupadas que não dispõem destes serviços. A contribuição de melhoria é uma espécie do gênero tributo vinculado a uma atuação estatal, qual seja, a construção de obra pública que acarrete valorização imobiliária ao patrimônio do particular, desta forma, é um tributo decorrente de obra pública que gera

185 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 185 valorização em bens imóveis do sujeito passivo. A realização de obras públicas, em regra, gera um efeito específico notável: determina o incremento no valor dos imóveis adjacentes e vizinhos. A hipótese de incidência da contribuição de melhoria é a construção de obra pública que acarrete valorização imobiliária ao patrimônio do particular. Sob este aspecto, o Código Tributário Nacional prescreve: Art. 81. A contribuição de melhoria cobrada pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, no âmbito de suas respectivas atribuições, é instituída para fazer face ao custo de obras públicas de que decorra valorização imobiliária, tendo como limite total a despesa realizada e como limite individual o acréscimo de valor que da obra resultar para cada imóvel beneficiado. A realização de obras públicas, em regra, gera um efeito específico notável: determina o incremento no valor dos imóveis adjacentes e vizinhos. Esta valorização é algo de novo, que aconteceu como repercussão da obra, não se confunde com a obra, mas é efeito seu. É o fruto da combinação da obra com algo já existente, os imóveis que lhe são avizinhados. A Contribuição de Melhoria prevista na Constituição Federal/1988 no artigo 145, inciso I e regulamentada pelo Decreto-Lei nº 195/1967, tem como fato gerador o acréscimo do valor do imóvel localizado nas áreas beneficiadas direta ou indiretamente por obras públicas, e será devida quando ocorrer as hipóteses elencadas nos incisos do artigo 2º daquele decreto, ou seja, quando sobreviver qualquer das seguintes obras públicas: I - abertura, alargamento, pavimentação, iluminação, arborização, esgotos pluviais e outros melhoramentos de praças e vias públicas; II - construção e ampliação de parques, campos de desportos, pontes, túneis e viadutos; III - construção ou ampliação de sistemas de trânsito rápido inclusive todas as obras e edificações necessárias ao funcionamento do sistema; IV - serviços e obras de abastecimento de água potável, esgotos, instalações de redes elétricas, telefônicas, transportes e comunicações em geral ou de suprimento de gás, funiculares, ascensores e instalações de comodidade pública; V - proteção contra secas, inundações, erosão, ressacas, e de saneamento de drenagem em geral, diques, cais, desobstrução de barras, portos e canais, retificação e regularização de cursos d água e irrigação; VI - construção de estradas de ferro e construção, pavimentação e melhoramento de estradas de rodagem; VII - construção de aeródromos e aeroportos e seus acessos; VIII - aterros e realizações de embelezamento em geral, inclusive desapropriações em desenvolvimento de plano de aspecto paisagístico. No cenário atual, a contribuição de melhoria é aplicada nas obras de pavimentação em diversos municípios do Brasil, sedimentando a eficácia da sua aplicação. O artigo 2, inciso V do decreto supra citado traz a previsão de obras na área de saneamento e drenagem em geral.

186 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 186 Nos últimos anos, alguns municípios estão implementando o plano comunitário de melhoria. Sua principal diferença em relação à contribuição de melhoria é que o plano comunitário de melhoria é um instrumento instituído pelo direito privado, por meio do qual contratante e contratado firmam um contrato, ou seja, é um acordo entre as partes. O plano comunitário de melhoria é um instrumento jurídico idealizado para viabilizar a execução de obras e melhoramentos públicos de interesse do município e da comunidade, da qual participam a prefeitura municipal, os munícipes interessados na melhoria, empreiteira responsável pela obra e banco, como agência financeira. Nesta modalidade, a prefeitura se responsabiliza por definir os padrões técnicos de obras desejáveis em sua circunscrição, e em seguida, se encarrega de iniciar um processo licitatório para que empresas se cadastrem e concorram pelo direito de executar determinada obra. O cadastramento contém aspectos prevendo tipo de obra, preço, forma de cálculo, parcelamento, taxas de juros, dentre outros elementos. Em seguida as empresas cadastradas, podem, de acordo com o estabelecido, procurar adesões dos munícipes nas áreas específicas para o início dos trabalhos. Na maioria dos lugares, quando as empresas conseguem 70% de adesão, iniciam-se as obras. Neste caso, a prefeitura pode estipular via legislação específica e garantia orçamentária, que será responsável por 30% do custo da obra. Deste modo, o poder público é responsável pelo pagamento de 30% do valor da obra, e os munícipes, através de contratos privados e individuais junto a uma empresa privada ou banco, enquanto agência financeira responsabilizam-se pelos outros 70%. No caso de não pagamento, a tramitação jurídica é entre as partes envolvidas, empreiteira e munícipe. Tanto a contribuição de melhoria quanto o plano comunitário de melhoria são amplamente utilizados para pavimentação, drenagem, esgotamento e saneamento básico e iluminação pública Expansão urbana Com a criação da Lei Federal nº 6.766/1979, que regulamenta o parcelamento do solo urbano, foi transferido para o loteador/empreendedor na implantação de loteamentos, conjuntos habitacionais e loteamentos sociais, a responsabilidade pela construção da infraestrutura de saneamento, basicamente redes e ligações e, em certos casos, unidades de produção/tratamento. Os projetos de loteamento são aprovados pelo estado e pela municipalidade, em suas diversas secretarias como: planejamento, obras, saneamento, trânsito, meio ambiente e outras.

187 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 187 Para que a prefeitura municipal autorize o início das obras, é solicitada ao loteador uma garantia real, nos termos da lei, a favor do município, que garante a execução das obras no prazo estipulado. Na hipótese do não cumprimento por parte do loteador, quanto ao término das obras, a garantia é exercida para que seja cumprida a entrega. Para a entrega definitiva do loteamento todas as obras exigidas e aprovadas pela prefeitura municipal têm que estar concluídas e aceitas por todas as secretarias supracitadas. Após o recebimento definitivo do loteamento, o poder público passa a assumir a responsabilidade pela operação e manutenção da infraestrutura e serviços públicos implantados Recursos oriundos da cobrança pelo uso da água, Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (CEIVAP) A cobrança pelo uso da água é um dos instrumentos previstos na Lei Federal nº 9.433/1997 que institui a Política Nacional de Recursos Hídricos. O objetivo deste instrumento é estimular o uso racional da água e gerar recursos financeiros para investimentos na recuperação e preservação dos mananciais da região. A cobrança não é um imposto, mas um preço público condominial, fixado a partir de um pacto entre usuários, poder público e sociedade civil, no âmbito do Comitê de Bacia Hidrográfica. A Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul está inserida em três dos mais importantes estados brasileiros; Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, abrangendo 184 municípios. Atende aproximadamente 8,9 milhões de pessoas, incluindo a população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro através da transposição das águas do Rio Paraíba do Sul para o Ribeirão das Lajes, localizado na Região de Piraí. O Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (CEIVAP) foi criado em 1996, a fim de articular a gestão dos recursos hídricos e implementar a Política Nacional de Recursos Hídricos, integrando as diferentes realidades existentes na bacia. Entre as suas diversas atribuições, o comitê de bacia deve, principalmente, promover ações relacionadas aos recursos hídricos, tais como, arbitrar em primeira instância a respeito dos conflitos, sugerir mecanismos de cobrança pelo seu uso e estabelecer valores a serem cobrados. Para promover a aplicação desses recursos financeiros torna-se necessário seguir uma diretriz, isto é, um planejamento que avalie as restrições e as potencialidades dos recursos hídricos na bacia. Este planejamento é encontrado no Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul.

188 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 188 Nesse plano encontram-se as diretrizes para a implementação de programas e projetos na área da bacia com proposições de ações e metas de curto, médio e longo prazo, visando à conservação, proteção e recuperação não só de suas águas, mas do meio ambiente como um todo. Os recursos financeiros oriundos da cobrança pelo uso da água são repassados ao comitê através de entidades delegatárias que exercem as funções de agência de bacia, conforme a Lei Federal nº , de 09 de junho de A agência delegatária do CEIVAP é a Associação Pró Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (AGEVAP). A agência operacionaliza as decisões do comitê e aplica os recursos financeiros provenientes da cobrança pelo uso da água, arrecadados pela Agência Nacional de Águas (ANA). Os recursos arrecadados são aplicados em prol da gestão integrada de recursos hídricos, visando à recuperação e proteção da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, em atendimento ao seu plano de recursos hídricos. Cabe ao CEIVAP determinar a forma de aplicação destes recursos financeiros.

189 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ CONTROLE SOCIAL A Lei nº /2007 define controle social como o conjunto de mecanismos e procedimentos que garantem à sociedade informações, representações técnicas e participações nos processos de formulação de políticas, de planejamentos e de avaliação relacionados aos serviços públicos de saneamento básico. Diante disto, foram realizadas duas oficinas com a participação efetiva da sociedade para a elaboração do PMSB. As duas oficinas realizadas no município foram denominadas Oficina 1 Leitura Comunitária e Oficina 2 Visão de Futuro SEMINÁRIO LOCAL OFICINA 1 LEITURA COMUNITÁRIA A Oficina 1 trata da Leitura Comunitária em sua forma essencial: a efetiva participação da comunidade na construção do PMSB, a partir de experiências vividas, memórias e conhecimentos. É a leitura clara do diagnóstico a partir da percepção pessoal. A seguir é apresentado um resumo dos principais pontos abordados pela comunidade, tanto positivos como negativos quanto o saneamento básico do município de Paty do Alferes. Detalhes da Oficina 1 encontram-se no Apêndice C SEMINÁRIO LOCAL OFICINA 2 VISÃO DE FUTURO A Oficina 2 da Visão de Futuro, define o que a cidade pretende ser no futuro. Ela incorpora as ambições e aspirações da população e descreve o quadro futuro que se deseja atingir. Teve por objetivo criar um clima de envolvimento e comprometimento com o futuro do município, definindo como se deseja que a cidade seja vista e reconhecida; onde se almeja colocar a cidade; como incorporar as inovações necessárias para atender a visão. O resultado da Oficina de Visão de Futuro indica os caminhos desejados para o município, definindo o cenário ideal em relação ao saneamento básico. Para que o objetivo e a visão sejam alcançados, a população tem consciência que deverão ser executadas uma série de ações. Detalhes da Oficina 2 encontram-se no Apêndice D.

190 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ CARACTERIZAÇÃO REGIONAL A caracterização regional, no caso da Região Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul (RHMPS), é definida como uma visão das especificidades locais existentes no meio, fundamental para que se possa entender os diversos componentes físicos, bióticos e antrópicos e suas possíveis interações. Destaca-se a forma como são prestados os serviços de saneamento. Gestão dos recursos hídricos O Sistema Nacional de Recursos Hídricos, instituído pelas Leis Federais nº 9.433/1997 e nº 9.984/2000, introduziu novos atores no cenário institucional brasileiro, no contexto da gestão dos recursos hídricos, sendo: Comitês de Bacia - fóruns democráticos para os debates e decisões sobre as questões relacionadas ao uso das águas da bacia. Agências de Bacia - braço executivo do Comitê ou mais de um Comitê que recebe e aplica os recursos arrecadados com a cobrança pelo uso da água na bacia, conforme na jurisdição pública federal. Agência Nacional de Águas, autarquia especial vinculada ao Ministério do Meio Ambiente (MMA). Assumiu as funções de órgão gestor e regulador dos recursos hídricos de domínio da União, anteriormente exercida pela Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do MMA. Na Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, a principal instância institucional de planejamento e gestão dos recursos hídricos é o Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (CEIVAP). O CEIVAP foi criado pelo Decreto Federal nº 1.842/1996, posteriormente alterado pelo Decreto Federal nº 6.591/2008, e tem como missão promover a gestão integrada dos recursos hídricos da bacia hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, articulando políticas públicas setoriais correlatas e integrando o planejamento das ações das instâncias do sistema de gerenciamento da bacia. Atualmente sua gestão abrange 184 cidades, sendo 88 no Estado de Minas Gerais, 57 no Estado do Rio de Janeiro e 39 no Estado de São Paulo.

191 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 191 O arranjo institucional interno da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul conta também com vários organismos de bacias (Figura 48), originários de um processo intenso de mobilização em torno de suas águas. Trata-se de processo complexo, em grande parte, em razão da dupla dominialidade que impõe a coabitação, na bacia, de quatro sistemas distintos de gestão: sistema nacional e dos estados de São Paulo, de Minas Gerais e do Rio de Janeiro. Nesse contexto o papel de integração do CEIVAP mostra sua importância. Figura 48 Comitês de bacia do Rio Paraíba do Sul Fonte: Relatório de Situação da Região Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul, A Região Hidrográfica Médio Paraíba do Sul - RHMPS, objeto desse estudo, é constituída pela bacia do Rio Preto e pelas bacias dos rios afluentes do curso médio superior do Rio Paraíba do Sul, no Estado do Rio de Janeiro. Conforme a Resolução CERHI-RJ nº 107/2013, trata-se da RH-III e abrange integralmente os municípios de Barra Mansa, Comendador Levy Gasparian, Itatiaia, Pinheiral, Porto Real, Quatis, Resende, Rio das Flores, Valença e Volta Redonda; assim como, parcialmente, os municípios de Barra do Piraí, Mendes, Miguel Pereira, Paraíba do Sul, Paty do Alferes, Piraí, Rio Claro, Três Rios e Vassouras (Quadro 54).

192 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 192 Quadro 54 Municípios integrantes da RHMPS Municípios da RHMPS Totalmente Parcialmente 1 Barra Mansa 11 Barra do Piraí 2 Comendador Levy Gasparian 12 Mendes 3 Itatiaia 13 Miguel Pereira 4 Pinheiral 14 Paraíba do Sul 5 Porto Real 15 Paty do Alferes 6 Quatis 16 Piraí 7 Resende 17 Rio Claro 8 Rio das Flores 18 Três Rios 9 Valença 19 Vassouras 10 Volta Redonda Fonte: Resolução CERHI-RJ nº 107/2013. De uma maneira geral, a região hidrográfica do Médio Paraíba do Sul apresenta uma disponibilidade hídrica adequada para as suas demandas, mesmo que a oferta passe por períodos críticos, como em 2014/15, ou até eventos de cheias históricas como em Logo, trata-se de gerir adequadamente os recursos hídricos para que não falte, o que necessariamente passa por uma gestão moderna e afinada dos serviços de saneamento da região. Figura 49 Região Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul Fonte: INEA, adaptado.

193 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 193 Meio físico A Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul possui área de drenagem com cerca de km2, compreendida entre os paralelos 20o26 e 23o00 e os meridianos 41o00 e 46o30 oeste de Greenwich. Estende-se pelos estados de São Paulo ( km²), do Rio de Janeiro ( km2) e Minas Gerais ( km2) (COPPETEC, 2007). A área da bacia corresponde a 0,7% da área do país e, aproximadamente, a 6% da região sudeste do Brasil. No Rio de Janeiro, a bacia abrange 63% da área total do estado; em São Paulo, 5% e em Minas Gerais, apenas 4%. A bacia do Rio Paraíba do Sul é limitada ao norte pelas bacias dos rios Grande e Doce e pelas serras da Mantiqueira, Caparaó e Santo Eduardo. A nordeste, a Bacia do Rio Itabapoana estabelece o limite da bacia. Ao sul, o limite é formado pela Serra dos Órgãos e pelos trechos paulista e fluminense da Serra do Mar. A oeste, pela Bacia do Rio Tietê, da qual é separada por meio de diversas ramificações dos maciços da Serra do Mar e da Serra da Mantiqueira. Figura 50 Localização da Bacia Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul Fonte: ANA, O Rio Paraíba do Sul é formado pela união dos Rios Paraibuna e Paraitinga, e o seu comprimento, calculado a partir da nascente do Paraitinga, é de mais de km. Entre os principais formadores da margem esquerda destacam-se os rios Paraibuna mineiro, Pomba,

194 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 194 Muriaé. Na margem direita os afluentes mais representativos são os rios Piraí, Piabanha e Dois Rios. O clima da bacia hidrográfica do Paraíba do Sul é caracterizado como subtropical quente, com temperatura média anual oscilando entre 18ºC e 24ºC. As máximas precipitações ocorrem nas cabeceiras mineiras da bacia e nos pontos mais altos das serras do Mar e Mantiqueira, chegando a valores de mm/ano. O período de verão é caracterizado como chuvoso com precipitação acumulada entre 200 e 250 mm/mês, nos meses com máxima precipitação (dezembro e janeiro), enquanto que no inverno temos o intervalo entre os meses de maio a julho o período mais seco, com precipitação acumulada inferior a 50 mm/mês (MARENGO & ALVES, 2005). Na região ocorrem temperaturas mais elevadas que geram um maior consumo de água, mas ao mesmo tempo, favorecem a implantação de processos biológicos de tratamento de esgotos. O regime de chuvas, muito concentrado no verão, com intensidades elevadas em curto espaço de tempo, pode ocasionar um escoamento superficial significativo. Esse fato, normalmente, exige a implantação de uma infraestrutura de drenagem de grande porte, que permanece ociosa na estação de estiagem. Analisando a série histórica de vazão do Rio Paraíba do Sul, registrada no posto fluviométrico operado pela Light (Estação ), próximo ao exutório da sub-bacia do Médio Paraíba do Sul, verificam-se vazões médias oscilando de 104, 29 m3/s a 602,36 m3/s entre os anos de 2010 a A figura a seguir apresenta as vazões média, mínima e máxima da série histórica consultada. Notam-se os picos de vazão no verão (dezembro a março) ocasionados pelo aumento da precipitação. A descontinuidade das linhas ocorre em função da ausência de dados em alguns meses da série histórica.

195 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 195 Figura 51 Vazões do Rio Paraíba do Sul no posto fluviométrico operado pela Light. 01/01/ /03/ /05/ /07/ /09/ /11/ /01/ /03/ /05/ /07/ /09/ /11/ /01/ /03/ /05/ /07/ /09/ /11/2012 Maxima Minima Media Fonte: ANA, Essas vazões indicam significativa disponibilidade hídrica, responsável por ser o principal manancial do estado do Rio de Janeiro. Apesar dessa disponibilidade, gerir os recursos hídricos com afinco é tarefa imprescindível para que haja continuidade ao abastecimento público, prestado de forma eficiente, incluindo um programa contínuo de redução de perdas. Meio biótico O Estado do Rio de Janeiro é o que apresenta a maior extensão total de remanescentes florestais na Bacia do Paraíba do Sul. Os municípios da região hidrográfica do Médio Paraíba que contém as maiores áreas florestais, com mais de ha são: Resende e Valença. O município de Rio Claro também possui uma grande área florestal, porém grande parte localizada em áreas da Bacia do Rio Guandu. Outros municípios como Pinheiral e Miguel Pereira contam com menos de ha de florestas. Na faixa de 5% e 10% de território florestado, situam-se os seguintes municípios: Volta Redonda (9%), Vassouras e Rio das Flores com 7% cada um, Piraí e Barra Mansa com 5,5% cada um, todos apresentando mais de ha de florestas. Entre 10 a 15% de área florestada encontram-se os municípios de Barra do Piraí (15%), Engenheiro Paulo de Frontin (12%) e Valença (12%) (COPPETEC, 2006).

196 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 196 A cobertura pela vegetação tem um papel relevante quanto à proteção de mananciais e manutenção da capacidade de produção hídrica e por isso requer atenção específica neste trabalho. O Quadro 55, mostra para os municípios da região hidrográfica do Médio Paraíba do Sul, as áreas referentes de acordo com o tipo de cobertura vegetal e uso do solo.

197 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 197 Quadro 55 Cobertura vegetal e uso do solo nos municípios localizados na área de atuação da sub bacia do Médio Paraíba do Sul (em hectares) Município Floresta Ombrófila Floresta Estacional Vegetação Secundária Campo/ Pastagem Área Agrícola Reflorestamento Área Urbana Outros Barra do Piraí Barra Mansa C. Levy Gasparian ND ND ND ND ND ND ND ND Itatiaia Mendes Miguel Pereira Paraíba do Sul ND ND ND ND ND ND ND ND Paty do Alferes ND ND ND ND ND ND ND ND Pinheiral Piraí Porto Real Quatis Resende Rio Claro Rio das Flores Três Rios ND ND ND ND ND ND ND ND Valença Vassouras Volta Redonda Total Fonte: Caderno de Ações Área de Atuação do Médio Paraíba do Sul (CEIVAP).

198 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 198 A preservação e a conservação da vegetação são imprescindíveis para que aconteça a recarga dos aquíferos e a perenização dos cursos d água da região hidrográfica do Médio Paraíba do Sul. Na situação ideal, a todo manancial superficial se deveria encontrar uma área de preservação ambiental, garantindo a qualidade e a quantidade das águas captadas. No entanto, essa é uma realidade a perseguir, pois na bacia são poucos mananciais que tenham ao menos parte da sua superfície como área de proteção. Meio socioeconômico A Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul possui uma população de habitantes (IBGE 2010), sendo mais de 2,5 milhões no Estado do Rio de Janeiro (Quadro 56). Soma-se à população residente na bacia, cerca de 10 milhões de habitantes da região metropolitana do Rio de Janeiro, que se abastecem das águas transpostas do Rio Paraíba do Sul na altura da seção em Barra do Piraí. Apesar de representar somente 0,7% do território brasileiro e 6% da Região Sudeste, a Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul compreende uma das áreas mais industrializadas do país; responsável por cerca de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, os dados do censo de 2010 demonstram que é na atividade industrial e de serviços que se concentram hoje mais de 85% da economia da região, como se observa na Figura 52. Quadro 56 Estimativa da evolução da população urbana na Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul Estado Anos 2000 (Censo) Minas Gerais São Paulo Rio de Janeiro Total Fonte: Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul, e Censo 2010-IBGE.

199 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 199 Figura 52 - Distribuição setorial e estadual do PIB na Bacia do Rio Paraíba do Sul Fonte: IBGE, PIB Agropecuári a (em mil R$) PIB Indústria (em mil R$) PIB Serviços (em mil R$) PIB Impostos (em mil R$) São Paulo Minas Gerais Rio de Janeiro As informações evidenciam a importância da Bacia do Rio Paraíba do Sul para o Estado do Rio de Janeiro e, consequentemente, para os municípios que se distribuem em seu território. Mais especificamente na sub-bacia do Médio Paraíba do Sul, os 19 municípios que a integram somam uma população total de habitantes, de acordo com a estimativa do IBGE de O Quadro 57 apresenta a população total dos municípios localizados na área de abrangência da sub-bacia Médio Paraíba do Sul.

200 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 200 Quadro 57 População dos municípios integrantes da RHMPS População dos municípios da RHMPS Nº Totalmente Total Urbana % PU/PT Rural % PU/PT PTA 1 Barra Mansa , , Comendador Levy Gasparian , , Itatiaia , , Pinheiral , , Porto Real , , Quatis , , Resende , , Rio das Flores , , Valença , , Volta Redonda , , Nº Parcialmente Total Urbana % Rural % PPA 11 Barra do Piraí , , Mendes , , Miguel Pereira , , Paraíba do Sul , , Paty do Alferes , , Piraí , , Rio Claro , , Três Rios , , Vassouras , , População Total , , População da Região Hidrográfica ,95% População total do Estado - RJ ,38% Nota: PU População Urbana; PT População Total; PTU População Totalmente Abrangida. Fonte: Vallenge, 2014 Na RHMPS encontram-se os melhores percentuais de cobertura florestal e de extensão de florestas, em relação à média do Estado, principalmente nas sub-bacias dos rios Piraí e Pirapetinga, cuja nascente localiza-se no Maciço do Itatiaia. Por outro lado, observam-se em áreas urbanas e rurais, processos erosivos relevantes decorrentes dos diversos ciclos econômicos, destacando o ciclo ligado à cultura do café, e da falta recuperação, preservação e conservação do solo pelas autoridades competentes. A falta de sistema de esgotamento sanitário completo, de implantação de drenagem urbana e mesmo de aterros sanitários adequados, praticamente em todos os municípios desse trecho da bacia também, contribui para a degradação ambiental e da qualidade da água do Rio Paraíba do Sul. A elaboração dos PMSBs visa contribuir para delinear por meio do planejamento os investimentos necessários para superar esse cenário.

201 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 201 Na região se encontra ainda, o segundo maior parque industrial da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, com destaque à Companhia Siderúrgica Nacional em Volta Redonda. O PIB dos municípios da sub-bacia do Médio Paraíba do Sul é apresentado no Quadro 58. Nota-se que os setores de serviços e indústria concentram os maiores rendimentos. Na figura 53 é feita uma representação da gráfica do PIB per capita da Região Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul com destaque para o município de Porto Real. Quadro 58 Valores do PIB dos municípios da RHMPS População dos municípios da RHMPS PIB Nº Totalmente Total Agropecuário em mil (R$) Industria em mil (R$) Serviços em mil (R$) Impostos em mil (R$) PIB per capita 1 Barra Mansa Comendador Levy Gasparian Itatiaia Pinheiral Porto Real Quatis Resende Rio das Flores Valença Volta Redonda Nº Parcialmente Total 11 Barra do Piraí Mendes Miguel Pereira Paraíba do Sul Paty do Alferes Piraí Rio Claro Três Rios Vassouras População Total Fonte: Elaborado pelo autor, 2014.

202 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 202 Figura 53 - Representação gráfica por município do PIB per capita da RHMPS Fonte: Elaborado pelo autor, Destaca-se também na sub-bacia a existência da elevatória de Santa Cecília, localizada no Rio Paraíba do Sul em Barra do Piraí, responsável pela derivação de uma vazão de até 160 m 3 /s para geração de energia pelo Sistema Light. Essa vazão, posteriormente, atinge a bacia do Rio Guandu e é utilizada pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE) para o abastecimento de cerca de 10 milhões de pessoas da região metropolitana do Rio de Janeiro. A partir dessa secção de captação, o Rio Paraíba do Sul passa a contar com uma menor vazão média. Este engenhoso esquema de transposição das águas da Bacia do Rio Paraíba do Sul para a do Rio Guandu, iniciado no início do século XX, atualmente viabiliza a geração de energia elétrica, por intermédio de uma série de usinas hidrelétricas, que aproveitam uma queda da ordem de 300 m na vertente atlântica da Serra do Mar, assim como a implantação na Bacia do Rio Guandu de diversos empreendimentos, tais como: captação da CEDAE, a Usina Termelétrica (UTE) de Santa Cruz, a Companhia Siderúrgica da Guanabara Gerdau/Cosigua, várias indústrias e ainda outras usinas termelétricas para refrigeração de equipamentos. Pelo exposto, o Rio Paraíba do Sul é o grande fio condutor por onde se articulam os municípios, sendo utilizado muitas vezes como manancial superficial e mesmo como corpo receptor de esgotos sanitários. Outras vezes, são seus contribuintes por qualquer uma das margens utilizados como manancial e corpo receptor, de forma que as consequências desses usos d água acabam tendo influência no próprio Rio Paraíba do Sul. Essas intersecções e interferências são

203 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 203 tratadas adiante, isto é, como as captações e os lançamentos de um município interferem em outros a jusante DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS O saneamento básico engloba o conjunto dos serviços e instalações de abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza urbana ou manejo de resíduos sólidos e drenagem e manejo das águas pluviais urbanas. Quando esses serviços de saneamento são prestados de maneira adequada proporcionam melhor qualidade de vida à população e conservação do meio ambiente. Segundo o Ministério das Cidades (2012), as ações de saneamento são consideradas preventivas para a saúde, quando garantem a qualidade da água de abastecimento, a coleta, o tratamento e a disposição adequada de dejetos humanos. Essas também são necessárias para prevenir a poluição dos corpos de água e a ocorrência de enchentes e inundações. Para que sejam operados de forma adequada, os sistemas de saneamento requerem, além de unidades físicas em si, procedimentos de controle e gestão cada vez mais elaborados, sempre buscando a correta prestação dos serviços e a universalização do atendimento. O diagnóstico regional aqui apresentado visa mostrar como os serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e drenagem urbana de águas pluviais são prestados, descrevendo sucintamente suas características. Arranjo institucional A operação e manutenção dos sistemas de saneamento estão a cargo de diferentes prestadores de serviços, de abrangência local ou regional, de administração pública direta, como as prefeituras municipais; sociedade de economia mista com administração pública, como a CEDAE; e uma empresa privada, como a Concessionária Águas das Agulhas Negras (CAAN) em Resende. No Quadro 59, a seguir, são apresentados os operadores dos serviços em cada um dos municípios.

204 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 204 A CEDAE é a responsável pela operação do SAA em 9 dos 19 municípios da Região Hidrográfica do Médio Paraíba do Sul, porém em alguns municípios, como é o caso de Barra do Piraí, atua somente em alguns distritos. A data de vencimento dos contratos encontra-se indicada no Quadro 59, bem como outras informações sobre a prestação dos serviços de saneamento. Os sistemas de esgotamento sanitário são operados e mantidos majoritariamente pelas prefeituras municipais, sendo que, apenas nas sedes de Piraí e Valença a CEDAE é a responsável por contrato; e na sede de Resende, incluindo o distrito de Agulhas Negras, a CAAN é a responsável. A quantidade de empregados por município é variada, mas não necessariamente proporcional à população atendida. Já o contrato de prestação encontra-se com os prestadores dos serviços, embora não fossem obtidos para alguns dos municípios. Isso mostra a falta de uma gestão adequada, por ter o contrato e acompanhar sua execução por meio de metas, quando existem, é uma das exigências da Lei Federal nº /07. A atividade de planejar os serviços de saneamento básico, nos termos da Lei Federal nº /2007, ainda não existe no contexto local dos municípios do Médio Paraíba do Sul. Foi analisado que poucos municípios na RHMPS possuem um PMSB existentes. Quadro 59 Operadores dos serviços de saneamento dos municípios inseridos na RHMPS Município Barra do Piraí Operador SAA PM CEDAE SAAE Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Operador SES Nº Funcionários Vencimento do contrato de concessão Operador SDU PM para a CEDAE PM Barra Mansa PM PM ND ND PM Com. Levy Gasparian PM PM 15 ND PM Itatiaia PM PM ND ND PM Mendes PM PM 47 ND PM Miguel Pereira CEDAE PM PM Paraíba do Sul CEDAE PM PM Paty do Alferes CEDAE PM 20* ND PM Pinheiral CEDAE PM 18* 2048 PM Piraí CEDAE PM CEDAE PM Porto Real PM PM 44 ND PM Quatis PM PM 14 ND PM Resende CAAN CAAN PM PM Rio Claro CEDAE PM 16* 2038 PM Rio das Flores PM PM 13 ND PM Três Rios PM PM ND ND PM

205 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 205 Valença Município Operador SAA CEDAE Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Operador SES PM CEDAE Nº Funcionários Vencimento do contrato de concessão Operador SDU 48* 2039 PM Vassouras CEDAE PM PM Volta Redonda PM PM ND ND PM Nota: SAA sistema de abastecimento de água; SES sistema de esgotamento sanitário; SDU sistema de drenagem urbana; PM prefeitura municipal; ND não disponível; NA não se aplica. * funcionários do serviço de abastecimento de água. Fonte: Vallenge, 2013; elaborado a partir de informações do SNIS (2012) e dados coletados nos levantamentos de campo Como é comum nos municípios brasileiros, a drenagem e o manejo das águas pluviais urbanas são de responsabilidade da administração direta do município, não ocorrendo a concessão do mesmo. O serviço é gerido pelas prefeituras municipais, mas em geral não existe uma secretaria ou setor específico para tratar das questões relativas à drenagem urbana. Como situação mais comum, a Secretaria de Obras é a responsável pela execução e manutenção das estruturas de drenagem, como sarjetas, bocas de lobo e rede de águas pluviais, e eventualmente pequenas canalizações; e a Defesa Civil atua nos casos de enchentes e desastres naturais, auxiliando as vítimas, como apoio, mas intervindo diretamente em obras e outras medidas. As prefeituras tomaram conhecimento da necessidade de planejamento em saneamento básico conforme a Lei Federal nº /07, ao longo do processo de elaboração dos seus PMSBs. A Lei Federal nº /07 também estabeleceu a necessidade de fiscalização e regulação. As atividades de regulação, entendidas de forma singela, são aquelas que monitoram a prestação dos serviços em dois aspectos: Econômico: inclui o controle dos custos, a contabilidade regulatória, a verificação da eficiência e da modicidade tarifária e a limitação ao abuso econômico. Este último ponto é importante, pois como se trata de um monopólio natural, há necessidade de manter o equilíbrio econômico do contrato. Qualitativo: inclui a verificação dos produtos ofertados, água potável e coleta de esgotos com efluente nos padrões adequados; a verificação da qualidade dos serviços, eficiência, cobertura, regularidade, atendimento ao usuário, conformidade de prazos dos serviços e índices de satisfação.

206 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 206 A fiscalização e o acompanhamento dos serviços são atividades inerentes à regulação e quanto à qualidade dos mesmos, em alguns pontos se confundem. A fiscalização em outras esferas tem vinculação direta ou indireta com a prestação dos serviços. Diretas são as atividades de controle da qualidade da água produzida, nos termos da Portaria de Potabilidade nº 2.914/2011, e o controle dos efluentes de esgotos tratados, regido pela legislação ambiental de esfera federal, e, mais ainda, estadual. As indiretas são o tempo de restabelecimento dos serviços após interrupções, de execução de ligações prediais, entre outros. Em geral é difícil o município ter a sua própria agência reguladora de modo que é comum que façam um convênio com a agência estadual, caso da AGENERSA no estado do Rio de Janeiro. Dos municípios abrangidos nesse plano, somente o Município de Resende possui sua agência reguladora municipal, ainda em processo de consolidação. Verificou-se que praticamente todos os municípios, com exceção de Resende, esperam a conclusão da elaboração dos seus PMSBs para que tenham condições de ampliar e sistematizar os serviços prestados de abastecimento de água, esgotamento sanitário e, drenagem e manejo de águas pluviais urbanas, inclusive definindo como serão feitas a regulação e a fiscalização. Arranjo orçamentário e financeiro As informações orçamentárias e financeiras, incluindo a existência de tarifas e as receitas e despesas dos serviços de saneamento nos municípios é apresentada de forma sintética no Quadro 60 a seguir, a partir das informações do SNIS Em todos os municípios, há cobrança pelo serviço de abastecimento de água com tarifa média variando de R$ 0,18/m³ a R$ 4,06/m³. Já a prestação do serviço de esgotamento sanitário tem cobrança apenas em cinco municípios; Barra do Piraí, Comendador Levy Gasparian, Porto Real, Quatis e Resende. A tarifa média variando de R$ 0,16/m³ a R$ 1,65/m³. Na maioria dos municípios, as despesas com os serviços de saneamento superam as receitas. Os serviços de esgotamento sanitário e drenagem urbana são os mais carentes quanto às informações financeiras e o aporte de recursos. Esses serviços mantêm-se com muitas dificuldades, pois a receita provém de tarifas baixas e irreais ou ainda do IPTU.

207 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 207 No quadro 60 as despesas do serviço de esgoto encontram-se apresentadas juntamente com as despesas do serviço de água.

208 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 208 Município Barra do Piraí Comendador Levy Gasparian Eng. Paulo de Frontin Quadro 60 Informações orçamentárias e financeiras do SAA e SES dos municípios que elaboraram o PMSB. Sede Dorândia Distrito/ localidade São José do Turvo Ipiabas Vargem Alegre Sistema de Abastecimento de Água Tarifa Receita total Despesa total Cobrança média (R$/m 3 (R$) (R$) ) Sim 0, , ,95 Sim 2, , ,20 Califórnia da Barra Sim 2,22 ND ND Sede Afonso Arinos Sede Sacra Família do Tinguá Sistema de Esgotamento Sanitário Tarifa Receita total Despesa Cobrança média (R$/m 3 (R$) total (R$) ) Sim 1, ,29 ** Sim 1, , ,26 Sim 0, ,00 ** Sim 3, , ,06 Não NA 0,00 ND Mendes Sede Sim 1, , ,00 Não NA 2.204,30 ** Miguel Pereira Paraíba do Sul Paty do Alferes Sede Conrado Governador Portela Sede e Salutares Inconfidência Werneck Sede Avelar Sim 3, , ,27 Não NA 0, ,00 Sim 3, , ,67 Não NA ND ,00* Sim 3, , ,72 Não NA ND ND Pinheiral Sede Sim 3, , ,40 Não NA ND ND Piraí Sede Arrozal Monumento Santanésia Sim 3, , ,47 Não NA ND ND Porto Real Sede Sim 0, , ,00 Sim 0, ,00 ** Quatis Sede Falcão Ribeirão de São Joaquim Sim 0, , ,41 Sim 0, ,55 ** Resende Sede e Agulhas Negras Sim 1, , ,15 Sim 1, ,55 **

209 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 209 Município Rio Claro Rio das Flores Valença Vassouras Distrito/ localidade Engenheiro Passos Fumaça Pedra Selada, Visconde de Mauá e Lote-10 Serrinha Capelinha Rio Preto e Campo Alegre Bagagem Sede Lídice Getulândia Passa Três São João Marcos Sede Abarracamento Manuel Duarte Taboas Sede Barão de Juparanã Conservatória Parapeúna Pentagna Santa Isabel do Rio Preto Sede Andrade Pinto São Sebastião dos Ferreiros Sebastião Lacerda Sistema de Abastecimento de Água Tarifa Receita total Despesa total Cobrança média (R$/m 3 (R$) (R$) ) Sistema de Esgotamento Sanitário Tarifa Receita total Despesa Cobrança média (R$/m 3 (R$) total (R$) ) ND ND ND ND ND ND ND ND Sim 3, , ,71 Não NA ND ND Sim 0, , ,00 Não NA ,77 ** Sim 4, , ,80 Não NA ND ND Sim 3, , ,01 Não NA 0, ,00

210 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 210 Arranjo legal Nesse tópico são tratadas as principais leis que têm incidência sobre o tema do saneamento, nas esferas: federal e estadual. Muitas normas que estão sendo apresentadas disciplinam de forma direta a questão do saneamento básico, mas, outras, dizem respeito a temas relacionados com os quais o Plano Municipal deve guardar intrínseca relação. Regime Jurídico Nacional A elaboração do PMSB é uma imposição legal inserida na Lei Nacional do Saneamento Básico; art. 9º, I, da Lei Federal nº /2007, que, dentre outras definições, prevê que o ente titular da prestação dos serviços de saneamento deve elaborar tal instrumento. À União, portanto, compete legislar sobre o saneamento, mas somente para estabelecer diretrizes gerais e promover programas para o setor, ou seja, deve envidar esforços e investir recursos na melhoria das condições de saneamento, estabelecendo formas de financiamento e destinação de recursos aos estados e municípios, mediante regras pré-estabelecidas. Aos municípios, outrossim, sendo o saneamento um assunto de interesse local, compete promover a regulamentação, a implantação e a execução desse serviço, por força do que determina o artigo 30 da Constituição Federal de No âmbito de sua competência, para prover e regulamentar o serviço de saneamento básico, o município deve estabelecer o modo como se dará a prestação dos serviços, podendo ser executada de forma direta, pela própria administração pública municipal, ou indireta, mediante delegação a particulares, na forma estabelecida pela Lei Federal nº 8.987/1995. As Parcerias Públicas Privadas se enquadram também nessa lei. Do ponto de vista legal ou jurídico, a construção de um Plano de Saneamento implica o respeito a um aparato legal que envolve muitas áreas do direito como meio ambiente, saúde, política urbana, habitação, política agrária, recursos hídricos, dentre outras. O artigo 2º da Lei Federal nº /2007 fixa os princípios fundamentais da política nacional de saneamento básico e determina expressamente, no inciso VI que haja: [...] articulação com as políticas de desenvolvimento urbano e regional, de habitação, de combate à pobreza e de sua erradicação, de proteção ambiental, de promoção da saúde e outras de relevante interesse social voltadas para a melhoria da qualidade de vida, para as quais o saneamento básico seja fator determinante.

211 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 211 O PMSB é um instrumento de planejamento dos serviços dos quatro componentes legais do saneamento básico, os quais não podem ser tratadas de forma segmentada; e, dada a transversalidade e interdisciplinaridade do assunto, sua construção deve basear-se na aplicação e conjugação de variados diplomas legais. O planejamento do serviço municipal de saneamento envolve responsabilidades em todas as esferas de governo, promovendo a integração com as demais políticas setoriais, como: desenvolvimento urbano, habitação, mobilidade urbana, dentre outras; isto é, deve considerar as diretrizes de outras legislações. O PMSB também dialoga com os sistemas de planejamento estadual e federal para uma articulação sistêmica, conforme prevê a Lei /2007. Destaque-se a consideração das diretrizes estabelecidas nos planos de bacia. No que se refere à interface com os recursos hídricos, a Lei Federal nº /2007, determina que os Planos de Saneamento Básico devam ser compatíveis com os Planos de Bacia Hidrográfica, o que impõe a sua absoluta consonância com o setor de recursos hídricos e o respeito a toda legislação pertinente, em especial, às normas legais relativas à gestão das águas, conforme as diretrizes da Política Nacional de Recursos Hídricos, Lei Federal nº 9.433/1997. A legislação referente aos recursos hídricos tem relação direta nas formas de controle sobre o uso da água para abastecimento, assim como na disposição final dos esgotos; sem esquecer a necessidade da observância da interação do município com as bacias hidrográficas. Em respeito à política de recursos hídricos, o PMSB deve atender às diretrizes dos Planos de Recursos Hídricos da esfera Nacional e Federal, respeitando, no mínimo as seguintes diretrizes mínimas: Práticas adequadas de proteção de mananciais e bacias hidrográficas. Busca de integração e convergências das políticas setoriais de recursos hídricos e saneamento básico nos diversos níveis de governo. Identificação dos usuários das águas no setor, de forma a conhecer as demandas, à época dessas demandas, o perfil do usuário, as tecnologias utilizadas, dentre outras características. A articulação da Política Nacional de Meio Ambiente, instituída pela Lei Federal nº 6.938/1981, com os planos de saneamento básico está explicitada na Lei Federal nº /2007, a qual, no inciso III do art. 2º, determina que os serviços públicos de saneamento básico sejam realizados de forma adequada à saúde pública e à proteção do meio ambiente.

212 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 212 A saúde da população está intimamente ligada ao acesso a serviços de saneamento básico de qualidade, pois, isso tem importância fundamental no quadro epidemiológico. A implantação do serviço adequado na área de saneamento básico tem efeito imediato na redução das enfermidades decorrentes da falta dos mesmos. Assim, a consideração de planos de órgãos como a FUNASA ou outros programas como o de saúda da família também são fontes de consulta. Enfim, os objetivos do PMSB também estão alinhados com os planos de saneamento dos demais entes da Federação, incluindo as consultas à população, o que prevê a lei federal quanto à mobilização social. Todos esses pontos considerados acabam por representar uma resposta para a sociedade perante o desafio da universalização. Evidencia-se que em todo esse panorama legislativo federal, houve uma preocupação em estabelecer a gestão associada dos sistemas de saneamento por diferentes entes da federação, bem como garantir a ampla participação popular. Legislação Estadual No Estado do Rio de Janeiro o Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos (SEGRHI), conforme disposto no artigo 43 da Lei Estadual nº 3.239/1999, é composto pelos seguintes entes: I - o Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CERHI); II - o Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FUNDRHI); III - os Comitês de Bacia Hidrográfica (CBH's); IV - as Agências de Água; e V - os organismos dos poderes públicos federal, estadual e municipais cujas competências se relacionem com a gestão dos recursos hídricos. O Instituto Estadual do Ambiente (INEA) é o órgão gestor e executor dos recursos hídricos no Estado do Rio de Janeiro e está inserido na estrutura da Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), órgão de primeiro nível hierárquico da administração estadual, tendo como missão formular e coordenar a política estadual de proteção e conservação do meio ambiente e, de gerenciamento dos recursos hídricos, visando ao desenvolvimento sustentável do Estado do Rio de Janeiro. As superintendências regionais do INEA atuam nas dez regiões hidrográficas do estado, próximas aos Comitês de Bacia, facilitando a interação e a comunicação, bastante importantes, em especial, para o controle e o gerenciamento dos contratos de gestão que podem ser firmados pelo Instituto com entidades delegatárias de funções de agências de águas, indicadas pelos respectivos Comitês de Bacia (Lei Estadual nº 5.639/2010), tendo

213 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 213 como objetivo dar maior celeridade na aplicação dos recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FUNDRHI), bem como, fortalecer os organismos colegiados com a estruturação de secretarias executivas e o apoio técnico para a seleção de projetos benéficos para a bacia hidrográfica. O saneamento, notadamente no que se refere ao abastecimento público de água e tratamento do esgoto, está inserido expressamente na Política Estadual de Recursos Hídricos. Por outro lado, a atuação direta dos Comitês de Bacia na elaboração dos Planos de Saneamento atende à própria Lei Federal nº /2007, ao mesmo tempo em que possibilita a integração das infraestruturas e serviços de saneamento, com a gestão eficiente dos recursos hídricos, cumprindo, dessa forma, os princípios fundamentais e as diretrizes nacionais traçadas para o setor. Muito embora o instrumento da cobrança pelo uso dos recursos hídricos não esteja mencionado de forma clara nas normas que tratam de saneamento, verifica-se que a Lei Federal nº 9.433/1997 obriga que o serviço de disposição ou diluição de esgotos e outros resíduos devem obter outorga de uso da água. A mesma determinação encontra-se expressamente inserida no artigo 22, da Lei Estadual nº 3.239/1999, que institui a Política Estadual dos Recursos Hídricos. A Política Estadual de Recursos Hídricos, no Estado do Rio de Janeiro, está disciplinada na Lei Estadual nº 3.239/1999 e estabelece o enquadramento de corpos d água como um de seus instrumentos (inc. IV do art. 5º), prevendo, ainda, que os enquadramentos dos corpos de água, nas respectivas classes de uso, sejam feitos, na forma da lei, pelos Comitês de Bacia Hidrográfica (CBH) e homologados pelo CERHI, após avaliação técnica pelo órgão competente do Poder Executivo (art. 17) DIAGNÓSTICO DA INFRAESTRUTURA REGIONAL EXISTENTE Para o levantamento da infraestrutura de saneamento existente nos 22 municípios inseridos na sub-bacia do Médio Paraíba do Sul, foram realizados trabalhos de campo em apenas 15, entre os anos de 2012 e 2014, para a realização do PMSB, com visitas às unidades, entrevistas com os responsáveis e levantamento de dados através do uso de formulários específicos. Com base nas informações coletadas foi elaborada uma base de dados georreferenciada e produzidos mapas que acompanham cada um dos PMSBs.

214 Plano Municipal de Saneamento Básico Paty do Alferes/RJ 214 As principais informações para os sistemas de saneamento dos municípios, ano base 2013, são resumidas nos Quadros 61 e 62. Nos municípios, o índice médio de atendimento com sistemas de abastecimento de água, incluindo captação, tratamento, reservação e distribuição, é de 80,2%, sendo as piores situações observadas nos pequenos distritos e localidades. Analisando os índices das sedes, observou-se que o município de Paty do Alferes possui o menor índice, com 67,6%; já nos municípios de Porto Real, Quatis e Resende, o serviço de abastecimento de água encontra-se praticamente universalizado ou próximo disso, ou seja, atende toda a população urbana com pequenas exceções. Os valores de quota consumida nas sedes municipais variam de 130,5 L/hab. x dia, registrado em Barra Mansa, a 376,4 L/hab. x dia em Barra do Piraí. Na maioria das sedes, distritos e localidades analisadas, a quota consumida apresentou valores acima da média nacional igual a 167,5 L/hab. x dia (SNIS, 2012), se destacando os municípios de Barra Mansa, C. Levy Gasparian e Quatis que apresentaram valores inferiores de respectivamente 130,5, 159,7 e 157,8 L/hab. x dia. Referente a quota consumida da média do Estado do Rio de Janeiro, 244,1 L/hab. x dia, apenas três municípios apresentaram valores superiores, sendo os municípios de Barra do Piraí, Mendes e Rio das Flores, com valores de respectivamente 376,40, 371,0 e 321,80 L/hab.dia (SNIS, 2012), como pode ser observada na Figura 54. Figura 54 - Quota de água consumida nas sedes municipais em relação ao valor médio nacional e estadual Fonte: Vallenge, 2013

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO CLARO - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO CLARO - RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO CLARO - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO VALENÇA - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO VALENÇA - RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO VALENÇA - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização Municipal,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MUNICÍPIO DE PIRAÍ - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MUNICÍPIO DE PIRAÍ - RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MUNICÍPIO DE PIRAÍ - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MENDES- RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MENDES- RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MENDES- RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização Municipal,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MIGUEL PEREIRA- RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MIGUEL PEREIRA- RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO MIGUEL PEREIRA- RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL PATY DO ALFERES - RJ. ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL PATY DO ALFERES - RJ. ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL PATY DO ALFERES - RJ ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2 PRODUTO 8 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2 Compatibilização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO BARRA DO PIRAÍ - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO BARRA DO PIRAÍ - RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO BARRA DO PIRAÍ - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Compatibilização das etapas do trabalho incluindo o diagnóstico, prognóstico, programas, projetos e ações

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL QUATIS - RJ. ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL QUATIS - RJ. ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL QUATIS - RJ ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2 PRODUTO 8 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO REVISÃO 2 Compatibilização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL MUNICÍPIO DE RIO CLARO - RJ. ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL MUNICÍPIO DE RIO CLARO - RJ. ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL MUNICÍPIO DE RIO CLARO - RJ ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2 PRODUTO 8 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO REVISÃO 2

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO CLARO - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO CLARO - RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO CLARO - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO BARRA DO PIRAÍ - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO BARRA DO PIRAÍ - RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO BARRA DO PIRAÍ - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Compatibilização das etapas do trabalho incluindo o diagnóstico, prognóstico, programas, projetos e ações

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO DAS FLORES - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO DAS FLORES - RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO DAS FLORES - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO VASSOURAS - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO VASSOURAS - RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO VASSOURAS - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO VASSOURAS - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO VASSOURAS - RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO VASSOURAS - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Resende - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Resende - RJ 2015 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Resende - RJ PLANO MUNICIPAL DESANEAMENTO BÁSICO. Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização Municipal,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO COMENDADOR LEVY GASPARIAN- RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO COMENDADOR LEVY GASPARIAN- RJ 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO COMENDADOR LEVY GASPARIAN- RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO. Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL PORTO REAL - RJ. ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL PORTO REAL - RJ. ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL PORTO REAL - RJ ETAPA 6 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Revisão 2 PRODUTO 8 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO REVISÃO 2 Compatibilização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL VASSOURAS

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL VASSOURAS 2014 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO E INSERÇÃO REGIONAL VASSOURAS ETAPA 4 PROPOSIÇÕES PRODUTO 5 PROPOSIÇÕES PARA OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM PLUVIAL

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO BARRA DO PIRAÍ - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO BARRA DO PIRAÍ - RJ 2015 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO BARRA DO PIRAÍ - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Construção da visão estratégica do setor de saneamento conforme a Lei 11.445/07. Planejamento com propostas de programas, ações, projetos e obras com metas em curto,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Construção da visão estratégica do setor de saneamento conforme a Lei 11.445/07. Planejamento com propostas de programas, ações, projetos e obras com metas em curto,

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PORTO REAL - RJ

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PORTO REAL - RJ 2015 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PORTO REAL - RJ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Plano Municipal de Saneamento Básico desenvolvido através das etapas do trabalho incluindo a caracterização

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Construção da visão estratégica do setor de saneamento conforme a Lei 11.445/07. Planejamento com propostas de programas, ações, projetos e obras com metas em curto,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO SÃO FRANCISCO DO GLÓRIA MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. SÃO FRANCISCO DO GLÓRIA PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor

Leia mais

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA Rio Claro - RJ

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA Rio Claro - RJ PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA Rio Claro - RJ PRODUTO 4 DIAGNÓSTICOS SETORIAIS DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM PLUVIAL E SOBRE O SEMINÁRIO

Leia mais

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA Vassouras - RJ

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA Vassouras - RJ PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA Vassouras - RJ DIAGNÓSTICOS SETORIAIS PRODUTO 4 DIAGNÓSTICOS SETORIAIS DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, ESGOTAMENTO SANITÁRIO E DRENAGEM

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO VOLTA GRANDE MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. VOLTA GRANDE PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor de saneamento é a perspectiva

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO ARACITABA MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. ARACITABA PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor de saneamento é a perspectiva

Leia mais

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA Miguel Pereira - RJ

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA Miguel Pereira - RJ 2013 PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA Miguel Pereira - RJ ETAPA 3 DIAGNÓSTICOS SETORIAIS PRODUTO 4 DIAGNÓSTICOS SETORIAIS DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, ESGOTAMENTO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Construção da visão estratégica do setor de saneamento conforme a Lei 11.445/07. Planejamento com propostas de programas, ações, projetos e obras com metas em curto,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO MERCÊS MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. MERCÊS PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor de saneamento é a perspectiva desejada,

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO MAR DE ESPANHA MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. MAR DE ESPANHA PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor de saneamento é a

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO SENADOR CORTES MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. SENADOR CORTES PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor de saneamento é a

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO SANTANA DE CATAGUASES MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. SANTANA DE CATAGUASES PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor de

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO CHÁCARA MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. CHÁCARA PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor de saneamento é a perspectiva desejada,

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO Quatis RJ VOLUME I TEXTOS REVISÃO 2 PRODUTO 3 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO PROJETO APLICADO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL TAUBATÉ, FEVEREIRO DE 2.013 PRODUTO P3.

Leia mais

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO RIO DAS FLORES RJ VOLUME I TEXTOS PRODUTO 3 CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO PROJETO APLICADO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO SOCIAL TAUBATÉ, FEVEREIRO DE 2.013 PRODUTO P3.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PIAU MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. PIAU PRODUTO 4 VISÃO DO FUTURO Construção da visão estratégica do setor de saneamento. Estudo de demanda e proposições

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim BOLETIM DIGITAL Edição 5 - Julho 2014 Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim Estresse hídrico na Bacia do Paraíba do Sul preocupa Comitê Foto:

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Construção da visão estratégica do setor de saneamento conforme a Lei 11.445/07. Planejamento com propostas de programas, ações, projetos e obras com metas em curto,

Leia mais

Sumário. Tabelas. Tabela 1 - Empreendimentos inseridos no sistema de cobrança da Região Hidrográfica III -2011...14

Sumário. Tabelas. Tabela 1 - Empreendimentos inseridos no sistema de cobrança da Região Hidrográfica III -2011...14 Sumário Caracterização da Região Hidrográfica...4 1 O Comitê...5 1.1 Atuação do Comitê...5 1.2 Composição...6 1.3 Resoluções...6 1.4 Moções...7 1.5 Realizações do Comitê...8 2 Agência de Bacia...11 2.1

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Construção da visão estratégica do setor de saneamento conforme a Lei 11.445/07. Planejamento com propostas de programas, ações, projetos e obras com metas em curto,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Construção da visão estratégica do setor de saneamento conforme a Lei 11.445/07. Planejamento com propostas de programas, ações, projetos e obras com metas em curto,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Construção da visão estratégica do setor de saneamento conforme a Lei 11.445/07. Planejamento com propostas de programas, ações, projetos e obras com metas em curto,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PEQUERI MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. PEQUERI PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor de saneamento é a perspectiva desejada,

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 02, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2013 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE EM VENDA DE IMÓVEIS SITUADOS EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE APP, EM MARGENS DE LAGOAS, RIOS, CÓRREGOS E NASCENTES

Leia mais

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS Giovani Meira de Andrade (*), Jennifer Domeneghini 2, Alcindo Neckel 3, Aline Ferrão Custodio Passini 4, Andreia do Nascimento 5 * Faculdade

Leia mais

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO Diretrizes para Contratação de Consultoria para elaboração do Resumo do Plano e Complementações. 1.INTRODUÇÃO O CEIVAP aprovou recursos

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI 427 SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI Daiane dos Santos Esquevani¹, Camila Augusta Florindo¹, Mayara Pissutti Albano² Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Construção da visão estratégica do setor de saneamento conforme a Lei 11.445/07. Planejamento com propostas de programas, ações, projetos e obras com metas em curto,

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol.

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Alexandre Cruz 1 Documentos Emitidos Autorização Ambiental para Perfuração

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA

SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA SOLUÇÕES PARA O SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA Jaqueline Maria Soares (1) Engenheira Sanitarista pela Universidade Federal do Pará - UFPA. Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO ETAPA 4 VISÃO DE FUTURO GUIDOVAL MG 2.012 VISÃO DE FUTURO. GUIDOVAL PRODUTO 5 VISÃO DE FUTURO A construção da visão de futuro do setor de saneamento é a perspectiva

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, BAHIA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, BAHIA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, BAHIA 19 de Julho de 2012 CONVÊNIO: MINISTÉRIO DAS CIDADES PREFEITURA MUNICIPAL Convênio entre Ministério das Cidades e a Prefeitura Municipal

Leia mais

Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos

Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Informações iniciais para obtenção da outorga de direito de uso de recursos hídricos Buscando atender a uma necessidade das empresas associadas, a Assessoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado do Ambiente - SEA Instituto Estadual do Ambiente - INEA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado do Ambiente - SEA Instituto Estadual do Ambiente - INEA GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado do Ambiente SEA Instituto Estadual do Ambiente INEA Plano Estadual de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro R9 Metas e Estratégias de Implementação

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia ALINE LINHARES LOUREIRO PATRÍCIA CAMPOS BORJA LUIZ ROBERTO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O

A P R E S E N T A Ç Ã O A P R E S E N T A Ç Ã O O presente documento técnico integra o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) referente à Extração de Minério de Ferro, na Fazenda Trindade, no Município de São Mamede no estado da Paraíba,

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais