A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE AREIA-PB: DO MUSEU PARA A COMUNIDADE Resumo Natália Cândido da Cruz Silva 1 - UFPB Márcia Verônica Costa Miranda 2 - UFPB Rebeca Nogueira Martins 3 - UFPB Grupo de Trabalho Educação, Arte e Movimento Agência Financiadora: não contou com financiamento A Educação Patrimonial refere-se a uma forma ativa e criativa de interação entre a escola e a comunidade, proporcionando conhecimento sobre os aspectos que compõem o patrimônio cultural e promovendo a construção do saber da sociedade, interação e valorização dos bens sociais e culturais. Neste contexto, este trabalho tem o objetivo de descrever ações promovidas pelo projeto de extensão Recuperando Memórias do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, envolvendo seu corpo docente e discente, bem como voluntários da cidade de Areia-PB. Este trabalho procura promover a educação patrimonial, a valorização dos Museus da cidade, motivando e integrando pedagogos, alunos de escolas públicas e privadas, tendo em vista que o ambiente escolar exerce um papel de grande importância na formação dos aprendizes e da sociedade em geral, que, notadamente, não dão devida importância a sua história e nem ao seu patrimônio. Esta atividade foi realizada no Museu de Areia e voltada para Educação Patrimonial e promoção dos seus acervos artísticos, através de atividades lúdicas, promoção de visitações e exposição de projetos da UFPB, procurando resgatar o interesse dos cidadãos areienses pela valorização da história e preservação da sua cultura. Os museus são de grande importância para preservação sócio-histórico e sócio-cultural da região, pois retratam seus costumes, crenças e conservam a sua história. Diante disto, a comunidade foi beneficiada através da propagação de informações e pelas trocas de experiências ocorridas na comemoração do Dia Internacional do Museu, possibilitando maior proximidade e valorização com os bens culturais da cidade de Areia-PB. Palavras-chave: Museu. Educação. Conservação. Patrimônio Cultural. 1 Graduanda em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Paraíba - Areia. 2 Doutora em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Campina Grande. Professora do Departamento de Ciências Fundamentais e Sociais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). 3 Graduanda em Zootecnia pela Universidade Federal da Paraíba - Areia. ISSN

2 8669 Introdução A Educação Patrimonial refere-se a uma maneira criativa de interação entre a escola e a comunidade, proporcionando conhecimento sobre os aspectos que compõem o patrimônio cultural e promovendo a construção do saber da sociedade, interação e valorização dos bens sociais e culturais (IPHAN, 2011). Sua utilização é indispensável na área da preservação histórica, tendo em vista que propicia um conhecimento amplo da cultura, tornando esse conhecimento acessível a todos e instigando a utilização desses bens, gerando uma dinâmica cultural. Para HORTA (1999), a Educação Patrimonial fundamenta-se em meios que promova, facilite e deixe registrado, para a comunidade em geral, uma forma mais efetiva e global da valorização do Patrimônio Cultural e Histórico. Tem como objetivo proporcionar à comunidade o conhecimento dos valores de sua identidade cultural e de como será suas ações a partir de experiências ocorridas no seu cotidiano. Ao verem a grande importância que tem esse patrimônio nos espaços da vida diária, podem ocorrer alterações nas atitudes relacionadas aos bens, como na recuperação do sentimento de valorização dos mesmos. Nos últimos anos, constata-se que a Educação Patrimonial apresenta um crescimento considerável, atuando no ensino centrado de crianças e jovens, proporcionando um maior contato com o patrimônio cultural da região. Neste contexto, a cidade de Areia PB, por ser preservada pelo Patrimônio histórico e cultural brasileiro, tem observado esse crescimento na valorização de seu patrimônio e na necessidade de ações que façam a promoção da Educação Patrimonial local. Assim, objetivando a inserção da comunidade no conhecimento de sua história e acervo cultural, bem como a constatação do baixo índice de participação de pedagogos, alunos e comunidade local nos museus, a equipe do projeto de extensão Recuperando Memórias do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba percebeu a necessidade de celebrar um dia em que a comunidade fosse instigada a visitar os seus museus. Daí, foi planejada e realizada a comemoração do Dia Internacional do Museu em Areia-PB. O Dia Internacional do Museu é comemorado desde o dia 18 de Maio de 1977, tendo sido criado pelo ICOM Conselho Internacional de Museus (organismo da UNESCO) com o intuito de chamar a atenção da sociedade para importância dos museus. Na cidade de Areia, esta comemoração foi realizada no dia 21 de maio de 2015 e foi voltada para educação patrimonial, promoção cultural e valorização das artes e acervo existente, tendo vista reavivar a importância da história, dos artistas, dos museus e suas obras, das casas e das edificações do centro histórico da cidade de Areia-PB. O objetivo deste trabalho é colaborar e incentivar na

3 8670 educação patrimonial de pedagogos, alunos de escolas públicas e privadas, tendo em vista que o ambiente escolar exerce um papel de grande importância na formação dos aprendizes e da sociedade em geral e que os mesmos ainda não dão devida importância a sua história e nem ao seu patrimônio. Resumo sobre a História de Areia Relata-se que a origem da cidade de Areia, situada na região do brejo Paraibano, se deu na transição do fim do século XVII para o início do século XVIII (BARROS, 2014). Seu conjunto histórico e urbanístico foi tombado em 2006 pelo IFHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), recebendo o titulo de Patrimônio Histórico Nacional (ALMEIDA e CALDAS, 2010). Desde sua origem, Areia se destaca pelas grandes influências, seja ela na arte e na educação, e é rica em filhos Areienses ilustres como o pintor Pedro Américo; o escritor e político José Américo de Almeida; Manoel José da Silva farmacêutico, apóstolo da Abolição da escravatura de Areia; Abdom Felinto Milanês médico, músico, (compositor musical) e diretor do Instituto Nacional de Música do Rio de Janeiro; Rodolfo Pires professor e poeta; Leônidas Santiago prefeito de Areia e 1 diretor do grupo Álvaro Machado, professor diplomado pela escola normal da Paraíba; Francisco Aurélio de Figueiredo pintor, caricaturista, escritor e poeta (irmão de Pedro Américo), entre outros que contribuíram de várias formas para constituição da história da cidade. Areia é conhecida como Terra da Cultura, possui um teatro chamado de Minerva edificado há 50 anos contém em seu centro histórico construções belíssimas e também se destaca pela produção de iguarias e derivados da cana-de-açúcar. A cidade de Areia desfruta de um acervo abundante e rico em valor artístico e cultura, composto por três museus. O Museu Casa de Pedro Américo está localizado no centro da cidade de Areia e seu acervo resgata a memória e obras do pintor Pedro Américo, possui objetos pessoais, bem como as primeiras e principais obras do pintor. O Museu Regional está localizado no centro da cidade de Areia-PB, contendo um grande acervo composto por diversas peças como artes sacras, artes decorativas, Etnologia, documentos textuais e iconográficos, além de uma pequena coleção de Mineralogia, Zoologia e Paleontologia. O Museu do Brejo Paraibano, também conhecido como Museu da Rapadura, está localizado no Centro de Ciências Agrárias da UFPB, apresenta duas divisões entre o núcleo da Casa Grande e o Engenho de Várzea. Retoma lembranças de uma vida distante, quando a renda se baseava apenas nos bens ligados a cana-de-açúcar. Todos estes museus são

4 8671 de grande importância para preservação sócio-histórico e sócio-cultural da cidade e da região em seu entorno, pois retratam costumes, crenças e conservam a história e tradição de seu povo. Resgatam memórias da cidade e é um ponto de cultura que serve com fonte de conhecimento para comunidade local, visitantes e pesquisadores. Desta forma, o Dia Internacional do Museu foi promovido na cidade de Areia-PB no sentido de promover ações de interação entre o museu e a comunidade, reconstruindo a visão de cada participante em relação ao patrimônio histórico da cidade. Metodologia As atividades executadas tiveram uma metodologia colaborativa e participativa, contando com a participação de docentes da UFPB, gestores das escolas, parcerias com Secretarias de Educação e Cultura de Areia, bem como com associações representativas da comunidade, como a Associação dos Amigos de Areia (AMAR) e a Diocese local. Para implantação, deste trabalho foi realizado um planejamento amplo por toda equipe do projeto Recuperando Memórias, incluindo um estudo sobre a história da cidade de Areia-PB por parte de seus membros; bem como treinamento para servirem de monitores e prestarem a devida assistência aos visitantes e alunos durante o acesso aos Museus. Logo após, foi feito um levantamento das escolas do município que poderiam participar do evento Dia Internacional do Museu. Foram realizadas visitas às escolas públicas e privadas da cidade com o intuito de promover a divulgação do patrimônio sócio-histórico presente no museu da cidade e motivar a participação e visitação aos Museus no dia do evento. O Museu Regional de Areia foi escolhido como a sede receptiva da comunidade visitante, a partir do qual os grupos se dirigiam para conhecerem os demais locais artísticos e culturais. No intuito de estreitar os laços entre a universidade e a comunidade, possibilitar a apropriação dos saberes acadêmicos pelos visitantes, bem como enfatizar a responsabilidade social da Universidade com a comunidade no seu entorno, foram instaladas barracas, onde materiais, produtos resultantes de diversos projetos de pesquisa e extensão de docentes e alunos do CCA da UFPB foram expostos, tais como: artesanato, tecnologia de alimentos, materiais utilizados nos laboratórios de química e hortaliças, como ilustrado na Figura 1.

5 8672 Figura 1 - Visita dos alunos das escolas de Areia-PB no dia Internacional do Museu. Figura 2 - Visita dos alunos das escolas de Areia-PB no dia Internacional do Museu. Este evento foi planejado de forma muito cuidadosa, de modo que pudesse atender a todos de maneira atrativa e lúdica. Valorizou-se a história de Areia-PB através de peças e contação de história, com conteúdos voltados para a educação patrimonial e os aspectos culturais da cidade, ilustrados na Figura 2. Figura 3 - Equipe do projeto Recuperando Memórias no Dia do Museu.

6 8673 Foram executadas ações de acolhimento, motivação e visualização de todo acervo presente no museu, bem como contribuiu na valorização da cultura local e regional dos museus e da própria história da cidade de Areia-PB. A Figura 3 ilustra a equipe organizadora e articuladora das ações apresentadas. Figura 4 - Equipe do projeto Recuperando Memórias no Dia do Museu. Durante todo o evento, foram aplicados instrumentos para avaliar a sua eficácia, baseados na aplicação de questionários para cada grupo de visitantes, além dos momentos de discussão juntos aos parceiros, professores e gestores. Os extensionistas e monitores foram avaliados continuamente através de sua presença e participação nas atividades previstas para a execução do evento. Resultados e Discussão O Dia Internacional do Museu teve participação de alunos e professores de escolas públicas e particulares de Areia-PB, bem como turistas e visitantes locais, alcançando um grande número de visitantes, batendo o record de visitação diária já obtidas nos museus da cidade. Foram quase 1000 pessoas que, em um único dia, prestigiaram a cultura e arte desses Museus. Em se tratando dos alunos visitantes e que prestigiaram o evento, 60% deles foram de escolas públicas, já para as escolas privadas essa participação foi de 40%, conforme mostrado no Gráfico 1.

7 8674 Gráfico 1 - Classificação dos estudantes visitantes quanto ao tipo de escola. Observou-se que 83% dos visitantes nunca tinham ido ao museu, isto é um fato que denota desinteresse ou falta de oportunidade da comunidade, enquanto que os 17% já tinham visitado o museu, mas ainda não conheciam toda a história que lá estava exposta, dados mostrados no Gráfico 2. Por esta constatação, já demonstra o extraordinário benefício proporcionado por esta ação educativa, pois possibilitou a inserção de uma camada da população no saber histórico e conhecimento do acervo artístico e patrimonial de sua cidade. Estes alunos serão os facilitadores e disseminadores de conhecimento, proporcionando a valorização da arte, cultura, patrimônio e história de sua região. Gráfico 2 - Percentual de visitantes que já visitaram Museus. Considerações finais Através de atividades como o Dia Internacional do Museu é possível mobilizar a comunidade para um melhor conhecimento da Educação Patrimonial, não só pelas ações diretas que ações deste tipo proporcionam, mas principalmente pelo programa de capacitação

8 8675 que está sendo desenvolvido com os jovens do Campus II CCA- UFPB- Areia PB. A preservação do Patrimônio Cultural torna-se possível através do processo de pertença, ou seja, saber que o cidadão faz parte da sua história. Deste modo, esta atividade tem contribuído como fonte de conhecimento para a comunidade do brejo paraibano, valorizando e proporcionando a formação cultural e dando oportunidade às crianças, jovens e adultos a terem um contato direto com a história da cidade, servindo como fonte de saber na preservação dos bens culturais. REFERÊNCIAS ALMEIDA, Polyana Raquel de Lima e CALDAS, Rosimary de Almeida. Areia/PB Patrimônio e contextualização histórica. In: XIV Encontro Nacional dos Geógrafos, Porto Alegre, Anais. Porto Alegre: Associação dos Geógrafos Brasileiros, p BARROS, Francisca Maria da Silva. Educação patrimonial: a cartografia do patrimônio da cidade de Areia-PB f. Monografia (Especialização em Fundamentos da Educação: Práticas Pedagógicas Interdisciplinares) Universidade Estadual da Paraíba, Pró-Reitoria de Ensino Médio. Técnico e Educação à Distância, HORTA, Maria de Lourdes Parreira et al. Guia Básico de Educação Patrimonial. Brasília: IPHAN/ Museu Imperial, IPHAN. INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL Disponível em: < o_fas1_m.pdf> Acesso em: 31 jul OLIVEIRA, Alana Carla Cavalcanti de.; COSTA, Diógena Rodrigues da.; SILVA, Maria Rejane do Nascimento. A importância do patrimônio histórico para a cidade de Areia-PB. In: XXXIII Encontro Nacional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Gestão, e Ciência da Informação, João Pessoa, Anais do XXXIII Encontro Nacional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Gestão, e Ciência da Informação. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, p

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil Heliana de Moraes Alves Graduanda em Geografia Bacharelado da Universidade Federal

Leia mais

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1 Revista Ceciliana. Maio de 2012. Número Especial: Patrimônio Cultural Memória e Preservação. - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana ANÁLISE DO CONHECIMENTO

Leia mais

OLIMPÍADAS CIENTÍFICAS COMO FERRAMENTA DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM AOS ALUNOS DO MUNICÍPIO DE AREIA/PB

OLIMPÍADAS CIENTÍFICAS COMO FERRAMENTA DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM AOS ALUNOS DO MUNICÍPIO DE AREIA/PB OLIMPÍADAS CIENTÍFICAS COMO FERRAMENTA DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM AOS ALUNOS DO MUNICÍPIO DE AREIA/PB Eduardo Felipe da Silva Santos 1 ; Vanessa Maria Dantas Pedrosa 2 ; João Felipe da Silva

Leia mais

TECNOLOGIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO (TIC S): UM RECURSO PARA DIFUNDIR A ARTE E CULTURA DA CIDADE DE AREIA-PB

TECNOLOGIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO (TIC S): UM RECURSO PARA DIFUNDIR A ARTE E CULTURA DA CIDADE DE AREIA-PB TECNOLOGIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO (TIC S): UM RECURSO PARA DIFUNDIR A ARTE E CULTURA DA CIDADE DE AREIA-PB Resumo Márcia Verônica Costa Miranda 1 - UFPB José Lourivaldo da Silva 2 - UFPB Dayana Inocêncio

Leia mais

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV Rosina Trevisan M. RIBEIRO Arquiteta, D. Sc., Professora do

Leia mais

Fundação Seade Sistema Estadual de Análise de Dados. Dados da organização

Fundação Seade Sistema Estadual de Análise de Dados. Dados da organização Fundação Seade Sistema Estadual de Análise de Dados Data de elaboração da ficha: Abr 2007 Dados da organização Nome: Fundação Seade Endereço: Av. Casper Líbero, 464, São Paulo, SP Site: www.seade.gov.br

Leia mais

ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO

ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO ANÁLISES DAS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS AO RELACIONAR OS FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS COM SEU COTIDIANO Wallison Fernando Bernardino da Silva (UFPB/CCA Bolsista Subprojeto Química PIBID/CAPES)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa "Escola Aberta", sob orientação de Telma Ferraz Leal

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa Escola Aberta, sob orientação de Telma Ferraz Leal TÍTULO: OFICINA DE LEITURA: UMA PROPOSTA DINÂMICA PARA FORMAÇÃO DE LEITORES AUTORA: Andréa Carla Agnes e Silva 1 INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de Pernambuco Escola Aberta ÁREA TEMÁTICA: Educação 1.

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DE ATIVIDADES LÚDICAS NO 2 ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA INÁCIO PASSARINHO CAXIAS MARANHÃO

ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DE ATIVIDADES LÚDICAS NO 2 ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA INÁCIO PASSARINHO CAXIAS MARANHÃO 1 ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DE ATIVIDADES LÚDICAS NO 2 ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA INÁCIO PASSARINHO CAXIAS MARANHÃO Tauanny Maria Almeida Lima, Marilene Rodrigues Silva, Joselice da Silva Pereira

Leia mais

PUBLICO ESCOLAR QUE VISITA OS ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE MANAUS DURANTE A SEMANA DO MEIO AMBIENTE

PUBLICO ESCOLAR QUE VISITA OS ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE MANAUS DURANTE A SEMANA DO MEIO AMBIENTE PUBLICO ESCOLAR QUE VISITA OS ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE MANAUS DURANTE A SEMANA DO MEIO AMBIENTE Marcia Karina Santos Ferreira 1 ; Augusto Fachín Terán 2 ¹Licenciada em Pedagogia. Universidade do Estado do

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Lei nº 8.111, de 08 de outubro de 2009.

Lei nº 8.111, de 08 de outubro de 2009. Lei nº 8.111, de 08 de outubro de 2009. Dispõe sobre a política municipal do idoso e dá outras providências A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I

Leia mais

Aula 18 EDUCANDO PARA O PATRIMÔNIO. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima

Aula 18 EDUCANDO PARA O PATRIMÔNIO. Verônica Maria Meneses Nunes Luís Eduardo Pina Lima Aula 18 EDUCANDO PARA O PATRIMÔNIO META Apresentar a Educação Patrimonial como possibilidade para o uso educativo do patrimônio. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender a educação patrimonial

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Márcia Terezinha Brunatto Bittencourt Mestranda em Música da Universidade Federal de Goiás e-mail: marciatbbittencourt@yahoo.com.br Sumário: A

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA INTERNET COMO RECURSO AUDIOVISUAL E TECNOLÓGICO NO ENSINO DA QUÍMICA. Bruna Alves Teixeira Lima (UFPB/CCA Bolsista PROLICEN)

A UTILIZAÇÃO DA INTERNET COMO RECURSO AUDIOVISUAL E TECNOLÓGICO NO ENSINO DA QUÍMICA. Bruna Alves Teixeira Lima (UFPB/CCA Bolsista PROLICEN) A UTILIZAÇÃO DA INTERNET COMO RECURSO AUDIOVISUAL E TECNOLÓGICO NO ENSINO DA QUÍMICA Bruna Alves Teixeira Lima (UFPB/CCA Bolsista PROLICEN) Dayse das Neves Moreira (UFPB/CCA Professora Colaboradora PROLICEN)

Leia mais

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE Gilmara Gomes MEIRA 1 1 Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Ciências

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB 1 Cláudia Patrícia Fernandes dos Santos, UFCG 2 Marcondes Fernando Pereira Carvalho, UFCG 3 Edson de

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

PROJETO - CONHECENDO A HISTÓRIA E O PATRIMÔNIO DO MEU MUNICÍPIO CHUÍ/RS-BRASIL

PROJETO - CONHECENDO A HISTÓRIA E O PATRIMÔNIO DO MEU MUNICÍPIO CHUÍ/RS-BRASIL PROJETO - CONHECENDO A HISTÓRIA E O PATRIMÔNIO DO MEU MUNICÍPIO CHUÍ/RS-BRASIL Caroline Vergara Fuhrmann Eliane Candido da Silva Lucimari Acosta Pereira RESUMO: O presente trabalho traz resultados do desenvolvimento

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM COMUNIDADES PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO BIBLIOTECÁRIO

A IMPORTÂNCIA DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM COMUNIDADES PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO BIBLIOTECÁRIO A IMPORTÂNCIA DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM COMUNIDADES PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO BIBLIOTECÁRIO Lidia Eugenia Cavalcante lidia@ufc.br Universidade Federal do Ceará Área 4. Gestión de la Información

Leia mais

IX Conferência Ibero-americana de Cultura Montevidéu, 13 e 14 de julho de 2006 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PROJETO

IX Conferência Ibero-americana de Cultura Montevidéu, 13 e 14 de julho de 2006 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PROJETO IX Conferência Ibero-americana de Cultura Montevidéu, 13 e 14 de julho de 2006 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PROJETO 1 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PREÂMBULO Os Chefes de Estado e de Governo dos países

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura

- REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura - REGIMENTO INTERNO - Secretaria de Cultura Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decreto nº 12.633/06, nº 14.770/10, nº 15.416/12 e nº 15.486/12 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular.

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Palavras-chave: Formação continuada de professores, cinema, extensão universitária.

Palavras-chave: Formação continuada de professores, cinema, extensão universitária. CINEMA UNIVERSITÁRIO: A EXTENSÃO COMO ESPAÇO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO (UNEMAT) André Luiz Borges Milhomem (UNEMAT) Egeslaine de Nez (UNEMAT) Maria

Leia mais

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ISSN 2177-9139 O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS Edimar Fonseca da Fonseca edyyfon@yahoo.com.br Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus Caçapava do

Leia mais

Práxis, Pré-vestibular Popular: Constante luta pela Educação Popular

Práxis, Pré-vestibular Popular: Constante luta pela Educação Popular Práxis, Pré-vestibular Popular: Constante luta pela Educação Popular Graziele Pissollatto da Costa, UFSM Ana Carolina Machado, UFSM Roberto Lopes do Nascimento Filho, UFSM Toni Pissollatto da Costa, UFSM

Leia mais

Regulamento dos Prémios APOM

Regulamento dos Prémios APOM Regulamento dos Prémios APOM A Associação Portuguesa de Museologia (APOM), designada abreviadamente por APOM, com sede em Lisboa, tem por finalidade: a) Agrupar os profissionais de museologia ou instituições

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES

INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES DOI: 10.4025/4cih.pphuem.268 INTERPRETAR O PATRIMÔNIO LOCAL: PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA PROFESSORES Simone Aparecida Pinheiro de Almeida i INTRODUÇÃO Pensar os conteúdos significa refletir acerca

Leia mais

UMA ABORDAGEM DIFERENCIADA DA APRENDIZAGEM DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA E TAXONOMIA ZOOLÓGICA NO ENSINO MÉDIO

UMA ABORDAGEM DIFERENCIADA DA APRENDIZAGEM DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA E TAXONOMIA ZOOLÓGICA NO ENSINO MÉDIO UMA ABORDAGEM DIFERENCIADA DA APRENDIZAGEM DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA E TAXONOMIA ZOOLÓGICA NO ENSINO MÉDIO ARAÚJO, Lenon Oliveira de PUCPR lenon_tdp@hotmail.com COSTA, Ana Lúcia da PUCPR analuciacosta_7@hotmail.com

Leia mais

A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DO TURISMO PEDAGÓGICO: o exemplo do Museu Regional de Olinda PE.

A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DO TURISMO PEDAGÓGICO: o exemplo do Museu Regional de Olinda PE. A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DO TURISMO PEDAGÓGICO: o exemplo do Museu Regional de Olinda PE. Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA Introdução A atividade turística perpassa por diversa áreas do conhecimento

Leia mais

2º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense SICT-Sul ISSN 2175-5302

2º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense SICT-Sul ISSN 2175-5302 SEU FOSSINHA VAI À COMUNIDADE: DISSEMINAÇÃO CONHECIMENTO TÉCNICO SOBRE AUTOCONSTRUÇÃO DE SISTEMA INDIVIDUAL DE TRATAMENTO DE ESGOTO EM LOJAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DE BAIRROS PERIFÉRICOS DE CRICIÚMA/SC

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO BOSQUE DOS ITALIANOS (PRAÇA SAMUEL WAINER)

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO BOSQUE DOS ITALIANOS (PRAÇA SAMUEL WAINER) PROPOSTA DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DA BIBLIOTECA INFANTIL MONTEIRO LOBATO BOSQUE DOS ITALIANOS CAMPINAS I) Informações sobre a entidade proponente A Associação dos Amigos do Bosque dos Italianos é uma associação

Leia mais

HUMANAS. Página na web: www.fea.ufjf.br CIÊNCIAS ECONÔMICAS. Apresentação:

HUMANAS. Página na web: www.fea.ufjf.br CIÊNCIAS ECONÔMICAS. Apresentação: HUMANAS ADMINISTRAÇÃO Os alunos de Administração da UFJF graduam-se na modalidade Bacharelado e podem escolher entre as opções de especialização: Administração de Empresas e Administração Pública. O curso

Leia mais

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Meta 1.1 Levantar e catalogar anualmente, dados e informações acerca da diversidade cultural, do município de Paranaguá; identificar a vocação

Leia mais

SECRETARIA DE PATRIMÔNIO E CULTURA SEPAC / PMO

SECRETARIA DE PATRIMÔNIO E CULTURA SEPAC / PMO SECRETARIA DE PATRIMÔNIO E CULTURA SEPAC / PMO GRUPO DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL CONSULTA PÚBLICA: Apresentação do Plano Municipal de Educação Patrimonial de Olinda Aos doze dias de novembro de

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária RESUMO

Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária RESUMO Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária SILVA, Valdir Ricardo Honorato da (discente bolsista) SOUTO, Geane de Luna (Técnico orientador) RESUMO

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X SUGESTÃO DE METODOLOGIA PARA INVENTÁRIO DE PATRIMÔNIO CULTURAL

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015]

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Introdução As Organizações da Aliança Global Wycliffe desejam expressar a unidade e a diversidade do Corpo

Leia mais

COLÔNIA DE FÉRIAS JOGOS E BRINCADEIRA SOCIOINTERATIVAS. Área Temática: Área 4 Educação. Joicemara Severo Silveira (Coordenadora da Ação de Extensão)

COLÔNIA DE FÉRIAS JOGOS E BRINCADEIRA SOCIOINTERATIVAS. Área Temática: Área 4 Educação. Joicemara Severo Silveira (Coordenadora da Ação de Extensão) COLÔNIA DE FÉRIAS JOGOS E BRINCADEIRA SOCIOINTERATIVAS Área Temática: Área 4 Educação Joicemara Severo Silveira (Coordenadora da Ação de Extensão) Joicemara Severo Silveira 1 Aline Keryn Pin 2 Ana Cristina

Leia mais

http://sigproj1.mec.gov.br/projetos/imprimir.php?modalidade=1&projeto_id=126773...

http://sigproj1.mec.gov.br/projetos/imprimir.php?modalidade=1&projeto_id=126773... Página 1 de 7 Imprimir Fechar 1. Introdução 1.1 Identificação da Ação Título: A Melhor Idade na Era Digital 2013 Coordenador: Tipo da Ação: / Docente Projeto Edital: EDITAL PAEX 04/2012 Vinculada à Programa

Leia mais

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEXTO: UMA ABORDAGEM EXTENSIONISTA

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEXTO: UMA ABORDAGEM EXTENSIONISTA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA LABORATÓRIO

Leia mais

VI-053 - COLETA SELETIVA E NEGÓCIO DE SUCATA COMO PARÂMETROS DE MEDIÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO EM EDUCAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL

VI-053 - COLETA SELETIVA E NEGÓCIO DE SUCATA COMO PARÂMETROS DE MEDIÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO EM EDUCAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL VI-053 - COLETA SELETIVA E NEGÓCIO DE SUCATA COMO PARÂMETROS DE MEDIÇÃO DE UMA INTERVENÇÃO EM EDUCAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL Celene Almeida de Brito (1) Engenheira Sanitarista, Comunicadora e Educadora Ambiental.

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

SOBRE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL, TURISMO E PRESERVAÇÃO DOS BENS CULTURAIS. Entrevista

SOBRE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL, TURISMO E PRESERVAÇÃO DOS BENS CULTURAIS. Entrevista SOBRE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL, TURISMO E PRESERVAÇÃO DOS BENS CULTURAIS Entrevista Evelina Grunberg Arquiteta e Educadora E-mail: evelinagrunberg@gmail.com Silvana Pirillo Ramos Doutora em Ciências Sociais

Leia mais

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA ISSN 2316-7785 INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA Alexsandro Queiroz Lencina alexqueiroz@sb.iffarroupilha.edu.br Alex Sandro Gomes Leão alexleao@iffarroupilha.edu.br

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

VIVÊNCIAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

VIVÊNCIAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL VIVÊNCIAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL Área temática: Educação Eixo temático: Educação, Comunicação e Extensão Responsável pelo Trabalho: Salette Marinho de Sá 1 Autores participantes:

Leia mais

DIÁLOGO COM A CULTURA A PARTIR DO ENSINO SOBRE FITOTERAPIA PARA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM DE FACULDADES PARTICULARES

DIÁLOGO COM A CULTURA A PARTIR DO ENSINO SOBRE FITOTERAPIA PARA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM DE FACULDADES PARTICULARES DIÁLOGO COM A CULTURA A PARTIR DO ENSINO SOBRE FITOTERAPIA PARA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM DE FACULDADES PARTICULARES Karla Lourrana Cavalcante Pontes (1); Maria Janielly de Oliveira Costa Alves (2); Mayrla

Leia mais

Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR

Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR Prof. Dr. Oséias Santos de Oliveira oseiass@utfpr.edu.br Departamento de Educação DEPED UTFPR/Curitiba 17/11/15 É preciso entender o conceito de

Leia mais

O ENSINO MÉDIO NAS ESCOLAS RURAIS DE JATAÍ, UMA GESTÃO COMPARTILHADA. Mara Sandra de Almeida 1 Luciene Lima de Assis Pires 2

O ENSINO MÉDIO NAS ESCOLAS RURAIS DE JATAÍ, UMA GESTÃO COMPARTILHADA. Mara Sandra de Almeida 1 Luciene Lima de Assis Pires 2 O ENSINO MÉDIO NAS ESCOLAS RURAIS DE JATAÍ, UMA GESTÃO COMPARTILHADA Mara Sandra de Almeida 1 Luciene Lima de Assis Pires 2 1 Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Goiás Câmpus Jataí / marassandra@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS E MATERIAIS MANIPULATIVOS NO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS E MATERIAIS MANIPULATIVOS NO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS E MATERIAIS MANIPULATIVOS NO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Alexandre Rodrigues Lins de Albuquerque Aluno Bolsista Larisse de

Leia mais

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Tawana Telles Batista Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Campus Salinas tawanatelles@yahoo.com.br

Leia mais

PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO E OS PRIMEIROS RESULTADOS

PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO E OS PRIMEIROS RESULTADOS Anais do III Simpósio sobre Formação de Professores SIMFOP Universidade do Sul de Santa Catarina, Campus de Tubarão Tubarão, de 28 a 31 de março de 2011 PIBID MATEMÁTICA DA UNISUL: O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

A INCLUSÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INCLUSÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INCLUSÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA CLARICE VANDERLEI FERRAZ (UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS). Resumo Segundo o MANIFESTO IFLA/UNESCO/BIBLIOTECA ESCOLAR(2002) a missão

Leia mais

Palavras-chave: Museu do Minério e das Minas; Educação; Redes Sociais; Redes Digitais; Comunicação Social

Palavras-chave: Museu do Minério e das Minas; Educação; Redes Sociais; Redes Digitais; Comunicação Social O USO DAS REDES DIGITAIS NA CONSTRUÇÃO DA EDUCAÇÃO E DO CONHECIMENTO: A COMUNICAÇÃO DOS NOVOS TEMPOS Case Museu das Minas e do Metal Rede MMM e Midiateca Camila Vieira Dutra¹ Resumo: Este trabalho visa

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE 1 O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE Recife, maio/2010 Ana Paula Teixeira Bruno Silva Universidade Federal

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR.

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR. 25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR. Ana Maria Garcia Moura 1 Cristiane Batista dos Santos 2 Resumo:

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO O CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO ESTÁCIO UNIRADIAL é uma Instituição Privada de Ensino Superior com fins lucrativos, situada no Município de São Paulo, Estado

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

QUEM FOI MALBA TAHAN?

QUEM FOI MALBA TAHAN? ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA QUEM FOI MALBA TAHAN? Arnoldo Koehler Neto

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL

ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL Geni Pereira dos Santos Mestre em Comunicação, genipereira2000@yahoo.combr Universidade Federal de Pernambuco Resumo: Este artigo discorre sobre

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO INFANTIL: EXPERIÊNCIA DA ESCOLA MUNICIPAL NECY MINERVINO DE CARVALHO NA CIDADE DE OLHO D' ÁGUA-PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO INFANTIL: EXPERIÊNCIA DA ESCOLA MUNICIPAL NECY MINERVINO DE CARVALHO NA CIDADE DE OLHO D' ÁGUA-PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO INFANTIL: EXPERIÊNCIA DA ESCOLA MUNICIPAL NECY MINERVINO DE CARVALHO NA CIDADE DE OLHO D' ÁGUA-PB Keudma Richelle Tiburtino Costa 1, Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho

Leia mais

METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS

METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS METODOLOGIAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS GT 06 Formação de professores de matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, Univates, madalena@univates.br Angélica

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT Projeto Institucional - Faculdades Atibaia FAAT Parceria entre o Ensino Superior e a Escola Pública na formação inicial e continuada

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Pró-Reitoria de Extensão Projeto de Extensão NÚCLEO UNIV BH CIÊNCIAS HUMANAS PROEX-2012/7321-1S

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Pró-Reitoria de Extensão Projeto de Extensão NÚCLEO UNIV BH CIÊNCIAS HUMANAS PROEX-2012/7321-1S Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Pró-Reitoria de Extensão Projeto de Extensão Direitos Humanos e Inclusão NÚCLEO UNIV BH CIÊNCIAS HUMANAS PROE-2012/7321-1S Mapeamento Colaborativo da diversidade

Leia mais

ESTÁGIO DE VIVÊNCIA- RESIDÊNCIA AGRÁRIA

ESTÁGIO DE VIVÊNCIA- RESIDÊNCIA AGRÁRIA ESTÁGIO DE VIVÊNCIA- RESIDÊNCIA AGRÁRIA BARROS (1), Adamastor Pereira; LIMA (1),Andréia Santos de; MEDEIROS (2), Marcos Barros de, OLIVEIRA (1), Maria Eduarda Benjamim; SOUZA (1), Walter Ubiratan Pinheiro

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Edital 02/2015 Seleção de Projetos Comunitários 2016

Edital 02/2015 Seleção de Projetos Comunitários 2016 UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL AELBRA. Reconhecida pela Portaria Ministerial n.º 681 de 07/12/89 D.O.U. de 11/12/89 Edital 02/2015 Seleção

Leia mais

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Lux Vidal Apresentação Os povos indígenas do extremo Norte do Amapá, habitantes da bacia do rio Uaçá e do baixo curso do rio Oiapoque - Karipuna, Palikur,

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE DEZEMBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE DEZEMBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CLÁUDIA TRAJANO DE SANTANA JULIANA FRANCELINA DA SILVA RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE DEZEMBRO DE 2012 EREM

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO EDITAL 01/2010 O Pró-reitor de Pesquisa, Extensão,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

NOME OU TÍTULO DO PROJETO: Conhecendo minha cidade DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Área ou Disciplina de Origem: Língua Estrangeira Espanhol

NOME OU TÍTULO DO PROJETO: Conhecendo minha cidade DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Área ou Disciplina de Origem: Língua Estrangeira Espanhol 1. Projeto Interdisciplinar Roteiro NOME OU TÍTULO DO PROJETO: Conhecendo minha cidade DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Área ou Disciplina de Origem: Língua Estrangeira Espanhol Professor coordenador: Mirta Beatriz.

Leia mais

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos...

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Gilberto Gil file:///c:/documents and Settings/normapaula/Meus documentos/norma

Leia mais

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO LUGARES DE APRENDER: A ESCOLA SAI DA ESCOLA DO PROGRAMA CULTURA É CURRÍCULO DA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO ESTADO

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

O PROTAGONISMO ESTUDANTIL NA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PEDAGÓGICAS NA ESCOLA: AVALIAÇÃO DE UM ESTUDO DE CASO

O PROTAGONISMO ESTUDANTIL NA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PEDAGÓGICAS NA ESCOLA: AVALIAÇÃO DE UM ESTUDO DE CASO 1 O PROTAGONISMO ESTUDANTIL NA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS PEDAGÓGICAS NA ESCOLA: AVALIAÇÃO DE UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Paulo Vitor Teodoro 1, BHERING, Marcos Jungmann 2 1 Doutorando em Educação em Ciências

Leia mais

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL HADDAD, Tatiana Paula (Estágio I), e-mail: tphaddad@hotmail.com; PETILO, Kássia Schnepper (Estágio I), e-mail: kassiaschnepper@hotmail.com;

Leia mais

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO TÂNIA DUBOU HANSEL INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Política de Inclusão na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica O Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

TEXTURAS E SENSAÇÕES COM PINTURAS DE AMILCAR DE CASTRO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL.

TEXTURAS E SENSAÇÕES COM PINTURAS DE AMILCAR DE CASTRO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL. TEXTURAS E SENSAÇÕES COM PINTURAS DE AMILCAR DE CASTRO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL. Arachele Maria Santos 1 Maria Joseilda da Silva Oliveira 2 RESUMO Este projeto

Leia mais

Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental.

Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental. Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental. Tatiana Peixoto Gonçalves Universidade Federal do ABC (UFABC) discente do Bacharelando em Ciência e Tecnologia

Leia mais

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011

FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS. São Paulo 05/2011 1 FORMAÇÃO ON-LINE DE PROFESSORES PARA APRENDIZAGEM POR MEIO DE PROJETOS São Paulo 05/2011 Claudia Stippe Rodrigues Instituto Paramitas claudiastippe@institutoparamitas.org.br Mary Grace Pereira Andrioli

Leia mais

Marketing e promoção na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos-USP

Marketing e promoção na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos-USP Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Marketing e promoção na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos-USP Luiza de Menezes Romanetto (USP e UFSCar) - lumenezesr@gmail.com Flávia Helena Cassin (EESC-USP)

Leia mais

CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica

CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica 1 DEGEB Departamento de Desenvolvimento Curricular de Gestão da Educação Básica 2 CEFAF Centro de Ensino dos Anos Finais, Ensino Médio e Educação Profissional

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA

FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA POSTER FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA Nome do Grupo de Trabalho: Educação Popular Número do Grupo de Trabalho: 06 Autora: ISABEL APARECIDA MENDES Co-autora

Leia mais