Calvinistas Também Pensam: Uma Introdução à Filosofia Reformada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Calvinistas Também Pensam: Uma Introdução à Filosofia Reformada"

Transcrição

1 FIDES REFORMATA 1/1 (1996) Calvinistas Também Pensam: Uma Introdução à Filosofia Reformada Ricardo Quadros Gouvêa O que acontece quando um cristão reformado reflete nas implicações filosóficas, científicas e práticas da sua fé? Uma revolução do pensamento teórico com drásticas conseqüências práticas! Nada pode ser mais salutar à igreja do que ser confrontada com os resultados da fé bíblica conforme expostos pela filosofia reformada. Minha expectativa é que isto se torne também a convicção dos leitores ao completarem a leitura deste artigo. Pensamento antitético: marca da filosofia reformada "Nos últimos dias sobrevirão tempos difíceis". Os homens, inimigos de Deus, "jamais podem chegar ao conhecimento da verdade" (2 Tm 3.1-7). Paulo não poderia imaginar a sutileza de raciocínios em que tal inimizade se revelaria. O discurso no Areópago (At ), tão necessário hoje quanto no dia em que foi proferido, é mais desprezado que nunca pelos cultos doutores que, em rebeldia contra seu Criador (Rm ), repetem o motejar dos atenienses: "Sobre isso, Paulo, nós te ouviremos numa outra ocasião" (At 17.32). A filosofia não-cristã sofre de um racionalismo ingênuo desde suas origens helênicas, e a intelectualidade moderna abraçou definitivamente a utopia do ideal científico e o mito da objetividade empírica, a falácia autofágica dos pressupostos humanistas, como a autonomia do pensamento, que implica na rejeição de toda autoridade e na absolutização do juízo crítico.(1) Hoje temos assistido à consumação inevitável de tais compromissos anti-cristãos. O homem se mostra confiante na sua racionalidade a qual supõe potencialmente onisciente, adorando-se como criador e provedor, arquiteto e intérprete do universo, centro de toda a realidade, e o sentido do mundo e da existência. Ele ouve a voz que lhe sussurra: "Certamente não morrerás; pelo contrário, tu serás como o próprio Deus!" (Gn 3.4-5). Possibilidade e necessidade de uma filosofia reformada Ettiene Gilson considerou uma filosofia calvinista impossível.(2) O ponto-de-vista reformado de que o homem é totalmente corrupto,(3) e que não pode, portanto, chegar à verdade, exceto tendo por base a revelação divina, impediria a ereção de uma filosofia cristã. Os calvinistas assumem a revelação de Deus como absolutamente determinativa, e rejeitam a idéia de uma teologia natural. Assim, sugere Gilson, é impossível fazer filosofia, e resta espaço apenas para a teologia.(4) Todavia, a noção reformada da revelação não só dá amplo espaço para o pensamento filosófico, como também é o único solo adequado para o florescimento de uma verdadeira filosofia cristã,(5) uma filosofia que pode ser genuinamente objetiva, como as filosofias imanentistas jamais podem ser.(6) Precisamos de uma filosofia porque o pensamento teórico não é possível sem a estrutura filosófica que o sustenta. Não é possível fazer teologia, nem ciência, sem um fundamento filosófico.(7) Mas a deficiência das antigas filosofias cristãs, nas quais as teologias cristãs vem se baseando por séculos, tornou-se patente. O pensador reformado não pode mais agüentar os pressupostos platônicos, aristotélicos, tomistas, cartesianos, kantianos, ou de

2 qualquer outra espécie espúria que serviram e servem de sustentação para a sua ponderação teórica. O pensador reformado tornou-se epistemologicamente consciente, e exige um novo fundamento que se mostre de acordo com a sua fé. Mas onde podemos encontrar uma filosofia que nos sirva? A filosofia de Tomás de Aquino de fato não nos serve. Trata-se de uma filosofia de síntese, em que a fé cristã é submetida a um desconfortável processo de adaptação ao aristotelismo. Nela, Deus não se distingue inteiramente da sua criação posicionando-se meramente no topo da grande escala dos seres. O elemento transcendente na filosofia tomista não é Deus, mas sim o "Ser". O deus do tomismo não é o trino Deus auto-suficiente das Escrituras, mas sim a causa-nãocausada, mecanicamente ligado ao cosmos e dependente dele. Que fazer? Retornamos a Agostinho? Sim, sem dúvida, naquilo em que o bispo de Hipona é irrepreensivelmente evangélico, naquilo em que foi um verdadeiro precursor do pensamento reformado; mas também Agostinho se deixou levar pelo "canto das sereias" grego, e nos oferece uma filosofia cristã que carrega os farrapos tresandantes e desnecessários de um platonismo decadente, em vez da nudez genuína de Jesus Cristo na cruz. Que opções nos restariam então? As novas sínteses modernas e pós-modernas? O racionalismo de Descartes? O empiricismo de Berkeley? Ou somos obrigados a sucumbir diante da crítica kantiana, pretensamente redentora da fé cristã? Ou resta-nos, apenas, o desespero irracional e subjetivista de Kierkegaard e seus sucessores? Ou por fim devemos nos render à disseminação plurívocado sentido,(8) e ao consequente relativismo absoluto apregoado por Jacques Derrida?(9) Não será esta uma causa perdida? Não será nossa única saída a opção dialética do irracionalismo barthiano? Não seria melhor abraçarmos um fideísmo aparentemente confortável, e deixarmos questões tão complexas e abstratas para o banquete intelectual dos incrédulos? De forma nenhuma! Opções irracionais e fideístas não são menos filosóficas que qualquer outra. Não há pensamento que não seja fundamentado em pressupostos filosóficos. E se não é possível escaparmos da abstração teórica, da estruturação filosófica, das pressuposições aprioristas, então o melhor é que tomemos o cuidado de abraçarmos pressupostos escriturísticos, através de uma filosofia bíblica e reformada, que teoriza para a glória de Deus, e com os olhos fixos no Senhor Jesus Cristo. Origens da filosofia reformada: os primeiros mestres Os frutos filosóficos do Iluminismo não trazem alento ao coração do pensador reformado, o qual não pode senão horrorizar-se diante das diferentes opções que se lhe apresentam quando se trata de adotar uma filosofia cristã moderna. Será então que filosofia tornouse hoje sinônimo de apostasia, e temerária rejeição da revelação de Deus? Será verdade, por outro lado, que a mentalidade Reformada se encontra em tal estado de embotamento que não tenha uma resposta antitética que seja também positiva e atual? Será possível que nossa única opção seja o obscurantismo dos iletrados, e o isolacionismo dos indispostos? De forma nenhuma! É minha convicção que o nosso Deus tem dado início em nossos dia àquilo que podemos chamar de um novo movimento do Espírito, levantando homens aptos a contrargumentar e a derrotar especulações e sofismas, trazendo todo pensamento à obediência de Cristo (2 Co ). Refiro-me aos proponentes da filosofia reformada, cuja nau há muito navega com todas as velas enfunadas em meio às ondas bravias do pensamento apóstata, e segue em alto mar, clamando à intelectualidade contemporânea um retorno à sanidade do fides quaerens intellectum, da distinção fundamental Criador-criatura, da submissão do pensamento humanamente deficiente à autoridade revelacional de Deus em Jesus Cristo. Num tempo em que o paganismo se agiganta e a cristandade se fragmenta, se corrompe,

3 e se emascula, eles surgem como apregoadores de uma nova apologética e de uma filosofia reformada, fundamentada na Escritura, erguida sobre os cânones calvinistas, que surge para eliminar uma lacuna que há muito traz um quase sempre indiagnosticável incômodo ao pensador cristão que se posiciona na linha de João Calvino. A filosofia reformada é praticamente desconhecida na nossa pátria.(10) Fundada pelo renomado teólogo, filósofo e estadista holandês Abraham Kuyper ( ), pensador original e enciclopédico,(11) ela foi desenvolvida por Herman Bavinck ( ) que lançou, juntamente com Kuyper, os fundamentos da filosofia reformada,(12) Herman Dooyeweerd ( ), o grande sistematizador da filosofia Reformada, mestre da crítica transcendental, pai da filosofia cosmonômica,(13) Dirk H. Theodor Vollenhoven ( ),(14) Hendrik G. Stoker ( ),(15) e Cornelius Van Til ( ).(16) Princípios elementares da filosofia reformada Neste artigo introdutório não será possível fazer muito mais além de apresentar ao pensador reformado brasileiro os princípios básicos da filosofia e da apologética reformada. Muitos conceitos parecerão estranhos, e as idéias poderão criar dúvidas. Fazse necessária uma explicitação conceitual mais aprofundada que ficará para outra ocasião. O que segue, portanto, é meramente uma vista panorâmica e propedêutica dos fundamentos da filosofia reformada. Calvinismo integral: uma visão completa da vida e do mundo Para o pensador calvinista, tudo na vida é religião. O calvinismo é uma biocosmovisão completa que envolve todos os aspectos da vida e todas as áreas do conhecimento humano.(17) O calvinista não pode se satisfazer apenas com uma teologia reformada; ele busca uma filosofia igualmente reformada, uma ciência, uma arte, uma cultura, uma política reformada. Todas as áreas da ciência podem e devem ser exploradas a partir de pressupostos cristãos reformados, através da examinação pressuposicional (dos fundamentos teóricos) e estrutural segundo o motivo bíblico elementar da criação-quedaredenção(18) (da sua ordem criada, das disfunções resultantes do pecado, e da retauração pós-lapsariana em Cristo).(19) Como dizia Van Til: "Não há um centímetro quadrado da vida da qual Cristo não diga `é meu'"(20) (Mt 28.18). Deus é absolutamente soberano sobre toda a criação bem como sobre todas os aspectos da realidade e todas as esferas da vida humana. A soberania absoluta de Deus (Sl 139; Is ; Ef ) é o conceito central e fundamental do pensamento reformado. A distinção Criador-criatura: diferença qualitativa infinita Deus não pode, evidentemente, ser confundido com a criação.(21) A filosofia calvinista é teísta. Em oposição aos sistemas monistas que identificam o cosmos criado com Deus (panteísmo), ou eliminam a idéia de Deus inteiramente (ateísmo), ela pode ser também considerada dualista. Existe uma diferença qualitativa infinita entre a mente de Deus e a mente humana (Is 55.8). Não é que Deus saiba infinitamente mais que o homem, mas sim que o saber divino é de qualidade diferente do saber humano.(22) A revelação divina é a fronteira entre Deus e o cosmos.(23) A revelação de Deus traz sentido ao cosmos criado, e exerce uma função legisladora sobre o mesmo. Deus não se limita à revelação; Deus é o criador do cosmos e das leis que o regem, e não está sujeito às leis cósmicas, nem mesmo às leis da lógica.(24)

4 Filosofia do pacto: tudo na vida é fundamentalmente religioso O conceito de religião representa, na filosofia calvinista, não a noção popular de religiosidade, mas sim o verdadeiro sentido da palavra, isto é, a religação do indivíduo com o seu Criador. Ora, só há um caminho para a redenção e a reconciliação com Deus: a fé em Jesus Cristo. Para o pensador reformado, portanto, a religiosidade é uma função do ser humano, e todos os seres humanos são essencialmente religiosos, uma vez que todos os homens se posicionam em submissão ou em rebeldia contra Deus, respondendo positiva ou negativamente à salvação em Cristo oferecida pela graça divina, segundo a soberania do próprio Deus. O pensamento humano é controlado e guiado por princípios fundamentais que refletem uma atitude religiosa básica. Esta é, na verdade, uma noção básica da teologia do pacto: nós somos criaturas religiosas. Nós fomos criados para conhecer a Deus e ter comunhão com ele. Nós temos que depender de Deus. Quando não o fazemos, não é que deixamos de ser religiosos, mas sim que desviamos nossa fé em direção de algum outro objeto, e tornamo-nos idólatras, infiéis para com Deus, adorando a criatura em lugar do Criador (Rm 1.25). O "coração" humano se dirige a Deus ou se afasta dele em rebeldia (Rm 3.10; 8.7-8; Ef 2.3). Ele é o centro da existência humana e do relacionamento com Deus. Do coração do homem procedem as fontes da vida (Pv 4.23), isto é, tudo na vida depende e é também resultado deste posicionamento religioso do coração em submissão ou em rebeldia contra Deus. Pressuposição da filosofia calvinista: só o cristianismo dá sentido ao mundo Ninguém, segundo a filosofia reformada, pode prestar contas de coisa alguma em si mesmo ou no mundo exceto se fundamentado na revelação.(25) Desse ponto de vista, é absolutamente irracional defender qualquer outra postura que não seja a da fé cristã. Somente o cristianismo não sacrifica a razão no altar da deusa contingência.(26) A filosofia reformada é, portanto, pressuposional: ela sustenta que a única "prova" da posição cristã é que, a não ser que ela seja pressuposta como verdade, não é possível provar coisa alguma.(27) Pela graça comum, todavia, os incrédulos têm chegado a descobertas espantosas. Só que, segundo a filosofia calvinista, o não-cristão não tem nenhum direito sobre qualquer destas verdades, que Van Til chama de "capital emprestado".(28) Todas as verdades sobre o cosmos pertencem àqueles que reconhecem o cosmos e suas leis como criação de Deus. Até mesmo conceitos filosóficos de origem não cristã podem ser utilizados pela filosofia cristã reformada, uma vez que eles, quando verdadeiros, pertencem de direito ao cristão, que tem a obrigação de resgatar e purificar a verdade, e trazê-la à obediência de Cristo (2 Co ). Esse processo é oposto ao processo de síntese comumente utilizado por filósofos cristãos (ex.: Tomas de Aquino, Paul Tillich) que realizam o processo inverso através de uma adaptação forçada do pensamento cristão ao pensamento apóstata. Palingênese: a restauração integral em Cristo (29) Orientado pela revelação, o cristão pode interpretar o mundo corretamente, ainda que não exaustivamente. O cristão pode e deve explorar o cosmos criado, bem como suas próprias capacidades intelectivas. Essa atividade é, na verdade, um mandato bíblico (Gn 1.28). Na verdade, só o cristão, graças ao processo palingenético, genuinamente pode, quer, e sabe fazê-lo, no poder do Espírito (Cl 3.10).(30) O pensamento não-cristão põese em rebeldia contra o Criador, e afirma a autonomia da razão humana, a qual passa a ser o tribunal supremo da verdade. Mas a pretensa razão autônoma não é realmente livre. Ela é a razão escravizada pelo pecado que carrega o ser humano inevitavelmente para a escravidão da idolatria. Somente a ação redentora do Espírito de Deus pode tornar

5 o homem livre da escravidão do pecado para a obediência de Cristo. E assim libertado, o cristão recupera a capacidade de explorar de forma proveitosa a criação de Deus, pois agora ele compreende que de Deus, por Deus, e para Deus são todas as coisas (Rm 11.36; cf. At 17.28). Fica claro que um obstáculo para a filosofia reformada é o biblicismo.(31) O pensamento biblicista é uma distorção da doutrina calvinista da Palavra de Deus. A filosofia calvinista se fundamenta na Bíblia e se responsabiliza por permanecer sempre biblicamente orientada. Mas se a Bíblia é compreendida como a única fonte de conhecimento seguro para o cristão, e exclue-se a possibilidade de investigar-se o cosmos criado através da iluminação do Espírito, então de fato as portas se fecham para a investigação científica e filosófica, o que é sem dúvida uma tragédia. O biblicismo é, entretanto, uma distorção que não representa fidedignamente o pensamento calvinista. Para Calvino, a revelação especial de Deus são as lentes que nos permitem compreender a criação como o próprio Deus a compreende. Ao colocarmos as lentes da Escritura em frente aos nossos olhos somos capazes, pela primeira vez, de enxergar a criação de Deus de modo apropriado. Calvino compreendeu os efeitos radicais da queda, inclusive o efeito noético do pecado, que tornou a razão humana incapaz de chegar ao conhecimento da verdade por si mesma (Tt 1.15). E uma vez que a queda é primordialmente uma tragédia ética, a desobediência é a característica de tudo o que fazemos, dizemos ou pensamos. Mas Calvino também compreendeu o sentido radical da redenção em Cristo, que restaura o homem palingeneticamente, em todos os aspectos do seu ser.(32) A investigação do cosmos criado e da revelação geral de Deus é, todavia, executada segundo os pressupostos bíblicos explicitados teoricamente pela filosofia reformada. O pensador calvinista não principia em um "fato" supostamente neutro. Segundo Van Til, o que o não-cristão entende pela existência de um "fato", é a sua existência independentemente de Deus.(33) O "ser" é a noção transcendental por excelência do pensamento não-cristão (e de formas inconsistentes do cristianismo). Mas o "ser" e a "existência", segundo a filosofia reformada, não podem sequer ser discutidos sem que seja considerada a pressuposição ainda mais fundamental da existência ou do "ser" de Deus. Todas as coisas são inexplicáveis se não fôr pressuposto o Deus da Escritura.(34) Defesa da fé: Uma filosofia reformada implica em uma apologética reformada Paralela à insatisfação reformada com as chamadas filosofias cristãs, desenvolveu-se paulatinamente uma insatisfação semelhante com os métodos apologéticos empregados pelos defensores da nossa fé. O surgimento de uma filosofia reformada implica em uma revolução na nossa apologética. Coube a Van Til desenvolver um sistema apologético que ele considerou genuinamente reformado. Van Til chamou seu método de "pressuposicional", e seu lema é o de Anselmo: credo ut intelligam (eu creio para que eu possa compreender). O método pressuposicional de Van Til opõe-se radicalmente ao método tradicional evidencialista-racionalista, que sugere exatamente o oposto: "eu creio porque eu compreendo".(35) A apologética tradicional acredita na habilidade e confiabilidade da razão humana, e procura fundamentar a fé em argumentos racionais e empíricos. O método tradicional, portanto, não leva devidamente em consideração os efeitos radicais da queda. O método pressuposicional sustenta que a fé em Deus precede o entendimento de qualquer coisa, e que a elucidação teórica da verdade é subseqüente à fé; e que a corrupção total do homem foi a causa da razão humana se tornar incapaz de ancorar-se, autonomamente, e de modo satisfatório, em algo objetivamente indubitável. A ação regeneradora do Espírito é conditio sine qua non tanto para o despertar da fé quanto para a iluminação intelectual genuína que, radicada na fé em Deus, pode chegar à

6 interpretação correta dos fatos. Analisaremos em seguida os três princípios elementares da nova apologética reformada. Pensamento pressuposicional: Deus como pressuposto filosófico A apologética é a justificação da nossa esperança, a qual somos chamados a apresentar àqueles que nos indagam (1 Pe 3.15). É, segundo Van Til, "a defesa da filosofia de vida cristã contra as várias formas da filosofia de vida não-cristã".(36) O mandato escriturístico é bastante claro, mas resta saber qual é a melhor metodologia para executá-lo. A apologética tradicional principia no esforço de provar a existência de Deus. Alguns apologistas buscam demonstrar a existência de Deus através de argumentos lógicos, e alguns apresentam evidências históricas. A apologética reformada é chamada "pressuposicional" porque ela não procura provar a existência de Deus, mas antes a pressupõe. Ela ainda pressupõe que todas as pessoas já sabem de antemão que Deus existe, mesmo que afirmem o contrário (Rm ). Além disso, a apologética reformada não pressupõe um deus, ou melhor ainda, a possibilidade da existência de um deus. A apologética reformada não se satisfaz senão com o pressuposto do trino Deus das Escrituras, e este não existe possivelmente, mas certamente é! Deus é ontologica e racionalmente necessário!(37) Para o apologista tomista, a possibilidade torna-se a origem de Deus; mas para o apologista reformado, Deus é a origem de toda e qualquer possibilidade. A apologética reformada, portanto, em vez de tentar provar a existência de Deus por meios racionalistas e empiricistas, pressupõe a existência de Deus desde o princípio. E isso não é embaraçoso, porque os incrédulos também baseiam a sua incredulidade em alguma espécie de autoridade não-confirmável. Ambos, cristãos e nãocristãos, possuem pressuposições. Os chamados bruta facta (fatos brutos, nus e crus) não existem. Tudo que "existe" já existe interpretado, hermeneuticizado pelo homem segundo pressupostos previamente estabelecidos. A neutralidade do pensamento é uma utopia que nem é possível nem desejável, pois almejá-la é iludir-se e submeter-se invariavelmente, consciente ou inconscientemente, sob a égide de um conjunto específico de pressuposições. O efeito noético do pecado: a corrupção da razão A apologética reformada entende que a corrupção do pecado estende-se a todas as áreas da vida do homem, inclusive a seus pensamentos e atitudes, sua razão, suas emoções, sua vontade. É somente pela graça de Deus, através da regeneração pelo novo nascimento em Cristo, que o ser humano pode, pelo poder do Espírito, renovar a sua mente, e adquirir a capacidade de repensar os pensamentos de Deus, e de entender o mundo conforme a interpretação dada por Deus em sua revelação. A apologética reformada não minimiza a lógica (mas também não a eleva acima de Deus, que a criou) nem as evidências, mas ela as incorpora em um esquema de compromissos básicos (pressuposições) no qual elas passam a fazer sentido.(38) O pensamento não-cristão (bem como o pensamento cristão inconsistente) não possue um legítimo ponto de transcendência, e acaba por permanecer preso dentro dos confins do cosmos criado. A apologética reformada afirma a finitude e a pecaminosidade do homem, e a incapacidade humana de compreender o universo. Mas ela também apresenta Deus como o Criador. Só um mundo que tem sua interpretação definida pelo Deus vivo faz sentido (Jó 38.4).(39) Ponto-de-contato: a religiosidade inerente ao homem A apologética reformada baseia-se no fato de que todos os homens intuem Deus (sensus divinitatis). O homem rejeita seu conhecimento de Deus e o nega. Quando apresentamos

7 o evangelho aos incrédulos, estamos-lhes comunicando aquilo que eles em grande parte já sabem, mas tentam ignorar e suprimir (Rm ).(40) Este é, segundo a apologética reformada, o nosso único ponto de contato (Anknüpfungspunkt) com os incrédulos. Eis porque são vãos os apelos da apologética tradicional às "noções comuns" a cristãos e não-cristãos, e à neutralidade da razão. Contrário ao que diz a apologética clássica, a racionalidade humana não serve como ponto-de-contato.(41) Não há acordo entre cristão e não-cristão em nenhuma área do conhecimento humano, em nenhum aspecto de sua biocosmovisão.(42) A apologética pressuposicional ataca, portanto, o coração do incrédulo, e consequentemente o coração da questão. Pensamento e fé são funções do ser humano que operam unidas movendo-se em direção à obediência a Deus ou à apostasia. A apologética calvinista busca, portanto, expôr os pressupostos básicos que controlam o pensamento e a vida das pessoas. Isso envolve identificar e desmascarar os motivos que direcionam as tendências por trás do estilo-de-vida de um indivíduo, de uma família ou de toda uma sociedade. Eis porque a apologética e a filosofia reformadas formam a base necessária e convidam o pensador cristão para se engajar na formação de uma psicologia reformada, uma sociologia reformada, uma antropologia reformada, e assim por diante. Assim como a filosofia reformada é antitética e bíblica, assim também devem ser as ciências sob o ponto-de-vista calvinista. A filosofia reformada forma a sustentação teorética necessária para o levantamento destes edifícios científicos. Fica claro, portanto, que não estamos propondo a criação de glossas e apêndices, mas sim uma verdadeira revolução na história do pensamento cristão, para maior glória do nome de Cristo. Conclusão Neste ensaio procuramos em breves palavras apresentar ao pensador reformado brasileiro os fundamentos da filosofia e da apologética reformadas. Só Deus sabe os efeitos que tal empreendimento pode promover na igreja de Cristo. Só podemos adiantar que são efeitos revolucionários, transformadores, e verdadeiramente significativos para a teologia, a prática eclesiástica, e a vida cristã de cada irmão em Cristo. Nossa esperança é que o pensamento reformado se agigante em nossa pátria, e que possa ter sobre nossa terra e nosso povo um efeito salvador e restaurador, em particular na cultura e na política brasileiras. Nossa proposta é que o brasileiro calvinista abrace uma biocosmovisão completamente calvinista, para que possamos de fato, e coerentemente, reclamar o Brasil para Cristo, em todas as áreas da vida, da cultura, e do pensamento. Na minha opinião, O calvinismo é a mais perfeita apresentação da fé cristã. Como disse B. B. Warfield, "o calvinismo é o cristianismo que se achou".(43) Se pregarmos a fé reformada segundo os princípios básicos da biocosmovisão calvinista, estaremos pregando a fé cristã em sua mais perfeita expressão, e estaremos portanto, servindo a causa de Jesus Cristo da melhor maneira possível. Notas 1 Para definições desses e de outros conceitos filosóficos mencionados no presente artigo, ver Estêvão Cruz, Compêndio de Filosofia (Porto Alegre: Globo, 1932); Theobaldo Miranda Santos, Manual de Filosofia: Introdução, Filosofia Geral, História da Filosofia, e Dicionário de Filosofia (São Paulo: Nacional, 1966; 14a. ed.); Norman L. Geisler e Paul D. Feinberg, Introdução à Filosofia (São Paulo: Vida Nova, 1989).

8 2 Cf. Robert D. Knudsen, Calvinistic Philosophy (obra não publicada) 4. 3 A corrupção total do homem causada pela queda é um dos cinco fundamentos do calvinismo. Os outros quatro são: eleição incondicional, expiação limitada, graça irresistível, e a perseverança dos santos. São estes cinco fundamentos que distinguem a teologia reformada de outras formas de teologia cristã que são, do ponto de vista calvinista, inerentemente inconsistentes. 4 Citado em Knudsen, Calvinistic Philosophy, 4. Karl Barth, seguindo Kierkegaard, também chegou à mesma conclusão de Gilson, chamando até mesmo o conceito de "filosofia cristã" de um conceito bastardo. No seu pensamento, o caminho da filosofia e do cristianismo se opõem como os caminhos respectivamente da imanência e da transcendência paradoxal. Para Barth, assim como para Kierkegaard, a fé é irracional, um salto no escuro, e fundamentalmente subjetiva. Veja Cornelius Van Til, The New Modernism (Philadelphia: Presbyterian and Reformed, 1947); e G. C. Berkouwer, The Triumph of Grace in the Theology of Karl Barth (Grand Rapids: Eerdmans, 1956). 5 A obra-prima de Herman Bavinck, Philosophy of Revelation (Grand Rapids: Baker, 1979; 1a. edição ), foi uma resposta a Gilson. Veja William White Jr., Van Til: Defender of the Faith (Nashville: Thomas Nelson, 1979), H. G. Stoker, "The Possibility of a Calvinistic Philosophy" em The Evangelical Quarterly 7 (1935) Joel R. Beeke, "Cornelius Van Til and Reformed Apologetics" em Reformed Herald 51 (1995), 7. Veja Herman Dooyeweerd, A New Critique of Theoretical Thought (Jordan Station: Paideia, 1984); e L. Kalsbeek, Contours of a Christian Philosophy (Toronto: Wedge, 1975). 8 Plurívoco refere-se àquilo que tem sentido múltiplo, que é passível de ser interpretado de formas diferentes. Posiciona-se, em tese, contra aquilo que é unívoco, que tem sentido único, uma só interpretação possível. 9 Jacques Derrida, nascido em 1930, é filósofo francês e crítico literário. Ele é professor da Ecole Normale Superieure em Paris. Suas teorias, conhecidas como pós-estruturalismo e deconstrucionismo, embora relativamente desconhecidas no Brasil, são largamente influentes nos Estados Unidos e na Europa. Em contraste ao estruturalismo de Fernand de Saussure e seus seguidores, Derrida mantém que o sentido da linguagem é elusivo e oculto, e que nenhuma interpretação definitiva pode ser estabelecida. Seu método crítico consiste em "deconstruir" um texto pela exposição das pressuposições lingüísticas e filosóficas ocultas no mesmo (Nota do Editor). 10 A nobre exceção é Francis Schaeffer, cuja obra de alcance mundial chegou também à mão dos brasileiros, infelizmente em traduções irregulares. O mestre de L'Abri nunca pretendeu fazer filosofia cristã a nível acadêmico. Schaeffer, todavia, prestou ao mundo cristão o inestimável trabalho de popularizar a apologética Reformada pressuposicional através de sua imaginativa obra. Veja The Complete Works of Francis Schaeffer 5 vols. (Wheaton: Crossway, 1982). Nem todos estudiosos, entretanto, entendem que Schaeffer era um pressuposicionalista coerente. Ver, por exemplo, o artigo de William Edgar, "Two Christian Warriors: Cornelius Van Til and Francis Schaeffer Compared", em Westminster Theological Journal 57/1 (1995)

9 11 Knudsen, Calvinistic Philosophy, Veja Abraham Kuyper, Lectures on Calvinism (Grand Rapids: Eerdmans, 1931). 12 Veja Cornelius Van Til, "Bavinck the Theologian" em Westminster Theological Journal 27 (1961) Veja David Hugh Freeman, Recent Studies in Philosophy and Theology (Philadelphia: Presbyterian and Reformed, 1962); e Vincent Brümmer, Transcendental Criticism and Christian Philosophy (Franeker: T. Wever, 1961). 14 Veja John H. Kok, Vollenhoven (Sioux Center: Dordt College Press, 1992). 15 Veja Knudsen, Calvinistic Philosophy, Muitos outros ilustres pensadores calvinistas poderiam figurar em uma lista mais detalhada: J. Woltjer, J. M. Spier, J. P. A. Mekkes, S. U. Zuidema, K. J. Popma, Hendrik van Riessen, Pierre Charles Marcel, Robert D. Knudsen, K. Scott Oliphint, John Frame, William Edgar, Vern S. Poythress, David A. Powlison, Rousas Rushdoony, Greg Bahnsen, Hendrik Hart, James Olthuis, Calvin Seerveld, Bernard Zilstra, H. Evan Runner, entre muitos outros. Ainda que os filósofos reformados estejam hoje espalhados por todo o globo, algumas escolas de pós-graduação destacam-se por sustentar, ao menos em parte, a filosofia calvinista, como por exemplo a Vrije Universiteit de Amsterdam, o Westminster Theological Seminary de Philadelphia, o Calvin College e o Calvin Theological Seminary de Grand Rapids, e o Institute for Christian Studies de Toronto. 17 Os reformadores e seus sucessores obtiveram grandes conquistas na área teológica, mas foi somente através da pena de Abraham Kuyper que os calvinistas puderam encontrar uma filosofia reformada que proporcionasse uma completa biocosmovisão (Weltanschauung) perfeitamente coerente com o pensamento calvinista. Entre as obras de Kuyper, há duas que apresentam de forma mais distinta a gênese da filosofia reformada: Lectures on Calvinism, 9-40; e Encyclopedia of Sacred Theology (New York: Scribner's, 1898), Dooyeweerd sugeriu que há quatro motivos elementares nos quais se fundamentam todas as diferentes escolas da história da filosofia. Três deles são apóstatas: o esquema dualista matéria-forma da filosofia grega, o esquema da síntese medieval natureza-graça, e o esquema moderno natureza-liberdade. Em oposição a todos estes, há o esquema cristão radicalmente bíblico criação-queda-redenção. É somente sobre este último motivo elementar que o edifício da filosofia cristã genuína poderá ser erguido. 19 Beeke, "Cornelius Van Til and Reformed Apologetics", Robert D. Knudsen, "The Legacy of Cornelius Van Til" em New Horizons 16 (1995), Há duas realidades: a) Deus e b) tudo o mais; e no princípio só havia Deus. Cf. Thomas E. Tyson, "The Two Circles" em New Horizons 16 (1995), Veja Cornelius Van Til, The Defense of the Faith (Phillipsburg: Presbyterian and Reformed, 1967), Dooyeweerd criou o nome peculiar de "princípio cosmonômico", ou ainda "idéia-lei",

10 para a revelação de Deus enquanto esta executa a função de fronteira entre Deus e o cosmos criado. Os conceitos dooyeweerdianos receberam críticas e aplausos por parte de outros filósofos calvinistas. Veja sua obra A New Critique of Theoretical Thought; e L. Kalsbeek, Contours of a Christian Philosophy. 24 É de Calvino a expressão "Deus ex lex est", cf. Knudsen, Calvinistic Philosophy, Scott Oliphint, Cornelius Van Til and the Reformation of Christian Apologetics (Scarsdale: Westminster Discount Book Service), White Jr., Van Til: Defender of the Faith, Ibid. 28 Oliphint, Cornelius Van Til and the Reformation of Christian Apologetics, "Palingênese" significa "uma mudança brusca". Para o emprego do termo na linguagem filosófica reformada ver a nota 32 (Nota do Editor). 30 "Há dois tipos de pessoas, e ambos se propõem a ser os intérpretes da raça humana na sua normalidade, e... não podem abandonar a pretensão de que só o resultado de sua investigação científica leva ao conhecimento do objeto.... A diferença entre estes dois grupos pode ser brevemente descrita pela palavra `palingênese'". Abraham Kuyper, Encyclopedia of Sacred Theology, Cf. Knudsen, Calvinistic Philosophy, 5-6. Biblicismo é a teoria epistemológica cristã que sugere que só a Bíblia pode fornecer ao homem um conhecimento verdadeiro sobre qualquer coisa. A Bíblia torna-se a única fonte, não apenas do conhecimento de Deus, de sua relação com o homem, e de conhecimento teológico, mas também de conhecimento científico e filosófico. O biblicismo vai um passo além da doutrina da inerrância, pois enquanto esta afirma ser a Bíblia destituída de erro, o biblicismo afirma ser a Bíblia a única fonte de conhecimento confiável. Trata-se de uma absolutização que não tem fundamento nem na própria Bíblia, e de uma distorção do ensino de Calvino, que nunca negou o valor da pesquisa científica empírica, e julgava valioso o conhecimento proveniente dos estudos humanistas da literatura grego-romana clássica. 32 A. Kuyper sugere que a regeneração em Cristo, segundo os princípios calvinistas, só pode ser compreendida como uma palingênese, isto é, como um recomeço amplo, geral, e irrestrito, que afeta todas as áreas do homem e de todo o cosmos criado. 33 Cornelius Van Til, Survey of Christian Epistemology (Nutley: Presbyterian and Reformed, 1977), Oliphint, Cornelius Van Til and the Reformation of Christian Apologetics, A apologética reformada de Van Til opõe-se também a sistemas apologéticos nãoracionais (por exemplo, o barthianismo) cujo lema poderia ser o credo quia absurdum (creio porque é absurdo) de Tertuliano. 36 Cornelius Van Til, Christian Apologetics (Phillipsburg: Presbyterian and Reformed,

11 1976), White Jr., Van Til: Defender of the Faith, William Edgar, "Why I Am a Presuppositionalist" em New Horizons 16 (1995), Ibid. 40 White Jr., Van Til: Defender of the Faith, Oliphint, Cornelius Van Til and the Reformation of Christian Apologetics, Abraham Kuyper, Encyclopedia of Sacred Theology, Oliphint, Cornelius Van Til and the Reformation of Christian Apologetics, 29.

Calvinistas Também Pensam: Uma Introdução à Filosofia Reformada

Calvinistas Também Pensam: Uma Introdução à Filosofia Reformada Calvinistas Também Pensam: Uma Introdução à Filosofia Reformada por Ricardo Quadros Gouvêa O que acontece quando um cristão reformado reflete nas implicações filosóficas, científicas e práticas da sua

Leia mais

Lógica Revelando Deus

Lógica Revelando Deus [1] Capítulo 7: Lógica Revelando Deus Vern Sheridan Poythress A lógica é independente de Deus? É necessário cuidado aqui. A lógica é independente de qualquer ser humano particular e da humanidade como

Leia mais

José Carlos Piacente Júnior * FIDES REFORMATA XV, Nº 1 (2010): 129-133

José Carlos Piacente Júnior * FIDES REFORMATA XV, Nº 1 (2010): 129-133 FIDES REFORMATA XV, Nº 1 (2010): 129-133 Resenha José Carlos Piacente Júnior * DOOYEWEERD, Herman. No crepúsculo do pensamento ocidental: estudos sobre a pretensa autonomia do pensamento filosófico. Trad.

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro.

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro. A importância do estudo bíblico para a vida cristã 2 Pedro 1.12-2121 Pr. Fernando Fernandes Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

Apologética Cristã V. Paulo em Atenas (Atos 17:16-34)

Apologética Cristã V. Paulo em Atenas (Atos 17:16-34) 1 Apologética Cristã V Paulo em Atenas (Atos 17:16-34) Alan Myatt A Bíblia nos dá um exemplo da metodologia apologética de Paulo no discurso no Areópago de Atos 17. Paulo enfrentou as filosofias gregas

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

PARA ONDE CAMINHA A IGREJA BRASILEIRA?

PARA ONDE CAMINHA A IGREJA BRASILEIRA? PARA ONDE CAMINHA A IGREJA BRASILEIRA? Franklin Ferreira CONCEITUAÇÕES Fundamentalismo evangélico: literalismo bíblico, dispensacionalismo, cismático, rejeição do diálogo acadêmico. Liberalismo teológico:

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem?

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? O Batismo nas Águas O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? É UMA ORDENANÇA DE JESUS O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que

Leia mais

Texto base Jo 8: 12 a 59

Texto base Jo 8: 12 a 59 Texto base Jo 8: 12 a 59 EU SOU Eternidade, Imutabilidade e Fidelidade pactual a. A busca equivocada Após a multiplicação dos pães e peixes, Jesus deixou a multidão (Jo 6: 1 a 15) A multidão resolveu procurá-lo

Leia mais

No entanto, devemos evitar tratar destas coisas como se fossem separadas. O homem deve ser visto como um ser completo, um todo indivisível.

No entanto, devemos evitar tratar destas coisas como se fossem separadas. O homem deve ser visto como um ser completo, um todo indivisível. 1 Aula 02 A CRIAÇÃO DO HOMEM À IMAGEM E SEMELHANÇA DE DEUS Depois de haver feito as outras criaturas, Deus criou o homem, macho e fêmea, com almas racionais e imortais, e dotou-as de inteligência, retidão

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 Apostila Fundamentos Batismo nas Águas batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 B a t i s m o n a s Á g u a s P á g i n a 2 Batismo nas Águas Este é outro passo que está

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Udo Middelmann The Francis A. Schaeffer Foundation

Udo Middelmann The Francis A. Schaeffer Foundation Gênesis no espaço-tempo repassa os primeiros onze capítulos de Gênesis e neles descobre um registro de dimensão histórica. Esses são registros preabrâmicos, mas não prehistóricos. Descrevem os seres humanos

Leia mais

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5 ESTUDO 09-6:1-13 A MANIFESTAÇÃO DA IRA E DA GRAÇA DE DEUS : Existem aspectos no Evangelho de Cristo que são extremamente duros, e ao mesmo tempo consoladores. Quando pensamos na seriedade do pecado diante

Leia mais

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 1 Sumário Prefácio...3 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera Ministério de Grupos Pequenos Março

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

bibliotecaarminianaon.blogspot.com

bibliotecaarminianaon.blogspot.com Soberania de deus e Livre-Arbítrio Jack Cottrell Soberania e Livre-Arbítrio Jack Cottrell Um dos problemas mais desconcertantes na teologia é como Deus pode manter Sua absoluta soberania enquanto considerando

Leia mais

Como Ler a Bíblia Biblicamente

Como Ler a Bíblia Biblicamente Como Ler a Bíblia Biblicamente Joe Morecraft, III Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto 1 A sua visão sobre Deus determinará como você lê a Bíblia. A hermenêutica 2 procede da teologia. O Senhor Deus

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

TRÊS ESTILOS DE VIDA

TRÊS ESTILOS DE VIDA TRÊS ESTILOS DE VIDA 1 Co 2:14 Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. 15 Porém o homem

Leia mais

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida 1 GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida Introdução Muitos de nós ouvimos, com certa freqüência, pregadores que ao fazerem apelo, dizem coisas do tipo: dê uma chance para Jesus ou ainda deixe Jesus entrar

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III

A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III 1 A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III Nas cartas do apóstolo Paulo, a doutrina da justificação é o maravilhoso ensino bíblico de que Deus nos aceita como justos em Cristo e perdoa nossos

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO ETERNIDADE DEUS PAI LOGUS ESPIRITO SANTO A TRINDADE 1Jo.5.7 LOGUS QUER DIZER PALAVRA OU VERBO SE REFERE AO FILHO NA ETERNIDADE I - SUA PRÉ-EXISTÊNCIA 1 - SUA EXISTÊNCIA

Leia mais

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória.

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória. 1 A OBRA DA CRUZ Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo. Gálatas 6.14 OBJETIVO. Este sermão tem

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

Estudos na Palavra de Deus. Jovens

Estudos na Palavra de Deus. Jovens Estudos na Palavra de Deus Jovens Grandes Santos de Deus Jovens programação Jovens Sirvo a um Deus preciso Richard Roger (1550-1618) Jovens Família Igreja Sociedade Jovens CTB Os Puritanos Juliano Heyse

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Lição 07 A COMUNIDADE DO REI

Lição 07 A COMUNIDADE DO REI Lição 07 A COMUNIDADE DO REI OBJETIVO: Apresentar ao estudante, o ensino bíblico sobre a relação entre a Igreja e o Reino de Deus, para que, como súdito desse reino testemunhe com ousadia e sirva em amor.

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO Estudo Bíblico Bispo Luiz Vergílio / Caxias do Sul/RS Abril de 2009 Ministerial de Pastores e Pastoras 1 MISSÃO DA IGREJA E CRESCIMENTO I. IGREJA

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

O CRISTÃO E A IDENTIDADE DOUTRINÁRIA. Uma introdução do curso

O CRISTÃO E A IDENTIDADE DOUTRINÁRIA. Uma introdução do curso O CRISTÃO E A IDENTIDADE DOUTRINÁRIA Sugestões bibliográficas: Uma introdução do curso BAVINCK, Herman. Dogmática Reformada. Vol 1-4. BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática. 791pp. O Catecismo Maior de Westminster.

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

Antropologia Religiosa

Antropologia Religiosa Antropologia Religiosa Quem somos nós? De onde viemos? Para onde vamos? Qual é a nossa missão no universo? O que nos espera? Que sentido podemos dar a nossa vida? Qual o sentido da história e do mundo?

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS Alan Rafael Valente (G-CCHE-UENP/CJ) Douglas Felipe Bianconi (G-CCHE-UENP/CJ) Gabriel Arcanjo Brianese (G-CCHE-UENP/CJ) Samantha Cristina Macedo Périco (G-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

Introdução à 26/05/2011 A doutrina de Cristo segundo as escrituras Divindade de Cristo O que a história da igreja fala sobre o assunto? A Igreja Primitiva No início do século II, o cristianismo era uma

Leia mais

Texto do dia. "Disse-lhes, então: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus" (Lc 20.25).

Texto do dia. Disse-lhes, então: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus (Lc 20.25). Lição 12 21/06/2015 Texto do dia "Disse-lhes, então: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus" (Lc 20.25). Síntese O exercício da cidadania terrena e a participação política dos servos

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

AS PARÁBOLAS DA BÍBLIA

AS PARÁBOLAS DA BÍBLIA AS PARÁBOLAS DA BÍBLIA Série de Estudos Teológicos By Rev. Roger Rangel AS PARÁBOLAS DO NT Parábola do sal e de seu sabor Mt 5:13 Mc 9:50 Lc 14:34,35 Essa parábola será estudada em conjunto com a da luz

Leia mais

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5. Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.1-2 E na minha nação excedia em judaísmo a muitos da minha

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DA MÚSICA DA NOSSA IGREJA

UMA AVALIAÇÃO DA MÚSICA DA NOSSA IGREJA UMA AVALIAÇÃO DA MÚSICA DA NOSSA IGREJA Aula 8 Objetivo: Capacitar o aluno para avaliar toda música (os hinos, cânticos espirituais, solos, cânticos para o coral, etc.) que cantamos e ouvimos. Segunda

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS Gn 5 1 Esta é a lista dos descendentes de Adão. Quando criou os seres humanos, Deus os fez parecidos com ele. 2 Deus os criou homem e mulher, e os abençoou, e lhes deu o nome de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

A palavra do Senhor descarta a ideia de triteísmo (três Deuses) e de unicismo (Religião,Prática de

A palavra do Senhor descarta a ideia de triteísmo (três Deuses) e de unicismo (Religião,Prática de Aula 1 19/11/2014 A palavra do Senhor descarta a ideia de triteísmo (três Deuses) e de unicismo (Religião,Prática de adoração a um só Deus; Negam a existência da santa trindade.) A Trindade pode ser definida

Leia mais

ORIGENS E POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO

ORIGENS E POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO ORIGENS E POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO Ao longo da aventura em busca do conhecimento, vamos nos deparar com diferentes correntes de pensamento. Conhece-las é o caminho para podermos conhecer o mundo

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO DECLARAÇÃO DE FÉ Pr Josemeire Ribeiro CRM PR 2015 O que é credo? É o que eu creio. PLANO DE SALVAÇÃO QUEDA REDENÇÃO RESTAURAÇÃO Declaração de Fé da IEQ foi compilada por sua fundadora Aimeé Semple McPherson,

Leia mais

A Batalha Contra a Carne. Aula - 05

A Batalha Contra a Carne. Aula - 05 A Batalha Contra a Carne Aula - 05 A Batalha Contra a Carne Textos Básicos: Gl 5.16-23; Mt 26.41 A vida cristã é uma peregrinação. Usando a linguagem das Escrituras, é uma viagem que se faz à pé. O ato

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB)

DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB) DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB) A Igreja de Jesus Cristo está comprometida somente com o Antigo e Novo Testamentos como a única autoridade escrita de fé e conduta.

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

nossa liberdade. Uma certa resistência da teologia em reconhecer esta realidade levou a muitos, sobretudo aqueles mais influenciados pela cultura

nossa liberdade. Uma certa resistência da teologia em reconhecer esta realidade levou a muitos, sobretudo aqueles mais influenciados pela cultura Conclusão Jesus Cristo é a nossa salvação. Esta é uma verdade fundamental do cristianismo. No primeiro capítulo vimos que o ser humano possui um desejo intrínseco de autorrealização, mas por outro lado,

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

SIMULADO DE FILOSOFIA

SIMULADO DE FILOSOFIA NOME: DATA DE ENTREGA: / / SIMULADO DE FILOSOFIA 1) A Filosofia é uma disciplina, ou uma área de estudo que envolve: a) ( ) investigação, análise, discussão, formação e reflexão de idéias em uma situação

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS)

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) 1. O que é Revelação segundo a Bíblia? Revelação segundo a Bíblia é trazer a luz aquilo que estava oculto, no que se refere ao programa de Deus

Leia mais

Apesar de toda diversidade a Bíblia toda contém uma só idéia central: Jesus Cristo, o Senhor, que ama e salva o homem pecador. Gn 3.15; Ap 19.

Apesar de toda diversidade a Bíblia toda contém uma só idéia central: Jesus Cristo, o Senhor, que ama e salva o homem pecador. Gn 3.15; Ap 19. Apresentação do Curso Existem duas formas de se estudar teologia, uma é através da Teologia Bíblica que extrai as verdades que formularão as doutrinas diretamente do texto. A outra maneira é através da

Leia mais

Crendo em Deus, Conhecendo-o de verdade. Aula 01/02/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Crendo em Deus, Conhecendo-o de verdade. Aula 01/02/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Crendo em Deus, Conhecendo-o de verdade Aula 01/02/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Crendo em Deus Pesquisa do IBGE (censo 2010) aponta que 92% dos brasileiros creem em Deus ou em um espírito

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA

Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA (Pr. Eudes Lopes Cavalcanti) 1) Etimologia Anthropos = homem; logos (logia) = estudo, tratado 2) Conceito Antropologia é a parte da Teologia Sistemática que estuda

Leia mais

Sola Scriptura Somos diferentes?

Sola Scriptura Somos diferentes? Sola Scriptura Somos diferentes? Introdução: 3 pilares da Reforma Protestante: sola Scriptura, sola fide, sola gratia Mesmo em forma de afirmação, cada pilar também é negação. Por exemplo, a expressão,

Leia mais

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

Deus: Origem e Destino Atos 17:19-25

Deus: Origem e Destino Atos 17:19-25 1 Deus: Origem e Destino Atos 17:19-25 Domingo, 7 de setembro de 2014 19 Então o levaram a uma reunião do Areópago, onde lhe perguntaram: "Podemos saber que novo ensino é esse que você está anunciando?

Leia mais

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf HISTÓRIA DA IGREJA Prof. GUILHERME WOOD APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf Reforma Protestante - Antinomismo Acusação contra Lutero Lutero x Johann Schneider (João (

Leia mais

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução Teologia e Prática da Espiritualidade Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades Introdução Esta primeira unidade se trata de uma tentativa de encontrar definições possíveis para a espiritualidade,

Leia mais

E CONHECEREIS A VERDADE, E A VERDADE VOS LIBERTARÁ

E CONHECEREIS A VERDADE, E A VERDADE VOS LIBERTARÁ ADIVINHOS: O que a Bíblia diz sobre eles? Lv 19. 31; Dt 18. 10; Is 8. 19-20; At 16.16-19 CASAMENTO: Posso casar com uma pessoa desigual na fé? II Co 6. 14 18 CARNE DE PORCO: È proibido comer ou não? Col

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

Filosofia Clássica Sócrates: A mosca da madeira; O moral; A maiêutica; A dialética; A negação socrática do conhecimento; O julgamento Filosofia Clássica Platão: O mito da caverna; A república (teoria do

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

O INVESTIMENTO. 4 pontos principais para apresentar a mensagem do Evangelho a qualquer pessoa:

O INVESTIMENTO. 4 pontos principais para apresentar a mensagem do Evangelho a qualquer pessoa: Lição 5 O INVESTIMENTO QUEBRA GELO: Compartilhe qual foi o maior investimento que você fez em sua vida. Por que você investiu? O que lhe garantiu o sucesso? VERSO DA SEMANA: Estejam sempre preparados para

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

Nesta nova série Os Discursos de Jesus vamos aprofundar as Palavras de Jesus :- seus discursos, suas pregações e sermões. Ele falou aos seus

Nesta nova série Os Discursos de Jesus vamos aprofundar as Palavras de Jesus :- seus discursos, suas pregações e sermões. Ele falou aos seus Nesta nova série Os Discursos de Jesus vamos aprofundar as Palavras de Jesus :- seus discursos, suas pregações e sermões. Ele falou aos seus apóstolos na intimidade, falou a um grupo maior que se aproximava

Leia mais