RESGATE DE DOIS OBJETOS LÚDICOS: SEGUINDO O CAMINHO DO PIÃO E DO BILBOQUÊ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESGATE DE DOIS OBJETOS LÚDICOS: SEGUINDO O CAMINHO DO PIÃO E DO BILBOQUÊ"

Transcrição

1 RESGATE DE DOIS OBJETOS LÚDICOS: SEGUINDO O CAMINHO DO PIÃO E DO BILBOQUÊ Roselne Santarosa de Sousa (Mestranda/UFSJ) Maria de Fátima A. de Queiroz e Melo (Orientadora/BRINQUEDOTECA//LAPIP/ DPSIC/UFSJ) 1. Introdução Pesquisar os objetos lúdicos como mediadores na construção do desenvolvimento humano é uma tarefa que já tem sido empreendida no campo da Psicologia. Não resta dúvida sobre a importância desses objetos como instrumentos importantes no cotidiano das crianças em todo o mundo, como já ressaltado por autores como Lev S. Vigotski (1989) e Walter Benjamin (1984), referências quando o pesquisador busca entender as contribuições que os brinquedos oferecem ao desenvolvimento infantil. Oliveira (1993), baseando-se nos pressupostos do primeiro autor, lança um olhar sobre os brinquedos como objetos sócio-culturais, ou seja, construídos como necessidades e produtos das sociedades. Assim, mais do que apenas intermediários, os brinquedos podem ser reconhecidos como atores sociais, uma vez que são parceiros mediadores de/nas ações desenvolvidas por seus usuários. Neste sentido, como parte do projeto de pesquisa intitulado O brinquedo artesanal como fonte de informação acerca das sociotécnicas em uma região de Minas Gerais, esse trabalho procura mapear a trajetória destes objetos, mobilizando suas histórias, desde suas origens até se transformarem em elementos das experiências das crianças imersas em suas culturas locais ou mais amplas. Para tanto, a Teoria Ator-Rede TAR - constituiu-se como importante instrumento de pesquisa, pois, ao incluir os objetos no estudo das relações sociais, permite que o brinquedo também seja reconhecido como ator social que produz efeitos múltiplos nas redes às quais se conecta. Qualquer ator é possuidor de histórias e estas possibilitam ao pesquisador encontrar outras conexões que os ligam a outros atores antes aparentemente desconectados. Dessa forma, a palavra actante, se adequou mais ao estudo ator-rede, pois o termo se refere a uma idéia de mobilidade e deslocamento possíveis a cada ator social (QUEIROZ e MELO, 2007). Tal termo é utilizado por Latour para substituir a palavra ator, frequentemente atribuída aos humanos, por representar de maneira mais fidedigna tanto os elementos humanos e nãohumanos que são capazes de causar interferências no mundo e nos outros atores (MORAES, 1997). 2. A Teoria Ator-Rede como iluminadora na investigação de objetos lúdicos A TAR (Teoria Ator-Rede) foi traduzida da sigla ANT Actor Network Theory. Trata-se de uma proposta teórico-metodológica que surgiu com a necessidade de tomar os atores sempre articulados a uma rede, investigando-os em suas múltiplas conexões que estabelecem com outros atores, humanos ou não. A partir dessa concepção, qualquer ator, seja natural, social ou tecnológico constitui uma organização social, pois é capaz de causar modificações e interferências nos outros elementos que estão conectados a ele (QUEIROZ e MELO, 2007). Para Moraes (1997), a Psicologia Social é aquela que se propõe a estudar a articulação entre os aspectos humanos e não-humanos que ocorre de maneira dinâmica, em constante movimento e, dessa forma, sendo a fabricação e apropriação dos brinquedos fenômenos passíveis de serem investigados no âmbito da ciência humana. É no contexto em que material e social se entrelaçam que se propõe uma Psicologia Social do Objeto. Bauer (2003, apud GUARESCHI, 2003) defende a inclusão das coisas concretas no estudo das relações sociais, partindo do princípio de que o mundo está repleto de objetos

2 dos quais os humanos não conseguem se separar, pois qualquer ação praticada pelo homem está mediada, interferida pelos meios materiais (QUEIROZ E MELO, 2007). Contudo, o elemento material da relação interfere e impõe a sua dificuldade à parte humana, provocando efeitos mútuos nos atores. É nessa mútua interferência entre os atores que se produz a materialidade e socialidade própria da tessitura do social (LAW & MOL, 1995). Isso pode parecer estranho para uma sociedade científica que privilegiou os humanos enquanto únicos atores sociais e, consequentemente, como únicos merecedores de investigação para uma Psicologia Social. Entretanto, quando se olha ao redor, percebe-se o quanto o cotidiano do humano se encontra permeado por objetos que não podem ser desprezados, pois são ferramentas essenciais às atividades humanas. Todos esses elementos constituem uma rede de relações que interferem, mediatizam o cotidiano e ganham, no estudo do ator-rede, a mesma importância que os elementos humanos (LAW, 1997). Os objetos são híbridos construídos pela sua articulação com outros atores sociais. Podemos dizer, seguindo a lógica da TAR, que o brinquedo surgiu pelas mesclas realizadas entre o homem e as possibilidades que os diversos materiais envolvidos na sua construção permitiram. É esse encontro entre os aspectos humanos e não-humanos o que possibilita a emergência de fatos inéditos na rede. Dessa forma, a TAR propõe a quebra da divisão entre ciências humanas e naturais já que tudo e todos passaram por misturas, possibilitando a existência dos chamados híbridos sociotécnicos (MORAES, 1997; QUEIROZ e MELO, 2007). Latour (1994, apud QUEIROZ e MELO) acrescenta que, além da capacidade de simbolizar, construir, modificar, transformar, enfim manipular objetos são ações que fazem o humano diferir de outras espécies sendo também atividades que ligam esses atores sociais e possibilitam a emergência dos híbridos sociotécnicos. As sociotécnicas podem ser definidas como os dispositivos desenvolvidos e construídos pela conjugação dos aspectos social e material. Essa junção sócio-material é encontrada em todas as relações travadas entre humano e tudo o que não é humano, sendo que esta última classificação abrange a natureza, os materiais, os eventos sociais, dentre outros. As sociotécnicas potencializam a ação dos humanos sobre o meio, aumentando suas possibilidades de atuação nas relações. Por isso, justifica-se o estudo dos brinquedos artesanais como atores sociais. Neste sentido, este trabalho tem como objetivo seguir o traçado deixado por dois brinquedos o pião e o bilboquê desde suas origens, com intuito de mapear como ocorreu seu deslocamento em diversos espaços, investigando a etimologia das palavras que lhes deram nomes e suas possíveis traduções. Queiroz e Melo (2007), com inspiração no princípio de simetria da TAR (LATOUR, 2001), aponta que são as relações estabelecidas com o objeto que podem delimitar um objeto como lúdico. Manson (2002) informa que muitos brinquedos não nasceram como artigos lúdicos, integrando, portanto, outras redes como as ritualísticas, comemorativas, comerciais, decorativas e outras. Foi quando a criança utilizou, em suas brincadeiras, esse objeto que ele ganhou a conotação conhecida atualmente. Dessa forma, o brinquedo, transformou-se, traduziu-se de acordo com as necessidades das redes a que foi se incorporando, tornando-se um objeto privilegiado para as atividades infantis. O brinquedo artesanal é, assim, uma fabricação, fruto de um processo social e confeccionado a partir dos materiais encontrados pelo fabricante e pelo próprio brincante. A produção de um protótipo artesanal possibilita ao seu autor impor características próprias, singulares, surgindo, dessa construção, um objeto único. Este objeto lúdico revela a história do próprio autor, pois, ao ser manipulado, recebeu inscrições da subjetividade humana e da vivência daquele que o produziu. Benjamin (1984) afirma que tudo é possível à imaginação infantil, pois as crianças são capazes de transformar qualquer objeto em artefatos úteis ao seu momento de recreação. Para este autor, o brinquedo artesanal oferece à criança uma maior condição de manipulação e

3 transformação, além de informar sobre o contexto social em que vive. Entretanto, Amado (2008) chama a atenção para o fato de que a construção de brinquedos pela criança é uma atividade muito pouco explorada na atualidade. Aristófanes (1984, apud MANSON, 2002) lembra que existe uma relação misteriosa entre a criança e o brinquedo, que envolve o desejo de possuir o objeto, de ser ela própria a fabricante do objeto e de ter o prazer de jogar. Autores como Varotto e Silva (2004) e Queiroz e Melo (2007) concordam que a criança, ao participar do processo de construção do brinquedo, inscreve nesse objeto aspectos singulares de sua vivência. O conceito de tradução é imprescindível na Teoria Ator-Rede, uma vez que esta é também chamada de Sociologia da Tradução, explicitando as transformações possíveis que podem afetar um ator e transformar, ao mesmo tempo, a rede na qual está conectado (QUEIROZ e MELO, 2007). A rede em que se inserem os objetos lúdicos, como em outras redes, se traduz constantemente por agenciar novos atores, permitindo a emergência de protótipos híbridos. São objetos que vão incorporando novos saberes e materiais em sua construção, frutos das relações sociotécnicas estabelecidas entre os humanos, suas sociedades e suas técnicas. Latour (2000) utiliza o conceito de tradução como fundamento básico em seus estudos. A tradução ocorre quando existe a transformação, porém esta não deve tornar o objeto irreconhecível, pois é preciso que alguma de suas características se mantenha. São as traduções experimentadas pela articulação entre aspectos sociais e materiais que vão provocar as mudanças necessárias para a manutenção e criação de novas relações e de novos actantes. Segundo estudos (LAW, 1997; QUEIROZ e MELO, 2007), o processo de tradução pode ser definido por um movimento de associações, caracterizadas pela similaridade e a diferença e por um deslocamento de interesses. É um movimento em que os actantes são movimentados, deslocados, transformados. Para Queiroz e Melo (2007), as séries paradigmáticas e sintagmáticas são variações pelas quais passam os objetos, ajudando-nos a entender as traduções possíveis pelas quais passaram os brinquedos. Com base em Latour (1999, apud QUEIROZ e MELO, 2007), quando se fala na dimensão paradigmática, significa dizer que os objetos passaram por transformações físicas, assumindo novos formatos, ou foram construídos com materiais diferentes daqueles usados no modelo original, tomado como um paradigma. Já o eixo sintagmático revela as modificações ocorridas nas formas de uso, na maneira como os usuários se apropriam o objeto, a cada vez que entram em contato com ele. Historicamente, o brinquedo passou de uma condição de produção manufatureira e caseira para a condição de industrialização e comercialização, ou seja, esses objetos atravessaram redes heterogêneas e absorveram em sua conformação aspectos que contribuíram para modificações tanto em nível sintagmático quanto em nível paradigmático. 3. Redes sociotécnicas e tradução dos brinquedos investigados 3.1. O bilboquê O bilboquê é um objeto secular que serve bem ao estudo do Ator-Rede, pois permite falar sobre diferenças e semelhanças que surgiram pelo contato entre comunidades e culturas diferentes. Pesquisar a trilha do bilboquê remete a questões difíceis de serem relacionadas quando se pensa em um objeto deslocado. Mas, estudando esse brinquedo na perspectiva de uma Psicologia Social, observa-se que a rede que dá sustentação a sua sobrevivência é bem mais bifurcada do que poderíamos ingenuamente pensar. Trata-se de um objeto lúdico que existe há mais de 400 anos. Ariès (1981) sugere que este foi o brinquedo preferido de Henrique III ( ) e também objeto de modismo na corte do Rei Luís XIII entre os anos 1638 a No Brasil, seu uso foi bastante difundido por volta de 50 a 60 anos atrás. Pode-se definir o bilboquê como um jogo-brinquedo que deve ser manejado com uso de destrezas (ALVES, 2006), tendo como objetivo o encaixe de duas peças: um objeto (seja

4 cilíndrico, cônico ou esférico) que serve para ser lançado e encaixado em outra parte que funciona como suporte, ambos presos por corda ou barbante. Este brinquedo-brincadeira é manejado individualmente, mas permite a proposição de desafios entre pares. Referências sobre este objeto são encontradas em algumas obras de artistas brasileiros: o bilboquê está em uma das principais telas do pintor brasileiro Belmiro de Almeida intitulada Dois Meninos Jogando Bilboquê ; escritor juiz-forano Murilo Mendes, também fez referência ao brinquedo em um de seus poemas chamado Meninos ( Sentado a soleira da porta/menino triste/que nunca leu Julio Verne/ menino que não joga bilboquê/ menino das brotoejas e das tosses eternas... ) (http://leaoramos.blogspot.com/2008/04/o-menino-tristesentado-soleira-da.html). Em relação aos seus deslocamentos e suas possíveis traduções, o bilboquê foi encontrado em várias partes do mundo, apresentando diferenças e semelhanças em sua confecção. Algumas de nossas buscas levaram a um museu que conta um pouco da história do bilboquê. Alguns protótipos estão descritos na página on-line do museu chamado Elliot Avedon e Archive off Games, da Universidade de Waterloo, no Canadá, que possui catálogo contendo, desde os jogos mais antigos do mundo até os computadorizados da atualidade, oferecendo informações sobre o bilboquê em diversas regiões do mundo. O museu indica a existência do uso do bilboquê por pessoas de diferentes nacionalidades e localidades como franceses, japoneses, inuítes (população indígena que habita as regiões do Alasca, Canadá e Groenlândia, também chamados de esquimós ou inuits), peruanos, italianos, finlandeses, colombianos, mexicanos, americanos, estes últimos provavelmente introduzidos por índios americanos, trazendo também informações sobre os modelos de bilboquê encontrados nos locais indicados anteriormente. São diferenças que indicam as séries paradigmáticas que referenciaram as mudanças sofridas por este brinquedo no tempo e no espaço, relacionando formatos, variações terminológicas e materiais pelos quais passaram estes objetos, demonstrando que, apesar de ter se deslocado bastante em termos geográficos, o bilboquê foi pouco traduzido, pelo menos no que se refere aos materiais e estratégias de jogos. Em relação à dimensão sintagmática que nos fala da apropriação contemporânea do objeto, verificamos que atualmente existem federações internacionais que regulamentam as normas dos jogos e campeonatos de bilboquê. O que se percebe é que cada cultura produziu o brinquedo e suas regras de acordo com as possibilidades materiais e funcionais que conheciam (http://www.doullens.org/luc-decroix/jeuxpicards/bilboquet.html). Hoje, traduções do brinquedo que são encontradas no Brasil foram desenvolvidas para se apropriar as destrezas dos jogadores de várias idades. Outra tendência é a construção do bilboquê com materiais recicláveis que atende a três movimentos encontrados na atualidade: resgate de brinquedos populares, reutilização do lixo para controle ambiental e educação utilizando brinquedos para desenvolvimento da coordenação motora e da concentração das crianças (http://educacaoparaavida.pbwiki.com/brinquedos+de+sucata). Especificamente no Brasil, não encontramos informação precisa acerca da origem do bilboquê ou de como aqui foi introduzido. No entanto, pode-se levantar a hipótese de que, por ocasião da colonização, os portugueses tenham trazido o objeto ao conhecimento dos povos indígenas. Outra hipótese possível é a de que esses já conheciam as técnicas de jogo e de fabricação antes da colonização no período pré-colombiano, ou seja, antes do contato com os europeus (http://pt.wikipedia.org/wiki/pr%c3%a9-colombiano). Uma pesquisa recente revela que o bilboquê é um brinquedo comum entre os índios brasileiros e norte-americanos (www.educacaopublica.rj.gov.br). Atualmente, as comunidades indígenas brasileiras utilizam este brinquedo nas atividades grupais, em suas festividades e em campeonatos, tendo a participação não só das crianças, mas também dos adultos (www.brasiloeste.com.br). Como apontam Moraes (1997) e Law (1986), os objetos atravessam redes muito variadas. No caso dos brinquedos, percebemos que estes objetos estão relacionados com as redes

5 mercadológicas, com as concepções de infância e de educação, com a cultura religiosa, com o estudo antropológico e literário (CARVALHO e PONTES, 2003). Como visto anteriormente, pesquisar a questão do bilboquê e seu traçado remete a história da colonização dos povos, suas possibilidades e necessidades, indicando que os atores se conectam e transformam as redes em que estão associados para produzir efeitos inéditos O pião Câmara Cascudo (1988, p. 500) define e descreve o pião da seguinte maneira: pinhão, brinquedo de madeira piriforme, com ponta de ferro, por onde gira pelo impulso do cordão enrolado na outra extremidade e puxado com violência e destreza. Manson (2002) segue a definição delimitada por outros historiadores de jogos que dividem este brinquedo em duas categorias: piões e piorras. Os piões são objetos jogados com cordel, mola ou outro mecanismo que os faça movimentar enquanto a piorra foi inicialmente descrita de forma semelhante a do pião, também com presença de cordel, que servia aos jogos de velocidade ou em disputas para verificar qual objeto rodopiava por mais tempo. Posteriormente, a piorra passou a ser traduzida para definir os piões pequenos. Entretanto, além da piorra, Manson (2002) ainda remete a outras traduções do pião que são moine, toton, troupe, pirouette e inclui outras variações linguísticas ocorridas em português que são piurra, piusca, pilrete e balharico (AMADO, 2000 apud MANSON, 2002). Em Câmara Cascudo (1988), não encontramos elementos para fazer considerações sobre as dimensões sintagmáticas quando o autor relaciona as semelhanças existentes nas formas de jogar entre portugueses, brasileiros, romanos e gregos. Entre romanos e gregos, foram identificados, respectivamente, os jogos turbo e strombos que são idênticos aos jogos de pião no Brasil, assim como em Portugal o jogo é semelhante ao aqui praticado. Amado (2007), em seu livro sobre os brinquedos populares, realiza um extenso estudo sobre o pião e a piorra, dedicando um posfácio inteiramente a esses objetos. Nessa obra, estão descritas as origens do pião e sua trajetória e, quando se faz uma análise segundo a Teoria Ator-Rede, percebe-se a conectividade desse objeto com outros movimentos sociotécnicos. Amado (2007) pondera que os recursos materiais e técnicos usados na construção de um pião influenciavam as jogadas e desafios propostos pelos jogadores e principalmente nas negociações de vendas e trocas. Os piões mais coloridos eram mais caros e os de madeira de carvalho não sucumbiam facilmente aos ataques de outros jogadores. Santarosa-Sousa e Queiroz e Melo (2008) acrescentam que um dos elementos que revelam as práticas sociais de uma cultura são os materiais usados na construção de seus instrumentos. As sociotécnicas são reveladas ainda por outros indícios como rituais, tradições orais e populares. Amado (2007) mostra que era comum o pião figurar em adivinhas como a seguinte: Para andar lhe ponho a capa/e tirei-lha para andar; / que ele sem capa não anda, nem com ela pode andar/ (...) (AMADO, 2007, p. 233). Outros versos ilustram essas advinhas e demonstra o quanto elas eram comuns no Brasil e em Portugal: Com a capa não dança, /sem capa não pode dançar; /Para dançar se bota a capa, tira-se a capa para dançar (CÂMARA CASCUDO, 1988, p. 500). Bernardes (2006) atribui aos portugueses o papel de transmissores dos piões e das formas de jogar para o Brasil. Seguir as redes sociotécnicas percorridas pelo pião significa encontrar conexões e disparidades que, ao mesmo tempo, ligam e afastam os fatos. Estudos indicam que o pião parece ter surgido das indústrias manufatureiras caseiras com restos das produções dessas oficinas (ARIÈS, 1981; MANSON, 2002). Amado (2007) acredita que este objeto é mais antigo, informando que piões de madeira foram encontrados nas ruínas de Pompéia, enquanto outros indícios (CARVALHO; PONTES, 2003) sugerem que os objetos encontrados nessa escavação eram confeccionados em argila.

6 O pião é encontrado no mundo com alterações verificáveis nas séries paradigmáticas e sintagmáticas produzidas ao longo da existência desse brinquedo. Provavelmente, foram essas modificações que permitiram sua permanência e adequação frente a uma sociedade altamente industrial. Dessa forma, o pião recebeu novas denominações, estratégias de jogos e materiais que refletiram a realidade de seus usuários. As mutações na série paradigmática revelam um objeto com formatos, materiais e tamanhos diferentes. As modificações, contudo, só ocorrem enquanto o objeto mantém uma característica básica entre ele e as traduções produzidas. No caso do pião, a particularidade fundamental é o movimento giratório, enquanto outras características, como o material e o tamanho, não comprometem a identificação do objeto. Na série sintagmática, observa-se que, além de as culturas terem alterado a configuração física do pião, estas produziram cada tradução desse brinquedo de acordo com suas necessidades, gerando terminologias que revelavam o universo do usuário. As variações nominais são fortes indícios da conectividade presente na rede do pião e mostram a presença desses objetos em grande quantidade de países pelo mundo. Além de revelarem alguns vestígios do pião, os nomes são responsáveis por divulgar aspectos próprios da cultura que se apropriou daquele objeto. Os deslocamentos geográficos também informam sobre as traduções experimentadas. A pesquisa na internet indica cerca de noventa nomes para o pião em todo o mundo, sendo que alguns desses são: Baldufa (Espanha), Buguri (Índia), Dilldoo (Alemanha), Snurra (Suécia), Spinning top (Reino Unido), Toupie (França), Dreidel (Israel) e Kendama (Japão e Inglaterra). Analisando a trajetória do pião, desde seu surgimento até os dias atuais, percebe-se que seu uso não se restringiu à atividade lúdica. Outras redes denunciam a presença do pião como actante, como por exemplo, nas redes religiosas, como no caso do dreidel, nas adivinhas lusobrasileiras contadas por Amado (2007) e Manson (2002), na literatura, iconografia e ainda servindo ao ensino da física. Dessa última rede, surgiu um protótipo chamado levitron que gira flutuando devido aos íons existentes no pião e em uma base magnetizada (http://www.feiradeciencias.com.br/sala13/13_36.asp). O pião é um objeto que contribui para contar a história da própria civilização. Aprofundando o conhecimento sobre ele, as conexões levam a certezas e incertezas. Sua própria origem é cercada de mistérios. Assim, investigar o seu traçado permite entrar em contato com as redes às quais o pião está conectado, deflagrando histórias e conexões desconhecidas. Manson (2002) revela como este objeto foi registrado na iconografia, especialmente na simbolização das idades da vida. O mesmo autor comenta que este objeto, devido seu movimento giratório, foi comparado à vida humana na literatura e na iconografia para demonstrar o quanto esta é efêmera e também em metáforas acerca do movimento que o humano é capaz de realizar. Assim, oriundo de uma condição manufatureira e artesanal, com seu movimento, o pião encanta pessoas de todas as idades, atingindo inclusive crianças que vivem mobilizadas com os apelos que fazem os brinquedos de fabricação industrial. Recentemente, uma conhecida fábrica de brinquedos adotou como estratégia produzir alguns protótipos do pião com materiais plásticos, contribuindo para perpetuar o papel desse brinquedo na histórica da infância. A tradução industrial do pião que ganhou status de moda há alguns anos atrás foi o beyblayde, formado por cinco peças e utilizado principalmente para desafios entre brincantes, como o pião tradicional. (http://pt.wikipedia.org/wiki/beyblade) Objetos em extinção? Segundo autores como Ariès (1981), Manson (2002) e Amado (2007), o pião e o bilboquê são brinquedos milenares que sobreviveram às transformações pelas quais a sociedade e o humano passaram, apesar de, contemporaneamente, encontrarmos menos referências ao

7 bilboquê do que ao pião. Como visto no decorrer do trabalho, o pião participou em mais redes que o bilboquê (mitológicas, educativas e outras) que, apesar de ter sido um dos principais brinquedos de Luís XIII e motivo de modismo na Europa, não teve a mesma sorte. Ainda é visto de forma saudosista por alguns e é disputado em campeonatos mundiais, mas não é tão conhecido pelas crianças nascidas nos últimos anos do século passado e início deste. Quando procuramos em livros, sites e demais referências, o pião surge sempre com modalidades, formas, funções e nomes diferentes, enquanto o bilboquê, além de ser também bastante antigo e conhecido em várias culturas, parece não ter encontrado conectividade em tantas redes como o fez o pião. Este último recebeu capítulos em livros, foi cantado em verso e prosa, enquanto o uso do bilboquê foi declinando, levando-nos à conclusão de que, aparentemente, o pião conseguiu produzir mais efeitos que o bilboquê, nas redes onde foi traduzido. A própria dificuldade que o objeto impõe ao jogador pode ter contribuído para o desuso do bilboquê, enquanto algumas traduções do pião possuem um suporte para auxiliar a manejar o brinquedo e outras apenas necessitam dos dedos indicadores e o polegar para impulsionar o pião. Em contrapartida, existe certo movimento, flagrado pelas incessantes buscas a internet sobre seu trajeto que indica um resgate, especialmente de profissionais ligados a educação, para trazer de volta ao universo infantil o bilboquê (http://www.bastaclicar.com.br/noticias/noticia_mostra.asp?id=271). Entre os séculos XVI e XVIII, a infância não era reconhecida pela sociedade e, assim, não havia diferenciação entre as atividades adultas e infantis (ARIÈS, 1981; BERNARDES, 2006). Crianças e adultos brincavam com jogos e brinquedos existentes na época, levando Ariès (1981) a defender a idéia de que a criança só mantém o interesse por um brinquedo quando este tem aproximação com o universo dos adultos. Essa posição também é defendida por Muratoni e Santana (2007) que a reforçam com o argumento de que as crianças se interessam por atividades ligadas à idade adulta, numa tentativa de apreender e elaborar a cultura em que estão imersas. Para Ariès, o bilboquê deixou de ser praticado pelos adultos e assim também ocorreu, progressivamente, nas brincadeiras das crianças. Numa defesa contrária ao argumento de que o bilboquê caiu em desuso quando os adultos deixaram de brincar com este brinquedo, Fernandes (2004, apud FLORES, 2005) coloca que as crianças possuem uma cultura com aspectos lúdicos exclusivamente infantis e que o suporte para os objetos e brincadeiras vem do próprio grupo infantil. Segundo as referências consultadas em sites, livros, entrevistas com artesãos e experiência com crianças, percebe-se uma procura maior pelo pião e suas modalidades do que pelo bilboquê. O pião modificou mais vezes o seu formato, enquanto o bilboquê se tornou mais estático em sua configuração, ou talvez tenha sido traduzido tantas vezes que não manteve alguma característica que facilitasse o seu reconhecimento. Os poucos artesãos de brinquedos encontrados nas regiões de São João del-rei e Tiradentes ainda fabricam o bilboquê e o pião. No entanto, relatam dificuldade em fabricar estes dois brinquedos devido à necessidade de ter maquinário específico para sua confecção, tais como tornos, lixas e serras circulares, além de madeiras, como o MDF (Medium Density Fiberboard - Fibra de Média Densidade), que permitem moldar o brinquedo, produzindo estes objetos somente quando existe procura e encomenda pelos consumidores. Na região de Barbacena, uma das cidades pesquisadas, não foi possível encontrar fabricantes de brinquedos, de uma maneira geral. Quando são vistos brinquedos como bilboquês e piões, dentre outros, nas lojas de artesanato, estes são originados da cidade de São Paulo: os profissionais encontrados relataram não conhecer artesãos na cidade voltados para a fabricação destes produtos (segundo informações colhidas nos locais). Nas feiras de artesanato de Barbacena, são encontrados principalmente artigos de uso pessoal, enfeites caseiros e artigos para cozinha, havendo indícios de que os brinquedos artesanais parecem estar sumindo do comércio daquela região, lembrando um movimento anunciado por Manson

8 (2002) que verificou um desaparecimento dos fabricantes de bonecas, bibelôs e figurinhas na Europa no século XVII. A pesquisa também levantou dados nas cidades de Prados, Tiradentes e São João del-rei, onde ainda são encontrados fabricantes de brinquedos. Os profissionais consultados foram entrevistados com base no roteiro construído pelo grupo para compreender como os objetos lúdicos são produzidos pelos artesãos. Segundo os artesãos, seus produtos são procurados por crianças e adultos, esses últimos sendo os principais compradores. A venda dos produtos ocorre em feiras nas próprias cidades e outras em Juiz de Fora e em São Paulo. Percebemos que, em nossa região, a maioria dos brinquedos artesanais é produzida em madeira (MDF e pinnus ), panos diversos, enchimento acrílico, linhas e tintas. Além do torno, das lixas e serras para a produção de piões e bilboquês, máquinas de costura e outros instrumentos são necessários para a fabricação de bonecas e outros brinquedos artesanais Experiência com os brinquedos em uma comunidade Como a proposta desse trabalho era conhecer o caminho trilhado pelo brinquedo, a criança não podia ser um ator ignorado na pesquisa. Assim, uma comunidade subsidiada à Pastoral da Criança e do Menor da cidade de Barbacena, situada em um bairro da periferia foi escolhida para um evento de observação das crianças interagindo com o pião e o bilboquê. A entidade atende crianças de baixo nível socioeconômico, algumas em situação de risco que possui idades entre seis a onze anos. A maioria dessas crianças conhecia o pião, chamado por alguns de beyblades, mas nunca haviam ouvido falar no bilboquê. Dessa forma, os brinquedos foram apresentados inicialmente através de uma conversa informal às vinte e cinco crianças que estavam no local. Seguido a este momento, onze protótipos adquiridos pela pesquisa foram entregues as crianças, sendo: cinco piões bojudos, com suporte e correia para ser puxada e uma piorra sem correia; três bilboquês com haste presos a bola com orifício ao meio; um bilboquê semelhante a uma cesta de basquete e outro parecido a um balanço com dois lugares. A observação foi realizada em um período aproximado de 60 minutos nos quais as crianças fizeram um rodízio entre dois brinquedos. Depois de um momento de ansiedade em que todos demonstraram querer brincar com ambos os brinquedos, o pião passou a ser o mais requisitado. Em vários momentos, os três bilboquês chegaram a ser deixados de lado, sem que ninguém quisesse brincar. A maioria das crianças demonstrou afinidade com o pião: mesmo aqueles que nunca haviam brincado com esse brinquedo procuravam desenvolver alguma jogada. Grupos foram formados para jogar com o objeto, alguns jogadores tentando desenvolver táticas para tirar outro pião da roda. Perguntando as crianças o porquê do bilboquê não está sendo procurado, algumas respostas indicaram que ele era difícil e pesado, outras acrescentavam ser impossível encaixar as duas partes, enquanto o pião se apresentava mais fácil de jogar. Depois que comentamos que o bilboquê é um objeto conhecido no mundo todo e que são verificados campeonatos mundiais, alguns demonstraram interesse para tentar novamente, na crença de que a habilidade para manipular o objeto era uma tarefa possível. Gradualmente, as crianças começaram a arriscar estratégias para acertar o jogo. Mesmo assim, o objetivo de encaixar o a esfera no cilindro não foi alcançado por nenhuma criança naquele momento, talvez por ser uma ação que exigisse bastante destreza. Apenas as versões do bilboquê assemelhadas ao jogo de basquete e balanço conseguiram ser manejadas com êxito pelas crianças. Ao final do evento, algumas crianças queriam saber onde era possível adquirir aqueles brinquedos e quanto custava cada objeto, relatando que gostaram muito de conhecer e aprender sobre os mesmos, pois em suas casas só possuíam brinquedos comuns, como bonecas, carrinhos entre outros. O evento foi registrado com fotos panorâmicas para evitar a

9 exposição das identidades dos participantes, conforme as orientações do Comitê de Ética no trabalho com menores. 4. Conclusões Como narrado ao longo do trabalho, as sociotécnicas servem à construção dos fatos e artefatos. Os brinquedos artesanais, como outros tantos objetos, resumem a história da própria humanidade. Dessa forma, um trabalho concomitante à busca bibliográfica dos fatos que marcaram a presença e importância do brinquedo no mundo foi a construção de um mostruário para divulgar a presença dos brinquedos estudados em várias formas de produção como pinturas a óleo e fotografias (este trabalho integra o Catálogo Virtual de Brinquedos Artesanais desenvolvido por este grupo de pesquisa, ligado à Brinquedoteca da UFSJ). As imagens demonstram uso de materiais e modelos que informam sobre as práticas de fabricação dos brinquedos e seus deslocamentos. Esse trabalho foi realizado com imagens retiradas de sites e fotografias cedidas por artesãos pesquisados, com base no roteiro construído pelos participantes da pesquisa que foi utilizado para compreender a trajetória do brinquedo. Dados como origens, materiais utilizados na construção, formas de apropriação dos usuários, quais histórias participam da existência do brinquedo, assim como as imagens, foram informações que fizeram parte de nossas buscas. O estudo do brinquedo artesanal, focando especialmente em dois objetos específicos, possibilitou a construção de associações antes não imaginadas. No entanto, ainda existem caminhos a ser seguidos que podem permitir novos conhecimentos sobre o pião e o bilboquê. Para a TAR, qualquer fato ou artefato pode ser colocado à prova, uma vez que podem surgir, inesperadamente, outros atores para interferir e modificar a maneira de existir destes objetos nas redes em que continuam presentes, ou seja, ambos os brinquedos analisados podem apontar para redes ainda não exploradas. Nossa intenção com esta pesquisa foi iluminar o percurso de alguns dos objetos lúdicos presentes nas várias culturas, contemporaneamente obscurecidos pelos brinquedos produzidos em escala industrial, resgatando histórias dos grupos culturais que os tiveram como artefatos significativos. 5. Referências bibliográficas AMADO, J. Universo dos Brinquedos Populares. 2. ed. Coimbra: Quarteto, ALVARENGA, M. C. M. Pião. Disponível em: <http://www.jogos.antigos.nom.br/piao.asp>. Acesso em: 4 abril, ALVES, M. J. S. Legado histórico dos brinquedos Disponível em: < Acesso em 30 abril, ALMEIDA; A. C. P. C. de; SHIGUNOV, V. A atividade lúdica infantil e suas possibilidades. Revista da Educação Física, v.11, n.1, p , ARIÈS, P. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de janeiro: Guanabara, BENJAMIN, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, BERNARDES, E. L. Jogos e brincadeiras: ontem e hoje. Cadernos de História da Educação. Uberlândia: Edufu, BOMTEMPO, E. Brinquedo e educação: na escola e no lar. Psicol. esc. educ., v.3, n.1, p , CASCUDO, L. C. Dicionário do folclore brasileiro. 6. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, CARVALHO, A.M.; PONTES, F.A.R. Brincadeira é cultura. In: Carvalho, A.M [et.al.] (orgs). Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca I e II. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

10 CORREIA, R. P. F. da S. Discuta o contributo da teoria actor-network para o conceito de organização Fundamentos de Gestão, Mestrado em Gestão de Informação. Disponível em: <www.paginas.fe.up.pt>. Acesso em: 28 outubro, FADELI, T. T.; FERRI, M. A. P; SILVA, R. S.; GONÇALVEZ JUNIOR, L. (2003). Arco da Velha: resgate e vivência de brinquedos e brincadeiras populares. In: XV Encontro Nacional de Recreação e Lazer Lazer e Trabalho. Novos significados na sociedade contemporânea. Santo André, FLORES, Z. G. M. A Criança em Walter Benjamin e Florestan Fernandes. In: 28ª Anped, 2005, Caxambú-MG. 28ª Anped- 40 anos de pós graduação em Educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, p , GUARESCHI, P. Entrevista com Martin Bauer. Psicol. Soc., v.15, n.1, p , LATOUR, B. Uma sociologia sem objeto? Considerações sobre a Interobjetividade. Traduzido do original Une sociologie sans objet In: Sociologie du travail n. 4, pp , LATOUR, B. Ciência em ação: Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora da Universidade Estadual de São Paulo, LATOUR, B. A esperança de Pandora. Bauru, São Paulo: EDUSC, LAW, John; Mol. A.M. Notes on materiality and sociality. In: The Sociological Review. v. 43, n.2, pp , LAW, J. Notas sobre a Teoria Ator-Rede: ordenamento, estratégia e heterogeneidade Disponível em: < http: //www.nesco.ufrj.br/trads/notas%20sobre%20a%20toeria%20ator-rede.htm>. Acesso em: 03 abril, MANSON, M. A História dos Jogos e Brincadeiras. Editora: Teorema, MORAES, M.O. Estudo das Técnicas na Perspectiva das Redes de Atores. Revista do Departamento de Psicologia da UFF, v.9, n. 2 e 3, p , Disponível em:< %20redes%20de%20atores.htm>. Acesso em: 05 de abril, MURATONI, A.; SANTANA, W. Filhos e filhos: a particularidade do ser criança no império inca e da construção da infância na Europa. Ameríndia, v.3, n.1, OLIVEIRA, M. K. Vigotski: Aprendizado e desenvolvimento: Um processo sócio-histórico (Série: Pensamento e ação no magistério). São Paulo: Scipione, OLIVEIRA, A. M. Jogos populares e tradicionais portugueses. Traduzidos em inglês e francês. Portugal: Associação Recreativa, Cultural e Social de Silveirinhos, QUEIROZ e MELO, M. F. A. Voando com a pipa: esboço para uma Psicologia Social do brinquedo à luz das idéias de Bruno Latour Tese de doutorado, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. QUEIROZ e MELO, M. F. A.; SILVA, M. A. DA; ALBUQUERQUE, E.P.T; RAMOS, L.T.M.; GONÇALVES, D.LS.; OLIVEIRA, M.H.; MIRANDA, G.C. Sucata vira brinquedo: tradução a partir de restos. Psicologia e Sociedade, v.19, n.2, p , SANTAROSA-SOUSA, R.; QUEIROZ e MELO, M. de F. A. O pião nas redes sociotécnicas: do artesanato a indústria. In: XVI Encontro Regional da ABRAPSO, 2008, Uberlândia. Anais de resumos e de trabalhos completos do XVI Encontro Regional da ABRAPSO, VAROTTO, M. A.; SILVA, M. R.. Brinquedo e indústria cultural: sentidos e significados atribuídos pelas crianças. Convivência, 23, VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 3.ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

A CULTURA MINEIRA NAS MÃOS DOS ARTESÃOS DE BRINQUEDOS

A CULTURA MINEIRA NAS MÃOS DOS ARTESÃOS DE BRINQUEDOS A CULTURA MINEIRA NAS MÃOS DOS ARTESÃOS DE BRINQUEDOS Ana Luiza Brandão Leal (Bolsista de Iniciação Científica/ CNPq) Elaine Andrade (Estagiária) Fernanda Rodrigues Ferreira (Bolsista de Iniciação Científica/

Leia mais

DESCOBRINDO O LUGAR A BONECA DE PANO NA CULTURA LÚDICA BRASILEIRA

DESCOBRINDO O LUGAR A BONECA DE PANO NA CULTURA LÚDICA BRASILEIRA DESCOBRINDO O LUGAR A BONECA DE PANO NA CULTURA LÚDICA BRASILEIRA Roselne Santarosa de Sousa (Mestranda/UFSJ) roselnesantarosa@gmail.com Maria de Fátima A. de Queiroz e Melo (Orientadora/BRINQUEDOTECA//LAPIP/

Leia mais

A INSERÇÃO DA CULTURA LÚDICA NO ENSINO DA ARTE RESUMO

A INSERÇÃO DA CULTURA LÚDICA NO ENSINO DA ARTE RESUMO A INSERÇÃO DA CULTURA LÚDICA NO ENSINO DA ARTE Francisco Souza da Costa¹ Pedagogia-Universidade Estadual do Ceará e-mail: f.souza39@yahoo.com.br RESUMO O artigo apresenta uma abordagem da importância das

Leia mais

ARCO DA VELHA: RESGATE E VIVÊNCIA DE BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS POPULARES *

ARCO DA VELHA: RESGATE E VIVÊNCIA DE BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS POPULARES * ARCO DA VELHA: RESGATE E VIVÊNCIA DE BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS POPULARES * Thiago Tozetti Fadeli (NEFEF/DEFMH/UFSCAR) 1 Marco Antonio Parente Ferri (NEFEF/DEFMH/UFSCAR) 2 Roseli Sandra e Silva (CEF/UFSCar)

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO Área Temática: sociedade e educação. Anilde Tombolato Tavares da Silva (Coordenadora da Ação) Autores

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância.

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância. A CRIANÇA EM WALTER BENJAMIN E FLORESTAN FERNANDES FLORES, Zilá Gomes de Moraes - UNIJUÍ GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos/ n.07 Agência Financiadora: Não contou com financiamento. Na atualidade muitos

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O OLHAR DAS CRIANÇAS SOBRE A ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL

O OLHAR DAS CRIANÇAS SOBRE A ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL O OLHAR DAS CRIANÇAS SOBRE A ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL Resumo DEBOVI, Andreia Kirsch UNISUL andreiadebovi@branet.com.br GOULART, Mariléia Mendes UNISUL marileia.goulart@unisul.br Eixo Temático: Didática:

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

Palavras-chave: Psicologia Histórico Cultural, desenvolvimento do psiquismo, brincadeira.

Palavras-chave: Psicologia Histórico Cultural, desenvolvimento do psiquismo, brincadeira. 1 O papel da brincadeira no desenvolvimento do psiquismo infantil a partir da Psicologia Histórico Cultural Vanessa Tramontin da Soler UFPR João Henrique Rossler - UFPR Resumo: Para a Psicologia Histórico-Cultural

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência

Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta Resenha da Experiência ALAGOAS Trabalho: Projeto Dentes Resenha da Experiência Trabalhos Premiados em 2001 ACRE Trabalho: Conhecendo nossa Floresta - Faixa etária das crianças: 6 anos - Grau de escolaridade de professor: Nível Médio Magistério - Contexto sócio-cultural em que foi

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR BALAIO DE IDEIAS

PROJETO INTERDISCIPLINAR BALAIO DE IDEIAS PROJETO INTERDISCIPLINAR BALAIO DE IDEIAS 6º ANO / ENSINO FUNDAMENTAL Goiânia, 2014 COLÉGIO AGOSTINIANO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA A maior riqueza de um país é a sua cultura I. APRESENTAÇÃO No decorrer do

Leia mais

Apresentação do Professor. Ludicidade. Pedagogia. Ementa. Contextualização. Teleaula 1

Apresentação do Professor. Ludicidade. Pedagogia. Ementa. Contextualização. Teleaula 1 Ludicidade Teleaula 1 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Apresentação do Professor Marcos Ruiz da Silva Graduado em Educação Física UEL Especialista em Educação

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Brinquedoteca. Criança. Social.

PALAVRAS-CHAVE: Brinquedoteca. Criança. Social. ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA LÚDICA BRINQUEDOTECA FIBRA: um olhar sobre o brincar e a criança Márcia Cristina dos Santos BANDEIRA Faculdade Integrada Brasil Amazônia (FIBRA) RESUMO: O presente artigo buscou analisar

Leia mais

Sobre a linguagem do bordado e a poética da boneca:

Sobre a linguagem do bordado e a poética da boneca: Sobre a linguagem do bordado e a poética da boneca: experiências pedagógicas e artísticas com meninas-mulheres, agulhas e linhas CAp/UFRJ marianasguimaraes@hotmail.com GT-2: Dimensões Contemporâneas da

Leia mais

UM ESTUDO ATOR-REDE SOBRE A BONECA DE PANO: COSTURANDO NARRATIVAS DE ARTESÃS DAS CIDADES MINEIRAS DE BARBACENA, ANTÔNIO CARLOS E SÃO JOÃO DEL-REI

UM ESTUDO ATOR-REDE SOBRE A BONECA DE PANO: COSTURANDO NARRATIVAS DE ARTESÃS DAS CIDADES MINEIRAS DE BARBACENA, ANTÔNIO CARLOS E SÃO JOÃO DEL-REI ROSELNE SANTAROSA DE SOUSA UM ESTUDO ATOR-REDE SOBRE A BONECA DE PANO: COSTURANDO NARRATIVAS DE ARTESÃS DAS CIDADES MINEIRAS DE BARBACENA, ANTÔNIO CARLOS E SÃO JOÃO DEL-REI SÃO JOÃO DEL REI PPGPSI-UFSJ

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CRECHE. Projeto AMBIENTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CRECHE. Projeto AMBIENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CRECHE Projeto AMBIENTE Goiânia, outubro, 2009. PROJETO DE ENSINO 1. TÍTULO: PROJETO AMBIENTE 2.

Leia mais

Brinquedoteca Aprender Brincando : espaço educativo alternativo na Universidade

Brinquedoteca Aprender Brincando : espaço educativo alternativo na Universidade 1 Brinquedoteca Aprender Brincando : espaço educativo alternativo na Universidade Maria Janine Dalpiaz Reschke 1 Lílian Aiala 2 Este trabalho tem como objetivo discutir os resultados do projeto de extensão:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA I. Dados de Identificação: Escola:Escola Estadual Arthur Damé Professor (a): Professora supervisora do Pibid:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS.

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. 712 A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. Indira Aparecida Santana Aragão ¹, Gilza Maria Zauhy Garms ² ¹ Aluna do curso de Pedagogia

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE

EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE RITA DE CÁSSIA TAVARES MEDEIROS 1 NATÁLIA LORENA NOLA 2 RESUMO Este trabalho é fruto do estágio final do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA *Sandra Rejane Silva Vargas **Luiz Fernandes Pavelacki RESUMO O presente trabalho tem como principal objetivo identificar qual a importância

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

Contribuições das brincadeiras infantis de ontem em espaços escolares

Contribuições das brincadeiras infantis de ontem em espaços escolares Contribuições das brincadeiras infantis de ontem em espaços escolares Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Meire Luci Bernardes Silva Machado 1 - UNIUBE Sueli Teresinha de Abreu-Bernardes

Leia mais

DAS IMAGENS DAS TELAS ÀS IMAGENS VIVIDAS

DAS IMAGENS DAS TELAS ÀS IMAGENS VIVIDAS DAS IMAGENS DAS TELAS ÀS IMAGENS VIVIDAS Stella Maria Peixoto de Azevedo Pedrosa Doutoranda - Depto. Educação - PUC-Rio Isabel da Silva Lopes dos Santos Professora do Ensino Fundamental INTRODUÇÃO O projeto

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 Jefferson Alves Batista 2 Resumo: Este artigo busca analisar a partir da obra do Antropólogo Luiz Gonzaga de Mello o conceito antropológico de Cultura.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE PAULA VIRGÍNIA DE ALMEIDA ROCHETTI (FE - UNICAMP). Resumo Vários estudos vêm sendo feitos a fim de investigar a relação que as mulheres têm com o romance. Alguns buscam as

Leia mais

Palavras-chave: Pintura Facial. Inclusão Social. Ações Extensionistas.

Palavras-chave: Pintura Facial. Inclusão Social. Ações Extensionistas. EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INCLUSÃO SOCIAL: AÇÕES EXTENSIONISTAS DO PROJETO PINTANDO A CARA NA APAE DE NAVIRAÍ Cássia Vitali Pereira 1 Josiane Peres Gonçalves 2 Eixo temático 02 Comunicação oral Resumo:

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

Elementos da Prática Pedagógica na Educação Infantil

Elementos da Prática Pedagógica na Educação Infantil Elementos da Prática Pedagógica na Educação Infantil Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 AMOSC-EGEM-FECAM Cuidar e educar como aspectos integrados; Construção de um currículo que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ESCOLA DE FORMAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL - EFETI PROJETO SEMESTRAL. EMEF Prof.ª Ignêz Sagula Fossá

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS ESCOLA DE FORMAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL - EFETI PROJETO SEMESTRAL. EMEF Prof.ª Ignêz Sagula Fossá EMEF Prof.ª Ignêz Sagula Fossá NOME DO PROFESSOR: Andréia Roque Vizinho Gonçalves EIXO : M.E.L. ATELIÊ: Brincadeiras de Rua SEMESTRE: Primeiro ANO: 2013 Tema do Projeto: Brincadeiras de Rua Nome do Projeto:

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE...

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... Cintia Cristina de Castro Mello EMEF Alberto Santos Dummont RESUMO Este relato apresenta o trabalho desenvolvido no EMEF Alberto Santos Dumont, com as turmas 1ª e 3ª séries

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

COTIDIANO, LAZER E TRABALHO: Brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI

COTIDIANO, LAZER E TRABALHO: Brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI COTIDIANO, LAZER E TRABALHO: Brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI ISAAC ANTUNES BRAGA DE CARVALHO KALINE LORENA SILVA DANTAS SÍNTIQUE RAMALHO SEABRA DE SOUZA RESUMO:

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

Coordenado pela Profª Lucidéa Santos, o artigo A FIBRA vai à Escola e a Escola vai à FIBRA: uma experiência em nível de extensão para estabelecer

Coordenado pela Profª Lucidéa Santos, o artigo A FIBRA vai à Escola e a Escola vai à FIBRA: uma experiência em nível de extensão para estabelecer APRESENTAÇÃO Esta coletânea de artigos contempla a sociedade acadêmica com mais uma publicação de resultados de atividades desenvolvidas pela Faculdade Integrada Brasil Amazônia FIBRA, no âmbito da Extensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ ENSINO FUNDAMENTAL I PROJETOS PARA FEIRA DO CONHECIMENTO 2014

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ ENSINO FUNDAMENTAL I PROJETOS PARA FEIRA DO CONHECIMENTO 2014 Projeto: O MUNDO ENCANTADO DA ARTE - 1º ano A, B, C e D Professoras: Newman Miranda, Girlainy Aragão e Eliziana Monteiro A arte faz parte da vida das crianças como instrumento de leitura do mundo e de

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

"Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração"

Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração "Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração" 2 Meta da aula AULA Apresentar os processos de mudança dos valores, dos padrões sociais e das ciências,

Leia mais

Brincadeira de criança, como é bom: Estimulando o resgate das brincadeiras e dos brinquedos da cultura popular, no Lar Fabiano de Cristo

Brincadeira de criança, como é bom: Estimulando o resgate das brincadeiras e dos brinquedos da cultura popular, no Lar Fabiano de Cristo Brincadeira de criança, como é bom: Estimulando o resgate das brincadeiras e dos brinquedos da cultura popular, no Lar Fabiano de Cristo Vilmar de Souza 1 Gilberto da Rosa Júnior 2 Prof. Fabiano Weber

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA - A PRAÇA VAI VIRAR MAR

RELATO DE EXPERIÊNCIA - A PRAÇA VAI VIRAR MAR RELATO DE EXPERIÊNCIA - A PRAÇA VAI VIRAR MAR Comemoração do Dia Internacional do Meio Ambiente 05 de junho de 2014 A comemoração do dia internacional do meio ambiente faz parte do quadro de eventos programados

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA ESPACIALIDADE PELAS CRIANÇAS ATRAVÉS DO BRINCAR E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A CONSTRUÇÃO DA ESPACIALIDADE PELAS CRIANÇAS ATRAVÉS DO BRINCAR E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL A CONSTRUÇÃO DA ESPACIALIDADE PELAS CRIANÇAS ATRAVÉS DO BRINCAR E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Adaliza MELONI, Faculdade de Ciências e Tecnologia/ UNESP Fátima Aparecida Dias Gomes MARIN,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO

PROGRAMA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE EXTENSÃO BRINQUEDOTECA FIBRA: ESPAÇO DE CONVIVÊNCIAS LÚDICAS PROPONENTE DO PROJETO: Márcia Cristina dos Santos Bandeira. Belém-Pará 2014 SUMARIO 1ª UNIDADE: BRINQUEDOTECA FIBRA: ESPAÇO DE CONVIVÊNCIAS

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 3

PRD - 2013 - Descrição das Oficinas do Ciclo 3 OFICINA 1 - DIFICULDADES DE/NA APRENDIZAGEM. VAGAS: 30 Professor Responsável: Maria Aparecida Dias / Hora / Local: sábados 23 de novembro e 07 de dezembro das 09:00 às 13:00h CAMPUS SÂO CRISTÓVÃO I (Pedrinho).

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet (RECUERO, Raquel. Porto Alegre, RS: Editora Sulina, 2012) Vinicius Paiva Cândido dos SANTOS 1 Diante de uma

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

A VIRTUALIZAÇÃO DO LÚDICO: O FECHAMENTO DO UNIVERSO FORMATIVO DO BRINQUEDO

A VIRTUALIZAÇÃO DO LÚDICO: O FECHAMENTO DO UNIVERSO FORMATIVO DO BRINQUEDO A VIRTUALIZAÇÃO DO LÚDICO: O FECHAMENTO DO UNIVERSO FORMATIVO DO BRINQUEDO Palavras-chave: Lúdico; formação cultural; tecnologia; semiformação. Almir ZANDONÁ JÚNIOR; Mona BITTAR (orient.) PPGE / FE UFG

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Lynn Alves 2 A presença dos jogos na história da humanidade tem início com a própria evolução do homem, antes até de serem estabelecidas normas

Leia mais

Brinquedos: Conhecendo e Brincando Toys: Getting to Know and Playing

Brinquedos: Conhecendo e Brincando Toys: Getting to Know and Playing Este projeto didático sempre faz muito sucesso com as crianças. Afinal, brincar é a principal atividade da infância, e aprender novos jogos e brincadeiras em outra língua é muito significativo! Espero

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Índios Lecionando: troca de saberes 1 Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Os vários trabalhos

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO Na EEMASA - Escola Estadual Maria Augusta Silva Araújo, antes do início do ano letivo, professores, coordenação pedagógica e direção da escola definem coletivamente, em

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR INFANTIL

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR INFANTIL REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR INFANTIL Resumo Este artigo tem como proposta discutir a questão do brincar infantil a partir da concepção que esta é uma atividade que faz parte da formação histórica e cultural

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais