FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REDES DE IP (MONTAGEM/SUBSTITUIÇÃO/MANUTENÇÃO DE REDES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REDES DE IP (MONTAGEM/SUBSTITUIÇÃO/MANUTENÇÃO DE REDES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA)"

Transcrição

1 PP. 1/16 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REDES DE IP (MONTAGEM/SUBSTITUIÇÃO/MANUTENÇÃO DE REDES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de montagem/substituição/manutenção em redes de iluminação pública nomeadamente de acessórios, cabos, caixas, braços, colunas, consolas, armaduras e lâmpadas. 3 ACTIVIDADES Colocar EPI s e EPC s adequados; Realizar atividades de consignação e manobras de segurança; Preparar material e equipamento necessário à intervenção; Montar acessórios de protecção e derivação em coluna metálica com alimentação monofásica; Montar acessórios de protecção e derivação em coluna metálica com alimentação trifásica; Montar cabos para electrificação de coluna metálica; Montar caixa de protecção e seccionamento; Montar coluna metálica IP; Montar consola em parede para fixação de lanterna decorativa; Montar eléctrodo de terra; Montar lanterna decorativa; Efetuar aprumo ou alinhamento de coluna de IP; Substituir instalação de electrificação de um foco de IP; IP Montar armadura de IP;

2 PP. 2/16 IP Substituir luminária de IP de qualquer tipo; IP Substituir componentes elétricos em luminária de IP Balastro; IP Substituir componentes elétricos em luminária de IP Cabo da Armadura; IP Substituir componentes elétricos em luminária de IP Ignitor; IP Substituir lâmpada em luminária de IP; IP Ronda IP; IP Reparar coluna IP; IP Reparar Armadura IP; IP Substituir braço de IP; IP Substituir componentes elétricos em luminária de IP Suporte de Lâmpada; Montar braço para armadura IP; Concluir os trabalhos, com o adequado acondicionamento de todos os materiais e equipamentos utilizados, incluindo EPI s e EPC s. 4 PARTICULARIDADES Deslocação ao local de intervenção; Movimentação manual de cargas; Movimentação de cargas pesadas; Utilização de cabos de aço; Trabalhos com escadas portáteis; Trabalhos junto ou na via pública; Como atuar em caso de acidente elétrico; Relevo (montanhas, linhas e cursos de água, terrenos agrícolas e poços); Exposição a ambientes térmicos quentes (calor); Trabalhos próximos de instalações em tensão; Desenrolamento e colocação de condutores rede aérea; Trabalhos em altura em apoios betão;

3 PP. 3/16 Trabalhos em altura em apoios madeira; Interferência com redes telefónicas ou TV Cabo; Trabalhos em altura com cesto elevatório (em viatura); Reboque de geradores e suportes de bobinas de cabos; Trabalhos em TET (BT); Manobras. 5 FOTOS 6 EPC 7 EPI Caixa de primeiros socorros; Medidas de informação, sensibilização e formação; Instruções de primeiros socorros; Utilização de máquinas, aparelhos e ferramentas adequadas à tarefa; Meio de comunicação; Cones ou flat cones sinalizadores (ET 6); Fita sinalizadora, anteparos ou barreiras; Eventual sinalização rodoviária temporária Capacete de segurança com franquelete e viseira amovível (viseira, se aplicável); Calçado de segurança com protecção mecânica, com protecção isolante; Vestuário de alta visibilidade/reflector ou colete reflector; Luvas de proteção mecânica; Luvas dielétricas (se aplicável); Arnês com cinto/sistema de paraquedas/sistema antiquedas de acordo

4 PP. 4/16 (obrigação, desvio e perigo) remete-se para manual de sinalização para trabalhos na via pública EDA; com Manual de Trabalhos e Resgate em Altura EDA (se aplicável). Sinalização de EPI s/riscos/proibição de acesso; Linha de vida e seus acessórios de acordo com Manual de Trabalhos e Resgate em Altura EDA (se aplicável); Kit s de resgate de acordo com Manual de Trabalhos e Resgate em Altura EDA (se aplicável); Escadas isoladas; Detetor de tensão; Equipamento/cabos de curto-circuito; Tapete isolante; Tubo cilíndrico, isolado, com travamento 1. 8 RISCOS Atolamento de máquinas; Atropelamento; Capotamento; Choque com objetos; Congestionamento de trânsito e restrições de circulação; Eletrização ou eletrocussão; Entalamento; Esmagamento; 1 Aguarda-se a homologação no mercado deste tipo de equipamento.

5 PP. 5/16 Exposição a ambientes quentes; Golpe, perfuração e/ou corte; Interferência na comunicação; Postural; Projeção de objetos; Queda ao mesmo nível; Queda de objetos; Queda em altura; Queimaduras; Sobreesforços. 9 MEDIDAS PREVENTIVAS Gerais o Planear os trabalhos em instalações elétricas antecipadamente e realizá-los em conformidade com os procedimentos de trabalho, específicos, individuais e padronizados, com a descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo. Esta documentação deverá ser assinada e validada por profissional responsável e com competências na intervenção em causa de acordo com os critérios da EDA (quando aplicável); o Analisar o trabalho a efetuar em função das condições climatéricas; o Observar minuciosamente o local de intervenção, garantido que não existem fatores de risco adicionais; o Validar a habilitação profissional para a tarefa a executar; o Validar periodicamente a existência de formações para a tarefa a executar; o Assegurar que se cumpre a hierarquização estabelecida nas equipas na preparação e na execução da tarefa; o Assegurar que a composição da equipa é adequada às tarefas a executar; o Todos os equipamentos, materiais e ferramentas utilizados na tarefa, incluindo EPI s

6 PP. 6/16 e EPC s devem ser certificados; o Todos os equipamentos, materiais e ferramentas necessários à tarefa deverão estar devidamente acondicionados; o Validar a existência de quadro e caixa de primeiros socorros; o Validar o funcionamento dos meios de comunicação; o Verificar as fichas de segurança dos produtos manuseados; o Cumprir as regras de segurança indicadas pelos fabricantes do produto; o Respeitar as regras dos fabricantes no que respeita à manutenção/montagem dos equipamentos; o Verificar a disponibilidade e o bom estado dos meios e equipamentos de extinção; o Analisar e verificar, no local, as condições de evacuação em caso de emergência; o O responsável pela execução do serviço deverá suspender as atividades caso verifique alguma situação ou condição de risco não prevista, cuja eliminação ou neutralização imediata não seja possível de ser efetuada; o Os responsáveis de trabalho devem dispor de equipamento alternativo que permita a comunicação permanente com os demais membros da equipa ou com o centro de operação, durante a realização da intervenção; o Estudar e estabelecer métodos de resgate padronizados e adequados a cada intervenção, disponibilizando todos os meios para a sua aplicação e mantendo a formação das equipas atualizadas neste aspeto específico. Específicas (na fase preparatória, no início e durante a execução dos trabalhos) o Validar que o fardamento utilizado é o mais adequado e verificar se estão disponíveis todos os EPC e EPI necessários às várias tarefas a executar; o Respeitar as distâncias de segurança no que respeita à proximidade de tensão. Antes de se iniciar qualquer atividade (mesmo as prévias de sinalização e delimitação) devem ser avaliadas todas as zonas em tensão ou suscetíveis de ficar em tensão (fontes diretas e indiretas); o Sinalizar e limitar a zona de trabalhos. No que respeita a esta sinalização e delimitação das zonas de trabalho devem ser utilizadas fitas e barreiras (aplicável a

7 PP. 7/16 trabalhos em que existam zonas em tensão ou zonas com riscos agravados de queda ou outros que sejam avaliados no local) com alturas distintas. Devem estar claramente visíveis as placas de consignação e de sinalização de trabalhos. Deverá existir informação escrita sobre os trabalhos a decorrer; o Após a análise e validação do plano de intervenção e do plano de manobras, planear a intervenção; o Analisar a ficha de consignação, respetivos procedimentos e os níveis de autorização; o Cumprir os procedimentos de consignação da EDA, nomeadamente, vedar o acesso a pessoal não autorizado à execução da tarefa, cumprir os procedimentos de corte visível dos respetivos aparelhos de corte a montante e jusante do local da intervenção, verificar e garantir os encravamentos elétricos e mecânicos, respeitar as regras de segurança de verificação de ausência de tensão, colocar em curto-circuito todas as possíveis fontes de tensão, garantindo as ligações à terra, sinalização e delimitação especifica das zonas de trabalho e identificação dos equipamentos sujeitos aos procedimentos de segurança de corte e encravamentos que deverão ser sinalizadas com bandeiras no mecanismo de comando e acionamento/fecho (Lockout/Tagout); o Se a execução dum trabalho exigir a participação de várias equipas, deverá ser designado um responsável pela sua coordenação; o Executar os procedimentos de segurança dos riscos elétricos estabelecidos na EDA para este trabalho; o O acesso aos recintos exclusivos do serviço elétrico será restrito a trabalhadores devidamente autorizados ou outros trabalhadores desde que sejam devidamente acompanhados e vigiados por trabalhador autorizado. Todos os trabalhadores devem ser previamente informados sobre os riscos existentes e as precauções a tomar; o Quando se efetua o isolamento de todas as fontes de alimentação da parte da instalação em que os trabalhos vão ser realizados, devem ser colocados na posição aberto (e visível) todos os seccionadores, interruptores ou interruptores automáticos através dos quais a instalação possa ser ligada a fontes de alimentação conhecidas (ou indiretas). Devem ser garantidos os encravamentos e impedir que a instalação seja ligada novamente devido a erros ou falhas fortuitas. Para tal, os dispositivos de

8 PP. 8/16 manobra utilizados para desligar a instalação devem ser protegidos contra qualquer possível forma de ligar fortuitamente, de preferência, por bloqueio (com chave) do mecanismo de manobra, devendo ser colocada, se possível, sinalização para proibir a manobra. Nos casos em que se utilizem dispositivos telecomandados, deve-se impedir a manobra dos mesmos através do telecomando (colocar em modo de comando local e encravado). Recomenda-se que, no que respeita aos encravamentos por chave, cada sistema tenha um sistema de chaves independente com a exclusividade de acesso às chaves aos elementos responsáveis pelo trabalho (devem existir, em local de acesso restrito, chaves suplentes do sistema); o Na verificação de ausência de tensão deve-se comprovar que a instalação está, nesse momento, isenta de tensão e permite a realização de determinadas operações, entre as quais se encontram a ligação à terra e em curto-circuito. A ausência de tensão deve ser verificada em todos os elementos ativos da instalação elétrica da zona de trabalho, ou o mais próximo possível desta, e imediatamente antes de efetuar a ligação à terra e em curto-circuito, para reduzir ao mínimo a possibilidade de que a instalação seja ligada a uma fonte de tensão por erro ou avaria no intervalo de tempo compreendido entre a verificação da ausência de tensão e a ligação à terra e em curto-circuito. O correto funcionamento dos dispositivos de verificação de ausência de tensão deve ser comprovado antes e depois da verificação. Os detetores de tensão podem indicar "ausência de tensão" apesar de existir na instalação certa tensão induzida, desde que esta não atinja a tensão limiar do detetor. Esta tensão só será suprimida após ter sido efetuada a ligação à terra. Antes de utilizar um detetor de tensão é importante verificar a sua tensão ou gama de tensões nominais de funcionamento, bem como o estado das pontas de prova e das pilhas ou baterias, se utilizadas. Para verificar a ausência de tensão em cabos ou condutores isolados que possam ser confundidos com outros existentes na zona de trabalho, devem ser utilizados dispositivos que atuem diretamente nos condutores (pinça ou elemento similar). O verificador de ausência de tensão não deve ser utilizado como aparelho de medição, a menos que o aparelho seja previsto também para esta finalidade. Proibir a utilização de uma lâmpada num suporte com duas pontas de prova, bem como a utilização de busca-pólos de contacto;

9 PP. 9/16 o Garantir em permanência que estão asseguradas as condições de segurança no que respeita a fontes de tensão indiretas que possam interferir com a zona de trabalhos colocando em curto-circuito todas as possíveis fontes de tensão e garantido em permanência as ligações à terra; o Verificar as informações técnicas (esquemas de circuitos e dispositivos), envolvidos com as manobras; o Em caso de incêndio o acesso dos bombeiros aos locais deve ser autorizado e acompanhado por pessoal especializado da EDA. Na zona de delimitação de acessos deve ser garantido um corredor de evacuação e nas zonas de trabalho não devem ser acumulados objetos que originem riscos à circulação e evacuação; o Devem ser criteriosamente escolhidos e uniformizados todos os produtos específicos necessários para a execução da tarefa. Periodicamente deverá existir formação sobre a maneira correta da aplicação dos produtos e sobre o conteúdo e significado da ficha de segurança e ficha técnica dos produtos; o As fichas de segurança de todos os produtos devem estar sempre presentes durante a realização do trabalho. De forma periódica devem ser lidas a todos os elementos antes do início dos trabalhos. Específicas (na execução das atividades) o Cumprir os procedimentos de segurança de trabalhos em altura em vigor na EDA. Devem ser observadas, entre outras as indicações das fichas de procedimentos relacionadas com os trabalhos em altura e o manual EDA relativo a este tema. Deve ser assegurada formação periódica, aos trabalhadores, nesta área específica; o Cumprir os procedimentos de segurança de trabalhos com escadas portáteis em vigor na EDA. Verificar as indicações das respetivas fichas de procedimento nesta área. Deve ser assegurada formação periódica, aos trabalhadores, para a utilização de escadas portáteis; o Se existirem trabalhos de soldadura devem ser observadas todas as determinações das respetivas fichas de procedimentos, normas e regras aplicáveis; o Nos trabalhos de corte mecânico ou manual devem ser observadas as determinações das fichas de procedimento;

10 PP. 10/16 o As cargas a transportar ou elevar devem ser manuseadas de acordo com as respetivas fichas de procedimento (movimentação manual e mecânica de cargas); o A utilização de veículos com cesto elevatório deve obedecer criteriosamente às regras de segurança, constantes das respetivas fichas de procedimentos e do manual de trabalhos em altura da EDA; o Todos os sistemas e equipamentos devem ser cuidadosamente inspecionados antes da sua instalação; o Caso exista necessidade de efetuar trabalhos em tensão, os mesmos devem ser efetuados, apenas, pelas equipas especializadas da EDA (equipas TET). Deve ser observada a respetiva ficha de trabalhos em tensão; o A especificidade destas tarefas origina que as mesmas sejam feitas de forma criteriosa evitando, entre outros, os riscos de entalamento, golpe, perfuração, corte e de queda de objetos; Ver a capacidade dos cabos e cintas. Quando existir a necessidade de utilizar cabos e cintas numa operação, deverá sempre ser observado qual o método mais adequado para a operação e a capacidade desses cabos/cintas a utilizar; o Na utilização do veículo de cesto elevatório ( barquinha ) devem ser respeitadas todas as regras de segurança das quais destacamos: Antes do início dos trabalhos efectuar inspeção visual detalhada; Efectuar um ensaio prévio de funcionamento geral (i.e. sistemas de segurança, fixações, sistema elevação); Verificar a ficha das manutenções periódicas ao sistema elevatório, bem como, à viatura; Verificar regularmente a pressão dos pneus de acordo com as instruções do fabricante; Respeitar sempre as condições de utilização definidas pelo fabricante do cesto, nomeadamente, quanto à estabilidade do cesto elevatório e à velocidade máxima do vento; Antes da movimentação, consultar o diagrama de cargas específico do equipamento tendo em conta o ponto mais desfavorável da movimentação. A

11 PP. 11/16 capacidade de carga permitida depende da força exercida, braço de carga e da altura (distância) de trabalho. Nunca deve exceder a carga máxima admitida no cesto elevatório; Os trabalhos com recurso ao cesto elevatório serão efectuados na presença de pelo menos dois trabalhadores, sendo que um deles deverá estar obrigatoriamente no solo (junto à viatura e com acesso rápido ao comando local do cesto). Assim teremos o operador que manobra e trabalha no cesto e o trabalhador no solo que tem a seu cargo as manobras de intervenção auxiliar (i.e. sinalização gestual das operações), comando em caso de acidente ou avaria, o impedimento da circulação de máquinas ou peões em redor da plataforma ou cesto elevatório e a condução do operador em caso de necessidade. O elemento auxiliar tem a importante função de manter as condições de segurança do operador, libertando este último para o trabalho que está a executar; Os materiais/ferramentas necessários à tarefa deverão estar devidamente acondicionados na zona interior do cesto elevatório, de forma a evitar a sua queda; Na operação de subida do cesto, efectuar visualização atenta, de forma a evitar contacto com qualquer obstáculo existente, alguma peça em tensão ou eventualmente entrar nalguma zona de proximidade de tensão; Ter noção dos alcances e alturas do equipamento que está a operar. Estas informações estão descritas no manual de funcionamento da máquina; Avaliação permanente do risco de queda, tombo ou capotamento (verificação do centro de gravidade da plataforma e distância do centro de gravidade ao ponto de apoio do equipamento). Se o momento de carga for igual ao momento da plataforma, a plataforma elevatória já está sobrecarregada, existindo, conforme referido, o risco de tombo ou capotamento; Conservar o aviso sonoro de marcha-atrás; Não transportar pessoas fora do local apropriado; Utilizar sempre os acessos às plataformas previstos pelo fabricante; Garantir que não existem pessoas à volta;

12 PP. 12/16 Verificar em permanência os riscos de choque contra uma estrutura, um muro ou um objeto móvel ou de bloqueamento, ao passar por debaixo de um passadeira aérea, varanda ou estrutura. Avaliar a visibilidade exterior pois caso seja deficiente entre o solo e a plataforma, o trabalho deve ser interrompido pelo condutor; Utilizar os metódos de fixação e ancoragem previstos no manual de trabalhos em altura da EDA; o Quando se utiliza o veículo de cesto elevatório ( barquinha ) é expressamente proibido: Circular em zonas em que não seja previsto o seu uso; Abandonar ou estacionar a máquina em rampas e taludes; Trabalhar em desníveis ou taludes excessivos e com terreno que não garanta a segurança. Salientamos mais uma vez que devem ser respeitadas as distâncias de segurança, nomeadamente às linhas elétricas, peças e instalações em tensão, taludes e desniveis; Abandonar a máquina com o balde ou outros acessórios levantados; Abandonar a máquina sem colocar os comandos na posição de paragem, acionar o travão de mão e retirar a chave de ignição; Limpar, lubrificar ou afinar elementos da máquina com esta em movimento; Desrespeitar os sinais de circulação e restantes disposições da circulação; Não arremessar materiais/ferramentas em altura; Trabalhar em locais sem iluminação adequada; Realizar manobras bruscas; A operação e manutenção sem ser por pessoas especializadas (devidamente habilitadas com conhecimento dos limites das características da máquina, bem como o espaço necessário para manobrar). o Nas operações de montagem ou substituição de componentes da rede IP (componentes da eletrificação IP, cabos, acessórios de protecção e derivação, caixa de protecção e seccionamento, lâmpada, balastro, ignitor, suportes e demais

13 PP. 13/16 acessórios da luminária) serão sempre respeitadas as seguintes determinações de segurança: Verificar que os respectivos circuitos estão desligados e que será mantido o cuidado de garantir que os circuitos em questão não poderão ser comandados à distância; Verificar a temperatura do conjunto dos aparelhos e da luminária antes da atividade de manutenção, montagem ou substituição; Observar a acumulação de poeiras ou de outros poluentes para tomar as medidas apropriadas no que respeita à aplicação de EPI; Manusear as lâmpadas de forma a evitar a quebra da mesma e prevenir o contacto com todos os produtos perigosos existentes nos aparelhos de iluminação, tais como os gases das lâmpadas de descarga; As lâmpadas usadas não devem ser destruídas. Devem ser recolhidas em conformidade com o plano de recolha de resíduos estabelecido pela EDA. o Alerta-se para que nas operações de montagem, manutenção ou substituição de componentes da rede IP (componentes da eletrificação IP, cabos, acessórios de protecção e derivação, caixa de protecção e seccionamento, lâmpada, balastro, ignitor, suportes e demais acessórios da luminária) podemos ter superfícies cortantes e de uma forma geral pequenos acessórios pontiagudos; o Na montagem dos braços de armaduras IP serão levadas em linha de conta as regras de segurança do fabricante e complementarmente devem: Efectuar a verificação dos locais de fixação dos braços de armadura IP; Garantir os afastamentos estipulados nos manuais técnicos da EDA a outros elementos da fachada (i.e. janelas, alpendres, algerozes entre outros elementos); Garantir o afastamento a linhas em tensão de acordo com as regras da EDA. o A desmontagem de cabos, braços e armaduras IP deve ser feita de forma a não dar origem a posturas incorrectas. Sempre que possível privilegiar a movimentação mecânica de cargas; o No manuseamento das colunas metálicas e outros apoios da rede IP serão

14 PP. 14/16 observadas as seguintes regras: Respeitar as regras de segurança de movimentação mecânica de cargas; A verificação do terreno, fixações e/ou maciço e de um modo geral toda a zona envolvente deve ser feita de forma cuidada, com o intuito de prevenir quedas acidentais com o inicio dos trabalhos; Deve ser sempre garantido o espiamento das colunas e apoios. Quando a coluna ou apoio se encontrar devidamente ancorado sob pontos de fixação sólidos é que os trabalhadores poderão encaminhar-se para junto do mesmo e efectuar os trabalhos necessários; A viatura auxiliar à operação de içar a coluna ou apoio, deverá estar devidamente equilibrada através da colocação de sapatas apoiadas em estrutura sólida; Deve ser verificado o estado dos órgãos de segurança da viatura auxiliar à operação de içar; A coluna ou apoio não deverá ser arrancado (quer tenha maciço ou não) da sua base, por grua ou outro meio de elevação. Devem ser feitos todos os trabalhos preliminares (sempre com as colunas/apoios já seguros) de escavação, destruição do maciço e outros necessários à retirada; Quando a coluna ou apoio se encontrarem fixos é que os trabalhadores poderão encaminhar-se para junto do mesmo e efectuar o auxílio necessário para fixar o apoio/coluna; Na operação de retirar a coluna ou o apoio deve-se proceder à correcta amarração do mesmo. Não retirar o apoio recorrendo a processos de quebra do mesmo; Na fase de montagem da coluna ou apoio deve-se ter em conta o posicionamento do equipamento de elevação e a sua capacidade, O posicionamento dos trabalhadores presentes, que não existem obstáculos na proximidade, susceptíveis de serem atingidos e que não existe o risco de entrarem em contacto ou na zona de vizinhança de outras instalações em tensão; O içar da coluna ou apoio deverá ser efectuado com cabo/cinta devidamente certificado e em boas condições de utilização. Assegurar, caso seja necessário o

15 PP. 15/16 acompanhamento do apoio durante içamento com o auxílio de uma corda guia; Nas operações de descarga e colocação das colunas ou apoios no solo será garantido que ficarão em local plano e nivelado. Não poderão ser feitas operações de içamento e deslocação de colunas ou apoios em locais sem que seja garantido que não existem carros estacionados ou outros obstáculos e que não existe qualquer possibilidade de circularem pessoas (deverá sempre existir um elemento auxiliar que se encarrega destas questões da segurança). o Nos trabalhos em redes IP são efectuados maioritariamente intervenções na via pública pelo que deve dar-se particular atenção, entre outros, aos riscos de atropelamento e devem sempre ser asseguradas as regras de segurança das quais destacamos: Aplicar a sinalização rodoviária temporária (obrigação, desvio e perigo) de acordo com manual de sinalização para trabalhos na via pública EDA. Ter em consideração que a sinalização e informação a colocar está sempre dependente do local da intervenção (tipologia da via e área de intervenção). Alerta-se que nas vias rápidas a sinalização deverá ser complementada com equipamento luminoso intermitente, durante a noite e durante o dia se a visibilidade for reduzida; Condicionar o espaço livre para a circulação de peões, no passeio, deve-se estabelecer, um caminho alternativo, delimitado de ambos os lados e identificado nos extremos pelo sinal "Pista obrigatória para peões"; Nos veículos junto ao local de intervenção é obrigatório que tenham colocadas na parte posterior placas retro-refletoras e que estejam sinalizados com cones e flatcones; Todos os locais de intervenção devem ser devidamente sinalizados com barreiras, cones ou flat-cones e as equipas devem sempre ter um elemento extra que fique de alerta ao trânsito e outros factores que possam ter interferência na segurança das equipas envolvidas nas operações. Específicas (na finalização dos trabalhos) o Antes da reposição em serviço deve ser feita inspeção visual final;

16 PP. 16/16 o Todos os equipamentos devem ser devidamente ensaiados, de acordo com as normas em vigor, antes de serem colocados em serviço. Os ensaios deverão ser efectuados por pessoal especializado. Quando os ensaios forem efectuados em fábrica devem-se confirmar todos os parâmetros antes da colocação em serviço do sistema ou equipamento; o As manobras para a desconsignação só podem ser iniciadas depois de autorizadas pelo responsável de condução, a pedido do responsável de consignação; o Nenhuma instalação pode ser reposta em tensão enquanto o aviso de fim de trabalhos não for entregue ou transmitido pelo responsável de trabalhos ao responsável de consignação; o Com a finalização dos trabalhos deve-se efetuar o devido acondicionamento de todos os materiais, equipamentos, EPC e EPI utilizados. Em cada actividade deve analisar-se a eventual aplicabilidade do risco (observar sempre a expressão se aplicável )

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GERADORES AUXILIARES (GERADOR MÓVEL) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos específicos de operação e ligação de gerador auxiliar móvel à rede de distribuição

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MANUTENÇÃO DE POSTO DE TRANFORMAÇÃO (CABINE ALTA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de manutenção e reparação em posto de transformação de cabine alta (MT/BT)

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS DESMONTAGENS EM POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO DO TIPO CABINA

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS DESMONTAGENS EM POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO DO TIPO CABINA PP. 1/12 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA DESMONTAGENS EM POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO DO TIPO CABINA 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de desmontagem de equipamentos, componentes e acessórios em posto

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GRUAS TORRE 2 DESCRIÇÃO As gruas torre são máquinas utilizadas para elevação de cargas (por meio de um cabo), e transporte dentro de um raio

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REBOQUE DE GERADORES E SUPORTES DE BOBINAS DE CABOS 2 DESCRIÇÃO Durante os trabalhos diários de exploração e conservação das redes de distribuição

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS. Operações de verificação e ensaios de contadores para baixa e média tensão.

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS. Operações de verificação e ensaios de contadores para baixa e média tensão. PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA TRABALHO NO LABORATÓRIO ENSAIO DE CONTADORES 2 DESCRIÇÃO Operações de verificação e ensaios de contadores para baixa e média tensão. 3 ACTIVIDADES

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS 2 DESCRIÇÃO A movimentação de cargas pesadas, compreende as operações de elevação, transporte e descarga de objectos,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ESCORAMENTO DE LAJES 2 DESCRIÇÃO Os elementos horizontais são executados com recurso a cofragem apoiada em suportes verticais destinados a sustentá-la,

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE VALAS OU TRINCHEIRAS 2 DESCRIÇÃO Nos trabalhos realizados em valas ocorrem com frequência acidentes graves e fatais devido principalmente

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA Página: 1/11 DO-OP-01/P-2 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia na operação de chaves fusíveis e chaves facas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

RISCOS ESPECIAIS. Obra:" Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra

RISCOS ESPECIAIS. Obra: Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra Escavação/Abertura de valas Factores de risco - Invasão do espaço do estaleiro por veículos rodoviários - Danificação das paredes da vala devido às cargas exercidas pela passagem dos veículos rodoviários

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

Trabalho Realizado por: Filipa Sanches e Sílvio Dias 26/11/2011

Trabalho Realizado por: Filipa Sanches e Sílvio Dias 26/11/2011 2011 Trabalho Realizado por: Filipa Sanches e Sílvio Dias 26/11/2011 Índice: Níveis de probabilidades e respectiva caracterização Pág. 3 Níveis de gravidade e respectiva caracterização Pág. 4 Avaliação

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS SEGURANÇA DE MÁQUINAS SITUAÇÃO PERIGOSA: Toda a situação em que uma pessoa é exposta a um ou mais riscos ou fenómenos perigosos Zona perigosa Toda a zona interior e/ou ao redor de uma máquina, na qual

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO E PREVENÇÃO ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO

PLANO DE MONITORIZAÇÃO E PREVENÇÃO ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO Dono da Entidade Executante: 1 / 6 ESCAVAÇÃO / ABERTURA DE VALA / TRABALHOS EM VALA OU ESCAVAÇÃO Verificação/Tarefas Riscos Medidas de Prevenção/Protecção Resp. Escavação Abertura de vala Trabalhos em

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA E INSTALAÇÃO

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA E INSTALAÇÃO l INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA E INSTALAÇÃO DOCUMENTO TRADUZIDO A PARTIR DO ORIGINAL IMPORTANTE: Deverá ler atentamente todos os documentos antes do armazenamento, da instalação ou da utilização do material

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R7 18-03-2014 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Lista de Distribuição: Direções e Unidades do Centro Corporativo Empresas

Leia mais

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA DE FOGÃO SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA CUIDADOS E MANUTENÇÃO GUIA PARA RESOLUÇÃO

Leia mais

A segurança como sinónimo de prevenção de acidentes engloba vários aspetos:

A segurança como sinónimo de prevenção de acidentes engloba vários aspetos: Fundamentos da segurança no trabalho A segurança como sinónimo de prevenção de acidentes engloba vários aspetos: Aspeto ético-sociais Segurança social 1 Aspeto jurídicos Legislação do trabalho Aspeto económicos

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com serra mármore Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança da área de trabalho Mantenha a área de trabalho sempre limpa e bem iluminada. Áreas de trabalho desorganizadas

Leia mais

Impresso. ZARGES GmbH Zargesstraße 7 82362 Weilheim, Germany

Impresso. ZARGES GmbH Zargesstraße 7 82362 Weilheim, Germany N TP-TG-PT pt Elevador de serviço ZARGES com guincho de tração e dispositivo de retenção da TRACTEL Greifzug Plano de verificação diário com protocolo de verificação Impresso ZARGES GmbH Zargesstraße 7

Leia mais

Manual do Montadora. Edmundo Doubrawa Joinville SC. www.expogestao.com.br

Manual do Montadora. Edmundo Doubrawa Joinville SC. www.expogestao.com.br Manual do Montadora Edmundo Doubrawa Joinville SC www.expogestao.com.br 5 NORMAS DE MONTAGEM CHECK LIST MONTAGEM 1- Entregar Termo de Responsabilidade ORIGINAL assinado pelo expositor e pelo responsável

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto 1.753.000.080 IM-D176-01 BR Rev.00 TR Tanque Flash Manual de Instalação e Manutenção 1. Termo de garantia 2. Informações gerais de segurança 3. Informações de segurança específicas do produto 4. Informações

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA?

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? INDICE - Enquadramento legislativo PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? - Princípios Gerais da Prevenção - Orientações da directiva estaleiros - O custo dos acidentes - Análise de riscos das

Leia mais

Powador Mini-Argus Mini-Argus FR

Powador Mini-Argus Mini-Argus FR Powador Mini-Argus Mini-Argus FR Esta caixa de terminais do gerador Powder Mini-Argus inclui protecção para cada via, protecção contra sobrecargas e interruptor de corte DC num caixa separada e pode ser

Leia mais

Encarregado e Eletricistas

Encarregado e Eletricistas 1/11 Item: 1 Passo: Planejar Ao tomar conhecimento da Ordem de Serviço o Encarregado deve junto com os eletricistas: - Verificar se o veículo, equipamento e ferramental disponíveis estão em boas condições

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R8 12-03-2015 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Lista de Distribuição: Direções e Unidades do Centro Corporativo Empresas

Leia mais

CAIXA, REBOQUE E SEMI-REBOQUE BASCULANTE

CAIXA, REBOQUE E SEMI-REBOQUE BASCULANTE FICHA DE SEGURANÇA CAIXA, REBOQUE E SEMI-REBOQUE BASCULANTE FUNÇÃO Transporte e esvaziamento da carga por elevação da caixa ou do reboque ou do semireboque basculante industrial ou agrícola. Caixa basculante

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

Perguntas do Exame de: Segurança Básica

Perguntas do Exame de: Segurança Básica Nome candidato: Perguntas do Exame de: Segurança ásica ódigo de evento: Leia atentamente as instruções apresentadas abaixo! Este exame é constituído por 40 perguntas de escolha múltipla. E seguir a cada

Leia mais

MG 158 P Esteira de massagem Instruções de utilização

MG 158 P Esteira de massagem Instruções de utilização MG 158 P P Esteira de massagem Instruções de utilização BEURER GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel.: +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.de Portugues

Leia mais

31995L0063. Página Web 1 de 7. Jornal Oficial nº L 335 de 30/12/1995 p. 0028-0036

31995L0063. Página Web 1 de 7. Jornal Oficial nº L 335 de 30/12/1995 p. 0028-0036 Página Web 1 de 7 Avis juridique important 31995L0063 Directiva 95/63/CE do Conselho, de 5 de Dezembro de 1995, que altera a Directiva 89/655/CEE, relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde

Leia mais

職 業 安 全 健 康 廳 Departamento de Segurança e Saúde Ocupacional. Lista de controle das condições de Segurança e Saúde Ocupacional para Hotelaria e afins

職 業 安 全 健 康 廳 Departamento de Segurança e Saúde Ocupacional. Lista de controle das condições de Segurança e Saúde Ocupacional para Hotelaria e afins Local de Trabalho 1 Manter o local de trabalho sempre limpo. 2 Não obstruir as vias de circulação. 3 Desimpedir as saídas de emergência e escapatórias. 4 Arrumar materiais ordenadamente e não demasiado

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho 1 1. A campanha MET 2. Aquisição de máquinas seguras 3. Utilização de equipamentos de trabalho bem adaptados 4. Locais de trabalho

Leia mais

Prescrições mínimas de segurança e saúde

Prescrições mínimas de segurança e saúde Prescrições mínimas de segurança e saúde Decreto-Lei n.º 82/99, de 16 de Março O Decreto-Lei n.º 331/93, de 25 de Setembro, transpôs para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 89/655/CEE, do Conselho,

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber o Pedido de Desligamento para execução de trabalhos de manutenção em linhas de distribuição, da área de manutenção e outras áreas da CEB-D, FURNAS, CELG, METRÔ, CAESB, CEB) GERAÇÃO, CORUMBÁ

Leia mais

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário.

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Somente trabalhadores devidamente treinados e capacitados

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO 1 1. AVISOS Leia este manual cuidadosamente antes de instalar e operar o equipamento. A operação da máquina deve estar de acordo com as instruções

Leia mais

Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de. transmissão automática

Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de. transmissão automática Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de transmissão automática 1. Prova no parque de manobras (1) Antes de iniciar a marcha Antes de ligar o motor, o candidato deve verificar se

Leia mais

FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS. 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento. 1.7. Acesso a Estruturas e Instalador de Linhas de Vida

FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS. 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento. 1.7. Acesso a Estruturas e Instalador de Linhas de Vida FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS 1.1. Acesso a Estruturas 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento 1.3. Verificação de Acesso a Estruturas 1.4. Acesso a Espaços Confinados 1.5. Instaladores

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8)

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) 19.1 Depósito, manuseio e armazenagem de explosivos. 19.1.1 Explosivos são substâncias capazes de rapidamente se transformarem em gases, produzindo calor intenso e pressões

Leia mais

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h.

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. 1 ANO DE GARANTIA SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR Manual de Instruções L I G U E G R Á T I S 0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. M.K. Eletrodomésticos Ltda. Estrada

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO

LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica LAUDO TÉCNICO DO ENSAIO DA PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO Fernando A. Ishida Tharik Honda Luan Felipe

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO...

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO... ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 3. DISPOSIÇÕES LEGAIS APLICÁVEIS...3 3.1. Inspecções de Instalações Eléctricas...3 3.2. Verificação dos eléctrodos de terra...3 3.3. Limpeza, conservação e reparação

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber a informação sobre a ocorrência do desligamento emergencial da linha de distribuição (despachante); 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança - Uniforme padrão completo; - Radiação

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 11 a 15 de Abril de 2016, das 08:00 às 18:00h. 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 21/03/2016

Leia mais

PORTARIA N.º 949-A/2006 DE 11 DE SETEMBRO

PORTARIA N.º 949-A/2006 DE 11 DE SETEMBRO PORTARIA N.º 949-A/2006 DE 11 DE SETEMBRO Regras Técnicas das Instalações Eléctricas de Baixa Tensão ÍNDICE GENERALIDADES DEFINIÇÕES ALIMENTAÇÃO E ESTRUTURA DAS INSTALAÇÕES INFLUÊNCIAS EXTERNAS COMPATIBILIDADE

Leia mais

Sinalizador óptico à prova de explosão em GRP, 5 joule

Sinalizador óptico à prova de explosão em GRP, 5 joule Sinalizador óptico à prova de explosão em Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Informações Gerais Índice 1 Informações Gerais...2 1.1 Fabricante...2 1.2 Informações relativas ao manual

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS MÓDULO 8 SEGURANÇA DE MÁQUINAS E UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRABALHO Formadora - Magda Sousa Decreto-Lei 441/91 Artigo 8.º

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

REGULAMENTO PARA MONTAGENS Y DESMOTANGENS HOTEL HILTON. Deverá ser apresentada ao organizador com 5 dias úteis de antecipação a seguinte informação:

REGULAMENTO PARA MONTAGENS Y DESMOTANGENS HOTEL HILTON. Deverá ser apresentada ao organizador com 5 dias úteis de antecipação a seguinte informação: REGULAMENTO PARA MONTAGENS Y DESMOTANGENS HOTEL HILTON 1 - Requerimentos preliminares: Deverá ser apresentada ao organizador com 5 dias úteis de antecipação a seguinte informação: (a) Nomes das companhias

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL

PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções PENEIRA AUTOLIMPANTE de Escovas Rotativas - PAL Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto.

Leia mais

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com retroescavadeira Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Retroescavadeira Apenas pessoas que possuem o completo conhecimento do trator e dos implementos devem efetuar

Leia mais

NICOLAU BELLO / REBECA P. RICO PROFISSIONAIS DA ÁREA SEGURANÇA Email:- nicobelo@hotmail.com

NICOLAU BELLO / REBECA P. RICO PROFISSIONAIS DA ÁREA SEGURANÇA Email:- nicobelo@hotmail.com NICOLAU BELLO / REBECA P. RICO PROFISSIONAIS DA ÁREA SEGURANÇA Email:- nicobelo@hotmail.com 1 GRÚA TORRE Definição GRÚA TORRE.- Máquina que se emprega para a elevação de cargas, por meios de um gancho

Leia mais

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO

ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO MANUAL DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA EM VIDRO CERÂMICO INSTALAÇÃO LIGAÇÃO ELÉCTRICA SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS

Leia mais

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho.

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Para que nosso produto tenha um resultado positivo, é de fundamental importância que o Manual

Leia mais

Localização do termostato 14 Posicionamento e instalação do sensor 14. Instalação eléctrica normal 15 Montagem do termostato na caixa de parede 16

Localização do termostato 14 Posicionamento e instalação do sensor 14. Instalação eléctrica normal 15 Montagem do termostato na caixa de parede 16 ÍNDICE INTRODUÇÃo 13 Especificações técnicas 14 POSICIONAMENTO DO TERMOSTATO E DO SENSOR 14 Localização do termostato 14 Posicionamento e instalação do sensor 14 INSTALAÇÃO 15 Instalação eléctrica normal

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS NO POSTO DE TRABALHO

AVALIAÇÃO DE RISCOS NO POSTO DE TRABALHO AVALIAÇÃO DE RISCOS NO POSTO DE TRABALHO Empresa/Estabelecimento: Responsável pela avaliação de riscos: LEGENDA: PA = Pendente de Avaliação; B = Bom; A = Aceitável; D = Deficiente; MD = Muito Deficiente;

Leia mais

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino Avaliação de riscos Filme 1 Situação 1 Caso do menino Camião a despejar carga em andamento (destravado) Menino a brincar debaixo da obra Técnicos sem EPIs Mau acondicionamento e deficiente arrumação de

Leia mais

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR Recentemente estive envolvido na elaboração de um laudo técnico pericial referente ao um princípio de incêndio ocorrido em um local onde estavam sendo

Leia mais

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino Avaliação de riscos Filme 1 Situação 1 Caso do menino Camião a despejar carga em andamento (destravado) Menino a brincar debaixo da obra Técnicos sem EPIs Mau acondicionamento e deficiente arrumação de

Leia mais

Manutenção e Segurança

Manutenção e Segurança 1) Introdução Todos os equipamentos, máquinas, instalações têm um período de vida útil, ou seja, um espaço de tempo durante o qual se espera que aqueles cumpram a função para a qual foram criados. Porém,

Leia mais

CM 50. P Aparelho Anti-celulite. Instruções de utilização

CM 50. P Aparelho Anti-celulite. Instruções de utilização CM 50 PT P Aparelho Anti-celulite Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm, Germany Tel.: +49 (0)731 / 39 89-144 Fax: +49 (0)731 / 39 89-255 www.beurer.com Mail: kd@beurer.de Componentes

Leia mais

CM 50 P Aparelho anti-celulite Instruções de utilização

CM 50 P Aparelho anti-celulite Instruções de utilização CM 50 P P Aparelho anti-celulite Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm, Germany Tel.: +49 (0)731 / 39 89-144 Fax: +49 (0)731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.de Portugues

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente VicePresidência de Engenharia e Meio Ambiente IGR 4.4.632 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS 3. DEFINIÇÕES 4. APLICAÇÃO 5. DESCRIÇÃO DO PROCESSO 6. FLUXO DO PROCESSO 7. RESPONSABILIDADES 8. ANEXOS 9. CONTROLE

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO TÉCNICO DE SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO Área de Concentração: Sinalização Semafórica 1. Na condução de veículos da frota da CET/DSV, em

Leia mais

1766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 40 25 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO

1766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 40 25 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO 1766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 40 25 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO Decreto-Lei n. o 50/2005 de 25 de Fevereiro O Decreto-Lei n. o 82/99, de 16 de Março,

Leia mais

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço VARREDEIRA ZE072 Manual de serviço A varredeira ZE072 foi desenvolvida para trabalhos na construção civil, de manutenção em estradas, ou locais que necessitem o mesmo sistema de remoção de resíduos. Qualquer

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/8 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MEDIÇÕES DE GRANDEZA ELÉTRICA EM REDE BT. 2 DESCRIÇÃO Actividades de medições de grandezas elétricas diversas em redes de torçada de baixa tensão

Leia mais

International Powered Access Federation Boas Práticas na Utilização de Plataformas Elevatórias

International Powered Access Federation Boas Práticas na Utilização de Plataformas Elevatórias International Powered Access Federation Boas Práticas na Utilização de Plataformas Elevatórias Filipa Sanches Portugal Representative Ibero America Support Skype: IPAF.sanches filipa.sanches@ipaf.org portugues@ipaf.org

Leia mais

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS 17 de Fevereiro de 2010 Página 1 de 8 Capítulo I PARTE GERAL Art.1º Objecto O presente regulamento estabelece medidas preventivas e punitivas

Leia mais

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança 1/10 Índice 1. SEGURANÇA...2 1.1. Domínio de Actuação... 2 1.2. Situações de Emergência... 2 1.3. Prescrições de... 3 1.3.1. Equipamentos de Trabalho (ET)... 3 1.3.2. Equipamentos de Protecção Colectiva

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVIII Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 1 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico

Leia mais

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Altera a Norma Regulamentadora n.º 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,

Leia mais

Eletroímã VERSÃO DO MANUAL

Eletroímã VERSÃO DO MANUAL Eletroímã VERSÃO DO MANUAL 1.4 de 19/02/2013 3045 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Itens que Acompanham... 3 2.1. FECHBEM SUPER FS 150 e FS 200... 3 2.2. AUTOMAG F300 E F600... 4 3. Especificações Técnicas...

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA PST. PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA (Descrição da Obra) Empreitada: descrição da empreitada Dono da Obra: identificação do dono da obra Edição / Revisão / Código: PST. Entidade Executante/Construtor:

Leia mais