FORMAÇÃO 2013/ ACESSO A ESTRUTURAS Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento Acesso a Estruturas e Instalador de Linhas de Vida

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS. 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento. 1.7. Acesso a Estruturas e Instalador de Linhas de Vida"

Transcrição

1 FORMAÇÃO 2013/ ACESSO A ESTRUTURAS 1.1. Acesso a Estruturas 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento 1.3. Verificação de Acesso a Estruturas 1.4. Acesso a Espaços Confinados 1.5. Instaladores de Linhas de Vida 1.6. Acesso a Linhas de Vida 1.7. Acesso a Estruturas e Instalador de Linhas de Vida 1.8. Acesso a Linhas de Vida c/ Resgate e Salvamento 1.9. Acesso a Estruturas / Reciclagem Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento / Reciclagem Acesso a Espaços Confinados / Reciclagem 2. ACESSO POR CORDAS 2.1. Acesso por Cordas / Nível I 2.2. Acesso por Cordas / Nível II 2.3. Acesso por Cordas / Resgate e Salvamento 2.4. Verificação de Acesso por Cordas / Nível I 1

2 2.5. Verificação de Acesso por Cordas / Nível II 2.6. Acesso por Corda de Nível I / Reciclagem Acesso por Cordas e Estruturas para Técnicos de Espectáculos 2.8. Acesso por Cordas ANETVA Of-Basic 3. HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO 3.1. Higiene e Segurança nos Trabalhos em Altura 3.2. Avaliação de Riscos para Trabalhos em Altura 3.3. Socorrismo Laboral 3.4. Trabalhador Designado 3.5. Combate e Extinção de Incêndios 3.6. Directiva ATEX (Atmosferas Potencialmente Explosivas) 3.7. EPIs de Protecção Respiratória 4. FORMAÇÃO (TREINOS DE RECICLAGEM) SOBRE TRABALHOS EM ALTURA 4.1. Acesso a Estruturas 4.2. Acesso a Estruturas e Resgate 4.3. Acesso por Cordas de Nível I 4.4. Acesso por Cordas de Nível II 4.5. Acesso a Espaços Confinados e Resgate 2

3 5. CURSOS IPAF PLATAFORMAS ELEVATORIAS 5.1. Manobrador de Plataformas Elevatórias 3A (Tesoura) 5.2. Manobrador de Plataformas Elevatórias 3B (Telescópica) 5.3. Manobrador de Plataformas Elevatórias 3A+3B 5.4. Manobrador de Plataformas Elevatórias 1B 5.5. Demonstrador de Plataformas Elevatórias 3A 5.6. Demonstrador de Plataformas 3B 5.7. Demonstrador de Plataformas 3A+3B 5.8. Manobrador + Demonstrador de Plataformas Elevatórias 3A 5.9. Manobrador + Demonstrador de Plataformas Elevatórias 3B Manobrador + Demonstrador de Plataformas Elevatórias 3A+3B 3

4 1. ACESSO A ESTRUTURAS 1.1. Acesso a Estruturas DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que nunca envolvam a sua pura suspensão. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, no Acesso a Estruturas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - EPC, Linhas de Vida Verticais e Horizontais - Exemplificação de algumas instalações com Linhas de Vida - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 4

5 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical e Horizontal em estruturas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 8 a 12 Horas (4 horas teóricas e 4 a 8 horas práticas). 5

6 1.2. Acesso a Estruturas com Resgate e Salvamento DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos possuidores do Curso de Acesso a Estruturas e que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível do Resgate e Salvamento em Estruturas, em áreas que digam respeito à sua construção, manutenção e remodelação. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura que possam envolver as técnicas de Resgate e Salvamento no Acesso a Estruturas; - Actuar correctamente em caso da execução de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito e que envolvam técnicas de Resgate e Salvamento. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - EPC, Linhas de Vida Verticais e Horizontais - Exemplificação de algumas instalações com Linhas de Vida - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - KIT de Resgate WK33/34, desmultiplicador, similar - Técnica de Resgate e Salvamento em estruturas - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 6

7 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical e Horizontal em estruturas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Montagem e utilização do KIT de Resgate - Execução da Técnica de Resgate e Salvamento em estruturas - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores ou técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controle desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço, incluindo o recurso às técnicas de Resgate e Salvamento. 12 a 16 Horas (4 horas teóricas e 8 a 12 horas práticas). 7

8 1.3. Acesso a Espaços Confinados DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos possuidores do Curso de Acesso a Estruturas e que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e no que respeita à construção, manutenção e remodelação de Espaços Confinados. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, no Acesso a Espaços Confinados; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito e que envolvam o acesso a Espaços Confinados. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Processo de trabalho em espaços confinados - Montagem dos EPC para Espaços Confinados - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 8

9 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical em estruturas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Montagem e Utilização dos EPC p/ Acesso a Espaços Confinados - Resgate através do Guincho e Quadripé - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores ou técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controle desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço, nomeadamente no Acesso a Espaços Confinados. 12 a 16 Horas (4 horas teóricas e 8 a 12 horas práticas). 9

10 1.4. Instaladores de Linhas de Vida DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos possuidores do Curso de Acesso a Estruturas e que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e no que respeita à Instalação e Manutenção de Linhas de Vida. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, na instalação, manutenção e uso de Linhas de Vida; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito e que envolvam a instalação, manutenção e uso de Linhas de Vida. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Componentes de Linhas de Vida Fixas - Linhas de Vida Fixas - Teste Teórico 10

11 Prático - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Montagem de Linhas de Vida Fixas e seus componentes - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção das LINHAS DE VIDA DESTINATÁRIOS Trabalhadores ou técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço, nomeadamente na instalação, manutenção e uso de Linhas de Vida. 8 Horas (4 horas teóricas e 4 horas práticas). 11

12 1.5. Acesso a Linhas de Vida DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e no que respeita à utilização de Linhas de Vida. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, na utilização de Linhas de Vida; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito e que envolvam a utilização de Linhas de Vida. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - EPC, Linhas de Vida Verticais e Horizontais - Exemplificação de algumas instalações com Linhas de Vida - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 12

13 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical e Horizontal em Linhas de Vida Fixas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores ou técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço, nomeadamente na utilização de Linhas de Vida. 8Horas (4 horas teóricas e 4 horas práticas). 13

14 Acesso a Estruturas + Instalador de Linhas de Vida DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que nunca envolvam a sua pura suspensão. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, no Acesso a Estruturas e na Instalação de Linhas de Vida SÖLL; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - EPC, Linhas de Vida Verticais e Horizontais - Exemplificação de algumas instalações com Linhas de Vida - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Procedimentos de Trabalho no Acesso a Estruturas - Instalação de Linhas de Vida fixas: verticais e horizontas em cabo d aço ou carril - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de Filme - Teste de Avaliação Teórico 14

15 Prático - Selecção e Uso de EPIs Anti-Queda - Nós e Amarrações - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical e Horizontal em estruturas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Instalação e utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Inspecção e Manutenção de EPIs Anti-Queda e de Linhas de Vida - Teste de Avaliação Prático DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 16 Horas (4 horas teóricas e 12 horas práticas) 15

16 1.7. Acesso a Linhas de Vida com Resgate e Salvamento DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos possuidores do Curso de Acesso a Linhas de Vida e que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível do Resgate e Salvamento em Linhas de Vida. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura que possam envolver as técnicas de Resgate e Salvamento no Acesso a Linhas de Vida; - Actuar correctamente em caso da execução de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito e que envolvam técnicas de Resgate e Salvamento. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - EPC, Linhas de Vida Verticais e Horizontais - Exemplificação de algumas instalações com Linhas de Vida - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - KIT de Resgate WK 32 ou similar - Técnica de Resgate e Salvamento em nas LV Fixas - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 16

17 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical e Horizontal em Linhas de Vida Fixas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Montagem do KIT de Resgate - Execução da Técnica de Resgate e Salvamento em LV Fixas - Teste Pratico - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores ou técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controle desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço, incluindo o recurso às técnicas de Resgate e Salvamento no Acesso a Linhas de Vida. 8 Horas (4 horas teóricas e 4 horas práticas). 17

18 1.8. Acesso a Estruturas (Reciclagem) DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que nunca envolvam a sua pura suspensão. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, no Acesso a Estruturas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - EPC, Linhas de Vida Verticais e Horizontais - Exemplificação de algumas instalações com Linhas de Vida - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 18

19 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical e Horizontal em estruturas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 8 Horas (2 horas teóricas e 6 horas práticas). 19

20 1.9. Acesso a Estruturas com Resgate e Salvamento (Reciclagem) DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos possuidores do Curso de Acesso a Estruturas e que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível do Resgate e Salvamento em Estruturas, em áreas que digam respeito à sua construção, manutenção e remodelação. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura que possam envolver as técnicas de Resgate e Salvamento no Acesso a Estruturas; - Actuar correctamente em caso da execução de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito e que envolvam técnicas de Resgate e Salvamento. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - EPC, Linhas de Vida Verticais e Horizontais - Exemplificação de algumas instalações com Linhas de Vida - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - KIT de Resgate WK33/34, desmultiplicador, similar - Técnica de Resgate e Salvamento em estruturas - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 20

21 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical e Horizontal em estruturas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Montagem e utilização do KIT de Resgate - Execução da Técnica de Resgate e Salvamento em estruturas - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores ou técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controle desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço, incluindo o recurso às técnicas de Resgate e Salvamento. 8 Horas (2 horas teóricas e 6 horas práticas). 21

22 1.10. Acesso a Espaços Confinados (Reciclagem) DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos possuidores do Curso de Acesso a Estruturas e que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e no que respeita à construção, manutenção e remodelação de Espaços Confinados. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, no Acesso a Espaços Confinados; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito e que envolvam o acesso a Espaços Confinados. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Processo de trabalho em espaços confinados - Montagem dos EPC para Espaços Confinados - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 22

23 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical em estruturas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Montagem e Utilização dos EPC p/ Acesso a Espaços Confinados - Resgate através do Guincho e Quadripé - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores ou técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controle desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço, nomeadamente no Acesso a Espaços Confinados. 8 Horas (2 horas teóricas e 6 horas práticas). 23

24 2. ACESSO POR CORDAS 2.1. Acesso por Cordas / Nível I DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que envolvam o recurso às técnicas de Acesso por Cordas. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, no Acesso por Cordas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Procedimentos de Trabalho em Acesso Vertical Por cordas - Resgate Básico em Descensor - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 24

25 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Descensão por cordas - Ascensão com o descensor por corda e inversão p/ descensão - Ascensão com o bloqueador de peito por corda e inversão p/ descensão - Treino de saída em terraços/telhados p/ corda - Uso de acento de trabalho - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Resgate Básico em Descensor - Rapel Industrial através de uma estrutura - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 16 Horas (4 horas teóricas e 12 horas práticas). 25

26 2.2. Acesso por Cordas / Nível II DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos possuidores do Curso de Acesso por Cordas / Nível I e que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que envolvam o recurso às técnicas avançadas de Acesso por Cordas. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, através das técnicas avançadas de Acesso por Cordas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Procedimentos de Trabalho em Acesso Vertical Por cordas - Resgate á Vitima em Anti-Queda - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 26

27 Prático - Revisão do Nível II A - Passagem de nós em cordas - Fraccionamentos em parede - Fraccionamentos em Tetos - Resgate á vítima em Anti-Queda - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 24 Horas (4 horas teóricas e 20 horas práticas). 27

28 2.3. Acesso por Cordas / Resgate e Salvamento DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos possuidores do Curso de Acesso por Cordas / Nível II e que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que envolvam o recurso às técnicas de Resgate e Salvamento. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, através das técnicas de Resgate e Salvamento; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Procedimentos de Trabalho em Acesso Vertical Por cordas - Resgate e Salvamento 4 técnicas - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 28

29 Prático - Revisão do Nível II - Progressão vertical e Horizontal em parede por cordas - Resgate em Estruturas - Resgate à vítima em ascensão c/ bloqueador de peito - Resgate c/ maca - Resgate em Espaços Confinados - Teste de Avaliação Prático DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 24 Horas (4 horas teóricas e 20 horas práticas). 29

30 2.4. Verificação de Acesso por Cordas / Nível I DESCRIÇÃO - Verificação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que envolvam o recurso às técnicas de Acesso por Cordas. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, no Acesso por Cordas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 30

31 Prático - Teste de Avaliação Prático de Acesso por Cordas / Nível I - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 8 Horas (1 horas teórica e 7 horas práticas). 31

32 2.5. Verificação de Acesso por Cordas / Nível II DESCRIÇÃO - Verificação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos possuidores do Curso de Acesso por Cordas / Nível I e que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que envolvam o recurso às técnicas avançadas de Acesso por Cordas. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, através das técnicas avançadas de Acesso por Cordas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 32

33 Prático - Teste de Avaliação Prático de Acesso por Cordas / Nível II - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 12 Horas (2 horas teórica e 10 horas práticas). 33

34 2.6. Acesso por Cordas / Nível I (Reciclagem) DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que envolvam o recurso às técnicas de Acesso por Cordas. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, no Acesso por Cordas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Procedimentos de Trabalho em Acesso Vertical Por cordas - Resgate Básico em Descensor - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 34

35 Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Descensão por cordas - Ascensão com o descensor por corda e inversão p/ descensão - Ascensão com o bloqueador de peito por corda e inversão p/ descensão - Treino de saída em terraços/telhados p/ corda - Uso de acento de trabalho - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Resgate Básico em Descensor - Rapel Industrial através de uma estrutura - Teste de Avaliação Prático - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 8 Horas (2 horas teóricas e 6 horas práticas). 35

36 2.7. Acesso por Cordas e Estruturas para Técnicos de Espetáculos DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, em casa de Espectáculos, situações estas que envolvam o recurso às técnicas de Acesso por Cordas, e Estruturas. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Altura, no Acesso por Cordas e em Estruturas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. Teórico - Identificação e Selecção de EPI s Anti-Queda - Legislação, Regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Progressão Vertical e Horizontal em estruturas - Procedimentos de Trabalho em Acesso Vertical por cordas - Resgate Básico em estruturas e em cordas - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 36

37 Prático - Selecção e uso dos EPI s Anti-Queda e de Posicionamento - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda - Progressão vertical e horizontal em estruturas - Nós fundamentais e Amarrações - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Descensão por cordas - Ascensão com o descensor por corda e inversão p/ descensão - Ascensão com o bloqueador de peito por corda e inversão p/ descensão - Passagem de cordas - Progressões e técnicas especificas utilizadas em salas de espetáculo - Introdução à movimentação de cargas - Manobras de Resgate em Estrutura e em Suspensão por corda - Teste de Avaliação Prático DESTINATÁRIOS Trabalhadores que realizem Trabalhos em Altura num ambiente de salas de espetáculo, palcos e outras estruturam associadas a espetáculos e eventos e que acedam a estruturas ou que trabalhem em suspensão por corda. (Tecnicos de Som, de Luz ou Rigger ) 24 Horas (4 horas teóricas e 20 horas práticas). 37

38 3. HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO 3.1. Higiene e Segurança nos Trabalhos em Altura DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que envolvem a aplicação dos procedimentos relativos à Higiene e Segurança no Trabalho, análise de perigos e a respectiva avaliação de riscos. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, conhecer e avaliar os conhecimentos adquiridos sobre a Higiene e Segurança no Trabalho aplicável à execução de Trabalhos em Altura; - Actuar correctamente e assegurar o cumprimento das regras básicas de segurança, em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao reconhecimento e aplicação dos respectivos procedimentos, nomeadamente no que se refere à Higiene e Segurança no Trabalho. - EPI s e EPI s Anti-Queda - EPC s e EPC s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Selecção criteriosa de equipamentos - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Formação e certificação de Técnicos - Procedimentos específicos nos Trabalhos em Altura - Situações de Resgate e Salvamento: equipamentos e técnicas - Uso, Manutenção e Inspecção de EPI s e EPC s Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 38

39 DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 8 Horas (8 horas teórico-práticas). 39

40 3.2. Avaliação de Riscos para Trabalhos em Altura DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que envolvem a análise de perigos e a respectiva avaliação de riscos. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas em vigor e respeitantes à Avaliação de Riscos p/ Trabalhos em Altura; - Actuar correctamente e assegurar o cumprimento, em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao uso, manutenção e controle dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito e do respectivo ambiente de trabalho. - Identificação de perigos e avaliação de riscos - Selecção de EPI s e de EPI s Anti-Queda - Selecção de EPC s e de EPC s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Selecção criteriosa e ficha de distribuição de equipamentos - Instruções de Trabalho e Fichas de Procedimento de Segurança - Elaboração de um Plano de Segurança e Saúde - Aplicação seleccionada de EPC s para Trabalhos em Altura - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Formação e certificação de Técnicos - Prestação de serviços e procedimentos específicos nos Trabalhos em Altura - Situações de Resgate e Salvamento: equipamentos e técnicas - Uso, Manutenção e Inspecção de EPI s e de EPC s Anti-Queda - Visionamento de um Filme - Teste Teórico 40

41 DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 8 Horas (8 horas teorico-práticas). 41

42 3.3. Socorrismo Laboral DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Altura, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação, situações estas que envolvam a eventual prestação de Primeiros Socorros. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, conhecer e aplicar as técnicas de Primeiros Socorros e de Suporte Básico de Vida, na realização de Trabalhos em Altura; - Actuar correctamente e assegurar o cumprimento, em caso de participarem na realização de Trabalhos em Altura, no que respeita ao reconhecimento e aplicação das técnicas de Primeiros Socorros, nomeadamente no que se refere ao Suporte Básico de Vida. Teórico/Prático - Sistema integrado de emergência médica - Princípios gerais do socorrismo - Plano de acção do socorrista - Exame geral da vítima e alterações do estado de consciência - Choque, feridas e hemorragias, intoxicações, queimaduras e efeitos do ambiente - Suporte Básico de Vida - Alterações cardio-respiratórias - Trauma, lesões articulares, musculares e ósseas e traumatismos - Situações de sinistro múltiplo - Simulações reais com e sem manequim para treino de Suporte Básico de Vida - Visionamento de um filme - Teste teórico-prático 42

43 DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Altura ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 8 Horas (8 horas teórico-práticas). 43

44 3.4. Trabalhador Designado DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos de empresa que tenham mo máximo até 10 trabalhadores, segundo os pontos 1 e 2 do artigo 225º da Lei Nº 35/2004, de 29 de Julho: - 1 Na empresa, estabelecimento ou conjunto de estabelecimentos distanciados até 50 km do de maior dimensão, que empregue no máximo 10 trabalhadores e cuja actividade não seja de risco elevado, as actividades de segurança e higiene no trabalho podem ser exercidas directamente pelo próprio empregador, se tiver formação adequada e permanecer habitualmente nos estabelecimentos. - 2 Nas situações referidas no número anterior, o empregador pode designar um ou mais trabalhadores para se ocuparem de todas ou algumas das actividades de segurança e higiene no trabalho que tenham formação adequada e disponham do tempo e dos meios necessários. Estão dispensados de serviços internos de SHST, as empresas que verificarem o ponto 1 do artº. 226º da Lei nº. 35/2004, de 29 de Julho: - 3 A empresa com, pelo menos, 400 trabalhadores no mesmo estabelecimento ou no conjunto dos estabelecimentos distanciados até 50 km a partir do de maior dimensão, que não exerça actividades de risco elevado, pode utilizar serviços interempresas ou serviços externos, mediante autorização do organismo do ministério responsável pela área laboral competente em matéria de prevenção da segurança, higiene e saúde no trabalho, desde que: a) Apresente taxas de incidência e de gravidade de acidentes de trabalho, nos dois últimos anos, não superiores à média do respectivo sector; b) O empregador não tenha sido punido por infracções muito graves respeitantes à violação de legislação de segurança, higiene e saúde no trabalho, praticadas no mesmo estabelecimento, nos dois últimos anos; c) Se verifique, através de vistoria, que respeita os valores limite de exposição a substâncias ou factores de risco. Formação adequada a ser ministrada Segundo a Lei nº. 35/2004, de 29 de Julho: ( ) considera-se formação adequada a que permita a aquisição de competências básicas em matéria de segurança e higiene no trabalho, saúde, ergonomia, ambiente e organização do trabalho, que seja validada pelo organismo do ministério responsável pela área laboral competente em matéria de segurança, higiene e saúde no trabalho ( ) 44

45 OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Desempenhar correctamente as tarefas inerentes à função de responsável pela Segurança, Higiene e Saúde no trabalho dentro da sua empresa; - Possuir conhecimento de modos para proceder relativamente à gestão da prevenção de acidentes e riscos profissionais, de acordo com o enquadramento legal em vigor. Teórico Módulo 1 Introdução: Conceitos Gerais e Enquadramento Jurídico 6 horas Módulo 2 Segurança do Trabalho 6 horas Módulo 3 Higiene no Trabalho 6 horas Módulo 4 Ergonomia 3 horas Módulo 5 Gestão das Actividades de Emergência, Evacuação e Primeiros Socorros 4 horas Módulo 6 Identificação dos perigos, Avaliação e Classificação de Riscos Profissionais 9 horas Módulo 7 Organização e Gestão da Prevenção na Empresa 6 horas DESTINATÁRIOS Trabalhadores que pretendam desempenhar a função de responsável pela Segurança, Higiene e Saúde no trabalho dentro da sua empresa e todos aqueles que pretendam adquirir conhecimentos nas matérias desenvolvidas. 40 Horas (40 horas teóricas). 45

46 3.5. Combate e Extinção de Incêndios DESCRIÇÃO Formação de competências teórico-práticas a trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade de efectuar a primeira intervenção num combate e extinção de incêndio. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Identificar os factores que influenciam o processo de combustão; - Identificar e caracterizar os agentes extintores de acordo com as classes de fogo; -Identificar e utilizar correctamente os equipamentos de combate a incêndios de primeiraintervenção. Teórico - Triângulo do fogo - Tetraedro do fogo - Energia de activação, combustíveis e comburente - Limites de inflamabilidade - Classes de fogo - Velocidade de propagação - Desenvolvimento e progressão dos incêndios - Métodos de extinção - Agentes extintores - Equipamento de combate a incêndios - Sistemas automáticos de detecção e extinção de incêndios - Visionamento de Filme - Teste de Avaliação Teórico 46

47 Prático - Identificação dos elementos constituintes de um extintor - Inspecção de um extintor - Manuseamento correcto de um extintor - Simulacro de incêndio com extinção do mesmo utilizando extintores - Montagem de linhas de mangueiras - Utilização correcta das mangueiras e carretéis - Teste de Avaliação Prático DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade de efectuar a primeira intervenção num combate e extinção de incêndio. 8 Horas (5 horas teóricas e 3 horas práticas). 47

48 3.6. Directiva ATEX (Atmosfera Potencialmente Explosiva) DESCRIÇÃO - Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Ambientes com Atmosferas Potencialmente Explosivas, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas e procedimentos de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Ambientes com Atmosferas Potencialmente Explosivas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Ambientes com Atmosferas Potencialmente Explosivas, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. - Definição ATEX - Directivas e Quadro Regulamentar Aplicável - Definição de Explosão - Tetraedro da Explosão - Elementos necessários para uma Explosão - Frases R - Níveis de Concentração com o Ar: LIE, LSE e CME - Limites de Inflamabilidade - Avaliação de Riscos - Responsabilidade dos Donos de Obra - Prevenção e Protecção contra Explosões - Manual de Protecção contra Explosões - Sinalização, Equipamentos e Ferramentas - Procedimentos de Segurança e seu Campo de Aplicação - Aparelhos Auxiliares Respiratórios - Limites de Oxigénio - Teste de Avaliação 48

49 DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Ambientes com Atmosferas Potencialmente Explosivas ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 8 Horas (8 horas teóricas) 49

50 3.7. EPI S de Protecção Respiratória DESCRIÇÃO Formação de competências teórico-práticas de trabalhadores e técnicos que têm a responsabilidade da execução de Trabalhos em Ambientes com Atmosferas Potencialmente Explosivas, nomeadamente ao nível da prestação de serviços e/ou do seu controle, auditorias, levantamentos, construção, manutenção e remodelação. OBJECTIVOS No final do curso os Formandos ficarão aptos a: - Observar, realizar e fazer cumprir as normas e procedimentos de prevenção de segurança p/ Trabalhos em Ambientes com: - Atmosferas Tóxicas/Contaminadas - Insuficiência de Oxigénio - Atmosferas Potencialmente Explosivas; - Actuar correctamente em caso de participarem na realização de Trabalhos em Ambientes com Atmosferas Potencialmente Perigosas, no que respeita ao uso e manutenção dos equipamentos individuais e colectivos criteriosamente seleccionados p/ o efeito. a) Teórico - Equipamentos e Utilização - Quadro Regulamentar aplicável - Exigências Legais para Comercialização - Ar e sua composição - RespiraçãoHumana - Classificação de EPIS - Conhecer os Riscos - Poeiras, Fumos, Névoas, Gases e Vapores - Insuficiência de Oxigénio - Partículas Ionizantes - Temperaturas Extremas 50

51 b) Teórico - Equipamentos de Protecção Respiratória - Circuitos Abertos e Fechados - Aparelhos de Respiração Autónoma - Aparelhos de Respiração Não Autónoma - ARICA e ARICF - Linhas de Ar Comprimido - Auto-Resgate e Máscaras de Fuga - Detecção e Monitorização de Gases - Consumo Humano de Ar - Identificação de Cilindros: cálculos de capacidade, consumo e exemplos - Reserva de Segurança - Cálculo de Linhas de Ar - Selecção de Equipamentos DESTINATÁRIOS Trabalhadores e técnicos que têm a seu cargo a execução directa de Trabalhos em Ambientes com Atmosferas Potencialmente Perigosas ou que efectuam o controlo desta actividade ao nível do seu pessoal ou dos seus prestadores de serviço. 6 Horas (6 horas Teóricas) 51

52 4. FORMAÇÃO (TREINOS DE RECICLAGEM) SOBRE TRABALHOS EM ALTURA 4.1. ACESSO A ESTRUTURAS Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - EPCs e Linhas de Vida Verticais e Horizontais - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical e Horizontal em estruturas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda 4 ou 8 Horas (4 ou 8 horas Teórico-Prácticas) 52

53 4.2. ACESSO A ESTRUTURAS E RESGATE Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - EPCs e Linhas de Vida Verticais e Horizontais - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda - KIT de Resgate WK33/34, desmultiplicador, similar - Técnica de Resgate e Salvamento em estruturas Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Progressão Vertical e Horizontal em estruturas - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Utilização de Linhas de Vida Fixas Verticais e Horizontais - Montagem e utilização do KIT de Resgate - Execução da Técnica de Resgate e Salvamento em estruturas - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda 4 ou 8 Horas (4 ou 8 horas Teórico-Prácticas) 53

54 4.3. ACESSO POR CORDAS DE NIVEL I Teórico - EPI s Anti-Queda - Legislação, regulamentação e Directivas - Normas Europeias e Portuguesas - Sistemas e componentes Anti-Quedas - Aplicação de Linhas de Vida Verticais e Horizontais Temporárias - Responsabilidades da Empresa e do Técnico - Cuidados específicos nos Trabalhos em Altura - Procedimentos de Trabalho em Acesso Vertical Por cordas - Resgate Básico em Descensor - Uso, Manutenção e Inspecção de um EPI Anti-Queda Prático - Nós fundamentais - Uso dos EPI s Anti-Queda - Descensão por cordas - Ascensão com o descensor por corda e inversão p/ descensão - Ascensão com o bloqueador de peito por corda e inversão p/ descensão - Treino de saída em terraços/telhados p/ corda - Uso de assento de trabalho - Montagem de Linha de Vida Temporária Vertical e Horizontal - Resgate Básico em Descensor - Rapel Industrial através de uma estrutura - Inspecção e Manutenção dos EPI s Anti-Queda 4 ou 8 Horas (4 ou 8 horas Teórico-Prácticas) 54

Workshop Trabalhos em Altura Curso de Acesso a Estruturas. Programa 2011/2012. Academia Profissional de Técnicos de Espectáculos

Workshop Trabalhos em Altura Curso de Acesso a Estruturas. Programa 2011/2012. Academia Profissional de Técnicos de Espectáculos Academia Profissional de Técnicos de Espectáculos 2011/2012 Workshop Trabalhos em Altura Curso de Acesso a Estruturas Programa Coordenação: Nuno Várzea Direcção: Ana Coelho Workshop Trabalhos em Altura

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Trabalhador Designado Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GRUAS TORRE 2 DESCRIÇÃO As gruas torre são máquinas utilizadas para elevação de cargas (por meio de um cabo), e transporte dentro de um raio

Leia mais

D I R E C Ç Ã O D E I N S T R U Ç Ã O

D I R E C Ç Ã O D E I N S T R U Ç Ã O PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO- MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Operadores de Sistemas de assistência e Socorros OPSAS ESTRUTURA DA PROVA Disciplina Organização e Sistemas de Comando e Controlo Segurança e Higiene

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ESCORAMENTO DE LAJES 2 DESCRIÇÃO Os elementos horizontais são executados com recurso a cofragem apoiada em suportes verticais destinados a sustentá-la,

Leia mais

Plano de Formação SIPRP 2016

Plano de Formação SIPRP 2016 Plano de SIPRP 2016 VISÃO SIPRP A SIPRP é uma empresa que agrega competências técnicas e experiências profissionais associadas à prevenção de riscos profissionais, saúde ocupacional e segurança contra

Leia mais

// catálogo de FOrmaçãO

// catálogo de FOrmaçãO // catálogo de FOrmaçãO 2010 /2011 AF_cataĺogo_final.indd 1 // índice 3 CFT - CENTRO DE FORMAÇÃO TÉCNICA 5 Formação é peça fundamental! 6 ENERGIA SOLAR TÉRMICA (Profissionais de Distribuição) 7 ENERGIA

Leia mais

CURSO SUPERVISOR EM ESPAÇO CONFINADO

CURSO SUPERVISOR EM ESPAÇO CONFINADO FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-33 4 Análise de Riscos 4 Permissões de Trabalho e Bloqueio de Energias 4 Proteção

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

OFERTA FORMATIVA APRESENTAÇÃO 1 FORMAÇÃO INTEREMPRESAS Á REA DA SEGURANÇ A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS - TÉCNICOS:

OFERTA FORMATIVA APRESENTAÇÃO 1 FORMAÇÃO INTEREMPRESAS Á REA DA SEGURANÇ A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS - TÉCNICOS: APRESENTAÇÃO OFERTA FORMATIVA 1 FORMAÇÃO INTEREMPRESAS Á REA DA SEGURANÇ A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS - TÉCNICOS: Curso de Segurança contra Incêndio em Edifícios (SCIE): Aplicação da Regulamentação em

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MANUTENÇÃO DE POSTO DE TRANFORMAÇÃO (CABINE ALTA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de manutenção e reparação em posto de transformação de cabine alta (MT/BT)

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

FORMAÇÃO GWO BASIC SAFETY TRAINING

FORMAÇÃO GWO BASIC SAFETY TRAINING FORMAÇÃO GWO BASIC SAFETY TRAINING A Soluções Outdoor é uma empresa direccionada para as situações de trabalho onde existe risco de queda. A nossa tarefa consiste em proporcionar equipamentos e técnicas

Leia mais

AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO ÍNDICE 1. Organização da Segurança... 2 2. Medidas de Segurança de Protecção dos Trabalhadores... 3 3. Sinalização e Equipamentos de Segurança...

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA

1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. QUALIFICAÇÃO DA EMPRESA... 2 4. QUALIFICAÇÃO DOS INSTRUTORES... 2 5. RESPONSABILIDADE DA TERMO DE REFERÊNCIA SSST 004//2013 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIALIZADO EM TREINAMENTO DE TÉCNICAS DE SEGURANÇA PARA TRABALHO EM ESPAÇOS CONFINADOS 1. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA...

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

Centro de Treinamento MSA

Centro de Treinamento MSA Centro de Treinamento MSA Porque toda vida tem um propósito... Centro de treinamento MSA A MSA, empresa sediada no Brasil há 46 anos, líder em diversos segmentos de EPI e monitoramento de gases, apresenta

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS Portaria n.º 355/97, de 28 de Maio Aprova o modelo do livro de reclamações

Leia mais

P R E V I S A F E T Y. Prevenção e Segurança no Trabalho,Lda PREVISAFETY. Empresa Autorizada

P R E V I S A F E T Y. Prevenção e Segurança no Trabalho,Lda PREVISAFETY. Empresa Autorizada PREVISAFETY PREVISAFETY é uma empresa especializada em Serviços de Higiene e Segurança no Trabalho (SHST), que trabalha na área da prevenção e controlo de riscos Autorizada pelas Entidades Competentes:

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 7 de Abril de 2008. Registado com o n.º DL 178/2008 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 7 de Abril de 2008. Registado com o n.º DL 178/2008 no livro de registo de diplomas Registado com o DL 178/2008 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 7 de Abril de 2008 A Lei 44/2004, de 19 de Agosto, com as alterações introduzidas pelo -Lei 100/2005, de 23 de

Leia mais

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 9º Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 1. O Grupo Salvador Caetano 2. A Responsabilidade Social e a SHST 3. Política de SHST 4. Estrutura de SHST 5. Responsabilidades e Responsáveis

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

ÍNDICE. 1. Finalidade Pág. 3. 2. Objectivos Gerais Pág. 3. 3. Objectivos Operacionais Pág. 3. 4. Perfil dos Formadores Pág. 4

ÍNDICE. 1. Finalidade Pág. 3. 2. Objectivos Gerais Pág. 3. 3. Objectivos Operacionais Pág. 3. 4. Perfil dos Formadores Pág. 4 ÍNDICE 1. Finalidade Pág. 3 2. Objectivos Gerais Pág. 3 3. Objectivos Operacionais Pág. 3 4. Perfil dos Formadores Pág. 4 5. Equipa Formativa Pág. 4 6. Perfil dos Formandos Pág. 4 7. Recursos Didácticos

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a

Leia mais

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS 17 de Fevereiro de 2010 Página 1 de 8 Capítulo I PARTE GERAL Art.1º Objecto O presente regulamento estabelece medidas preventivas e punitivas

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R7 18-03-2014 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Lista de Distribuição: Direções e Unidades do Centro Corporativo Empresas

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE VALAS OU TRINCHEIRAS 2 DESCRIÇÃO Nos trabalhos realizados em valas ocorrem com frequência acidentes graves e fatais devido principalmente

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012 11 de Janeiro 2012 REGIME JURÍDICO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUA NO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro) DEVERES DO ESTADO EM MATÉRIA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: 1. Formação /qualificação

Leia mais

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a A aplicação de uma competente estratégia pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de um programa de proteção contra quedas, bem como justificar o tempo investido em sua elaboração e administração.

Leia mais

Formação Profissional Técnica. Formação Catálogo

Formação Profissional Técnica. Formação Catálogo Formação Profissional Técnica Formação Catálogo Eletricidade e Energia Telecomunicações Gás Eletrónica e Automação Domótica Robótica Energias Alternativas Eficiência Energética Transporte Manuseamento

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do Diploma: Ministérios das Finanças e da Administração Pública, do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, da Economia e da Inovação, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 176 10 de Setembro de 2009 6167 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho A Assembleia da

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro. Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro. Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ACESSO POR CORDA NAC-005

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ACESSO POR CORDA NAC-005 Página 1 de 12 1. OBJETIVO Esta Norma estabelece a regra adotada pela ANEAC, para a qualificação e certificação de profissionais de acesso por corda, tendo como base a norma ABNT NBR 15475. 2. SIGLAS E

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro

Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro Decreto - executivo nº 6/96 de 2 de Fevereiro O Decreto nº 31/94, de 5 de Agosto, estabelece no ponto 2 do artigo 18º, a obrigatoriedade da criação e organização de Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes PL ANUAL DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE MERCADORIAS - gerentes CAPACIDADE PROFISSIONAL CPNI C/ PC PORTÁTIL Abordar de uma forma genérica os principais aspectos subjacentes à gestão diária

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 1 de 68

CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 1 de 68 CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 1 de 68 Nome de Documento: Catálogo Empresas PT Codificação: CAT.001.CFE_rev_0 Revisão: 0 Data de Aprovação:26/09/2014 Pág. 2 de 68 CAT.001.CFE_rev.0 CAT.001.CFE_rev.0 Pág. 3 de

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006 Directiva 96/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de Dezembro de 1996 relativa ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p.

Leia mais

Serviços de SEGURANÇA do TRABALHO

Serviços de SEGURANÇA do TRABALHO Serviços de SEGURANÇA do TRABALHO Auditorias Técnicas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, visam parametrizar Instalações, Equipamentos e materiais Manuseamento de máquinas e produtos químicos Equipamentos

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS 2 DESCRIÇÃO A movimentação de cargas pesadas, compreende as operações de elevação, transporte e descarga de objectos,

Leia mais

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO A execução de trabalhos em altura expõe os trabalhadores a riscos elevados,

Leia mais

Cursos de Primeiros Socorros Inscrições Particulares

Cursos de Primeiros Socorros Inscrições Particulares Rua dos Douradores, 106-118 1100-207 LISBOA tel. 218 459 440 fax 218 459 458 eso.geral@cruzvermelha.org.pt Cursos de Primeiros Socorros 01 Abril 2012 Encontre a Delegação Local CVP mais próxima: www.cruzvermelha.pt

Leia mais

O Departamento de Formação da FNK-P propõe-se a apoiar e acreditar este curso que após a verificação do mesmo valida-o.

O Departamento de Formação da FNK-P propõe-se a apoiar e acreditar este curso que após a verificação do mesmo valida-o. COMISSÃO ORGANIZADORA E O DEPARTAMENTO FORMAÇÃO Exmos./as. Senhores/as, A Comissão Organizadora do Campeonato de Europa de Cadetes, Juniores e Sub-21 a realizar em Lisboa em fevereiro de 2014, irá a realizar

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

Competências Parentais

Competências Parentais ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Competências Parentais Autor: Inês Eugénio Título: Competências Parentais Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R8 12-03-2015 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Lista de Distribuição: Direções e Unidades do Centro Corporativo Empresas

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA?

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? INDICE - Enquadramento legislativo PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? - Princípios Gerais da Prevenção - Orientações da directiva estaleiros - O custo dos acidentes - Análise de riscos das

Leia mais

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Despacho Conjunto n.º 891/99 No domínio da intervenção precoce para crianças com deficiência ou em risco de atraso grave de desenvolvimento,

Leia mais

CARTILHA DE INSTRUÇÕES TREINAMENTO

CARTILHA DE INSTRUÇÕES TREINAMENTO CARTILHA DE INSTRUÇÕES TREINAMENTO Trabalho a quente Prevenção e Combate a Incêndios Movimentação de Cargas CARTILHA DE INSTRUÇÕES TREINAMENTO TRABALHO A QUENTE 03 TRABALHO A QUENTE O que é trabalho a

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte:

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 1063/97, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1063/97 de 21 de Outubro

Leia mais

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto Ciclo de Seminários de Especialização Avaliação do risco no projecto Enquadramento O Ciclo de Seminários de especialização Avaliação do risco no projecto resulta de uma parceria entre a H.MENEZES Risk

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE BEJA REGULAMENTO DO CURSO

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE BEJA REGULAMENTO DO CURSO ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE BEJA REGULAMENTO DO CURSO CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA C /RAÍZES (GRAU I) 2015 2016 1- Organização O curso de treinadores de Futebol UEFA C /RAÍZES (Grau I) - será organizado

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 O regime jurídico das armas e munições, aprovado pela Lei n.º 5/2006, de 23 de Fevereiro,

Leia mais

Formação Profissional Técnica. Formação Catálogo

Formação Profissional Técnica. Formação Catálogo Formação Profissional Técnica Formação Catálogo Eletricidade e Energia Telecomunicações Gás Eletrónica e Automação Domótica Robótica Energias Alternativas Eficiência Energética Transporte Manuseamento

Leia mais

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação!

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Ruben Santos No ano de 2011 morreram 1,7 milhões de pessoas com

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU ***II POSIÇÃO COMUM. Documento de sessão C5-0135/2001 02/04/2001

PARLAMENTO EUROPEU ***II POSIÇÃO COMUM. Documento de sessão C5-0135/2001 02/04/2001 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Documento de sessão 2004 C5-0135/2001 02/04/2001 ***II POSIÇÃO COMUM Assunto: Posição comum adoptada pelo Conselho em 23 de Março de 2001 tendo em vista a aprovação da Directiva

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAL DE TRABALHO EM ALTURA NAC-001

CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAL DE TRABALHO EM ALTURA NAC-001 Página 1 de 8 1. OBJETIVO Esta Norma estabelece as regras adotadas pela Associação Nacional das Empresas de Acesso por Corda ANEAC, para a certificação de profissionais de Trabalho em Altura que atuam

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 015 Controle de fumaça Parte 8 Aspectos de segurança CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 18 Aspectos de segurança

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. : Enumerados nos Anexos IV/ V do REACH, isentos de registo Uso

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. : Enumerados nos Anexos IV/ V do REACH, isentos de registo Uso Página : 1 ón 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção M«1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa Identificador do produto Designação Comercial : N Ficha de Segurança : Denominação

Leia mais

T R A N S M E L O REGULAMENTO INTERNO PREVENÇÃO E CONTROLO DO ALCOOLISMO

T R A N S M E L O REGULAMENTO INTERNO PREVENÇÃO E CONTROLO DO ALCOOLISMO T R A N S M E L O REGULAMENTO INTERNO PREVENÇÃO E CONTROLO DO ALCOOLISMO Março de 2006 T R A N S M E L O Regulamento de Prevenção e Controlo do Alcoolismo 2 Regulamento Interno para a Prevenção e Controlo

Leia mais

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho PÁG. 1 DE 5 1. - OBJECTIVO Pretende-se definir: princípios básicos de adequados às actividades desenvolvidas pelas empresas do Grupo Santos e Vale visando prevenir os riscos profissionais e promover a

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º)

Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º) Emergência Acontecimento não planeado que pode causar mortes e danos significativos em Colaboradores, Clientes, Público e Infraestruturas da empresa. Poderá afectar temporariamente determinadas áreas da

Leia mais

Decreto-Lei n.º 229/98 de 22 de Julho

Decreto-Lei n.º 229/98 de 22 de Julho Decreto-Lei n.º 229/98 de 22 de Julho A criação de um sistema de caucionamento mútuo em Portugal permitirá às pequenas e médias empresas e às microempresas a utilização de um instrumento que em outros

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

OBJECTIVOS E CONDIÇÕES DE FREQUÊNCIA NO CURSO

OBJECTIVOS E CONDIÇÕES DE FREQUÊNCIA NO CURSO OBJECTIVOS E CONDIÇÕES DE FREQUÊNCIA NO CURSO CURSO AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA: Este curso de formação profissional contínua visa a reciclagem, a actualização ou aperfeiçoamento dos trabalhadores qualificados,

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis Inflamáveis Características e propriedades Muitos acidentes são evitados ou atenuados quando as características

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

Curso de e-learning Outubro de 2014

Curso de e-learning Outubro de 2014 Associação Portuguesa dos Técnicos de Natação Complexo de Piscinas Municipais de Rio Maior Estradas das Marinhas 2040 Rio Maior Curso de e-learning Outubro de 2014 Conservação, qualidade da água e contributos

Leia mais

1766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 40 25 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO

1766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 40 25 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO 1766 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 40 25 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO Decreto-Lei n. o 50/2005 de 25 de Fevereiro O Decreto-Lei n. o 82/99, de 16 de Março,

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

EMISSOR: Ministério das Obras Públicas, Transportes e Habitação

EMISSOR: Ministério das Obras Públicas, Transportes e Habitação DATA: Sábado, 0 de Janeiro de 00 NÚMERO: SÉRIE IB EMISSOR: Ministério das Obras Públicas, Transportes e Habitação DIPLOMA/ACTO: Portaria n.º /00 SUMÁRIO: Estabelece o quadro mínimo de pessoal das empresas

Leia mais

31995L0063. Página Web 1 de 7. Jornal Oficial nº L 335 de 30/12/1995 p. 0028-0036

31995L0063. Página Web 1 de 7. Jornal Oficial nº L 335 de 30/12/1995 p. 0028-0036 Página Web 1 de 7 Avis juridique important 31995L0063 Directiva 95/63/CE do Conselho, de 5 de Dezembro de 1995, que altera a Directiva 89/655/CEE, relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde

Leia mais

Decreto-Lei n.º 100/2003 de 23 de Maio (Publicado no DR, I-A, n.º 119, de 23.05.2003, Págs. 3215 a 3218)

Decreto-Lei n.º 100/2003 de 23 de Maio (Publicado no DR, I-A, n.º 119, de 23.05.2003, Págs. 3215 a 3218) REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES TÉCNICAS E DE SEGURANÇA A OBSERVAR NA CONCEPÇÃO, INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS BALIZAS DE FUTEBOL, DE ANDEBOL, DE HÓQUEI E DE PÓLO AQUÁTICO E DOS EQUIPAMENTOS DE BASQUETEBOL EXISTENTES

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA Regulamento Contra a Violência, Racismo, Xenofobia e Intolerância (*) Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento visa o combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nas

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2013 A definição de uma Política de Segurança e Saúde transversal a todas as empresas

Leia mais