DIRETORIA DA FUNDAÇÃO BRASIL. Sandro Afonso Morales Presidente. Ricardo Titericz Vice Presidente. Eduardo Fernandes Diretor Executivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETORIA DA FUNDAÇÃO BRASIL. Sandro Afonso Morales Presidente. Ricardo Titericz Vice Presidente. Eduardo Fernandes Diretor Executivo"

Transcrição

1 DIRETORIA DA FUNDAÇÃO BRASIL Sandro Afonso Morales Presidente Ricardo Titericz Vice Presidente Eduardo Fernandes Diretor Executivo Lauro José Búrigo Filho Diretor Administrativo Juliano Constante Diretor Financeiro COORDENADOR DO PROJETO Eduardo Fernandes EQUIPE TÉCNICA Ari Ricardo Arantes Lauro José Búrigo Filho José Augusto Chezanoski Robson Marcon

2 Sumário Introdução Aspectos Gerais do Município Histórico Aspectos Físicos e Territoriais Aspectos Populacionais Contagem Populacional Distribuição Populacional em % Comparativo da Distribuição da População em % Taxa Anual de Crescimento da População em % (TAC) Densidade Demográfica Estimativa Populacional em Faixa Etária da População em Aspectos Sociais IDH Índice de Desenvolvimento Humano Índice de Desenvolvimento Humano no Município Comparativo do Índice de Desenvolvimento Humano Posição do IDH - Médio Municipal Os 10 Maiores IDH - Médio Saúde Taxa de Mortalidade Infantil - TMI Esperança de Vida ao Nascer Unidades de Saúde no Município em Leitos Hospitalares Número de Leitos Hospitalares por Habitantes Profissionais na Área de Saúde em Número de Profissionais de Saúde por Habitantes Educação Alunos Matriculados por Dependência Administrativa Distribuição do Número de Alunos por Modalidade de Ensino Número de Estabelecimentos de Ensino no Município Número de Docentes no Município Comparativo do IDH - Educação Indicadores de Atendimento Educacional à Criança... 29

3 Comparativo dos Indicadores de Atendimento Educacional à Criança em Nível Educacional da População Adolescente e Jovem Comparativo do Nível Educacional da População Adolescente e Jovem Nível Educacional da População Adulta Comparativo do Nível Educacional da População Adulta Taxa de Alfabetização nos Países da América Latina Habitação Número de Domicílios Permanentes Percentual de Pessoas que Vivem em Domicílios Próprios e Quitados Infra-Estrutura Energia Elétrica Consumidores de Energia Elétrica no Município Consumo de Energia Elétrica no Município Comparativo da População com Acesso à Energia Elétrica Abastecimento de Água Indicadores do Município em Abastecimento de Água Comparativo da População Abastecida com Água Encanada Lixo Coleta de Lixo Comparativo dos Domicílios Urbanos com Acesso à Coleta de Lixo Rodovias Rodovias que Cortam o Município Distância Rodoviária dos Maiores Municípios do Estado Distância Rodoviária em Relação aos Principais Portos Brasileiros Principais Portos Brasileiros Distância Rodoviária em Relação aos Principais Aeroportos Brasileiros Distância Rodoviária em km do Município em Relação as 27 Capitais Brasileiras Principais Meios de Comunicação Frota de Veículos Percentual da População com Acesso a Carro Aspectos Econômicos Produto Interno Bruto - PIB O PIB dos países com maior IDH do Mundo Empresas no Município... 51

4 5.4. Emprego e Renda Setor Primário Lavouras Temporárias Lavouras Permanentes Efetivo do Rebanho Produtos de Origem Animal Finanças Públicas e Privadas Resultado Orçamentário Movimentação Financeira no Município em Metas do Milênio Notas Explicativas e Conceitos... 64

5 Índice das Tabelas Tabela 1 Aspectos Físicos e Territoriais... 3 Tabela 2 Censo Populacional... 5 Tabela 3 Distribuição Populacional em %... 6 Tabela 4 Comparativo da Distribuição Populacional em %... 7 Tabela 5 Taxa Anual de Crescimento da População em % / Tabela 6 Estimativa Populacional Tabela 7 Faixa Etária da População em Tabela 8 Índice de Desenvolvimento Humano do Município Tabela 9 Comparativo do Índice de Desenvolvimento Humano - Médio Tabela 10 Posição do IDH Médio Municipal Tabela 11 Os 10 Maiores IDH Médio Tabela 12 Taxa de Mortalidade Infantil (1.000 NV) Tabela 13 Esperança de Vida ao Nascer da População (em anos) Tabela 14 Unidades de Saúde no Município Tabela 15 Leitos Hospitalares Tabela 16 - Número de Leitos por Habitantes Tabela 17 - Número de Leitos Hospitalares por Habitantes nos Países Americanos Tabela 18 Profissionais na Área de Saúde Tabela 19 Número de Profissionais na Área de Saúde por Habitantes Tabela 20 - Número de Médicos por Habitantes nos Países Americanos Tabela 21 Alunos Matriculados por Dependência Administrativa Tabela 22 Distribuição do Número de Alunos por Modalidade de Ensino Tabela 23 Número de Estabelecimentos de Ensino Tabela 24 Número de Docentes no Município Tabela 25 Comparativo IDH Educação Tabela 26 Indicadores de Atendimento Educacional à Criança Tabela 27 Comparativo dos Indicadores de Atendimento Educacional à Criança Tabela 28 - Nível Educacional da População Adolescente e Jovem Tabela 29 Comparativo do Nível Educacional da População Adolescente e Jovem Tabela 30 - Nível Educacional da População Adulta (25 anos ou mais) Tabela 31 Comparativo do Nível Educacional da População Adulta

6 Tabela 32 Taxa de Alfabetização da População nos Países da América Latina Tabela 33 Domicílios Tabela 34 Percentual de Pessoas que Vivem em Domicílios Próprios e Quitados. 35 Tabela 35 Consumidores de Energia Elétrica Tabela 36 Consumo de Energia Elétrica (kwh) Tabela 37 Percentual da População com Acesso à Energia Elétrica Tabela 38 Indicadores de Abastecimento de Água Tabela 39 Comparativo da População Abastecida com Água Encanada Tabela 40 Comparativo dos Domicílios Urbanos com Acesso à Coleta de Lixo Tabela 41 Principais Rodovias que Cortam o Município Tabela 42 Distância Rodoviária dos Maiores Municípios do Estado Tabela 43 Distância Rodoviária dos Principais Portos Brasileiros Tabela 44 Distância Rodoviária dos Principais Aeroportos Brasileiros Tabela 45 Distância Rodoviária das Capitais Brasileiras Tabela 46 Principais Meios de Comunicação Tabela 47 Frota de Veículos Tabela 48 Comparativo da Frota de Veículos Tabela 49 Percentual da População com Acesso a Carro Tabela 50 PIB Produto Interno Bruto (em milhões de reais) Tabela 51 O PIB dos países com maior IDH do Mundo Tabela 52 - Distribuição das Empresas por Grupo de Atividades Econômicas Tabela 53 Indicadores de Emprego Tabela 54 Outros Indicadores de Emprego e Renda Tabela 55 Indicadores de Renda Tabela 56 Concentração de Renda Tabela 57 Lavouras Temporárias Tabela 58 Lavouras Permanentes Tabela 59 Efetivo do Rebanho Tabela 60 Produtos de Origem Animal Tabela 61 Resultado da Execução Orçamentária em R$ Tabela 62 - Movimentação Financeira

7 Índice dos Gráficos Gráfico 1 - Contagem Populacional... 5 Gráfico 2 Distribuição Populacional em % Gráfico 3 Comparativo da Distribuição Populacional em % Gráfico 4 Taxa Anual de Crescimento da População 1991/ Gráfico 5 Densidade Demográfica (hab/km 2 ) 2006*... 8 Gráfico 6 Estimativa Populacional Gráfico 7 Faixa Etária da População em Gráfico 8 IDH - Médio Municipal 1980/ Gráfico 9 Comparativo do IDH Médio Gráfico 10 Taxa de Mortalidade Infantil (1.000 NV) Gráfico 11 Esperança de Vida ao Nascer no Município em Anos Gráfico 12 Número de Leitos por Habitantes Gráfico 13 Número de Médicos por Habitantes Gráfico 14 Número de Alunos do Município / Gráfico 15 Distribuição dos Alunos por Modalidade de Ensino Gráfico 16 Evolução do IDH Educação 1980/ Gráfico 17 - Indicadores de Atendimento Educacional à Criança 1991/ Gráfico 18 Nível Educacional da População Adolescente e Jovem, 1991/ Gráfico 19 Nível Educacional da População Adulta, 1991/ Gráfico 20 - Percentual de Pessoas que Vivem em Domicílios Próprios e Quitados Gráfico 21 Percentual da População com Acesso à Energia Elétrica Gráfico 22 Comparativo da População Abastecida com Água Encanada Gráfico 23 Comparativo dos Domicílios Urbanos com Acesso à Coleta de Lixo Gráfico 24 Comparativo da Evolução da Frota de Veículos / Gráfico 25 Média de Habitantes por Veículo Gráfico 26 Percentual da População com Acesso a Carro Gráfico 27 Evolução do PIB - Produto Interno Bruto / Gráfico 28 Valor PIB Per Capita (em R$ 1,00) Gráfico 29 Evolução da Lavoura Temporária 1997/ Gráfico 30 Evolução da Lavoura Permanente 1997/

8 Introdução 1 O presente relatório tem por objetivo apresentar os principais avanços sociais e econômicos do município de Tangará da Serra nos últimos anos. As informações constantes neste documento são de fontes fidedignas e possíveis de serem acessadas junto a órgãos federais, estaduais e municipais, pois são de domínio público. A limitou-se a coletar, organizar e comparar as informações sociais e econômicas do município em relação a outras localidades e verificar sua evolução numa série temporal de dados. Este documento não é um anuário estatístico onde as informações são pormenorizadas e apresentadas sobre forma de tabelas. Trata-se, sim, da coletânea e interpretação dos principais indicadores sociais e econômicos do município, indicadores estes reconhecidos como parâmetros de desenvolvimento humano em nível nacional e internacional. O trabalho está dividido em Aspectos Gerais do Município, Aspectos Populacionais, Aspectos Sociais, Aspectos de Infra-estrutura e Aspectos Econômicos, todos compostos de textos, gráficos e tabelas cujo conteúdo possui valiosas informações para formulações de políticas públicas. Sem dúvida é uma leitura técnica, mas simples e agradável da forma que está sendo apresentada. Neste momento os números evidenciam o quanto Tangará da Serra tem crescido e se desenvolvido. FUNDAÇÃO BRASIL

9 1. Aspectos Gerais do Município Histórico Ponto de passagem de históricas expedições, o lugar onde se assenta a sede municipal de Tangará da Serra abrigava um barracão de seringueiros, conforme informações vindas do povo paresí. O povoamento efetivo e duradouro se deu a partir do loteamento das glebas Santa Fé, Esmeralda e Justino, pertencentes a Júlio Martinez Benevides, Fábio Lissere, Joaquim Oléa e Joaquim Aderaldo de Souza, em A área era de propriedade da SITA - Sociedade Imobiliária de Tupã para a Agricultura Ltda. Esta empresa visava a implantação de uma agropecuária. O lugar, sede da futura cidade, recebeu o nome de Tangará, nome propositadamente escolhido, pois o tangará é pássaro de cores bem definidas, de cabeça encarnada e de canto muito belo. O pássaro tangará recebe outros nomes: fandangueiro, dançador, dançarino e uirapuru. Existe uma lenda que o canto do tangará é tão melodioso que, quando canta, os outros pássaros emudecem para escutá-lo. Com a denominação da localidade de Tangará, os fundadores da colonização queriam dizer que no futuro seria uma povoação excelente e admirável. A Lei Estadual nº , de 6 de janeiro de 1969, criou o distrito de Tangará, no município de Barra do Bugres. O município foi criado a 13 de maio de 1976, através da Lei Estadual nº , com o nome de Tangará da Serra. O termo "da Serra" foi adotado para diferenciar o município matogrossense dos homônimos potiguar e catarinense. Fonte: Ferreira, João Carlos Vicente - Mato Grosso e seus Municípios, Editora Buriti, 2001

10 1.2. Aspectos Físicos e Territoriais 3 O município localiza-se na região Sudoeste do estado. Tangará da Serra possui uma área territorial de 3.687,00 km 2. Possui habitantes e está a uma altitude de 387 metros acima do nível do mar. O município dista km do Porto de Paranaguá e km do Porto de Santos. A média das temperaturas é de 24 graus centígrados. Tabela 1 Aspectos Físicos e Territoriais Aspectos Indicadores Localização Geográfica Área Geográfica em Km ,00 População População 2006* Densidade demográfica (hab/km2) 19,9 Altitude Distância da Capital em km 251 Distância do Porto de Santos em km Distância do Porto de Paranaguá em km Limites Distritos Comarca Solo predominante Relevo Hidrografia Clima Temperatura Pluviosidade Denominação dos Habitantes Principais Atividades Econômicas Macrorregião Sudoeste Matogossense, Microrregião Tangará da Serra. 387 metros acima do nível do mar. Santo Afonso, Nova Olímpia, Barra do Bugres, Vale de São Domingos, Conquista D`Oeste, Campo de Júlio, Sapezal, Campo Novo do Parecis e Nova Marilândia. Sede, Progresso, São Joaquim, São Jorge e Tapirapuã. Tangará da Serra. Areias Quartzosas (areias quartzosas A moderado relevo plano), Latossolo Roxo (latossolo roxo distrófico A moderado textura muito argilosa, relevo plano), Latossolo vermelho escuro (distrófico A moderado textura muito argilosa, relevo plano), Podzólico vermelho amarelo (Tb Eutrófico abrúptico A moderado textura média/argilosa, relevo suave ondulado). Planalto do Parecis. Serra de Tapirapuã. Chapada dos Parecis. Grandes Bacias do Amazonas e Prata. Tropical quente e sub-úmido, com 4 meses de seca, de junho a setembro. A temperatura média é de 24º C, com maior máxima de 38º C e menor mínima de 0º C. A precipitação média anual é de mm, com intensidade máxima em janeiro, fevereiro e março. Tangaraenses ou Tangaraenses-da-serra. Indústria, agro-indústria, comércio, agricultura (soja, cana-de-açúcar, etc.), pecuária (cria, recria e corte, além de leiteira).

11 Tabela 1 Aspectos Físicos e Territoriais 4 Dependência Genealógica Origem do nome O município de Cuiabá deu origem ao município de Cáceres, que deu origem ao município de Barra do Bugres. Este município recebeu parte do território do município de Diamantino, por essa parte é que Barra do Bugres deu origem ao município de Tangará da Serra. Com a denominação da localidade de Tangará, os fundadores da colonização queriam dizer que no futuro seria uma povoação excelente e admirável. Coordenadas Data de Fundação 13/05/1976. Prefeito º04'38" latitude sul e 57º03'45" longitude oeste. Júlio Cezar Davoli Ladeia Fontes: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE / Prefeitura Municipal

12 2. Aspectos Populacionais Contagem Populacional O município possuía em 1980 uma população de habitantes e, segundo dados do Censo Populacional do IBGE, no ano de 2005 a população era de habitantes. Tabela 2 Censo Populacional Censo Populacional Total Sexo Localidade Homens Mulheres Urbana Rural Fontes: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Gráfico 1 - Contagem Populacional Fontes: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

13 Distribuição Populacional em % A distribuição da população do município no ano de 2000 ficou assim: 50,7% de homens e 49,3% de mulheres, sendo que 87,5% da população residiam na área urbana e 12,5% na área rural do município. Tabela 3 Distribuição Populacional em % Censo Populacional Sexo Localidade Homens Mulheres Urbana Rural ,4% 47,6% 40,7% 59,3% ,2% 48,8% 80,4% 19,6% ,1% 48,9% 88,3% 11,7% ,7% 49,3% 87,5% 12,5% Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Gráfico 2 Distribuição Populacional em % ,5% 50,7% 49,3% 12,5% Homens Mulheres Urbana Rural Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

14 Comparativo da Distribuição da População em % Tangará da Serra possuía no ano de 2000 em sua área urbana 87,5% da população, enquanto que no Estado de Mato Grosso essa taxa de urbanização era de 79,4% e no Brasil 81,3%. Tabela 4 Comparativo da Distribuição Populacional em % Censo Populacional Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Urbana Rural Urbana Rural Urbana Rural ,7% 59,3% 57,5% 42,5% 67,6% 32,4% ,4% 19,6% 73,3% 26,7% 75,6% 24,4% ,3% 11,7% 75,8% 24,2% 78,4% 21,6% ,5% 12,5% 79,4% 20,6% 81,3% 18,8% Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Gráfico 3 Comparativo da Distribuição Populacional em % ,5% 79,4% 81,3% 12,5% 20,6% 18,8% Urbana Rural Urbana Rural Urbana Rural Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

15 2.4. Taxa Anual de Crescimento da População em % (TAC) 8 A taxa anual de crescimento da população do município é de 4,25%, sendo que a população do Estado cresce a uma taxa de 2,40% ao ano e o Brasil 1,64% ao ano. Tabela 5 Taxa Anual de Crescimento da População em % /2000 Censo Populacional Tangará da Serra Mato Grosso Brasil 1991/2000 4,25% 2,40% 1,64% Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Gráfico 4 Taxa Anual de Crescimento da População 1991/2000 4,25% 2,40% 1,64% Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE 2.5. Densidade Demográfica A densidade demográfica do município é igual a 19,9 habitantes para cada km 2, enquanto que no Estado de Mato Grosso é de 3,2 habitantes por km 2 e no Brasil é de 21,9 habitantes por km 2. Gráfico 5 Densidade Demográfica (hab/km 2 ) 2006* 19,9 21,9 3,2 Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Nota: *População estimada

16 2.6. Estimativa Populacional em A população do município no final de 2006 deverá ser de habitantes. O município ganhou habitantes entre os anos de 1991 e 2006 e cresceu 83,8% nesse período. Tabela 6 Estimativa Populacional 2006 Ano Habitantes * * * * * * * ** * Variação em % (1991/2006) 83,8% Variação em habitantes (1991/2006) Fonte: Dados elaborados pela com base nas informações do Censo Populacional do IBGE Nota: * População estimada / **População estimada - IBGE Gráfico 6 Estimativa Populacional * 1998* 1999* * 2002* 2003* 2004* 2005** 2006* Fonte: Dados elaborados pela com base nas informações do Censo Populacional do IBGE Nota: * População estimada / **População estimada - IBGE

17 2.7. Faixa Etária da População em Cerca de 20,2% da população possuía entre 0 e 9 anos, outros 20,1% estavam na faixa etária entre 10 e 19 anos, 35,5% da população situavase na faixa de idade entre 20 e 39 anos e os habitantes da terceira idade (acima de 60 anos) representavam 5,9% da população, segundo dados do Censo Populacional do IBGE do ano de Tabela 7 Faixa Etária da População em 2000 Ano Habitantes % relativo 0 a 3 anos ,7% 4 anos ,2% 5 e 6 anos ,2% 7 a 9 anos ,9% 10 a 14 anos ,4% 15 a 17 anos ,5% 18 a 19 anos ,1% 20 a 24 anos ,0% 25 a 29 anos ,0% 30 a 39 anos ,5% 40 a 49 anos ,2% 50 a 59 anos ,1% 60 a 64 anos ,4% 65 a 69 anos 851 1,4% 70 a 74 anos 604 1,0% 75 a 79 anos 349 0,6% 80 anos e mais 287 0,5% Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Gráfico 7 Faixa Etária da População em ,5% 10,4% 10,0% 9,0% 11,2% 7,7% 5,9% 6,5% 6,1% 4,2% 4,1% 2,2% 2,4% 1,4% 1,0% 0,6% 0,5% 0 a 3 anos 4 anos 5 e 6 anos 7 a 9 anos 10 a 14 anos 15 a 17 anos 18 a 19 anos 20 a 24 anos 25 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 64 anos 65 a 69 anos 70 a 74 anos 75 a 79 anos 80 anos e mais Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

18 3. Aspectos Sociais 11 Os aspectos sociais do município foram divididos em 4 temas, a saber: IDH Índice de Desenvolvimento Humano Saúde Educação Habitação 3.1. IDH Índice de Desenvolvimento Humano Índice de Desenvolvimento Humano no Município O município possui um IDH Índice de Desenvolvimento Humano Médio. Nos últimos 20 anos (1980/2000) o IDHM passou de 0,455 (numa escala que vai 0,000 a 1,000) para 0,780. O índice evoluiu 71,4%, representando avanços positivos no desenvolvimento social e econômico da população. O maior avanço foi sentido no aspecto educação que evoluiu 87,9% no período e é o mais alto dos três sub-índices calculados, o subíndice que mede a renda evoluiu 84,5% nos últimos 20 anos e o sub-índice que trata da longevidade evoluiu 46,0%. Tabela 8 Índice de Desenvolvimento Humano do Município Ano Educação Longevidade Renda IDH Médio ,461 0,504 0,400 0, ,741 0,631 0,665 0, ,866 0,736 0,738 0,780 Evolução no período 1980/ ,9% 46,0% 84,5% 71,4% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Gráfico 8 IDH - Médio Municipal 1980/2000 0,679 0,780 0,455 Ano 1980 Ano 1991 Ano 2000 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

19 Comparativo do Índice de Desenvolvimento Humano O município possuía no ano de 2000, segundo a classificação da ONU, um Médio Desenvolvimento Humano. O IDH - Médio de Tangará da Serra, 0,780 é superior em relação ao IDH - Médio do Estado de Mato Grosso que é de 0,773 e superior ao do Brasil que é 0,766. Tabela 9 Comparativo do Índice de Desenvolvimento Humano - Médio Ano Tangará da Serra Mato Grosso Brasil ,455 0,618 0, ,679 0,685 0, ,780 0,773 0,766 Evolução no período 1980/ ,4% 25,1% 11,8% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Gráfico 9 Comparativo do IDH Médio ,780 0,773 0,766 Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

20 Posição do IDH - Médio Municipal O município ocupa hoje a 23ª posição no IDH Médio no Estado de Mato Grosso e a 1.040ª posição entre os municípios brasileiros. Caso mantivesse esta taxa de crescimento do IDH-M, o município levaria 10,2 anos para alcançar São Caetano do Sul (SP), o município com melhor IDH M do Brasil (0,919) e 3,4 anos para alcançar Sorriso (MT) o melhor IDH-M do Estado (0,824). Tabela 10 Posição do IDH Médio Municipal Localidade Posição Universo... No Estado 23ª...de 141 municípios... No Brasil 1.040ª...de municípios Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Os 10 Maiores IDH - Médio Apenas sobre forma de ilustração apresentamos na tabela a seguir o ranking dos 10 maiores IDH no mundo, nos estados e municípios do Brasil. O Brasil ocupava em 2000 a 74ª posição no IDH no mundo, segundo a ONU, de uma relação de 174 países onde é realizado o IDH. 13 Tabela 11 Os 10 Maiores IDH Médio No Mundo Estados Brasileiros Municípios Brasileiros País IDH Estado IDH Município UF IDH 1. Canadá 0, Distrito Federal 0, São Caetano do Sul SP 0, Noruega 0, Santa Catarina 0, Águas de São Pedro SP 0, Estados Unidos 0, São Paulo 0, Niterói RJ 0, Austrália 0, Rio Grande do Sul 0, Florianópolis SC 0, Islândia 0, Rio de Janeiro 0, Santos SP 0, Suécia 0, Paraná 0, Bento Gonçalves RS 0, Bélgica 0, Mato Grosso do Sul 0, Balneário Camboriú SC 0, Holanda 0, Goiás 0, Joaçaba SC 0, Japão 0, Mato Grosso 0, Porto Alegre RS 0, Reino Unido 0, Minas Gerais 0, Fernando de Noronha PE 0,862 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Com base neste indicador o município deverá procurar melhorar as políticas públicas de saúde e de saneamento, o resultado será um IDH Longevidade maior; melhorar o acesso da população à educação, procurar aumentar o número de anos de estudo da população e reduzir ao máximo o índice de analfabetismo e o resultado será um IDH Educação maior; por último priorizar os esforços em ações que gerem trabalho e renda no município, promover o acesso à qualificação profissional da população e o resultado será um IDH Renda maior. Todo o município deve procurar se manter num IDH Médio igual ou superior a 0,800.

21 Saúde O cuidado com a saúde dos habitantes de um município é medido por vários indicadores que demonstram a eficácia das políticas públicas. A seguir apresentamos alguns desses indicadores reconhecidos em âmbito nacional e internacional Taxa de Mortalidade Infantil - TMI Em 2003 a taxa de mortalidade infantil no município era de 21,2 óbitos para nascidos vivos (até 1 ano de idade). Tabela 12 Taxa de Mortalidade Infantil (1.000 NV) Ano Tangará da Serra Mato Grosso Brasil ,7 21,6 30, ,9 21,4 28, ,3 22,7 27, ,8 21,2 26, ,3 20,6 25, ,2 21,0 24,4 Evolução no período 1998/ ,2% -3,0% -18,7% Fonte: Ministério da Saúde Gráfico 10 Taxa de Mortalidade Infantil (1.000 NV) ,4 21,2 21,0 Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Fonte: Ministério da Saúde

22 15 Taxa de Mortalidade Infantil no Mundo Segundo dados da ONU a taxa de mortalidade infantil no mundo é de 96 óbitos para cada nascidos vivos (NV). Nos países de baixo índice de desenvolvimento humano o coeficiente é de 104 óbitos para cada nascidos vivos; nos países de médio desenvolvimento humano são em média 45 óbitos para cada nascidos vivos e nos países de alto desenvolvimento humano a média é de 9 óbitos para cada nascidos vivos. Em setembro de 2000, durante a Cúpula do Milênio, os países membros das Nações Unidas reafirmaram seu compromisso no sentido de priorizar a eliminação da pobreza e contribuir para o desenvolvimento sustentável. Dentro desse contexto, oito objetivos foram estabelecidos como representativos dos esforços da comunidade mundial para uma melhoria mensurável e significante das condições de vida dos povos. Entre eles, no objetivo 4 das metas do milênio diz: Reduzir em 2/3 a mortalidade de crianças até 5 anos. Mortalidade Infantil Continua Alta no Brasil Desde meados da década de 1940, a mortalidade infantil vem diminuindo no Brasil, devido às campanhas de vacinação em massa, à disseminação dos antibióticos e, mais recentemente, aos exames pré-natais, às campanhas de aleitamento materno e aos agentes comunitários de saúde, entre outras medidas, governamentais ou não. Em 1970, tínhamos em torno de 100 óbitos para cada mil menores de um ano nascidos vivos. Em 2000, a taxa caiu para média de 27 por mil, um patamar ainda alto, se considerarmos, por exemplo, os países vizinhos: 21 por mil na Argentina, 12 por mil no Chile e 15 por mil no Uruguai. No ranking dos 192 países ou áreas estudadas pela ONU, o Brasil ocupa a 100ª posição. Combate à Mortalidade Infantil Todo município deverá procurar reduzir a taxa de mortalidade infantil a zero ou próximo deste índice, através de políticas públicas que vão desde assistência integral a gestante, até os primeiros anos de vida da criança. Às vezes uma simples campanha de conscientização e informação sobre a importância da higiene pessoal, do aleitamento materno, do exame pré-natal pode reduzir a taxa de mortalidade infantil em mais de 50% gastando-se pouco e sem depender das esferas estaduais e federais. Importante é o monitoramento desse indicador no próprio município e a análise dos resultados obtidos no mínimo a cada 6 meses.

23 Esperança de Vida ao Nascer 16 A esperança de vida ao nascer em Tangará da Serra cresceu em 6,3 anos, passando de 62,8 anos para 69,2 anos na década de 90. A média de esperança de vida em 2000 no Estado de Mato Grosso é de 69,4 anos e no Brasil de 68,6 anos. Tabela 13 Esperança de Vida ao Nascer da População (em anos) Ano Tangará da Serra Mato Grosso Brasil ,8 64,2 64, ,2 69,4 68,6 Evolução no período 1991/ ,1% 8,0% 6,0% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Gráfico 11 Esperança de Vida ao Nascer no Município em Anos ,2 69,4 68,6 Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Esperança de Vida ao Nascer no Mundo: A expectativa média de vida da população mundial, segundo a ONU, passou de 59,8 anos na década de 70 para 66,9 anos no início de Os países considerados de alto desenvolvimento humano possuem uma expectativa de vida de 77,5 anos, os países de médio desenvolvimento humano possuem uma expectativa de vida de 67,3 anos e os de baixo desenvolvimento humano possuem uma expectativa de vida média em torno de 49,1 anos. Este importante indicador demonstra a necessidade que todo município possui em implementar políticas públicas não só para o cuidado com a saúde, mas sim um conjunto de ações que envolvem desde o saneamento básico, moradia descente, até o acesso a uma alimentação regular e saudável. Essas iniciativas deverão aumentar a expectativa da população e permitir que os habitantes do município em questão ultrapassem a média de 77,5 anos de vida como ocorre nos países de alto IDH.

24 Unidades de Saúde no Município em 2006 O município de Tangará da Serra conta com 69 locais destinados ao atendimento de saúde, dentre estes 12 são centros de saúde, 8 postos de saúde, 4 hospitais gerais, entre outros. Tabela 14 Unidades de Saúde no Município Tipologia de Unidade Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Central de regularização de serviços de saúde Centro de parto normal - isolado Centro de saúde / unidade básica Clínica especializada / ambulatório de especialidade Consultório isolado Hospital especializado Hospital geral Hospital / dia - isolado Policlínica Posto de saúde Pronto socorro especializado Pronto socorro geral Unidade de apoio diagnose e terapia (SADT isolado) Unidade de vigilância em saúde Unidade mista Unidade móvel de nível pré-hospitalar urgência / emergência Unidade móvel fluvial Unidade móvel terrestre Total Fonte: Ministério da Saúde Nota: Dados até 01/06/2006

25 Leitos Hospitalares 18 O município de Tangará da Serra teve um decréscimo de 30,7% no número de leitos atendidos pelo Sistema Único de Saúde SUS, entre os anos de 1997 e 2003, enquanto que no Estado de Mato Grosso o decréscimo do número de leitos foi de 2,9% e no Brasil foi de 11,1%, no mesmo período. Tabela 15 Leitos Hospitalares Ano Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Evolução no período 1997/ ,7% -2,9% -11,1% Fonte: Ministério da Saúde Número de Leitos Hospitalares por Habitantes O município contava em 1997 com 2,6 leitos para cada grupo de habitantes. No ano de 2003, essa relação foi de 1,5 leitos por habitantes. Possuía então, índices superiores ao Estado de Mato Grosso e o Brasil, que possuíam respectivamente 2,4 e 2,5 leitos hospitalares para cada grupo de habitantes. Tabela 16 - Número de Leitos por Habitantes Ano Tangará da Serra Mato Grosso Brasil ,6 2,9 3, ,5 2,8 3, ,6 2,8 3, ,5 2,7 2, ,4 2,7 2, ,5 2,4 2, ,5 2,4 2,5 Evolução no período 1997/ ,8% -16,2% -19,8% Fonte: Dados elaborados pela baseados em informações do Ministério da Saúde e do IBGE

26 19 Gráfico 12 Número de Leitos por Habitantes ,4 2,5 1,5 Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Fonte: Dados elaborados pela através de informações do Ministério da Saúde e do IBGE A OPAS e a OMS não recomendam ou estabelecem um número ideal de habitantes por leito, pois esse indicador depende de outros fatores que são específicos de cada país e cada região. Mesmo assim buscamos para efeito de comparação o número de leitos hospitalares para cada grupo de habitantes dos países americanos. Tabela 17 - Número de Leitos Hospitalares por Habitantes nos Países Americanos Países Anguila Antigua e Barbuda Antilhas Neerlandesas Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Dominica

27 Tabela 17 - Número de Leitos Hospitalares por Habitantes nos Países Americanos Equador El Salvador Estados Unidos da América Granada Guadalupe Guatemala Guiana Francesa Guiana Haiti Honduras Ilhas Caiman Ilhas Turcas e Caicos Ilhas Virgens (EUA) Ilhas Virgens (RU) Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saint Kitts & Nevis San Vicente e las Granadinas Santa Lucia Suriname Trinidad e Tobago Uruguai Venezuela Fonte: OPAS Organização Pan-americana de Saúde Nota: (...) dados desconhecidos ou não disponíveis para o período 20

28 Profissionais na Área de Saúde em 2006 Tangará da Serra tem a disposição, em seu quadro funcional, entre os profissionais da área de saúde, 15 dentistas, 183 enfermeiros e 100 médicos. A seguir apresenta-se uma comparação quantitativa entre os profissionais de Tangará da Serra, de Mato Grosso e do Brasil. Tabela 18 Profissionais na Área de Saúde Profissionais Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Dentistas Cirurgião Dentista em Geral Cirurgiões Especialistas Enfermeiros Enfermeiro em Geral Enfermeiros Especialistas Técnicos de Enfermagem - Geral Técnicos de Enfermagem - Especialistas Auxiliar de Enfermagem Farmacêutico em Geral Fisioterapeuta Fonoaudiólogo Médicos Médicos em Geral (Clínico Geral) Médicos Especialistas Nutricionista em Geral Psicólogo em Geral Total Fonte: Ministério da Saúde Nota: Dados até 01/06/2006

29 Número de Profissionais de Saúde por Habitantes O quadro a seguir compara a relação do número de profissionais de saúde para um grupo de habitantes. Tangará da Serra possui 13,7 médicos para um grupo de habitantes, enquanto que a média nacional é de 31,5 médicos e a média estadual é de 15,7. São 2,0 dentistas por habitantes em Tangará da Serra, contra uma média estadual de 3,3 dentistas e uma média nacional de 5,0 dentistas por habitantes. Tabela 19 Número de Profissionais na Área de Saúde por Habitantes Profissionais Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Dentistas 2,0 3,3 5,0 Cirurgião Dentista em Geral 1,4 2,5 3,7 Cirurgiões Especialistas 0,7 0,9 1,3 Enfermeiros 25,0 21,6 29,1 Enfermeiro em Geral 1,5 2,3 3,8 Enfermeiros Especialistas 1,6 2,3 2,3 Técnicos de Enfermagem - Geral 8,1 5,3 4,5 Técnicos de Enfermagem - Especialistas 2,2 1,1 0,5 Auxiliar de Enfermagem 11,6 10,6 18,0 Farmacêutico em Geral 0,8 0,7 0,7 Fisioterapeuta 1,5 1,6 1,6 Fonoaudiólogo 0,5 0,4 0,6 Médicos 13,7 15,7 31,5 Médicos em Geral (Clínico Geral) 2,7 2,8 4,4 Médicos Especialistas 10,9 13,0 27,1 Nutricionista em Geral 0,3 0,5 0,5 Psicólogo em Geral 0,7 0,9 1,3 Média 44,5 44,8 70,3 Fonte: Dados elaborados pela através de informações do Ministério da Saúde e do IBGE Nota: Dados até 01/06/2006

30 23 Gráfico 13 Número de Médicos por Habitantes ,5 13,7 15,7 Dentistas Médicos 2,0 3,3 5,0 Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Fonte: Dados elaborados pela através de informações do Ministério da Saúde e do IBGE Nota: Dados até 01/06/2006 A OPAS e a OMS não recomendam ou estabelecem uma quantidade ideal do número de profissionais de saúde para um grupo de habitantes, pois esse indicador depende de outros fatores que são específicos de cada país e cada região. Mesmo assim buscamos para efeito de comparação os indicadores do número de profissionais de saúde por habitantes nos Países Americanos. Tabela 20 - Número de Médicos por Habitantes nos Países Americanos Países Anguila Antigua e Barbuda Antilhas Neerlandesas Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica

31 Tabela 20 - Número de Médicos por Habitantes nos Países Americanos Cuba Dominica Equador El Salvador Estados Unidos de América Granada Guadalupe Guatemala Guiana Francesa Guiana Haiti Honduras Ilhas Caiman Ilhas Turcas e Caicos Ilhas Virgens (EUA) Ilhas Virgens (RU) Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saint Kitts & Nevis San Vicente e las Granadinas Santa Lucia Suriname Trinidad e Tobago Uruguai Venezuela Fonte: OPAS Organização Pan-americana de Saúde Nota: (...) dados desconhecidos ou não disponíveis para o período 24

32 Educação O desenvolvimento de um povo é diretamente proporcional aos esforços dispensados para educação. A seguir apresentamos os principais indicadores da educação do município de Tangará da Serra Alunos Matriculados por Dependência Administrativa O município possuía alunos no ensino infantil, fundamental e médio no ano de No final do ano de 2005 o número de alunos chegava a ocasionando um aumento de 31,1%. O poder público do município respondia em 2005 pela educação de alunos, ou seja, 42,6% do total de alunos, o governo estadual respondia por outros 48,7% e a iniciativa privada por 8,7% do total. Tabela 21 Alunos Matriculados por Dependência Administrativa Ano Dependência Administrativa Município Estado Particular Total (*) % relativo em ,6% 48,7% 8,7% 100,0% Evolução no período 1999/ ,4% -1,6% 9,2% 31,1% Fonte: Ministério da Educação Nota: (*) Não estão computados os alunos do ensino superior

33 26 Gráfico 14 Número de Alunos do Município / Fonte: Ministério da Educação Nota: Não estão computados os alunos do ensino superior Distribuição do Número de Alunos por Modalidade de Ensino Em 2005, 59,8% dos alunos de Tangará da Serra estavam cursando o ensino fundamental, 14,9% o ensino médio e 10,1% o ensino superior. Tabela 22 Distribuição do Número de Alunos por Modalidade de Ensino Modalidades Alunos % relativo Creche 450 1,7% Pré-Escola ,2% Ensino Fundamental ,8% Ensino Médio ,9% Educação Especial 244 0,9% Ensino Jovens e Adultos ,5% Ensino Superior ,1% Total ,0% Fonte: Ministério da Educação

34 27 Gráfico 15 Distribuição dos Alunos por Modalidade de Ensino Educação Especial 0,9% Ensino Jovens e Adultos 5,5% Ensino Superior 10,1% Creche 1,7% Pré-Escola 7,2% Ensino Médio 14,9% Ensino Fundamental 59,8% Fonte: Ministério da Educação Número de Estabelecimentos de Ensino no Município Tangará da Serra possuía 116 estabelecimentos de ensino no ano de 2005 contra 81 estabelecimentos de ensino no ano de No período o acréscimo do número de estabelecimentos foi de 43,2%. Ano Tabela 23 Número de Estabelecimentos de Ensino Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Educação Especial Ensino Jovens e Adultos Ensino Superior Total Evolução no período 1999/ ,3% 3,7% 71,4% 50,0% 50,0% 33,3% 43,2% Fonte: Ministério da Educação

35 Número de Docentes no Município 28 Em 2005 o município de Tangará da Serra possuía professores, o que representou um aumento de 37,6% no corpo docente em relação ao ano de O maior contingente de professores localizava-se no ensino fundamental, com 767 docentes, seguido do ensino médio com 210 docentes. Ano Tabela 24 Número de Docentes no Município Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Educação Especial Ensino Jovens e Adultos Total Evolução no período 1999/ ,8% 20,2% 75,0% 20,8% 108,7% 37,6% Fonte: Ministério da Educação Comparativo do IDH - Educação 2000 O IDH Educação no município cresceu 87,9% nos últimos 20 anos, passando de 0,461 para 0,866. O IDH Educação do município é superior à média do Estado e a do Brasil. Tabela 25 Comparativo IDH Educação 2000 Ano Tangará da Serra Mato Grosso Brasil ,461 0,527 0, ,741 0,741 0, ,866 0,860 0,849 Evolução no período 1980/ ,9% 63,2% 47,1% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

36 29 Gráfico 16 Evolução do IDH Educação 1980/2000 0,866 0,741 0,461 Ano 1980 Ano 1991 Ano 2000 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Indicadores de Atendimento Educacional à Criança Na década de 90 o município de Tangará da Serra conseguiu aumentar em 206,1% o número de crianças de 5 a 6 anos na escola; passou de 20,1% em 1991 para 61,5% em Eram 11,7% das crianças de 7 a 14 anos analfabetas em 1991 e em 2000 eram 6,2%. Tabela 26 Indicadores de Atendimento Educacional à Criança Indicadores Ano 1991 Ano 2000 Evolução do indicador 1991/2000 % de 5 e 6 anos na escola 20,1% 61,5% 206,1% % de 7 a 14 anos na escola 83,2% 93,7% 12,6% % 10 a 14 anos na escola 83,5% 93,1% 11,5% % 7 a 14 anos analfabetos 11,7% 6,2% -46,8% % 10 a 14 anos analfabetos 4,7% 2,6% -45,0% % 7 a 14 anos com mais de um ano de estudo de atraso 39,4% 18,8% -52,2% % 10 a 14 anos com mais de um ano de estudo de atraso 58,0% 26,7% -54,0% % 10 a 14 anos com menos de 4 anos de estudo 60,7% 34,8% -42,7% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

37 30 Gráfico 17 - Indicadores de Atendimento Educacional à Criança 1991/2000 % 10 a 14 anos analfabetos % 7 a 14 anos analfabetos 4,7% 2,6% 11,7% 6,2% % 10 a 14 anos na escola % de 7 a 14 anos na escola 83,5% 93,1% 83,2% 93,7% % de 5 e 6 anos na escola 20,1% 61,5% Ano 2000 Ano 1991 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Comparativo dos Indicadores de Atendimento Educacional à Criança em 2000 No ano de 2000, 93,7% das crianças entre 7 e 14 anos estavam na escola no município de Tangará da Serra. A taxa de analfabetismo entre as crianças de 7 e 14 anos era de 6,2% e cerca de 34,8% das crianças entre 10 e 14 anos possuíam menos de 4 anos de estudo. Tabela 27 Comparativo dos Indicadores de Atendimento Educacional à Criança Indicadores Tangará da Serra Mato Grosso Brasil % de 5 e 6 anos na escola 61,5% 62,9% 71,5% % de 7 a 14 anos na escola 93,7% 93,6% 94,5% % 10 a 14 anos na escola 93,1% 93,3% 94,7% % 7 a 14 anos analfabetos 6,2% 7,6% 12,4% % 10 a 14 anos analfabetos 2,6% 2,6% 5,9% % 7 a 14 anos com mais de um ano de estudo de atraso 18,8% 22,1% 25,3% % 10 a 14 anos com mais de um ano de estudo de atraso 26,7% 32,2% 36,2% % 10 a 14 anos com menos de 4 anos de estudo 34,8% 39,4% 44,4% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

38 Nível Educacional da População Adolescente e Jovem Em 2000, 72,1% dos adolescentes de Tangará da Serra estavam na escola e apenas 2,9% nesta faixa etária eram analfabetos. Na faixa de 18 a 24 anos cerca de 2,9% dos jovens eram analfabetos e 8,9% freqüentavam cursos de nível superior. Tabela 28 - Nível Educacional da População Adolescente e Jovem Indicadores Ano 1991 Ano 2000 Evolução do indicador 1991/2000 % entre 15 a 17 anos na escola 47,1% 72,1% 53,2% % entre 15 a 17 anos analfabetos 3,3% 2,9% -14,1% % entre 15 a 17 anos com menos de 4 anos de estudo 24,7% 9,8% -60,4% % entre 15 a 17 anos com menos de 8 anos de estudo 84,2% 54,0% -36,0% % entre 18 a 24 anos analfabetos 6,5% 2,9% -55,9% % entre 18 a 24 anos com menos de 4 anos de estudo 24,8% 9,3% -62,7% % entre 18 a 24 anos com menos de 8 anos de estudo 76,3% 45,2% -40,8% % entre 18 a 24 anos com 12 anos ou mais de estudo 1,8% 8,1% 353,4% % entre 18 a 24 anos no curso superior 3,0% 8,9% 198,7% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Gráfico 18 Nível Educacional da População Adolescente e Jovem, 1991/2000 6,5% 3,3% 2,9% 2,9% % entre 15 a 17 anos analfabetos % entre 18 a 24 anos analfabetos Ano 1991 Ano 2000 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

39 Comparativo do Nível Educacional da População Adolescente e Jovem A média de adolescentes entre 15 e 17 anos freqüentando a escola no município de Tangará da Serra é inferior à média do Estado e inferior a do Brasil. O índice de jovens entre 18 e 24 anos freqüentando o curso superior estava acima das médias estaduais e nacionais. Tabela 29 Comparativo do Nível Educacional da População Adolescente e Jovem Indicadores Tangará da Serra Mato Grosso Brasil % entre 15 a 17 anos na escola 72,1% 72,4% 77,7% % entre 15 a 17 anos analfabetos 2,9% 2,2% 4,0% % entre 15 a 17 anos com menos de 4 anos de estudo 9,8% 12,2% 16,4% % entre 15 a 17 anos com menos de 8 anos de estudo 54,0% 62,3% 60,2% % entre 18 a 24 anos analfabetos 2,9% 3,2% 5,7% % entre 18 a 24 anos com menos de 4 anos de estudo 9,3% 13,8% 16,0% % entre 18 a 24 anos com menos de 8 anos de estudo 45,2% 49,3% 46,2% % entre 18 a 24 anos com 12 anos ou mais de estudo 8,1% 5,3% 6,8% % entre 18 a 24 anos no curso superior 8,9% 5,7% 7,2% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Nível Educacional da População Adulta A média de anos de estudo da população adulta no município em 2000 era de 5,50 anos, e evoluiu 40,7% na década de 90. A população adulta analfabeta diminuiu 42,5% entre 1991 e 2000 e no mesmo período o número de adultos com mais de 12 anos de estudo evoluiu 72,1% e os que freqüentavam o curso superior evoluiu 80,4%. Tabela 30 - Nível Educacional da População Adulta (25 anos ou mais) Indicadores Ano 1991 Ano 2000 Evolução do indicador 1991/2000 Média de anos de estudos 3,91 5,50 40,7% % analfabetos 27,3% 15,7% -42,5% % menos 4 anos de estudos 51,5% 34,8% -32,4% % menos 8 anos de estudos 80,1% 68,3% -14,7% % com mais de 12 anos de estudos 4,3% 7,5% 72,1% % freqüentando curso superior 1,0% 1,8% 80,4% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

40 33 Gráfico 19 Nível Educacional da População Adulta, 1991/ ,1% 68,3% 51,5% 27,3% 15,7% 34,8% % analfabetos % menos 4 anos de estudos % menos 8 anos de estudos Ano 1991 Ano 2000 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Comparativo do Nível Educacional da População Adulta A média de anos de estudo da população adulta no município em 2000 era de 5,50 anos, sendo a mesma média no Estado de Mato Grosso e 5,87 anos no Brasil. O percentual de adultos freqüentando o curso superior era de 1,8%, inferior à média do Estado de Mato Grosso e superior à média do Brasil. Tabela 31 Comparativo do Nível Educacional da População Adulta 2000 Indicadores Tangará da Serra Mato Grosso Brasil Média de anos de estudos 5,50 5,50 5,87 % analfabetos 15,7% 15,5% 16,0% % menos 4 anos de estudos 34,8% 35,4% 33,0% % menos 8 anos de estudos 68,3% 68,3% 63,7% % com mais de 12 anos de estudos 7,5% 7,5% 9,3% % freqüentando curso superior 1,8% 2,0% 1,5% Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL Fortaleza-CE 2009 Apresentação O Instituto

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS

SANTA CATARINA EM NÚMEROS MODELO SANTA CATARINA EM NÚMEROS Modelo SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de 19/02/1998. Nenhuma

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

SÃO MIGUEL DO OESTE SÃO MIGUEL DO OESTE

SÃO MIGUEL DO OESTE SÃO MIGUEL DO OESTE SÃO MIGUEL DO OESTE SANTA CATARINA EM NÚMEROS São Miguel do Oeste SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por

Leia mais

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.17 da agenda CD50/26

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA Representação organizacional da ABC O Mandato da ABC Negociar, aprovar, coordenar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 8 o ano Unidade 3

Sugestões de avaliação. Geografia 8 o ano Unidade 3 Sugestões de avaliação Geografia 8 o ano Unidade 3 5 Nome: Data: Unidade 3 1. Complete o trecho a seguir com informações sobre a localização do continente americano. O continente americano é o segundo

Leia mais

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP Introduction to Latin American Economies Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP América Latina México América Central Guianas América Andina América Platina Brasil México América Latina México América Central

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS

SANTA CATARINA EM NÚMEROS IMARUÍ SANTA CATARINA EM NÚMEROS Imaruí SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de 19/02/1998. Nenhuma

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS

SANTA CATARINA EM NÚMEROS ARMAZÉM SANTA CATARINA EM NÚMEROS Armazém SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de 19/02/1998. Nenhuma

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS

SANTA CATARINA EM NÚMEROS SCHROEDER SANTA CATARINA EM NÚMEROS Schroeder SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de 19/02/1998.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

MINAS GERAIS. Projeto Situação dos Estados Fundação Perseu Abramo 2014

MINAS GERAIS. Projeto Situação dos Estados Fundação Perseu Abramo 2014 MINAS GERAIS Projeto Situação dos Estados Fundação Perseu Abramo 2014 O TERRITÓRIO A fisionomia territorial de Minas Gerais é elemento decisivo para se compreender seus traços atuais que resultam de sua

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Coordenadoria Regional Grande Florianópolis. Coordenadoria Regional Grande Florianópolis

Coordenadoria Regional Grande Florianópolis. Coordenadoria Regional Grande Florianópolis Coordenadoria Regional Grande Florianópolis SANTA CATARINA EM NÚMEROS Coordenadoria Regional Grande Florianópolis SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina.

Leia mais

Problemas Sociais Urbanos

Problemas Sociais Urbanos Problemas Sociais Urbanos Segundo a ONU, 30% da população das cidades vivem na absoluta pobreza. Entre 20 e 40 milhões de famílias não tem onde morar e cerca de 920 milhões vivem em favelas ou áreas irregulares.

Leia mais

54 o CONSELHO DIRETOR

54 o CONSELHO DIRETOR 54 o CONSELHO DIRETOR 67 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL DA OMS PARA AS AMÉRICAS Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2015 Tema 7.5 da agenda provisória CD54/INF/5 10 de julho de 2015 Original:

Leia mais

Criminalidade no Brasil

Criminalidade no Brasil Criminalidade no Brasil Instituto Avante Brasil Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenação e elaboração de pesquisa: Flávia Mestriner Botelho De acordo com um levantamento realizado pelo Instituto

Leia mais

As ilhas são mais visitadas do que os Estados continentais Evolução do número de turistas

As ilhas são mais visitadas do que os Estados continentais Evolução do número de turistas TURISMO O setor de turismo cresceu muito na última década, independente de sua posição central ou secundária na economia dos países do espaço Caribe. Mais de 25 milhões de turistas foram recebidos em 2001,

Leia mais

Doing Business 2014 - Informações Gerais: América Latina e Caribe

Doing Business 2014 - Informações Gerais: América Latina e Caribe Doing Business 2014 - Informações Gerais: América Latina e Caribe Dezessete das 32 economias da América Latina e do Caribe implementaram pelo menos uma reforma regulatória tornando mais fácil fazer negócios

Leia mais

Para a REDEBLH, o futuro é agora

Para a REDEBLH, o futuro é agora Para a REDEBLH, o futuro é agora Planejamento Estratégico Paulo Ricardo da Silva Maia FIOCRUZ/IFF/REDEBLH pmaia@fiocruz.br Set-2011 O quadro Fonte: Vincent Van Gogh Gallery A Foto Primeira foto colorida.

Leia mais

Termos de acordos/blocos DEFINIÇÃO TERMO. Acordo Geral de Comércio de Serviços (GATS)

Termos de acordos/blocos DEFINIÇÃO TERMO. Acordo Geral de Comércio de Serviços (GATS) Termos de acordos/blocos TERMO Acordo Geral de Comércio de Serviços (GATS) Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT) Acordo Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA) Área de Livre Comércio das Américas

Leia mais

Como não organizar todos os países do mundo?

Como não organizar todos os países do mundo? Como não organizar todos os países do mundo? A FIFA tem federações de 186 países independentes, de 19 regiões não independentes e das 4 regiões do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (abreviado

Leia mais

Escola Regional MOST/UNESCO Programa Gestão das Transformações Sociais

Escola Regional MOST/UNESCO Programa Gestão das Transformações Sociais Escola Regional MOST/UNESCO Programa Gestão das Transformações Sociais 7 a 12 de outubro de 2013 Brasília, Brasil CONVOCATÓRIA Juventude, Participação e Desenvolvimento Social na América Latina e Caribe

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$)

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$) Comerçio exterior O Comerçio exterior do espaço Caribe 1 representou em 2001 mais de 297 bilhões de dólares 2 em importações e mais de 290 bilhões em exportações, o que indica uma balança comercial deficitária

Leia mais

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 4 o Bimestre 5 o ano Geografia 1. Leia a notícia, divulgada em vários jornais brasileiros, no dia 21

Leia mais

Demografia. População (milhões de habitantes) 1

Demografia. População (milhões de habitantes) 1 DEMOGRAFIA Em 2002, a população dos 38 Estados e territórios do espaço Caribe chega a quase 250 milhões de habitantes, com uma densidade populacional de 47 habitantes/km², representando 4% da população

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Barreiros / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,40% ao ano, passando de 39.151 para 40.732 habitantes.

Leia mais

Figura 1. Região da América Latina e Caribe: Evolução da população urbana e rural 1960-2001

Figura 1. Região da América Latina e Caribe: Evolução da população urbana e rural 1960-2001 CAPÍTULOdos A SITUAÇÃO REGIONAL 2.1 O PROCESSO DE URBANIZA- ÇÃO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE O ainda acelerado crescimento da população e sua concentração nas áreas urbanas, o desenvolvimento industrial

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASAMBLEA PARLAMENTARIA EURO-LATINOAMERICANA EURO-LATIN AMERICAN PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEIA PARLAMENTAR EURO-LATINO-AMERICANA ASSEMBLÉE PARLEMENTAIRE EURO-LATINO- AMÉRICAINE PARLAMENTARISCHE VERSAMMLUNG

Leia mais

Demografia Médica no Brasil. Vol 2

Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Mário Scheffer Conselho Federal de Medicina, 6 de fevereiro 2013 Equipe da pesquisa Mário Scheffer (coordenador) Alex Cassenote Aureliano Biancarelli Cooperação acadêmica

Leia mais

MRE ABC CGRM CGPD CGRB

MRE ABC CGRM CGPD CGRB 1 Organograma da ABC MRE ABC CGRM CGPD CGRB 2 Competências da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM. Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva

IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM. Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva Objetivo: analisar os imigrantes da área de no Brasil Justificativa Referencial

Leia mais

América Latina e Suas Regionalizações

América Latina e Suas Regionalizações UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) ESCOLA ESTADUAL IMPERIAL

Leia mais

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 10.605,76 237.237

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Cabo de Santo Agostinho / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 1,93% ao ano, passando de 152.836

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Infantil Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Resumo das reformas verificadas pelo Doing Business em 2013/14 na América Latina e no Caribe 2

Resumo das reformas verificadas pelo Doing Business em 2013/14 na América Latina e no Caribe 2 Doing Business 2015 Fact Sheet: América Latina e Caribe Dezesseis das 32 economias da América Latina e do Caribe implementaram pelo menos uma reforma regulatória facilitando negócios no período de 1 de

Leia mais

O Afeganistão foi alvo de potências estrangeiras ao longo dos séculos XIX e XX e início do XXI.

O Afeganistão foi alvo de potências estrangeiras ao longo dos séculos XIX e XX e início do XXI. 31 c Megacidades são aglomerações urbanas que a) alojam centros do poder mundial e sedes de empresas transnacionais. b) concentram mais de 50% da população total, em países pobres. c) têm mais de 10 milhões

Leia mais

Santa Catarina em Números Macrorregião Grande Florianópolis

Santa Catarina em Números Macrorregião Grande Florianópolis Santa Catarina em Números Macrorregião Grande Florianópolis 1 SANTA CATARINA EM NÚMEROS MACRORREGIÃO GRANDE FLORIANÓPOLIS SEBRAE 2013 2 2013 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa

Leia mais

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte

Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte Sistema de Monitoramento e avaliação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em Belo Horizonte O Observatório do Milênio de Belo Horizonte é um espaço de produção, análise e disponibilização de informações

Leia mais

O Estado de Goiás e a Região Metropolitana de Goiânia no Censo 2010

O Estado de Goiás e a Região Metropolitana de Goiânia no Censo 2010 O Estado de Goiás e a Região Metropolitana de Goiânia no Censo 2010 Coordenação Aristides Moysés Equipe Responsável: Aristides Moysés 1, Débora Ferreira Cunha 2, Elcileni de Melo Borges 3 Colaboração:

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Desafíos para o financiamento do Sistema Público de Saúde no Brasil

Desafíos para o financiamento do Sistema Público de Saúde no Brasil Desafíos para o financiamento do Sistema Público de Saúde no Brasil André Medici Apresentação Realizada no IFHC São Paulo, 28 de Agôsto de 2014 9/12/2014 1 Principais Questões O Brasil Gasta Pouco em Saúde?

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

CIDADE DE MANAUS PREFEITURA MUNICIPAL PMSB - PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

CIDADE DE MANAUS PREFEITURA MUNICIPAL PMSB - PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL E ESGOTAMENTO SANITÁRIO CIDADE DE MANAUS PREFEITURA MUNICIPAL PMSB - PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO 2014 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL E ESGOTAMENTO SANITÁRIO Sumário resumo executivo...8 1.Introdução...10 1.1Objetivos...10

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total Dimensão Demografia Cidadania Saúde Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Diferença CADÊ Posição Nacional Estadual 2010 para 2011 Nacional 45.886.531-711.009 - - 19º População Infanto Juvenil por Faixa

Leia mais

Chapecó em Números 1

Chapecó em Números 1 Chapecó em Números 1 SANTA CATARINA EM NÚMEROS CHAPECÓ SEBRAE 2013 2 2013 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de

Leia mais

São Miguel do Oeste em Números

São Miguel do Oeste em Números São Miguel do Oeste em Números 1 SANTA CATARINA EM NÚMEROS SÃO MIGUEL DO OESTE SEBRAE 2013 2 2013 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados

Leia mais

Barra Velha em Números

Barra Velha em Números Barra Velha em Números 1 SANTA CATARINA EM NÚMEROS BARRA VELHA SEBRAE 2013 2 2013 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por

Leia mais

Políticas de conciliação entre família e trabalho: suas configurações em diferentes países

Políticas de conciliação entre família e trabalho: suas configurações em diferentes países Políticas de conciliação entre família e trabalho: suas configurações em diferentes países Liliane Moser Heloisa Helena Almeida Pereira Resumo: O artigo trata sobre as políticas de conciliação entre família

Leia mais

Índice de desenvolvimento humano

Índice de desenvolvimento humano 1Monitorizar o desenvolvimento humano: aumentar as escolhas das pessoas... Índice de desenvolvimento humano a DESENVOLVIMENTO HUMANO ELEVADO Valor do índice de desenvolvimento humano (IDH) Esperança de

Leia mais

Santo Amaro da Imperatriz em Números

Santo Amaro da Imperatriz em Números Santo Amaro da Imperatriz em Números 1 SANTA CATARINA EM NÚMEROS SANTO AMARO DA IMPERATRIZ SEBRAE 2013 2 2013 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos

Leia mais

ATIVIDADES DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO FORA DA SEDE

ATIVIDADES DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO FORA DA SEDE VII. ATIVIDADES DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO FORA DA SEDE 143 Março Atividades do Secretário-Geral fora da Sede São Domingos, República Dominicana, 5-6 Abertura da XXIII MOE; Reunião

Leia mais

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO TERESINA ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO Teresina (PI), Setembro 2014 1 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH-m) As informações deste estudo são extraídas do site do Programa das Nações Unidas - PNUD,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

São José em Números 1

São José em Números 1 São José em Números 1 SANTA CATARINA EM NÚMEROS SÃO JOSÉ SEBRAE 2013 2 2013 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei

Leia mais

Angelina em Números 1

Angelina em Números 1 Angelina em Números 1 SANTA CATARINA EM NÚMEROS ANGELINA SEBRAE 2013 2 2013 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Joaçaba em Números 1

Joaçaba em Números 1 Joaçaba em Números 1 SANTA CATARINA EM NÚMEROS JOAÇABA SEBRAE 2013 2 2013 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de

Leia mais

OMS Global Salm-Surv: (OMS-GSS) Desenvolvendo Capacidade para a Vigilância e Método de Resposta a Doenças Transmitidas por Alimentos

OMS Global Salm-Surv: (OMS-GSS) Desenvolvendo Capacidade para a Vigilância e Método de Resposta a Doenças Transmitidas por Alimentos OMS Global Salm-Surv: (OMS-GSS) Desenvolvendo Capacidade para a Vigilância e Método de Resposta a Doenças Transmitidas por Alimentos 1 Comitê de Direção OMS Global Salm-Surv Institut Pasteur Public Health

Leia mais

RELATÓRIO LOCAL JUAZEIRO / REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO - BAHIA

RELATÓRIO LOCAL JUAZEIRO / REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO - BAHIA Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional CPDA/UFRRJ Centre for Studies in Food Security Ryerson University Apoio: CIDA (Canadian International Development Agency ) 2004-2010 Projeto Construindo

Leia mais

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO TERRITÓRIO E GOVERNADOR Desmembrado de Estado de São Paulo Data de Instalação 19/12/1853 Data de Comemoração (Aniversário) 19 de Dezembro Governador(a) (TRE-PR) Carlos Alberto Richa ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS

Leia mais

Palma Sola em Números

Palma Sola em Números Palma Sola em Números 1 SANTA CATARINA EM NÚMEROS PALMA SOLA SEBRAE 2013 2 2013 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas:

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas: GEOGRAFIA Objetivas: 01 No último século, o Brasil deixou de ser um país essencialmente rural e se tornou um país urbano-industrial. Nesse processo, foram muitas as mudanças em seu espaço geográfico, especialmente

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Cenário 66 ANOS DE EXTENSÃO RURAL A agricultura como via estratégica

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

GABARITO Caderno do Aluno Geografia 7 a série Volume 4

GABARITO Caderno do Aluno Geografia 7 a série Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PERU E MÉXICO: A HERANÇA PRÉ-COLOMBIANA Para começo de conversa Página 3 1. Espera-se que os alunos estabeleçam uma analogia, associando a Cidade do México a um palimpsesto,

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Central de Atos TJMG Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Sumário 1 Introdução... 3 2 O modelo de arquivo... 3 3 Tabelas... 5 3.1 PAPEIS DA PARTE... 5 3.2 TIPO DE ATO... 5 3.3 PAÍSES... 6 1 Introdução

Leia mais