ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO"

Transcrição

1 ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América Latina CEPAL, lançada no início deste ano. Esta relata o quadro social latino-americano na década de 9. Portanto, a primeira seção é inteiramente dedicada a uma radiografia do quadro social de nosso continente e priorizamos o comportamento das variáveis pobreza, indigência, desemprego, setores formal e informal e uma breve análise dos gastos sociais, notadamente em saúde, educação, seguridade social e moradia e bem estar social. Os dados apresentados sugerem um avanço, e em alguns casos retrocesso, muito tímido do quadro social latino-americano e pode ser assim sintetizado: o gasto social aumentou em proporção ao PIB, de 1,4 a 13,1 na década de 9; a situação do trabalho piorou, pois o desemprego cresceu de 6 para 9 e 7 dos novos postos de trabalho foram criados no setor informal; o número de pobres se manteve em torno de milhões em toda a década; a distribuição da renda piorou para a grande maioria dos países da região. Neste cenário, o fundamental é não apenas crescer, mas crescer melhorando significativamente o quadro social. Na segunda seção apresentamos o comportamento do desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte e no Brasil e destacamos um forte crescimento do desemprego na RMBH em janeiro deste ano. Excepcionalmente não apresentamos a seção Opinião. Panorama social da América Latina nos anos 9 Para uma melhor compreensão dos quadros a seguir faz-se necessário apresentar o método utilizado pela Comissão Especial para a América Latina (CEPAL) 1 para medir a pobreza e a indigência. As estimativas da magnitude da pobreza foram realizadas através do método do custo das necessidades básicas, que por sua vez é baseado no cálculo da linha de pobreza. Esta é construída considerando a renda mínima necessária para que membros de uma unidade habitacional possam satisfazer as necessidades essenciais, sendo estas nutricionais e não nutricionais. A linha de pobreza de cada país é estimada a partir de uma cesta básica de alimentos que cobre as necessidades nutricionais da população, considerando os hábitos de consumo, a disponibilidade efetiva de alimentos e seus preços relativos. Neste contexto, consideramos linha de indigência como aquela que satisfaz apenas as necessidades nutricionais. Assim, indigente é aquela pessoa residente em unidades habitacionais que apesar de destinarem 1 CEPAL (1) Panorama Social de América Latina -1, Santiago, Chile. toda a renda para comprar comida, as necessidades nutricionais ainda não estão satisfeitas. No quadro a seguir apresentamos o percentual de pobres para quase todos os países latino-americanos. Na coluna país destacamos três níveis percentuais de pobreza, a saber, o azul (nível de pobreza até da população total), o amarelo (nível de pobreza variando na faixa de mais de até 4) e o bege (pobreza acima de 4). O primeiro destaque é o número de países que apresentaram redução do percentual de pobres durante a década de 9: ao todo foram dez países. Quatro países apresentaram crescimento do percentual de pobres e dois mantiveram inalterados tal percentual. Três países apresentaram grandes reduções no percentual de pobres, sendo eles o Uruguai, o Chile e o Panamá. Estes reduziram a pobreza quase pela metade nos anos 9. Segundo dados da CEPAL, o Brasil apresentou uma redução de dez pontos percentuais (de 4 a 3) entre 199 e 96 e, de 1996 a 99, a pobreza voltou a crescer, subindo, aproximadamente, três pontos percentuais. Os piores desempenhos couberam à Venezuela e ao Equador. A Venezuela apresentou um crescimento de quase dez pontos percentuais de pobres (4

2 para 49). Ademais, dois importantes países Argentina e México, apresentaram resultados inalterados do percentual de pobres. Percentual de pobres urbanos em países selecionados da América Latina e tendência na década de 9 País Taxa/Ano Tendência Década de 9 Argentina (99) Estabilidade Chile () Redução Costa Rica 18 (99) Redução Uruguai 9 (99) Redução Brasil 33 (99) Redução El Salvador 38 (99) Redução México 39 (98) Estabilidade Panamá 6 (99) Redução R. Dominicana 3 (97) Bolívia 48 (99) Redução Colômbia 1 (99) Redução Equador 64 (99) Elevação Guatemala 46 (98) Redução Honduras 7 (99) Elevação Nicarágua 64 (98) Redução Paraguai 48 (99) Elevação Venezuela 49 (99) Elevação Uma importante avaliação sobre a melhoria da qualidade de vida na América Latina se refere à distribuição da renda, aferido a partir do coeficiente de Gini. Este vai de uma escala de (perfeita distribuição da renda) até 1 (total desigualdade na distribuição da renda). No transcorrer dos anos 9, a América Latina presenciou, em geral, uma piora no perfil da distribuição da renda. Ao todo oito países, entre eles o Brasil, apresentaram uma piora na distribuição da renda na década de 9. Quatro países reduziram e outros quatro mantiveram inalterados o perfil da concentração da renda em nosso continente. No quadro a seguir os destaques em bege sinalizam os países que ampliaram a concentração da renda, em amarelo aqueles que reduziram e em branco os que apresentaram uma pequena variação da renda. O Brasil é o país latino americano com a pior distribuição de renda e os países estão apresentados em ordem decrescente do coeficiente de Gini para o ano de América Latina: Coeficiente de Gini da distribuição da renda 199/99 País Brasil,67,64 Bolívia,38,86 Nicarágua,8,84 Guatemala 8,8 Colômbia,61,7 Paraguai,447,6 Honduras,61,64 Chile,4,9 Panamá,6,7 Argentina,1,4 México,36,39 Equador,461,1 El Salvador,7,18 Venezuela,471,498 Costa Rica,438,473 Uruguai,49,44 Obs: Bolívia dados das 8 principais cidades; Colômbia ano inicial é o de 1994; Paraguai dados da área metropolitana de Assunção; Argentina dados da grande Buenos Aires. Outra importante informação sobre a distribuição da renda se refere ao percentual de pessoas com renda inferior à metade da média. Dos países considerados no quadro a seguir, a maioria (nove ao todo) apresentou uma expansão do percentual de pessoas com renda inferior à metade da média na comparação entre os anos 199 e No caso brasileiro, considerando a renda média nominal aproximadamente de R$ 19, em 1999, metade da média seriam aqueles que recebessem menos que R$ 14, mensais ( ). O Brasil é o país que apresenta o maior percentual de pessoas com renda inferior à metade da média, sendo seguido pela Guatemala e Colômbia. No outro extremo, Costa Rica, Paraguai e Uruguai são os que apresentam o menor percentual de pessoas com renda inferior à metade da média. O Uruguai, juntamente com Colômbia e Honduras, foram os únicos que apresentaram redução desse percentual entre os anos 199 e 99. Dos dezesseis países apresentados, nove ampliaram, três reduziram e quatro apresentaram estabilidade do número de pessoas com renda abaixo da metade da média.

3 América Latina: percentual de pessoas com renda inferior à metade da média 199/99 País Brasil 3,9 4,8 Guatemala 47,9 49, Colômbia 48,9 46,6 Panamá 46,4 46,4 Chile 46, 46,4 Honduras,3 46,4 Nicarágua 4,9 4,9 Bolívia 44,1 4, Argentina 39,1 44, México 43, 43,1 Equador 33,8 4, El Salvador 38,4 4,6 Venezuela 3, 38,6 Costa Rica 31,6 36,1 Paraguai 33,4 34, Uruguai 36,8 3, Obs: Bolívia dados das 8 principais cidades; Colômbia ano inicial é o de 1994; Paraguai dados da área metropolitana de Assunção; Argentina dados da grande Buenos Aires. Quando consideramos o percentual de lares em situação de pobreza e de indigência na América Latina, constatamos uma situação dramática, pois o quadro praticamente não mudou nestes últimos vinte anos. O gráfico a seguir demonstra que houve uma ligeira redução percentual dos lares em situação de pobreza e indigência numa comparação entre os anos de 199 e 99. Porém, quando comparamos 1999 e 198 presenciamos uma ligeira redução da situação de indigência (13,9 ante 1) e um crescimento da situação de pobreza (3, ante 34,7). No contexto latino-americano a década de 8 demonstrou uma piora substancial tanto do crescimento da situação de indigência quanto da de pobreza. A crise econômica, em parte decorrente da crise do setor externo (crise da dívida e do balanço de pagamentos) para a maioria dos países, a aceleração inflacionária, entre outras crises, significaram um crescimento da pobreza e indigência. Em síntese, a redução da pobreza na década de 9 não foi suficiente para que alcançássemos o nível que prevalecia em 198. América Latina: porcentagem de lares em situação de pobreza e indigência 198/ , ,7 37, 1,9 3, 3,3 14,4 13, Situação Pobreza Indigência Quando consideramos o percentual da população pobre e indigente na América Latina, deparamos com uma situação muito semelhante à nossa análise anterior sobre os lares latinoamericanos. A diferença principal é que o número percentual sobe comparativamente ao gráfico anterior. No gráfico a seguir apresentamos o percentual de indigentes e pobres, em termos proporcionais, desde 198 até Estes crescem nos anos 8 e caem nos anos 9. Um destaque é o crescimento do percentual de pobres na comparação entre os anos 1997 e 99, decorrência da crise econômica que assolou uma parte importante da América do Sul, notadamente. É importante também destacar o forte crescimento da pobreza e da indigência nos anos 8 em nosso continente. Os anos 9 apresentam uma melhora no tocante à redução da pobreza e indigência, porém tal redução foi muito aquém do necessário para que apresentássemos parâmetros melhores comparativamente aqueles de 198. Em 1999 o percentual de pobres era de 43,8 ante 4, em 198 e o de indigência se manteve praticamente constante (18, em 1999 ante 18,6 em 198). 3

4 América Latina: porcentagem da população em situação de pobreza e indigência 198/ , 18,6 48,3, 4,7,8 43, 43, , Pobreza Indigência O gráfico a seguir apresenta o total (em milhões) de pobres e indigentes na América Latina desde 198. Em 1999 os pobres somavam 11,4 milhões (ante 13,9 em 198) e os indigentes 89,4 milhões (ante 6,4 em 198). Em Milhões América Latina: total de pobres e indigentes 198/99 (em milhões) ,9 6,4, 1, 3,8 11,4 93,4 91,6 88,8 89, Pobre Indigente Uma explicação parcial para a redução do percentual de pobres e indigentes na América Latina no período 199/99 pode ser buscada no comportamento do crescimento econômico (adiante apresentamos um gráfico que explicita as maiores taxas médias de crescimento nos anos 9 comparativamente aos 8) e dos gastos sociais. No gráfico a seguir apresentamos os gastos sociais totais e desagregados em educação, saúde, seguridade social e, por último, moradia e bem estar social. A comparação do período 99/98 e 9/91 nos permite afirmar que os gastos em educação apresentaram a maior taxa de crescimento, sendo seguidos, em ordem decrescente, dos gastos em seguridade social, moradia e bem estar social e, por fim, saúde. América Latina: gasto social como percentual do PIB 199/ ,4 13,1 Gasto Social Total,9 3,9,9,6 3,6 4,8 Educação Saúde Seguridade Social 9/91 98/99 1, 1,4 Moradia e Bem Estar Social A seguir apresentamos o comportamento do crescimento, em médias anuais, da PEA, dos ocupados e do PIB na América Latina em três momentos distintos, a saber, 199/94, 1994/97 e 1997/99. O primeiro destaque é a contínua e proporcional redução do crescimento da PEA durante a década de 9. O segundo se refere ao comportamento semelhante, nos três períodos considerados da década de 9, entre Ocupados e o comportamento do PIB. O melhor desempenho, nos anos 9, do PIB latino-americano ocorreu no período 199/94, caindo um pouco no período 1994/97 e, por fim, em 1997/99 apresentou forte queda. Este último período coincide com a crise que se abateu sobre os países emergentes (os latino-americanos incluídos) a partir de 1997 (início da crise asiática). Por fim, mas não menos importante, a comparação entre o crescimento, em taxas médias anuais, da PEA e dos Ocupados nos anos 9, nos permite identificar o crescimento do desemprego em nosso continente, pois em todos os períodos considerados dos anos 9, a PEA cresceu acima do crescimento dos Ocupados, principalmente no período 1997/99. 4

5 América Latina: taxas médias anuais de crescimento da PEA, dos Ocupados e do PIB 199/99 4, 4 3, 3, 1, 1 no gráfico a seguir, nos possibilita inferir que o mercado de trabalho latino-americano efetivamente se precarizou no período 199/99, pois não garantiu as mínimas condições sociais (acesso à saúde, proteção e seguridade) nem para os novos ocupados. América Latina: distribuição dos novos empregos gerados segundo os setores formal e informal 199/99 19,9 9,1, PEA Ocupados PIB 199/ / /99 O que acabamos de comentar anteriormente pode ser percebido no gráfico a seguir. Neste apresentamos o incremento total à força de trabalho na América Latina no período 199/99. Nesse período a força de trabalho latinoamericana se expandiu em 39,8 milhões de pessoas e deste total, apenas 9, milhões conseguiram ocupação, significando, assim, num incremento absoluto do desemprego em 1,8 milhões de pessoas no continente. América Latina: distribuição da força de trabalho entre ocupados e desocupados 199/99 9 Desocupados 1,8 Ocupados Uma informação relevante sobre a qualidade do mercado de trabalho latinoamericano é avaliar o desempenho do setor informal. Quando consideramos os 9 milhões de novos ocupados dos anos 9, percebemos que a maioria (19,9 milhões) encontrou ocupação no setor informal e apenas 9,1 milhões se ocuparam no setor formal. Esta informação, que se encontra Formal Informal Em geral sempre consideramos a existência de uma relação direta entre crescimento do PIB e do emprego em qualquer economia. Quando consideramos a América Latina, percebemos que tal relação é verdadeira somente para os anos 8, como podemos perceber no gráfico a seguir, que apresenta o desempenho do desemprego e do PIB no período 1981 a. No período 1981 a 83 (crise da dívida externa e recessão mundial) presenciamos taxas negativas de crescimento do PIB e, conseqüentemente, de elevação do desemprego em nosso continente. De 1984 até 1989 a América Latina voltou a apresentar crescimento positivo do PIB e redução da taxa de desemprego. O ano de 199 apresentou uma ligeira redução do PIB em nosso continente e, como contrapartida, um também ligeiro crescimento do desemprego. A partir de então começamos a presenciar taxas de crescimento do PIB sempre positivas e em média superiores aos da década de 8, porém a taxa de desemprego se elevou em quase todo o período, passando de,7 em 1991 para 8, no ano de. Indiscutivelmente, a América Latina presenciou grandes mudanças nos anos 9, notadamente na estrutura econômica. Depois de passar por crônicos processos inflacionários (alguns hiperinflacionários) no final dos anos 7 e durante quase toda a década de 8, os anos 9 presenciaram bem sucedidos planos de estabilização. Tais planos continham, em geral, abertura comercial e valorização cambial, fatores considerados fundamentais para viabilizar a

6 estabilização. Indiscutivelmente, o resultado foi a elevação das importações e a intensificação concorrencial nos mercados latino-americamos. Tal processo redundou em acelerada mortalidade de empresas (notadamente de empresas industriais) e na necessidade de introdução de novos processos produtivos que, em geral, eram poupadores de mão-de-obra. Este processo explica, parcialmente, a relação aparentemente contraditória entre crescimento do PIB e do desemprego na América Latina dos anos 9. América Latina: crescimento do PIB e do desemprego 1981/ Cresc. PIB Desemprego Outro fator relevante a considerar sobre o crescimento do desemprego em nosso continente é determinar quais são os subgrupos populacionais mais atingidos por tal crescimento. Quando consideramos o subgrupo feminino, constatamos que o desemprego deste é muito superior ao masculino e na América Latina a diferença chega a ser o dobro, como podemos ver no gráfico a seguir. Outro subgrupo fortemente atingido é o da população jovem (1 a 4 anos). Este apresentou a maior taxa de desemprego e numa comparação entre os anos de 1994 e 1999, foi o que apresentou a maior expansão da mesma. Desemprego na América Latina segundo os subgrupos populacionais mulheres e jovens 1994/99 1 1,8 7,8 11,3 1, 14 4,8 Homens Mulheres Jovens (1 a 4) Os países selecionados foram: Argentina, Brasil, Chile, Uruguai, Paraguai, Equador, Venezuela e Colômbia. 6

7 O gráfico a seguir apresenta o comportamento do desemprego na América Latina, em dois períodos distintos, segundo os extratos de renda. O destaque, negativo, é que o extrato de menor renda (quintil 1) apresenta a maior taxa de desemprego nos dois anos considerados. Por exemplo, em 1999, o quintil 1 apresentava uma taxa de desemprego de 7,8, superior, portanto, à taxa dos jovens de 1 a 4 anos (4,8) vista no gráfico anterior. Esta situação mostra a dramaticidade do desemprego na América Latina, pois este atinge o segmento populacional mais excluído. Por fim, outro destaque é que a taxa de desemprego cai à medida que se avança para os extratos de mais elevada renda, e tal queda é muito significativa. Desemprego na América Latina segundo os extratos de renda 1994/ ,8 7,8 8,3 1,8, 11, Quintil 1 Quintil Quintil 3 Quintil 4 Quintil 3, Os países selecionados foram: Argentina, Brasil, Chile, Uruguai, Paraguai, Equador, Venezuela e Colômbia. 8 4,6 Por fim, apresentamos, no gráfico a seguir, a evolução dos gastos públicos sociais por habitante na América Latina nos anos 9. América Latina: gasto público social por habitante 199/99 (em Dólares de 1997) 7

8 América Latina Honduras Nicarágua El Salvador Guatemala Paraguai R. Dominicana Bolívia Peru Venezuela Colômbia México Costa Rica Panamá Chile Brasil Uruguai Argentina /91 98/99 O primeiro destaque, negativo neste caso, se refere aos dois únicos países que apresentaram redução dos gastos públicos sociais por habitante na década de 9, a saber, Venezuela e Honduras. Os outros destaques são positivos, pois sinalizam um importante avanço no tocante ao esforço de elevar os gastos sociais em nosso continente, não obstante não entrarmos na discussão sobre a eficácia e o destino de tais gastos. Quando comparamos os períodos 199/91 e 1998/99 constatamos que Guatemala, Paraguai, República Dominicana, Peru, Colômbia, Chile e Uruguai foram os países que apresentaram as maiores taxas de crescimento do gasto social por habitante. Em ordem decrescente de gastos, temos: Argentina, Uruguai, Brasil, Chile, Panamá, Costa Rica, México, Colômbia, Venezuela, Peru, Bolívia, República, Paraguai, Guatemala, El Salvador, Nicarágua e, por fim, Honduras. Apenas três países gastaram acima de 1., Dólares por habitante, a saber, Argentina, Uruguai e Brasil no período 1998/99. Por fim, existe uma enorme discrepância entre os gastos sociais dos países latino-americanos: a Argentina gastou quase 1.7, Dólares por habitante em 1998/99 e Honduras gastou um pouco mais que Dólares, sendo relevante afirmar que a diferença do PIB per capita entre as duas economias é muito menor comparativamente à diferença dos gastos sociais por habitante. Desemprego no início do ano de na Região Metropolitana de Belo Horizonte O desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte apresentou um forte crescimento neste início de ano, passando de 6,8 em dezembro de 1 para 9, em janeiro deste ano. Quando comparamos com a média de desemprego para o país, estabelecido pela média das seis maiores regiões metropolitanas (Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Recife), o crescimento do desemprego cresceu de 6,4 em dezembro de 1 para 7, em janeiro deste ano. De 1991 até início de 1998 o desemprego na RMBH foi, em média sempre inferior ao desemprego do País e desde 1998 este se elevou e é em média superior ao desemprego do País. O gráfico a seguir apresenta o desemprego para a RMBH e Brasil desde janeiro de 1991, segundo dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Desemprego na RMBH e Brasil 1991/ 8

9 jan/91 jan/9 jan/93 jan/94 jan/9 jan/96 RMBH Fonte: PME/IBGE, janeiro de. jan/97 jan/98 jan/99 jan/ Brasil jan/1 jan/ ************************************************** IRT - Instituto de Relações do Trabalho PUC Minas - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Av. Brasil 3/8º andar Belo Horizonte MG CEP: 314- Tel: (xx31) Fax: (xx31) Home page: Diretor Antonio Carvalho Neto Responsáveis André Mourthé de Oliveira e Duval Magalhães Fernandes Editoração Eletrônica e Diagramação André Mourthé de Oliveira Logomarca Karin Hackner e Gleise Marino Secretaria Maria Auxiliadora Ramos 9

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos dados alentadores sobre o mercado de trabalho em nossa região metropolitana. Os dados referentes ao desemprego em

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE

{dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE {dybanners}1,1,,meioweb Links Patrocinados{/dybanners} Fonte: IBGE A taxa de desocupação ficou praticamente estável, pois suas variações em relação a março (9,0%) de 2009 e também a abril de 2008 (8,5%)

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Desigualdade e Pobreza no Brasil Metropolitano Durante a Crise Internacional: Primeiros COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Brasília, 4 de agosto de 2009 Brasil:

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2016. PME Retrospectiva 2003-2015 13 anos Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento 1 (IBGE / DPE / COREN) 1 Rio de Janeiro,

Leia mais

Criminalidade no Brasil

Criminalidade no Brasil Criminalidade no Brasil Instituto Avante Brasil Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenação e elaboração de pesquisa: Flávia Mestriner Botelho De acordo com um levantamento realizado pelo Instituto

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março A taxa de desemprego registrou elevação para 5,7% em março ante 5, observado em fevereiro nas seis regiões metropolitanas pesquisadas na apuração da Pesquisa

Leia mais

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Eron José Maranho 2 À luz de alguns indicadores gerados pela Pesquisa Mensal de Emprego PME para o período

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

Porto Alegre, Dezembro de 2015

Porto Alegre, Dezembro de 2015 Porto Alegre, Dezembro de 2015 Análise de indicadores do mês de novembro No mês, a exportação alcançou cifra de US$ 13,806 bilhões. Sobre novembro de 2014, as exportações registraram retração de 11,8%,

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 17 Julho de 2001 APRESENTAÇÃO

ISSN INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 17 Julho de 2001 APRESENTAÇÃO ISSN 19-9568 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 17 Julho de 1 APRESENTAÇÃO Este Boletim apresenta o comportamento do desemprego e dos rendimentos na Região Metropolitana de Belo Horizonte após os primeiros

Leia mais

Programas Sociais. A recente experiência paulistana

Programas Sociais. A recente experiência paulistana Programas Sociais A recente experiência paulistana Mapa da fome no Brasil na década de 1950 Fonte: Banco Central do Brasil Fonte: CASTRO, Josué. Geografia da Fome. São Paulo: Brasiliense, 1957 10.000 9.000

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015 SÍNTESE / BOLETIM DA PED / FEVEREIRO 2015 RESULTADOS DAS REGIÕES METROPOLITANAS A Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, em sua metodologia, cobre as regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre,

Leia mais

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP Introduction to Latin American Economies Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP América Latina México América Central Guianas América Andina América Platina Brasil México América Latina México América Central

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

ipea PESQUISA MENSAL DE EMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA INTRODUÇÃO

ipea PESQUISA MENSAL DE EMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Sachiko Araki Lira* Paulo Roberto Delgado** INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é fazer uma breve apresentação do comportamento do mercado de

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

Geografia. Exercícios de Revisão I

Geografia. Exercícios de Revisão I Nome: n o : E nsino: Médio S érie: T urma: Data: Profa: 1 a Geografia Exercícios de Revisão I 1 Analisando o mapa a seguir, correlacione a incidência de malária e da doença do sono com as condições naturais

Leia mais

Aumenta a taxa de desemprego

Aumenta a taxa de desemprego PED JANEIRO DE 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 326 Aumenta a taxa de desemprego Diminui o nível de ocupação na Indústria e no Comércio Pequeno crescimento

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Amir Khair 1 Este trabalho avalia o impacto do crescimento do PIB sobre a dívida líquida do setor público (DLSP). Verifica como poderia estar hoje

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Voluntariado e Desenvolvimento Social. Wanda Engel

Voluntariado e Desenvolvimento Social. Wanda Engel Voluntariado e Desenvolvimento Social Wanda Engel Desenvolvimento Humano Sujeito Sujeito Objeto Desenvolvimento Social Desenvolvimento Econômico Desenvolvimento Social Sistema de distribuição de oportunidades:

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil

5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil 5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil A fome de instrução não é menos deprimente que a fome de alimentos. Um analfabeto é um espírito subalimentado. Saber ler e escrever, adquirir uma formação

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE -Ano 1-Nº 1 JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO DO RIO DE JANEIRO* 1. Introdução DANIELLE CARUSI MACHADO** Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro:

Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Um quadro sobre as condições socioeconômicas das crianças e jovens 1995-2003 *. André Urani, Érica Amorim, Juliana Speranza, Mauricio Blanco - IETS

Leia mais

Trabalho infantil e adolescente_. Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul

Trabalho infantil e adolescente_. Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul Trabalho infantil e adolescente_ Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul A Convenção n o 182 da OIT de 1973 determina como idade mínima para iniciar

Leia mais

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME Maurício Cortez Reis Professor do Dept de Economia da PUC - Rio 1 INTRODUÇÃO A Pesquisa Mensal de Emprego (PME), realizada pelo IBGE

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Condição para Crescer Carlos Feu Alvim feu@ecen.com No número anterior vimos que aumentar a poupança interna é condição indispensável para voltar a crescer.

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Expediente: Autor: Érika Andreassy Editor Responsável: Érika Andreassy Diagramação: Érika Andreassy Abril/ 2012 2

Expediente: Autor: Érika Andreassy Editor Responsável: Érika Andreassy Diagramação: Érika Andreassy Abril/ 2012 2 A mulher no mercado de trabalho e na organização sindical Expediente: Produzido pelo Instituto Latinoamericano de Estudos Socioeconômicos. Praça Padre Manuel da Nóbrega, 16-4º andar. Sé - São Paulo SP.

Leia mais

Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil

Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Brasília, Abril de 2006 1. A evolução da distribuição de renda

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Global Index Innovation 2015 Highlights

Global Index Innovation 2015 Highlights Global Index Innovation 2015 Highlights 141 países avaliados. Brasil: 70º lugar geral em 2015 (61º lugar em 2014). - 1º lugar: Suíça - 2º lugar: Reino Unido - 3º lugar: Suécia Top Performers Renda Alta

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

Documento informativo. Panorama Social da América Latina

Documento informativo. Panorama Social da América Latina 2013 Documento informativo Panorama Social da América Latina 2013 Documento informativo Panorama Social da América Latina Alicia Bárcena Secretária Executiva Antonio Prado Secretário Executivo Adjunto

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades 1 São Paulo, 04 de setembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Valor da cesta básica diminui em 15 cidades Das 18 cidades em que o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realiza

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO

O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO Participação no Desenvolvimento Econômico Social Brasileiro Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

GEOGRAFIA. População Brasileira

GEOGRAFIA. População Brasileira População Brasileira No Brasil a concentração populacional tem sua maior ocorrência em áreas litorâneas ou próximas ao litoral. Temos como fatores contribuintes as faixas de planície, clima tropical, sem

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil

A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil 28 set 2006 Nº 14 A queda da desigualdade e da pobreza no Brasil Por Antonio Prado 1 Economista do BNDES O salário mínimo subiu 97% de 1995 a 2006, enquanto a concentração de renda diminuiu O desenvolvimento

Leia mais

WORLD GIVING INDEX 2015

WORLD GIVING INDEX 2015 WORLD GIVING INDEX 2015 QUEM SOMOS Fundado em 1999, organização pioneira no apoio técnico ao investidor social no Brasil e na América Latina, e tem como missão promover e estruturar o sistema de investimento

Leia mais

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS 1 A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS Fausto Brito Cláudia Júlia Guimarães Horta Ernesto Friedrich de Lima Amaral O grande ciclo de expansão da urbanização no Brasil é relativamente

Leia mais

PANEL Dinâmica Demográfica y su Consideración en las Políticas Públicas

PANEL Dinâmica Demográfica y su Consideración en las Políticas Públicas PANEL Dinâmica Demográfica y su Consideración en las Políticas Públicas Eduardo L.G. Rios-Neto Cedeplar/UFMG CNPD SEMINÁRIO REGIONAL- Avances y Acciones Clave para la Implementación del Programa de Acción

Leia mais