Anexo Memorial Descritivo (Implantação do Depósito de Vitória)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo 6.2.7.4-2 Memorial Descritivo (Implantação do Depósito de Vitória)"

Transcrição

1 Anexo Memorial Descritivo (Implantação do Depósito de Vitória)

2 1/10 5(9,6 2 25,*,1$/ $ % & ' '$7$ JUN / 2007 JUN / 2007 OUT / 2007 JUN / (3$5$'2 GESMS GESMS GESMS GESMS &21)(5,'2 RJM RJM RJM RJM $3529$'2 SNS SNS SNS SNS 5(9 O A B '(6&5,d 2'$65(9,6 (6 Original Atendendo comentários da Petrobras Atendendo comentários da equipe em 01/10/07 Atendendo comentários da reunião em 03/06/2008 1/10

3 2/10 2%-(7,92 - Apresentar de maneira sucinta uma descrição das atividades a serem desenvolvidas pela Petrobras Distribuidora S.A, de forma a fornecer subsídios para contratação de empresa de engenharia para o desenvolvimento de projeto básico e feed visando a implantação de um Parque de Armazenamento e Distribuição de produtos destinados às plataformas de exploração e produção de petróleo, a ser construído em área dentro do omplexo da Petróleo Brasileiro S.A no porto de Ubú, no estado do Espírito Santo. ±'(6&5,d 2'266(59,d263$5$(/$%25$d 2'26352-(726 - A área destinada à construção do Parque é de aproximadamente m², conforme croqui orientativo (DE-DEVIT-A-001-A), em anexo, elaborado pela Petrobras Distribuidora. Os projetos deverão ser desenvolvidos tendo como referência os procedimentos operacionais da Petrobras Distribuidora, as Normas da Petróleo Brasileiro, da Petrobras Distribuidora, Normas Brasileiras, Normas Internacionais e legislação ambiental vigente. No decorrer da elaboração dos projetos deverá haver o acompanhamento de técnicos da Petrobras Distribuidora, visando dispor à empresa ontratada de informações e mais detalhes que não estejam esclarecidos neste Memorial Descritivo, e, de maneira que ao final do projeto o mesmo seja aprovado de acordo com os padrões operacionais e funcionais da Petrobras Distribuidora. Os projetos englobam as disciplinas na área civil, mecânica, elétrica, instrumentação, automação e controle e, de uma forma geral serão descritos a seguir. /HYDQWDPHQWR7RSRJUiILFR6RQGDJHPH5HVLVWrQFLDDR$WHUUDPHQWR Serão fornecidos pela Petrobras. ± 3URMHWR GH 7HUUDSODQDJHP *HRPpWULFR 8UEDQL]DomR 3DYLPHQWDomR 'UHQDJHP$EDVWHFLPHQWRGHÈJXD(VJRWDPHQWR6DQLWiULR6LQDOL]DomR,QFrQGLRH,OXPLQDomRGDV9LDV,QWHUQDV - Baseado no croqui, em anexo, fornecido pela Petrobras Distribuidora, desenvolver estes projetos com a seguinte orientação: - O projeto terraplanagem, geométrico e o de urbanização deverão ser elaborados em função da topografia e geometria do terreno disponibilizado pela Petróleo Brasileiro, e neste caso o croqui fornecido é apenas orientativo. - O projeto de pavimentação das vias internas a serem projetadas na área da Petrobras Distribuidora deverá ter como material de acabamento da pista de rolamento o mesmo material das demais vias dentro do omplexo da Petróleo Brasileiro. As camadas de 2/10

4 3/10 suportes do pavimento deverão ser dimensionadas para tráfego pesado de empilhadeiras, caminhões, caminhões tanques, etc. - Os projetos de drenagem de águas e pluviais, de abastecimento de água e de esgotamento sanitário deverão ter suas redes interligadas as redes principais da retroárea do Porto de Ubú. - A iluminação das vias internas deverá seguir o padrão da retroárea, sempre atendendo a Norma N-2429 da Petrobras, exceto nas edificações onde há indicação neste Memorial - O projeto do sistema de incêndio a ser implantado nas edificações dentro das instalações da Petrobras Distribuidora deverá ser interligado às linhas que atendem da retroárea. - Os projetos de sinalização vertical e horizontal das vias deverão seguir os padrões adotados para as demais áreas da retroárea. ±(GLILFDo}HV - Entendam-se como edificações todos os projetos que envolvam estruturas de concreto armado e estruturas metálicas que deverão ser elaborados na área da Petrobras Distribuidora. - O número estimado de colaboradores para atender o funcionamento das instalações é de 120 pessoas, sendo 35 na área administrativa e 85 na área operacional trabalhando em turno de 24 horas. - Deverão ser distribuídos 50 pontos de rede de TI para atender a todas as edificações. - Para as edificações deverão ser elaborados, de acordo com sua finalidade, os projetos de arquitetura, estrutura, instalações hidrosanitárias, drenagem contaminada, instalações elétricas, telefônicas, dados, incêndio, spda/aterramento, sinalização/programação visual, ar condicionado, automação, etc. 3UpGLRGDDGPLQLVWUDomR - O prédio administrativo deverá ser projetado com 01 pavimento com área estimada em 535 m², dotado de salas com aproximadamente as seguintes áreas: Recepção e banheiros individuais masculino, feminino e para portadores de necessidades especiais 36 m² Sala para o pessoal administrativo 140 m² Sala de treinamento 40 m² 3/10

5 4/10 Sala para a Gerência com banheiro individual 25 m² Sala de espera com banheiro individual para atender a Gerência 30 m² Sala escritório 30 m² Sala de reunião 30 m² Banheiros coletivos masculino e feminino 25 m²/banh. Refeitório/copa 120 m² Dispensa 10 m² Arquivo 30 m² 6DODSDUDODERUDWyULR - A área estimada de construção é de 45 m², e o laboratório deverá ser construído próximo ao prédio da administração obedecendo aos preceitos da N-2175 da Petrobras. Deverá ser prevista uma sala para guarda de amostras. A iluminação interna deverá ser baseada na Norma N-2429 da ontec. 6XEHVWDomR - Deverá ser projetado em estrutura de concreto armado, alvenaria e cobertura em telhas de fibrocimento sem amianto, e área aproximada de 90 m², com dimensões de 6 x 15 m, com piso em concreto armado, com canaletas e acabamento em plurigoma. 9HVWLiULRPDVFXOLQRHIHPLQLQR - ontíguo ao prédio administrativo deverá ser projetado com uma área em torno de 35 m² de construção para o masculino e 25 m² para o feminino. 3UpGLRGDSRUWDULDHEDODQoDURGRYLiULD - om uma área em torno de 65 m² para a portaria, e dimensões de 21 x 3 m para as balanças; a distância entre a portaria e a balança deverá ser de tal forma que os caminhões que seguem em direção à balança tenham espaço de manobra suficiente para entrar em linha reta. - A portaria deverá ser provida de uma unidade de controle de acesso com leitora de código de barras tanto na entrada como na saída para a passagem de pedestres e veículos, fotocélulas emissoras e receptoras no controle da entrada e saída de veículos e cancelas automáticas em ambos os acessos. 4/10

6 5/10 - As balanças serão do tipo semi-embutida com capacidade de 80 ton., cabendo a ontratada elaborar o relatório de pré-seleção do referido equipamento, de forma a subsidiar o projeto estrutural. aberá a ontratada a locação, elaboração do projeto de automação e infraestrutura para cabeamento até a sala de controle no prédio da administração onde serão instalados os equipamentos para o controle das medições do peso. A balança também será dotada de guias, sensores ou câmeras para monitoração da correta parada dos caminhões sobre a balança que será controlada pela sala da administração. 6DODSDUDPRWRULVWDHHVWDFLRQDPHQWRV - onstruída na área externa, esta sala com aproximadamente 30 m² deverá dispor de cadeiras, bebedouro, ar condicionado, banheiro coletivo, etc. e deverá ser projetada junto ao estacionamento para os caminhões. - A área de estacionamento para caminhões deverá ter m², incluindo a área necessária para manobras. - Também na área externa e com 465 m², deverá ser projetado um estacionamento para automóveis, adjacente ao de caminhões. *DOSmRGHDUPD]HQDPHQWR - A ser construído em estrutura metálica, com área estimada de 8056 m². O galpão deverá ter áreas distintas para o armazenamento de produtos químicos e lubrificantes, para separação temporária de resíduos (área de descarte), e estocagem de produtos da Petrobras que retornam das plataformas. Desta forma faz-se necessário que a área interna seja dotada de canaletas com grelhas para coletar e conduzir eventuais vazamentos de produtos para caixas de contenção. Estas caixas serão construídas externamente e ao longo do perímetro do galpão. Em caso de vazamento as caixas serão esvaziadas através de sucção, acondicionando o produto em embalagens adequadas e encaminhados a área de descarte. As áreas de estocagem de produtos de retorno e armazenagem de resíduos deverão ser isoladas das demais áreas de forma que seu acesso seja limitado a pessoas autorizadas. O pé-direito do galpão deverá ter 8,0 metros livres. A cobertura será em telha de alumínio, e as laterais serão compostas em sua parte inferior em alvenaria e a parte superior também em telha de alumínio. A pavimentação em concreto armado deverá ser dimensionada para atender as cargas provenientes do empilhamento de aproximadamente 04 níveis de porta pallets e a movimentação de empilhadeiras carregadas. O piso deverá ser demarcado com as áreas utilizadas para os empilhamentos, para a passagem das empilhadeiras e pedestres. 5/10

7 6/10 O galpão deverá ser provido de um sistema de ventilação com exaustor eólico. Na área externa dos portões de acesso, deverá ser previsto cobertura e dispositivos trava-quedas para carga e descarga de caminhões. *DOSmRGHSURGXWRVFRQWURODGRV om dimensões de 15 x 40 m, totalizando área de 600 m², este galpão será fechado nas laterais e fundos com alvenaria e cobogó, e portão na fachada, pois seu acesso será limitado a pessoas autorizadas. A estrutura deverá ser em concreto armado, e estrutura metálica na cobertura com telhas de alumínio; o pé direito deverá ter 5,0 metros livres. O galpão deverá ser provido de sistema de ventilação com exaustor eólico. A pavimentação da área interna será em concreto armado, segregada com canaletas com grelhas e caixas de contenção, dimensionados de maneira a suportar sobrecargas do transito de empilhadeiras carregadas e produtos estocados Deverá ser previsto o isolamento do prédio com cerca e mourão em concreto armado, afastado 1,0 metros nas laterais e fundos e 3,0 metros na fachada com portão de acesso. *DOSmRSDUDODYDJHPGHFRQWHQWRUHV - Estimado em m² de área coberta e pavimentada em concreto armado, este galpão deverá dispor de área para lavagem de contentores cujo efluente deverá ser encaminhado para a estação de tratamento de efluentes da retroárea. Os resíduos deverão ser coletados através canaletas com grelhas distribuídas pela área e encaminhados a estação de tratamento. aso não haja a possibilidade de interligação do galpão à ETE da Petrobras, deverá ser construída uma ETE para tratar os líquidos gerados, e, estimamos em 2,5 m³/hora de água quando estiver em operação de lavagem de contentores. 2ILFLQDHFHQWUDOGHJiVSDUDHPSLOKDGHLUD - Esta oficina tem como finalidade a manutenção das empilhadeiras para pequenos reparos com área de aproximadamente 60 m 2. Deverá ser dotada de um fosso e escada de acesso, canaletas com grelhas em seu perímetro interno para encaminhar à(s) caixa(s) separadoras e caixa de coleta de resíduos os líquidos provenientes de lavagens e os eventuais vazamentos de óleos. A estrutura de sustentação e fixação do telhado deverá ser no mesmo padrão utilizado para as demais edificações. 6/10

8 7/10 A largura e o comprimento do fosso deverão ser projetados de forma atender qualquer tipo de empilhadeira para realizar os serviços necessários de manutenção (troca de óleo, manutenção do sistema hidráulico, etc.). As paredes em alvenaria que delimitam a oficina devem ser a meia altura nas laterais e fechada nos fundos. - Em área próxima a oficina deverá ser construída uma central de gás para abastecimento das empilhadeiras. A área a ser construída depende da quantidade de cilindros e será informada posteriormente com base no número de empilhadeiras que irão operar na área. &HQWUDOGHJUDQHLVOtTXLGRV - A GL compreende as áreas destinadas aos tanques, aos pátios de bomba, descarregamento, envasamento, carga e descarga e estocagem de contentores. Estas áreas deverão ser providas de iluminação para operações noturnas. 7DQTXHV ± os tanques serão verticais, com capacidade de 50 m³ em aço inoxidável (compatível ao produto armazenado). As tubulações de carga e descarga e as conexões também serão em aço inoxidável, e a norma a ser adotada será a N-76 da Petrobras O número de tanques e os produtos serão distribuídos da seguinte forma: 04 tanques de álcool anidro 02 tanques de querosene 02 tanques de anti-espumante 02 tanques de sequestrante de oxigênio 01 tanque para monoetileno glicol 01 tanque de preventor de emulsão 02 tanques de sequestrante de H 2 S 01 tanques com Baracat 09 tanques futuros Esta área deverá ser coberta em estrutura metálica, com pé direito livre de 8,50 metros, e cobertura em telhas de alumínio. A bacia única de contenção para os tanques deverá ser projetada com piso e paredes em concreto armado, impermeabilizados com produto adequado para não haver contaminação do solo em caso de algum dano ao concreto. Os produtos deverão ser segregados conforme recomenda a Norma NBR e de acordo com as classes dos produtos classificados em inflamáveis ácidos e básicos, corrosivos ácidos e básicos e não classificados. Deverão ser previstas caixas coletoras 7/10

9 8/10 instaladas dentro das bacias interligadas por canaletas, e em caso de vazamento as caixas serão esvaziadas através de sucção, acondicionando o produto em embalagens adequadas e encaminhados a área de descarte. Na bacia a intensidade de iluminação deverá ter no mínimo de 50 LUX. Os acessos aos bocais dos tetos dos tanques serão através de passarelas elevadas, escadas de acesso com os respectivos guarda-corpos em estrutura metálica de aço carbono, e a intensidade de iluminação deverá ter no mínimo de 150 LUX na boca de medição. Da mesma forma, no perímetro superior dos tanques deverá ser provido de guarda-corpo. Em todos os tanques deverão ser instaladas células de carga digital que serão monitoradas no prédio administrativo e interligadas ao sistema M-drive da Petrobras Distribuidora. Em relação ao projeto de incêndio deverá ser projetado um anel fechado no entorno da bacia dos tanques 3iWLR GH ERPEDV ± deverão ser projetados dois pátios cobertos, um próximo ao descarregamento e outro próximo ao envase de contentores. As bombas deverão ser dimensionadas, seladas e vedadas de acordo com o produto a ser utilizado. Para a pré-seleção das bombas a Petrobras Distribuidora encaminhará a ontratada a ficha técnica dos produtos. Os motores deverão ter acionamento local através de botoeira. O dimensionamento das bombas e tubulações deverá ser feito utilizando o produto de característica mais crítica. A potência dos motores das bombas será dimensionada de maneira que atenda toda a curva de vazão. Os pátios deverão ter área contida e a drenagem dos efluentes encaminhados para uma caixa de contenção próxima, através de canaletas, e a caixa será esvaziada através de sucção, acondicionando o produto em embalagens adequadas e encaminhados a área de descarte. 'HVFDUUHJDPHQWR GRV SURGXWRV os produtos serão descarregados dos caminhõestanque através de mangotes com engate rápido e transferidos para os tanques utilizandose bombas acionadas por botoeiras locais. A área para o descarregamento corresponde à construção de 04 lajes niveladas, cobertas, circundadas por canaletas com grelha, para a parada de 04 caminhões do tipo bi-trem. As lajes niveladas terão estrutura metálica para sustentação da cobertura em telhas de alumínio e dispositivos trava-quedas. 8/10

10 9/10 Os eventuais vazamentos de produtos deverão ser encaminhados para caixas de contenção próxima, através de canaletas, e as caixas serão esvaziadas através de sucção, acondicionando o produto em embalagens adequadas e encaminhados a área de descarte. A iluminação deverá ter intensidade de no mínimo 150 LUX na boca de visita do caminhão. O número a ser considerados de bombas é de 02 bombas para cada produto (08 produtos), sendo que para o álcool anidro deverá ser considerada 03 bombas, o que totaliza a instalação inicial de 17 bombas. Para os futuros produtos (TQ 16 a 24) deverão ser instaladas posteriormente 18 bombas, perfazendo um total de 35 bombas com vazão de 60 m³/h. As bombas para o álcool anidro e querosene serão centrifugas autoescorvantes, e as demais serão de deslocamento positivo. (QYDVDPHQWRGHFRQWHQWRUHVtrata-se de uma área coberta com aproximadamente 5,0 m x 50 m, em estrutura metálica e cobertura em telhas de alumínio, dotada de um trilho corrido ao longo dos 50 m para instalação de trava-quedas. O enchimento dos contentores se dará a partir da indicação no pré-set eletrônico do volume a ser carregado e que acionará automaticamente a bomba do produto Na tubulação, após as bombas deverão ser instalados um medidor mássico para os produtos químicos e um medidor de deslocamento positivo para o querosene e o álcool até os mangotes para carregamento dos contentores. As informações dos medidores mássicos e dos de deslocamento positivo serão enviadas para a sala de controle na administração, sendo interligadas com o sistema M-drive da Petrobras Distribuidora. Esta área é uma área adjacente a de estocagem e sua pavimentação deverá ser projetada em concreto armado, provido de canaletas com grelhas interligadas, dimensionados para trânsito de empilhadeiras carregadas com contentores. Os eventuais vazamentos de produtos deverão ser encaminhados para caixas de contenção próxima, através de canaletas, e as caixas serão esvaziadas através de sucção, acondicionando o produto em embalagens adequadas e encaminhados a área de descarte. A iluminação deverá ter intensidade de no mínimo 150 LUX no tôpo do contentor. O número a ser considerados de bombas é de 01 bomba para cada produto (08 produtos), sendo que para o álcool anidro deverá ser considerada 02 bombas, o que totaliza a instalação inicial de 09 bombas. Para os futuros produtos (TQ 16 a 24) deverão ser instaladas posteriormente 09 bombas, perfazendo um total de 18 bombas de deslocamento positivo com vazão de 20 m³/h. As bombas para o álcool anidro e querosene serão centrifugas auto-escorvantes, e as demais serão de deslocamento positivo. 9/10

11 10/10 ÈUHD FDUJD H GHVFDUJD GH FRQWHQWRUHV ± será uma área próxima a de estocagem, coberta, disposta de forma a permitir uma melhor movimentação das empilhadeiras e o tráfego de outros caminhões para outras atividades. A área deverá ser contida com canaletas e caixas de contenção e os produtos que por ventura sejam derramados serão retirados da caixas através de sucção, acondicionando o produto em embalagens adequadas e encaminhados a área de descarte. ÈUHDGHHVWRFDJHP±estimada em m² é uma área coberta, com pé-direito de 8,0 metros, destinada à estocagem dos contentores que serão transportados para as plataformas marítimas. A pavimentação, em concreto armado, deverá suportar as cargas provenientes do empilhamento de aproximadamente 04 níveis de porta pallets com contentores cheios, caminhão carregado de contentores e a movimentação de empilhadeiras carregadas. O piso deverá ser demarcado com as áreas utilizadas para o empilhamento, para a passagem das empilhadeiras e carregamento de caminhões. O sistema de drenagem desta área deverá ser projetado de acordo com a Norma N-38 da Petrobras, utilizando canaletas com grelhas. Em caso de vazamentos o efluente deverá ser dirigido para uma caixa de contenção próxima através de canaletas, e as caixas serão esvaziadas através de sucção, acondicionando o produto em embalagens adequadas e encaminhados a área de descarte. A iluminação deverá ter intensidade de no mínimo 150 LUX na parte superior da pilha de contentores. &DL[DGHFRQWHQomRGHPDLRUYROXPH±estimada em 60 m³, será uma caixa coberta, que receberá a coleta das áreas descobertas onde há movimentação transitória de produtos. As canaletas de drenagem pluvial deverão ser dotadas de válvulas, as quais desviarão para as canaletas direcionadas para esta caixa de contenção os líquidos provenientes de eventuais vazamentos que estejam depositados no fundo das canaletas. Estas válvulas serão controladas manualmente pela equipe de operação, e em caso de ocorrer simultaneamente o derramamento de produto e águas de chuvas, o operador manterá por um determinado tempo a válvula da canaleta de drenagem pluvial fechada encaminhando os líquidos para a caixa de contenção, e após um período abrirá a válvula para a rede pluvial. Este tempo de abertura e fechamento da(s) válvula(s) dependerá da intensidade das chuvas e será determinado pela operação na área. Portanto, a caixa deverá ser dimensionada baseado também para os índices pluviométricos da região, e para as vazões das canaletas. 10/10

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Central e Armazenamento de GLP Introdução Central de GLP Conceitos e Aplicações

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares O cina de Manutenção A localização deve obedecer os seguintes princípios: - Proximidade das unidades de maior concentração de equipamentos e das instalações sujeitas a manutenção mais freqüente; - Proximidade

Leia mais

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc.

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc. TERMINAL DE CARGAS Profª Janaína Araújo, MSc. Carga Aérea Generalidades Carga aérea : conjunto de bens transportados por via aérea que geram receita; material transportado por meio de aeronaves cujos valores

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS ANEXO XIX AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 19 SISTEMAS DE RESFRIAMENTO PARA LÍQUIDOS E GASES INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS 1 OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as condições

Leia mais

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15514

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15514 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15514 Primeira edição 06.08.2007 Válida a partir de 06.09.2007 Versão corrigida 11.08.2008 Área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás liquefeito de petróleo (GLP),

Leia mais

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador Anexo I Chamamento Público 01/2014 1 Espaço A. Destinação Almoxarifado: armazenamento útil mínimo de 1.000m², divididos da seguinte forma: 1.1 Área de armazenagem 87% (mínimo de 870m²) 1.1.1 Sala administrativa

Leia mais

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P.

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P. Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 028 Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PMCC - PROJETO DE TRANSPORTE DE ÁLCOOL SISTEMA DE ESCOAMENTO DUTOVIÁRIO DE ÁLCOOL E DERIVADOS CENTRO COLETOR DE UBERABA

MEMORIAL DESCRITIVO PMCC - PROJETO DE TRANSPORTE DE ÁLCOOL SISTEMA DE ESCOAMENTO DUTOVIÁRIO DE ÁLCOOL E DERIVADOS CENTRO COLETOR DE UBERABA CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: ENGENHARIA RESP. TÉC: CREA: PMCC - PROJETO DE TRANSPORTE DE ÁLCOOL SISTEMA DE ESCOAMENTO DUTOVIÁRIO DE CENTRO COLETOR DE UBERABA NO FOLHA : 1 de 18 DO CENTRO COLETOR DE UBERABA

Leia mais

III - ANEXO I e ANEXO II (Conforme Resolução CONAMA n. 273/2000)

III - ANEXO I e ANEXO II (Conforme Resolução CONAMA n. 273/2000) III - ANEXO I e ANEXO II (Conforme Resolução CONAMA n. 273/2000) 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO Nome: Endereço: CEP: CPF: RG: e-mail: 2. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Nome Fantasia:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM

ESPECIFICAÇÃO MÍNIMA PARA AS INSTALAÇÕES DA GARAGEM PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

PROJETOS DE UNIDADES DE ARMAZENAGEM, DISTRIBUIÇÃO E PROCESSAMENTO DE PRAGUICIDAS

PROJETOS DE UNIDADES DE ARMAZENAGEM, DISTRIBUIÇÃO E PROCESSAMENTO DE PRAGUICIDAS PROJETOS DE UNIDADES DE ARMAZENAGEM, DISTRIBUIÇÃO E PROCESSAMENTO DE PRAGUICIDAS FUNASA DIRETRIZES Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Presidente da

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluente 2.0 Paiol 2.1 Limpeza da área 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Aterro sanitário 3.1 Organização da área 3.2 Pátio de estoque Acúmulo

Leia mais

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório)

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório) FICHA TÉCNICA Projeto Arquitetônico: Gkalili Arquitetura Design de Fachada: Triptyque Arquitetura Projeto Paisagístico: EKF Arquitetura paisagística Projeto Decoração: Triptyque Arquitetura Dados do Produto

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS ROTEIRO PARA POSTOS NOVOS REFORMA E AMPLIAÇÕES PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS CAD ADASTRO ASTRO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS: Sant Ana do Livramento-RS Cidade Símbolo de Integração Brasileira com os Países do Mercosul" Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento- SMAPA- SIM- Serviço de Inspeção Municipal NORMAS

Leia mais

FUNASA ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA. Diretrizes para projetos de unidades de armazenagem, distribuição e processamento de praguicidas

FUNASA ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA. Diretrizes para projetos de unidades de armazenagem, distribuição e processamento de praguicidas FUNASA ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA Diretrizes para projetos de unidades de armazenagem, distribuição e processamento de praguicidas Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro da Saúde Barjas

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de Área Valor da Obra Valor do M² Nome da Obra Início da Obra Programado Obras Construída M² R$ R$ da Obra Descrição

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2004 Sistema de Resfriamento para

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE

AGÊNCIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE Conforme a Lei Estadual nº 1., de de embro de 200, FORMULÁRIO PARA EMPREENDIMENTOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO NOME: IDENTIDADE: ENDEREÇO: ÓRGÃO EXPEDIDOR:

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC)

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO Termo de Referência Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO A. Arena Carioca da Penha e seu entorno O edifício principal, em forma de hexágono com 15m em cada lado possui 1.083 m 2 de área

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

NPT 025 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS PARTE 3

NPT 025 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS PARTE 3 Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 025 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3 Armazenamento Fracionado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

Área: UTE - Pampa Subsistema:

Área: UTE - Pampa Subsistema: Carregamento Pequeno vazamento de diesel em conexões, tubo e mangote. -Vazamento em mangote, conexões, flanges, válvulas, instrumentos. A II RM A I RB A I RB tubulação - Atender as exigências da requisição

Leia mais

SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE POSTOS II - Quadros de Exigências para o Licenciamento Ambiental de Postos e Sistemas Retalhistas de Combustíveis

SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE POSTOS II - Quadros de Exigências para o Licenciamento Ambiental de Postos e Sistemas Retalhistas de Combustíveis A = Aplicável NA = Não Aplicável Quadro 1 Documentação Necessária para obtenção de LP e LI SASC SAAC* GNV Item Descritivo Reforma Condição Novo Reforma Condição Novo*** C.Mínimas C.Mínimas Completa Intermed.

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655

Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 Instrução Técnica nº 28/2011 - Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) 655 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e várias PGR s. 2-No

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 3 CONTROLE DE FUMAÇA NATURAL EM INDÚSTRIAS, DEPÓSITOS

Leia mais

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO Rua Rishin Matsuda, 562 Vila Santa Catarina CEP 04371-000 São Paulo SP Tel. 11 5563-6477 Fax 11 5563-3107 www.elevadoreszenit.com.br FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO ORIENTAÇÃO ELEVADORES CARGAS

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA. ANEXO II Memorial Descritivo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL FORTALEZA ANEXO II Memorial Descritivo 1. DESCRIÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO. O Empreendimento, comercializado sob Condomínio Residencial Viva Bem, é composto por 04 (quatro) blocos,

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 021/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL

INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 021/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 021/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA

Leia mais

LEI N 4.615, DE 13 DE JANEIRO DE 1955

LEI N 4.615, DE 13 DE JANEIRO DE 1955 LEI N 4.615, DE 13 DE JANEIRO DE 1955 Regula as condições gerais das edificações. José Porphyrio da Paz, Vice-Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei faço

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P.

NPT 028 MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE G.L.P. Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 028 Manipulação, armazenamento, comercialização e utilização de gás liquefeito de petróleo (GLP) CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 3 Controle de fumaça natural em indústrias... 331 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio s 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluentes 2.0 Brigada de incêndio 2.1 Limpeza da área s 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Estação de tratamento de esgoto - ETE Tratamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS

MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS MEMORIAL DESCRITIVO ÁGUAS PLUVIAIS Considerando o índice pluvialmétrico histórico da Cidade do Salvador, de 1800 mm por ano. Tendo em mente a correspondência de 1 mm de chuva ser equivalente a 1 (um) litro

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível

CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível 1. Identificação Empresa/Interessado: Nome fantasia: para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Fone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE 1.1. ASPECTOS FUNCIONAIS a) Facilidade de identificação e utilização

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

Palestrante : Maj BM Polito

Palestrante : Maj BM Polito SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS Palestrante : Maj BM Polito SUMÁRIO 1- PARÂMETROS PARA EXIGÊNCIAS DE SISTEMAS

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

JBS Marginal Direita do Rio Tietê nº 500 SÃO PAULO. BLOCO III e outros MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

JBS Marginal Direita do Rio Tietê nº 500 SÃO PAULO. BLOCO III e outros MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS JBS Marginal Direita do Rio Tietê nº 500 SÃO PAULO BLOCO III e outros MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Emissão 3 240512 (Item 2)(Eficiência Energética de Motores) Pág.

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 A cidade de Cajazeiras, localizada no estado da Paraíba (PB), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros de obras que

Leia mais

Normas da ABNT precisam ser seguidas

Normas da ABNT precisam ser seguidas Normas da ABNT precisam ser seguidas Além das leis ambientais e toda a burocracia que o negócio da revenda exige, o revendedor precisa realizar os procedimentos de acordo com as normas da Associação Brasileira

Leia mais