PRÁTICA DA AUTOMEDICAÇÃO EM ACADÊMICOS INICIANTES E FORMANDOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNAMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICA DA AUTOMEDICAÇÃO EM ACADÊMICOS INICIANTES E FORMANDOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNAMA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA Daniele Matos Barata Jamilly Laine Saraiva Batista PRÁTICA DA AUTOMEDICAÇÃO EM ACADÊMICOS INICIANTES E FORMANDOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNAMA BELÉM-PA 2010

2 Daniele Matos Barata Jamilly Laine Saraiva Batista PRÁTICA DA AUTOMEDICAÇÃO EM ACADÊMICOS, INICIANTES E FORMANDOS, DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNAMA Trabalho de conclusão do curso de Fisioterapia da Universidade da Amazônia para a obtenção do título de Fisioterapeuta, sob a orientação da Profª. Maria Lúcia da Silva Ribeiro. BELÉM-PA 2010

3 Daniele Matos Barata Jamilly Laine Saraiva Batista PRÁTICA DA AUTOMEDICAÇÃO EM ACADÊMICOS, INICIANTES E FORMANDOS, DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNAMA Trabalho de conclusão do curso de Fisioterapia da Universidade da Amazônia para a obtenção do título de Fisioterapeuta, sob a orientação da Profª. Maria Lúcia da Silva Ribeiro. Banca Examinadora Profa. Maria Lúcia S. Ribeiro Orientadora 1ª avaliador 2º avaliador Apresentado em: / / Conceito: BELÉM-PA 2010

4 DEDICATÓRIA Jamilly Laine Saraiva Batista À Deus pelo dom da vida. À meu pai Everaldo Batista, à minha mãe Socorro Batista, à meu noivo Junior,à minha irmã Jaíne. Daniele Matos Barata Dedico este trabalho à meus pais que sempre me apoiaram, estiveram presentes e acreditaram em meu potencial, me incentivando na busca de novas realizações. Ao meu esposo e ao meu filho Pietro, que embora seja muito pequeno, ilumina de maneira especial os meus pensamentos me levando a buscar mais conhecimento.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço em primeiro lugar a Deus que iluminou o meu caminho durante esta caminhada. Agradeço também ao meu esposo, Ivair, que de forma especial me deu força e coragem, me apoiando nos momentos de dificuldades. Agradeço ainda ao meu irmão Alex e a nossa orientadora Prof. Maria Lúcia Ribeiro pela presteza no auxílio às atividades e discussões sobre o andamento e normatização deste trabalho de Conclusão de Curso. E não deixando de agradecer a meus pais, Alexandre e Sonia, a quem eu rogo todas as noites a minha existência. Daniele Barata

6 AGRADECIMENTOS Aos meus pais, pelo apoio, confiança e por estarem sempre ao meu lado nas minhas escolhas e me ofereceram sempre o melhor que puderam me dar. Aos amigos e parentes por me ajudarem nos momentos de dificuldade. A professora Maria Lúcia da Silva Ribeiro, por ter acreditado e confiado no nosso potencial, por ter tido paciência e sabedoria para assim nos conduzir. Ao meu querido noivo Junior Nascimento, que através de suas palavras de incentivo, de seu gesto de compreensão, mesmo quando me veio o desânimo, sempre esteve ao meu lado. A todos que nos momentos importantes, suportaram minha ausência, nos dias de fracasso, respeitaram meus sentimentos e enxugaram minhas lágrimas. Jamilly Batista

7 EPÍGRAFE De tudo ficaram três coisas: a certeza de que estamos sempre começando, a certeza de que é preciso continuar, e a certeza de que podemos ser interrompidos antes de terminar. Fazer da interrupção um novo caminho, fazer da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sono uma ponte, da procura um encontro, da morte um renascer. Fernando Pessoa

8 RESUMO A automedicação é uma prática comum, no entanto, pode possibilitar agravos no que se refere ao tratamento de patologias, interações e intoxicações medicamentosas. Com base nessas informações, foi realizado um estudo descritivo de natureza quantitativa que buscou analisar a percepção dos acadêmicos iniciantes e formandos do curso de fisioterapia da UNAMA acerca da prática da automedicação. Os resultados encontrados demonstraram que os acadêmicos praticam a automedicação tanto iniciantes como formandos e que o uso de analgésicos se encontra com percentual elevado entre os estudantes, apesar do profissional fisioterapeuta em sua formação receber informações que os habilita a utilizar recursos para a prática da analgesia prescindindo, portanto da automedicação. Palavras-chave: Uso racional de medicamentos, automedicação, acadêmicos e automedicação, analgésicos.

9 ABSTRACT Self-medication is common practice, however, can enable grievances with regard to treatment of diseases, interactions, and drug intoxication. Based on this information, we performed a descriptive study of a quantitative nature that sought to analyze the perceptions of academics and graduates of the beginners course in physiotherapy UNAMA about self-medication. The results showed that academics practiced self-medication both beginners and trainees and that the use of painkillers is with a high percentage among students, despite the physical therapists in their education receive information that enables them to utilize resources for the practice of dispensing analgesia therefore self-medication. Keywords: Rational use of medicines, self medication, academics and selfmedication, painkillers.

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01- Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Sexo dos participantes da pesquisa sobre automedicação em meio a iniciantes e formandos do curso de Fisioterapia em FIGURA 02 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre a utilização de medicamentos sem receita médica. FIGURA 3 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre a reutilização de receitas antiga. FIGURA 4 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre a procedência de receitas antigas. FIGURA 05- Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre a posição dos acadêmicos em relação aos danos causados pela automedicação. FIGURA 6 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre doenças que se acredita possui para fazer uso da automedicação. FIGURA 7 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre os medicamentos utilizados com maior freqüência. FIGURA 08 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre dependência da prática de automedicação. FIGURA 9 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre a utilização dos mesmos remédios para os mesmos sintomas. FIGURA 10 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre a disponibilidade dos medicamentos em domicilio próprio. FIGURA 11 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre embasamento para a prática da automedicação. FIGURA 12 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre uso simultâneo de medicamentos prescritos e não prescritos por médico. FIGURA 13 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre a busca de orientações de farmacêuticos e ou balconista para a compra de medicamentos. FIGURA 14 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre seguir as instruções da bula que acompanha o medicamento.

11 FIGURA 15 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre a utilização de medicamentos com a orientação de diversos indivíduos. FIGURA 16 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre o fato de possuir plano de saúde.

12 LISTA DE TABELAS TABELA 01 - Estatísticas Descritivas da Idade dos participantes da pesquisa sobre automedicação em meio a iniciantes e formandos do curso de Fisioterapia em TABELA 02 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Sexo dos participantes da pesquisa sobre automedicação em meio a iniciantes e formandos do curso de Fisioterapia em TABELA 03 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre a utilização de medicamentos sem receita médica. TABELA 04 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre a reutilização de receitas antigas. TABELA 05 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre a procedência de receitas antigas. TABELA 06 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre a posição dos acadêmicos aos danos causados pela automedicação. TABELA 7 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre doenças que se acredita possui para fazer uso da automedicação. TABELA 08 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre os medicamentos utilizados com maior freqüência. TABELA 09 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre dependência da prática de automedicação. TABELA 10 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre a utilização dos mesmos remédios para os mesmos sintomas. TABELA 11 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre a disponibilidade dos medicamentos em domicilio próprio. TABELA 12 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre embasamento para a prática da automedicação. TABELA 13 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre uso simultâneo de medicamentos prescritos e não prescritos por médicos.

13 TABELA 14 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre a busca de orientações de farmacêuticos e ou balconistas para a compra de medicamentos. TABELA 15 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Pergunta sobre seguir as instruções da bula que acompanha o medicamento. TABELA 16 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre a utilização de medicamentos co a orientação de diversos indivíduos. TABELA 17 - Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e pergunta sobre o fato de possuir plano de saúde.

14 LISTA DE SIGLAS ABIFARMA - Associação Brasileira das Indústrias Farmacêuticas ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária IVF Instituto Virtual de Fármacos OMS - Organização Mundial da Saúde

15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. REFERENCIAL TEÓRICO 3. MÉTODOS 3.1- TIPO DE ESTUDO 3.2- CRITÉRIOS DE INCLUSÃO CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO COLETA DE DADOS RISCOS E BENEFÍCIOS Riscos Benefícios 4. RESULTADOS 5. DISCUSSÃO 6. CONCLUSÃO 7. REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS

16 1. INTRODUÇÃO A automedicação é um ato praticado, desde o início da história da humanidade, nas diversas etapas da evolução histórica, todas as civilizações buscavam o alívio e a cura das doenças, através da utilização de uma variedade de recursos terapêuticos. (REY, 1997) De acordo com Rey (1997), a automedicação é a condição em que o paciente toma, por sua iniciativa, medicamentos não prescritos por médicos e, portanto, sem indicação ou supervisão médica. Mesmo que os medicamentos usados sejam de venda livre (sem prescrição médica), não são sempre isentos de riscos, o que depende da adequação, da posologia, da duração do tratamento e de eventuais contra-indicações, peculiares a cada indivíduo e seu estado de saúde. Com o aumento da disponibilidade de medicamentos no Brasil e em todo mundo, surgiu uma preocupação relacionada ao uso racional de medicamentos, que se tornou um dos pilares da saúde pública, tendo em vista que os medicamentos tornaram-se indispensáveis na terapêutica atual (VALENTE e GRAZIELA, 2005). Segundo Paulo e Zanini (1997), nos dias de hoje pode-se identificar quatro tipos de automedicação: instintiva (restrito e individual), cultural (tradicional e popular), orientada (supervisão médica), induzida (sem supervisão médica). Dados sugerem que a automedicação no Brasil reflete as carências e hábitos da população, é consideravelmente influenciada pela prescrição médica e tem a sua qualidade prejudicada pela baixa seletividade de mercado farmacêutico (ARRAIS et al, 1997). Segundo Camargo et al. (2000), a prática da automedicação não distingue classe econômica, apenas os motivos são distintos, ou seja, os que possuem dificuldades sócioeconômicas procuram automedicar-se pela falta de recursos para pagar por uma consulta, enquanto a classe que dispõem de recursos acredita que sabe sobre os medicamentos e, por isso, dispensa a orientação médica, entendendo que algumas afecções são simples e não necessitam de acompanhamento médico. Os farmacêuticos são profissionais de saúde cuja formação inclui disciplinas que abordam não só a composição, mas também os efeitos farmacológicos e deletérios dos medicamentos. Assim, a formação do farmacêutico, poderia talvez prevenir a automedicação

17 desses profissionais, visto ser de seu conhecimento os riscos a que estes se submetem ao utilizar esse procedimento. (ZUBIOLI, 1992 e OMS, 2005) Alguns dos problemas causados pela automedicação são: o aumento do erro nos diagnósticos das doenças, a utilização de dosagem insuficiente ou excessiva, o aparecimento de efeitos indesejáveis graves ou reações alérgicas (LIMA, 1995 e OMS, 2005). De acordo com a Lei 5991/731, medicamento é todo produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. Eles ocupam lugar de destaque nas práticas profissionais e culturais relacionadas com a promoção ou a recuperação da saúde. A sua utilização é uma preocupação social constante, tanto na disponibilidade à população como no uso irracional ou abusivo (COSTA et. al., 1988). Varias são as razões pelas quais os indivíduos se automedicam. A automedicação pode ser atribuída à dificuldade de acesso de grande parte da população a um profissional, neste caso o médico, seja pela localização geográfica, com moradias distantes dos serviços de saúde ou pela falta de informação ou ainda, pelo habito de resolver os problemas de saúde considerados rotineiros da sua própria maneira, alegando falta de tempo. No Brasil, segundo a Associação Brasileira das Indústrias Farmacêuticas (Abifarma), todo ano, cerca de 20 mil pessoas morrem, no País, vítimas da automedicação (HAAK, 1988, VILLARINO et al., 1997, CASA GRANDE at. al., 2004). De forma interessante, certo nível de automedicação é aceitável, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), desde que ocorra de forma responsável. De acordo com a OMS este nível de automedicação pode ser benéfico para o sistema publico de saúde (OMS, 2005). Exemplos como dores de cabeça, muitas vezes resultantes de situações de stress, cólicas abdominais ou menstruais, podem ser aliviadas temporariamente com medicamentos de menor potencial. (BRASS, 2001). Essa pratica, segundo a OMS, evita, muitas vezes, o colapso do sistema público de saúde, pelo atendimento a casos transitórios ou de menor urgência. Entretanto, a auto prescrição, ou seja, o uso por conta própria de remédios contendo tarja preto ou vermelho na embalagem, e que só devem ser utilizados sob prescrição médica, é extremamente perigoso e inaceitável (OMS, 2005).

18 Para que o paciente receba medicamentos de boa qualidade, com informações suficientes para seu uso correto e seguro, tanto as etapas de consultas clínicas e dispensação, quanto às de seleção, aquisição, armazenamento e distribuição, assistência farmacêutica, tornam-se, então, componentes indispensáveis para que todas as etapas ocorram de modo a promover o uso racional de medicamentos e evitar que os medicamentos sejam uma fonte de custos e agravos desnecessários para a saúde do paciente (AYRES, 2007). O presente trabalho justifica-se pela necessidade de se observar o comportamento em relação ao uso da automedicação, entre os acadêmicos iniciantes e formandos do curso de Fisioterapia da Universidade da Amazônia e pelo fato de existirem poucos estudos sobre o tema.

19 2. REFERENCIAL TÉORICO. Apesar de não ser um fenômeno único da modernidade, o consumo de medicamentos sem prescrição, torna-se uma pratica comum à população brasileira em todos os grupos etários (ARRAIS et. al, 1997). Segundo Arrais (1997). Dados sugerem que a automedicação no Brasil reflete as carências e hábitos da população, e é consideravelmente influenciada pela prescrição médica além de ter a sua qualidade prejudicada pela baixa seletividade do mercado farmacêutico. Em países desenvolvidos, o número de medicamentos de venda livre tem crescido nos últimos tempos, assim como a disponibilidade desses medicamentos em estabelecimentos não farmacêuticos, o que favorece a automedicação. A automedicação é um fenômeno potencialmente nocivo à saúde individual e coletiva, pois nenhum medicamento é inócuo ao organismo. O uso indevido de substâncias e até mesmo de drogas consideradas banais pela população, como os analgésicos, pode acarretar diversas conseqüências como resistência bacteriana, reações de hipersensibilidade, dependência, sangramento digestivo, sintomas de retirada e ainda aumentar o risco para determinadas neoplasias. Além disso, o alívio momentâneo dos sintomas encobre a doença de base que passa despercebida e pode, assim, progredir (VILARINO et. al., 1998). No Brasil, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias Farmacêuticas (ABIFARMA), já na década de 90, cerca de 80 milhões de pessoas são adeptas da automedicação. A maior incidência de problemas envolvendo esta prática está ligada à intoxicação e as reações de hipersensibilidade ou alergia (IVANNISSEVICH, 1994). Alguns dos problemas causados ainda pela automedicação são: o aumento do erro nos diagnósticos das doenças, a utilização de dosagem insuficiente ou excessiva, e o aparecimento de efeitos indesejáveis graves (LIMA, 1995, OMS, 2005). Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA, 2007), os medicamentos ocupam o primeiro lugar entre os agentes causadores de intoxicação em seres humanos e o segundo lugar nos registros de mortes por intoxicação. A cada 20 segundos, um paciente da entrada nos hospitais com quadro de intoxicação provocado pelo uso incorreto de medicamento. A automedicação no Brasil não se dá apenas com os chamados medicamentos de venda livre, OTC s (OVER THE COUNTE), mas também, de modo extensivo e intensivo, com os de tarja vermelha e preta.

20 Quando o paciente procura uma orientação farmacêutica, a prática recebe o nome de automedicação responsável. Esta denominação torna-se contraditória, uma vez que o profissional de farmácia tem habilidade e formação que lhe permitem praticar a atenção farmacêutica. Essa é entendida com a provisão responsável da farmacoterapia com o objetivo de alcançar resultados definidos que melhorem a qualidade de vida dos pacientes (ARRAIS, 1997). No tocante à dispensação e administração de medicamentos, é essencial a participação do farmacêutico; em casos de pacientes crônicos, quando existe a necessidade inadiável de medicação e impossibilidade de atendimento médico, o farmacêutico poderá assumir a responsabilidade da decisão de fornecimento de medicamento, sendo a quantidade fornecida apenas suficiente ate a próxima consulta clínica (PAULO; ZANINI, 1988). Quando uma pessoa recebe informação e indicação de um profissional perito em medicamentos, não seria contraditório chamar este serviço prestado pelo farmacêutico de automedicação? Se esse é o profissional que tem os conhecimentos da farmacoterapia e, detendo os conhecimentos patológicos e fisiológicos para males leves, a pratica do aconselhamento da medicação utilizada não deve ser entendido como automedicação, mas sim como indicação farmacêutica (SOARES, 2005). Para Soares (2005) a intensificação da atenção primaria à saúde, com a máxima participação dos farmacêuticos, é um dos focos atual dos lideres em saúde no mundo. O farmacêutico é o profissional que tem como obrigação aconselhar, em uma situação, o meio mais adequado para que o doente se sinta melhor com um tratamento, exigindo deste profissional, conhecimento sobre indicações e contra-indicações, interações e o acompanhamento com o médico. Nesse processo, o farmacêutico deve encaminhar o paciente ao médico, sempre que necessário, atuando com complementaridade (ARRAIS, 1997). Para o Sistema Único de Saúde (SUS), a indicação farmacêutica pode trazer vantagens na orientação sobre medicamentos, ajudando a racionalizar seu uso, evitar erros na terapêutica e diminuir os riscos associados à automedicação, além de melhorar o sistema de saúde como um todo. O consumo indiscriminado, a automedicação e a indicação de remédios por pessoas não capacitadas tecnicamente são um grave problema de saúde publica no Brasil. Profissionais da saúde e responsáveis pela regulamentação da produção e utilização de

21 fármacos estão entre os principais responsáveis por esta influencia negativa relacionada ao uso indevido dessas substâncias, no País (ARAUJO, 2007). Por este motivo, ações mais sérias no controle da legislação, produção, venda e propagandas de medicamentos precisam ser colocadas em prática para que a população não seja afetada por efeitos maléficos ou que deles se tornem vítima. Isso, porque, além do efeito terapêutico, os medicamentos têm o potencial de produzir também efeitos adversos, colaterais e tóxicos (MORAIS, 2001). Certas condições clínicas, no entanto, podem ser previstas e a implementação de medidas simples auxiliariam o profissional da saúde a evitar um efeito deletério provocado pelo medicamento. Entre essas medidas podem ser citadas a avaliação prévia, porém detalhada, das condições fisiológicas e patológicas do paciente, conhecimento profundo do mecanismo de ação e toxicidade dos fármacos, implantação de procedimentos sistemáticos na administração, como, por exemplo, confirmação junto ao prescrito de uma dose supostamente inadequada para o paciente (SOARES, 2005). Os mecanismos de ação tóxica se iniciam, na maioria das vezes, por acúmulo de metabólitos do fármaco em determinados tecidos. Estes metabólitos podem produzir peroxidação lipídica, geração de radicais tóxicos de oxigênio, depleção de glutation e modificação de grupos sulfidrílicos, além de interagirem diretamente com lipídios, proteínas, carboidratos e com o DNA da célula atingida. Devem ser consideradas também as variações biológicas individuais observadas em organismos e populações diferentes (BASS, 2001). No Brasil, onde o acesso à assistência médica pública é difícil e onde há uma grande parcela da sociedade na faixa da pobreza que não tem condições financeiras para pagar um plano de saúde, a prática da automedicação torna-se bastante comum. Mas somente o fator financeiro não basta para explicar a prática da automedicação, fatores como escolaridade, classe social, acesso às informações a respeito dos medicamentos e, principalmente, o fator cultural também entram nesse contexto (CHAVES, 2005). O Brasil assume a quinta posição na listagem mundial de consumo de medicamentos, estando em primeiro lugar em consumo na América Latina e ocupando o nono lugar no mercado mundial em volume financeiro. Tal fato pode está relacionado as 24 mil mortes anuais no Brasil por intoxicação medicamentosa (MORAIS, 2001). A automedicação no Brasil tem-se destacado em decorrência da crise no setor da saúde. Contraditoriamente a automedicação também aumenta o risco das interações

22 medicamentosas, as quais podem reduzir o efeito terapêutico ou aumentar a toxicidade do medicamento, levando a problemas graves de saúde (CAMARGO et.al, 2002). A forte tendência à automedicação, justificada pelas condições sócio-econômicas de grande parte da população, colocam o País ainda na perspectiva da busca de soluções para a precariedade dos órgãos de Vigilância Sanitária em fiscalizar e coibir práticas inescrupulosas, bem como de criar fronteiras efetivas entre os impactos mercadológicos da indústria e a ética necessária à manutenção da saúde pública (FILHO et al, 2002). Para Filho et al. (2002) ressalta que o Brasil está longe de ser um país de primeiro mundo, onde o mesmo é rotulado como país em desenvolvimento, mas teoria à parte, os números mostram a verdadeira realidade e são números alarmantes, quando comparados ao consumo de medicamentos da população de países de primeiro mundo. O alto índice de automedicação da população brasileira também tem forte relação com o mercado ocupado pela indústria farmacêutica, que não mede esforços através das ferramentas de marketing, das propagandas e das drogarias adaptadas a verdadeiros supermercados. Tudo para vender medicamentos e até criar uma cultura desenfreada de consumo excessivo dos mais variados medicamentos. Seria então, o sintoma na cultura. Embora haja medicamentos que podem ser adquiridos sem prescrição médica, as pessoas não devem fazer uso indevido dos mesmos, como ingeri-los na dose e na hora que lhes for conveniente. Partindo do princípio de que nenhuma substância farmacologicamente ativa é inócua ao organismo, a automedicação pode vir a ser prejudicial à saúde individual e coletiva. Os analgésicos, por exemplo, normalmente subestimados pela população no tocante aos riscos inerentes à sua administração, podem gerar seleção de bactérias resistentes, reações de hipersensibilidade, dependência, sangramento digestivo, além de poder aumentar o risco para determinadas neoplasias e ainda mascarar a doença de base que, por sua vez, poderá progredir (ARRAIS et. al., 1997). As instruções sobre como e quando tomar os medicamentos, a duração do tratamento e o objetivo da medicação devem ser explicados pelo médico e pelo farmacêutico a cada paciente. Além disso, o nome do medicamento, a indicação para a qual foi prescrito e a duração da terapia devem ser registradas em cada rótulo, de modo que o medicamento possa ser facilmente identificado em caso de superdosagem. Uma instrução para uso conforme recomendado pode economizar o tempo gasto para redigir as prescrições, mas quase sempre leva a uma falta de aderência, confusão para o paciente e erro de medicação (FILHO, 2002).

23 3. MÉTODOS Foi realizado um estudo prospectivo, onde foram entrevistados alunos do curso de fisioterapia da UNAMA, onde só puderam participar da amostra estudantes da fase inicial (1º e 2º semestres) e final do curso (7º e 8º semestres), sendo assim chamados de iniciantes e formandos respectivamente. Os estudos transversais são feitos para descrever indivíduos de determinada população, com relação às suas características pessoais e de suas histórias de exposição a fatores causais suspeitos em determinado momento (VIEIRA, 2001). Segundo Vieira (2001) a aplicação de questionários é apropriada ao presente trabalho, pois se trata de uma pesquisa efetuada junto aos acadêmicos de Fisioterapia da Universidade da Amazônia UNAMA, para verificar o comportamento desses alunos tanto iniciantes quanto Formandos no que diz respeito à automedicação, portanto os dados só podem ser obtidos por meio de relato através de respostas verbais pelos participantes da pesquisa ou às perguntas feitas pelo pesquisador com o uso de questionário apropriado. A pesquisa inclui a coleta de dados quantitativos, constituindo-se da aplicação de um questionário (Apêndice -02) composto por 17 perguntas, envolvendo variáveis independentes (sexo, idade, plano de saúde) e variáveis dependentes (uso de medicamentos sem prescrição e outros). A aplicação do questionário se deu após aprovação da pesquisa pelo Comitê de Ética e Pesquisa CEP da Universidade da Amazônia UNAMA/PA (Anexo 01), aceite da orientadora (Apêndice 01). Os acadêmicos pesquisados assinaram o TCLE- Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Apêndice 03) 3.1 CRITÉRIOS DE INCLUSÃO. - alunos do curso de Fisioterapia de ambos os sexos; - alunos devidamente matriculados no curso de Fisioterapia Universidade da Amazônia; - alunos do 1º e 2º semestres denominado grupo A e os alunos do 7º e 8º denominado grupo B semestres.

24 3.2 CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO. - alunos de outros cursos que não sejam de Fisioterapia; - alunos de outras Universidades; - alunos do 4º, 5º e 6º semestres; - alunos que não estejam devidamente matriculados na Universidade da Amazônia. 3.3 COLETAS DE DADOS. A aplicação do questionário foi realizada durante o mês de março de 2010, com 100 acadêmicos entrevistados neste período, de ambos os sexos, iniciantes do curso de fisioterapia (1º e 2º semestres), denominados grupo A (n=50), e de alunos formandos (7º e 8º semestres) denominados grupo B(n=50), do curso de fisioterapia da Universidade da Amazônia UNAMA, em Belém do Pará. Os alunos foram abordados formalmente com o consentimento dos mesmos através da assinatura do TCLE, com a apresentação do questionário, a fim de facilitar a comunicação e a obtenção dos dados. Os dados foram coletados pelas acadêmicas responsáveis pelo trabalho. Os dados da pesquisa foram organizados em gráficos e quadros verificando-se o percentual das variáveis. A análise dos dados foi realizada através de uma estatística descritiva para a caracterização da amostra, utilizando os seguintes testes: - testes de hipóteses nos cruzamentos feitos entre a condição do entrevistado (Iniciante ou Formando) e as demais variáveis do questionário, para verificar eventuais diferenças estatísticas entre as freqüências em ambos os grupos, para tal foram elaboradas as seguintes hipóteses ao nível α = 0, 05 ; - testes qui-quadrado e Fischer que são provas não paramétricas muito utilizadas na área das ciências biológicas e médicas, a comparação é efetuada entre os escores observados e esperados. - teste G que se trata de um teste não paramétrico para duas amostras independentes. Semelhante em todos os aspectos ao Qui Quadrado para dados categóricos. Os escores devem ser mensurados a nível nominal ou ordinal e as amostras podem apresentar duas ou mais categorias.

25 3.4 RISCOS E BENEFÍCIOS Riscos: Durante a pesquisa poderá ocorrer exposição de informações relativas ao pesquisado e a emissão de opiniões inadequadas por parte do pesquisador em relação à automedicação Benefícios: A pesquisa tem como benefício informar aos participantes sobre os riscos à saúde do individuo, bem como a importância da orientação quanto ao uso de medicamentos. Para complementar esta etapa serão distribuídos aos participantes folders com conteúdo educativo.

26 4. RESULTADOS. Os resultados desse trabalho foram obtidos após a aplicação de um questionário composto por 17 perguntas aos acadêmicos iniciantes e formandos do curso de fisioterapia. O tamanho amostral foi de 99 acadêmicos sendo utilizadas as informações de todos os pesquisados, dentre os pesquisados dos grupos sendo o grupo A com n=50 e o grupo B com n=49, pois um dos pesquisados do grupo B que inicialmente tinha n=50 teve seus dados retirados da pesquisa porque não estava regularmente matriculado no curso. Foram observadas as respostas com variáveis dependentes e independentes e aplicados os testes descritos anteriormente e realizada análise descritiva conforme tabelas e figuras a seguir. Tabela 1 Estatísticas descritivas da idade dos participantes da pesquisa sobre automedicação em meio a iniciantes e formandos do curso de Fisioterapia em Estatísticas Iniciantes Formandos Média Desvio Padrão Coeficiente de Variação 30.3% 20.8% Moda Mínimo Máximo Fonte: dados dos autores, Análise (Iniciantes): Houve uma média de 20,8 com desvio padrão de 6,3 anos, o coeficiente de variação de 30,3% indica que há uma alta variabilidade, o valor mais freqüente foi de 18 anos (Moda), o mais novo tem 17 e o mais velho tem 52 anos. Análise (Formandos): Houve uma média de 23,1 com desvio padrão de 4,8 anos, o coeficiente de variação de 20,8% indica que há uma média variabilidade, o valor mais freqüente foi de 22 anos (Moda), o mais novo tem 19 e o mais velho tem 51 anos. Tabela 2 Cruzamento entre Condição (Iniciante ou Formando) e Sexo dos participantes da pesquisa sobre automedicação em meio a iniciantes e formandos do curso de Fisioterapia em Condição Sexo F M Total Iniciante Formando Total QQ = 0,333 p valor = 0,7308 (Não Significativo) Fonte: dados dos autores, 2010.

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

AVALIAÇÃO DA AUTOMEDICAÇÃO NA CIDADE DE CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA

AVALIAÇÃO DA AUTOMEDICAÇÃO NA CIDADE DE CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA 4 SEMESTRE DE BIOMEDICINA ALINA CANINDÉ ANA PAULA ARAUJO CLÁUDIA KÁSSIA MARTINS FRANCIELE PIEDADE LUCIANA SILVA RAFAEL COUTINHO TAMILA MUNIZ VERÔNICA ARAUJO AVALIAÇÃO

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / PERFIL DO PACIENTE : Encaminhamento Equipe Alta Hospitalar Busca Ativa Outra Nome: Cartão SUS: Data de nascimento: Idade: Gênero: Masculino Feminino

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

- 7.2 ANEXO B - 7.3 ANEXO C - 7.4 ANEXO D - 1-7.5 ANEXO E

- 7.2 ANEXO B - 7.3 ANEXO C - 7.4 ANEXO D - 1-7.5 ANEXO E 7. ANEXOS 7.1 ANEXO A - Parecer do Comitê de Ética Institucional da UNIFESP 7.2 ANEXO B - Modelo do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido 7.3 ANEXO C - Modelo da Carta de Cessão 7.4 ANEXO D - Modelo

Leia mais

Quais as vantagens do Benefício Farmácia?

Quais as vantagens do Benefício Farmácia? MENSAGEM DA GSAM/AMS Cumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho de 2007/2008, a Petrobras Distribuidora implantou o Benefício Farmácia, que prevê condições especiais na aquisição de medicamentos pelos beneficiários

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Pela equipa da Unidade de Cuidados de Saúde do Centro de Saúde de Torres Vedras (Enfª Patrícia Santos Serrano).

Pela equipa da Unidade de Cuidados de Saúde do Centro de Saúde de Torres Vedras (Enfª Patrícia Santos Serrano). Pela equipa da Unidade de Cuidados de Saúde do Centro de Saúde de Torres Vedras (Enfª Patrícia Santos Serrano). A automedicação é a prática de ingerir medicamentos sem o aconselhamento e/ou acompanhamento

Leia mais

Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde

Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde A falta de consciência da população no uso de diversos medicamentos sem a prescrição médica e os riscos da automedicação à saúde foram os principais

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS

ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS Daniel Martins do Nascimento 2,3 ; Fernando Honorato Nascimento 1,3 ; Leonardo Augusto Barbosa 2,3 ; Murilo

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS DE PESQUISA 1 Folha de Rosto http://portal2.saude.gov.br/sisnep/pesquisador - está folha de rosto deverá ser impressa em 3 vias; deverá ser assinada pelo

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

Oxigenoterapia hiperbárica

Oxigenoterapia hiperbárica Após Preenchimento entregar: Oxigenoterapia hiperbárica ORIGINAL NA ULP; 01 CÓPIA P/ MÉDICO; 01 CÓPIA P/ PACIENTE. CONSENTIMENTO INFORMADO Por este instrumento, eu Sexo: ( ) M ( ) F Data do Nascimento

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal)

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) Dá nova redação ao artigo 15 da Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

Unidade de Pesquisa Clínica

Unidade de Pesquisa Clínica Unidade de Pesquisa Clínica A EQUIVALÊNCIA FARMACÊUTICA NO CONTEXTO DA INTERCAMBIALIDADE ENTRE MEDICAMENTOS GENÉRICOS E DE : BASES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS abril/04 SÍLVIA STORPIRTIS1,2; RAQUEL MARCOLONGO1;

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos Adotado da 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinki, Finlândia, Junho 1964 e emendas da

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 Aprovado na 523ª Reunião Ordinária de Plenário de 26 de agosto de 2013. 1. Do Fato Assunto: Dispensação de medicamentos pelo Técnico de Enfermagem.

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS

LISTA DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS LISTA DE DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS 1. MODELO PARA ELABORAÇÃO DE TERMO DE CONSENTIMENTO

Leia mais

Izabela Vanessa izabela@dsc.ufcg.edu.br

Izabela Vanessa izabela@dsc.ufcg.edu.br Universidade Federal de Campina Grande UFCG Departamento de Sistemas e Computação DSC Ciclo de Seminários Não Técnicos - CSNT izabela@dsc.ufcg.edu.br O que é automedicação? Crescimento da automedicação

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO MÉDICA Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECÉITA MÉDICA CONCEITO Solicitação escrita, com instruções detalhadas, sobre o medicamento a ser dado ao paciente: Quantidade

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS INTRODUÇÃO As informações contidas neste folheto têm a finalidade de orientar as pessoas que passaram ou que podem passar pela experiência não-desejada dos efeitos adversos

Leia mais

Automedicação entre Estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora

Automedicação entre Estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora HU rev, Juiz de Fora, v.32, n.3, p.59-64, jul./set. 2006 Automedicação entre Estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora Self-medication among undergraduates of the School

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NO COMBATE À AUTOMEDICAÇÃO NO BRASIL

A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NO COMBATE À AUTOMEDICAÇÃO NO BRASIL REF - ISSN 1808-0804 Vol. V (1), 67-72, 2008 A IMPORTÂNCIA DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NO COMBATE À AUTOMEDICAÇÃO NO BRASIL The importance of professional pharmacist in fighting in self medication in

Leia mais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais 4 Introdução Este projeto de pesquisa procura levantar dados que mostrem a qualidade de compreensão dos alunos que compõem o Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) sobre questões

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS No Brasil, a venda de medicamentos é feita em estabelecimentos devidamente registrados em órgãos específicos que visam a monitorar a venda correta desses produtos,

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Diretos do paciente:

Diretos do paciente: Diretos do paciente: Criada no sentido de incentivar a humanização do atendimento ao paciente, a Lei 10.241, promulgada pelo governador do Estado de São Paulo, Mário Covas, em 17 de março de 1999, dispõe

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

AVALIAÇÃO TRANSVERSAL DO PERFIL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NÍVEL SUPERIOR PRATICANTES DE AUTOMEDICAÇÃO

AVALIAÇÃO TRANSVERSAL DO PERFIL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NÍVEL SUPERIOR PRATICANTES DE AUTOMEDICAÇÃO AVALIAÇÃO TRANSVERSAL DO PERFIL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NÍVEL SUPERIOR PRATICANTES DE AUTOMEDICAÇÃO MARIA FERNANDA PINHEIRO¹, RENATA NUNES DA SILVA 2, JANAINA BARDUCO GARCIA 3, FRANCISCO SANDRO MENEZES

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 27, de 06 de abril de 2015 D.O.U de 08/04/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

AVALIAÇÃO TRANSVERSAL DO PERFIL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NÍVEL SUPERIOR PRATICANTES DE AUTOMEDICAÇÃO

AVALIAÇÃO TRANSVERSAL DO PERFIL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NÍVEL SUPERIOR PRATICANTES DE AUTOMEDICAÇÃO AVALIAÇÃO TRANSVERSAL DO PERFIL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NÍVEL SUPERIOR PRATICANTES DE AUTOMEDICAÇÃO MARIA FERNANDA PINHEIRO¹, RENATA NUNES DA SILVA 2, JANAINA BARDUCO GARCIA 3, FRANCISCO SANDRO MENEZES

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Após discussões que duraram mais de cinco anos, foi aprovado no âmbito da Comissão Internacional de Saúde

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO:

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: RELATOR: Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte Norma da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, que normatiza e preconiza a obrigatoriedade de

Leia mais

CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO

CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO CAPACIDADE DE UM SERVIÇO DE DISPENSAÇÃO DE UMA FARMÁCIA UNIVERSITÁRIA EM IDENTIFICAR O RISCO DE INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA: RELATO DE CASO Msc. Tatyana Xavier A. M. Ferreira Dispensação [...] ato profissional

Leia mais

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Educação Especial Informe de Assistência Técnica SPED 2009-2: Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Para: Superintendentes, diretores,

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

CONSENTIMENTO INFORMADO Versão #

CONSENTIMENTO INFORMADO Versão # FORMULÁRIO TIPO FOLHA DE INFORMAÇÃO AO PARTICIPANTE /FORMULÁRIO DE CONSENTIMENTO INFORMADO E AUTORIZAÇÃO PARA USO E DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO MÉDICA chilshflsdk. TÍTULO DO ENSAIO CLÍNICO: PROTOCOLO Nº.

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano.

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 4 ANVISA de 10 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Art. 6º O farmacêutico responsável por farmácia homeopática terá auxiliares de sua confiança.

Art. 6º O farmacêutico responsável por farmácia homeopática terá auxiliares de sua confiança. Decreto nº 57.477, de 20 de dezembro de 1965 Dispõe sobre manipulação, receituário, industrialização e venda de produtos utilizados em homeopatia e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando

Leia mais

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO - OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE VASECTOMIA.

-VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO - OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE VASECTOMIA. Após Preenchimento entregar: ORIGINAL NA ULP; 01 CÓPIA P/ HOSPITAL; 01 CÓPIA P/ MÉDICO. -VIA DA UNIMED- CONSENTIMENTO INFORMADO - OBRIGATORIAMENTE NECESSÁRIO PARA CIRURGIA DE VASECTOMIA. DECLARAÇÃO DO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos. BETASERC (dicloridrato de

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica Código: FAR - 106 Pré-requisito: - Período

Leia mais

Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS

Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS Cartilha de Direitos e Deveres dos Usuários das Unidades de Saúde da SMS 1 2 OS USUÁRIOS EM TRATAMENTO NOS HOSPITAIS E POSTOS DE ATENDIMENTO DA REDE MUNICIPAL DEVERÃO TER ASSEGURADO OS SEGUINTES DIREITOS:

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO Jonas Ricardo Munhoz 1 Johnny Trovó Rota 1 Raquel Soares Tasca 2 Marco Antonio Costa 2 Os estudos da utilização

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Betaserc dicloridrato de betaistina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos.

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA UNIARA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA UNIARA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ROTEIRO SUGERIDO PELA RESOLUÇÃO Nº 466/12 O respeito à dignidade humana exige que toda pesquisa se processe após o consentimento livre e esclarecido dos sujeitos, indivíduos ou grupos que por si e/ou por

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

POSTEC. hialuronidase + valerato de betametasona APSEN

POSTEC. hialuronidase + valerato de betametasona APSEN POSTEC hialuronidase + valerato de betametasona APSEN FORMA FARMACÊUTICA Pomada APRESENTAÇÕES Pomada com 2,5 mg de valerato de betametasona e 150 UTR de hialuronidase em bisnaga contendo 10 g e 20 g. USO

Leia mais

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ELIEZER J. BARREIRO NATALIA MEDEIROS DE LIMA MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ISBN 978-85-910137-1-5 INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009 DOS MEDICAMENTOS INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009

Leia mais

A Propaganda de Medicamentos no Brasil

A Propaganda de Medicamentos no Brasil A Propaganda de Medicamentos no Brasil As principais propagandas de medicamentos no Brasil tiveram início ainda na década de 80 do século XIX. Desde então, o que se constatou foi um crescimento contínuo

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais