Aquisição e Avaliação de Dados para Projetos de Geomecânica do Petróleo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aquisição e Avaliação de Dados para Projetos de Geomecânica do Petróleo"

Transcrição

1 Aquisição e Avaliação de Dados para Projetos de Geomecânica do Petróleo Flavia Mara Guzmán Villarroel Geomechanics International/Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro. Ewerton Moreira Pimentel de Araújo Geomechanics International, Houston, Texas, USA. RESUMO: Na indústria do petróleo as atividades são integradas e muitas delas apresentam um alto risco na de execução, especialmente na fase de desenvolvimento e exploração de um campo. Para diminuir o risco que essas atividades apresentam, diversos estudos são realizados para se desenvolver um plano de exploração. Neste trabalho é apresentada a fase inicial de um projeto geomecânico aplicado a campos de petróleo a coleta e avaliação dos dados disponíveis. Essa primeira etapa é muito complicada e de fundamental importância para o sucesso do projeto. Num primeiro instante serão apresentados os tipos de dados/informações requeridos. Em seguida, será mostrado o porquê da necessidade de tal dado (para que ele será utilizado). E por último, exemplos práticos de uma eficiente versus ineficiente aquisição. PALAVRAS-CHAVE: Projeto/Modelo Geomecânico, Avaliação/ Aquisição/ Disponibilidade de Dados, Exploração de Campos de Petróleo. 1 INTRODUÇÃO O primeiro passo antes de começar qualquer estudo geomecânico de um campo de petróleo é a verificação dos dados disponíveis, pois isso irá definir a viabilidade do estudo. Além disso, muitas empresas de consultoria nesta área, fixam o preço do projeto de acordo com a quantidade de dados existentes. Algumas vezes a disponibilidade dos dados depende da existência dos mesmos. Esses dados podem não existir porque testes deixaram de ser realizados, amostras deixaram de ser recolhidas e analisadas ou simplesmente porque é um novo campo que ainda não foi explorado. Uma outra forma de obtenção de dados para um estudo geomecânico é o uso combinado de informações. Para isso, define-se uma região em que supostamente as características não se alteram (onde não hajam, por exemplo, falhas ou fraturas que a cortem) e todos os dados coletados em poços já explorados naquela área são usados para definir um único modelo. Com isso, se algum teste deixou de ser realizado em um poço e o foi em outro, a falta daquele dado não deixará uma lacuna e se o teste foi realizado em vários poços, há mais pontos para a construção do modelo. 2 ANÁLISE DOS DADOS 2.1 Dados das Operações Diárias de Perfuração: Os dados necessários para a construção de um modelo geomecânico normalmente são encontrados nos relatórios ou boletins de perfuração. Entretanto, outros dados devem ser incluídos no sumário, normalmente encontrados em tabelas à parte ou como análises realizadas fora do poço. Como exemplo, está a análise da formação, com os testemunhos que foram coletados em campo. Entre os dados fundamentais para o projeto estão: Peso de fluido de perfuração utilizado e densidade equivalente da lama esta informação é utilizada para correlacionar eventos de estabilidade que podem ter sido causados por uso do fluido fora dos limites da janela de estabilidade. O peso de fluido alto causa fraturas e o baixo breakouts; Profundidade perfurada para referenciar a que profundidades ocorrem os eventos; Data da operação para referenciar com a profundidade perfurada e com os eventos descritos. Também é necessária para saber se o programa está sendo cumprido;

2 Trajetória do poço indica a orientação do poço. Este dado é recolhido em poços desviados e horizontais; Litologia da região para adequar o modelo de acordo com o comportamento das rochas. Além disso, dependendo das características da formação, podem ocorrer mais ou menos problemas de estabilidade; Diâmetro do poço e pontos de assentamento das sapatas de revestimento para determinar as regiões livres de problemas; Diâmetro da broca esta informação é usada juntamente com o caliper para avaliar se ocorreram desmoronamentos ou seções com estreitamento; Dados de FIT s / LOT s/ XLOT s testes de absorção com resultado negativo, positivo e extendido (a injeção continua mesmo depois de alcançada a absorção), respectivamente. Indicam valores da tensão horizontal menor da rocha, que deve ser adotada em projeto. Testes de fraturamento hidráulico e minifracs medem a pressão e a taxa de fluxo versus tempo. Indicam valores da tensão horizontal menor da formação. Dados dos RFT s/ MDT s/ DST s (Reference Formation Test) são dados pontuais que auxiliam na calibração das curvas de poropressão; Dados de testemunhagem, com fotos, descrições, testemunhos e ensaios mecânicos indicam as propriedades químicas e mecânicas das rochas; Relatos de ROP (Rate of Penetration) O aumento ou diminuição brusca da taxa de penetração pode indicar mudança na litologia; Relatos de Sidetracks a necessidade de desvio do poço indica que houveram muitos problemas de estabilidade, não permitindo o prosseguimento da perfuração; Relatos de ocorrência de influxos ou kicks que ocorrem devido à diferença de pressão entre o fluido de perfuração e o fluido no interior da rocha (a); Relatos de ocorrência de perda parcial ou total de circulação também ocorrem pela diferença de pressão entre o furo e a rocha (a); Relatos de ocorrência de cascalhos em grande quantidade podem indicar desmoronamentos ou problemas de instabilidade no interior do furo (b); Relatos de problemas durante a limpeza do poço ou necessidade de limpeza severa a ocorrência destes relatos podem remeter aos problemas anteriores excesso de cascalhos e desmoronamentos (b); Relatos de ocorrência de colunas presas (stuck pipe) ou estreitamento do furo (tight hole) também são indicadores de um poço com problemas de estabilidade (b); Relatos de operações de reaming e backreaming podem remeter a problemas de estreitamento do furo, entretanto, muitas vezes, essas operações podem ser apenas indicativas de operações de prevenção ou de problemas mecânicos (b); Relatos de ocorrência de arraste (drag elevado) - remete a um possível problema de estreitamento de furo (b); Relatos de aumento ou diminuição brusca de torque também remete a um possível problema de estreitamento de furo (b); Necessidade de pesca ou ocorrência de peixe preso a operação de pesca nem sempre significa que o equipamento ficou preso devido a um estreitamento ou desmoronamento, entretanto, esse é um evento que deve ser destacado para que se avalie se foi um problema do equipamento ou de estabilidade da formação (b); A ocorrência desses últimos eventos identificados com (a) e (b), normalmente indicam a ocorrência de uma fratura no poço e de um desmoronamento ou colapso, respectivamente. Como pôde ser observado, para a determinação da tensão horizontal maior não existe um teste que indique valores diretamente. Sendo assim, esta é estimada a partir de correlações com outras informações. 2.2 Dados de Perfil Além dos apresentados acima, outros dados muito importantes para a construção do modelo são as curvas de perfilagem, adquiridas a partir de testes no interior do poço durante a perfuração. Os mais comuns são: Perfil Sônico usado na determinação

3 das propriedades mecânicas e poropressão; Perfil de Densidade usado no cálculo da tensão vertical e poropressão; Perfil de Resistividade indica se o fluido armazenado no interior das formações é óleo, gás ou água; Perfil de Radioatividade (raios gamma) dado complementar na identificação da litologia; Perfil neutrônico usado na determinação da porosidade; Caliper indica as regiões com breakouts e fraturas. A presença de breakouts e fraturas auxiliam na determinação da orientação e magnitude das tensões horizontais, respectivamente. Figura 1. Resumo de Perfuração sem detalhamento 2.3 Dados de Imagem Os dados de imagem podem ser adquiridos em três formas: ótica, eletrônica ou acusticamente. Através da análise dessas imagens, é possível identificar falhas, fraturas, breakouts, camadas estratigráficas e outras ocorrências. 3 COMPARAÇÕES DE CASOS REAIS Nesta seção serão mostrados casos reais em que a coleta ineficiente ou insuficiente dos dados pode alterar o modelo. Também serão mostrados casos em que é possível afirmar que os dados foram coletados erroneamente Comparação dos Relatórios de Perfuração Olhando para as figuras 1 e 2 (abaixo), pode-se claramente observar a diferença entre os dois sumários de perfuração do mesmo poço. O primeiro apresenta apenas a profundidade perfurada por dia, a densidade do fluido de perfuração utilizado, os sidetracks, diâmetro do poço e alguns dos eventos de estabilidade ocorridos durante a perfuração. Provavelmente este foi feito baseado apenas nas descrições de um relatório que não continha grande detalhamento. Figura 2. Resumo de Perfuração com detalhamento A segunda figura é um exemplo de sumário de perfuração completo, contendo, além dos parâmetros do anterior, indicações mais precisas do que ocorreu em cada um dos eventos relatados, como indicação dos pontos de assentamento de sapata, litologia perfurada e valores dos teste de formação. Isto é importante para correlação dos eventos de instabilidade, por exemplo, com a litologia ou com o peso de fluido de perfuração. A terceira figura representa um resumo de perfuração mais usual, onde aparecem menos informações (devido à real dificuldade de aquisição desses dados), porém com os parâmetros bem detalhados.

4 Figura 3. Sumário de Perfuração usual. A partir dos resumos de perfuração é possível calibrar o modelo geomecânico criado, acrescentando a ele os eventos pontuais ocorridos durante a perfuração. Sendo assim, justifica-se a necessidade da maior quantidade de dados possível, pois isso aproximará o modelo da realidade. Figura 4. Curvas de Perfilagem (velocidade, densidade, caliper, raios gamma, litologia, curva de densidade ajustada) Comparação de Dados de Perfil O maior problema relacionado aos perfis é a aquisição dessas curvas para toda a extensão do poço. Observe na figura 4 que a curva de densidade está cortada e não se extende até o topo do poço. Para poder proceder com as análises e desenvolver o modelo geomecânico, um ajuste, a partir da curva da velocidade, foi feito construindo a curva de pseudodensidade Comparação dos Dados de Imagem A coleta de dados de imagem deve ser feita cuidadosamente, para que se tenha uma clara visualização. A figura 5 mostra a aquisição acústica normal interpretada de uma seção de um poço. Como não é possível, fisicamente, que existam 4 picos (figura da direita), percebe-se que houve algum erro ao tentar coletar essa imagem. Possivelmente este erro ocorreu devido a problemas com a ferramenta de aquisição. Figura 5. Dado de aquisição acústica normal breakout. Outros problemas devido a ferramentas descalibradas também são comuns. A figura 6 mostra o mesmo dado de imagem coletado duas vezes e corrigido. Na parte esquerda da figura pode-se observar que aparecem retângulos em que não é possível identificar o que está ocorrendo naquela região/seção. A figura 7 mostra outro caso de aquisição de dados com ferramentas descalibradas. À esquerda a ocorrência de um breakout, que tem por característica o afastamento de 180 graus. À direita, outro caso de breakout, porém com o espaçamento de 130 graus, o que nos mostra claramente que é um problema de calibração, pois o espaçamento que a imagem nos mostra não é possível fisicamente.

5 inadequado para a ferramenta. Por exemplo, a aquisição de dados de imagem só é justificada se estes forem coletados em um ambiente em que a água ou o fluido de perfuração são transparentes, para que a visualização seja possível. Figura 6. Dado de Imagem com má resolução (esquerda) vs. boa resolução (direita) Figura 8. Aquisição de dados incorretamente (esquerda) e corretamente (direita). A figura 9 mostra a má resolução decorrente da imagem captada utilizando-se fluido de perfuração base óleo. Pode-se observar que a imagem fica distorcida e com ruídos. 4 CONCLUSÕES Figura 7. Aquisição de dados com ferramentas descalibradas. A figura 8 mostra mais um caso em que a aquisição de dados está descalibrada. Neste caso, os braços da ferramenta estão atuando de forma independente, ao invés de trabalharem conjuntamente. Isso faz com que ocorra a situação representada na esquerda da figura, com a linha de fratura descontinuada. A obtenção de dados de imagem por qualquer que seja o método, pode ser prejudicada se o fluido de perfuração for O presente trabalho mostrou a importância da coleta e avaliação da qualidade de dados para um projeto de geomecânica do petróleo. Como pôde ser observado, o sucesso de um modelo geomecânico e por conseqüência de um projeto de exploração está diretamente ligado com esta etapa. Entretanto, é importante não apenas uma quantidade massiva de dados, mas também e principalmente que esses apresentem uma boa qualidade a fim de minimizar as incerteza associadas à determinação indireta de eventos ocorridos durante a perfuração e às propriedades das rochas. Sendo assim, vemos também que é importante determinar todos os parâmetros possíveis para selecionar aqueles que farão parte do projeto.

6 Figura 9. Dado de imagem captado utilizando-se fluido de perfuração base óleo. AGRADECIMENTOS Os autores gostariam de registrar os seus agradecimentos ao diretor para a América do Norte e América do Sul, Dr. Chris Ward bem como a toda equipe da Geomechanics International (www.geomi.com) pelo suporte e pela disponibilização dos materiais. REFERÊNCIAS Villarroel, F. (2006) Relatório de Estágio Supervisionado, Departamento de Engenharia Civil, PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ. Wiprut, D. (2006) Oilfield Geomechanics: Application to Drilling, Completions, Reservoir, Production, Geology and Geophisics, Houston, TX, USA. Zoback, M. (2004) Geomechanics Short Course for BHP Billiton in Houston, Houston, TX, USA. Barton, C. (2006) Induced Features Presentation, Palo Alto, CA, USA. Celis, E (2006) Drilling Summaries, Houston, TX, USA.

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Introdução Neste capítulo é apresentado um breve resumo sobre os tópicos envolvidos neste trabalho, com o objetivo de apresentar a metodologia empregada na prática para realizar

Leia mais

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica Resumo Técnico Perfilagem Geofísica PERFILAGEM GEOFÍSICA A perfilagem geofísica é um método de investigação indireta que tem se mostrado muito eficaz na identificação de anomalias petrofísicas e na caracterização

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

PC Prof. Del Gomes. Petrocenter

PC Prof. Del Gomes. Petrocenter Sistema de Movimentação de Cargas SWIVEL elemento que liga as partes girantes às fixas, permitindo livre rotação da coluna; por um tubo na sua lateral (gooseneck) permite a injeção de fluido no interior

Leia mais

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico Wilson Trigueiro de Sousa Carlos Mouallem

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM PETRÓLEO E GÁS PARTE II PRODUÇÃO ONSHORE E OFFSHORE

PÓS GRADUAÇÃO EM PETRÓLEO E GÁS PARTE II PRODUÇÃO ONSHORE E OFFSHORE PÓS GRADUAÇÃO EM PETRÓLEO E GÁS PARTE II PRODUÇÃO ONSHORE E OFFSHORE PERFURAÇÃO BREVE RESUMO A perfuração de um poço de petróleo é realizada através de uma sonda, uma grande estrutura que contém diversos

Leia mais

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO Guillermo Ruperto Martín-Cortés 1,2 ; Fabio José Esper 1,3 ; Jofer Miziara Nogueira 1 ; Francisco Rolando Valenzuela-Díaz 1. 1 PMT-EPUSP - Departamento

Leia mais

Completação Inteligente

Completação Inteligente Petróleo Orientador: Profº Robson Dourado Completação Inteligente Grupo de trabalho: Bruno Luiz Dias dos Santos José Maria Soares Luis Carlos Laranjeira Petroleum - petra = pedra - oleium = óleo Resultado

Leia mais

IMAGENS 3D DE POÇOS PETROLÍFEROS

IMAGENS 3D DE POÇOS PETROLÍFEROS Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

ANÁLISE GEOMECÂNICA APLICADA À ANÁLISE DE ESTABILIDADE DE POÇOS

ANÁLISE GEOMECÂNICA APLICADA À ANÁLISE DE ESTABILIDADE DE POÇOS ANÁLISE GEOMECÂNICA APLICADA À ANÁLISE DE ESTABILIDADE DE POÇOS Marcela Santos Azevedo Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia do Petróleo da Escola Politécnica, Universidade Federal do

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Maio de 2012 Completação Objetivo da Completação Deixar o poço

Leia mais

Investigações Geotécnicas

Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Interpretação de imagens; Métodos geofísicos ou indiretos; Amostragem e ensaios de laboratório; Ensaios de campo. Imagem de satélite simples Argila mole

Leia mais

3 CARACTERIZAÇÃO DO MODELO GEOMECÂNICO E SUA INFLUÊNCIA NA DETERMINAÇÃO DO GRADIENTE DE FRATURA.

3 CARACTERIZAÇÃO DO MODELO GEOMECÂNICO E SUA INFLUÊNCIA NA DETERMINAÇÃO DO GRADIENTE DE FRATURA. 37 3 CARACTERIZAÇÃO DO MODELO GEOMECÂNICO E SUA INFLUÊNCIA NA DETERMINAÇÃO DO GRADIENTE DE FRATURA. 3.1. Caracterização do modelo geomecânico O desenvolvimento de um modelo geomecânico de uma determinada

Leia mais

!!"#$%&'(! ')$'*'+!%!*,-./'*%&'!+!(%*+%#*(! 0+(*(!#!)'12(!#1*,*2!$!*3

!!#$%&'(! ')$'*'+!%!*,-./'*%&'!+!(%*+%#*(! 0+(*(!#!)'12(!#1*,*2!$!*3 !!"#$%&'(! ')$'*'+!%!*,-./'*%&'!+!(%*+%#*(! 0+(*(!#!)'12(!#1*,*2!$!*3!3#!)'120!%+'4$#!'('&-'& ) ' /&'&')*'('*)''4!+'12#!* '4'!+*&'*&'$-* 4!'(* %+!% ( #1 '#5* 6.%* 4$#!* *2!+%'(* #*+!%!+!'+'60*(!) '!'!+'&-'

Leia mais

4. Programa Experimental

4. Programa Experimental 4. Programa Experimental Para a determinação das propriedades de deformabilidade e resistência dos arenitos em estudo a serem utilizados no modelo numérico, foram executados ensaios de compressão simples

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais

Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais OPERAÇÕES ESPECIAIS DE PERFURAÇÃO Disciplina: Engenharia de Poço Professora:

Leia mais

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Sondagens Rotativas, Métodos Semi-Diretos e Métodos Indiretos Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Sondagens Rotativas Quando se atinge material impenetrável à percussão (estrato

Leia mais

ENGENHARIA DE PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO

ENGENHARIA DE PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO ENGENHARIA DE PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO Renato Brandão Mansano Eng. de Petróleo PETROBRAS/UN-ES/ATP-JUB-CHT/IP ENGENHARIA DE PERFURAÇÃO E COMPLETAÇÃO DE POÇOS -Histórico; - Sistemas

Leia mais

TECNOLOGIA DE BROCAS DE PERFURAÇÃO Msc. Rafael Castro PETROBRAS - Engenheiro de Petróleo Pleno UFS (Universidade Federal de Sergipe) Professor Assistente UNICAMP Mestre em Ciências e Engenharia de Petróleo

Leia mais

RAPHAEL N. MOURA SUPERINTENDENTE DE SEGURANÇA OPERACIONAL E MEIO AMBIENTE AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

RAPHAEL N. MOURA SUPERINTENDENTE DE SEGURANÇA OPERACIONAL E MEIO AMBIENTE AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS Processos administrativos relativos aos vazamentos de petróleo no Campo de Frade RAPHAEL N. MOURA SUPERINTENDENTE DE SEGURANÇA OPERACIONAL E MEIO AMBIENTE AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

Leia mais

1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural...

1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural... Dossiê Geoprospectus 2013 2 Índice 1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural... 4.1.1 - Engenharia do Petróleo... 4.1.2 -

Leia mais

SIMULADOR COMPUTACIONAL DE PLANEJAMENTO E PERFURAÇÃO EM TEMPO REAL DE POÇOS VERTICAIS

SIMULADOR COMPUTACIONAL DE PLANEJAMENTO E PERFURAÇÃO EM TEMPO REAL DE POÇOS VERTICAIS SIMULADOR COMPUTACIONAL DE PLANEJAMENTO E PERFURAÇÃO EM TEMPO REAL DE POÇOS VERTICAIS Victor Costa da Silva Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia do Petróleo da Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

Operações - PETRA. Belo Horizonte Julho 2012

Operações - PETRA. Belo Horizonte Julho 2012 Operações - PETRA Belo Horizonte Julho 2012 Petra Bacia do São Francisco 72.000 km2 Programa Exploratório 24 blocos 14 poços iniciados 9 poços concluídos 2 Operação PRINCIPAIS DESAFIOS: Disponibilidade

Leia mais

Completação. Prof. Delmárcio Gomes

Completação. Prof. Delmárcio Gomes Completação Prof. Delmárcio Gomes Ao final desse capítulo, o treinando poderá: Explicar o conceito de completação; Diferenciar os tipos de completação; Identificar as etapas de uma intervenção de completação;

Leia mais

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança?

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Execução de edificações Serviços preliminares Elementos de prospecção geotécnica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE RESERVAS DE ÓLEO E GÁS Aluno: Julia Chueke Rochlin Orientador: Silvio Hamacher Introdução Reservas de óleo e gás são ativos estratégicos não somente para avaliação

Leia mais

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES?

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? Sob a ótica do... Projetista estrutural Consultor de fundações Executor das fundações Equipe de obra Gerenciador da obra Proprietário da obra Empreendedor/investidor Órgãos

Leia mais

EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO- EQUIPAMENTOS UTILIZADOS

EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO- EQUIPAMENTOS UTILIZADOS PROCESSOS INDUSTRIAIS ORGÂNICOS EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO- EQUIPAMENTOS UTILIZADOS PERFURAÇÃO - INTRODUÇÃO A perfuração de um poço de petróleo é realizada através de uma sonda, conforme ilustrado nas figuras

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA 1 ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. OBJETIVOS DA 3. FASES DA 4. MÉTODOS DE PROSPECÇÃO 2 1. Considerações iniciais: As características de um solo não podem ser descobertas apenas pelo

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

Engenharia Diagnóstica

Engenharia Diagnóstica Engenharia Diagnóstica Ensaios Não Destrutivos - END Concreto Armado e Instalações PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Engenharia Diagnóstica

Leia mais

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS Em 2009 a Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), através do Departamento de Segurança e Saúde do Trabalho

Leia mais

Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II

Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Primeiros Resultados com o Piezocone-Torpedo em Terra: Os Ensaios em Sarapuí II Graziella Maria Faquim Jannuzzi

Leia mais

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Etapa de Avaliação: Mapas e Escalas de Trabalho Prospecção com Martelo Investigação em Subsuperfície Fase de exploração reconhecimentos expeditos

Leia mais

2 A Construção de Poços Off Shore

2 A Construção de Poços Off Shore 2 A Construção de Poços Off Shore A área de construção de poços evoluiu significativamente nas últimas décadas, principalmente, em função das dificuldades encontradas na execução de projetos cada vez mais

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html 1 de 5 12/8/2009 11:34 O Que é Geofísica? (* Adaptado por C.A. Bertulani para o projeto de Ensino de Física a Distância) Geofísica é o estudo da Terra usando medidas físicas tomadas na sua superfície.

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes

Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes Modelo de Rateio de Custo Operacional para Perfuratrizes Sarah R. Guazzelli Doutoranda PPGEM - UFRGS Sarah R. Guazzelli, Doutoranda, Departamento de Engenharia de Minas, UFRGS Jair C. Koppe, Professor,

Leia mais

Fundamentos da Perfuração Direcional INTRODUÇÃO

Fundamentos da Perfuração Direcional INTRODUÇÃO Fundamentos da Perfuração Direcional INTRODUÇÃO Um poço é direcional quando o objetivo a atingir não se encontra na mesma vertical da locação da sonda, sendo necessário utilizar técnicas especiais não

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

8º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico

8º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS 8º Relatório Trimestral Monitoramento Sismológico Período: Outubro-Novembro-Dezembro 2010 I. Introdução Seguindo as recomendações especificadas para o monitoramento,

Leia mais

IDENTIFICANDO O COMPORTAMENTO INADEQUADO DOS VAGÕES SOFTWARE ESPECIALISTA PARA AUTOMATIZAÇÃO COMPLETA LYNXRAIL

IDENTIFICANDO O COMPORTAMENTO INADEQUADO DOS VAGÕES SOFTWARE ESPECIALISTA PARA AUTOMATIZAÇÃO COMPLETA LYNXRAIL IDENTIFICANDO O COMPORTAMENTO INADEQUADO DOS VAGÕES SOFTWARE ESPECIALISTA PARA AUTOMATIZAÇÃO COMPLETA LYNXRAIL Kris Kilian MESc, Monica Kilian PhD, Vladimir Mazur PhD Lynxrail, Austrália James Robeda B

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

Ensaio Pressiométrico. Introdução à Geotecnia

Ensaio Pressiométrico. Introdução à Geotecnia Ensaio Pressiométrico Introdução à Geotecnia 2014 Pressiômetro em perfuração PBP - Pressiômetro em perfuração Pressiômetro autoperfurante SPB Pressiômetro autoperfurante PARÂMETROS GEOTÉCNICOS PBP Pressiômetro

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT Rafael Soares da Silva 1 ; Hícaro Hita Souza Rocha 2 ; Gabriel Bessa de Freitas Fuezi Oliva

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO DA APLICABILIDADE DOS MÉTODOS DE GERENCIAMENTO DA PRESSÃO DURANTE A PERFURAÇÃO DE POÇOS

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO DA APLICABILIDADE DOS MÉTODOS DE GERENCIAMENTO DA PRESSÃO DURANTE A PERFURAÇÃO DE POÇOS TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO DA APLICABILIDADE DOS MÉTODOS DE GERENCIAMENTO DA PRESSÃO DURANTE A PERFURAÇÃO DE POÇOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Controle de Processos: Introdução

Controle de Processos: Introdução Controle de Processos: Introdução Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo 1. Panorama da engenharia de controle

Leia mais

Vantagem da Calmena. Experiência global alavancada pelo know-how local. O alcance de uma multinacional com o serviço de uma empresa local.

Vantagem da Calmena. Experiência global alavancada pelo know-how local. O alcance de uma multinacional com o serviço de uma empresa local. Vantagem da Calmena Experiência global alavancada pelo know-how local. As equipes locais oferecem soluções de padrão internacional adaptadas ao seu mercado, otimizando a operação com técnicas de sucesso

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil I Fundações Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Considerações Preliminares Para se optar por uma

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Pós-Graduação Stricto Sensu Pós-Graduação Lato Sensu Extensão Graduação Diagnósticos Tecnológicos Soluções de Problemas Empresariais

Leia mais

ESTIMATIVA DA EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE CASCALHOS DURANTE A PERFURAÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO ATRAVÉS DE CORRELAÇÕES MATEMÁTICAS

ESTIMATIVA DA EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE CASCALHOS DURANTE A PERFURAÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO ATRAVÉS DE CORRELAÇÕES MATEMÁTICAS ESTIMATIVA DA EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE CASCALHOS DURANTE A PERFURAÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO ATRAVÉS DE CORRELAÇÕES MATEMÁTICAS Galileu Genesis Pereira de Sousa 1, Álvaro Plínio Gouveia Cabral 1, Felipe

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Engenharia de Diagnóstico A engenharia Diagnóstica é a disciplina da ciência que procura a natureza e a causa das anomalias patológicas das construções, com

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório

2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório 39 2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório 2.1 Introdução Apresenta-se neste capítulo uma breve análise dos princípios básicos do

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica 2.1 Perfuração de Poços A técnica de perfuração de poços já era utilizada desde o período de 1120 a 250 a.c. na China, onde a extração de água, sal e gás ocorria através do sistema

Leia mais

ANEXO II DO REGULAMENTO TÉCNICO 001/08 -RELATÓRIO DE TESTES DE BOMBEAMENTO-

ANEXO II DO REGULAMENTO TÉCNICO 001/08 -RELATÓRIO DE TESTES DE BOMBEAMENTO- ANEXO II DO REGULAMENTO TÉCNICO 001/08 -RELATÓRIO DE TESTES DE BOMBEAMENTO- Secretaria de Recursos Hídricos 1) IDENTIFICAÇÃO Folha 01/15 Processo N o : 1.1) CONTRATANTE: Nome Completo : CPF / CNPJ: ; CPF

Leia mais

2. Produção de sólidos em poços de petróleo

2. Produção de sólidos em poços de petróleo 2. Produção de sólidos em poços de petróleo A produção de partículas sólidas, em poços de petróleo produtores, durante a extração de fluídos em um campo de petróleo é denominada produção de areia ou produção

Leia mais

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios A investigação do subsolo constitui requisito essencial para

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS IN-08/94 Instrução

Leia mais

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades.

Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. CAPÍTULO 3 MÉTODOS DE ELEVAÇÃO ARTIFICIAL DE PETRÓLEO. Neste capítulo abordaremos alguns métodos de elevação artificial de petróleo, seu funcionamento, suas características e suas propriedades. BOMBEIO

Leia mais

Estrutura da Indústria do

Estrutura da Indústria do Estrutura da Indústria do Petróleo e Gás Professora Elaine Ribeiro EMENTA Noções de exploração e produção de petróleo e gás natural. PETRÓLEO EXPLORAÇÃO Art. 6º - lei 9478 de 1997 XV - Pesquisa ou Exploração:

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

MORALIZAÇÃO NA EXECUÇÃO DE FUROS DE PESQUISA E EVENTUAL CAPTAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA E MÉTODOS DE PERFURAÇÃO UTILIZADOS NA SUA REALIZAÇÃO

MORALIZAÇÃO NA EXECUÇÃO DE FUROS DE PESQUISA E EVENTUAL CAPTAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA E MÉTODOS DE PERFURAÇÃO UTILIZADOS NA SUA REALIZAÇÃO MORALIZAÇÃO NA EXECUÇÃO DE FUROS DE PESQUISA E EVENTUAL CAPTAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA E MÉTODOS DE PERFURAÇÃO UTILIZADOS NA SUA REALIZAÇÃO José QUITÉRIO COSTA (1) RESUMO No presente tema propõem-se normas

Leia mais

BANCO DE DADOS DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO. Sérgio Possato Superintendente de Gestão de Informações e Dados Técnicos

BANCO DE DADOS DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO. Sérgio Possato Superintendente de Gestão de Informações e Dados Técnicos BANCO DE DADOS DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO Sérgio Possato Superintendente de Gestão de Informações e Dados Técnicos Dados coletados pela Petrobras durante o monopólio: 988.366 km Sísmica 2D 19.176 Poços 28.482

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

a) I b) II c) III d) IV e) V

a) I b) II c) III d) IV e) V 1. (Cesgranrio 1991) Sobre uma lente semiesférica de vidro incide um raio de luz, cuja direção é paralela ao eixo óptico da lente. Qual dos raios (I, II, III, IV ou V) indicados na figura a seguir que

Leia mais

PERFURAÇÃO DIRECIONAL DE POÇOS DE PETRÓLEO MÉTODOS DE DEFLEXÃO E ACOMPANHAMENTO DIRECIONAL

PERFURAÇÃO DIRECIONAL DE POÇOS DE PETRÓLEO MÉTODOS DE DEFLEXÃO E ACOMPANHAMENTO DIRECIONAL PERFURAÇÃO DIRECIONAL DE POÇOS DE PETRÓLEO MÉTODOS DE DEFLEXÃO E ACOMPANHAMENTO DIRECIONAL Fellipe Bruno Barbosa Bandeira¹ ; Gheorgia Victoria de Medeiros Silva 2 1 Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO O escoamento das plataformas é feito através de dutos que podem ser denominados dutos rígidos ou dutos flexíveis, de acordo com o material de que são constituidos.

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SERVIÇOS GEOTÉCNICOS ADICIONAIS SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO 2.1 - CORTES 2.2 - ATERROS 2.3 - OBRAS DE

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FCT Engenharia do Ambiente, 4º ano. SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FCT Engenharia do Ambiente, 4º ano. SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO Exercício para a componente prática Formato: Relatório técnico É obrigatória a entrega em formato digital de todos os ficheiros usados nas simulações. Data limite para entrega

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS. 4º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico. Período: Outubro a Dezembro

Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS. 4º Relatório Trimestral. Monitoramento Sismológico. Período: Outubro a Dezembro Monitoramento Sismológico da UHE São José, RS 4º Relatório Trimestral Monitoramento Sismológico Período: Outubro a Dezembro 2009 I. Introdução Seguindo as recomendações especificadas para o monitoramento,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉRMICA DE ISOLAMENTOS EM AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO

Leia mais

Conceitos de Confiabilidade Características da Distribuição Weibull

Conceitos de Confiabilidade Características da Distribuição Weibull Página 1 de 7 WebSite Softwares Treinamentos Consultorias Recursos ReliaSoft Empresa ReliaSoft > Reliability Hotwire > Edição 3 > Conceitos Básicos de Confiabilidade Reliability HotWire Edição 3, Maio

Leia mais

Avaliação da Formação

Avaliação da Formação Avaliação da Formação 01. Conceito Estudos e Atividades que visam avaliar qualitativamente e quantitativamente o potencial uma jazida petrolífera, ou seja, a sua capacidade produtiva e a valoração das

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação PCC-2435 ecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES AULAS 5 e 6 DEPARAMENO DE ENGENHARIA DE CONSRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - ecnologia da Construção de Edifícios I Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M.

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Estudo da utilização de softwares alternativos para visualização e modelagem de poços petrolíferos. AUTORES:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E DE PETRÓLEO CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E DE PETRÓLEO CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E DE PETRÓLEO CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO O CONCEITO DE ENERGIA MECÂNICA ESPECÍFICA E SUAS APLICAÇÕES NA PERFURAÇÃO

Leia mais

PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA A PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA define-se como: Um conjunto de operações com vista a averiguar a constituição, características mecânicas e outras propriedades do solo e do substrato do ou

Leia mais

Sistema LC/MS Agilent 6490 Triplo Quadrupolo com tecnologia ifunnel. Desempenho quantitativo ultra sensível. 5990-6301PTBR-hi 1 27/01/11 15.

Sistema LC/MS Agilent 6490 Triplo Quadrupolo com tecnologia ifunnel. Desempenho quantitativo ultra sensível. 5990-6301PTBR-hi 1 27/01/11 15. Sistema LC/MS Agilent 6490 Triplo Quadrupolo com tecnologia ifunnel Desempenho quantitativo ultra sensível 5990-6301PTBR-hi 1 27/01/11 15.43 Desempenho quantitativo sem comparações para as análises mais

Leia mais