DESENVOLVIMENTO NO CDTN DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE PASTILHAS COMBUSTÍVEIS. Ricardo Alberto Neto Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO NO CDTN DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE PASTILHAS COMBUSTÍVEIS. Ricardo Alberto Neto Ferreira"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO NO CDTN DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE PASTILHAS COMBUSTÍVEIS Ricardo Alberto Neto Ferreira Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear Comissão Nacional de Energia Nuclear Cidade Universitária - Pampulha Caixa Postal Fone: ( 031 ) Fax: (031) CEP Belo Horizonte - Minas Gerais Brasil RESUMO É apresentado o desenvolvimento de um projeto de equipamento para fabricação de pastilhas combustíveis, com o objetivo de dominar-se esta etapa do ciclo do combustível no CDTN. O sistema projetado é hidráulico, possui punção inferior fixo, com matriz de compactação flutuante para se obter duplo efeito, lubrificação automática das paredes da matriz, e alcançou repetitividade da ordem de 0,01 g/cm 3 com respeito a densidade das pastilhas. Um total de seis varetas combustíveis para testes de irradiação foram fabricadas através deste processo, no contexto do PROGRAMA CONJUNTO DE IRRADIAÇÃO NUCLEBRÁS/KWU/KFA. O processo possibilitou também o desenvolvimento dos combustíveis de óxido misto de Tório e Urânio, e de Tório e Cério, com o Cério simulando o Plutônio, no contexto do PROGRAMA PARA UTILIZAÇÃO DO TÓRIO EM REATORES A ÁGUA PRESSURIZADA, realizado em parceria com a KWU / SIEMENS, a NUKEM e o KFA. Além da utilização básica, que é possibilitar a pesquisa e o desenvolvimento de novos combustíveis, este processo tem servido também para viabilizar inúmeros trabalhos de tese e de iniciação científica, em apoio a diversos departamentos da Universidade Federal de Minas Gerais e para a realização de diversos outros trabalhos do próprio CDTN na área de cerâmica avançada. Palavras-chave: pastilhas combustíveis, processo de fabricação, transferência de tecnologia. I. INTRODUCÃO Com a finalidade de possibilitar no CDTN o domínio da etapa do ciclo do combustível em que são fabricadas as pastilhas, desenvolveu-se uma tecnologia própria de modo a alcançar maior grau de independência nesta área, resultando na implantação do Laboratório de Peletização [1,2,3,4,5,6]. Além disto foi também possível, através de Missão no Centro de Pesquisas da Kraftwerk Union/Siemens em Erlangen, e na Firma Hobeg GmbH do Grupo Nukem em Hanau (Alemanha), a absorção, transferência, e implantação no CDTN de diversos métodos de fabricação e de caracterização / controle da qualidade de combustíveis nucleares, e do Processo Sol-Gel desenvolvido pela Nukem para fabricação de microesferas combustíveis para reatores a alta temperatura refrigerados a gás [7,8]. II. PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE PASTILHAS COMBUSTÍVEIS Prensagem. Baseando-se em bibliografias a respeito dos diversos processos existentes, principalmente o alemão, e especialmente no Relatório de Missão do Dr. A.J.A. Buschinelli [9], projetou-se um sistema para compactação para ser acoplado a um modelo especial de prensa hidráulica fabricada sob encomenda e obtida através de modificações em um modelo standard de prensa tipo C, mostrada na Fig. 1. A Firma Ângelo Ciola & Filhos de São Paulo-S.P. se dispôs a modificar o seu modelo standard, tendo cumprido todas as especificações. Desenvolveu-se nas Oficinas do CDTN os processos de fabricação dos componentes do sistema, resultando no equipamento mostrado na Fig. 2. Possui punção inferior fixo, mas sendo flutuante a matriz de

2 compactação, consegue-se o chamado duplo efeito, isto é, graus idênticos de compactação, tanto na região superior, quanto na região inferior da pastilha, evitando-se assim que as pastilhas fiquem cônicas após a sinterização. Em outras palavras, consegue-se obter simetria no gradiente de densidade ao longo da pastilha (ver Fig. 3). Figura 3 - Ciclo de Operação da Prensa de Fabricação de Pastilhas Combustíveis. Figura 1 - Modelo Standard de Prensa Hidráulica Tipo C. Figura 2 - Modelo Especial de Prensa Hidráulica Tipo C para Fabricação de Pastilhas Combustíveis. Para evitar o fenômeno de laminação na extração das pastilhas de dentro da matriz de compactação, o equipamento possibilita que a extração seja feita com a pastilha submetida a uma carga reduzida, ajustável na faixa de 100 a 200 Kgf/cm.2. A lubrificação da matriz é feita automaticamente pelo punção inferior através do qual é injetado óleo fornecido por um recipiente pressurizado com ar comprimido, com a quantidade de óleo sendo ajustada em uma válvula agulha. O óleo é liberado por uma válvula solenóide que se abre durante o percurso da matriz de volta para a sua posição de carregamento, resultando numa fina camada de óleo ao longo de sua parede. Esta é de metal duro, fabricada com uma liga de carbeto de tungstênio com 6% de cobalto, com elevada resistência ao desgaste e possuindo grau de acabamento lapidado com rugosidade média Ra melhor que 0,01 µm. Utilizou-se uma matriz alemã, porém posteriormente a Firma Servin Sieber de Mauá-S.P. foi considerada qualificada, tendo fornecido para isto uma matriz que satisfez todas as especificações (dureza, dimensões e acabamento). Para viabilizar a produção de pastilhas de UO 2 com concavidades basais ( Dishings ) e chanfros, destinadas a testes de irradiação no Kernforschungsanlage-KFA de Jülich ( ver figura 4 ), foram usinadas as faces de um par de punções através de eletroerosão, pela Firma Minas Matrizes de Contagem-M.G., ficando a mesma qualificada para este tipo de usinagem de precisão [10,11,12]. Um total de seis varetas combustíveis para testes de irradiação no Reator do KFA foram fabricadas através deste processo,

3 titanato de bário, ligas de ferro/cobalto/nióbio com alta permeabilidade magnética, supercondutores, pastilhas termoluminescentes de fluoreto de lítio para dosímetros, entre outras), bem como em convênios de cooperação mútua na área de combustíveis nucleares, por exemplo, com a Universidade Federal de Ouro Preto, com o IPEN (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares de São Paulo) e com o Centro Experimental Aramar do Ministério da Marinha. O processo apresentou, relativamente à densidade das pastilhas, uma elevada repetitividade, da ordem de um centésimo de grama por centímetro cúbico ( 0,01 g/cm 3 ), suficiente para cumprir a especificação do combustível que tolera uma flutuação de até ± 0,05 g/cm 3. Figura 4 - Pastilhas de UO 2 para o Programa de Irradiação. Sinterização. Para a sinterização das pastilhas [6] projetouse o forno tubular mostrado na Fig. 6. no contexto do PROGRAMA CONJUNTO DE IRRADIAÇÃO NUCLEBRÁS/KWU/KFA. Testou-se a influência de teores maiores de adição de U 3 O 8 ( urânio reciclado de pastilhas sucateadas ), e de urânio recuperado de lama de retífica nas densidades das pastilhas, com os resultados apresentados na Fig. 5. Figura 6 - Forno para Sinterização de Pastilhas Combustíveis. Figura 5 - Influência de Diferentes Teores de Adição de U 3 O 8 nas Densidades das Pastilhas de UO 2 Fabricadas para o Programa de Irradiação. O processo possibilitou também o desenvolvimento dos combustíveis de óxido misto de Tório e Urânio, e de Tório e Cério, com o Cério simulando o Plutônio, no contexto do PROGRAMA PARA UTILIZAÇÃO DO TÓRIO EM REATORES A ÁGUA PRESSURIZADA [13-19], programa este realizado em parceria com a KWU/SIEMENS, a NUKEM e o KFA, de 1979 a Além da utilização básica, que é possibilitar a pesquisa e o desenvolvimento de novos combustíveis, este processo tem servido também para viabilizar inúmeros trabalhos de tese e de iniciação científica, em apoio a diversos departamentos da Universidade Federal de Minas Gerais ( Depto. de Engenharia Nuclear, Depto. de Engenharia Metalúrgica, Depto. de Física, Depto. de Química, Depto. de Engenharia Mecânica). Tem sido utilizado também para a realização de diversos outros trabalhos do próprio CDTN na área de cerâmica avançada ( pastilhas isolantes de alumina, pastilhas piezoelétricas de O projeto do forno baseou-se em informações fornecidas pelo Laboratório de UO 2 da KWU/SIEMENS a respeito de um modelo fabricado pela Leybold Heraeus, e que forneceu também o elemento de aquecimento de Molibdênio. O forno posibilita alcançar temperaturas de até o C, em atmosfera de Hidrogênio e possui capacidade para sinterizar até 100 pastilhas por corrida. É possível também operar ao ar ou outras atmosferas oxidantes. A unidade possui uma linha extra de gás Hidrogênio puro e seco para proteção da resistência de Molibdênio contra oxidação. O controle da temperatura é realizado através de termopar de Tungstênio / Rênio e um controlador fornecido pela Firma Analógica - Belo Horizonte. As sinterizações são realizadas normalmente por duas horas a 1750 o C e com uma taxa de aquecimento de 10 o C/minuto. Uma segunda unidade foi posteriormente construída e fornecida ao Laboratório de Materiais do Centro Experimental Aramar do Ministério da Marinha, dentro de um contexto de cooperação com aquele Centro de Pesquisas. Retificação. Para a retificação das pastilhas, adquiriu-se um modelo especial de Retífica Centerless, fornecida pela Firma Boneli de Piracicaba-S.P. e mostrada na Fig. 7. Ao invés de rebolo de carbeto de silício, empregou-se rebolo de corte

4 diamantado fornecido pela Firma Winter do Brasil/S.P, que possibilita alcançar acabamento superficial dentro do especificado para a pastilha. A flutuação máxima observada nos diâmetros das pastilhas retificadas foi de apenas 1µm, bem menor que a tolerância permitida pela especificação que é de ±10 µm. Figura 7 - Modelo Especial de Retífica Centerless para Retificação de Pastilhas Combustíveis. Figura 8 - Instalação para Fabricação de Microesferas Combustíveis pelo Processo Sol-Gel. III. ABSORÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA Processo Sol-Gel. Um período de três meses na HOBEG- Hoch Temperatur Brennelement Geselschaft, Firma pertencente ao GRUPO NUKEM e situada em Hanau (RFA), foram suficientes para absorver e transferir o Processo Sol- Gel, originariamente desenvolvido para fabricar combustíveis para Reatores a Alta Temperatura Refrigerados a Gás (óxidos, carbetos e oxi-carbetos de urânio, óxido de tório, e mistos). Foi fornecida uma instalação completa ao CDTN (ver Fig. 8), e o processo foi utilizado no âmbito do referido Programa do Tório, para produção de microesferas de óxido misto de tório e urânio destinadas a fabricação de pastilhas para utilização em Reatores a Água Pressurizada, prensando-se as microesferas da mesma forma que se faz com o pó de dióxido de urânio ( ver Fig. 9). Figura 9 - Pastilhas de Óxido Misto de Tório e Urânio (Th,5%U)O 2. Fabricação e Controle da Qualidade de Combustíveis Nucleares. Um período de dez meses no Laboratório de UO 2 do Centro de Pesquisas da Kraftwerk Union / Siemens em Erlangen (RFA), possibilitou a absorção e transferência de técnicas de fabricação e de vários métodos de

5 caracterização, utilizados na Fabricação e no Controle da Qualidade de Combustíveis Nucleares [7,8,18-20] : Densidade e Porosidade Aberta de Pastilhas Método de Penetração e Imersão em Xilol (ver Fig. 10 ). Superfície Específica de Pós, Microesferas e Pastilhas : Método BET [21] (ver Fig. 11). Estequeometria (relação O/U) de Pastilhas: Método Gravimétrico. Teores de Fluor e Cloro em Pastilhas: Pirohidrólise. Distribuição de Tamanhos de Grãos e de Poros em Pastilhas: Método Saltykov. Densidade de Pastilhas Determinada Geometricamemte. Condutividade Térmica de Pastilhas: Método Flash Laser (em fase de implantação). combustíveis nucleares, bem como em trabalhos de cooperação mútua com outros centros de pesquisas e universidades. O autor pretende através desta divulgação, que esta tecnologia possa eventualmente beneficiar outros Centros de Pesquisa e a Fabrica de Elementos Combustíveis da INB em Rezende, através de trabalhos de cooperação. REFERÊNCIAS [1] Ferreira, R. A. N., Projeto de Sistema para Compactação de Pastilhas Combustíveis, Nota Técnica DITCO.PD.004/79. Nuclebrás - CDTN [2] Ferreira, R. A. N., Detalhamento Técnico Final junto à Firma Fabricante de Prensa para Produção de Pastilhas Combustíveis, NotaTécnicaDITCO.PD.005/79. Nuclebrás - CDTN [3] Ferreira, R. A. N., Relatório sobre Contatos Técnicos em São Paulo com Firmas Fabricantes de Prensas Hidráulicas, Nota Técnica DITCO.PD.003/79. Nuclebrás - CDTN [4] Ferrreira, R. A. N., Implantação no CDTN do Processo Sol-Gel da Firma Nukem e do Setor de Peletização - Relatório de Atividades - Período , Nota Técnica DETS.PD.011/82. - Nuclebrás - CDTN Figura 10 - Sistema para Impregnação com Xylol para Medição de Densidade e Porosidade Aberta. [5] Ferreira, R. A. N., Tampas e Conexões para o Forno de Sinterização de Pastilhas Combustíveis, Nota Técnica DETS.PD.013/82. Nuclebrás - CDTN [6] Ferreira, R. A. N.; Miranda, O. - Projeto de Forno para Sinterização de Pastilhas Combustíveis, Nota Técnica DETS.CN.013/86. Nuclebrás - CDTN [7] Ferreira, R. A. N., Relatórios de Missão do Engenheiro Ricardo Alberto Neto Ferreira na Alemanha, Período Set./79-Set/80. Relatórios de Missão DETS.PD.01/80-02/80-03/80-04/80-05/80. Nuclebrás CDTN [8] Ferreira, R. A. N., Relatório de Missão do Engenheiro Ricardo Alberto Neto Ferreira na Alemanha - Relatório Final, Relatório de Missão DETS.PD.06/80. Nuclebrás - CDTN Figura 11 - Sistema Automático para Medição de Superfície Específica pelo Método BET, Desenvolvido no CDTN. IV. CONCLUSÃO A Tecnologia para Fabricação de Pastilhas Combustíveis desenvolvida no CDTN pode ser considerada como consolidada. Tem sido utilizada também para inúmeras outras finalidades, além do desenvolvimento de novos [9] Buschnelli, A. J. A., Relatório Técnico de Treinamento nas Companhias KWU e RBU, R.F.da Alemanha, Nota Técnica PEC/PFR 018/75. Companhia Brasileira de Tecnologia Nuclear. Diretoria de Tecnologia e Desenvolvimento. 24/11/75. [10] Ferreira, R. A. N., Fabricação de Pastilhas de UO 2 para o Programa Conjunto de Irradiação NUCLEBRÁS/KWU/KFA - 1 a Parte, Nota Técnica DETS.PD.027/83. Nuclebrás - CDTN

6 [11] Ferreira, R. A. N., Pastilhas Combustíveis para o Programa Conjunto de Irradiação NUCLEBRÁS / KWU / KFA - Relatório de Fabricação - 2 a Parte, Nota Técnica DETS.PD.010/84. Nuclebrás - CDTN [12] Cardoso, P. E., Ferreira, R. A. N., Selagem TIG de Varetas Combustíveis em Alta Pressão de Hélio, II Congresso Latino-Americano e III Encontro Nacional de Tecnologia de Soldagem. Florianópolis - S.C [13] NUCLEBRÁS/CDTN, KWU/ SIEMENS, NUKEM, KFA, Program of Research and Development on Thorium Utilization in PWRs - Final Report ( ). [14] Peehs, M.; Dörr, W.O.; Maly, V.; Hrovat, H.; Ferreira, R. A. N., Lameiras, F. S.; Cardoso, P. E., Development of a Pelletized (Th,U)O 2 Fuel for LWR-Application, IAEA Advisory Group Meeting on Advance Fuel Technology and Performance. IAEA - TEC DOC 352. Wuerenling - Switzerland [15] Cardoso, P. E.; Ferreira, R. A. N.; Ferraz, W. B.; Lameiras, F. S.; Assis, G., Development of Alternative Fuel for Pressurized Water Reactors, III Congresso Brasileiro de Energia. Rio de Janeiro - R.J. - Out [16] Cardoso, P. E.; Ferraz, W. B., Lameiras, F.S, Santos, A. M. M.; Ferreira, R. A. N., Desenvolvimento do Combustível de Óxido Misto (Th,U)O 2 para Centrais Nucleares do Tipo PWR, 37 a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Belo Horizonte - M. G.- 10 a 17 de Julho de Cerâmica. Associação Brasileira de Cerâmica. Blumenau - S.C a 23 de maio de ABSTRACT With the objective to dominate at CDTN the fuel cycle step, in which fuel pellets are manufatured, an equipment was designed. The equipment system is hydraulic having a fixed lower punch, a floating compactation die in order to obtain double effect and die walls automatic lubrication. This system showed high reproducibility of 0.01 g/cm 3 in relation to pellet density. A total of six fuel rods for irradiation tests were manufacturated with this process in the scope of the NUCLEBRÁS / KWU / KFA IRRADIATION PROGRAM. Through this process it was also possible to develop the Thorium Uranium and Thorium Cerium mixed oxide fuels, with the Cerium simulating the Plutonium, in the scope of the PROGRAM OF RESEARCH AND DEVELOPMENT ON THE THORIUM UTILIZATION IN PWR s realized in cooperation with the KWU/SIEMENS, NUKEM and KFA. Besides the basic utilization, research and development of new fuels at CDTN, several thesis and undergraduation projects, in cooperation with many departments of the Federal University of Minas Gerais, as well many other works at CDTN in the advanced ceramic area, were carried out. Key words: fuel pellets, manufacturing process, technology transfer. [17] Peehs, M.(KWU); Cardoso, P. E., Lameiras, F. S., Ferreira, R. A. N. (CDTN), Verifizierung der Moglichkeit zur Mikrostruktureinstellung von (Th,U)O 2 Pellets ex-sol- Gel-Partikeln mit Ruβzusatz, Kraftwerk Union - Erlangen - 11/12/1981. [18] Ferreira, R. A. N.; Dörr, W. O., Preβ und Sinterverhalten von (Th,5%U)O 2 ex-gel-brennstoff, Arbeitsbericht B22/76/80. Kraftwerk Union - Erlangen - RFA - l980. [19] Ferreira, R.A.N., Charakteriesierungs-methoden und Ergebnisse für (Th,U)O 2 ex-gel-kerne, Grünlinge und Pellets - Teil l, Arbeitsbericht B 22/33/80. Kraftwerk Union - Erlangen - RFA - l980. [20] Santos, A. M. M.; Avelar, M. M.; Palmieri, H. E. L.; Lameiras, F. S.; Ferreira, R. A. N., Caracterização Física e Química do Combustível Nuclear de Óxido Misto (Th,U)O 2, I Congresso Geral de Energia Nuclear. Rio de Janeiro -R.J. - 17a 20 de Março de [21] Ferreira, R. A. N.; Miranda, O., Reis, S. C., Mansur, T. R.; Alencar, D. A.; Terra, J.L.; Lameiras, F. S., Desenvolvimento de um Equipamento para Medição de Superfície Específica, 34 0 Congresso Brasileiro de

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE DIÓXIDO DE URÂNIO PELO MÉTODO FLASH LASER DE 23 ºC A 175 ºC

CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE DIÓXIDO DE URÂNIO PELO MÉTODO FLASH LASER DE 23 ºC A 175 ºC CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE DIÓXIDO DE URÂNIO PELO MÉTODO FLASH LASER DE 23 ºC A 175 ºC Faêda, K. C. M. (1); Lameiras, F. S. (1,2); Carneiro, L. S. S. (1); Camarano, D. M. (1,3); Ferreira, R. A. N. (1) 1

Leia mais

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro O desenvolvimento de peças e componentes mecânicos através da metalurgia do pó vem sendo crescentemente utilizado. Destes materiais, o

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 O MERCADO DA METALURGIA DO PÓ Ligas de Ferro com grande precisão e elevada qualidade estrutural Materiais de difícil processamento, com alta densidade e microestrutura

Leia mais

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG

I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG I SENCIR SEMANA DE ENGENHARIA NUCLEAR E CIÊNCIAS DAS RADIAÇÕES ESCOLA DE ENGENHARIA UFMG Belo Horizonte, 29-31 de Maio de 2012 TECNOLOGIA DOS REATORES NUCLEARES DE POTÊNCIA E DE PESQUISA Dr. Clarysson

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES 1 FERRITES Os ferrites são produzidos com óxido de ferro, cobalto, níquel, manganês e zinco. Após misturados são prensados de acordo com o perfil desejado. É sinterizado

Leia mais

Processo de Fabricação I. Metalurgia do Pó. Prof.: João Carlos Segatto Simões

Processo de Fabricação I. Metalurgia do Pó. Prof.: João Carlos Segatto Simões Processo de Fabricação I Metalurgia do Pó Prof.: João Carlos Segatto Simões Introdução 6000 anos a.c: armas, lanças e ferramentas produzidas a partir de aglomerados de ferro Século XIX: primeiros passos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS

ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS ASPECTOS GERAIS DA ENERGIA NUCLEAR E A ESTRUTURA DO SETOR NUCLEAR NO PAÍS Apresentação no Senado Federal Aquilino Senra COPPE/UFRJ 23/03/2011 AS PRINCIPAIS ÁREAS DA ENGENHARIA NUCLEAR TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE)

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE) Com o emprego de novas tecnologias e surgimento de novos materiais e equipamentos modernos, pode-se afirmar que a utilização de rebolos resinóides tornou-se indispensável nas operações de retificação e

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Reatores Nucleares - Conceitos

Reatores Nucleares - Conceitos Reatores Nucleares - Conceitos Observa-se na mídia, em decorrência do acidente nas usinas nucleares do Japão, um grande interesse sobre os reatores nucleares, o acompanhamento das causas do acidente, sua

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG PVA com PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante Prensagem de Al 2 O 3 : ligante + plastificante PVA + PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante

Leia mais

HYDRAULIC PRESSES OMECO INDÚSTRIA & COMÉRCIO DE MÁQUINAS LTDA

HYDRAULIC PRESSES OMECO INDÚSTRIA & COMÉRCIO DE MÁQUINAS LTDA HYDRAULIC PRESSES OMECO INDÚSTRIA & COMÉRCIO DE MÁQUINAS LTDA Avenida das Indústrias, 2450 - CIC CEP 81.310-060 - Curitiba - Paraná - Brazil Fone: (41) 3316 7100 Fax: (41) 3316 7103 omeco@omeco.com.br

Leia mais

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG II INOVAMIN Experiência da em Subvenção Econômica Plano Introdução Projeto de Subvenção Econômica Aspectos positivos, dificuldades, sugestões Red, Orange and Green Tecnologias Ambientais Pequena empresa

Leia mais

Qualidade em Abrasivos. Novo. VSM CERAMICS Produtos de Alta Tecnologia Grão Cerâmico Auto Afiante. Especiais. Produtos. Aplicações

Qualidade em Abrasivos. Novo. VSM CERAMICS Produtos de Alta Tecnologia Grão Cerâmico Auto Afiante. Especiais. Produtos. Aplicações Novo VSM CERAMICS Produtos de Alta Tecnologia Grão Cerâmico Auto Afiante Aplicações Produtos Especiais Campos de Aplicação Nossa solução A VSM oferece produtos de alta tecnologia e qualidade com excelente

Leia mais

Série P3000. Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000. Dados técnicos. Recursos

Série P3000. Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000. Dados técnicos. Recursos Série P3000 Testadores pneumáticos de peso morto - modelo P3000 Dados técnicos Recursos A pressão varia de Vácuo até 2.000 psi (140 bar) Precisão superior a 0,015 % de leitura. (Opção de precisão aumentada

Leia mais

Laboratório de Combustão e Motores da UFRGS

Laboratório de Combustão e Motores da UFRGS Laboratório de Combustão e Motores da UFRGS Fernando M. Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Mecânica fernando@mecanica.ufrgs.br Sumário Objetivo do laboratório

Leia mais

Uma empresa admitiu três operários para o

Uma empresa admitiu três operários para o A UU L AL A Blocos-padrão Uma empresa admitiu três operários para o setor de ferramentaria. Os operários eram mecânicos com experiência. Mas, de Metrologia, só conheciam o paquímetro e o micrômetro. Por

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

Grupo 13 Bico quente especial + acessórios para sistemas de câmara quente

Grupo 13 Bico quente especial + acessórios para sistemas de câmara quente Grupo 13 Bico quente especial + acessórios para sistemas de câmara quente Fornecedor: Tipo Descrição Página -13 Introdução -01-01 + 02 Aplicação dos bicos especiais -02-01 Resistências para bicos 10 Resistência

Leia mais

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO Silvio Romero de Melo Manoel Leonel de Oliveira Neto George Santos Marinho Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica CT

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS GAXETAS SECAS MANTA E TECIDO DE FIBRA CERÂMICA GAXETAS IMPREGNADAS FITAS CORTIÇA J U N T A E S P I R A L A D A FELTRO J U N T A D E V E D A Ç Ã O PAPELÃO HIDRAÚLICO F I T A P A T E N T E T E F L O N JUNTA

Leia mais

Aperfeiçoamentos no Cabeçote

Aperfeiçoamentos no Cabeçote Aperfeiçoamentos no Cabeçote (transcrito da Enciclopédia Mão na Roda - Guia Prático do Automóvel ED. Globo, 1982 - pg. 537 a 540) Os trabalhos realizados no cabeçote pelas oficinas especializadas atendem

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Cimento A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um programa

Leia mais

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 1) Programa de Fomento à Formação de recursos humanos em Tecnologia de Equipamentos para

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS CERÂMICOS UTILIZANDO TÉCNICA ULTRA-SÔNICA NO DOMÍNIO DA FREQUÊNCIA E REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS CERÂMICOS UTILIZANDO TÉCNICA ULTRA-SÔNICA NO DOMÍNIO DA FREQUÊNCIA E REDES NEURAIS ARTIFICIAIS CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS CERÂMICOS UTILIZANDO TÉCNICA ULTRA-SÔNICA NO DOMÍNIO DA FREQUÊNCIA E REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Baroni D. B., Bittencourt M. S. Q. e Pereira C. M. N. A. Caixa Postal 2186 CEP

Leia mais

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

Introdução 5. Noções básicas 6. Processo de fabricação 7. Exemplo de fabricação de um FET 12

Introdução 5. Noções básicas 6. Processo de fabricação 7. Exemplo de fabricação de um FET 12 Sumário Introdução 5 Noções básicas 6 Processo de fabricação 7 Exemplo de fabricação de um FET 12 Encapsulamento 15 Confiabilidade de circuitos integrados 17 Cuidados de montagem 17 Apêndice 18 Questionário

Leia mais

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos CAT. No. 9211 P NTN NTN Produtos que trazem benefícios em várias aplicações Equipamentos de siderurgia pertencem a grandes linhas que operam 24 horas por dia,

Leia mais

Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial

Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial 3 Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de Introdução: b As Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite foram

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental.

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental. APRESENTAÇÃO 1. QUEM SOMOS A CTF do Brasil é uma empresa com sólidos conhecimentos em tecnologia de microfiltragem de óleos industriais, cujo portfólio de serviços tem respaldo na experiência de sua diretoria,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

RZR-900-CVA BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNAS MODELO: Especificações: ICX-CVA/2013-0. Deslocamento por Rotação: 18 cm3

RZR-900-CVA BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNAS MODELO: Especificações: ICX-CVA/2013-0. Deslocamento por Rotação: 18 cm3 BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNAS MODELO: RZR-9-CVA Especificações: Deslocamento por Rotação: 18 cm3 Capacidade: l/h até 1.8 l/h (8 l/min até 3 l/min) Pressão Admissível na Sucção:, Kgf/cm2 (ABS) até 1 Kgf/cm2

Leia mais

Tradição o Futuro precisa das origens

Tradição o Futuro precisa das origens 1825 Tradição o Futuro precisa das origens No centro de cada acontecimento está sempre a cooperação entre as pessoas. Isto é demonstrado pela longa história da empresa familiar Gontermann-Peipers, ou seja,

Leia mais

III Congresso CBNA sobre Tecnologia da Produção de Alimentos para Animais Colégio Brasileiro de Nutrição Animal. Maringá - PR 16 de Setembro de 2015

III Congresso CBNA sobre Tecnologia da Produção de Alimentos para Animais Colégio Brasileiro de Nutrição Animal. Maringá - PR 16 de Setembro de 2015 III Congresso CBNA sobre Tecnologia da Produção de Alimentos para Animais Colégio Brasileiro de Nutrição Animal Maringá - PR 16 de Setembro de 2015 III Congresso CBNA Geração e qualidade do vapor Arnaldo

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo TREFILAÇÃO

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo TREFILAÇÃO Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo TREFILAÇÃO Histórico O processo de trefilação foi descoberto a partir do momento, que se verificou a dificuldade de se fabricar fios metálicos com

Leia mais

CENTRO D'c Dtbc^v-XViMtNiO ÜA ítcnüi. ÜOÍ A I -

CENTRO D'c Dtbc^v-XViMtNiO ÜA ítcnüi. ÜOÍ A I - CENTRO D'c Dtbc^v-XViMtNiO ÜA ítcnüi. ÜOÍ A I - DESCONTAMINABILIDAOE RADIOATIVA EM MATE RIAIS DE RECOBRIMENTO PARA INSTALAÇÕES NUCLEARES Maria Ângela Menezes de Oliveira Melo NUCLEBRÃS/CDTN-545 EMPRESAS

Leia mais

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. E NORMAS COMPLEMENTARES... 3 4. DEFINIÇÃO... 3

Leia mais

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para Ferramenta de Corte Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para ferramentas de cortes Nas operações mais comuns, utiliza como ferramenta um material mais duro que o da peça. Por outro

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

Grupo Setorial de Metalurgia do Pó

Grupo Setorial de Metalurgia do Pó DIREITOS AUTORAIS O material contido neste documento é parte integrante do livro A METALURGIA DO PÓ: alternativa econômica com menor impacto ambiental Autor: Editora: METALLUM EVENTOS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS Em processo de certificação ISO-9001/2000 A EMPRESA Estamos apresentando a MEGAFORT INDUSTRIAL

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

Processos de Fabricação Metalurgia do Pó

Processos de Fabricação Metalurgia do Pó Instituto Federal de Santa Catarina Campus de Florianópolis Departamento Acadêmico de Metal-Mecânica Curso Técnico de Mecânica Industrial ProIn II Processos de Fabricação Metalurgia do Pó ProIn II Mecânica

Leia mais

ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO

ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO ME-27 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE PONTO DE FULGOR PELO APARELHO TAG FECHADO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÃO...4

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR

ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ETAPAS NA PRODUÇÃO DE COMBUSTIVEL PARA UMA USINA NUCLEAR Lucas Ferreira de Souza 1, Luana Thayse Moreira 2, Arquimedes Luciano 3 RESUMO: O Programa de

Leia mais

Distribuição Percentual das Fontes de Geração de Eletricidade no Mundo

Distribuição Percentual das Fontes de Geração de Eletricidade no Mundo A ENERGIA NUCLELÉTRICA 1 HISTÓRICO Até 1954, a energia elétrica que alimentava as residências e as indústrias, era de origem hídrica ou da queima de combustíveis fósseis (carvão e petróleo). Naquele ano,

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura intro isolantes cálculos exemplos e testes 2 introdução

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

DRESSADOR À BASE DE COMPÓSITO DIAMANTADO

DRESSADOR À BASE DE COMPÓSITO DIAMANTADO DRESSADOR À BASE DE COMPÓSITO DIAMANTADO G. S. Bobrovnitchii (guerold@uenf.br) A. M. Ramalho (alan_ramalho@hotmail.com) M. Filgueira (marcello@uenf.br) R. C. Tardim (rtardim@terra.com.br) Universidade

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa

INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa www.spdcutferramentas.com.br (11) 2762 5114 Disco Diamantado 110mm Linha Profissional Disco de alto rendimento Disco Diamantado 110mm para corte a seco com alta durabilidade

Leia mais

59 Brunimento, lapidação, polimento

59 Brunimento, lapidação, polimento A U A UL LA Brunimento, lapidação, polimento Apesar de todos os cuidados, as peças usinadas e mesmo as de acabamento em máquina, como é o caso da retificação, apresentam sulcos ou riscos mais ou menos

Leia mais

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caldeiras a Vapor São equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior á atmosférica,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA CERÂMICA COM TECNOLOGIA NACIONAL PARA MANUFATURA DE MATERIAIS ESPACIAIS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA CERÂMICA COM TECNOLOGIA NACIONAL PARA MANUFATURA DE MATERIAIS ESPACIAIS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA CERÂMICA COM TECNOLOGIA NACIONAL PARA MANUFATURA DE MATERIAIS ESPACIAIS Miguel Adriano Inácio 1, a, José Vitor Cândido de Souza 1, b, Maria do Carmo de Andrade Nono 1, c e

Leia mais

EM908 SEGUNDA AULA PROJETO DE MATRIZES PARA EXTRUSÃO A FRIO DE UM EIXO

EM908 SEGUNDA AULA PROJETO DE MATRIZES PARA EXTRUSÃO A FRIO DE UM EIXO Nesta aula iniciaremosoplanejamento do processo para a extrusão a frio deum eixo escalonado. O número de estágios a ser utilizado e as dimensões das matrizes serão definidos utilizando-se os critérios

Leia mais

José Geraldo Coura NUCLEBRÃS/CDTN-534

José Geraldo Coura NUCLEBRÃS/CDTN-534 SISTEMA AUXILIAR DE CONTROLE DE PARA METROS DE SEGURANÇA DO REATOR IPR-R1 José Geraldo Coura NUCLEBRÃS/CDTN-534 EMPRESAS NUCLEARES BRASILEIRAS S.A. - NUCLEBRÍS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Forjaria A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Cost reduction in the Automotive Industry through Sintering A Redução de Custo na Indústria Automotiva através do Sinterizado

Cost reduction in the Automotive Industry through Sintering A Redução de Custo na Indústria Automotiva através do Sinterizado 2006-01-2585 Cost reduction in the Automotive Industry through Sintering A Redução de Custo na Indústria Automotiva através do Sinterizado Marco Antônio Trincha Pallini Metaldyne Componentes Automotivos

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: A manutenção preditiva é a primeira grande quebra de paradigma nos tipos de manutenção. No Brasil a aplicação é pequena apenas

Leia mais

>Técnicas de soldagem

>Técnicas de soldagem >Técnicas de soldagem DOCERAM Advanced Ceramic Solutions Soluções Avançadas em Cerâmica Indústria automobilística Indústria de componentes > Técnicas de soldagem > Construção de dispositivos > Pinos guias

Leia mais

Gases de processos indústria cerâmica

Gases de processos indústria cerâmica Gases de processos indústria cerâmica PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE CIMENTO E CAL REDUÇÃO DE FUMAÇA E NO X Matéria-prima TRATAMENTO DE EFLUENTES Superoxigenação Lança de queimador Oxigás O 3 C LABORATÓRIO

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo.

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Manual de instalação Ultrasolar Tel: (11) 3361 3328 Fax: (11) 3361 5810 www.ultrasolar.com.br Aquecedor Solar de Agua. Os aquecedores solares de água a vácuo Ultrasolar,

Leia mais

Aspectos ambientais da energia aplicada em reações químicas

Aspectos ambientais da energia aplicada em reações químicas Aspectos ambientais da energia aplicada em reações químicas Sumário As cargas ambientais resultantes da utilização de energias térmicas ou elétricas são particularmente importantes. Freqüentemente, o impacto

Leia mais

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS PARA APLICAÇÃO GERAL LENOX-TWILL DESENVOLVIDAS PARA FURAR UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS, PROPORCIONANDO DESEMPENHO EFICIENTE COM EXCELENTE

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

COMPRESSORES PARAFUSO

COMPRESSORES PARAFUSO COMPRESSORES PARAFUSO PARTE 1 Tradução e adaptação da Engenharia de Aplicação da Divisão de Contratos YORK REFRIGERAÇÃO. Introdução Os compressores parafuso são hoje largamente usados em refrigeração industrial

Leia mais

Exercícios Terceira Prova de FTR

Exercícios Terceira Prova de FTR Exercícios Terceira Prova de FTR 1) Existe uma diferença de 85 o C através de uma manta de vidro de 13cm de espessura. A condutividade térmica da fibra de vidro é 0,035W/m. o C. Calcule o calor transferido

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Açúcar & Álcool A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais