OS PRINCIPAIS MOTIVOS QUE GERARAM OS CONFLITOS ENTRE ISRAELENSES E ÁRABES NA PALESTINA ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS PRINCIPAIS MOTIVOS QUE GERARAM OS CONFLITOS ENTRE ISRAELENSES E ÁRABES NA PALESTINA (1897-1948)"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA OS PRINCIPAIS MOTIVOS QUE GERARAM OS CONFLITOS ENTRE ISRAELENSES E ÁRABES NA PALESTINA ( ) HENRY GUENIS SANTOS CHEMERIS Orientadora: Profª. Drª. Claudia Musa Fay Porto Alegre, julho de 2002

2 a neutralidade (...) só poderia ser proveniente da indiferença. E reconheço que é uma atitude fácil, enquanto não saímos da Europa. Mas se, como eu fiz, empreendermos a viagem e virmos, nos arredores de Gaza, a morte lenta dos refugiados palestinianos, as crianças macilentas, subalimentadas, nascidas de pais subalimentados, com os olhos sombrios e velhos; se, do outro lado, nos Kibbutzim fronteiriços, virmos os homens nos campos, trabalhando sob a ameaça perpétua e os abrigos cavados entre as casas, se falarmos aos filhos deles, bem alimentados, mas que têm, no fundo do olhar, uma angústia inexprimível, não nos podemos manter neutros; é que se vive apaixonadamente o conflito, e não se pode deixar de o viver sem um tormento incessante, examinando sob todos os seus aspectos e procurando encontra-lhe uma solução, embora sabendo muito bem que esta busca é infrutífera e que acontecerá na melhor ou na pior das hipóteses aquilo que os Israelitas e os Árabes decidirem. Jean-Paul Sartre 2

3 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO SÍNTESE HISTÓRICA DO POVO JUDEU E O SIONISMO POLÍTICO DE Algumas Considerações sobre a História do Povo Judeu O Sionismo Político (1897) A GRÃ-BRETANHA NA PARTILHA DO IMPÉRIO OTOMANO E O PROBLEMA ÁRABE-JUDEU ( ) A Correspondência McMahon-Hussein ( ): uma promessa não cumprida O Acordo Sykes-Picot 1916): a grande verdade A Declaração Balfour (1917): a cartada sionista A Influência do Petróleo nas Negociações As Conseqüências da Partilha e o Mandato Britânico para a Palestina (1922) O NACIONALISMO ISLÂMICO ÁRABE E O COLONIALISMO SIONISTA O Pan-Islamismo O Pan-Arabismo O Colonialismo Sionista A IMIGRAÇÃO SIONISTA E SUAS CONSEQÜÊNCIAS ( ) A Imigração Sionista antes do Apoio Britânico ( ) A Imigração Sionista após a Declaração Balfour ( ) A Declaração da ONU e a Primeira Guerra entre Israelenses e Árabes CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA

4 RESUMO O conflito palestino é um dos problemas mais sérios que existe hoje no mundo. Inúmeras pessoas morrem de ambos os lados, israelenses e árabes passam o ódio a seus filhos, alastrando este ódio a gerações futuras. O objetivo desta pesquisa é analisar os acontecimentos que propiciaram o início dessa guerra, que parece interminável, procurando entender melhor as razões principais nas quais o problema se fundamenta. 4

5 ABSTRACT The palestinian conflict is one of the most serious problem in the world today. Many people dies in both side, israelies and arabians let the hate to theire children increasing that hate to future generations. The objective of this research is to analyse the events that leads to the beginning of that war that seems be endless, wanting to understand the mainly reasons by wich the problem is based. 5

6 INTRODUÇÃO O conflito na Palestina existe desde que se deu a criação do Estado de Israel, em Essa guerra, que dura até hoje, parece não ter fim. Hoje Israel, sob a liderança de Ariel Sharon, enfrenta a ira de grupos terroristas árabes que, obstinados em libertar a Palestina do jugo israelense, defrontam-se com a política de retaliação do Estado judeu do olho por olho. Com os ataques terroristas aos EUA, em 11 de Setembro de 2001, pôs-se em voga um polêmico debate sobre as razões da revolta de grupos radicais islâmicos árabes ou não, contra o maior símbolo do domínio ocidental. Esse episódio encontra-se diretamente ligado ao conflito palestino, pois Israel é, na visão dos extremistas árabes palestinos, um pedaço deste ocidente odiável, que deflagrou a submissão dos povos árabes e islâmicos desde o século XIX, começando com o domínio do Norte Africano pelas potências anglofrancesas e chegando, a partir de 1922, ao controle do Oriente Médio. As comunidades judaicas em todo o mundo tornam possível a existência de Israel através de seu apoio financeiro e político, em particular os cidadãos canadenses e os dos Estados Unidos, que são judeus por religião e que têm a maior força financeira e política 6

7 nessa matéria 1 ; essas comunidades certamente influenciam o governo norte-americano nas decisões sobre o conflito palestino. Não é à toa que Israel, aproveitando-se da guerra propagada pelos EUA contra o terrorismo internacional, aumentou seus domínios sobre a Palestina, invadindo cidades nunca antes usurpadas (Jenin, Ramallah e Jericó) e matando dezenas de palestinos 2 ; isso tudo com um tímido e escondido consentimento estadunidense, que, utilizando-se de uma política apaziguadora muito lenta, fez transparecer à opinião pública mundial sua verdadeira posição. A instabilidade na Palestina passa a interessar diretamente às potências ocidentais, na medida em que os países árabes exportadores de petróleo podem se utilizar do boicote à venda do óleo negro para o ocidente, como forma de pressão nas negociações. Isso realmente aconteceu em Por ser esse um assunto tão comentado, faz-se mister entender quais foram os principais motivos que levaram à existência do conflito palestino. Quais os acontecimentos históricos relevantes que originaram este conflito? A quem ou ao que deve sobrecair a culpa? Portanto o objetivo desta pesquisa é analisar as causas que realmente propiciaram à Palestina tornar-se palco do mais polêmico dos conflitos deste século. Pois para se dar uma solução justa a um problema que se tornou tão complexo, é preciso entender primeiramente sua gênese. A documentação utilizada para realizar a pesquisa foi totalmente bibliográfica, em vista da impossibilidade de trabalhar com fontes primárias. Por essa razão, a seleção de 1 TOYNBEE, Arnold J. A História e a Moral no Oriente Médio.[tradução Plínio de Abreu Ramos]. Rio de Janeiro: Paralelo, p CHOMSKY, Noam. 11 de Setembro. [tradução Luiz Antonio Aguiar]. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p

8 autores aqui escolhidos foi bastante rigorosa. São jornalistas, historiadores e especialistas bem entendidos no assunto; muitos se encontram direta ou indiretamente ligados ao conflito, outros são autores de renome no meio acadêmico. Fez-se uso do trabalho bibliográfico de jornalistas brasileiros que estiveram no Oriente Médio, como Helena Salem, dedicada hoje ao estudo árabe-israelense e enviada especial do Jornal do Brasil ao mundo árabe durante a guerra de outubro de 1973 (Guerra do Yon Kippur); Amilcar Alencastre, que em 1969 entrou em contato com grupos guerrilheiros árabes; Isaac Akcelrud, judeu e correspondente internacional da Folha de São Paulo no Oriente Médio; Paulo Daniel Farah, repórter da Folha de São Paulo e professor de língua e literatura árabe na USP. Utilizaram-se também obras de pensadores estrangeiros para uma análise mais rica do problema palestino, como Ahmed Fayes e Fayes Sayegh, cientistas políticos libaneses; Claude Franck e Michel Herszlikowicz, historiadores judeus franceses; Nhatan Weinstock, advogado francês e ex-militante do movimento sionista. Trabalhou-se com as obras do professor inglês, de descendência árabe-libanesa, Albert Hourani, que durante décadas deu aulas de História em Oxford. Também foram de grande importância os esclarecimentos de Amilcar Alencastre, tanto em relação ao sionismo judeu como sobre a questão árabe. O trabalho do professor Mustafá Yasbek, de descendência árabe, foi igualmente importante para a análise dos problemas árabes na Palestina. Fez-se bom uso da obra Dossier do Conflito Israelo-Árabe, organizado pela revista francesa Les Temps Moderns. Trabalhou-se principalmente com os artigos de Maxime 3 STERLING, Claire. A Rede do Terror. [tradução Luiz Horácio da Matta]. Rio de Janeiro: Nórdica, p

9 Rodinson e Dov Barnir, ambos pensadores judeus. Com essa obra esclareceu-se bastante a questão britânica na Palestina. A obra Os Conflitos do Oriente Médio, do professor francês de História François Massoulié, foi muito importante para vários esclarecimentos no decorrer da pesquisa. O Dicionário de Política, de Norberto Bobbio, esclareceu bastante a questão do antisemitismo. As explicações de Eric J. Hobsbawm, Arnold Toynbbe, Karl Marx, Hannah Arendt e Fernand Braudel complementaram e enriqueceram a pesquisa. Alguns outros autores foram utilizados, porém, a base bibliográfica principal foi aqui mencionada, para demonstrar a seriedade com que se trabalhou esse tema extremamente polêmico. A organização do trabalho, em parte, não foi esquematizada sob um processo crescente de datas históricas, nem poderia sê-lo, em função da riqueza de diferentes dados de análise para o mesmo período. O trabalho, por isso, foi organizado em capítulos que, dependendo do assunto, às vezes remontam ao mesmo período histórico do assunto anterior ou até retrocedem em vista de análises temporais mais longas. O quarto capítulo é um exemplo disso, pois analisa a imigração sionista de 1882 até 1948, voltando no tempo antes mesmo do segundo capítulo, que trabalha com a diplomacia britânica no Oriente Médio a partir de Portanto, para o leitor ficar mais inteirado sobre a proposta da pesquisa, faz-se necessário abordar o assunto trabalhado em cada capítulo, explicando as particularidades de cada um. No primeiro capítulo, trabalhou-se com as origens do sionismo. Neste, fez-se uma analise da história judia de forma sintetizada, para elucidar as razões principais nas quais o movimento sionista se fundamenta. Trabalhou-se, também, com a formação do sionismo 9

10 político, por ser este o responsável pela base institucional dada ao movimento que elegeu a Palestina como o Lar Nacional Judeu. No capítulo seguinte, fez-se a análise dos interesses britânicos na partilha do Império Otomano que, até 1922, compreendia grande parte do Oriente Médio, incluindo o território da Palestina. Este episódio é particularmente interessante, pois salienta as verdadeiras razões que levaram a diplomacia britânica a apoiar o movimento sionista político, e, ao mesmo tempo, desconsiderar a promessa de unificação feita aos árabes. No terceiro capítulo, elucidou-se a questão do nacionalismo árabe no Oriente Médio principalmente após a partilha do Império Otomano, importante para o acirramento das hostilidades contra os judeus na Palestina. Como contraponto, achou-se interessante abordar no mesmo capítulo o problema do colonialismo sionista, outro ponto importante para um esclarecimento mais completo do conflito palestino. No capitulo final, se examinou a imigração sionista para a Palestina e suas conseqüências. A imigração foi a última questão a ser analisada pelo fato de ser ela quem realmente possibilitou a formação do Estado de Israel, num território até então dominado por comunidades árabes. Foi a partir dela que a população judia na Palestina aumentou consideravelmente, chegando a um terço da população total da região; foi esta situação que fez com que a ONU, em 1947, dividisse a Palestina em dois Estados: um árabe e outro judeu. A conseqüente guerra israelo-árabe (1948/49), primeiro grande símbolo das hostilidades entre os árabes e o recém oficializado Estado de Israel, também foi merecedora de uma análise que finaliza este capítulo. Já, a data que delimita esta pesquisa ( ) localiza-se entre a fundação do movimento sionista político e a criação do Estado de Israel, na Palestina, pelo simples fato de que os principais motivos que geraram o conflito deram-se nesse intervalo de tempo. 10

11 Isso, no entanto, não impede a pesquisa de retroceder ou avançar para melhor elucidar algumas possíveis dúvidas a respeito deste ou daquele acontecimento. 1 SÍNTESE HISTÓRICA DO POVO JUDEU E O SIONISMO POLÍTICO DE 1897 Para se entender melhor a gênese do conflito israelo-árabe, é imprescindível analisar as origens do sionismo político, pois esse movimento seria o propulsor para a fundação do Estado Judeu na Palestina, em Quanto às raízes do sionismo, deve-se fazer uma análise, mesmo que sintetizada, da história do povo judeu. Mais propriamente ainda, sobre as principais razões sobre as quais o movimento sionista se fundamenta. Algumas Considerações sobre a História da Povo Judeu Segundo o Antigo Testamento, Moisés reuniu os hebreus cativos no Egito e algumas tribos nômades do Sinai para conduzi-los à Terra Prometida, ao país de Canaã no atual território da Palestina. Mais adiante, como se irá analisar, a grande maioria dos judeus iria se deslocar da Palestina para outras regiões do mundo. 11

12 Desde os primeiros anos em que se estabeleceram em Canaã, os judeus não foram bem recebidos pelas comunidades vizinhas; todos manifestaram-se contra eles. Eram os madianitas e endomitas, ao sul; moabitas e amonitas, ao leste; filisteus, a oeste. 4 De 586 à 536 a. C., os babilônios invadiram a Palestina e destruíram o Primeiro Templo judeu 5, construído durante o reinado de Salomão. Muitos judeus foram para o cativeiro na Babilônia, outros fugiriam para a Pérsia. No ano 70 da Era Cristã, o Segundo Templo de Jerusalém seria destruído pelos romanos; sessenta e cinco anos mais tarde, como Claude Franck e Michel Herszikowicz informam, a resistência judaica ao domínio romano no território palestino capitularia: Mais de meio milhão de soldados judeus perderam a vida e 985 aldeias foram destruídas no decurso dessa revolta, a mais longa e dura que o Império Romano teve de enfrentar. Após a vitória, Roma empenhou-se em apagar todos os vestígios de identidade judaica na Terra de Israel. Chegou mesmo a desbatizar esta última e atribuir-lhe o nome de Falastina Palestina, enquanto Jerusalém, totalmente arrasada, era denominada Aelia Capitolina. 6 No Império Romano, o anti-semitismo se enraizava nas antigas tradições agrícolas da sociedade romana e no conseqüente desprezo pelas atividades mercantis; desprezo que nasce, por sua vez, de um profundo antagonismo econômico entre produtores de bens e comerciantes, que se apropriam de uma parte desses bens, mas que são necessários à sociedade e por isso inelimináveis. Também a atitude nacionalista dos judeus e o seu proselitismo, diferenciando-os do tradicional comportamento dos outros povos assimilados 4 LOPES, Osório. O Problema Judaico. Rio de Janeiro: Vozes, p FRANCK, Claude, HERSZLIKOWICZ, Michel. O Sionismo. [tradução Eduardo Saló]. São Paulo: Europa- América, p

13 do império, que se reconhecem súditos do mesmo e mantêm a própria religião sem procurarem estendê-la a outros, choca a mentalidade cosmopolita dos romanos, suscitando reações de hostilidade. 7 Os cristãos juntamente com os judeus foram perseguidos pelas autoridades romanas até 312. Quando, em 325, o cristianismo se tornou religião do Estado Romano, os judeus passaram a sofrer uma discriminação isolada: A atitude tolerante do paganismo cede lugar a uma política asperamente confessional, voltada para a afirmação forçada da religião de Estado; multiplicam-se as leis e as disposições tendentes a discriminar aqueles que professam outras confissões. Os hebreus são postos em condições de absoluta inferioridade jurídica e privados de todo o direito civil; e em tal status permanecerão durante toda a Idade Média e a Idade Moderna até a emancipação. O anti-semitismo assume, nesta época, um dos seus componentes ideológicos fundamentais: o componente religioso, fundado sobre a aversão à obstinação hebraica de não reconhecer o advento do Messias e sobre a acusação de deicídio, que começa a ser dirigida aos hebreus. 8 Por não terem o apoio de um Estado oficial, como tinham os cristãos, os judeus espalharam-se pela Europa, Ásia e África. Isso originou a formação dos primeiros guetos, verdadeiras coletividades com as suas escolas, os seus tribunais, a sua vida social, as suas leis e os seus costumes. 9 6 FRANCK, Claude, HERSZLIKOWICZ, Michel. Op. cit., p BOBBIO, Norberto, MATTUECCI, Nicola, PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. [tradução Carme C. Varriale et al] 8ª ed. v. 1. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, p BOBBIO, Norberto; MATTUECCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Op. cit., p BARNIR, Dov. Os Judeus, o Sionismo e o Progresso. In: MODERNES, Les Temps. Dossier do Conflito Israelo-Árabe. Portugal: Inova/Porto, 1968.(Colecção as Palavras e as Coisas). p

14 Na Idade Média, essa segregação era forçada ou voluntária e, por conseqüência das restrições ou perseguições da Igreja Católica, formaram-se guetos por toda a Europa: em Veneza surgiu a palavra gueto para denominar o bairro judeu; na França o termo corrente era carriére; na Alemanha a denominação preferida foi Judengasse. Os guetos existiam também na Polônia e na Rússia. Em Portugal e na Espanha, a partir do século XVI, a vida do judeu no gueto era obrigatória. 10 Tal reclusão explica em parte a unidade judaica através dos tempos, mediante, por exemplo, a criação e conservação de dialetos próprios. Esta situação de auto-segregação, como se verá ao longo da pesquisa, foi muito importante para que, mais adiante, os judeus desejassem a formação de um Estado essencialmente judeu. Como a Igreja Católica detinha o poder sobre toda a Europa medieval, os judeus mantiveram-se fora do feudos; porém, o quase total desaparecimento da economia de mercado e a virada para o auto-consumo, tornaram a função comercial dos judeus de grandíssima importância. Nos tempos de Carlos Magno, o comércio entre Ocidente e Oriente é monopolizado de uma forma quase absoluta pelos judeus. 11 No entanto, a partir do século XII, com o reflorescimento na Europa Ocidental das atividades comerciais, a situação se modifica; os judeus perdem o monopólio do comércio europeu e passam a ser relegados para posições secundárias. A burguesia nascente pressiona no sentido de uma total eliminação dos judeus do comércio; as cruzadas que marcam para esta classe uma importante etapa de desenvolvimento, constituem, ao mesmo tempo, a primeira grande manifestação de anti-semitismo medieval GARSCHAGEN, Donaldson M. (org.). Enciclopédia Barsa. São Paulo/Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica Consultoria Editorial Ltda, v. 8. ps BOBBIO, Norberto; MATTUECCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Op. cit., p Ibid., p

15 Enquanto, nos primeiros séculos da Idade Média, os empréstimos judeus eram destinados, em grande parte, ao financiamento do rei e da nobreza, agora se desenvolve o pequeno empréstimo, concedido ao camponês e a arraia miúda das cidades. Esse fato leva ao rápido deterioramento das relações entre judeus e o povo, que vê, erroneamente neles, a causa da própria miséria. 13 Os últimos séculos da Idade Média são um dos piores momentos da história dos judeus; no decorrer do séculos XII, XIII e XIV, a Igreja Católica muitas vezes explicava o surgimento de epidemias como uma conseqüência da ação de semeadores de doença. Assim eram vistos os judeus que, embora padecessem também com as pestes, muitas vezes eram massacrados como disseminadores das mesmas. 14 A culpa dada aos judeus pelo alastramento da peste negra, que abalou a Europa do século XIV, é um exemplo disso. O Prof. Dr. Reinholdo Aloysio Ullmann faz um comentário interessante sobre este caso: Pseudo-causas da doença foram apontadas várias: fenômenos astrológicos, ar empestado, processos de putrefação, no interior do corpo, águas de poços envenenadas por judeus. Merece um pequeno comentário o envenenamento de poços por judeus. Atribuiu-se lhes esse ato, sem fundamento algum, como culminância do ódio anti-semita, que, havia séculos, era notório na Europa, não raro como aval de pessoas de alto coturno, assim no círculo eclesiástico como do mundo profano. E prossegue: 13 Idem. 14 SCLIAR, Moacyr. Do Mágico ao Social: a trajetória da saúde pública. Porto Alegre: L&PM, 1987, p

16 O boato de envenenamento começou na Aquitânia, em 1321, portanto quase três décadas antes de a peste negra invadir a Europa. Dizia-se que, naquele ano, leprosos haviam sido encarregados por judeus de lançar veneno nos poços de cristãos, para eliminá-los. (...) acirrou-se pela Europa inteira o ódio contra os envenenadores de poços, com terríveis conseqüências: muitos judeus foram jogados vivos às fogueiras ou torturados até à morte, ou queimados vivos dentro de suas próprias casas, sem poupar velhos, mulheres e crianças. 15 Entre os séculos XII e XIV, o Islã (conjunto de califados islâmicos que abrangia todo o Oriente Médio, o norte da África e parte da Península Ibérica), cuja economia encontrava-se já estabilizada no comércio há um longo tempo e que, diferentemente da Europa, não passava por um período de transição, mostrava-se relativamente mais tolerante para com os judeus. A África do Norte e o Oriente Médio puderam, assim, oferecer uma terra de acolhimento para os judeus da Europa que fugiam dos batismos forçados e dos massacres na Rússia (a partir de 1113, com o primeiro progrom ), na Espanha (1148), na França (1182), na Inglaterra (1189) e na Alemanha ( ). 16 Durante os séculos XIII, XIV, XV e XVI, com a desagregação do feudalismo e a gradativa formação de burguesias comerciais, o judeu foi praticamente expulso da Europa Ocidental: Marginalizados também das atividades de empréstimos, perdem de fato, toda a função econômica específica. Sua presença não parece justificada aos olhos dos governantes, que decretam sua expulsão 15 ULLMANN, Reinholdo Aloysio. A Peste Negra. Teocomunicação, Porto Alegre, v. 31, n. 131, ps , mar FAYES, Ahmed. Prelúdio a Israel. In: FAYES, Ahmed; SAYEGH, Fayes A. Sionismo na Palestina. Rio de Janeiro: Delegação da Liga dos Estados Árabes, ps

17 em muitos países da Europa: Inglaterra em 1290, França em 1306, e 1394, Espanha em 1492, etc. Na Itália, os hebreus são expulsos da Sicília e da Sardenha em 1492, do reino de Nápoles no período de , dos Estados Pontifícios, à exceção de Roma e Ancona, em 1569 e Apenas na Alemanha e na Itália do Norte podem permanecer núcleos conspícuos de judeus. 17 No início do século XIX, no entanto, os poucos remanescentes de judeus no oeste europeu iriam passar por um processo de assimilação, especialmente depois da Revolução Francesa que, através de uma recém formada legislação liberal, abriu as portas para a sua integração política e social. O advento do capitalismo e o aparecimento dos defensores do liberalismo, colaboraram para o judeu ter uma relativa assimilação e tornar-se bastante produtivo. Alguns judeus proeminentes se tornaram grandes empresários e banqueiros. 18 Karl Marx, em sua obra A Questão Judaica, faz um interessante comentário sobre a relação entre a valorização do dinheiro e a emancipação do judeu: O judeu se emancipou a maneira judaica não só ao apropriar-se do poder do dinheiro como, também, porque o dinheiro se converteu, através dele e a sua revelia, numa potência universal, e o espírito prático dos judeus no espírito prático dos povos cristãos. Os judeus se emanciparam na medida em que os cristãos se fizeram judeus. 19 A partir do século XIX, a Europa Ocidental e a América acolheriam os judeus. Segundo Ahmed Fayes: a Europa Ocidental tornou-se cada vez mais tolerante para com 17 BOBBIO, Norberto; MATTUECCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Op. cit., p SALEM, Helena. Palestinos, os novos judeus. Rio de Janeiro: Eldorado-Tijuca, p MARX, Karl. A Questão Judaica. 5ª ed. São Paulo: Centauro, p

18 os judeus. A América abriu-lhes as portas, e as idéias de imigração e de assimilação prevaleceram momentaneamente sobre a idéia da auto-segregação. 20 Na Europa Oriental (que compreendia a Ucrânia, a Rússia Branca, a Lituânia, a Polônia, a Romênia e a Hungria), bem mais atrasada economicamente, os judeus que compunham na época mais de 60% da população judaica mundial 21 gozariam de uma situação relativamente privilegiada até o início do século XIX. Segundo Helena Salem, eram eles que movimentavam o comércio numa região que ainda vivia num sistema feudal: No início do século XIX, a grande maioria dos judeus concentrava-se na Europa Oriental (...). Desempenhavam fundamentalmente funções de intermediários entre os camponeses e os senhores feudais. Obtinham permissão dos senhores para gerir as tavernas, sob a condição de venderem apenas bebidas produzidas no feudo. Nas ocasiões especiais, como batismos, casamentos, os camponeses eram impelidos a comprar muito por sua vez os judeus vendiam a crédito, mas com altos juros. Em praticamente todas as atividades comerciais havia a participação prioritária ou exclusiva do judeu, que representava a economia de troca no mundo feudal. 22 A partir do século XIX, no entanto, os comerciantes estabelecidos seriam vistos como um grande problema para uma nova classe burguesa cristã que paulatinamente se formava. Esta passou a interessar-se pelo desenvolvimento de uma forte burguesia nacional 20 FAYES, Ahmed. Op. cit., p RATTNER, Henrique. Nos Caminhos da Diáspora. São Paulo: Centro Brasileiro de Estudos Judaicos, p SALEM, Helena. Op. cit., p

19 e, por esse motivo, entraria em contradição com os comerciantes veteranos. Assim, o antisemitismo passou a fortificar-se na parte oriental, já no decorrer do século XIX. 23 A situação dos judeus, na maioria pequenos comerciantes e vendedores, teria então se tornado instável no leste europeu. Uma parte foi obrigada a abandonar a produção independente e proletarizar-se, enquanto que outra emigrou para outros países, onde o comércio e a indústria ofereciam melhores possibilidades de trabalho. Assim, vários judeus se deslocaram da Polônia, por exemplo, para a Alemanha, Áustria e Rússia. Depois, sobretudo após 1880, os judeus movimentaram-se para os Estados Unidos em grande número. 24 Helena Salem faz um breve comentário sobre a situação dos judeus que permaneceram no Oriente Europeu: Aqueles que permaneceram em seus lugares de origem se tornarão vítimas de violentas perseguições, especialmente por parte da classe média, que vê no judeu um concorrente perigoso. O anti-semitismo será um sentimento facilmente explorável pelo nascente capitalismo em crise, já que a imagem do judeu junto ao povo forjada em séculos de atividade comercial e usuária é a do indivíduo avaro, explorador. 25 Nota-se uma diferença interessante: enquanto na Europa Ocidental o judeu consegue assimilar-se na maioria dos países, na Europa Oriental ocorre o contrário. É essa aliás a razão pela qual a participação e mesmo a liderança dos Judeus emancipados do 23 FAYES, Ahmed. Op. cit., p SALEM, Helana. Op. cit., p Ibid., p

20 Ocidente se tornaram indispensáveis para a emancipação sionista das comunidades judias orientais. 26 Os judeus ocidentais engajaram-se, então, em uma ajuda filantrópica para retirar os judeus da Europa Oriental, transferindo-os para outros países. Ahmed Fayes exemplifica esta questão: Moses Montefiore (parente, por aliança, de Nathan Rotschild) ajuda os judeus russos, poloneses e rumenos a estabelecerem-se na Argentina; os Rothschild ajudam outros a tornarem-se agricultores e artesãos na Palestina; Mordecai Manuel Noah compra Grand Island (Ilha Grande), no Niágara, não vai lá, mas convida os judeus a irem. 27 Interessante é observar que o problema do judeu não-assimilado do oriente europeu é exportado para outros países fora da Europa. Já a assimilação ocidental judia encontrava-se, contudo, mais no âmbito econômico do que social. Alguns judeus tinham adquirido um poder financeiro muito forte no Ocidente Europeu. Os famosos Rothschild são um grande exemplo de sucesso econômico, pois eram os mais poderosos banqueiros do Império Britânico no século XIX. Por outro lado as massas judias ficavam privadas de um sentimento nacional, como nos esclarece Marcos Margulies: No Ocidente europeu, a emancipação do séc. XIX colocou-as [as massas judias] inesperadamente dentro da sociedade não judaica, caracterizada por profundos sentimentos nacionais. Estes eram alheios aos judeus que, excluídos então dos corpos nacionais, não 26 BARNIR, Dov. Op. cit., p FAYES, Ahmed. Op. cit., p

21 podiam deles compartilhar. Engendra-se, assim, um novo conflito entre ambos os grupos. Por outro lado, no Oriente europeu, continuavam em vigor as medidas da opressão. De ambos os lados, pois, os judeus haviam de procurar soluções imediatas e viáveis para a sua situação peculiar. 28 Isso mostra que, apesar de uma assimilação relativamente bem mais estabilizada em relação ao Oriente, grande parte dos judeus do Ocidente não via nos estados nacionais um corpo político totalmente favorável as suas particularidades costumes e religião. Já, de acordo com Maxime Rodinson, quanto às massas judias essencialmente animadas por um profundo desagrado pelas condições de opressão que sofriam, principalmente na Rússia czarista e na Europa Oriental, a situação lhes oferecia poucas escolhas: Perante a situação que lhes era imposta,[1]alguns judeus assimilados optavam pela luta política, eventualmente revolucionária, nos países que se sentiam cidadãos (...).[2]Outros eram impelidos para uma luta semelhante mas por intermédio de um reagrupamento entre judeus, como no caso dos budistas. [3] Outros finalmente, repudiando todos os laços com o povo, o país e o estado em que se encontravam integrados, colocavam a sua esperança numa outra pátria, uma pátria puramente judaica. 29 Das três opções apresentadas por Maxime Rodinson, a última daria origem ao movimento sionista político idealizado por Theodor Herzl. 28 MARGULIES, Marcos. Os Palestinos. Rio de Janeiro: Documentário, (Coleção Documentada/Fatos:5). p RODINSON, Maxime. Israel, facto colonial? In: MODERNES, Les Temps. Dossier do Conflito Israelo- Árabe. Portugal: Inova/Porto, 1968.(Colecção as Palavras e as Coisas). p

22 O Sionismo Político (1897) O termo sionismo, de acordo com François Massoulié, surge por volta de 1890 e se refere a Sion, colina de Jerusalém sobre a qual foi construído o primeiro templo judeu, e que simboliza a Terra Prometida. 30 Já Marcos Margulies, entende o sionismo como um conceito que acompanhou os judeus durante todo o transcorrer de sua história. O sionismo messiânico seria o mais antigo (séc. XII), sendo apenas um movimento sentimental e religioso, passivo e inoperante ; alguns pensadores judeus da Europa teriam apenas almejado a Palestina como um lugar perfeito. 31 Depois refere-se a um sionismo espiritual, inócuo e inviável segundo o autor; não lutavam, pois, pela ida dos judeus para a Palestina, nem preconizavam a criação de uma entidade política própria. Pretendiam apenas recriar ali o centro da vida cultural. 32 Em 1887, com o idealizador A. D. Gordon, teria surgido o sionismo prático, que pregava a volta imediata dos judeus à Palestina sem considerar os problemas de ordem política. Esse sionismo, como Margulies afirma, daria origem ao sionismo filantrópico, que seria a concretização do sionismo prático, através da ajuda de alguns potentados judeus 33, que realmente financiaram o estabelecimento de colônias agrícolas judias na Palestina a partir de MASSOULIÉ, François. Os Conflitos do Oriente Médio. [tradução Isa Mara Lando]. São Paulo: Ática, p MARGULIES, Marcos. Op. cit., p Ibid., p Ibid., p

CONFLITO ENTRE ISRAEL E PALESTINA CLAUDIO F GALDINO GEOGRAFIA

CONFLITO ENTRE ISRAEL E PALESTINA CLAUDIO F GALDINO GEOGRAFIA CONFLITO ENTRE ISRAEL E PALESTINA CLAUDIO F GALDINO GEOGRAFIA Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão AQUELA QUE TRAZ EMOÇÃO. PARA VOCÊ E SEU IRMÃO!!! Canaã Terra Prometida Abraão recebeu de Deus

Leia mais

Formação do Estado de Israel

Formação do Estado de Israel Arão e Sara recebem de Deus Canaã para viverem e a promessa que sua família se transformaria em uma nação numerosa. Livro do Bereshit (Gênesis) - Torá1 17/04/2013 1 BANDEIRA DE ISRAEL 17/04/2013 2 Primeira

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 1) (UFV) Das alternativas, aquela que corresponde à causa do acordo entre Israel e a Organização para Libertação da Palestina (OLP) é: a) o fortalecimento do grupo liderado por

Leia mais

ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA

ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA Origem do Judaísmo Os relatos bíblicos são a principal fonte de informações para entender as origens dos judeus. Segundo a Bíblia, Abraão recebeu de Deus a missão de levar

Leia mais

Israel e o mundo Árabe

Israel e o mundo Árabe Israel e o mundo Árabe Leonardo Herms Maia¹ Regina Cohen Barros² Para uma compreensão espacial e econômica deste assunto, irei abordar temas principais que nos mostram como Israel se tornou uma grande

Leia mais

Conflitos no Oriente Médio. Prof a Maria Fernanda Scelza

Conflitos no Oriente Médio. Prof a Maria Fernanda Scelza Conflitos no Oriente Médio Prof a Maria Fernanda Scelza Revolução Iraniana 1953: o Xá (rei) Mohamed Reza Pahlevi passou a governar autoritariamente o Irã; Seu objetivo era ocidentalizar o país, tornando-o

Leia mais

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria Oriente Médio 1.(VEST - RIO) A Guerra do Líbano, o conflito Irã/ Iraque, a questão Palestina, a Guerra do Golfo, são alguns dos conflitos que marcam ou marcaram o Oriente Médio. Das alternativas abaixo,

Leia mais

O povo da Bíblia HEBREUS

O povo da Bíblia HEBREUS O povo da Bíblia HEBREUS A FORMAÇÃO HEBRAICA Os hebreus eram pastores nômades que se organizavam em tribos lideradas por chefes de família denominado patriarca. Principais patriarcas: Abraão, Jacó e Isaac.

Leia mais

A formação do Estado de Israel

A formação do Estado de Israel A formação do Estado de Israel 1946: 500 mil judeus na Palestina querem a independência de Israel do domínio britânico Aumento da tensão entre israelenses e ingleses: centenas de ataques de judeus a britânicos

Leia mais

HENRY GUENIS SANTOS CHEMERIS O CONFLITO ISRAELO-PALESTINO SOB A ÓTICA DA TEORIA SISTÊMICA DE NIKLAS LUHMANN

HENRY GUENIS SANTOS CHEMERIS O CONFLITO ISRAELO-PALESTINO SOB A ÓTICA DA TEORIA SISTÊMICA DE NIKLAS LUHMANN 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS MESTRADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS HENRY GUENIS SANTOS CHEMERIS O CONFLITO

Leia mais

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. 2

Leia mais

7. TURQUIA OTOMANOS ISLAMISMO 8. IRÃ PERSAS e AZERIS ISLAMISMO (MAIORIA XIITA) 9. ISRAEL JUDEUS JUDAÍSMO

7. TURQUIA OTOMANOS ISLAMISMO 8. IRÃ PERSAS e AZERIS ISLAMISMO (MAIORIA XIITA) 9. ISRAEL JUDEUS JUDAÍSMO CONFLITO PALESTINO-ISRAELENSE O r i e n t e M é d i o 7 mi Km 2 Elo: 03 Continentes - Mar - Oceano. EGITO 25.000 Km 2 20 Mi Hab. Jordânia + sul do Líbano + Israel + Gaza e Cisjordânia ( Estado Palestino

Leia mais

História Geral. 3ª Edição - 2007

História Geral. 3ª Edição - 2007 História Geral 3ª Edição - 2007 Os Hebreus Localizado a leste da Mesopotâmia, constituía de um vasto planalto desértico rodeado de montanhas, entre a Mesopotâmia e a Índia. O Império Persa constituiu um

Leia mais

Exercícios sobre Israel e Palestina

Exercícios sobre Israel e Palestina Exercícios sobre Israel e Palestina Material de apoio do Extensivo 1. Observe o mapa a seguir, que representa uma área do Oriente Médio, onde ocorrem grandes tensões geopolíticas. MAGNOLI, Demétrio; ARAÚJO,

Leia mais

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX Descolonização e Lutas de Independência no Século XX A Independência da Índia (1947) - Antecedentes: Partido do Congresso (hindu) Liga Muçulmana Longa luta contra a Metrópole inglesa - Desobediência pacífica

Leia mais

Oriente Médio Oceania

Oriente Médio Oceania 1 Fonte: Para viver juntos: Geografia, 9º ano: ensino fundamental. São Paulo: Edições SM, 2008, p. 206. O mapa acima nos mostra uma região que tem sido motivo de disputas e conflitos entre os europeus

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

OBJETIVOS Ao fi nal da aula o(a) aluno(a) deverá: analisar os diversos aspectos que fazem da região da Palestina alvo de diversos conflitos.

OBJETIVOS Ao fi nal da aula o(a) aluno(a) deverá: analisar os diversos aspectos que fazem da região da Palestina alvo de diversos conflitos. Aula9 O ORIENTE MÉDIO META Compreender os processos que levaram palestinos e judeus a disputar o mesmo território. OBJETIVOS Ao fi nal da aula o(a) aluno(a) deverá: analisar os diversos aspectos que fazem

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental Aulas 6 e 7 A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) III- I- Local: Economia: região da agricultura, Palestina pastoreio ( Canaã (rio ou Jordão) terra prometida ). e comércio Atualmente:

Leia mais

A Antiguidade Oriental Hebreus

A Antiguidade Oriental Hebreus A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) Mar Mediterrâneo Delta do Nilo Egito NASA Photo EBibleTeacher.com Península nsula do Sinai Mt. Sinai Mar Vermelho Canaã Tradicional Rota do Êxodo

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto 3-5-2010 CURSO DE TIS MAHATMA GANDHI Sandra Jacinto 1869 Gandhi nasce no dia 2 de outubro, na Índia ocidental( Porbandar). 1891 - Forma-se em direito em Londres volta para a Índia a fim de praticar a advocacia.

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

ORIENTE MÉDIO CAPÍTULO 10 GRUPO 07

ORIENTE MÉDIO CAPÍTULO 10 GRUPO 07 ORIENTE MÉDIO CAPÍTULO 10 GRUPO 07 LOCALIZAÇÃO Compreende a região que se estende do Mar Vermelho e Canal de Suez, no Egito, até o Afeganistão, a leste. Também fazem parte do Oriente Médio a Ilha de Chipre,

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

Região de conflitos 1) Irã x Iraque: 2) Guerra do Golfo ou Iraque x Kuwait 3) Guerra no Afeganistão: 4) Guerra no Iraque ou Iraque x EUA:

Região de conflitos 1) Irã x Iraque: 2) Guerra do Golfo ou Iraque x Kuwait 3) Guerra no Afeganistão: 4) Guerra no Iraque ou Iraque x EUA: AVALIAÇÃO MENSAL DE GEOGRAFIA 1º Bim./2012 GABARITO Professor(a): Marcelo Duílio / Mônica Moraes Curso: Fund. II 9º ano Data: 08 / 03 / 2012 Tarde versão 2 Nome: BOA PROVA!!! Nº.: Instruções gerais Para

Leia mais

Islamismo. Sobre a cultura árabe.

Islamismo. Sobre a cultura árabe. Islamismo O livro sagrado da religião islâmica é chamado Alcorão que é composto por 114 capítulos que traduzem a mensagem de Deus enviada a Maomé, porém, nem sempre foi assim, antes da revelação maometana,

Leia mais

A questão da Irlanda do Norte

A questão da Irlanda do Norte A presença de vários grupos étnicos e religiosos num determinado país pode desencadear conflitos internos, principalmente quando um desses grupos aspira à conquista de sua autodeterminação política. Enquadraram-se

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

Easinfluências do Oriente.

Easinfluências do Oriente. IMPÉRIO BIZANTINO (séc IV a XV) Easinfluências do Oriente. PROFESSOR NICHOLAS GABRIEL MINOTTI LOPES FERREIRA INTRODUÇÃO O império romano caiu, dividiu-se em dois: Ocidental e Oriental. Oi Sua sede Bizâncio

Leia mais

História Geral. 3ª Edição - 2007

História Geral. 3ª Edição - 2007 História Geral 3ª Edição - 2007 Arábia Pré Islâmica Os Muçulmanos (Religião Islâmica) Caaba Página de um Alcorão do século XIX. O texto sagrado do islamismo, composto de 114 suratas ou capítulos contém

Leia mais

Conflito entre Israel e Palestina CONFLITO ATUAL

Conflito entre Israel e Palestina CONFLITO ATUAL Conflito entre Israel e Palestina CONFLITO ATUAL Os conflitos entre Israel e a Faixa de Gaza se intensificaram em junho e julho de 2014. Os dois territórios apresentam instabilidade política há anos, ou

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

IDADE MÉDIA ORIENTAL BIZANTINOS E ÁRABES

IDADE MÉDIA ORIENTAL BIZANTINOS E ÁRABES IDADE MÉDIA ORIENTAL BIZANTINOS E ÁRABES 1 O IMPÉRIO BIZANTINO: Império Romano do Oriente ou Império Grego. Constantinopla capital. Antiga Bizâncio, hoje Istambul (TUR). Local privilegiado estrategicamente

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Exercícios de Oriente Médio

Exercícios de Oriente Médio Exercícios de Oriente Médio 1. (Cesgranrio) Quanto aos conflitos entre árabes e israelenses, podemos dizer que: I - se aceleram com a partilha da Palestina realizada pela ONU em 1947, que deu origem ao

Leia mais

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 59 OS CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO (1973 A 1991)

HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 59 OS CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO (1973 A 1991) HISTÓRIA - 2 o ANO MÓDULO 59 OS CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO (1973 A 1991) Como pode cair no enem (ENEM) Em 1947, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou um plano de partilha da Palestina

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 9.º Turma: ABCDEF Data: / / 1 11 009 Física Prof. s Fernandes e

Leia mais

Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.2 Conteúdo: Israel: uma política desenvolvida na região. A difícil criação de um Estado Palestino.

Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.2 Conteúdo: Israel: uma política desenvolvida na região. A difícil criação de um Estado Palestino. Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.2 Conteúdo: Israel: uma política desenvolvida na região. A difícil criação de um Estado Palestino. 2 Habilidades: Analisar os motivos que levaram ao conflito entre

Leia mais

Prof ª Viviane Jordão

Prof ª Viviane Jordão Prof ª Viviane Jordão LOCALIZAÇÃO Localização geográfica estratégica, na Ásia Ocidental (ponto de encontro entre a Ásia, Europa e África). ORIENTE MÉDIO 1. Turquia 2. Síria 3. Chipre 4. Líbano 5. Israel

Leia mais

Barak Articula Articulação com o estopim Sharon

Barak Articula Articulação com o estopim Sharon Barak Articula Articulação com o estopim Sharon JERUSALÉM- Ehud Barak está prestes a fazer um acordo para formar um governo de unidade nacional com o líder do direitista palestino Likud, Ariel Sharon,

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

Mapa Geográfico de Israel

Mapa Geográfico de Israel ESTADO DE ISRAEL Mapa Geográfico de Israel Factores de Identidade Para alguns, a definição do termo "judeu" ainda se divide entre a interpretação sionista, de uma nação judaica e a interpretação religiosa,

Leia mais

Geografia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Geografia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Geografia Questão 1 Em 1967, por ocasião da Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou de seus vizinhos árabes uma série de territórios, entre eles a Península do

Leia mais

A Guerra dos Seis Dias

A Guerra dos Seis Dias A Guerra dos Seis Dias Desde o fim da Segunda Guerra Mundial e da criação do Estado de Israel em 1948 que o Oriente Médio vive em uma constante tensão bélica por conta das inúmeras discordâncias entre

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

ISRAEL E PALESTINA COMO COMEÇOU O CONFLITO?

ISRAEL E PALESTINA COMO COMEÇOU O CONFLITO? ISRAEL E PALESTINA COMO COMEÇOU O CONFLITO? O movimento sionista, que procurava criar um Estado para os judeus, ganhou força no início do século 20, incentivado pelo antissemitismo sofrido por judeus na

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Observe a imagem e responda às questões 1 e 2. REPRODUÇÃO 1. Cite dois elementos presentes na imagem que representam a Igreja católica.

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio Todavia, eu sou o SENHOR teu Deus desde a terra do Egito; portanto não reconhecerás outro deus além de mim, porque não há Salvador

Leia mais

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Aumentar a fonte Diminuir a fonte MUNDO ÁRABE A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Apesar da vitória diplomática palestina na ONU, a existência de um Estado fica difícil com os novos

Leia mais

ESTADO ISLÂMICO: ORIGENS, SITUAÇÃO ATUAL E DESDOBRAMENTOS NO SI. Alexandre Fuccille (UNESP)

ESTADO ISLÂMICO: ORIGENS, SITUAÇÃO ATUAL E DESDOBRAMENTOS NO SI. Alexandre Fuccille (UNESP) ORIGENS, SITUAÇÃO ATUAL E DESDOBRAMENTOS NO SI Alexandre Fuccille (UNESP) O OVO DA SERPENTE O OVO DA SERPENTE O OVO DA SERPENTE Fim da 1º Guerra Mundial (1918): desagregação do Império Otomano e partilha

Leia mais

SEMITAS DE DUAS REGIÕES COM VÁRIAS HISTÓRIAS

SEMITAS DE DUAS REGIÕES COM VÁRIAS HISTÓRIAS SEMITAS DE DUAS REGIÕES COM VÁRIAS HISTÓRIAS Como analisar o conflito entre judeus e palestinos? Se seguirmos a lógica de quem chegou primeiro à região, então os palestinos (antigos filisteus) estão com

Leia mais

E.E. Dr. João Thienne Geografia

E.E. Dr. João Thienne Geografia E.E. Dr. João Thienne Geografia INTRODUÇÃO O presente trabalho é sobre conflitos no Cáucaso, mais concretamente o caso da Chechênia. São objetivos deste trabalho adquirir conhecimentos sobre o assunto,

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org TERRA EM TRANSE POVO EM DESESPERO Relatos e reflexões a partir de uma viagem a Jerusalém e territórios

Leia mais

A Palestina também foi ocupada por outros povos na Antiguidade, contudo, os hebreus foram predominantes.

A Palestina também foi ocupada por outros povos na Antiguidade, contudo, os hebreus foram predominantes. Os Hebreus Embora não tenham sido tão poderosos quanto os egípcios e as civilizações mesopotâmicas, os hebreus também foram importantes para a Antiguidade Oriental, com significativas realizações. A história

Leia mais

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações MESOPOTÂMIA FENÍCIA ISRAEL EGITO ORIENTE MÉDIO PÉRSIA ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE ORIENTAL Mesopotâmia - Iraque Egito Hebreus Israel Fenícios Líbano Pérsia

Leia mais

Apostila 03 - Atividade 35 pp. 69-74 Aspectos Naturais: relevo, hidrografia, clima e vegetação

Apostila 03 - Atividade 35 pp. 69-74 Aspectos Naturais: relevo, hidrografia, clima e vegetação Apostila 03 - Atividade 35 pp. 69-74 Aspectos Naturais: relevo, hidrografia, clima e vegetação 01. F, V, V, F, V. 02. Oceano Glacial Ártico; Círculo Polar Ártico; Montes Urais; Trópico de Câncer; Oceano

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Antiguidade Oriental Egito Mesopotâmia Palestina Hebreus. Pérsia. Profª.. Auxiliadora

Antiguidade Oriental Egito Mesopotâmia Palestina Hebreus. Pérsia. Profª.. Auxiliadora Antiguidade Oriental Egito Mesopotâmia Palestina Hebreus Fenícios Pérsia Profª.. Auxiliadora Crescente Fértil F Impérios Teocráticos de Regadio ANTIGÜIDADE IDADE ORIENTAL EGITO Período Pré-Din Dinástico

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA

IGREJA NA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA -Características: *Grandes transformações no sistema feudal; *aumento da produção agrícola; *aparecimento da burguesia; *crise de poder da nobreza feudal. IGREJA NA

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro "O Estado Judeu", criou o movimento sionista.

1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro O Estado Judeu, criou o movimento sionista. 1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro "O Estado Judeu", criou o movimento sionista. O objetivo era estabelecer um lar nacional para os judeus na

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS Um assunto que volta e meia ocupa as manchetes de jornais do mundo inteiro há décadas é a questão sobre o conflito entre israelenses e palestinos

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX Caderno 9» Capítulo 1 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Caderno

Leia mais

Colégio Jardim São Paulo 2012 9 os Anos. ORIENTE MÉDIO 2. prof. Marcelo Duílio profa. Mônica Moraes

Colégio Jardim São Paulo 2012 9 os Anos. ORIENTE MÉDIO 2. prof. Marcelo Duílio profa. Mônica Moraes Colégio Jardim São Paulo 2012 9 os Anos. ORIENTE MÉDIO 2 prof. Marcelo Duílio profa. Mônica Moraes 1 ORIENTE MÉDIO Quadro político e socioeconômico Essa região divide se politicamente em uma porção continental:

Leia mais

A VIOLÊNCIA RELIGIOSA CONTEMPORÂNEA

A VIOLÊNCIA RELIGIOSA CONTEMPORÂNEA A VIOLÊNCIA RELIGIOSA CONTEMPORÂNEA Carlos Alberto da Silva Tomei a liberdade de ler os três livros sagrados das maiores religiões da atualidade a Bíblia, o Al Corão e a Torá e a partir deles, escrever

Leia mais

As Civilizações Antigas do Oriente II

As Civilizações Antigas do Oriente II As Civilizações Antigas do Oriente II PERSAS, HEBREUS E FENÍCIOS Prof. Alan Carlos Ghedini Os Persas ENTRE CIRO, DARIO E XERXES A Origem Persas e Medos, um povo de origem indo-europeia (árias), estabeleceram-se

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Notas do jornalista José Arbex sobre o trabalho da delegação de entidades ligadas o Conselho Internacional

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

O MUNDO ISLÂMICO Prof. Nilson Urias

O MUNDO ISLÂMICO Prof. Nilson Urias O MUNDO ISLÂMICO Prof. Nilson Urias É a religião com maior número de seguidores e é a religião que mais cresce no mundo. Noite do Destino : Maomé recebe a revelação do anjo Gabriel. Só há um Deus, que

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

Sua pergunta vem com restrições claras: Não citar religião ou dogmas religiosos.

Sua pergunta vem com restrições claras: Não citar religião ou dogmas religiosos. Bom dia, Ilario, como vai? Sua pergunta vem com restrições claras: Não citar religião ou dogmas religiosos. Mas, como (tentar) compreender uma crise numa região que tem justamente no exercício da fé, a

Leia mais

Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes,

Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes, 1 Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes, É com muita emoção que ocupo esta importante Tribuna

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio Análise Segurança Prof. Danny Zahreddine 25 de fevereiro de

Leia mais