Plano Decenal Municipal de Atendimento Socioeducativo de Porto Velho/RO VERSÃO PRELIMINAR PARA CONSULTA PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Decenal Municipal de Atendimento Socioeducativo de Porto Velho/RO VERSÃO PRELIMINAR PARA CONSULTA PÚBLICA"

Transcrição

1 Plano Decenal Municipal de Atendimento Socioeducativo de Porto Velho/RO VERSÃO PRELIMINAR PARA CONSULTA PÚBLICA Junho/2015

2 Mauro Nazif Rasul Prefeito Municipal de Porto Velho Daniel Vieira de Araújo Secretário Municipal da Assistência Social Maria Elzenir da Silva Viana Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Albaniza Batista de Oliveira Coordenadora da Proteção Social Especial Odila Maria Miranda Oliveira Diretora de Média Complexidade Junior Cesar Minin Chefe de Divisão CREAS/MSEMA

3 COMISSÃO GERAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO DECENAL MUNICIPAL I Representantes do Poder Público Municipal a) Secretaria Municipal de Assistência Social Daniel Vieira de Araújo Conceição A. de Maria Passos da Silva Junior Cesar Minin Odila Maria Miranda Oliveira b) Secretaria Municipal de Educação Rebeca Maria Passos da Silva c) Secretaria Municipal de Saúde José Carlos Coutinho Daniel Amaral Lima d) Secretaria Municipal Desenvolvimento Socioeconômico e Turismo Francisco Carlos da Silva Lins e) Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para Juventude Bruno Eduardo Costa II Representantes da Sociedade Civil Organizada a) Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mônica Maria Chaves de Amorim b) Conselho Municipal de Assistência Social Fernando Rodrigues Rocha c) Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente Ana Cláudia C. Melquide Ângela Fortes Ezielmo de Souza Rodrigues

4 d) Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Fabiane do N. Costa Maria Alice Ribeiro e) Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Porto Velho Letícia Botelho f) Centro de Integração Empresa-Escola Caroline Gonçalves Araújo Oliveira Ingrid Lima Lira III Representantes do Poder Judiciário a) Promotoria da Infância e Juventude Maria José Ferreira Souza Nilciane R. Veloso Yasmim Daher dos Santos b) Defensoria Pública Barbara Fogaça Marillya Gondim Reis c) Juizado da Infância e Juventude Eliete Cabral de Lima Vera Regina S. Machado III Representante do Poder Público estadual a) Secretaria de Estado de Assistência Social Ana Karla S. F. Santos Massimo O. Mesquita b) Secretaria de Estado de Justiça Antônio Cardoso da Silva IV Representante de Instituição de Ensino Superior a) Reitoria da Universidade federal de Rondonia Vinícius Valentim Raduan Miguel

5 Coordenação Geral: Mônica Maria Chaves de Amorim Consultoria Técnica e Redação Final: Alexandra Dantas da Silva Cássia Cristina de O. Pereira Claudir Paulo Loch Junior Joseline Souza Castro Jucerlânia S. R. Ribeiro Ruth Pontes Pereira Araújo Simone Almeida dos Santos Oliveira Tânia do Socorro Silva da Silva Verusca Gomes dos Santos

6 Ao rio que tudo arrasta se diz violento, mas ninguém diz violenta as margens que o comprimem. (Bertold Brecht)

7 SUMÁRIO ÍNDICE DE SIGLAS 09 ÍNDICE DE GRÁFICOS 10 ÍNDICE DE TABELAS 12 APRESENTAÇÃO 13 INTRODUÇÃO PRINCÍPIOS E DIRETRIZES PRINCÍPIOS DIRETRIZES MEDIDAS SOCIEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO EM PORTO VELHO HISTÓRICO DA SOCIOEDUCAÇÃO EM PORTO VELHO CARACTERIZAÇÃO DA DEMANDA TIPOLOGIA DA DEMANDA GÊNERO SITUAÇÃO ESCOLAR IDADE TERRITORIALIDADE A PERSPECTIVA DOS ADOLESCENTES E FAMILIARES NO PLANO DECENAL REDE DE SERVIÇOS E ATENDIMENTO SAÚDE 31

8 3.2 ASSISTÊNCIA SOCIAL EDUCAÇÃO ESPORTE E CULTURA PROFISSIONALIZAÇÃO SEGURANÇA PÚBLICA SISTEMA DE JUSTIÇA INSTÂNCIAS DE CONTROLE SOCIAL DEFESA DE DIREITOS MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EIXOS OPERATIVOS EIXO 01 GESTÃO SINASE EIXO 02 QUALIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO EIXO 03 PARTICIPAÇÃO E AUTONOMIA DOS ADOLESCENTES EIXO 04 FORTALECIMENTO DOS SISTEMAS DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA 49 REFERÊNCIAS 50

9 ÍNDICE DE SIGLAS 1º JIJ Primeiro Juizados da Infância e Juventude CAPS Centro de Atenção Psicossocial CAPSad Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas CAPSi Centro de Atenção Psicossocial Infantil CDCA Centro de Defesa da Criança e do Adolescente CEM Centro de especialidade Médicas CIEE Centro de Integração Empresa-Escola CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDCA Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CONANDA Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente CRAS Centro de Referência em Assistência Social CREAS Centro de Referência Especializado em Assistência Social CREAS-MSEMA Centro de Referência Especializado em Assistência Social de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto CTCA Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente DEAAI Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais ECA Estatuto da Criança e do Adolescente EJA Educação de Jovens e Adultos GT Grupo de Trabalho IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ISMA Inspetoria Salesiana Missionária da Amazônia LA Liberdade Assistida MP Ministério Público PSC Prestação de Serviço à Comunidade SEARH Secretaria de Estado de Administração e Recursos Humanos SEAS Secretaria de Estado de Assistência Social

10 SEDUC Secretaria de Estado de Educação SEJUS Secretaria de Estado de Justiça SEMAD Secretaria Municipal de Administração SEMAS Secretaria Municipal de Assistência Social SEMDESTUR Secretaria Municipal de Desenvolvimento Socioeconômico e Turismo SEMED Secretaria Municipal de Educação SEMES Secretaria Municipal de Esporte e Lazer SEMUSA Secretaria Municipal de Saúde SESAU Secretaria de Estado de Saúde SGD Sistema de Garantia de Direitos SINASE Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo SINE Sistema Nacional de Emprego UBS Unidade Básica de Saúde UPA Unidade de Pronto Atendimento USF Unidade de Saúde da Família

11 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 01 TIPOLOGIA DA DEMANDA 20 Gráfico 02 GÊNERO 21 Gráfico 03 ESCOLARIDADE 22 Gráfico 04 IDADE 23 Gráfico 05 TERRITORIALIDADE/BAIRROS I 24 Gráfico 06 TERRITORIALIDADE/BAIRROS II 24 Gráfico 07 TERRITORIALIDADE/BAIRROS III 25 Gráfico 08 TERRITORIALIDADE/BAIRROS IV 25 Gráfico 09 TERRITORIALIDADE/ZONAS 26 Gráfico 10 TERRITORIALIDADE/DISTRITOS 26

12 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 01 PERSPECTIVA/ANGÚSTIA DOS ADOLESCENTES 29 Tabela 02 PERSPECTIVA/ANGÚSTIA DOS FAMILIARES 30 Tabela 03 PROGRAMA NAS ESCOLAS 34 Tabela 04 ATIVIDADES SEMED 34 Tabela 05 ESCOLAS DESPORTIVAS SEMES 36

13 APRESENTAÇÃO A execução das políticas voltadas para a população infanto juvenil tem, como um de seus nortes fundamentais, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), lei Federal n 8.069, de 13 de julho de 1990 (BRASIL, 2012), que os qualifica como ser em desenvolvimento e com direitos que devem ser resguardados. Isto possibilitou uma mudança de paradigma tanto na área protetiva quanto no que diz respeito ao ato infracional. Além disso, na área da socioeducação, temos o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE), que fornece orientações para a gestão e a aplicação das medidas socioeducativas, descritas no art. 122 do ECA. Buscando, assim, assegurar os direitos sociais da pessoa humana e a proteção social integral e prioritária à criança e ao adolescente, como garantido no art 6º da Constituição Federal de 1988 e no art. 4º do ECA, o Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA) aprovou o Plano Nacional de Atendimento Socioeducativo, que prevê ações articuladas nas áreas de educação, assistência social, saúde, cultura, trabalho, esporte e lazer para adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa. E ao mesmo tempo, através da Resolução nº 161 de 04 de dezembro de 2013, estabeleceu parâmetros para discussão e elaboração dos planos socioeducativos nas esferas estaduais, distrital e municipal. Dessa forma, enfrentando a dificuldade de articular e mobilizar os aparelhos institucionais responsáveis, procurou-se construir de forma coletiva este Plano, o que se mostrou fundamental para fortalecer a atuação conjunta dos órgãos governamentais que realizam o acompanhamento desta demanda, das entidades organizadas da sociedade civil envolvidas com este processo, e dos próprios adolescentes e seus familiares que participaram com sugestões e comentários. Como resultado dessas articulações, a Prefeitura Municipal de Porto Velho, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, apresenta o Plano Decenal Municipal de Atendimento Socioeducativo de Porto Velho/RO. Espera-se, entretanto, que este Plano não seja somente um conjunto articulado de ações governamentais e não-governamentais, mas que realmente impulsione o processo de efetivação de direitos, observando a coresponsabiliadade de cada ator deste sistema, para alcançar o objetivo primordial de proporcionar um atendimento humanizado dos adolescentes em conflito com a lei. Daniel Vieira de Araújo Secretário Municipal de Assistência Social

14 INTRODUÇÃO Desde o século XX, as questões relacionadas à infância são incorporadas na agenda das políticas sociais de diversos países que realizam esforços no sentido de reconhecer os direitos das crianças e dos adolescentes. Por sua condição de vulnerabilidade social, em 1924 foi promulgado o primeiro documento internacional em defesa da criança e do adolescente, a Declaração de Genebra. Este documento declara que, independentemente da nacionalidade, raça, idade e credo, a criança deve ser protegida, respeitada e com as condições necessárias para seu desenvolvimento integral. Em 1948, depois das atrocidades consequentes da Segunda Guerra Mundial, foi promulgada na Assembleia das Nações Unidas a Declaração Universal dos Direitos do Homem, com a perspectiva de abarcar indistintamente os seres humanos, inclusive as crianças. A partir disso, elaborou-se outro documento especificamente para tratar dos direitos das crianças, sendo, em 1959, aprovada por unanimidade, a Declaração dos Direitos da Criança, que incorporou em seu texto grande parte do que foi assegurado na Declaração de Genebra. O mais recente documento que reconhece estes direitos é a declaração de Barcelona de 2007, que apresenta estratégias para defendê-los da pobreza, de todos os tipos de abuso e discriminação, assim como assegurar adequado cuidado de saúde, educação e participação social. No Brasil, de 1906 a 1927, diversos projetos de lei foram debatidos, com o objetivo de se regulamentar a proteção e a assistência à infância. Medidas de prevenção, proteção e assistência eram gestadas, visando a criança abandonada (física e moralmente) e em conflito com a lei: Paralelamente se veio construindo a Doutrina do Direito do Menor, fundada no binômio carência/delinquência. Se não mais se confundiam adultos com crianças, desta nova concepção resulta um outro mal: a consequente criminalização da pobreza (DAL POS, 2008, p. 31) Foi em meio a esta confusão conceitual de carência e delinquência, na qual não há a diferenciação entre menor abandonado e adolescente em conflito com a lei, que surgiram as primeiras legislações brasileiras em relação ao novo Direito da Criança, especialmente o Código de Menores de 1927, chamado Código de Mello Mattos. Sob este aspecto, refere Irene Rizzini (2011, p.28) que: [...] a extensão do texto faz com que destoe dos demais projetos e decretos que o antecederam; porém, seu conteúdo era, em

15 essência, o mesmo que vinha sendo formado ao longo dos anos. A leitura da lei dá a impressão que se procurou coibir um amplo espectro de situações envolvendo a população infantil e juvenil. Parece-nos que o legislador, ao propor a regulamentação de medidas de proteção, englobando a assistência, enveredou por uma área social que ultrapassava em muito as fronteiros do jurídico. O que impulsionava era resolver o problema dos menores, prevendo todos os possíveis detalhes e exercendo firme controle sobre os menores, por mecanismos de tutela, guarda, vigilância, reeducação, reabilitação, preservação, reforma, e educação. Percebe-se no texto a evidencia de que é preciso resolver o problema dos menores, o que faz compreender que até o advento da constituição da república de 1988 e do Estatuto da Criança e do Adolescente (lei Federal nº ), as leis não faziam qualquer distinção entre Criança e Adolescente. A evolução normativa das formas de tratamento de crianças e adolescentes na sociedade brasileira constitui um dos capítulos mais particulares da história do país no século XX. Isso ocorreu porque a relação da sociedade com a parte mais vulnerável de sua população foi um caso especial, um capítulo da conquista da cidadania por grandes massas populacionais, na evolução do conjunto das relações sociais no Brasil. É nesta evolução das relações sociais e políticas públicas para a infância e juventude que se localiza o ECA, o SINASE e o Planos de Direitos da Criança e do Adolescente, neste caso o de atendimento socioeducativo. Diante destes fatores e marcos legais, a Prefeitura Municipal de Porto Velho, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social (SEMAS), assumiu a atribuição de mobilizar, coordenar e articular com os diversos atores do Sistema de Garantias de Direitos a construção deste plano, objetivando a garantia dos direitos fundamentais dos adolescentes que cometem ato infracional. Assim, buscou-se cumprir as indicações do SINASE, do Plano Nacional de Atendimento Socioeducativo e da versão preliminar do Plano Decenal de Atendimento Socioeducativo do Estado de Rondônia. Dessa forma, nos meses de março e abril de 2015, buscou-se como instituições norteadoras a Secretaria de Estado de Assistência Social (SEAS), o 1º Juizado da Infância e Juventude, Ministério Público (MP), Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (CDCA) e outros atores, a fim de organizar uma rede com o propósito de construir o plano. E, ao mesmo tempo, por meio da portaria nº 071 DRH/GAB/SEMAS, criou-se uma comissão específica para contribuir com a elaboração deste Plano, constituída por psicólogos e assistentes sociais que acompanham adolescentes em cumprimento das medidas socioeducativas de

16 Liberdade Assistida e Prestação de Serviço à Comunidade em Porto Velho, Rondônia, responsável por organizar e redigir o conteúdo das discussões. Consequentemente, na data de 22 de abril do corrente ano, ocorreu o 1º Encontro para o Plano Decenal Municipal de Atendimento Socioeducativo, realizado na sede da SEMAS. Primeiramente, a Sra. Eliete Cabral de Lima, Assistente Social do 1º Juizado da Infância e Juventude (I JIJ), falou sobre a Definição de socioeducação ; após este momento a Sra. Albaniza Batista de Oliveira, então chefe de apoio do Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Liberdade Assistida (LA), e de Prestação de Serviços à Comunidade (PSC), abordou a temática A socioeducação em Porto Velho e, finalizando, o Sr. Antônio Cardoso da Silva, Socioeducador da Secretaria de Estado de Justiça (SEJUS), relatou sobre A Construção do Plano Decenal Estadual e os passos para a construção de um plano. Além disso, foram entregues aos presentes neste encontro, orientações para as discussões e proposituras de cada órgão da rede municipal e estadual de atendimento, tendo como datas para a apresentação destas os dias 12/05, 22/05, 15/06 e 23/06, respectivamente o 2º, 3º, 4º e 5º encontros. No que se refere à construção do diagnóstico situacional de como ocorre o atendimento socioeducativo em meio aberto no município de Porto Velho, buscouse dados da realidade local na SEMAS, por meio do Centro de Referência Especializado em Assistência Social de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto (CREAS-MSEMA), que forneceu dados sistematizados do perfil e das necessidades dos adolescentes atendidos. Entretanto, como não se encontra estruturado no CREAS-MSEMA um banco de dados mais abrangente e atualizado, as informações disponíveis refletem a realidade socioeducativa apenas de forma parcial, sendo a criação desse banco de dados, inclusive, uma meta proposta neste Plano Decenal Municipal. Ainda que parcial, o acesso a tais dados possibilitou a produção de um conhecimento iluminador dos caminhos necessários para a definição de iniciativas voltadas à diminuição dos fatores de risco e, consequentemente, para o fortalecimento dos fatores de proteção. Complementando os dados quantitativos, as reuniões do Grupo de Trabalho (GT) buscaram refletir mais qualitativamente sobre os entraves, as necessidades e as condições atuais do atendimento socioeducativo em meio aberto, partindo da experiência profissional dos participantes e de documentos produzidos na área.

17 E as reflexões qualitativas se tornaram ainda mais instigadoras quando, nos dias 23 e 24 de junho de 2015, adolescentes que cumprem medida socioeducativa no CREAS-MSEMA e seus familiares participaram da construção deste Plano com sugestões e comentários. Para a organização e composição deste observamos, também, as Recomendações para Elaboração dos Planos Estaduais, Distrito Federal e Municipais de atendimento Socioeducativo (BRASÍLIA, 2014), proposta pelo SINASE. Portanto, é composto pelas seguintes partes: Princípios e diretrizes Medidas socioeducativas em Porto Velho Redes de Serviços e Atendimento Monitoramento e Avaliação Eixos Operativos Especificamente sobre este último tópico, define-se os objetivos e metas organizadas nos quatros eixos abaixo: Gestão do SINASE Qualificação do Atendimento Participação e Autonomia do Adolescente Fortalecimento dos Sistemas de Justiça e Segurança Os prazos para desenvolvimento das estratégias estão distribuídos em três períodos em conformidade com o ciclo orçamentário: 1º Período: 2015 a º Período: 2018 a º Período: 2022 a 2024 O monitoramento será contínuo e ao final de cada um destes períodos, objetivando avaliar e corrigir o processo de execução deste Plano. Enfim, é apropriado salientar que este plano é o resultado de um processo de construção participativa reconhecendo a estrutura, a funcionalidade e as necessidades dos serviços de atendimento, somada as contribuições das instituições da sociedade civil com seus programas e parcerias.

18 1. PRINCÍPIOS E DIRETRIZES A execução das metas do Plano Decenal Municipal é norteado pelos princípios e diretrizes abaixo relacionados. 1.1 PRINCÍPIOS a) Os adolescentes são sujeitos de direitos a serem garantidos. b) Ao adolescente que cumpre medida socioeducativa deve ser garantida a proteção integral de seus direitos. c) Garantir a inserção social do adolescente. d) Primazia pela redução da reincidência no cometimento de ato infracional; e) Fortalecimento das relações familiares e comunitárias. f) Desenvolver um trabalho articulado, primando pela responsabilidade e coresponsabilidades dos envolvidos no processo de socioeducação. 1.2 DIRETRIZES a) Execução das medidas socioeducativas com eficiência e eficácia, valorizando a individualidade do socioeducando. b) Garantia de humanização na execução dos programas/serviços de atendimento socioeducativo, com objetivo de personalizar, controlar e validar as ações de maneira que atendam aos anseios e necessidades dos adolescentes e família. c) Promover ações que favoreçam aos adolescentes oportunidades para a ruptura da pratica infracional e reinserção à sociedade de forma construtiva, bem como, empoderamento familiar pelo fortalecimento de vínculos afetivos, inserção em programas de transferência e geração de renda. d) Contribuir para a capacitação dos atores do sistema socioeducativo. e) Sensibilização da sociedade sobre a temática do adolescente em conflito com a lei.

19 2. MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO EM PORTO VELHO Uma vez que o adolescente cometa um ato infracional o ECA prevê, em seu artº 122, as seguintes medidas: a) Advertência; b) Obrigação de reparar o dano; c) Prestação de serviços à comunidade; d) Liberdade assistida; e) Inserção em regime de semiliberdade; f) Internação em estabelecimento educacional; As duas primeiras medidas são de execução e controle do Poder Judiciário, enquanto as medidas de semiliberdade e internação são de responsabilidade do Estado, em Rondônia não existe, até o momento, a oferta da semiliberdade. E ao Município compete a efetivação das medidas em meio aberto: a Prestação de Serviços a Comunidade e Liberdade Assistida. Após essas considerações e objetivando contextualizar a execução do atendimento socioeducativo em meio aberto, apresenta-se primeiramente um breve histórico das medidas socioeducativas em meio aberto em Porto Velho, a caracterização da demanda mostrando a realidade quantitativa dos jovens acompanhados pelo CREAS-MSEMA e, por fim, a perspectiva dos adolescentes e dos familiares no plano decenal. 2.1 HISTÓRICO DA SOCIOEDUCAÇÃO EM PORTO VELHO A implementação da municipalização em Porto Velho faz parte da história recente da execução de políticas públicas no município. Em 2007, a SEMAS apresentou à Secretaria Especial dos Direitos Humanos e a Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do adolescente, o Projeto Fênix, que seria o responsável pela execução das medidas socioeducativas de Liberdade Assistida e Prestação de Serviço à Comunidade. No entanto, apenas em janeiro de 2008, é que o Projeto Fênix iniciou sua atuação. Em 05 de setembro de 2011, por meio do Decreto Municipal nº , foi efetivada a municipalização das medidas em meio aberto. Porém, apenas no ano

20 de 2012 essa gestão tornou-se plena, sendo oferecido o serviço na unidade CREAS, que em Porto Velho funciona a Rua Geraldo Ferreira, nº2176, bairro Agenor de Carvalho. Seguindo a Resolução nº 109/09 do Conselho Nacional de Assistência Social que tipifica os serviços socioassistencias e localiza o Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Liberdade Assistida (LA), e de Prestação de Serviços à Comunidade (PSC) como de responsabilidade do CREAS. A execução das medidas socioeducativas em meio aberto pela Prefeitura do Município de Porto Velho visa o resgate social, oportunizando uma recondução de vida digna aos adolescentes autores de atos infracionais que encontram-se em conflito com a lei e vulnerabilidade social. Desta forma a Prefeitura de Porto Velho posiciona-se ativamente numa das mais complexas problemáticas urbanas. 2.2 CARACTERIZAÇÃO DA DEMANDA Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBEGE, 2014), o município de Porto Velho possuía uma população estimada em cerca de um milhão setecentos e quarenta e oito mil, quinhentos e trinta e um habitantes ( ) no mês de julho de Além disso, conforme o Censo (2010) a população residente na faixa etária de 10 a 14 anos era de cento e cinquenta e seis mil, duzentas e setenta e seis ( ) pessoas e de 15 a 19 anos um total de pessoas. Isto nos mostra a importância da efetivação de políticas públicas, com serviços e programas voltados para a população infanto juvenil, com o objetivo de assegurar seus direitos e propiciar um desenvolvimento normal a todos. Em 2014, o CREAS-MSEMA realizou o acompanhamento de casos, todos encaminhados pelo 1º Juizado da Infância e Juventude, considerando que o público alvo do serviço são adolescentes de 12 a 18 anos, excepcionalmente até os 21 anos, autores de ato infracional e suas famílias residentes em Porto Velho e seus distritos. Este é um número considerável de atendimentos, o que possibilita o questionamento referente a prevenção para que o adolescente não se envolva em atos infracionais, e também sobre o quantitativo destes que são reincidentes uma vez que não foi realizada estatística referente isto. É importante lembrar que os dados estatísticos aqui apresentados são indicativos dos atendimentos do CREAS-MSEMA e referem-se ao ano de 2014 e têm como base os relatórios mensais coletados pela equipe técnica, bem como pela equipe administrativa.

21 Abaixo temos os dados desta demanda organizados pelos seguintes tópicos: tipologia da demanda, gênero, situação escolar, idade e territorialidade Tipologia da Demanda São diversos os tipos de ato infracional que resultam nas medidas socioeducativas de Liberdade Assistida e Prestação de Serviço à Comunidade. O gráfico 01 caracteriza a tipologia da demanda de adolescentes no CREAS- MSEMA de Porto Velho/RO, referente ao ano de 2014: Gráfico 01 Gráfico 01 TIPOLOGIA DA DEMANDA Fonte: CREAS/MSEMA 2014 No gráfico acima, notamos que a maior parte da demanda atendida é de adolescentes que cometeram infrações equiparadas aos crimes de roubo e furto

22 (artigos 155 e 157, ambos do Código Penal), o que corrobora com o levantamento realizado no Plano Decenal de Atendimento Socioeducativo do Estado de Rondônia Gênero Gráfico 02 GÊNERO Fonte: CREAS/MSEMA 2014 Observa-se que os adolescentes atendidos são, em sua maioria, do sexo masculino (85%), parcela da população mais exposta ao ato infracional, enquanto 15% são do sexo feminino. Esse indicativo de gênero alerta para a necessidade de ações e políticas voltadas para esse público Situação Escolar O gráfico 03 apresenta dados de 2014 referente à quantidade de adolescentes matriculados em cada ano, no ensino regular e na EJA, e o numero de desistentes:

23 ESCOLARIDADE 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5º ano 6º ano 7º ano 8º ano 9º ano 1º ano do Ensino Médio 2º ano do Ensino Médio 3º ano do Ensino Médio 1º ano EJA 2º ano EJA 3º ano EJA 4º ano EJA 5º ano EJA 6º ano EJA 7º ano EJA 8º ano EJA 9º ano EJA 1º ano do Ensino Médio EJA 2º ano do Ensino Médio EJA 3º ano do Ensino Médio EJA Desistentes Somente Matriculado 0% 1% 1% 4% 3% 5% 10% 34% 7% 4% 0% 0% 0% 2% 2% 6% 5% 4% 1% 5% 0% 0% 2% 1% 0% 0% Gráfico 03 ESCOLARIDADE Fonte: CREAS/MSEMA 2014 Observa-se que 34% dos adolescentes atendidos por este serviço são desistentes, evidenciando uma dificuldade encontrada na execução das medidas, uma vez que estar estudando é uma das prerrogativas para considerar que o adolescente esteja em cumprimento da medida. Salienta-se, também, que parte desses adolescentes desistentes passaram por Unidade de Internação Provisória antes de serem sentenciados à Medida Socioeducativa em Meio Aberto Idade Os adolescentes que cumprem as Medidas Socioeducativas de Liberdade Assistida e/ou Prestação de Serviço à Comunidade em meio aberto podem, de acordo com o ECA (BRASIL, 2012), permanecer até os 21 anos, excepcionalmente. O gráfico 04, referente ao ano de 2014, apresenta a

24 porcentagem (quantidade de adolescentes) que foram atendidos em cada idade da faixa etária de 12 a 21 anos. 15% 27% 8% 0% 1% IDADE 0% 3% 8% 23% 15% 12 anos 13 anos 14 anos 15 anos 16 anos 17 anos 18 anos 19 anos 20 anos 21 anos Gráfico 04 IDADE Fonte: CREAS/MSEMA 2014 Pode-se observar que, em primeiro lugar, com 27%, prevalecem adolescentes com 17 anos de idade e, em seguida, os com 16 anos que representam 23% do total, o que demonstra a importância de trabalhos preventivos que considerem esses dados Territorialidade A localização das famílias coletadas a partir dos atendimentos e do preenchimento dos instrumentais foi dividida por bairros (gráficos 05, 06, 07 e 08), zonas (gráfico 09) e distritos (gráfico 10).

25 Gráfico 05 TERRITORIALIDADE/BAIRROS I Fonte: CREAS/MSEMA 2014 Gráfico 06 TERRITORIALIDADE/BAIRROS II Fonte: CREAS/MSEMA 2014

26 Gráfico 07 TERRITORIALIDADE/BAIRROS III Fonte: CREAS/MSEMA 2014 Gráfico 08 TERRITORIALIDADE/BAIRROS IV Fonte: CREAS/MSEMA 2014

27 TERRITORIALIDADE/ ZONAS Zona Leste Zona Sul Zona Central Zona Norte Zona Rural 1% 13% 5% 23% 58% Gráfico 09 TERRITORIALIDADE/ZONAS Fonte: CREAS/MSEMA 2014 Gráfico 10 TERRITORIALIDADE/DISTRITOS Fonte: CREAS/MSEMA Partindo dos gráficos acima, observa-se que a Zona Leste concentra o maior número de adolescentes atendidos (58%), distribuídos em todos os bairros

28 da região, sendo a maior incidência nos bairros Mariana, Lagoinha, Marcos Freire e Socialista. A zona Sul fica em segundo lugar, com destaque para os bairros Cidade Nova, Castanheira e Caladinho. Frente ao exposto, reforça-se a necessidade do planejamento e efetividade de políticas públicas focadas especialmente nestas duas zonas. No que se refere aos distritos ao longo da BR, percebe-se de maneira a necessidade proeminente de implementação de políticas públicas em Jacy Paraná, uma vez que, com a implantação da Usina de Jirau, a situação de vulnerabilidade social e pessoal dos municípios residentes neste distrito aumentou consideravelmente. Para tanto, mostra-se urgente que o executivo municipal disponibilize serviços e equipamentos sociais, buscando garantir, desta forma, os direitos desses adolescentes, o que poderia contribuir significativamente para diminuir o índice de ato infracional. Neste sentido, há de se registrar a implantação de um Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), e um Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente (CTCA) no referido distrito. 2.3 A PERSPECTIVA DOS ADOLESCENTES E FAMILIARES NO PLANO DECENAL Nos dias 23 e 24 de julho de 2015, um total de 19 adolescentes e 12 familiares, participaram no CREAS-MSEMA, do processo de construção deste Plano Municipal, apresentando seus questionamentos e propostas de melhoria do atendimento socioeducativo. Foram realizados 02 encontros com os pais e 02 com os adolescentes poderiam escolher participar de uma delas ou de ambas, com duração de 2 horas cada. Nesses encontros, buscamos auxiliar os adolescentes e familiares a refletirem sobre como os direitos fundamentais estão sendo garantidos, tanto no CREAS-MSEMA como nas demais instituições que constituem a rede de atendimento. Para contextualizar, apresentamos a proposta do SINASE, para que tomassem conhecimento do significado do Plano Municipal, e ressaltamos direitos estabelecidos no art. 4 do ECA. A multiplicidade de ideias e angústias, muitas vezes expressas com o relato da história de vida, foi tamanha que o tempo das oficinas se demonstrou insuficiente, alertando-nos sobre a necessidade de ampliar o espaço de escuta nos processos de construção de Planos e outros documentos importantes para a garantia dos direitos. No caso dos adolescentes, expressaram em sua maioria aspectos negativos ao tomarem consciência que tais direitos são precários e, até mesmo, violados:

29 DIREITO Vida PERSPECTIVAS/ANGÚSTIAS DOS ADOLESCENTES PERSPECTIVAS Aumentar o patrulhamento nas ruas dos bairros (pensando no âmbito de garantir o direito à vida a partir da segurança pública); Capacitação continuada e mais humanizada para a polícia; militar; Elaborar estratégias de como trabalhar de forma humanizada; Mais espaços adequados à prática de esportes e lazer; Maior investimento financeiro no esporte; Esporte e cultura e lazer Criação de programas continuados em escolinhas de futebol; Investir e/ou criar parcerias para a disponibilização de bolsas para adolescentes que pratiquem esportes; Maior acesso à festas culturais e regionais; Maior incentivo à dança, música, cinema e artes; Amor ao próximo; Respeito, liberdade e dignidade Corrigir todo tipo de preconceito; Tratar ao próximo com igualdade; Liberdade de expressão; Melhorar a estrutura física das escolas; Educação Capacitação de professores; Maior compreensão por parte da escola com os adolescentes; Profissionali zação Criação de cursos profissionalizantes que atendam às necessidades do adolescente de acordo com a realidade do município; Capacitar o adolescente para facilitar sua inserção em cursos; Viabilizar a acessibilidade dos adolescentes nos

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

PLANO DECENAL DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS/ MUNICÍPIO DE CAMPO DO BRITO(Versão Preliminar).

PLANO DECENAL DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS/ MUNICÍPIO DE CAMPO DO BRITO(Versão Preliminar). CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PLANO DECENAL DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS/ MUNICÍPIO DE CAMPO DO BRITO(Versão Preliminar). Campo do Brito/SE, Novembro de 2014. CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES CARTA DA BAHIA O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente- CONANDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Federal no 8.242, de 12 de outubro de 1991, e pelo seu Regimento

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012.

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, daqui por diante

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO AVELINO SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO AVELINO SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO AVELINO SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO DE PEDRO AVELINO/RN

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA 27 DE MARÇO DE 2015 CENTRO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA TEMA: POLÍTICA E O PLANO DECENAL DE DIREITOS

Leia mais

Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas

Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas Período de execução 2015/2019 EIXO PREVENÇÃO EIXO - PREVENÇÃO Objetivo: Assegurar ações preventivas

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação TEMA: CREAS: SERVIÇOS OFERTADOS, INTERSETORIALIDADE,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 LINHA DE AÇÃO I: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 Institui parâmetros nacionais para o registro das informações relativas aos serviços ofertados

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014. Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014. Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2014 Carta Compromisso dos candidatos à Prefeitura Municipal de Americana A CRIANÇA E O ADOLESCENTE NO CENTRO DA GESTÃO MUNICIPAL O Estatuto da Criança e do Adolescente ECA (Lei nº

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL?

A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL? Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XXI Semana de Pedagogia IX Encontro de Pesquisa em Educação 20 a 23 de Maio de 2014 A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL?

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

14UF - Construção, Reforma, Equipagem e Ampliação de Unidades de Atendimento Especializado a Crianças e Adolescentes

14UF - Construção, Reforma, Equipagem e Ampliação de Unidades de Atendimento Especializado a Crianças e Adolescentes Programa 2062 - Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Número de Ações 6 Tipo: Projeto 14UF - Construção, Reforma, Equipagem e Ampliação de Unidades de Atendimento Especializado a Crianças e

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

SIM SENHOR, NÃO SENHOR: desvelando o significado dos processos educativos para a realidade dos adolescentes em conflito com a lei

SIM SENHOR, NÃO SENHOR: desvelando o significado dos processos educativos para a realidade dos adolescentes em conflito com a lei SIM SENHOR, NÃO SENHOR: desvelando o significado dos processos educativos para a realidade dos adolescentes em conflito com a lei Ivana Marques dos Santos Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

Projeto Cardume CMDCA

Projeto Cardume CMDCA Projeto Cardume CMDCA Objetivo: Estabelecer rede de proteção integral a criança e ao adolescente,, bem como suas famílias, reunindo ações governamentais e atividades das organizações da sociedade civil,

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 SUMÁRIO Apresentação 03 Tema 06 Objetivos 06 Cronograma de realização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Instrução Operacional nº 01 SNAS/MDS. Brasília, 05 de agosto de 2014. Assunto: Orienta Estados, Municípios

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

CAPÍTULO I. Da Bolsa Auxílio e da Família Acolhedora

CAPÍTULO I. Da Bolsa Auxílio e da Família Acolhedora Lei Nº:6.286/2013 DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE BOLSA AUXÍLIO PARA O ACOLHIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO PESSOAL E SOCIAL, INSERIDAS NO SERVIÇO DE ACOLHIMENTO EM FAMÍLIA ACOLHEDORA

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO DO ESTADO DO PARÁ

PLANO ESTADUAL DE ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO DO ESTADO DO PARÁ 1 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ FUNDAÇÃO DE ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO DO PARÁ Rodovia Augusto Montenegro, S/N, Km 09 Coqueiro 66.823-010 E Mail: plano.socioeducativo.pa@gmail.com Fone: 3204-0209 PLANO ESTADUAL

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social SUAS SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O QUE É: O SUAS é uma ferramenta de gestão da Política

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

Considerando o ensinamento lecionado no paragrafo único do art.134, da Lei Federal nº8.069/90;

Considerando o ensinamento lecionado no paragrafo único do art.134, da Lei Federal nº8.069/90; RESOLUÇÃO N. º 002/2015-CMDCA Dispõe sobre os parâmetros para a formação continuada de conselheiros de direitos e tutelares do Município de São Luis-MA. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SNAS DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL - DPSE SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EQUIPAGEM ORIENTAÇÕES AOS GESTORES LOCAIS

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EQUIPAGEM ORIENTAÇÕES AOS GESTORES LOCAIS FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Conselho Tutelar EQUIPAGEM DE CONSELHOS TUTELARES O trabalho da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Leia mais

Projetos Financiados em 2008. CMDCA de Santos

Projetos Financiados em 2008. CMDCA de Santos Projetos Financiados em 2008 CMDCA de Santos ACMD Associação Comunidade de Mãos Dadas Projeto: Oficinas Querô. Objetivo: As Oficinas QUERÔ tem por objetivo oferecer um programa de capacitação em produção

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013-2017 FEIRA DE SANTANA / BAHIA ASSESSORIA TÉCNICA: A.S. LILIANE CARVALHO PACHECO

PLANO DE AÇÃO 2013-2017 FEIRA DE SANTANA / BAHIA ASSESSORIA TÉCNICA: A.S. LILIANE CARVALHO PACHECO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - PLANO DE AÇÃO FEIRA DE SANTANA / BAHIA 2013-2017 ASSESSORIA TÉCNICA: A.S. LILIANE CARVALHO PACHECO Apresentação Feira de Santana localiza-se

Leia mais

CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, na pessoa de seu Excelentíssimo Senhor Presidente, Ministro

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas.

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Página1 Curso de extensão universitária: O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Apresentação: Em 2015, comemorando 25 anos do ECA,

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais