HUMANAS. INSTRUÇÃO: Leia atentamente o texto a seguir, que servirá de base para as respostas de questões de História, Geografia e Língua Portuguesa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HUMANAS. INSTRUÇÃO: Leia atentamente o texto a seguir, que servirá de base para as respostas de questões de História, Geografia e Língua Portuguesa."

Transcrição

1 HUMANAS INSTRUÇÃO: Leia atentamente o texto a seguir, que servirá de base para as respostas de questões de História, Geografia e Língua Portuguesa. Os sertões A Serra do Mar tem um notável perfil em nossa história. A prumo sobre o Atlântico desdobra-se como a cortina de baluarte desmedido.deencontroàssuasescarpasembatia,fragílima, a ânsia guerreira dos Cavendish e dos Fenton. No alto, volvendo o olhar em cheio para os chapadões, o forasteiro sentia-se em segurança. Estava sobre ameias intransponíveis que o punham do mesmo passo a cavaleiro do invasor e da metrópole. Transposta a montanha arqueada como a precinta de pedra de um continente era um isolador étnico e um isolador histórico. Anulava o apego irreprimível ao litoral, que se exercia ao norte; reduzia-o a estreita faixa de mangues e restingas, ante a qual se amorteciam todas as cobiças, e alteava, sobranceira às frotas, intangível no recesso das matas, a atração misteriosa das minas... Ainda mais o seu relevo especial torna-a um condensador de primeira ordem, no precipitar a evaporação oceânica. Os rios que se derivam pelas suas vertentes nascem de algum modo no mar. Rolam as águas num sentido oposto à costa. Entranham-se no interior, correndo em cheio para os sertões. Dão ao forasteiro a sugestão irresistível das entradas. A terra atrai o homem; chama-o para o seio fecundo; encanta-o pelo aspecto formosíssimo; arrebata-o, afinal, irresistivelmente, na correnteza dos rios. Daí o traçado eloqüentíssimo do Tietê, diretriz preponderante nesse domínio do solo. Enquanto no S. Francisco, no Parnaíba, no Amazonas, e em todos os cursos d água da borda oriental, o acesso para o interior seguia ao arrepio das correntes, ou embatia nas cachoeiras que tombam dos socalcos dos planaltos, ele levava os sertanistas, sem uma remada, para o rio Grande e daí ao Paraná e ao Paranaíba. Era a penetração em Minas, em Goiás, em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul, no Mato Grosso, no Brasil inteiro. Segundo estas linhas de menor resistência, que definem os lineamentos mais claros da expansão colonial, não se opunham, como ao norte, renteando o passo às bandeiras, a esterilidade da terra, a barreira intangível dos descampados brutos. Assim é fácil mostrar como esta distinção de ordem física esclarece as anomalias e contrastes entre os sucessos nos dous pontos do país, sobretudo no período agudo da crise colonial, no século XVII. Enquanto o domínio holandês, centralizando-se em Pernambuco, reagia por toda a costa oriental, da Bahia ao Maranhão, e se travavam recontros memoráveis em que, solidárias, enterreiravam o inimigo comum as nossas três raças formadoras, o sulista, absolutamente alheio àquela agitação, revelava, na rebeldia aos decretos da metrópole, completo divórcio com aqueles lutadores. Era quase um inimigo tão perigoso quanto o batavo. Um povo estranho de mestiços levantadiços, expandindo outras tendências, norteado por outros destinos, pisando, resoluto, em demanda de outros rumos, bulas e alvarás entibiadores. Volvia-se em luta aberta com a corte portuguesa, numa reação tenaz contra os jesuítas. Estes, olvidando o holandês e dirigindo-se, com Ruiz de Montoya a Madri e Díaz Taño a Roma, apontavam-no como inimigo mais sério. De feito, enquanto em Pernambuco as tropas de van Schkoppe preparavam o governo de Nassau, em São Paulo se arquitetava o drama sombrio de Guaíra. E quando a restauração em Portugal veio alentar em toda a linha a repulsa ao invasor, congregando de novo os combatentes exaustos, os sulistas frisaram ainda mais esta separação de destinos, aproveitando-se do mesmo fato para estadearem a autonomia franca, no reinado de um minuto de Amador Bueno.

2 história 2 Não temos contraste maior na nossa história. Está nele a sua feição verdadeiramente nacional. Fora disto mal a vislumbramos nas cortes espetaculosas dos governadores, na Bahia, onde imperava a Companhia de Jesus com o privilégio da conquista das almas, eufemismo casuístico disfarçando o monopólio do braço indígena. (EUCLIDES DA CUNHA. Os sertões. Edição crítica de Walnice Nogueira Galvão. 2 ed. São Paulo: Editora Ática, 2001, p ) Questão 1 Por que Euclides da Cunha considera o rio Tietê fundamental para a exploração colonial e qual é a sua situação nos tempos atuais, em seu trecho paulistano? Para Euclides da Cunha, o rio Tietê possui um papel fundamental para a exploração colonial, uma vez que "ele levava os sertanistas, sem uma remada, para o rio Grande e daí ao Paraná e ao Paranaíba". São Paulo era, na primeira metade do século XVII, uma vila muito pobre, grande parte de sua população vivia isolada e na pobreza; sendo assim, buscavam aliviar sua situação partindo em expedições para o interior, que buscavam, no apresamento de indígenas e na pesquisa mineral, alternativas econômicas de sobrevivência. Durante os séculos XVII e XVIII, as Bandeiras dilataram o território português para o Sul e Centro-Sul do Brasil; os bandeirantes destruíram as missões espanholas na bacia do rio Paraná (Tape, Itatim e Guaíra), realizando o apresamento de rebanhos, e fundaram núcleos de povoamento (Laguna e Curitiba). A partir do final do século XVII, descobriram em Minas Gerais (1693), Mato Grosso (1718) e Goiás (1725) as primeiras jazidas rentáveis de ouro do Brasil. A descoberta do ouro em Cuiabá (MT) provocou o início de monções, expedições realizadas ao longo do século XVIII, que, partindo de Porto Feliz (SP), seguiam pelos cursos do rio Tietê, Paraná e Paraguai até chegarem ao Mato Grosso. Nos tempos atuais, o rio Tietê, no seu trecho que corta a cidade de São Paulo (Alto Tietê), passa por um processo de degradação ambiental, fruto principalmente da poluição industrial e do esgoto doméstico da área metropolitana. Pode-se citar a existência do Projeto Tietê, que no trecho paulistano realizaram-se obras de aprofundamento da calha do rio, do plantio de vegetação ciliar em suas margens e um melhor controle e tratamento dos dejetos industriais e domésticos. Questão 2 Segundo o texto de Euclides da Cunha, houve duas colonizações portuguesas no Brasil, diferentes e contrastantes. Escreva sobre as diferenças apresentadas pelo texto entre a colonizaçãodonorteeadosul,noqueserefere à relação dos colonos com a metrópole portuguesa. O texto destaca os condicionamentos físicos das duas regiões. O sul, com as escarpas da Serra do Mar e com um litoral estreito e alagadiço, tornava difícil a ocupação litorânea e, ao mesmo tempo, transpor as escarpas em direção ao planalto se constituía em obstáculo para possíveis invasores; ao mesmo tempo, os primeiros povoadores, uma vez no planalto, eram convidados a desbravar o interior, pois o rio Tietê corria nesta direção ao interior. Essas características deram, por sua vez, origem a uma sociabilidade distinta, de homens rudes que viviam de subsistência, estavam de certa forma isolados da metrópole e tiveram que tomar iniciativa própria para garantir sua sobrevivência. Episódios externos, como o domínio espanhol, propiciaram condições de desbravamento do interior para muito além do meridiano de Tordesilhas. Ao desbravar os sertões do interior, enfrentaram os jesuítas para apresar indígenas, buscaram e acharam metais preciosos, e, em sua luta pela sobrevivência, vieram a ter um papel decisivo na exploração, conquista e ocupação do território que um dia viria a se constituir no Brasil atual. Já o Norte, por contraste, com litoral mais extenso, propício ao plantio da cana-de-açúcar, por sua vez, veio a dar origem a uma outra sociabilidade. Houve uma maior integração com a economia metropolitana, quer como mercado fornecedor, quer como mercado consumidor de produtos da metrópole. Como estava por esta via integrada ao circuito das grandes linhas do comércio internacional, foi objeto de cobiça dos franceses, ingleses e holandeses, sendo que estes últimos vieram a se estabelecer na Bahia por um curto período ( ) e por um período mais extenso em Pernambuco ( ). Nesta região, os colonos lutaram contra o domínio holandês e, ao mesmo tempo, formaram uma elite local poderosa, proprietária de terras e escravos, que a partir

3 história 3 de um determinado momento teve condições de perceber as vantagens do livre-comércio quando comparado ao regime de monopólios imposto pela metrópole. É no interior dessas elites que vêm a se formar quadros suficientemente politizados, com um papel decisivo no processo de rompimento de laços políticos com a metrópole. Questão 3 Sobre o domínio holandês citado por Euclides da Cunha, explique os interesses econômicos em jogo e identifique os grupos sociais envolvidos nos choques memoráveis travados no período dessa ocupação. Companhia das Índias Ocidentais, iniciaram a Insurreição Pernambucana, que resultou na expulsão dos holandeses de Pernambuco. Portanto, em relação ao contexto interno, a luta estava tanto associada a um sentimento nativista, que exigia a expulsão do invasor holandês, quanto à situação de endividamento dos proprietários de engenhos com os holandeses. A insurreição teve início em um engenho de propriedade de João Fernandes Vieira, que era o segundo grande devedor da Companhia (o primeiro era seu sogro). Alguns autores falam de uma união das etnias que formam o povo brasileiro na luta contra os holandeses, fazendo referência à participação dos negros como Henrique Dias e de índios como Filipe e Clara Camarão. Portugal e os Países Baixos, antes do domínio espanhol ( ), mantinham um intenso intercâmbio comercial. Os navios holandeses traziam, do norte da Europa para os portos portugueses, trigo, madeira, metais, manufaturas diversas e produtos de sua própria indústria, e levavam, dos portos portugueses, sal de Setúbal, vinhos, especiarias, drogas do Oriente e da África e açúcar e madeiras do Brasil. Na medida em que se desenvolve a economia açucareira no Brasil, de maneira geral, as tarefas de produção do açúcar estão ligadas a capitais portugueses, enquanto o transporte, o refino e a distribuição do açúcar no mercado europeu eram realizados pelos holandeses, chegando a haver registros de financiamento de engenhos por seus capitais. Nessa época, os Países Baixos faziam parte dos domínios dos Habsburgos espanhóis, e disputas econômicas e religiosas levaram à guerra de independência dos Países Baixos contra a Espanha ( ). Por outro lado, em pleno período da guerra entre a Espanha e os Países Baixos, em 1580, Portugal passa ao domínio espanhol. O governo espanhol passa a estabelecer embargos aos navios holandeses que atracavam nos portos portugueses. Em 1621, foi fundada em Amsterdã (Holanda) a Companhia das Índias Ocidentais, que irá organizar os ataques holandeses ao Brasil. A primeira ação de envergadura da Companhia foi o ataque à Bahia em Os holandeses ocuparam Salvador durante um ano até serem expulsos em Em 1630 teve início um segundo ataque, desta vez contra a capitania de Pernambuco, onde os holandeses permaneceram por vinte e quatro anos, sendo expulsos em Na luta contra os holandeses, destacaram-se os senhores de engenho que, endividados com a Questão 4 Processos de colonização distintos, como os apresentados pelo texto, dificultaram a integração econômica do vasto território brasileiro. Qual foi a contribuição da exploração de metais preciosos, no século XVIII, e a da industrialização, no século XX, para uma maior integração econômica e territorial do país? A mineração era uma atividade altamente especializada; o metal precioso era o ouro de aluvião, o que propiciou a organização da atividade econômica em grandes, médias e pequenas unidades de produção, por esta via levando a uma utilização mais extensiva da mão-de-obra por um vasto território e uma maior distribuição da renda quando comparada à economia açucareira nordestina. As características da mineração levaram à expansão do setor de subsistência e criaram condições para a formação de uma economia de mercado interno. Formaram-se centros urbanos na região mineradora, que se tornaram importantes mercados de consumo. Houve um grande afluxo populacional para aquela região de tal forma que se tornou um centro ao qual produtos dos longínquos espaços da Colônia eram encaminhados para o consumo, integrando por esta via o território que viria a ser o Brasil. A industrialização concentrou-se inicialmente no Sudeste, especialmente no eixo Rio São Paulo. A integração econômica realizou-se de várias maneiras; entretanto, merece um destaque especial

4 história 4 o deslocamento de populações das mais remotas regiões para os centros industriais, em busca de emprego. Outra forma de integração foi por intermédio do estabelecimento de relações entre regiões agrícolas, de extração mineral e vegetal, como fontes de matérias-primas insumos para a produção industrial. Em ambos os casos ocorreu um importante estímulo para o estabelecimento de vias de comunicação marítima, ferroviária e rodoviária entre aquelas regiões e o centro industrial. A demanda por insumos, bens e serviços do centro industrial acabou por estimular a formação de frentes pioneiras em espaços que ainda não haviam sido devidamente ocupados e explorados; portanto, favoreceu a maior integração econômica e territorial do país. Questão 5 Os territórios da América colonial, onde foram encontradas grandes jazidas de metais preciosos, pertenciam à Espanha e a Portugal. Apesar dessas riquezas, Espanha e Portugal não se industrializaram no século XVIII, como a Inglaterra. Caracterize a relação entre exploração colonial, baixo desenvolvimento industrial dos países ibéricos e industrialização da Inglaterra. Como é sabido, os países ibéricos construíram vastos impérios coloniais em quase todos os continentes na época do Antigo Sistema Colonial da época mercantilista. Portugal destacou-se na exploração da costa africana, na conquista da Índia e da América. A Espanha, para além das posições na Ásia e África, controlou as regiões produtoras de metais preciosos na América. Não obstante o pioneirismo ibérico e os vastos territórios sob seu controle, é igualmente sabido que, do ponto de vista econômico, quando comparados a outras potências européias na época, Portugal e Espanha tiveram um papel marginal e ficaram entre os estados menos dinâmicos e mais atrasados da Europa, enquanto a Inglaterra, por exemplo, com muito menos recursos, veio a se tornar a pioneira da Revolução Industrial e ficara conhecida como o empório do mundo inconteste entre meados do século XVIII e a primeira década do século XIX, quando outros estados se industrializam e instaura-se uma brutal concorrência entre potências industriais. Portugal e Espanha, por sua vez, permaneceram no atraso. Até hoje, economistas e historiadores debatem sobre as razões desse descompasso sem existir uma unanimidade. O que se segue são alguns dos argumentos que se utilizam para procurar uma resposta a tal questão. Há uma vertente que destaca diferenças culturais entre países de cultura católica, como os países ibéricos, mais conservadores, e os de cultura protestante, que valorizariam a livre iniciativa, o individualismo e o empreendedorismo, características da empresa capitalista. Outra vertente destaca a rede de relações e hierarquias que se estabelecem a partir destas, especialmente no âmbito do comércio e navegação internacionais. Neste contexto, os países ibéricos teriam ficado com o ônus da organização e controle do sistema produtivo, enquanto os Países Baixos e, em seguida, a Inglaterra teriam se apropriado das etapas de logística, ou seja, o transporte, armazenamento, beneficiamento e distribuição dos produtos no mercado internacional, auferindo assim os melhores frutos da exploração colonial. Outra vertente ainda acentua a questão dos termos de intercâmbio entre bens manufaturados que eram produzidos na Inglaterra e matérias-primas produzidas nas colônias ibéricas. Cada aumento geral da renda obtido não significa uma ampliação em igual proporção de produtos primários, especialmente alimentos; ou seja, haveria limites na demanda de produtos primários, enquanto se nota uma tendência de que um acréscimo da renda leve a um aumento cada vez maior do consumo de produtos manufaturados e de serviços em geral, de tal forma que na troca entre produtores de bens primários e produtores de bens manufaturados e serviços, há uma nítida vantagem para estes últimos. Assim, a Inglaterra, produtora de manufaturas, por intermédio de uma poderosa Marinha, teria auferido para si os melhores frutos da exploração colonial. Portugal e Espanha teriam ficado como intermediários entre as colônias e o dinamismo econômico britânico. Para além disso, a supremacia inglesa garantiu-lhes a imposição de tratados de comércio com os países ibéricos, que eram nitidamente favoráveis à potência manufatureira, como, por exemplo, o caso do Tratado de Methuen com Portugal, em Enfim, os recursos das potências ibéricas eram canalizados para o controle e manutenção de suas colônias enquanto a Inglaterra tratava de transformar seus recursos em acumulação de capitais, modernização de instituições e de sistemas produtivos, que estão nas origens da Revolução Industrial.

5 história 5 Questão 6 A palavra colonização deriva do verbo latino colo, com significado de morar e ocupar a terra. Nesse sentido geral, o termo colonização aplica-se a deslocamentos populacionais que visam ocupar e explorar novas terras. Nos séculos VIII e VII a.c., os gregos fundaram cidades na Ásia Menor, na península itálica, na Sicília, no norte da África. Identifique algumas das características desse processo de colonização que o diferenciam da colonização realizada pelos europeus no continente americano nos séculos XVI ao XIX. Na Antiguidade, as iniciativas colonizadoras tiveram inicialmente um caráter mercantil estrito; os fenícios criaram pelo Mediterrâneo (em seu apogeu, entre os séculos XV-X a.c.) numerosos entrepostos com dupla função trocas com povos locais e reabastecimento das frotas mercantes que, eventualmente, podiam tornar-se poderosos estados, como foi o caso de Cartago. Mais tarde, no mundo grego, a pressão demográfica do Período Arcaico (séculos VIII-VI a.c.) levou ao surgimento de colônias de povoamento, novas pólis espalhadas pelo mar Negro e pelo Mediterrâneo com destaque para o sul da Itália, a Magna Grécia, colônias estas que mantiveram ativo comércio com as cidades do Egeu, mas sem vínculos de subordinação de nenhuma espécie. Por fim, os romanos criaram também colônias nos territórios conquistados por suas legiões, mas o fizeram com claro intuito estratégico: plebeus soldados (em geral da reserva) estabeleciam-se em áreas de fronteira, com suas famílias, em terras cedidas pelo Estado, transformando tais núcleos de pequenos proprietários em guarnições, exércitos de retaguarda nos limites do império. Em síntese, a colonização na Antiguidade voltava-se ao povoamento, com objetivos estratégicos e mercantis associados mas sem uma submissão política ou econômica direta. Já no caso das colônias americanas, evidencia-se um caráter de exploração econômica, subordinando as atividades aqui desenvolvidas aos interesses das metrópoles européias, numa dependência consagrada no conceito de Pacto Colonial. Logo, tudo se encaminhava para uma lógica predatória, extraindo recursos disponíveis (minérios e madeiras, em geral mediante o trabalho compulsório indígena) e produzindo gêneros tropicais lucrativos (açúcar, tabaco, cacau, algodão) tirando proveito de solos, climas e outras vantagens naturais. Nota-se ainda a predominância do meio rural (ao contrário do caráter urbano da Antiguidade) e a ausência de pressões demográficas ao contrário, fez-se necessário mobilizar indígenas e africanos para realizar as metas de lucro pretendidas. Nesse contexto, a colonização na América constituiu-se como uma grande empresa mercantil, parte de um processo de expansão com motivações econômicas, subordinando plenamente os novos territórios aos seus fundadores (na verdade, conquistadores). Questão 7 Observe a fotografia dos habitantes de Canudos aprisionados pelas tropas federais em Caracterize as circunstâncias sociais da formação do arraial de Canudos e o contexto histórico de sua destruição. A Revolta de Canudos ( ), liderada pelo beato Antônio Conselheiro, no sertão da Bahia, é considerada um exemplo de "movimento social de caráter messiânico", em que o líder promete a instauração do paraíso terrestre. Entre os fatores da revolta, destacamos o abandono social e econômico em que vivia aquela população no interior da Bahia, onde a ação do governo federal e estadual era nula. Dessa maneira, Antônio Conselheiro e seus seguidores fundam uma comunidade no sertão baiano, visando à construção de uma vida melhor. Canudos, por atrair uma população cada vez maior, provocava uma falta de mão-de-obra nos latifúndios da região e um enfraquecimento do poder e da influência da Igreja Católica, que tinha cada vez menos fiéis. As constantes queixas ao governo estadual resultaram no envio de forças policiais para a região, visando dispersar a população de Canudos; no entanto, essas forças não obtêm sucesso. A intervenção na região passou a ser feita por forças federais do Exército, que nas três primeiras expedições fracassaram foram derrotadas mili-

6 história 6 tarmente. Somente na quarta expedição Canudos foi destruído, e os seguidores de Conselheiro, na maioria, dizimados. O episódio de Canudos ocorreu no momento inicial da República; portanto, não faltou quem o associasse a um movimento de restauração monárquica. Observe-se que Antônio Conselheiro condenava a República nos seus discursos, embora isso não significasse um posicionamento consciente a favor da Monarquia. Além disso, na época, observam-se críticas que eram feitas ao Exército, que apesar de recentemente ter sido vitorioso no Paraguai contra López, era vencido sucessivamente por jagunços mal armados, o que demonstraria a ineficiência do governo civil do presidente Prudente de Moraes ( ), muito criticado por setores do oficialato do Exército, que defendiam um governo de militares. Outro aspecto relevante nesse episódio foi a maneira como o governo federal tratava as questões sociais, combatendo Canudos com grande atrocidade e exterminando o arraial do Conselheiro. Essa solução violenta no trato das questões sociais era entendida por alguns como necessária para a consolidação da jovem República. Para além dessas questões, registra-se o alto custo dessas operações militares na compra de equipamentos, aprofundando a crise econômica que se desenvolvia desde o início do regime republicano. Questão 8 Observeocartaz. Desde o final do século XIX, o sertão tem sido tema de diversas obras literárias, cinematográficas, musicais e plásticas, de que são exemplos Os sertões, de Euclides da Cunha, Deus e o diabo na terra do sol, deglauber Rocha, Romaria, de Renato Teixeira e, em certa medida, Abaporu, de Tarsila do Amaral. Indique duas obras, além das citadas, alusivas à figura do sertanejo, e descreva seus conteúdos. Dentre as obras que poderiam ser mencionadas pelos candidatos, destacamos: No campo literário, Vidas secas (Graciliano Ramos), que retrata o drama de uma família de retirantes em busca de um refúgio da seca cruel seca esta refletida na própria linguagem concisa e dura do próprio autor, e Grande sertão: veredas (Guimarães Rosa), que utiliza a figura do vaqueiro do interior de Minas Gerais para retratar a cultura sertaneja, seus "causos" narrados com o vocabulário e a sintaxe característicos do sertão, vertidos com genialidade pelo escritor. No campo cinematográfico, Terra em transe (do mesmo Glauber Rocha) constitui uma vigorosa crítica social à realidade sertaneja mandonismo, latifúndio, fanatismo messiânico que se extrapola para o conjunto da América Latina; mais recente e fora de qualquer comparação quanto à profundidade, O auto da compadecida (Guel Arraes, baseado no texto de Ariano Suassuna) retrata em tom de comédia os malabarismos do sertanejo para sobreviver num meio hostil tanto físico quanto humano envolto numa religiosidade popular que se prolonga num tempo infinito. No campo musical, entre várias referências eruditas como Villa-Lobos e Alberto Nepomuceno destaca-se a "Canção sertaneja" (Camargo Guarnieri), melodia que combina lirismo com dureza, como a própria realidade do sertão; e a grande referência popular, sem dúvida, é a "Asa Branca" (Luiz Gonzaga), extraordinário melodista, criador do baião, que atenua a cruel realidade da seca com um lirismo esperançoso prova do vínculo indestrutível do homem com a terra. No campo das artes plásticas, as gravuras de Aldemir Martins retratam a inclemência da paisagem o sol abrasador, a vegetação seca, o chão gretado e nelas insere um sertanejo que é um verdadeiro titã (não na forma mirrada, mas no espírito indômito, capaz de enfrentar esse meio brutal); obviamente, não se pode pensar nessa temática sem se lembrar dos Retirantes (Portinari), pintura com figuras esquálidas, cadáveres ressequidos, símbolos da miséria do povo em meio à secura da terra.

7 história 7 Questão 9 Observe as imagens. Juscelino Kubitschek com Garrincha (1958). Pelé com Emílio Garrastazu Médici (1970). Modalidade esportiva importada da Inglaterra, o futebol foi de tal forma incorporado pela sociedade brasileira, que se tornou um acontecimento cultural e político de massa. O filme O ano em que meus pais saíram de férias, ambientado na Copa do Mundo de 1970, tem como tema as múltiplas faces desse fenômeno na cultura brasileira. Compare as figuras acima à luz dos respectivos contextos históricos, observando seus aspectos semelhantes e contrários, e escreva sobre o significado cultural e político do futebol para a história da sociedade brasileira. A vitória do Brasil na Suécia, em 1958, recobrou, de acordo com o escritor Nelson Rodrigues, a dignidade nacional, oito anos depois do chamado "maracanaço", quando o Brasil foi derrotado pelo Uruguai no Maracanã (Rio de Janeiro). O governo Juscelino Kubitschek ( ), apesar de um início difícil, quando o marechal Lott, com o chamado "golpe preventivo" (1955), assegurou a posse do candidato eleito e de outras tentativas golpistas durante o período em Aragarças e Jacareacanga, transcorreu num clima democrático, apoiado numa maioria parlamentar (PSD/PTB) e numa política econômica arrojada, nacional-desenvolvimentista, de abertura para o capital externo, simbolizada pela indústria automobilística. A vitória na Suécia foi festejada num país otimista, que vivia seu "American way of life", com novas experiências culturais na música (Bossa Nova), no teatro (Arena) e no cinema (Cinema Novo). Em 1970, durante o governo de Garrastazu Médici, o Brasil obtinha o tricampeonato mundial no México. O otimismo, dessa vez, era com o futebol bem jogado pela Seleção coordenada por Pelé e com o sucesso do milagre econômico. Entretanto, no plano político, as oposições de esquerda, que já vinham colocando a questão da luta armada como possibilidade de tomada do poder desencantadas com a "via pacífica" defendida pelo PCB e influenciadas pela Revolução Cubana (1959) após o AI-5 ( ), tentavam alargar ou implodir o espaço bipartidário (Arena e MDB) delineado pelo regime. No filme O ano em que meus pais saíram de férias, percebe-se, apesar da alegria provocada por uma Seleção vitoriosa, um clima sombrio de prisões e torturas, resultante da chamada Doutrina de Segurança Nacional do período da Guerra Fria. Assim, pode-se entender o futebol como um fator de integração nacional e de identidade cultural, sendo também considerado como um fator de alienação das massas frente aos reais problemas da nação. Questão 10 Onde quer que tenha conquistado o Poder, a burguesia (...) afogou os fervores sagrados do êxtase religioso (...) nas águas geladas do cálculo egoísta. (...) Impelida pela necessidade de mercados sempre novos, a burguesia invade todo o globo (...) Em lugar do antigo isolamento de regiões e nações que se bastavam a si próprias, desenvolvem-se um intercâmbio universal, uma universal interdependência das nações. (Marx e Engels. Manifesto de 1848.) Lakshmi Mittal, presidente de origem indiana da Mittal Steel, a maior siderúrgica do

8 história 8 mundo, provocou um terremoto na Argélia. A empresa argelina (...) rompeu no início do mês um dos tabus mais enraizados na Argélia, o chamado popularmente fim-de-semana islâmico, que inclui a quinta e a sexta-feira. (...) Para as empresas e os órgãos argelinos que mantêm relações com o estrangeiro, a defasagem entre um fim-de-semana [o islâmico] e outro [o universal, no sábado e domingo] é uma tremenda complicação. Eles só têm três dias úteis por semana (segundas, terças e quartas) para trabalhar com o resto do mundo... (El País, ) Escritos em épocas distintas e tendo naturezas distintas, os textos não deixam de manifestar algumas semelhanças de conteúdo. Compare-os e indique essas semelhanças. O texto de Karl Marx destaca que a interdependência entre as nações, expressa nos interesses do capital, destrói os costumes locais, padronizando-os, aprofundando o intercâmbio universal sempre em nome dos interesses de uma expansão burguesa. Em lugar do isolamento, as nações criam uma relação de interdependência. No texto do periódico El País, destaca-se que, nessa expansão do capital, anulam-se os costumes locais, usando como exemplo o fim-de-semana islâmico e a imposição do fim-de-semana universal, provocando conflitos entre os padrões globalizantes e as identidades locais. Entre os dois textos podemos destacar algumas semelhanças: a existência de um intercâmbio universal; uma interdependência entre as nações; a expansão do capitalismo na esfera mundial; o rompimento de costumes locais em função de interesses econômicos.

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Português. 3º ano Gabarito - Ficha 5 - LP Amanda Maio/10. Exercícios TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: RIOS SEM DISCURSO

Nome: Nº: Turma: Português. 3º ano Gabarito - Ficha 5 - LP Amanda Maio/10. Exercícios TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: RIOS SEM DISCURSO Nome: Nº: Turma: Português 3º ano Gabarito - Ficha 5 - LP Amanda Maio/10 Exercícios TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: RIOS SEM DISCURSO A Gabino Alejandro Carriedo Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral.

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral. Expansão Territorial Norte (Vale Amazônico): Drogas do Sertão / Missões Nordeste: Cana-de-açúcar Sertão Nordestino Litoral Sul Pecuária Fortes de defesa Pau-Brasil Missões Jesuíticas Pecuária Tratados

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo A chegada dos Portugueses Portugal e depois Espanha se tornaram pioneiros nas chamadas Grandes Navegações Portugal buscou contornar a África para tentar chegar ao Oriente

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução:

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA 2007 HISTÓRIA - 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Nº: NOME: TURMA: A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: Durante o século XVI, as povoações geralmente

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII)

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) 1) Período Pré-Colonial Trinta anos sem projeto de colonização (1500-1530) Interesses voltados para o comércio com o Oriente Desapontamento quanto às potenciais

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS?

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS? EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA. O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo

QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA. O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo EXPANSÃO ROMANA = teve duas fases INTERNA EXTERNA Conquista

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo Tratado de Tordesilhas de 1494 Terras pertencentes à Espanha Terras pertencentes a Portugal A ficção do Descobrimento Principais povos Indígenas no Brasil No Brasil,

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 (Do Senado Federal Senador Marco Maciel) Inscreve os nomes de Francisco Barreto de Menezes, João Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros,

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS 1º ano Estudo da História Estudo da História O Brasil antes dos portugueses América antes de Colombo Povos indígenas do Brasil A colonização portuguesa A colonização europeia na América Latina Introdução:

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: / /2012 Nota: Professor(a): Edvaldo Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1)

Leia mais

A Revolução Puritana

A Revolução Puritana A Revolução Puritana O que foi a Revolução Puritana A Revolução Puritana, ocorrida na Inglaterra entre 1641 e 1649, originou pela primeira vez a constituição de uma República (1649-1658) em solo inglês.

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

A Formação do Território Brasileiro.

A Formação do Território Brasileiro. A Formação do Território Brasileiro. A primeira fronteira do Brasil Fernando e Isabel 1492 - Colombo 1493 papa Alexandre VI (espanhol) editou a Bula Inter Coetera 1494 - Tratado de Tordesilhas. 1530 no

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias América anglo-saxônica Diferentes povos construíram duas fortes economias A América Desenvolvida Conhecido também como Novo Mundo, a América é sinônimo de miscigenação, desenvolvimento e mazelas sociais.

Leia mais

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA.

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A UNIÃO IBÉRICA (1580 A 1640) OS DESDOBRAMENTOS DA UNIÃO IBÉRICA Juramento de Tomar Perda de Valor da Linha de Tordesilhas Intensificação das

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado Professor Dejalma Cremonese A ocupação econômica das terras americanas constitui um episódio da expansão comercial da Europa. O comércio interno europeu, em intenso

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento A conquista do Sertão Expedições de apresamento As bandeiras contribuíram para a expansão do território em direção ao interior, porém houve muitas mortes de nativos. O principal alvo era as missões dos

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA

REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA REVOLTAS DURANTE A REPÚBLICA VELHA Unidade 2, Tema 2 e 3. Págs. 50 53 Personagem. Pág. 55 e 64 Ampliando Conhecimentos. Págs. 60-61 Conceitos Históricos. Pág. 65 Em foco. Págs. 66-71 GUERRA DE CANUDOS

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 Não é possível exibir esta imagem no momento. A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 É também chamada Guerra da Tríplice Aliança

Leia mais

Professora Erlani. Apostila 4 Capítulo 1

Professora Erlani. Apostila 4 Capítulo 1 Apostila 4 Capítulo 1 Os EUA possuem vizinhos muito diferentes. Ao norte, o Canadá, a maior parte da população é de origem anglo saxônica. Ao sul, o México, país latino-americano, de colonização espanhola.

Leia mais

Quadro de conteúdos HISTÓRIA

Quadro de conteúdos HISTÓRIA Quadro de conteúdos HISTÓRIA 1 Apresentamos, a seguir, o conteúdo a ser trabalhado em cada período do segundo ciclo do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano. 6 o ano 1 A História e a humanidade 2 Sociedades

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais