REVESTIMENTOS EXTERIORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVESTIMENTOS EXTERIORES"

Transcrição

1 GUIA PARA A REABILITAÇÃO REVESTIMENTOS EXTERIORES PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

2 Autoria do Relatório Consultoria Saint-Gobain Weber Colaboração Revigrés FrontWave CIN

3 Índice 0. Preâmbulo 7 1. Anomalias em Revestimentos Cerâmicos (Aplicações Independentes) Quebra isolada de peças Estrutura danificada Graffitis Anomalias em Revestimentos Cerâmicos (Aplicações Coladas) Destacamento/desprendimento de elementos cerâmicos Eflorescências em revestimentos cerâmicos Fissuração de revestimentos cerâmicos Esmagamento dos bordos Falta de planeza Descamação e fendas do vidrado Desgaste da superfície Degradação estética do revestimento cerâmico por alteração da cor ou do brilho Enodoamento Anomalias em Revestimentos de Pedra Anomalias em revestimentos aplicados por métodos diretos Anomalias em revestimentos aplicados por métodos indiretos Anomalias em Revestimentos de Reboco e Pintura Fissuração do revestimento Destacamento do revestimento Descoloração Eflorescências Espectros e fantasmas Fungos, algas Farinação/pulverulência Empolamento 51

4 4.9 Degradação da película (sujidade) Fissuração do esquema de pintura Graffitis Anomalias em Revestimentos ETICS Fissuração na superfície Destacamento das placas isolantes Destacamento ou empolamento do revestimento sobre as placas isolantes Empolamento do acabamento decorativo Degradação estética da superfície Danos localizados no sistema ETICS 67 Acrónimos 69 Glossário 70 Bibliografia 72 Anexo Checklist 76

5

6

7 0. PREÂMBULO Os revestimentos de paredes exteriores ou fachadas são uma componente fundamental das mesmas pelas funções que desempenham ao nível de comportamento mecânico, estético, higrométrico e, desde a alguns anos, também térmicos. Assim, exige-se que apresentem resistências mecânicas adequadas que, por um lado, sejam compatíveis com o suporte ao qual são associados e, por outro lado, suficientemente capazes de proteger o mesmo e a parede de agressões externas. Outra funcionalidade implica que sejam capazes de garantir a impermeabilização da fachada ou parede de forma a prevenir potenciais entradas de água devidas à precipitação, capilaridade ou outras. Também se espera que contribuam para a componente estética de fachadas, a partir da sua textura e cor. Finalmente, considerando as exigências construtivas relativas ao comportamento térmico dos edifícios, também se admite que os revestimentos exteriores possam apresentar um contributo significativo para a eficiência energética. A maioria do cumprimento destas exigências implica que os revestimentos se submetam a um conjunto de propriedades que signifiquem uma eficiência relativa aos níveis indicados. Por exemplo, espera-se o cumprimento de um conjunto de requisitos mínimos ao nível de aderência, módulo de elasticidade, retração, resistência à fissuração, resistência ao choque e perfuração, coeficiente de absorção de água por capilaridade, resistência a água sob pressão, permeabilidade ao vapor de água, estabilidade de cor e textura, entre outros [1-7]. O incumprimento de alguns destes requisitos significa, na maioria dos casos, o aparecimento de anomalias ao nível dos revestimentos que, não sendo tratadas, implicarão a degradação progressiva das paredes ou alvenarias existentes. Reconhece-se, porém, que a maioria dos casos patológicos existentes carece de interpretação mais detalhada, pelo que os processos de reparação podem ser insuficientes ou mal dimensionados, o que representa um trabalho com grau de insucesso elevado e custos despropositados [6]. No presente guia, apresentam-se as anomalias mais frequentes para vários revestimentos de fachada a nível nacional, nomeadamente cerâmicos, reboco e pintura e, por último, sistema de isolamento térmico pelo exterior (ETICS). Para cada anomalia, apresentam-se as causas geralmente associadas e as soluções possíveis para a sua correção. Mais se informa que a implementação das mesmas implicam, na maioria dos casos, o recurso a profissionais qualificados para garantir resultados mais eficientes [1-38]. 7

8 1. ANOMALIAS EM REVESTIMENTOS CERÂMI- COS (APLICAÇÕES INDEPENDENTES) Ao contrário das aplicações tradicionais de revestimentos cerâmicos, as aplicações independentes (fachadas ventiladas) caracterizam-se pela sua independência relativamente ao edificado. Uma estrutura portante metálica é fixa ao suporte mediante um sistema mecânico, e as peças cerâmicas são colocadas nessa estrutura, com recurso a grampos, sem necessidade de colagem com argamassas, ou juntas de betume. Este sistema de grampos apresenta duas soluções: oculta, onde o grampo encaixa num rasgo pré feito na espessura da peça cerâmica; semi-oculta, onde uma pequena parte do grampo de suporte é visível na fachada principal. Em termos de manutenção, estes sistemas possibilitam a substituição de peças de forma fácil e individual, sem a necessidade de se retirarem mais peças do que as necessárias, visto que a fixação é individual, e independente [8-10]. 1.1 Quebra isolada de peças Descrição/formas de manifestação Elementos cerâmicos fraturados ou destacados (Figura 1). Figura 1 Desprendimento de elementos cerâmicos em fachada ventilada [8] Causas comuns Vandalismo; 8

9 Aplicação de peças cerâmicas não conformes; Estrutura, ou grampos de suporte danificados; Deformação estrutural do edificado; Sismo; Impacto ou choque Soluções de reabilitação Substituição das peças danificadas Quando se verifica que a quebra das peças não se deve a nenhuma falha da estrutura, a solução recomendada é proceder à substituição das peças danificadas, seguindo as instruções dos fabricantes (das estruturas de suporte, e do revestimento cerâmico) Correção da estrutura de suporte Quando se verifica que a quebra das peças tem origem em causas estruturais, o procedimento recomendado é: 1. Correção da estrutura de suporte; 2. Substituição de peças cerâmicas danificadas. 1.2 Estrutura danificada Descrição/formas de manifestação Deformação visível da continuidade da superfície ou a queda/quebra de várias peças cerâmicas (Figura 1) Causas comuns Vandalismo; Deformação estrutural do edificado; Desaparecimento de grampos de suporte das peças; Sismo. 9

10 Soluções de reabilitação 1. Correção de causas externas que possam estar na origem da anomalia (por exemplo, por ações de vandalismo); 2. Correção dos problemas verificados ao nível da estrutura do suporte; 3. Substituição dos elementos cerâmicos danificados. 1.3 Graffitis Descrição/formas de manifestação Áreas do revestimento cerâmico com degradação estética por graffitis (Figura 2). Figura 2 Graffiti em fachada cerâmica Causas comuns Vandalismo 10

11 Soluções de reabilitação Limpeza das peças degradadas 1. Limpeza das peças com graffiti com cloreto de metileno; 2. Proteção das peças com agente anti-graffiti Substituição do revestimento cerâmico Substituição total do revestimento cerâmico por peças cerâmicas previamente tratadas com proteção anti-graffiti (processo de substituição similar ao indicado em 1.1.3). Observações: Proteger eventuais componentes da estrutura de PVC, Alumínio, Zinco e/ou borracha. 2. ANOMALIAS EM REVESTIMENTOS CERÂMI- COS (APLICAÇÕES COLADAS) As aplicações coladas de revestimentos cerâmicos correspondem ao método tradicional e mais comum em obra. Na prática, os elementos cerâmicos são colados ao suporte através da utilização de uma argamassa de colagem (argamassa-cola). Adicionalmente, executam-se juntas de separação entre os elementos cerâmicos, preenchidas com argamassa adequada, com objetivo de conferir diminuição de tensões no sistema, permitir trocas de vapor de água entre interfaces e efeito estético [7,9,10,11,16]. 2.1 Destacamento/desprendimento de elementos cerâmicos Destacamento em zonas de descontinuidade do suporte, em zonas correntes de revestimento, arqueamento ou empolamento ou destacamento explosivo Descrição/formas de manifestação Destacamento dos elementos cerâmicos da fachada: O destacamento pode ocorrer pela interface entre a argamassa-cola e o cerâmi- 11

12 co, na interface entre a cola e o suporte, por rotura coesiva da cola, por rotura coesiva do suporte ou por desprendimento do próprio suporte (Figura 3); O destacamento pode ser acompanhado por fissuração do elemento cerâmico. Figura 3 - Desprendimentos/queda de elementos cerâmicos em várias situações por diversos motivos (metodologia de colagem inadequada, rotura do suporte entre outras) Causas comuns Inadaptação da argamassa de colagem ao cerâmico, ao suporte utilizado e às condições de sujeição termo-higrométricas; Erro de execução, com especial destaque para ausência de colagem dupla; Falta de interrupção do revestimento cerâmico em correspondência com materiais diferentes ou na com juntas de movimento/dilatação existentes no suporte; Deficiente limpeza das interfaces de colagem (tardoz do cerâmico e/ou superfície do suporte); Deficiente coesão do suporte ou inadaptação dimensional do cerâmico à natureza do mesmo. Observações: O desprendimento explosivo é um caso particular de rotura devido a deformações diferenciais entre o revestimento e o suporte. A rotura resulta da instalação de compressões nos ladrilhos, resultantes ou da restrição de dilatações dos ladrilhos ou de retrações dos restantes elementos. Quando o arqueamento não se forma, as tensões de compressão vão-se acumulando até provocarem uma rotura frágil e violenta. As causas principais devem-se a erros de projeto, deficiências de execução, erros de utilização ou erros de limpeza. 12

13 Soluções de reabilitação 1. Remoção dos ladrilhos destacados e equivalentes a zonas com tendência a continuidade de destacamento; 2. Correções eventuais ao suporte (se necessário, substituição do mesmo) no caso de ser a causa pelo destacamento dos cerâmicos (ver 2.1.2); 3. Nova aplicação de ladrilhos com garantia de cola adequada e com técnica de colagem dupla; 4. Execução de juntas de movimento adequadas, por preenchimento das mesmas com argamassas em mastique e a limitar áreas até 25m2. Também realizar juntas com mastique adequado nas zonas equivalentes à fronteira entre suportes de materiais diferentes Destacamento equivalente a zonas de anomalias nos suportes Descrição/formas de manifestação Destacamento dos elementos cerâmicos da fachada, especialmente em zonas com manifestação de anomalias no suporte (por exemplo, coincidência com rotura do reboco existente ou correspondência com fendas formadas no suporte). O destacamento pode ocorrer pela interface entre a argamassa-cola e o cerâmico, na interface entre a cola e o suporte, por rotura coesiva da cola, por rotura coesiva do suporte ou por desprendimento do próprio suporte (Figura 4). Figura 4 Desprendimentos/queda de elementos cerâmicos associadas a rotura do suporte. 13

14 Causas comuns Inadaptação da argamassa de colagem ao suporte utilizado; Suporte inapropriado para receber elemento cerâmico em fachada (por falta de coesão/resistência, rigidez muito baixa ou muito elevada, excessiva hidrofobicidade ); Inadaptação dimensional do cerâmico à natureza do suporte; Tratamento indevido de zonas de interface entre materiais diferentes do suporte (por exemplo, por ausência da juntas de movimento ou de sistemas de reforço) Soluções de reabilitação 1. Remoção dos ladrilhos destacados equivalentes às zonas de anomalias de suporte e outras zonas com potencial destacamento; 2. Correção das anomalias nos suportes, por exemplo, das zonas fissuradas e por substituição das zonas destacadas ou incompatíveis com a prática de colagem de cerâmica; 3. Nova aplicação de ladrilhos, compatíveis com os suportes existentes, com garantia de cola adequada e com técnica de colagem dupla; 4. Execução de juntas de movimento adequadas, por preenchimento das mesmas com argamassas em mastique e a limitar áreas até 25m2. Também realizar juntas com mastique adequado nas zonas equivalentes à fronteira entre suportes de materiais diferentes. 2.2 Eflorescências em revestimentos cerâmicos Eflorescências nas juntas entre ladrilhos Descrição/formas de manifestação Aparecimento de escorridos de sais de cor branca entre as juntas de elementos cerâmicos. Os escorridos podem ser generalizados por toda a fachada ou localizados pontualmente (Figura 5). 14

15 Figura 5 Eflorescências/escorridos a partir de juntas entre ladrilhos cerâmicos Causas comuns Utilização de argamassas com elevado conteúdo em sais solúveis e cimento Portland; Incumprimento das boas práticas de aplicação no sentido de assegurar a correta secagem e hidratação das argamassas previamente à aplicação de materiais consequentes. Ainda, deficiente proteção dos elementos relativamente a condições atmosféricas propícias a transporte de sais, como humidade elevada e temperaturas baixas; Deficiente preenchimento das juntas entre ladrilhos ou fissuração das mesmas, permitindo infiltração fácil de água; Elevada resistência à difusão de água em fase de vapor pelos elementos da fachada (cerâmico e argamassas) Soluções de reabilitação 1. Lavagem com solução ácida (moderada) e água abundante; 15

16 2. Correção de eventuais fissuras presentes por remoção do material de juntas (se estiver igualmente destacado) e aplicação de nova argamassa. No caso de estabilidade das juntas, a correção poderá passar pela aplicação de argamassa adequada sobre a existente; 3. Aplicação de agente hidrófugo sobre toda a fachada Recomendações de manutenção A remoção total de eflorescências de juntas poderá ser impossível em casos específicos (considerando não substituir todo o revestimento existente). Por isso, recomenda-se a execução de um plano de manutenção que implica a lavagem com solução acídica e hidrofugação da fachada em períodos médios de 5 anos Eflorescências nas peças cerâmicas Descrição/formas de manifestação Formação de camada pulverulenta, habitualmente esbranquiçada, na superfície das peças cerâmicas e/ou nas juntas de aplicação (Figura 6). Figura 6 Eflorescências/escorridos nos ladrilhos cerâmicos Causas comuns Infiltrações de águas, com impurezas e sais no elemento cerâmico: formação de camada pulverulenta sobre superfície cerâmica (pontual ou alargada) e/ou nas juntas de aplicação Soluções de reabilitação 1. Proceder à escovagem dos depósitos de pós com escovas suaves, seguida da la- 16

17 vagem das superfícies. Aconselha-se a lavagem só com água, evitando produtos agressivos. Se for utilizado ácido muriático deve ser feito com uma concentração muito baixa, enxaguando com bastante água para eliminar todos os resíduos; 2. Limpeza/lavagem geral dos revestimentos e juntas; 3. Reparação da causa da infiltração de água, limpeza dos revestimentos e juntas; 4. Em alguns casos mais extremos, pode proceder-se à aplicação de uma emulsão impermeabilizante. Observações: Para evitar este tipo de ocorrências aconselha-se o uso de cimentos com baixo teor de alcalis e garantir que no processo de aplicação são respeitados todos os tempos de secagem das camadas anteriores ao revestimento cerâmico. 2.3 Fissuração de revestimentos cerâmicos Descrição/formas de manifestação Fissuras inferiores a 1mm: podem afetar apenas o vidrado superficial, ou serem um pouco mais profundas e afetar a superfície do corpo cerâmico; Fissuras com abertura superior a 1 mm: podem provocar a rotura da peça cerâmica e o seu destacamento da superfície de suporte. Figura 7 Fissuração de elementos cerâmicos. 17

18 2.3.2 Causas comuns Deformação estrutural: deformações no edifício podem originar a rotura dos revestimentos cerâmicos (Figura 7); Ausência de detalhes construtivos: determinados elementos construtivos (contravergas, platibandas, pingadeiras e juntas de movimento) ajudam a diminuir o efeito das tensões sofridas pelo edifício, nos revestimentos cerâmicos. A sua ausência, ou escassez, pode contribuir para que as deformações sofridas no edificado se transmitam ao revestimento cerâmico; Retração ou expansão da argamassa de fixação: quando existe incompatibilidade entre a argamassa de colagem e o revestimento cerâmico, pode ocorrer uma retração maior da argamassa que origina a fissuração do revestimento cerâmico; Dilatação e retração das placas cerâmicas: Variações térmicas, ou de humidade, podem provocar a dilatação ou contração da peça cerâmica, as quais, quando ultrapassam os limites de resistência da peça cerâmica, podem provocar a sua rotura; Ação de choques externos Soluções de reabilitação 1. Correção das possíveis causas da fissuração (por exemplo, por remover cargas, alterar a argamassa de colagem); 2. Execução de juntas de esquartejamento mais deformáveis a limitar áreas menores de continuidade cerâmica; 3. Substituição dos elementos cerâmicos fissurados e execução da sua colagem com argamassa-cola adequada para o efeito. 2.4 Esmagamento dos bordos Descrição/formas de manifestação Destacamento de lascas nos bordos dos elementos cerâmicos, frequentemente, acompanhado do esmagamento, por compressão, da argamassa de juntas existente (Figura 8). 18

19 Figura 8 Esmagamento dos bordos de cerâmicos e de argamassa de juntas Causas comuns Movimentos diferenciais entre o suporte, a argamassa de colagem e revestimento cerâmico: sob diferentes influências de agentes externos (por exemplo, temperatura e humidade) as três camadas dilatam-se ou contraem-se. Quando estas deformações não são iguais, tem lugar uma compressão da camada superficial (revestimento cerâmico que provoca o lascar dos bordos da peça cerâmica e/ou o esmagamento da argamassa de juntas Soluções de reabilitação 1. Remoção dos elementos degradados; 2. Correção/minimização dos efeitos de compressão através da execução de juntas de esquartejamento e de perímetro adequadas, preenchidas por mastique; 3. Aplicação de novos elementos cerâmicos. 2.5 Falta de planeza Descrição/formas de manifestação Irregularidades na superfície revestida com peças cerâmicas, caracterizadas pela falta de paralelismo entre diferentes elementos cerâmicos Causas comuns Deformações e/ou irregularidades da superfície do suporte: quando não são cumpridas as regras de qualidade sobre a uniformidade geral e localizada da super- 19

20 fície a revestir, e a argamassa de colagem não consegue nivelar essas anomalias; Deformações, empenos e/ou irregularidades da peças cerâmicas: material não conforme que não foi detetado no controle de qualidade; Metodologia de aplicação inadequada (erro de aplicação) Soluções de reabilitação Substituição das peças empenadas Esta solução implica a remoção dos cerâmicos existentes. Recomenda-se o procedimento seguinte: 1. Remoção das zonas desniveladas (elementos cerâmicos); 2. Nivelamento do suporte através da aplicação de material de colagem ou argamassa de nivelamento; 3. Substituição das peças empenadas Aplicação de novo revestimento cerâmico (solução 1) Esta solução implica uma correção sobre a estrutura existente, sem remoção da mesma. Recomenda-se o procedimento seguinte: 1. Aplicação de uma argamassa de regularização sobre a superfície existente; 2. Aplicação de novo revestimento cerâmico Aplicação de novo revestimento cerâmico (solução 2) Esta solução implica uma correção sobre a estrutura existente, sem remoção da mesma e consiste na aplicação de novo elemento cerâmico (lâmina, por exemplo) com regularização global a partir da argamassa-cola. Observações: As soluções descritas em e implicam perda de cota existente. 2.6 Descamação e fendas do vidrado Descrição/formas de manifestação Degradação do vidrado cerâmico por descamação do mesmo ou presença de fendas. 20

21 Causas comuns Escolha inadequada das peças cerâmicas em função das necessidades funcionais e/ou condições climatéricas; Qualidade inferior dos revestimentos cerâmicos aplicados Soluções de reabilitação Substituição dos elementos danificados Substituição dos elementos cerâmicos danificados Aplicação de novo revestimento cerâmico Aplicação de novo revestimento cerâmico sobre o existente (por exemplo, lâmina cerâmica). Esta solução implica perda de cota. 2.7 Desgaste da superfície Descrição/formas de manifestação Alteração visível da aparência do revestimento cerâmico, por desaparecimento total ou parcial da camada superficial, ou existência de riscos Causas comuns Escolha inadequada das peças cerâmicas em função das necessidades funcionais; Falta de planeza das peças cerâmicas e/ou do suporte, ou desníveis entre peças decorrente de uma aplicação incorreta Soluções de reabilitação Alteração do tipo de revestimento Substituição do revestimento por material com características adequadas às condições de aplicação e uso. 21

22 Aplicação de novo revestimento cerâmico Aplicação de novo revestimento cerâmico sobre o existente (por exemplo, lâmina cerâmica) ou de outros revestimentos. Esta solução implica perda de cota. 2.8 Degradação estética do revestimento cerâmico por alteração da cor ou do brilho Descrição/formas de manifestação Alteração visível da cor original das peças cerâmicas, através de um escurecimento significativo da cor, ou pelo aparecimento de manchas cinzentas, azuladas ou avermelhadas, com maior incidência a partir das bordas Causas comuns Desgaste da superfície; Ataque químico: derramamento ou utilização de produtos de limpeza agressivos ou inadequados; Infiltrações de água: se na água existirem elementos corantes orgânicos, fungos ou sais solúveis, as manchas poderão ter colorações distintas, em função destes elementos; Deposição de sais de cálcio no vidrado, provenientes da argamassa-cola Soluções de reabilitação Alteração do tipo de revestimento Substituição do revestimento por material com características adequadas às condições de aplicação e uso Aplicação de novo revestimento cerâmico Aplicação de novo revestimento cerâmico sobre o existente (por exemplo, lâmina cerâmica) ou de outros revestimentos. Esta solução implica perda de cota. Observações: Para os dois casos, garantir a utilização de uma argamassa-cola compatível com o cerâmico em utilização. 22

23 2.9 Enodoamento Descrição/formas de manifestação Manchas pontuais de dimensão variável, que provocam alteração da cor das peças cerâmicas Causas comuns Escolha inadequada das peças cerâmicas em função das necessidades funcionais: pode originar o desgaste da superfície, proporcionando a retenção de sujidades; Ataque químico: derramamento ou utilização de produtos de limpeza agressivos ou inadequados; líquidos ácidos como o vinagre, sumo de limão ou vinho tinto, líquidos oleosos como o azeite, ou como o café ou tintas, atacam as peças cerâmicas, principalmente as não vidradas, ou as que apresentam a superfície desgastada; Pinholes, crateras, pintas e manchas: pequenas imperfeições na superfície da peça cerâmica, decorrentes dos materiais e do processo de fabrico. Os pinholes e crateras podem ser sentidos através do tato, e proporcionam o acumular de sujidades; as pintas e manchas são parte integrante do vidrado, ou do corpo cerâmico. Ambas são impossíveis de remover Soluções de reabilitação Limpeza Limpeza com produtos específicos (ver Tabela 1) Substituição das peças danificadas Remoção e substituição das peças danificadas. 23

24 Tabela 1 Soluções específicas para remoção de manchas impregnadas em ladrilhos cerâmicos. Mancha Produto Observações Cimento e produtos à base de cimento Ácido acético 10% Ácido Clorídrico 10% Ácido Fosfórico 10% Seguir as indicações do fabricante Ácidos fluorídricos são proibidos O ácido clorídrico é corrosivo: usar luvas, vestuário apropriado e evitar salpicos Proteger materiais de PVC, alumínio, zinco e borracha Pintura a óleo Decapante de soldadura Mástique Fruta e sumos de frutos (manchas recentes) Molho de tomate Pintura vinílica, gliceroftálica Cola e matérias plásticas Fuelóleo Fruta e sumos de frutos (manchas antigas) Álcool metílico Benzina Tricloro etileno Produtos inflamáveis: - arejar bem - não fumar - impedir faíscas de ferramentas ou interruptores elétricos. Óleo de linhaça Álcool etílico Proteger materiais de PVC, alumínio, zinco e borracha Mercurocromo Permanganato de potássio Proteger as mãos Tinta fresca seguido de ácido oxálico Água de Javel Graffitis Cloreto de metileno e álcool Proteger materiais de PVC, alumínio, zinco e borracha Ferrugem Lixívia Proteger materiais de PVC, alumínio, zinco e borracha Gordura Solvente ou desengordurante Proteger materiais de PVC, alumínio, zinco e borracha Borracha de pneus Aguarrás Proteger materiais de PVC, alumínio, zinco e borracha Tinta de caneta Acetona Proteger materiais de PVC, alumínio, zinco e borracha 24

25 3. ANOMALIAS EM REVESTIMENTOS DE PEDRA 3.1. Anomalias em revestimentos aplicados por métodos diretos Em Portugal, uma parte substancial das aplicações com pedra em fachadas e por vezes até, embora em menor número em coberturas, foram realizadas nos últimos 15 anos com recurso preferencial à técnica de fixação direta, que pode ser efetuada por duas formas: Por colagem quando o elemento de fixação é tipicamente um cimento-cola incorporando ou não resinas de elevadas prestações ou curto tempo de secagem, ou um adesivo de base polimérica sem cimento, normalmente, constituído por um adesivo de reação; Por selagem quando o elemento de fixação é uma argamassa à base de cal hidráulica ou de cimento branco, o que normalmente se traduz em materiais menos suscetíveis de originar manchas nos revestimentos de pedra natural. Este tipo de solução de fixação tem vários inconvenientes, sendo bastante suscetível a diversas anomalias e, por isso, menos recomendável em revestimentos exteriores (salvo em condições particulares e bem identificadas). Optando por este tipo de fixação, serão inevitavelmente necessários certos cuidados e procedimentos para prevenir o aparecimento de tais anomalias, recomendando-se sempre a consulta de profissionais da área. Os sistemas de fixação diretos são muitas vezes reforçados com elementos auxiliares de fixação tais como agrafos ou gatos [16-23] Desprendimento/queda de placas coladas Descrição/formas de manifestação Desprendimento total ou empolamento de placas da fachada em zonas pontuais ou generalizadas (Figuras 9 e 10) e pode ocorrer: Na interface entre o agente de fixação (argamassa/cimento-cola/adesivo) e a placa; Na interface entre o suporte (reboco) e o agente de fixação; Por rotura do suporte, do agente de fixação ou da própria placa de pedra. 25

26 Figura 9 Desprendimentos/queda de placas de pedra natural colada em fachadas exteriores. Figura 10 Exemplo de desprendimentos/queda de placas de mármore coladas num terraço. 26

27 Causas comuns Inadequada preparação do suporte e das placas de pedra natural: limpeza deficiente antes da aplicação; Inadequado dimensionamento do sistema de fixação: placa de pedra natural com elevado peso para o tipo de agente de fixação selecionado; Ausência ou inadequado dimensionamento de juntas de dilatação para a fachada (Figura 9): as juntas de dilatação e entre os vários elementos pétreos da fachada são fundamentais para acompanhar as deformações diferenciais que originam movimentos de dilatação e contração dos revestimentos, agente de fixação e suporte; Inadequada seleção do material de preenchimento de juntas: o material utilizado no preenchimento das juntas deve permitir acompanhar as deformações diferenciais dos vários elementos que constituem a fachada. Caso as juntas sejam preenchidas com um material de baixa elasticidade podem originar-se tensões residuais e posterior empolamento ou desprendimento (Figura 11). Um preenchimento de juntas inadequado podem ainda originar o destacamento destas zonas facilitando assim a entrada de água e a lixiviação na interface suporte/agente de fixação ou agente de fixação/placa de pedra. Figura 11 Desprendimentos/queda de placas de pedra natural colada em fachadas exteriores devida a inadequado dimensionamento de juntas de dilatação para a fachada levando à impossibilidade de acompanhar as deformações diferenciais que originam movimentos de dilatação e contração dos revestimentos, agente de fixação e suporte Soluções de reabilitação Substituição dos elementos danificados 1. Em caso de zonas de suporte degradadas, proceder à sua remoção e substituição por nova argamassa adequada; 27

28 2. Limpeza do suporte e das placas de pedra, por exemplo, por escovagem; 3. Limpeza e eliminação de vestígios do agente de fixação anterior; 4. Substituição das placas de pedra natural danificadas Redimensionamento das placas adaptado às condições existentes Redimensionamento das placas e seleção de agente de fixação adequado às conduções térmicas e higrométricas do local Alteração das juntas Redimensionamento das juntas de dilatação e das juntas entre as placas de pedra. Esta solução deverá incluir a limpeza das juntas com aplicação de novo material (mastique) para preenchimento de juntas Reforço do sistema de fixação Reforço do sistema de fixação com elementos metálicos, como agrafos ou gatos (Figura 12). Figura 12 Reabilitação de fachada de granito baseada no reforço do sistema de fixação através de elementos metálicos Eflorescências em placas de pedra natural Descrição/formas de manifestação Aparecimento de material pulverulento de cor clara (branco ou creme) na juntas e/ ou nas placas de natural (Figura 13). A ocorrência deste tipo de anomalia pode variar 28

29 em extensão ou ser apenas pontual dependendo da tipologia de pedra natural e das suas características físicas (porosidade, absorção de água, capilaridade, volume de poros abertos, entre outras). Figura 13 Eflorescências em placas de pedra natural aplicadas em fachadas e revestimentos exteriores. 29

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

REVESTIMENTOS INTERIORES

REVESTIMENTOS INTERIORES GUIA PARA A REABILITAÇÃO REVESTIMENTOS INTERIORES pavimentos, paredes e tetos PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Revigrés Colaboração Saint-Gobain Weber CIN

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura I - Patologias Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura A realidade mudou! Já mal se vêem gruas ao alto e, em Portugal, já existe um excesso de casas face à procura. No entanto,

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FEUP/APFAC Porto 2015-1 ESTRUTURAÇÃO 1. Introdução Eficiência energética

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

Em vigor desde 19/08/2015 Máquinas e Ferramentas - 1 / 7 TABELA DE PREÇOS CÓDIGO DESCRIÇÃO UN. PVP

Em vigor desde 19/08/2015 Máquinas e Ferramentas - 1 / 7 TABELA DE PREÇOS CÓDIGO DESCRIÇÃO UN. PVP Em vigor desde 19/08/2015 Máquinas e Ferramentas - 1 / 7 1625202 LENA1BASIC CIMENTO COLA BR(S25K)$ UN 6,50 Ligantes hidráulicos, inertes calcáricos e silicioso e aditivos Peças de pequenas dimensões (15x15cm),

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

DADOS TÉCNICOS PROCEDIMENTOS DE APLICAÇÃO LIMPEZA E MANUTENÇÃO

DADOS TÉCNICOS PROCEDIMENTOS DE APLICAÇÃO LIMPEZA E MANUTENÇÃO DADOS TÉCNICOS PROCEDIMENTOS DE APLICAÇÃO LIMPEZA E MANUTENÇÃO DADOS TÉCNICOS AZULEJOS 20 x 20 cm MATERIAIS: aço inox AISI 304, placa cimentícia sem amianto, com adesivo e filme protector. DIMENSÕES: 20

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Luís Silva Dina Frade Nelson Moreira Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais AICCOPN, Porto, 2014.03.13

Leia mais

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Fachadas energeticamente eficientes: contribuição dos ETICS/Argamassas Térmicas Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Oradora: Vera Silva Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

politech Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes

politech Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Ficha técnica politech politech é um adesivo à base de poliuretano, bicomponente, do tipo R2 T, segundo a norma EN 12004, adequado para colocações sobre suportes deformáveis. Especialmente recomendado

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura III - Telhados, Rufos, III.1 TELHADOS Principais Patologias Com o passar do tempo e muitas vezes também pela falta de manutenção anual, acumulam-se nos telhados de telha de barro,

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO Estado de Conservação Exterior FICHA N.º: 01 ID EDIFÍCIO: 42904 1. LOCALIZAÇÃO Zona em estudo: Vila do Olival Freguesia: Gondemaria e Olival Rua / Av. / Pc.: Rua Cimo

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

CONSERVANDO TELHADOS

CONSERVANDO TELHADOS A ESCOLHA DA COR Você sabia que o processo industrial empregado na elaboração de tintas ou revestimentos, etc... Somente se encerra com a cura total do produto após sua aplicação! Na maioria dos casos,

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec. e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.pt Isolamento térmico pelo exterior Vantagens O isolamento térmico

Leia mais

pro-part Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes

pro-part Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Ficha técnica pro-part Perfil decorativo para revestimentos cerâmicos; alternativa à tradicional faixa cerâmica decorativa. Adequados para o remate de esquinas e transições entre ladrilhos cerâmicos. pro-part

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura II - Fachadas As fachadas dos edifícios, em Portugal, têm sido espelho de diferentes tendências construtivas, ao longo das últimas décadas. A diversidade de materiais de revestimento

Leia mais

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS GUIA PARA A REABILITAÇÃO INSTALAÇÕES SANITÁRIAS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias no Autoclismo da

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

Problemas Comuns. Eflorescência

Problemas Comuns. Eflorescência Problemas Comuns Como em qualquer outra área na construção civil, geralmente ocorrem problemas, seja na preparação da superfície ou no acabamento. Os problemas mais freqüentes são: Eflorescência São manchas

Leia mais

membrana impermeabilizante

membrana impermeabilizante 01 Descrição: votomassa é uma impermeável flexível e antifissura resistente a cargas, que dispensa o uso de telas, para aplicação em diversos substratos. 02 Classificação técnica: ANTES Hydro Ban votomassa

Leia mais

Perfia para pavimentos em madeira e laminados Prosystem

Perfia para pavimentos em madeira e laminados Prosystem PROFILPAS S.P.A. VIA EINSTEIN, 38 35010 CADONEGHE (PADOVA) ITALY TEL. +39 (0)49 8878411 +39 (0)49 8878412 FAX. +39 (0)49-706692 EMAIL: INFO@PROFILPAS.COM Perfia para pavimentos em madeira e laminados Prosystem

Leia mais

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Produto/variações Devido ao processo de fabricação e aplicação de gel envelhecedor, os revestimentos cimentícios, podem apresentar pequenas variações

Leia mais

PATOLOGIA DE FACHADAS

PATOLOGIA DE FACHADAS PATOLOGIA DE FACHADAS Antônio Henrique Correa de Freitas 1 Poliana Miranda França 2 Tamiris Miranda França 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade explorar as diversas patologias existentes em fachadas,

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

Sistema weber.therm keramic

Sistema weber.therm keramic weber.therm keramic Pág 1/12 Sistema weber.therm keramic Sistema de isolamento térmico exterior em fachadas (do tipo ETICS), preparado para receber acabamento em revestimentos cerâmicos. Mecanicamente

Leia mais

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA s.f. Ato ou efeito de pintar. Camada de recobrimento de uma superfície, com funções

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A MADEIRAS ECOLÓGICAS

INFORMAÇÕES SOBRE A MADEIRAS ECOLÓGICAS INFORMAÇÕES SOBRE A MADEIRAS ECOLÓGICAS O piso MADEIRAS ECOLÓGICAS é um sistema de pavimentação modular especificamente para uso ao ar livre, robusto e inovador. O resultado estético final se integra perfeitamente

Leia mais

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA

AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA AS SUPERFÍCIES E O COMPORTAMENTO DAS PAREDES DE TERRA CRUA Paulina Faria Rodrigues Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade Nova de Lisboa 2829-516 Caparica, PORTUGAL Tel.: +351 21 2948580; Fax:

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 03.114 Versão nº 1 Sika MonoTop -412 S Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Descrição do produto Sika MonoTop

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) ANA LUIZA ALVES DE OLIVEIRA (2) (1) Professora UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduanda em Engenharia

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS

DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS DESEMPENHO ENERGÉTICO DOS EDIFÍCIOS As soluções para melhorar o desempenho energético dos edifícios têm benefícios para os proprietários e utilizadores dos edifícios. Conforto: o comportamento térmico

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA Manual de Assentamento de Revestimento Cerâmico Esse material tem por finalidade evidenciar a utilização de argamassas e rejuntes. A grande vantagem da utilização desses materiais residem principalmente

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação.

A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. INTRODUÇÃO A crescente necessidade de preservar as estruturas em boas condições de operacionalidade tem despertado o interesse no campo da reabilitação. Cada vez mais os diferentes tipos de estrutura ganham

Leia mais

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Concurso Público para a Empreitada de Forte da Graça Obras de 1ª Intervenção Câmara Municipal de Elvas Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Não

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

MANUAL DO C L I E N T E

MANUAL DO C L I E N T E MANUAL DO C L I E N T E 1 Recebendo o revestimento na obra 1.1 Comparar a nota fiscal com o pedido SUMÁRIO 2 3 4 5 Manuseio e armazenamento 2.1 2.2 Ter cuidado no manuseio Empilhamento dos revestimentos

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

RESINA POLIURETANO SEMI-FLEXIVEL

RESINA POLIURETANO SEMI-FLEXIVEL RESINA POLIURETANO SEMI-FLEXIVEL Raposo, S.A. Lider na Vanguarda Desde finais de 1982, os nossos técnicos têm vindo a liderar a tecnologia avançada na aplicação de produtos epoxy. Construída com a sua

Leia mais

CIMENTOS COLA ADHERE

CIMENTOS COLA ADHERE CIMENTOS COLA ADHERE Cimentos Cola Adhere. Introdução 03 A utilização de revestimentos cerâmicos como elemento decorativo nas paredes e pavimentos remonta à antiguidade, constituindo uma parte integrante

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 ÍNDICE SOLUÇÕES EM ARGAMASSAS PARA A REABILITAÇÃO ENERGÉTICA Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto André Correia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES

MEMORIAL DESCRITIVO CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES MEMORIAL DESCRITIVO Contratante: Federação das Indústrias do Estado Santa Catarina CNPJ: 83.873.877/0001-14 Empreendimento: Edifício Sede do Sistema FIESC Endereço: Rua Admar Gonzaga, nº 2765 Bairro Itacorubi

Leia mais

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA ELEMENTOS DE FACHADA Belo Horizonte, 08 de maio de 2014 1- FACHADAS EM ALUMÍNIO E VIDRO 1.1 ALUMÍNIO A grande questão da utilização do alumínio em fachadas cortina é a definição do tipo de revestimento

Leia mais

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES Os produtos SODRAMAR em Aço Inox são fabricados utilizando matéria prima com alto padrão de qualidade, e como tal merecem cuidados. Preocupados em manter a beleza

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva

ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva Prefácio O sistema de revestimento da linha ENDURIT, foi desenvolvido com a mais nobre linha de resinas uretanas, levando assim

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura IX - Cozinhas e WC s As cozinhas e casas de banho são áreas cujas paredes estão constantemente sujeitas a desgaste e onde a higiene tem que predominar. Em constante contacto com

Leia mais

REVESTIMENTO CERÂMICOS

REVESTIMENTO CERÂMICOS SEMINÁRIOS DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REALIZAÇÃO: IBAPE NACIONAL E IBAPE PR Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Foz do Iguaçu-PR II Seminário Nacional de Perícias de Engenharia PERÍCIAS EM FACHADAS

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais.

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais. Parabond Zinco Produto elástico para todo tipo de metais. Produto: Parabond Zinco é um elastómero de alta qualidade, de rápido endurecimento, permanentemente elástico, à base de MS polímero com elevada

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

TRATAMENTO DE ZONAS AFETADAS POR HUMIDADES, EFLORESCÊNCIAS CRIPTOFLORESCÊNCIAS E FUNGOS

TRATAMENTO DE ZONAS AFETADAS POR HUMIDADES, EFLORESCÊNCIAS CRIPTOFLORESCÊNCIAS E FUNGOS GUIA PARA A REABILITAÇÃO TRATAMENTO DE ZONAS AFETADAS POR HUMIDADES, EFLORESCÊNCIAS CRIPTOFLORESCÊNCIAS E FUNGOS paredes, tetos e pavimentos PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório

Leia mais

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida.

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida. Página 1 de 5 TINTAS E VERNIZES LATEX ACRÍLICO E PVA Criadas para proteger e embelezar as paredes de alvenaria, estruturas metálicas e madeiras, as tintas são aperfeiçoadas para garantir maior desempenho

Leia mais

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água.

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água. Boletim Técnico Produto Casacor Acrílico Fosco Branco Descrição Casa limpa, mais saúde e família protegida. Tudo isso em uma tinta: CASA COR Acrílico Super Premium da Tintas Renner. A sua fórmula especial

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais