REVESTIMENTOS INTERIORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVESTIMENTOS INTERIORES"

Transcrição

1 GUIA PARA A REABILITAÇÃO REVESTIMENTOS INTERIORES pavimentos, paredes e tetos PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

2 Autoria do Relatório Consultoria Revigrés Colaboração Saint-Gobain Weber CIN Garbi Frontwave

3 Índice 0. Preâmbulo 7 1. Anomalias em Revestimentos Cerâmicos Destacamento e/ou empolamento de revestimentos cerâmicos Fissuração dos ladrilhos Eflorescências Esmagamento dos bordos Deterioração das juntas Falta de planeza Descamação e fendas do vidrado Desgaste da superfície Degradação visual do revestimento cerâmico Aparecimento de algas e fungos (nas juntas) Anomalias em Revestimentos de Reboco e Pintura Fissuração do revestimento (suporte) Destacamento do revestimento de pintura ou da argamassa de reboco Presença de sais: eflorescências e criptoeflorescências Fungos, algas e bolores Descamação Manchas Polimento/manchas brancas Brilho não uniforme Baixa resistência às nódoas Amarelecimento Anomalias em Revestimentos de Madeira Fendas e empenos Alteração da cor Ataque por agentes biológicos 37

4 3.4 Fogo Degradação da superfície Anomalias em Revestimentos Interiores de Pedra Destacamento ou descolamento Manchas de humidade Fendilhação, fracturação e descamação Eflorescências e colonizações biológicas Desgaste, envelhecimento e perda de cor Manchas de gordura Manchas de chá, café, sumos de frutas, vinho tinto ou vinagre 49 Bibliografia 52 Anexo Checklist 54

5

6

7 0. PREÂMBULO Após um longo período em que a construção nova se sobrepôs à possibilidade de reconstruir/ reabilitar assiste-se, nos últimos anos, à consolidação de um novo paradigma do urbanismo, caracterizado por um progressivo investimento na requalificação urbana e na reabilitação do património edificado. Esta tendência deu origem a um desenvolvimento de novas competências, nomeadamente na área da construção sustentável, que visa proporcionar uma melhoria da qualidade de vida e, simultaneamente, a defesa de bens culturais e patrimoniais. A preservação do património edificado torna-se imperativa, pelo seu valor sócio cultural e pela rentabilização do capital fixo já investido [1]. A qualidade do edificado e a qualidade de vida que proporciona aos seus utilizadores (conforto percebido e efetivo) depende da natureza da construção, dos seus materiais, e de uma manutenção preventiva. Quando é necessária uma intervenção de reabilitação torna-se relevante pesquisar soluções consentâneas com as exigências relativas à eficiência energética, às acessibilidades e ao desempenho funcional, técnico e estético do edificado e dos produtos nele aplicados, para que tenham o menor impacto ambiental possível (consumo de energia, de matérias primas e diminuição da produção de resíduos). Os revestimentos interiores, elementos de contacto visual e físico entre o edificado e o utilizador, são determinantes na perceção do conforto, da funcionalidade, e na adequação do edificado à sua função, dependendo da qualidade deles o bem-estar emocional e físico do utilizador. Torna-se pois fundamental assegurar a adequação dos materiais às solicitações funcionais e garantir a adequação entre soluções estruturais, revestimento exterior e revestimento interior. É desta conformidade e simbiose, que depende a qualidade e a longevidade do edificado. Os revestimentos interiores, apesar de estarem menos expostos às condições ambientais exteriores, estão sujeitos a solicitações que podem comprometer o seu aspeto visual e o seu comportamento como produto final de revestimento. O impacto da poluição atmosférica, das variações de temperatura e do teor de humidade, dos períodos de gelo, da orientação geográfica do edificado e envolvente natural, perturba o equilíbrio do edificado nos revestimentos exteriores, e provoca transformações nos comportamentos das suas estruturas e acabamentos. Está comprovado que as anomalias estruturais e dos revestimentos exteriores se repercutem, também, nos revestimentos interiores e são uma das causas mais relevantes de anomalias. A aplicação incorreta dos revestimentos interiores, designadamente o incumprimento das instruções dos fabricantes, a utilização de ferramentas inadequadas, a inexperiência dos aplicadores, assim como a utilização e a manutenção dos revestimentos interiores, são 7

8 também, determinantes (de forma direta e indireta) do comportamento destes revestimentos, ao nível da sua aparência, resistência e longevidade. As quatro tipologias de revestimentos consideradas neste guia cerâmicos, reboco e pintura, madeiras e pedras naturais são soluções construtivas comummente utilizadas há vários séculos, estando comprovada a sua adequação aos mais diversos contextos geográficos e de uso. O investimento em investigação e inovação realizado pelas empresas produtoras e transformadoras ampliou exponencialmente o desempenho destes materiais, permitindo protelar, solucionar e/ou prevenir um elevado número de anomalias, que podem comprometer o aspeto visual dos materiais e o seu comportamento como produto final de revestimento. A sua correta aplicação contribui, de forma significativa, para a estabilidade higrométrica, conforto térmico e acústico do ambiente no interior das habitações e para uma redução expressiva dos consumos energéticos. As linhas orientadoras deste guia centram-se em dois vetores: a) identificar as causas reais das anomalias e apresentar soluções efetivas (e não apenas sanar os danos visíveis); b) respeitar o edificado existente. Para este efeito consideraram-se as anomalias mais frequentes, as suas causas, e foram sugeridas as soluções que se consideram adequadas perante as exigências funcionais aplicáveis à reabilitação habitacional [2] ponderando as necessidades e usos presentes e futuros. Dada a diversidade de materiais existentes dentro de cada tipologia observada optou-se por uma metodologia de exposição o mais abrangente possível, por forma a englobar um maior leque de situações. As soluções indicadas não são únicas, pelo que se recomenda uma análise caso a caso, atendendo às especificidades dos materiais e do local, aconselhando-se a consulta aos fabricantes em caso de dúvida. 8

9 1. ANOMALIAS EM REVESTIMENTOS CERÂMICOS 1.1 Destacamento e/ou empolamento de revestimentos cerâmicos Descrição/formas de manifestação Destacamento em zonas de descontinuidade do suporte e zonas correntes do revestimento, em paredes ou pavimentos (Figura 1): Pode ocorrer pela interface entre a argamassa-cola e o cerâmico, na interface entre a cola e o suporte, por rotura coesiva da cola, por rotura coesiva do suporte ou por desprendimento do próprio suporte; Manifesta-se por arqueamento, empolamento ou destacamento explosivo; Pode ser acompanhado por fissuração do elemento cerâmico. Destacamento equivalente a zonas de anomalias nos suportes: Destacamento dos elementos cerâmicos, especialmente em zonas com manifestação de anomalias no suporte (por exemplo, coincidência com rotura do reboco existente ou correspondência com fendas formadas no suporte); Pode ocorrer pela interface entre a argamassa-cola e o cerâmico, na interface entre a cola e o suporte, por rotura coesiva da cola, por rotura coesiva do suporte ou por desprendimento do próprio suporte. 9

10 Figura 1 - Destacamento em parede e pavimentos devido a causas várias: presença de humidade; ausência de juntas de fracionamento; colagem deficiente por pontos ou esmagamento insuficiente da cola Causas comuns Destacamento em zonas de descontinuidade do suporte e zonas correntes do revestimento, em paredes ou pavimentos Inadaptação da argamassa de colagem ao cerâmico, ao suporte utilizado e às condições de sujeição termo-higrométricas; Falta de interrupção do revestimento cerâmico em correspondência com materiais diferentes ou na com juntas de movimento/dilatação existentes no suporte; Ausência de juntas perimetrais, especialmente em pavimentos; Deficiente limpeza das interfaces de colagem (tardoz do cerâmico e/ou superfície do suporte); Deficiente coesão do suporte ou inadaptação dimensional do cerâmico à natureza do mesmo. 10

11 Observações: O desprendimento explosivo é um caso particular de rotura devido a deformações diferenciais entre o revestimento e o suporte, devendo-se geralmente a erros de projeto, deficiências de execução, erros de utilização ou erros de limpeza. Destacamento equivalente a zonas de anomalias nos suportes: Inadaptação da argamassa de colagem ao suporte utilizado; Suporte inapropriado para receber elemento cerâmico em fachada (por falta de coesão/resistência, rigidez muito baixa, excessiva hidrofobicidade ); Inadaptação dimensional do cerâmico à natureza do suporte Soluções de reabilitação Solução para zonas destacamento/desprendimento em zonas de descontinuidade do suporte e zonas correntes do revestimento Nestes casos o procedimento recomendado é: 1. Remoção dos ladrilhos destacados e equivalentes a zonas com tendência a continuidade de destacamento; 2. Nova aplicação de ladrilhos com garantia de cola adequada; 3. Execução de juntas de movimento adequadas Solução para destacamento em zonas de anomalias nos suportes Nestes casos o procedimento recomendado é: 1. Remoção dos ladrilhos destacados equivalentes às zonas de anomalias de suporte e outras zonas de continuidade a destacamento.; 2. Correção das anomalias nos suportes; 3. Nova aplicação de ladrilhos com garantia de cola adequada; 4. Execução de juntas de movimento adequadas. 1.2 Fissuração dos ladrilhos Descrição/formas de manifestação Fissuras com abertura inferior a 1mm: podem afetar apenas o vidrado superficial; 11

12 Fissuras com abertura superior a 1mm: podem afetar o corpo cerâmico, provocando a quebra do ladrilho e o seu destacamento da superfície de suporte (Figura 2). Figura 2 Fissura em ladrilho vidrado Causas comuns Deformação estrutural: deformações no edifício podem originar a rutura dos revestimentos cerâmicos; Ausência de detalhes construtivos: determinados elementos construtivos (contravergas, platibandas, pingadeiras e juntas de movimentação) ajudam a diminuir o efeito das tensões sofridas pelo edifício, nos revestimentos cerâmicos. A sua ausência, ou escassez, pode contribuir para que as deformações sofridas no edificado se transmitam ao revestimento cerâmico; Retração ou expansão da argamassa de fixação: quando existe incompatibilidade entre a argamassa de colagem e o revestimento cerâmico pode ocorrer uma retração maior da argamassa, que origina a fissuração do revestimento cerâmico; Dilatação e retração das placas cerâmicas: variações térmicas, ou de humidade, podem provocar a dilatação ou contração da peça cerâmica, as quais, quando ultrapassam os limites de resistência da peça cerâmica, podem provocar a sua rutura; Nos pavimentos a fissuração pode ter origem na aplicação (repetida) de cargas elevadas. Quando a aderência da peça cerâmica ao suporte é elevada, e existem movimentos do suporte, a peça tende a fissurar; quando a aderência é baixa tem lugar o destacamento da peça; 12

13 Quando as fissuras não decorrem da ação frequente de cargas elevadas, ou de choques pontuais violentos, a determinação da origem das causas só é possível através da consulta de profissionais especialistas na área Soluções de reabilitação 1. Remoção dos ladrilhos fissurados; 2. Correção das anomalias nos suportes; 3. Nova aplicação de ladrilhos com garantia de cola adequada; 4. Execução de juntas de movimento adequadas. 1.3 Eflorescências Descrição/formas de manifestação Eflorescências nas juntas entre peças cerâmicas (Figura 3): Escorridos de sais de cor branca entre as juntas de elementos cerâmicos, podendo ser generalizados por toda a parede ou localizados pontualmente; Anomalia especialmente manifestada em pavimentos. Eflorescências nos ladrilhos : Formação de camada pulverulenta, habitualmente esbranquiçada, na superfície dos ladrilhos e/ou nas juntas de aplicação. Figura 3 - Exemplo de patologia associada a alteração de cor (estética) da argamassa de junta, por deposição de sais esbranquiçados na superfície. 13

14 1.3.2 Causas comuns Eflorescências nas juntas entre peças cerâmicas Utilização de argamassas com elevado conteúdo em sais e cimento Portland; Incumprimento das boas práticas de aplicação no sentido de assegurar a correta secagem e hidratação das argamassas previamente à aplicação de materiais consequentes; Deficiente preenchimento das juntas entre ladrilhos ou fissuração das mesmas, permitindo infiltração fácil de água (por exemplo de limpeza); Ascensão de água por capilaridade. Eflorescências nos ladrilhos Infiltrações de água com impurezas e sais na peça cerâmica. A água ao a evaporar provoca a formação de uma camada pulverulenta na superfície cerâmica (localizada ou alargada) e/ou nas juntas de aplicação. Estas situações são mais frequentes em ladrilhos de cerâmica vermelha Soluções de reabilitação Solução para eflorescências nas juntas Nos casos relativos a eflorescências nas juntas entre peças cerâmicas, o procedimento recomendado é: 1. Lavagem com solução ácida (moderada) e água abundante; 2. Correção de eventuais fissuras existentes. Observações: Em caso de ascensão capilar, a solução é de maior custo por implicar a remoção das zonas afetadas para corte capilar Solução para eflorescência nos ladrilhos Nos casos relativos a eflorescências nos ladrilhos, o procedimento recomendado é: 1. Reparação da causa da infiltração de água; 2. Limpeza dos revestimentos e juntas. 3. Proceder à escovagem dos depósitos de pós com escova suave, seguida da lavagem das superfícies. Aconselha-se a lavagem só com água, evitando produtos agressivos. Pode-se utilizar uma solução de Ácido Acético, enxaguando-se pos- 14

15 teriormente com água abundante. Se for utilizado ácido muriático deve utilizar- -se numa concentração muito baixa, enxaguando com bastante água para eliminar todos os resíduos. Observações : Para evitar este tipo de ocorrências aconselha-se: O uso de cimentos com baixo teor de alcalis; A utilização de ladrilhos com baixa porosidade; Garantir que durante o processo de aplicação são respeitados todos os tempos de secagem das camadas anteriores ao revestimento cerâmico. 1.4 Esmagamento dos bordos Descrição/formas de manifestação Destacamento de lascas nos bordos dos ladrilhos. Figura 4 Esmagamento do bordo do ladrilho e consequente destacamento de lascas Causas comuns Movimentos diferentes do suporte, argamassa de colagem e revestimento cerâmico: sob diferentes influências de agentes externos (por exemplo temperatura, humidade) as três camadas dilatam-se ou contraem-se. Quando estas deformações não são iguais, tem lugar uma compressão da camada superficial, o revestimento cerâmico, a qual provoca o lascar dos bordos dos ladrilhos. 15

16 1.4.3 Soluções de reabilitação 1. Remoção dos ladrilhos danificados; 2. Correção das anomalias nos suportes; 3. Nova aplicação de ladrilhos com garantia de cola adequada; 4. Execução de juntas de movimento adequadas. 1.5 Deterioração das juntas Descrição/formas de manifestação Esfarelamento (perda de coesão) da argamassa de juntas; Fissuração de juntas, com entrada de água e sujidade permanentes; Destacamento da junta existente, global ou na interface com os bordos dos elementos cerâmicos (Figura 5). Figura 5 Esmagamento do bordo do ladrilho e consequente destacamento de lascas Causas comuns Movimentos diferentes do suporte, argamassa de colagem e revestimento cerâmico: estas diferenças podem provocar o descolamento do betume de preenchimento da junta; Limpeza incorreta: processos incorretos de limpeza, nomeadamente o uso de produtos agressivos (com fosfatos), ou de objetos que possam danificar a camada de betume, na fase final da obra, ou na sua manutenção; 16

17 Envelhecimento do material: a aproximação do tempo de validade do produto indicado pelo fabricante; Desajuste entre largura e profundidade da junta; Erros de aplicação: por utilização excessiva de água de amassadura, ou de limpeza; ainda, por acabamento prematuro da junta; Inadequação da argamassa de junta para o requisito de aplicação Soluções de reabilitação 1. Remoção da argamassa afetada pela anomalia; 2. Aplicação de novo material após correção de causas que possam dar continuidade às anomalias indicadas (por exemplo, executar juntas de movimento se for essa a necessidade). 1.6 Falta de planeza Descrição/formas de manifestação Zonas com desníveis na superfície, especialmente em pavimentos. Figura 6 Falta de planeza do pavimento cerâmico resultante das irregularidades do suporte Causas comuns Irregularidades não corrigidas do suporte; Aplicação deficiente. 17

18 1.6.3 Soluções de reabilitação A solução consiste no nivelamento do suporte através da aplicação de material de colagem. O procedimento recomendado é: Remoção dos ladrilhos nas zonas onde se verifica o desnível; Regularização do suporte com argamassas adequadas; Aplicação de novo revestimento. 1.7 Descamação e fendas do vidrado Descrição/formas de manifestação Destacamento, ou aparecimento de fendas (Figura 7) da camada superficial da peça cerâmica, quando estas são vidradas. Este problema pode ser pontual ou generalizado, e o seu aparecimento compromete a integridade do ladrilho, bem como a sua impermeabilidade. Figura 7 Fendas na camada superficial do ladrilho Causas comuns Escolha inadequada dos ladrilhos em função das necessidades funcionais e/ou condições climatéricas; 18

19 Qualidade inferior dos ladrilhos aplicados; Junta de dilatação de espessura inferior à necessária Soluções de reabilitação 1. Remoção dos ladrilhos deteriorados; 2. Nova aplicação de ladrilhos com garantia de cola adequada; 3. Execução de juntas de movimento adequadas. 1.8 Desgaste da superfície Descrição/formas de manifestação Alteração visível da aparência do revestimento cerâmico, por desaparecimento total ou parcial da camada superficial, ou existência de riscos. Esta anomalia é mais frequente nos pavimentos. Figura 8 Desgaste da camada superficial, com a consequente alteração da cor original Causas comuns Escolha inadequada dos ladrilhos em função das necessidades funcionais; Falta de planeza das ladrilhos e/ou do suporte, ou desníveis entre ladrilhos decorrente de uma aplicação incorreta; Desgaste decorrente da utilização ao longo de um largo período de tempo. 19

20 1.8.3 Soluções de reabilitação 1. Remoção dos ladrilhos desgastados; 2. Nova aplicação de ladrilhos com características adequadas às condições de aplicação e uso, garantindo o uso de cola adequada; 3. Execução de juntas de movimento adequadas. 1.9 Degradação visual do revestimento cerâmico Alteração da cor ou do brilho Descrição/formas de manifestação Alteração visível da cor original dos ladrilhos (Figura 9), ou pelo aparecimento de manchas cinzentas, azuladas ou avermelhadas, com maior incidência a partir das bordas. Figura 9 Alteração da cor original consequência do desgaste Causas comuns Desgaste da superfície; Ataque químico: derramamento ou utilização de produtos de limpeza agressivos ou inadequados; Infiltrações de água: se na água existirem elementos corantes orgânicos, fungos ou sais solúveis, as manchas poderão ter colorações distintas, em função destes elementos Soluções de reabilitação 1. Remoção dos ladrilhos desgastados; 20

21 2. Correção das eventuais anomalias nos suportes; 3. Nova aplicação de ladrilhos com características adequadas às condições de aplicação e uso, garantindo o uso de cola adequada; 4. Execução de juntas de movimento adequadas Enodoamento Os ladrilhos cerâmicos não vidrados são mais propensos ao enodoamento. Os ladrilhos vidrados são de mais fácil limpeza Descrição/formas de manifestação Manchas pontuais de dimensão variável, que provocam alteração da cor dos ladrilhos. O tipo de revestimento cerâmico (material e acabamento) determina não só a sua tendência para manchar, bem como a facilidade da sua limpeza. Figura 10 Manchas devidas à utilização de martelo de borracha. Figura 11 Manchas devidas à utilização de martelo de borracha. 21

22 Figura 12 Manchas de óleo e de silicone Causas comuns Escolha inadequada dos ladrilhos em função das necessidades funcionais: pode originar o desgaste da superfície, proporcionando a retenção de sujidades; Ataque químico: derramamento ou utilização de produtos de limpeza agressivos ou inadequados; líquidos ácidos como o vinagre, sumo de limão ou vinho tinto, líquidos oleosos como o azeite, ou como o café ou tintas, atacam os ladrilhos, principalmente os não vidrados, ou os que apresentam a superfície desgastada; Picado, crateras, pintas e manchas: pequenas imperfeições na superfície dos ladrilhos, decorrentes dos materiais e do processo de fabrico. O picado e as crateras na superfície podem ser vistos a olho nu, e proporcionam o acumular de sujidades; as pintas e manchas são parte integrante do vidrado, ou do corpo cerâmico. Tanto umas como outras são impossíveis de remover Soluções de reabilitação Na maioria das situações a limpeza das manchas de acordo com as indicações do fabricante pode solucionar o enodoamento. A Tabela 1 reúne um conjunto de recomendações para as ocorrências mais frequentes. 22

23 Tabela 1 Recomendações para a limpeza de nódoas (adaptado de [2, 3]). Mancha Produto Observações Cimento e produtos à base de cimento Ácido acético 10% Ácido Clorídrico 10% Ácido Fosfórico 10% Seguir indicações do fabricante Ácidos fluorídricos são proibidos O ácido clorídrico é corrosivo, usar luvas, vestuário apropriado e evitar salpicos Pintura a óleo Decapante de soldadura Mástique Fruta e sumos de frutos (manchas recentes) Álcool metílico Produtos inflamáveis: - arejar bem - não fumar - impedir faíscas de ferramentas ou interruptores elétricos. Molho de tomate Pintura vinílica, Benzina gliceroftálica Cola e matérias plásticas Fuelóleo Tricloro etileno Fruta e sumos de frutos (manchas antigas) Óleo de linhaça Álcool etílico Mercurocromo Permanganato de Proteger as mãos Tinta fresca potássio seguido de ácido oxálico Água de Javel Graffitis Cloreto de metileno e álcool Proteger materiais de PVC, alumínio, zinco e borracha Ferrugem Lixívia Gordura Solvente ou desengordurante Borracha de pneus Aguarrás Tinta de caneta Acetona Aparecimento de algas e fungos (nas juntas) Descrição/formas de manifestação Presença de manchas de cor negra e/ou verde nas juntas, especialmente em zonas de chuveiro, cozinhas ou outras com humidade maior. 23

24 Figura 13 Fungos (cor negra) em juntas entre ladrilhos Causas comuns Presença contínua de humidade nas juntas; Falta de arejamento das zonas afetadas; Inadaptação da argamassa de juntas para a zona aplicada, por deficiente capacidade hidrofóbica e antifúngica Soluções de reabilitação Lavagem com solução de hipoclorito de sódio (lixívia corrente). Em casos mais agressivos, remoção da junta existente até uma profundidade mínima de 2mm e aplicação de nova argamassa adequada, com elevada impermeabilização e resistência antifúngica. 24

25 2. ANOMALIAS EM REVESTIMENTOS DE RE- BOCO E PINTURA 2.1 Fissuração do revestimento (suporte) Descrição/formas de manifestação Fissuração linear (ligação entre materiais): fissuras orientadas com elementos de ligação entre materiais, por exemplo, entre paredes e tetos (Figura 14); Fissuração generalizada (deformação do suporte ou retração): fissuras sem orientação preferencial, generalizadas por todo o suporte (Figura 15). Figura 14 Fissuras orientadas com os elementos de ligação entre parede e teto. Figura 15 - Pormenor de fissuração generalizada (Fonte: Internet) Causas comuns Fissuração linear (ligação entre materiais): Zona de união de materiais com diferentes módulos de elasticidade. Fissuração generalizada (deformação do suporte ou retração): Variações dimensionais entre as várias camadas do suporte; Desrespeito pelas condições ambientais e tempos de aplicação e de secagem das várias camadas, o que pode originar retração das argamassas. 25

26 2.1.3 Soluções de reabilitação Solução para fissuras lineares Nos casos correspondentes a fissuração linear, o procedimento recomendado é: 1. Reparação das fissuras existentes com massas de reparação. Se necessário regularizar toda a superfície de modo a ficar homogéne; 2. Aplicação de um primário adequado; Aplicação de uma tinta de acordo com o local (por exemplo nas cozinhas deve-se aplicar uma tinta lavável) Solução para fissuras generalizadas Nos casos correspondentes a fissuração generalizada, o procedimento recomendado é: 1. Reparação das fissuras existentes com massas de reparação. Se necessário regularizar toda a superfície de modo a ficar homogénea; 2. Aplicação de um primário adequado; 3. Aplicação de uma tinta de acordo com o local (por exemplo nas cozinhas deve-se aplicar uma tinta lavável) Solução para fissuras generalizadas casos mais graves Nos casos correspondentes a fissuração generalizada em que a abertura das fissuras superior a 0,2 mm, ou quando as fissuras sejam muito generalizadas, pode-se aplicar um procedimento alternativo que consiste na: 1. Aplicação de uma tela decorativa em fibra de vidro; 2. Aplicação de uma tinta na cor pretendida (por exemplo nas cozinhas deve-se aplicar uma tinta lavável). 2.2 Destacamento do revestimento de pintura ou da argamassa de reboco Descrição/formas de manifestação Empolamento: zonas de empolamento da tinta (Figura 16) devido à falta de coesão ao substrato, provocado pela existência de humidade no reboco; 26

27 Descolamento do reboco (suporte instável, reboco muito rígido): zonas sem reboco e/ou zonas com destacamento deste (Figura 17). Figura 16 - Empolamento da pintura. Figura 17 - Exemplo de descolamento da camada de reboco e da pintura Causas comuns Empolamento: Elevada humidade no suporte; Aplicação sobre superfície pulverulenta e / ou com humidade. Destacamento do reboco (suporte instável, reboco muito rígido): Aplicação incorreta das várias camadas das argamassas, originando uma incorreta aderência; Utilização de uma argamassa de acabamento não recomendada Soluções de reabilitação Solução para empolamento No caso de empolamento, o procedimento recomendado é: 1. Identificação da causa da humidade e sua correção; 2. Deixar secar o suporte, retirar tinta não aderente e refazer zonas afetadas com uma massa de reparação; 27

28 3. Aplicação de um primário adequado; 4. Aplicação de uma tinta de acabamento Solução para descolamento do reboco Neste caso o procedimento recomendado é: 1. Remoção de toda a argamassa não aderente e refazer o reboco com massas de reparação; 2. Aplicação de um primário adequado; 3. Aplicação de uma tinta de acabamento. 2.3 Presença de sais: eflorescências e criptoeflorescências Descrição/formas de manifestação Alteração da cor aplicada (ficando mais esbranquiçada); Pó branco visível na superfície da tinta. Figura 18- Alteração da superfície por aparecimento de eflorescências e criptoeflorescências (manchas castanhas) Causas comuns Ao existir água nos suportes origina que esta ao evaporar transporte consigo os sais solúveis existentes nas argamassas. Podem posteriormente recristalizar sobre a película de tinta aplicada (eflorescências) ou na interface reboco/tinta (criptoeflorescências). 28

29 2.3.3 Soluções de reabilitação 1. Detecção das zonas de infiltração de água e tratá-las; 2. Lavagem da superfície com uma solução de ácido, por exemplo de ácido cítrico, e posterior passagem de água limpa. Se após secagem voltarem a aparecer eflorescências, deve ser realizada nova lavagem até deixarem de aparecer; 3. Realização de novo reboco; 4. Aplicação de um primário anti eflorescências; 5. Aplicação de uma tinta de acabamento de boa qualidade. Observações: Deve ser tido em atenção que o aparecimento de eflorescências indica que existem graves problemas no reboco e que apesar de todos os cuidados necessários para a sua eliminação e reparação das zonas afetadas, esta anomalia poderá voltar a surgir contribuindo para uma degradação mais rápida do esquema de pintura aplicado. 2.4 Fungos, algas e bolores Descrição/formas de manifestação Manchas de cor mais escura nas zonas de maior concentração de humidade, normalmente nas zonas mais frias. Figura 19 - Manchas na pintura por aparecimento de fungos Causas comuns Existência de elevada humidade devido a infiltrações de água e/ou zonas sujeitas a elevada condensações. 29

30 2.4.3 Soluções de reabilitação 1. Verificação e reparação de zonas de infiltração de humidade; 2. Lavagem de toda a superfície com uma solução de hipoclorito de sódio a 5% (lixívia) e várias passagens com água limpa a fim de remover todo o hipoclorito que irá conferir características de alcalinidade ao suporte; 3. Desinfeção da superfície contaminada com um líquido desinfetante algicida e fungicida; 4. Aplicação de uma tinta de boa qualidade, em que a película possua resistência a fungos e algas. Em zonas onde a propensão para a existência de fungos e algas seja elevada, deve ser incorporada na tinta uma proteção suplementar, adicionando um aditivo anti fungos e algas Recomendações de manutenção A ventilação diária e o aquecimento dos locais propensos à existência do aparecimento de fungos e algas minimizam o seu aparecimento. 2.5 Descamação Descrição/formas de manifestação Desprendimento da película de tinta do suporte, sem aderência. Figura 20 - Descamação da pintura Causas comuns Envelhecimento natural do esquema de pintura; 30

31 Quando a anomalia se manifesta pouco tempo após a sua aplicação é indicativo de uma inadequada preparação da superfície ou da não utilização de um primário adequado Soluções de reabilitação 1. Raspagem de toda a área com zonas de destacamento; 2. Correção das depressões existentes com massa de reparação. Se necessário regularizar toda a superfície; 3. Aplicação de um primário adequado (no caso de a superfície estar pulverulenta deve-se aplicar um primário aglutinante); 4. Aplicação de uma tinta de acabamento. 2.6 Manchas Descrição/formas de manifestação Superfície de cor mais escura devido à concentração de fumos ou devido a manchas de humidade que entretanto secaram. Figura 21 - Superfície pintada com manchas provocadas por fumo Causas comuns Locais propícios à existência de fumos (por ex. zona de fumadores, garagens, etc.); Zonas onde existiram infiltrações de humidade, entretanto reparadas, mas que originou que a água ao evaporar escurecesse essa zona. 31

32 2.6.3 Soluções de reabilitação 1. Escovagem para remoção de partículas soltas; 2. Aplicação de um primário isolante de manchas; 3. Aplicação de uma tinta de acabamento. 2.7 Polimento/manchas brancas Descrição/formas de manifestação Alteração da cor e/ou aspeto da película de tinta Causas comuns Aplicação de uma tinta inadequada em zonas sujeitas a elevado tráfego; Aplicação de uma tinta inadequada em locais em que é necessário realizar limpezas periódicas; Aplicação de uma tinta mate numa cor escura, que quando sujeita a fricção fica com uma mancha esbranquiçada Soluções de reabilitação Aplicação de uma tinta adequada para o local em questão (aplicar preferencialmente tintas com brilho ou esmaltes acrílicos) Recomendações de manutenção Na limpeza de uma superfície pintada devem ser tidos em consideração os seguintes cuidados: Nunca efetuar a limpeza antes de 28 dias após a aplicação do esquema de pintura; Utilizar um detergente neutro; Não utilizar panos ou detergentes abrasivos; Lavar sempre uma área maior do que a zona que se pretende limpar. 32

33 2.8 Brilho não uniforme Descrição/formas de manifestação Manchas de tonalidade, que se podem manifestar também em diferenças de cor Causas comuns Não aplicação de um primário de modo a uniformizar a absorção do suporte; Aplicações de zonas com espessuras diferentes devido á utilização de diferentes métodos de aplicação Soluções de reabilitação 1. Aplicação de um primário para uniformizar a absorção do suporte; 2. Aplicação de tinta de acabamento utilizando o mesmo método de aplicação em toda a área a pintar. 2.9 Baixa resistência às nódoas Descrição/formas de manifestação Manchamento da película de tinta devido à existência de nódoas que não foi possível limpar sem a danificar Causas comuns Aplicação de uma tinta inadequada, com baixa resistência à lavabilidade e à limpeza de nódoas Soluções de reabilitação Aplicação de uma tinta adequada para o local em questão (por exemplo tinta mate com elevada facilidade de limpeza e remoção de nódoas ou um esmalte acrílico) Recomendações de manutenção Na limpeza de uma superfície pintada deve-se ter em consideração alguns cuidados, nomeadamente nunca efetuar a limpeza antes de 28 dias após a aplicação do esque- 33

34 ma de pintura, utilização de um detergente neutro, não utilizar panos ou detergentes abrasivos, e lavar sempre uma área maior do que a zona que se pretende limpar Amarelecimento Descrição/formas de manifestação Alteração da cor da tinta de acabamento. Esta anomalia é notória quando na aplicação de uma porta a face interior (escuro) fica amarela, comparativamente ao mesmo produto quando aplicado na face exterior da porta, sujeita à radiação UV Causas comuns Aplicação no interior de um produto inadequado Soluções de reabilitação 1. Lixar a superfície; 2. Aplicação de um primário de aderência; 3. Aplicação de um esmalte acrílico, que não tenha tendência a amarelecer mesmo na ausência da radiação UV. 3. ANOMALIAS EM REVESTIMENTOS DE MADEIRA 3.1 Fendas e empenos Descrição/formas de manifestação Surgimento e desenvolvimento de fendas e empenos. 34

35 Figura 22 - Deformação com empeno de elemento estrutural, devido a ciclos de molhagem-secagem. Figura 23 - Abertura de juntas e fissuras devido à existência de ciclos de molhagem-secagem Causas comuns Ciclos de molhagem/secagem; Cargas excessivas que contribuem para aumentar significativamente as deformações Soluções de reabilitação 1. Eliminação da anomalia; 2. Estabilização das madeiras; 3. Limpeza mecânica; 4. Aplicação de acabamento (se aplicável); 5. Nos soalhos: afagar todo o soalho e aplicar esquema de envernizamento. 3.2 Alteração da cor Descrição/formas de manifestação Degradação superficial da madeira, com alteração da cor. 35

36 Figura 24 - Alteração de cor por entrada de chuva e desenvolvimento de fungos Causas comuns Agentes atmosféricos e/ou meteorológicos (luz solar, chuva): a cor torna-se cinzenta; Ação de produtos químicos: a madeira é bastante resistente aos agentes químicos, no entanto, sofre alterações pela ação de ácidos fortes, de substâncias alcalinas e inclusivamente de detergentes; Fungos: algumas espécies de fungos atuam ao nível superficial provocando somente alteração da cor da madeira, escurecendo a superfície ou produzindo uma espécie de algodão transparente com tonalidades que podem ir do branco ao negro Soluções de reabilitação Solução para anomalias causadas por agentes atmosféricos A solução consiste na proteção das madeiras relativamente a estes fatores de degradação, mediante a aplicação de produtos hidrófugos e resistentes aos UV Solução para anomalias resultantes da ação de produtos químicos Quando a anomalia resulta da ação de produtos químicos, a degradação resultante é geralmente intensa e na maioria dos casos irreversível, alterando o comportamento mecânico do material lenhoso. Na maior parte dos casos, será necessário proceder à substituição da peça Solução para anomalias causadas por fungos Quando a anomalia resulta da ação de fungos, o procedimento recomendado é: 1. Eliminação da humidade; 36

37 2. Arejamento do local e secagem da madeira; 3. Limpeza mecânica; 4. Aplicação de fungicida (normalmente implica a remoção prévia do material de acabamento). 3.3 Ataque por agentes biológicos Descrição/formas de manifestação Fungos: Degradação da madeira, mudança de cor e perca de peso. Com a secagem da zona atacada o material residual tende a gretar-se, formando uma estrutura de pequenos cubos ou prismas que, apertados entre os dedos da mão se degradam com facilidade, desfazendo-se em pó (Figura 24); Geralmente os fungos atacam a madeira com um teor de água superior a 20%, mas que não se encontre saturada; Este género de degradação afeta mais as madeiras de frondosas do que as de coníferas. Insetos: Diminuição da resistência mecânica da peça; Deformação significativa da madeira (ou estuque em suporte de madeira) de tetos, pavimentos e lambris; Galerias, pequenos túneis terrosos (Figuras 25, 26, 27, 28 e 31); Existência de serrim (pequenos montes de pó de madeira) (Figura 30). Figura 25 - Fungos de podridão. Figura 26 - Pavimento de madeira atacado por térmitas. 37

38 Figura 27 - Galeria terrosa aberta por térmita subterrânea. Figura 28 - Túnel terroso produzido por térmita subterrânea. Figura 29 - Aspeto de elemento atacado por térmita subterrânea. Figura 30 - Orifícios produzidos por inseto (adulto) de ciclo larvar. Figura 31 - Serrim produzido por inseto de ciclo larvar. Figura 32 - Elemento atacado por inseto de ciclo larvar. 38

39 3.3.2 Causas comuns Fungos de podridão, a qual se pode manifestar de duas formas: Podridão cúbica - a mais grave e perigosa, é produzida por fungos que se alimentam preferencialmente de celulose, deixando a madeira com uma cor castanha escura, formada principalmente por lignina; Podridão fibrosa é produzida por fungos que se alimentam preferencialmente de lignina, deixando a madeira com uma cor esbranquiçada e um aspeto fibroso. Insetos: Insetos de ciclo larvar - principalmente coleópteros (vulgo caruncho); Insetos sociais térmitas subterrâneas ou térmitas de madeira seca Soluções de reabilitação Solução para casos relacionados com a ação de fungos Nos casos em que a degradação resulte da ação de fungos, o procedimento recomendado é: 1. Eliminação da humidade; 2. Aplicação de fungicida (normalmente implica a remoção prévia do material de acabamento); 3. Limpeza mecânica; 4. Arejamento do local e secagem da madeira Solução para casos relacionados com a ação de insetos de ciclo larvar Nos casos em que a degradação resulte da ação de insetos de ciclo larvar, a solução consiste na aplicação de inseticida (implica a remoção prévia do material de acabamento). Os inseticidas (alguns também fungicidas) em forma de gel têm uma capacidade de penetração no material lenhoso, bastante superior aos produtos líquidos. A aplicação do produto pode ser por impregnação superficial ou por injeção sob pressão, para tratamento em profundidade. É ainda possível recorrer à utilização de gases e fumos inseticidas para eliminar estes insetos, no entanto, tendo em conta a sua perigosidade, estes tratamentos só devem ser realizados por profissionais. 39

40 No caso das peças móveis, existe ainda a possibilidade de tratamento em câmara de frio e anóxia Solução para casos relacionados com a ação de térmitas subterrâneas Nos casos em que a degradação resulte da ação de térmitas subterrâneas, a solução mais eficaz de combate a este inseto consiste na utilização de armadilhas com inibidores de síntese de quitina. As armadilhas podem ser colocadas no interior e/ou no exterior da construção, em função das características do ataque. Os tratamentos mais antigos (mais poluentes e menos eficazes) consistem na injeção de termicida no solo e nos muros das zonas atacadas Solução para casos relacionados com a ação de térmitas de madeira seca Nos casos em que a degradação resulte da ação de térmitas de madeira seca, o tratamento recomendado é idêntico ao utilizado no combate a insetos de ciclo larvar (ver ). Observações: Quando as soluções indicadas em são aplicadas a soalhos, após a aplicação da solução, deverá afagar-se todo o soalho e aplicar um esquema de envernizamento. 3.4 Fogo A madeira é principalmente formada por celulose e lignina que, são compostas por carbono, hidrogénio e oxigénio. Estes elementos são combustíveis. A madeira maciça é um material com grande capacidade de isolamento térmico. Não arde rapidamente e, num incêndio, raramente é o primeiro material a arder. Sem a presença de chama, a madeira precisa de uma temperatura superior a 400º para começar a arder. Quando danificada por ação do fogo, a madeira sofre uma perda de resistência mecânica, a qual ocorre por perda de secção. Dependendo da maior ou menor intensidade da degradação, haverá a necessidade de proceder à substituição total ou parcial do elemento afetado ou à realização de enxertos pontuais. 40

41 Figura 33 - Retábulo após ter sofrido um incêndio. 3.5 Degradação da superfície Descrição/formas de manifestação Alteração visível da aparência do revestimento de madeira, por desaparecimento total ou parcial da camada de acabamento superficial, e/ou existência de riscos Causas comuns Escolha inadequada da madeira e/ou do seu acabamento, em função das necessidades funcionais; Utilização elevada Soluções de reabilitação 1. Afagar o soalho; 2. Aplicar esquema de envernizamento, de acordo com as necessidades de utilização Soluções de reabilitação 1. Afagar o soalho; 2. Aplicar esquema de envernizamento, de acordo com as necessidades de utilização. 41

42 4. ANOMALIAS EM REVESTIMENTOS INTE- RIORES DE PEDRA 4.1 Destacamento ou descolamento Descrição/formas de manifestação Destacamento de elementos de pedra em pavimentos ou revestimentos. Figura 34 Destacamento em pavimento interior Causas comuns Inadaptação da argamassa de colagem ao projeto; Definição incorreta de projeto, por decisão de colagem como forma exclusiva de fixação; Ausência de colagem dupla e integral da superfície do tardoz da pedra; Inadequado dimensionamento do pavimento ou revestimento face aos coeficientes de dilatação térmica do material pétreo Soluções de reabilitação 1. Substituição do material ou limpeza do tardoz do material descolado; 2. Correção do suporte; 3. Utilização de material adesivo com as características necessárias às condições de aplicação e de uso. 42

43 4.2 Manchas de humidade Descrição/formas de manifestação Manchas de tonalidade geralmente mais escura ou mais clara do que a cor da pedra. É comum, neste tipo de anomalia, observar-se um efeito moldura devido à evaporação de água pela zona das juntas [4-7]. Figura 35 Manchas de humidade em revestimentos e pavimentos Causas comuns Aplicação sob suportes com cura insuficiente; Inadequação da argamassa-cola por tempos de presa excessivos e elevada quantidade de água de amassadura não usada nos processos de hidratação; Infiltração de água ou ascensão capilar; Inadequado arejamento da habitação (ou espaço fechado e não habitado após 43

44 construção), levando a dificuldades no processo de secagem dos vários elementos construtivos do pavimento; Ausência de juntas entre elementos de pedra preenchidas por argamassa Soluções de reabilitação 1. Lavagem; 2. Tratamento mecânico de amaciamento; 3. Impermeabilização e ou consolidação. 4.3 Fendilhação, fracturação e descamação Descrição/formas de manifestação Pedras fissuradas e/ou fraturadas; Pedras com descamação, normalmente na superfície das mesmas. Figura 36 Fracturação em bancadas, peitoris e lavatório em pedra natural. 44

45 Figura 37 Descamação em revestimento interior com Lioz Causas comuns Ascensão de água por capilaridade; Esmagamento por ação diferencial após efeito térmico (caso de pavimentos aquecidos); Fluência do suporte (exemplo de aplicação em pavimento sobre um suporte de betonilha sobre painel isolante); Cedência estrutural dos elementos de alvenaria ou betão Soluções de reabilitação Aplicação de produtos de reparação compatíveis 1. Correção das causas que conduzem às anomalias; 2. Reparação das zonas fissuradas ou destacadas recorrendo a produtos compatíveis com a tipologia de pedra em questão Aplicação de novos elementos pétreos 1. Correção das causas que conduzem às anomalias; 2. Aplicação de novos elementos pétreos, com argamassa compatível (presa e ph adequados). 45

46 4.4 Eflorescências e colonizações biológicas Descrição/formas de manifestação Presença de sais em zonas superficiais da pedra, por vezes, coexistentes com zonas fissuradas ou descamadas (cor branca); Presença de manchas de cor escura ou verde. Figura 38 Exemplos de eflorescências em elementos de pavimento interior Causas comuns Ascensão de água por capilaridade; Utilização de argamassa-cola ricas em sais solúveis, com elevada necessidade de água para amassadura, presa lenta e ph elevado; Combinação da aplicação de tipologias de pedra particularmente sensíveis á humidade em ambientes de humidade elevada e com secagem prolongada [8-9]. 46

47 4.4.3 Soluções de reabilitação Limpeza e tratamento das áreas afetadas 1. Escovagem; 2. Lavagem; 3. Impermeabilização Substituição das peças afetadas 1. Remoção das zonas afetadas; 2. Correção das causas-raiz da anomalia; 3. Nova aplicação com argamassa compatível. 4.5 Desgaste, envelhecimento e perda de cor Descrição/formas de manifestação Zonas com desgaste superficial (Figura 38); Zonas com perda de brilho superficial ou alteração de cor (Figura 37). Figura 39 Perda de cor e alteração de brilho em pavimento interior. 47

48 Figura 40 Desgaste em lances de escada em pedra natural Causas comuns Inadequação de colas para a colagem, devido a tempos de secagem prolongados e elevadas águas de amassadura; Inadequação do tratamento superficial para proteção e impermeabilização; Infiltração de água; Trafego elevado Soluções de reabilitação Substituição do revestimento Aplicação de novo revestimento ou pavimento caso o desgaste comprometa a utilização do mesmo Lavagem e tratamento das áreas afetadas 1. Lavagem; 2. Amaciamento; 3. Aplicação de tratamento consolidante ou reavivante de cor. 48

49 4.6 Manchas de gordura Descrição/formas de manifestação Zonas com alteração de cor (normalmente para tonalidades mais escuras dentro das mesma cor) Causas comuns Derrame ou contacto com líquidos gordurosos ou cremes, habitualmente relacionado com utilização em cozinhas e casas de banho Soluções de reabilitação A solução consiste na limpeza dos materiais pétreos, a qual deverá ser efetuada preferencialmente com detergentes neutros. Os métodos indicados para limpeza e remoção de manchas não devem ser considerados como únicos e o mesmo método poderá não ser aplicável a todos os tipos de pedras. O procedimento recomendado é: 1. Aplicar sobre a mancha os emplastros com um agente absorvente (sepiolite, atapulgite, talco, algodão, lenço ou toalhete de papel) impregnado com um agente de remoção; 2. Cobrir os emplastros com um recipiente (copo, malga, etc.) ou folha de plástico bem vedada para não evaporar rapidamente; 3. Deixar atuar durante umas 12 a 24 horas; 4. Lavagem com produto com ph neutro; 5. Se a mancha não for eliminada repetir o tratamento com o emplastro. 4.7 Manchas de chá, café, sumos de frutas, vinho tinto ou vinagre Descrição/formas de manifestação Observação de zonas com alteração de cor (normalmente para tonalidades em castanho, branco ou vermelho escuro). 49

50 4.7.2 Causas comuns Derrame ou contacto com líquidos: chá, café, sumos de fruta, vinho tinto ou vinagre. Os calcários são por norma sensíveis a líquidos ácidos (ph baixo) como o vinagre e sumo de limão Soluções de reabilitação A solução consiste na limpeza dos materiais pétreos, a qual deverá ser efetuada preferencialmente com detergentes neutros. Os métodos indicados para limpeza e remoção de manchas não devem ser considerados como únicos e o mesmo método poderá não ser aplicável a todos os tipos de pedras. O procedimento recomendado é: 1. Lavagem com solução de água oxigenada a % (concentração aproximadamente correspondente a 100 volumes); 2. Se o brilho da pedra tiver sido afetado, a superfície deverá ser polida novamente após a eliminação das manchas; 3. Se a mancha não for eliminada repetir o tratamento. 50

51

52 Bibliografia [1] Aguiar, J (2005) Cor e cidade histórica. Estudos cromáticos e conservação do património, FAUP publicações, Porto. [2] Paiva, J., Aguiar, J., Pinho, A., (2006) Guia Técnico de Reabilitação Habitacional, LNEC- -INH, Lisboa. [3] CTCV Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro (coord.) s.d., Manual de Aplicação de Revestimentos Cerâmicos, Associação Portuguesa da Indústria de Cerâmica (Ed.), Coimbra. [4] Neto, N.M.L. (2009) Análise de anomalias técnicas de reparação em 128 casos de revestimentos em pedra natural (RPN) Principais Conclusões, paper presented at PATOR- REB º Encontro sobre Patologia e Reabilitação de Edificios, Porto, Portugal, May, Vol. I, [5] Cerdeño del Castillo, F.J., Días Rubio, R., González Benito, I., López González-Mesones, F., Obis Sánchez, J., Pérez Lorenzo, A., Regueiro González-Barros, M., Tirado Alonso, A., Vera Soriano, R. (2007) La Piedra Natural En La Arquitectura Contemporanea, 1st ed., AITEMIN, 9-17,Toledo. [6] Silva, Z.C.G., Moreira, F.D.M. (2009) Efeitos da Má Aplicação de Rochas ornamentais, paper presented at PATORREB º Encontro sobre Patologia e Reabilitação de Edificios, Porto, Portugal, May, Vol. I, [7] Simão, J.A.R.S. (2003) Rochas ígneas como pedra ornamental Causas, condicionantes e mecanismos de alteração Implicações tecnológicas, PhD thesis, Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Departamento de Ciências da Terra, Lisboa. [8] Silva, Z.S.G., Simão, J.A.R. (2009) The role of salt fog on alteration of dimension stone, Construction and Building Materials, Vol. 23, [9] Winkler E. M. (1997) Stone in Architecture Properties, Durability, Springer-Verlag, 1-31, Berlin. 52

REVESTIMENTOS EXTERIORES

REVESTIMENTOS EXTERIORES GUIA PARA A REABILITAÇÃO REVESTIMENTOS EXTERIORES PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Saint-Gobain Weber Colaboração Revigrés FrontWave CIN Índice 0. Preâmbulo

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

Problemas Comuns. Eflorescência

Problemas Comuns. Eflorescência Problemas Comuns Como em qualquer outra área na construção civil, geralmente ocorrem problemas, seja na preparação da superfície ou no acabamento. Os problemas mais freqüentes são: Eflorescência São manchas

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.

ÍNDICE 4.2 IMPERMEABILIZANTES 4.2.1 VANTAGENS DA IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2.2 FATORES QUE PODEM AFETAR NEGATIVAMENTE À IMPERMEABILIZAÇÃO 4.2. ÍNDICE 1 SUPERFICIES CERÂMICAS 2 PROTEÇÃO ÀS TELHAS E TIJOLOS 3 PRINCIPAIS FATORES QUA ALTERAM AS CARACTERISTICAS DAS SUPERFICIES CERAMICAS: HIDROFUGANTES E IMPERMEABILIZANTES 4.1 HIDROFUGANTES 4.1.1 TIPOS

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PATOLOGIAS EM OBRAS DE MADEIRA . A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura X - Pavimentos Interiores X.1 PAVIMENTOS DE MADEIRA Em termos habitacionais, os pavimentos de madeira (parquet, soalho, tacos) dominam nas áreas habitacionais em Portugal. A sensação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Madeiras Estrutura da Madeira Estrutura da Madeira cerne (2) Porção mais clara, na parte externa, que corresponde

Leia mais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais

Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais Luís Silva Dina Frade Nelson Moreira Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Colagem de Cerâmica e Rochas Ornamentais AICCOPN, Porto, 2014.03.13

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 03.114 Versão nº 1 Sika MonoTop -412 S Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Descrição do produto Sika MonoTop

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT

TINTAS E DROGARIA. Produtos de Limpeza e Conservação ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT CATÁLOGO ARMAZENS REIS WWW.ARMAZENSREIS.PT ARTIGOS DIVERSOS DE DROGARIA Morada: E.N. 2 km 10 Mamodeiro, 3810728 Aveiro Telefone: (+1) 234 941 194 55 Email: geral@armazensreis.pt = 55 ÁLCOOL Classe de compostos

Leia mais

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA

TechMassa Industria Pernambucana de Argamassa LTDA Manual de Assentamento de Revestimento Cerâmico Esse material tem por finalidade evidenciar a utilização de argamassas e rejuntes. A grande vantagem da utilização desses materiais residem principalmente

Leia mais

politech Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes

politech Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Ficha técnica politech politech é um adesivo à base de poliuretano, bicomponente, do tipo R2 T, segundo a norma EN 12004, adequado para colocações sobre suportes deformáveis. Especialmente recomendado

Leia mais

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas

Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Florença Revestimentos Cimentícios Recomendações Técnicas Produto/variações Devido ao processo de fabricação e aplicação de gel envelhecedor, os revestimentos cimentícios, podem apresentar pequenas variações

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva

ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva Prefácio O sistema de revestimento da linha ENDURIT, foi desenvolvido com a mais nobre linha de resinas uretanas, levando assim

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água.

Composição Básica Emulsão Latex Modificada, pigmentos orgânicos e inorgânicos, cargas minerais, aditivo, antibacteria e água. Boletim Técnico Produto Casacor Acrílico Fosco Branco Descrição Casa limpa, mais saúde e família protegida. Tudo isso em uma tinta: CASA COR Acrílico Super Premium da Tintas Renner. A sua fórmula especial

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES Os produtos SODRAMAR em Aço Inox são fabricados utilizando matéria prima com alto padrão de qualidade, e como tal merecem cuidados. Preocupados em manter a beleza

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Instalação, Manutenção e Conservação de Basaltos e Granitos

MANUAL TÉCNICO. Instalação, Manutenção e Conservação de Basaltos e Granitos MANUAL TÉCNICO Instalação, Manutenção e Conservação de Basaltos e Granitos Com o propósito de criar uma série de ações que objetivam a instalação, preservação e manutenção do basalto e granito, a Basalto

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS

PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS PATOLOGIAS DOS SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO DE FACHADAS PELO EXTERIOR DO TIPO ETICS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FEUP/APFAC Porto 2015-1 ESTRUTURAÇÃO 1. Introdução Eficiência energética

Leia mais

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES SANITÁRIAS GUIA PARA A REABILITAÇÃO INSTALAÇÕES SANITÁRIAS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias no Autoclismo da

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante.

Boletim Técnico. Cores Azul. Textura Lisa e brilhante. Página 1 de 5 Boletim Técnico Produto Esmalte PU Piscinas Descrição Esmalte PU Piscinas é um esmalte poliuretano bicomponente impermeável ideal para pintura de piscinas de concreto e fibra, deixando-as

Leia mais

DADOS TÉCNICOS PROCEDIMENTOS DE APLICAÇÃO LIMPEZA E MANUTENÇÃO

DADOS TÉCNICOS PROCEDIMENTOS DE APLICAÇÃO LIMPEZA E MANUTENÇÃO DADOS TÉCNICOS PROCEDIMENTOS DE APLICAÇÃO LIMPEZA E MANUTENÇÃO DADOS TÉCNICOS AZULEJOS 20 x 20 cm MATERIAIS: aço inox AISI 304, placa cimentícia sem amianto, com adesivo e filme protector. DIMENSÕES: 20

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT É uma tinta isolante térmica, composta de polímeros acrílicos elastoméricos, microesferas de cerâmicas, e aditivos especiais

Leia mais

MANUAL DO C L I E N T E

MANUAL DO C L I E N T E MANUAL DO C L I E N T E 1 Recebendo o revestimento na obra 1.1 Comparar a nota fiscal com o pedido SUMÁRIO 2 3 4 5 Manuseio e armazenamento 2.1 2.2 Ter cuidado no manuseio Empilhamento dos revestimentos

Leia mais

GUIA RÁPIDO PARA REMOVER NÓDOAS E MANCHAS

GUIA RÁPIDO PARA REMOVER NÓDOAS E MANCHAS GUIA RÁPIDO PARA REMOVER NÓDOAS E MANCHAS AUTOR: Paulo Páscoa FORMATAÇÃO E CAPA: Valter Simões TODOS OS DIREITOS RESERVADOS /COPYRIGHT WEB: REMOVERMANCHAS.NET 1 INDICE DO EBOOK GUIA RÁPIDO PARA REMOVER

Leia mais

Obrigado por ter adquirido os nossos produtos.

Obrigado por ter adquirido os nossos produtos. Obrigado por ter adquirido os nossos produtos. A Lavore Móveis segue um rigoroso controle de qualidade com o objetivo de garantir a total satisfação dos nossos clientes. Para conservação do mobiliário

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura III - Telhados, Rufos, III.1 TELHADOS Principais Patologias Com o passar do tempo e muitas vezes também pela falta de manutenção anual, acumulam-se nos telhados de telha de barro,

Leia mais

CONSERVANDO TELHADOS

CONSERVANDO TELHADOS A ESCOLHA DA COR Você sabia que o processo industrial empregado na elaboração de tintas ou revestimentos, etc... Somente se encerra com a cura total do produto após sua aplicação! Na maioria dos casos,

Leia mais

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação

Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Análise de diferentes ligantes na formulação de argamassas industriais de reabilitação Coimbra, 29 e 30 de Março 2012 Índice Enquadramento Norma NP EN 459 Matérias primas Composição Características Produto

Leia mais

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA

Dicas Qualyvinil PROCESSOS DE PINTURA Processos de pintura Existem diferentes processos de pintura, mas o segredo para o sucesso e durabilidade do acabamento final, depende invariavelmente da habilidade do profissional e da preparação da superfície.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico

PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADO CNPJ 51.814.960/0001-26. Projeto Básico Projeto Básico Pintura e reparos na Escola Municipal de Ensino Fundamental Senador Carlos José Botelho 1.0 Objeto Trata-se de obra de pintura e correção de reparos no edifício da escola, tombado pelo Patrimônio.

Leia mais

SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL

SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL B055 SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL SISTEMA DE PERFIS DE ALUMÍNIO TERMICAMENTE MELHORADOS Instruções de manutenção e limpeza SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL Instruções de manutenção e limpeza

Leia mais

ENDURIT PISO ARG Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva

ENDURIT PISO ARG Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva ENDURIT PISO ARG Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva Prefácio O sistema de revestimento da linha ENDURIT foi desenvolvido com a mais nobre linha de resinas uretanas, levando assim

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura IX - Cozinhas e WC s As cozinhas e casas de banho são áreas cujas paredes estão constantemente sujeitas a desgaste e onde a higiene tem que predominar. Em constante contacto com

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA sca.com.br Parabéns! Agora, a mudança faz parte da sua vida. Neste manual, você encontrará as principais informações para garantir que seu mobiliário S.C.A.

Leia mais

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica epotech aqua epotech aqua é uma nova linha de massas de base epoxídica para a selagem de juntas em ladrilhos cerâmicos. Massa bicomponente isenta de solventes orgânicos, caracteriza-se pela

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira Produto O piso maciço estruturado de madeira SCANDIAN WOOD FLOORS é produzido com a mais moderna tecnologia, fabricado para atender os mais altos

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário Produtos A Salapronta possui uma rigorosa seleção de seus móveis, começando pela qualidade de madeiras maciças, placas de madeira, laminados e outros acessórios. Escolhendo sempre

Leia mais

REVESTIMENTO CERÂMICOS

REVESTIMENTO CERÂMICOS SEMINÁRIOS DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REALIZAÇÃO: IBAPE NACIONAL E IBAPE PR Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Foz do Iguaçu-PR II Seminário Nacional de Perícias de Engenharia PERÍCIAS EM FACHADAS

Leia mais

PARA ENCOMENDAR LIGUE:TEL:21.811.03.80 FAX:21.813.42.69 MASTIQUES. Página 13

PARA ENCOMENDAR LIGUE:TEL:21.811.03.80 FAX:21.813.42.69 MASTIQUES. Página 13 MASTIQUES Page 13 Página 13 Mastique de silicone Formflex 600 cart.310ml (Sistema Acético) Cores: Branco, Transparente, Bronze, Alumínio, Preto, Verde, Castanho. Aplicações: Este silicone é utilizado em

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

RESINA POLIURETANO SEMI-FLEXIVEL

RESINA POLIURETANO SEMI-FLEXIVEL RESINA POLIURETANO SEMI-FLEXIVEL Raposo, S.A. Lider na Vanguarda Desde finais de 1982, os nossos técnicos têm vindo a liderar a tecnologia avançada na aplicação de produtos epoxy. Construída com a sua

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS Assunto: REVITALIZAÇÃO DE PISOS ESPORTIVOS DE BASE ASFÁLTICA Data: 25/10/2012 Referência: OT REVITALIZAÇÃO DE PISO ESPORTIVO ASFÁLTICO Nº pág.: 07 OBJETIVO Demonstrar a utilização

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO

MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO MANUAL PRÁTICO DE APLICAÇÃO Esperamos que este Manual Prático de Aplicação possa oferecer a você que é usuário das tintas da KING S PAINT, informações importantes para realizar uma pintura de melhor qualidade

Leia mais

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL 1 Produtos da Linha Profissional Recomendações p/ se trabalhar com artigos Profissionais 3 Limpeza de Uniformes Profissionais 100% Algodão c/ Sujidade Leve 4 Limpeza de Uniformes

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns!

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns! ANOS PRESENTE NOS EDIFÍCIOS + INTELIGENTES E MODERNOS Parabéns! Você acaba de adquirir um produto de alto padrão, elaborado com matéria-prima de excelente qualidade, tecnologia avançada e design exclusivo.

Leia mais

pro-part Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes

pro-part Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Ficha técnica pro-part Perfil decorativo para revestimentos cerâmicos; alternativa à tradicional faixa cerâmica decorativa. Adequados para o remate de esquinas e transições entre ladrilhos cerâmicos. pro-part

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

Perfia para pavimentos em madeira e laminados Prosystem

Perfia para pavimentos em madeira e laminados Prosystem PROFILPAS S.P.A. VIA EINSTEIN, 38 35010 CADONEGHE (PADOVA) ITALY TEL. +39 (0)49 8878411 +39 (0)49 8878412 FAX. +39 (0)49-706692 EMAIL: INFO@PROFILPAS.COM Perfia para pavimentos em madeira e laminados Prosystem

Leia mais

Oferecemos também uma linha completa de acabamentos para pisos em madeira, como rodapés, cantoneiras e frontais para escadas.

Oferecemos também uma linha completa de acabamentos para pisos em madeira, como rodapés, cantoneiras e frontais para escadas. Ecopiso Ecopiso empresa com sede em Curitiba, produzindo pisos maciços pré acabados, com o que existe de melhor e mais moderno em padrões de cores e acabamentos de verniz. Oferecemos também uma linha completa

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

Argamassa auto-alisante cimenticia, de secagem rápida para pavimentos industriais no interior. Sacos de 25 kg.

Argamassa auto-alisante cimenticia, de secagem rápida para pavimentos industriais no interior. Sacos de 25 kg. Ficha de Produto Edição de Julho 2014 Nº de identificação: 08.210 Versão nº 1 Sikafloor Level -20 Argamassa auto-alisante cimenticia, de secagem rápida para pavimentos industriais no interior Construction

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE Para que a vida útil do seu produto seja maior, recomendamos que estas informações sejam transmitidas às pessoas que executam a limpeza da sua casa. DE OLHO NA

Leia mais

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens

Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Fachadas energeticamente eficientes: contribuição dos ETICS/Argamassas Térmicas Aplicação de XPS em sistema ETICS e suas vantagens Oradora: Vera Silva Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida.

O fundo preparador ou selador veda e nivela a superfície; se necessário, pode-se corrigir imperfeições com a massa corrida. Página 1 de 5 TINTAS E VERNIZES LATEX ACRÍLICO E PVA Criadas para proteger e embelezar as paredes de alvenaria, estruturas metálicas e madeiras, as tintas são aperfeiçoadas para garantir maior desempenho

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

membrana impermeabilizante

membrana impermeabilizante 01 Descrição: votomassa é uma impermeável flexível e antifissura resistente a cargas, que dispensa o uso de telas, para aplicação em diversos substratos. 02 Classificação técnica: ANTES Hydro Ban votomassa

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 ÍNDICE SOLUÇÕES EM ARGAMASSAS PARA A REABILITAÇÃO ENERGÉTICA Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto André Correia

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura I - Patologias Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura A realidade mudou! Já mal se vêem gruas ao alto e, em Portugal, já existe um excesso de casas face à procura. No entanto,

Leia mais

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil.

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. Além de adquirir uma peça de qualidade, design diferenciado, você está contribuindo para a conservação da floresta amazônica, pois a

Leia mais

made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza

made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza Fabricante de aços inoxidáveis, a Aperam South America apresenta este catálogo para que os profissionais das áreas de Arquitetura e Construção Civil

Leia mais