RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO"

Transcrição

1 RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO I - TÍTULO DA PROPOSTA: Pré-Diagnostico do Impacto de Programas de Transferência de Renda em Municípios da Região Sul do Estado de Minas Gerais. II - UNIDADE DE GESTÃO / CURSO: SERVIÇO SOCIAL III - PROFESSOR RESPONSÁVEL: Maria Magdalena Alves IV - OBJETIVOS ALCANÇADOS: Construção de um Diagnóstico Integrando as diversas ações envolvendo famílias inseridas em Programas de Transferência de Renda de modo a possibilitar um melhor entendimento do alcance de ações integradas focadas num mesmo objetivo. 4.1 Objetivos Específicos CRUZAR INFORMAÇÕES DOS DIVERSOS MUNICÍPIOS SELECIONADOS DENTRO DAS TEMÁTICAS ESCOLHIDAS; Cruzar informações das diversas temáticas, por Município fortalecendo a leitura regional destas políticas. Analisar o Relatório de acompanhamento das condicionalidades de saúde propostas para o PBF [cumprimento do calendário de vacinação - 0 a 6 anos e idosos; acompanhamento das gestantes] e BPC. Analisar o Relatório de acompanhamento das condicionalidades de educação propostas para o PBF [85% das crianças e adolescentes de 6 a 15 anos; 75% dos adolescentes de 15 e 16 anos]; Conhecer a proposta de atendimento a crianças e adolescentes com deficiência nos Municípios selecionados [integrados na escola formal, ou atendimento em escolas especiais?]; Conhecer o perfil etário cruzando-o com gênero e cor - nos Municípios selecionados [a partir de dados do IBGE]; Conhecer o perfil dos deficientes [deficiência física, mental, sensorial] cruzando-o com gênero e cor - nos Municípios selecionados [a partir de dados do IBGE]; Analisar os Programas de Atendimento Público voltados para esta faixa etária [acima de 60 anos] nos Municípios selecionados, [moradia, educação, saúde, cultura, esporte, lazer e assistência social]; Analisar o alcance e o perfil das pessoas inseridas no Benefício de Prestação continuada nos Municípios selecionados;analisar as consequências do cumprimento/descumprimento da lei que define cotas para a inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, nos Municípios selecionados; Identificar os Programas voltados para a infância, a adolescência e a juventude nos Municípios selecionados [reforço escolar, atendimento psicossocial, cultura, esporte e lazer, educação sexual, pré-profissionalizantes, etc..];

2 Conhecer as estratégias de encaminhamento das famílias das crianças e adolescentes em situação de maus tratos e abuso sexual nos Municípios selecionados [atendimento psicossocial, etc..]. Caracterizar o encaminhamento dado pelos técnicos dos Programas de Transferência de Renda quando são identificadas situações de maus tratos, abusos e exploração sexual, nos Municípios selecionados. Levantar informações sobre a rede de atendimento sócio-assistencial nos Municípios selecionados; Identificar os CRAS e CREAS existentes nos Municípios selecionados, caracterizando as ações desenvolvidas; Caracterizar as ações dos CRAS e CREAS envolvendo famílias inseridas em Programas de Transferência de Renda. V - RESULTADOS Público alvo 1 : famílias inseridas em Programas de Transferência de Renda (Benefício de Prestação Continuada, Bolsa Família, Agente Jovem, e outros) Número de atendidos: os Programas de Transferência de Renda nestes municípios atendem a famílias, conforme Tabelas no Anexo 2. Período de realização: Março a Junho de 2011 Carga horária total: 36 horas, sendo 16 horas aula e mais 20 horas em atividade extra-classe. VI - CONCLUSÃO: Enfim, diante do contexto neoliberal o qual nos encontramos atualmente sabemos que os atuais programas transferências de renda tem se firmado em bases compensatórias, assumindo cada vez mais o caracter de que o Estado se nega a fazer em prol da população vulnerabilizada pelo sistema vigente. Assim, nós futuros profissionais de serviço social diante do compromisso assumido perante o nosso Projeto Ético Político Profissional temos que entender estes instrumentais propostos pelo Estado atual é fazer com que eles cheguem aos nossos cidadãos de direitos através das redes sócio-assistenciais e que firmados neste pressuposto tenhamos estratégias que trabalhem com estas famílias, possibilitando-as ao protagonismo de sua própria história. No mais como agente de mudança precisamos exercer no público alvo o qual trabalhamos uma mobilização para que estas políticas e programas sejam feitas e implementadas a partir de políticas territoriais das reais necessidades que cercam esta população. Portanto, perante este diagnóstico realizado deixamos aos demais períodos à proposta de continuidade deste para que possam realizar um trabalho com as famílias beneficiárias deste programa. 1 Este não é um Projeto de Atendimento, mas de diagnóstico das Políticas implementadas nestes municípios, por isso a mudança de público atendido para público alvo.

3 ANEXO 1 RELATÓRIO ELABORADO PELOS ALUNOS PRÉ-DIAGNOSTICO DO IMPACTO DE PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA EM MUNICÍPIOS DA REGIÃO SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1. Apresentação da Proposta Contemporaneamente, a discussão sobre Políticas Sociais tem apontado que as propostas voltadas para a diminuição da desigualdade social precisa, necessariamente, ter um caráter intersetorial na medida em que os fenômenos da pobreza e da exclusão social são multidimensionais, exigindo um tratamento simultâneo de diversos elementos que compõem a exclusão social. O diagnóstico aqui proposto objetiva subsidiar as políticas no seu objetivo de superação do caráter compensatório das políticas de combate à pobreza. O entendimento é que a promoção da inclusão social exige uma estratégia de conjugação de diversos programas: moradia, saúde, educação, assistência social e outros, sempre visando apoiar as famílias atendidas na construção de sua autonomia. Considerando que o maior desafio das ações intersetoriais é o gerenciamento de programas simultâneos por uma equipe interdisciplinar de modo a construir-se uma única ação coletiva e não apenas um conjunto de ações colocadas lado a lado. Um dos objetivos específicos desta proposta é possibilitar aos alunos um olhar totalizante sobre as famílias e os indivíduos, levando cada uma das ações a complementarem as demais, numa postura de cooperação onde se consolida uma equipe/time buscando um mesmo objetivo, sem competição interna para identificar quem é o melhor ou o mais importante. Um aspecto necessário, no cotidiano de cada uma destas ações precisa sempre contemplar a participação direta da comunidade: dentre outras ações, este diagnóstico realizou atividades dinâmicas de diagnóstico participativo com grupos de famílias dos Municípios selecionados. 2. Etapas Metodológicas Num primeiro momento, em diálogo entre alunos e a professora Dra. Maria Magdalena Alves, foram definidos os municípios a serem pesquisados. O principal critério para esta escolha foi o local de residência,

4 trabalho ou estágio dos alunos já que a proximidade com a Assistência Social municipal era não apenas desejada, mas absolutamente necessária 2. A base primária para o levantamento de dados foi a pesquisa documental, utilizando-se sites dos governos municipal, estadual e federal, já que a maioria destes dados pode ser encontrado na internet. Esta coleta maciça de dados serviu de base para uma análise individual e coletiva permitindo conhecer a situação socioeconômica, o desenvolvimento humano, o perfil econômico local e sua relação com a região administrativa onde o município está situado, a fragilidade social e a organização social e ambiental da população. A Professora Ms. Alessandra Genú Pacheco 3 orientou os alunos na análise dos documentos obtidos, permitindo aos alunos uma primeira aproximação com a realidade social onde as ações de Transferência de Renda ocorrem. Na opção pela inclusão da leitura feita pelas autoridades municipais, foi realizada uma pesquisa específica em cada um dos onze municípios tanto no que se refere aos Relatórios de Condicionalidades do Programa Bolsa Família como em entrevistas com os gestores visando a compreensão da dinâmica empregada no trato com estas famílias. Dificuldades no acesso aos gestores levou à exclusão de três cidades: Campanha, Campos Gerais e São Gonçalo do Sapucai. O diálogo com autoridades governamentais que atuam ou atuaram no município são um instrumento adequado para a construção de cenários 4, ajudando a preencher lacunas e mesmo para re solver conflitos existentes em bancos de dados diferentes. Entrevistas com lideranças religiosas, políticas e de bairros puderam enriquecer o Sumário pela inserção de outras óticas. Ainda que a análise deva ser integrada e contemplando as interrelações entre ambientes físicos e humanos, este Sumário foi construído a partir de variáveis temáticas 5 de modo a potencializar a comparação da realidade destes municípios. 2 Cidades: Campanha, Campos Gerais, Elói Mendes, Lambari, Nepomuceno, Paraguaçu, Santana da Vargem, São Gonçalo do Sapucai, Três Corações, Três Pontas e Varginha. 3 Responsável pela disciplina Avaliação e Monitoria em Serviço Social. 4 Contexto é a relação entre o texto e a situação em que ele ocorre, ou seja, é o conjunto de circunstâncias lugar, tempo e cultura local que permite uma compreensão mais acurada da realidade. O contexto situacional é formado por informações que estão fora do texto, sejam elas históricas, geográficas, sociológicas ou literárias. Cenários são descrições evolutivas de situações num ambiente e é composto por um conjunto ordenado de interações entre seus participantes. No sentido que aqui utilizamos, cenários são descrições de uma determinada realidade incluindo problemas e propostas de alternativas construídas pelas diversas partes interessadas. 5 Condições de Vida, Saúde, Educação, Moradia, Crianças e Adolescentes, Manutenção de vínculos (especialmente em relação às violências contra crianças e mulheres), Pessoas com Deficiências, Idosos, Assistência Social (benefícios assistenciais permanentes e eventuais), trabalho e renda.

5 Visando considerar todas as óticas envolvidas neste processo, os trabalhadores do SUAS nestes municípios foram convidados a preencher um questionário para identificar se, em sua opinião, as ações de proteção social estão ampliando a capacidade protetiva das famílias. Para analisar o significado dos dados obtidos neste segundo momento, o professor Ms. Dimitri Augusto de Cunha Toledo 6 orientou os alunos no entendimento destas Políticas de Transferência de Renda, sua natureza, mecanismos utilizados, objetivos e resultados esperados. 3 Variáveis Temáticas CONDIÇÕES DE VIDA Foram analisadas as características da população residente [cor, deficiência], a partir de dados do Relatório do PNUD, 2011 que foi construído para o Objetivos do Milênio 8. Dentre eles, salientamos: As áreas geográficas dos municípios selecionados permitem verificar tamanhos bem variados: o menor deles é Santana da Vargem (com 173 km²) (Santana da Vargem) e o maior é Três Corações ( 826 km²). Cotejando o tamanho dos territórios com o número de habitantes pode-se perceber que as densidades são bastante diferentes: o município com maior número de habitantes é Varginha ( hab) e onde reside a menor população é Santana da Vargem (7.239 habitantes). Enquanto a densidade 6 Responsável pela disciplina de Política Social. 7 No anexo 2, encontra-se as Tabelas nas quais os Mapas apresentados foram baseados. 8 Objetivos do Milênio são metas acordadas na Cimeira do Milênio reunião realizada em 2000 daqual participaram governos de 191 países. A proposta é cuidar das necessidades reais das pessoas de todo o mundo. Os objetivos são: Acabar com a Fome e a Miséria; Educação Básica de qualidade para todos; Igualdade entre os sexos e valorização da mulher;.reduzir a mortalidade infantil; combater a AIDs, a Malária e outras doenças; Qualidade de vida e respeito ao Meio Ambiente; todo mundo trabalhando pelo desenvolvimento.

6 populacional de Varginha é da ordem de 300 habitantes por km², em Santana da Vargem a densidade é de menos de 42 habitantes por km². Quando computamos dados sobre a cor da população destes municípios, a partir de dados do SIDRA Sistema IBGE de Recuperação Automática, 2010, identifica-se que dois municípios tem uma grande maioria de população branca (Paraguaçu: 78,52%; e Lambari: 78,49%). A população negra tem maior expressão nos municípios de Três Corações (41,31%) e de Nepomuceno (39,65%). Nos dois municípios, dentre a população negra cerca de 33% são pretos e 67% pardos. O maior contingente de população indígena foi apontado pelo IBGE no município de Paraguaçu (0,37%), mas temos registro de população indígena em Varginha, Três Corações, Santana da Vargem e Três Pontas. A maior expressão de população amarela encontra-se em Três Pontas (0,68%), Elói Mendes (0,66%). Há registros desta população, também, em Varginha, Três Corações, Paraguaçu, Nepomuceno e Lambari.

7 Segundo dados do IBGE, a partir do CENSO/2000 a maioria dos municípios selecionados tinham porcentuais semelhantes ao encontrado na sociedade brasileira: os menores índices são encontrados em Varginha (13,77%), Três Pontas (13,37%) e Três Corações (13,28%). Em Santana da Vargem, no entanto, foi registrado um porcentual maior do que o dos outros municípios (19,44%) Local de Moradia e condições de Saneamento

8 Quando cotejamos os dados dos municípios analisados do CENSO IBGE 2010, podemos identificar que todos eles tem a maior parte de suas populações inseridas no meio urbano. O maior índice é de Varginha (96,73%) e o menor é de Lambari (71,81%). O mesmo Relatório PNUD citado anteriormente apresenta dados do saneamento básico nos municípios e nos permitem Verificar a cobertura de água e serviços de esgoto em nível municipal. A análise da situação de saneamento dos domicílios é condição fundamental na garantia de qualidade de vida das famílias. Foram analisados dados relativos ao acesso a água potável, tendo sido identificado que o município com melhores condições no meio urbano é Três Pontas (99,30%), e no meio rural é Paraguaçu (8,3%). É Paraguaçu, também, quem detém as melhores condições de saneamento básico tanto no urbano (98,8%) quanto no rural (9,8%).

9 3.2 RENDA FAMILIAR A situação de pobreza das famílias foi verificada a partir de dados do MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Ao analisarmos a situação de pobreza nestes municípios, percebemos que os maiores e menores índices de famílias pobres nestes municípios são muito semelhantes. O município com maior índice de famílias pobres é Santana da Vargem (7,71%) e o menor índice foi identificado em Varginha (3,43%). Outro aspecto analisado no que se refere a renda buscou analisar os dados contidos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal e a quantidade de famílias consideradas dentro do Perfil exigido para inserção no Programa Bolsa Família (R$ 140 de renda familiar mensal). O município com menor índice de cobertura (42,51%) é Varginha e o com maior índice é Santana da Vargem (119,89%). 3.3 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Em 2000, a ONU Organização das Nações Unidas, ao analisar os maiores problemas mundiais, estabeleceu 8 Objetivos do Milênio ODM, que no Brasil são chamados de 8 Jeitos de Mudar o Mundo. O Índice de Desenvolvimento Social Municipal dos municípios selecionados é muito próximo: o maior é Varginha (0,824) e os menores são Nepomuceno (0,747) e Santana da Vargem (0,749).

10 Um outro aspecto a analisar diz respeito à Desigualdade Social: do mesmo modo como ocorre no restante da sociedade brasileira, estes municípios apresentam uma situação de desigualdade social. Os índices apontam que o município com maior desigualdade é Lambari onde a renda em poder dos 20% mais ricos correspondem a 21 vezes a renda entre os 20% mais pobres. O município com menor índice é Santana da Vargem onde a renda em poder dos 20% mais ricos correspondem a 13 vezes a renda entre os 20% mais pobres. Interessante observar que este município que é o menor em tamanho e população dentre os selecionados é aquele que apresenta os melhores índices quando analisamos os resultados em redução da pobreza. Santana da Vargem conseguiu uma redução de 60%. O município onde esta redução foi menor foi Três Corações (32%) SAÚDE Tendo em vista que o Eixo do trabalho eram os Programas de Transferência de Renda, para analisar a situação de saúde dos municípios, procuramos cotejar aqueles dados apontados como condicionalidades: alcance da vacinação em crianças e trabalho com gestantes a partir de pré-natal. O melhor índice de vacinação foi encontrado em Nepomuceno (99,60%); mas todos os municípios analisados tem valores superiores a 99% o que é um índice muito bom. (Dados do Relatório PNUD/ODM, 2011) Em relação ao atendimento as gestantes com sete ou mais consultas, Varginha apresenta o melhor índice (85,20%) e o pior índice é o de Lambari (61,10%).

11 Ainda voltados para a situação de saúde nestes municípios, cotejamos dados de Segurança Alimentar, tendo identificado que o maior índice de crianças de menos de dois nos desnutridas foi encontrado em Três Pontas (3,1%) e o melhor (0,2%) encontra-se em Paraguaçu.

12 3.4 EDUCAÇÃO Ao analisar a Educação, cotejamos dados relativos a três aspectos: porcentagem de crianças e adolescentes com 7 a 14 anos fora da escola, índice de jovens, de 15 a 17 anos que concluíram o Ensino Médio e as distorções idade/série. O menor índice de crianças e adolescentes fora da escola é o de três Pontas (3,3%); e o maior está em Lambari (19,60%). O maior índice de jovens de 15 a 17 anos que concluíram o Ensino Médio é de Varginha (58,8%); e o menor é de Três Corações (40,70%). A maior distorção Idade/série foi encontrada em Santana da Vargem: no Ensino Fundamental 16,5% e no Ensino Médio 34,0%. As melhores posições no IDEB Observado são de Lambari: 60ª. posição no Ensino Médio e 244ª. Posição no Ensino Fundamental.

13 3.5 TRABALHO E RENDA Outro aspecto analisado refere-se ao Mercado de Trabalho. Dados do Ministério do Trabalho e Emprego (CAGED/2009) apontam que, dentre os municípios selecionados, a maior porcentagem da PEA População Economicamente Ativa ocupada foi encontrada em Santana da Vargem (97,3%). Observe-se que, ao diferenciarmos o gênero do trabalhador encontramos um índice de 98,07% para os homens e 96,12% para as mulheres. A menor porcentagem da PEA ocupada encontra-se em Varginha: 86,37%; sendo 88,96% entre os homens e 82,8% entre as mulheres. Além dos postos de trabalho, analisamos a renda salarial, tendo identificado a maior média em Varginha (R$ 643,27), sendo R$ 804,25 para os homens e R$ 406,78 para as mulheres. A menor renda foi encontrada em Nepomuceno ($380,34), se aplicarmos o corte de gênero, teremos R$ 419,14 entre os homens e R$ 254,42 entre as mulheres. Ao compararmos os postos de trabalho (formais) com outras ocupações (informais) temos o maior índice de trabalhadores formais (64,66%) em Varginha; e o menor índice em Lambari (32,64%). Atente-se que, em Lambari, 76,82% destes postos de trabalho são ocupados por brancos.

14 4. Primeira Aproximação com o pré-diagnóstico Construído Os oito municípios pesquisados informaram manter atualizados os dados das famílias residentes em seus territórios no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal. Regulamentado pelo Decreto nº 6.135/07 e coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), o Cadastro Único deve ser obrigatoriamente utilizado para seleção de beneficiários e integração de programas sociais do Governo Federal, como o Bolsa Família. Suas informações podem também ser utilizadas pelos governos estaduais e municipais para obter o diagnóstico socioeconômico das famílias cadastradas, possibilitando a análise das suas principais necessidades. O Cadastro Único para Programas Sociais é um instrumento que identifica e caracteriza as famílias com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa ou de três salários mínimos no total, possibilitando ao governo municipal conhecer a realidade socioeconômica dessas famílias, trazendo informações de todo o núcleo familiar, das características do domicílio, das formas de acesso a serviços públicos essenciais e também dados de cada um dos componentes da família.

15 FAMÍLIAS REFERENCIADAS Famílias Cadastradas Famílias dentro do Perfil do Programa Bolsa Família Famílias inseridas no Bolsa Família Famílias inseridas no Benefício de Prestação Continuada - Idoso Famílias inseridas no Benefício de Prestação Continuada - deficientes OS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA O principal programa social do Governo Federal é o Programa Bolsa Família (PBF) que objetiva combater a fome, a pobreza e a desigualdade social no país. Assumindo a primazia deste processo, mas considerando que a responsabilidade não é apenas do governo federal, mas também dos governos estaduais, municipais e da sociedade civil, o PBF propõe um conjunto de ações de suporte às famílias e de controle social pela sociedade. Sendo um Programa de Transferência de Renda, as famílias do PBF recebem um benefício financeiro mensal e,em contrapartida assumem compromissos nomeados condicionalidades, ao mesmo tempo em que busca a integração com outras políticas públicas visando ações de capacitação profissional e de apoio à geração de trabalho e renda,de educação de jovens e adultos, de melhoria do acesso à moradia dentre outras. Condicionalidades são compromissos assumidos tanto pelas famílias beneficiadas pelos programas de transferência de renda quanto pelo poder público para ampliar o acesso dessas famílias os seus direitos sociais básicos. 4.2 CONDICIONALIDADES NA ÁREA DA SAÚDE Condicionalidades: Acompanhamento da saúde de crianças, gestantes e mães que estão amamentando. O acompanhamento das condicionalidades na área da saúde é realizado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) por meio dos dados registrados pelo Ministério da Saúde (MS). Esse acompanhamento é feito por meio dos dados registrados pelo no Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família na Saúde em dois períodos do ano: 1ºPeríodo: janeiro a junho 2º Período: julho a dezembro.

16 No Município de Varginha, foi nos informado que a Secretaria de Habitação e Promoção Social (SEHAP) é a responsável por repassar os dados referentes ao Programa Bolsa Família para a Secretaria Municipal de Saúde e que a Secretaria Municipal de Saúde encaminha a listagem com os nomes das famílias beneficiárias para as Unidades Básicas de Saúde, das quais tais famílias fazem parte, para que as condicionalidades sejam averiguadas (pelo menos duas vezes no ano as famílias devem procurar os postos de saúde para realização da pesagem e conferência do cartão de vacina). De acordo com o profissional as condicionalidades na área da saúde no município de Varginha são cumpridas, mas que não existe uma análise detalhada dos dados e nem projetos específicos para este programa, uma vez que as famílias beneficiárias também são público daquela Unidade Básica de Saúde conforme a localização de sua residência. Outra observação feita foi de que não existem profissionais da área da saúde exclusivos para o Programa Bolsa Família e que as condicionalidades do programa se inserem na rotina do serviço. 4.4 EDUCAÇÃO Condicionalidades: Crianças e adolescentes entre 6 e 15 anos, matriculados e com frequência escolar de 85%. Já os estudantes entre 16 e 17 anos devem ter frequência de, no mínimo, 75%; No município de Varginha, as mais de 1600 famílias beneficiadas pelo programa Bolsa Família, tem o acompanhamento das condicionalidades da educação, através de uma listagem onde os alunos possam ser identificados pelas escolas e assim ser feito o monitoramento das freqüências. Após esse monitoramento que a escola realiza periodicamente, ele é repassado para a secretaria da educação que é a responsável pelos dados. Só que infelizmente fora essa ação não é realizado mais nenhum trabalho com essas crianças. O que decorre a partir daí são pequenas ações isoladas devido algum problema e a disponibilidade dos profissionais da secretaria de Assistência Social. O município de Varginha ocupa um grande espaço geográfico, só que os profissionais não são suficientes para cobrir toda a demanda da população (mais de 100 mil habitantes para apenas 4 CRAS). Para que pudesse ser feito um bom trabalho com esses alunos, seria necessário, não apenas a formulação de uma Política de Educação adequadas as necessidades do município, mas uma ação em parceria do MEC, com o MDS, onde fosse possível instalar a Jornada Estendida onde a partir daí um

17 trabalho de formação de cidadania e tomada de consciência destas famílias fosse o ponto de partida para possibilitar uma mobilidade social as famílias inseridas nos Programas de Transferência de Renda. É possível identificar as falhas que acontecem nestes sistemas de monitoramento, pois, se por um lado as crianças atendidas pelo programa tem um índice de abandono quase zero em relação aos demais alunos, temos que pensar na qualidade e na importância que essas crianças dão a educação. Podemos a partir daí pensar em diversas ações para que seja feito um bom trabalho de ambas as partes, só que ao passo que ainda faltam profissionais e uma melhor capacitação das que já estão inseridas na ação, tanto na Educação quanto na Assistência, uma pequena rede atua frente às atuações de mais risco a essas crianças que é o CRAS, CREAS, o Conselho Tutelar e a Escola. No ambiente escolar ainda não é feito nenhum trabalho sócio educativo que tenha por base a importância de discutir direitos sociais e as suas garantias. Todas as famílias que são beneficiadas pelos Programas de Transferência de Renda/Bolsa Família tem acompanhamento pelo CRAS, só que é trabalhada a família como um todo (existem oficinas direcionadas aos jovens, idosos, etc), só que esses grupos são homogêneos: há famílias do Bolsa Família, como famílias que o risco social é menor, neste momento as dinâmicas buscam atingir a ambos, só que visitas e acompanhamentos focalizados ao não cumprimento de alguma condicionalidade é feito in loco. Pode-se também levantar uma discussão sobre alguns critérios de avaliação destas condicionalidades, como por exemplo: para uma criança do Bolsa Família é exigido 85% (de 6 a 15 anos) e 75% (de 16 a 17 anos) quantos aos alunos regulares apenas 60% de freqüência. Essas crianças devem ser atingidas em suas totalidades, o problema da Evasão Escolar deve ser pensadas para ambas as situações. Uma outra ação a ser pensada sobre a real concretização da condicionalidades da Educação, seria promover um dia D, onde pudesse ser reunido todas as escolas da rede pública e estadual que recebam essas crianças dos Programas de Transferência de Renda/Bolsa Família e fazer um dia onde várias questões, como direitos; qualidade de vida, drogas, entre outros, e pudessem ser abordados de maneiras dinâmicas e que estimulem a reflexão a cerca da qualidade vivida por cada um, mas que seja uma reflexão que possibilite a compreensão e ponto de partida para uma mudança de vida. Esta ação pode ir além dos profissionais da Educação e da Assistência, pode envolver profissionais da Saúde e até o trabalho, ampliando assim um leque que traga a possibilidade de desenvolvimento das ações.

18 4.5 PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) articula um conjunto de ações visando à retirada de crianças e adolescentes de até 16 anos das práticas de trabalho infantil, exceto na condição de aprendiz a partir de 14 anos. O PETI compõe o Sistema Único de Assistência Social (Suas) e tem três eixos básicos: transferência direta de renda a famílias com crianças ou adolescentes em situação de trabalho, serviços de convivência e fortalecimento de vínculos para crianças/adolescentes até 16 anos e acompanhamento familiar através do Centro de Referencia de Assistência Social (CRAS) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS). O PETI atende mais de 820 mil crianças afastadas do trabalho em mais de 3,5 mil municípios. O programa reconhece a criança e o adolescente como sujeito de direito, protege-as contras as formas de exploração do trabalho e contribui para o desenvolvimento integral. Com isso, o PETI oportuniza o acesso à escola formal, saúde, alimentação, esporte, lazer, cultura e profissionalização, bem como a convivência familiar e comunitária; As famílias do PETI têm compromissos que devem ser observados. Cabe a elas o comprometimento da retirada de todas as crianças e adolescentes de até 16 anos de atividades de trabalho e exploração e a retirada de todas as crianças/adolescentes até 18 anos das atividades previstas na Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil. Na área da educação, é necessário que crianças ou adolescentes de 6 a 15 anos possuam matrícula e frequência escolar mínima de 85%. Para os adolescentes de 16 e 17 anos de idade, a matrícula e a frequência escolar mínima devem ser de 75%. Na área de saúde, cabem às gestantes e lactantes o comparecimento às consultas de pré-natal e a participação nas atividades educativas sobre aleitamento materno e cuidados gerais com a alimentação e saúde da criança. Para as crianças menores de 7 anos, é exigido o cumprimento do calendário de vacinação e o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Na área da assistência social, é exigido que as crianças e adolescentes de até 15 anos em risco ou retiradas do trabalho infantil possuam a frequência mínima de 85% da carga horária relativa aos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Proteção Social Básica.

19 Ao ingressar no Peti, a família tem acesso à transferência de renda do Bolsa Família, quando atender aos critérios de elegibilidade, devido ao processo de integração dos programas. Às demais famílias também é garantida a transferência de renda através do Peti. Assim, a articulação dos dois programas fortalece o apoio às famílias, visto que pobreza e trabalho infantil estão amplamente relacionados nas regiões de maior vulnerabilidade. Após a transferência de renda, toda criança e adolescente que for encontrado em situação de trabalho, devem ser obrigatoriamente, inseridas no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Esse serviço é ofertado pela Proteção Social Básica com estreita articulação com o responsável pelo Peti no município. 4.6 INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA É importante ressaltar que durantes as pesquisas realizadas nos projetos, programas ou órgãos competentes de atendimento a criança e adolescente em nenhum deles existem o critério de estarem inseridos nos programas de transferência de renda, ou seja a adesão é por qualquer criança ou adolescente da comunidade, são eles existentes nos diversos municípios aqui do sul de minas: A proposta do Projeto Reavivarte é oferecer de maneira viável o máximo de alcance sócio-cultural com o menor custo possível, possibilitando que com baixo orçamento um maior contingente de pessoas possa ter acesso à produção cultural e oportunidade de desenvolvimento artístico-musical. Aulas nos núcleos de ensino musical do Projeto Reavivarte, apresentações mensais populares nos bairros. O projeto conta com 32 músicos e 400 alunos. Durante esses 10 anos as ações alcançaram mais de 700 pessoas diretamente com seus cursos, e indiretamente esse número aumenta já que o objetivo de levar a cultura à regiões carentes é também alcançados pelas inúmeras apresentações realizadas na comunidade local, em várias cidades do sul de Minas e outros estados. O projeto Reavivarte é um projeto mantido pela Comunidade Sagrado Coração Eucarístico de Jesus, uma associação sem fins lucrativos. Fundada a 10 anos o projeto Reavivarte visa propiciar, de maneira gratuita o aprendizado das mais variadas manifestações artísticas, como teatro, dança, música e pintura à crianças, adolescentes e adultos do município de Varginha. O Programa de Erradicação do Trabalho Infantil P.E.T.I., deu uma lição de resgate da preservação do folclore. Uma Companhia Mirim de Santos Reis dos alunos do P.E.T.I. percorre partes de secretarias municipais e o centro da cidade, mostrando que o folclore é história e memória. 25 garotos e garotas

20 mostram e cantam o Reizado de Santos Reis. A iniciativa foi da coordenadora do programa Cida Ribeiro que quer abrir um leque maior ao folclore nacional e regional. A Secretaria Municipal de Esportes e Lazer de Varginha (Semel) desde 2001 faz um trabalho diferenciado no Sul de Minas, unindo a esfera social com o esporte de rendimento. A iniciativa deu certo, tanto é que os números não mentem, pois são mais de 10 mil cadastros, títulos expressivos pelo Brasil e hegemonia no esporte regional. A Semel oferece gratuitamente, nos períodos da manhã e da tarde várias modalidades que são realizadas através das escolinhas, equipes e projetos em diferentes locais espalhados pela cidade. Assim, milhares de crianças e adolescentes recomeçam as atividades em todos os pólos da Semel espalhados pelo município de Varginha. São 2 mil crianças e adolescentes entre 4 e 17 anos e mais de 14 modalidades oferecidas, como futebol de campo, futsal, vôlei, basquete, handebol, atletismo, natação, judô, bicicross, ginástica artística, ginástica rítmica, boxe, jiu-jitsu e karatê. Nos últimos anos foram mais de 700 troféus o que fez da Semel a maior potência do esporte regional e está entre as dez melhores cidades do Estado. Existem vários locais onde existem escolinhas da Semel em Varginha: bairro São Geraldo (Semel), Fuvae (Centro), VTC (Centro), Bom Pastor, São Francisco, Melão (Sion), Polivalente (Barcelona), Marcão (Santana), Batalhão (Sion), Caic I (Imaculada Conceição), Caic II (Cidade Nova), Nego Horácio (Barcelona), Fátima, Gabriel (Vila Paiva), Vila Ipiranga e Campos Elíseos. O Projeto Crescer insere-se como uma forma de atendimento familiar através de atividades socioeducativas oferecidas a crianças e adolescentes, com progressiva extensão do atendimento nas vias do acompanhamento e orientação familiar e tem a capacidade de atender até 30 crianças/adolescentes. O público alvo são crianças e adolescentes na faixa etária de 07 a 17 anos em situação de vulnerabilidade socioeconômica, filhos de famílias atendidas pela Associação Beneficente Levanta-te e Anda ou encaminhados por equipamentos públicos, governamentais ou não. As atividades desenvolvidas no projeto Crescer ocorre de segunda a sexta-feira, no período compreendido entre 13:00 e 17:00 h; sendo elas: - Reforço escolar, nos moldes de auxílio na execução de atividades pré-estabelecidas pelos respectivos professores das escolas regulares, orientado diariamente pela coordenadora das oficinas e/ou por estagiário(a) de pedagogia; - Oficina psicossocial, realizada de uma a duas vezes por semana por psicólogo e/ou estagiários de psicologia; - Oficina psicopedagógica, realizada uma vez por semana por uma psicopedagoga voluntária; - Atendimento socioassistencial, prestado pela assistente social, nos moldes de acompanhamento sócio-familiar, de acordo com a demanda;

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 Institui parâmetros nacionais para o registro das informações relativas aos serviços ofertados

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS Porta de entrada dos munícipes que necessitam das ações de assistência social que potencializam a família, a comunidade de referência, fortalecendo seus

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família Gestão Municipal do Cadastro Único e Programa Bolsa Família Gestora Olegna Andrea da Silva Entrevistadora e Operadora de Cadastro Ana Paula Gonçalves de Oliveira A porta de entrada para receber os bene?cios

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE.

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE. Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 07/10/2013-10:07:01 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2703 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS Unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Programas e Serviços de Atenção à População em Situação de Vulnerabilidade Social, Econômica e Pessoal Brasília, Maio de 2013. Apresentação A Federação

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 LINHA DE AÇÃO I: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SNAS DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL - DPSE SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores Mostra de Projetos 2011 Padrinhos Acolhedores Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br 5.485.424 idosos - 2014 9.316.614 idosos - 2030 Fonte: Fundação SEADE Novas Demandas e Desafios Poder Público Sociedade Famílias Garantia de Direitos Proteção Social

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 4.6.2 PROJETO DE ATENDIMENTO SOCIAL E PSICOLÓGICO DA POPULAÇÃO ATINGIDA Anexo 4.6.2-1 - Proposta de uso do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

SEDSDH Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos SEDAS Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social

SEDSDH Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos SEDAS Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social A Política Estadual de Assistência Social - PERNAMBUCO SEDSDH Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos SEDAS Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social PERNAMBUCO Contexto

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Ms. Waleska Ramalho Ribeiro - UFPB A concepção republicana do SUAS requer

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude Políticas Públicas no Brasil Secretaria Nacional de Juventude Prioridades 2012 PPJ como política de Estado Articulação Intersetorial (Comitê, Avaliação do Projovem) Marcos Legais Estatuto da Juventude

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a portaria GM/MDS nº 321, de 29 de setembro de 2008, e dá outras

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO 1 PROJOVEM 1.1 SUPERVISOR REQUISITOS: NÍVEL SUPERIOR ATRIBUIÇÕES: Ser responsável

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU EM 27 DE JUNHO DE 2007

PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU EM 27 DE JUNHO DE 2007 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU

Leia mais