XII STPC SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE APLICAÇÕES PRÁTICAS DE SNMP EM REDES IEC BRENO JÁCOMO DE FREITAS SIEMENS LTDA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XII STPC SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE APLICAÇÕES PRÁTICAS DE SNMP EM REDES IEC 61850 BRENO JÁCOMO DE FREITAS SIEMENS LTDA."

Transcrição

1 XII STPC SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE 16 a 19 de novembro de 2014 Rio de Janeiro - RJ APLICAÇÕES PRÁTICAS DE SNMP EM REDES IEC BRENO JÁCOMO DE FREITAS SIEMENS LTDA. RESUMO Com o crescente mercado de automação de energia e digitalização de subestações a dependência de um sistema supervisório de controle e aquisição de dados é cada vez maior. Existem muito mais dispositivos eletrônicos inteligentes em uma rede do que havia no passado e, com isso, é cada vez mais importante a preocupação com a disponibilidade dos equipamentos que protegem o sistema elétrico. A intenção deste informe técnico é mostrar como é possível prever algumas falhas no sistema utilizando o protocolo SNMP aumentando a disponibilidade e confiabilidade da rede elétrica. PALAVRAS-CHAVE Automação de energia, Siprotec 5, IEC 61850, SNMP, Disponibilidade do sistema elétrico INTRODUÇÃO O estudo das aplicações do protocolo SNMP (Simple Network Management Protocol) veio da necessidade vista em um projeto formado por relés Siprotec se comunicando por TCP/IP através da norma IEC Tratava-se de um projeto em uma indústria que envolvia mais de 250 relés de proteção (dispositivos eletrônicos inteligentes) em oito subestações interligadas. Em cada subestação havia um switch (com exceção do centro de controle que havia dois switches redundantes) e estes estavam ligados em anel através do protocolo erstp em uma rede com velocidade de um Gigabit conectados por fibra-óptica monomodo. Em cada um dos switches existia uma conexão com os relés da subestação que formavam um segundo anel menor que o primeiro, conforme arquitetura simplificada na Figura 1. Como os relés se comunicavam através da norma IEC 61850, quando a fibra-óptica que interligava os relés se rompia, uma mensagem era enviada ao centro de controle e este gerava um alarme que colocaria o operador em estado de alerta para esta falha ocorrida e poderiam assim tomar as devidas providências a fim de recompor o sistema de forma que nenhuma perda de informação ou de proteção do sistema ocorresse, uma vez que o erstp trataria de recompor a rede o mais rapidamente possível mesmo com uma falha. O grande problema se daria quando uma das fibras que interliga os switches falhasse. O switch não enviaria uma mensagem acusando problema na conexão e com isso o sistema continuaria funcionando normalmente sem que ninguém fosse alertado que este perdeu a redundância. Sendo assim, ninguém tomaria uma ação preventiva para recompor a rede e, quando uma segunda conexão falhasse, todas as subestações que estivessem entre as duas falhas não poderiam mais trocar mensagens entre elas (GOOSE Generic Object Oriented Substation Events) nem com o centro de controle (MMS Manufacturing Message Specification). Breno Jácomo de Freitas Telefone: Rua Gerson Benedito de Assis, 281 Jundiaí-SP

2 2 Figura 1 - Arquitetura simplificada do sistema Com um estudo mais aprofundado do SNMP foi possível desenvolver aplicações em diversos equipamentos de rede a fim de se monitorar informações que até então não eram monitoradas e que poderiam ajudar na manutenção dos equipamentos. Entre os equipamentos testados podemos citar Siprotec 5 e Siprotec 4 dotados de placa EN100 (placa de comunicação IEC61850 nos relés de proteção digital Siemens), GPS com NTP, switches gerenciáveis, computadores entre outros tudo usando o próprio sistema supervisório (SICAM 230). Quando monitoramos informações destes equipamentos podemos nos precaver de falhas quando os primeiros sintomas aparecem enquanto para um sistema sem este tipo de supervisão estas falhas seriam invisíveis SNMP E DISPONIBILIDADE DO SISTEMA O protocolo SNMP pode ajudar bastante o seu sistema a monitorar os alarmes da sua rede com um excelente custo-benefício e deixar seu sistema mais confiável, desde que você consiga identificar os objetivos de se monitorar sua rede e ter as ferramentas necessárias para fazê-lo. O protocolo é baseado em gerentes e agentes, conforme exemplificado na Figura 2, onde ambos utilizam a base de gerenciamento das informações (MIB Management Information Base) que é um pequeno conjunto de comandos para troca de informações. Essas informações são disponibilizadas em uma estrutura de árvore com variáveis individuais como pontos de status ou descrições de estado (1). 2.1 Gerentes e agentes Figura 2 - Gerentes e agentes da rede SNMP No protocolo SNMP existem dois tipos de entidades: gerentes e agentes. O gerente é um servidor que executa um software que é capaz de manusear tarefas de gerenciamento da rede. O gerente é o responsável por fazer solicitações (polling) e receber mensagens espontâneas (traps) dos agentes. A solicitação é o ato de questionar o agente (roteador, switch, computador, relé de proteção, etc.) por algum conjunto de informações e essas informações podem ser usadas para o gerenciamento do sistema.

3 3 A segunda entidade, o agente, é um software que roda no equipamento que está sendo gerenciado. Hoje a maioria dos dispositivos IP possui algum tipo de agente SNMP desenvolvido em seu software. Quanto mais bem escrito mais fácil se torna o trabalho do gerente da rede (2). 2.2 Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é uma visão abstrata de um recurso real do sistema. Assim, todos os recursos da rede que devem ser gerenciados são modelados e as estruturas de dados resultados são objetos gerenciados. Os objetos gerenciados podem ter permissões para serem lidos ou alterados, sendo que cada leitura representará o estado real do recurso e cada alteração também será refletida no próprio recurso (3). 2.3 Arquivos MIB A base de informações gerenciáveis MIB (Management Information Base) é o conjunto de objetos gerenciados que procura abranger todas as informações necessárias para a gerência da rede. A estrutura hierárquica de uma MIB é em árvore onde o nó da raiz não possui rótulo e possui pelo menos três subníveis, sendo eles: o nó 0 que é administrado pela CCITT (Consultative Committee for International Telegraph and Telephone); o nó 1 que é administrado pela ISO (International Organization for Standardization); o nó 2 que é administrado em conjunto pela CCITT e pela ISO. Sob o nó da ISO fica o nó que pode ser utilizado por outras instituições: o org, abaixo dele fica o dod que pertence ao departamento de defesa dos EUA. O Departamento de defesa dos EUA alocou um sub-nó para a comunidade internet, que é administrado pela IAB (International Activities Board) e abaixo deste nó temos, entre outros, os nós: management, experimental e private (4). Como exemplo temos a Figura 3, uma árvore mostrando uma parte de um arquivo MIB e um exemplo de como uma variável é estruturada. Figura 3 - Estrutura de um arquivo MIB Abaixo um exemplo da variável Sip5RstpPortState do grupo Sip5 em que seus possíveis valores (de 0 até 4), tem a conversão para as strings conforme a linha de sintaxe. Sip5RstpPortState ::= TEXTUAL-CONVENTION STATUS current DESCRIPTION "RSTP state of a port" SYNTAX INTEGER { unknown(0), disabled(1), discarding(2), learning(3), forwarding(4) }

4 4 2.4 Disponibilidade do sistema A confiança dos equipamentos assim como dos sistemas supervisórios não é tão simples de se calcular e existem muitos conceitos que muitas vezes causam desentendimento. O mesmo acontece para o entendimento da disponibilidade do sistema, que relaciona o tempo médio entre falhas (MTBF Mean Time Between Failure) e o tempo médio de recomposição (MTTR Mean Time To Recovery). Nos casos que os sistemas são reparáveis é mais comum utilizar o cálculo da disponibilidade do sistema que descreve a probabilidade do sistema estar operando, mesmo que exista alguma falha em algum ponto do sistema (por exemplo, uma fonte de um equipamento queimou, porém este possui redundância de alimentação). A disponibilidade do sistema é dada pela fórmula abaixo. Disponibilidade do sistema = MTBF MTBF + MTTR A disponibilidade do sistema varia em função de muitos parâmetros como o ambiente operacional de armazenamento (temperatura, umidade, vibração, etc.); procedimentos de manutenção (preventiva, periódica, etc.); configuração do sistema e topologia; disponibilidade de peças sobressalentes (5). Com isso, concluímos que se conseguimos garantir que todos os equipamentos da rede estão tendo suas redundâncias monitoradas, sempre que uma falha ocorrer deve se gerar um alarme que resultará em uma ação corretiva e assim o sistema continuará em operação. Podendo-se monitorar todas as variáveis do sistema, ações corretivas vão ser executadas sempre que qualquer falha ocorrer e assim permitir que o sistema volte a ter sua redundância funcionando normalmente. Se isso for garantido, faremos o MTTR tender a zero e com isso a disponibilidade do sistema irá tender a 100% APLICAÇÃO Toda a aplicação foi desenvolvida no laboratório de testes da Siemens. Os testes foram feito utilizando relés inteligentes Siprotec 5 com módulo de comunicação Ethernet em uma arquitetura em anel, sendo que o anel estava conectado em dois switches gerenciáveis redundantes ainda com um servidor de tempo (GPS) do tipo NTP para sincronizar os relógios dos equipamentos da rede. O sistema supervisório utilizado foi o sistema SCADA da Siemens SICAM 230 com o driver NWM (Network Management - software para gerente SNMP) para monitorar as variáveis dos equipamentos, tratados como agentes SNMP. O estudo teve o objetivo de explorar os pontos disponíveis no MIB de cada um dos equipamentos a fim de elencar os principais pontos a se monitorar gerando alarmes caso algum estado indevido fosse atingido. Com os pontos elencados, um sistema foi montado a fim de observar o comportamento desses equipamentos em rede e uma interface homem-máquina foi desenvolvida e o resultado ficou conforme Error! Reference source not found Siprotec 5 (relés microprocessados da Siemens) Os relés Siprotec 5 permitem que seja ativado o SNMPv3 para um ótimo monitoramento da rede com segurança. Utilizando qualquer gerente SNMP ou o Netview (software gerente SNMP feito para monitorar redes especificamente de relés Siprotec 4 e Siprotec 5) pode se monitorar os pontos mais relevantes da comunicação como os parâmetros de RSTP ou incompatibilidade de mensagens do tipo GOOSE. Adicionalmente às informações de rede é possível se verificar a versão de firmware instalada, o código do dispositivo ou número de fabricação podendo até ajudar no gerenciamento de ativos (6). Na Figura 4 temos os principais pontos a serem monitorados com destaque para os parâmetros relativos ao RSTP (Root Spanning Tree Protocol utilizado em algumas redes com configuração em anel) e mensagens GOOSE incompatíveis, acusando erro de configuração.

5 5 Figura 4 - Siprotec Switch gerenciável O switch gerenciável utilizado nos testes foi o Ruggedcom RS2100 e os principais pontos a serem monitorados foram os mostrados na Figura 5. Como destaque podemos citar o parâmetro LastTopChange que mostra a quanto tempo ocorreu a última mudança de topologia. Quando uma mudança de topologia ocorre significa dizer que algo na rede aconteceu podendo ter sido um reset de um equipamento, uma falha em alguma fibra-óptica ou algum cabo de rede que se desconectou. Outro ponto de grande valia é o estado atual de cada porta de comunicação, podendo ser utilizado par monitorar as ligações entre switches ou com outros dispositivos. Em caso de switch com fontes redundantes podemos monitorar o estado de cada uma delas, assim podendo se fazer uma manutenção corretiva antes que se perca a comunicação com os equipamentos conectados a este dispositivo. Também pode se destacar as variáveis de escrita como o ResetDevice que reinicia o equipamento assim como o ClearAlarm, que reconhece os alarmes ativos. Desta forma, esses comandos poderão ser feitos diretamente do sistema supervisório. 3.3 Sincronizador de tempo GPS com NTP Figura 5 - Switch gerenciável O sincronizador de tempo GPS, quando possui sincronismo por NTP (Network Time Protocol), é comum que também disponibilize informações de diagnóstico por SNMP. Dentre as informações disponíveis podemos citar os pontos que estão mostrados na Figura 6. Dentre eles podemos verificar se a antena está realmente conectada, a quantidade de satélites encontrados (se forem poucos talvez o posicionamento da antena esteja incorreto) e o tempo com o qual ele está sincronizando os dispositivos da rede.

6 6 Figura 6 - Sincronizador de tempo GPS com NTP CONCLUSÕES Na maioria das vezes apenas as principais informações do sistema elétrico de potência são monitoradas no sistema supervisório e por muitas vezes alguns pontos que mostram a saúde da rede não tem a devida atenção. Verificando a disponibilidade do protocolo SNMP na maioria dos equipamentos e mapeando quais os pontos realmente tem importância serem monitorados é possível desenvolver uma interface homem-máquina capaz de gerenciar alarmes quando necessário para a equipe de manutenção. Foram identificados alguns pontos de destaque como o tempo desde a última mudança de topologia na rede, o percentual do processamento e memória utilizada dos equipamentos, o status da comunicação do GPS com os satélites, entre outros. Na supervisão de uma rede de dispositivos eletrônicos inteligentes esses pontos normalmente não são observados. Se passarem a ser monitorados alguns problemas podem ser prevenidos como perca de informações importantes para o sistema como mensagens GOOSE ou perca de supervisão parcial ou total do sistema elétrico além de possibilitar a tomada de ações preventivas evitando instabilidade no sistema elétrico de potência REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (1) SNMP Tutorial: The fast track introduction to SNMP Alarm Monitoring, M. DenHartog. (2) Essential SNMP, D. R. Mauro e K. J. Schmidt. (3) Preventive actions in protection relays network using SNMP, B. J. Freitas. (4) Protocolo de Gerenciamento SNMP, B. Z. Dias e N. Alves Jr. (5) Reliability and Availability of SCADA Systems, Starcontrols Company. (6) SIPROTEC 5 Application Note, SIP5-APN-008: Enhanced IEC GOOSE features in SIPROTEC 5 devices, documentação Siemens DADOS BIOGRÁFICOS Breno Jácomo de Freitas, nascido em Uberaba-MG em 1986 é engenheiro de Controle e Automação pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) campus Sorocaba com MBA em gestão empresarial com ênfase em projetos pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). Participou do seminário de liderança e estratégias em negócios (Leading Change in Turbulent Times) pela Ohio University, OH, EUA e Liderança e Influência (Leadership and Influence Program) pela Babson Executive Education, MA, EUA. Atuou por cinco anos como especialista de produtos Siemens (IHM e UTR) e suporte técnico e atualmente como suporte a vendas e desenvolvedor de negócios para automação de subestações. Publicações: Preventive actions in protection relays network, Maio de 2013, IEEE (Itália); Suporte técnico remoto em sistemas de automação e proteção, 1º SMPM 2010, CEMIG; Modelos IEC aplicados a automação de subestações, CLAGTEE 2009, Ubatuba-SP.

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 56 Capítulo IV Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) As atuais soluções de automação de subestações um relé de proteção 99,9945%

Leia mais

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo PDI Preparação para Dissertação

Leia mais

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850 O. J. M. da MOTTA e C.A. CORDEIRO FURNAS M. G. CASTELLO BRANCO* e C. H. R. de OLIVEIRA CPqD Brasil RESUMO Neste trabalho, os autores propõem uma abordagem dos

Leia mais

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul Pablo Humeres Flores Eletrosul Brasil Diogo Vargas Marcos Eletrosul RESUMO O trabalho apresenta uma aplicação do protocolo SNMP na gerência

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil Topologias de rede ethernet tipo anel para grandes sistemas elétricos baseados na norma IEC61850 Paulo Antunes Souza Jr Newton de Carvalho Fernandez Gilberto Morgado Siemens I&C SG EA Baumier Siemens I&C

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 o a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Testes de Performance em IED s através de ensaios utilizando mensagens GOOSE (IEC61850) Paulo Sérgio

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Paulo Sergio Pereira Junior Conprove Engenharia Ltda. Paulo Sergio Pereira Conprove

Leia mais

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG GPC / 02 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V TEMA 2 SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG Gomes, N.S.(*) Andrade, S.R.C. Costa, C.A.B. Coutinho, C. E. B. CEMIG

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO SK, SÉRGIO KIMURA ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO O trabalho tem a finalidade de compartilhar a experiência da ELEKTRO com a utilização da norma IEC61850 implantada atualmente em 18(dezoito)

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 Allan Cascaes Pereira*; David Cáceres Jorge Miguel O. Filho; R. Pellizzoni José Roberto G. Correia Brasil EUA

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Will Allen e Tony Lee, Schweitzer Engineering Laboratories Resumo Os sistemas de rejeição de cargas industriais devem

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Aluísio de Barros Leite Empresa Energética do Mato Grosso do Sul - ENERSUL Brasil Gustavo Castilho Merighi Empresa Energética do Mato Grosso

Leia mais

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850 56 Capítulo VII Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850 Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A construção de subestações é uma atividade que

Leia mais

Evolução de Protocolos de Comunicação

Evolução de Protocolos de Comunicação Evolução de Protocolos de Comunicação Sérgio Yoshio Fujii sergio.fujii@areva-td.com Ethan Boardman ethan.boardman@areva-td.com Agenda do Mini-Curso Evolução de protocolos de comunicação: Protocolos proprietários

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil A Importância dos Testes Funcionais e de Interoperabilidade para a Integração de Sistemas de Proteção

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Fernando Petenel e Cristiano Panazio Resumo Este artigo apresenta uma análise de uma rede Smart Grid baseada na norma IEC 61850

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

PROTEÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COM USO DA NORMA IEC61850

PROTEÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COM USO DA NORMA IEC61850 PROTEÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COM USO DA NORMA IEC61850 Felipe Lotte de Sá Magalhães Bruno Alberto Calado Silva Esp. Paulo Rogério Pinheiro Nazareth RESUMO - Este artigo aborda a proteção,

Leia mais

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 1 Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 M. E. de C. Paulino, Member, IEEE Abstract - A integração de IEDs multifuncionais em subestações complexas requer desenvolvimento de um protocolo padrão que reúna

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto GRUPO V ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E COMUNICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA (GPC) PROJETO CEB A INTEGRAÇÃO COMPLETA ENTRE COS, EMS, DMS, REDE CORPORATIVA, CORs, SUBESTAÇÕES E CHAVES DE POSTE Robson

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Diretrizes para Ensaios de Interoperabilidade e Testes Funcionais em Relés Multifuncionais Baseados

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Resumo 2 Conceitos Básicos de SNMP Introdução Arquitetura MIB Segurança SNMPv1, SNMPv2

Leia mais

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro MONITORAÇÃO DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 2 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus )

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) Disciplina: Redes de Alta Velocidade Jean Willian de Moraes 782 Odemil Camargo 971 PAUTA DA APRESENTAÇÃO Evolução dos

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema de envio automático de mensagens no celular sobre eventos no sistema de automação

Leia mais

Spanning Tree Protocol: Evoluções

Spanning Tree Protocol: Evoluções Spanning Tree Protocol: Evoluções Fast Switching PVST Per VLAN Spanning Tree (Cisco) PVST+ Per VLAN Spanning Tree plus (Cisco) MSTP Multiple Spanning Tree Protocol - IEEE 802.1s RSTP Rapid Spanning Tree

Leia mais

1. MEDIDORES E ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA JANITZA

1. MEDIDORES E ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA JANITZA Conteúdo 1. MEDIDORES E ANALISADORES DE QUALIDADE DE ENERGIA JANITZA... 2 1.1. UMG 103... 2 1.2. UMG 104... 2 1.3. UMG 96L e UMG 96... 3 1.4. UMG 96S... 3 1.5. UMG 96RM... 4 1.6. UMG 503... 4 1.7. UMG

Leia mais

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia 56 Apoio Automação de subestações Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) O desenvolvimento das facilidades de comunicação

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMA DE POTÊNCIA

Leia mais

Interface Ethernet DNP3 Servidor

Interface Ethernet DNP3 Servidor Descrição do Produto O módulo é uma interface de comunicação Ethernet para a UTR Hadron. Permite a integração da UTR HD3002 com centros de controle através do protocolo DNP3. Operando como um servidor

Leia mais

Apostila do Material da Cisco Gerenciamento de Redes

Apostila do Material da Cisco Gerenciamento de Redes Apostila do Material da Cisco Gerenciamento de Redes 7.1.1 Com o que se parece uma rede? A visualização de uma rede é importante. Uma rede é um conjunto de dispositivos que interagem entre si para fornecer

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02

ESCLARECIMENTO Nº 02 ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Solicitamos todas as distâncias entre as salas

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE

A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - PR A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE Paulo Sergio

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gerenciamento de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n O que Gerenciar? n Definição n Modelo de Gerenciamento n Infraestrutura de Gerenciamento

Leia mais

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistema de Controle Baseado e PC versus Controladores Industriais Formas de apresentação:

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

XXI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XXI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XXI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 23 a 26 de Outubro de 2011 Florianópolis - SC GRUPO - V GRUPO DE ESTUDO PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM

Leia mais

CAPÍTULO 8 MANUTENÇÃO DE REDES TCP/IP E ETHERNET

CAPÍTULO 8 MANUTENÇÃO DE REDES TCP/IP E ETHERNET AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES CAPÍTULO 8 MANUTENÇÃO DE REDES TCP/IP E ETHERNET Eng. Paulo Roberto Pedroso de Oliveira. ASCC Automação. As atuais soluções de Automação de Subestações são baseadas em Redes Ethernet

Leia mais

WEG INDUSTRIAS SA. Supervisão e Controle de Energia em Pequenas e Médias Centrais Elétricas

WEG INDUSTRIAS SA. Supervisão e Controle de Energia em Pequenas e Médias Centrais Elétricas WEG INDUSTRIAS SA Supervisão e Controle de Energia em Pequenas e Médias Centrais Elétricas Eng Valter Luiz Knihs Gerente de Projetos Weg Automação WEG INDUSTRIAS SA WEG INDUSTRIAS SA - Geradores / Geração

Leia mais

Guia de Especificação do SEL POWERMAX

Guia de Especificação do SEL POWERMAX Guia de Especificação do SEL POWERMAX O Sistema de Controle e Gerenciamento de Energia da SEL, SEL POWERMAX, é projetado especificamente para consumidores industriais com geração local e/ou montante significativo

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES INDUSTRIAIS

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES INDUSTRIAIS doi: 10.4322/tmm.00303008 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES INDUSTRIAIS Allan de Oliveira Souto 1 Marcos de Oliveira Fonseca 2 Resumo Este trabalho se refere ao projeto de modernização de uma subestação principal

Leia mais

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal 2008

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal 2008 Cigré/Brasil CE B5 Proteção e Automação Seminário Interno de Preparação para a Bienal 2008 Rio de Janeiro, 26-27 de junho de 2008 Dados do Artigo Número: B5-109 Título: Functional and Interoperability

Leia mais

Interface Ethernet IEC 60870-5-104

Interface Ethernet IEC 60870-5-104 Descrição do Produto O módulo é uma interface de comunicação Ethernet para a UTR Hadron. Permite a integração da UTR HD2 com centros de controle através do protocolo IEC 687-5-14. Operando como um servidor

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

COMPARANDO A CONFIABILIDADE DE TOPOLOGIAS DE REDES ETHERNET NAS REDES DE SUPERVISÃO E CONTROLE DE SUBESTAÇÕES

COMPARANDO A CONFIABILIDADE DE TOPOLOGIAS DE REDES ETHERNET NAS REDES DE SUPERVISÃO E CONTROLE DE SUBESTAÇÕES COMPARANDO A CONFIABILIDADE DE TOPOLOGIAS DE REDES ETHERNET NAS REDES DE SUPERVISÃO E CONTROLE DE SUBESTAÇÕES Gary w. Scheer e David J. Dolezilek Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. INTRODUÇÃO As

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA DOMINAR E INTERAGIR COM SISTEMAS DE PROTEÇÃO, AUTOMAÇÃO E CONTROLE CONFORMES COM A NORMA IEC 61850

UMA SOLUÇÃO PARA DOMINAR E INTERAGIR COM SISTEMAS DE PROTEÇÃO, AUTOMAÇÃO E CONTROLE CONFORMES COM A NORMA IEC 61850 UMA SOLUÇÃO PARA DOMINAR E INTERAGIR COM SISTEMAS DE PROTEÇÃO, AUTOMAÇÃO E CONTROLE CONFORMES COM A NORMA IEC 61850 Paulo Sergio Pereira Junior, Cristiano Martins Moreira- Conprove Tecnologia e Pesquisa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE REDE DE CAMPO REDUNDANTE E CABEÇA DE REDE DE CAMPO REDUNDANTES PARA APLICAÇÕES EM PLATAFORMAS DE PETRÓLEO

DESENVOLVIMENTO DE REDE DE CAMPO REDUNDANTE E CABEÇA DE REDE DE CAMPO REDUNDANTES PARA APLICAÇÕES EM PLATAFORMAS DE PETRÓLEO DESENVOLVIMENTO DE REDE DE CAMPO REDUNDANTE E CABEÇA DE REDE DE CAMPO REDUNDANTES PARA APLICAÇÕES EM PLATAFORMAS DE PETRÓLEO Autores: Antonio Gabriel Rodrigues Arthur Tórgo Gómez Universidade do Vale do

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador 100% electricidade Relés de controle automático para grupo gerador RGAM 10 Relé controle automático para g l Entradas VCA : concessionária L1-L2/N-L3, gerador L1-L2/N l 4 entradas digitais, 5 relés saída.

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW

Discrete Automation and Motion. Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Discrete Automation and Motion Conceptpower DPA 500 100 kw 3 MW UPS modular - agora até 3 MW Tempo de inatividade igual a zero conheça o Conceptpower DPA 500 O Conceptpower DPA 500 da ABB é um sistema

Leia mais

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP).

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Capítulo 15 Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Uma das mais importantes tarefas de um administrador de uma rede informática é monitorizar o tráfego na rede, Detectar perdas

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Anderson Alves de Albuquerque

Anderson Alves de Albuquerque SNMP (Simple Network Management Protocol) Anderson Alves de Albuquerque 1 Introdução: O que é SNMP (Basicamente): Através de variáveis ou estruturas certos acontecimentos podem ser contabilizados (contados).

Leia mais

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Fluxo de processo de alto nível para gerenciamento de configuração Criar padrões Controle e gerenciamento de versão

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA ALSTOM NA IMPLANTAÇÃO DE UM COG PARA OPERAÇÃO REMOTA DE PCH s ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE

EXPERIÊNCIA DA ALSTOM NA IMPLANTAÇÃO DE UM COG PARA OPERAÇÃO REMOTA DE PCH s ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE EXPERIÊNCIA DA ALSTOM NA IMPLANTAÇÃO DE UM COG PARA OPERAÇÃO REMOTA DE PCH s ATRAVÉS DE COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE Autores: Orlando Fernandes de Oliveira Neto Sebastião Gomes Neto Edson Ricardo da Rocha

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Este tutorial apresenta o modelo TMN (Telecommunications Management Network) para gerenciamento de redes de Telecomunicações criado pelo ITU-T (International

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais