Impactos da soja sobre Terras Indígenas no estado do Mato Grosso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impactos da soja sobre Terras Indígenas no estado do Mato Grosso"

Transcrição

1 Repórter Brasil Organização de Comunicação e Projetos Sociais Impactos da soja sobre Terras Indígenas no estado do Mato Grosso Centro de Monitoramento de Agrocombustíveis ONG Repórter Brasil Julho de 2010 Siglas CIMI Conselho Indigenista Missionário, entidade ligada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, da Igreja católica, e uma das organizações mais atuantes em todo o Brasil na defesa dos direitos indígenas Conab - Companhia Brasileira de Abastecimento, órgão do governo federal que acompanha a trajetória da produção agrícola e os estoques de alimento do país Funai Fundação Nacional do Índio, órgão do governo federal responsável pela política indígena brasileira Ibama Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis, órgão do governo federal ligado ao Ministério do Meio Ambiente responsável pela fiscalização da política federal de proteção e conservação ambiental, entre outros

2 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, órgão do governo responsável pela realização de estatísticas sociais, demográficas e econômicas Incra Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, órgão do governo federal ligado ao Ministério do Desenvolvimento Agrário responsável pela política de reforma agrária do governo federal ISA Instituto Socioambiental, ONG que atua em diversas frentes de proteção aos povos indígenas MPF Ministério Público Federal MT Mato Grosso OPAN Operação Amazônia Nativa, uma das mais antigas ONGs a trabalhar com populações indígenas no Mato Grosso PIX Parque Indígena do Xingu TI Terra Indígena, área de União demarcada para usufruto exclusivo de comunidades indígenas Capítulo 1 - Introdução Caracterização do estado de Mato Grosso O Mato Grosso, terceiro maior estado do Brasil com km2 (10,59% do território nacional), situa-se na região Centro-oeste do país, fazendo fronteira a oeste com a Bolívia. Um dos estados brasileiros onde a agropecuária e a agroindústria expandem-se com mais intensidade, o Mato Grosso também abriga o maior número de etnias indígenas do país. O Mato Grosso possui um conjunto de três ecossistemas principais, que o diferenciam de todos os demais estados do país: o Pantanal (10% da área), a maior planície inundável do mundo, a sul; o Cerrado (40% da área), a chamada savana brasileira; e as florestas (50% da área, que inclui a floresta amazônica e a vegetação de transição entre Cerrado e Amazônia), no centro-norte. E é no Cerrado e na zona de transição com a Amazônia que se expandiu, vertiginosamente e de forma desordenada, o grosso da atividade agropecuária do estado. Majoritariamente constituído por bosques abertos, com árvores contorcidas de pouca estatura (entre 8 e 12 metros), extensões de grama natural e nascentes d'águas circundadas por campos ralos e palmeiras (as chamadas veredas), o Cerrado 1 detém uma biodiversidade extremamente rica, estimada em cerca de 12 mil espécies vegetais, 70 espécies de mamíferos, 840 tipos de aves, 120 de répteis e 150 de anfíbios 2. Apesar de 1 O Cerrado é o segundo maior bioma brasileiro, com uma área de km2 que abrangem os estados de Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí e o Distrito Federal, e que é cortado pelas bacias hidrográficas do Tocantins-Araguaia, São Francisco e Prata. 2 Dados do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis Ibama.

3 considerado a savana mais rica em biodiversidade do mundo, o Cerrado é o bioma com menor proteção legal do país e, de acordo com o Ibama, já perdeu mais de 80% de sua cobertura original. Vegetação típica do cerrado brasileiro foto divulgação Em função de sua geografia plana, o cerrado do Mato Grosso passou a ser extremamente valorizado pela pecuária e pela agricultura extensiva e mecanizada, principalmente a partir da década de 1970, quando houve uma maior intervenção da União na região. Ainda sob a ditadura militar, o governo federal incentivou a migração de agricultores do Sul do país para o Centro-oeste, dando início a uma história de invejável desenvolvimento econômico e catastrófica degradação ambiental. De acordo com dados da Secretaria de Meio Ambiente do Mato Grosso divulgados no final de 2009, até meados de 2007 cerca de 175 mil km² de floresta amazônica e 150 mil km2 de cerrado foram desmatados no Estado, o que representa aproximadamente 35% e 42% das respectivas áreas originais. No mesmo ritmo do desmatamento, o estado dobrou a sua produção agropecuária nos últimos dez anos. Atualmente a cultura de maior destaque no Mato Grosso, a soja cresceu, em produção, 8% ao ano em média, saltando de 8,8 milhões de toneladas no início da década para 18,2 milhões de toneladas em 2010, segundo a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT). Expansão da soja e impactos em territórios indígenas O aumento da produção de soja no Mato Grosso foi acompanhado de perto pelo aumento da área plantada. De acordo com o levantamento da produção nacional de grãos da Companhia Brasileira de Abastecimento (Conab) de junho e julho, a safra de soja de 2009/2010 no estado ocupou 6,18 milhões de hectares, área 6,1% superior à da

4 última safra (5,82 milhões de hectares). Este número reconfirmou o estado como maior produtor de soja do país. Dos 141 municípios do Mato Grosso, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2008, apenas 44 (ou 31,2%) não cultivam soja ou não tinham registro da cultura. No mesmo ano, 54 cidades (ou 38,3%) tinham entre 10 mil e 575 mil hectares de soja. O avanço rápido do grão no Mato Grosso não deixou de afetar as populações indígenas. Das 78 Terras Indígenas (TIs) listadas pela Fundação Nacional do Índio (Funai), ao menos 30 ficam em municípios com mais de 10 mil hectares de soja (veja anexo). A expansão da soja nas cercanias das Terras Indígenas não necessariamente resulta em relações entre as partes ou impactos sobre os índios, mas reforça uma preocupação já manifestada pelo movimento indígena do Cerrado. Em documento resultante de reunião realizada no final de 2008, a organização Mobilização dos Povos Indígenas do Cerrado (MOPIC) afirmou que o estado do Mato Grosso é o maior produtor de soja do Brasil, sendo esta atividade uma das principais causas do desmatamento no Cerrado e da degradação ambiental nas cabeceiras dos rios que drenam as terras indígenas, colocando em risco a segurança alimentar, a cultura e a vida física e espiritual das comunidades indígenas.

5 De modo geral, como é um dos maiores vetores de desmatamento do Cerrado, grande consumidora de agrotóxicos, consolidadora do modelo monocultor e introdutora da transgenia no Centro-oeste, a soja vem acompanhada de uma grande carga de impactos sobre o ambiente onde está inserida. Degradação, erosão, empobrecimento e desertificação do solo 3, destruição das matas ciliares, contaminação de cursos d água, disseminação das queimadas (que anualmente vitimam milhares de animais silvestres e causam graves doenças respiratórias principalmente em crianças), pulverização de venenos sobre pequenos agricultores, indígenas e suas plantações, introdução de um novo paradigma de consumo capitalista entre as populações tradicionais e aprofundamento do preconceito e do racismo contra os indígenas são alguns efeitos colaterais da sojicultura e de sua proposta de desenvolvimento. Particularmente em relação às Terras Indígenas, a soja tem impactado diversas comunidades de diferentes formas. Há casos, como a TI Maraiwatsede em Alto da Boa Vista e Bom Jesus do Araguaia (foco de estudo de caso deste relatório), dos Xavantes, onde a soja ocupa, como invasora, a terra dos índios e tem liderado os rankings de multas por desmatamento na região. Já no caso da TI Sangradouro (também dos índios Xavante), no município de Poxoréo, as invasões da área indígena são de pequeno porte, mas constantes, de acordo com denúncia do Conselho Indigenista Missionário (CIMI). Segundo o padre Luis Silva Leal, que vive na região, os sojicultores, além de incorporarem anualmente pequenas parcelas de 10 a 20 hectares de terras indígenas às suas áreas, fizeram várias tentativas de acordar arrendamentos de parcelas maiores de terra indígena. A última tentativa de arrendamento ocorreu em 2009, mas no final os Xavantes recuaram. Eles não são grandes agricultores, e têm muito medo de serem explorados, explica Leal. Em relação à questão ambiental, o padre relata que a TI Sangradouro ainda tem extensões de mata preservada, o que possibilita minimamente a manutenção da cultura de caça e pesca pelos Xavantes. Mas os arredores da área já foram todos devastados. Nas primeiras chuvas do ano, o veneno utilizado pelos sojeiros tem contaminado rios como Sangradouro, Água Azul e Pindaíba, que chegam a ficar cobertos de peixes mortos, diz Leal. Por fim, segundo ele a aldeia de Volta Grande ainda vive uma disputa de terras com fazendeiros de soja, e ocupa apenas 11 mil dos 33 mil hectares originalmente pertencentes aos índios. Há uma área que está em litígio. Lá os fazendeiros plantam soja, e acabam pagando um dinheiro aos indígenas por isso, que aceitam para evitar maiores conflitos. Outras etnias, como os Paresi, Irantxe e Nambikwara, optaram por fazer parcerias com grandes fazendeiros, o que tem suscitado uma complexa discussão jurídica sobre a legalidade dos acordos e causado impactos diversos sobre grupos e etnias, como será apresentado à frente, em estudo de caso. A pressão do desmatamento sobre o ecossistema do Cerrado, sua biodiversidade e seus rios tem levado as autoridades brasileiras a rediscutir critérios de proteção do bioma, mas ainda pouco foi feito para concretizar um marco legal efetivo de preservação. Um dos principais problemas a destruição de áreas de preservação, cursos e fontes d água 3 Ver relação de impactos em Repercussões Ambientais da Expansão da Soja no Cerrado e seus Vínculos com a Liberalização do Comércio e a Política Macroeconômica Brasileira WWF Brasil

6 e suas matas ciliares, no entanto, tem levado uma série de organizações ambientalistas a buscar soluções alternativas numa das regiões mais afetadas pela devastação: a cabeceira do Xingu, um dos mais importantes rios do Mato Grosso e do Pará, e de cuja preservação depende toda a população da maior Terra Indígena do Brasil: o Parque Indígena do Xingu. Em 2004, várias organizações ambientalistas, indígenas, de agricultores, empresariais e governamentais participaram do lançamento da campanha Y Ikatu Xingu palavras que significam Salve a água boa do Xingu, na língua kamaiurá. A iniciativa, que é conduzida por entidades como o Instituto Socioambiental (ISA) e Instituto Centro de Vida (ICV), já conseguiu convencer sojicultores a recuperarem áreas degradadas, através de novas técnicas de reflorestamento que usam sementes, e não mudas. Além disso, a campanha tenta ampliar seus impactos através de acordos com governos de municípios localizados na região do parque indígena. O objetivo é usar políticas públicas municipais para apoiar produtores rurais que desejem voluntariamente recuperar áreas degradadas em suas fazendas, como apresentado à frente neste relatório. Capítulo 2 - Impactos da soja na TI Maraiwatsede Entrada de Maraiwatsede: queimadas nas fazendas vizinhas escurecem o céu - foto Verena Glass Histórico Historicamente ocupada pelos índios akwe-xavante, a área da Terra Indígena (TI) Maraiwatsede, homologada pelo governo federal em 1998 com 165 mil hectares, permanece com 90% de seu território ocupado ilegalmente por fazendeiros e posseiros

7 não indígenas, majoritariamente criadores de gado e produtores de soja e arroz 4. Estas atividades são responsáveis por um dos maiores desmatamentos em áreas protegidas do estado do Mato Grosso: 45% da mata nativa de Maraiwatsede já foi destruída, como aponta o Relatório 2010 do Programa de Monitoramento de Áreas Especiais (ProAE) do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam). Maraiwatsede é um exemplo emblemático dos impactos da política de expansão agropecuária no Mato Grosso e da violência estatal e privada contra os indígenas. Com a construção da rodovia Belém/Brasília no início da década de 1960, que impulsionou a colonização do Oeste brasileiro (à base de incentivos fiscais para as empresas que investissem na Amazônia), as áreas tradicionais dos akwe-xavante sofreram uma primeira invasão extensiva em Na ocasião, foi criada a fazenda Suiá Missu, que chegou a ser considerada o maior latifúndio do Brasil, com quase 1,5 milhões de hectares (fazenda de gado, a Suiá-Missu foi formada sobre áreas indígenas pelo colonizador Ariosto da Riva, que, em 1962, a revendeu à família Ometto, de São Paulo. Posteriormente, foi adquirida pela estatal petrolífera italiana Agip) 5. Com a consolidação da Suiá-Missu, os Xavantes foram inicialmente utilizados como mão-de-obra barata pelos fazendeiros, mas as relações começaram a se desgastar com a intensificação de conflitos com peões e colonos. Em agosto de 1966, os donos da Suiá- Missu e o Serviço de Proteção ao Índio (SPI, órgão federal que posteriormente deu origem à Fundação Nacional do Índio - Funai) fizeram um acordo de retirada dos indígenas de suas áreas. Com o auxílio de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), cerca de 300 índios foram levados à revelia para a Missão Salesiana São Marcos, a 400 quilômetros de Maraiwatsede. Já tendo como proprietária a empresa estatal italiana de petróleo Agip, a área ocupada pela Suiá-Missu passou a ser novamente reivindicada pelos Xavantes na década de Com apoio de organizações internacionais, durante a ECO 92, a Agip, sob grande pressão, se viu forçada a anunciar a devolução das terras. A partir deste momento, o governo federal iniciou uma série de procedimentos para demarcar a área indígena, enquanto fazendeiros da região, apoiados por políticos locais, começaram uma forte campanha de ocupação e desmatamento das terras, por um lado, e uma batalha jurídica contra o retorno dos indígenas, por outro. Este processo e os conflitos entre brancos e indígenas se intensificaram a partir de 1998, quando finalmente ocorreu a homologação da Terra Indígena. Apenas em 2004, depois de 11 meses acampados à beira da estrada, e em meio a protestos de políticos locais e dos invasores, parte dos antigos moradores de Maraiwatsede voltou à área e reconstruiu a aldeia, ocupando cerca de 15 mil dos 165 mil hectares da Terra Indígena. Atualmente, a população Xavante de Maraiwatsede é de cerca de 650 pessoas, das quais quase 300 são crianças. 4 Dados de julho de

8 Aldeia Xavante na Terra Indígena Maraiwatsede foto Verena Glass Desintrusão Em 2005, um ano após a volta dos Xavantes à Maraiwatsede, o Ministério Público Federal (MPF) impetrou uma ação civil pública junto à 5ª Vara da Justiça Federal exigindo a imediata retirada dos ocupantes não índios da Terra Indígena. Em 2003, a Funai havia listado cerca de 700 invasores, entre grandes fazendeiros e pequenos posseiros, concluindo que nenhum ocupante teria direito à indenização. Em acordo com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), porém, foi criado um novo projeto de assentamento a fazenda Bordolândia, colada à TI que receberia os pequenos agricultores clientes da reforma agrária. Concomitantemente ao processo do MPF, os fazendeiros entraram na Justiça com uma ação cautelar que questionou a validade do processo administrativo que antecedeu a homologação. Por decisão do Tribunal Regional Federal, os invasores obtiveram permissão de permanência na área até a tramitação final da ação de desintrusão. Em novembro de 2009, o juiz federal Pedro Francisco da Silva, relator do processo no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), indeferiu o recurso dos fazendeiros e posseiros que ocupam a área indígena e considerou válido o processo de demarcação da terra. Após o voto do relator, o desembargador João Batista Moreira pediu vista do processo e anunciou que o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) retomaria o julgamento do caso no início de 2010, quando apresentaria seu voto 6. Até julho de 2010, a análise do processo não havia sido retomada no TRF1, o que mantém a situação de Maraiwatsede em permanente tensão. De acordo com o procurador do Ministério Público Federal no Mato Grosso Mario Lucio Avelar, o MPF 6 Fonte: jornal Brasil de Fato

9 deve interpelar o TRF1 e o desembargador Moreira para que o processo referente à desintrusão seja finalizado, uma vez que o prazo anunciado foi fevereiro de Soja na TI Maraiwatsede No mais recente levantamento sobre as ocupações irregulares na TI Maraiwatsede, a Funai relacionou cerca de 70 fazendas de maior porte, entre elas propriedades de personalidades como Aldecides Milhomem de Ciqueira, prefeito de Alto da Boa Vista, e seu irmão, Antonio Milhomem de Ciqueira; dois ex-prefeitos do município, Mario Cesar Barbosa e Deusimar Dias de Oliveira; o prefeito de São Félix do Araguaia, Filemon Gomes Costa Limoeiro; o vereador de Alto da Boa Vista Raimundo Carlos Alves, e o ex-vereador do município Clarindo Barbosa da Silva. Parte dos fazendeiros e posseiros que estão na TI vive hoje em uma pequena vila cravada no interior de Maraiwatsede, conhecida como Posto da Mata, onde moram cerca de duas mil pessoas. Com pequenos comércios, dois silos de soja e arroz, posto de gasolina, duas escolas municipais e uma escola estadual, Posto da Mata simboliza a resistência dos não índios contra a desintrusão, mas não esconde a ciência da complexidade jurídica da situação. Em depoimentos à Repórter Brasil, produtores rurais explicaram que atualmente a maioria optou pela criação de gado na TI, porque mesmo com menor rentabilidade do que a soja e o arroz, a pecuária demanda menos investimentos e apresenta menores riscos em caso de uma repentina decisão favorável aos indígenas no processo de disputa pela terra. De acordo com a Funai, Ibama e Ministério Público Federal (MPF), há duas grandes áreas de soja na Maraiwatsede: a fazenda Conquista, de propriedade de Claudemir Guareschi (que faleceu em um acidente de avião no último dia 18 de julho), e a fazenda Colombo, de Antonio Penasso conhecido como Branco.

10 Em maio de 2008, Guareschi foi autuado pelo Ibama por desmatar a corte raso 4 mil hectares de floresta considerada de preservação permanente por se tratar de área indígena (Terra Indígena Maraiwatsede). A área foi embargada e o fazendeiro condenado a pagar mais de R$ 2 milhões em multas. Seu nome também foi incluído na lista dos cem maiores desmatadores do Brasil no ano de 2008, divulgada pelo Ministério do Meio Ambiente. Apesar do embargo, as plantações de soja na fazenda Conquista prosseguiram nas safras 2008/2009 e 2009/2010. Em julho de 2009, o Ibama voltou a notificar o fazendeiro Claudemir Guareschi, desta vez por descumprimento de embargo, e em abril de 2010 foi efetuada a segunda autuação pelo mesmo crime, desta vez com apreensão da produção. Antonio Penasso, proprietário da fazenda Colombo, sofreu duas autuações do Ibama em outubro de 2008, quando o órgão constatou a prática de ilícito ambiental consistente em impedir a regeneração natural de floresta nativa em uma área de 1.571,20 hectares no interior da TI Maraiwatsede, e em setembro de 2004, quando foram embargados 2 mil hectares por uso ilegal de fogo (queimada da área). Assim como Guareschi, Penasso, em cuja fazenda deu-se prosseguimento ao cultivo de soja, foi novamente autuado por descumprimento de embargo, sofrendo adicionalmente uma Ação Civil Pública do Ministério Público Federal, e tendo a produção da fazenda Colombo apreendida (leia mais na seção Ações de repressão, a seguir). Impactos da soja sobre a população indígena de Maraiwatsede Como apontado anteriormente, a Terra Indígena de Maraiwatsede é uma das áreas mais atingidas pelo desmatamento no estado do Mato Grosso. De acordo com os Xavantes, a destruição das matas tem uma série de impactos sobre a aldeia, tanto em relação aos hábitos alimentares, quanto a demais atividades produtivas. Desmatamento torna raros frutas e materiais para utensílios foto Gilberto Vieira dos Santos/CIMI

11 Segundo documentação antropológica do Instituto Socioambiental (ISA), a dieta básica tradicional dos Xavantes consiste em produtos coletados, como raízes silvestres, castanhas, frutos e outros vegetais, além de caça e pesca. O cultivo agrícola, sobretudo de milho (o alimento de maior destaque em termos cerimoniais e sócio-cosmológicos Xavantes), feijão e abóbora, desempenha um papel apenas secundário. Com o desmatamento em Maraiwatsede, explica o cacique da aldeia, Damião Paridzane, a dieta da população sofreu fortes perdas, reforçadas pela alternativa do cultivo do arroz como substituto, grão pouco nutritivo para os indígenas. Além do impacto sobre os estoques de caça e pesca, afirmam os Xavantes, o desflorestamento também afetou gravemente os estoques de matérias-primas utilizadas para a construção das casas (madeira e palhas), de lenha para cozinhar e de outros materiais usados para a manufatura de utensílios, como cestarias. Já para as mulheres, explica a professora indígena Carolina Rewapti, o maior problema é a escassez de materiais utilizados na produção dos artesanatos, como sementes e palhas. Já não temos mais o buriti (palmeira nativa) na nossa área, e as mulheres são obrigadas a sair da terra indígena, buscar as palhas nas fazendas ao redor. Ficamos com muito medo de ameaças dos brancos, de que possamos sofrer alguma violência. De acordo com Paridzane (que tinha 12 anos quando a comunidade foi retirada da área em 1966, e se tornou a principal liderança da luta pelo retorno dos Xavantes à sua terra), o cultivo de soja na TI tem sido responsável pela maior parte do desmatamento ocorrido nos últimos anos. Por conta disso, os confrontos com o fazendeiro Antonio Penasso, o Branco, têm sido constantes. O Branco é o que mais desmata aqui. Todos os anos pedimos para ele parar com a destruição, mas ele diz que a mata é dele e vai derrubar. Em 2009, nossos guerreiros foram na área de soja e tomaram dois tratores do Branco, que estão conosco até hoje, diz Paridzane. Cacique Damião Paridzane foto Verena Glass

12 Além dos desmatamentos, os Xavantes apontam outros problemas causados pelo cultivo de soja, como a contaminação de rios e dos próprios indígenas pelo veneno utilizado nas lavouras do grão. Como a fumigação de veneno na soja é feita por aviões de acordo com o Ibama, todos os plantios na TI são com variedades transgênicas, com o vento o produto químico chega a afetar os moradores da aldeia, afirma o cacique Paridzane. Segundo Carolina Rewapti, quando as fumigações são iniciadas, nos meses de janeiro e fevereiro, a população sofre com fortes dores de cabeça e barriga, vômito e diarréia de sangue. Mas não é só isso, porque as chuvas dessa época levam o veneno para os rios, e muitas vezes ficamos doentes porque tomamos essa água, completa ela. Já nos meses secos de julho e agosto, o principal problema para os Xavantes são as queimadas promovidas pelos fazendeiros vizinhos, cuja fumaça escurece os céus noite e dia e traz graves problemas respiratórios para as crianças e os idosos, explica a professora Carolina. Em uma recorrida pelas redondezas da aldeia, foi possível verificar a invasão do fogo sem controle sobre pastagens e roças indígenas. Este ano, perdemos parte do nosso arroz porque o fogo dos fazendeiros vizinhos entrou nas nossas roças, diz o Xavante Paulo. Fogo nas fazendas vizinhas atingem roças indígenas - foto Verena Glass Ações de repressão No final de março de 2010, o Ibama e a Polícia Federal deram início a uma operação de busca e apreensão de soja cultivada ilegalmente em áreas embargadas por crimes ambientais nos municípios de Alto da Boa Vista a chamada Operação Soja Pirata, apreendendo cerca de 15 mil toneladas do grão cultivado nas fazendas de Claudemir Guareschi e Antonio Penasso. Segundo o Ibama, das 15 mil toneladas de soja apreendidas, 2,4 mil toneladas foram produzidas na fazenda Conquista, de Claudemir Guareschi, e 2,52 mil toneladas na fazenda Colombo, de Antonio Penasso, ambas inseridas na Terra Indígena e totalizando

13 uma área de plantio de 3,6 mil hectares (o equivalente a quase 4 mil campos de futebol). O restante da soja foi apreendido em outras fazendas do Grupo Capim Fino, da família de Penasso, também embargadas por crimes ambientais mas não inseridas na TI (o grupo Capim Fino, do qual faz parte a fazenda Colombo, é campeão de autuações do Ibama no Mato Grosso e computa mais de R$ 58 milhões em multas por crimes ambientais). Na fazenda Colombo, soja foi colhida em área desmatada no interior da TI - foto Verena Glass Toda a soja apreendida foi armazenada em um silo próximo às fazendas, pertencente a uma empresa de nome fantasia Company Comércio e Representações Ltda., do empresário e produtor Valmir de Souza. Souza entrou na Justiça para reaver a produção, que está sob disputa judicial, mas, segundo o Ibama e o Ministério Público Federal, a soja deve ser leiloada e os dividendos da parcela apreendida na Maraiwatsede devem ser revertidos aos Xavantes. O restante será encaminhado ao programa Fome Zero, do governo federal. Para assegurar a apreensão da soja e garantir a punição dos crimes ambientais cometidos na TI Maraiwatsede, o Ministério Público Federal impetrou uma Ação Civil Pública (ACP) junto à Justiça Federal no Mato Grosso, tendo como primeiro réu o fazendeiro Antonio Penasso (uma ACP similar deve ser apresentada em breve pelo MPF contra Claudemir Guareschi, a despeito de seu falecimento, afirma o procurador Mario Lucio Avelar). Na ACP contra Penasso, o MPF solicita que: - seja aplicada multa de R$ 1 milhão por crime ambiental cometido pelo réu (Penasso); - sejam deferidos liminarmente o arresto e indisponibilidade dos bens do réu até o limite de R$ ,50 (cem milhões, setecentos e sessenta e seis mil, quatrocentos e

14 vinte e nove reais e cinqüenta centavos), com vista a garantir a efetividade da futura sentença condenatória; - seja deferida liminar para que, não obstante o embargo da área, seja imposto ao réu a obrigação de fazer a desocupação imediata da área degradada e a proteção contra a intervenção de terceiros e ocupação por animais que possam comprometer a sua recuperação, bem como impedir qualquer contato da área com fogo, sob pena de multa diária, a ser arbitrada pelo juízo; - seja determinada a busca e apreensão de todos equipamentos e maquinários utilizados pelo réu para exploração ilegal da parcela da Terra Indígena Maraiwatsede, porquanto essa medida se afigura imprescindível a evitar a perpetuação dos danos ambientais; - seja decretada a perda do direito de participação em linhas de financiamento oferecidas por estabelecimentos oficiais de crédito, comunicando-se tal decisão ao Banco Central do Brasil, a fim de que seja emitido comunicado a todas as instituições oficiais de crédito; - seja determinada ao réu a recuperação dos danos causados, em razão da exploração ilegal, de 1.571,20 hectares de floresta amazônica, sob pena de multa diária de R$ 100,00 (cem reais) por hectare; - seja estabelecido pagamento de reparação pecuniária, a ser arbitrada em liquidação de sentença, acaso vier a se constatar a impossibilidade de reparação dos danos ambientais de forma específica; - seja estabelecido pagamento de reparação pelos danos morais coletivos causados aos índios Xavantes da Terra Indígena Maraiwatsede, aos quais deverá ser destinada tal quantia; - a destinação em favor dos índios Xavante dos resultados obtido com a venda dos ,80 sacos de soja em pé apreendidos pelo Ibama, que foram cultivados ilegalmente no interior da Terra Indígena Maraiwatsede; Apesar de ter imputado os crimes ambientais a Guareschi e Penasso, investigações do Ibama concluíram que o dono da empresa Company, Valmir de Souza, é, na realidade, o responsável pelo plantio da soja nas fazendas Conquista e Colombo, arrendadas a ele pelos dois fazendeiros. A informação foi confirmada à Repórter Brasil por um funcionário de Souza. Como não foram encontrados documentos que comprovem o arrendamento das terras, porém, o empresário não foi envolvido nos processos judiciais, afirma o Ibama. Sua empresa, a Company Comércio e Representações Ltda., no entanto, foi notificada por receptação de soja produzida ilegalmente. Por outro lado, pondera o Ibama, a ligação entre a família Penasso e Souza fica evidenciada pela aquisição da Company por uma empresa chamada Lendas Administradora de Bens e Participações, sediada no município de Votuporanga, no estado de São Paulo. Além de Souza, são sócios desta empresa os filhos de Antonio Penasso. Destinação da soja De acordo com funcionários da Company e do Ibama, toda a soja produzida no interior da TI Maraiwatsede e adquirida pela empresa é armazenada no silo em Alto da Boa Vista. Sediada no município de Primavera do Leste, a Company deixou de trabalhar com exportação de commodities em 2004 e se especializou na prestação de serviços a produtores rurais e na aquisição e comercialização de soja e milho no mercado interno. De acordo com a empresa, os principais compradores da soja comercializada por ela na

15 região de Primavera do Leste são grandes traders, como Cargill e Louis Dreyfuss, e empresas de ração, granjas e produtoras de óleo. O silo da empresa em Alto da Boa Vista município inserido na região conhecida como Vale do Araguaia é considerado apenas um entreposto, explicam funcionários. Segundo eles, a maior parte da soja adquirida no Vale do Araguaia (o silo tem capacidade de armazenamento de 33 mil toneladas de soja) é vendida para a empresa Granol, sediada no município de Anápolis, em Goiás, e um dos maiores empreendimentos do setor de exportação de grãos do país. A depender dos humores do mercado, a Company também teria vendido soja ao entreposto da Cargill em Bom Jesus do Araguaia, de acordo com seus funcionários. De qualquer forma, deacordo com informações levantadas pela Repórter Brasil, apesar de não ser possível detectar a fazenda de origem da soja, há comprovação de vendas da Company para asempresas Cargill e Multigrain no Mato Grosso em 2009 e Capítulo 3 - Soja em terras indígenas Entre 2004 e 2006, três povos indígenas da região sudeste do Mato Grosso, um dos grandes pólos sojicultores do estado, implementaram um polêmico projeto de coprodução de soja em parceria com fazendeiros locais. Paresis, Manoki e Nambikwaras das Terras Indígenas Paresi, Rio Formoso, Utiariti (Paresis), Tirekatinga (Nambikwara) e Manoki (Irantxe) firmaram 19 contratos de parceria, envolvendo 41 aldeias, para a co-

16 produção de soja em áreas de 50 a 1000 hectares no interior das TIs, com validade até a safra de 2011/2012. Os acordos, formalizados com diversos fazendeiros e empresas agropecuárias da região, prevêem que os indígenas forneçam a terra e a mão-de-obra, e os parceiros empresariais, insumos (sementes, agrotóxicos, adubos etc), financiamentos e máquinas, sendo que o resultado da comercialização deve ser dividido igualitariamente entre as partes. O processo de parcerias tem sido criticado por instituições indigenistas, lideranças indígenas e pelo próprio Ministério Público Federal, que considera os acordos uma forma velada de arrendamento de terras indígenas. Segundo a Constituição brasileira, as Terras Indígenas são bens da União, de usufruto exclusivo das populações tradicionais. Por isso, o Estatuto do Índio (de 1973) não permite que elas sejam arrendadas, proibição reforçada pela Instrução Normativa número 3 de 2006 da Fundação Nacional do Índio (Funai). O fato de que fazendeiros se beneficiam com 50% dos lucros advindos do plantio de soja em terras indígenas é um dos principais problemas nestas relações, avalia o MPF. Na mesma direção, o movimento indígena do Mato Grosso considera que os contratos de parceria representam uma forma de driblar a lei. "Eles são apenas outro nome do arrendamento. Os tratores são do branco, os lucros também", argumenta o coordenador da Mobilização dos Povos Indígenas do Cerrado (Mopic), Hiparidi- Xavante. TIs Paresi, Rio Formoso, Utiariti, Tirekatinga e Manoki Tanto os Paresi quanto os Nambikwara e Irantxe têm uma história antiga de contato com os brancos, mas são os paresis que mais se adaptaram à cultura não índia. Sua relação com o modelo civilizatório capitalista data do século XVII, quando parte dos indígenas foi escravizada pelos bandeirantes. Desde então, o cotidiano dessa população indígena passou a ser moldado pelos ciclos econômicos que marcaram o sudeste mato-

17 grossense: eles trabalharam na coleta da seringa e da poaia erva de cujas raízes se extrai a emetina, usada como princípio ativo em medicamentos, como guarda-fios e guias das comissões telegráficas no início do século XX, como vendedores de artesanato na beira da BR-364 construída em 1961, cortando o território paresi de leste a oeste e, a partir da década de 70, com a expansão da fronteira agrícola por colonos do sul do país, como mão-de-obra barata na implementação das fazendas. A relação próxima com os fazendeiros deu aos paresis um conhecimento dos processos produtivos e da economia ocidental que acabou reproduzindo uma certa divisão de classes no interior das comunidades, com poucos que se beneficiam de muito e muitos que se beneficiam de pouco, avalia André Lopes, indigenista da organização Operação Amazônia Nativa (Opan). A instituição abandonou os trabalhos com o grupo em 2004, quando foram firmados os primeiros acordos com os fazendeiros. De acordo com Lopes, o mesmo não ocorreu com os Irantxe, cuja adoção do modelo capitalista de produção de soja é uma fonte de renda sim, mas, dentre outros motivos, se deu como um tipo de defesa contra a discriminação e o preconceito por parte da sociedade não indígena, cujo discurso existe muita terra para pouco índio ou para que tanta terra aos índios, se eles não fazem nada com ela? é recorrente. Os Irantxe fizeram, para além de uma opção econômica, uma escolha política quando adotaram a soja. O significado desta alternativa passa também por um desejo de contradizer o estigma local de que são preguiçosos e improdutivos, maneira como são rotulados os indígenas da região. Eles sabem que é uma contradição com a luta pela terra tradicional, e que acabaram fazendo uma aliança com o inimigo. Mas este é um preço que resolveram pagar, explica o indigenista. De acordo com a OPAN, os Irantxe disponibilizaram cerca de mil hectares para o plantio de soja em parceria com uma fazenda vizinha. Uma pequena parte da renda fica para a associação do povo e o restante é distribuído igualitariamente entre os membros da comunidade, mecanismo que impede uma certa estratificação social, perceptível entre os paresis, por exemplo. Para os paresis, a soja oferece uma perspectiva de geração de renda e status social. Na minha opinião, as lideranças paresis desejam se relacionar trocando de igual para igual com os fazendeiros da região, e com a sociedade não indígena em geral. No contexto rural, caracterizado pelo sistema produtivo da monocultura para exportação, existem basicamente duas camadas sociais: os fazendeiros e os peões de fazenda. Nessa perspectiva, os paresis se equiparam à elite local. Por outro lado, os Irantxe, por trabalharem como mão-de-obra mais braçal nas fazendas vizinhas, acabam sendo incorporados na relação com a sociedade envolvente como membros das camadas menos favorecidas da população, avalia Lopes. Com a chegada da energia elétrica nas aldeias, a renda da soja potencializou o consumo de bens duráveis, modificando certos padrões de sociabilidade dos Irantxe. Camas, geladeiras, móveis, eletrodomésticos em geral, motocicletas e outros elementos da cultura ocidental foram rapidamente absorvidos de acordo com a lógica local. No entanto, o que causou maior impacto foram as antenas e televisores que acabaram interferindo principalmente nas noites das aldeias, desvalorizando os espaços públicos. Agora, como cada família tem a sua televisão, os encontros e locais comuns perderam espaço. Sem contar o assédio e na sedução que a mídia traz para o cotidiano das aldeias, criando novas necessidades.

18 Não se pode negar que o dinheiro da soja traz melhorias do ponto de vista indígena, mas na verdade ele não seria necessário, do ponto de vista material. Toda a infraestrutura básica, bem como grande parte da renda dos indígenas, advém de recursos públicos, como aposentadorias, bolsa família e empregos na área de saúde e educação. O que passa a ocorrer nas aldeias é uma grande influência que a soja traz com o seu modelo de produção e consumo. Nessa relação assimétrica de poder com a sociedade da soja, como os jovens passam a construir suas perspectivas de futuro, seu projeto de povo? Há uma preocupação interna com o efeito que isto poderá trazer para as novas gerações. A obtenção de renda, se não estiver de acordo com os padrões locais de divisão social, pode agravar os conflitos internos de uma comunidade ou criar novas tensões sociais, pondera Lopes. Caso Paresis No caso dos Paresi, apesar de algumas críticas internas na comunidade sobre a distorção na geração e distribuição de renda, a soja tem cumprido um papel importante no desenvolvimento econômico das três TIs que adotaram o grão. Aceita a contragosto pela Funai e pelo MPF, a lavoura mecanizada nas terras paresis não pode se expandir além dos hectares já ocupados, divididos em 17 lavouras não contínuas. A localização de cada lavoura levou em conta preocupações ambientais, como distância adequada de cursos d água e das aldeias. Ainda assim, o desmatamento nessas áreas não foi autorizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que agora cobra da Funai a regularização ambiental. A região onde vivem esses três povos indígenas é considerada um berço de águas: lá nascem os rios Paraguai e Guaporé, além dos principais afluentes do rio Juruena. Em 2010, os paresis colheram a quinta safra de soja desde que se iniciaram os contratos de parceria entre a sua Associação Waymaré e uma empresa da região. São os indígenas que trabalham na lavoura, inclusive na operação das máquinas, graças à experiência adquirida como funcionários das fazendas e aos cursos ministrados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). O pagamento dessa mão-de-obra, assim como o fornecimento de adubo, semente, veneno, combustível e aluguel das máquinas agrícolas, é bancado pelo parceiro não-indígena. A receita líquida é dividida de forma igual entre o fazendeiro e a associação indígena, que deposita metade da verba em uma conta no Banco do Brasil e destina o restante a aquisições coletivas e à divisão entre as famílias de cada aldeia envolvida com a respectiva lavoura. Em Campo Novo dos Paresis, a associação Waymaré possui um contrato de fornecimento de insumos agrícolas com a Incofal Indústria e Comércio de Farelo, relativo a uma área de mil hectares. Na safra de 2008, 11 famílias que vivem na aldeia receberam R$ 2 mil pela repartição dos lucros da lavoura. "Deu para eu construir minha casa", conta uma das moradoras, enquanto mostra a casa de madeira avarandada estilo arquitetônico que domina a paisagem da aldeia, ao lado das malocas de palha usadas para rituais e, em menor escala, como moradia. "As pessoas falam que deixamos de fazer festas tradicionais. A gente não faz mesmo festa para a soja, porque não é da nossa cultura. Mas fazemos oferta para o milho, o arroz", afirmou o coordenador de lavoura da aldeia Bacaval, Arnaldo Zunizakae, mais conhecido como Branco. "Hoje já não vivemos só da caça e da pesca, e isso tem custo. Para fazer festa hoje, a gente precisa de dinheiro", argumentou, acrescentando que,

19 graças à lavoura da soja, os 52 moradores de Bacaval voltaram a plantar milho (mas já de forma mecanizada, na chamada safrinha, cuja produção também é comercializada). Para Branco, "cultura que não muda é a que está no museu". "A gente estava passando fome, só comendo beiju, farinha, carne de caça e pesca. Hoje, no nosso prato tem carne de boi, café, pão, fruta, uma alimentação mais equilibrada", defende ele, que há menos de um ano também trabalha como coordenador de saúde da Associação Indígena Halitinã conveniada com a Fundação Nacional de Saúde, a Funasa, para o atendimento dos paresis que vivem em nove terras indígenas no Mato Grosso, todas elas já demarcadas. Nos anos 60, segundo dados da Funai, os paresis eram apenas 360 pessoas. A taxa de crescimento atual desse povo é alta: 7,2% ao ano. Branco foi o primeiro paresi a trabalhar com agricultura mecanizada dentro do território indígena, ainda em 1997, após ser funcionário de uma fazenda durante nove anos. "Quando saí de lá, meu ex-patrão me doou uma plantadeira velha e me emprestou um trator. O combustível, eu conseguia com a prefeitura de Sapezal", revelou. De início, ele plantou 45 hectares de arroz. Na safra seguinte, foram 60 hectares. No terceiro ano, em 1999, quando a área da lavoura mecanizada atingiu 90 hectares, o arroz já dividia espaço com a soja. Em 2000, a soja já era a cultura principal dos 150 hectares plantados pela família Zunizakae. Soja trouxe desenvolvimento para os Paresi, defende Branco foto Thaís Brianezi Os benefícios da agricultura comercial, porém, não são unanimidade entre os paresis. As críticas mais contundentes, em geral, vêm dos mais velhos. "Para mim a soja trouxe divisão. No meu ponto de vista, o povo ficou muito individual, olhando só para o que é dele", afirmou Carmindo André Orezu, que também mora na TI Utiariti, na aldeia Salto

20 da Mulher, comunidade responsável por uma área de 500 hectares de lavoura. A mulher dele, Emília Zolazokero, ainda faz "roça de toco", a agricultura familiar dos paresis, baseada em tubérculos (especialmente a mandioca). "Eu tenho cabaça de chicha [bebida tradicional], faço beiju e carne moqueada no centro da maloca. Quando era pequena, não tinha outra comida e eu não achava falta de nada. A gente comia isso de manhã, no almoço, à noite e estava satisfeito. Hoje a criança acorda para ir pra escola e se não tiver leite, bolacha e bolo, não come nada", contou ela. O sonho dos sojicultores paresis é que, em 2012, a comunidade tenha economizado dinheiro suficiente para conquistar a independência dos nove fazendeiros com quem mantêm contratos atualmente. Mas existem pendências ainda não solucionadas, explica o líder Branco. Atualmente, toda a comercialização da soja é feita pelos fazendeiros, porque os paresis não têm a documentação necessária para vender a produção. Também os financiamentos são tomados pelos parceiros, já que os indígenas não têm como fornecer garantias aos bancos. Quando um banco financia um fazendeiro, geralmente toma a terra dele como garantia. Como nossa terra pertence à União, não temos como pegar financiamentos, e por isso o nosso lucro é pequeno, diz Branco. Por outro lado, o fato de que a soja Paresi vem de terras indígenas com pendências ambientais impede a ampliação de mercados. De acordo com Branco, 60% dos desmatamentos ocorridos nas áreas de soja foram feitos há cerca de 15 anos, sendo que os outros 40% de mata foram derrubados entre 2000 e "Eu adoraria dizer que estamos exportando nossa produção, mas não é verdade. O Blairo Maggi [governador do Mato Grosso] é meu amigo pessoal e não compra um grão da nossa soja, porque sabe que pode dar problema. Nossa soja hoje vai para produção de ração", explica Branco. A conta-investimento na qual é depositada metade da renda líquida da soja está em nome da associação Waymaré. No final de 2009, o saldo era de cerca de R$ 2 milhões, dinheiro que, por exigência da Funai e do MPF, só pode ser sacado ao fim dos contratos. O índio empreendedor reconhece, no entanto, que a maioria das comunidades envolvidas na agricultura mecanizada deve investir em fontes de renda mais familiares à sua cultura tradicional, como a produção e a venda de artesanato. A Associação Halitinã, inclusive, usou parte do lucro já disponível da soja como contrapartida para a criação de peixes em tanques-rede, com apoio da Secretaria Nacional de Aqüicultura e Pesca. Além disso, desenvolve o projeto Kani - Sustentabilidade e Geração de Renda na Extração do Pequi, com financiamento do programa Petrobrás Fome Zero. Estamos pensando em investir em outras culturas comerciais, como eucalipto, reflorestamento. Mas com o preço da soja, é ela que continuará sendo a cultura principal, diz Branco.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Apontamentos sobre os impactos socioambientais e econômicos da soja nas comunidades do Parque Indígena do Xingu e da Terra Indígena Paresi

Apontamentos sobre os impactos socioambientais e econômicos da soja nas comunidades do Parque Indígena do Xingu e da Terra Indígena Paresi Apontamentos sobre os impactos socioambientais e econômicos da soja nas comunidades do Parque Indígena do Xingu e da Terra Indígena Paresi ONG Repórter Brasil Centro de Monitoramento de Agrocombustíveis

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

VALORES DE INCENTIVO AO PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DOS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS DE SAÚDE - COMPETÊNCIA FEVEREIRO/2007 A N E X O I

VALORES DE INCENTIVO AO PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DOS CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS DE SAÚDE - COMPETÊNCIA FEVEREIRO/2007 A N E X O I PORTARIA Nº 146/2007/GBSES O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE, no uso de suas atribuições legais e, Considerando o Decreto nº 2.312 de 12/02/2001, que dispõe sobre a instituição do Sistema de Transferência

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

PROVIMENTO N.º 019/2007/CM

PROVIMENTO N.º 019/2007/CM Enc. à IOMAT em: / / Publicado no D.J. de n.º Em: / / Circulado em: / / ESTADO DE MATO GROSSO PROVIMENTO N.º 019/2007/CM Institui a divisão territorial do Estado de Mato Grosso em pólos judiciais regionais,

Leia mais

Carlos Souza Jr. & Adalberto Veríssimo (Imazon) Laurent Micol & Sérgio Guimarães (ICV) Resumo

Carlos Souza Jr. & Adalberto Veríssimo (Imazon) Laurent Micol & Sérgio Guimarães (ICV) Resumo Setembro e Outubro de 2007 Carlos Souza Jr. & Adalberto Veríssimo (Imazon) Laurent Micol & Sérgio Guimarães (ICV) Estado de Mato Grosso Resumo O desmatamento em setembro e outubro de 2007 em Mato grosso

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

TABELA REFERENCIAL DE PREÇOS DE TERRAS NO ESTADO DE MATO GROSSO

TABELA REFERENCIAL DE PREÇOS DE TERRAS NO ESTADO DE MATO GROSSO TABELA REFERENCIAL DE PREÇOS DE TERRAS NO ESTADO DE MATO GROSSO Apresentação Trata a presente planilha do resultado de uma discussão entre os Peritos Federais Agrários avaliadores do INCRA/MT com a informação

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta 13/12/2015 - Copyleft Ameaçado o primeiro Assentamento Agroecológico do Rio de Janeiro O mais grave é que o laudo do MPF nega a possibilidade de permanência das famílias e ignora a potencialidade ambiental

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

COMISSÃO TEMPORÁRIA - RISCO AMBIENTAL EM MUNIcíPIOS RELACIONADOS PELO INPE PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO

COMISSÃO TEMPORÁRIA - RISCO AMBIENTAL EM MUNIcíPIOS RELACIONADOS PELO INPE PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO MlROVPOO E 1051 COMISSÃO TEMPORÁRIA - RISCO AMBIENTAL EM MUNIcíPIOS RELACIONADOS PELO INPE PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO Presidente: Vice-Presidente: Relator: SENADOR JAYME CAMPOS (DEM-MT) SENADOR JOÃO

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

INSTITUTO MATOGROSSENSE DE ECONOMIA AGROPECUÁRIA IMEA MAPA DE MACRORREGIÕES DO IMEA

INSTITUTO MATOGROSSENSE DE ECONOMIA AGROPECUÁRIA IMEA MAPA DE MACRORREGIÕES DO IMEA INSTITUTO MATOGROSSENSE DE ECONOMIA AGROPECUÁRIA IMEA 11 de Novembro de 2010. MAPA DE MACRORREGIÕES DO IMEA A presente nota técnica tem o intuito de justificar a razão do estudo para segmentar o Estado

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 01/2013 Analfabetismo em Mato Grosso Edmar

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

MOGNO BRASILEIRO. "Mogno resssurge no cerrado mineiro

MOGNO BRASILEIRO. Mogno resssurge no cerrado mineiro MOGNO BRASILEIRO A valiosa madeira mogno está sendo cultivada no norte de MG. Cresce rápido, e agricultores já a veem como futura fonte de lucro. Vejam: "Mogno resssurge no cerrado mineiro A valiosa madeira

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

MÓDULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Relatório das Oficinas de Campo sobre Rotinas Trabalhistas e Segurança do Trabalho (NR 31)

MÓDULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Relatório das Oficinas de Campo sobre Rotinas Trabalhistas e Segurança do Trabalho (NR 31) PROGRAMA DE GESTÃO ECONÔMICA, SOCIAL E AMBIENTAL DA SOJA BRASILEIRA. MÓDULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Relatório das Oficinas de Campo sobre Rotinas Trabalhistas e Segurança do Trabalho (NR 31) 2011

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Energia e Desenvolvimento Sustentável:

Energia e Desenvolvimento Sustentável: Energia e Desenvolvimento Sustentável: Encruzilhadas da Era Moderna José Felipe Ribeiro Embrapa DE-TDAS Energia e Envolvimento Sustentável: Encruzilhadas da Era Moderna José Felipe Ribeiro Embrapa SEDE

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA RURAL

MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA RURAL MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA RURAL Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás MPGO tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e

Leia mais

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Bioma : CERRADO Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Dados Geográficos - Segunda maior formação vegetal da América do Sul - Abrange os estados do Centro-Oeste(Goiás, Mato Grosso,

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Sustentabilidade socioambiental: qual é o papel da governança pública?

Sustentabilidade socioambiental: qual é o papel da governança pública? Sustentabilidade socioambiental: qual é o papel da governança pública? São Paulo, 22 de fevereiro de 2011 Nos últimos 5 anos, o complexo soja brasileiro vem experimentando mudanças estruturais na gestão

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui.

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. TÍTULO: CRÉDITO RURAL CAPÍTULO: Operações - 3 SEÇÃO: Créditos de Custeio - 2 1 - O custeio rural classifica-se como: (Res a) agrícola; b) pecuário; c) de beneficiamento

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE NOVEMBRO -2008 PACTO PELA SAÚDE Compromisso negociado e assumido pelos gestores de saúde das três esferas de governo, visando qualificar a

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente,

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente, ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/06/2013. MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, No dia

Leia mais

EXECUÇÃO REALIZAÇÃO. PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE BONITO - MS Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul BONITO - MS

EXECUÇÃO REALIZAÇÃO. PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE BONITO - MS Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul BONITO - MS REALIZAÇÃO EXECUÇÃO PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE BONITO - MS Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul BONITO - MS BACIA DO RIO FORMOSO Abrangência: cerca de 27% da área do município; Cerca

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina ÍNDICE Encontro de Mulheres Guarani do Litoral Norte do Estado de São Paulo Organização: Selma A. Gomes Projeto gráfico: Irmãs de Criação Fotos: Carlos Penteado Publicado com o apoio da CAFOD Novembro

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA

VEGETAÇÃO BRASILEIRA VEGETAÇÃO BRASILEIRA O conceito de sistemas ambientais é recente e ganha destaque após a realização da ECO-92. De acordo com os geógrafos, a nova classificação é mais abrangente que a utilizada para definir

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

MATO GROSSO TERRA DO PANTANAL

MATO GROSSO TERRA DO PANTANAL MATO GROSSO TERRA DO PANTANAL MATO GROSSO NO CORAÇÃO DA AMÉRICA DO SUL MATO GROSSO O Estado de Mato Grosso é o Estado mais central da América do Sul, em extensão territorial é terceiro maior, representa

Leia mais

Como recuperar nascentes

Como recuperar nascentes Como recuperar nascentes O passo a passo para que a água brote limpa e em quantidade na propriedade rural. O Código Florestal Brasileiro - Lei na 4.771, de 15/09/65 - determina no artigo 2 0 como Áreas

Leia mais

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br.

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta em detalhes as propostas consolidadas pelo Diálogo Florestal como contribuição ao debate sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro, em curso no Congresso Nacional.

Leia mais

FLORESTA FAZ A DIFERENÇA. Uma campanha em apoio ao Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável

FLORESTA FAZ A DIFERENÇA. Uma campanha em apoio ao Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável FLORESTA FAZ A DIFERENÇA Uma campanha em apoio ao Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável 1 Uma dúzia de 19 coisas que quero saber sobre o Projeto de Lei 30/2011 que muda

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

digo Florestal. Dos anos 90 para cá, tudo foi virado de ponta-cabeça. A reserva legal passou para 35%. As beiras de rios e córregos, hoje se sabe,

digo Florestal. Dos anos 90 para cá, tudo foi virado de ponta-cabeça. A reserva legal passou para 35%. As beiras de rios e córregos, hoje se sabe, QUANDO COMEÇARAM A chegar ao então assentamento de Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso, no início dos anos 80, os colonos - em sua maioria gaúchos e paranaenses - ouviam algumas recomendações do Incra -

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia TE QUERO VERDE Autoria: Ieda Martins de Oliveira Editora: Casa Publicadora Brasileira Turmas: 3º ao 7º ano Temas: Arte, Geografia, História, Ciências, Língua Portuguesa, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural,

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. JÚLIO CAMPOS)

REQUERIMENTO. (Do Sr. JÚLIO CAMPOS) REQUERIMENTO (Do Sr. JÚLIO CAMPOS) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, no sentido de que sejam aplicados recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações FUST, na instalação

Leia mais

Microbacia: Ouro. Município: Porciúncula, RJ. Bacia do Rio Itabapoana

Microbacia: Ouro. Município: Porciúncula, RJ. Bacia do Rio Itabapoana Microbacia: Ouro Microbacia: Ouro Bacia do Rio Itabapoana Localização: 36 km da sede do município de Porciúncula, RJ Área total: 6.178 ha Área focal: 2.850 ha Comunidades envolvidas: Cedro, Fortaleza,

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. Observe a figura abaixo. Utilizando seus conhecimentos e as informações da figura, assinale a alternativa correta. a) A tundra constitui o bioma mais devastado do

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

RELATÓRIO INTERCÂMBIO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS

RELATÓRIO INTERCÂMBIO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS RELATÓRIO INTERCÂMBIO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS O Encontro de Intercâmbio e Mudanças Climáticas aconteceu no dia 15 de Agosto de 2010, no PA Antônio Conselheiro I/Laranjeiras/Cáceres-MT. Como parte da programação

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Nº 60/2013 novembro Informativo digital sobre temas da cadeia produtiva da soja Produtor rural muda conceito de trabalho na fazenda com o Soja Plus

Leia mais

CERRADO E AQUECIMENTO GLOBAL

CERRADO E AQUECIMENTO GLOBAL CERRADO E AQUECIMENTO GLOBAL Preservar o cerrado ajuda a amenizar o efeito estufa, que causa a elevação da temperatura global Por Vitor Teodoro Pereira Savana Gramíneo-Lenhosa http://www.shopping1.radiologico.nom.br/aparaiso/vejetal.htm

Leia mais

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos - Criação e Estruturação da Moratória da Soja - Realizações da Moratória da Soja - A Prorrogação da Moratória - Ações Prioritárias Relatório Apresentado pelo

Leia mais

Terça-feira, 23.08.11

Terça-feira, 23.08.11 Terça-feira, 23.08.11 Veja os destaques de hoje: 1. Governador em exercício participa da reunião de renovação do Programa Bolsa Universitária 2. Programa Lavoura Comunitária 3. ONU lança campanha O Planeta

Leia mais

Tornando Níger verde combinando árvores e cultivos

Tornando Níger verde combinando árvores e cultivos Tornando Níger verde combinando árvores e cultivos Níger tornou-se verde de novo, após fazendeiros descobrirem o valor de deixar árvores nativas crescer e fazer seus cultivos sob estas árvores. GREEN WORLD

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo?

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo? O que é o Fundo? O Fundo Terra Verde é uma fonte de financiamento para o desenvolvimento sustentável de São Félix do Xingu (SFX), no sudeste do Pará. Ele é um mecanismo privado e tem como objetivo captar,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Edital nº 001/2015 EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Contratação de pessoa física ou jurídica para prestar serviços no contexto do Projeto Noroeste: Território Sustentável, conforme descrito abaixo. O Instituto

Leia mais

Cover Page. Imaflora Bruno Brazil de Souza bruno@imaflora.org Fone: +55 19 3429 0848 / 98324 5522

Cover Page. Imaflora Bruno Brazil de Souza bruno@imaflora.org Fone: +55 19 3429 0848 / 98324 5522 Cover Page i. Nome do projeto Carbono das Nascentes do Xingu ii. Localização do projeto Propriedades privadas da Bacia Hidrográfica do rio Xingu, no estado de Mato Grosso, Brasil. iii. Proponente do projeto

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA O QUE SÃO SERVIÇOS AMBIENTAIS? QUAL A RELAÇÃO ENTRE COBERTURA FLORESTAS,

Leia mais